INFORMAÇÃO SOBRE O ORÇAMENTO DAS EMPRESAS PÚBLICAS PARA 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMAÇÃO SOBRE O ORÇAMENTO DAS EMPRESAS PÚBLICAS PARA 2014"

Transcrição

1 INFORMAÇÃO SOBRE O ORÇAMENTO DAS EMPRESAS PÚBLICAS PARA 2014

2 1. Introdução As empresas públicas realizam a sua actividade no quadro dos objectivos sócioeconómicos e operam com o princípio de incrementar o padrão de vida da população através de acções concretas e pontuais. Do grupo das empresas públicas existem as que se mostram viáveis economicamente e as deficitárias que beneficiam de subsídio do Orçamento do Estado, pelo facto de prosseguirem objectivos sociais sem carácter lucrativo, estando contempladas as empresas do ramo de transporte rodoviário, agrícola, comunicações de radiodifusão e televisivo. 2. Execução da verba de subsídio às empresas de 2013 No OE/2013 foi fixado para a verba de Subsídio às Empresas um limite no montante global de ,8 mil MT, cuja distribuição e execução até 30 de Junho está patente no seguinte quadro: Tabela 1 - Execução da Verba de Subsídios às Empresas de 2013 Designação da Empresa Subsídio 2013 Desembolsado até 30/06/07 Saldo I - Subsídio às Empresas Rádio Moçambique (RM) Televisão de Moçambique (TVM) Transportes Públicos da Beira (TPB) Transportes Públicos de Maputo (TPB) Hidráulica de Chóckuè, EP (HICEP) Imprensa Nacional de Moçambique, E.P. (INMEP) Regadio do Baixo Limpopo (RBL) Maputo, Sul Distribuido Reserva Verba Empresas II - Subsídio aos Prêços Subsídio à Farinha de Trigo Subsídio ao Transportado Subsídio às Gasolineiras do Subsídios aos Preços Aprovado (I+II)

3 3. Proposta de Subsídio às Empresas para o ano de 2014 Para o exercício económico de 2014, prevê-se o pagamento de subsídio às empresas públicas contempladas para esse período, nomeadamente, RM, TVM, HICEP, TPB, Imprensa Nacional Moçambique (INM), Regadio do Baixo Limpopo (RBL) e Desenvolvimento de Maputo, Sul (Maputo, Sul). 4. As propostas de orçamento para 2014 das empresas públicas apresentam-se do seguinte modo: 4.1 Rádio Moçambique, E.P. A Rádio Moçambique, EP, foi criada pelo Decreto n.º 18/94, de 16 de Junho, com um capital estatutário de ,00 MT e tem como objecto a prestação de serviço público de radiodifusão sonora. Na proposta de orçamento de funcionamento apresentada para o ano 2014, a empresa prevê um défice de tesouraria de ,34 mil MT, acima do previsto para 2013, em cerca de 19,4%. O mapa comparativo do orçamento de 2013, execução do primeiro semestre e o orçamento para 2014, apresentam-se da seguinte forma: Rádio Moçambique, E.P. Exec. 1º Previsão Proposta Cump. % Semestre /2014 Receitas Despesas Remunerações aos Trabalhadores Energia Comunicações Outras Despesas Resultados de Tesouraria Subsídio Aprovado em Subsídio Proposto Para Saldo 0.00 Como se pode observar do mapa acima, as receitas realizadas no primeiro semestre de 2012, representam um cumprimento em cerca de 44.8%, relativamente ao nível de receitas planificado para o ano de Durante o semestre as receitas totais suportaram as despesas totais em apenas 52,4%. As despesas realizadas no primeiro semestre de 2013 representam um cumprimento na ordem de 39,6% em relação ao total de despesas previstas para o ano. Do escalonamento 3

4 das despesas, as rubricas de remunerações aos trabalhadores e outras despesas, apresentam maior peso relativo de 63,3% e 31,1%, respectivamente. De referir que a rubrica de outras despesas inclui despesas com fornecimentos e serviços de terceiros, encargos financeiros, impostos e taxas, ajudas de custos, rendas e alugueres, seguros e aquisição de viaturas. Para o ano de 2014 a RM prevê realizar investimentos avaliados em ,00 mil MT com recurso aos fundos próprios e do OE, conforme a seguir se indica: Tabela 3 - Rádio Moçambique, E.P. - Despesas de Investimento R. do Estasdo F.Próprios Construções Montagens Informatização Equipamento Mobiliário Grandes Reparações Televisão de Moçambique, E.P. A empresa TVM, EP, foi criada pelo Decreto n.º 19/94, de 16 de Junho, com um capital estatutário de ,00 MT e presta serviço público de radiodifusão televisiva. A proposta de orçamento para o exercício económico de 2014 e a execução de receitas e despesas relativas ao primeiro semestre de 2013 apresentam-se conforme se ilustra no mapa abaixo: Tabela 4 - Televisão de Moçambique, E.P. - Despesas de Funcionamento Exec. 1º Previsão Cump. % Semestre 2013 Proposta /2014 Receitas Despesas Remunerações aos Trabalhadores Fornecimento e Serviços de Terceiros Outros Custos Resultados de Tesouraria Subsídio Aprovado em Subsídio Proposto Para Saldo

5 Do mapa depreende-se que as receitas arrecadadas no primeiro semestre de 2013, suportaram apenas em 32,47% as despesas totais incorridas no mesmo período. Do total das despesas, destacam-se as rubricas de remunerações aos trabalhadores e fornecimentos e serviços de terceiros com maior peso relativo de 66,94% e 41,62%, respectivamente. Na proposta de orçamento para o ano 2014 a empresa prevê um resultado negativo de tesouraria de ,25 mil MT, valor igual ao previsto para o ano de As receitas estimadas cobrirão em apenas 44,13% o total das despesas. Para 2014 a empresa prevê iniciar com as obras de construção do novo edifício do Centro de Televisão Central, digitalização da mediateca e aquisição de equipamento, cujos investimentos estão avaliados em ,0 mil MT, conforme a seguir se indica: Tabela 5 - Telivisão de Moçambique, E.P. - Despesas de Investimento R. do Estasdo F.Próprios Construções Estúdio Móvel com 12 câmaras HD Digitalização da Mediateca Transportes Públicos da Beira E.P. A empresa TPB, E.P. foi criada pelo Decreto n.º 34/2002, de 5 de Dezembro, com um capital estatutário de ,0 MT e tem por objecto, o transporte público de passageiros. A execução do 1º semestre de 2013 e a proposta de orçamento para o ano de 2014, apresentam-se conforme a seguir se indica: 5

