EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COMO FATORES ESSENCIAIS PARA A INTERAÇÃO NAS REDES SOCIAIS Darlene Teixeira Castro 1 Kyldes Batista Vicente 2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COMO FATORES ESSENCIAIS PARA A INTERAÇÃO NAS REDES SOCIAIS Darlene Teixeira Castro 1 Kyldes Batista Vicente 2"

Transcrição

1 EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COMO FATORES ESSENCIAIS PARA A INTERAÇÃO NAS REDES SOCIAIS Darlene Teixeira Castro 1 Kyldes Batista Vicente 2 Introdução No ambiente escolar, o uso da informática é um grande desafio que os professores enfrentam. Um dos motivos é a insegurança para lidar com a infinidade de possibilidades oferecidas pela ferramenta, outro é o domínio que os alunos têm desse recurso. Mesmo assim, o professor deve aprender a lidar com o computador, incluir essa ferramenta nas suas atividades pedagógicas e promover situações de aprendizagem mais prazerosas. Brandão e Guareschi (2006, p. 33) alertam que [...] nesse cenário é possível identificar uma fase transitória nos cursos acadêmicos de formação de professores, que demandam novos paradigmas para alicerçar suas estruturas, necessitando repensar e redefinir prioridades, métodos e currículos que envolvem a formação docente. Os autores ainda complementam que se utilizar da informática educativa com objetivos pré-estabelecidos e um planejamento adequado permite desenvolver algumas ações pedagógicas praticamente impossíveis com os recursos tradicionais (2006, p. 42). A responsabilidade para um uso consciente das TIC em sala de aula vai desde a formação do professor nos seus cursos acadêmicos à atualização constante que pode ser promovida pelas escolas e, claro, pelo próprio interesse do professor. 1 Doutoranda em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela UFBA, Mestre em Ciência da Informação, Jornalista, Professora da Unitins. 2 Doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela UFBA, Mestre em Letras e Linguística pela UFG, Professora da Unitins

2 E isso só acontecerá se os educadores tiverem consciência de que a informática não é um instrumento isolado, mas parte de uma ação efetiva integrada a outros recursos didático-pedagógicos, como os livros. Daí a importância da inserção das TIC nos currículos dos cursos de formação para que os professores possam aprender a utilizar os recursos computacionais como instrumento de ensinoaprendizagem. A abordagem educacional focada nas TIC é importante, pois um dos maiores desafios dos educadores é saber lidar com várias estratégias de conhecimento que surgem com a inserção das TIC no ambiente escolar. No entanto, não adianta haver salas equipadas com recursos informáticos se o professor não estiver capacitado tecnologicamente e não tiver consciência das implicações da utilização de tais recursos. Aprender a aprender, no contexto tecnológico, não é simples, pois selecionar as informações disponíveis e relevantes para determinado contexto, levar os alunos à reflexão sobre uma situação-problema e escolher a melhor forma de resolução são apenas o pontapé inicial para se conviver com as TIC. Bettega (2005, p. 51) afirma que a reflexão-na-ação representa o saber fazer (que ultrapassa o fazer automatizado) e a reflexão-sobre-a-ação representa o saber compreender. Isso nos conduz a acreditar que de nada adianta estarmos munidos de teoria se não levamos isso para o nosso contexto atual em sala de aula. Parte daí o nosso maior desafio em ser professor. 1. Ambientes virtuais de aprendizagem - AVA A principal motivação para o desenvolvimento de ambientes virtuais multiusuários na web está na possibilidade de transformar um espaço de informação em um lugar social, com uma comunidade de usuários que compartilham informações e interagem entre si. Para que se possa entender o potencial dos AVA, devemos considerá-los muito mais do que um simples conjunto de endereços eletrônicos com diferentes ferramentas de interatividade e de realidade virtual. A implantação e a criação de um AVA transformam e ampliam os espaços de interação entre professor- 107

3 conteúdo-aluno e, consequentemente, ensinam os alunos a viverem e conviverem na chamada sociedade em rede. Os AVA são ferramentas básicas que professores e alunos podem utilizar para promover o conhecimento e complementar a aprendizagem já efetivada em sala de aula. O conhecimento se consolida a partir da autorregulação que ocorre por meio das relações estabelecidas entre sujeito e objeto, ou seja, a partir de novas relações baseadas no conhecimento prévio do aprendiz. Alguns elementos presentes no ato educativo devem ser reinterpretados para auxiliar o professor nas suas estratégias de mediação pedagógica. Para isso, os AVA se tornam impulsionadores da prática pedagógica rumo a uma aprendizagem significativa. Ao se conceber qualquer atividade pedagógica, é importante que se tenha clara a estratégia que norteará o desenvolvimento das atividades, aumentando, assim, a viabilidade da aprendizagem e a interação professor-aluno. Schlemmer (2005, p. 34) afirma que, Na utilização de um AVA, o primeiro e mais importante item a ser analisado é o critério didático-pedagógico do software, pois todo e qualquer desenvolvimento de um produto para educação é permeado por uma concepção epistemológica, ou seja, por uma crença de como se dá a aquisição do conhecimento, de como o sujeito aprende. A preocupação com a aprendizagem, o uso e a aplicação do software vem desde a sua concepção. Antes mesmo de ir para a prática em sala de aula ele deve ser testado, avaliado e analisado pelos que mais entendem do assunto: professores e alunos, pois devem estar claras quais são as concepções e as crenças sobre os processos educacionais implicadas no software que se pretende utilizar. Segundo Schlemmer (2005), para desenvolver um projeto de aprendizagem é fundamental: a) realizar com os alunos um levantamento das dúvidas temporárias e das certezas provisórias; b) definir o(s) problema(s) a ser(em) investigado(s) e os critérios de julgamento sobre relevância em relação a determinado contexto; c) organizar os grupos de acordo com o interesse do assunto; d) criar e desenvolver um planejamento do projeto, de forma cooperativa, que compreenda: levantamento de hipóteses; busca/localização/seleção/recolhimento de informações; 108

4 definição/escolha/criação de procedimentos para testar a relevância das informações escolhidas em relação aos problemas e às questões formuladas; avaliação da qualidade da própria produção (durante o processo); organização e comunicação do conhecimento construído por meio de apresentações sistemáticas. Para que a aprendizagem seja consolidada por meio dos AVA, é necessário que o ambiente seja amigável, pois uma de suas maiores características é a utilização conjunta das diferentes mídias para chamar ainda mais a atenção. Instigar é a palavra-chave. Ainda para Schlemmer (2005), os AVA têm como objetivos: apoiar, ampliar e enriquecer os espaços de convivência, privilegiando a atividade do sujeito na construção do conhecimento, a partir de propostas inter e transdisciplinares; oportunizar um espaço de desenvolvimento-pesquisa-ação-capacitação de forma sistemática e sistêmica, vivenciando uma aprendizagem que implique rupturas paradigmáticas; favorecer o acesso às tecnologias educacionais e aos vários agentes sociais, na perspectiva da construção do conhecimento e das competências sociais. A partir desses objetivos, ficará mais fácil compreender como podemos, de fato, colocar em prática, na sala de aula, o uso de um AVA. Muitas vezes, isso já é realizado com outras ferramentas, pois o mais importante é o envolvimento e a participação dos alunos. 2. Mediação pedagógica e AVA A revolução tecnológica proporcionou novos suportes para se trabalhar de forma interativa na EaD. Segundo Norte (2005), os principais suportes são: programas do Word (processador de textos, PowerPoint, jogos), CD-ROMs, faxmail, DVDs e a internet. A internet oferece a www, conhecida como web, que armazena todo tipo de informações do mundo. Norte (2005, p.146) afirma que ela [...] é uma fornecedora de conteúdos, ricos em informações disponíveis na rede, passíveis de serem incorporados a qualquer programa de curso. Ela nos fornece sons (rádios, CDs); imagens estáticas (fotos, quadros, gráficos, mapas etc.); imagens em movimento (filmes, vídeos, TV etc.); a facilidade de contatar 109

5 pessoas em qualquer lugar no mundo (correio eletrônico, canais de bate-papo, listas de discussões etc.); ambientes ricos em possibilidades de aprendizagem e de ensino a distância (Course Info, Web CT, Learning Space, Capítulo net, TelEduc etc.); videoconferências, em que especialistas de diferentes áreas geram conhecimentos para grupos ou milhares de pessoas simultaneamente. A internet popularizou o ensino on-line devido à variedade de recursos que possibilita, seja pela união entre sons, imagens e escrita. Pela web, os processos educacionais dão ênfase à autogestão da aprendizagem, em que professor e aluno são agentes. Com isso, temos algumas das possibilidades de uso da web, como o web-capítulo, o , o fórum de discussão, o chat, a lista de discussão e o blog. No contexto do web-capítulo, os espaços são desenvolvidos com interfaces disponíveis na web de forma que possa ser disponibilizada a interação, o compartilhamento e a troca de informações para a produção de conhecimentos entre professores/alunos/alunos. Esse ambiente pode oferecer situações para que os alunos registrem suas anotações, resoluções, dificuldades, perguntas, de forma que definam sua caminhada na busca de novas ideias e descobertas. O (correio-eletrônico) é o mais popular ambiente virtual. É um meio de comunicação interpessoal para envio e recebimento de correspondência. Pode ser trabalhado para interligar os alunos com outras realidades, seja em outra escola, outra cidade, outro estado ou outro país, além de trabalhar a escrita nas disciplinas de língua portuguesa e espanhola. Já o ambiente para discussão de temas específicos e listas de grupos, o fórum de discussão, permite que a mensagem/temática sugerida pelo professor seja comentada por todos os sujeitos envolvidos no processo. Nessa ferramenta, o professor funciona como mediador das discussões, pontuando e levando os participantes a focarem-se na temática proposta inicialmente. A lista de discussão tem quase as mesmas características dos fóruns. A diferença é que as mensagens são socializadas no formato de correio eletrônico. Aqui o professor também deve agir como mediador do processo, podendo fazer com que os alunos tragam as suas experiências com as chamadas redes sociais (Orkut, MSN, facebook e outros) para o que está sendo trabalhado em sala de aula. 110

6 Outra possibilidade advém do uso do chat, que possibilita que os participantes se comuniquem em tempo real e, além de propiciar uma comunicação todos-todos, permite uma comunicação on-line mais reservada com algum participante um-um (MARCUSCHI, 2005). É uma boa ferramenta para que os alunos interajam, discutam, de forma escrita, conteúdos, opiniões, posicionamentos, fazendo com que alunos mais tímidos possam se expressar e trocar experiências. Por fim, o blog permite edição e atualização de mensagens no formato hipertextual. Textos, imagens, sons podem ser disponibilizados. Outros usuários podem comentar, discutir, interagir, compondo, assim, uma comunidade virtual, uma nova rede de relacionamentos e de aprendizagem. No ambiente on-line, é de responsabilidade do professor estimular os alunos, promover a participação, o diálogo e o envolvimento de todos, mostrando a importância da colaboração. Palloff e Pratt (2004, p. 41) afirmam que, para fazer isso de maneira eficaz, o aluno virtual deve ser aberto, flexível, honesto e ter, de fato, vontade de assumir a responsabilidade pela formação da comunidade e de trabalhar em conjunto. Nas redes eletrônicas de comunicação, o mais importante é o que chamamos de aprender a aprender e a colaboração e o envolvimento de todos, que são configurados conforme os interesses e os objetivos de cada membro de determinada comunidade virtual. Essas comunidades, por sua vez, constroem textos coletivos, ou seja, uma rede de saberes em movimento, visto que está em constante alteração. Ela produz e é produzida por meio dos múltiplos saberes em construção, das múltiplas culturas entrelaçadas nessa rede (BEHAR et all, 2005, p. 18). Na construção do texto coletivo, vários autores podem participar de forma a estimular os participantes a valorizarem o que o colega fez. A reconstrução deve ser constante para que os sujeitos envolvidos na escrita trabalhem de forma criativa e colaborativa. Essa pode ser uma das alternativas que o professor pode utilizar para estimular a criação de grupos e as múltiplas trocas que ocorrem no decorrer do processo. 111

7 A escolha e as formas de aplicação em sala de aula vão depender dos objetivos a serem atingidos, já que os AVA devem oportunizar espaços de troca de experiências entre professores/alunos/alunos. 3. AVA para apoio à aprendizagem Para que um ambiente virtual tenha êxito, os recursos devem ser organizados de forma que seja evitada a sobrecarga de informações e que as atividades propostas apresentem uma interface amigável. Brandão e Richetti (2006, p. 62) expõem que A criação de ambientes de aprendizagem mais motivadores para que a aprendizagem se dê de forma coletiva, na qual a verdade e o conhecimento sejam construções históricas que permitam a evolução do indivíduo, é o novo desafio para as escolas. Portanto um trabalho de mudança de mentalidade do próprio educador deve ser objeto de atenção de estudos e pesquisas sobre novas tecnologias para a educação, pois é ele o principal ator nesse processo de implantação de uso desses recursos na escola. Se o que o autor propõe ocorre, é possível garantir que a inserção dos recursos informáticos no processo educativo ocorra de forma satisfatória, possibilitar novos modos de conceber o ensino-aprendizagem, com uma nova postura do professor, da equipe escolar e do aluno e criar um ambiente facilitador, cooperativo. Bianchetti e Ferreira (2005, p. 162) reforçam que A interatividade depende muito mais de uma mudança de postura do professor e do aluno do que da inserção das novas tecnologias. As TIC não irão resolver por si só os problemas da educação, vez que a interatividade não está nas tecnologias, ela está presente nas relações sociais que poderão ser mediadas pelas tecnologias. A afirmação dos autores só reforça o que estamos discutindo desde o início deste caderno. É fundamental a mudança de postura do professor e do aluno e só depois falarmos em TIC, uso e aplicação em sala de aula, porque, antes de tudo, a educação se faz por meio do estabelecimento de diferentes relações socioculturais 112

8 entre os seres humanos, sejam elas realizadas por interações virtuais ou presenciais. Quando falamos em ambiente on-line, é importante compreendermos que construir espaços de formação on-line constitui um desafio que não se limita à simples disponibilização de conteúdos no ambiente ou na plataforma. Deve haver, acima de tudo, interação e experimentação. A ideia é a colaboração entre os pares, com a exposição de ideias, dúvidas e sugestões. Santos (2005, p. 200) considera que Os ambientes virtuais de aprendizagem (AVA) são um exemplo concreto, formados por um conjunto de interfaces de comunicação síncronas e assíncronas, que permitem habilitar conteúdos em diversos formatos e linguagens (objetos de aprendizagem). As soluções tecnológicas desses AVA vão se transformando e evoluindo a partir das necessidades de seus participantes, bem como pelas possibilidades comunicacionais e tecnológicas, potencializadas pela plasticidade das TIC digitais. Em outras palavras, podemos afirmar que os AVA não são ambientes estáveis e imutáveis. Ao contrário, eles apresentam diversas possibilidades de interação para que os processos educacionais, também móveis, possam se desenvolver acompanhando as próprias necessidades que vão surgindo durante seu uso e em conformidade com as relações que vão se estabelecendo entre os indivíduos implicados nesses procedimentos relacionados à educação. 4. Problemas, interesses e experiências: o aprender a aprender por meio das TIC Para que a aprendizagem aconteça de forma transformadora, é preciso que os professores criem uma estrutura de sala de aula on-line. Pallofff e Pratt (2004) citam algumas ações importantes: criar horários específicos para o envio de mensagens; ser claro quanto ao número de respostas semanais às mensagens dos alunos; ser claro quanto à natureza das mensagens e delinear o que constitui uma mensagem substancial; ser claro sobre todas as expectativas do curso; ficar atento à participação dos alunos e acompanhar qualquer mudança. Os autores ainda categorizam as características dos alunos virtuais em sete grandes áreas: acesso, 113

9 abertura, habilidades comunicativas, comprometimento, colaboração, reflexão e flexibilidade, que apresentamos no quadro a seguir. Quadro - Características dos alunos virtuais CARACTERÍSTICAS DOS ALUNOS ON-LINE Acesso e habilidades Abertura Comunicação Comprometimento TÉCNICAS INSTRUCIONAIS CENTRADAS NO ALUNO Use somente tecnologia que sirva aos objetivos de aprendizagem. Mantenha a tecnologia em um nível simples, a fim de que seja transparente para o aluno. Certifique-se de que os alunos tenham as habilidades necessárias para usar a tecnologia escolhida por meio de pesquisas, testes ou pela realização de uma orientação tecnológica. Projete páginas web que contenham apenas uma página de texto e gráficos. Limite o uso de áudio e vídeo, se for usá-los. Certifique-se de que o uso da discussão síncrona (chat) seja correto. Comece o curso com apresentações, envio de biografias ou perfis. Use exercícios que quebrem o gelo da aula, a fim de que os alunos se conheçam. Use atividades de aprendizagem que levem em consideração a experiência e a resolução de problemas. Crie uma área social para os alunos. Envie suas diretrizes para comunicação, incluindo a netiqueta. Exemplifique como realizar uma boa comunicação. Explique o que constitui uma mensagem substancial para discussão. Estimule a participação na criação de diretrizes do curso. Acompanhe os alunos que não participam ou cujo nível de participação muda. Envie uma mensagem com suas expectativas em relação à utilização do tempo. Desenvolva e envie expectativas claras para a realização de trabalhos, prazos de entrega e meios pelos quais a avaliação será elaborada. Seja claro quanto aos requisitos para publicação. Considere criação de uma agenda de publicação para os alunos. 114

10 CARACTERÍSTICAS DOS ALUNOS ON-LINE Colaboração Reflexão Flexibilidade TÉCNICAS INSTRUCIONAIS CENTRADAS NO ALUNO Inclua estudos de caso, trabalhos em pequenos grupos, atividades quebra-cabeça, simulações e facilitação em rodízio para estimular o pensamento crítico. Faça com que os alunos enviem seus trabalhos para o sítio do curso com a expectativa de que eles darão um feedback crítico a seus colegas. Faça perguntas abertas para estimular a discussão e incentive os alunos a fazerem o mesmo. Imponha uma regra segundo a qual as respostas têm de acontecer sempre 24 horas depois da mensagem original, de modo a permitir respostas bem refletidas. Estimule os alunos a escreverem suas respostas off-line e depois copiá-las para o sítio. Inclua uma área para reflexão no curso e estimule o seu uso. Nas discussões, faça perguntas abertas e que estimulem a reflexão sobre o material utilizado, bem como sua integração. Varie as atividades do curso para atender a todos os estilos de aprendizagem e oferecer um interesse adicional. Negocie as diretrizes do curso com os alunos, de modo a promover seu engajamento. Inclua a internet como uma ferramenta e um recurso de ensino e estimule os alunos a buscarem referências que possam compartilhar. Fonte: Palloff e Pratt (2004, p ) O quadro nos dá uma boa visão do que a EaD representa no universo educacional e o que devemos fazer para trabalhar com o aluno que está on-line. Esse modelo de aprendizagem é vivenciado e pode levar essas experiências para a sua sala de aula presencial. Cada uma das características apresentadas no quadro deve estar presente no nosso aluno. Cabe aos educadores trabalhá-las, visto que também somos uma comunidade de aprendizagem. Quando falamos em comunidade de aprendizagem, devemos levar em consideração o que a compõe: pessoas, objetivos, políticas comuns e TIC. Isso faz com que as pessoas compartilhem informações e interesses comuns. Dessa forma, o ensinar e o aprender são vivenciados por professores e alunos rumo à 115

11 construção do conhecimento, partilhado entre todos os membros da comunidade. Palloff e Pratt (2004, p. 19) destacam que, Quando os professores e os alunos conseguem colher os benefícios de um curso on-line bem elaborado, o resultado é a satisfação com o que é possível fazer no ambiente on-line e com a aprendizagem em geral. O aluno virtual, depois de participar de tal curso, é com frequência capaz de refletir sobre a diferença na qualidade das relações formadas com o professor, com os outros alunos e sobre o processo de aprendizagem conjunta resultante. A mudança da relação entre o professor e seus alunos e entre o professor e sua área de conhecimento por meio da interação com os alunos on-line também ajuda a expandir a rede pela qual os professores podem aprender. Os professores, então, também são alunos virtuais. O autor alertou sobre a diferença resultante de novas formas de relacionamento que se estabelecem, nos ambientes virtuais, entre o professor e os alunos, demonstrando que, nas interações on-line, todos os participantes têm a possibilidade de aprender uns com os outros. Inclusive, os professores com os seus alunos. Contudo sabemos que manter uma boa relação no ambiente on-line não é uma tarefa muito fácil, visto que o contato face a face não existe. Por isso as solicitações que o aluno faz ao suporte técnico devem ser respondidas automaticamente. Isso faz com que ele se sinta conectado e ouvido pela instituição. Ainda Palloff e Pratt (2004) afirmam que, para se trabalhar on-line, as pessoas devem ter determinadas habilidades, incluindo as seguintes: saber elaborar um diálogo interno para formular respostas; criar uma imagem de privacidade no que diz respeito ao espaço graças ao qual se comunica; lidar com questões emocionais sob a forma textual; criar uma imagem mental dos participantes do processo de comunicação; criar uma sensação de presença on-line por meio da personalização do que é comunicado. Toda aprendizagem deve ser orientada para que o aluno participe e interaja. Por isso as atividades e os objetivos devem ser comuns entre o grupo. Outro ponto importante é o perfil do aluno on-line. Vários autores afirmam que, geralmente, ele tem mais de 25 anos, está empregado, pode ser tanto do sexo feminino quanto do masculino. Inclusive, Palloff e Pratt (2004, p. 26) afirmam que 116

12 Os alunos virtuais de sucesso têm a mente aberta e compartilham detalhes sobre sua vida, trabalho e outras experiências educacionais. [...] são capazes de usar suas experiências no processo de aprendizagem e também de aplicar sua aprendizagem de maneira contínua as suas experiências de vida. Para ter êxito, enquanto aluno virtual é necessário que o mesmo abra a sua mente para uma nova forma de relação social e saiba compartilhar experiências e conhecimentos, na busca constante de novas construções do conhecimento humano. Tudo isso faz com que a EaD se torne tão importante e tão significativa no momento vigente, em que precisamos expandir a educação e dar novas oportunidades às pessoas. Além disso, as atividades devem instigar a capacidade de refletir e entender que a aprendizagem on-line não ocorre somente pela interação com o professor. Todos os envolvidos devem buscar um aprendizado colaborativo, porque, como afirmam Palloff e Pratt (2004, p. 39), o envolvimento com a aprendizagem colaborativa e a prática reflexiva implícita na aprendizagem transformadora é o que diferencia a comunidade de aprendizagem on-line. Dentro de uma comunidade de aprendizagem on-line, é imprescindível a colaboração na construção de novos conhecimentos. Esse tipo de comunidade de aprendizagem aprende em conjunto e não entre indivíduos isolados. Palloff e Pratt (2004) sugerem que os seguintes resultados indicarão se a comunidade on-line de fato formou-se, tornando-se integrante do curso: interação ativa que envolve tanto o conteúdo do curso quanto a comunicação pessoal; aprendizagem colaborativa evidenciada pelos comentários dirigidos primeiramente de um aluno a outro e não do aluno ao professor; significados construídos socialmente e evidenciados pela concordância ou pelo questionamento, com a intenção de chegar a um acordo; compartilhamento de recursos entre os alunos; expressões de apoio e estímulo trocadas entre os alunos, tanto quanto a vontade de avaliar criticamente o trabalho dos outros. A partir do que foi indicado pelos autores, percebemos que, para a construção de uma comunidade de aprendizagem on-line sólida, devemos compreender que ela é formada por um grupo de indivíduos com necessidades muito diferentes. Por isso precisamos dar espaços diferenciados e ter a expectativa 117

13 de que haverá um nível de compartilhamento de ideias também diferenciado. Bettega (2005, p. 28) afirma que As comunidades virtuais de aprendizagem, o ensino colaborativo, a conexão planetária, a mudança dos papéis de professores e de alunos nas relações de ensino-aprendizagem ainda são situações que escapam da realidade presente para a maioria dos indivíduos e das possibilidades tecnológicas e culturais existentes no ambiente educacional. As situações mencionadas, principalmente pela falta de estrutura e de recursos disponíveis nas escolas, além do deficiente preparo pedagógico dos professores sobre como trabalhar com as TIC. Mas não estamos aqui para apontar culpados e sim para apontar soluções plausíveis de aplicação em sala de aula. Considerações finais Por meio da internet, é possível armazenar, recuperar e distribuir informações, sem contar com a quebra de barreiras de espaço e tempo. Com isso, os processos de aprendizagem acabam tendo como eixo norteador a autonomia e a construção do conhecimento pelo indivíduo, que é convidado a participar da rede e ampliar o seu mundo rumo à aprendizagem colaborativa. Vê-se, assim, que a interação mediada pela web é um novo meio de construir relações, de identificar simbolicamente grupos, de simular movimentos e atitudes e de transformar a construção do conhecimento e que não fazemos sozinhos, a participação de cada um é que faz com que a aprendizagem de fato aconteça. É importante que a formação docente propicie um ambiente escolar em que os professores sejam estimulados e capacitados a proporcionar ambientes favoráveis de aprendizagem e promover caminhos, estratégias e métodos rumo à criatividade e dinamismo das suas ações pedagógicas. Assim podemos compreender que o primeiro passo é capacitar os professores tecnologicamente e depois instruí-los no uso didático-pedagógico desses recursos em sala de aula, respeitando a realidade em que estão inseridos. 118

14 Percebemos que utilizar as TIC em sala de aula deve ir além da inserção de novas tecnologias aos processos educacionais, porque seu objetivo deve estar voltado para a formação de indivíduos que saibam respeitar as diferenças e se engajem, como afirmaram os autores, na construção de uma sociedade melhor. Referências BETTEGA, Maria Helena Silva. A educação continuada na era digital. São Paulo: Cortez, BIANCHETTI, L.; FERREIRA, S. de L. As tecnologias de informação e de comunicação e as possibilidades de interatividade para a educação. In: PRETTO, N. de L. (Org.). Tecnologia e novas educações. Salvador: EDUFBA, BRANDÃO, E. J. R.; GUARESCHI, D. A. P. Formação docente para atuar com a informática educativa: análise dos cursos de licenciatura do Instituto de Ciências Exatas e Geociências da Universidade de Passo Fundo. In: TEIXEIRA, A. C.; BRANDÃO, E. J. R. (Org.). Tecendo caminhos em informática na educação. Passo Fundo: Universidade de Passo Fundo, BRANDÃO, E. J. R.; RICHETTI, S. Formação informática na educação: a percepção de professores quanto ao uso do computador nas escolas. In: TEIXEIRA, A. C.; BRANDÃO, E. J. R. (Org.). Tecendo caminhos em informática na educação. Passo Fundo: Universidade de Passo Fundo, MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital. In:. (Org.). Hipertexto e gêneros digitais. 2. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, NORTE, M. B. Estudo cooperativo e autoaprendizagem de línguas estrangeiras de informação e comunicação/internet. In: BARBOSA, R. M. Ambientes virtuais de aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, OROFINO, M. I. Mídias e mediação escolar: pedagogia dos meios, participação e visibilidade. São Paulo: Cortez, PALLOFF, R. M.; PRATT, K. O aluno virtual: um guia para trabalhar com estudantes on-line. Porto Alegre: Artmed, SANTOS, E. O. dos. Educação on-line: a dinâmica sociotécnica para além da educação a distância. In: PRETTO, N. de L. (Org.). Tecnologia e novas educações. Salvador: EDUFBA,

15 SCHLEMMER, E. Metodologias para educação a distância no contexto da formação de comunidades virtuais de aprendizagem. In: BARBOSA, R. M. (Org.). Ambientes virtuais de aprendizagem. Porto Alegre: Artmed,

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador Maceió AL, maio/2009 Luis Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas lpmercado@oi.com.br Categoria: B- Conteúdos e

Leia mais

ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE

ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE Florianópolis - SC Abril 2015 Aline Linhares F. Silveira. IEA e-learning- aline.silveira@iea.com.br

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Brasília - DF- Fevereiro 2013 Priscila Alessandra da Silva Universidade Federal de Brasília priscilaalesilva@gmail.com Fernanda Carla Universidade

Leia mais

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO 1 ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO CELINA APARECIDA ALMEIDA PEREIRA ABAR Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Brasil abarcaap@pucsp.br - VIRTUAL EDUCA 2003-1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: AVA, informática, matemática e aprendizagem.

Palavras-chave: AVA, informática, matemática e aprendizagem. INTEGRAÇÃO ENTRE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA EM AMBIENTES VIRTUAIS Solange Sardi Gimenes Washington Romao Dos Santos Jonathan Toczek RESUMO A Informática oferece recursos que auxiliam na aprendizagem, tornando

Leia mais

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS O que é mesmo Educação a Distância (EAD)? Você está fazendo um curso a distância, mas já parou para pensar no conceito

Leia mais

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Maio/2010 AMARAL, Rita de Cássia Borges de Magalhães

Leia mais

O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS

O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS Mário Sérgio de Andrade Mendonça, mariomendonc@gmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br UEMS Universidade Estadual

Leia mais

Educação, Tecnologias e Formação de Professores

Educação, Tecnologias e Formação de Professores Educação, Tecnologias e Formação de Professores Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Coordenadoria Institucional de Educação a Distância Universidade Aberta do Brasil Aula Inaugural

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO EM AMBIENTE INFORMATIZADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO EM AMBIENTE INFORMATIZADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO EM AMBIENTE INFORMATIZADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA Resumo BALADELI, Ana Paula Domingos UEM annapdomingos@yahoo.com.br ALTOÉ, Anair UEM aaltoe@uem.br Eixo temático: Comunicação

Leia mais

O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE

O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE 1 O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE Recife, maio/2010 Ana Paula Teixeira Bruno Silva Universidade Federal

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL Prezado(a) aluno(a); Este material que você está começando a ler trata-se do manual do aluno, referente às disciplinas que serão ministradas através

Leia mais

Proiniciar Virtual: um espaço de interação destinado aos alunos que ingressam através do Sistema de Reserva de Vagas na UERJ. Rio de Janeiro - 05/2009

Proiniciar Virtual: um espaço de interação destinado aos alunos que ingressam através do Sistema de Reserva de Vagas na UERJ. Rio de Janeiro - 05/2009 Proiniciar Virtual: um espaço de interação destinado aos alunos que ingressam através do Sistema de Reserva de Vagas na UERJ Rio de Janeiro - 05/2009 Marcia Taborda UERJ mtaborda@uerj.br Vera Regina P.

Leia mais

UMA ANÁLISE DA REDE SOCIAL EDUCACIONAL SCHOOLING COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

UMA ANÁLISE DA REDE SOCIAL EDUCACIONAL SCHOOLING COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM UMA ANÁLISE DA REDE SOCIAL EDUCACIONAL SCHOOLING COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Ricardo Fidelis Dantas Universidade Estadual da Paraíba richarges@gmail.com Francisco Eudes Almeida da

Leia mais

REDES SOCIAIS NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EAD

REDES SOCIAIS NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EAD REDES SOCIAIS NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EAD Curitiba PR - Setembro 2014 Luís Fernando Lopes Centro Universitário UNINTER luis.l@grupouninter.com.br Cecília de Souza Pestana Centro Universitário

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

Lição 3 Técnicas de Estudo e Aprendizagem a Distância

Lição 3 Técnicas de Estudo e Aprendizagem a Distância Estudo e Aprendizado a Distância 69 Lição 3 Técnicas de Estudo e Aprendizagem a Distância Após concluir o estudo desta lição, esperamos que você possa: associar os estilos de aprendizagem às respectivas

Leia mais

Plataforma. Portal Educacional

Plataforma. Portal Educacional Plataforma Portal Educacional O Grupo Actcon e a Rede Educar Brasil Especializado em soluções que incorporam Tecnologia da Informação à Educação e à Modernização da Administração Pública, o Grupo Actcon

Leia mais

Tema: Capacitación profesional. 7.- El acceso y la reinserción al mercado laboral mediante el e-learning. SCHLÜNZEN, Elisa Tomoe Moriya 1

Tema: Capacitación profesional. 7.- El acceso y la reinserción al mercado laboral mediante el e-learning. SCHLÜNZEN, Elisa Tomoe Moriya 1 TelEduc: Um Ambiente Virtual na Formação de Educadores à Distância para a Potencializar a Inclusão Social, Digital e Escolar de Pessoas com Necessidades Especiais PNE s. Tema: Capacitación profesional

Leia mais

TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO INFANTIL (TEDI)

TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO INFANTIL (TEDI) TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO INFANTIL (TEDI) Formação de Professores Mediadores 1.200 Horas (dois semestres) CBO: 3311-05 1 2 Filme aprender a aprender TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO Busca apoiar as práticas pedagógicas

Leia mais

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA Daricson Caldas de Araújo (IFPE) daricsoncaldas@gmail.com RESUMO Este artigo de revisão de literatura

Leia mais

Apontamentos sobre mediação e aprendizagem colaborativa no curso de especialização em EaD na UNEB

Apontamentos sobre mediação e aprendizagem colaborativa no curso de especialização em EaD na UNEB 1 Apontamentos sobre mediação e aprendizagem colaborativa no curso de especialização em EaD na UNEB ELAINE DOS REIS SOEIRA Do contexto É notória a expansão da educação a distância online, porém muitos

Leia mais

Linguagens e Tecnologias da Universidade Estadual de Goiás (MIELT-UEG).Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás.

Linguagens e Tecnologias da Universidade Estadual de Goiás (MIELT-UEG).Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás. UTILIZAÇÃO DO BLOG COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Yara Oliveira e Silva 1 ARAÚJO, Cláudia Helena dos Santos; PEIXOTO, Joana. Docência online : possibilidades para a construção colaborativa de um

Leia mais

A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1

A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1 A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1 Naziozênio A. LACERDA (UFPI/UFMG) 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho é relatar uma experiência de uso da tecnologia do hipertexto

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais

REDU: UM AMBIENTE VIRTUAL COLABORATIVO PARA ENSINO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO. Porto Nacional TO Maio 2012

REDU: UM AMBIENTE VIRTUAL COLABORATIVO PARA ENSINO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO. Porto Nacional TO Maio 2012 REDU: UM AMBIENTE VIRTUAL COLABORATIVO PARA ENSINO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO Porto Nacional TO Maio 2012 Categoria: Métodos e Tecnologia Setor Educacional: 3 Classificação das Áreas de Pesquisa

Leia mais

INTERAÇÃO E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM COMPARTILHADO E COLABORATIVO NUM FÓRUM DE DISCUSSÃO

INTERAÇÃO E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM COMPARTILHADO E COLABORATIVO NUM FÓRUM DE DISCUSSÃO 1 INTERAÇÃO E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM COMPARTILHADO E COLABORATIVO NUM FÓRUM DE DISCUSSÃO 05/2005 050-TC-C5 Fabiana Martins Vilela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio

Leia mais

Internet e Ensino: Saberes indispensáveis aos Imigrantes digitais

Internet e Ensino: Saberes indispensáveis aos Imigrantes digitais Internet e Ensino: Saberes indispensáveis aos Imigrantes digitais Cristina Novikoff c_novikoff@yahoo.com.br UNIGRANRIO Natália Xavier Pereira nxpereira@hotmail.com UNIGRANRIO Resumo:O uso da tecnologia

Leia mais

VI@CALCULO: CONTRIBUINDO PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA ERA DIGITAL

VI@CALCULO: CONTRIBUINDO PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA ERA DIGITAL VI@CALCULO: CONTRIBUINDO PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA ERA DIGITAL Diogo Israel Schwanck (1) Bárbara Bernardine Almeida da Silva (2) Liara Aparecida dos Santos Leal (3) Resumo O presente trabalho

Leia mais

O ENSINO A DISTÂNCIA EM GEOGRAFIA NA UNIMONTES: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO A DISTÂNCIA EM GEOGRAFIA NA UNIMONTES: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO A DISTÂNCIA EM GEOGRAFIA NA UNIMONTES: UM ESTUDO DE CASO BARROS, Joselita Ferreira Batista 1 ; NEVES, Lisa Vany Figueiredo Ribeiro 2 1 Especialista em Geografia, Ensino e Meio Ambiente e em Educação

Leia mais

Área temática: La sociedade de la informacion: el diseño de contenidos online. Prof Dra. Eliana Maria do Sacramento Soares.

Área temática: La sociedade de la informacion: el diseño de contenidos online. Prof Dra. Eliana Maria do Sacramento Soares. Ambientes Virtuais de Aprendizagem: uma realidade em construção Área temática: La sociedade de la informacion: el diseño de contenidos online Prof Dra. Eliana Maria do Sacramento Soares Prof MSc Carla

Leia mais

A Aplicação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) no Ambiente Escolar

A Aplicação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) no Ambiente Escolar A Aplicação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) no Ambiente Escolar Tatiana Medeiros Cardoso Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de Maio, 141 95.520-000 Osório RS Brasil tati.info@gmail.com

Leia mais

ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA

ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA 1 ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA Andréa Pereira de Castro Universidade de Cruz Alta UNICRUZ, Cruz Alta andreap@unicruz.edu.br Adriana Pereira Cocco Universidade

Leia mais

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD 1 A QUALIDADE DOS CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB Belém PA, Maio 2012 Categoria: Pesquisa e Avaliação

Leia mais

PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013

PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013 PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013 INSTITUIÇÃO PROPONENTE: Ministério da Educação CNPJ: 00.394.445/0124-52 SETOR RESPONSÁVEL PELO PROJETO: Secretaria de Educação Básica(SEB) ENDEREÇO: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

Índice. 1. Os desafios das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs)...3. Grupo 7.3 - Módulo 17

Índice. 1. Os desafios das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs)...3. Grupo 7.3 - Módulo 17 GRUPO 7.3 MÓDULO 17 Índice 1. Os desafios das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs)...3 2 1. OS DESAFIOS DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTICS) Chamam-se Novas Tecnologias

Leia mais

AMBIENTAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E AÇÃO TUTORIAL AULA 01: AMBIENTAÇÃO TÓPICO 03: HISTÓRIA E FUNDAMENTOS DA EAD VERSÃO TEXTUAL DO FLASH Você conhece a origem da Educação a Distância? Como se iniciaram

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

O papel das TIC acessíveis para a educação inclusiva das Pessoas com Deficiência. Rita Bersch Assistiva Tecnologia e Educação www.assistiva.com.

O papel das TIC acessíveis para a educação inclusiva das Pessoas com Deficiência. Rita Bersch Assistiva Tecnologia e Educação www.assistiva.com. O papel das TIC acessíveis para a educação inclusiva das Pessoas com Deficiência Rita Bersch Assistiva Tecnologia e Educação www.assistiva.com.br Educação e Desenho Universal FATO: NA ESCOLA SOMOS TODOS

Leia mais

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Michele Gomes Felisberto; Micheli de Oliveira; Simone Pereira; Vagner Lean dos Reis Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha Introdução O mundo em que vivemos

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

PROJETO DISCIPLINAS SEMIPRESENCIAIS

PROJETO DISCIPLINAS SEMIPRESENCIAIS PROJETO DISCIPLINAS SEMIPRESENCIAIS FACULDADE CASTELO BRANCO Portaria MEC nº 304, de 16/04/2008 D.O.U de 17/04/2008 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 02 2 JUSTIFICATIVA... 04 3 OBJETIVOS... 06 4 PROPOSTA PEDAGÓGICA...

Leia mais

O Uso de Softwares Educativos... Pacheco & Barros. O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática

O Uso de Softwares Educativos... Pacheco & Barros. O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática José Adson D. Pacheco & Janaina V. Barros - UPE Resumo: O presente artigo avalia a utilização de softwares educativos de matemática na sala de aula

Leia mais

WEBQUEST: UM RECURSO TECNOLÓGICO NA EDUCAÇÃO MATEMÃTICA

WEBQUEST: UM RECURSO TECNOLÓGICO NA EDUCAÇÃO MATEMÃTICA WEBQUEST: UM RECURSO TECNOLÓGICO NA EDUCAÇÃO MATEMÃTICA Patrícia Sândalo Pereira UNIOESTE Foz do Iguaçu patriciasandalop@uol.com.br Cleonice Salateski Colégio Estadual Alberto Santos Dumont maucleo@seed.pr.gov.br

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Luiz Carlos Chiofi Universidade Estadual de Londrina - PDE luizquinzi@seed.pr.gov.br Marta Regina Furlan

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSOR E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TIC)

FORMAÇÃO DE PROFESSOR E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TIC) FORMAÇÃO DE PROFESSOR E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TIC) Divina Rosangela de Souza Costa UCG Joana Peixoto UCG Comunicação Formação e profissionalização docente O presente trabalho tem

Leia mais

FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS. São Paulo 05/2011

FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS. São Paulo 05/2011 1 FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS São Paulo 05/2011 Claudia Stippe Rodrigues Instituto Paramitas claudiastippe@institutoparamitas.org.br Mary Grace Pereira Andrioli

Leia mais

GeronEAD MÓDULO 3 PROFESSOR VIRTUAL DE SENIORES

GeronEAD MÓDULO 3 PROFESSOR VIRTUAL DE SENIORES 1 GeronEAD MÓDULO 3 PROFESSOR VIRTUAL DE SENIORES As alterações oriundas das transformações paradigmáticas com a EAD modificaram o perfil do professor. O professor, agora virtual, surge como um ator mediador

Leia mais

Rua Baronesa do Engenho Novo, 189 Eng. Novo - Rio de Janeiro - RJ. Rua Buenos Aires, 12 / 12 o andar Centro - Rio de Janeiro - RJ

Rua Baronesa do Engenho Novo, 189 Eng. Novo - Rio de Janeiro - RJ. Rua Buenos Aires, 12 / 12 o andar Centro - Rio de Janeiro - RJ Manual do Cursista Copyright COP EDITORA LTDA. Todos os direitos reservados a COP EDITORA LTDA. Essa é uma co-edição entre a COP EDITORA LTDA e a FUNAGER - Fundação Nacional de Apoio Gerencial. Proibida

Leia mais

Educação à Distância - Superando Barreira

Educação à Distância - Superando Barreira Educação à Distância - Superando Barreira Autora: Rosilene da Silva Oliveira (UNITINS) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente artigo tem como objetivo a finalidade da conclusão

Leia mais

Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando Jaime González 4 Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí, RS

Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando Jaime González 4 Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí, RS A Utilização das TIC por Professores de Educação Física de Escolas Públicas da Região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul 1 Resumo Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO MULTIMÍDIA SOBRE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA PARENTERAL: INTRAVENOSA, INTRAMUSCULAR E SUBCUTÂNEA

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO MULTIMÍDIA SOBRE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA PARENTERAL: INTRAVENOSA, INTRAMUSCULAR E SUBCUTÂNEA CONSTRUÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO MULTIMÍDIA SOBRE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA PARENTERAL: INTRAVENOSA, INTRAMUSCULAR E SUBCUTÂNEA BORGES *, Ângela André PUCPR angelaborges2005@yahoo.com.br MACIEL

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Paradigma Pedagógico da Informática Educativa Parte III. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Paradigma Pedagógico da Informática Educativa Parte III. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Paradigma Pedagógico da Informática Educativa Parte III Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após vermos uma abordagem acerca do paradigma da informática

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB

FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB Telma Cristina Gomes da Silva (PROLING/UFPB) telmapedist@hotmail.com Introdução A Cultura Digital impõe novos desafios pedagógicos

Leia mais

A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD

A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD Neusa Teresinha Bohnen (UNITINS) 1. Considerações iniciais Aprender uma Língua Estrangeira (LE) assume um caráter mais importante em tempos

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa RESUMO Jacyene Melo de Oliveira Araújo Profª Drª UFRN- CE-SEDIS Os Estágios

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA Tema debatido na série Integração de tecnologias, linguagens e representações, apresentado no programa Salto para o Futuro/TV Escola, de 2 a 6 de maio de 2005 (Programa 1) INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO

Leia mais

SALAS TEMÁTICAS: ESPAÇOS DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM. Palavras Chave: salas temáticas; espaços; aprendizagem; experiência.

SALAS TEMÁTICAS: ESPAÇOS DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM. Palavras Chave: salas temáticas; espaços; aprendizagem; experiência. 1 SALAS TEMÁTICAS: ESPAÇOS DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM BAGEGA, Chariane 1 BONI, Marina 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras Chave: salas temáticas; espaços; aprendizagem; experiência. 1 INTRODUÇÃO A

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

MANUAL DO CEPED CENTRO DE ESTUDOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS- CURSO DE PEDAGOGIA

MANUAL DO CEPED CENTRO DE ESTUDOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS- CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO CEPED CENTRO DE ESTUDOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS- CURSO DE PEDAGOGIA Professora Eliane Maria Freitas Monken (org) Belo Horizonte 2013 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 03 2 OBJETIVOS... 04 2.1 Objetivo

Leia mais

Indaial SC Abril 2012. Setor Educacional: 3. Educação Universitária

Indaial SC Abril 2012. Setor Educacional: 3. Educação Universitária MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO A DISTÂNCIA: PRODUÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS DIDÁTICOS UTILIZADOS PELOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO EAD DA UNIASSELVI Indaial SC Abril 2012 Hiandra Bárbara Götzinger

Leia mais

LICENCIATURA EM PEDAGOGIA A DISTÂNCIA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA FORMAÇÃO DOCENTE RESUMO

LICENCIATURA EM PEDAGOGIA A DISTÂNCIA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA FORMAÇÃO DOCENTE RESUMO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA A DISTÂNCIA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA FORMAÇÃO DOCENTE RESUMO Bergson Pereira Utta * Universidade Federal do Maranhão Este trabalho de pesquisa tem por objetivo analisar em

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES EM AMBIENTES DIGITAIS: DISCUSSÃO PRELIMINAR SOBRE ESSA POSSÍVEL INTERFACE.

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES EM AMBIENTES DIGITAIS: DISCUSSÃO PRELIMINAR SOBRE ESSA POSSÍVEL INTERFACE. FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES EM AMBIENTES DIGITAIS: DISCUSSÃO PRELIMINAR SOBRE ESSA POSSÍVEL INTERFACE. [1] MARIA CRISTINA LIMA PANIAGO LOPES [2] MAYSA DE OLIVEIRA BRUM BUENO Resumo: O presente trabalho

Leia mais

Palavras -chave: EAD, materiais didáticos, critérios de avaliação.

Palavras -chave: EAD, materiais didáticos, critérios de avaliação. OS CRITÉRIOS DE QUALIDADE NO MATERIAL DIDÁTICO IMPRESSO NA EAD Autora: Lucicleide da Silva (UNEAL/UFAL) lucicleide2004@ig.com.br Drª. Cleide Jane de Sá Araújo Costa (UFAL) cleidejanesa@gmail.com RESUMO:

Leia mais

Curso: Formação de Formadores em Educação a Distância

Curso: Formação de Formadores em Educação a Distância Curso: Formação de Formadores em Educação a Distância Data de início: 28 de março de 2012 Data de término: 6 de maio de 2012 CARGA HORÁRIA: 40 horas DESCRIÇÃO: O curso de Formação de Formadores em Educação

Leia mais

Projeto Inovaeduc Perguntas Frequentes

Projeto Inovaeduc Perguntas Frequentes Projeto Inovaeduc Perguntas Frequentes 1) O que é o projeto Inovaeduc? O projeto Inovaeduc é um projeto pedagógico / educacional que contempla um conjunto de soluções tecnológicas educacionais que objetivam

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

A INTERNET COMO AMBIENTE AUXILIAR DO PROFESSOR NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM

A INTERNET COMO AMBIENTE AUXILIAR DO PROFESSOR NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM A INTERNET COMO AMBIENTE AUXILIAR DO PROFESSOR NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM Luís Paulo Leopoldo Mercado Centro de Educação - Universidade Federal de Alagoas Maceió Alagoas Brasil e-mail: lpm@fapeal.br

Leia mais

EMITec/BA: INTERATIVIDADE EM TEMPO REAL E SUA CONTRIBUIÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

EMITec/BA: INTERATIVIDADE EM TEMPO REAL E SUA CONTRIBUIÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1 EMITec/BA: INTERATIVIDADE EM TEMPO REAL E SUA CONTRIBUIÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Salvador BA Maio 2014 Letícia Machado dos Santos Secretaria de Educação do Estado da Bahia letícia.machado@educacao.ba.gov.br

Leia mais

Uso da Telefonia Móvel: Uma Ferramenta de Interação para a Aprendizagem a Distância

Uso da Telefonia Móvel: Uma Ferramenta de Interação para a Aprendizagem a Distância 1 Uso da Telefonia Móvel: Uma Ferramenta de Interação para a Aprendizagem a Distância 05/2008 Maria de Fátima Rodrigues de Lemos Núcleo de Educação a Distância - NEAD / Unidade Estratégica de Desenvolvimento

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL Gabriela Jurak de Castro UCPel gabriela.jurak@ucpel.tche.br Letícia Marques Vargas UCPel lvargas@ucpel.tche.br

Leia mais

Investigação sobre o uso do ambiente Moodle pelos professores de uma instituição de ensino superior pública

Investigação sobre o uso do ambiente Moodle pelos professores de uma instituição de ensino superior pública Investigação sobre o uso do ambiente Moodle pelos professores de uma instituição de ensino superior pública Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital 1 Ana Paula Ferreira Sebastião 2 Rosemary

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO PLANO DE AÇÃO 2015

ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO PLANO DE AÇÃO 2015 ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO PLANO DE AÇÃO IVINHEMA MS ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO PLANO DE AÇÃO Planejamento anual de atividades a serem desenvolvidas pelo Professor Gerenciador de

Leia mais

PLATAFORMA MOODLE: POSSIBILIDADES PEDAGÓGICAS NO ENSINO SUPERIOR. Profª Drª Nara Nörnberg nnornberg@unisinos.br Assessora Pedagógica Unisinos EaD

PLATAFORMA MOODLE: POSSIBILIDADES PEDAGÓGICAS NO ENSINO SUPERIOR. Profª Drª Nara Nörnberg nnornberg@unisinos.br Assessora Pedagógica Unisinos EaD PLATAFORMA MOODLE: POSSIBILIDADES PEDAGÓGICAS NO ENSINO SUPERIOR Profª Drª Nara Nörnberg nnornberg@unisinos.br Assessora Pedagógica Unisinos EaD Concepção de EaD da Unisinos A oferta de cursos na modalidade

Leia mais

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Resumo André Alves Freitas Andressa Guimarães Melo Maxwell Sarmento de Carvalho Pollyanna de Sousa Silva Regiane Souza de Carvalho Samira Oliveira Os cursos

Leia mais

» analisar os resultados de uso dos materiais e refletir sobre as estratégias empregadas no processo.

» analisar os resultados de uso dos materiais e refletir sobre as estratégias empregadas no processo. 1 Introdução Quando nos propomos a pensar o quê um professor pode usar na sua relação com os alunos em sala de aula como recurso didático, o que imaginamos? Há um universo de possibilidades para estabelecer

Leia mais

AULA 07. Profª Matilde Flório. Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...)

AULA 07. Profª Matilde Flório. Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) AULA 07 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS

Leia mais

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web 2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web A eficiência da educação a distância (EAD) depende da contribuição de diversas disciplinas. É comum encontrarmos estudos nas áreas da ciência da computação,

Leia mais

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA.

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Autor (1)Suzânia Maria Pereira de Araújo; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1)Denise Silva

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Iolene Mesquita Lobato Universidade Federal de Goiás Comunicação Formação e profissionalização docente O presente trabalho

Leia mais

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Douglas Vaz, Suelen Silva de Andrade Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {doug.vaz,

Leia mais

PERFIL DO ALUNO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO CURSO DE DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR

PERFIL DO ALUNO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO CURSO DE DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR PERFIL DO ALUNO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO CURSO DE DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR Ribeirão Preto, 06 de Março de 2011. Adriana da Silva Ferreira Centro Universitário Barão de Mauá - e-mail: adriana1fisio@yahoo.com.br

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE O USO DAS TIC NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APRENDIZAGEM 1

FORMAÇÃO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE O USO DAS TIC NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APRENDIZAGEM 1 AYRES, Sandra Regina Braz; MILANESI, Irton; MILHOMEM, André Luiz Borges. Formação Docente: Uma reflexão sobre o uso das TIC no desenvolvimento de projetos de aprendizagem. SemiEdu2010 - ISSN:1518-4846

Leia mais

05/2008. Categoria (Conteúdos e Habilidades) Setor Educacional (Educação Universitária) Natureza do Trabalho (Descrição de Projeto em Andamento)

05/2008. Categoria (Conteúdos e Habilidades) Setor Educacional (Educação Universitária) Natureza do Trabalho (Descrição de Projeto em Andamento) UM RELATO SOBRE A TRANSIÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO PRESENCIAL PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ELABORAÇÃO DE MATERIAIS INSTRUCIONAIS - ÓTICA DO DESIGNER INSTRUCIONAL 05/2008 Danielli Veiga Carneiro; Msc.

Leia mais

A VIVÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A VIVÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO A VIVÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Autor (1) Sergio Morais Cavalcante Filho Universidade Estadual da Paraíba (UEPB CCEA Patos) email: sergio.smcf@gmail.com RESUMO O presente artigo expõe uma experiência

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO Resumo HOÇA, Liliamar Universidade Positivo liliamarh@up.com.br MORASTONI, Josemary- Universidade Positivo

Leia mais

ESCOLA DE APLICAÇÃO INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO. 24 de outubro de 2010. Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará ------/UFPA

ESCOLA DE APLICAÇÃO INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO. 24 de outubro de 2010. Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará ------/UFPA Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará Concurso Público para a Carreira do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico ESCOLA DE APLICAÇÃO ------/UFPA 24 de outubro de 2010 INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO

Leia mais

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA Naiane Novaes Nogueira 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB n_n_nai@hotmail.com José

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO 63 TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO CARLOS FERNANDO DE ARAUJO JR 1 ÁDERSON GUIMARÃES PEREIRA 2 RESUMO O trabalho procura demonstrar que a aplicação das tecnologias

Leia mais

Objetivos. Pressupostos da Inclusão. Pedagogia Profa. Ms. Maria José de Oliveira Russo (Marjô)

Objetivos. Pressupostos da Inclusão. Pedagogia Profa. Ms. Maria José de Oliveira Russo (Marjô) Pedagogia Profa. Ms. Maria José de Oliveira Russo (Marjô) Formação de professores para a escola inclusiva: uma reflexão sobre culturas, políticas e práticas inclusivas Objetivos Discutir a importância

Leia mais

A ATUAÇÃO DO DOCENTE TUTOR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A ATUAÇÃO DO DOCENTE TUTOR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A ATUAÇÃO DO DOCENTE TUTOR NA DUTRA, Regina Maria¹, PEREIRA, Valdir¹ 1 Docente da Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes. RESUMO A Educação a Distância (EAD) sofreu novo impulso com o surgimento

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais