CARTILHA PPP VERSÃO 1 ( ) O quê é?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARTILHA PPP VERSÃO 1 (30-06-2003) O quê é?"

Transcrição

1 CARTILHA PPP VERSÃO 1 ( ) O quê é? Documento histórico-laboral do trabalhador que reúne informações administrativas, ambientais e biológicas, durante todo o período em que prestou serviço para a empresa. Comprova as condições para habilitações de benefícios e serviços previdenciários, sendo comumente associado à aposentadoria especial, mas seu alcance vai muito mais além. Para que serve? Prover o trabalhador de meios de prova produzidos pelo empregador perante a Previdência Social, a outros órgãos públicos e aos sindicatos, de forma a garantir todo direito decorrente da relação de trabalho administrativo, cível, tributário, trabalhista, previdenciário, penal, etc. seja ele individual, ou difuso e coletivo. Prover a empresa de meios de prova produzidos em tempo real, de modo a organizar e a individualizar as informações contidas em diversos setores da empresa ao longo dos anos, que em alguns documentos se apresentam de forma coletiva. Desta forma, a empresa poderá evitar ações judiciais indevidas relativas a seus trabalhadores. Possibilitar aos administradores públicos e privados acesso a bases de informações fidedignas, como fonte primária de informação estatística, para desenvolvimento de políticas em saúde coletiva. A partir de quando é exigido? É exigido desde Outubro de 1996, no entanto é aceito, alternativamente, o DIRBEN como substituto do PPP. O formulário original publicado pela Instrução Normativa INSS/DC nº 78, de 16 de julho de 2002, e alterado pela Instrução Normativa INSS/DC nº 84, de 17 de dezembro de 2002, será exigido a partir de 01 de Novembro de A partir desta data, somente será aceito o PPP. (Vide Histórico Jurídico) OBS.: O DIRBEN-8030 já foi chamado também de SB-40, DISES-BE-5235 e DSS-8030 e consiste num formulário para requerimento da aposentadoria especial. Nesse caso, só é necessário para os segurados que vão requerer esse benefício, mas, como substituto do PPP, deve ser feito para todos os trabalhadores. Que informações contêm? O histórico laboral do trabalhador, abrangendo, cronologicamente por período, informações administrativas, ambientais e biológicas. (Vide Fluxograma). As informações administrativas abrangem, entre outros: setor, cargo, função, atividades desenvolvidas, os registros de CAT e o conjunto das exigências morfo- biopsíquicas necessá rias ao bom desempenho das funções, a partir das quais considerar-

2 se-á apto o trabalhador. Estas informações estão disponíveis normalmente no Setor de Recursos Humanos da empresa. As informações ambientais abrangem, entre outros: os fatores de riscos ambientais (físicos, químicos e biológicos), ergonômicos, choque, explosão e qualquer outro a que o trabalhador esteve ou está efetivamente exposto; sua intensidade ou concentração (quando não forem unicamente qualitativos); a utilização de Equipamentos de Proteção Coletiva EPC, a presença de medidas administrativas de proteção e, em última instância, a utilização de Equipamento de Proteção Individual EPI, com o respectivo atestado de sua eficácia e a conclusão acerca do enquadramento ou não de atividade com direito à aposentadoria especial. Estas informações estão disponíveis normalmente na documentação ambiental da empresa, devendo ser prestadas com base em Laudo Técnico das Condições Ambientais do Trabalho LTCAT (emitido sempre que houver mudanças no ambiente de trabalho ou pelo menos uma vez por ano e assinado por Engenheiro de Segurança do Trabalho ou Médico do Trabalho), que é parte integrante dos Programas de Gerenciamento de Riscos Ocupacionais, nos termos da Legislação Trabalhista. As informações biológicas abrangem, entre outros: a relação de exames realizados para controle médico-ocupacional obrigatórios (admissionais, periódicos, de retorno de afastamento, de troca de função ou demissionais) e complementares; as perdas de capacidade laborativa temporárias ou permanentes; os agravos à saúde (com ou sem afastamento, com ou sem emissão de CAT). Quanto aos exames médicos, deverão ser apontados apenas aqueles relacionados aos riscos ambientais que forem constatados, havendo apenas a indicação se o resultado do exame foi normal ou alterado, sem a descrição do mesmo. Estas informações deverão ser prestadas com base no Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO e seu relatório anual, nos termos da Norma Regulamentadora nº 07 (NR-07), do Ministério do Trabalho e Emprego. Como será? No formato publicado pela IN INSS/DC nº 84/02, em seu Anexo XV, que reúne todas as informações em um único documento, podendo ser elaborado em meio papel ou magnético. A critério da empresa, poderá ser utilizado Word, Excel ou outro aplicativo. (Vide Formulário). Como devem constar no PPP informações anteriores a 01/11/2003? Há duas possibilidades: 1ª) Emitir DIRBEN-8030 como substituto do PPP até 31/10/03, contemplando as informações desde 11/10/96 até essa data. A partir de 01/11/03, emitir PPP com as informações relativas a períodos posteriores a 31/10/03. Só será aceito DIRBEN-8030 emitido até 31/10/ ª) Emitir PPP contemplando todas as informações (anteriores ou não a 01/11/03). No caso de informações anteriores a 01/11/2003, deverá ser preenchido com N/A não aplicável o campo no PPP que não for obrigatório no DIRBEN Quem emite?

3 Empresa empregadora, no caso de empregado; cooperativa de trabalho ou de produção, no caso de cooperado filiado, Órgão Gestor de Mão de Obra OGMO, no caso de trabalhador avulso portuário e Sindicato da Categoria, no caso de trabalhador avulso não portuário. Quem assina? Representante Legal da empresa, com poderes específicos outorgados por procuração. Apesar de não ser necessária assinatura, há a obrigatoriedade da indicação do Médico Coordenador do PCMSO e do Engenheiro de Segurança do Trabalho ou Médico do Trabalho responsável pelo LTCAT, conforme dimensionamento do SESMT. Quando houver mudança dos responsáveis pelo PCMSO ou LTCAT, deverão ser indicados todos os seus nomes e registros profissionais, discriminando os períodos em que cada um prestou as informações que embasaram o preenchimento do PPP. Quem recebe? Todo trabalhador empregado, avulso ou cooperado - que prestar serviço remunerado. Independentemente da presença de agentes nocivos na empresa ou da exposição do trabalhador a estes, o PPP deve ser elaborado para todos, pois constitui-se num documento de prova e contraprova em relação à aposentadoria especial e outros direitos. As informações contidas no PPP são de caráter privativo do trabalhador, constituindo crime, nos termos da Lei nº 9.029, de 13 de abril de 1995, práticas discriminatórias decorrentes de sua exigibilidade por outrem, bem como sua divulgação para terceiros, ressalvado quando exigida pelos órgãos públicos competentes. Como se comprova? A empresa deverá comprovar a entrega ao trabalhador mediante recibo, podendo ser aceita a rubrica de entrega na própria rescisão do contrato de trabalho. O recibo de entrega ao trabalhador deverá ser mantido na empresa por vinte anos, por força do item da NR-07 e do item da NR-09, ambas do MTE. Quando se atualiza? Sempre que houver mudança das informações contidas nas seções administrativas, ambientais ou biológicas. Exemplos: mudança de setor, cargo, função ou atividade desenvolvida; mudança do meio ambiente de trabalho (alteração do lay-out, substituição de máquinas ou de equipamentos, introdução de EPC ou EPI, alteração da exposição de agentes, entre outros); alterações clínico-psíquico-biológicas; afastamentos do trabalho, ocorrência ou agravamento de acidente de trabalho ou doença ocupacional, entre outros. Não havendo mudanças, a atualização será feita pelo menos uma vez ao ano, na mesma época em que forem apresentados os resultados da análise global do desenvolvimento do PPRA e demais programas ambientais.

4 Onde se arquiva? Nas fases de elaboração e atualização, o PPP fica nas dependências da empresa de vínculo do trabalhador, de acordo com o sistema de arquivamento lá existente (meio papel ou eletrônico). Quando é impresso? O PPP será impresso nas seguintes situações: 1ª) Por ocasião do encerramento de contrato de trabalho ou término da prestação de serviço do cooperado, em duas vias, com fornecimento de uma das vias para o empregado/cooperado, mediante recibo. 2ª) Para fins de requerimento de reconhecimento de períodos laborados em condições especiais. 3ª) Para fins de concessão de benefícios por incapacidade, a partir de 01/07/2003, quando solicitado pela Perícia Médica do INSS. 4ª) O PPP deverá estar disponível às autoridades competentes, que poderão solicitar sua impressão com a assinatura do representante legal. OBS.: O PPP é um documento de simples conferência pelo INSS, sendo obrigatória apresentação pelo trabalhador unicamente no requerimento da aposentadoria especial. No entanto, a Perícia Médica do INSS poderá solicitá-lo à empresa, para fins de estabelecimento de nexo técnico e reabilitação profissional. Qual a fundamentação legal? Atualmente, as exigências relativas ao PPP encontram-se previstas no art. 58 4º da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, e no art. 68 4º, 6º e 8º do Regulamento da Previdência Social RPS, aprovado pelo Decreto nº 3.048, de 6 de maio de As multas relacionadas ao PPP estão relacionadas no art. 283, II, o, j e n do RPS. OBS.: Não confundir com a obrigação prevista no art. 58, 1º da Lei nº 8.213/91 e no art. 68 2º do RPS, que se refere a formulário para requerimento da aposentadoria especial. Este formulário é, a princípio, o DIRBEN O Decreto nº 4.032, de 26 de novembro de 2001, que alterou a redação do art. 68, 2º do RPS, substitui o DIRBEN-8030 pelo PPP, dado que ele abrange o DIRBEN-8030 e é mais completo. No entanto, as Instruções Normativas ainda autorizam a aceitação do DIRBEN-8030, alternativamente ao PPP, até 30/06/2003. Quem Fiscaliza? O próprio trabalhador (via CIPA ou individualmente), sindicato (principalmente na homologação da rescisão do contrato de trabalho), Auditor Fiscal da Previdência do Social AFPS, Médico-Perito do INSS, Auditor Fiscal do Trabalho, Ministério Público e demais órgãos públicos interessados. No entanto, lavrar auto de infração diretamente relacionado ao PPP e a CAT é atribuição exclusiva do AFPS.

5 Está sujeito à multa? Sim, caso não seja elaborado, não esteja atualizado, não haja comprovante de entrega ao trabalhador na rescisão de contrato de trabalho, não preencha as formalidades legais, contenha informação diversa da realidade, haja informação omissa ou ainda, caso haja discordância entre as informações do PPP com as contidas no LTCAT. Qual é o valor da multa? O valor da multa é a partir de R$ 8.278,60, para cada infração. As infrações podem ser cumulativas. Estes valores poderão ser diminuídos ou majorados, constatada a existência de atenuantes ou agravantes, não podendo ultrapassar R$ ,16. (Valores a partir de 01 de Junho de 2002, sujeitos à atualização). Quais as repercussões? O PPP pode gerar inúmeras Representações Administrativas RA e Representações Fiscais para Fins Penais RFFP contra a empresa, o médico e/ou engenheiro de segurança do trabalho responsáveis pelo LTCAT e PCMSO e o responsável pelas informações prestadas em Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social GFIP. Entre algumas conseqüências podemos citar: cassação do registro profissional e ações de ordem criminal na justiça por falsificação de documento público, sonegação fiscal, exposição ao risco, lesão corporal, homicídio culposo, ressarcimento aos cofres da Previdência relativos aos benefícios por incapacidade concedidos em razão da negligência do gerenciamento dos riscos, entre outros. Cria Burocracia para a empresa? Não. Ao contrário, a empresa não terá mais que entregar ao trabalhador DIRBEN e LTCAT, nem protocolar PPRA, PCMSO e outros papéis no INSS,. Isto porque as informações pertinentes já existentes na documentação da empresa, obrigatórias por força da Legislação Trabalhista e Previdenciária, estarão condensadas em um único documento o PPP. Cria Burocracia para o INSS? Não. Ao contrário, sendo o PPP o único documento exigível do trabalhador, tem-se maior brevidade no deferimento dos benefícios, por intermédio do enriquecimento das informações, que assegurarão maior confiabilidade e eficácia aos procedimentos já existentes. Cria Banco de Dados no INSS? Sim, está sendo construído.

6 Próximas Novidades... A Previdência está trabalhando para que, em breve, o PPP seja transmitido pela empresa em meio magnético, aproveitando o sistema de migração de dados da GFIP. A idéia é enriquecer o banco de dados Cadastro Nacional de Informações Sociais CNIS com a história do trabalhador e possibilitar a automatização da concessão de benefícios, além da diminuição da contribuição de um, dois ou três por cento, exigida pelo art. 22, II da Lei nº 8.212/91, nos termos do art. 10 da Lei nº , de 09 de maio de O LTCAT, cuja exigência se encontra no art. 58 1º a 3º da Lei nº 8.213/91, também deve ser elaborado para todos os trabalhadores, de forma individual ou coletiva. No entanto, as próximas Instruções Normativas do INSS dispensarão este documento caso a empresa apresente o PPRA dentro de determinadas condições. HISTÓRICO JURÍDICO O PPP foi criado pela Medida Provisória nº 1.523, de 11 de outubro de 1996, e ratificado depois pela Lei nº 9.528, de 10 de dezembro de Este documento individualíssimo, que deve conter o histórico-laboral do trabalhador e ser entregue a este na rescisão do contrato de trabalho, foi criado com conteúdo mínimo (atividades desenvolvidas pelo trabalhador), porém sem forma definida. O Decreto nº 4.032/01, passa a exigir no PPP um conteúdo mais detalhado, com três seções: uma administrativa, outra ambiental e outra biológica. O PPP passa a ter conteúdo mais definido, continuando com a forma livre. A IN INSS/DC nº 78/02 publica o formulário do PPP. Desde que o PPP foi instituído pela MP nº 1.523/96, o DIRBEN-8030, formulário utilizado para requerimento da aposentadoria especial, é aceito alternativamente ao PPP. A IN INSS/DC nº 78/02 determina que, a partir de 01 de Janeiro de 2003, será aceito apenas o PPP. No entanto, a IN INSS/DC nº 84/02 prorroga para 01 de Julho de 2003 a perda da eficácia do DIRBEN-8030 e atualiza o formulário do PPP. A Medida Provisória nº 83, de 12 de dezembro de 2002, estende aos cooperados o PPP, que antes só era exigido em relação ao empregado e ao trabalhador avulso. Essa interpretação é feita com base no art. 195, 5º da Constituição Federal de 1988, o qual dispõe que só haverá benefício com a correspondente fonte de custeio total. Conforme o caput do art. 57 da Lei nº 8.213/91, a aposentadoria especial é devida ao segurado, porém seu 6º, que remete ao art. 22, inciso II, da Lei nº 8.212/91, restringe o custeio apenas em relação ao empregado e ao trabalhador avulso. A MP nº 83/02 institui o custeio da aposentadoria especial também para os cooperados. A Instrução Normativa INSS/DC nº 90, de 16 de Junho de 2003, prorroga, mais uma vez, para 01 de Novembro de 2003, a perda da eficácia do DIRBEN O PPP é exigido das empresas desde Outubro de No entanto, deverá ser respeitada a evolução cronológica da sua implementação, de acordo com o quadro abaixo:

7

CARTILHA DO PPP PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO

CARTILHA DO PPP PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO O quê é? Para que serve? Documento histórico laboral do trabalhador que presta serviço à empresa, chancelatório das habilitações de benefícios e serviços previdenciários. É comumente associado à aposentadoria

Leia mais

PARECER Nº, DE 2005. RELATOR: Senador AUGUSTO BOTELHO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2005. RELATOR: Senador AUGUSTO BOTELHO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2005 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 208, de 2005, que altera a redação do art. 58 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, para

Leia mais

INSS ALTERA MAIS UMA VEZ AS CONDIÇÕES PARA A CONCESSÃO DA APOSENTADORIA ESPECIAL IMPONDO NOVOS ÔNUS PARA AS EMPRESAS

INSS ALTERA MAIS UMA VEZ AS CONDIÇÕES PARA A CONCESSÃO DA APOSENTADORIA ESPECIAL IMPONDO NOVOS ÔNUS PARA AS EMPRESAS INSS ALTERA MAIS UMA VEZ AS CONDIÇÕES PARA A CONCESSÃO DA APOSENTADORIA ESPECIAL IMPONDO NOVOS ÔNUS PARA AS EMPRESAS Jaques Sherique - Engenheiro de Segurança do Trabalho, Presidente da ABPA-SP 2º Vice-Presidente

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. RISCOS OCUPACIONAIS Demonstrações Ambientais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. RISCOS OCUPACIONAIS Demonstrações Ambientais MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL RISCOS OCUPACIONAIS Demonstrações Ambientais Conteúdo Programático I) Histórico II) Demonstrações Ambientais III) Perfil Profissiográfico

Leia mais

2TXrp" 3DUDTXHVHUYH" -XUtGLFR

2TXrp 3DUDTXHVHUYH -XUtGLFR TXrp" 3DUDTXHVHUYH" Documento histórico laboral do trabalhador que presta serviço à empresa, chancelatório das habilitações de benefícios e serviços previdenciários. É comumente associado à aposentadoria

Leia mais

Universidade de São Paulo. Departamento de Recursos Humanos da CODAGE. Divisão de Saúde, Higiene, Segurança e Medicina do Trabalho

Universidade de São Paulo. Departamento de Recursos Humanos da CODAGE. Divisão de Saúde, Higiene, Segurança e Medicina do Trabalho Universidade de São Paulo Departamento de Recursos Humanos da CODAGE Divisão de Saúde, Higiene, Segurança e Medicina do Trabalho PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO P.P.P. PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

