CURSOS ON-LINE - ESTATÍSTICA BÁSICA CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO CARVALHO AULA 02

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSOS ON-LINE - ESTATÍSTICA BÁSICA CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO CARVALHO AULA 02"

Transcrição

1 Olá, amigos! AULA 02 Tudo bem com vocês? E aí, revisaram a aula passada? Espero que sim. Bem como espero que tenham resolvido as questões que ficaram pendentes! A propósito, vamos iniciar nossa aula de hoje comentando-as. Vamos a elas. Dever de Casa Identificar a coluna de freqüência fornecida na Distribuição e, se for o caso, fazer o trabalho necessário para chegar aos valores da freqüência absoluta simples fi. 01. (AFRF 200) Considere a tabela de freqüências seguinte correspondente a uma amostra da variável X. Não existem observações coincidentes com os extremos das classes. Freqüências Acumuladas (%) Sol.: Esta Distribuição de Freqüências fornecida pela prova acima apresentou-nos duas colunas: a das classes e uma outra, a qual chamou de freqüências acumuladas, seguido de um sinal de porcentagem. Ora, aprendemos que este sinal de porcentagem é um indicativo de que estamos diante de uma freqüência relativa. Uma vez que foi revelado, expressamente, que se trata de freqüências acumuladas, restaram-nos duas alternativas: Freqüência relativa acumulada crescente (Fac); ou Freqüência relativa acumulada decrescente (Fad). Para saber se é uma ou outra, basta examinarmos os valores da coluna: eles estão crescendo ou decrescendo? Crescendo! Daí, matamos a charada: a freqüência fornecida na tabela foi a Fac Freqüência Relativa Acumulada Crescente. Esse será sempre o primeiro passo: identificar a freqüência trazida pela prova. O segundo passo é fazer o trabalho preliminar, que consiste em migrar da freqüência apresentada na tabela para a coluna da freqüência absoluta simples fi. Relembrando o desenho das transformações que criamos na aula passada, teremos:

2 4 fi De simples para acumulada: somar com a diagonal fac (iguais na primeira classe) fad (iguais na última classe) (comparam-se os dois somatórios) Fac (iguais na primeira classe) Fi Fad (iguais na última classe) De acumulada para simples: próxima acumulada acumulada anterior Nosso trabalho preliminar se fará, neste caso, em dois passos: 1º) Passaremos da Fac para a Fi (freqüência relativa simples); 2º) Passaremos da Fi para a fi. Fazendo isso, teremos: Fac Fi % 5% % 11% % 2% % 5% % 12% % 11% Sabemos que nesta transformação que fizemos acima, as duas freqüências (Fac e Fi) são iguais na primeira classe, e o restante da coluna da Fi se constrói subtraindo: próxima acumulada menos a acumulada anterior. Ficou claro para todos? (Isso aprendemos na aula passada!). Agora vamos aos finalmentes: partindo da Fi construiremos a coluna da fi. Aprendemos que, de simples para simples, teremos apenas que nos concentrar no somatório destas duas colunas! Lembrados? Sabemos que o somatório da coluna da freqüência relativa simples (Fi) será sempre igual a 100%. E que o somatório da freqüência absoluta simples (fi) é sempre igual a n (número de elementos do conjunto).

3 5 É nesse instante que nos cabe reler o enunciado, para ver o que foi dito acerca deste n. Foi dito alguma coisa no enunciado? Não! A questão não revelou quantos elementos há neste conjunto! O que fazer agora? Neste caso, adotaremos n=100. Essa foi a pergunta de uma colega do Fórum. Embora talvez sem o destaque necessário, essa informação foi apresentada na aula 1. Ok? Para frisar mais adequadamente este fato, ei-lo novamente: Sempre que estivermos trabalhando com as duas colunas freqüências simples, construindo a fi a partir da Fi, precisaremos conhecer o n (número de elementos do conjunto). Caso este n não tenha sido fornecido pelo enunciado, adotaremos apenas que n=100. Certo agora? Daí, facilmente verificamos que os valores da fi (freqüência absoluta simples) serão iguais aos da Fi (freqüência relativa simples), apenas tirando o sinal de porcentagem! Teremos: Fac Fi fi % 5% % 11% % 2% % 5% % 12% % 11% % n=100 É isso! Está feito. Próxima questão. 02. (IRB-Brasil Resseguros S.A ESAF) Na distribuição de freqüências abaixo, não existem observações coincidentes com os extremos das classes. Classe Freqüência Acumulada 129,5-19,5 4 19,5-149, ,5-159, ,5-19,5 4 19,5-179, ,5-189, ,5-199,5 100 Sol.: Este enunciado apresentou-nos, além da coluna das classes, uma outra que foi dita freqüência acumulada. Pergunta: houve algum sinal indicativo de freqüência relativa? O enunciado falou expressamente que é relativa? Não! Existe sinal de porcentagem no cabeçalho da coluna? Não! Existe sinal de porcentagem ao longo dos valores da coluna? Não! Conclusão inicial: não se trata de uma freqüência relativa, mas absoluta!

4 Foi dito expressamente que é uma freqüência acumulada. Assim, sabendo que é absoluta e que é acumulada, restam-nos duas alternativas: ou será freqüência absoluta acumulada crescente (fac); ou freqüência absoluta acumulada decrescente (fad). Para saber qual das duas, basta vermos os valores da coluna, se estão aumentando ou diminuindo. E aí? Estão aumentando! Conclusão final: estamos diante de uma coluna de freqüência absoluta acumulada crescente (fac). Uma perguntinha: de antemão, apenas olhando para os valores desta nossa fac, já é possível afirmar quem é o n (número de elementos do conjunto)? O que você responde? SIM. Pois a fac termina sempre com o n. Daí, já sabemos que n=100 elementos. Ok? Pois bem! Precisaremos agora realizar o trabalho preliminar, no sentido de transformarmos a fac na fi (freqüência absoluta simples). Fazendo isso, teremos: Classe fac fi 129,5-19, ,5-149, ,5-159, ,5-19, ,5-179, ,5-189, ,5-199, Qual o indicativo de que acertamos nos valores da fi? Ora, somando os seus valores, o resultado da soma terá que ser igual a n. E n, conforme vimos acima, é igual a 100. Vamos conferir? Classe fac fi 129,5-19, ,5-149, ,5-159, ,5-19, ,5-179, ,5-189, ,5-199, n=100 Está feito! Próxima! 0. (AFRF ) Para a solução das duas próximas questões utilize o enunciado que segue. O atributo do tipo contínuo X, observado como um inteiro, numa amostra de tamanho 100 obtida de uma população de 1000 indivíduos, produziu a tabela de freqüências seguinte: Freqüência (f) 29,5-9,5 4 9,5-49,5 8

