Algumas reflexões em volta das classes Locativas do Changana

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Algumas reflexões em volta das classes Locativas do Changana"

Transcrição

1 Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Letras e Ciências Sociais Departamento de Línguas Secção de Línguas Bantu David Langa . Algumas reflexões em volta das classes Locativas do Changana 1. Introdução A presente comunicação propõe-se a apresentar uma discussão em volta das classes locativas no Changana. Esta é uma das língua do grupo bantu que podemos considerar ter já uma tradição de escrita conforme mostram os trabalhos descritivos linguísticos de Junod (1967), Ouwehand (1964), Ribeiro (1965), Sitoe (1996) de entre outros. Contudo, esta tradição de escrita não foi acompanhada de uma uniformização da gramática desta língua sobretudo no que diz respeito à morfologia nominal, isto é, ao sistema de classes nominais. Sobre este assunto, alguns autores sustentam que Changana apresenta um sistema de 18 classes nominais, a saber, as classes de 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 14, 15, 16, 17, 18, 21 (Baumbach 1970 e 1988, Sitoe 1996, 2000) e outros apresentam uma lista de classes nominais que é semelhante à lista a cima, mas não apresenta a classe 21 (Chimbutana 2002); e outros ainda, apresentam uma lista que não inclui para além da classe 21, as classe 16, 17 e 18 (Ouwehand 1964, Ribeiro 1965 e Junod 1967). Este facto díspare na apresentação das classes nominais, constitui o problema que se propõe discutir e sugerir proposta de solução com base na análise de dados empíricos conforme os procedimentos necessários para este tipo de análise descritiva, num período em que se aprovou a introdução das línguas moçambicanas no ensino e a elaboração de materiais para esse efeito torna-se imperiosa. Vários trabalhos foram feitos sobre o Changana em Moçambique mas parece não dispormos de trabalhos pormenorizados sobre a morfologia nominal nesta língua. Entende-se por morfologia, a disciplina da linguística que tem por objecto a palavra, e Página 1

2 que estuda, por um lado, a sua estrutura interna, a organização dos seus constituintes e, por outro, o modo como essa estrutura reflecte a relação com outras palavras (Faria et al 1996:215). Vários estudos foram realizados nesta língua: Cavele (1997) realizou um trabalho virado para a linguística aplicada priorizando a estrutura informacional em textos escritos nesta língua; Chimbutana (2002) realizou um trabalho assentado sobre a sintaxe desta língua; Langa (2001) realizou um trabalho relacionado com a morfologia verbal; Sitoe (2001) o trabalho focalizava a morfologia verbal nesta língua; Magaba (1996) visava fazer uma sistematização do funcionamento das construções relativas em Changana, no entanto, sintaxe; Magaia (1999) visava identificar evidência que está por detrás da expansão de Changana em detrimento do Rhonga, isto é, o trabalho estava virado à Sociolinguística; Sitoe (1997) realizou um trabalho virado para a Linguística Aplicada no tocante aos processos de importação dos neologismos nas línguas bantu; Mabasso (1994) preocupou-se com a área da tradução das formas invariáveis -ti e kona em Changana; Moreno (1994) estudou a área de Sociolinguística e preocupou-se com a variação fonética do Rhonga na Cidade de Maputo; Moiane (2000) estudou os empréstimos lexicais do Português no Changana; Nhaombe (1991) preocupou-se com a semântica, mais concretamente com o estudo de algumas expressões ideomáticas. Como se pode ver, não são poucos oa trabalhos académicos realizados sobre esta língua. Estes trabalhos, em cuja lista pode ser ainda mais longa, são, na sua maioria, dissertações para a obteção do grau de licenciatura, mestrados e/ou Doutoramentos, mas como se pôde ver a língua Changana carece ainda de um estudo sistematizado sobre a sua morfologia. A maioria das gramática que existem têm como variante de referência o Changana falado na África do Sul e mesmo assim os autores não são unânimes quanto à apresentação das classes nominais nesta língua conforme Baumbach (1970 e 1980) que apresenta uma lista de prefixos nominais de Changana como vimos a cima em que, embora apresente o prefixo da classe 21, contrariamente com o que faz com as outras classes, não apresenta nenhum exemplo de nomes desta classe. Este limita-se a dizer que o prefixo desta classe estabelece alguma relação, que não diz qual, com o prefixo da Página 2

3 classe 5. Por outro lado, Junod (1967) e Ouwehand (1965), apresentam um lista em que excluem os prefixos das classes 16, 17 e 18, que Baumbach apresenta, e argumentam que a semântica destas classes é expressa por sufixação. Perante esta problemática, o presente trabalho preocupa-se com as classes locativas, as que são representadas morfologicamente pelos prefixos das classes 16, 17 e 18 (ha-, ku-, mu-) respectivamante e semanticamente exprimem situação espacio-temporal de localização de algo. Nele argumenta-se que considerar que as classes locativas como actualmente se encontra representadas (os prefixos ha-, ku-, mu-), pode ser enganador visto que actualmente não são produtivas, por isso não devem ser considerados como estando ao mesmo nível dos outros prefixos desta língua, pois, morfologicamente, a locativização é expressa por sufixação. A elaboração de trabalho baseou-se em 3 métodos de investigação nomedamente, o método filológico que consiste no levantamento de materiais escritos sobre esta língua, o método de entevista que consiste na recolha de dados com base em pergunta e resposta em que o falante responde de acordo com o seu saber bem como o método de introspecção que se acenta no recurso no conhecimento linguístico do investigador, uma vez, ser também falante desta língua. O presente trabalho apresenta a seguinte organização. Depois desta introdução (secção 1), apresenta-se Classes locativas em Changana (secção 2) que constitue o desenvolvimento do trabalho. Nesta secção, discutir-se as listas de classes nominais apresentadas pelos diferentes autores acerca das classes nominais no geral e das classes locativas em particular, e finalmente, apresenta-se as conclusões (secção 3). 2. Classes Locativas em Changana Uma das características das línguas bantu é de apresentar um sistema de géneros gramaticais cujos indicadores de género devem ser prefixos, através dos quais os nomes podem ser distribuídos em classes. O número destas varia, geralmente, entre 10 e 20 (Ngunga 2000, Sitoe1996). Entende-se por classe nominal ao grupo do nome com o mesmo tipo de prefixo e/ou padrão de concordância (Bleek 1962, Guthrie 1967, Sitoe 1974 citados por Ngunga 2002), veja-se o exemplo que se segue: Página 3