MPAS/INSS. Perfil Profissiográfico Previdenciário DRA. SILVIA MATHEUS

MPAS/INSS. Perfil Profissiográfico Previdenciário DRA. SILVIA MATHEUS MPAS/INSS Perfil Profissiográfico Previdenciário DRA. SILVIA MATHEUS Perfil Profissiográfico OBJETIVO: As Aposentadorias Especiais têm características preventivas e visam retirar o trabalhador dos ambientes

Leia mais

CIESP JUNDIAÍ INFORMAÇÕES TÉCNICAS E PRÁTICAS DO PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO (PPP)

CIESP JUNDIAÍ INFORMAÇÕES TÉCNICAS E PRÁTICAS DO PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO (PPP) CIESP JUNDIAÍ INFORMAÇÕES TÉCNICAS E PRÁTICAS DO PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO (PPP) Gerência Executiva em Jundiaí Seção de Saúde do Trabalhador SST Dr. Renato Humberto da Silva 06/11/2013 1 Brasil

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO 2015 Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Recolocação Profissional Perfil

Leia mais

Portal Nacional de Direito do Trabalho www.pndt.com.br. Resolução nº 485 do MPS

Portal Nacional de Direito do Trabalho www.pndt.com.br. Resolução nº 485 do MPS Portal Nacional de Direito do Trabalho www.pndt.com.br Resolução nº 485 do MPS MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DOU de 09/07/2015 (nº 129, Seção 1, pág. 52) RESOLUÇÃO

Leia mais

Luiz Oscar Dornelles Schneider Especialista em Medicina do Trabalho AMB / ANAMT

Luiz Oscar Dornelles Schneider Especialista em Medicina do Trabalho AMB / ANAMT FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DA EXIGIBILIDADE DO LTCAT LAUDO TÉCNICO DE CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO Seguem-se abaixo os trechos dos documentos legais que versam sobre a matéria, de acordo com sua ordem hierárquica

Leia mais

P P R A + P C M S O. Srs. EMPRESÁRIOS / ADMINISTRADORES E CONTADORES:

P P R A + P C M S O. Srs. EMPRESÁRIOS / ADMINISTRADORES E CONTADORES: P P R A + P C M S O Srs. EMPRESÁRIOS / ADMINISTRADORES E CONTADORES: OS AMBIENTES DE TRABALHOS ESCONDEM RISCOS: poeiras, fumos metálicos, gases, vapores, ruídos, sobrecargas térmicas (calor e frio), umidade,

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL Coordenadoria de Recursos Humanos (CRH) Secretaria Estadual da Saúde PROCEDIMENTO OPERACIONAL Número: 3.3 Revisão: 0 Página: 1/8 Vigência: Indeterminada Titulo: Implantação e adequação do Serviço Especializado

Leia mais

COMO ELABORAR CORRETAMENTE O PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO - PPP

COMO ELABORAR CORRETAMENTE O PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO - PPP COMO ELABORAR CORRETAMENTE O PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO - PPP *Jaques Sherique O primeiro passo para a elaboração correta de um Sistema de Perfil Profissiográfico Previdenciário é a manutenção

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II

DIREITO DO TRABALHO II DIREITO DO II Me. Ariel Silva. l Órgãos de segurança SESMT: O Serviço Especializado em engenharia de segurança e em Medicina do Trabalho, SESMT, constitui-se no órgão técnico da empresa composto exclusivamente

Leia mais

esocial - Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais Previdenciárias e Trabalhistas

esocial - Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais Previdenciárias e Trabalhistas esocial - Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais Previdenciárias e Trabalhistas 1 Conhecendo e-social O e-social é um projeto do governo federal que vai coletar informações trabalhistas,

Leia mais

PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO - PPP - Orientações. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 27/05/2013.

PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO - PPP - Orientações. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 27/05/2013. PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO - PPP - Orientações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 27/05/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito 3 - Finalidade 3.1 - Informações no PPP

Leia mais

PALESTRA: PPP PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO 22-06-2012

PALESTRA: PPP PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO 22-06-2012 PALESTRA: PPP PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO 22-06-2012 NILZA MACHADO nilza@intersystem.com.br Só um grupo que entende as necessidades de uma empresa, pode ter as melhores soluções para o RH VOCÊ

Leia mais

d) condições ergonômicas não ensejam aposentadoria especial e) o trabalho penoso é aceito para enquadramento para aposentadoria especial.

d) condições ergonômicas não ensejam aposentadoria especial e) o trabalho penoso é aceito para enquadramento para aposentadoria especial. QUESTÕES DE PROVA BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS 1. Considerando a análise do direito ao auxílio doença, analise as situações abaixo e assinale S (sim) ou N (não) quanto a essa concessão. A seguir, assinale

Leia mais

Convênio Petros / INSS - Passo a passo para Participantes e Beneficiários.

Convênio Petros / INSS - Passo a passo para Participantes e Beneficiários. Convênio Petros / INSS - Passo a passo para Participantes e Beneficiários. Prezado(a) Participante / Beneficiário(a), A Petros firmou um Convênio diretamente com o INSS, a fim de permitir aos empregados

Leia mais

Perfil Profissiográfico Profissional/Primeira parte O que é o PPP e suas implicações Artigo publicado na revista MELHOR-RH - Autor: JAQUES SHERIQUE

Perfil Profissiográfico Profissional/Primeira parte O que é o PPP e suas implicações Artigo publicado na revista MELHOR-RH - Autor: JAQUES SHERIQUE Perfil Profissiográfico Profissional/Primeira parte O que é o PPP e suas implicações Artigo publicado na revista MELHOR-RH - Autor: JAQUES SHERIQUE 1. Introdução: O Perfil Profissiográfico - PP foi instituído

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO SÉCULO XXI

PERSPECTIVAS DA ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO SÉCULO XXI PERSPECTIVAS DA ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO SÉCULO XXI Jaques Sherique Eng. Mecânico e de Segurança do Trabalho Conselheiro Titular do CREA-RJ sherique@gbl.com.br Tendências Século XXI NOVA

Leia mais

CONTRATO Nº 137/2014 - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO Nº 137/2014 - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO Nº 137/2014 - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Contrato celebrado entre a Prefeitura Municipal de São João do Polêsine e a empresa Unimed Santa Maria - Sociedade Cooperativa de Serviços Médicos Ltda., para

Leia mais

Aposentadoria Especial e o Perfil Profissiográfico Previdenciário - PPP PERGUNTAS E RESPOSTAS

Aposentadoria Especial e o Perfil Profissiográfico Previdenciário - PPP PERGUNTAS E RESPOSTAS 1 Aposentadoria Especial e o Perfil Profissiográfico Previdenciário - PPP PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O que se entende por aposentadoria especial? R. É benefício decorrente do trabalho realizado em condições

Leia mais

SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO ATO DECLARATÓRIO N.º 10, DE 3 DE AGOSTO DE 2009

SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO ATO DECLARATÓRIO N.º 10, DE 3 DE AGOSTO DE 2009 SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO ATO DECLARATÓRIO N.º 10, DE 3 DE AGOSTO DE 2009 Aprova os precedentes administrativos de nº 71 a nº 100 e cancela os precedentes administrativos n 5, 16, 20, 26, 32,

Leia mais

Breve contextualização

Breve contextualização Breve contextualização O esocial é o instrumento de unificação da prestação das informações referentes à escrituração das obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas e tem por finalidade padronizar

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE. Orientações Gerais

MANUAL DO CLIENTE. Orientações Gerais MANUAL DO CLIENTE Orientações Gerais 2 Prezado Cliente: O compromisso da ESAME é oferecer a você o melhor serviço na área de Saúde e Segurança no Trabalho, assegurando a qualidade nos procedimentos médicos,

Leia mais

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628 LEI N 812 de 12 de maio de 2014. Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e, a Ferramenta de Declaração Eletrônica de Serviços - DES, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUAPIMIRIM,,

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal,

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal, DECRETO N.º 060 /2013. REGULAMENTA A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NO MUNICÍPIO DE ARACATI E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe

Leia mais

DECRETO Nº 17.655, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012.

DECRETO Nº 17.655, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012. DECRETO Nº 17.655, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012. Altera o inc. II do art. 12, o art. 19 e o campo 15.2 da instrução de preenchimento do PPP carimbo e assinatura do Anexo II do Decreto nº 17.394, de 19 de

Leia mais

NEGOCIAÇÕES COM OS COMERCIÁRIOS COMEÇAM MAIS CEDO

NEGOCIAÇÕES COM OS COMERCIÁRIOS COMEÇAM MAIS CEDO NEGOCIAÇÕES COM OS COMERCIÁRIOS COMEÇAM MAIS CEDO No último dia 6, a FECOMERCIO SP e seus sindicatos filiados, dentre eles o SICAP, receberam a PAUTA UNIFICADA DE REIVINDICAÇÕES da FECOMERCIÁRIOS, entidade

Leia mais

PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO (PPP)

PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO (PPP) PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO (PPP) Os documentos (PPP) que estão anexados foram preparados pela GV Clínicas com os dados contidos no PCMSO, PPRA e LTCAT. É uma exigência do INSS e devem ser entregues

Leia mais

Visando propiciar melhor entendimento das normas que regem as operações em Intercâmbio, é indispensável a leitura dos seguintes conceitos básicos:

Visando propiciar melhor entendimento das normas que regem as operações em Intercâmbio, é indispensável a leitura dos seguintes conceitos básicos: 1. COMUNICAÇÃO DO ACIDENTE DO TRABALHO (CAT) 1.1. RESPONSABILIDADES DA EMPRESA/ EMPREGADO Visando propiciar melhor entendimento das normas que regem as operações em Intercâmbio, é indispensável a leitura

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ORIENTAÇÕES PREVIDÊNCIA SOCIAL

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ORIENTAÇÕES PREVIDÊNCIA SOCIAL VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ORIENTAÇÕES PREVIDÊNCIA SOCIAL Orientador Empresarial RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM CONDIÇÕES ESPECIAIS 1. Contribuição

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.980/2011 (Publicada no D.O.U. 13 dez. 2011, Seção I, p.225-226) Fixa regras para cadastro, registro, responsabilidade técnica e cancelamento para as pessoas

Leia mais

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL INEAA MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO José Roberto Teixeira NOVEMBRO/2002 MEIO AMBIENTE, SAÚDE E

Leia mais

Nº XXXXX-XX/201X (código: XXXX) CONVÊNIO PARA ELABORAÇÃO DOS PROGRAMAS PCMSO (NR-7) E PPRA (NR-9)

Nº XXXXX-XX/201X (código: XXXX) CONVÊNIO PARA ELABORAÇÃO DOS PROGRAMAS PCMSO (NR-7) E PPRA (NR-9) Nº XXXXX-XX/201X (código: XXXX) CONVÊNIO PARA ELABORAÇÃO DOS PROGRAMAS PCMSO (NR-7) E PPRA (NR-9) Pelo presente instrumento particular, o SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DO RIO DE JANEIRO - SECONCI-RIO,

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL FUNDAMENTO LEGAL Artigo 201, 1º, CF/88 Artigo 57 e 58 da Lei 8213/91 Artigo 64 a 70, do Decreto 3048/99 Artigo 246 a 299 da IN 77/2015 CONCEITO É o benefício previdenciário devido ao segurado que tenha

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO Através deste manual, a Tecnicont pretende orientar seus clientes e facilitar os procedimentos a serem realizados no envio de documentos

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 06, de 17.2.09 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o disposto nos arts.

Leia mais

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.4561 PCMSO Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PPRA Programa

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Laudo Ergonômico Laudo de Periculosidade/Insalubridade Laudo

Leia mais

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA NÚMERO /DATA 009/01-25/10/2001 ORIGEM SRF/RFFC/ER-6 1.1 Tendo em vista que o contrato firmado com a Sul América não prevê a realização de exames admissionais,

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Rede Completa Orientações Gerais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Rede Completa Orientações Gerais MANUAL DE UTILIZAÇÃO Rede Completa Orientações Gerais Geremed Saúde e Segurança Ocupacional Ltda. 2011 3 de Prezado Cliente: Parabéns! Você é um CLIENTE GEREMED e para nós, isso é um motivo de grande satisfação.

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS JANEIRO DE 2012

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS JANEIRO DE 2012 Page 1 of 5 AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS JANEIRO DE 2012 06/01/2012 SALÁRIOS Pagamento de salários - mês de DEZEMBRO/2011 Base legal: Art. 459, parágrafo único da CLT. FGTS Recolhimento

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010 (Publicada no D.O.U. de 27/07/2010) Atualizada até 26/05/2014 Estabelece instruções para o reconhecimento, pelos Regimes Próprios de Previdência Social

Leia mais

CONTRATO N.º 10-04/2013 TERMO DE CONTRATO QUE CELEBRAM A CÂMARA MUNICIPAL DE BLUMENAU E A EMPRESA ROTTA SAÚDE OCUPACIONAL LTDA.

CONTRATO N.º 10-04/2013 TERMO DE CONTRATO QUE CELEBRAM A CÂMARA MUNICIPAL DE BLUMENAU E A EMPRESA ROTTA SAÚDE OCUPACIONAL LTDA. CONTRATO N.º 10-04/2013 TERMO DE CONTRATO QUE CELEBRAM A CÂMARA MUNICIPAL DE BLUMENAU E A EMPRESA ROTTA SAÚDE OCUPACIONAL LTDA. Aos dezoito dias do mês de setembro do ano de 2013 (dois mil e treze), a

Leia mais

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Página 1 de 7 1. OBJETIVO 1.1. Estabelecer procedimentos técnico-administrativos para Registro, Análise e Investigação de Acidente do Trabalho envolvendo os servidores públicos e empregados fundacionais

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Orientações Gerais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Orientações Gerais MANUAL DE UTILIZAÇÃO Orientações Gerais Geremed Saúde e Segurança Ocupacional Ltda. 2013 Prezado Cliente: Parabéns! Você é um CLIENTE GEREMED e para nós, isso é um motivo de grande satisfação. Nosso compromisso

Leia mais

Manual de Aposentadoria Especial. Volume 1

Manual de Aposentadoria Especial. Volume 1 Manual de Aposentadoria Especial Volume 1 DIRETORIA DE SAÚDE DO TRABALHADOR Março/2012 1 2011 - Instituto Nacional do Seguro Social INSS Presidente Mauro Luciano Hauschild Diretora de Saúde do Trabalhador

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO

NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO Page 1 of 7 NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO 5.1 a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO CONTEÚDO

DEMONSTRAÇÃO DO CONTEÚDO 9.6 S-1060 - Tabela de Ambientes de Trabalho Usada para descrever os ambientes com Riscos, conforme a tabela 21 (fatores de riscos ambientais) a seguir. Os riscos estão no Laudo Técnicos da Condições Ambientais

Leia mais

Artigo - Das Obrigações dos Cartórios Extrajudiciais Frente à Seguridade Social: Algumas Novidades

Artigo - Das Obrigações dos Cartórios Extrajudiciais Frente à Seguridade Social: Algumas Novidades Artigo - Das Obrigações dos Cartórios Extrajudiciais Frente à Seguridade Social: Algumas Novidades Por Adriano Erbolato Melo Três as relações jurídicas a vincular o titular da serventia extrajudicial à

Leia mais

O PPP Perfil Profissiográfico Previdenciário

O PPP Perfil Profissiográfico Previdenciário 1 O PPP Perfil Profissiográfico Previdenciário Compilação e comentários de Airton Marinho da Silva, Auditor Fiscal do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego As Leis 8212 e 8213/91 regulamentam os

Leia mais

TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS

TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS O Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO, se configura em uma obrigatoriedade legal a ser cumprida por todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores

Leia mais

Advogados: Marcio Chachamovich e Guilherme Portanova Av. Soledade, 442 Porto Alegre RS Fone: (51) 30263811

Advogados: Marcio Chachamovich e Guilherme Portanova Av. Soledade, 442 Porto Alegre RS Fone: (51) 30263811 Advogados: Marcio Chachamovich e Guilherme Portanova Av. Soledade, 442 Porto Alegre RS Fone: (51) 30263811 Esta modalidade de serviço é voltada para os trabalhadores em atividade, e consiste na realização

Leia mais

DECRETO Nº 47.350, DE 6 DE JUNHO DE 2006

DECRETO Nº 47.350, DE 6 DE JUNHO DE 2006 DECRETO Nº 47.350, DE 6 DE JUNHO DE 2006 Regulamenta a Lei nº 14.097, de 8 de dezembro de 2005, que institui a Nota Fiscal Eletrônica de Serviços e dispõe sobre a geração e utilização de créditos tributários

Leia mais

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 18ª Junta de Recursos

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 18ª Junta de Recursos Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 18ª Junta de Recursos Número do Processo: 44232.009202/2014-72 Unidade de Origem: AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL ALEGRETE Benefício:

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL AUDITORIA EM RISCOS OCUPACIONAIS

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL AUDITORIA EM RISCOS OCUPACIONAIS MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL AUDITORIA EM RISCOS OCUPACIONAIS Perguntas Chaves: Direito Constitucional - art 7-7 Acontece? O Gerenciamento de Riscos

Leia mais

# CAMPO MOTIVO REFERÊNCIA LEGAL Cadastro da empresa (Tabela S-1000) Número de inscrição do contribuinte, CNPJ ou CPF # Campo Motivo

# CAMPO MOTIVO REFERÊNCIA LEGAL Cadastro da empresa (Tabela S-1000) Número de inscrição do contribuinte, CNPJ ou CPF # Campo Motivo ANEXO I 49 # CAMPO MOTIVO REFERÊNCIA LEGAL Cadastro da empresa (Tabela S-1000) Número de inscrição do contribuinte, CNPJ ou CPF # Campo Motivo 19-25 Informações de identificação do empregador (5) A partir

Leia mais

DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. Introduz as alterações que menciona no Decreto Municipal nº 1751/2004, de 29 de junho de 2004 e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO,

Leia mais

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) DOCUMENTOS DA EMPRESA

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) DOCUMENTOS DA EMPRESA PROCEDIMENTO PARA ENTREGA DE DOCUMENTOS PARA ACESSO Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) Segue procedimento que deverá ser seguido exatamente como orientado para que o serviço contratado seja

Leia mais

VISÃO GERAL DO E-SOCIAL

VISÃO GERAL DO E-SOCIAL VISÃO GERAL DO E-SOCIAL 1 VISÃO GERAL DO E-SOCIAL SUMÁRIO 1.0 Introdução......03 2.0 Considerações Iniciais......03 2.1 Objeto do esocial......03 2.2 Conceito do esocial......03 2.3 Objetivos do projeto......03

Leia mais

Assunto. esocial. Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais;

Assunto. esocial. Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais; Ref.: nº 34/2013 esocial 1. Conceito O esocial é um projeto do Governo Federal que vai coletar as informações descritas em seu objeto, armazenando-as em Ambiente Nacional, possibilitando aos órgãos participantes,

Leia mais

Andrezza Célia Moreira

Andrezza Célia Moreira Andrezza Célia Moreira Contadora e Perita Sócia da JANIR MOREIRA & CONTADORES ASSOCIADOS Conselheira do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais CRC-MG O esocial é um projeto do governo federal

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5

R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5 R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5 Estabelece instruções para o reconhecimento do tempo de serviço público exercido sob condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física pelo Instituto

Leia mais

Manual de Retenção e Recolhimento de Contribuições Previdenciárias em Serviços Prestados por Empresas

Manual de Retenção e Recolhimento de Contribuições Previdenciárias em Serviços Prestados por Empresas PREFEITURA DE JUIZ DE FORA SECRETARIA DA FAZENDA SUBSECRETARIA DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DEPARTAMENTO DE NORMAS TÉCNICAS Manual de Retenção e Recolhimento de Contribuições Previdenciárias em Serviços

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEPMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1427/2012 Regulamenta a Lei municipal nº 8748/2010, que institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) e dá outras providências.

Leia mais

NOVA INSTRUMENTAÇÃO DOS SINDICATOS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES À SAÚDE DO TRABALHADOR.

NOVA INSTRUMENTAÇÃO DOS SINDICATOS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES À SAÚDE DO TRABALHADOR. NOVA INSTRUMENTAÇÃO DOS SINDICATOS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES À SAÚDE DO TRABALHADOR. Sexta-Feira, 03Jul2015 Escola Agrícola Florestan Fernandes Guararema SP Morrem Dois Operários em Acidente do Trabalho

Leia mais

REGULAMENTA A CONCESSÃO DO ADICIONAL DE QUALIFICAÇÃO AOS TITULARES DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO DA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA FAETEC.

REGULAMENTA A CONCESSÃO DO ADICIONAL DE QUALIFICAÇÃO AOS TITULARES DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO DA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA FAETEC. Publicada no D. O. de 27/06/11 PORTARIA FAETEC/PR Nº 327 DE 20 DE JUNHO DE 2011 REGULAMENTA A CONCESSÃO DO ADICIONAL DE QUALIFICAÇÃO AOS TITULARES DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO DA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA

Leia mais

Obrigações Fiscais das Entidades sem Fins Lucrativos e Sociedades Cooperativas. Impostos - Contribuições Obrigações Fiscais

Obrigações Fiscais das Entidades sem Fins Lucrativos e Sociedades Cooperativas. Impostos - Contribuições Obrigações Fiscais OSMAR REIS AZEVEDO Pós-graduado em Contabilidade. Formado em Ciências Contábeis. Professor universitário da Universidade São Judas Tadeu na década de 1990. Autor de três livros tributários, com os títulos:

Leia mais

ANO XXVI - 2015-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2015

ANO XXVI - 2015-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2015 ANO XXVI - 2015-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2015 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS PPP - PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO - ATUALIZAÇÃO CONFORME IN INSS/PRES Nº 77/2015 CONSIDERAÇÕES...

Leia mais

Soft Trade, desenvolvendo soluções para RH há 26 anos. WORKSHOP esocial. www.esocial.gov.br www.softtrade.com.br 14/02/2014

Soft Trade, desenvolvendo soluções para RH há 26 anos. WORKSHOP esocial. www.esocial.gov.br www.softtrade.com.br 14/02/2014 Soft Trade, desenvolvendo soluções para RH há 26 anos WORKSHOP esocial www.esocial.gov.br www.softtrade.com.br 14/02/2014 E agora, José?? Carlos Drummond de Andrade Solução? Problema? Afinal é bom para

Leia mais

e-social expert PDF Trial Outubro 2013 Apoio O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade da Lefisc.

e-social expert PDF Trial Outubro 2013 Apoio O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade da Lefisc. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

esocial A TRANSFORMAÇÃO DA RELAÇÃO DE TRABALHO E DE ARRECAÇÃO SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTO

esocial A TRANSFORMAÇÃO DA RELAÇÃO DE TRABALHO E DE ARRECAÇÃO SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTO esocial A TRANSFORMAÇÃO DA RELAÇÃO DE TRABALHO E DE ARRECAÇÃO SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTO CENÁRIO ATUAL EMARANHADO DE NORMAS E LEIS INÚMERAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS INFORMAÇÕES NÃO CONSOLIDADAS E DE MÁ QUALIDADE

Leia mais

SST - PPP. 11.8.x. abril de 2015. Versão: 4.0

SST - PPP. 11.8.x. abril de 2015. Versão: 4.0 SST - PPP 11.8.x abril de 2015 Versão: 4.0 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Como utilizar esse material em seus estudos de Atendimento Clínico... 4 3 Introdução... 5 4 PPP... 6 4.1 Principais botões do sistema...

Leia mais

ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE POÁ

ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE POÁ DECRETO Nº DE DE DE 2015 Dispõe sobre regulamentação da Lei Complementar nº. 3.766, de 4 de dezembro de 2014, que criou o Passe Livre Estudantil, gratuidade no sistema de transporte coletivo aos estudantes

Leia mais

esocial Pontos críticos em Segurança e Saúde no Trabalho

esocial Pontos críticos em Segurança e Saúde no Trabalho esocial Pontos críticos em Segurança e Saúde no Trabalho Palestrante convidado: Fabio João Rodrigues Fabio João Rodrigues Advogado em São Paulo. Atua desde 1995 na área de relações trabalhistas e sindicais.

Leia mais

Faz os seguintes questionamentos:

Faz os seguintes questionamentos: PARECER CFM nº 9/16 INTERESSADO: 1ª Vara da Fazenda da Comarca de Joinville/SC ASSUNTO: Dúvidas quanto à necessidade de especialidade médica para realização de exame pericial e determinação de capacidade

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015

CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas cooperativas de crédito para instrução de processos referentes a pedidos de autorização e dá outras providências.

Leia mais

Acesse mais informações em: www.segurancanotrabalho.eng.br

Acesse mais informações em: www.segurancanotrabalho.eng.br AS NORMAS DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO FRENTE AOS AGENTES FISCALIZADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Eduardo C. Abdalla - Advogado, Especialista em Gestão Jurídica da Empresa pela Universidade Estadual

Leia mais

DECRETO Nº 072/2012. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OLINDA, no uso de suas atribuições legais, DECRETA:

DECRETO Nº 072/2012. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OLINDA, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: DECRETO Nº 072/2012. EMENTA: REGULAMENTA a Lei Complementar nº 39, de 29 de dezembro de 2011, que institui o Sistema Eletrônico de Escrituração Fiscal SEEF, a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e,

Leia mais

Não muda legislação, muda procedimentos.

Não muda legislação, muda procedimentos. Versão 1.1 esocial Não muda legislação, muda procedimentos. esocial = Transparência Fiscal Circular n. 642, de 06/01/2014 Aprova e divulga o leiaute do Sistema de Escrituração Fiscal Digital das obrigações

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Instruções para prestação de informações pelo empregador, relativas a movimentações de empregados - Portaria

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Instruções para prestação de informações pelo empregador, relativas a movimentações de empregados - Portaria empregador, relativas a movimentações de 14/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Novas Regras Para Declaração do

Leia mais

CAPITULO I Disposições Preliminares

CAPITULO I Disposições Preliminares Portaria Unesp nº 499, de 06 de novembro de 2006. Estabelece normas relativas a Exames Médicos de Saúde Ocupacional, Exames Médico-Periciais e Exames de Juntas Médicas, de observância no âmbito da Universidade

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL D.O.U nº. 078 - de 23/04/84, Seção I, Pág.5742 RESOLUÇÃO COFFITO-37

CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL D.O.U nº. 078 - de 23/04/84, Seção I, Pág.5742 RESOLUÇÃO COFFITO-37 CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL D.O.U nº. 078 - de 23/04/84, Seção I, Pág.5742 RESOLUÇÃO COFFITO-37 Baixa o novo texto do REGULAMENTO para registro de empresas nos Conselhos Regionais

Leia mais

... CAPÍTULO XVIII DA REPRESENTAÇÃO ADMINISTRATIVA (RA)

... CAPÍTULO XVIII DA REPRESENTAÇÃO ADMINISTRATIVA (RA) INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC N 070, DE 10 DE MAIO DE 2002 - DOU nº 92 DE 15.05.2002 Dispõe sobre os procedimentos fiscais e sobre o planejamento das atividades de arrecadação relativas às contribuições

Leia mais

ILEGALIDADES E IRREGULARIDADES

ILEGALIDADES E IRREGULARIDADES Melissa Folmann melissa@vvf.adv.br INCONSTITUCIONALIDADES, ILEGALIDADES E IRREGULARIDADES DO FAP COMO PROCEDER? Melissa Folmann Breve histórico do SAT CF/88, art. 7: Art. 7º - São direitos dos trabalhadores

Leia mais

TERCEIRA TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

TERCEIRA TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ Autos nº: 201070560014978 Relator: Juiz Federal Eduardo Appio Recorrente: Ademir José Moreira Recorrente: Instituto Nacional do Seguro Social Recorrido: Os mesmos Juízo: Vara do JEF Cível de Guarapuava

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO 1 - DEFINIÇÃO 1.1 - Acidente de trabalho Qualquer prejuízo à saúde ou integridade física do trabalhador ocorrida no trabalho ou em decorrência do trabalho. 1.1.1 - Acidente Típico Acidente que ocorre numa

Leia mais

Publicado no D.O.U. nº 84 de 22/04/2015, Seção 1 pag. 78 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015

Publicado no D.O.U. nº 84 de 22/04/2015, Seção 1 pag. 78 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Publicado no D.O.U. nº 84 de 22/04/2015, Seção 1 pag. 78 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Dispõe sobre a criação de Acervos Técnicos de Pessoas Físicas e Pessoas Jurídicas registradas

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 13ª Junta de Recursos

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 13ª Junta de Recursos Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 13ª Junta de Recursos Número do Processo: 44232.241846/2014-53 Unidade de Origem: AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA

Leia mais

CAPÍTULO I O Sistema Estadual de Vigilância Sanitária SEVISA e o Sistema de Informações em Vigilância Sanitária - SIVISA

CAPÍTULO I O Sistema Estadual de Vigilância Sanitária SEVISA e o Sistema de Informações em Vigilância Sanitária - SIVISA PORTARIA CVS Nº 01, de 22 de janeiro 2007 Dispõe sobre o Sistema Estadual de Vigilância Sanitária (SEVISA), define o Cadastro Estadual de Vigilância Sanitária (CEVS) e os procedimentos administrativos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro

Leia mais

A LOCADORA E O CUSTO FISCAL PELO DESCUMPRIMENTO DAS NORMAS REGULAMENTADORAS (NR S).

A LOCADORA E O CUSTO FISCAL PELO DESCUMPRIMENTO DAS NORMAS REGULAMENTADORAS (NR S). A LOCADORA E O CUSTO FISCAL PELO DESCUMPRIMENTO DAS NORMAS REGULAMENTADORAS (NR S). O Locador está preocupado em gerenciar bem o seu negócio utilizando-se de várias ferramentas de gestão. Com o avanço

Leia mais