5 49,5-59, ,5-9,5 20 9,5-79,5 2 79,5-89, ,5-99, Sol.: Nossa análise começará sempre no sentido de sabermos se a coluna fornecida na tabela da prova é de freqüências absolutas ou relativas. Certo? No caso acima, não está presente nenhum sinal indicativo de freqüências relativas. Daí, concluímos que se trata de uma freqüência absoluta! Ora, diante disso, temos ainda três possibilidades: ou será freqüência absoluta simples (fi); ou freqüência absoluta acumulada crescente (fac); ou freqüência absoluta acumulada decrescente (fad). Foi dito em algum lugar do enunciado que esta coluna é de freqüências acumuladas? Não! Logo, por via de exceção, estamos diante de uma freqüência absoluta simples (fi). Assim sendo, não há qualquer trabalho preliminar exigido para esta tabela. Já poderíamos começar a resolver a prova! Ok? Curiosamente, esta coluna de freqüência absoluta simples fornecida nesta Distribuição de Freqüências é exatamente a mesma a qual chegamos no exemplo anterior. Perceberam? Uma mera coincidência! Pois bem. Está feito! O quarto exercício que eu havia deixado para casa, por displicência minha (peço desculpas!) foi o repeteco da questão 2. Não tem problema. Creio que frisei convenientemente a importância disso tudo o que aprendemos na aula passada! Saber reconhecer a necessidade de realizar o trabalho preliminar e saber fazê-lo é algo que se tornou a alma da prova! Bem. O fato é que já conhecemos a alma da prova, mas ainda não sabemos resolver nenhuma questão dela sequer...! Não seja por isso. Vamos aprender agora! Suponhamos que estamos diante de uma Distribuição de Freqüências, que representa os pesos de um grupo de crianças. Ok? Teremos: (pesos, em Kg) 0! ! ! ! fi 7 4 n=20 É o mesmo exemplo que usamos na aula anterior. Se eu lhes perguntar quantas crianças deste conjunto apresentam peso abaixo de vinte quilos, o que você me responderia? Ora, você iria analisar a tabela, e concluiria que as duas primeiras classes participam desta resposta. Concordam?

6 8 A primeira classe contempla crianças com peso de zero a dez quilos. (Abaixo, portanto, de vinte quilos). A segunda classe contempla crianças com peso de dez a vinte quilos (vinte exclusive!). São pesos abaixo de vinte quilos. Certo? Da terceira classe em diante, os pesos contemplados já superam aquele valor (20kg). Assim, ficou fácil verificar que são nove as crianças do conjunto com peso inferior a vinte quilos! (Três crianças na primeira classe, e seis na segunda). Até aqui tudo bem? Essa não será a pergunta da prova! Vou propor outra questão: quantas crianças neste conjunto apresentam peso acima de vinte quilos? Ora, uma rápida olhada na tabela já nos fará concluir que participarão desta resposta os elementos contidos na terceira e na quarta classe! Todos viram isso? Daí, responderemos que há onze crianças com peso superior a vinte quilos: sete na terceira classe, e quatro na última. Esta também não será a pergunta da prova! Professor, deixe de suspense e diga logo como virá na prova! Na prova virá assim: Quantos elementos (crianças) desse conjunto apresentam peso abaixo de doze quilos? Vamos ver mais de perto nossa Distribuição de Freqüências: (pesos, em Kg) 0! ! ! ! fi 7 4 n=20 Esta é uma pergunta típica de prova! Para respondê-la, faremos a seguinte análise: Abaixo de doze quilos: a primeira classe participa da resposta? O que você diz? Sim! Mas participa de forma integral ou apenas parcialmente? Vemos que a primeira classe participa integralmente do resultado! Concordam? Claro! Se ela contempla pesos que vão de zero a dez quilos, significa que seus elementos todos apresentam pesos abaixo de doze quilos. Certo? Adiante. Abaixo de doze quilos: a segunda classe participa da resposta? Olhe, analise e responda! Diremos que sim, que a segunda classe participa da resposta! Parcialmente ou integralmente? Parcialmente, uma vez que esta classe contempla pesos que vão de 10 a 20 quilos. Daí, abaixo de 12 quilos, teremos apenas uma parte desta classe! Até aqui, tudo bem? Pois bem! Descoberta qual é a classe que entra apenas parcialmente no resultado, trabalharemos com ela para descobrir justamente qual é esta participação! Façamos um desenho desta classe. Teremos: 10!

7 9 O que faremos agora é uma regra de três: amplitude da classe (h) está para freqüência absoluta simples (fi). Teremos: 10! h fi Na primeira linha da regra de três, trabalharemos com a classe inteira! Qual é a amplitude (h) desta classe inteira? É h=10. Concordam? E nesta classe inteira, há quantos elementos? Temos que fi=. Daí, já dispomos dos valores da primeira linha. Teremos: 10! h fi Já na segunda linha da regra de três, trabalharemos com a classe quebrada! O que é a classe quebrada? É só o pedaço da classe que nos interessa! E qual é a parte que nos interessa nesta classe? Apenas os pesos abaixo de 12 quilos. Assim, teremos: 10! Qual é a amplitude desta classe quebrada? Ora, de 10 até 12, teremos amplitude igual a 2. E neste pedaço menor (que nos interessa), quantos elementos há? Não sabemos! Vamos chamar de x. Assim, nossa regra de três completa será a seguinte: h fi x Agora basta multiplicarmos cruzando, para descobrirmos o valor do x. Este será exatamente a participação da segunda classe no resultado. Teremos: 10x=12 x=12/10 x=1,2 Ou seja, nesta segunda classe, o número de crianças com peso abaixo de doze quilos é apenas de 1,2. Resta-nos ainda compor o resultado. Teremos: (pesos, em Kg) 0! ! ! ! fi 7 4 n=20 entra integralmente no resultado: elementos entra parcialmente no resultado: 1,2 elementos Total: 4,2 elementos

8 10 Chegamos à resposta: estima-se que 4,2 crianças desse conjunto apresentam peso abaixo de doze quilos! Duas observações a se fazer. Primeiro: este cálculo que fizemos acima é uma mera estimativa! Claro! Quem pode garantir que as seis crianças que participam da segunda classe não pesam, todas elas, 18 quilos, por exemplo? Ninguém pode garantir nada! Assim, estaremos trabalhando com valores estimados! Ok? A segunda observação surge de uma pergunta que sempre alguém faz em sala de aula. (Geralmente, é pergunta de alguma garota, que se vê muito penalizada com a situação!). Professor, pode partir a criança no meio? Claro! Não só ao meio, como em vários pedacinhos pequenos! E ninguém vai chamar você de Herodes por isso! São apenas cálculos estatísticos! Ok? O que eu ainda não disse a vocês é o título que se dá a este assunto! A rigor, esta questão de prova iria lhes perguntar da seguinte maneira: Calcule a estimativa do número de elementos (crianças) desse conjunto que apresentam peso abaixo de doze quilos, usando a interpolação linear da ogiva! É isso mesmo! Ora, fazer a interpolação linear da ogiva é, nada mais, que fazer a regra de três que aprendemos acima! O nome do assunto é muito mais difícil que a própria resolução da questão! Mas, professor, o que é esse negócio de ogiva? A ogiva é um tipo de gráfico estatístico. Na hora certa e no momento oportuno eu a apresentarei a vocês. Ok? Por hora, não precisamos deste conceito. Ficou demonstrado que você pode (e vai!) acertar essa questão, mesmo sem conhecer a tal da ogiva. Passemos a outro exemplo, trabalhando com a mesma tabela que acabamos de usar. Ok? Vamos lá. Exemplo: Considerando a Distribuição de Freqüências abaixo, determine qual a estimativa da porcentagem de elementos (crianças) do conjunto que apresentam peso acima de 28 quilos, usando a interpolação linear da ogiva? Eis novamente a nossa Distribuição de Freqüências: (pesos, em Kg) 0! ! ! ! fi 7 4 n=20 Vocês perceberam que está em destaque no enunciado a palavra porcentagem. A questão não quer saber um número de elementos, e sim um valor percentual! Assim, teremos que trabalhar com a coluna da Freqüência Relativa Simples (Fi). Já sabemos como construir a Fi, partindo da freqüência absoluta simples (fi). Basta compararmos os dois somatórios. Teremos: (pesos, em Kg) 0! ! fi Fi 15% 0%

9 20! % 0! % n=20 100% x5 11 Pois bem! Esse trabalho já era nosso conhecido. Agora vamos analisar aquilo que a questão quer saber: pesos acima de 28 quilos. Acima de 28 quilos: a primeira classe participa da resposta? Não! Nem integralmente, nem parcialmente; Acima de 28 quilos: a segunda classe participa da resposta? Também não! Nem integralmente, nem parcialmente; Acima de 28 quilos: a terceira classe participa da resposta? Sim! Só que de uma forma parcial. Concordam? Já que essa classe contempla pesos que vão de 20 a 0 quilos, teremos que só uma parte dela estará acima de 28 quilos. Acima de 28 quilos: a quarta classe participa da resposta? Sim, integralmente, com 20% das crianças! Daí, o que nos resta fazer é trabalhar com a classe que entra só parcialmente no resultado (a terceira classe), a fim de descobrirmos qual é esta participação! Novamente, faremos uma regra de três. A única diferença deste exemplo para o anterior, é que aqui estamos interessados em um valor percentual. Destarte, em vez de usar a freqüência absoluta simples (fi) na regra de três, usaremos a Freqüência Relativa Simples (Fi). Somente isso! Teremos: 20! h Fi A primeira linha da regra de três será formada levando-se em consideração a classe inteira! Teremos, na classe inteira, uma amplitude de h=10 e 5% dos elementos do conjunto. Daí: 20! h Fi % A segunda linha da regra de três levará em conta apenas a classe quebrada, ou seja, aquele pedaço da classe que nos interessa! E o que nos interessa aqui? Elementos com peso acima de 28 quilos. Teremos: 20! Nesta classe quebrada, a amplitude é 2 e o percentual de elementos nesta amplitude é desconhecido, de sorte que o chamaremos de x. Assim, nossa regra de três completa será a seguinte: h Fi

10 % x% 12 Multiplicando em cruz, teremos que: X=(70/10) X=7% Este X é a própria participação (em termos percentuais) da terceira classe no resultado que procuramos! Compondo o resultado inteiro, teremos: (pesos, em Kg) 0! ! ! ! fi 7 4 Fi 15% 0% 5% 20% entra parcialmente no resultado: 7% dos elementos entra integralmente no resultado: 20% dos elementos n=20 100% Total: 27% dos elementos Chegamos à resposta: estima-se que 27% das crianças desse conjunto apresentam peso acima de vinte e oito quilos. Ficou claro? Passemos a mais um exemplo! Exemplo: Considerando a Distribuição de Freqüências abaixo, determine qual o valor da variável X (qual o peso) que não é superado por cerca de 70% das observações? Mais uma vez aqui está a Distribuição de Freqüências: (pesos, em Kg) 0! ! ! ! fi 7 4 n=20 Este tipo de enunciado é diferente dos que vimos até aqui! Nos anteriores, a questão fornecia um limite qualquer dentro de uma das classes, e perguntava ou pelo número de elementos ou pelo percentual de elementos que havia acima ou abaixo daquele limite. Agora o raciocínio é inverso: a questão fornece um valor percentual qualquer, e quer saber, em outras palavras, qual é o valor dentro das classes que corresponde àquele percentual. Precisamos agora aprender a fazer a tradução da pergunta desta questão. É fácil: sempre que o enunciado perguntar Qual é o valor da variável X que não é superado por tanto por cento...?, nós traduziremos esta pergunta da seguinte forma:

11 1 Qual é o valor, inserido numa das classes, que corresponde a um acumulado de tanto por cento? Entendido? Vamos devagarzinho, para que todos entendam. Nossa questão pergunta: qual o valor do peso não superado por 70% das observações? Nossa tradução é esta: qual o valor, inserido numa das classes, que corresponde a um acúmulo de 70%? Uma vez compreendido como se faz a tradução, vamos construir agora em nossa tabela as colunas da Fi e da Fac. Teremos: (pesos, em Kg) 0! ! ! ! fi Fi Fac % 0% 5% 20% n=20 100% 15% 45% 80% 100% Vamos pensar! Começando pela primeira classe, se avançarmos até o seu limite superior (10), já teremos acumulado quantos por cento dos elementos do conjunto? Ora, teremos acumulado até aí 15% dos elementos. Confere? Daí, se a questão estivesse perguntando: qual o valor dentro das classes que não é superado por 15% das observações?, nossa resposta seria: 10. Mas não é esta a pergunta da questão! Adiante! Se avançarmos agora toda a segunda classe, chegando até seu limite superior (20), já teremos acumulado quantos por cento dos elementos? Ora, esta segunda classe sozinha possui 0% dos elementos. Confere? Daí, atingindo seu limite superior, já passamos a acumular 45% dos elementos do conjunto! Daí, se a questão estivesse perguntando: qual o valor dentro das classes que não é superado por 45% das observações?, nossa resposta seria: 20. Mas esta também não foi a pergunta da questão! Adiante! Avançando agora toda a terceira classe, até chegarmos ao seu limite superior (0), já teremos acumulado que percentual dos elementos do conjunto? 80%. Confere? Ora, mas eu não quero acumular 80%. Quero acumular apenas 70%. Daí, você conclui: o peso que corresponde a um acúmulo de 70% dos elementos do conjunto é um valor inserido na terceira classe! Claro! Analisemos os limites desta classe: Limite inferior: 20 corresponde a um acumulado de 45% dos elementos; Limite superior: 0 corresponde a um acúmulo de 80% dos elementos. Logo, correspondendo a um acumulado de 70% (que é o que a questão está pedindo), haverá um valor qualquer inserido nesta classe! Ufa...! Todos entenderam por que a resposta que procuramos mora na terceira classe? Pois bem! Sabendo disso, tomaremos a classe descoberta e faremos uma regra de três simples. A seguinte: 20!

12 h Fi 14 A primeira linha desta regra de três já é nossa conhecida. Será preenchida considerando-se a classe inteira. Teremos: 20! h Fi % A segunda linha é que será novidade. Teremos agora que fazer a linha do avanço! Como é isso? Ora, já havíamos acumulado, até chegarmos ao limite inferior desta classe (20), um total de 45% dos elementos do conjunto. Certo? Assim, de 45%, teremos que avançar mais quantos por cento até atingirmos um acúmulo de 70%? Ora, de 45% para 70%, teremos que avançar mais 25%, dentro daquela classe! Daí, um avanço de 25% na terceira classe corresponderá Ea um avanço de x. A regra de três completa será, pois, a seguinte: h Fi % x % Multiplicando em cruz, teremos que: X=(250/5) X=7,14 Esse x que obtivemos é o valor que terá que ser somado ao limite inferior da terceira classe! É o valor do avanço! Assim, teremos que: Linf + 7,14 = ,14 = 27,14 Eis a nossa resposta! Esse peso 27,14 quilos corresponde a um acúmulo de 70% dos elementos do conjunto! É o peso não superado por 70% dos elementos! É isso! Por meio do entendimento dos três exemplos comentados acima, você já está apto a resolver qualquer questão que trate deste assunto a interpolação linear da ogiva. São todos enunciados repetitivos! Recaem todos eles nestes três modelos que apresentamos nos exercícios anteriores. Ok? Então, convém que você revise com carinho esta aula de hoje e, em seguida, que você tente resolver as questões que deixarei propostas para esta semana! Ok?

13 Na seqüência, apresento-lhes o nosso Dever de Casa. Um forte abraço a todos, bons estudos e até semana que vem! 15 Dever de Casa 0. (AFRF-2000) Utilize a tabela que se segue. Freqüências Acumuladas de Salários Anuais, em Milhares de Reais, da Cia. Alfa de Salário Freqüências Acumuladas ( ; ] 12 ( ; 9] 0 (9 ; 12] 50 (12 ; 15] 0 (15 ; 18] 5 (18 ; 21] 8 Suponha que a tabela de freqüências acumuladas tenha sido construída a partir de uma amostra de 10% dos empregados da Cia. Alfa. Deseja-se estimar, utilizando interpolação linear da ogiva, a freqüência populacional de salários anuais iguais ou inferiores a R$ 7.000,00 na Cia. Alfa. Assinale a opção que corresponde a este número. a) 150 b) 120 c) 10 d) 10 e) (AFRF-2002) Em um ensaio para o estudo da distribuição de um atributo financeiro (X) foram examinados 200 itens de natureza contábil do balanço de uma empresa. Esse exercício produziu a tabela de freqüências abaixo. A coluna representa intervalos de valores de X em reais e a coluna P representa a freqüência relativa acumulada. Não existem observações coincidentes com os extremos das classes. P (%) Assinale a opção que corresponde à estimativa da freqüência relativa de observações de X menores ou iguais a 145. a) 2,5% d) 45,0% b) 70,0% e) 5,4% c) 50,0% 05. (AFRF ) O atributo do tipo contínuo X, observado como um inteiro, numa amostra de tamanho 100 obtida de uma população de 1000 indivíduos, produziu a tabela de freqüências seguinte: Freqüência

14 (f) 29,5-9,5 4 9,5-49,5 8 49,5-59, ,5-9,5 20 9,5-79,5 2 79,5-89, ,5-99, Assinale a opção que corresponde à estimativa do número de indivíduos na população com valores do atributo X menores ou iguais a 95,5 e maiores do que 50,5. a) 700 d) 995 b) 8 e) 900 c) (AFRF 200) Considere a tabela de freqüências seguinte correspondente a uma amostra da variável X. Não existem observações coincidentes com os extremos das classes. Freqüências Acumuladas (%) Assinale a opção que corresponde à estimativa do valor x da distribuição amostral de X que não é superado por cerca de 80% das observações. a) d) b) e) c) (IRB-Brasil Resseguros S.A ESAF) Na distribuição de freqüências abaixo, não existem observações coincidentes com os extremos das classes. Classe Freqüência Acumulada 129,5-19,5 4 19,5-149, ,5-159, ,5-19,5 4 19,5-179, ,5-189, ,5-199,5 100 Assinale a opção que corresponde à estimativa, via interpolação da ogiva, do número de observações menores ou iguais ao Valor 14. a) 4 b) 2 c) 72 d) 5 e) (FTE-PA-2002/ESAF) A tabela de freqüências abaixo apresenta as freqüências acumuladas (F) correspondentes a uma amostra da distribuição dos salários anuais de economistas (Y) em R$ 1.000,00, do departamento de fiscalização da Cia. X. Não existem realizações de Y coincidentes com as extremidades das classes salariais. F 29,5-9,5 2 9,5-49,5

15 49,5-59,5 1 59,5-9,5 2 9,5-79,5 79,5-89, ,5-99, Assinale a opção que corresponde ao valor q, obtido por interpolação da ogiva, que, estima-se, não é superado por 80% das realizações de Y. a) 82,0 b) 80,0 c) 8,9 d) 74,5 e) 84,5 09. (FTE-Piauí-2001/ESAF) A Tabela abaixo mostra a distribuição de freqüência obtida de uma amostra aleatória dos salários anuais em reais de uma firma. As freqüências são acumuladas. de Salário Freqüências ( ) 12 ( ) 28 ( ) 52 ( ) 74 ( ) 89 ( ) 97 ( ) 100 Deseja-se estimar, via interpolação da ogiva, o nível salarial populacional que não é ultrapassado por 79% da população. Assinale a opção que corresponde a essa estimativa. a) R$ ,00 d) R$ ,00 b) R$ 9.500,00 e) R$ ,00 c) R$ , (Oficial de Justiça Avaliador TJ CE 2002 / ESAF) A tabela abaixo apresenta a distribuição de freqüências do atributo salário mensal medido em quantidade de salários mínimos para uma amostra de 200 funcionários da empresa X. Note que a coluna refere-se a classes salariais em quantidades de salários mínimos e que a coluna P refere-se ao percentual da freqüência acumulada relativo ao total da amostra. Não existem observações coincidentes com os extremos das classes. P Assinale a opção que corresponde à aproximação de freqüência relativa de observações de indivíduos com salários menores ou iguais a 14 salários mínimos. a) 5% d) 0% b) 50% e) 70% c) 80% 11. (Auditor do Tesouro Municipal - Recife 200/ ESAF) O quadro seguinte apresenta a distribuição de freqüências da variável valor do aluguel (X) para uma amostra de 200 apartamentos de uma região metropolitana de certo município. Não existem observações coincidentes com os extremos das classes. Assinale a opção que corresponde à estimativa do valor x tal que a freqüência relativa de observações de X menores ou iguais a x seja 80%. R$ Freqüências

16 a) 50 b) 50 c) 590 d) 578 e) 575

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões de Raciocínio Lógico-Matemático da prova de Técnico de Atividade Judiciária do

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Sérgio Carvalho Matemática Financeira

Sérgio Carvalho Matemática Financeira Sérgio Carvalho Matemática Financeira Resolução Matemática Financeira ICMS-RJ/2008 Parte 02 33. Uma rede de lojas, que atua na venda de eletrônicos, anuncia a venda de notebook da seguinte forma: - R$

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/1/011 pelo CEPERJ 59. O cartão de crédito que João utiliza cobra 10% de juros ao mês,

Leia mais

5 Equacionando os problemas

5 Equacionando os problemas A UA UL LA Equacionando os problemas Introdução Nossa aula começará com um quebra- cabeça de mesa de bar - para você tentar resolver agora. Observe esta figura feita com palitos de fósforo. Mova de lugar

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010.

Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010. Olá pessoal! Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010. 01. (Fundação CASA 2010/VUNESP) Em um jogo de basquete, um dos times, muito mais forte, fez 62 pontos a mais que o seu

Leia mais

18/11/2005. Discurso do Presidente da República

18/11/2005. Discurso do Presidente da República Discurso do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de entrega de certificado para os primeiros participantes do programa Escolas-Irmãs Palácio do Planalto, 18 de novembro de 2005

Leia mais

MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS

MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIS Como vimos no módulo 1, para que nós possamos extrair dos dados estatísticos de que dispomos a correta análise e interpretação, o primeiro passo deverá ser a correta

Leia mais

Coordenadoria de Educação CADERNO DE REVISÃO-2011. Matemática Aluno (a) 5º ANO

Coordenadoria de Educação CADERNO DE REVISÃO-2011. Matemática Aluno (a) 5º ANO CADERNO DE REVISÃO-2011 Matemática Aluno (a) 5º ANO Caderno de revisão FICHA 1 COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO examesqueiros Os Números gloriabrindes.com.br noticias.terra.com.br cidadesaopaulo.olx... displaypaineis.com.br

Leia mais

Sistemas Lineares. Módulo 3 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática

Sistemas Lineares. Módulo 3 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática Módulo 3 Unidade 10 Sistemas Lineares Para início de conversa... Diversos problemas interessantes em matemática são resolvidos utilizando sistemas lineares. A seguir, encontraremos exemplos de alguns desses

Leia mais

5 Dicas Testadas para Você Produzir Mais na Era da Internet

5 Dicas Testadas para Você Produzir Mais na Era da Internet 5 Dicas Testadas para Você Produzir Mais na Era da Internet Uma das verdades absolutas sobre Produtividade que você precisa saber antes de seguir é entender que se ocupar não é produzir. Não sei se é o

Leia mais

Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas 4 questões, com as respectivas resoluções comentadas.

Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas 4 questões, com as respectivas resoluções comentadas. Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas questões, com as respectivas resoluções comentadas. Amigos, para responder às questões deste Simulado, vamos

Leia mais

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial...

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial... Aula 22 Juros Simples. Montante e juros. Descontos Simples. Equivalência Simples de Capital. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivalentes. Capitais equivalentes. Descontos: Desconto racional simples e

Leia mais

Resolvendo problemas com logaritmos

Resolvendo problemas com logaritmos A UA UL LA Resolvendo problemas com logaritmos Introdução Na aula anterior descobrimos as propriedades dos logaritmos e tivemos um primeiro contato com a tábua de logarítmos. Agora você deverá aplicar

Leia mais

Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos

Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos Os dados devem ser apresentados em tabelas construídas de acordo com as normas técnicas ditadas pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

www.pontodosconcursos.com.br

www.pontodosconcursos.com.br Olá pessoal! Resolverei neste artigo as primeiras questões da prova do Banco do Brasil realizado em 010 pela FCC. Estamos lançando no Ponto um curso de exercícios específico para este concurso de 011 (edital

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

1.000 Receitas e Dicas Para Facilitar a Sua Vida

1.000 Receitas e Dicas Para Facilitar a Sua Vida 1.000 Receitas e Dicas Para Facilitar a Sua Vida O Que Determina o Sucesso de Uma Dieta? Você vê o bolo acima e pensa: Nunca poderei comer um doce se estiver de dieta. Esse é o principal fator que levam

Leia mais

COMO MINIMIZAR AS DÍVIDAS DE UM IMÓVEL ARREMATADO

COMO MINIMIZAR AS DÍVIDAS DE UM IMÓVEL ARREMATADO PROLEILOES.COM COMO MINIMIZAR AS DÍVIDAS DE UM IMÓVEL ARREMATADO PROCESSOS QUE PODEM FAZER COM QUE VOCÊ CONSIGA QUITAR DÍVIDAS PENDENTES DE UM ÍMOVEL ARREMATADO EM LEILÃO, PAGANDO MENOS QUE O SEU VALOR

Leia mais

Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV

Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV Simulado 02 de Matemática Financeira Questões FGV 01. Determine o valor atual de um título descontado (desconto simples por fora) dois meses

Leia mais

Resolução de sistemas lineares

Resolução de sistemas lineares Resolução de sistemas lineares J M Martínez A Friedlander 1 Alguns exemplos Comecemos mostrando alguns exemplos de sistemas lineares: 3x + 2y = 5 x 2y = 1 (1) 045x 1 2x 2 + 6x 3 x 4 = 10 x 2 x 5 = 0 (2)

Leia mais

O sucesso de hoje não garante o sucesso de amanhã

O sucesso de hoje não garante o sucesso de amanhã Com certeza, esse final de século XX e começo de século XXI mudarão nossas vidas mais do que elas mudaram há 30-40 anos atrás. É muito difícil avaliar como será essa mudança, mas é certo que ela virá e

Leia mais

0,999... OU COMO COLOCAR UM BLOCO QUADRADO EM UM BURACO REDONDO Pablo Emanuel

0,999... OU COMO COLOCAR UM BLOCO QUADRADO EM UM BURACO REDONDO Pablo Emanuel Nível Intermediário 0,999... OU COMO COLOCAR UM BLOCO QUADRADO EM UM BURACO REDONDO Pablo Emanuel Quando um jovem estudante de matemática começa a estudar os números reais, é difícil não sentir certo desconforto

Leia mais

Como erguer um piano sem fazer força

Como erguer um piano sem fazer força A U A UL LA Como erguer um piano sem fazer força Como vimos na aula sobre as leis de Newton, podemos olhar o movimento das coisas sob o ponto de vista da Dinâmica, ou melhor, olhando os motivos que levam

Leia mais

Programação em papel quadriculado

Programação em papel quadriculado 4 NOME DA AULA: Programação em papel quadriculado Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10 minutos Objetivo principal: ajudar os alunos a entender como a codificação funciona. RESUMO Ao "programar"

Leia mais

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico do TCE/SP, aplicada em 06/12/2015.

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico do TCE/SP, aplicada em 06/12/2015. de Raciocínio Lógico do TCE/SP, aplicada em 6/12/215. Raciocínio Lógico p/ TCE-SP Na sequência, criada com um padrão lógico-matemático, (1; 2; 1; 4; 2; 12; 6; 48; 24;...) o quociente entre o 16º termo

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

Exemplos de Problemas Aplicando o Princípio Fundamental da Contagem. Professor: Flávio dos Reis Moura Skype; mineironegrogalo75

Exemplos de Problemas Aplicando o Princípio Fundamental da Contagem. Professor: Flávio dos Reis Moura Skype; mineironegrogalo75 Exemplos de Problemas Aplicando o Princípio Fundamental da Contagem Professor: Flávio dos Reis Moura Skype; mineironegrogalo75 Este material tem por objetivo ajudar o aluno a aplicar o Princípio Fundamental

Leia mais

Obedecer é sempre certo

Obedecer é sempre certo Obedecer é sempre certo Obedecer. Palavra fácil de entender, mas muitas vezes difícil de colocar em prática. Principalmente quando não entendemos ou concordamos com a orientação dada. Crianças recebem

Leia mais

As 10 Melhores Dicas de Como Fazer um Planejamento Financeiro Pessoal Poderoso

As 10 Melhores Dicas de Como Fazer um Planejamento Financeiro Pessoal Poderoso As 10 Melhores Dicas de Como Fazer um Planejamento Financeiro Pessoal Poderoso Nesse artigo quero lhe ensinar a fazer um Planejamento Financeiro Pessoal Poderoso. Elaborei 10 dicas para você fazer um excelente

Leia mais

WWW.MUSICALLEIZER.COM.BR

WWW.MUSICALLEIZER.COM.BR WWW.MUSICALLEIZER.COM.BR Índice Índice Prefácio Sobre o autor Introdução Como ser produtivo estudando corretamente Você já organizou o seu tempo e os seus dias para estudar? Definir o que vai estudar Organizando

Leia mais

Objetivo principal: aprender como definir e chamar funções.

Objetivo principal: aprender como definir e chamar funções. 12 NOME DA AULA: Escrevendo músicas Duração da aula: 45 60 minutos de músicas durante vários dias) Preparação: 5 minutos (se possível com introduções Objetivo principal: aprender como definir e chamar

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica A U L A 3 Metas da aula Descrever a experiência de interferência por uma fenda dupla com elétrons, na qual a trajetória destes

Leia mais

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957.

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. FORMAÇÃO

Leia mais

A Matemática do ENEM em Bizus

A Matemática do ENEM em Bizus A Matemática do ENEM em Bizus Neste primeiro artigo sobre a Matemática do ENEM, eu quero abordar a estratégia do conteúdo, tendo por base as provas anteriores e as tendências de abordagem. Quando confrontamos

Leia mais

Notas de Cálculo Numérico

Notas de Cálculo Numérico Notas de Cálculo Numérico Túlio Carvalho 6 de novembro de 2002 2 Cálculo Numérico Capítulo 1 Elementos sobre erros numéricos Neste primeiro capítulo, vamos falar de uma limitação importante do cálculo

Leia mais

Morfologia Matemática Binária

Morfologia Matemática Binária Morfologia Matemática Binária Conceitos fundamentais: (Você precisa entender bem esses Pontos básicos para dominar a área! Esse será nosso game do dia!!! E nossa nota 2!!) Morfologia Matemática Binária

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS

DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS 1 Dados Brutos: são os dados tomados como eles são, de forma desorganizada. Indica-se por x i Rol: são os dados organizados em ordem crescente ou decrescente. Tamanho da amostra:

Leia mais

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos.

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos. Os dados e resultados abaixo se referem ao preenchimento do questionário Das Práticas de Ensino na percepção de estudantes de Licenciaturas da UFSJ por dez estudantes do curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR

OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Olá professor, Essa apostila apresenta jogos matemáticos que foram doados a uma escola de Blumenau como parte de uma ação do Movimento Nós Podemos Blumenau.

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO Texto: Apocalipse 22:1-2 Então o anjo me mostrou o rio da água da vida que, claro como cristal, fluía do trono de Deus e do Cordeiro, no meio da RUA principal da cidade. De

Leia mais

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M.

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Material Teórico - Módulo de FRAÇÕES COMO PORCENTAGEM E PROBABILIDADE Fração como porcentagem Sexto Ano do Ensino Fundamental Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Usando o do-file editor Automatizando o Stata

Usando o do-file editor Automatizando o Stata Usando o do-file editor Automatizando o Stata 1 O QUE É O EDITOR DE DO-FILE O Stata vem com um editor de texto integrado, o do-file editor (editor de do-files, em português), que pode ser usado para executar

Leia mais

Dicas para investir em Imóveis

Dicas para investir em Imóveis Dicas para investir em Imóveis Aqui exploraremos dicas de como investir quando investir e porque investir em imóveis. Hoje estamos vivendo numa crise política, alta taxa de desemprego, dólar nas alturas,

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-2010 - APO

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-2010 - APO Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-010 - APO 11. O Dia do Trabalho, dia 1º de maio, é o 11º dia do ano quando o ano não é bissexto. No ano de 1958, ano em que o Brasil ganhou,

Leia mais

Empurra e puxa. Domingo, Gaspar reúne a família para uma. A força é um vetor

Empurra e puxa. Domingo, Gaspar reúne a família para uma. A força é um vetor A U A UL LA Empurra e puxa Domingo, Gaspar reúne a família para uma voltinha de carro. Ele senta ao volante e dá a partida. Nada. Tenta outra vez e nada consegue. Diz então para todos: O carro não quer

Leia mais

Resolverei neste artigo a prova de Raciocínio Lógico do concurso para a SEFAZ-SP 2009 organizada pela FCC.

Resolverei neste artigo a prova de Raciocínio Lógico do concurso para a SEFAZ-SP 2009 organizada pela FCC. Olá pessoal! Resolverei neste artigo a prova de Raciocínio Lógico do concurso para a SEFAZ-SP 2009 organizada pela FCC. 01. (SEFAZ-SP 2009/FCC) Considere o diagrama a seguir, em que U é o conjunto de todos

Leia mais

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO AULA QUINZE: Matrizes & Determinantes (Parte II) Olá, amigos! Pedimos desculpas por não ter sido possível apresentarmos esta aula na semana passada. Motivos de força maior nos impediram de fazê-lo, mas

Leia mais

O momento do gol. Parece muito fácil marcar um gol de pênalti, mas na verdade o espaço que a bola tem para entrar é pequeno. Observe na Figura 1:

O momento do gol. Parece muito fácil marcar um gol de pênalti, mas na verdade o espaço que a bola tem para entrar é pequeno. Observe na Figura 1: O momento do gol A UU L AL A Falta 1 minuto para terminar o jogo. Final de campeonato! O jogador entra na área adversária driblando, e fica de frente para o gol. A torcida entra em delírio gritando Chuta!

Leia mais

Investigando números consecutivos no 3º ano do Ensino Fundamental

Investigando números consecutivos no 3º ano do Ensino Fundamental Home Índice Autores deste número Investigando números consecutivos no 3º ano do Ensino Fundamental Adriana Freire Resumo Na Escola Vera Cruz adota-se como norteador da prática pedagógica na área de matemática

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR Patrícia Lima da Silva¹ Brunna Sordi Stock² RESUMO No segundo semestre do ano de 2009, em uma das disciplinas obrigatórias do currículo de

Leia mais

Resultado da Avaliação das Disciplinas

Resultado da Avaliação das Disciplinas Avaliação Curso Direito Imobiliário Registral Aplicado aos Bens Públicos DISCIPLINAS: 1- Propriedade e demais direitos reais 2- Modos de aquisição e perda da propriedade e demais direitos reais CARGA HORÁRIA:

Leia mais

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala Escalas Introdução Antes de representar objetos, modelos, peças, etc. deve-se estudar o seu tamanho real. Tamanho real é a grandeza que as coisas têm na realidade. Existem coisas que podem ser representadas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 43 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA 2 Aula 45 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA 3 Vídeo Arredondamento de números. 4 Arredondamento de números Muitas situações cotidianas envolvendo valores destinados à contagem, podem ser facilitadas utilizando o

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 52 Discurso por ocasião da inauguração

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

Soluções Nível 1 5 a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental

Soluções Nível 1 5 a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental 1. (alternativa C) Os números 0,01 e 0,119 são menores que 0,12. Por outro lado, 0,1 e 0,7 são maiores que 0,. Finalmente, 0,29 é maior que 0,12 e menor

Leia mais

Dois eventos são disjuntos ou mutuamente exclusivos quando não tem elementos em comum. Isto é, A B = Φ

Dois eventos são disjuntos ou mutuamente exclusivos quando não tem elementos em comum. Isto é, A B = Φ Probabilidade Vimos anteriormente como caracterizar uma massa de dados, como o objetivo de organizar e resumir informações. Agora, apresentamos a teoria matemática que dá base teórica para o desenvolvimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E ÉTICA. Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E ÉTICA. Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E ÉTICA Cipriano Carlos Luckesi 1 Artigo publicado na Revista ABC EDUCATIO, nº 54, março de 2006, páginas 20 e 21. Estamos iniciando um novo ano letivo. Vale a pena olhar um pouco

Leia mais

2- Está prevista formação para os avaliadores externos?

2- Está prevista formação para os avaliadores externos? ADD algumas questões O Conselho das Escolas na sequência da reunião hoje ocorrida com o Senhor Diretor Geral da Administração Escolar e dois Assessores dos Senhores Secretários de Estado, sobre a operacionalização

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira São José dos Campos SP Abril de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Eustáquio, estou com sessenta anos, nasci em Minas Gerais,

Leia mais

Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra

Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra A PROIBIÇÃO DA DESPEDIDA ARBITRÁRIA NAS LEGISLAÇÕES NACIONAIS: UMA PERSPECTIVA DE DIREITO COMPARADO * Halton Cheadle ** Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra para mim estar

Leia mais

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, ICMS PE 2014: Resolução da prova de Hoje farei alguns comentários acerca da prova da Secretaria

Leia mais

Escola Bilíngüe. O texto que se segue pretende descrever a escola bilíngüe com base nas

Escola Bilíngüe. O texto que se segue pretende descrever a escola bilíngüe com base nas Escola Bilíngüe É uma escola unique Diana Mandelert Diana Cerdeira Apresentação O texto que se segue pretende descrever a escola bilíngüe com base nas informações obtidas na página da escola na Internet,

Leia mais

COMO ENSINEI MATEMÁTICA

COMO ENSINEI MATEMÁTICA COMO ENSINEI MATEMÁTICA Mário Maturo Coutinho COMO ENSINEI MATEMÁTICA.ª edição 511 9 AGRADECIMENTOS À Deus À minha família Aos mestres da matemática do C.E.Visconde de Cairu APRESENTAÇÃO O objetivo deste

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Eventos independentes

Eventos independentes Eventos independentes Adaptado do artigo de Flávio Wagner Rodrigues Neste artigo são discutidos alguns aspectos ligados à noção de independência de dois eventos na Teoria das Probabilidades. Os objetivos

Leia mais

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática I. O jogo A Torre de Hanói consiste de uma base com três pinos e um certo número n de discos de diâmetros diferentes, colocados um sobre o outro em

Leia mais

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA PORCENTAGEM MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA Quando é dito que 40% das pessoas entrevistadas votaram no candidato A, esta sendo afirmado que, em média, de cada pessoas, 40 votaram no candidato

Leia mais

PROVA RESOLVIDA E COMENTADA DO BANCO DO BRASIL - 2010 - FCC MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO.

PROVA RESOLVIDA E COMENTADA DO BANCO DO BRASIL - 2010 - FCC MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO. PROVA RESOLVIDA E COMENTADA DO BANCO DO BRASIL - 2010 - FCC MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO. Professor Joselias - http://professorjoselias.blogspot.com/. MATEMÁTICA 16. Segundo a Associação Brasileira de

Leia mais

22/05/2006. Discurso do Presidente da República

22/05/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de assinatura de protocolos de intenções no âmbito do Programa Saneamento para Todos Palácio do Planalto, 22 de maio de 2006 Primeiro, os números que estão no

Leia mais

este ano está igualzinho ao ano passado! viu? eu não falei pra você? o quê? foi você que jogou esta bola de neve em mim?

este ano está igualzinho ao ano passado! viu? eu não falei pra você? o quê? foi você que jogou esta bola de neve em mim? viu? eu não falei pra você? o quê? este ano está igualzinho ao ano passado! foi você que jogou esta bola de neve em mim? puxa, acho que não... essa não está parecendo uma das minhas... eu costumo comprimir

Leia mais

Água, fonte de vida. Aula 1 Água para todos. Rio 2016 Versão 1.0

Água, fonte de vida. Aula 1 Água para todos. Rio 2016 Versão 1.0 Água, fonte de vida Aula 1 Água para todos Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Analisar a quantidade de água potável disponível em nosso planeta 2 Identificar os diferentes estados da água 3 Conhecer o ciclo

Leia mais

7 7 E8BOOK7CURSO7DE7 ORATÓRIA7

7 7 E8BOOK7CURSO7DE7 ORATÓRIA7 HTTP://WWW.SUPEREDESAFIOS.COM.BR/SEGREDO/FORMULANEGOCIOONLINE E8BOOKCURSODE ORATÓRIA Prof.DaniloMota Prof.&Danilo&Mota& &Blog&Supere&Desafios& 1 Introdução:Tempodeouvir,tempodefalar. Não saber ouvir bem,

Leia mais

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Distribuições de Frequências e Representação Gráfica UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade, você deverá ser capaz de: Calcular

Leia mais

Programa Olímpico de Treinamento. Aula 9. Curso de Combinatória - Nível 2. Tabuleiros. Prof. Bruno Holanda

Programa Olímpico de Treinamento. Aula 9. Curso de Combinatória - Nível 2. Tabuleiros. Prof. Bruno Holanda Programa Olímpico de Treinamento Curso de Combinatória - Nível Prof. Bruno Holanda Aula 9 Tabuleiros Quem nunca brincou de quebra-cabeça? Temos várias pecinhas e temos que encontrar uma maneira de unir

Leia mais

Tomada de decisão. O que é necessário para ser bom? Algumas dicas práticas: Por que ser bom? Como tomamos boas decisões?

Tomada de decisão. O que é necessário para ser bom? Algumas dicas práticas: Por que ser bom? Como tomamos boas decisões? Exercitando o Caráter 4 a 6 anos Tomada de decisão O que é necessário para ser bom? Ser uma pessoa correta é mais do que somente fazer o que deve ser feito. É realmente escolher fazer o que deve ser feito.

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem SENTIDOS (principal) Gosto de informações que eu posso verificar. Não há nada melhor para mim do que aprender junto

Leia mais

CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É

CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É Descobrindo-se... Fácil é olhar à sua volta e descobrir o que há de

Leia mais

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06 DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06 Este é o 6º artigo da série de dicas para facilitar / agilizar os cálculos matemáticos envolvidos em questões de Raciocínio Lógico, Matemática, Matemática Financeira

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES. Comentários sobre as provas de estatística e financeira ICMS RJ

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES. Comentários sobre as provas de estatística e financeira ICMS RJ Comentários sobre as provas de estatística e financeira ICMS RJ Caríssimos, Acabei de voltar de uma longa auditoria em que visitamos inúmeros assentamentos federais do INCRA no interior do estado. Ou seja:

Leia mais

Energia Eólica. Atividade de Aprendizagem 3. Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente

Energia Eólica. Atividade de Aprendizagem 3. Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente Energia Eólica Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente Tema Eletricidade / usos da energia / uso dos recursos naturais Conteúdos Energia eólica / obtenção de energia e problemas ambientais

Leia mais

Oficina - Álgebra 1. Oficina de CNI EM / Álgebra 1 Material do Monitor. Setor de Educação de Jovens e Adultos. Caro monitor,

Oficina - Álgebra 1. Oficina de CNI EM / Álgebra 1 Material do Monitor. Setor de Educação de Jovens e Adultos. Caro monitor, Oficina - Álgebra 1 Caro monitor, As situações de aprendizagem apresentadas nessa atividade têm como objetivo desenvolver o raciocínio algébrico, e assim, proporcionar que o educando realize a representação

Leia mais

O QUE É A ESCALA RICHTER? (OU COMO SE MEDE UM TERREMOTO)

O QUE É A ESCALA RICHTER? (OU COMO SE MEDE UM TERREMOTO) 1 O QUE É A ESCALA RICHTER? (OU COMO SE MEDE UM TERREMOTO) Ilydio Pereira de Sá Atualmente, com o crescimento da tecnologia e da informação, tem sido muito comum o noticiário sobre catástrofes, principalmente

Leia mais

1) Observe a fala do peru, no último quadrinho. a) Quantos verbos foram empregados nessa fala? Dois. b) Logo, quantas orações há nesse período? Duas.

1) Observe a fala do peru, no último quadrinho. a) Quantos verbos foram empregados nessa fala? Dois. b) Logo, quantas orações há nesse período? Duas. Pág. 41 1 e 2 1) Observe a fala do peru, no último quadrinho. a) Quantos verbos foram empregados nessa fala? Dois. b) Logo, quantas orações há nesse período? Duas. c) Delimite as orações. Foi o presente

Leia mais

N1Q1 Solução. a) Há várias formas de se cobrir o tabuleiro usando somente peças do tipo A; a figura mostra duas delas.

N1Q1 Solução. a) Há várias formas de se cobrir o tabuleiro usando somente peças do tipo A; a figura mostra duas delas. 1 N1Q1 Solução a) Há várias formas de se cobrir o tabuleiro usando somente peças do tipo A; a figura mostra duas delas. b) Há várias formas de se cobrir o tabuleiro com peças dos tipos A e B, com pelo

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTOS

TIPOS DE RELACIONAMENTOS 68 Décima-Segunda Lição CONSTRUINDO RELACIONAMENTOS DE QUALIDADE Quando falamos de relacionamentos, certamente estamos falando da inter-relação de duas ou mais pessoas. Há muitas possibilidades de relacionamentos,

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

Prog A B C A e B A e C B e C A,B e C Nenhum Pref 100 150 200 20 30 40 10 130

Prog A B C A e B A e C B e C A,B e C Nenhum Pref 100 150 200 20 30 40 10 130 Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 2 Lógica II Quando lemos um problema de matemática imediatamente podemos ver que ele está dividido em duas partes:

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

Raciocínio Lógico-Quantitativo Correção da Prova APO 2010 Gabarito 1 Prof. Moraes Junior RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO

Raciocínio Lógico-Quantitativo Correção da Prova APO 2010 Gabarito 1 Prof. Moraes Junior RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO 1 - Um viajante, a caminho de determinada cidade, deparou-se com uma bifurcação onde estão três meninos e não sabe que caminho tomar. Admita que estes três meninos, ao se

Leia mais

PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE TESOURO DIRETO 4ª EDIÇÃO

PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE TESOURO DIRETO 4ª EDIÇÃO AS 10 PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE TESOURO DIRETO 4ª EDIÇÃO Olá, Investidor. Esse projeto foi criado por Bruno Lacerda e Rafael Cabral para te ajudar a alcançar mais rapidamente seus objetivos financeiros.

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem EXPLORAÇÃO Busco entender como as coisas funcionam e descobrir as relações entre as mesmas. Essa busca por conexões

Leia mais