4 (1)a. n wana wanga (cl.1) meu filho vana vanga (cl.2) meus filhos b. yindlu yanga (cl.9) minha casa tiyindlu tanga (cl.10) minhas casa c. ribze ranga (cl.5) minha pedra maribze yanga (cl.6) minhas pedras Os exemplos em (1) mostram que os prefixos de classe (destacado em negrito) determinam a concordância dos nomes da língua (prefixo de concordância em sublinhado). Os prefixos de classe são conhecidos por prefixos independentes (PI) por serem eles a determinar a concordâncoa no sintagma e os prefixos de concordância são tidos como prefixos dependentes (PD) por dependerem dos primeiros para ocorrem em sintagmas. Deste modo, em (a) a presenta-se os PI da classe 1 (mu-) e da classe 2 (va-) bem como o PD desta classe (wa-) e (va-) respectivamente; em (b) apresenta-se os PI da classe 9 e da classe 10 (yin- e tin-) bem como os seus PD (yi- e ti-) e, finalmente, em (c) apresenta-se os PI das classes 5 e 6 cujos PD são respectivamente (ri- e yi-). Os nomes nesta língua estão organizados tal que a relação entre PI e PD é obrigatória a não observância dessa obrigatoriedade resulta em agramaticalidade dos sintagmas como se pode ver nos exemplos que se seguem: 2. *yindlu (cl.9) tanga (cl.10) *tiyindlu cl.10) ranga (cl.5) *ribwe (cl.5) yanga (cl.6) *maribwe (cl.6) ranga (cl.5) Como se pode ver, em (2), apresenta-se a rigidez do sistema de concordância na língua. Por isso os exemplos estão assinalados com asterisco. Página 4

5 Os prefixos nominais podem juntar-se a temas nominais atravez de três processos morfológicos: adição, substituição e subtração como se pode ver nos exemplos que se seguem: 3. yindlu casa ti-yindlu casas ribwe pedra maribwe pedras Em (3), para a formação do plural, o prefixo ti- precede o prefixo do singular yi(n)-, isto é, o prefixo do plural adiciona-se ao prefixo do singular, por isso a este processo se chame aditivo. Quando o plural é formado como em (4) diz se que o processo é por substituição. 4. munhu pessoa vanhu pessoas murhi remédio mirhi remédios O processo em (4) diz-se ser por substituição porque o morfema do plural substitui o do singular 5. lusulo rio 1 sulo rios luwuumbo fio de cabelo wuumbo cabelo O caso do processo em (5) é daquele prefixo que elimina o outro para a formação do plural. Por isso o processo se chame de sutractivo. Os prefixos nominais em Changana (ou de qualquer língua bantu) juntam-se a temas nominais através destes três processos. 1 Exemplos de Yao extraídos de Ngunga (2000) Página 5

6 Antes de debruçar-nos sobre as classes Locativas no Changana, veja-se a forma díspare como os autores a baixo apresentam os prefixos nominais da mesma língua: Tabela 1: Quadro resumo dos prefixos nominais em Changana 2 Classes Prefixos Nominais nominais Junod (1967) Ouwehand (1965) Ribeiro (1965) Baumbach (1970) Baumbach (1987) Sitoe (1996) 1 mu- mu- mu- mu- mu- mu- 2 va- va- va- va- va- va- 3 mu- mu- mu- mu- mu- mu- 4 mi- mi- mi- mi- mi- mi- 5 ri- ri- ri- ri- ri- ri- 6 ma- ma- ma- ma- ma- ma- 7 xi- xi- chi- xi- xi- xi- 8 swi- swi- bsi- swi- swi- svi- 9 yi (n)- yi- yi- yi- yi(n)- yi(n)- 10 ti(n)- ti- ti- tiyin- ti(n)- ti(n)- 11 ri- ri- ri- ri- ri- ri- 14 vu- wu- wu- wu- wu- wu- 15 ku- ku- ku- ku- ku- ku- 2 Estes autores não apresentaram desta forma os prefixos nominais. A apresentação neste tabela foi apenas metodológica para facilitar uma análise comparativa das classes nominais por estes autores. As classes e os prefixos nominais, não são desta forma originalmente apresentados pelos autores. Esta arrumação é também metodológicaca. Página 6

7 ha- ha- ha ku- ku- ku mu- mu- mu dyi- ji- ji- A tabela acima mostra as classes nominais em Changana de acordo com os diferentes autores patentes na segunda linha da referida tabela,. Desta podemos fazer a seguinte leitura: (i) A mesma língua (o Changana) apresenta classes e prefixos nominais diferentes; (ii) Junod (1967), Ouwehand (1965) e Ribeiro (1965), apresentam as classes nominais da classe 1 a classe 15 sem as classes 12 e 13; (iii) Baumbach (1970, 1987) e Sitoe (1996) apresentam para além das classes apresentadas em (ii), as classe 16, 17 e 18 e 21; (iv) A escrita desta língua não está uniformizada visto que os prefixos das classes 7, 8 e 21 ser diferente; Uma apreciação geral destas obras, mostra que os autores apresentam exemplos dos nomes das respectivas classes de 1 a 15, com a devida excepção das clasess 12 e 13, para uns e de 1-18 para outros. Contudo, os autores que apresentam a classe 21 não dão nenhum exemplo dos nomes desta classe. A explicação que Baumbach (1970) apresenta, no lugar dos exemplos, é a de que o prefixo desta classe se relaciona com o da classe 5 e ocorreu processos fonológicos na classe 21. No estudo das línguas bantu, os prefixos das classes 16, 17 e 18 são chamados de prefixos locativos. Segundo Ngunga (2000) os prefixos locativos são basicamente secundários 3 e têm a função de indicar a localização do nome a que se afixam no tempo e no espaço. O mesmo autor reconhece que a prefixação não é a única forma 3 Considera-se função primária do prefixo nominal quando um nome, que de forma não marcada, se junta a apenas um prefixo e a partir dele estabelece a concordância e morfologicamente o prefixo desempenha função secundária quando se junta a um nome que já por si inclui um prefixo com função primária. Em termos semânticos o locativo é também considerado com função secundária porque acrescenta um outro sentido ao nome que primeniramente já tem um sentido (Ngunga 2002) Página 7

