LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA"

Transcrição

1 LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA RESOLUÇÃO Nº 2/CONSUP/IFRO, DE 5 DE MARÇO DE Dispõe sobre o Plno Anul de Atividdes de Auditori Intern - PAINT do Instituto Federl de Educção, Ciênci e Tecnologi de Rondôni. O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA, no uso de sus tribuições legis conferids pel Lei nº , de 29/12/2008, publicd no D.O.U. de 30/12/2009 e em conformidde com o disposto no Esttuto, considerndo Instrução Normtiv d CGU nº 07, de 29/12/2006, considerndo o Processo nº / , e considerndo ind provção unânime dos Conselheiros n 6ª Reunião Ordinári do Conselho Superior do IFRO, em 05/03/2015; R E S O L V E: Art. 1º APROVAR o Plno Anul de Atividdes de Auditori Intern - PAINT do Instituto Federl de Educção, Ciênci e Tecnologi de Rondôni, que segue em nexo. Art. 2º Est Resolução entr em vigor n dt de su publicção. NATANAEL DE CARVALHO PEREIRA Presidente substituto do Conselho Superior Instituto Federl de Educção, Ciênci e Tecnologi de Rondôni. Av. 7 de setembro, nº 2090 Noss Senhor ds Grçs CEP: Porto Velho/RO E-mil: / Site: / Fone:

2 LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA P A I N T PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA ERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA AUDITORIA INTERNA ANO 2015 I F R O - I N S T I T U T O F EPlno D EAnul R Ade L Atividdes D E d RAuditori O N DIntern Ô N PAINT/2015 I A IFRO

3 2 ÉCIO NAVES DUARTE REITOR LEILIANE BORGES SARAIVA AUDITORA CHEFE EQUIPE TÉCNICA DE AUDITORIA ADRIANA GARCIA DE ARAÚJO AUDITORA

4 3 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAINT EXERCÍCIO 2015 IFRO - RONDÔNIA

5 4 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO INSTITUIÇÃO AUDITORIA INTERNA RECURSOS HUMANOS, MATERIAIS E TECNOLÓGICOS ÁREAS DE ATUAÇÃO AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTA E SEUS OBJETIVOS RESULTADOS ESPERADOS AÇÕES DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E CAPACITAÇÕES PREVISTAS PARA O FORTALECIMENTO DAS ATIVIDADES DA AUDITORIA INTERNA MÉTODO A SER APLICADO LOCAIS DE REALIZAÇÃO DOS TRABALHOS CONSIDERAÇÕES GERAIS... 35

6 5 1. INTRODUÇÃO Apresentmos o Plno Anul de Atividdes de Auditori Intern PAINT, referente o exercício de 2015, que tem por finlidde estbelecer s tividdes serem executds n Auditori Intern do Instituto Federl de Educção, Ciênci e Tecnologi de Rondôni (IFRO) progrmd pr o referido exercício. Pr o cumprimento ds mets estbelecids n execução do PAINT Plno Anul ds Atividdes d Auditori Intern, está previsto relizção de uditoris n Gestão de Recursos Humnos, Gestão Ptrimonil, Gestão de Suprimentos de Bens e Serviços, Gestão Administrtiv, Reserv Técnic pr cpcitção dos servidores d Unidde de Auditori e o monitormento ds providêncis dotds pel instituição em tendimento s recomendções e determinções d Controldori Gerl d União CGU) e do Tribunl de Conts d União (TCU) pelos gestores do Instituto Federl de Rondôni. Com finlidde de executr implementção ns ções significtivs pr instituição, o PAINT foi plnejdo, considerndo os critérios de mterilidde, criticidde e relevânci definid prtir de nálise dos próprios instrumentos internos, plnejmento orçmentário, uditoris relizds pel CGU, do TCU e Auditori Intern, ressltmos que em tendimento Not de Auditori d Controldori Gerl d União nº /01 de 11/12/2014, form tendids s recomendções ns lterções solicitds dequndo-se elborção do PAINT/2015. Considerndo o cumprimento do rtigo 2º d Instrução Normtiv nº 01/2007- CGU/SFC, o PAINT deverá ser elbordo com s seguintes informções: DO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA Art. 2º O plnejmento ds tividdes de uditori intern ds entiddes d dministrção indiret do Poder Executivo Federl será consigndo no Plno Anul de Atividdes de Auditori Intern - PAINT, que deverá bordr os seguintes itens: I - ções de uditori intern prevists e seus objetivos; e II - ções de desenvolvimento institucionl e cpcitção prevists pr o fortlecimento ds tividdes d uditori intern n entidde. 1º N descrição ds ções de uditori intern, pr cd objeto ser uditdo, serão consignds s seguintes informções: I - número sequencil d ção de uditori; II - vlição sumári qunto o risco inerente o objeto ser uditdo, e su relevânci em relção à entidde;

7 6 III - origem d demnd; IV - objetivo d uditori, contendo os resultdos esperdos, devendo-se especificr de que form s vulnerbiliddes do objeto ser uditdo poderão ser mitigds; V - escopo do trblho, explicitndo, tnto qunto possível, su representtividde em termos reltivos, e demonstrndo mplitude dos exmes serem relizdos, em relção o universo de referênci concernente o objeto ser uditdo; VI - cronogrm contendo dt estimd de início e término dos trblhos; VII - locl de relizção dos trblhos de uditori; e VIII - recursos humnos serem empregdos, com especificção d quntidde de homens-hor de uditores serem locdos em cd ção de uditori e os conhecimentos específicos que serão requeridos n relizção dos trblhos. 2º Do detlhmento ds ções de desenvolvimento institucionl e cpcitção deverão constr justifictivs pr cd ção que se pretende relizr o longo do exercício. 3º N descrição ds ções de fortlecimento d unidde de uditori intern deverão constr informções reltivs à revisão de normtivos internos, redesenho orgnizcionl, desenvolvimento ou quisição de metodologis e softwres ou outros. Os trblhos de uditori serão relizdos segundo s norms de uditori plicáveis o serviço público federl e s prátics contábeis dotds no Brsil, objetivndo emitir opinião sobre s conts ds uniddes nlisds, ssim como dignosticr e certificr gestão dos recursos locdos executd por seus gentes responsáveis. Ao longo do exercício o cronogrm de execução dos trblhos poderá sofrer lterções em função de lguns ftores externos, não progrmdos, como: treinmentos, trblhos especiis, tendimento o TCU, à CGU, às demnds oriunds do Reitor, Conselho de Dirigentes, Pró-Reitoris e Diretoris de Administrção e demis setores integrntes d Instituição. RAINT: RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA Pr elborção do Plno Anul ds Atividdes de Auditori Intern PAINT/2015 form considerdos os resultdos obtidos n execução do PAINT/2014. Considerndo o cumprimento ds mets, os recursos humnos disponíveis e demnd intern d uditori. O resultdo obtido será presentdo no Reltório Anul de Atividde de Auditori Intern RAINT/2015.

8 O RAINT é encminhdo pr o Órgão de Controle Interno té 31 de jneiro do no seguinte, uditori intern present os resultdos dos trblhos que estvm previstos no PAINT do exercício, como tmbém de ções não plnejds. Pr su confecção observ-se seguinte estrutur de informções, conforme rt. 3º d IN 1/2007-CGU/SFC: ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA. Art. 10. A presentção dos resultdos dos trblhos de uditori intern, no przo previsto no rt. 7º, será efetud por meio do Reltório Anul de Atividdes de Auditori Intern RAINT, que conterá o relto sobre s tividdes de uditori intern, em função ds ções plnejds constntes do PAINT do exercício nterior, bem como ds ções crítics ou não plnejds, ms que exigirm tução d unidde de uditori. Art. 11. O RAINT observrá seguinte estrutur de informções: I - descrição ds ções de uditori intern relizds pel entidde; II - registro qunto à implementção ou cumprimento, pel entidde, o longo do exercício, de recomendções ou determinções efetuds pelos órgãos centrl e setoriis do Sistem de Controle Interno e pelo Conselho Fiscl ou órgão equivlente d entidde; III - relto gerencil sobre gestão de áres essenciis d unidde, com bse nos trblhos relizdos; IV - ftos relevntes de nturez dministrtiv ou orgnizcionl com impcto sobre uditori intern; V - desenvolvimento institucionl e cpcitção d uditori intern. 1º A Secretri Federl de Controle Interno detlhrá o conteúdo do RAINT. 2º Por ocsião d entreg do RAINT, o órgão de controle interno sob cuj tução fiscliztóri encontr-se brngid entidde, deverá gendr, pr relizção, no przo de 30 (trint) dis, reunião n qul unidde de uditori intern frá exposição dos pontos relevntes do reltório entregue INSTITUIÇÃO O Instituto Federl de Educção, Ciênci e Tecnologi de Rondôni (IFRO) é um utrqui federl, vinculd o Ministério d Educção (MEC), resultdo d integrção d Escol Federl de Rondôni, crid pel Lei nº de 25/10/2007, e d Escol Agrotécnic Federl de Colordo do Oeste, crid pel Lei nº de 30/06/1993, instituído pel Lei Federl nº , de 29 de dezembro de 2008, lei est

9 8 responsável pel reorgnizção d rede federl de educção profissionl, científic e tecnológic, unindo s escols técnics, grotécnics e CEFETS em Institutos Federis de Educção, Ciênci e Tecnologi distribuídos em todo o território ncionl. O IFRO é detentor de utonomi dministrtiv, ptrimonil, finnceir, didático-pedgógic e disciplinr, equiprdo às Universiddes Federis. Instituição de educção superior, básic e profissionl, pluricurriculr e multicâmpus, especilizd n ofert de educção profissionl e tecnológic ns diferentes modliddes de ensino, com bse n conjugção de conhecimentos técnicos e tecnológicos com su prátic pedgógic pr os diversos setores d economi e n relizção de pesquis e desenvolvimento de novos produtos e serviços, em estreit rticulção com os setores produtivos e sociedde, oferecendo mecnismos pr educção continud. Informmos lterção d subordinção d uditori intern trvés d Resolução nº 15/CONSUP/IFRO, de 3 de outubro de 2013; Art. 1º APROVAR, n Estrutur Orgnizcionl d Reitori, subordinção diret d Auditori Intern o Conselho Superior do Instituto Federl de Rondôni. Art. 2º REVOGAR, no que couber, os termos d Resolução nº 10/2011/CONSUP/IFRO, de 15/4/2011, do Conselho Superior deste Instituto Federl. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO IFRO Resolução nº 10/2011/CONSUP/IFRO, de 15 de bril de Dispõe sobre Estrutur Orgnizcionl do Instituto Federl de Educção, Ciênci e Tecnologi de Rondôni Reitori e Cmpi. Resolução nº 46/2012/CONSUP/IFRO, de 15 de novembro de Dispõe sobre Estrutur Orgnizcionl do Instituto Federl de Educção, Ciênci e Tecnologi de Rondôni Cmpi Ccol e Porto Velho Zon Norte. Resolução nº 15/ 2013/CONSUP/IFRO, de 3 de outubro de Dispõe sobre lterção d Resolução nº 10/2011/CONSUP/IFRO, que prov Estrutur Orgnizcionl do Instituto Federl de Educção, Ciênci e Tecnologi de Rondôni. Resolução nº 20/2013/CONSUP/IFRO, de 3 de outubro de 2013 (Errt) - Dispõe sobre lterção d Resolução nº 10/2011/CONSUP/IFRO, que prov Estrutur Orgnizcionl do Instituto Federl de Educção, Ciênci e Tecnologi de Rondôni. ESTRUTURA REITORIA 1. Conselho Superior CONSUP

10 1.1. Auditori Intern 2. Reitor Écio Nves Durte 2.1. Assessori Especil 2.2. Chefi de Gbinete 2.3. Colégio de Dirigentes 2.4. Conselho de Ensino, Pesquis e Extensão 2.5. Comissão de Étic 2.6. Comissão Própri de Avlição CPA 2.7. Comissão Permnente de Pessol Docente CPPD 2.8. Comissão Intern de Supervisão do Plno de Crreir dos Crgos Técnico- Administrtivos em Educção CIS/PCCTAE 2.9. Ouvidori Comissão Permnente de Exmes COPEX Auditori Intern Procurdori Jurídic Assessori de Comunicção e Eventos Assessori de Relções Interncionis Pró-Reitori de Ensino Diretori de Desenvolvimento do Ensino Coordenção do Ensino Técnico Coordenção de Ensino Grdução Diretori de Educção Distânci Coordenção de Tecnologi Educcionl Coordenção de Desenvolvimento Pedgógico Coordenção de Desenvolvimento e Suporte Diretori de Assuntos Estudntis Coordenção-Gerl de Registros Acdêmicos Coordenção de Assistênci Estudntil Pró-Reitori de Pesquis, Inovção e Pós-grdução Coordenção de Pesquis e Inovção Coordenção de Pós-Grdução Coordenção do Núcleo de Inovção Tecnológic Pró-Reitori de Extensão Coordenção de Integrção Ensino e Sociedde Coordenção de Progrms, Projetos e Ações de Extensão Coordenção de Educção Inclusiv Pró-Reitori de Plnejmento e Administrção Diretori de Administrção Coordenção Gerl de Administrção e Mnutenção Coordenção de Ptrimônio e Almoxrifdo Coordenção de Contrtos e Convênios Coordenção de Comprs e Licitções Coordenção de Finnçs Diretori de Plnejmento e Orçmento 9

11 Coordenção de Projetos Coordenção de Execução e Fisclizção Pró-Reitori de Desenvolvimento Institucionl Diretori de Gestão d Tecnologi d Informção Coordenção de Suporte Redes Coordenção de Desenvolvimento de Sistems Pesquisdor Institucionl Diretori de Gestão de Pessos Coordenção de Pgmento de Pessol Coordenção de Seleção, Cdstro e Aposentdori Coordenção de Desenvolvimento Humno e Socil ESTRUTURA CÂMPUS CACOAL 1. Diretor JULIANO CRISTHIAN SILVA 1.1. Chefi de Gbinete 1.2. Conselho Escolr 1.3. Coordenção de Comunicção e Eventos 1.4. Coordenção de Avlição e Controle Interno 1.5. Coordenção de Gestão de Pessos 1.6. Coordenção de Gestão d Tecnologi d Informção 1.7. Diretori de Ensino Deprtmento de Produção Coordenção de Produção Animl Coordenção de Produção Vegetl Coordenção de Processmento de Produtos Vegetis e Animis Coordenção de Apoio o Ensino Coordenção de Registros Acdêmicos Coordenção de Assistênci o Educndo Coordenção de Bibliotec 1.8. Deprtmento de Pesquis, Inovção e Pós-grdução Coordenção de Pesquis e Inovção Coordenção de Pós-Grdução 1.9. Deprtmento de Extensão Coordenção de Integrção Escol, Empres e Comunidde Coordenção de Formção Inicil e Continud Diretori de Plnejmento e Administrção Coordenção de Orçmento e Finnçs Coordenção de Serviços Geris Coordenção de Ptrimônio e Almoxrifdo Coordenção de Comprs e Licitções ESTRUTURA CÂMPUS PORTO VELHO ZONA NORTE 1. Diretor-Gerl MIGUEL FABRÍCIO ZAMBERLAN 1.1. Chefi de Gbinete 1.2. Conselho Escolr

12 1.3. Coordenção de Comunicção e Eventos 1.4. Coordenção de Avlição e Controle Interno 1.5. Coordenção de Gestão de Pessos 1.6. Coordenção de Gestão d Tecnologi d Informção 1.7. Diretori de Ensino Coordenção de Apoio o Ensino Coordenção de Registros Acdêmicos Coordenção de Bibliotec Coordenção de Assistênci o Educndo 1.8. Diretori de Plnejmento e Administrção Coordenção de Orçmento e Finnçs Coordenção de Ptrimônio e Almoxrifdo Coordenção de Serviços Geris Coordenção de Comprs e Licitções 1.9. Deprtmento de Extensão Coordenção de Integrção Escol, Empres e Comunidde Coordenção de Formção Inicil e Continud Deprtmento de Pesquis, Inovção e Pós-Grdução Coordenção de Pesquis e Inovção Coordenção de Pós-Grdução Deprtmento de Produção de ED Coordenção de Design Visul e Ambientes de Aprendizgem Coordenção de Produção e Gerção Audiovisul Coordenção de Mteril e Design Instrucionl ESTRUTURA CÂMPUS VILHENA 1. Diretor-Gerl - MARIA FABÍOLA MORAES DA ASSUMPÇÃO SANTOS 1.1. Chefi de Gbinete 1.2. Conselho Escolr 1.3. Coordenção de Comunicção e Eventos 1.4. Coordenção de Avlição e Controle Interno 1.5. Coordenção de Gestão de Pessos 1.6. Coordenção de Gestão d Tecnologi d Informção 1.7. Diretori de Ensino Coordenção de Apoio o Ensino Coordenção de Assistênci o Educndo Coordenção de Registros Acdêmicos Coordenção de Bibliotec 1.8. Deprtmento de Extensão Coordenção de Integrção Escol, Empres e Comunidde Coordenção de Formção Inicil e Continud 1.9. Deprtmento de Pesquis, Inovção e Pós-Grdução Coordenção de Pesquis e Inovção 11

13 Coordenção de Pós-Grdução Diretori de Plnejmento e Administrção Coordenção de Orçmento e Finnçs Coordenção de Ptrimônio e Almoxrifdo Coordenção de Serviços Geris Coordenção de Comprs e Licitções ESTRUTURA CÂMPUS JI-PARANÁ 1. Diretor-Gerl VONIVALDO GONÇALVES LEÃO 1.1. Chefi de Gbinete 1.2. Conselho Escolr 1.3. Coordenção de Comunicção e Eventos 1.4. Coordenção de Avlição e Controle Interno 1.5. Coordenção de Gestão de Pessos 1.6. Coordenção de Gestão d Tecnologi d Informção Coordenção de Apoio o Ensino Coordenção de Assistênci o Educndo Coordenção de Registros Acdêmicos Coordenção de Bibliotec 1.7. Deprtmento de Extensão Coordenção de Integrção Escol, Empres e Comunidde Coordenção de Formção Inicil e Continud 1.8. Deprtmento de Pesquis, Inovção e Pós-Grdução Coordenção de Pesquis e Inovção Coordenção de Pós-Grdução 1.9. Diretori de Plnejmento e Administrção Coordenção de Orçmento e Finnçs Coordenção de Ptrimônio e Almoxrifdo Coordenção de Serviços Geris Coordenção de Comprs e Licitções ESTRUTURA CÂMPUS ARIQUEMES 1. Diretor-Gerl OSVINO SCHMIDT 1.1. Chefi de Gbinete 1.2. Conselho Escolr 1.3. Coordenção de Comunicção e Eventos 1.4. Coordenção de Avlição e Controle Interno 1.5. Coordenção de Gestão de Pessos 1.6. Coordenção de Gestão d Tecnologi d Informção 1.7. Diretori de Ensino Deprtmento de Produção Coordenção de Produção Animl Coordenção de Produção Vegetl

14 Coordenção de Processmento de Produtos Vegetis e Animis Coordenção de Apoio o Ensino Coordenção de Assistênci o Educndo Coordenção de Registros Acdêmicos Coordenção de Bibliotec 1.8. Deprtmento de Extensão Coordenção de Integrção Escol, Empres e Comunidde Coordenção de Formção Inicil e Continud 1.9. Deprtmento de Pesquis, Inovção e Pós-Grdução Coordenção de Pesquis e Inovção Coordenção de Pós-Grdução Diretori de Plnejmento e Administrção Coordenção de Orçmento e Finnçs Coordenção de Ptrimônio e Almoxrifdo Coordenção de Serviços Geris Coordenção de Comprs e Licitções ESTRUTURA CÂMPUS PORTO VELHO CALAMA 1. Diretor-Gerl MARCOS APARECIDO ATILES MATEUS 1.1. Chefi de Gbinete 1.2. Conselho Escolr 1.3. Coordenção de Comunicção e Eventos 1.4. Coordenção de Avlição e Controle Interno 1.5. Coordenção de Gestão de Pessos 1.6. Coordenção de Gestão d Tecnologi d Informção 1.7. Diretori de Ensino Deprtmento de Desenvolvimento do Ensino Coordenção de Apoio o Ensino Coordenção de Registros Acdêmicos Coordenção de Bibliotec Deprtmento de Assistênci o Educndo Coordenção de Assistênci Socil Coordenção de Orientção Educcionl 1.8. Deprtmento de Extensão Coordenção de Integrção Escol, Empres e Comunidde Coordenção de Formção Inicil e Continud 1.9. Deprtmento de Pesquis, Inovção e Pós-Grdução Coordenção de Pesquis e Inovção Coordenção de Pós-Grdução Diretori de Plnejmento e Administrção Coordenção de Orçmento e Finnçs Coordenção de Ptrimônio e Almoxrifdo Coordenção de Serviços Geris

15 Coordenção de Comprs e Licitções ESTRUTURA CÂMPUS COLORADO DO OESTE 1. Diretor-Gerl CARLOS HENRIQUE DOS SANTOS 1.1. Chefi de Gbinete 1.2. Conselho Escolr 1.3. Coordenção de Comunicção e Eventos 1.4. Coordenção de Avlição e Controle Interno 1.5. Coordenção de Gestão de Contrtos 1.6. Coordenção de Gestão de Pessos 1.7. Coordenção de Gestão d Tecnologi d Informção 1.8. Diretori de Ensino Deprtmento de Desenvolvimento do Ensino Coordenção dos Cursos Superiores de Tecnologi Coordenção dos Cursos Técnicos Coordenção do Curso de Engenhri Agronômic Coordenção do Curso de Licencitur em Biologi Coordenção de Registros Acdêmicos Coordenção de Bibliotec Deprtmento de Assistênci o Educndo Coordenção de Assistênci Socil Coordenção de Alimentção e Nutrição Coordenção de Orientção Educcionl Deprtmento de Produção Coordenção de Animis de Pequeno Porte Coordenção de Animis de Médio Porte Coordenção de Animis de Grnde Porte Coordenção de Olericultur Coordenção de Culturs Anuis Coordenção de Culturs Perenes Coordenção de Processmento de Produtos Vegetis e Animis Coordenção de Piscicultur Coordenção de Lbortório de Solos 1.9. Deprtmento de Extensão Coordenção de Integrção Escol, Empres e Comunidde Coordenção de Formção Inicil e Continud Deprtmento de Pesquis, Inovção e Pós-Grdução Coordenção de Pesquis e Inovção Coordenção de Pós-Grdução Diretori de Plnejmento e Administrção Coordenção de Orçmento e Finnçs Coordenção de Ptrimônio e Almoxrifdo Coordenção de Serviços Geris Coordenção de Comprs e Licitções

16 15 Câmpus - IFRO - RO. Câmpus Porto Velho Clm, loclizdo n Avenid Clm, Birro Flodoldo Pontes Pinto, Distrito 1, Zon 1, Setor 11, Qudr 169, Lote Porto Velho - Rondôni - CEP Em construção, e em funcionmento n Avenid Governdor Jorge Teixeir, Setor Industril; Câmpus Porto Velho Zon Norte, loclizdo n Avenid Governdor Jorge Teixeir, Setor Industril - Porto Velho - Rondôni - CEP ; Câmpus Colordo do Oeste, loclizdo n Rodovi 435, Km 63 - Zon Rurl - Colordo do Oeste - Rondôni - CEP Cix Postl 51; Câmpus Ji-Prná, loclizdo n Ru Rio Amzons, Jrdim dos Migrntes - Ji-Prná - Rondôni - CEP ; Câmpus Vilhen, loclizdo n BR 174, Km 03 Vilhen - Rondôni - CEP ; Câmpus Ariquemes, loclizdo n Rodovi 257, Km 13, Zon Rurl - Ariquemes - Rondôni - CEP ; Câmpus Ccol, loclizdo n BR 364, Km 228, Lote A, Zon Rurl Ccol/RO CEP Câmpus Gujrá-Mirim, Rodovi BR 425, qudr 22, setor 6, Áre urbn: Gujrá Mirim-RO. Além dos Câmpus cim relciondos, há ofert de uls em ED n cidde de Gujrá-Mirim, município onde será instldo um novo Câmpus com cursos Bincionis, visto que cidde fz fronteir com Bolívi e o referido Câmpus tenderá lunos brsileiros e bolivinos. 3. AUDITORIA INTERNA Em conformidde com o Esttuto do Instituto Federl de Rondôni, provdo pelo Conselho Superior dest instituição trvés d Resolução Nº 03, de 31 de gosto de 2009, e publicd no DOU em 01 de setembro de 2009, Auditori Intern é o órgão de controle interno responsável por ssessorr gestão e rcionlizr s ções de controle,

17 16 bem como prestr poio, dentro de sus especificiddes no âmbito d instituição, os órgãos do Sistem de Controle Interno do Poder Executivo Federl e o Tribunl de Conts d União, respeitdo legislção pertinente, subordindo dministrtivmente o Reitor, vinculd o Conselho Superior. Pelo exposto, o objetivo gerl d Auditori Intern é ssegurr que não ocorrm erros potenciis, medinte o controle de sus cuss. Dentre seus objetivos específicos, é possível destcr: ssegurr regulridde d gestão contábil, orçmentári, finnceir, ptrimonil e opercionl d Instituição; ssessorr o Reitor qunto à execução d receit e d despes, com vists à plicção regulr e utilizção dequd de recursos e bens disponíveis, visndo à eficiênci de sus tribuições; ssegurr o fiel cumprimento ds leis, norms, regulmentos, instruções normtivs, esttutos, regimentos e resoluções dos conselhos e órgãos de deliberção; ntecipr-se preventivmente o cometimento de erros, descumprimento ds legislções, prátics ntieconômics, visndo o que estbelece Constituição Federl: Art. 37. A dministrção públic diret e indiret de qulquer dos Poderes d União, dos Estdos, do Distrito Federl e dos Municípios obedecerá os princípios de leglidde, impessolidde, morlidde, publicidde e eficiênci e, tmbém, o seguinte: (Redção dd pel Emend Constitucionl nº 19, de 1998). 4. RECURSOS HUMANOS, MATERIAIS E TECNOLÓGICOS A Auditori Intern compõe-se de dus servidors. A servidor Adrin Grci de Arújo nomed pel portri nº 755 de entrou em exercício, somente, no di Os recursos disponíveis pr o desenvolvimento ds tividdes d uditori intern são: 1- Computdor; (02) uniddes 2- Impressor; 3- Telefone e bens móveis 5. ÁREAS DE ATUAÇÃO O Plno Anul de Atividdes de Auditori Intern - exercício 2015 foi elbordo com bse n legislção vigente, ns norms interns de procedimentos, ns

18 17 orientções d Controldori-Gerl d União, trvés de su Secretri Federl de Controle Interno e ns diretrizes dotds pel Instituição. O plnejmento dos trblhos de uditori foi putdo observndo-se os seguintes ftores: O quntittivo de efetivo de pessol lotdo n Auditori Intern, o tendimento às demnds e necessiddes de ções estrtégics d Instituição; o tendimento os plnos, mets, objetivos e progrms que estão sendo desenvolvidos pel Instituição; Observânci às destinções ds verbs orçmentáris; legislção federl plicável à entidde; Questões pertinentes à mterilidde, relevânci e importânci do volume de recursos movimentdos n Instituição; Será empregdo o método de mostrgem ns ções qundo o universo de processos for significtivo, em função do quntittivo de servidores locdos n uditori e d necessidde de obtenção de informções em tempo hábil. Os procedimentos específicos de cd rotin de uditori serão definidos nos progrms de Auditori e Ppéis de Trblho elbordos pel Auditori Intern do IFRO n form descrit n Seção III, Cpítulo V d IN 01/2001 SFC. 6. AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTA E SEUS OBJETIVOS No presente exercício, o Plno Anul de Auditori Intern elencou s áres que form presentds como prioritáris, tendo como bse crcterístics peculires do IFRO, porcentgem, em referênci o escopo do trblho, compreendendo extensão no âmbito gerl do IFRO. As áres s quis uditori intern estbeleceu como prioritáris pr desenvolver, neste no, sus tividdes são s seguintes: 1. Gestão de Recursos Humnos 2. Gestão Ptrimonil 3. Gestão de Suprimentos e Serviços. (Licitção) 4. Gestão Administrtiv 5. Reserv Técnic

19 18 AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS E SEUS OBJETIVOS N Ação Ação pós vlição sumári qunto o risco inerente e su relevânci Avlição sumári qunto o risco inerente o objeto ser uditdo e su relevânci em relção à entidde 01 GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Risco: Incomptibilidde em relção às norms e procedimentos plicáveis. Relevânci: Evitr descumprimento do 1.1 Sisc przo estbelecido nos processos de dmissão. Origem d Demnd Objetivos Averigur se houve cumprimento do przo pr o registro no SISAC dos servidores dmitidos no decorrer do exercício. Escopo do trblho Verificr 15% dos processos de Admissão. Locl Diretori de Gestão de Pessos- Reitori e Câmpus. Conhecimento Exigido Instrução Normtiv nº 55/2007, IN TCU 64/2010. Período de Execução Dis Hors 09/02/ /02/ Plno Anul de Cpcitção Risco: Descumprimento ds norms interns vigentes trvés ds ções proposts no plno nul de cpcitção/ifro/2015. Relevânci: Evitr concessões indevids observndo s legislções vigentes. Verificção do cumprimento do Plno Anul de cpcitção do IFRO. Verificr 10% dos processos de cpcitção. Diretori de Gestão de Pessos- Reitori, processos serão relizdos por mostrgem e Coordençõe s CDHS e CGP Câmpus. Resolução nº 007/CONSUP/ IFRO, de 15 de bril de /06/ /06/2015 TOTAL DE HORAS

20 19 Nº Ação Ação pós vlição sumári qunto o risco inerente e su relevânci 02 GESTÃO PATRIMONIAL. 2.1 Avlição d Gestão dos veículos oficiis Avlição sumári qunto o risco inerente o objeto ser uditdo e su relevânci em relção à entidde Risco: Flt de controle, registro, não observndo s norms plicáveis. Relevânci: Averigur eficáci e oportunidde de melhoris nos controles d mnutenção dos veículos do IFRO Origem d Demnd Objetivo Avlição do serviço de mnutenção prestdos, preventivo e controles internos, referentes à utilizção dos veículos oficiis de cordo com norm plicável pelo setor responsável pel mnutenção dos veículos. Escopo do trblho Avlir 10% d demnd dos controles internos, mnutenção e prevenção, de cordo com mterilidde. Locl CÂMPUS COLORA- DO DO OESTE/ CÂMPUS VILHENA/ CÂMPUS PVH ZONA NORTE Conhecimento Exigido Lei 8.666/93; IN 03/2008; Decreto de 17/03/2008 e s Legislções vigentes. Período de Execução Dis Hors 01/06/ /06/2015 TOTAL DE HORAS Nº Ação Ação pós vlição sumári qunto o risco inerente e su relevânci Avlição sumári qunto o risco inerente o objeto ser uditdo e su relevânci em relção à entidde 03 GESTÃO DE SUPRIMENTOS DE BENS E SERVIÇOS. 3.1 Avlição d regulridde dos Processos Licittórios Risco: Inobservânci dos procedimentos legis e formis vigentes. Verificr se houve irregulridde ns contrtções dos processos licittórios em consonânci com s legislções vigentes. Relevânci: evitr o desvio de finlidde e irregulriddes ns contrtções Origem d Demnd Objetivo Avlir dequções do enqudrmento pelo gestor, qundo ds contrtções sob nálise, no que ser refere à modlidde de licitção, conforme legislção plicável; Apurr se Escopo do trblho Anlisr 10% do vlor empenhdo nos processos licittórios de jneiro julho/2015. Locl REITORIA/ CÂMPUS Conhecimento Exigido Lei 8.666/93, Decreto /2002 e Decreto 5.450/ Lei /2011, Período de Execução Dis Hors 20/07/ /07/

21 Avlição d regulridde dos Processos Licittórios Modliddes: Inexigibilidde e Dispens. públics. Risco: Inobservânci dos procedimentos legis e formis vigente. Verificr se houve irregulridde ns contrtções dos processos licittórios ns modliddes Inexigibilidde e Dispens em consonânci com s legislções vigentes. Relevânci: evitr o desvio de finlidde e irregulriddes ns contrtções públics. motivção presentd pelo gestor justific s quisições/contrtções relizds; e Verificr observânci dos rt. 26 e 38 d Lei nº 8.666/93 e rt. 30 do Decreto n 5.450/2005 (formlizção dos processos). Verificr s rzões d dispens e inexigibilidde ns contrções direts; Avlir dequção do enqudrmento pelo gestor, qundo ds contrtções sob nálise, no que se refere modlidde de licitção, conforme legislção plicável; Apurr se motivção presentd pelo gestor justificm s quisições/contrtções relizds (oportunidde e conveniênci). 15% Avlição será feit por mostrgem considerndo mterilidde. REITORIA/ CÂMPUS institui o Regime Diferencido de Contrtções Públics RDC. Decreto 7.581/2011 Lei 8.666/93, Orientção Normtiv d AGU e Norms plicáveis vigentes. 03/08/ /08/2015 TOTAL DE HORAS N AÇÃO Ação pós vlição sumári qunto o risco inerente e su relevânci Avlição sumári qunto o risco inerente o objeto uditdo e su relevânci em relção à entidde Origem d Demnd Objetivos Escopo do trblho Locl de Relizção Conhecimento Exigido Período de Execução Dis Hors 04 GESTÃO ADMINISTRATIVA 4.1 RAINT Risco: Inobservânci dos procedimentos legis e formis vigentes, em desconformidde com o rt. 3º d IN 01/2007-CGU. CGU Elborr o Reltório Anul de Auditori Intern - RAINT de Apresentndo os resultdos Relto de tods s tividdes executds em conformidde com s / REITORIA IN 01/2007- CGU IN 07/2006- CGU 05/01/ /01/

22 22 Relevânci: Cumprimento ds exigêncis legis, em conformidde com IN nº 01, de 03/01/2007 de jneiro de 2007, lterd pel IN nº9, de 14/11/2007. dos trblhos desenvolvidos em 2014 pels Uniddes de Auditori Intern do IFRO. plnejds 4.2 PAINT Risco: Inobservânci dos procedimentos legis e formis vigente. Descumprimento do preceitudo no rt. 2º d IN nº01 de 03/01/2007, modificd pel IN nº 09 de 14/11/2007. Relevânci: Sistemtizção ds tividdes plnejds pr serem desenvolvids em CGU Plnejr s ções ds tividdes de uditori serem desenvolvids no exercício de % d demnd IN01/2007- CGU IN 07/2006- CGU 01/10/ /10/ Reltório de Gestão 2014 Risco: Inobservânci dos procedimentos legis e formis vigentes em descumprimento d DN 134 de 04/12/2013. Relevânci: Cumprimento ds exigêncis contids n DN 134/2013. CGU/ TCU Elborr e consolidr conforme DN 134/2013. Exminr se 100% ds peçs exigids pels Decisões / REITORIA IN 63/ TCU DN 134/2013 e DN 140/2014 TCU e lterções posteriores 01/07/ /07/ Atução d CGU Risco: Não tendimento às recomendções e solicitções de Auditori-SA s e não lcnce dos objetivos propostos, podendo gerr registros n uditori de gestão. Relevânci: Cumprimento por prtes dos setores uditdos implntção ds recomendções emnds nos reltórios d CGU. CGU Acompnhr o tendimento ds Solicitções n uditori de compnhmento e emitir plno de providêncis junto os setores uditdos, evitndo não implementção ds recomendções. Acompnhmento conforme demnd. Reltórios emitidos pel CGU 02/03/ /03/ /12/ /12/ Progrms de Auditori Risco: Não tendimento os normtivos exigidos nos procedimentos ds tividdes dos Progrms de Auditori pr pdronizção dos trblhos Relevânci: Pdronizção n execução dos trblhos relizdos por áre uditd Elborção dos Progrms de Auditori e ppéis de trblho que serão utilizdos n relizção ds uditoris prevists ns ções do PAINT/2015, fim de cpcitr os uditores e Elborr 100% dos progrms correspondentes cd ção de uditori do PAINT/2015 Legislções pertinentes o ssunto d not. 23/02/ /02/

23 23 pdronizr os trblhos. 4.6 Indicdores de Desempenho Risco: Inobservânci legislção vigente qunto o cálculo dos indicdores pr vlir o desempenho do IFRO. Relevânci: O processo de monitormento e vlição, num contexto de plnejmento tático e opercionl, impõe necessidde de se dispor de um plno de ções e mets que venhm ssegurr o lcnce de su missão institucionl, Art.7º, II d IN/CGU 01/07, linhdo à polític do Ministério d Educção (MEC), ssim como de um bteri de indicdores pr ferição do desempenho d utrqui. SISTEC/ IFRO Avlição dos indicdores de desempenho utilizdos pel entidde: Acdêmicos, Sócioeconômico e Gestão de Pessos Análise trvés dos resultdos dos indicdores, por meio de comprtivos dos exercícios 2012, 2013 e Acórdão 2267/2005 Plenári; Lei nº /08. 16/03/ /03/ Plnejmento e execução ds mets físics e finnceirs dos progrms/ções sob responsbilidde do IFRO Riscos: Não cumprimento ds mets prevists nos progrms/ções do IFRO, inobservânci legislção vigente qunto o cálculo dos indicdores pr vlir o desempenho do IFRO. Relevânci: trvés dos índices de lcnce de mets é que se pode vlir eficáci, eficiênci e efetividde de um progrm. Reitori Verificr integridde e fidedignidde dos vlores dos componentes dos indicdores; Avlir qulidde e grntir confibilidde dos ddos primários utilizdos no processo de cálculo e nálise dos indicdores de gestão exigidos pelo TCU pr compnhmento do desempenho institucionl. Anlisr 02 indicdores de gestão do TCU - Gstos Correntes por Aluno (GCA); - Percentul de Gstos com Outros Custeios (GOC) Lei de Responsbilid de Fiscl 101/2000, Decisão do TCU nº. 408/2002 Plenário orientções pr o clculo dos indicdores de gestão, Progrm Desenvolvimen to d Educção Profissionl: Ação 20RL - Funcionmento d Educção Profissionl e norms 03/11/ /11/

24 24 interns d IFRO. Acórdão 2267/2005 Plenári; Lei nº / Elborção Mnul d Auditori Intern Risco: flt de normtizção, tribuições competêncis e responsbiliddes e usênci de pdronizção ds tividdes executds pelos uditores internos e do chefe d Auditori Relevânci: Elborção ds norms, tribuições e competênci d equipe d Auditori /IFRO. Pdronizr s rotins referentes às tividdes e tribuições d Auditori Gerl do IFRO e ds tividdes dos uditores Internos do IFRO Normtizção ds tividdes e tribuições ds Auditoris Interns e Auditori Gerl do IFRO. IN nº 01/ SFC; Acórdãos do TCU; Nots Técnics emitids pel SFC; IN 01/ SFC; e demis legislções pertinentes. 04/05/ /05/ Recomendções de Auditori Risco: Descumprimento ds recomendções d Auditori intern pelos setores uditdos do IFRO: Relevânci: Monitormento pr o cumprimento ds recomendções emitids pr evitr consttção n uditori de gestão. Verificr implementção ds recomendções do Plno de Providêncis referente os reltórios emitidos pel Auditori Intern 100% ds recomendções dos reltórios emitidos pel Unidde de Auditori. / REITORIA IN 63/2010- TCU, e DN 127/2013 e Portri 175/2013 gurdr lterções do TCU 02/02/ /02/ /04/ /04/ Atução do TCU Risco: Inobservânci dos procedimentos legis e formis vigente e Não tendimento às determinções contids nos Acórdãos e Diligêncis do TCU, podendo ensejr mults. Relevânci: Cumprimento ds determinções pelos setores do IFRO TCU Acompnhr o tendimento os Acórdãos e diligêncis evitndo não implementção pelos setores responsáveis. 100% dos Acórdãos e diligêncis ocorrids. Observção às normtivs vigentes 01/09/ /09/ Cumprimento d legislção plicd n concessão de bolss-formção Prontec Risco: Incomptibilidde em relção às norms e procedimentos plicáveis. Relevânci: Avlir conformidde dos critérios exigidos n Seleção dos Bolsists. CÂMPUS Verificr regulridde d ofert dos cursos do Prontec no 1 semestre de 2015, verificr regulmentção intern que estbeleç os critérios de seleção. Exminr 5% d ofert de curso pelo bolsformção Prontec. REITORIA/ CÂMPUS CALAMA/ JI-PARANÁ/ Lei Nº , de 26/10/2011 Lei Nº , de 05/06/2013 Resolução nº 4, 14/09/ /09/

25 25 Relizr nálise documentl; Verificr os procedimentos relizdos pr prestção de conts. de 16/03/2012 Resolução nº 6, de 12/03/2013 Portri nº 168, de 07/03/2013 Portri nº 1.007, de 09/10/2013 NI 06/2014 Prontec EJA NI 12/2014 Prontec Seguro- Desemprego NI 12/2013 Prontec EJA NI 20/2013 Prontec Empreendedor NI 22/2013 Gui Prontec de Cursos FIC NI 23/2013 Certificdo Prontec Cursos FIC NI 26/2013 Prontec Seguro- Desemprego Gui Prontec de Cursos FIC 3ª Edição TOTAL DE HORAS 2280

26 26 Ação pós vlição N sumári qunto o risco Ação inerente e su relevânci 06 RESERVA TÉCNICA Avlição sumári qunto o risco inerente o objeto ser uditdo e su relevânci em relção à entidde Origem d Demnd Objetivo Escopo do trblho Locl Conhecimento Exigido Período de Execução Dis Hors 6.1 Orientções A Reitori/Câmpus Risco: Desconhecimento dos normtivos vigentes n áre de execução. Relevânci: Cumprimento ds norms vigentes por prte do gestor pr grntir eficáci dos controles existentes. Orientr os diversos setores d Instituição, visndo à eficiênci e eficáci dos controles. Prticipção em reuniões com s Pró-reitoris e Diretoris IFRO. 100% d demnd. REITORIA/ CÂMPUS Norms interns d Instituição e legislções pertinentes 01/12/ /12/ Cpcitção Risco: Descumprimento do Item II d IN 01/2007-CGU - Ações de Desenvolvimento Institucionl e Cpcitção pr equipe d Relevânci: Fortlecimento e melhori d cpcitção d equipe d Auditori intern. Ações de desenvolvimento institucionl e cpcitção previst pr o fortlecimento d tividde de uditori intern d entidde com recursos oriundos d Reitori 100% dos Auditores do IFRO Legislções pertinentes à temátic bordd n cpcitção. 13/04/ /04/ /08/ /08/ /11/ /11/ TOTAL DE HORAS 456

27 27 7. RESULTADOS ESPERADOS A Auditori Intern esper poder contribuir pr melhori d Gestão do IFRO. Os objetivos específicos pr 2015 são os seguintes: ) Verificr o cumprimento, s recomendções, s diligêncis e s 6determinções exrds pelos órgãos públicos de controle externo; b) Avlir plicção dos princípios d dministrção públic de eficiênci, eficáci, efetividde, economicidde e qulidde d ção dministrtiv por prte do IFRO; c) Anlisr delong processul fim de uxilir n busc de meios que contribum pr eficáci dos serviços públicos; d) Anlisr s ções implementds pel instituição no que tnge sustentbilidde, fim de contribuir n busc de meios pr implntção desss ções; e) Avlir s ções de controle de TI fim de orientá-los em eventuis equívocos; f) Orientr os gestores, dentro ds possibiliddes, no que for necessário, pr melhori dos controles internos; j) Desenvolver metodologis pr Auditori Intern crindo modelos pr rotins de trblho, Mnuis e Ppéis de Trblho. h) A uditori intern no decorrer do exercício de 2015, solicitrá o Reitor visit nos Câmpus pr fornecer orientções qunto os procedimentos, e, cso sej necessário uditori será efetud in loco.

28 28 8. AÇÕES DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E CAPACITAÇÕES PREVISTAS PARA O FORTALECIMENTO DAS ATIVIDADES DA AUDITORIA INTERNA. Em conformidde o item II d Instrução Normtiv nº 01/2007-CGU, presentmos bixo previsão de Cpcitção pr os uditores internos do IFRO. II - AÇÕES DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E CAPACITAÇÃO PREVISTA PARA O FORTALECIMENTO DA ATIVIDADE DE AUDITORIA INTERNA AÇÃO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E CAPACITAÇÃO Prticipção no XLIII FÓRUM NACIONAL DE AUDITORES INTERNOS DO MEC (FONAI), Promovido pel SFC/ MEC. Prticipção no XLIV FÓRUM NACIONAL DE AUDITORES INTERNOS DO MEC (FONAI), Promovido pel SFC/ MEC. Curso n áre de Auditori Governmentl. ORIGEM DA DEMANDA SFC/CGU/FO NAI MEC SFC/CGU/FO NAI MEC JUSTIFICATIVA CRONOGRAMA LOCAL Promoção de integrção e treinmento dos uditores internos de tods s instituições federis vinculds o MEC, seminários e presentção de trblhos. Promoção de integrção e treinmento dos uditores internos de tods s instituições federis vinculds o MEC, seminários e presentção de trblhos. Promover conhecimento d áre, em virtude ds mudnçs ds norms interncionis COSO I E II RECURSOS HUMANOS HORAS PREVISTAS A definir A definir 2 96 hors A definir A definir 2 96 hors A definir A definir 2 96 hors Cursos/Seminários/Plestrs Cpcitção pelos Órgãos d Administrção Públic: Esf, Cpcit-CGU, ENAP, ENAP Virtul, TCE RO, etc. A definir de cordo com ofert de cursos no decorrer do exercício A definir de cordo com ofert de cursos no decorrer do exercício 2 96 hors

29 29 E Considerndo os córdãos bixo: Assunto: AUDITORIA. DOU de , S. 1, ps. 148 e 149. Ement: recomendção à UFMS pr que, com vists o snemento ds flhs verificds e à melhori d gestão: ) promov treinmentos pr tulizção dos uditores internos em técnics de uditoris bseds em gestão de riscos e nálise de controles internos dministrtivos, de modo provocr melhori d gestão; b) estbeleç polític de desenvolvimento profissionl contínuo de form que os uditores internos se tulizem, desenvolvm-se e mntenhm os conhecimentos e hbiliddes necessários pr o exercício de sus tribuições (itens e 9.2.4, TC /2013-5, Acórdão nº 3.382/2013-Plenário). Acordão 1.806/2005-TCU-2 Câmr: Assunto: AUDITORIA. DOU de , S. 1, p Ement: o Tribunl de Conts d União importou-se com designção de membros d Unidde de Auditori Intern com qulificção necessári o desempenho d missão que lhes foi confid, de modo compnhr e fortlecer gestão, conforme diretrizes fixds n IN/SFC n 01/2001, que disciplin s tividdes de uditori intern (item 9.1.2, TC /2005-3, Acórdão n 1.806/2005-TCU-2 Câmr). Assunto: AUDITORIA. DOU de , S. 1, p. 49. Ement: o Tribunl de Conts d União determinou reestruturção e utonomi d Unidde de Auditori Intern (), em termos de quntittivo de pessol e do nível de treinmento, fim de que poss exercer, efetivmente e com plen utonomi, s tribuições que lhe form conferids (item 2.2, TC /2004-4, Acórdão n 1.151/2005-TCU-2 Câmr). Ressltmos ser imprescindível cpcitção dos servidores lotdos no Setor de Auditori Intern. A prticipção destes em Fóruns, cursos e Seminários, perfeiço o desempenho do setor trvés do perfeiçomento de métodos e técnics de uditori, tornndo sus tividdes consequentemente mis eficzes e eficientes. Dentre s possibiliddes de cpcitção, destcm-se: o Fórum Ncionl dos Auditores Internos ds Instituições Federis Vinculds o Ministério d Educção FONAI/MEC dois eventos nuis - os quis são oportuniddes exclusivs pr os uditores internos pr comprtilhrem experiêncis, pdronizções nos trblhos de uditori, lém de intergir com s demis Auditoris Interns ds Instituições Federis vinculds o Ministério d Educção, bem como de dquirir informções específics do trblho e de

30 30 interesse d Instituição; Prticipção nos eventos promovidos pelo progrm CAPACITA CGU, destindos os uditores internos d Administrção Públic- CGU promovido pel ESAF, inclusive em outros órgãos e instituições públicos, e os cursos ofertdos pelo TCU respectivmente órgão de controle interno e externo d gestão dos Institutos Federis, e como tmbém prticipção de outros cursos voltdos os ofertdos por outros órgãos e entiddes como ESAF, ENAP, e outros, etc MÉTODO A SER APLICADO Pr o desenvolvimento ds tividdes presentes no Plno de Auditori Intern no exercício de 2015, serão utilizdos métodos de mostrgem ns ções, cujo universo de processos vlidos tem relevnte e significtivo teor pr grntir o lcnce dos resultdos desejdos e dos objetivos determindos. No cálculo de homens-hor, está incluído o tempo necessário pr plnejmento e execução d tividde e elborção de seu reltório finl, cso hj lterção no decorrer d uditori poderá ser revlido os przos lterndos pr cumprimento do PAINT, no referido exercício de LOCAIS DE REALIZAÇÃO DOS TRABALHOS Destcm-se trblhos específicos serem relizdos ns seguintes uniddes: Câmpus Ariquemes UG Gestão: Câmpus Colordo do Oeste UG Gestão: Câmpus Vilhen UG Gestão: Câmpus Ji-Prná UG Gestão: Câmpus Porto Velho - UG Gestão: Clm Reitori-IFRO UG Gestão: Câmpus Ccol UG Gestão: Câmpus Porto Velho Zon Norte UG Gestão: 26421

31 31 TABELA 01 CALENDÁRIO Feridos Ncionis e Recesso 2015 Dt Di d Semn Ferido Jneiro 01/01/2015 Quint-feir Confrternizção Universl 02/01/2015 Sext-feir Ponto Fculttivo* Fevereiro 16/02/2015 Segund-feir Ponto Fculttivo* 17/02/2015 Terç-feir Crnvl 18/02/2015 Qurt-feir Cinzs Abril 03/04/2015 Sext-feir Pixão de Cristo 20/04/2015 Segund-feir Ponto Fculttivo* 21/04/2015 Terç-feir Tirdentes Mio 01/05/2015 Sext-feir Di do Trblho Junho 04/06/2015 Quint-feir Corpus Christi* 05/06/2015 Sext-feir Ponto Fculttivo* 18/06/2015 Quint-feir Di do Evngélico 19/06/2015 Sext-feir Ponto Fculttivo* Setembro 07/09/2015 Segund-feir Independênci do Brsil Outubro 02/10/2015 Segund-feir Crição do Munícipio de Porto Velho 12/10/2015 Segund-feir Noss Sr. Aprecid 28/10/2015 Qurt-feir Di do Servidor Público Novembro 02/11/2015 Segund-feir Findos Dezembro 25/12/2015 Sext-feir Ntl 21/12/2015 Segund-feir Recesso** 22/12/2015 Terç-feir Recesso** 23/12/2015 Qurt-feir Recesso** 24/12/2015 Quint-feir Recesso** 31/12/2015 Quint-feir Ponto Fculttivo*

32 32 TABELA 02 CÁLCULO DAS HORAS POR MÊS Meses Jneiro Fevereiro Mrço Abril Mio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Totl Dis Feridos 2* 3* 0 3* 1 4* ** 24 Sábdos Domingo Dis Úteis Hrs Úteis/di Hrs Úteis/Mês **Recesso Ntlino *Ponto Fculttivo

33 33 CRONOGRAMA MENSAL DAS AÇÕES DA REITORIA Nº Ação Ação pós vlição sumári qunto o risco inerente e su relevânci Período de Execução Dt início Dt fim JANEIRO Dis úteis Hor Brut Auditori Féris/ Afstmentos 4.1 RAINT 05/01/ /01/ TOTAL LÍQUIDO 232 FEVEREIRO 4.9 Recomendção de Auditori 02/02/ /02/ Sisc 09/02/ /02/ REITORIA/CÂMPUS Progrms de Auditori 23/02/ /02/ TOTAL LÍQUIDO 272 MARÇO 4.4 Atução d CGU 02/03/ /03/ CÂMPUS COLORADO DO OESTE/ CÂMPUS 4.6 Indicdores de Desempenho 16/03/ /03/ VILHENA/ CÂMPUS PVH ZONA NORTE TOTAL LÍQUIDO 352 ABRIL 4.9 Recomendções de Auditori 01/04/ /04/ /REITORIA Cpcitção 13/04/ /04/ TOTAL LÍQUIDO 304 MAIO 4.8 Elborção Mnul Auditori 04/05/ /05/ TOTAL LÍQUIDO 320 JUNHO 2.1 Avlição d Gestão dos veículos oficiis 01/06/ /06/ AUDIN/ REITORIA Hors Líquids

34 Plno Anul de Cpcitção - IFRO /06/ /06/ DGP TOTAL LÍQUIDO 232 JULHO 4.3 Reltório de Gestão /07/ /07/ AUDIN/ REITORIA Avlição d Regulridde dos Processos Licittórios 20/07/ /07/ REITORIA/CÂMPUS TOTAL LÍQUIDO 344 AGOSTO 3.2 Avlição d Regulridde dos Processos Licittórios Modliddes Inexigibilidde e Dispens 03/08/ /08/ REITORIA/CÂMPUS Cpcitção 24/08/ /08/ TOTAL LÍQUIDO 336 SETEMBRO 5.0 Atução do TCU 01/09/ /09/ Cumprimento d Legislção Aplicd n Concessão Bols- Formção Prontec 14/09/ /09/ REITORIA/CÂMPUS CALAMA/ JI-PARANÁ/ TOTAL LÍQUIDO 336 OUTUBRO 4.2 PAINT 01/10/ /10/ TOTAL LÍQUIDO 320 NOVEMBRO 4.7 Mets Físics e Finnceirs 03/11/ /11/ / REITORIA Cpcitção 23/11/ /11/ TOTAL LÍQUIDO 232 DEZEMBRO 6.1 Orientção à Reitori/Câmpus 01/12/ /12/ REITORIA/CÂMPUS Atução do CGU 14/12/ /12/ TOTAL LÍQUIDO 200 TOTAL GERAL DE HORAS LÍQUIDAS 3.480

35 CONSIDERAÇÕES GERAIS Os trblhos dest Auditori Intern serão executdos prioritrimente n Reitori-IFRO, sendo que, hvendo necessidde, poderá ocorrer deslocmento dest uditori às uniddes dest Instituição situds no interior do Estdo. Ao fim d relizção de cd tividde, os reltórios e s nots de uditori serão expedidos, e encminhdos à utoridde competente, solicitndo o encminhmento o setor ou Câmpus uditdo, objetivndo providencir regulrizção ds pendêncis ou improprieddes detectds, de form que s tividdes dest Auditori Intern sejm de conhecimento d gestão. O quntittivo de hors-homem é um projeção e pode sofrer lterções de cordo com o ndmento ds trefs, complexidde dos trblhos, disponibilidde de pessol, demnds concomitntes e outrs demnds não prevists. A Auditori Intern do IFRO drá ssistênci, sempre que necessário, os uditores do Tribunl de Conts d União e d Controldori Gerl d União, qundo ds visits dos mesmos à Instituição, devendo ind compnhr s recomendções designds, informndo os órgãos competentes sobre seus resultdos. A Auditori Intern elborou o PAINT/2015, definindo s ções prioritáris tendo em vist que temos um mpl estrutur em que há necessidde de crescentr ções de uditori, no momento, previsão foi feit de cordo com relidde vivencid no exercício de 2014 e recomendção d Controldori Gerl d União. Foi crescentd um considerável crg horári em lgums ções pr dr continuidde os trblhos desenvolvidos em 2014, em rzão d expnsão do IFRO e descentrlizção de UG que envolvem todos os spectos d Execução Orçmentári e Finnceir, Gestão Ptrimonil entre outros.

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Sntn de Prníb Áre de Conhecimento: : Proteção e Prevenção Componente Curriculr: LNR Legislção e Norms Regulmentodors

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº.768, DE 5 DE OUTUBRO DE 005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de sus tribuições legis, e considerndo o disposto n Portri MP no 08, de de julho

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do Reltório de tividdes Abril / 2011 Jneiro / 2014 A d UFG/CAC está vinculd à direção do Câmpus e, posteriormente, o Setor de Convênios e Contrtos do Gbinete d Reitori. Tem como função intermedir s relções

Leia mais

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia.

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1260 A Câmr Municipl Mi procede à bertur do

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Msc. Frncis Regis Irineu Coordenção Gerl de Estágio Prof. Izequiel Sntos de Arújo Coordendor de Estágio Cmpins, 2015 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia Eleições Está berto o período de inscrição pr s novs chps do Diretório Acdêmico - Gestão 2015 Inscrições: dos dis 17 29 de gosto de 2015 somente pelo e-mil: fisioufu.d.@gmil.com A votção será relizd nos

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 5.580 Institui o Plno de Crreir e Vencimentos do Mgistério Público Estdul do Espírito Snto O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Fço sber que Assembléi Legisltiv decretou e eu snciono seguinte

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DA AUDITORIA INTERNA

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DA AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DA AUDITORIA INTERNA RAINT - 2015 Auditori Intern Sumário 1. Introdução... 3 2. A Telebrs... 3 2.1. Histórico... 3 2.2. Novs Atribuições... 3 2.3. Atribuições... 4 2.4. Competênci

Leia mais

L E I Nº 6.969, DE 9 DE MAIO DE 2007

L E I Nº 6.969, DE 9 DE MAIO DE 2007 L E I Nº 6.969, DE 9 DE MIO DE 2007 Institui o Plno de rreirs, rgos e Remunerção dos Servidores do Poder Judiciário do Estdo do Prá e dá outrs providêncis. seguinte Lei: SSEMLÉI LEGISLTIV DO ESTDO DO PRÁ

Leia mais

EDITAL 001/2013 - EADUnC

EDITAL 001/2013 - EADUnC EDITAL 001/2013 - EADUnC O Reitor d Universidde do Contestdo-UnC, de cordo com o disposto no Regimento, fz sber, trvés do presente Editl, que estrão berts inscrições e mtriculs pr ingresso nos Cursos de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLV 243 Brsíli - DF, segund-feir, 15 de dezembro de 2008. Sumário PÁGINA Atos do Poder Judiciário... 1 Atos do Poder Executivo... 1 Presidênci d Repúblic... 104 Ministério d Agricultur,

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis Crid pel Lei Estdul nn 2. 766/63 CNPJ.: 21.420.85610001-96 - lrrsc Estdul. ISENTA Entidde M ntenedor do Grupo Educcionl Uni: Centro Universitdrio do Sul d Mins - UNIS Fculdde Bum- FABE Fculdde Três Ponts

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

SUMÁRIO ESTE BOLETIM DE SERVIÇO É CONSTITUÍDO DE 26 (VINTE E SEIS) PÁGINAS CONTENDO AS SEGUINTES MATÉRIAS:

SUMÁRIO ESTE BOLETIM DE SERVIÇO É CONSTITUÍDO DE 26 (VINTE E SEIS) PÁGINAS CONTENDO AS SEGUINTES MATÉRIAS: ANO XLIV N.º 095 01/07/2014 SUMÁRIO ESTE BOLETIM DE SERVIÇO É CONSTITUÍDO DE 26 (VINTE E SEIS) PÁGINAS CONTENDO AS SEGUINTES MATÉRIAS: SEÇÃO I EXTRATO DE INSTRUMENTO CONVENIAL...02 SEÇÃO II PARTE 1: DESPACHOS

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício 2003

RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício 2003 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Instituto de Pesquiss Jrdim Botânico do Rio de Jneiro Em tenção à Instrução Normtiv/TCU nº 12/1996 e à Instrução Normtiv SFC/MF nº 12/2000, o Instituto de Pesquiss Jrdim Botânico

Leia mais

Considerando a apreciação e consulta feita ao Colégio de Dirigentes na reunião ocorrida na data de 20 e 21/05/2010, RESOLVE:

Considerando a apreciação e consulta feita ao Colégio de Dirigentes na reunião ocorrida na data de 20 e 21/05/2010, RESOLVE: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 029, DE 21 DE JULHO DE 2010 O PRESIDENTE

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 018/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO. Exercício 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO. Exercício 2012 1 Conselho Federl de Engenhri e Agronomi SEPN 508, Bloco A, Ed. Confe, Brsíli-DF CEP 70740-541 Conselho Federl de Engenhri e Agronomi Superintendênci de Estrtégi e Gestão Gerênci de Plnejmento e Gestão

Leia mais

Ano CXLIV N o - 135 Brasília - DF, segunda-feira, 16 de julho de 2007

Ano CXLIV N o - 135 Brasília - DF, segunda-feira, 16 de julho de 2007 ISSN 1677-7042 Ano CXLIV N o - 135 Brsíli - DF, segund-feir, 16 de julho de 2007 Sumário. PÁGINA Presidênci d Repúblic... 1 Ministério d Agricultur, Pecuári e Abstecimento... 4 Ministério

Leia mais

Grupo Educacional Unis

Grupo Educacional Unis Fundção de Ensino e Pesquis do Sul de Mins Centro Universitário do Sul de Mins Editl de Processo Seletivo Modlidde Distânci - CPS 01/2015 Vestibulr 2015 1º Semestre Grupo Educcionl Unis O Reitor do Centro

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ESOLA SEUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE ARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 [Escrev texto] Págin 0 B I B L I O T E A E S O L A R PLANO ANUAL DE TRABALHO/ATIVIDADES A urrículo, litercis

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA : 15 Mnutenção e Revitlizção do Ensino Infntil FUNDEB 40% 1. Problem: O município possui pens dus escol que oferece ensino infntil e não tende tod demnd.

Leia mais

Data Tema Objetivos Atividades Recursos

Data Tema Objetivos Atividades Recursos Plno Anul de Atividdes do Pré-Escolr Dt Tem Objetivos Atividdes Recursos Setembro Integrção /dptção ds crinçs -Promover integrção/ (re) dptção ds crinçs á creche; -Proporcionr um mbiente que permit às

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO Objetivo 1: Grntir prioridde técnic, polític e finnceir pr ções de enfrentmento do HIV/DST voltds

Leia mais

REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO

REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO SETOR PROCESSO TRT Nº 01330.2006.000.14.00-0 COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO TIPO Menor Preço por lote, objetivndo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 04ª Junta de Recursos

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 04ª Junta de Recursos Ministério d Previdênci Socil Conselho de Recursos d Previdênci Socil 04ª Junt de Recursos Número do Processo: 44232.000327/2014-37 Unidde de Origem: AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL RIO DE JANEIRO-COPACABANA

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

EDITAL/SEE Nº 002/2014

EDITAL/SEE Nº 002/2014 EDITAL/SEE Nº 002/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADA PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE MONITOR/A PROFESSOR/A INDÍGENA DO ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO PARA AS ESCOLAS INDÍGENAS DA REDE ESTADUAL DE

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS

EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS O coordendor dos projetos de pesquis e desenvolvimento institucionl nº 034280, 042571, 042576, torn públic bertur de inscrições pr seleção de lunos dos cursos de grdução

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLVII 6 Brsíli - DF, qurt-feir, 27 de outubro de. Sumário PÁGINA Atos do Poder Legisltivo... 1 Atos do Congresso Ncionl... 2 Atos do Poder Executivo... 2 Presidênci d Repúblic... 3

Leia mais

Memória da 41ª Reunião do Comitê Gestor de Capacitação CGCAP 25/5/2015

Memória da 41ª Reunião do Comitê Gestor de Capacitação CGCAP 25/5/2015 Memóri d 41ª Reunião do Comitê Gestor de Cpcitção CGCAP 25/5/2015 Às quinze hors e vinte minutos do di vinte e cinco de mio de dois mil e quinze, presentes André de Mrque, Helen Arujo, Erismr Noves, Crl

Leia mais

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Itu Estado de São Paulo CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS ADITAMENTO AO EDITAL Nº.

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Itu Estado de São Paulo CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS ADITAMENTO AO EDITAL Nº. Prefeitur Municipl d Estânci Turístic Itu Estdo São Pulo CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS ADITAMENTO AO EDITAL Nº. 01/2011 A PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE ITU fz sber quem poss interessr,

Leia mais

I - APRESENTAÇÃO. Prof. Dr. Ricardo Oliveira Lacerda de Melo Presidente do Conselho de Administração

I - APRESENTAÇÃO. Prof. Dr. Ricardo Oliveira Lacerda de Melo Presidente do Conselho de Administração 5 I - APRESENTAÇÃO Com mis um reltório nul, o décimo terceiro desde su crição, FAPESE present de form quntittiv e qulittiv um retrospectiv d su tução no no de 2006, ind n gestão do Prof. Dr. José Roberto

Leia mais

APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MENSAGEM DA DIRETORIA

APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MENSAGEM DA DIRETORIA APRESENTAÇÃO A Diretori Executiv present o Reltório Anul de Informções do Fundo de Pensão Multiptrocindo d OAB-PR e d CAA/PR reltivo o exercício de 2013, consolidndo s principis informções do Plno de Benefícios

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE EDITAL COPPE/PENO/PÓS nº 235/2014: PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS PARA INSCRIÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA. Anexo 5 37 Detalhamento das ações de. acesso ao PNAE

CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA. Anexo 5 37 Detalhamento das ações de. acesso ao PNAE CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA Anexo 5 37 Detlhmento ds ções de cesso o PNAE ACESSO AO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR TI Pquiçmb e AI Jurun do km 17 A

Leia mais

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa.

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa. Av. Fernndo Ferrri, 514 Vitóri ES CEP: 29.075-910 Cmpus de Goibeirs Tel/Fx: +55 (27) 4009-7657 E-mil: ppghis.ufes@hotmil.com http://www.histori.ufes.br/ppghis EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO ESPECIAL

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012 P.J.U.- TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO 1 PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012 Regido pel Lei nº 10.520/2002, Lei Complementr

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná ESMAFE/PR Escol d Mgistrtur Federl do Prná Curso Regulr Preprtório pr Crreir d Mgistrtur Federl com opção de Pós-Grdução ltu sensu em Direito Público em prceri com UniBrsil - Fculddes Integrds do Brsil

Leia mais

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas Pcto pel Súde 2010/ Vlores bsolutos Ddos preliminres Nots Técnics Estão disponíveis, nests págins, os vlores utilizdos pr o cálculos dos indicdores do Pcto pel Súde 2010/, estbelecidos prtir d Portri 2.669,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NEAD - ANO LETIVO 2014

PLANO DE AÇÃO NEAD - ANO LETIVO 2014 PLANO DE AÇÃO NEAD - ANO LETIVO 2014 APRENTAÇÃO: O NEAD, por meio de sus Coordenções de Cursos, Pedgógics de Tutori e de Polo é um unidde de gestão, com competênci pr executr s polítics e diretrizes d

Leia mais

TÍTULO: MANAGEMENT ACCOUNTING: UMA FERRAMENTA NO DESENVOLVIMENTO GLOBAL DE UMA ORGANIZAÇÃO

TÍTULO: MANAGEMENT ACCOUNTING: UMA FERRAMENTA NO DESENVOLVIMENTO GLOBAL DE UMA ORGANIZAÇÃO TÍTULO: MANAGEMENT ACCOUNTING: UMA FERRAMENTA NO DESENVOLVIMENTO GLOBAL DE UMA ORGANIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE EDITAL PEC/COPPE/UFRJ Nº 261/2015: PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS PARA INSCRIÇÃO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

E D I T A L N º 0 3 / 2 0 1 5

E D I T A L N º 0 3 / 2 0 1 5 E D I T A L N º 0 3 / 2 0 1 5 A FACULDADE DE TECNOLOGIA MACHADO DE ASSIS FAMA, trvés d Comissão do Processo Seletivo COPS, comunic os interessdos bertur ds inscrições o PROCESSO SELETIVO pr ingresso nos

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO

PLANO ANUAL DE TRABALHO PLANO ANUAL DE TRABALHO DE ARAUCÁRIA 06 smed@rucri.pr.gov.br 1 1. APRESENTAÇÃO O Conselho Municipl de Educção CME de Arucári, crido nos termos d Lei Municipl nº 1.527/04, de 02 de novembro de 04, é o órgão

Leia mais

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE PSG

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE PSG EDITAL Nº 031/2015 SENAC ACRE TRATA DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA RECRUTAMENTO, INSCRIÇÃO, SELEÇÃO E MATRICULA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO PRESENCIAL, NO PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG, UNIDADE NEP

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

Sindicatos. Indicadores sociais 2001

Sindicatos. Indicadores sociais 2001 Ministério do Plnejmento, Orçmento e Gestão Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE Diretori de Pesquiss Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis Sindictos Indicdores sociis 2001 Rio de Jneiro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

Fundação Norte Fluminense de Desenvolvimento Regional FUNDENOR RELATÓRIO DE ATIVIDADES PRESTAÇÃO DE CONTAS BALANÇO GERAL 2013

Fundação Norte Fluminense de Desenvolvimento Regional FUNDENOR RELATÓRIO DE ATIVIDADES PRESTAÇÃO DE CONTAS BALANÇO GERAL 2013 1 2 01 3 2 Fundção Norte Fluminense de Desenvolvimento Regionl FUNDENOR RELATÓRIO DE ATIVIDADES PRESTAÇÃO DE CONTAS BALANÇO GERAL 2013 Avenid Presidente Vrgs, 180 - Pecuári CNPJ: 28.976.710/0001-70 I.

Leia mais

ESCOLAS DE MERGULHO COM CREDENCIAMENTO ATIVO

ESCOLAS DE MERGULHO COM CREDENCIAMENTO ATIVO ESCOLAS DE MERGULHO COM ATIVO ESCOLA CREDENCIADA CURSOS AUTORIZADOS CERTIFICADO DE SEGURANÇA DE SISTEMAS DE MERGULHO R(CSSM) CURSO BÁSICO DE MERGULHO RASO PROFISSIONAL * Hbilitção: mergulhos com r comprimido

Leia mais

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática.

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática. Desenvolvendo vs ferrments pedgógics pr formção gestores prques ncionis: jogos ppéis e simulção informátic 1 Equipe Jen-Pierre Briot (LIP6 & LES/DI/PUC-Rio) (coorndor) Mrt Irving (EICOS/IP/UFRJ) (vice-coorndor)

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminar)

PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminar) PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminr) PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA Governo do Estdo de Rorim Secretri Estdul

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA CAPÃO REDONDO Ru Lubvitch, 64 01123010 Bom Retiro São Pulo SP Tel/Fx: 11 3361 4976 www.poiesis.org.br TRIluminção Técnic ArenCPR ÍNDICE DO TERMO

Leia mais

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC GAE/ 04 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguçu Prná - Brsil GRUPO VI GRUPO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS (GAE) REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO Prof. Crlos Rul Borenstein,

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALHOÇA FACULDADE MUNICIPAL DE PALHOÇA EDITAL N. 09/2012

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALHOÇA FACULDADE MUNICIPAL DE PALHOÇA EDITAL N. 09/2012 PREFEITUR MUNICIPL DE PLHOÇ FCULDDE MUNICIPL DE PLHOÇ EDITL N. 09/2012 Diretora Executiva da Faculdade Municipal de Palhoça, no uso de suas atribuições legais, e de acordo com o que prevê a Resolução n.

Leia mais

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove Aem n S Informe Icesp Semnl Ano IV nº 49 11/04/2014 Vem í, novo curso no Icesp/Promove A prtir do segundo semestre de 2014, o ICESP Promove de Brsíli brirá inscrições pr o curso de Tecnologi em Construção

Leia mais

ELENCO DE CONTAS DE DESPESAS 2014

ELENCO DE CONTAS DE DESPESAS 2014 TRIBUNL DE CONTS DO ESTDO DO PRNÁ nexo IV da Instrução Técnica nº 20/2003 - de Contas da Despesa SIM-M/2014 C Ó D I G O TÍTULO Nível S/ ESPECIFICÇÃO Versão 3 0 00 00 00 00 DESPESS CORRENTES S Classificam-se

Leia mais

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL 1. DO PROGRAMA 1.1. O PSG destin-se pessos de bix rend cuj rend fmilir mensl per cpit não ultrpsse 2 slários mínimos federis,

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL. Página da Prefeitura na i nternet: www.portoalegre.rs.gov.br. Cidade terá novo Mapa Ilustrado

DIÁRIO OFICIAL. Página da Prefeitura na i nternet: www.portoalegre.rs.gov.br. Cidade terá novo Mapa Ilustrado DIÁRIO OFICIAL DE PORTO ALEGRE Edição 2708 Segund-feir, 30 de Jneiro de 2006 1 DIÁRIO OFICIAL PORTO ALEGRE Órgão de divulgção Oficil do Município Ano X Edição 2708 Segund-feir, 30 de Jneiro de 2006 Págin

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar:

O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: LEI COMPLEMENTAR Nº 67, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1992. Institui o Plno de Crreir, Crgos e Slários do Pessol Civil d Administrção Diret do Poder Executivo, Autrquis e Fundções instituíds ou mntids pelo Poder

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Interno de Pessoal COORDENAÇÃO-GERAL DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS BOLETIM INTERNO DE PESSOAL.

Interno de Pessoal COORDENAÇÃO-GERAL DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS BOLETIM INTERNO DE PESSOAL. Boletim Interno de Pessol Novembro/2013 Alice obr d rtist plástic Esther Silv. GOTSCHALK DA SILVA FRAGA Presidente PAULO GRIJÓ GUALBERTO Coordendor-Gerl de Plnejmento e Administrção CARLOS ALBERTO MORGADO

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA Editl PPGEA 04/2016: http://portl.ufgd.edu.br/pos-grduco/mestrdo-engenhrigricol 1.1 Conttos: Horário de tendimento d secretri: d 8 s 11 h e ds 13 s 16 h;

Leia mais

JOSÉ DE ANCHIETA JUNIOR

JOSÉ DE ANCHIETA JUNIOR SUMÁRIO Págin Atos do Poder Executivo...01 Governdori do Estdo...01 Secretri de Estdo d Gestão Estrtégic e Administrção...04 Secretri de Estdo d Súde...09 Secretri de Estdo de Educção, Cultur e Desportos...16

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DA OUVIDORIA DA JUSTIÇA ELEITORAL DO PIAUÍ

RELATÓRIO ANUAL DA OUVIDORIA DA JUSTIÇA ELEITORAL DO PIAUÍ 1 RELATÓRIO ANUAL DA OUVIDORIA DA JUSTIÇA ELEITORAL DO PIAUÍ 09 de Novembro de 2010 09 de Novembro de 2011 2 SUMÁRIO 1. Apresentção...03 2. Composição d Ouvidori d Justiç Eleitorl do Piuí...04 3. Intercâmbio

Leia mais