6 Tabela 6 - Transportes Públicos da Beira, E.P. - Despesas de Funcionamento de 2014 Exec. 1º Previsão Cump. % Semestre 2013 Proposta /2014 Receitas Despesas Meios Circulantes Materiais Remunerações aos Trabalhadores Fornecimento e Serviços de Terceiros Outros Custos Resultados de Tesouraria Subsídio Aprovado em Subsídio Proposto Para Saldo Do mapa supra, constata-se que o volume de receitas arrecadado no primeiro semestre de 2012 correspondeu a um cumprimento em cerca de 15,23% relativamente às receitas totais previstas para o ano de Quanto as despesas representam um cumprimento em cerca de 19,54% do planificado para 2013 e destacam-se as componentes de remunerações aos trabalhadores e meios circulantes materiais com maiores índices de utilização de recursos financeiros, sendo de 47,41% e 36,97%, respectivamente. Na proposta de orçamento de funcionamento para o ano 2014, a empresa espera arrecadar um volume de receitas que cobrirá o total de despesas em apenas 54,07% estando previsto um resultado de tesouraria negativo de ,9 mil MT. Para o ano de 2014 a empresa prevê realizar, com recurso a fundos próprios, investimentos avaliados em ,39 mil MT, conforme segue: Tabela 7 - Transportes Públicos da Beira, E.P. - Despesas de Investimento R. do Estasdo F.Próprios Revisão de Autocarros Aquisição de Mat. Para Posto de Saúde Aquisição de 20 Autocarros Aquisição de Viaturas Via Leasing Aquisição de Equipamento Informático e Mobiliário Implantação da Rede de Comunicação Montagem de Central Telefónica Outros

7 4.4 Imprensa Nacional de Moçambique, E.P. A Imprensa Nacional de Moçambique, EP, foi criada pelo Decreto nº 84/09, de 29 de Dezembro, com um capital estatutário de ,0 mil MT e tem por objecto principal a edição do Boletim da República e separatas de legislação, impressão de trabalhos gráficos em regime de exploração industrial. A execução do primeiro semestre de 2013 e a proposta de orçamento para o ano de 2014 apresentam-se conforme se segue: Tabela 8 - Imprensa Nacional de Moçambique, E.P. - Despesas de Funcionamento de 2014 Exec. 1º Previsão Cump. % Semestre 2013 Proposta /2014 Receitas Despesas Meios Circulantes Materiais Remunerações aos Trabalhadores Fornecimento e Serviços de Terceiros Outras Resultados de Tesouraria Subsídio Aprovado em Subsídio Proposto Para 2014 Saldo Do mapa acima, constata-se que durante o primeiro semestre do ano de 2013 a empresa conseguiu arrecadar receitas que suportaram as despesas na totalidade. Do escalonamento das despesas, destaca-se a componente das remunerações com maior peso relativo de 73% do total. Para o exercício económico de 2014, a empresa prevê arrecadar receitas suficientes para fazer face às suas despesas totais. Em relação aos investimentos, prevê-se que sejam de ,0 mil MT e estima-se que cerca de 96,21% sejam financiados com recurso aos fundos do Orçamento do Estado e 3,79% através dos fundos próprios, cuja distribuição do valor apresenta-se conforme segue: Tabela 9 - Imprensa Nacional de Moçambiquie, E.P. - Despesas de Investimento R. do Estasdo F.Próprios Reabilitação do Edifício Sede Aquisição de Equipamento Gráfico Aquisição de Viaturas Equipamento Informático, Administrativo e Informatização

8 4.5 Hidráulica de Chókwè, E.P. A empresa Hidráulica de Chókwè E.P. foi criada pelo Decreto n.º 3/97, de 4 de Março, e tem por objecto principal a gestão de água, das infraestruturas hidráulicas e a organização dos utentes na administração, operação e manutenção dessas infraestruturas em todo o perímetro irrigado de Chókwè. O capital estatutário é de ,0 mil MT. O total de receitas arrecadadas no primeiro semestre de 2013 corresponde a um cumprimento de 28,69% em relação ao previsto para o mesmo ano. As receitas totais suportaram as despesas do período em apenas 17,55%. No que concerne às despesas totais no valor de ,06 mil MT representam um nível de cumprimento de 26,86% do previsto para o ano de Para o ano de 2014, a HICEP prevê um resultado de tesouraria negativo de ,70 mil MT e uma redução do total das receitas em cerca de 24,85% relativamente ao previsto no ano de As despesas previstas serão cobertas em apenas 12,38% pelo total de receitas previstas, cujo desenvolvimento do orçamento previsional apresenta-se de acordo com o seguinte mapa: Tabela 10 - Hidráulica de Chóckuè, E.P. - Despesas de Funcionamento de 2014 Exec. 1º Previsão Cump. % Semestre 2013 Proposta /2014 Receitas Despesas Remunerações aos Trabalhadores Fornecimento e Serviços de Terceiros Outras Resultados de Tesouraria Subsídio Aprovado em Subsídio Proposto Para Saldo 0.00 A empresa espera realizar investimentos calculados em cerca de ,5 mil MT, com recurso aos fundos próprios, fundos do Orçamento do Estado e do BID e prevê-se que sejam aplicados nos projectos abaixo discriminados: 8

9 Tabela 11 - Hidráulica do Chóchuè, E.P. - Despesas de Investimento OE e BID F.Próprios Projecto de Área de Serviços Projecto de Reabilitação do Regadio Equipamento de Escritório Equipamento de Transporte Equipamento de Manutenção Campanha Agrícola Associações de Regentes Electricidade de Moçambique, E.P. A empresa EDM, EP, foi criada pelo Decreto n.º 28/95, de 17 de Julho, com um capital estatutário de ,000,0 MT. Por escritura de 19 de Junho de 2007, a EDM procedeu ao aumento de capital social para ,9 mil MT, por conversão de créditos, autorizado por despacho de 19 de Abril de 2007, de Sua Ex.cia o Ministro das Finanças. De acordo com os dados apresentados, a proposta de orçamento para o ano 2013 apresenta-se conforme se segue: Tabela 12 -Electricidade de Moçambique, E.P. - Despesas de Funcionamento de 2014 Exec. 1º Previsão 2013 Cump. % Proposta 2014 Semestre 2013/2014 Receitas Despesas Meios Circulantes Materiais Remunerações aos Trabalhadores Fornecimento e Serviços de Terceiros Amortizações Outros Custos Resultados de Explorção Do mapa acima, verifica-se que durante o primeiro semestre de 2013 as receitas totais suportaram as despesas totais em 94,42% e corresponderam a um cumprimento de 42,46% relativamente ao planificado para o ano de No que concerne as despesas totais do primeiro semestre, representaram um cumprimento de 45,11% do total previsto para o ano de 2013, sendo a rubrica de despesas 9

10 com os meios materiais consumidos a mais significativa com um peso relativo de cerca de 39,29%. Para o ano 2014, espera-se obter um resultado de tesouraria positivo de ,57 mil MT, representando um aumento de cerca de 1.58,52% comparativamente ao estimado em Para o mesmo período, prevê-se a realização de investimentos de electrificação calculados em 6.489,43 mil MT, com recurso a fundos externos. 4.7 Empresa Moçambicana de Dragagens, E.P. A empresa Moçambicana de Dragagens, E.P. foi criada pelo Decreto n.º 38/94, de 13 de Setembro, com um capital estatutário de ,0 MT e tem por objecto a dragagem de manutenção e de construção, obras de hidráulicas marítimas, extracção e repulsão de areia para fins industriais. De acordo com a informação facultada a proposta de orçamento para 2014, apresenta-se conforme se ilustra no mapa abaixo: Tabela 13 -Empresa Moçambicana de Dragagens, E.P. - Despesas de Funcionamento de 2014 Exec. 1º Previsão 2013 Cump. % Proposta 2014 Semestre 2013/201 Receitas Despesas Remunerações aos Trabalhadores Fornecimento e Serviços de Terceiros Outras Resultados de Explorção Dos dados acima, verifica-se que o total de receitas arrecadadas no primeiro semestre de 2013 correspondeu a um cumprimento de 37,12% em relação ao previsto para o ano e cobriu as despesas do mesmo período, na totalidade. O total de despesas incorridas no primeiro semestre, no valor de ,31 mil MT representa um nível de cumprimento de cerca de 28% do previsto para o ano e do seu escalonamento destaca-se a componente de outras despesas, com maior peso percentual de 49,39% e inclui depreciações do exercício, seguida de fornecimentos e serviços de terceiros com um peso relativo de 29,38%. Para o exercício económico de 2014 a empresa prevê obter um resultado de tesouraria positivo de ,00 mil MT e espera realizar investimentos calculados em cerca de 1.000,0 mil EURO, com recurso aos fundos provenientes da DANIDA, para fazer face aos seguintes projectos: 10

11 Tabela 14 - Empresa Moçambicana de Dragagens, E.P. - Despesas de Investimento Unid: 10^3 EURO DANIDA F.Próprios Assistência técnica visando assegurar a efeciência global, o controlo de qualidade com certificação internacional e consolidar o desenvolvimento institucional da Organização Aeroportos de Moçambique, E.P. A empresa ADM, EP, foi criada pelo Decreto n.º 3/98, de 10 de Fevereiro, com um capital estatutário de ,9 MT e tem por objecto principal, em regime de exclusivo, estabelecer e explorar o serviço público de apoio à navegação aérea, dirigir, e controlar o tráfego aéreo observando as normas e padrões internacionais sobre esta matéria. A execução do orçamento no primeiro semestre de 2013 e orçamento previsional para 2013 apresentam-se de acordo com o seguinte mapa: Tabela 15 - Aeroportos de Moçambique, E.P. - Despesas de Funcionamento de 2014 Exec. 1º Previsão 2013 Cump. % Proposta 2014 Semestre 2013/201 Receitas Despesas Remunerações aos Trabalhadores Fornecimento e Serviços de Terceiros Amortizações Encargos Financeiros Outras Despesas Resultados de Explorção Dos dados acima, verifica-se que as receitas totais arrecadadas no primeiro semestre de 2013 corresponderam a um cumprimento de 44,67% em relação ao previsto para o mesmo ano e suportaram as despesas incorridas na totalidade. Para o ano de 2014 prevê-se que as receitas totais cresçam em 18,44% e em contrapartida as despesas em 47,68% comparativamente ao previsto no ano precedente. 11

12 Em termos de investimentos para 2014 a empresa prevê ampliar e modernizar as infraestruturas aeroportuárias com recurso a fundos próprios e alheios, calculados em mil MT, conforme a seguir se indica: Tabela 16 -Aeroportos de Moçambiquie, E.P. - Despesas de Investimento R. do Estasdo F.Outros Pista Maputo (Empreitada) Pista Maputo (Projecto/Fiscalização) Pista Maputo (IVA) Fiscalização Maputo (IVA) Construção do Aeroporto de Nacala (Empreitada) Construção do Aeroporto de Nacala (Fiscalização) Acertos Finais Para Abertura e Operacionalização Nacala Construção da Torre de Controlo de Vilankulo (Empreitada) Construção da Torre de Controlo de Vilankulo (Fiscalização) Sistema de Vigilância Automática do Espaço Aéreo Nacional Concessão dos Aeroportos de Pemba, Inhambane e Ponta d'ouro Empresa Nacional de Hidrocarbonetos, E.P. A empresa de Hidrocarbonetos E.P. foi criada pelo Decreto n.º 39/97, de 12 de Novembro, com um capital estatutário de MT e tem por objecto principal a actividade petrolífera, nomeadamente a prospecção, pesquisa, desenvolvimento, produção, transporte, transmissão e comercialização de hidrocarbonetos e seus derivados, incluindo a importação, recepção, armazenamento, manuseamento, bancas, trânsito, exportação, transformação e refinação desses produtos. Para o ano de 2014 a ENH, espera obter um resultado de tesouraria de ,13 mil MT, cujo orçamento previsional e a execução relativa ao primeiro semestre de 2013, apresentam-se de acordo com o seguinte mapa: 12

13 Tabela 17 - Empresa Nacional de Hidrocarbonetos, E.P. - Despesas de Funcionamento de 2014 Exec. 1º Previsão 2013 Cump. % Proposta 2014 Semestre 2013/201 Receitas Despesas Remunerações aos Trabalhadores Fornecimento e Serviços de Terceiros Outras Despesas Resultados de Explorção Do mapa supra, constata-se que as receitas conseguidas no primeiro semestre representam um cumprimento de cerca de 32,08% do planificado para o ano de 2013 e suportaram as despesas totais em apenas 33%. Do escalonamento das despesas verificase que as remunerações aos trabalhadores são as mais representativas, com cerca de 60%. Para o exercício económico de 2014 estima-se que as receitas irão suportar as despesas do período na totalidade. A empresa prevê realizar investimentos calculados em cerca de ,00 mil MT, com recurso aos fundos próprios e do Orçamento do Estado, conforme a seguir se indica: Tabela 18 -Empresa Nacional de Hidrocarbonetos, E.P. - Despesas de Investimento OE F.Próprios Construção Montagem Informatização Equipamentoi Mobiliário Grandes Reparações Correios de Moçambique, E.P. A empresa Correios de Moçambique, E.P. foi criada pelo Decreto n.º 24/92, de 10 de Setembro, com um capital estatutário de ,1 MT A CdM tem como objecto principal o planeamento, estabelecimento e exploração do serviço público nacional e internacional de correios, também conhecido por serviço postal. 13

14 De acordo com os dados apresentados, a execução do primeiro semestre de 2013 e a proposta de orçamento para o ano 2014 apresentam-se conforme se segue: Tabela 19 - Correios de Moçambique, E.P. - Despesas de Funcionamento de 2014 Exec. 1º Previsão 2013 Cump.% Proposta 2014 Semestre 2013/201 Receitas Despesas Remunerações aos Trabalhadores Fornecimento e Serviços de Terceiros Outras Despesas Resultados de Tesouraria Como se pode observar do mapa acima, durante o primeiro semestre de 2013, o total de receitas arrecadadas cobriu as despesas na totalidade e correspondeu a um cumprimento de 38,6% em relação ao planificado para o ano. No que concerne as despesas totais do primeiro semestre, representam um cumprimento de 37,9% do planificado para o ano de 2013, sendo a rubrica de remunerações aos trabalhadores a mais significativa com um peso relativo de 77,48%. Para o ano 2014, espera-se obter um resultado positivo de 6.632,52 mil MT. As receitas totais previstas representarão um crescimento de 33,7% relativamente a previsão de Em relação as despesas totais orçadas em ,70 mil MT representam um decréscimo de 10,8% em relação ao exercício anterior. Para o ano de 2014 estima-se um volume de investimentos na ordem de ,0 mil MT, que será financiado através de parcerias e de fundos próprios, cujos projectos a realizar a seguir se indicam: 14

15 Tabela 20 -Correios de Moçambiquie, E.P. - Despesas de Investimento OE F.Outros Caixa Geral de Poupanças e Crédito Introdução do Sist. Electrónico de Transferência de es Criação de Empresa Logística Criação do Banco Postal Modernização da Gestão de Caixas Postais Informatização dos Códicos Postais Aquisição de Câmaras de Segurança Implementação do Sistema de Rastreamento de Objectos Implementação do Projecto de Gestão Documental Projecto de Imobiliária Desenvolvimento de Recursos Humanos Automização do Serviço de Distribuição Domiciliária Saneamento Financeiro Empresa de Desenvolvimento de Maputo, Sul, E.P. A Maputo, Sul, E.P, foi criada pelo Decreto nº 31/10, de 23 de Agosto, com um capital estatutário de ,0 mil MT e tem por objecto a promoção de construção e gestão da Ka Tembe e das Estradas Maputo à Ponta do Ouro e de Boane à Bela -Vista, bem como de acções que visem a viabilização dos referidos empreendimentos. A execução do primeiro semestre de 2013 e a proposta do orçamento para 2014 apresentam-se de acordo com a seguinte tabela: Tabela 21 - Empresa de Desenvolvimento de Maputo, Sul, E.P. - Despesas de Funcionamento de 2013 Exec. 1º Previsão 2013 Cump. % Proposta 2014 Semestre 2013/201 Receitas Despesas Remunerações aos Trabalhadores Fornecimento e Serviços de Terceiros Outras Resultados de Tesouraria Subsídio Aprovado em Subsídio Proposto Para 2014 Saldo

16 A empresa ainda não dispõe de receitas próprias resultantes da sua actividade, por se encontrar em fase inicial de investimentos, tendo suportado as despesas incorridas durante o primeiro semestre de 2013, com recurso ao valor de subsídio disponibilizado no período. Da estrutura de despesas, verifica-se que a rubrica de remunerações aos trabalhadores possui maior peso percentual de 92,92%. Para o exercício de 2014 prevê-se o agravamento do total das despesas em 128,58% relativamente ao previsto para A empresa espera realizar um volume de investimentos calculados em cerca de ,52 mil MT, a ser financiado com recurso ao Orçamento do Estado, Ex-Im Bank e outras fontes externas, cujos projectos se ilustram no mapa que se segue: Tabela 22 - Empresa de Desenvolvimento de Maputo, Sul, E.P. - Despesas de Investimento OE F.Outros Bens e Serviços Monitoria dorepresentante do Dono da Obra Consultores e Serviços Externos Reassentamento e Expropriação (Rodoviário) Reassentamento e Expropriação (Ka Tembe) Infra-Estruturas (Ka Tembe) Construção da Sede e Apetrechamento Obras (Ponte Maputo - Ka Tembe e Estradas) Marketing e Promoção (Ka Tembe) Juros de Empréstimos Comerciais Empresa de Regadio do Baixo Limpopo, E.P. A empresa RBL, EP, foi criada pelo Decreto n.º 5/10, de 23 de Março, com um capital estatutário de ,00 MT e tem por objecto principal a gestão da terra e das infraestruturas hidráulicas e a organização dos utentes na administração, operação e manutenção destas infra-estruturas em todo o perímetro irrigado do Baixo Limpopo. A execução do primeiro semestre de 2013 e a proposta de orçamento para o ano de 2014, apresentam-se, conforme a seguir se indica: 16

17 Tabela 23 - Empresa de Regadio do Baixo Limpopo, E.P. - Despesas de Funcionamento de 2013 Exec. 1º Previsão 2013 Cump. % Proposta 2014 Semestre 2013/201 Receitas Despesas Remunerações aos Trabalhadores Fornecimento e Serviços de Terceiros Outras Resultados de Tesouraria Subsídio Aprovado em Subsídio Proposto Para Saldo Dos dados constantes do mapa acima, constata-se que as receitas arrecadadas no 1º semestre de 2013 corresponderam a um cumprimento de 6,49% em relação a previsão do ano. No que concerne as despesas incorridas durante o primeiro semestre representam um nível de cumprimento de 36,33% dos custos totais previstos para o ano de 2013 Para o ano de 2014 a empresa espera arrecadar receitas que suportarão as despesas em apenas 6%, situação que resultará na obtenção de um défice de tesouraria. Em termos de investimentos para 2014, com recurso aos fundos próprios, aos do Orçamento do Estado e do BAD. A empresa prevê desenvolver projectos calculados no montante de ,30 mil MT, conforme a seguir se indica: Tabela 24 - Empresa de Regadio do Baixo Limpopo, E.P. - Despesas de Investimento OE F.Outros Construções e Obras Equipamento Para Manutenção do Regadio Equip. Para Levantamento Topográfico e Cadestramento Equipamento de Manutenção de Maquinaria Equipamento de Transporte Equipamento de Escritórioo Fundo de Crédito Agrícola Projecto de Resolância Climática

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2012 JANEIRO A JUNHO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 1 ANÁLISE DO BALANÇO O Balanço e o Sistema Contabilístico adequam-se ao previsto no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), espelhando a situação

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 2015. (Versão Preliminar)

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 2015. (Versão Preliminar) REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 2015 (Versão Preliminar) Maio de 2015 1 Orçamento Cidadão 2015 Visão: Assegurar a participação

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2013 JANEIRO A JUNHO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA

ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA 1 - Nota introdutória As contas de 2008 do Conselho Distrital de Faro da Ordem dos Advogados, integram, como habitualmente, o Conselho Distrital de Deontologia e as 9 Delegações

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

Freguesia de Arcozelo RELATÓRIO DE GESTÃO

Freguesia de Arcozelo RELATÓRIO DE GESTÃO RELATÓRIO DE GESTÃO I Introdução 1.1 Nota Prévia Conforme se encontra preceituado no POCAL, apresenta-se o relatório de Gestão relativo ao ano de 2009 para que, dentro dos prazos previstos na Lei nº 98/97,

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal nas áreas da cultura, da acção social, das actividades

Leia mais

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE GOVERNO Orçamento Cidadão 2015 Os recursos públicos do Estado são recursos públicos do povo e para o povo, condição que dá ao cidadão o direito de saber como

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS DA GERÊNCIA 2010

RELATÓRIO DE CONTAS DA GERÊNCIA 2010 RELATÓRIO DE CONTAS DA GERÊNCIA 2010 Introdução A Conta de Gerência (CG) da ESEQ, relativa ao ano 2010 está de acordo com a lei e os regulamentos em vigor, pelo que foi aprovada pelo Conselho Administrativo

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 2/13 de 7 de Março

REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 2/13 de 7 de Março REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 2/13 de 7 de Março O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de

Leia mais

Relatório Tipo Dezembro de 20XX

Relatório Tipo Dezembro de 20XX Relatório Tipo Dezembro de 20XX Alvim & Rocha Consultoria de Gestão, Lda. Tel.: 22 831 70 05; Fax: 22 833 12 34 Rua do Monte dos Burgos, 848 Email: mail@alvimrocha.com 4250-313 Porto www.alvimrocha.com

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º Operações imobiliárias - Aplicação do modelo contratual de "Office Centre" Processo: nº 3778, despacho do SDG dos Impostos,

Leia mais

Consolidação de Contas Município do Barreiro / Serviços Municipalizados de Transportes Colectivos do Barreiro

Consolidação de Contas Município do Barreiro / Serviços Municipalizados de Transportes Colectivos do Barreiro Consolidação de s Município do Barreiro / Serviços Municipalizados de Transportes Colectivos do Barreiro 1 - Introdução De acordo com o n.º 1, do art.º 46º da Lei n.º 2 / 2007 de 15 de Janeiro Lei das

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

PREÂMBULO. Artigo 1.º Competências para o tratamento da rede de efluentes

PREÂMBULO. Artigo 1.º Competências para o tratamento da rede de efluentes PREÂMBULO O sistema de tratamento de efluentes domésticos, comerciais e industriais a jusante do sistema de captação tratamento e armazenamento de água potável, tem vindo a ser implementado de acordo com

Leia mais

Tendo em vista: Que as Partes desejam criar uma nova estrutura de cooperação, mais ampla, em benefício dos Países Beneficiários;

Tendo em vista: Que as Partes desejam criar uma nova estrutura de cooperação, mais ampla, em benefício dos Países Beneficiários; Decreto n.º 13/99 Convénio entre o Governo de Portugal e o Banco Interamericano de Desenvolvimento com o Propósito de Estabelecer Um Fundo Português de Cooperação Técnica, assinado em Washington, em 5

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 5ᵃ Edição ORÇAMENTO CIDADÃO 2016 Visão: Assegurar a participação do Cidadão em

Leia mais

Assembleia Popular Nacional

Assembleia Popular Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Popular Nacional Lei 2-81 Aprova e põe em vigor o OGE para o ano económico de 1981 A Assembleia Popular Nacional, no uso da competência que lhe é

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães Freguesia de Tabuadelo e São Faustino Concelho de Guimarães Relatório de Gerência de Contas e Relatório de Actividades Ano de 2013 Índice: Introdução:... 3 Analise Económica e Financeira... 5 Execução