8 morfológica de expressão dos processos de locativização (ibd.13). em termos semânticos, o prefixo *pa- (ha-) exprime a locativização situacional geral (em/por cima, em/ por baixo, área); o prefixo da classe 17 (ku-) exprime a locativização direcional com a ideia de movimento (para, rumo a) e o prefixo da classe 18 (mu-) exprime a locativização num espaço fechado, limitado, com ideia de interioridade. Os exemplos que se seguem, apresentam os prefixos com função primária. Entende-se por função primária dos prefixos nominais àqueles que este desempemha, regra geral, em contexto não derivado (Ngunga 2000); para, em seguida, contratá-los com os de função secundaria, na língua Sena 4 : 6. nyumba yangu (cl.9) munda wangu (cl.3) nsuwo wangu (cl.3) øthupi yangu(cl.5) minha casa' 'minha machamba' 'minha porta meu corpo Em (6), apresentam-se nomes pertecentes às clases 9, 3 e 5 cujos os prefixos de classe (PI) e (PD) estão destacados em negrito. Nos exemplos que se seguem se apresenta os os nomes em (6) integrados nas classes 16, 17 e 18 na mesma língua. (7)a. panyumba(cl.16) pamu nda (cl.16) pansuwo (cl.16) 'em casa' 'na machamba' 'na porto b. kunyumba (cl.17) kumunda (cl.17) kuthupi (cl.17) 'para casa' 'para a machamba' 'para o corpo' c. munyumba (cl.18) munda (cl.18) muthupi (cl.18) 'dentro da casa' 'dentro da machamba' 'dentro do corpo 4 A língua Sena é convenientemente escolhida por ser uma das que tem as classes locativas produtivas e em termos metodológicos pode ajudar na percepção do argumento central do texto. Página 8

9 Os exemplo a cima mostram que os prefixos locativos têm função secundária visto que só ocorrem com nomes a que já estejam prefixados primeiramente com a função semântica de expressar em (a) a situação, em (b) a direcção e em (c) a interioridade. Os Como se pode ver, estes morfemas são aditivos segundo Nida (1949) citado por Ngunga (2000) e como tal podem se juntar com nome de qulquer classe. Estes, uma vez afixados a nomes passam a controlar a concordância. Os exemplos em (8) da mesma língua são ilucidativos: (8) a. panyumba pangu (cl.16) pamunda pangu (cl.16) pansuwo pangu (cl.16) b. kunyumba kwangu (cl.17) kumunda kwangu (cl.17) kuthupi kwangu (cl.17) 'em minha casa' 'na minha machamba' 'na minha porto 'para a minha casa' 'para a minha machamba' 'para o meu corpo' c. munyumba mwangu (cl.18) mumunda mwangu (cl.18) muthupi mwangu (cl.18) 'dentro da minha casa' 'dentro da minha machamba' 'dentro do meu corpo Em (8) apresenta-se os prefixos locativos a desecadearem concordância nos sintagmas em que eles ocorrem. Em (a) o P.D. deixa de ser os prefixos com função primária (c.f. os exemplos 6) e passa a ser o prefixo da classe 16; o mesmo se pode dizer nos exemplos (b) e (c) que a concordância passa a ser desencadeada pelos prefixos (ku-) e (mu-) das classes 17 e 18 respectivamente. Como se pode verificar, em Sena, os prefixos locativos ocorrem sem restrições, o que que dizer que nesta língua estes prefixos existem e são produtivos. Para a melhor discussão dos prefixos locativos em Changana, repetiremos o mesmo processo que em Sena. Começemos pelos prefixos primários, vejam-se os exemplos que se seguem: Página 9

10 9. yindlu yanga (cl.9) minha casa murhi wanga (cl.3) meu remédio xilo xanga (cl.7) minha coisa Em (9) apresenta-se os PIs e PDs das classes 9, 3, e 7 respectivamente. Em (10) apresenta-se os mesmos nomes com prefixos das classes 16, 17 e 18 (10).a. *hayindlu *hamurhi *haxilu b. *kuyindlu *kumurhi *kuxilu c. *muyindlu *mumurhi *muxilu Em (10), mostram-se os prefixos das classes locativas em Changana. Nesta língua o uso destes prefixos resulta na agramaticalidade, isto é, os prefixos (secundários) locativos não funcionam como seria de esperar nesta língua. Para efeitos de aferição, podíamos usá-los como morfemas subtractivos ou substativos o resultado seria na mesma agramatical, ou seja, resultaria em palavras que não existem na língua. Como se pode ver, parece-nos claro que a locativização nesta língua não é expressa por prefixação. Aliás como Ngunga (2000:15) advoga que em algumas línguas, como o Changana, os prefixos das classes locativas perderam algumas das suas características semântico-morfológicas. A perda dessa característica, em Changana caracteriza-se por a locativização ser morfologicamente expressa pelo sufixo ini, como se pode ver nos exemplos que se seguem: (11) nsimwini < nsimu+ini na machamba cultivada Página 10

11 ndlopfhwini < ndlopfhu + ini no elefante nomwini < nomu + ini na boca Em (11), apresenta-se a locativização expressa por sufixação do morfema (unidade mínima de análise morfológica) -ini em Changana. Este sufixo, adjunta-se a temas nominais. O sufixo apresenta os alomorfes (realizações diferentes do mesmo morfema) - ini e -eni que se distribuem complementarmente conforme a qualidade da última vogal do tema nominal. Esta distribuição de morfemas resulta da aplicação de processos fonológicos de assimilação que consiste na cópia de taços dos segmentos adjacentes (Katamba 1989) fazendo com que resulte em alomorfes. As línguas apresentam uma estrégia de separação de vogais sempre que o encontro de morfemas o suscite (Ngunga 1999). Sendo a terminação de tema nomianal sempre vocálica e o sufixo locativo iniciar também por uma vogal (esquematicamente...cv + VC...), a língua tende a resolver esse encontro indesejável de vogais que na literatura de especialidade é conhecido por Hiato. Estes processos podem ser a coalescência ou circulação de vogais que se basea no pressuposto segundo o qual o encontro de duas vogais primárias resulta numa vogal secundária (Hyman 1975).Veja-se os exemplos (12) que se seguem: 12. misaveni < misava + ini na terra khaleni < khala + ini no carvão mangeni < manga + ini na manga xikhambeni < xikhamba + ini no cafuro Em (12) apresenta-se o alomorfe do sufixo ini. Nestes exemplos, a vogal do tema nominal é [a] e a vogal inicial do sufixo [i]. O encontro destas duas vogais primárias resulta numa vogal secundária [e] fazendo com que o sufixo locativo seja na estrutura de superfície -eni. Outro processo fonológico que condiciona a alomorfomia do sufixo locativo é elisão. Este processo postula que alguns sons se podem apagar em determinados contextos (Hyman 1975). Vejam-se os exemplos que se seguem: Página 11

12 13. ndleveni < ndleve+ini na orelha maribzeni < maribze+ini nas pedras xikheleni < xikhele + ini na cova maveleni < mavele + ini nos seios Em (13) mostra se o alomorfe de ini que resultou do apagamento da vogal [i] do sufixo. Esta vogal é a mais susceptível de apagamento visto ser ele a vogal do sufixo que se adiciona a vogal do tema. Desta forma, sempre que tivermos vogal do tema nominal [e], a vogal do sufixo apagar-se-á. Nos casos em que a vogal do tema nominal for [u], ocorre a semivocalização que se forma quando auma vogal alta [u] ou [i] ou recuada [u] ou [o] é seguida por outra vogal (Ngunga 2000). Vejam-se os exemplos que se seguem: 14. xilwini < xilu + ini na coisa xilepfwini < xilepfu + ini no queixo mbilwini < mbilu + ini no coração xitulwini < xitulu + ini na cadeira Em (14) temos o caso em que o tema nominal e o sufixo apresentam vogais altas [u] e [i]. O encontro entre essas vogais vai resultar na transformação de [u] em semivogal [w] uma vez que sequências de vogais não ocorrem em fronteiras intermorfémica (fronteira entre dois morfemas p.e. *u + e, *u + i, etc). Esta transformação de vogal em semivogal resolve o hiato que se forma no encontro de dua vogais e a única vogal que resta é a do sufixo. 15. ntirhweni < ntirho +ini no serviço litihweni < litiho+ini no dedo ritweni < rito + ini na voz sontweni < sonto + ini no domingo Página 12

13 Em (15) ocorre também a semivocalização de [o] que se torna [w]. Neste caso, a regra de semivocalização alimentou a de assimilação. Considera-se alimentação de regras fonológicas quando a ocorrência de uma regra obriga a aplicação de outra (Hyman 1975) e por assimilação a modificação de um som de modo a ser similar ao som vizinho (Katamba 1989). Sendo a vogal do tema nominal [o] cujos traços fonéticos são [-alt, -bxo] e a vogal [i] ter os traços [+alt, -rec], então esta vogal vaia assimilar o traço [-alt] da vogal do tema nominal, passando a ser [-alt, -rec] o que quer dizer [e]. Desta forma, a estrutura de superfície do sufixo passa a ser -eni. Os exemplos acima visavam provar que o sufixo locativo em Changana é -ini que se pode realizar -eni em determinados contextos fonológicos. O facto de os prefixos locativos não serem produtivos nesta língua, não se quer dizer que nunca existiram visto que algumas formas deixaram algum vestígio como é o caso das seguintes palavras: (16) a. hansi (cl.16) no chão henhla (cl.16) em cima handle (cl.6) fora b. kule (cl.17) longe kusuhi (cl.17) perto kaya (cl.17) em casa c. ndzeni (cl.18) dentro ndzaku (cl.18) atrás de Os exemplos em (16) mostram alguns vestígios das classes locativas em Changana que se encontram morfológica e semanticamente lexicalizados. Por razões históricas deixaram de ser produtivos uma vez que não podem ser dissociados dos temas nominais a que se associam. Estes prefixos são intrinsecos às palavras e eles junto com o tema nominal constituem uma palavras formada. Página 13

14 O prefixo locativo pode também recuperado sintacticamente conforme Ngunga (2000) todas as palavras independentimente que tenha marca de uma classe locativa (ha-, kuou mu-) estabelecem concordância com o morfema ka-, como se pode ver nos seguintes exemplos 17. ndzile kaya kamina estou dento da minha casa xipuni xile henhla katafula a colher esta em cima da mesa nyoka yile ndzeni kampala a cobra está dentro do buraco Os exemplos em (14) mostram que a locativização pode ser expressa sintactimente através da colocação do morfema invariável ka- antes do nome do lugar para onde se pretende locativizar. Visto que a estratégia morfológica por sufixação é a única produtiva na expressão da locativização nesta língua, parece-nos enganador apresentar, da mesma forma como se apresentam os prefixos de outras classes, as classes locativas porque esta não é expressa por prefixação. A ter de se incluir os prefixos das classes locativas, devido aos vestígios históricos por elas deixado, na tabela de classes e prefixos nominais desta língua deve-se colocar entre parêntesis acompanhado de uma nota de chamada onde se explica as razões daquela distinção com as outras, ou seja, as classes e prefixos nominais apresentam-se de 1 a 18 sem as classes 12 e 13 e as três últimas (as classe 16,17 e 18) devem vir entre parêntisis como de pode ver na proposta que se seguem (apresenta-se apenas as classes e prefixos locativos): Classes locativas Prefixos locativos 16 (ha)- 17 (ku)- 18 (mu)- Através de propostas como estas evitava-se considerar os prefixos das classes 16, 17 e 18 como estando ao mesmo nível que os outros prefixos da mesma língua ou com os Página 14

15 mesmos prefixos de línguas em que estes prefixos sejam produtivos. Para efeitos de ensino-aprendizagem, o professor ou o aluno tomaria a devida atenção nestas classes. 3. Conclusão O trabalho tinha o objectivo de apresentar uma discussão em volta das classes locativas em Changana, uma vez que os autores que se debruçaram no estudo desta língua apresentavam sistemas de classes nominais diferentes. Da análise de dados concluiu-se que o Changana não tem as classes locativas 16, 17, 18 uma vez que estas estão lexicalizadas. Nesta língua a locativização é expressa morfologicamente por sufixação de -eni/-ini na posição final dos temas nominais a que e se associam. Para provar a posição segundo a qual os prefixos locativos não produtivos nesta língua, deu-se o exemplo de Sena, uma língua em que as classes locativas são produtivas. Assim, uma proposta das classes nominais em Changana deve terminar na classe 15, com a devida excepção das classes 12 e 13, e fazendo-se uma nota em que se diz que as função dos prefixos locativos é desempenhada pelo sufixo ou pode-se listar os prefixos locativos, para preservar a hostória, mas deve vir entre parêntesis com uma nota a justificar tal procedimento. Referências Bibliográficas Baumbach, E In Klassifikasie van die Tsongadialekte van die Republiek van Suid-Afrika. (tese de Doutoramento) Universitart van Suid- Afrika Baumbach, E.J. M Analytical Tsonga Grammar. University of South Africa. Pretória Cavele, A Estrutura textual do Xichangana do ponto de vista de progressão temática. (tese de licenciatura). Faculdade de Letras-UEM. Maputo. Chimbutana, F Grammatical Fuction in Changana: Types, Properties and Fuction Alternation. (Tese de Mestrado). The Australian Nation University Faria et al Introdução à Linguística Geral e Portuguesa. Caminho. Lisboa Hyman, L Phonology Theory and Analysis. Holt, Rinehart and Winston. San Francisco Katamba, F An Introduction to Phonology.Longaman. London and New York Langa, D Reduplicação Verbal em Changana. (tese de licenciatura). Faculdade de Letras-UEM. Maputo. Página 15

16 Mabasso, E Alguns Aspectos da Tradução: O caso das Formas Pronominais Invariáveis ti e Kona. (tese de licenciatura). Faculdade de Letras-UEM. Maputo. Magaba, F Para uma sistematização das construções relativas em Changana. (tese de licenciatura). Faculdade de Letras-UEM. Maputo. Magaia, J O caso de Coexistência do Ronga e Changana na Cidade de Maputo. (tese de licenciatura). Faculdade de Letras-UEM. Maputo. Moiane, C Empréstimos Lexicais do Português no Changana. (tese de licenciatura). Faculdade de Letras-UEM. Maputo. Moreno, A Variação Fonética do Ronga da cidade de Maputo: a Influência do Changana. (tese de licenciatura). Faculdade de Letras-UEM. Maputo. Ngunga, A Apontamentos de Linguística Bantu. (Ms). Faculdade de Letras- UEM. Maputo. Ngunga, A Elementos da Gramática da Língua Yao. Imprensa Universitária. Maputo. Nhaombe, H Semântica de Expressões Idiomáticas do Tsonga Formadas a Partir de Metáforas Antropomórficas e de Metáforas Animais. (tese de licenciatura). Faculdade de Letras-UEM. Maputo. Ribeiro, C Gramática Changana (Tsonga). Editorial Evangelizar. Marianum Press SSPC, Kusubi. Uganda Sitoe, B Verbs of Motion in Changana. Leiden, Reseach School CNWS, Universitert Leiden. The Netherlands Sitoe, S Processo de Importação de neologismos de origem bantu no Português de Moçambique. (tese de licenciatura). Faculdade de Letras-UEM. Maputo. Página 16

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA QUADROS, Emanuel Souza. Resenha de Manual de morfologia do português, de Maria Nazaré de Carvalho Laroca. ReVEL, vol. 7, n. 12, 2009. [www.revel.inf.br]. RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LÍNGUA PORTUGUESA EM MOÇAMBIQUE Fátima Helena Azevedo de Oliveira 35 fatimavernaculas@yahoo.com.br CONTEXTO HISTÓRICO-SOCIAL A República de Moçambique

Leia mais

KEYWORDS: Bantu Languages, Rhonga, Morphology, Diminutivization.

KEYWORDS: Bantu Languages, Rhonga, Morphology, Diminutivization. EMPREGO DE DIMINUTIVOS EM RHONGA (BANTU, TSONGA) 1 Natália Alves Antunes 2 Tânia Diniz Ottoni Valias 3 Ricardo Campos de Castro 4 RESUMO: Este texto tem por objetivo descrever a formação de diminutivos

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

Gramática do Português, Maria Fernanda Bacelar do Nascimento (Centro de Linguística da Universidade de Lisboa)

Gramática do Português, Maria Fernanda Bacelar do Nascimento (Centro de Linguística da Universidade de Lisboa) A publicação da Gramática do Português resulta de um projecto realizado a convite e sob o patrocínio da Fundação Calouste Gulbenkian. Consiste numa obra em três volumes, de que apresentamos hoje os dois

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão LETRAS 1º PERÍODO Disciplina A Disciplina B 62961 Língua Portuguesa A 68 Língua Portuguesa A 68 Ementa: Estuda os fundamentos Ementa: Estudo da base fonéticofonológica teóricos da análise lingüística,

Leia mais

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS Prezado aluno, O maior diferencial deste projeto pedagógico é o desenvolvimento da autonomia do estudante durante sua formação. O currículo acadêmico do seu

Leia mais

A HARMONIA VOCÁLICA EM VERBOS DE 2ª E 3ª CONJUGAÇÕES NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

A HARMONIA VOCÁLICA EM VERBOS DE 2ª E 3ª CONJUGAÇÕES NO PORTUGUÊS BRASILEIRO A HARMONIA VOCÁLICA EM VERBOS DE 2ª E 3ª CONJUGAÇÕES NO PORTUGUÊS BRASILEIRO Guilherme Duarte GARCIA * (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) Emanuel Souza de QUADROS ** (Universidade Federal do Rio

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Letras Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Estruturas fonológicas da língua portuguesa Objetivo Entrar em contato com as características da análise fonológica. Conhecer os fonemas consonantais e vocálicos

Leia mais

Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro

Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro Nize Paraguassu Endereço Acadêmico: Departamento de Lingüística - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Universidade

Leia mais

(1) PALAVRA TEMA FLEXÃO MORFOLÓGICA RADICAL CONSTITUINTE TEMÁTICO

(1) PALAVRA TEMA FLEXÃO MORFOLÓGICA RADICAL CONSTITUINTE TEMÁTICO Alina Villalva 1 Radical, tema e palavra são termos familiares à análise morfológica, mas que, de um modo geral, têm sido mal aproveitados pelos diversos modelos que a praticam. Na verdade, estes conceitos

Leia mais

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Luiz Arthur Pagani Programa resumido Analisadores gramaticais são procedimentos para se executar

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS MÜLLER, Alexandra Feldekircher. ReVEL na Escola: Linguística Aplicada a Contextos Empresariais. ReVEL. v. 11, n. 21, 2013. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

Leia mais

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 Mestranda Neliane Raquel Macedo Aquino (UFT) Resumo: A aprendizagem de uma língua estrangeira LE possibilita transferências

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA

REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA SCHER, Ana Paula. ReVEL na escola: Morfologia Distribuída. ReVEL, v. 13, n. 24, 2015. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA Ana Paula Scher 1 Universidade de São Paulo Os processos

Leia mais

GRAMÁTICA PORTUGUESA 1 (Sintaxe-Semântica)

GRAMÁTICA PORTUGUESA 1 (Sintaxe-Semântica) FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA GRAMÁTICA PORTUGUESA 1 (Sintaxe-Semântica) José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA HISTÓRIA E VARIEDADE DO PORTUGUÊS 2 José António Souto Cabo Márlio Barcellos Pereira da Silva GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE

Leia mais

CONSIDERANDO que os estudos apresentados para o desdobramento desse Departamento atendem a política universitária traçada por este Conselho;

CONSIDERANDO que os estudos apresentados para o desdobramento desse Departamento atendem a política universitária traçada por este Conselho; RESOLUÇÃO N o 10/92, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Desdobra, com novas denominações, Departamento do Centro de Ciências Humanas e Artes. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, no uso

Leia mais

A relação forma significado em morfologia Maria do Céu Caetano

A relação forma significado em morfologia Maria do Céu Caetano A relação forma significado em morfologia Maria do Céu Caetano Abstract: With this short paper I intend to contrast two of the main morphological analysis models, i.e. the structuralist model (cf. Bloomfield

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL

Leia mais

Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25. Como consultar esta gramática...35

Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25. Como consultar esta gramática...35 SUMÁRIO Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25 Prefácio de Rodolfo Ilari Introdução...31 Como consultar esta gramática...35 1. O que se entende por língua e por gramática...41

Leia mais

CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5

CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5 , DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR Unidade Curricular: Língua Estrangeira I Linguas e Culturas Seminário (S) 3 Outra (O) Possibilidade de avaliação prévia do nível de conhecimentos, para enquadramento em

Leia mais

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS Elaborado por Prof. Dr. Rodrigo Sampaio Fernandes Um projeto de pesquisa consiste em um documento no qual

Leia mais

O Signo: Significado e Significante Ana Catarina Gentil FBAUL, 2006

O Signo: Significado e Significante Ana Catarina Gentil FBAUL, 2006 O Signo: Significado e Significante Ana Catarina Gentil FBAUL, 2006 Índice Resumo. 1 Introdução 1 Desenvolvimento... 1 1. Análise a Saussure... 2 1.1 Arbitrariedade do Signo. 3 1.2 Linearidade do Signo.

Leia mais

PORTUGUÊS NA UNIVERSIDADE: DA ANÁLISE LINGUÍSTICA ÀS ESTRATÉGIAS DE ENSINO-APRENDIZAGEM

PORTUGUÊS NA UNIVERSIDADE: DA ANÁLISE LINGUÍSTICA ÀS ESTRATÉGIAS DE ENSINO-APRENDIZAGEM PORTUGUÊS NA UNIVERSIDADE: DA ANÁLISE LINGUÍSTICA ÀS ESTRATÉGIAS DE ENSINO-APRENDIZAGEM Perpétua Gonçalves Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Letras e Ciências Sociais Departamento de Línguas Seminário

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010 Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciências da Comunicação Pesquisa de Marketing Docente Raquel Ribeiro Classes sociais Ainda são importantes no comportamento

Leia mais

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO GHISLANDI, Indianara; OENNING, Micheli email: michelioenning@yahoo.com.br Universidade Estadual

Leia mais

Reflexão sobre a organização paradigmática da pessoa na conjugação: um estudo comparativo entre português, francês e lingala

Reflexão sobre a organização paradigmática da pessoa na conjugação: um estudo comparativo entre português, francês e lingala Reflexão sobre a organização paradigmática da pessoa na conjugação: um estudo comparativo entre português, francês e lingala Hachim, Bukusu Ndongala Reflexão sobre a organização paradigmática da pessoa

Leia mais

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA...

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... Sumário PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... 3 1.1. Fonema...3 1.2. Classificação dos fonemas...4 1.3. Encontros vocálicos...5 1.4. Encontros consonantais...5 1.5. Dígrafos...6 1.6. Dífono...7 1.7.

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD LETRAS CURRÍCULO 4 Matriz Curricular 2014/2 Mariana Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS) LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA CÓDIGO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRÉ-REQUISITO PER LET701 Estudos Clássicos

Leia mais

Cursos de Licenciatura

Cursos de Licenciatura DLLM Cursos de Licenciatura 2009-2010 1 Cursos de Licenciatura 2009/2010 1º Ciclo Bolonha DLLM Departamento de Línguas e Literaturas Modernas 2 Cursos de Licenciatura 2009-2010 DLLM DLLM Cursos de Licenciatura

Leia mais

LLE9400 - Introdução à Educação a Distância 05 LLE9401 - Leitura e Produção Textual Acadêmica 05 LLE9411 - Língua Espanhola I 05 TOTAL 15

LLE9400 - Introdução à Educação a Distância 05 LLE9401 - Leitura e Produção Textual Acadêmica 05 LLE9411 - Língua Espanhola I 05 TOTAL 15 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Educação a Distância Campus Prof. João David Ferreira Lima CEP 88040-900 Trindade - Florianópolis - Santa Catarina

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS NOME DA DISCIPLINA: FONÉTICA E FONOLOGIA TURMAS D e E PROFESSOR RESPONSÁVEL: ISRAEL ELIAS TRINDADE CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 64 CARGA

Leia mais

Causação direta e indireta na língua Citshwa (Grupo Bantu) 1

Causação direta e indireta na língua Citshwa (Grupo Bantu) 1 Causação direta e indireta na língua Citshwa (Grupo Bantu) 1 Quesler Fagundes Camargos 2 (UFMG) Indra Marrime Manuel 3 (UEM) Domingas Machavele 4 (UEM) 1. Introdução A língua Citshwa pertence ao Grupo

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO: 2014/2015 1 ª /

Leia mais

1º ANO. Atividades Acadêmico-Científico-Culturais 20. Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia

1º ANO. Atividades Acadêmico-Científico-Culturais 20. Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia 1º ANO 1º básica Leitura e produção de textos/filosofia Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia Língua Portuguesa I Noções Básicas de Língua Portuguesa A gramática e sua subdivisão As relações

Leia mais

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso.

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. COMENTÁRIO QUESTÕES DE PORTUGUÊS PROFESSORA: FABYANA MUNIZ As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. 1. (FCC)...estima-se que sejam 20 línguas. (2º parágrafo) O verbo flexionado nos mesmos

Leia mais

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2 Comol era r t i gos c i ent íc os Conteúdo Como ler artigos científicos... 2 Dicas de como ler o artigo... 4 Guia de como ler um artigo:... 5 Atividade 1... 7 Etapa 1... 7 Etapa 2... 8 Etapa 3... 8 Etapa

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Letras e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Letras e Ciências Sociais UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Letras e Ciências Sociais Erros ortográficos de estudantes dos institutos de formação de professores primários em Moçambique Dissertação apresentada em cumprimento

Leia mais

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO 1 ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO Dóbia Pereira dos Santos NASCIMENTO Gisele da Paz NUNES Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão dobia@wgo.com.br

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS PORTUGUÊS PARA CONCURSOS Sumário Capítulo 1 - Noções de fonética Fonema Letra Sílaba Número de sílabas Tonicidade Posição da sílaba tônica Dígrafos Encontros consonantais Encontros vocálicos Capítulo 2

Leia mais

Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias.

Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias. Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias. Goiânia, 2010 SUMÁRIO SUMÁRIO...2 1. INTRODUÇÃO...3 1.1-

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5 José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

Leia mais

As palavras possuem, via de regra, elementos significativos chamados MORFEMAS.

As palavras possuem, via de regra, elementos significativos chamados MORFEMAS. ESTRUTURA DAS PALAVRAS As palavras possuem, via de regra, elementos significativos chamados MORFEMAS. Não se pode confundir MORFEMA e SÍLABA. Morfema é um fragmento significativo da palavra. Sílaba é um

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA [INGLÊS]

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA [INGLÊS] INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS ANO DE ESCOLARIDADE: 10º E 11º ANOS ANO LETIVO: 2012 2013 TIPO DE PROVA: DURAÇÃO: CÓDIGO DA PROVA: MATERIAL NECESSÁRIO/PERMITIDO: ESCRITA 90 MINUTOS

Leia mais

TV Ciência: Que modelos de ajuda para a eliminação da pobreza em Moçambique propõe?

TV Ciência: Que modelos de ajuda para a eliminação da pobreza em Moçambique propõe? TV Ciência: É considerado que as forças da globalização e marginalização são responsáveis por criarem dificuldades ao desenvolvimento. Pode concretizar esta ideia? Jessica Schafer: A globalização como

Leia mais

RESENHA DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE ALINA VILLALVA

RESENHA DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE ALINA VILLALVA ROSA, Maria Carlota. Resenha de Morfologia do português, de Alina Villalva. ReVEL, vol. 7, n. 12, 2009. [www.revel.inf.br]. RESENHA DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE ALINA VILLALVA Maria Carlota Rosa 1 carlota@ufrj.br

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Gerusa PEREIRA (UNISUL) ABSTRACT: The present

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 9 9 9 11 11 3.º período 9 11 10 10 11 (As Aulas previstas

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA PARTE CURRICULAR DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA PARTE CURRICULAR DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA PARTE CURRICULAR DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO 1. Para além da assistência às aulas, sendo obrigatória a presença em pelo menos 75% das horas leccionadas, cada discente será avaliado,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS Abril 2015 2ºCiclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Prova 06/2015 Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90 minutos + 15 minutos

Leia mais

Conteúdo Programático 1º ano Ensino Fundamental I

Conteúdo Programático 1º ano Ensino Fundamental I Conteúdo Programático 1º ano Ensino Fundamental I LÍNGUA PORTUGUESA Nome Vogais Encontro vocálico/ Sons nasais Consoante T Gêneros textuais:parlenda;trava língua;poema;história em quadrinhos;piada;lista

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR

A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR Página94 A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR Cristiane Gonçalves Uliano 1 Maria Fernanda Silva de Carvalho 2 Marina da Costa

Leia mais

Fonologia Aula # 04 (27/04/09)

Fonologia Aula # 04 (27/04/09) Fonologia Aula # 04 (27/04/09) Capítulo 5. Processos Fonológicos Iniciamos, aqui, o estudo da fonologia dinâmica: processos fonológicos e sua representação através de regras. Assim sendo, ficamos restritos,

Leia mais

REGULAMENTO. Projetos de tese de doutoramento. Elaborado por: Aprovado por: Versão. Reitor 1.3. Gabinete Apoio Reitoria.

REGULAMENTO. Projetos de tese de doutoramento. Elaborado por: Aprovado por: Versão. Reitor 1.3. Gabinete Apoio Reitoria. REGULAMENTO Projetos de tese de doutoramento Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.3 (Professor Doutor Rui oliveira) Revisto e confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira) 31 de

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS: 1 ano Levar o estudante a realizar a escrita do próprio nome e outros nomes. Promover a escrita das letras do alfabeto. Utilizar a linguagem oral para conversar,

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

REGULAMENTO EDITORIAL E NORMAS DE ESTILO DA REVISTA CIÊNCIA VETERINÁRIA NOS TRÓPICOS

REGULAMENTO EDITORIAL E NORMAS DE ESTILO DA REVISTA CIÊNCIA VETERINÁRIA NOS TRÓPICOS REGULAMENTO EDITORIAL E NORMAS DE ESTILO DA REVISTA CIÊNCIA VETERINÁRIA NOS TRÓPICOS REGULAMENTO EDITORIAL Uma das missões do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Pernambuco (CRMV-PE)

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Breve caracterização fonética de sons que

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: O QUE É E COMO SE FAZ

PROJETO DE PESQUISA: O QUE É E COMO SE FAZ I PROJETO DE PESQUISA: O QUE É E COMO SE FAZ O projeto de pesquisa é elaborado para informar sobre e explicar a pesquisa que se pretende realizar, constituindo-se no mapeamento do caminho que será percorrido

Leia mais

Alemão (Nível A1) - Nível de Iniciação

Alemão (Nível A1) - Nível de Iniciação Alemão (Nível A1) - Nível de Iniciação Ano letivo 2014-2015 Docente: Paulo Alexandre da Silva Brito Martins SINOPSE Esta disciplina destina-se aos aprendentes de língua alemã como língua estrangeira sem

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

O parâmetro da cliticização fonológica e os pronomes átonos no Português do Brasil e no Português Europeu

O parâmetro da cliticização fonológica e os pronomes átonos no Português do Brasil e no Português Europeu O parâmetro da cliticização fonológica e os pronomes átonos no Português do Brasil e no Português Europeu Silvia Rodrigues Vieira 1 1 Faculdade de Letras Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) silviavieira@letras.ufrj.br

Leia mais

Os domínios da Oralidade e da Gramática no ensino básico

Os domínios da Oralidade e da Gramática no ensino básico Ação de Formação Os domínios da Oralidade e da Gramática no ensino básico Fevereiro 7, 28 Março: 7 Abril: 11 Formadora Doutora Carla Gerardo 1- Modalidade: Oficina de Formação Duração: 25 horas+25 horas

Leia mais

Difusão Lexical: Estudos de Casos do. Português Brasileiro

Difusão Lexical: Estudos de Casos do. Português Brasileiro Difusão Lexical: Estudos de Casos do Português Brasileiro Thaïs Cristófaro-Silva (UFMG-KCL) 1. Introdução Este trabalho expressa resultados parciais de uma pesquisa que tem por objetivo central avaliar

Leia mais

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora Formadora: Dra. Gabriela Castanheira SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 5º ANO ROTEIRO Ana Maria da Fonseca Rocha Julho

Leia mais

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP A técnica do seminário tem sido usualmente entendida como sinônimo de exposição. O "seminário",

Leia mais

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar os processos

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim 0. Considerações iniciais A Relação entre fonética e fonologia compreende uma relação de interdependência,

Leia mais

VISÃO GERAL DOS CONTEÚDOS 3ª CLASSE 4ª CLASSE 5ª CLASSE

VISÃO GERAL DOS CONTEÚDOS 3ª CLASSE 4ª CLASSE 5ª CLASSE VISÃO GERAL DOS CONTEÚDOS 19 Família : - a minha história A família: - tipos de família - membros da família e suas funções - regras de convivência na família - a minha infância A família do meu amigo,

Leia mais

Letras Tradução Inglês-Português Ementário

Letras Tradução Inglês-Português Ementário Letras Tradução Inglês-Português Ementário Componentes Curriculares CH Ementa Cultura Clássica 04 Estudo da cultura das civilizações clássica em suas diversas fases, tendo em vista reflexões sobre a contribuição

Leia mais

O Dialecto Barranquenho. Variações linguísticas

O Dialecto Barranquenho. Variações linguísticas O Dialecto Barranquenho Variações linguísticas De modo a dar conta dos diversos fenómenos linguísticos que ocorrem no "barranquenho". Tentamos aqui construir uma regra fonológica para cada um deles. Para

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (465-469) A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Elaine Teresinha Costa CAPELLARI (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) ABSTRACT:

Leia mais

TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER.

TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER. 1 UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO CURSO DE DIREITO NOME DO AUTOR TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER. SÃO BERNARDO DO CAMPO 2014 2 NOME DO AUTOR TÍTULO

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E RELATÓRIOS. 1. Documentação a entregar para admissão à dissertação

NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E RELATÓRIOS. 1. Documentação a entregar para admissão à dissertação NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E RELATÓRIOS 1. Documentação a entregar para admissão à dissertação Modelo de Admissão à Dissertação 2. Documentação a entregar até à data limite de

Leia mais

O resumo Se procurares num dicionário o verbo resumir encontrarás uma definição semelhante a esta: dizer em poucas palavras o que se disse ou escreveu mais extensivamente; condensar. Sendo uma forma de

Leia mais

mas respiratório, fonatório e articulatório e dos órgãos que constituem o aparelho fonador.

mas respiratório, fonatório e articulatório e dos órgãos que constituem o aparelho fonador. D.E.L.T.A., Vol. 16, N. 1, 2000 (183-188) RESENHA/REVIEW SILVA, THAÏS CRISTÓFARO. (1999) Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. São Paulo: Contexto. 254 p. Resenhado

Leia mais

Doutora Isabel Barros Dias e-mail: isabelbd@univ-ab.pt Doutora Maria do Rosário Lupi Bello e-mail: rosario@univ-ab.pt

Doutora Isabel Barros Dias e-mail: isabelbd@univ-ab.pt Doutora Maria do Rosário Lupi Bello e-mail: rosario@univ-ab.pt TRANSIÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LÍNGUAS E LITERATURAS MODERNAS VARIANTE DE ESTUDOS PORTUGUESES E INGLESES PARA O CURSO DE LICENCIATURA EM LÍNGUAS, LITERATURAS E CULTURAS ESTUDOS PORTUGUESES (MAIOR

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais