Manual de Procedimentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Procedimentos"

Transcrição

1 Manual de Procedimentos Volume 5 Direção de Serviços de Informática 5.2 Área de Infraestruturas

2 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas Capítulo: Núcleo de Comunicação Voz e Vídeo Índice Princípios Gerais... 4 Abreviaturas e Acrónimos... 6 Legislação Aplicável... 7 Mapa de Atualização Documento... 8 Área de Infraestruturas... 9 Capítulo 5 Núcleo de Comunicação Voz e Vídeo... 9 Processo 1 Instalação de extensão telefónica... 9 Sub 1.1 Pedi de extensão telefónica... 9 Sub 1.2 Verificação das condições local... 9 Sub 1.3 Viabilidade da instalação... 9 Sub 1.4 Configuração Telefónica ou VoIP Verificação das condições local Processo 2 Pedi de Cobertura de Rede sem fios Sub 2.1 Receção pedi Sub 2.2 Recolha de informação sobre o remetente pedi Sub 2.3 Análise de Cobertura Sub 2.4 Reforço da cobertura Sub 2.5 Instalação equipamento a avulso Sub 2.6 Planeamento de redistribuição geográfica s equipamentos Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 2

3 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas Capítulo: Núcleo de Comunicação Voz e Vídeo Sub 2.7 Instalação s equipamentos Capítulo 6 Núcleo de Redes e Sistemas Processo 1 Alojamento de servires no Data Center Sub 1.1 Receção pedi Sub 1.2 Contacto com o cliente Sub 1.3 Fornecimento de das ao cliente Sub 1.4 Acor da data com o cliente para o alojamento Sub 1.5 Configuração da estrutura de rede Sub 1.6 Receção e acompanhamento da instalação equipamento Sub 1.7 Fornecimento de das de configuração Sub 1.8 Categorizar o alojamento na wiki Processo 2 Instalação automatizada de máquinas e gestão centralizada de configurações.. 33 Sub 2.1 Definição de requisitos mínimos de software Sub 2.2 Definição de receitas Sub 2.3 Instalação e configuração das receitas Sub 2.4 Instalação software no computar Sub 2.5 Atualização de receitas de software Processo 3 Backups e manutenção de cópias de segurança de um computar Sub 3.1 Pedi ou necessidade de associar um computar ao servir de backups Sub 3.2 Instalação e configuração software Cliente de Backups Sub 3.3 Configuração de uma nova entrada no servir de backups Sub 3.4 Verificação da instalação e configuração servir Sub 3.5 Cópia de das para o servir de backups Sub 3.6 Relatórios de análise Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 3

4 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas Capítulo: Núcleo de Comunicação Voz e Vídeo Princípios Gerais A Direção de Serviços de Informática tem como funções a manutenção, desenvolvimento e suporte s serviços informáticos e de comunicações Instituto Superior Técnico, com níveis de fiabilidade e resiliência que possibilitem o funcionamento contínuo com elevas níveis de qualidade de serviço. As principais competências da Direção de Serviços de Informática são a manutenção e suporte da infraestrutura passiva e ativa de comunicações, incluin das, voz e vídeo, o desenvolvimento de aplicações inovaras para os serviços de informação académicos e administrativos, e a configuração e manutenção de aplicações externas, open source ou contratadas, orientadas para a gestão de sistemas de informação, fluxos de informação e procedimentais da gestão IST, o desenvolvimento de interfaces web e a optimização de usabilidade das aplicações desenvolvidas internamente, o apoio técnico à comunicação interna e externa da Escola, nas vertentes de design e vídeo e o suporte ao utilizar. A Direção de Serviços de Informática compreende três áreas, que por suas vez se dividem em vários núcleos. O presente capítulo refere-se à Área de Infraestruturas (AI), que se organiza em is núcleos: Núcleo de Comunicação de Voz e Vídeo Núcleo de Redes e Sistemas O Núcleo de Comunicações de Voz e Vídeo (NCVV) tem como objetivo a manutenção e suporte das redes de das e comunicações IST. O NCVV tem como principais competências a manutenção, configuração e programação de tos os sistemas de comunicações de voz, das e vídeos. O NCVV tem como funções: Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 4

5 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas Capítulo: Núcleo de Comunicação Voz e Vídeo A manutenção das redes telefónicas e de das; A manutenção, programação e configuração das centrais telefónica; A manutenção, configuração e planeamento da rede de das; A configuração de encaminhares e comutares; O planeamento s endereços de rede de das; O Núcleo de Redes e Sistemas tem como objetivos a manutenção e suporte de todas as infraestruturas físicas, lógicas e de armazenamento indispensáveis à execução das aplicações s serviços centrais da DSI. O Núcleo de Redes e Sistemas dispõe de fortes competências na área de Hardware e Sistemas Operativos. O Núcleo de Redes e Sistemas tem as seguintes funções: Manutenção de sistemas físicos computacionais e de armazenamento; Manutenção s sistemas operativos e serviços conexos Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 5

6 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas Capítulo: Núcleo de Comunicação Voz e Vídeo Abreviaturas e Acrónimos ALU AI Área de Ligação ao Utilizar Área de Infraestruturas AASI Área de Aplicações e Sistemas de Informação DSI Direção de Serviços de Informática NAA Núcleo de Aplicações Académicas NAGA Núcleo de Aplicações de Gestão Administrativa NCVV Núcleo de Comunicação de Voz e Vídeo NM Núcleo de Microinformática NME Núcleo de Multimédia e e-learning NRS Núcleo de Redes e Sistemas NSU Núcleo de Suporte ao Utilizar Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 6

7 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas Capítulo: Núcleo de Comunicação Voz e Vídeo Legislação Aplicável Legislação Descrição Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 7

8 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas Capítulo: Núcleo de Comunicação Voz e Vídeo Mapa de Atualização Documento Responsável O quê Quan Como Resulta/ Registo Fernan Mira da Silva Versão inicial Anualmente As propostas são sempre enviadas à AQAI para análise juntamente com o formulário de alteração. Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 8

9 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas Capítulo: Núcleo de Comunicação Voz e Vídeo Área de Infraestruturas Capítulo 1 Núcleo de Comunicação Voz e Vídeo Processo 1 Instalação de extensão telefónica Sub 1.1 Pedi de extensão telefónica É realiza um pedi por uma pessoa ou unidade interessada, que necessita de uma extensão telefónica, através envio de um para a DSI. O pedi deve conter o nome da unidade de origem pedi, para ser possível analisar as condições local. Sub 1.2 Verificação das condições local Em segun lugar, os responsáveis por dirigem-se ao local para verificar a existência de condições para se r à instalação da extensão telefónica. Estas condições têm que ver com a existência de cablagem entre a central telefónica mais perto e o local da instalação (ou possível existência de tomada de rede para instalação telefone VoIP). Sub 1.3 Viabilidade da instalação A viabilidade da instalação tem em conta algumas variáveis que é necessário assegurar. Por um la, é necessário que exista cablagem para se r à instalação; caso isso não aconteça, será necessário contratar uma empresa para colocar cablagem telefónica até ao local pretendi (verificar se há números de telefone público (DDI) para atribuir ao telefone). Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 9

10 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas Capítulo: Núcleo de Comunicação Voz e Vídeo Por outro la, caso exista um servir perto local onde se pretende instalar a ligação telefónica, poderá ser mais viável fazer uma instalação serviço VoIP. Esta decisão cabe ao coordenar núcleo responsável. Sub 1.4 Configuração Telefónica ou VoIP A configuração da ligação telefónica ou serviço VoIP é feita no local pretendi cliente. Nesta fase é configura o tipo de chamadas (nacionais, móveis, internacionais, entre outras) que podem ser feitas daquele telefone. Esta decisão cabe ao responsável departamento que pediu a extensão. Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 10

11 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas Capítulo: Núcleo de Comunicação Voz e Vídeo MAPA DO PROCESSO Pedi de Extensão Telefónica Coordenar NCVV David Godinho; Paulo Rodrigues; David Godinho Paulo Rodrigues; (, sub procedimento) 1.1 Pedi de extensão telefónica 1.2 Verificação das condições local 1.3 Viabilidade Quan se /prazo Quan é realiza um pedi por uma pessoa ou núcleo interessa, através envio de um . Após a receção pedi; Após a verificação Como se Recebe-se o pedi através de ; Os responsáveis dirigem-se ao local e verificam a existência de condições; Após a verificação da Resulta/ registo Encaminhamento para o respetivo núcleo; Existência ou não de condições para instalação de extensão telefónica; Definição da instalação Fluxo Receciona de: Unidades da escola interessadas; Expedi para: valida pela gestão de pedis no NSU; aprova Coordenar núcleo responsáve l Coordenar núcleo; Coordenar Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 11

12 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas Capítulo: Núcleo de Comunicação Voz e Vídeo (, sub procedimento) Quan se /prazo David Godinho da instalação das condições local; Jorge Matias 1.4 Configuração Telefónica ou VoIP Após a verificação da viabilidade da instalação; Como se existência de condições, define-se que tipo de instalação é adequada ao local; Instalação de telefone ou serviço VoIP. Resulta/ registo adequada ao local, em função das condições previamente verificadas; Ligação telefónica ou serviço VoIP Fluxo Receciona de: Expedi para: valida aprova núcleo; Coordenar núcleo; Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 12

13 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas Capítulo: Núcleo de Comunicação Voz e Vídeo Processo 2 Pedi de Cobertura de Rede sem fios Sub 2.1 Receção pedi É realiza um pedi por uma pessoa ou núcleo interessa, através envio de um e- mail para a DSI. Os pedis recebis são geris por um sistema de gestão de pedis. Sub 2.2 Recolha de informação sobre o remetente pedi Ao tratar o pedi verifica-se se contém a localização geográfica remetente dentro IST. Caso essa informação não se encontre no , pede-se ao remetente mesmo que diga qual o departamento a que pertence e qual o seu istid, para que seja possível fazer o rastreio sobre se se trata de um problema de autenticação ou de cobertura de rede e quais os pontos de rede sem fios onde o utilizar mais se costuma ligar. Por outro la, averigua-se a cobertura de equipamentos na zona pedi. Sub 2.3 Análise de Cobertura Posteriormente, os responsáveis visitam o local e procuram medir a qualidade sinal e os níveis de interferência com outros equipamentos. Caso se verifique que há interferências na zona causas por equipamentos alheios à infraestrutura de rede sem fios, tenta-se resolver tais interferências e, caso não se consiga, procura-se ajustar a frequência s equipamentos sem fios que estão no local envolvente. Nesta análise de cobertura é tida em conta a quantidade de utilizares que necessitam de cobertura nesse local, pois, caso sejam poucos utilizares, pode não ser economicamente viável r a uma futura instalação. Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 13

14 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas Capítulo: Núcleo de Comunicação Voz e Vídeo Sub 2.4 Reforço da cobertura Caso se verifique que o problema é fraca cobertura de rede, define-se que será feita a cobertura de rede mas o fica pendente. É adiciona a uma página web pública, para que toda a comunidade possa ver a lista de pedis pendentes, indican qual o status de análise problema se é um problema de cobertura, interferências; se está resolvi ou por resolver. Nesta página é também coloca o nome da pessoa que fez o pedi e a data em que o mesmo foi feito. Sub 2.5 Instalação equipamento a avulso Assim que exista equipamento disponível para instalar e, caso não exista nenhum planeamento para instalação de equipamento no local pedi e não se planeie para breve, -se à instalação avulsa de equipamento no local. Sub 2.6 Planeamento de redistribuição geográfica s equipamentos Caso se verifique que existem muitos utilizares nos espaços envolventes a requerer cobertura, passa-se a um novo planeamento da distribuição s equipamentos no local, de mo a distribuir os equipamentos de forma mais equilibrada por toda a zona geográfica. Sub 2.7 Instalação s equipamentos Este sub requer a instalação de um cabo de rede desde o access point até ao bastir mais próximo e uma interligação com o equipamento de rede. Posteriormente configura-se uma porta no switch onde se irá ligar o cabo de rede e finalmente configurase e instala-se o access point. Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 14

15 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas Pedi de Cobertura de Rede sem fios Equipa NSU; Israel Lugo; Jorge Matias (, sub procedimento) 2.1 Receção pedi 2.2 Recolha de informação sobre o pedi Quan se / prazo Quan é realiza um pedi por uma pessoa ou núcleo interessa, através envio de um . Depois de se receber o pedi via ; MAPA DO PROCESSO Como se Recebe-se o pedi através de ; Verifica-se se contém a localização geográfica remetente dentro IST; Resulta/ registo Encaminhamento para o respetivo núcleo; problema. utilizar e s/ localização geográfica; Fluxo Receciona de: Qualquer utilizar da rede Técnico. Expedi para: valida pela gestão de pedis no NSU; aprova Coordenar núcleo responsável Israel Lugo; 2.3 Análise de Após a Faz-se uma Registo da Responsá- Responsá- Responsá- Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 15

16 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas (, sub procedimento) Quan se / prazo Jorge Matias Cobertura recolha de informação sobre o pedi; Israel Lugo; Jorge Matias 2.4 Reforço da cobertura Após a análise de cobertura; Como se análise de cobertura da rede, medin- -se a intensidade da rede no local e se existem equipamentos que provocam interferências na rede; Caso se verifique que o problema é fraca cobertura de rede, define-se que será feita a cobertura de rede mas o Resulta/ registo intensidade sinal e número de utilizares da rede sem fios na zona; Registo da decisão de reforço numa página web pública. Reforço da cobertura de rede; Fluxo Receciona de: Expedi para: veis valida veis aprova veis Coordenar núcleo responsável Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 16

17 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas Israel Lugo; Jorge Matias Israel Lugo; Jorge Matias (, sub procedimento) 2.5 Instalação equipamento a avulso 2.6 Planeamento de redistribuição geográfica s equipamentos Quan se / prazo Depois da definição de reforço da cobertura; Caso não se instale o equipamento de forma avulsa; Como se fica pendente; Instala-se o equipamento no local, no caso de não existir nenhuma instalação planeada para as áreas envolventes; Verificam-se os equipamentos no local e planeia-se uma nova instalação s mesmos, em função das Resulta/ registo Instalação de um único equipamento. Expansão da cobertura da rede sem fios; Planeamento da redistribuição da rede sem fios; Fluxo Receciona de: Expedi para: valida aprova Coordenar núcleo responsável Coordenar núcleo responsáve l Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 17

18 Volume: 5.2 Área de Infraestruturas Israel Lugo; Jorge Matias (, sub procedimento) 2.7 Instalação s equipamentos Quan se / prazo Após o planeamento da redistribuição de equipamento; Como se necessidades geográficas s utilizares; Instalação de cabo de rede desde o access point até ao bastir. Configuração de uma porta no switch onde se irá ligar o cabo de rede. Configuração e instalação no access point. Resulta/ registo Instalação planeada de vários equipamentos. Expansão da cobertura da rede sem fios. Fluxo Receciona de: Expedi para: valida aprova Coordenar núcleo responsáve l Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 18

19 MANUAL DE PROCEDIMENTOS Volume Área de Infraestruturas Processo 3 Pedi de ativação/instalação/reparação de tomadas de rede Sub 3.1 Receção pedi É realiza um pedi por um utilizar, responsável por determina núcleo ou departamento, através envio de um para a DSI. Os pedis recebis são geris por um sistema de gestão de pedis. Sub 3.2 Verificação s pontos de rede No caso pedi ser para instalação de uma tomada de rede, é necessário verificar no local os pontos de rede existentes. Se for necessário instalar ou reparar algum ponto de rede recorre-se a uma empresa externa para a instalação ou reparação da tomada. No caso de existir o ponto de rede e ser apenas necessário ativá-lo, -se à ligação dessa tomada ao equipamento de rede no bastir que serve esse local. Sub 3.3 Configuração da porta de rede Posteriormente, -se à configuração da porta de rede equipamento para que o utilizar fique liga à rede IP indicada para o serviço administrativo ou académico ao qual está associa. Sub 3.4 Atribuição endereço IP ao computar utilizar Após a configuração da porta de rede, -se à atribuição endereço IP ao dispositivo utilizar (computar, impressora, telefone VoIP,...). Esta atribuição pode ser feita de duas formas: atribuição de endereço para configuração manual ou automática, através de DHCP. Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 19

20 Volume 5.2: Área de Infraestruturas MAPA DO PROCESSO Pedi de ativação/instalação/reparação de tomadas de rede Equipa NSU; Equipa NCVV (, sub procedimento) 3.1 Receção pedi 3.2 Verificação s pontos de rede Quan se / prazo Quan é realiza um pedi por determina núcleo ou departamento através envio de um . Depois de se receber o pedi via ; Como se Recebe-se o pedi através de ; Caso seja para instalação de uma tomada de rede, verifica-se no local os pontos Resulta/ registo Encaminhamento para o respetivo núcleo; Ativação ponto de rede com ligação da tomada ao equipamento de rede no Fluxo Receciona de: Qualquer utilizar da rede Técnico. Expedi para: valida pela gestão de pedis no NSU; aprova Coordenar núcleo responsável Coordenad or núcleo, caso seja necessário instalação. Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 20

21 Volume 5.2: Área de Infraestruturas Equipa NCVV Equipa NCVV (, sub procedimento) 3.3 Configuração da porta de rede 3.4 Atribuição endereço IP ao computar utilizar Quan se / prazo Depois de verificas os pontos de rede Após a configuração da porta de rede Como se de rede existentes. Instalação ou reparação ponto de rede. Configuração da porta de rede equipamento. Atribuição de endereço IP para configuração manual ou automática, através de DHCP. Resulta/ registo bastir que serve o local. Ligação utilizar à rede IP indicada para o serviço ao qual está associa. Atribuição endereço IP ao dispositivo utilizar (computar, impressora, telefone VoIP,...) Fluxo Receciona de: Expedi para: valida aprova Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 21

22 Volume 5.2: Área de Infraestruturas Processo 4 Pedi de emissão de certificas digitais TERENA Sub 4.1 Receção pedi É realiza um pedi por um utilizar, através acesso ao serviço Web e preenchimento respetivo formulário. Este certifica pode ser pessoal ou para servir. Nesse formulário são indicas os requisitos técnicos de preenchimento formulário e de geração pedi de certifica. D mo, o utilizar deverá gerar uma chave pública e introduzi-la no formulário. Sub 4.2 Aprovação pedi Através da mesma plataforma Web, é feita a aprovação pedi por um representante autoriza na DSI e é envia um mail à instituição que presta o referi serviço (TERENA), anexan o cumento pedi, assina digitalmente com cartão de cidadão representante. Sub 4.3 Verificação da autenticidade pedi pela entidade emissora Para além disso, é necessária uma segunda fase de verificação da autenticidade pedi, que deve ser realizada pela equipa responsável, responden a um serviço de emissão de certificas da TERENA. Sub 4.4 Emissão certifica No final é emiti um certifica pela entidade certificara, envia ao utilizar por e- mail, com conhecimento da equipa responsável pela verificação pedi. Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 22

23 Volume 5.2: Área de Infraestruturas Pedi de emissão de certificas digitais Equipa da AI (NCVV e NRS) (, sub procedimento) 4.1 Receção pedi Equipa da AI 4.2 Aprovação pedi Quan se / prazo Quan é realiza um pedi por um utilizar, para servires, através acesso ao serviço Web. Depois pedi submeti MAPA DO PROCESSO Como se Preenchimento respetivo formulário no serviço Web, com indicação s requisitos técnicos. É envia um mail à instituição que presta o referi serviço. Resulta/ registo Gerada uma chave pública que é introduzida no formulário Documento pedi aprova, assina digitalmente com cartão de cidadão. Fluxo Receciona de: Qualquer utilizar da rede Técnico. Expedi para: valida aprova Coordenar núcleo responsável Equipa da AI 4.3 Depois de Verificação da Verificação da Entidade Entidade Responsá- Responsá- Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 23

24 Volume 5.2: Área de Infraestruturas Entidade certificara TERENA (, sub procedimento) Verificação da autenticidade pedi pela entidade emissora 4.4 Emissão certifica Quan se / prazo aprovação pedi. Depois de verificação da autenticidade pedi pela entidade emissora. Como se autenticidade pedi, que deve ser realizada responden a um serviço de emissão de certificas da TERENA. Emissão de um certifica, com conhecimento da equipa responsável pela verificação pedi Resulta/ registo autenticidade pedi pela entidade emissora, através da resposta à TERENA com um código de validação. Emissão certifica digital Fluxo Receciona de: certificara TERENA Entidade certificara TERENA Expedi para: certificara TERENA Utilizar valida veis Entidade certificar a TERENA aprova veis Entidade certificar a TERENA Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 24

25 Volume 5.2: Área de Infraestruturas Capítulo 2 Núcleo de Redes e Sistemas Processo 1 Alojamento de servires no Data Center Este procedimento é efetua quan existe um responsável por uma entidade da Comunidade Escolar (com vínculo ao IST) que necessita de alojar um servir muito específico. Sub 1.1 Receção pedi É realiza um pedi por parte de uma Unidade Técnico, através envio de um mail para a DSI, solicitan um servir para alojamento. Sub 1.2 Contacto com o cliente Após a receção pedi, contacta-se a pessoa ou unidade interessada para analisar as características técnicas s equipamentos, como por exemplo: o número de computares; o espaço em altura que os equipamentos vão ocupar; quantos cabos de rede são necessários; consumo de energia s equipamentos; número de endereços de IP necessários; entre outras. Sub 1.3 Fornecimento de das ao cliente Após contacto, é forneci ao cliente um link, que contém um cumento, com o protocolo de alojamento que é estabeleci entre a DSI e o utilizar (cliente). Este link serve para explicar ao cliente um conjunto de práticas e de regras serviço que lhe está a ser presta. Ainda no link cumento, é pedi o contacto administrativo e o contacto técnico cliente, para o caso de haver algum problema com o alojamento. Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 25

26 Volume 5.2: Área de Infraestruturas Sub 1.4 Acor da data com o cliente para o alojamento Depois acorda-se com o cliente a data para o alojamento servir ficar pronto. De notar que, nesta fase, o prazo para o alojamento servir irá depender cliente, uma vez que é que tem de fornecer to o equipamento necessário. Por vezes é presta auxílio ao cliente na escolha s equipamentos, de mo a que o alojamento servir se faça da melhor forma possível. Sub 1.5 Configuração serviço de rede Realiza-se uma configuração prévia s equipamentos de rede (switches, routers e servires de DHCP). O objetivo será preparar a instalação s equipamentos na rede para que o servir possa ter ligação à rede IPv4/IPv6. Configura-se também o serviço de DNS para atribuir um nome de mínio de Internet ao(s) servir(es). Sub 1.6 Receção e acompanhamento da instalação equipamento Depois de se receber, por parte cliente, to o equipamento necessário para o alojamento servir, -se à instalação equipamento no Data Center. Sub 1.7 Fornecimento de das de configuração Após a instalação equipamento ficar concluída, é envia ao cliente (normalmente através de ) os das de configuração alojamento servir (como o IP, o DNS, MAC Adress, entre outros). Sub 1.8 Categorizar o alojamento na wiki Depois de concluí o alojamento servir para o cliente, constrói-se uma página na wiki sobre esse mesmo alojamento. Nessa página constam as características Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 26

27 Volume 5.2: Área de Infraestruturas equipamento que foi aloja, contacto técnico e administrativo cliente e das de IP e DNS que foram configuras. Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 27

28 Volume 5.2 Área de Infraestruturas MAPA DO PROCESSO Alojamento de servires no Data Center Equipa NSU (, sub procedimento) 1.1 Receção pedi Quan se /prazo Quan uma pessoa ou unidade IST tem a necessidade de alojar um servir específico Como se Através da receção de um da pessoa ou que necessita de de alojamento de um servir Resulta/ registo Formalização pedi Fluxo Receciona de: Pessoa ou unidade da Escola Expedi para: Equipa responsável alojamento de servires no Data Center valida Responsáv el aprova Coordenad or núcleo responsáve l Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 28

29 Volume 5.2 Área de Infraestruturas Cláudio Martins; Jorge Matias (, sub procedimento) Contacto com o cliente Quan se /prazo Após a receção pedi Como se Contacto com a pessoa ou unidade interessada, para aferir quais os equipamentos necessários para realizar o alojamento Resulta/ registo Recolha das primeiras informações acerca servir a alojar, junto (s) interessa(s) Fluxo Receciona de: Equipa NSU Expedi para: Equipa responsável alojamento de servires no Data Center valida Responsáv el aprova Coordenad or núcleo responsáve l Cláudio Martins; Jorge Matias. 1.3 Fornecimento de das ao cliente Após o primeiro contacto com o cliente É coloca um link (na página da DSI), que contém um cumento a explicar um conjunto de regras e Esclarecer o cliente a respeito serviço que lhe vai ser presta (alojamento de um servir) Equipa responsável alojamento de servires no Data Center Pessoa ou unidade interessada no alojamento Responsáv el Coordenad or núcleo responsáve l Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 29

30 Volume 5.2 Área de Infraestruturas (, sub procedimento) Quan se /prazo Como se práticas serviço Resulta/ registo Fluxo Receciona de: Expedi para: valida aprova Cláudio Martins; Jorge Matias. Cláudio Martins; Jorge Matias. 1.4 Acor da data com o cliente para o alojamento 1.5 Configuração da estrutura de rede Depois fornecimento de das ao cliente Após a definição da data para o alojamento servir É acordada a data, com o cliente, para o alojamento servir Faz-se a configuração prévia s serviços de rede Definição da data para o alojamento servir Configuração serviço de rede e definição da tomada de switch a atribuir, bem como endereço IPv4/IPv6 e nome de Equipa responsável alojamento de servires no Data Center Equipa NRS responsável alojamento de servires no Data Center Equipa responsável alojamento de servires no Data Center Equipa NRS responsável alojamento de servires no Data Center Responsáv el Coordenar NRS Coordenad or núcleo responsáve l Equipa NRS responsável alojamento de servires no Data Center Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 30

31 Volume 5.2 Área de Infraestruturas (, sub procedimento) Quan se /prazo Como se Resulta/ registo mínio de Internet Fluxo Receciona de: Expedi para: valida aprova Jorge Matias; José Pereira. Cláudio Martins; Daniel Almeida; José Pereira; Jorge Matias. 1.6 Receção e acompanhamento da instalação equipamento 1.7 Fornecimento de das de configuração Depois da configuração da estrutura da rede Depois da conclusão alojamento Receção e acompanhamento da instalação equipamento São fornecis os das de configuração servir ao cliente Conclusão alojamento servir Fornecimento s das de configuração servir ao cliente Equipa NRS responsável alojamento de servires no Data Center Equipa NRS responsável alojamento de servires no Data Center Equipa NRS responsável alojamento de servires no Data Center Equipa NRS responsável alojamento de servires no Data Center Coordenar NRS Coordenar NRS Equipa NRS responsável alojamento de servires no Data Center Equipa NRS responsável alojamento de servires no Data Center Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 31

32 Volume 5.2 Área de Infraestruturas Cláudio Martins; Jorge Matias. (, sub procedimento) 1.8 Categorizar o alojamento na wiki Quan se /prazo A seguir ao fornecimento s das de configuração servir ao cliente Como se Categorização alojamento na wiki da DSI Resulta/ registo Documentação das caraterísticas equipamento que foi aloja, o contacto técnico e administrativo cliente e os das de IP e DNS que foram configuras Fluxo Receciona de: Equipa NRS responsável alojamento de servires no Data Center Expedi para: Equipa NRS responsável alojamento de servires no Data Center valida Coordenar NRS aprova Equipa NRS responsável alojamento de servires no Data Center Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 32

33 Volume 5.2 Área de Infraestruturas Capítulo: Núcleo de Redes e Sistemas Processo 2 Instalação automatizada de máquinas e gestão centralizada de configurações Este tem como objetivo tentar que, a médio prazo, sempre que se precisar de fazer atualizações de segurança às máquinas, se consiga fazer com pouco esforço, ou seja, realizar essas mesmas atualizações de forma centralizada de mo a que tos os computares sejam atualizas de uma só vez. Sub 2.1 Definição de requisitos mínimos de software Em primeiro lugar, realiza-se um levantamento sobre os requisitos mínimos de software que qualquer um s computares tinha, para assim poder defini-los convenientemente. Sub 2.2 Definição de receitas Após a definição s requisitos mínimos de software para todas as máquinas que necessitem de ser atualizadas, é definida uma receita de software a instalar e configurar. Esta receita de software contém todas as atualizações que os computares terão de ter. Sub 2.3 Instalação e configuração das receitas Com a definição das várias receitas, define-se como é que se instala e configura o software que cada receita contém. No fun, são as regras de instalação e configuração que se estabelecem para cada receita com os seus softwares de atualização. Sub 2.4 Instalação software no computar Defini-se como são feitas as atualizações, através de um servir central, para o computar. Ou seja, quais são as receitas de software que cada computar terá de ter Elabora por: DSI Verifica por: Jorge Matias Aprova por: CG Página: 33

Serviços de Implementação HP: Serviço de instalação

Serviços de Implementação HP: Serviço de instalação Ficha técnica Serviços de Implementação HP: Serviços HP para Computadores e Impressoras Vantagens do serviço Instalação de computadores e impressoras preparados para TI e utilizadores Instalação padrão

Leia mais

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA DE INFRAESTRUTURA www.alidata.pt geral@alidata.pt +351 244 850 030 A Alidata conta com uma equipa experiente e especializada nas mais diversas áreas, desde a configuração de um simples terminal de trabalho

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

Acordo de alojamento de servidor

Acordo de alojamento de servidor Acordo de alojamento de servidor Estabelecido entre a Direcção de Serviços de Informática (DSI) do Instituto Superior Técnico e Docente /Instituto / Secção janeiro de 2014 Acordo de alojamento de servidores

Leia mais

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero Servidor, Proxy e Firewall Professor Victor Sotero 1 Servidor: Conceito Um servidor é um sistema de computação centralizada que fornece serviços a uma rede de computadores; Os computadores que acessam

Leia mais

Empresa de Projecto e Desenvolvimento de. Engenharia Civil - EPDEC

Empresa de Projecto e Desenvolvimento de. Engenharia Civil - EPDEC Empresa de Projecto e Desenvolvimento de Engenharia Civil - EPDEC Pedido de Proposta para Implementação da Rede Informática Projecto: Rede Informática da EPDEC Novembro de 2007 Índice 1 Introdução...1

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: n-mf Xerox Versão do produto: 4.7 Autor: Bárbara Vieira Souza Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 04/04/01 Documento destinado a: Parceiros NDDigital, técnicos

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Manual de utilização da aplicação web Gestão de Delegados de Informação Médica

Manual de utilização da aplicação web Gestão de Delegados de Informação Médica Manual de utilização da aplicação web Gestão de Delegados de Informação Médica 1.1 Pedido de Login de Novas Entidades. Este ecrã irá proporcionar à entidade a realização do pedido de login. Para proceder

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Documento confidencial Reprodução proibida 1 Introdução Em um mundo onde as informações fluem cada vez mais rápido e a comunicação se torna cada vez mais

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

Via Prática Firewall Box Gateway O acesso à Internet

Via Prática Firewall Box Gateway O acesso à Internet FIREWALL BOX Via Prática Firewall Box Gateway O acesso à Internet Via Prática Firewall Box Gateway pode tornar sua rede mais confiável, otimizar sua largura de banda e ajudar você a controlar o que está

Leia mais

Instalação de máquina virtual em Linux e MAC OSX. Serviços Informáticos. Unidade de Microinformática e Suporte ao Utilizador

Instalação de máquina virtual em Linux e MAC OSX. Serviços Informáticos. Unidade de Microinformática e Suporte ao Utilizador Instalação de máquina virtual em Linux e MAC OSX Serviços Informáticos Unidade de Microinformática e Suporte ao Utilizador Instituto Politécnico de Leiria Versão: 1.0 08-03-2011 Controlo do Documento Autor

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede de computadores Utilização de Ipconfig, Ping e Tracert

Leia mais

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Acesso à Internet.

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Acesso à Internet. Sumário Acesso à Internet. Elementos típicos de uma rede. Rede de acesso ADSL. Rede de acesso ADSL. Rede de acesso ADSL. Rede de acesso ADSL. Rede de acesso ADSL. Rede de acesso ADSL. Rede de acesso ADSL.

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede WebZine Manager Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.0 Data: 10 de Setembro de 2012 Identificador do documento: WebZine Manager Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: SoftSolut,

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

Publicação em contexto académico: OJS na prática

Publicação em contexto académico: OJS na prática Publicação em contexto académico: OJS na prática sumário 1. Publicações científicas em ambiente académico: um cenário pouco homogéneo 1.1 o papel das bibliotecas de ensino superior 2. OJS Open Journal

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório Nota sobre a Utilização do Laboratório 1. Introdução O laboratório de Sistemas e Redes foi criado com o objectivo de fornecer um complemento prático de qualidade ao ensino das cadeiras do ramo Sistemas

Leia mais

EM4590R1 Repetidor Sem Fios WPS

EM4590R1 Repetidor Sem Fios WPS EM4590R1 Repetidor Sem Fios WPS EM4590R1 Repetidor Sem Fios WPS 2 PORTUGUÊS Índice 1.0 Introdução... 2 1.1 Conteúdo da embalagem... 2 2.0 Onde colocar o repetidor sem fios WPS EM4590?... 3 3.0 Configurar

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Segurança Internet Fernando Albuquerque fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Tópicos Introdução Autenticação Controle da configuração Registro dos acessos Firewalls Backups

Leia mais

MANUAL WIRELESS DOS PONTOS MUNICIPAIS DE BANDA LARGA

MANUAL WIRELESS DOS PONTOS MUNICIPAIS DE BANDA LARGA MANUAL WIRELESS DOS PONTOS MUNICIPAIS DE BANDA LARGA Introdução O Projecto Municipal dos Pontos Municipais de Banda Larga (PMBL) pretende dotar o Município de Almeida de equipamentos e infra-estruturas

Leia mais

Declaração de Práticas

Declaração de Práticas Declaração de Práticas acingov Registo da revisão Versão Data Responsável Descrição 1.0 24-03-2014 Ricardo Garcês Versão Inicial 2.0 09-10-2014 Ricardo Garcês 3.0 13-10-2014 Ricardo Garcês 4.0 17-10-2014

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo o processo de atendimento

Leia mais

SIAFRO Módulo de Devolução 1.0

SIAFRO Módulo de Devolução 1.0 Conteúdo do Manual. Introdução. Capítulo Requisitos. Capítulo Instalação 4. Capítulo Configuração 5. Capítulo 4 Cadastro de Devolução 6. Capítulo 5 Relatório 7. Capítulo 6 Backup 8. Capítulo 7 Atualização

Leia mais

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO Enquadramento geral Um dos principais desafios que se colocam à sociedade portuguesa é o do desenvolvimento de uma Sociedade de Informação, voltada para o uso

Leia mais

Instituto do Emprego e Formação Profissional

Instituto do Emprego e Formação Profissional Instituto do Emprego e Formação Profissional Curso de Instalação e Manutenção de Sistemas Informáticos/ Técnicos de Informática Módulo de Rede Local Administração (0775/RLA) Projeto de Administração de

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software agosto, 2015 Versão 2,0 Este trabalho não pode ser reproduzido ou divulgado, na íntegra ou em parte, a terceiros nem utilizado para outros fins que não

Leia mais

Manual de Utilização. GESTOR DE METADADOS DOS AÇORES (GeMA) Setembro de 2015. Versão 4.0

Manual de Utilização. GESTOR DE METADADOS DOS AÇORES (GeMA) Setembro de 2015. Versão 4.0 Manual de Utilização GESTOR DE METADADOS DOS AÇORES (GeMA) Setembro de 2015 Versão 4.0 FICHA TÉCNICA TÍTULO: Manual de Utilização do Gestor de Metadados dos Açores (GeMA) AUTORIA: Grupo de Trabalho INSPIRE

Leia mais

Manual de Procedimentos. Volume 4.2 Instalações e Equipamentos

Manual de Procedimentos. Volume 4.2 Instalações e Equipamentos Manual de Procedimentos Volume 4.2 Instalações e Índice Princípios Gerais... 4 Abreviaturas e Acrónimos... 10 Legislação Aplicável... 11 Mapa de Atualização do Documento... 13 Capítulo 1 Núcleo de Segurança,

Leia mais

Manual de Procedimentos. Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST

Manual de Procedimentos. Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST Manual de Procedimentos Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST Índice Princípios Gerais... 3 Abreviaturas e Acrónimos... 4 Legislação Aplicável... 5 Mapa de Atualização do Documento... 6 Capítulo 1 - Serviços

Leia mais

Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal

Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. As informações

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviços HP Dados técnicos O Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

FLEXCRM SISTEMA DE GESTÃO DE CLIENTES [MÓDULO ATENDIMENTO] SUMÁRIO

FLEXCRM SISTEMA DE GESTÃO DE CLIENTES [MÓDULO ATENDIMENTO] SUMÁRIO FLEXCRM SISTEMA DE GESTÃO DE CLIENTES [MÓDULO ATENDIMENTO] SUMÁRIO 1. PORQUE A SW1... 2 2. 10 MOTIVOS PARA CONTRATAR... 2 3. ESTUDO DE CASO... 3 4. SOLUÇÃO PROPOSTA... 3 5. CONDIÇÕES COMERCIAIS... 9 6.

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Produto: n-mf Xerox Versão do produto: 4.7 Autor: Bárbara Vieira Souza Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 09/04/01 Documento destinado a: Parceiros NDDigital, técnicos

Leia mais

FAQs PEM - Receita sem papel

FAQs PEM - Receita sem papel FAQs PEM - Receita sem papel A Receita sem Papel, ou Desmaterialização Eletrónica da Receita, é um novo modelo eletrónico que inclui todo o ciclo da receita, desde da prescrição no médico, da dispensa

Leia mais

DHL EXPRESS PORTUGAL Faturação Eletrónica

DHL EXPRESS PORTUGAL Faturação Eletrónica DHL EXPRESS PORTUGAL Faturação Eletrónica Faturação Eletrónica DHL O que é a Faturação Eletrónica? O serviço de faturação eletrónica da DHL é um método alternativo ao correio e ao fax de receber as suas

Leia mais

Manual do Utilizador do Registo Prévio (Entidades Coletivas e Singulares)

Manual do Utilizador do Registo Prévio (Entidades Coletivas e Singulares) POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE SEGURANÇA PRIVADA (SIGESP) Manual do Utilizador do Registo Prévio (Entidades Coletivas e Singulares)

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº3 Rede Ponto-a-Ponto; Rede Cliente-Servidor; WAN básica com Routers 1 Objectivo Criar

Leia mais

MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS

MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS GLOSSÁRIO... 2 INTRODUÇÃO... 3 Objectivo... 3 DEFINIÇÕES... 3 Certificado de um medicamento

Leia mais

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador Viva o momento 3 4 5 5 6 6 7 8 9 12 12 14 16 17 18 19 20 21 22 22 23 23 24 24 24 25 26 27 Ligar o Router LEDs Configuração do Router Aceder à ferramenta de configuração

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

PDR2020 Manual do Balcão do Beneficiário

PDR2020 Manual do Balcão do Beneficiário PDR2020 Manual do Balcão do Beneficiário Versão 1.0 Data última alteração 15-11-2014 Página 1/28 Índice 1 Introdução... 5 1.1 Organização do manual... 5 2 Acesso ao Balcão... 5 3 Registo de entidade...

Leia mais

Gestão Comercial BPM. artsoft.pt 3. Controlo de Crédito

Gestão Comercial BPM. artsoft.pt 3. Controlo de Crédito ARTSOFT Serviços Os Serviços ARTSOFT permitem ter toda a informação pertinente ao seu dispor a qualquer altura e de uma forma automatizada. Estas funcionalidades trabalham de forma integrada com vista

Leia mais

Manual de Procedimentos. Volume 7 Área de Transferência e Tecnologia

Manual de Procedimentos. Volume 7 Área de Transferência e Tecnologia Manual de Procedimentos Volume 7 Área de Transferência e Tecnologia Índice Princípios Gerais... 3 Abreviaturas e Acrónimos... 4 Legislação Aplicável... 5 Mapa de Actualização do Documento... 6 Capítulo

Leia mais

Cartão PC para LAN sem fios

Cartão PC para LAN sem fios Cartão PC para LAN sem fios AWL-100 Manual do utilizador Versão 1.1 Junho de 2002 i Aviso I Declaração de copyright Este manual não pode ser reproduzido sob nenhuma forma, por quaisquer meios ou ser utilizado

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Secretaria Municipal de Educação SME Coordenadoria de Tecnologia da Informação e Comunicação CTIC Núcleo de Tecnologia Municipal NTM CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Amauri Soares de Brito Mário Ângelo

Leia mais

PHC Doc. Eletrónicos CS

PHC Doc. Eletrónicos CS Descritivo PHC Documentos Electrónicos CS PHC Doc. Eletrónicos CS A diminuição dos custos da empresa A solução que permite substituir a típica correspondência em papel, agilizando os processos documentais

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Assinatura Digital de Contratos de Câmbio Banrisul Utilização dos certificados digitais para a Assinatura de Contratos de Câmbio Banrisul.

Assinatura Digital de Contratos de Câmbio Banrisul Utilização dos certificados digitais para a Assinatura de Contratos de Câmbio Banrisul. Assinatura Digital de Contratos de Câmbio Banrisul Utilização dos certificados digitais para a Assinatura de Contratos de Câmbio Banrisul. Manual Descritivo Índice 1. Introdução 1.1. Objetivo. 1.2. Escopo.

Leia mais

Laboratório de Redes

Laboratório de Redes Laboratório de Redes Rui Prior 2008 2012 Equipamento de rede Este documento é uma introdução muito básica aos equipamentos de rede mais comuns, a maior parte dos quais iremos utilizar nas aulas de Laboratório

Leia mais

Instalação do Aparelho Virtual Bomgar. Base 3.2

Instalação do Aparelho Virtual Bomgar. Base 3.2 Instalação do Aparelho Virtual Bomgar Base 3.2 Obrigado por utilizar a Bomgar. Na Bomgar, o atendimento ao cliente é prioridade máxima. Ajude-nos a oferecer um excelente serviço. Se tiver algum comentário

Leia mais

Índice. 2 Acronis, Inc

Índice. 2 Acronis, Inc Índice 1. O que é o Acronis nap Deploy... 3 2. Componentes do Acronis nap Deploy... 3 3. Actualizar para a v 3... 4 3.1 Actualizar licenças... 4 3.2 Actualizar componentes... 4 4. Requisitos do sistema...

Leia mais

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Conselho Nacional de Arquivos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Orientação Técnica n.º 1 Abril / 2011 Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Este documento tem por objetivo

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.1 ExpressoMG 14/10/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

GoWorkFlow Gestão de Processos

GoWorkFlow Gestão de Processos GoWorkFlow Gestão de Processos Desde criar processos a seguir o seu trajeto, esta plataforma permite uma completa gestão do fluxo de informação entre várias entidades A Dimep Europa S.A. é uma empresa

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALIFICAÇÃO Centro Nacional de Qualificação de Formadores Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 Índice Índice... 2 1. Introdução... 4

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES 1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES Objetivos da Aula Aprender os conceitos básicos para compreensão das próximas aulas. Na maioria dos casos, os conceitos apresentados serão revistos com maior

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS. Consultores Associados de Organizações e Informática, Lda

CATÁLOGO DE SERVIÇOS. Consultores Associados de Organizações e Informática, Lda CATÁLOGO DE SERVIÇOS Consultores Associados de Organizações e Informática, Lda ÍNDICE ÍNDICE 2 HISTÓRICO DE ALTERAÇÕES 2 1 INTRODUÇÃO 3 2 A CASO 4 2.1 Apresentação 4 2.2 Visão, Missão e Valores 4 3 SERVIÇOS

Leia mais

Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Elaborado por: Alexandre Faria de Oliveira Março de 2013 1 P á g i n a Sumário 1. Introdução... 3 2. Visão Geral...

Leia mais

Aviso antes da instalação

Aviso antes da instalação Aviso antes da instalação Desligue o Servir de Vídeo se vir fumo ou sentir cheiros estranhos. Mantenha o Servir de Vídeo afasta da água. Se o Servir de Vídeo se molhar, desligue-o imediatamente. Contacte

Leia mais

Manual de usuário - GLPI Página 1

Manual de usuário - GLPI Página 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Versão: 1.1 - DTI Manual de usuário

Leia mais

Plataforma Colaborativa Gestão e Arquivo Digital de Documentos e Mensagens

Plataforma Colaborativa Gestão e Arquivo Digital de Documentos e Mensagens Pasta TOC Plataforma Colaborativa Gestão e Arquivo Digital de e Mensagens Atualização e Migração: - Atualização tecnológica para a mais recente tecnologia de desenvolvimento Oracle - Migração de conteúdos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 1 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA Documento de Arrecadação Estadual DAE Manual do Usuário Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 66.053-000 Av. Visconde de Souza Franco, 110 Reduto Belém PA Tel.:(091)

Leia mais

Manual do Cliente NFPS-e Versão 1.6.0.1

Manual do Cliente NFPS-e Versão 1.6.0.1 Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Prestação de Serviços Eletrônica Manual do Cliente NFPS-e Versão 1.6.0.1 FLORIANÓPOLIS - SC 1 Sumário 1 ACRÔNIMOS E ABREVIATURAS... 3 2 INTRODUÇÃO... 4 3

Leia mais

Solucionar problemas de fax. Perguntas comuns sobre fax... 2. Resolver problemas ao enviar faxes... 3. Resolver problemas ao receber faxes...

Solucionar problemas de fax. Perguntas comuns sobre fax... 2. Resolver problemas ao enviar faxes... 3. Resolver problemas ao receber faxes... 1 fax de Perguntas comuns sobre fax...................... 2 Resolver problemas ao enviar faxes................ 3 Resolver problemas ao receber faxes............... 5 Erros de envio de fax.............................

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL Manual de Utilização Direcção dos Serviços de Economia do Governo da RAEM Novembro de 2014 SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL Manual

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica Versão 1.0 Departamento de Segurança Privada Abril de 2012 Manual do Utilizador dos Serviços Online do SIGESP Versão 1.0 (30 de abril

Leia mais

Panda GateDefender Virtual eseries GUIA DE INÍCIO RÁPIDO

Panda GateDefender Virtual eseries GUIA DE INÍCIO RÁPIDO Panda GateDefender Virtual eseries GUIA DE INÍCIO RÁPIDO CONTEÚDO Panda GateDefender virtual eseries - KVM > O que tem e do que precisa > Procedimento de Instalação do Panda Virtual Appliance > Interface

Leia mais

EAmb V.1 ESPOSENDE AMBIENTE. GestProcessos Online. Manual do Utilizador

EAmb V.1 ESPOSENDE AMBIENTE. GestProcessos Online. Manual do Utilizador EAmb V.1 ESPOSENDE AMBIENTE GestProcessos Online Manual do Utilizador GestProcessos Online GABINETE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EAmb Esposende Ambiente, EEM Rua da Ribeira 4740-245 - Esposende

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Manual de Autenticação na Plataforma

Manual de Autenticação na Plataforma Manual de Autenticação na Plataforma Índice 1. Autenticação na Plataforma... 3 1.1 Autenticação Via Certificado... 3 1.2 Autenticação Via Cartão de Cidadão... 3 2. Autenticação Via Certificado... 4 2.1

Leia mais

Lista de Erros Discador Dial-Up

Lista de Erros Discador Dial-Up Lista de Erros Discador Dial-Up Erro Código Descrição Ok 1 Usuário autenticado com sucesso e conexão encerrada pelo usuário OK 11 Usuário autenticado com sucesso e discador terminado pelo usuário OK 21

Leia mais

1. Mapa Lei dos compromissos para a ACSS... 4. 2. Fundos Disponíveis e interoperabilidade... 7. 3. Fundos Disponíveis na recolha de compromissos...

1. Mapa Lei dos compromissos para a ACSS... 4. 2. Fundos Disponíveis e interoperabilidade... 7. 3. Fundos Disponíveis na recolha de compromissos... Objetivos 1. Mapa Lei dos compromissos para a ACSS... 4 2. Fundos Disponíveis e interoperabilidade... 7 3. Fundos Disponíveis na recolha de compromissos.... 8 4. Tipos de Documentos DF e CF e contas correntes....

Leia mais

Memeo Instant Backup Guia Rápido de Introdução

Memeo Instant Backup Guia Rápido de Introdução Introdução O Memeo Instant Backup é uma solução de cópias de segurança simples para um mundo digital complexo. O Memeo Instant Backup protege os seus dados, realizando automática e continuamente uma cópia

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS. Serviços de Comunicações da Universidade do Minho. 2014-03-20 Versão 1.5

CATÁLOGO DE SERVIÇOS. Serviços de Comunicações da Universidade do Minho. 2014-03-20 Versão 1.5 CATÁLOGO DE SERVIÇOS 2014-03-20 Versão 1.5 da Universidade do Minho Este documento descreve o catálogo dos serviços suportados pelos da Universidade do Minho. Catálogo de Serviços S E R V I Ç O S D E C

Leia mais

: LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA : OTIMIZANDO RECURSOS

: LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA : OTIMIZANDO RECURSOS Título: LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA : OTIMIZANDO RECURSOS Área Temática: Educação e Comunicação / Tec. Educacionais Autores: FREDERICO HENRIQUE GOLDSCHMIDT NETO e EDEMILSON JORGE BRANDÃO Instituição: Universidade

Leia mais

ISEP. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Análise de Sistemas Informáticos

ISEP. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Análise de Sistemas Informáticos ISEP Instituto Superior de Engenharia do Porto Análise de Sistemas Informáticos Armazenamento de Dados em Rede A Revolução do Armazenamento Partilhado A crise económica e a crescente necessidade de armazenamento

Leia mais

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 Índice de figuras XVII Índice de tabelas XXII Agradecimentos XXIII Nota prévia XXIV 1- Introdução 1 1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 2 -

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia PROJETO BÁSICO Serviço de Comunicação Multimídia xxxxxxxxxx, xx de xxxxx de 2009 PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. n 272 da Anatel - SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) O B J E T O SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Formação Ordem dos Notários

Formação Ordem dos Notários Formação Ordem dos Notários Principais aspetos relacionados com as obrigações dos Notários como Entidades de Registo e o Processo de Emissão de Certificados Digitais Qualificados Agenda Módulo I 1. Certificação

Leia mais

SOLUÇÕES DE SOFTWARE PARA RESTAURAÇÃO, RETALHO E MOBILIDADE. Jan 2015

SOLUÇÕES DE SOFTWARE PARA RESTAURAÇÃO, RETALHO E MOBILIDADE. Jan 2015 SOLUÇÕES DE SOFTWARE PARA RESTAURAÇÃO, RETALHO E MOBILIDADE Jan 2015 Sumário Executivo A Zone Soft é uma empresa que opera no setor da restauração e retalho, com mais de 23.000 clientes ativos e a crescer

Leia mais