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 014/2003

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 014/2003 DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 014/2003 REESTRUTURA OS FUNDOS ESCOLARES DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO E EXTINGUE O FUNDO REGIONAL DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR Criado pelo Decreto Regulamentar Regional n.º

Leia mais

Valores estimados PAF. Justificação em PAF (acumulado) 2011 2012 total 2013 2014

Valores estimados PAF. Justificação em PAF (acumulado) 2011 2012 total 2013 2014 QUADRO I: SÍNTESE DA SITUAÇÃO FINANCEIRA ATUAL E PREVISÕES DE EVOLUÇÃO Município: Miranda do Douro 31-12-214 estimados estimados / Apurados / Apurados 213 212 (acumulado) 211 212 total 213 214 Apurados

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 231 29 de novembro de 2012 6815

Diário da República, 1.ª série N.º 231 29 de novembro de 2012 6815 Diário da República, 1.ª série N.º 231 29 de novembro de 2012 6815 Artigo 7.º São revogadas as Portarias n. os 513/2007, 518/2007, 556/2007 e 561/2007, todas de 30 de abril. Artigo 8.º O Ministro de Estado

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Cashflows 2008 2007 Variação Var. %

GESTÃO FINANCEIRA. Cashflows 2008 2007 Variação Var. % 7 GESTÃO FINANCEIRA 7.1 Introdução No exercício de 2008 foram atingidos os dois mil milhões de euros de Capital Próprio negativo, reflectindo um aumento de quase 11% em relação ao ano anterior, deixando

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

Consulta pública. Sistema de Cobertura do Risco de Fenómenos Sísmicos

Consulta pública. Sistema de Cobertura do Risco de Fenómenos Sísmicos MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Consulta pública Sistema de Cobertura do Risco de Fenómenos Sísmicos - Fundo Sísmico - Fundo de Solidariedade Outubro de 2010 1 ÍNDICE 1. Enquadramento

Leia mais

Índice. 02 Relatório de Gestão. 02 Considerações Gerais. 03 Situação Económico-Financeira. 09 Demonstrações Financeiras.

Índice. 02 Relatório de Gestão. 02 Considerações Gerais. 03 Situação Económico-Financeira. 09 Demonstrações Financeiras. 1º Semestre de Relatório e Contas 2008 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 12 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Objetivos Contribuir para o incremento de uma nova cultura empresarial, baseada no conhecimento e na inovação, introduzindo uma cultura de risco e vontade empreendedora, através do estímulo ao aparecimento

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1047/2012 O Prefeito do Município de Pinhalão,. SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013 e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu,

Leia mais

8.2.1 Disposições do Plano Oficial de Contabilidade (POCAL) e Derrogações

8.2.1 Disposições do Plano Oficial de Contabilidade (POCAL) e Derrogações NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Introdução: As notas que a seguir se apresentam visam facultar aos órgãos autárquicos a informação necessária ao exercício das suas competências, permitindo

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal concretizado, designadamente através de políticas de desenvolvimento cultural,

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Orçamento anual: instrumento de planeamento a curto prazo que permitirá à empresa quantificar os seus objectivos em termos

Leia mais

Fundo de Apoio às Microempresas no Concelho Montemor-o-Novo NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º.

Fundo de Apoio às Microempresas no Concelho Montemor-o-Novo NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Fundo de Apoio às Microempresas no Concelho Montemor-o-Novo NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se pôr à disposição das microempresas do Concelho

Leia mais

Na sequência dos compromissos

Na sequência dos compromissos Regime especial de exigibilidade do IVA dos serviços de transporte rodoviário nacional de mercadorias P o r R u i R i b e i r o G r i l o Foi publicada no «Diário da República», em 1 de último, a Lei 15/2009,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei n.º /2013. de Dezembro

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei n.º /2013. de Dezembro REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Lei n.º /2013 de de Dezembro O Orçamento do Estado para 2013 materializa a política financeira do Governo, em conformidade com os objectivos do Plano Económico e Social (PES) 2013.

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO EXERCÍCIO DO ANO 2011 INTRODUÇÃO A crescente utilização pelos municípios de formas organizacionais de diversa natureza (nomeadamente empresarial),

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 PREÂMBULO Compete ao município promover acções de interesse municipal, de âmbito cultural, social, recreativo e outros, e exercer um papel dinamizador junto

Leia mais

Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária

Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária PLANOS PRESTACIONAIS - DEC-LEI Nº 124/96 REDUÇÃO DA TAXA DE JUROS DE MORA VINCENDOS CONSTITUIÇÃO DE GARANTIAS - DEC-LEI

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 31 de dezembro de

Leia mais

8.1 - Datas associadas à execução física 8.2 - Datas associadas à execução financeira INVESTIMENTO TOTAL 0,00

8.1 - Datas associadas à execução física 8.2 - Datas associadas à execução financeira INVESTIMENTO TOTAL 0,00 5 - LOCALIZAÇÃO DO PROJECTO Ilha Concelho i) % Concelho % Concelho % i) Sempre que o Projecto abranja mais do que um Concelho, indicar qual o respectivo benefício (%). 6 - CARACTERIZAÇÃO DO PROJECTO (Descrição

Leia mais

2.3.12 Relatório de Gestão

2.3.12 Relatório de Gestão 2.3.12 Relatório de Gestão 2.3.12.1 Introdução O Exercício Económico de 2006 caracteriza-se por um ano de contenção. Apesar disso efectuouse um investimento no valor de 602 319,28. Apesar de continuar

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Relatório de Gestão AS ALTA VISTA - Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundo de Investimento Imobiliário Fechado ES ALTA VISTA (CMVM nº 912) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL Junho 2013 PREÂMBULO Considerando o quadro legal de atribuições

Leia mais

MPS PERIODO : JANEIRO A OUTUBRO - 2015/10/31 2015/11/16 2015 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO

MPS PERIODO : JANEIRO A OUTUBRO - 2015/10/31 2015/11/16 2015 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO MPS PERIODO : JANEIRO A OUTUBRO - 2015/10/31 2015/11/16 2015 1 010101 TITULARES DE ÓRGÃOS DE SOBERANIA E 94.610,00 94.610,00 94.610,00 70.063,47 70.063,47 94.610,00 94.610,00 70.063,47 70.063,47 24.546,53

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ CAPÍTULO I Disposições Comuns Artigo 1.º Lei Habilitante O presente

Leia mais

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2014 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Relatório de Gestão Enquadramento

Leia mais

8.2 - Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados. Ponto - 8.2.1 Princípios Contabilísticos. Ponto - 8.2.2 Comparabilidade das Contas

8.2 - Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados. Ponto - 8.2.1 Princípios Contabilísticos. Ponto - 8.2.2 Comparabilidade das Contas 8.2 - Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Nota Introdutória No âmbito dos anexos às demonstrações financeiras e em conformidade com o ponto 8.2 do Decreto-lei nº 54-A/99 de 22 de Fevereiro,

Leia mais

EDIA Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva, S.A.

EDIA Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva, S.A. A Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2008, de 22 de fevereiro aprova o Programa Pagar a Tempo e Horas que visa reduzir os prazos médios de pagamento praticados por entidades públicas a fornecedores

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 1436 Diário da República, 1.ª série N.º 48 7 de Março de 2008 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 38/2008 de 7 de Março A aprovação da Lei das Finanças Locais, Lei n.º 2/2007, de 15 de

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E DE 2000

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E DE 2000 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E DE 2000 (Em milhares de reais exceto quando indicado) 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA é

Leia mais

EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NOTA TÉCNICA

EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NOTA TÉCNICA EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NOTA TÉCNICA NATUREZA E LIMITES MÁXIMOS DOS CUSTOS ELEGÍVEIS (Decreto - Regulamentar 84-A/2007, Despachos Conjuntos das Secretarias Regionais da Educação

Leia mais

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social ANEXO para as Contas do Ano 2014 1/ IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 / Designação da entidade: OASIS Organização de Apoio e Solidariedade para

Leia mais

Technical assistance to conduct studies and works of the restructuration of Electra. Modelo de negócio proposto

Technical assistance to conduct studies and works of the restructuration of Electra. Modelo de negócio proposto www.pwc.com Technical assistance to conduct studies and works of the restructuration of Electra Ministério do Turismo, Indústria e Energia de Cabo Verde Unidade de Gestão de Projectos Especiais Modelo

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA COMITÉ ORGANIZADOR DO CAMPEONATO AFRICANO SÉNIOR MASCULINO AFROBASKET/2007 REGULAMENTO CAPITULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS)

REPÚBLICA DE ANGOLA COMITÉ ORGANIZADOR DO CAMPEONATO AFRICANO SÉNIOR MASCULINO AFROBASKET/2007 REGULAMENTO CAPITULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) REPÚBLICA DE ANGOLA COMITÉ ORGANIZADOR DO CAMPEONATO AFRICANO SÉNIOR MASCULINO AFROBASKET/2007 REGULAMENTO CAPITULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) ARTIGO 1º DENOMINAÇÃO O Comité Organizador do Campeonato Africano

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DA REABILITAÇÃO URBANA. Decreto-Lei n.º 309/2007, de 23 de Outubro Workshop IHRU 12 Abril 2010

NOVO REGIME JURÍDICO DA REABILITAÇÃO URBANA. Decreto-Lei n.º 309/2007, de 23 de Outubro Workshop IHRU 12 Abril 2010 NOVO REGIME JURÍDICO DA REABILITAÇÃO URBANA Decreto-Lei n.º 309/2007, de 23 de Outubro Workshop IHRU 12 Abril 2010 DOIS CONCEITOS FUNDAMENTAIS «área de reabilitação urbana» - cuja delimitação pelo município

Leia mais

AEROPORTOS DE MOÇAMBIQUE, E.P

AEROPORTOS DE MOÇAMBIQUE, E.P AEROPORTOS DE MOÇAMBIQUE, E.P 1. PROGRAMA DE INVESTIMENTOS 2. AEROPORTO INTERNACIONAL DE MAPUTO Maputo, 30 Nov 2010 INTRODUÇÃO Devido a dinâmica de desenvolvimento dos últimos tempos, algumas unidades

Leia mais

AUTORIZAÇÃO Nº ICP - 008/TVC

AUTORIZAÇÃO Nº ICP - 008/TVC AUTORIZAÇÃO Nº ICP - 008/TVC Por despacho do Secretário de Estado da Habitação de 12 de Maio de 1994, proferido nos termos do nº 2 do artigo 4º do Decreto-Lei nº 292/91, de 13 de Agosto, foi autorizada

Leia mais

2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015

2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015 G R A N D E S O P Ç Õ E S D O P L A N O E O R Ç A M E N T O 2 9 2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2015 3 0 G R A N D E S O P Ç Õ E S D O P L A N O

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Município de Valpaços

Município de Valpaços Município de Valpaços Regulamento Municipal de Atribuição de Apoios às Freguesias Preâmbulo A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO JUNTA DE FREGUESIA DE RONFE - ANO ECONÓMICO DE 2006-

RELATÓRIO DE GESTÃO JUNTA DE FREGUESIA DE RONFE - ANO ECONÓMICO DE 2006- RELATÓRIO DE GESTÃO JUNTA DE FREGUESIA DE RONFE - ANO ECONÓMICO DE 2006- ANÁLISE FINAL DO EXERCÍCIO ORÇAMENTAL Ano Económico de 2006 ANÁLISE AOS MAPAS DE CONTROLO ORÇAMENTAL Controlo Orçamental Despesa

Leia mais

GRANDES OPÇÕES PLANO

GRANDES OPÇÕES PLANO MUNICÍPIO DAS VELAS GRANDES OPÇÕES DO PLANO ANO DE INTRODUÇÃO Os presentes Plano e Orçamento municipais apresentam-se condicionados por várias situações facto que o tornam totalmente subjugado à política

Leia mais

Parque de habitação social aumentou 2% entre 2009 e 2011

Parque de habitação social aumentou 2% entre 2009 e 2011 Caracterização da Habitação Social em Portugal 2011 18 de julho de 2012 Parque de habitação social aumentou 2% entre 2009 e 2011 O número de fogos de habitação social em Portugal registou um aumento de

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 O Órgão Executivo; O Órgão Deliberativo;

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 O Órgão Executivo; O Órgão Deliberativo; PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 Junto se remetem os Documentos de Prestação de Contas referentes à Gerência de 2007, organizados em conformidade com o POCAL e de acordo com a Resolução n.º 04/2001 2.ª Secção,

Leia mais

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO NO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO NO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO NO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de Azambuja de 15 de Dezembro de 2011. Publicado pelo Edital n.º 5/2012,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009 1 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009 00. Introdução a) A firma Custódio A. Rodrigues, Lda., designada também por CORPOS Corretagem Portuguesa de Seguros, pessoa colectiva

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016 Nos termos regulamentarmente previstos, designadamente no artigo 185.º do Regulamento Tarifário, o Conselho de Administração da ERSE

Leia mais

Documentos de Prestação de Contas

Documentos de Prestação de Contas Documentos de Prestação de Contas E DOCUMENTOS ANEXOS Segundo a Resolução nº04/2001-2ª Secção APROVAÇÃO Câmara Municipal - Reunião de / / Assembleia Municipal - Sessão de / / ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

Conselho Fiscal do Clube dos Galitos

Conselho Fiscal do Clube dos Galitos Conselho Fiscal do Clube dos Galitos Parecer do Conselho Fiscal sobre as Contas do Clube dos Galitos relativas ao exercício económico de 2014 1. Introdução O presente parecer do Conselho Fiscal do Clube

Leia mais

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC 1 Sumário Executivo 1 - A China em África 1.1 - Comércio China África 2 - A China em Angola 2.1 - Financiamentos 2.2 - Relações Comerciais 3 - Características

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Diário da República,.ª série N.º 252 3 de Dezembro de 9225 automaticamente transferidos para os correspondentes novos departamentos, organismos ou serviços que os substituem, ou que os passam a integrar

Leia mais

CORRENTES CAPITAL TOTAL RECEITAS 17 526 004 7 283 896 24 809 900 DESPESAS 12 372 900 12 437 000 24 809 900

CORRENTES CAPITAL TOTAL RECEITAS 17 526 004 7 283 896 24 809 900 DESPESAS 12 372 900 12 437 000 24 809 900 ANÁLISE DO ORÇAMENTO: RECEITA E DESPESA O orçamento para 2014 volta a ser mais contido que o anterior, situando-se em 24.809.900, ou seja menos 4,3% que o de 2013. Como se verá mais à frente, o plano de

Leia mais

Novo regime de acesso e exercício da actividade de prestador de serviços postais explorados em concorrência. Decreto-Lei nº 150/2001, de 7 de Maio

Novo regime de acesso e exercício da actividade de prestador de serviços postais explorados em concorrência. Decreto-Lei nº 150/2001, de 7 de Maio Novo regime de acesso e exercício da actividade de prestador de serviços postais explorados em concorrência Decreto-Lei nº 150/2001, de 7 de Maio 1. Licenças Está sujeita a licença a prestação dos seguintes

Leia mais

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Aprovado em Reunião de Câmara de 24 de Janeiro de 2001 Índice 1º. Introdução 2º. Objectivos 3º. Áreas de Acção 4º. Tipos de Apoio 5º. Metodologia da Apresentação

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO Entidade Beneficiária Principal: Acrónimo e Designação do Projecto: Referência PAD 2003-2006: Considerando que, por despacho do Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro, foi aprovada

Leia mais

O Investimento Proposto

O Investimento Proposto O Investimento Proposto 1 IDENTIFICAÇÃO DO LOCAL VISIBILIDADE DO EMPREENDIMENTO Os pontos fundamentais a serem observados para efeitos de estudos de viabilidade serão 1 - Localização; 2 - Valor básico

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Nos termos regulamentarmente previstos, o Conselho de Administração da ERSE apresenta, a 15 de outubro de cada ano, uma proposta

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os custos correntes do exercício. 70 - JUROS E CUSTOS EQUIPARADOS Encargos financeiros

Leia mais

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO 1 Formas de investimento estrangeiro Tramitação das propostas de investimento Investimento direto (%) Investimento indireto 2 REQUISITOS PARA PODER BENEFICIAR DAS GARANTIAS E INCENTIVOS

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2012 7321 pacidade de iniciativa e um espírito empreendedor e concretiza -se em: a) Promoção de concursos de ideias e projetos, para a melhoria

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ECONOMIA DIGITAL E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO - ENTRADA EM VIGOR

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE Auditório SIBS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS 27 de Outubro DIOGO XAVIER DA CUNHA ÍNDICE Enquadramento Lei n.º 15/2011 Âmbito

Leia mais

Mobilidade e Sistema Metropolitano de Transportes Direito à Mobilidade com Transportes Públicos Sustentáveis

Mobilidade e Sistema Metropolitano de Transportes Direito à Mobilidade com Transportes Públicos Sustentáveis Mobilidade e Sistema Metropolitano de Transportes Direito à Mobilidade com Transportes Públicos Sustentáveis Auditório Professor Adriano Moreira 03.03.2016 Lei 52/2015 e RJSPTP alguns aspectos jurídicos

Leia mais

ORÇAMEMENTO RETIFICATIVO N.º1/2014

ORÇAMEMENTO RETIFICATIVO N.º1/2014 Conselho de Administração ORÇAMEMENTO RETIFICATIVO N.º1/ CT/CA-026/PT ÍNDICE I. INTRODUÇÃO A. Introdução geral B. Preços C. Receitas D. Despesas II. MAPA DE RECEITAS E DESPESAS RECAPITULATIVO III. MAPA

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Página 1 de 16 Considerando a importância histórica, paisagística, turística e a localização privilegiada do perímetro demarcado do Futungo de Belas, o Conselho

Leia mais

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias;

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias; Considerando que: Se torna necessário aprovar um novo Regulamento das Taxas a aplicar pela Junta de Freguesia pela prestação de serviços administrativos, em ordem à sua harmonização com a recente produção

Leia mais

Demonstração dos Resultados

Demonstração dos Resultados Sistemas de Informação bilística e Financeira As demonstrações financeiras CET em Técnicas e Gestão em Turismo 2012/2013 ATIVO Investimentos Inventários e ativos biológicos s a receber Meios financeiros

Leia mais

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento.

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento. Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras Tipo do documento: Procedimento Número: 01 Versão: 01 Classificação do documento: Público Vigência:

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais