Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 «

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 «"

Transcrição

1 Escola de Voluntariado Fundação Eugénio de Almeida Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 Departamento de Contas Nacionais Serviço de Contas Satélite e Avaliação de Qualidade das Contas Nacionais Ana Cristina Ramos 7 de Junho de 2013

2 Índice 1. Porquê um Inquérito ao Trabalho Voluntário? 2. Objetivo do Inquérito ao Trabalho Voluntário (ITV) 3. Delimitação conceptual 4. Fragilidades e potencialidades do ITV Principais resultados 5.1. Análise sociodemográfica 5.2. Domínios de atividade e contexto organizacional 5.3. Análise regional 5.4. Comparação internacional 5.5. Horas trabalhadas e valorização económica 5.6. Trabalho Voluntário e Economia Social

3 0. O que é uma conta satélite? Agricultura Silvicultura Contas Nacionais Ambiente Saúde Conta Satélite da Economia Social ISFL Turismo

4 1.Porquê um Inquérito ao Trabalho Voluntário? Recurso crucial para a resolução de muitos problemas sociais, económicos e ambientais; Importância crescente na Economia Social (atividades trabalho intensivas); Informação disponível: Pouca visibilidade estatística; Informação dispersa; Trabalhos pontuais; Dados não harmonizados nem sistematizados.

5 1.Porquê um Inquérito ao Trabalho Voluntário? Inquérito piloto ao trabalho voluntário 2012 (anexo ao Inquérito ao Emprego 3ºT de 2012) Tempo record INE - Multidepartamental Versão simplificada Contas Nacionais Estatísticas Sociais Informática Metodologia Recolha de Informação 8 questões Tipo de trabalho voluntário (formal/informal); (regular/ocasional) Tipo de organização Tarefas Duração

6 2. Objetivo do Inquérito ao Trabalho Voluntário (ITV) Caraterização do trabalho voluntário: Número de voluntários; Características sociodemográficas; Enquadramento institucional; Tipo de tarefas; Número de horas dedicadas.

7 3. Delimitação conceptual Manual OIT Referência metodológica e concetual: Manual on the Measurement of Volunteer Work Harmonização Relevância

8 3. Delimitação concetual O que é Trabalho Voluntário? trabalho não pago e não compulsivo; que consiste no tempo que os indivíduos [com mais de 15 anos] dedicam a atividades não remuneradas, realizadas através de uma organização ou diretamente, em prol de outros que não pertençam ao seu agregado familiar. (Fonte: Manual OIT)

9 3. Delimitação concetual Principais características do Trabalho Voluntário: Indivíduos com 15 ou mais anos; É um trabalho: Produz valor; No mínimo 1 hora; Período de referência (1 ano). Trabalho não remunerado e não compulsivo: Através de uma organização Trabalho voluntário formal ou organizacional; Diretamente Trabalho voluntário informal ou direto. Atividades em prol de outros (que não membros do agregado familiar ).

10 3. Delimitação concetual Alguns exemplos de Trabalho Voluntário: Trabalho Voluntário Formal ou Organizacional: professor ou tutor numa organização; participação em ações do Banco Alimentar, bombeiros, escuteiros; etc.; Trabalho Voluntário Informal ou Direto: explicações gratuitas ao filho de um vizinho ou amigo; tomar conta de idosos; tomar conta de animais domésticos de um amigo, vizinho, colega, enquanto este se ausenta para férias; etc..

11 3. Delimitação concetual Especificidade concetual: O total de trabalho voluntário não resulta da soma entre o trabalho formal e informal, visto que um indivíduo poderá incorrer em mais do que uma forma de trabalho voluntário. Indicador: Taxa de voluntariado: proporção de voluntários com determinadas caraterísticas no total da população residente, com 15 ou mais anos, com as mesmas caraterísticas.

12 4. Fragilidades e potencialidades do ITV 2012 Fragilidades: Tema muito específico e sensível, diferente da matéria central do Inquérito ao Emprego menor aceitação e empenho na resposta; Possibilidade de resposta proxy respostas; menor qualidade das Atividade socialmente bem vista sobreavaliação nas respostas (em particular nas horas declaradas de trabalho voluntário); Versão simplificada da proposta do Manual da OIT.

13 4. Fragilidades e potencialidades do ITV 2012 Potencialidades: Utilização das melhores práticas e recomendações internacionais; Utilização do Inquérito ao Emprego como via de recolha: Padronização de métodos estatísticos; Seleção e dimensão da amostra com garantia de representatividade; Utilização de meios profissionais na recolha de informação; Utilização de tecnologias avançadas na recolha da informação (CAPI e CATI); Caracterização sóciodemográfica do inquirido ; Atualidade e sensibilidade do tema no contexto da conjuntura socioeconómica informação estatística pioneira e atual.

14 5. Principais resultados do ITV Análise sociodemográfica Taxa de voluntariado: 11,5 (1 milhão e 40 mil voluntários) Taxa de voluntariado feminina superior em qualquer tipo de trabalho voluntário (formal/informal) Gráfico Taxa de voluntariado, por sexo e tipo de trabalho voluntário 11,5 10,3 12,7 5,9 6,2 5,7 5,8 4,8 6, Total Formal Informal Total Homens Mulheres

15 5. Principais resultados do ITV Análise sociodemográfica Maiores taxas de voluntariado nos escalões etários: (13,1) e anos (12,7) Trabalho voluntário formal com maior expressão nas classes etárias mais novas: anos (8,3) Gráfico Taxa de voluntariado, por escalão etário e tipo de trabalho voluntário 13,1 12,7 11,6 7,3 8,3 7,1 6,0 2,7 3,4 7,0 6,2 4,8 Trabalho voluntário informal mais representativo nas classes etárias mais elevadas: anos (7,0) 0 Total Formal Informal

16 5. Principais resultados do ITV Análise sociodemográfica Maiores taxas de voluntariado nos indivíduos divorciados/separados (12,8) Trabalho voluntário formal com maior expressão nos indivíduos solteiros (7,5) Trabalho voluntário informal mais representativo nos indivíduos divorciados/separados (7,2) Gráfico Taxa de voluntariado, por estado civil e tipo de trabalho voluntário 11,711,9 7,5 12,8 7,5 5,6 2,6 5,7 4,3 6,6 5,1 Total Formal Informal Solteiro Casado Viúvo Divorciado ou separado mas ainda legalmente casado 7,2

17 5. Principais resultados ITV Análise sociodemográfica A participação no trabalho voluntário aumenta com o nível de escolaridade Gráfico Taxa de voluntariado, por nível de escolaridade e tipo de trabalho voluntário 25 21,3 Maiores taxas de voluntariado nos indivíduos com ensino superior (21,3) Trabalho voluntário formal com maior expressão nos indivíduos com ensino superior (14,5) Trabalho voluntário informal mais representativo nos indivíduos com ensino superior (7,4) ,7 14,5 11,8 9,0 8,8 7,8 7,4 5,8 6,2 5,6 5,7 6,1 3,5 3,4 2,3 2,6 0,9 Total Formal Informal Nenhum Básico 1º Ciclo Básico 2º Ciclo Básico 3º Ciclo Secundário e Pós-secundário Superior

18 5. Principais resultados ITV Análise sociodemográfica Maiores taxas de voluntariado nos indivíduos desempregados (13,1) Gráfico Taxa de voluntariado, por situação no emprego e tipo de trabalho voluntário 15 12,8 13,1 12 Trabalho voluntário formal com maior expressão nos indivíduos desempregados e empregados (6,9) ,4 6,9 6,9 4,4 6,1 6,5 5,2 Trabalho voluntário informal mais representativo nos indivíduos desempregados (6,5) 0 Total Formal Informal Empregado Desempregado Inativo

19 5. Principais resultados ITV Análise sociodemográfica Trabalho Voluntário Formal Informal Mulheres; Pessoas mais jovens; Pessoas solteiras; Pessoas com maiores níveis de escolaridade; Pessoas desempregadas. Mulheres; Pessoas mais velhas; Pessoas divorciadas/separadas; Pessoas com maiores níveis de escolaridade; Pessoas desempregadas.

20 5. Principais resultados ITV Domínios de atividade e contexto organizacional Gráfico Repartição de voluntários por tipo de trabalho voluntário e por Classificação Portuguesa de Profissões (CPP) Trabalhadores dos serviços pessoais, de proteção e segurança e vendedores Técnicos e profissões de nível intermédio Especialistas das atividades intelectuais e científicas Pessoal administrativo Operadores de instalações e máquinas e trabalhadores da montagem Trabalhadores qualificados da indústria, construção e artífices Representantes do poder legislativo e de órgãos executivos, dirigentes, diretores e gestores executivos Total Formal Informal Trabalhadores não qualificados 33,9 16,5 51,7 26,1 27,9 24,2 19,0 32,2 5,5 8,0 8,4 7,6 6,5 9,9 3,0 2,9 1,5 4,3 2,2 0,9 3,6 1,4 2,7 0, Principais tarefas (de acordo com as tarefas das profissões equivalentes da CPP): Total: 1) Trabalhadores dos serviços pessoais, de proteção e segurança e vendedores (33,9), 2) Trabalhadores não qualificados (26,1) 3) Técnicos e profissões de nível intermédio (19,0)

21 5. Principais resultados ITV Domínios de atividade e contexto organizacional Gráfico Repartição de voluntários por tipo de trabalho voluntário e por Classificação Portuguesa de Profissões (CPP) Trabalhadores dos serviços pessoais, de proteção e segurança e vendedores Trabalhadores não qualificados Técnicos e profissões de nível intermédio Especialistas das atividades intelectuais e científicas Pessoal administrativo Operadores de instalações e máquinas e trabalhadores da montagem Trabalhadores qualificados da indústria, construção e artífices Representantes do poder legislativo e de órgãos executivos, dirigentes, diretores e gestores executivos Total Formal Informal 33,9 16,5 51,7 26,1 27,9 24,2 19,0 32,2 5,5 8,0 8,4 7,6 6,5 9,9 3,0 2,9 1,5 4,3 2,2 0,9 3,6 1,4 2,7 0, Principais tarefas (de acordo com as tarefas das profissões equivalentes da CPP): Formal: 1) Técnicos e profissões de nível intermédio (32,2), 2) Trabalhadores não qualificados (27,9) 3) Trabalhadores dos serviços pessoais, de proteção e segurança e vendedores (16,5)

22 5. Principais resultados ITV Domínios de atividade e contexto organizacional Gráfico Repartição de voluntários por tipo de trabalho voluntário e por Classificação Portuguesa de Profissões (CPP) Trabalhadores dos serviços pessoais, de proteção e segurança e vendedores Trabalhadores não qualificados Técnicos e profissões de nível intermédio Especialistas das atividades intelectuais e científicas Pessoal administrativo Operadores de instalações e máquinas e trabalhadores da montagem Trabalhadores qualificados da indústria, construção e artífices Representantes do poder legislativo e de órgãos executivos, dirigentes, diretores e gestores executivos Total Formal Informal 33,9 16,5 51,7 26,1 27,9 24,2 19,0 32,2 5,5 8,0 8,4 7,6 6,5 9,9 3,0 2,9 1,5 4,3 2,2 0,9 3,6 1,4 2,7 0, Principais tarefas (de acordo com as tarefas das profissões equivalentes da CPP): Informal: 1) Trabalhadores dos serviços pessoais, de proteção e segurança e vendedores (51,7), 2) Trabalhadores não qualificados (24,2) 3) Especialistas das atividades intelectuais e científicas (7,6)

23 5. Principais resultados ITV Domínios de atividade e contexto organizacional Gráfico Repartição de total de voluntários masculinos por Classificação Portuguesa de Profissões (CPP) Gráfico Repartição de total de voluntários femininos por Classificação Portuguesa de Profissões (CPP) 7,9 8,1 11,7 17,7 8,1 5,4 2,6 20,8 27,2 25,2 41,0 24,3 Trabalhadores não qualificados Trabalhadores dos serviços pessoais, de proteção e segurança e vendedores Técnicos e profissões de nível intermédio Especialistas das atividades intelectuais e científicas Pessoal administrativo Outros Trabalhadores não qualificados Trabalhadores dos serviços pessoais, de proteção e segurança e vendedores Técnicos e profissões de nível intermédio Especialistas das atividades intelectuais e científicas Pessoal administrativo Outros 41,0 das mulheres desenvolveram atividades equivalentes às de trabalhadores de serviços pessoais (ex. auxílio a idosos, crianças, doentes e acamados). Os homens apresentaram maior dispersão: 27,2 em tarefas enquadradas nas atividades dos trabalhadores não qualificados (ex. limpeza de espaços, recolha de alimentos, roupa ou donativos, entre outras) 24,3 tarefas afetas aos trabalhadores dos serviços pessoais, de proteção e segurança e vendedores (ex. serviços de bombeiros).

24 5. Principais resultados ITV Domínios de atividade e contexto organizacional Gráfico Repartição de voluntários formais segundo a Classificação Internacional das Instituições Sem Fim Lucrativo (CIISFL), e por sexo Apoio social 36,3 42,9 48,5 Desporto, recreação, arte e cultura 14,1 22,9 33,2 Religião 17,3 21,7 25,4 Ambiente 3,5 3,9 3,2 Educação e investigação 3,0 3,0 3,0 Outros 6,0 6,3 5,7 Total Homens Mulheres Total: apoio social (42,9), desporto, recreação, arte e cultura (22,9) e religião (21,7); Homens: apoio social (36,3) e desporto, recreação, arte e cultura (33,2); Mulheres: apoio social (48,5) e atividades religiosas (25,4).

25 5. Principais resultados ITV Análise regional O Norte (34,6), Lisboa (27,4) e Centro (24,1) foram as regiões com maior concentração de voluntários; Gráfico Repartição do total de voluntários por NUTS II 1,7 6,4 3,7 2,0 O Algarve (3,7) e as R.A. da Madeira (2,0) e dos Açores (1,7) foram as regiões com menor concentração de voluntários. 27,4 24,1 34,6 Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores R. A. Madeira

26 5. Principais resultados ITV Análise regional Gráfico Taxa de voluntariado por tipo de trabalho voluntário e por região NUTS II ,5 11,3 5,9 5,8 5,9 5,7 12,3 12,0 6,3 6,3 6,2 6,0 10,3 10,5 5,8 5,2 5,5 4,7 8,8 5,7 3,4 10,1 2,9 7,2 0 Portugal Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores R. A. Madeira Total Formal Informal Centro e Lisboa apresentaram taxas de voluntariado acima da média do país (11,5): 12,3 e 12,0, respetivamente; A taxa de voluntariado formal é, em geral, superior à taxa de voluntariado informal, exceto nas regiões da R.A. da Madeira (7,2) e do Algarve (5,5).

27 5. Principais resultados ITV Análise regional Gráfico Total de voluntários por sexo e por região NUTS II ( da população residente com 15 ou mais anos, por região) ,1 7,0 6,6 6,3 4,9 5,1 5,2 4,9 4,6 5,7 4,0 6,5 5,1 3,7 3,6 6,5 0 Portugal Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores R. A. Madeira Homens Mulheres As mulheres apresentam maior participação em atividades voluntárias em todas as regiões, com destaque para o Centro (7,1) e Lisboa (7,0).

28 5. Principais resultados ITV Análise regional Gráfico Total de voluntários por escalão etário e por região NUTS II ( da população residente com 15 ou mais anos, por região) ,0 5,6 6,2 5,1 6,3 6,0 6,0 5,9 5,4 5,3 4,9 5,2 4,7 4,1 5,2 4,9 2 0 Portugal Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores R. A. Madeira Apenas na região Centro o grupo de voluntários no escalão com mais de 45 anos foi mais expressivo que o grupo mais jovem (6,3 vs. 6,0).

29 5. Principais resultados ITV Análise regional Gráfico Repartição de voluntários formais segundo a Classificação Internacional das Instituições Sem Fim Lucrativo (CIISFL) por NUTS II ,6 48,0 42,9 41,2 37,2 35,3 22,9 25,7 23,7 21,4 22,5 21,7 17,4 12,5 16,2 11,7 12,1 13,1 10,2 9,8 44,3 31,3 32,5 13,0 11,4 40,3 33,4 23,6 23,3 19,5 16,9 10,5 0 Portugal Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores R. A. Madeira Apoio social Desporto, recreação, arte e cultura Religião Outros Portugal: os voluntários formais concentraram-se em atividades de apoio social (42,9); Alentejo: destaca-se, com 54,6 em atividades de apoio social; R.A. Açores: o desporto, recreação, arte e cultura (33,4) teve maior relevância do que as atividades de apoio social (32,5); Norte e Lisboa: regiões com maior concentração de voluntários em organizações religiosas (25,7 e 23,7, respetivamente); R.A.: atividades religiosas igualmente expressivas (23,6 na R. A. Açores e 23,3 na R. A. Madeira); R.A. Madeira: atividades religiosas com maior relevância do que as organizações de desporto, recreação, arte e cultura.

30 Principais resultados ITV Comparação internacional Gráfico Taxa de Voluntariado na UE NL DK FI AT LU DE SI IE EE SK BE IT FR UE27 LT CZ CY UK LV HU SE MT ES RO EL PT BG PL Fontes: Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 (PT); Eurobarómetro 2011 (restantes EM) Maiores taxas de voluntariado: norte da Europa, com destaque para a Holanda (57 da população residente com 15 e mais anos afirmou fazer voluntariado). Menores taxas de voluntariado nos países da antiga Europa de Leste (Polónia foi o Estado Membro que registou a menor taxa: 9). Portugal surgiu na antepenúltima posição, com 11,5 (12 no gráfico, por arredondamento).

31 5. Principais resultados ITV Comparação internacional 60 Gráfico Taxa de Voluntariado e PIB per capita PPC na UE27 (UE27 = 100) Taxa de voluntariado NL DK FI AT SI EE DE IE LU SK IT FR BE LT CZ CYUE27UK RO EL MT ES BG PL PT PIB per capita (PPC) Fontes: Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 (PT); Eurobarómetro 2011 (restantes EM); Eurostat A posição relativa de Portugal poderá ser explicada, em parte, pela cultura de participação em atividades de trabalho voluntário e pelas condições socioeconómicas do país. Efetivamente, parece existir alguma correlação entre o grau de desenvolvimento económico e a taxa de voluntariado.

32 5. Principais resultados ITV Comparação internacional Gráfico Domínios de atividade Outros Organizações políticas Organizações de defesa de direitos Organizações profissionais, sindicatos Recreio Ambiente, direitos dos animais, etc. Organizações religiosas Associações comunitárias Beneficiência ou apoio social Cultura, arte, educação Desporto PT UE Fontes: Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 (PT); Eurobarómetro 2011 (restantes EM) Portugal: com maior relevância nas atividades de apoio social e religião e menor importância em desporto, cultura, associações comunitárias, defesa de direitos e organizações profissionais e sindicatos, face à média europeia.

33 5. Principais resultados ITV Horas trabalhadas e valorização Horas dedicadas: 368,2 milhões de horas, equivalendo a 4,1 do total de horas trabalhadas das Contas Nacionais Portuguesas 29 horas por mês (média) Média mensal em trabalho voluntário formal ligeiramente superior à observada no informal (30 vs. 28 horas)

34 5. Principais resultados ITV Horas trabalhadas e valorização Gráfico Valorização económica do trabalho voluntário em proporção do PIB (preços correntes; 2012) 2 1 0,99 1,09 0,61 0 Salário Mínimo Salário de Apoio Social Salário por ocupação Valorização económica: Salário mínimo nacional: 1 014,6 milhões de euros: 0,61 do PIB nacional; Salário por ocupação profissional : 1 798,1 milhões de euros: 1,09 do PIB; Salário de apoio social : 1 636,3 milhões de euros : 0,99 do PIB nacional.

35 5. Principais resultados ITV Trabalho voluntário e Economia Social Estima-se que cerca de 483 mil indivíduos tenham desenvolvido ações de voluntariado em organizações da Economia Social, o que corresponde a, aproximadamente, 90 do trabalho voluntário formal. Tomando como referência o total de horas trabalhadas nas Contas Nacionais e os equivalentes a tempo completo (ETC) associados, estima-se que o trabalho voluntário, expresso em ETC, equivale a cerca de 40 do Emprego (ETC) da Economia Social.

36 Para mais informação Destaque: STAQUEStema=55557&DESTAQUESmodo=2 Publicações: Conta Satélite da Economia Social: &PUBLICACOEStema=55557&PUBLICACOESmodo=2 Inquérito ao Emprego: &PUBLICACOEStema=55574&PUBLICACOESmodo=2 Quadros: &INST=

37 Obrigada pela vossa atenção.

Um pouco mais que 1 em cada 10 residentes em idade ativa efetuou voluntariado em 2012

Um pouco mais que 1 em cada 10 residentes em idade ativa efetuou voluntariado em 2012 18 de abril de 213 Inquérito ao Trabalho Voluntário 212 Um pouco mais que 1 em cada 1 residentes em idade ativa efetuou voluntariado em 212 Por ocasião da divulgação da Conta Satélite da Economia Social

Leia mais

CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS

CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS Apresentação de J.M. Durão Barroso, Presidente da Comissão Europeia, ao Conselho Europeu informal de 30 de janeiro de 2012 Quebrar os «círculos viciosos» que afetam

Leia mais

Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão AIP, 5 de março de 2015 Prioridades Europa 2020 Objetivos Europa 2020/ PNR

Leia mais

Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa

Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa Margarida Brites Coordenadora da Área da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional 1 dezembro 2014 Lisboa Balança de Pagamentos Transações

Leia mais

As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores

As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores Margarida Brites Coordenadora da Área das Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento

Leia mais

Índice Principais alterações face à edição de Principais resultados da CSES 2013 Por atividade Por grupo de entidades

Índice Principais alterações face à edição de Principais resultados da CSES 2013 Por atividade Por grupo de entidades Índice 1. Principais alterações face à edição de 2010 2. Principais resultados da CSES 2013 - Por atividade - Por grupo de entidades - Por setor institucional - Comparação com a economia nacional - Apuramentos

Leia mais

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal Francisco Cordovil (Director do GPP) 30 de Abril de 2010 1 I. A agricultura perante a sociedade: compreender os desafios e agir positivamente

Leia mais

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior RELATÓRIO A procura de emprego dos Diplomados com habilitação superior Dezembro 2007 Fevereiro, 2008 Ficha Técnica Título A procura de emprego dos diplomados com habilitação superior Autor Gabinete de

Leia mais

Trabalhar no feminino

Trabalhar no feminino 07 de Março de 2013 8 de Março: Dia Internacional da Mulher Trabalhar no feminino Numa sociedade que aposta na igualdade entre homens e mulheres, incentiva a participação feminina na vida ativa e promove

Leia mais

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP)

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) Economia Portuguesa 2009 GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) MFAP GPEARI Unidade de Política Económica i i Ficha Técnica Título Economia Portuguesa

Leia mais

Comunicado de imprensa

Comunicado de imprensa Comunicado de imprensa A educação para a cidadania nas escolas da Europa Em toda a Europa, o reforço da coesão social e a participação activa dos cidadãos na vida social estão no centro das preocupações

Leia mais

Educação e Formação Europa 2020 e Cooperação Europeia

Educação e Formação Europa 2020 e Cooperação Europeia Educação e Formação Europa 2020 e Cooperação Europeia Parlamento Europeu Bruxelas, 21 de Março 2011 Margarida Gameiro Chefe de Unidade Igualdade de oportunidades e Equidade Europa 2020: 3 prioridades interligadas

Leia mais

As regiões no Portugal 2020

As regiões no Portugal 2020 As regiões no Portugal 2020 O Acordo de Parceria O Modelo de Governação Agência para o Desenvolvimento e Coesão Fevereiro e março de 2015 Temas O Acordo de Parceria O Modelo de Governação Acordo de Parceria

Leia mais

APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA 1 de Abril de 2004 População e Sociedade Educação e Formação 2003 (Dados provisórios) APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA No último ano, mais de um milhão e meio de indivíduos com 15 ou mais anos, ou seja, 18,7,

Leia mais

X Congresso Nacional do Milho. no âmbito da nova Política Agrícola Comum

X Congresso Nacional do Milho. no âmbito da nova Política Agrícola Comum X Congresso Nacional do Milho A agricultura de regadio no âmbito da nova Política Agrícola Comum 12 de Fevereiro de 2015 Hotel Altis, Lisboa Eduardo Diniz Diretor-Geral GPP Decisões Nacionais 1º Pilar

Leia mais

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020 PROGRAMA OPERACIONAL INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO 18 de fevereiro de 2015 1 Coesão económica social e territorial Enquadramento Crescimento inteligente sustentável e inclusivo Estratégia Europa 2020 Agenda

Leia mais

O Consumo interno de materiais decresceu 11,7% em 2013

O Consumo interno de materiais decresceu 11,7% em 2013 Conta de Fluxos de Materiais -2013 19 de dezembro de 2014 O Consumo interno de materiais decresceu 11,7% em 2013 O Consumo interno de materiais decresceu 11,7% em 2013. Esta diminuição foi determinada

Leia mais

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço.

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço. ESTATÍSTICAS e m SÍNTESE Quadros de Pessoal O Relatório Único referente à informação sobre a atividade social da empresa, constitui uma obrigação anual, a cargo dos empregadores, com conteúdo e prazo de

Leia mais

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil,

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, «Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, Departamento de Estatísticas Demográficas e Sociais Serviço de Estatísticas Demográficas 07/10/2016

Leia mais

FICHA TÉCNICA AUTORIA DESIGN IMPRESSÃO TIRAGEM ISBN DEPÓSITO LEGAL EDIÇÃO. Relatório Síntese. Rita Espanha, Patrícia Ávila, Rita Veloso Mendes

FICHA TÉCNICA AUTORIA DESIGN IMPRESSÃO TIRAGEM ISBN DEPÓSITO LEGAL EDIÇÃO. Relatório Síntese. Rita Espanha, Patrícia Ávila, Rita Veloso Mendes Relatório Síntese FICHA TÉCNICA AUTORIA Rita Espanha, Patrícia Ávila, Rita Veloso Mendes DESIGN IP design gráfico, Lda. IMPRESSÃO Jorge Fernandes, Lda. TIRAGEM 200 exemplares ISBN 978-989-8807-27-4 DEPÓSITO

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD)

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) MEMO/11/406 Bruxelas, 16 de Junho de 2011 Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) Em férias nunca se sabe! Está a pensar viajar na UE ou na Islândia,

Leia mais

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010 Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares Gabinete de Estratégia e Planeamento PIB, emprego e produtividade 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0-6,0

Leia mais

Índice. 2. Alguns resultados 2.1. Universo 2.2. Cooperativas 2.3. Mutualidades. 3. Inquérito ao Trabalho Voluntário 24-10-2012 2

Índice. 2. Alguns resultados 2.1. Universo 2.2. Cooperativas 2.3. Mutualidades. 3. Inquérito ao Trabalho Voluntário 24-10-2012 2 título Autor Índice 1. Desenvolvimentos da Conta Satélite 1.1. Contas Nacionais (Base 2006) 1.2. Conta Satélite das Instituições Sem Fim Lucrativo (ISFL) - 2006 1.3. Conta Satélite da Economia Social -

Leia mais

Desemprego e regulação do mercado de trabalho. António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011

Desemprego e regulação do mercado de trabalho. António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011 Desemprego e regulação do mercado de trabalho António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011 Proposições fundamentais 1. O trabalho não pode ser tratado como uma mercadoria sem sérias consequências

Leia mais

ndicadores sobre a pobreza

ndicadores sobre a pobreza ndicadores sobre a pobreza Dados Europeus e Nacionais Atualização em Julho de 2011 EAPN Portugal /Rede Europeia Anti-Pobreza Rua de Costa Cabral, 2368 4200-218 Porto Telefone: 225 420 800 Fax: 225 403

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação com os dos restantes

Leia mais

Taxa de desemprego estimada em 11,9%

Taxa de desemprego estimada em 11,9% 5 de agosto de 215 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 215 Taxa de desemprego estimada em 11,9% A taxa de desemprego no 2º trimestre de 215 foi de 11,9%. Este valor é inferior em 1,8 pontos percentuais

Leia mais

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 31 de julho de 2014 Gastos Turísticos Internacionais 2013 O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 O gasto médio diário per capita (GMD pc ) dos visitantes

Leia mais

Sessão 6 A Economia Portuguesa

Sessão 6 A Economia Portuguesa Sessão 6 A Economia Portuguesa Neves (216) População portuguesa (império e emigração) após 1415 3 25 2 15 1 Africa Emig. PORTUGAL P+Ilhas P+Isl+Asia P+I+As+Brasil P+I+A+B+Afric P+Emp+Emi 5 Brasil continental

Leia mais

Direcção-Geral da Comunicação Direcção C - Relações com os Cidadãos UNIDADE DE ACOMPANHAMENTO DA OPINIÃO PÚBLICA EB71.3 ELEIÇÕES EUROPEIAS 2009

Direcção-Geral da Comunicação Direcção C - Relações com os Cidadãos UNIDADE DE ACOMPANHAMENTO DA OPINIÃO PÚBLICA EB71.3 ELEIÇÕES EUROPEIAS 2009 Direcção-Geral da Comunicação Direcção C - Relações com os Cidadãos UNIDADE DE ACOMPANHAMENTO DA OPINIÃO PÚBLICA 16/12/2009 EB71.3 ELEIÇÕES EUROPEIAS 2009 Sondagem pós-eleitoral Primeiros resultados: análise

Leia mais

SISTEMA DE APRENDIZAGEM EM PORTUGAL

SISTEMA DE APRENDIZAGEM EM PORTUGAL SISTEMA DE APRENDIZAGEM EM PORTUGAL Workshop de Formação Marta Pinto MentorTec Escola de Comércio do Porto, 17 março 2015 O Sistema Dual na Alemanha e Áustria O fenómeno do desemprego jovem Cerca de um

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal novembro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Informar para saber...saber para desenvolver.

Informar para saber...saber para desenvolver. INQUÉRITO AO EMPREGO 4º Trimestre de 2011 Serviço Regional de Estatística dos Açores Informar para saber......saber para desenvolver. INQUÉRITO AO EMPREGO 4º TRIMESTRE DE 2011 NOTA INTRODUTÓRIA A presente

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal IP/08/1397 Bruxelas, 25 de Setembro de 2008 Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal Como é que a UE vai conseguir que todos os europeus

Leia mais

Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos

Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos 27 de dezembro de 2012 Indicadores Sociais 2011 Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos Em Portugal, existe cada vez maior esperança média de vida à nascença.

Leia mais

arquitetura da Conta Satélite da Economia Social

arquitetura da Conta Satélite da Economia Social Índice Parte I Desenvolvimentos nas Contas Nacionais e a arquitetura da Conta Satélite da Economia Social Parte II Porquê uma nova Conta Satélite da Economia Social? 2 1 Índice Parte I 0. O que é uma Conta

Leia mais

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009 Direção-Geral da Comunicação Unidade do Acompanhamento da Opinião Pública Bruxelas, 13 de novembro de 2012 PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais

Leia mais

Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga

Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga Pedro Duarte Neves Preparado para o painel "A Sociedade da Informação em Portugal: Situação e Perspectivas de Evolução" Fórum para a Sociedade da Informação

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2017) 217 final - ANEXO 1.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2017) 217 final - ANEXO 1. Conselho da União Europeia Bruxelas, 12 de maio de 2017 (OR. en) 9046/17 ADD 1 EF 97 ECOFIN 351 AGRIFIN 50 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 8 de maio de 2017 para: Secretário-Geral da Comissão Europeia,

Leia mais

Energia: prioridades para a Europa Apresentação de J.M. Barroso,

Energia: prioridades para a Europa Apresentação de J.M. Barroso, Energia: prioridades para a Europa Apresentação de J.M. Barroso, Presidente da Comissão Europeia, ao Conselho Europeu de 22 de maio de 2013 Novas realidades do mercado mundial da energia Impacto da crise

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras FICHA TÉCNICA Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras Autoria Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatísticas da Educação (DSEE) Divisão

Leia mais

O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego

O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego NOTA INFORMATIVA O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego Previsões até 2025 apontam para diferenças significativas na oferta e procura de competências nos Estados-Membros Boas notícias.

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores por Conta de Outrem

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores por Conta de Outrem de Segurança Social Trabalhadores por Conta de Outrem Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção

Leia mais

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP)

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) 23/06/2008-14/08/2008 Existem 457 respostas em 457 que correspondem aos seus critérios A. Participação País DE - Alemanha 84 (18.4%) PL - Polónia

Leia mais

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento Inquérito à Situação Financeira das Famílias 2010 25 de maio de 2012 Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento O Inquérito à Situação Financeira

Leia mais

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Utilização da cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Mais de metade das famílias portuguesas ainda não dispõe de computador mas o parque informático dos agregados familiares

Leia mais

O EMPREGO NA EUROPA 2005 TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS. Síntese

O EMPREGO NA EUROPA 2005 TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS. Síntese Comissão Europeia, Employment in Europe 2005 Recent Trends and Prospects, Office for Official Publications of the European Communities, Luxemburgo, 2005, 301 pp.. O EMPREGO NA EUROPA 2005 TENDÊNCIAS RECENTES

Leia mais

A Comissão Europeia pretende reduzir significativamente as disparidades salariais entre homens e mulheres

A Comissão Europeia pretende reduzir significativamente as disparidades salariais entre homens e mulheres IP/10/236 Bruxelas, 5 de Março de 2010 A Comissão Europeia pretende reduzir significativamente as disparidades salariais entre homens e mulheres A Comissão Europeia tenciona lançar uma série de medidas

Leia mais

Proposta de fiscalidade sustentável para o tabaco Dr. Juan José Marco Jurado Director-Geral de Portugal Director de Assuntos Corporativos de Ibéria

Proposta de fiscalidade sustentável para o tabaco Dr. Juan José Marco Jurado Director-Geral de Portugal Director de Assuntos Corporativos de Ibéria Proposta de fiscalidade sustentável para o tabaco Dr. Juan José Marco Jurado Director-Geral de Portugal Director de Assuntos Corporativos de Ibéria Assembleia da República Comissão de Orçamento, Finanças

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Proposta de aplicação do Pagamento Redistributivo no Pedido Único (PU) Comentário da CAP

Proposta de aplicação do Pagamento Redistributivo no Pedido Único (PU) Comentário da CAP INFORMAÇÃO Outubro 2016 Proposta de aplicação do Pagamento Redistributivo no Pedido Único (PU) 2017. Comentário da CAP O Governo português apresentou uma proposta de implementação de um pagamento de 50

Leia mais

Inquérito Comunitário à Inovação

Inquérito Comunitário à Inovação Inquérito Comunitário à Inovação Principais resultados do CIS 2012 Amaro Vieira - Fórum Estatístico Lisboa, 4 de Dezembro de 2014 Introdução O CIS (Community Innovation Survey) Tipos de Inovação Questionário

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Aumentou a importância relativa das despesas em habitação nos orçamentos das famílias

Aumentou a importância relativa das despesas em habitação nos orçamentos das famílias Aumentou a importância relativa das despesas em habitação nos orçamentos das famílias A despesa anual média dos agregados familiares foi de 20 391, em 2010/2011, de acordo com os resultados definitivos

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.3.2011 COM(2011) 113 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Qualidade da gasolina e do combustível para motores diesel utilizados no transporte

Leia mais

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa IP/09/343 Bruxelas, 3 de Março de 2009 Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa A Comissão declarou hoje considerar prioritária

Leia mais

Conferência. Reforma da Fiscalidade Automóvel. Lisboa, 6 de Junho de 2007

Conferência. Reforma da Fiscalidade Automóvel. Lisboa, 6 de Junho de 2007 Conferência Reforma da Fiscalidade Automóvel 1 Lisboa, 6 de Junho de 2007 2 Proposta de Directiva da União Europeia Aponta para a transferência global da carga fiscal, nos automóveis, do momento da compra

Leia mais

Literacia Estatística ao serviço da Cidadania. Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem

Literacia Estatística ao serviço da Cidadania. Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem Serviço de Difusão Literacia Estatística ao serviço da Cidadania Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem Rede de Bibliotecas Escolares Formação para Professores fevereiro - maio.2012 Itinerário

Leia mais

Barómetro das Crises

Barómetro das Crises Barómetro das Crises 27-01-2015 Nº 12 O salário mínimo: a decência não é um custo A tendência dos últimos anos é de diminuição do peso dos ordenados e salários no Produto Interno Bruto (PIB). Por isso,

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 31.3.2015 COM(2015) 145 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Relatório sobre a aplicação do Regulamento (UE) n.º 211/2011 sobre a iniciativa de cidadania

Leia mais

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA UNIÃO EUROPEIA ESTADOS-MEMBROS Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE Fevereiro de 2011 FICHA TÉCNICA Título Informação Estatística União Europeia/Estados-membros,

Leia mais

Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho

Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho Anália Cardoso Torres Quatro ideias fundamentais. Grande valorização da família em todos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 29.7.2009 COM(2009) 409 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Relatório relativo à aplicação da Directiva 2002/73/CE do Parlamento

Leia mais

Private Debt Dívida Privada. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Banca e Seguros. Portugal Economy Probe (PE Probe)

Private Debt Dívida Privada. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Banca e Seguros. Portugal Economy Probe (PE Probe) dossiers Economic Outlook Private Debt Dívida Privada Last Update Última Actualização: 12/07/2016 Portugal Economy Probe (PE Probe) Prepared by PE Probe Preparado por PE Probe Copyright 2015 Portugal Economy

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 38% DAS PESSOAS COM IDADE ENTRE 16 E 74 ANOS CONTACTAM COM ORGANISMOS

Leia mais

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir IP/08/1831 Bruxelas, 28 de Novembro de 2008 Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir De acordo com um relatório publicado hoje pela Comissão Europeia,

Leia mais

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6 Relatório Síntese: Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Introdução ÍNDICE Qual a proporção de trabalhadores-estudantes no IST nos últimos 5 anos lectivos? 2 Qual a População-alvo deste inquérito? 2 A

Leia mais

Workshop Relatório Estratégico do QREN Balanço dos Resultados e de alguns Instrumentos INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA

Workshop Relatório Estratégico do QREN Balanço dos Resultados e de alguns Instrumentos INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA Workshop Relatório Estratégico do QREN 2012 - Balanço dos Resultados e de alguns Instrumentos INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA Carla Leal Instituto Financeiro Desenvolvimento Regional, IP 30 abril

Leia mais

Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos

Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos Nas 159 cidades portuguesas residiam 4,5 milhões de indivíduos, o que correspondia a 42% da população residente em Portugal

Leia mais

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Responsabilidade Social em Portugal 2013 Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos ÍNDICE Sumário Executivo Introdução Caracterização Social Vínculo laboral dos

Leia mais

A POUPANÇA ENTRE O INVESTIMENTO E A REFORMA ANÁLISE DAS VARIÁVEIS RELEVANTES

A POUPANÇA ENTRE O INVESTIMENTO E A REFORMA ANÁLISE DAS VARIÁVEIS RELEVANTES ANÁLISE DAS VARIÁVEIS RELEVANTES 07-07-2017 A B C ENQUADRAMENTO O PAPEL DA POUPANÇA NO INVESTIMENTO A POUPANÇA DAS FAMÍLIAS C.1 C.2 C.3 C.4 C.5 IMPOSTOS E TRANSFERÊNCIAS EXTERNAS CONSUMO E ENDIVIDAMENTO

Leia mais

Debates sobre a Estratégia de Lisboa

Debates sobre a Estratégia de Lisboa Debates sobre a Estratégia de Lisboa Crescimento e Emprego Juntos a trabalhar pela Europa do futuro 2006-2008 Data de actualização: 19 de Dezembro de 2007 Em parceria: Alto Patrocínio: Debates sobre a

Leia mais

Matriz Portugal 2020 para IPSS Outros Apoios

Matriz Portugal 2020 para IPSS Outros Apoios Revisão 1 : 29/12/2015 PO PO Estagiar T (Açores) 31/07/15 30/11/15 01/04/16 Programa de Incentivo à inserção do estagiar L e T - 31/07/15 30/12/15 02/05/16 PIIE Estágios Madeira 31/07/15 30/11/15 01/04/16

Leia mais

Compreender a gestão dos riscos psicossociais e a participação dos trabalhadores através do Esener

Compreender a gestão dos riscos psicossociais e a participação dos trabalhadores através do Esener PT A segurança e saúde no trabalho diz respeito a todos. Bom para si. Bom para as empresas. Compreender a gestão dos riscos psicossociais e a participação dos trabalhadores através do Esener Uma síntese

Leia mais

Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO. Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO. Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO Aspetos Gerais; População Residente Inativa; População Residente Ativa; Pessoas ao Serviço e Trabalhadores por Conta de Outrem; Remunerações; Duração

Leia mais

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Resultados definitivos Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Temas em Análise População Família Parque Habitacional 1 População 2 População Residente À data do momento censitário

Leia mais

O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS

O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS CONFERÊNCIA COMEMORATIVA DOS 30 ANOS DO IVA EM PORTUGAL II Painel: O funcionamento do IVA: A experiência do funcionamento do imposto em Portugal O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS Jorge Oliveira*

Leia mais

ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO E DA AÇÃO INSPETIVA ESTATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados

ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO E DA AÇÃO INSPETIVA ESTATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO DA AÇÃO ISPTIVA STATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados R QUADROS D PSSOAL (Relatório Único Anexo A) A regulamentação do Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/29 de

Leia mais

JOVENS NO PÓS SECUNDÁRIO 2011

JOVENS NO PÓS SECUNDÁRIO 2011 JOVENS NO PÓS SECUNDÁRIO 2011 Ficha Técnica Título Jovens no Pós 2011 Autoria Centro de Investigação e Estudos em Sociologia Instituto Universitário de Lisboa Fernando Luís Machado (coord.); David Nóvoas;

Leia mais

Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012

Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 O relatório Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 consiste numa análise abarangente dos sistemas de ensino

Leia mais

Perfis de Operadores Privados de Televisão

Perfis de Operadores Privados de Televisão Perfis de Operadores Privados de Televisão (resultados gerais) Janeiro 2014 Publicações OberCom ISSN 2182-6722 0 Índice Sumário Executivo..2 Perfis de Operadores Privados de Televisão (resultados gerais)...3

Leia mais

Portugal: ambientes online de crianças e jovens. Resultados do Projecto EU Kids Online, Conferência nacional, 04.02. 2011 Cristina Ponte, FCSH-UNL

Portugal: ambientes online de crianças e jovens. Resultados do Projecto EU Kids Online, Conferência nacional, 04.02. 2011 Cristina Ponte, FCSH-UNL Portugal: ambientes online de crianças e jovens Resultados do Projecto EU Kids Online, Conferência nacional, 04.02. 2011 Cristina Ponte, FCSH-UNL Estrutura 1) Contextos familiares 2) Acesso à internet

Leia mais

Direção Regional de Estatística da Madeira

Direção Regional de Estatística da Madeira 29 de dezembro de 2014 GASTOS TURÍSTICOS INTERNACIONAIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ANO DE 2013 Nota introdutória O Inquérito aos Gastos Turísticos Internacionais (IGTI) foi uma operação estatística

Leia mais

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 26 de setembro de 2012 A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 Empresas agrícolas: o futuro da agricultura portuguesa? As 43 972 empresas da atividade agrícola (divisão 01 da CAE Rev.3)

Leia mais

Definições e alguns aspetos da codificação e validação

Definições e alguns aspetos da codificação e validação Definições e alguns aspetos da codificação e validação 1 Número do processo Número associado ao aluno pelo estabelecimento de ensino superior. Preferencialmente, o número do processo do aluno associado

Leia mais

Newsletter Informação Mensal - MAIO 2017

Newsletter Informação Mensal - MAIO 2017 PREÇOS DO LEITE À PRODUÇÃO - Preços Médios Mensais (Leite de vaca cru com teores reais de matérias gordas e proteínas) Newsletter Informação Mensal - MAIO As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas

Leia mais

Newsletter Informação Mensal - JUNHO 2017

Newsletter Informação Mensal - JUNHO 2017 PREÇOS DO LEITE À PRODUÇÃO - Preços Médios Mensais (Leite de vaca cru com teores reais de matérias gordas e proteínas) Newsletter Informação Mensal - JUNHO As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas

Leia mais

Projectos e Trajectos

Projectos e Trajectos PROCESSOS DE RECOMPOSIÇÃO SOCIAL E RECONFIGURAÇÃO CULTURAL Projectos e Trajectos Jovens descendentes de imigrantes Jovens com baixa qualificação e experiência profissional Imigrantes profissionais JOVENS

Leia mais

Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0

Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0 IP/08/1422 Bruxelas, 29 de Setembro de 2008 Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0 A Europa pode liderar a Internet da próxima geração.

Leia mais

Inquérito mede o pulso à saúde em linha na Europa e receita uma maior utilização das TIC pela classe médica

Inquérito mede o pulso à saúde em linha na Europa e receita uma maior utilização das TIC pela classe médica IP/08/641 Bruxelas, 25 de Abril de 2008 Inquérito mede o pulso à saúde em linha na Europa e receita uma maior utilização das TIC pela classe médica A Comissão Europeia publicou hoje as conclusões de um

Leia mais

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado Construção: Obras licenciadas e concluídas 4º Trimestre de 2015 - Dados preliminares 15 de março de 2016 Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado No 4º trimestre de 2015 os edifícios

Leia mais

PERFIL DO ALUNO 2008/2009

PERFIL DO ALUNO 2008/2009 PERFIL DO ALUNO 2008/2009 FICHA TÉCNICA Título Perfil do Aluno 2008/2009 Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística

Leia mais

Newsletter Informação Mensal - MARÇO 2016

Newsletter Informação Mensal - MARÇO 2016 PREÇOS DO LEITE À PRODUÇÃO - Preços Médios Mensais PRODUTO (Leite de vaca cru com teores reais de matérias gordas e proteínas) Newsletter Informação Mensal - MARÇO dezembro As Newsletter do SIMA podem

Leia mais

A fecundidade em Portugal: Como seria sem as mulheres imigrantes?

A fecundidade em Portugal: Como seria sem as mulheres imigrantes? A fecundidade em Portugal: Como seria sem as mulheres imigrantes? MADALENA RAMOS, ISCTE-IUL, CIES-IUL (madalena.ramos@iscte.pt) ANA CRISTINA FERREIRA, ISCTE-IUL, DINÂMIA/CET-ISCTE-IUL (cristina.ferreira@iscte.pt)

Leia mais

A REDE EUROPEIA DE CICLOVIAS EUROVELO

A REDE EUROPEIA DE CICLOVIAS EUROVELO DIRECÇÃO-GERAL DAS POLÍTICAS INTERNAS DEPARTAMENTO TEMÁTICO B: POLÍTICAS ESTRUTURAIS E DE COESÃO TRANSPORTES E TURISMO A REDE EUROPEIA DE CICLOVIAS EUROVELO SÍNTESE Resumo A presente atualização do relatório

Leia mais