FACULDADE TECSOMA CURSO DE ENFERMAGEM AVALIAR A IMPORTÂNCIA DA SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA UTI, DO MUNICÍPIO DE PARACATU-MG.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE TECSOMA CURSO DE ENFERMAGEM AVALIAR A IMPORTÂNCIA DA SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA UTI, DO MUNICÍPIO DE PARACATU-MG."

Transcrição

1 FACULDADE TECSOMA CURSO DE ENFERMAGEM AVALIAR A IMPORTÂNCIA DA SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA UTI, DO MUNICÍPIO DE PARACATU-MG. Vinícius Barbosa Oliveira Paracatu 2010

2 Vinícius Barbosa Oliveira AVALIAR A IMPORTÂNCIA DA SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA UTI, DO MUNICÍPIO DE PARACATU-MG. Trabalho de conclusão de curso apresentado à disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso II como pré-requisito para obtenção de título de bacharel em Enfermagem pela Faculdade Tecsoma Paracatu, Minas Gerais. Professor supervisor: Geraldo Benedito B. de Oliveira Orientadora Temática: Carolina Guimarães A. Moreira Paracatu 2010

3 OLIVEIRA, Vinícius Barbosa, AVALIAR A IMPORTÂNCIA DA SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA UTI, DO MUNICÍPIO DE PARACATU-MG/Vinícius Barbosa Oliveira. Paracatu - Minas Gerais: Faculdade TECSOMA - FATEC, p. Orientadora: Msc.Carolina Guimarães Aguiar Moreira. Monografia (Bacharelado). Enfermagem. 1. SAE. 2. UTI. 3. Enfermagem. CDU:

4 Vinícius Barbosa Oliveira AVALIAR A IMPORTÂNCIA DA SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA UTI, DO MUNICÍPIO DE PARACATU-MG. Trabalho de conclusão de curso apresentado à disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso II como pré-requisito para obtenção de título de bacharel em Enfermagem pela Faculdade Tecsoma Paracatu, Minas Gerais. Carolina Guimarães Aguiar Moreira Orientadora Temática Geraldo Benedito Batista de Oliveira Professor Supervisor

5 Paracatu, 18 de junho de 2010

6 Dedico este trabalho aos meus pais, amigos é colegas que sempre me deram força para vencer as barreiras da vida.

7 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar quero agradecer a Deus, por ter me dado força e inspiração deste trabalho. Agradeço aos meus pais que acreditaram em mim, e deram-me apoio nas horas difíceis. A minha orientadora, Professora Msc. Carolina Guimarães Aguiar Moreira que mostrou enorme interesse e empenho para que se tornasse possível à realização deste trabalho. Agradeço a Professora Marianne Novais Pinto, pelo auxilio na busca de artigos para realização do projeto. A todos meus colegas, pela troca de informações, que de certa foram auxiliou na construção do projeto. A Professora Carolina S. Souza, pela ajuda na escolha do tema. Agradeço aos meus amigos Renato Caetano, Camila Rafaela, Ana Flavia, Guilherme Tavares, que não deixaram que desistisse da execução do taralho. É a todos que de certa forma ajudou para elaboração do Trabalho.

8 RESUMO Este trabalho tem como objetivo de avaliar a importância da implantação da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE), na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), do Hospital Municipal de Paracatu (HMP). Trata-se de uma pesquisa quantitativa e qualitativa. Os dados foram coletados nos meses de janeiro e fevereiro de 2010, por meio da análise de prontuários da UTI do Hospital Municipal de Paracatu dos meses de junho a dezembro de 2009, sendo estes escolhidos aleatoriamente. À análise dos prontuários constatou-se que a consulta de enfermagem e realizada para definição de alguns diagnósticos de enfermagem já definidos pela instituição, para o cuidado com os pacientes internados. Observou-se que o modelo de assistência realizado pelos profissionais enfermeiros da UTI do HMP, embasado na metodologia da SAE, necessita de uma reestruturação para que se tenha um devido cuidado realizado com seu paciente atendendo todas suas necessidades, onde todos pacientes/clientes internados em uma UTI requerem cuidados intensos para manutenção de sua vida. Este trabalho oferece de subsídio, para reorganização dos cuidados realizados aos pacientes na unidade, visando assim uma melhor qualidade na assistência prestada pelos profissionais de enfermagem para o cuidado continuado. Palavras chaves: SAE, UTI, Enfermagem.

9 ABSTRACT This study aims to evaluate the importance of implementing the Nursing Care System (NCS) in the Intensive Care Unit (ICU), Hospital Municipal Paracatu (HMP). This is a quantitative and qualitative research. Data were collected in January and February 2010, through the analysis of medical ICU, Hospital Municipal Paracatu the months from June to December 2009, which were chosen randomly. In the analysis of the records revealed that the nursing consultation and carried out to define some nursing diagnoses already defined by the institution for the care of hospitalized patients. It was observed that the model of care performed by nurses in the ICU of HMP, based on the methodology of SAE, you need a restructuring in order to have a due diligence performed with the patient meeting all their needs, where all patients / clients admitted to an ICU require intensive care to maintain its life. This work provides a subsidy for the reorganization of care provided to patients in the unit, aims at a better quality of care provided by nursing professionals for continued care. Keywords: SAE, ICU, Nursing.

10 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1 Principais Diagnósticos de Enfermagem Utilizados na UTI do HMP, nos meses de junho a dezembro de GRÁFICO 2 Principais Doenças que levaram a internação na UTI do HMP, nos meses de junho a dezembro de GRÁFICO 3 Principais Diagnósticos de Enfermagem utilizados aos pacientes internados com diagnóstico médico de IAM na UTI do HMP GRÁFICO 4 Principais Diagnósticos de Enfermagem utilizados aos pacientes internados com diagnóstico médico de ICC na UTI do HMP GRÁFICO 5 Principais Diagnósticos de Enfermagem utilizados aos pacientes internados com diagnóstico médico de TCE na UTI do HMP GRÁFICO 6 Principais Diagnósticos de Enfermagem utilizados aos pacientes internados com diagnóstico médico de Choque Cardiogênico na UTI do HMP... 38

11 Org. Organização LISTA DE ABREVIATURAS

12 LISTA DE SIGLAS ABEn- Associação Brasileira de Enfermagem AEP- Auto-Estima Prejudicada COFEN- Conselho Federal de Enfermagem DAC- Déficit no Auto-Cuidado DCD- Débito Cardíaco Diminuído HMP- Hospital Municipal de Paracatu IAM- Infarto Agudo do Miocárdio ICC- Insuficiência Cárdica Congestiva IPP- Integridade da Pele Prejudicada MG- Minas Gerais PRI- Padrão Respiratorio Ineficaz RI- Risco para Infecção SAE- Sistematização da Assistência de Enfermagem TCE- Traumatismo Crânio Encefálico TGP- Troca Gasosa Prejudicada UTI- Unidade de Terapia Intensiva

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico REFERENCIAL TEÓRICO HISTORIA DA ENFERMAGEM A REORGANIZAÇÃO HOSPITALAR E O SURGIMENTO DA ENFERMAGEM MODERNA ENFERMAGEM NO BRASIL A Organização da Enfermagem na Sociedade Brasileira A Enfermagem no Brasil Moderno ENFERMAGEM A Enfermagem como Profissão UTI O PROCESSO DE ENFERMAGEM Histórico de Enfermagem Diagnóstico de Enfermagem Componentes estruturais do Diagnostico de Enfermagem Plano de Cuidados ou Intervenções de Enfermagem Evolução de Enfermagem APLICAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM NA UTI PRINCIPAIS DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM UTILIZADOS EM UTI PRINCIPAIS DOENÇAS QUE LEVAM PACIENTE A INTERNAÇÃO NA UTI INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO (IAM) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA TRAUMATISMO CRÂNIO ENCEFÁLICO CHOQUE CARDIOGÊNICO METODOLOGIA TIPO DE ESTUDO INSTRUMENTOS DE PESQUISA E COLETA DE DADOS CRITÉRIOS DE INCLUSÃO CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO DESENVOLVIMENTO DO ESTUDO RESULTADOS E DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 41

14 11 1 INTRODUÇÃO GEOVANINI, et al, (2002), diz que o desenvolvimento das práticas de saúde está intimamente associada às estruturas sociais das diferentes nações em épocas diversas, é cada período histórico traz consigo suas características próprias, englobando sua filosofia, política, economia, leis e ideologia. Os períodos transitórios de desenvolvimento das nações, as relações de poder e articulação da questão saúde, dentro das perspectivas socioeconômica e política, são fatores que caracterizam a evolução e a trajetória das práticas de saúde, na qual a enfermagem está inserida. Segundo Backes e Schwartz (2005), a enfermagem, assim como a sociedade em geral, vem acompanhando profundas e importantes mudanças nas relações sociais e políticas, no campo tecnológico, nas relações interpessoais e, principalmente, na maneira de organizar os serviços e responder às novas demandas gerenciais com base nos processos de melhoria contínua. Por muitos anos, o tipo de organização dos serviços, associado ao modelo de gestão tradicional, baseou-se em contradições geradas por uma estrutura rígida, excessivamente especializada, com funções rotineiras e pouco desafiadoras. Neste sentido, a enfermagem conformou-se, basicamente, com uma cultura do fazer sem, contudo, refletir acerca de novas possibilidades do ser e agir na prática assistencial e gerencial. Às novas demandas gerenciais e assistenciais, com enfoque nos processos de melhoria contínua, e em consonância com as necessidades atuais dos clientes, as rápidas evoluções tecnológicas e as transformações sociais, portanto, colocam os trabalhadores, de modo geral, face ao imperativo de flexibilidade, inovação e criatividade, maior produtividade e qualidade do produto dos serviços, humanização da assistência e aumento da qualidade de vida do trabalhador, entre outros, a fim de garantir o espaço profissional com responsabilidade social. (BACKES; SCHWARTZ, 2005). Necessita-se, no entanto, de enfermeiros responsáveis pelo processo de melhoria, que tenham sensibilidade para captar as necessidades emergentes, habilidade para empreender e estimular ações inovadoras e, principalmente, conhecimento e capacidade estratégica para envolver e comprometer criativamente os profissionais, a partir de então, traçar/desenvolver ações inovadoras no campo da assistência, comprometidas com o ser humano enquanto sujeito e agente de Mudanças. (BACKES; SCHWARTZ, 2005). Segundo Silva e Santos (2009), a enfermagem tem passado por diversas mudanças baseadas em um contexto socioeconômico característico de cada país. Onde desde as décadas

15 12 de 1950 e 1960, vem sendo expressa na literatura norte americana uma preocupação em orientar as atividades de enfermagem com respaldo no método científico, tendo assim, a aplicação do Processo de Enfermagem. No Brasil a pioneira na divulgação em uma obra titulada foi Wanda Horta quando publicou o livro Processo de Enfermagem, que traz a idéia de garantir o profissional de enfermagem a autonomia de suas ações através da Sistematização de Enfermagem. Tannure e Gonçalves (2008) diz que o processo de enfermagem é um método utilizado para se implementar as ações de enfermagem, sendo a ferramenta principal para realização da assistência, sendo o mesmo para ser operacionalizado necessita de etapas a serem seguidas em uma sequência como: investigação ou histórico de enfermagem, diagnóstico, intervenção ou implementação e evolução ou avaliação de enfermagem. Para a dinâmica completa do processo de enfermagem da sistematização, necessita do inter-relacionamento, entre suas fase citadas anteriormente onde as classificam como: Histórico de Enfermagem: roteiro sistematizado para levantamento de dados significativos para o enfermeiro, tornando-se possível a identificação do problema. (HORTA, 1979). Diagnóstico de Enfermagem: a identificação das necessidades do ser humano que precisa de atendimento. (HORTA, 1979). Intervenções ou Prescrições de Enfermagem: implementação do plano assistencial pelo roteiro diário que coordena a ação da equipe de enfermagem na execução dos cuidados adequados ao atendimento das necessidades básicas e especificas do ser humano. (HORTA, 1979). Evolução de Enfermagem: relato diário (ou aprazado) das mudanças sucessivas que ocorrem no ser humano, enquanto estiver sob assistência profissional. Pela evolução é possível avaliar a resposta do ser humano à assistência de enfermagem implementada (HORTA, 1979). Segundo Gentil, et al, (2006), a implementação da Sistematização da Assistência e Enfermagem (SAE) constitui uma exigência para as instituições de saúde públicas e privadas de todo o Brasil, de acordo com a resolução Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) de número 272/2002. É também uma orientação da lei do exercício profissional de enfermagem (Lei 7.498, 25 de junho de 1986). Sendo que a implantação da SAE torna-se uma estratégia da organização que presta assistência de enfermagem na instituição. Cintra, Nishide, Nunes, (2008), diz que com os avanços dos procedimentos cirúrgicos

16 13 e com maior necessidade de se prestar cuidados aos pacientes durante o período pósoperatório, levou ao desenvolvimento das Unidades Especiais de Terapia. As Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) evoluíram com a criação das salas de recuperação, na década de 1920, para assistência dos pacientes de neurocirurgia, no Hospital Johns Hopkins e, na década de 1930, em Tubingen, na Alemanha, com a assistência intensiva pós-operatória. (CINTRA, NISHIDE, NUNES, 2008). No Brasil, a implantação das unidades de terapia intensiva, teve início na década de 1970, apesar das transformações ocorridas nas unidades de terapia, os enfermeiros sempre praticavam a humanização no ambiente, visando à melhora do atendimento ao doente, bem como seus familiares. (CINTRA, NISHIDE, NUNES, 2008). Vendo a importância da SAE, para o cuidado do paciente/ cliente/ usuário, visando a melhoria de suas necessidades humanas básicas, este trabalho vem mostrar resultados da implantação da Sistematização da Assistência de Enfermagem na UTI do Hospital Municipal de Paracatu- MG. Sendo que a SAE depois de implantada requer maior interesse dos profissionais para sua operacionalização, o objetivo deste estudo e comparar os prontuários da UTI antes e depois da implantação da Sistematização Assistência de Enfermagem, avaliando e identificando complicações, superadas pelos profissionais de Enfermagem no cuidado de seus clientes, mostrando a importância da assistência de enfermagem no cuidado intensivo. 1.1 Objetivos Objetivo Geral Avaliar a importância da implantação da Sistematização da Assistência de Enfermagem, na Unidade de Tratamento Intensivo, do Hospital Municipal de Paracatu.

17 Objetivo Específico Mostra a importância da SAE para o cuidado continuado. Identificar diagnósticos de enfermagem usados com maior frequência na UTI. Identificar os principais diagnósticos de enfermagem utilizados nas principais patologias de maior frequência que levaram a internação na UTI.

18 15 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Historia da Enfermagem Os sábios e filósofos viviam rodeados de discípulos a quem ministravam os seus conhecimentos e experiências. Posteriormente, a prática do ensino passou a ser realizada quase que exclusivamente por ordens religiosas, onde passou-se a ministrar o conhecimento. (OGUISSO, 2007). Segundo Oguisso, (2007), pode-se afirma que a prática da enfermagem foi sendo desenvolvida pela Igreja católica, sendo que em algumas regiões do mundo ocidental, a atividade torna-se monopólio das ordens religiosas. Aos poucos, as praticas da enfermagem começavam a ser organizar, abrindo cominhos para o uso de instrumentos nos cuidados dos doentes. Surgiu também a preocupação com o ambiente do paciente, com a necessidade de luz, de ar fresco, de silêncio e, principalmente de higiene. Além disso o trabalho principal das religiosas que cuidavam de doentes tinha motivação de ordem espiritual e era executado de acordo com a orientação da Igreja. Apartir deste principio as praticas de saúde vem se evoluindo onde as mesmas segundo GEOVANINI, et al, (2002), foram subdivididas: As práticas de saúde instintivas: caracterizada por cuidar dos grupos nômades primitivos, tendo como pano de fundo as concepções evolucionista e teológica. As praticas de saúde mágico-sacerdotais: caracteriza a relação mística entre as práticas religiosas e as praticas de saúde primitivas desenvolvidas pelos sacerdotes. Este período corresponde à fase do empirismo. As práticas de saúde no alvorecer da ciência: relaciona a evolução das praticas de saúde, onde se tem o surgimento da filosofia e ao progresso da ciência, quando estas se baseavam nas relações causa e efeito. As praticas de saúde monástico-medievais: esta época corresponde ao aparecimento da enfermagem como pratica leiga, desenvolvida pelos religiosos. As praticas de saúde pós-monásticas: caracteriza esta evolução das praticas de saúde como a transição intelectual e religiosa do mundo medieval para o mundo moderno marca o perfil de uma nova era fundamentada na arte e na ciência. As praticas de saúde no mundo moderno: tem como marco especial para a

19 16 enfermagem, pois ressalta o surgimento da Enfermagem como uma prática profissional institucionalizada. 2.2 A reorganização hospitalar e o surgimento da Enfermagem Moderna É na reorganização da instituições hospitalares e no posicionamento dos médicos, como principal responsável por essa reordenação, que vamos encontrar as raízes do processo, e seus reflexos na enfermagem. Logo que ocorreu a institucionalização da enfermagem, as ações burocráticas que favorecem esse estado de coisas farão parte da prática administrativa do enfermeiro, e este ver-se-á envolvido com grande parte de instrumentos normativos e regimentais que afastarão progressivamente a assistência direta ao doente. (GEOVANINI, et al, 2002). Cintra, Nishide, Nunes, (2008), diz que; é nesse cenário que a enfermagem passa atuar quando a profissão teve inicio na Inglaterra, no século XIX, com o trabalho de Florence Nightingale, recrutando e treinando um grupo de mulheres para os cuidados a serem realizados aos soldados feridos durante Guerra Criméia ( ). Nesta época Florence Nightingale, surgiu à idéia de classificar os doentes de acordo com o grau de sua gravidade, colocando os mesmos mais próximos dos enfermeiros para maior vigilância e assistência. Florence Nightingale teve importante participação na construção do ensino de enfermagem, através de seus saberes e práticas relacionadas à profissão. Sua contribuição é inegável frente a seu poder de observação. Além disso, defendia suas posições com base em prévia investigação. (COSTA, et al, 2009). 2.3 Enfermagem no Brasil A Organização da Enfermagem na Sociedade Brasileira GEOVANINI, et al, (2002), diz que com a chegada do colonizador europeu e do negro africano, doenças infecto-contagiosas, como a tuberculose, a febre amarela, a varíola, a lepra,

20 17 a malária e as doenças venéreas, passaram a compor o cenário nosológico brasileiro, tendo inicio o percurso macabro das epidemias e a extinção dos nativos. Sendo a assistência aos doentes prestada pelos religiosos, em enfermarias edificadas nas proximidades dos colégios e conventos. A pratica da enfermagem era, por esse tempo, doméstica e empírica; mais instintiva que técnica, atendendo prioritariamente a fins lucrativos. Onde mais tarde foi fundados os hospitais militares; com intuito de preservação da vida dos soldados, tendo como beneficio o cuidado e manutenção de sua tropas. (GEOVANINI, et al, 2002) A Enfermagem no Brasil Moderno A enfermagem neste contexto ocupa dois pólos distintos: enquanto um contingente significativo de enfermeiros especializa-se cada vez mais para atender as expectativas médico-hospitalares, o outro grupo de enfermeiros tenta o resgate as saúde pública no Brasil. Esta nova postura da enfermagem, que incentiva a inter e a multidisciplinaridade, tem como objetivo a manutenção da saúde do homem visto como ser integral. A partir dai vê se o reconhecimento crescente por parte dos próprios funcionários de saúde essa nova forma de exercer a enfermagem. (GEOVANINI, et al, 2002). Nesse sentido, desde 1985, a Associação Brasileira de Enfermagem, em conjunto com a comissão de especialistas em enfermagem da secretaria de ensino superior do Ministério da Educação, vem se desenvolvendo um estudo de âmbito nacional, buscando definir os parâmetros e diretrizes básicas que devem orientar o enfermeiro no Brasil (GEOVANINI, et al, 2002). GEOVANINI, et al, (2002), relata que é necessário o debate sobre o novo currículo de enfermagem no momento atual, que passou a partir do Seminário Nacional realizado em Niterói, em 1989, foi consubstanciada pelo documento ABEn Nacional em 1991 que: o aumento da duração mínima do curso (de h parecer 163/ para h ou 8 a 10 semestres letivos); e a mudança do nome do curso, de Enfermagem e Obstetrícia para curso de Enfermagem. E necessário que ainda haja uma preocupação constante em formar profissionais críticos e conscientes de seu papel social, comprometidos com as reais necessidades de vida e saúde da população.

21 Enfermagem A Enfermagem como Profissão Antes de 1890, o exercício da enfermagem era pratica com base na solidariedade humana, já o aspecto profissional surge a partir da prestação de cuidados à pessoas enfermas nos domicílios, na sua maioria, por mães e escravos que lá trabalhavam. No Brasil a profissionalização da enfermagem surgiu por meio da sistematização do ensino da prática do cuidar, onde o trabalho do enfermeiro aos longos dos tempos tem-se constituído em objeto de questionamentos e reflexões por parte dos profissionais e estudiosos da área, relacionadas com ações as práticas de saúde. (OGUISSO, 2005). Silva, et al, (2006), refere-se que a evolução da enfermagem como ciência e prática social, o enfermeiro passou a assumir papéis não só na assistência, mas na liderança e na pesquisa. Além disso, incorporou em sua formação profissional conhecimento de outros saberes, a exemplo da ciência da administração. A inter-relação da administração na enfermagem está, entretanto, alicerçada nos princípios da própria profissão, apoiados nos pensamentos e ações de Florence Nightingale. Entre estes princípios sobressaem quatro conceitos fundamentais: "ser humano, meio ambiente, saúde e enfermagem". A enfermagem, como parte integrante da equipe de saúde, tem implementado ações no intuito de assistir o ser humano no atendimento de suas necessidades básicas. No entanto, estas ações, de caráter preventivo, curativo ou de reabilitação, desenvolvidas pela enfermagem, à sua clientela através de processo educativo muitas vezes, não são inseridas na vida cotidiana do profissional enfermeiro, devido à sobrecarga de atividades diárias que afetam a qualidade de sua existência nem sempre têm sido aplicadas por esses profissionais em seu próprio benefício. (SILVA, et al, 2005). A valorização da enfermagem enquanto profissão depende também da postura do profissional frente aos problemas que emergem da sua prática. O enfermeiro precisa ser autêntico e conquistar o seu espaço com mérito, através do uso do seu conhecimento científico específico, que pode ter na Sistematização da Assistência de Enfermagem a autonomia necessária para desenvolver um trabalho consciente, eficiente e gratificante do ponto de vista de resultados positivos na assistência prestada (HERMIDA, 2004). Amante, Rossetto, Schneider (2009); diz que à SAE, atividade privativa do

22 19 enfermeiro, busca a identificação das situações saúde/doença dos indivíduos através da utilização de um método e de uma estratégia de trabalho científicos que irão subsidiar ações de enfermagem contribuindo para a promoção, prevenção, recuperação e reabilitação da saúde dos indivíduos. O processo de enfermagem é a maneira sistemática e dinâmica de prestar cuidado de enfermagem, promovendo cuidado humanizado, orientado a resultados e de baixo custo. Além disso, impulsiona os enfermeiros a analisarem constantemente o que estão fazendo e a estudarem como poderiam fazê-lo melhor. A SAE é essencial para que o enfermeiro possa gerenciar e desenvolver uma assistência de enfermagem organizada segura, dinâmica e competente. 2.5 UTI A unidade de terapia intensiva (UTI) destina-se ao atendimento de doentes graves e recuperáveis, oferecendo assistência médica e de enfermagem integrais, continuas e especializadas, com a utilização de equipamentos especiais. O sucesso ou fracasso de uma UTI é diretamente proporcional à qualidade e à motivação do seu corpo clínico de enfermagem. A UTI tem fundamental importância na recuperação de seus pacientes, mas para que isso ocorra há necessidade da qualificação dos profissionais para o comprimento de sua funções. (UENISHI, 2004). Como já visto que as Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) evoluíram com a criação das salas de recuperação, na década de 1920, para assistência dos pacientes de neurocirurgia, no Hospital Johns Hopkins e, na década de 1930, em Tubingen, na Alemanha, com a assistência intensiva pós-operatória. Sendo que no Brasil a implantação das unidades de terapia intensiva, teve início na década de Onde estes centros representaram o impacto de novas tecnologias, trazendo modernas técnicas, fazendo com que os enfermeiros lidassem pela primeira vez, com equipamentos que os auxiliavam com os cuidados dos pacientes. (CINTRA, NISHIDE, NUNES, 2008). Com a evolução destas novas praticas e técnicas de atuação devido a evolução, fez com que os enfermeiros enfrentassem muitos desafios durante os anos de fundação das unidade de terapia intensiva. Além do crescimento das necessidades de atendimento aos pacientes, os equipamentos também exigiam boa parte da atenção do enfermeiro. (CINTRA, NISHIDE, NUNES, 2008).

23 20 Segundo Cintra, Nishide, Nunes (2008), diz que apesar das transformações e o rápido desenvolvimento destas unidades, do alto risco dos pacientes internados, os enfermeiros praticavam a humanização no ambiente de terapia intensiva, visando um melhor atendimento ao doente, bem como aos seus familiares, visando diminuir o estresse profissional que realizavam o cuidado continuado. Segundo Silveira, et al, (2005), a necessidade de humanização do cuidado prestado nos fez buscar um respaldo teórico interacionista para subsidiar o modo de nos relacionarmos com o paciente e sua família, considerando os seguintes pressupostos: a interação entre a equipe de enfermagem, paciente e família é fundamental para um cuidado efetivo; a equipe precisa considerar as necessidades da família diante de situações estressantes; o estabelecimento do plano de cuidados à família deve ser construído juntamente com esse grupo, continuamente validado, avaliado e reavaliado; a interação da equipe de enfermagem com os familiares e o paciente precisa ser estabelecida através do diálogo e da busca dos significados que as experiências de doença geram em cada pessoa; a afetividade proporcionada entre familiar e paciente é fundamental para a sua recuperação e reabilitação. A admissão de um paciente na UTI comumente requer uma rápida intervenção, já que o paciente apresenta alto risco de instabilidade de um ou mais sistemas fisiológicos, com possíveis riscos à saúde, cuja vida pode encontrar-se no limite com a morte. Em decorrência da premência de um fazer tecnológico imediato, muitas vezes, torna-se difícil um contato inicial com os familiares, o que contribui para o entendimento da UTI como um local em que predomina a frieza e a atuação desumana e distante. A partir da nossa experiência, entretanto, consideramos que a interação com as famílias necessita se dar desde o momento da internação do familiar doente, proporcionando-lhes atenção, oportunidade de dialogar e de esclarecer dúvidas. (SILVEIRA, et al, 2005) Os profissionais de enfermagem para prestar uma assistência de enfermagem com qualidade e de forma humanizada, necessita inserir-se na rede social de cuidados de forma consciente, competente, tanto técnica quanto cientificamente, colocando a enfermagem como uma profissão crucial para a construção de uma assistência de qualidade, tendo como principio organizar os serviços de saúde e responder às novas demandas gerencias e científicas. (NASCIMENTO, et al, 2008). Cintra, Nishide, Nunes (2008), diz que a organização físico-funcional de internação de pacientes em regime de tratamento intensivo deve: Proporcionar condições de internar pacientes críticos em ambientes individuais e coletivos conforme o grau de risco, faixa etária, patologia e requisitos de privacidade.

24 21 Executar e registrar assistência médica e de enfermagem intensiva. Prestar apoio diagnóstico laboratorial, de imagem e terapêutico ininterruptamente durante 24 horas. Manter condições de monitoramento e assistência respiratória contínua. Prestar assistência nutricional e distribuir alimentos aos pacientes. Manter pacientes com morte encefálica nas condições de permitir a retirada de órgãos para transplantes, quando consentida. Os profissionais enfermeiros de UTIs assume a responsabilidade de cuidar do paciente, tanto nos casos de emergência quanto no contexto de apoio à vida. Sendo que as exigências das UTIs, abrange uma ampla área de conhecimentos científicos e de especializações, significam que os enfermeiros precisam integrar a sua habilidades técnicas, e apoiar a uma educação continua e construtiva sobre sua habilidades adquiridas. Pois o desenvolvimento de novas habilidades/técnicas deve ser objetivo permanente para toda a equipe, visto que a falta de uma educação continuada pode afetar o desempnho dos profissionais atuantes nas unidades de terapia intensiva (CINTRA, NISHIDE, NUNES, 2008). Oliveira, et al, (2006), mostra que a identificação do processo de trabalho da equipe de enfermagem na UTI permite compreender a percepção da equipe de enfermagem, quanto aos elementos constituintes do processo de trabalho (objeto, instrumento, finalidade e produto final) e apreender, na assistência de enfermagem prestada, as medidas de humanização adotadas e se as mesmas propiciam efeitos na qualidade da assistência de enfermagem prestada ao paciente. 2.6 O Processo de Enfermagem O processo de enfermagem é dinâmica de ações sistematizadas, visando a assistência ao ser humano. Caracteriza-se pelo inter-relacionamento e dinamismo de suas fases ou passos. (HORTA, 1979). Percebe-se, assim que a implementação de um modelo e/ou uma fórmula predeterminada de assistência, não é garantia de maior qualidade na assistência em saúde. É preciso, também que se estabeleçam novas e sempre mais complexas relações e interações profissionais para apreender o ser humano de forma ampla e integral. Tornando-se cada vez

25 22 mais incisivo o desejo de compreender a Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) a partir de novos referenciais, capazes de ampliar o campo de visão além das fórmulas prescritivas e normativas e, sobretudo, para os modelos formalmente instituídos como norteadores de uma assistência centrada no ser humano. (NASCIMENTO, et al, 2008) Segundo Gentil, et al, (2006), para que o processo de enfermagem seja aderido pela equipe de enfermagem e realmente otimize e qualifique o cuidado prestado ao cliente é preciso que se tenha, concomitantemente, uma assistência de enfermagem sistematizada. Desta forma, a SAE e o processo de enfermagem precisam andar lado a lado para termos resultados positivos e benéficos tanto para o cliente quanto para o profissional de enfermagem. Para Truppel, et al, (2009), a implementação da SAE proporciona cuidados individualizados, assim como norteia o processo decisório do enfermeiro nas situações de gerenciamento da equipe de enfermagem. Onde oportuniza avanços na qualidade da assistência, o que impulsiona sua adoção nas instituições que prestam assistência à saúde. É composta pela documentação das etapas do processo de enfermagem, a fase do histórico, diagnóstico de enfermagem, planejamento e avaliação de enfermagem. Esta divisão tem cunho apenas didático, uma vez que na prática assistencial a SAE é um processo com etapas inter-relacionadas e dinâmico. Ressalta-se também que embora cada uma destas fases seja denominada por diferentes autores de diversas maneiras, elas possuem a mesma concepção. A adoção de sistemas de classificação permite o uso de uma linguagem única é padronizada, a qual favorece o processo de comunicação, a compilação de dados para o planejamento da assistência, o desenvolvimento de pesquisas, o processo de ensinoaprendizagem profissional e fundamentalmente confere cientificamente ao cuidado do paciente. (TRUPPEL, et al, 2009). Tannure, Gonçalves (2008) diz que o processo de enfermagem é um método utilizado para se implementar as ações de enfermagem, sendo a ferramenta principal para realização da assistência, para ser operacionalizado necessita de etapas a serem seguidas em uma sequência como: investigação ou histórico de enfermagem, diagnóstico, intervenção ou implementação e evolução ou avaliação de enfermagem.

26 Histórico de Enfermagem Consiste na coleta de informações referentes ao estado de saúde do cliente, da família e da comunidade, com propósito de identificar as necessidades de cada cliente. No entanto torna-se imprescindível, que as informações sejam fidedignas, para que se tenha o perfil de saúde e doença do cliente. (TANNURE, GONÇALVES, 2008) Diagnóstico de Enfermagem É a segunda fase do processo da enfermagem. Analisando os dados colhidos no histórico, são identificados os problemas de enfermagem. Estes em sua nova análise, levam à identificação das necessidades básicas afetadas e do grau de dependência do paciente em relação à enfermagem, para seu atendimento. (HORTA, 1979) Componentes estruturais do Diagnostico de Enfermagem Título Onde estabelece um nome para o diagnostico. É um termo ou frase concisa que representa um padrão de sugestões. (TANNURE, GONÇALVES, 2008) Fatores relacionados São fatores que aparecem para mostrar algum tipo de relacionamento padronizado com o diagnostico de enfermagem. Podem ser descritos como relacionados a, ou associado a. (TANNURE, GONÇALVES, 2008).

27 Características definidoras Sugestões observáveis que se agrupam como manifestações de um diagnostico de enfermagem real ou de bem estar. São os sinais e os sintomas, ou melhor, são as manifestações clinicas que fez com que o profissional concluir qual o problema existente. Podem ser descritas como evidenciadas pó ou caracterizadas por. (TANNURE, GONÇALVES, 2008) Fatores de risco Fatores ambientais e elementos fisiológicos, psicológicos, genéticos ou químicos que aumentam a vulnerabilidade de um indivíduo, de uma família ou de uma comunidade a um evento. (TANNURE, GONÇALVES, 2008) Plano de Cuidados ou Intervenções de Enfermagem É o roteiro que coordena a ação da equipe de enfermagem nos cuidados adequados ao atendimento das necessidades básicas e especificas dos seres humanos. Onde a prescrição deve ser concisa, clara e especifica; quando for prescrita mudança de decúbito, deverão ser explicadas as posições indicadas com os respectivos horários. Sendo que e função do enfermeiro sempre checar as prescrições quando checadas, lembrando sempre anotar se necessário as observações referente ao cuidado prestado. (HORTA, 1979) Evolução de Enfermagem A evolução é, em síntese, uma avaliação global do plano de cuidados prescrições de

28 25 enfermagem, tendo o relato diário das mudanças sucessíveis ao cuidado. (HORTA, 1979). 2.7 Aplicação do Processo de Enfermagem na UTI A SAE é um processo sistematizado de prestação de cuidados que visa à obtenção de resultados desejados de uma maneira rentável. É sistemático por se constituir de etapas, durante as quais são dados passos deliberados para potencializar a eficiência e atingir resultados benéficos. Este processo sempre foi desenvolvido pelos enfermeiros como forma de prestar assistência ao cliente, sendo aperfeiçoado com o passar do tempo e atualizado a partir de estudos e bases científicas até os dias de hoje, quando foi introduzida esta nomenclatura (Sistematização da Assistência de Enfermagem), tendo se tornado obrigatória sua implementação nas instituições de saúde desde agosto de 2002, através da Resolução do Conselho Federal de Enfermagem. (MINCOFF, CONTE, NAKAMURA, 2005). Para Mincoff, Conte, Nakamura, (2005), a enfermagem tem o objetivo de prover uma assistência que atenda às necessidades do cliente, ao passo que o da Instituição é prestar um serviço efetivo e eficiente. Portanto, o uso do diagnóstico de enfermagem beneficia a ambos, porque direciona a assistência de enfermagem para as necessidades de cada cliente, facilita a escolha de intervenções mais adequadas, registra de forma objetiva as reações do cliente e permite subseqüente avaliação dos cuidados de enfermagem. Para Truppel, et al, (2009), o cuidado altamente especializado e complexo que o enfermeiro desenvolve em uma Unidade de Terapia Intensiva, a sistematização e a organização do seu trabalho e, por conseguinte, do trabalho da equipe de enfermagem, mostram-se imprescindíveis para uma assistência de qualidade, com eficiência e eficácia. Sistematizar o cuidado implica em utilizar uma metodologia de trabalho embasada cientificamente. Isto resulta na consolidação da profissão e visibilidade para as ações desempenhadas pelo enfermeiro, bem como oferece subsídios para o desenvolvimento do conhecimento técnico-científico. Estes sustentam e caracterizam a enfermagem enquanto disciplina e ciência, cujos conhecimentos são próprios e específicos. De acordo com Hudak, Gallo (1997), o papel do enfermeiro na unidade de tratamento intensivo consiste em obter a história do cliente, realizar exame físico, executar tratamento, aconselhando e ensinando a manutenção da saúde e orientando os clientes para uma continuidade do tratamento. Os enfermeiros das UTIs devem, ainda, aliar à fundamentação

29 26 teórica a capacidade de liderança, o trabalho, o discernimento, a iniciativa, a habilidade de ensino, a maturidade e a estabilidade emocional. 3 Principais Diagnósticos de Enfermagem Utilizados em UTI Identifica-se a importância de determinados diagnósticos de enfermagem, para o cuidado de paciente, estes são importantes para determinar as prescrições de enfermagem que visa à melhoria e manutenção da saúde do paciente. Os diagnósticos necessitam de características e fatores para sua determinações, NANDA-I (2008); traz a definição dos principais diagnósticos utilizados na UTI. Padrão Respiratório ineficaz: inspiração ou expiração que não proporciona ventilação adequada; caracterizado por alterações na profundidade respiratória, bradipnéia, ortopnéia, pressão expiratória diminuída, pressão inspiratória diminuída, taquipnéia, uso da musculatura acessória para respirar; relacionado à fadiga, obesidade, ansiedade, dor, deformidade na parede do tórax, hiperventilação e lesão da medula espinhal. (NANDA-I.; 2008). Integridade da Pele Prejudicada: epiderme e/ou derme alteradas; caracterizada por destruição de camadas da pele, invasão de estruturas do corpo, rompimento da superfície da pele, relacionado a fatores externos como hipertermia, hipotermia, medicamentos, radiação, umidade, extremos de idade e a fatores internos como circulação prejudicada, nutrição desequilibrada, proeminências ósseas e mudanças de turgor. (NANDA-I.; 2008). Risco para infecção: risco aumentado de ser invadido por organismos patogênicos, relacionado a fatores de risco tais como: agentes farmacêuticos, desnutrição, exposição ambiental aumentada a patógenos, defesas secundarias inadequadas (diminuição de hemoglobina, leucopenia), defesas primarias inadequadas (pele rompida, tecido traumatizado, peristaltismo alterado), trauma e ruptura das membranas amnióticas. (NANDA-I.; 2008). Troca de Gases Prejudicada: excesso ou déficit na oxigenação e/ou na eliminação de dióxido de carbono na membrana alveolocapilar, caracterizado por agitação batimento da asa do nariz, cefaléia ao acordar, confusão, dispnéia, taquicardia, hipoxemia, irritabilidade, sonolência e respiração anormal (freqüência, ritmo e profundidade), relacionado ao desequilíbrio na ventilação perfusão e mudanças da membrana alveolocapilar. (NANDA-I.; 2008). Déficit no Auto-Cuidado: estado em que o individuo experimenta uma capacidade

30 27 prejudicada de completar suas atividades diárias, caracterizado por incapacidade fazer sua própria alimentação, realizar seu banho, incapacidade de vestir-se e arrumar-se, incapacidade de usar o toalete; relacionado à fraqueza, desmotivação; depressão, danos músculoesquelético, dor, desconforto e danos neuromusculares. (NANDA-I.; 2008). Auto-Estima Prejudicada: auto-avaliação/sentimentos, negativos, prolongados sobre si mesmo ou suas próprias capacidades, caracterizado por expressões de culpa, indeciso, frequente falta de sucesso nos eventos da vida e dependentes das expressões dos outros. (NANDA-I.; 2008). 4 Principais Doenças que Levam paciente a internação na UTI 4.1 Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) O IAM refere-se ao processo pelo qual áreas de células miocárdicas no coração, são destruídas de maneira permanente, onde o IAM é usualmente causado pelo fluxo sanguíneo diminuído em uma artéria coronária, devido a aterosclerose e oclusão de uma artéria por um êmbolo ou trombo, tendo como manifestação a dor torácica que acorre de forma repentina. (Smeltzer e Bare, (2005). Smeltzer e Bare, (2005), estabelecem principais diagnósticos de enfermagem: Perfusão ineficaz dos tecidos cardiopulmonares relacionada com o fluxo sanguíneo coronário reduzido a partir do trombo coronário, Potencial para troca gasosa prejudicada relacionado com a sobrecarga hídrica em razão da disfunção ventricular esquerda; Potencial para a perfusão tissular periférica alterada relacionado com o debito cardíaco diminuído em razão a disfunção ventricular esquerda; Ansiedade relacionada com o medo da morte; Conhecimento deficiente sobre o auto-cuidado após o IAM.

31 Insuficiência Cardíaca Congestiva A ICC resulta de inúmeras doenças cardiovasculares, porém leva a algumas anormalidades cardíacas comuns, que resultam em uma contração diminuída, e de enchimento diminuída. Tendo como principais sintomas: taquicardia, vertigem e batimentos ectópicos ventriculares e atriais. (Smeltzer e Bare, (2005). Smeltzer e Bare, (2005), mostram os principais diagnósticos de enfermagem: Intolerância à atividade (ou risco de intolerância à atividade) relacionada com o desequilíbrio entre o suprimento e demanda de oxigênio por causa do debito cardíaco diminuído, Excesso de volume de líquido relacionado com a ingesta excessiva de sódio ou líquido e retenção de liquido por causa da insuficiência cardíaca e sua terapia clínica; Ansiedade relacionada com a falta de ar e inquietação consequente à oxigenação inadequada; Impotência relacionada com a incapacidade de realizar os encargos da função por causa da doença crônica e hospitalizações; Não-aderência relacionada com a falta de conhecimentos. 4.3 Traumatismo Crânio Encefálico O TCE é uma classificação ampla que inclui lesões do couro cabeludo, crânio ou cérebro. Onde os sintomas dependem da gravidade e da distribuição da lesão cerebral. No geral a dor localizada e persistente sugere que a fratura está presente. (Smeltzer e Bare (2005), Smeltzer e Bare, (2005), traz os principais diagnósticos de enfermagem utilizados em pacientes com TCE: Nutrição alterada, ingestão menor que as necessidades corporais, relacionada com as alterações metabólicas, restrição de líquidos e ingestão inadequada, Déficit de volume de líquidos relacionado com o nível de consciência diminuído e disfunção hormonal;

32 29 Risco de lesão, relacionada com as convulsões, desorientações, inquietação ou comprometimento cerebral; Potencial para distúrbio no padrão do sono relacionado com lesão cerebral e as avaliações neurológicas frequentes; Processos de raciocínio perturbados (comunicação, memória, processamento intelectual), relacionados com a lesão cerebral; Conhecimento deficiente sobre a recuperação e o processo de reabilitação; Limpeza ineficaz da via aérea e troca gassosa prejudicada relacionadas com a lesão cerebral. 4.4 Choque Cardiogênico O Choque que cardiogênico ocorre quando a capacidade do coração de se contrair e bombear sangue está comprometida e o suprimento de oxigênio é inadequado para o coração, os pacientes em choque cardiogênico, apresentam sintomas como dor anginosa e pode desenvolver disritmias e instabilidade hemodinâmica. (Smeltzer e Bare, (2005).

33 30 5 METODOLOGIA 5.1 Tipo de Estudo Trata-se de uma pesquisa quantitativa e qualitativa. A metodologia qualitativa permite uma análise e interpretação mais profunda e detalhada a cerca das investigações, hábitos, atitudes, tendências de comportamento, flexibilidade e a capacidade de observação com os atores sociais envolvidos. (LAKATOS & MARCONI, 2005). Conforme Oliveira (2000), o estudo quantitativo é aquele que possibilita que a apresentação dos dados através de gráficos e tabelas, permitindo assim a análise estatística dos dados. 5.2 Instrumentos de Pesquisa e Coleta de Dados Para a realização deste trabalho fez-se necessário a avaliação dos prontuários da Unidade de tratamento Intensivo (UTI), do Hospital Municipal de Paracatu (HMP). Os mesmos foram escolhidos aleatoriamente, sendo realizada a analise em busca do formulário de diagnósticos de enfermagem, para quantificação dos dados. 5.3 Critérios de Inclusão Prontuários com os formulários de diagnósticos de enfermagem preenchidos corretamente da UTI do HMP.

34 Critérios de Exclusão Como critério de exclusão desta pesquisa, optou-se por não avaliar os prontuários da UTI, do HMP, onde os formulários de diagnósticos de enfermagem não estivessem preenchidos corretamente. 5.5 Desenvolvimento do Estudo O presente estudo foi desenvolvido no período de agosto de 2009 a julho de Onde feito uma pesquisa bibliográfica para um melhor entendimento do tema. Após todo o levantamento dos dados bibliográficos, realizou-se a pesquisa de campo, no arquivo do HMP, para analise dos prontuários da UTI; obtendo assim uma avaliação quantitativa qualitativa, do pleno funcionamento da UTI, na prestação do cuidado continuo aos pacientes, mostrando a importância do pleno funcionamento da Sistematização Assistência de Enfermagem (SAE). Ao decorrer do levantamento bibliográfico apresentou-se ao secretario municipal de saúde o projeto do trabalho, para aprovação do mesmo para coleta de dados. Nos meses de janeiro e fevereiro de 2010, foram avaliados os prontuários escolhidos aleatoriamente do período de junho a dezembro do ano de 2009, e observado nos mesmos os principais diagnósticos utilizados na instituição, e quantificarmos qual a relevância da SAE em uma UTI, possibilitando a identificação após a analise dos dados qual a importância da SAE para a recuperação dos pacientes internados na unidade.

35 32 6 RESULTADOS E DISCUSSÃO No presente trabalho foram avaliados, oitenta e nove prontuários da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do hospital municipal de Paracatu (HMP); escolhidos aleatoriamente dos meses de junho a dezembro de 2009, destes oitenta e dois prontuários serviram de bases para coleta de dados e a elaboração do trabalho, e estes possuíam a ficha de enfermagem preenchida corretamente, sendo que sete dos oitenta e nove questionários foram desclassificados devido ao preenchimento inadequado, com ênfase nos diagnósticos de enfermagem. Á UTI do hospital conta com um formulário exclusivo da enfermagem a cada paciente, este são fonte de dados a elaboração do plano de cuidados, aos indivíduos, representando uma importância significativa ao tratamento sistematizado prestado a eles, uma vez que através do histórico do cliente tem se um plano pré determinados com diagnósticos e prescrições de enfermagem, com obtendo assim êxito no tratamento do paciente. O formulário conta com itens referente ao cliente para seu preenchimento como, nome, número do prontuário; leito; data da avaliação de enfermagem e data da admissão; diagnósticos de enfermagem a serem determinados de acordo com suas patologias, prescrições de enfermagem a serem realizadas a fim de melhorar o processo de saúde do paciente e por fim a evolução de enfermagem, apresentando a trajetória do plano de cuidados que seria oferecido para o paciente. Ressalva que os diagnósticos foram já determinados pelos enfermeiros da instituição, sendo o mesmo composto por doze diagnósticos de enfermagem. Após analise dos dados coletados verificou-se quais os principais diagnósticos de enfermagem utilizados na UTI do HMP, estes estão expressos no (Gráfico 1).

36 33 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 42,68% 51,22% 93,90% 45,12% 100% 92,80% PRI-Padrão Respiratório Ineficaz IPP-Integridade da Pele Prejudicada RI-Risco para Infecção TGP-Troca de Gases Prejudicada DAC-Déficit no Auto-Cuidado 20% 10% AEP-Auto-Estima Prejudicada 0% Gráfico 1: Principais Diagnósticos de Enfermagem Utilizados na UTI do HMP, nos meses de junho a dezembro de Fonte: Dados coletados nos Prontuários da UTI, no Arquivo do HMP, pelo acadêmico Vinícius Barbosa Oliveira, Paracatu-MG, Constatou-se que cada um dos diagnósticos de enfermagem possuem, definições, características e fatores que relacionam a sua determinação, e após estabelecidos direcionam qual cuidado essencial deverá ser tomado a esse paciente, que deverá receber um cuidado direcionado, individualizado e sistematizado, viabilizando assim melhores condições de trabalho para a equipe uma vez que ocorrerá a maior organização dos dados coletados e agilidade no trabalho exercido pela equipe de enfermagem, e melhor preparo dos profissionais para a determinação dos cuidados tomados aos cliente. Observa-se a prevalência de elevado índice dos diagnósticos de enfermagem, RI, DAC, AEP, TGP, PRI, IPP, (Gráfico 1), decorrentes as patologias nas quais levaram a internação. Os diagnósticos mais frequentes estão relacionados, principalmente à doença préexistente, colocando muitas vezes o paciente como sujeito passivo e, contudo pré disposto a desenvolver uma infecção, déficit no auto-cuidado dentre outros já citados, contudo ressaltamos que o principal objetivo da SAE na UTI e identificar esses possíveis diagnósticos e intervir para que não alterem quadro clínico do paciente, é sim a melhoria continua do seu estado de saúde. Neste contexto; Silva, Santos (2009); diz que a SAE torna-se um instrumento para desenvolvimento das atividades para enfermeiros, como instrumento facilitador da metodologia de desenvolvimento das ações e avaliação da qualidade da assistência de enfermagem prestada ao seu cliente de maneira individualizada, apresentado uma visão holística do seu paciente.

37 34 Após verificados os principais diagnósticos de enfermagem utilizados na instituição, separamos os mesmos dentre a maior prevalência nas quatro principais doença que levaram a internação na UTI; (Gráfico 2): 14,00% 12,00% 10,00% 8,00% 6,00% 9,75% 9,75% 10,97% 12,19% IAM-Infaro Agudo do Miocárdio ICC-Insuficiência Cardíaca Congestiva TCE-Traumatismo Crânio Encefálico 4,00% Choque Cardiogênico 2,00% 0,00% Gráfico 2: Principais Doenças que levaram a internação na UTI do HMP, nos meses de junho a dezembro de Fonte: Dados coletados nos Prontuários da UTI, no Arquivo do HMP, pelo acadêmico Vinícius Barbosa Oliveira, Paracatu-MG, Avaliando às principais doenças prevalentes que resultaram a internação na UTI do HMP, o gráfico 3, gráfico 4; gráfico 5; gráfico 6; referem-se a quantidade de diagnósticos com maior incidência utilizados aos clientes que ali se encontram internados, com Infarto Agudo do Miocárdio (IAM); Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC); Traumatismo Crânio Encefálico (TCE); Choque cardiogênico, mostrando os dados em porcentagem aos prontuários avaliados por cada doença que levou a internação do paciente. Os paciente internados com a patologia Infarto Agudo do Miocárdio (IAM), foram totalizados oito prontuários (Gráfico 3), estes apresentaram 100 % de utilização dos principais diagnósticos de maior incidência na UTI, uma vez que os clientes com IAM demonstram em seu quadro clinico sintomas que levam a alta incidência dos diagnósticos determinados. Huddleston e Ferguson (2006); diz que os principais sintomas do IAM são: dor; dispnéia; ansiedade; hipoxemia e redução da pressão sanguínea; mostra-se assim porque a alta prevalência dos diagnósticos de enfermagem utilizados, devido estes aos sinais clínicos apresentados pelo portador de IAM. Segundo Smeltzer e Bare, (2005), traz que o IAM, necessita intervenções de enfermagem para a solução dos problemas apresentados pelo pacientes, como a dor, débito

38 35 cardíaco diminuído, troca gasosa prejudicada, perfusão tissular prejudicada, ansiedade, dentre outras intercorrências que afetam a saúde do paciente. A enfermagem assume o papel responsável de identificar esse problemas e intervir com seus diagnósticos e prescrições afim de evitar complicações e agravamentos, requerendo da enfermagem vigília intensa sobre o paciente. Nettina, (2003); expõem concordância as intervenções e diagnósticos de enfermagem utilizados por Smeltzer e Bare, (2005)b; tendo como meta fim a melhora do problema apresentado tais como: alívio da dor, aumento do debito cardíaco, redução do grau de ansiedade, isso mostra que pacientes com IAM tendem apresentar um mesmo parâmetro de sintomas, e que a equipe de enfermagem deve sempre buscar meios, dentre eles a Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) como rumo norteador para a prestação do cuidado continuo. Neste contexto Smeltzer e Bare, (2005)b.; Nettina, (2003); traz diferenças na apresentação dos possíveis diagnósticos de enfermagem, tais como perfusão tissular ineficaz, ansiedade, dor, perfusão tissular periférica ineficaz, aos encontrados na UTI do HMP, esta condição poderia ser a explicação formulário de diagnósticos de enfermagem utilizados na UTI da instituição apresentar-se apenas alguns, negligenciando as vezes o grande acervo de diagnósticos de enfermagem encontrados nas diversas bibliografias. Todavia, apesar da precariedade do formulário isto o não invalida, uma vez que esses ao serem utilizados pelos profissionais exercem sua função na melhoria ativa do cliente, sendo também definidos de acordo com as condições apresentados pela patologia adquirida. 100% 100% 100% 100% 100% 100% PRI-Padrão Respiratório Ineficaz 80% 60% 40% 20% 0% 62,5% IPP-Integridade da Pele Prejudicada RI-Risco para Infecção TGP-Troca de Gases Prejudicada DAC-Déficit no Auto-Cuidado Gráfico 3: Principais Diagnósticos de Enfermagem utilizados aos pacientes internados com diagnóstico médico de IAM na UTI do HMP. Fonte: Dados coletados nos Prontuários da UTI, no Arquivo do HMP, pelo acadêmico Vinícius Barbosa Oliveira, Paracatu-MG, 2010.

39 36 Foram avaliados oito prontuários de pacientes com Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC), (Gráfico 4), apresentando 100% de utilização dos diagnósticos RI,DAC, AEP é 50% representados pelos diagnósticos PRI, IPP, DCD. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 50% 37,50% 100% 50% 100% 100% PRI-Padrão Respiratório Ineficaz IPP-Integridade da Pele Prejudicada RI-Risco para Infecção DCD-Débito Cardíaco Diminuído DAC-Déficit no Auto-Cuidado 20% 10% AEP-Auto-Estima Prejudicada 0% Gráfico 4: Principais Diagnósticos de Enfermagem utilizados aos pacientes internados com diagnóstico médico de ICC na UTI do HMP. Fonte: Dados coletados nos Prontuários da UTI, no Arquivo do HMP, pelo acadêmico Vinícius Barbosa Oliveira, Paracatu-MG, Huddleston e Ferguson (2006); pressupõem que a ICC resulta na incapacidade do coração de se manter o suficiente para atende às exigências do corpo, a tentativa de reversão desse quadro é apresentar como principal estratégia de tratamento, sendo a maior expectativa que o coração volte a suprir todas as necessidades metabólicas necessárias para manutenção do corpo humano, exercendo a enfermagem papel importante para este cuidado, através da utilização de seus diagnósticos e possível identificar complicações que surgiram após a implantação da patologia. Smeltzer e Bare, (2005)c; em concordância com Nettina, (2003); apresenta alguns diagnósticos utilizados na UTI do Hospital Municipal de Paracatu (HMP), não possuindo os mesmos significados, mas com objetivos semelhantes, por exemplo, da prevenção ao desenvolvimento déficit no auto-cuidado, risco de infecção, dificuldade na realização das trocas gasosas dentre outros. Onde apresentam uma discordância ao principal diagnostico utilizado para a ICC que e o débito cardíaco diminuído, sendo este definido devido o mau funcionamento da bomba cardíaca. Demonstra que verificou-se oito prontuários avaliados os diagnósticos identificados pelos profissionais de enfermagem com maior prevalência mostra extrema relevância para o

40 37 tratamento e melhora dos pacientes com ICC, mas em 100% dos prontuários avaliados não ocorreu identificação do principal diagnostico apresentando pela ICC, não objetivando assim o cuidado de enfermagem prestado pela unidade a causa principal da doença, e sim nas causas adjacentes, uma vez que esta falha poderá influenciar na melhora deste paciente. Johnson, M, et al.; traz as possíveis intervenções de enfermagem aos pacientes com ICC, como: administração de hemoderivados e medicamentos, controle das vias aéreas, hídricos, eletrólitos, monitoração dos sinais vitais, dentre outras precações cardíacas que vão manter o débito cardíaco em condições normais para a manutenção corpórea. Aos pacientes internados com Traumatismo Crânio Encefálico (TCE), foram avaliados nove prontuários, (Gráfico 5), mostrando uma discordância na utilização dos diagnósticos, devidamente a ampla área de problemas adjacente apresentados pela patologia, uma vez que os diagnósticos RI, DAC e AEP; apresentam 100% de prevalência aos clientes com TCE, já os PRI, IPP e TGP, apresentaram uma media de 48% em suas utilização mostrando assim uma discordância na identificação do diagnósticos aos pacientes. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 33,33% 44,44% 100% 22,22% 100% 88,88% PRI-Padrão Respiratório Ineficaz IPP-Integridade da Pele Prejudicada RI-Risco para Infecção TGP-Troca de Gases Prejudicada DAC-Déficit no Auto-Cuidado 20% 10% AEP-Auto-Estima Prejudicada 0% Gráfico 5: Principais Diagnósticos de Enfermagem utilizados aos pacientes internados com diagnóstico médico de TCE na UTI do HMP. Fonte: Dados coletados nos Prontuários da UTI, no Arquivo do HMP, pelo acadêmico Vinícius Barbosa Oliveira, Paracatu-MG, Smeltzer e Bare, (2005)a, traz que os sintomas são diversos como: alterações na respiração, confusão; alterações no nível de consciência; distúrbios do movimento; disfunção sensorial dentre outros, sendo relacionado a causa primaria da lesão. Através desta ampla gama de complicações apresentadas por pacientes com TCE, identifica-se a parcialidade para

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

SAE - Sistematização da Assistência de Enfermagem. Prof.: Alessandra Baqui

SAE - Sistematização da Assistência de Enfermagem. Prof.: Alessandra Baqui SAE - Sistematização da Assistência de Enfermagem Prof.: Alessandra Baqui Com Florence Nightingale a enfermagem iniciou sua caminhada para a adoção de uma prática baseada em conhecimentos científicos;

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

REVISÃO VACINAS 15/02/2013

REVISÃO VACINAS 15/02/2013 REVISÃO VACINAS 1. Conforme a Lei Federal n o 7.498/86, que dispõe sobre o exercício da enfermagem, são atividades privativas do enfermeiro: a) administrar medicamentos e prestar consultoria de b) observar

Leia mais

Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória (SAEP) Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória (SAEP) Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória (SAEP) Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc É a realização da prática de enfermagem de modo sistemático (organizado e planejado). Com o objetivo

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 9 Família Lima. Fundamentação Teórica: Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 9 Família Lima. Fundamentação Teórica: Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva CASO COMPLEXO 9 Família Lima : Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva Eliana Campos Leite Saparolli A consulta de enfermagem é uma atividade privativa do enfermeiro respaldada pela atual legislação do

Leia mais

Protocolo de Monitorização Neurológica

Protocolo de Monitorização Neurológica Cuidados Intensivos de Enfermagem no Paciente Vítima de Trauma Elaine Morais Gerente de Unidades de Terapia Intensiva Unidade São Joaquim Protocolo de Monitorização Neurológica Investigação neurológica:

Leia mais

PERCEPÇÃO DO ENFERMEIRO ASSISTENCIAL ACERCA DA UTILIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM Franciele Foschiera * Cláudia Silveira Viera** RESUMO

PERCEPÇÃO DO ENFERMEIRO ASSISTENCIAL ACERCA DA UTILIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM Franciele Foschiera * Cláudia Silveira Viera** RESUMO PERCEPÇÃO DO ENFERMEIRO ASSISTENCIAL ACERCA DA UTILIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM Franciele Foschiera * Cláudia Silveira Viera** RESUMO Objetivou-se neste estudo discutir a utilização do processo de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

PARECER COREN-DF Nº 004/2011

PARECER COREN-DF Nº 004/2011 PARECER COREN-DF Nº 004/2011 SOLICITANTE: Dr. Obedes de Souza Vasco, Coren-DF nº 191085-ENF, Sra. Margarida de Souza Queiroz, Dra. Luciana Simionatto e Silva, Coren-DF nº 58827-ENF, e Dra. Christiane Gigante,

Leia mais

ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM NO PERIOPERATORIO DE TRANSPLANTE RENAL COM DOADOR VIVO: UM RELATO DE EXPERIENCIA

ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM NO PERIOPERATORIO DE TRANSPLANTE RENAL COM DOADOR VIVO: UM RELATO DE EXPERIENCIA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM NO PERIOPERATORIO DE TRANSPLANTE RENAL COM DOADOR VIVO: UM RELATO DE EXPERIENCIA Liliane Angélica da Roza da Silva², Patrícia Dalla Barba 2, Isadora Fontana 2, Eliane Raquel Rieth

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA - SP Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem Saúde da Criança e do Adolescente Ano letivo 2011 Série 3º Ano Carga Horária Total h/a T 90 h/a P 54 h/a En. Cl.

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73 DECISÃO COREN-RS Nº 006/2009 Dispõe sobre as normatizações para o exercício do profissional Enfermeiro em relação à constituição e funcionamento das Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs).

Leia mais

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi AUTOVIOLÊNCIA Dalila Santos Daniela Soares Colombi Automutilação Conceito: Comportamento autolesivo deliberado, causando dano tissular, com a intenção de provocar lesão não fatal para obter alívio de tensão.

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

FPB FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA SAE SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM MARTA CRECÊNCIO DA COSTA

FPB FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA SAE SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM MARTA CRECÊNCIO DA COSTA FPB FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA SAE SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM MARTA CRECÊNCIO DA COSTA JOÃO PESSOA, 2015 SUMÁRIO 1. Processo de Enfermagem... 3 1ª Etapa Historico de Enfermagem...

Leia mais

II ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAFIPA EIC ANÁLISE DAS ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM EM UMA INSTITUIÇÃO HOSPITALAR PRIVADA DO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ

II ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAFIPA EIC ANÁLISE DAS ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM EM UMA INSTITUIÇÃO HOSPITALAR PRIVADA DO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ 61 II ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAFIPA EIC ANÁLISE DAS ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM EM UMA INSTITUIÇÃO HOSPITALAR PRIVADA DO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ IMADO, Mayara Keiko (FAFIPA). DERENZO, Neide (Orientador),

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: Curso De Graduação Em Fisioterapia. DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 225 VAGAS ANUAIS TURNOS DE OFERTA: NOTURNO REGIME LETIVO:

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ADMINISTRAÇÃO DE ENFERMAGEM AVALIANDO O QUE ESTUDAMOS 1. A Supervisão de Enfermagem é fundamental para o desenvolvimento dos recursos humanos, através da educação

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE ERGONOMIA

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba:

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Tem por objetivo prestar atendimento aos pacientes internados ou de forma ambulatorial no Hospital, bem como aos seus familiares,

Leia mais

Classificação de Risco &

Classificação de Risco & Enfermagem em Trauma e Emergência Classificação de Risco & Protocolo de Manchester Tiziane Rogério UNIVERSO Objetivo: Compreender e aplicar o Acolhimento com Classificação de Risco e o Protocolo de Manchester.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO Sistematização da Assistência de Enfermagem = Processo de Enfermagem Na década de 50, iniciou-se o foco na assistência holística da

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA Disciplina: Administração em Enfermagem I Docente: Profª. Drª. Nádia Fontoura Sanhudo MÉTODOS DE TRABALHO

Leia mais

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos 09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos como os resíduos nos estados sólidos e semissólido,

Leia mais

A ATUAÇÃO DA SECRETÁRIA NUM AMBIENTE DE MUDANÇAS: A PREDISPOSIÇÃO AO ESTRESSE.

A ATUAÇÃO DA SECRETÁRIA NUM AMBIENTE DE MUDANÇAS: A PREDISPOSIÇÃO AO ESTRESSE. A ATUAÇÃO DA SECRETÁRIA NUM AMBIENTE DE MUDANÇAS: A PREDISPOSIÇÃO AO ESTRESSE. Glaucilene A. Martinez Toledo¹, Maria Luiza G. Ferreira², Valquíria A. Saraiva de Moraes³, Cidália Gomes 1 UNIVAP/FCSA Av.

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTAGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHAREL EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO ESTAGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHAREL EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO ESTAGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHAREL EM ENFERMAGEM 2014 O Estágio Supervisionado é um componente curricular obrigatório. O estágio supervisionado obrigatório será desenvolvido

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Flávia Gomes Silva (1); Ádylla Maria Alves de Carvalho (2); Cleanne Rayssa Paulino Vasconcelos (3); Dandara Medeiros

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

Curso de Pós-Graduação

Curso de Pós-Graduação Curso de Pós-Graduação ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA APRESENTAÇÃO DO CURSO A terapia intensiva apresenta-se como área de atuação de alta complexidade

Leia mais

O Procedimento Operacional Padrão (POP) No. 04/2013 do Manual de Normas e Rotinas do Núcleo Interno de Regulação da Santa Casa:

O Procedimento Operacional Padrão (POP) No. 04/2013 do Manual de Normas e Rotinas do Núcleo Interno de Regulação da Santa Casa: PARECER CRM/MS N 001-2014 PROCESSO CONSULTA N 13/2013 INTERESSADO: ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE CAMPO GRANDE ASSUNTO: SOLICITAÇÃO DE PARECER PRIORIZAÇÃODE ACESSO ÀS VAGAS EM UTI. Temas correlatos: Priorização

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE APRESENTANDO QUADRO DE INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

AÇÕES EDUCATIVAS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE APRESENTANDO QUADRO DE INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO AÇÕES EDUCATIVAS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE APRESENTANDO QUADRO DE INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO AMORIM, Alessandra Aparecida Dias FERREIRA, Mônica Raquel de Carvalho SOUZA, Carmelita de Almeida RESUMO O interesse

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 VOIGT, Bruna Francisco 2 ; PREIGSCHADT, Gláucia Pinheiro 2 ; MACHADO, Rafaela Oliveira 2

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM MINAS GERAIS

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM MINAS GERAIS CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM MINAS GERAIS CÂMARA TÉCNICA DA ATENÇÃO BÁSICA COREN MG 2006, 2007, 2008 e 2009 PROTOCOLOS ASSISTENCIAS DA ATENÇÃO BÁSICA DEFINIÇÕES Protocolo, do grego protókollon, primeira

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FUNDAMENTADA EM SUA PRÓPRIA ÓTICA

CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FUNDAMENTADA EM SUA PRÓPRIA ÓTICA 1 CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FUNDAMENTADA EM SUA PRÓPRIA ÓTICA Samuel Rodrigues de Paula Introdução: No mundo inteiro o alcoolismo é considerado, um dos mais graves problemas de ordem social e

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR Maria de Fátima Leandro Marques¹; Suely Aragão Azevêdo Viana² ¹ Bióloga do Centro de Assistência Toxicológico do Hospital

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: AMBIENTE, SAÚDE e SEGURANÇA Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERALDE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II

UNIVERSIDADE FEDERALDE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (admii/sem2/2013) UNIVERSIDADE FEDERALDE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Dimensionamento de Pessoal em Enfermagem Bernadete

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR I

Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR I CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR I Código: ENF 202 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

O que é Fisioterapia Vestibular?

O que é Fisioterapia Vestibular? O que é Fisioterapia Vestibular? Existem 02 tipos de tontura: rotatória ou vertigem, quando o paciente relata que tudo gira ao seu redor; e não-rotatória, equivalente à instabilidade postural ou desequilíbrio.

Leia mais

FAMÍLIA E EQUIPE DE ENFERMAGEM: DESAFIOS NO CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO. Autor Responsável por apresentar o Trabalho: FABÍOLA SOARES DA SILVA.

FAMÍLIA E EQUIPE DE ENFERMAGEM: DESAFIOS NO CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO. Autor Responsável por apresentar o Trabalho: FABÍOLA SOARES DA SILVA. FAMÍLIA E EQUIPE DE ENFERMAGEM: DESAFIOS NO CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO. Autor Responsável por apresentar o Trabalho: FABÍOLA SOARES DA SILVA. Enfermeira Intensivista do Hospital Vital; Mestranda de

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 Reconhece e disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia Cardiovascular. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO),

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Sabe-se que a cirurgia é praticada desde a pré-história, através de procedimentos de trepanação (operação que consiste em praticar uma abertura em um

Sabe-se que a cirurgia é praticada desde a pré-história, através de procedimentos de trepanação (operação que consiste em praticar uma abertura em um Renata Ariano Sabe-se que a cirurgia é praticada desde a pré-história, através de procedimentos de trepanação (operação que consiste em praticar uma abertura em um osso). No entanto, a cirurgia teve seus

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA Número da Ação (Para

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO 1. A comunicação durante o processo de enfermagem nem sempre é efetiva como deveria ser para melhorar isto, o enfermeiro precisa desenvolver estratégias de

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA O CURRÍCULO DA FAMEMA (2012) Os currículos dos Cursos de Enfermagem e Medicina da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) estão em permanente transformação por entendermos que esse processo permite uma

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO O que fazer para ajudar seu familiar quando ele se encontra na UTI Versão eletrônica atualizada em Abril 2010 A unidade de terapia intensiva (UTI) é um ambiente de trabalho

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

UNIÍTALO FISIOTERAPIA MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

UNIÍTALO FISIOTERAPIA MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Prezado aluno (a), As disciplinas Práticas Clínicas Supervisionadas (PCS), também conhecidas como estágios supervisionados, irão permitir que você integre todo o conhecimento adquirido ao longo do curso,

Leia mais

COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES

COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES A Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes-CIHDOTT tem por objetivo a organizar todo o processo

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

14.º ENCONTRO DA SADC, ANGOLA 2014

14.º ENCONTRO DA SADC, ANGOLA 2014 14.º ENCONTRO DA SADC, ANGOLA 2014 CONTRIBUIÇÃO DAS ACÇÕES DE ENFERMAGEM NA ASSISTENCIA À DOENTES COM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL ESTUDO REALIZADO NAS SALAS DE NEUROLOGIA E NEUROCIRURGIA DO HOSPITAL MILITAR

Leia mais

Atenção individualizada

Atenção individualizada Atenção individualizada Proposta: A atenção individualizada deve seguir o estabelecido nas Diretrizes e realizado pelo profissional médico ou enfermeiro em consulta individual (face a face). Operacionalização:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais