AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL Dezembro

2 ÍNDICE 1. Introdução 4 2. População e Amostra 4 3. Questionário de Satisfação dos Alunos Caracterização dos inquiridos Apresentação de Resultados Procedimentos de depuração da base de dados Opinião dos alunos sobre a ESEC Opinião dos alunos sobre o curso de Licenciatura em Comunicação Social Percepção dos alunos sobre a qualidade deste curso Sugestões de melhoria para o curso Opinião sobre o Plano de Estudos do Curso de Licenciatura em Unidades Curriculares do 1º Ano 13 A) Importância das Unidades Curriculares do 1º Ano 13 B) Satisfação com as Unidades Curriculares do 1º Ano 14 C) Adequação da Carga de Trabalho Exigida nas Unidades Curriculares do 1º Ano 15 D) Análise Comparativa das Unidades Curriculares do 1º ano Unidades Curriculares do 2º Ano 18 A) Importância das Unidades Curriculares do 2º Ano 18 B) Satisfação com as Unidades Curriculares do 2º Ano 19 C) Adequação da Carga de Trabalho Exigida nas Unidades Curriculares do 2º Ano 20 D) Análise Comparativa das Unidades Curriculares do 2º ano Unidades Curriculares do 3º Ano 23 A) Importância das Unidades Curriculares do 3º Ano 23 B) Satisfação com as Unidades Curriculares do 3º Ano 24 C) Adequação da Carga de Trabalho Exigida nas Unidades Curriculares do 3º Ano 25 D) Análise Comparativa das Unidades Curriculares do 3º ano Avaliação do Desempenho Pedagógico dos Professores do Curso de Licenciatura em Teorias da Comunicação Psicologia Social dos Grupos e Equipas de Trabalho História Contemporânea de Portugal Expressão Escrita para a Atelier de Análise do Discurso dos Media Géneros Jornalísticos Psicologia Social da Comunicação Sociologia da Comunicação Iniciação à Produção Televisiva 35 2

3 4.10. Atelier de Redacção Jornalística Sociologia dos Media Metodologias de Investigação Científica na Atelier de Cibercultura Comunicação Organizacional Jornalismo de Imprensa Realização Televisiva Multicâmara Comunicação com a Imagem Direito da História dos Media Atelier de Jornalismo Radiofónico Jornalismo Televisivo Jornalismo Digital Atelier de Crossmedia Pós-Produção Vídeo Guionismo Representação e Culturas Visuais Deontologia da Realização e Pós-Produção Áudio-Rádio Relações Públicas Oficina de Colocação de Voz Fotojornalismo Atelier de Investigação Jornalística Técnicas de Jornalismo Radiofónico Atelier de Televisão Interactiva Produção e Administração de Conteúdos On-Line Produção de Informação para Documentários Orientação de Estágio (Francisco Amaral) Orientação de Estágio (Sara Meireles) Orientação de Estágio (Clara Gomes) Orientação de Estágio (Pedro Cereijeiro) Orientação de Estágio (Nelson Santos) Orientação de Estágio (Gil Ferreira) 65 3

4 1. INTRODUÇÃO O presente relatório tem como objectivo apresentar os resultados obtidos através da aplicação dos questionários de Avaliação da Satisfação dos Alunos (SC-15) e de Avaliação da Satisfação com o Desempenho Pedagógico dos Professores do Curso de Licenciatura em (SC-04). Estes questionários foram aplicados durante os meses de Maio a Julho de, com o objectivo de dar cumprimento ao definido na IT Medição e Monitorização da Satisfação dos Clientes e descrito no Im Mapa de Caracterização de Questionários da Satisfação do Cliente. Com a aplicação destes questionários pretende-se recolher a opinião dos alunos do curso atrás referido sobre a ESEC, sobre a Licenciatura e sobre o desempenho dos docentes que ministram disciplinas neste curso. A aplicação dos questionários ocorreu em articulação directa com o Director de Curso, Mestre Carla Susana Ribeiro Patrão. 2. POPULAÇÃO E AMOSTRA Quadro 1: Número de alunos inscritos e inquiridos por curso e ano curricular Ano Nº de alunos Nº de Questionário Curricular inscritos respondentes % respondentes ,3 Avaliação da Satisfação dos Alunos , ,04 Avaliação da Satisfação dos Alunos com o Desempenho Pedagógico dos Professores , , ,04 4

5 3. QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS ALUNOS COM O CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 3.1. Caracterização dos inquiridos Os alunos da Licenciatura em inquiridos possuem idades compreendidas entre os 18 e os 35 anos, sendo que o maior número de alunos se insere no escalão etário anos. Gráfico 1 - Número de inquiridos por escalão etário e por ano curricular º ano 2º ano 3º ano < > ou = 50 Verifica-se também, que os alunos inquiridos dos 1º e 2º anos, na sua grande maioria, são do sexo feminino 78,3% dos respondentes do 1º ano e 83,3% dos respondentes do 2º ano. No terceiro ano a tendência é inversa e dos oito alunos inquiridos seis (75%) são do sexo masculino. De destacar, que a grande maioria dos inquiridos deste curso referem não ser trabalhadores-estudantes. A grande maioria dos inquiridos ingressou na ESEC e neste curso em particular, por via do Concurso Nacional de Acesso. Gráfico 2 - Distribuição dos inquiridos por modalidade de ingresso na ESEC º ano 2º ano 3º ano Concurso Nacional de Acesso Maiores de 23 anos Transferência Outra 5

6 3.2. Apresentação de Resultados Com o objectivo de não sobrecarregar o relatório de apresentação dos dados, facilitando assim a leitura do mesmo, só serão apresentados os valores estatísticos de tendência central (valor médio das s de cada item do questionário), bem como o valor da (que permitirá verificar, para cada item, o valor da escala que foi assinalado por mais sujeitos). Qualquer outra informação estatística poderá ser solicitada junto do Gabinete da Qualidade e Estudos Prospectivos Procedimentos de depuração da base de dados Para garantir a fiabilidade das bases de dados procedemos à identificação e eliminação dos casos com uma percentagem de não s (missing value) igual ou superior a 30%. Não foi eliminado nenhum caso uma vez que o valor missing value mais elevado era correspondente a uma variável. Posteriormente, realizámos a análise de não s por variável frequência e percentagem. Procurámos garantir que nenhum item da Parte II e Parte III do Questionário de Satisfação com o Curso apresentava percentagens de não s superiores a 10%. Sempre que um destes itens apresentava percentagens de não igual ou inferiores a 10% tomámos como critério a substituição do missing value através da técnica de previsão de s (MVA Missing Value Analysis). Este procedimento não foi realizado para o grupo de questões de avaliação das disciplinas respeitando assim, os casos em que os alunos não frequentaram as disciplinas, ou que por qualquer outro motivo consideraram não responder. Por fim, analisámos se em todas as variáveis avaliadas com uma escala de Lickert existia uma distribuição de s por todas as opções da escala. 6

7 Opinião dos alunos sobre a ESEC O Quadro 2 apresenta de uma forma genérica o posicionamento médio dos alunos, por ano lectivo (2009/) e por ano curricular, face a cada um dos itens de avaliação da ESEC. Gosto de estudar na ESEC Gosto da forma como sou tratado/a na ESEC Gosto da diversidade de actividades promovidas na ESEC Gosto das condições de trabalho que me são oferecidas Quadro 2: s com os itens de avaliação da ESEC Ano Resultado Resultado global global 1º 5,25 () 2º 4,78 3º 5,47 () 4,95 () () 5,25 () 1º 5,00 () 2º 4,50 3º 5,06 () 4,73 () () 5,63 ( Quase Totalmente) 1º 5,00 () 2º 4,60 3,84 4,78 3º 1º 2º 3º () 4,36 ( Moderadamente ( Moderadamente) 3,89 ( Moderadamente) () 4,25 ( Moderadamente) 3,96 ( Moderadamente) 3,50 ( Moderadamente) 4,50 () Resultados Média global 5,09 5,04 4,68 3,99 Moderada mente % de no valor 6 41, ,3 3 3, 5, 6 e 7 25% de s em cada um dos 6 37, , ,0 5 41, , , , , ,5 1 Os resultados apresentados dizem respeito apenas a s de alunos do 1º ano. 2 O segundo valor da escala mais indicado foi o 5, por 33,3% dos inquiridos. 3 Os escala 4 e 5 foram ambos indicados por 22,2% de inquiridos. 4 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 29,2% dos inquiridos. 5 O segundo valor da escala mais indicado foi o 3, por 22,2% dos inquiridos. 6 O segundo valor da escala mais indicado foi o 7, por 20,8% dos inquiridos. 7 Os escala 3 e 4 foram ambos indicados por 22,2% de inquiridos. 8 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 25% dos inquiridos. 9 O segundo valor da escala mais indicado foi o 5, por 25% dos inquiridos. 10 O segundo valor da escala mais indicado foi o 2, por 22,2% dos inquiridos. 7

8 Se hoje tivesse de voltar a escolher uma escola para estudar escolhia a ESEC Quadro 2: s com os itens de avaliação da ESEC (cont.) Ano Se um amigo meu quisesse tirar um curso numa área em que a ESEC oferece cursos 2º em recomendava-lhe a ESEC 3º Média global da escala de satisfação com a escola 1º 2º 3º Resultado 2008 global 4,74 () Resultado 2009 global 4.18 ( Moderadamente) 3,88 ( Moderadamente) 3,83 ( Moderadamente) 4,50 () 1º 4,50 () 5,04 () 4, ( Moderadamente) 4,33 Moderada mente 4,17 ( Moderadamente) 4,75 () Resultados Média global 4,07 Moderada mente 4,47 Moderada mente % de no valor 4 33, , e 6 4,56 25,0% de s em 5 45, , ,5 15 Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo quase totalmente; 3= Discordo; 4= Moderadamente; 5=; 6= quase totalmente; 7= totalmente. De uma forma geral verifica-se que os alunos de se encontram satisfeitos com a ESEC, embora apresentem médias de em alguns itens que recaem no valor da escala Moderadamente. 11 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 29,2% dos inquiridos. 12 Os escala 4 e 5 foram ambos indicados por 16,7% de inquiridos. 13 O segundo valor da escala mais indicado foi o 3, por 20,8% dos inquiridos. 14 Os escala 2, 4 e 6 foram indicados por 16,7% de inquiridos. 15 O segundo valor da escala mais indicado foi o 2, por 25% dos inquiridos. 8

9 Opinião dos alunos sobre o curso de Licenciatura em O Quadro 3 apresenta de forma genérica o posicionamento médio dos alunos e a moda, por ano curricular, face a cada um dos itens de avaliação deste curso. Gosto do curso que estou a frequentar O curso é melhor do que eu estava à espera Se um amigo meu quisesse tirar um curso na mesma área, recomendava-lhe este curso da ESEC Quadro 3: Estatísticas descritivas relativas à satisfação com o curso Ano 1º 2º Resultado Resultado global 5,66 ( Quase Totalmente) global 5,58 ( Quase Totalmente) 5,83 ( Quase Totalmente) 6,28 ( Quase Totalmente) 5,63 3º ( Quase Totalmente) 1º 4,50 () 2º 5,06 () 4,72 () 3º 1º 2º 3º 5,30 () 4,31 ( Moderada mente) 4,25 ( Moderada mente) 4,88 () 4,88 ( Moderadamente) 5,00 ( Moderadamente) 3,38 (Discordo) Resultados Média global 5,91 Quase Totalmente 4,81 4,42 Moderada mente % de no valor 6 37, e 7 44,4% de s em cada um dos 7 37, , , e 6 37,5% de s em cada um dos. 6 41, e 6 5, 6 e 7 27,8% de s em cada um dos. 25,0% de s em cada um dos. 16 Os resultados apresentados dizem respeito apenas a s de alunos do 1º ano. 17 O segundo valor da escala mais indicado foi o 7, por 29,2% dos inquiridos. 18 O segundo valor da escala mais indicado foi o 6, por 25% dos inquiridos. 19 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 20,8% dos inquiridos.. 20 O segundo valor da escala mais indicado foi o 5, por 22,2% dos inquiridos. 21 O segundo valor da escala mais indicado foi o 5, por 29,2% dos inquiridos. 9

10 Sabendo o que sei hoje voltaria a escolher este curso da ESEC Gosto das disciplinas do meu curso Gosto dos professores do meu curso Quadro 3: Estatísticas descritivas relativas à satisfação com o curso Ano Resultado 2008 global Resultado 2009 global 1º 4,58 () 4,07 4,85 ( 2º 4,67 () Moderadament () e) 3º 5,25 () 1º 4,58 () 2º 4,98 4,50 5,11 () () () 3º 5,00 () 1º 4,67 () 2º 4,93 () 4,70 () 4,33 ( Moderadamente) Resultados Média global 4,83 4,90 4,71 % de no valor 5 33,3 22 3, 5 e 6 22,2% de s em cada um dos. 7 37, , , , , e 6 33,3% de s em cada um dos. 3º 5,13 () 6 37,5 28 Média global da escala de 5,07 4,57 4,93 satisfação com o curso Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo quase totalmente; 3= Discordo; 4= Moderadamente; 5=; 6= quase totalmente; 7= totalmente. Em termos conclusivos é possível referir que os alunos gostam do curso que estão a frequentar, sendo um item que apresenta uma média de avaliação pelos alunos dos três anos curriculares que recai no valor da escala Quase Totalmente. No entanto, nenhum dos restantes cinco itens de avaliação do curso apresentam médias de avaliação que recaiam nos escala mais elevados ( Quase Totalmente e Totalmente). É, ainda, de salientar que analisando a tendência de s dos alunos nos últimos três anos lectivos se verifica que não se registam alterações significativas na opinião dos mesmos. 22 Os escala 4 e 7 foram ambos indicados por 16,7% de inquiridos. 23 O segundo valor da escala mais indicado foi o 6, por 25% dos inquiridos. 24 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 29,2% dos inquiridos. 25 Os escala 4 e 5 foram ambos indicados por 22,2% de inquiridos. 26 Os escala 3 e 6 foram ambos indicados por 25% de inquiridos. 27 Os escala 4 e 6 foram ambos indicados por 20,8% de inquiridos. 28 O segundo valor da escala mais indicado foi o 5, por 25% dos inquiridos. 10

11 A percepção dos alunos sobre a qualidade deste curso Dos 50 alunos que responderam ao Questionário de Avaliação da Satisfação com o Licenciatura em 29 (58%) indicaram a sua opinião sobre a qualidade do curso, sendo que de uma forma geral 20 inquiridos consideram que a qualidade do curso é positiva. Quinze inquiridos especificaram as características que atribuem qualidade a este curso, nomeadamente: a existência uma forte componente prática (7 sujeitos); o facto de ser um curso bem estruturado (4 sujeitos); o facto de ter a prática aliada à teoria (3 sujeitos) e o facto de dispor de boas instalações apara desenvolvimento de projectos na área (1 sujeito). Os alunos inquiridos consideram que a Qualidade do curso fica comprometida devido à: - atribuição docente/unidade curricular (9 sujeitos); - dificuldade/limitação de acesso aos materiais especifícos e à ESECTV 5 sujeitos; - baixo grau de exigência em algumas disciplinas 4 sujeitos; - desadequação das UC s de Formação Geral e Transversal 3 sujeitos; - ausência de Uc s obrigatórias de línguas estrangeiras 3 sujeitos; - falta de aprofundamento teórico de alguns conteúdos 2 sujeitos; - repetição de conteúdos em diversas disciplinas 1 sujeito; Sugestões de Melhoria 29 para o curso: Após a reflexão sobre a qualidade do curso, os alunos da Licenciatura de Comunicação Social apresentam como as seguintes propostas de melhoria: sujeitos; - Atribuir as Unidades Curriculares aos docentes de acordo com a sua formação 13 - Promover uma componente mais prática em algumas Unidades Curriculares (ex: Iniciação à Produção Televisiva; maior utilização dos estúdios) 12 sujeitos; - Melhorar a disponibilidade de materiais e equipamentos específicos 11 sujeitos; - Aumentar o contacto com entidades da área da ao longo de todo o curso 6 sujeitos; 29 Todas as sugestões referidas por 10 ou mais sujeitos (20% dos 50 alunos inquiridos) darão origem a um Boletim de Acção Preventiva que será analisado pela Presidência da ESEC. 11

12 - Dar possibilidade de participação aos alunos de na ESECTV 5 alunos; - Criar Unidades Curriculares de Línguas Estrangeiras obrigatórias 4 sujeitos; - Retirar as disciplinas de Formação Geral e Transversal 4 sujeitos; - Maior variedade de Unidades Curriculares de Formação Geral e Transversal, introduzindo UC s relacionadas com o curso 3 sujeitos; - Adequar as salas às necessidades das Unidades Curriculares 2 sujeitos; - Diferenciação de conteúdos nas diferentes disciplinas 1 sujeito; - Aumentar a carga horária da Unidade Curricular de Expressão Escrita para a 1 sujeito; - Organizar formações direccionadas para ramos (workshops de escrita e de edição no premiére 1 sujeito; - Tornar o curso mais exigente 1 sujeito; - Converter algumas disciplinas semestrais em anuais 1 sujeito. 12

13 Opinião sobre o Plano de Estudos da Licenciatura em Unidades Curriculares do 1º Ano A) Importância das Unidades Curriculares do 1º Ano Gráfico 3 - s dos alunos do 1º Ano para cada uma das Unidades Curriculares Escala de Importância: 1=Nada Importante; 2=Pouco Importante; 3=Importante; 4=Muito Importante História Contemporânea de Portugal Psicologia Social dos Grupos e Equipas de Trabalho Psicologia Social da Comunicação Sociologia da Comunicação Atelier de Análise do Discurso dos Media 2,55 2,95 3,14 3,32 3,32 Teoria da Comunicação 3,5 Expressão Escrita para a 3,59 Iniciação à Produção Televisiva 3,64 Géneros Jornalísticos 3,91 Atelier de Redacção Jornalística 3,95 Teoria da Comunicação Psicologia Social dos Grupos e Equipas de Trabalho História Contemporânea de Portugal Expressão Escrita para a Atelier de Análise do Discurso dos Media Géneros Jornalísticos Psicologia Social da Comunicação Sociologia da Comunicação Iniciação à Produção Televisiva Atelier de Redacção Jornalística Quadro 4: Estatísticas descritivas relativas à importância das Unidades Curriculares do 1º ano Resultados ,30 3,02 2,59 3,80 3,25 3,80 3,14 3,14 3,69 3,77 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 Resultados ,30 2,73 2,60 3,41 3,43 3,90 2,93 2,93 3,57 4,00 3,50 2,95 2,55 3,59 3,32 3,91 3,14 3,32 3,64 3,95 Resultados 3 e 4 % de s no valor 50% de s em 3 63,6 2 36, ,2 4 50,0 4 90,9 3 54,5 4 45, ,7 4 95,5 30 O segundo valor da escala mais indicado foi o 3, por 31,8% dos inquiridos. 31 O segundo valor da escala mais indicado foi o 3, por 40,9% dos inquiridos. 13

14 B) Satisfação com as Unidades Curriculares do 1º Ano Gráfico 4 - s dos alunos do 1º Ano para cada uma das Unidades Curriculares Escala de Satisfação: 1=Nada Satisfeito; 2=Pouco Satisfeito; 3=Satisfeito; 4=Muito Satisfeito Teoria da Comunicação Sociologia da Comunicação História Contemporânea de Portugal Iniciação à Produção Televisiva 2,27 2,59 2,59 2,77 Atelier de Análise do Discurso dos Media 2,86 Expressão Escrita para a 3,18 Géneros Jornalísticos 3,19 Psicologia Social da Comunicação 3,32 Psicologia Social dos Grupos e Equipas de Trabalho 3,41 Atelier de Redacção Jornalística 3,55 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 Teoria da Comunicação Quadro 5: Estatísticas descritivas relativas à Satisfação com as Unidades Curriculares do 1º ano Psicologia Social dos Grupos e Equipas de Trabalho História Contemporânea de Portugal Expressão Escrita para a Atelier de Análise do Discurso dos Media Géneros Jornalísticos Psicologia Social da Comunicação Sociologia da Comunicação Iniciação à Produção Televisiva Atelier de Redacção Jornalística Resultados ,79 2,93 2,50 3,31 2,21 (Pouco Satisfeito) 3,30 2,93 2,93 3,07 3,43 Resultados ,03 (Pouco Satisfeito) 2,47 (Pouco Satisfeito) 2,80 2,69 2,90 3,40 2,87 2,27 (Pouco Satisfeit0 2,77 (Satisfeito 3,50 (Muito Satisfeito) 2,27 3,41 2,59 3,18 2,86 (Muito Satisfeito) 3,19 3,32 2,59 2,77 Resultados % de s no valor 2 45, ,0 3 59,1 3 45, ,0 3 61,9 3 59,1 3 54,5 3 50,0 3, ,5 32 O segundo valor da escala mais indicado foi o 3, por 40,9% dos inquiridos. 33 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 36,4% dos inquiridos. 14

15 C) Adequação da Carga de Trabalho Exigida nas Unidades Curriculares do 1º Ano Gráfico 5 - s dos alunos do 1º Ano para cada uma das Unidades Curriculares Expressão Escrita para a Iniciação à Produção Televisiva Psicologia Social da Comunicação Psicologia Social dos Grupos e Equipas de Trabalho 2, Atelier de Análise do Discurso dos Media Géneros Jornalísticos 3,18 3,19 Sociologia da Comunicação 3,55 Escala de Carga de Trabalho: 1= Muito Leve; 2=Leve; 3=Adequada; 4=Pesada; 5=Muito Pesada. Teoria da Comunicação 3,64 Atelier de Redacção Jornalística 3,77 História Contemporânea de Portugal 3,82 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 Quadro 6: Estatísticas descritivas relativas à Carga de Trabalho das Unidades Curriculares do 1º ano Resultados 2008 Resultados 2009 Resultados % de s no valor Teoria da Comunicação Psicologia Social dos Grupos e Equipas de Trabalho História Contemporânea de Portugal Expressão Escrita para a Atelier de Análise do Discurso dos Media Géneros Jornalísticos Psicologia Social da Comunicação Sociologia da Comunicação Iniciação à Produção Televisiva Atelier de Redacção Jornalística 3,84 (Pesada) 3,29 4,22 (Pesada) 2,76 3,40 3,00 3,44 3,86 (Pesada) 3,55 (Pesada) 3,57 (Pesada) 3,87 (Pesada) 2,97 3,69 (Pesada) 2,34 (Leve) 2,90 3,17 2,87 3,83 (Pesada) 2,93 3,53 (Pesada) 3,64 3,00 3,82 (Pesada) 2,91 (Pesada) 3,18 (Pesada) 3,19 3,00 (Pesada) 3,55 3,00 3,77 (Pesada) 3 54,5 3 90,9 4 54,5 3 81,8 3 72,7 3 66,7 3 86,4 3 45, ,5 3 e 4 40,9% de s em cada um dos 34 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 40,9% dos inquiridos 15

16 D) Análise Comparativa das Unidades Curriculares do 1º ano Gráfico 6 - s dos alunos do 1º Ano para cada uma das Unidades Curriculares Atelier de Redacção Jornalística Iniciação à Produção Televisiva Sociologia da Comunicação Psicologia Social da Comunicação Géneros Jornalísticos Atelier de Análise do Discurso dos Media Expressão Escrita para a História Contemporânea de Portugal Psicologia Social dos Grupos e Equipas de Trabalho Teoria da Comunicação Carga de Trabalho Satisfação Importância 3,95 3,55 3,77 3,64 2,77 3 2,59 3,32 3,55 3,14 3,32 3 3,91 3,19 3,19 3,32 2,86 3,18 3,59 3,18 2,91 2,55 2,59 3,82 2,95 3 3,41 2,27 3,5 3,64 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 4,5 5 Escala de Importância: 1=Nada Importante; 2=Pouco Importante; 3=Importante; 4=Muito Importante Escala de Satisfação: 1=Nada Satisfeito; 2=Pouco Satisfeito; 3=Satisfeito; 4=Muito Satisfeito Escala de Carga de Trabalho: 1= Muito Leve; 2=Leve; 3=Adequada; 4=Pesada; 5=Muito Pesada. Na análise comparativa entre as três escalas de avaliação (Gráfico nº 6) verifica-se que: 1) existe um conjunto de disciplinas que os alunos consideram nuclear no 1º ano, nomeadamente: Atelier de Redacção Jornalística, Géneros Jornalísticos, Expressão Escrita para a e Teoria da Comunicação; 2) quanto à Satisfação, entre as disciplinas consideradas Muito Importantes (e na globalidade das disciplinas do 1º ano) apenas Atelier de Redacção Jornalística é avaliada no valor da escala Muito Satisfeito; de referir que a disciplina de Teoria da Comunicação apresenta uma avaliação da Satisfação que se enquadra no valor Pouco Satisfeito; 16

17 3) as disciplinas de Teoria da Comunicação, Iniciação à Produção Televisiva, Sociologia da Comunicação e Géneros Jornalísticos são as que apresentam a maior discrepância na avaliação que os alunos fazem nas duas escalas (Importância e Satisfação); 4) as disciplinas de Atelier de Redacção Jornalística e Expressão Escrita para a são as que apresentam maior sintonia na avaliação que os alunos fazem nas duas escalas (Importância e Satisfação); de referir ainda, que as disciplinas de Psicologia Social dos Grupos e Equipas de Trabalho, Psicologia Social da Comunicação e História Contemporânea de Portugal apresentam uma avaliação da Satisfação superior à avaliação da Importância; 5) das 10 disciplinas que compõem o Plano de Estudos do curso de 4 apresentam Cargas de Trabalho, consideradas pelos alunos inquiridos, pesadas, nomeadamente: História Contemporânea de Portugal, Atelier de Redacção Jornalística, Teoria da Comunicação e Sociologia da Comunicação. Os alunos inquiridos consideram que as restantes disciplinas possuem uma carga de trabalho Adequada. 17

18 Unidades Curriculares do 2º Ano A) Importância das Unidades Curriculares do 2º Ano Gráfico 7 - s dos alunos do 2º Ano para cada uma das Unidades Curriculares Comuns Metodologia da Investigação Científica da 2,5 Comunicação Organizacional 2,67 Escala de Importância: 1=Nada Importante; 2=Pouco Importante; 3=Importante; 4=Muito Importante Comunicação com a Imagem História dos Media Sociologia dos Media Atelier de Cibercultura Direito da 2,94 3,12 3,17 3,33 3,44 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 Sociologia dos Media Quadro 7: Estatísticas descritivas relativas à importância das Unidades Curriculares do 2º ano Metodologia da Investigação Científica da Atelier de Cibercultura Comunicação Organizacional Jornalismo de Imprensa (P.A. Jornalismo e Informação) Realização Televisiva Multicâmara (P.A. Criação de Conteúdos Para os Novos Media) Comunicação com a Imagem Direito da História dos Media Atelier de Jornalismo Radiofónico (P.A. Jornalismo e Informação) Jornalismo Televisivo (P.A. Jornalismo e Informação) Jornalismo Digital (P.A. Jornalismo e Informação) Atelier de Crossmedia (P.A. Criação de Conteúdos Para os Novos Media) Pós-produção Vídeo (P.A. Criação de Conteúdos Para os Novos Media) Guionismo (P.A. Criação de Conteúdos Para os Novos Media) Resultados ,86 2,77 3,24 2,82 3,81 3,86 3,26 3,31 3,14 3,62 3,57 3,60 3,17 3,83 3,71 3,17 2,50 3,33 2,67 3,91 (N=11) 3,80 (N=10) 2,94 3,44 3,12 4,00 (N=10) 4,00 (N=10) 3,67 (N=9) 2,56 (N=9) 3,78 (N=9) 3,56 (N=9) Resultados % de s no valor 3 72,2 2 e 3 38,9% de s em valores da 3 55,6 3 55,6 4 90,9 4 80,0 3 50,0 4 50,0 3 64, , ,0 4 66,7 2 44, ,8 4 55,6 35 Os escala 3 e4 foram ambos indicados por 22,2% de inquiridos. 18

19 B) Satisfação com as Unidades Curriculares do 2º Ano Gráfico 8 - s dos alunos do 2º Ano para cada uma das Unidades Curriculares Comuns Metodologia da Investigação Científica da Escala de Satisfação: 1=Nada Satisfeito; 2=Pouco Satisfeito; 3=Satisfeito; 4=Muito Satisfeito Comunicação com a Imagem Sociologia dos Media História dos Media Direito da Comunicação Organizacional Atelier de Cibercultura 2,35 2,59 2,71 2,76 2,76 3 3,47 Sociologia dos Media Quadro 8: Estatísticas descritivas relativas à Satisfação com as Unidades Curriculares do 2º ano Resultados Resultados 2009 Metodologia da Investigação Científica da Atelier de Cibercultura Comunicação Organizacional Jornalismo de Imprensa (P.A. Jornalismo e Informação) Realização Televisiva Multicâmara (P.A. Criação de Conteúdos Para os Novos Media) Comunicação com a Imagem Direito da História dos Media Atelier de Jornalismo Radiofónico (P.A. Jornalismo e Informação) Jornalismo Televisivo (P.A. Jornalismo e Informação) Jornalismo Digital (P.A. Jornalismo e Informação) Atelier de Crossmedia (P.A. Criação de Conteúdos Para os Novos Media) Pós-produção Vídeo (P.A. Criação de Conteúdos Para os Novos Media) Guionismo (P.A. Criação de Conteúdos Para os Novos Media) 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 2,71 2,76 3,22 3,12 3,15 2,98 2,71 2,18 (Pouco Satisfeito 2,64 3,43 3,50 (Muito Satisfeito 2,43 (Pouco Satisfeito) 2,00 (Pouco Satisfeito 2,62 3,50 (Muito Satisfeito) 2,71 2,35 (Pouco Satisfeito) 1 e 3 3,47 3,00 3,80 (N=10) (Muito Satisfeito) 3,44 (N=9) 2,59 2,76 2,76 3,89 (N=9) (Muito Satisfeito) 3,44 (N=9) 2,67 (N=9) 1,57 (N=7) (Pouco Satisfeito) 3,25 (N=8) 3,63 (N=8) (Muito Satisfeito) % de s no valor 3 52,9 29,4% de s em 4 52,9 3 52,9 4 80,0 3 55,6 2 52,9 3 52,9 3 64,7 4 88,9 4 55,6 2 e 33,3% de s em 2 57,1 3 50,0 4 62,5 19

20 C) Adequação da Carga de Trabalho Exigida nas Unidades Curriculares do 2º Ano Gráfico 9 - s dos alunos do 2º Ano para cada uma das Unidades Curriculares Comuns Escala de Carga de Trabalho: 1= Muito Leve; 2=Leve; 3=Adequada; 4=Pesada; 5=Muito Pesada. Atelier de Cibercultura Comunicação Organizacional História dos Media Comunicação com a Imagem Sociologia dos Media Direito da Metodologia da Investigação Científica da 3 3,12 3,53 3,53 3,53 3,56 3,65 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 4,5 5 Sociologia dos Media Quadro 9: Estatísticas descritivas relativas à Carga de Trabalho das Unidades Curriculares do 2º ano Resultados Resultados 2009 Metodologia da Investigação Científica da Atelier de Cibercultura Comunicação Organizacional Jornalismo de Imprensa (P.A. Jornalismo e Informação) Realização Televisiva Multicâmara (P.A. Criação de Conteúdos Para os Novos Media) Comunicação com a Imagem Direito da História dos Media Atelier de Jornalismo Radiofónico (P.A. Jornalismo e Informação) Jornalismo Televisivo (P.A. Jornalismo e Informação) Jornalismo Digital (P.A. Jornalismo e Informação) Atelier de Crossmedia (P.A. Criação de Conteúdos Para os Novos Media) Pós-produção Vídeo (P.A. Criação de Conteúdos Para os Novos Media) Guionismo (P.A. Criação de Conteúdos Para os Novos Media) 3,54 (Pesada) 4,03 (Pesada) 2,91 3,21 (Adequada 3,71 (Pesada) 3,35 2,62 (Adequada 4,30 (Pesada) 3,50 (Pesada) 3,50 (Pesada) 4,00 (Pesada) 3,07 2,50 3,61 (Pesada) 3,70 (Pesada) 3,53 (Leve) 3,65 (Leve) 3,00 (Muito Pesada) 3,12 3,30 2,44 (Pesada) 3,53 (Pesada) 3,56 (Muito Pesada) 3,53 (Pesada) 3,44 3,67 % de s no valor 3 52,9 3 52,9 3 70,6 3 70,6 3 70,0 3 55,6 3 52,9 3 56,3 3 52,9 3 55,6 3 e 4 447,4% de s em 2, ,9 1, ,0 3, ,0 3,13 3 e 4 37,5% de s em 20

21 D) Análise Comparativa das Unidades Curriculares do 2º ano Gráfico 10 - s dos alunos do 2º Ano para cada uma das Unidades Curriculares História dos Media 2,76 3,12 3,53 Direito da Comunicação Social 2,76 3,44 3,56 Comunicação com a Imagem 2,59 2,94 3,53 Comunicação Organizacional 2,67 3 3,12 Atelier de Cibercultura 3 3,47 3,33 Metodologia da Investigação Científica da Comunicação Social 2,35 2,5 3,65 Sociologia dos Media 2,71 3,17 3,53 Importância Satisfação Carga de Trabalho 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 4,5 5 Escala de Importância: 1=Nada Importante; 2=Pouco Importante; 3=Importante; 4=Muito Importante Escala de Satisfação: 1=Nada Satisfeito; 2=Pouco Satisfeito; 3=Satisfeito; 4=Muito Satisfeito Escala de Carga de Trabalho: 1= Muito Leve; 2=Leve; 3=Adequada; 4=Pesada; 5=Muito Pesada. O Gráfico nº 10 permite verificar que: 1) os alunos inquiridos não avaliam, em média, nenhuma disciplina do plano curricular comum do 2º ano como Muito Importante. As sete disciplinas comuns são consideradas como Importantes, sendo que a disciplina de Metodologia de Investigação Científica em Comunicação apresenta uma média no limite inferior deste valor da escala; 21

22 2) da mesma forma, e em relação à avaliação da Satisfação, nenhuma das disciplinas apresenta médias de enquadráveis no valor da escala Muito Satisfeito; é de referir que a disciplina de Metodologia de Investigação Científica em Comunicação apresenta uma média que se enquadra no valor da escala Pouco Satisfeito; 4) A disciplina que apresenta maior sintonia entre a Importância que os inquiridos lhe atribuem e a Satisfação com a sua concretização é: Metodologia de Investigação Científica em Comunicação; 5) A disciplina de Direito da é a que apresenta maior discrepância entre a Importância que os inquiridos lhe atribuem e a Satisfação com a sua concretização; 6) É ainda de referir que existem duas disciplinas que apresentam uma avaliação da Satisfação superior à da Importância, nomeadamente: Comunicação Organizacional e Atelier de Cibercultura; 7) Das sete disciplinas que compõem o plano curricular comum do 2º ano cinco são apontadas como uma carga de trabalho Pesada. 22

23 Unidades Curriculares do 3º Ano A) Importância das Unidades Curriculares do 3º Ano Gráfico 11 - s dos alunos do 3º Ano para cada uma das Unidades Curriculares Comuns Representação e Culturas Visuais 2,38 Escala de Importância: 1=Nada Importante; 2=Pouco Importante; 3=Importante; 4=Muito Importante Deontologia da Estágio/Projecto 3,5 3,86 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 Quadro 10: Estatísticas descritivas relativas à importância das Unidades Curriculares do 3º ano Resultados 2009 Resultados Representação e Culturas Visuais Deontologia da Realização e Pós-Produção Áudio-Rádio (Opção) Relações Públicas (Opção) Oficina de Colocação de Voz (Opção) Fotojornalismo (P.A. Jornalismo e Informação) Atelier de Investigação Jornalística (P.A. Jornalismo e Informação) Técnicas de Jornalismo Radiofónico (P.A. Jornalismo e Informação) Atelier de Televisão Interactiva (P.A. Criação de Conteúdos para os Novos Media) Produção e Administração de Conteúdos On-Line (P.A. Criação de Conteúdos para os Novos Media) Produção e Informação para Documentários (P.A. Criação de Conteúdos para os Novos Media) Estágio/Projecto 2,25 (Pouco Importante 4,00 3,50 (Muito Importante 3,50 4,00 4,00 4,00 4,00 2,38 (Pouco Importante) 3,50 3,00 (N=5) 2,67 (N=6) 3,00 n(n=5) 3,43 (N=7) 3,57 (N=7) 3,43 (N=7) 3,00 (N=3) 3,33 (N=3) 3,00 (N=3) 3,86 % de s no valor 3 50,0 3 e 4 50,0% de s em valores da 3 60,0 3 66,7 3 60,0 4 57,1 4 57,1 3 57, , ,0 4 85,7 23

24 B) Satisfação com as Unidades Curriculares do 3º Ano Gráfico 12 - s dos alunos do 3º Ano para cada uma das Unidades Curriculares Comuns Representação e Culturas Visuais 2,75 Escala de Satisfação: 1=Nada Satisfeito; 2=Pouco Satisfeito; Estágio/Projecto 3,14 3=Satisfeito; Deontologia da 4=Muito Satisfeito 3,38 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 Quadro 11: Estatísticas descritivas relativas à Satisfação com as Unidades Curriculares do 3º ano Resultados 2009 Resultados % de s no valor Representação e Culturas Visuais Deontologia da Realização e Pós-Produção Áudio-Rádio (Opção) Relações Públicas (Opção) Oficina de Colocação de Voz (Opção) Fotojornalismo (P.A. Jornalismo e Informação) Atelier de Investigação Jornalística (P.A. Jornalismo e Informação) Técnicas de Jornalismo Radiofónico (P.A. Jornalismo e Informação) Atelier de Televisão Interactiva (P.A. Criação de Conteúdos para os Novos Media) Produção e Administração de Conteúdos On- Line (P.A. Criação de Conteúdos para os Novos Media) Produção e Informação para Documentários (P.A. Criação de Conteúdos para os Novos Media) Estágio/Projecto 1,50 (Pouco Satisfeito) 3,00 2,50 3,50 (Muito Satisfeito) 3,50 (Muito Satisfeito) 4,00 (Muito Satisfeito) 3,00 3,75 (Muito Satisfeito) 2,75 3,38 2,40 (N=5) (Pouco Satisfeito) 2,83 (N=6) 3,20 (N=5) 3,00 (N=6) 3,50 (N=6) (Muito Satisfeito) 3,33 (N=6) 2,67 (N=3) 2,67 (N=3) 3,00 (N=3) 3, ,0 4 50,0 3 60,0 3 50,0 3 e 4 2, 3 e 4 3 e 4 40,0% de s em 33,3% de s em 50,0% de s em 4 50,0 3 66,7 3 66, ,0 3 57,1 24

25 C) Adequação da Carga de Trabalho Exigida nas Unidades Curriculares do 3º Ano Gráfico 13 - s dos alunos do 3º Ano para cada uma das Unidades Curriculares Representação e Culturas Visuais 3,13 Escala de Carga de Trabalho: 1= Muito Leve; 2=Leve; 3=Adequada; 4=Pesada; 5=Muito Pesada. Estágio/Projecto Deontologia da 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 4,5 5 3,43 3,75 Quadro 12: Estatísticas descritivas relativas à Carga de Trabalho das Unidades Curriculares do 3º ano Resultados 2009 Resultados % de s no valor Representação e Culturas Visuais Deontologia da Realização e Pós-Produção Áudio- Rádio (Opção) Relações Públicas (Opção) Oficina de Colocação de Voz (Opção) Fotojornalismo (P.A. Jornalismo e Informação) Atelier de Investigação Jornalística (P.A. Jornalismo e Informação) Técnicas de Jornalismo Radiofónico (P.A. Jornalismo e Informação) Atelier de Televisão Interactiva (P.A. Criação de Conteúdos para os Novos Media) Produção e Administração de Conteúdos On-Line (P.A. Criação de Conteúdos para os Novos Media) Produção e Informação para Documentários (P.A. Criação de Conteúdos para os Novos Media) Estágio/Projecto 2,25 (Leve) 3,25 3,00 3,75 (Pesada) 4,00 (Pesada) 3,00 3,00 3,50 (Pesada) 3,13 3,75 (Pesada) 2,60 (N=5) 3,50 (N=6) (Pesada) 2,80 (N=5) 2,83 (N=6) 3,17 (N=6) 4,33 (N=6) (Pesada) 3,00 (N=3) 3,00 (N=3) 3,33 (N=3) 3,43 3 e 4 37,5% de s em 4 37, , ,0 3 80,0 3 50,0 4 50,0 5 50,0 2, 3 e 4 2, 3 e 4 33,3% de s em 33,3% de s em 3 66,7 3 42, Os escala 3 e 5 foram ambos indicados por 25,0% de inquiridos. 37 Os escala 1, 2 e 4 foram indicados por 20,0% de inquiridos. 38 O segundo valor mais indicado foi o 4, por 28,6% de inquiridos. 25

26 D) Análise Comparativa das Unidades Curriculares do 3º ano Não se apresenta a análise comparativa do 3º ano, uma vez que este é constituído por uma grande número de disciplinas de opção em relação às quais responde um reduzido nº de alunos. 26

27 4. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PEDAGÓGICO DOS PROFESSORES DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. Para cada docente será assinalado a verde o(s) item(s) com a média de mais alta, indicando, assim, o principal ponto forte; a laranja será indicado o(s) item(s) com a média de mais baixa indicando, assim, o aspecto que os alunos inquiridos consideram ser o menos forte do desempenho pedagógico dos docente. De referir, ainda, que sempre que num determinado item as s se concentrem em dois escala, para além da percentagem de s no valor da moda será indicado em nota de rodapé o segundo valor da escala mais referido. Quando nada mais for indicado significa que as restantes s se dispersaram pelos restantes escala TEORIAS DA COMUNICAÇÃO Docente: DINA ISABEL MOTA CRISTO Quadro 13 - Média das s dos alunos do 1º Ano Resultados % de s no valor 3, ,8 39 3, ,4 40 O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 3, ,8 41 O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 3, ,8 42 4, ,5 43 O(a) professor(a) foi pontual 3, ,4 44 2, ,4 45 3,47 Apenas Parcialmente 39 O segundo valor da escala mais indicado foi o 3, por 30,4% dos inquiridos. 40 O segundo valor da escala mais indicado foi o 3, por 21,7% dos inquiridos. 41 O segundo valor da escala mais indicado foi o 3, por 26,1% dos inquiridos. 42 O segundo valor da escala mais indicado foi o 2, por 21,1% dos inquiridos. 43 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 22,7% dos inquiridos. 44 O segundo valor da escala mais indicado foi o 5, por 26,1% dos inquiridos. 45 O segundo valor da escala mais indicado foi o 1, por 26,1% dos inquiridos. 27

28 4.2. PSICOLOGIA SOCIAL DOS GRUPOS E EQUIPAS DE TRABALHO Docente: TATIANA MOTA FERNANDES CARVALHO HOMEM Quadro 14 - Média das s dos alunos do 1º Ano Resultados % de s no valor 4, ,9 4, ,5 46 O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 4, ,6 O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 4, ,9 4, ,0 O(a) professor(a) foi pontual 4, ,9 4, ,9 4,46 Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 46 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 30,4% dos inquiridos. 28

29 4.3. HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA DE PORTUGAL Docente: LUIS CARLOS MARTINS DE ALMEIDA MOTA Quadro 15 - Média das s dos alunos do 1º Ano Resultados % de s no valor 4, ,9 3, ,5 O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 4, ,9 O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 4, ,5 4, ,0 O(a) professor(a) foi pontual 4, ,6 4, ,1 47 4,24 Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 47 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 34,8% dos inquiridos. 29

30 4.4. EXPRESSÃO ESCRITA PARA A COMUNICAÇÃO SOCIAL Docente: NATÁLIA DE JESUS ALBINO PIRES Quadro 16 - Média das s dos alunos do 1º Ano Resultados % de s no valor 4, ,8 48 3, ,1 49 O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 3, ,5 50 O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 4, ,5 51 4, ,0 O(a) professor(a) foi pontual 4, ,5 4,43 4 e 5 4,16 47,8% de s em ambos os valores da moda Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 48 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 39,1% dos inquiridos. 49 Os escala 4 e 5 foram ambos indicados por 26,1% de inquiridos. 50 Os escala 4 e 5 foram ambos indicados por 26,1% de inquiridos. 51 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 30,4% dos inquiridos. 30

31 4.5. ATELIER DE ANÁLISE DO DISCURSO DOS MEDIA Docente: CARLA SUSANA RIBEIRO PATRÃO Quadro 17 - Média das s dos alunos do 1º Ano Resultados % de s no valor 4, ,9 4,26 4 e 5 43,5% de s em valores da O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 3, ,5 52 O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 4, ,5 53 4, ,0 O(a) professor(a) foi pontual 3,96 4 e 5 34,8% de s em valores da 4, ,5 4,15 Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 52 O segundo valor da escala mais indicado foi o 3, por 30,4% dos inquiridos. 53 O segundo valor da escala mais indicado foi o 3, por 34,8% dos inquiridos. 31

32 4.6. GÉNEROS JORNALÍSTICOS Docente: NELSON ALEXANDRE MATEUS DOS SANTOS Quadro 18 - Média das s dos alunos do 1º Ano Resultados % de s no valor 4, ,2 4, ,0 O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 4, ,5 O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 4, ,0 4, ,6 54 O(a) professor(a) foi pontual 4, ,2 4, ,6 4,44 Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 54 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4 por 38,1% dos inquiridos. 32

33 4.7. PSICOLOGIA SOCIAL DA COMUNICAÇÃO Docente: TATIANA MOTA FERNANDES CARVALHO HOMEM Quadro 19 - Média das s dos alunos do 1º Ano Resultados % de s no valor 4, ,6 4, ,1 55 O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 4, ,5 O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 4, ,2 4, ,1 O(a) professor(a) foi pontual 4, ,6 4, ,3 4,54 Totalmente Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 55 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 34,8% dos inquiridos. 33

34 4.8. SOCIOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Docente: DINA ISABEL MOTA CRISTO Quadro 20 - Média das s dos alunos do 1º Ano Resultados % de s no valor 4, ,9 3, ,1 56 O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 4, ,8 57 O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 4, ,8 58 4, ,9 59 O(a) professor(a) foi pontual 3, ,8 60 2, ,4 61 3,72 Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 56 O segundo valor da escala mais indicado foi o 5, por 21,7% dos inquiridos. 57 O segundo valor da escala mais indicado foi o 5, por 30,4% dos inquiridos. 58 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 21,8% dos inquiridos. 59 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 31,8% dos inquiridos. 60 O segundo valor da escala mais indicado foi o 5, por 26,1% dos inquiridos. 61 O segundo valor da escala mais indicado foi o 2, por 26,1% dos inquiridos. 34

35 4.9. INICIAÇÃO À PRODUÇÃO TELEVISIVA Docente: GIL ANTÓNIO BAPTISTA FERREIRA Quadro 21 - Média das s dos alunos do 1º Ano Resultados % de s no valor 3, ,8 62 3, ,9 O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 3, ,8 63 O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 4,04 4 e 5 34,8% de inquiridos em 4, ,5 64 O(a) professor(a) foi pontual 4,00 3 e 5 39,1% de s em 3, ,5 3,89 () Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 62 O segundo valor da escala mais indicado foi o 3, por 30,4% dos inquiridos. 63 Os escala 3 e 5 foram ambos indicados por 30,4% de inquiridos. 64 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 27,3% dos inquiridos. 35

36 4.10. ATELIER DE REDACÇÃO JORNALÍSTICA Docente: SUSANA MARIA CERQUEIRA BORGES Quadro 22 - Média das s dos alunos do 1º Ano Resultados % de s no valor 4, ,6 4, ,2 O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 4, ,8 65 O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 4, ,5 4, ,1 O(a) professor(a) foi pontual 3, ,8 66 4,43 4 e 5 4,22 47,8% de s em Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 65 O segundo valor da escala mais indicado foi o 5, por 30,4% dos inquiridos. 66 O segundo valor da escala mais indicado foi o 5, por 21,7% dos inquiridos. 36

37 4.11. SOCIOLOGIA DOS MEDIA Docente: DINA ISABEL MOTA CRISTO Quadro 23 - Média das s dos alunos do 2º Ano Resultados % de s no valor 3, ,9 67 3, ,2 68 O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 4, ,9 O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 4,18 4 e 5 4,00 3 e 5 41,2% de s em 37,5% de s em O(a) professor(a) foi pontual 4, ,2 69 2, ,3 70 3,65 Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 67 O segundo valor mais indicado foi o 2, por 23,5% de inquiridos. 68 O segundo valor mais indicado foi o 2, por 23,5% de inquiridos. 69 O segundo valor mais indicado foi o 3, por 29,4% de inquiridos. 70 O segundo valor mais indicado foi o 1, por 29,4% de inquiridos. 37

38 SOCIAL METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NA COMUNICAÇÃO Docente: MARIA CLÁUDIA PERDIGÃO SILVA MENDES ANDRADE Quadro 24 - Média das s dos alunos do 2º Ano Resultados % de s no valor 3, ,1 71 3,18 3 e 4 29,4% de s em O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 3, ,2 72 O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 3, ,3 73 3, ,8 74 O(a) professor(a) foi pontual 3, ,2 75 3, ,1 76 3,46 Apenas Parcialmente Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 71 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 29,4% dos inquiridos. 72 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 35,3% dos inquiridos. 73 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 29,4% dos inquiridos. 74 O segundo valor da escala mais indicado foi o 3, por 37,5% dos inquiridos. 75 O segundo valor da escala mais indicado foi o 3, por 35,3% dos inquiridos. 76 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 35,3% dos inquiridos. 38

39 4.13. ATELIER DE CIBERCULTURA Docente: CARLA SUSANA RIBEIRO PATRÃO Quadro 25 - Média das s dos alunos do 2º Ano Resultados % de s no valor 4, ,1 77 4, ,1 78 O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 3, ,2 79 O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 4,24 4 e 5 41,2% de s em 3, ,5 80 O(a) professor(a) foi pontual 4, ,9 4, ,8 4,17 Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 77 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 35,3% dos inquiridos. 78 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 29,4% dos inquiridos. 79 O segundo valor da escala mais indicado foi o 5, por 35,3% dos inquiridos. 80 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 31,3% dos inquiridos. 39

40 4.14. COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL Docente: MARIA DO ROSÁRIO CAMPOS MIRA Quadro 26 - Média das s dos alunos do 2º Ano Resultados % de s no valor 4, ,9 3,59 3 e 5 29,4% de s em O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 4, ,1 81 O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 4, ,8 4, ,5 82 O(a) professor(a) foi pontual 4, ,1 83 4, ,9 4,20 Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 81 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 35,3% dos inquiridos. 82 OS escala 3 e 5 foram ambos indicados por 31,3% de inquiridos. 83 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 35,3% dos inquiridos. 40

41 4.15. JORNALISMO DE IMPRENSA (P.A. Jornalismo e Informação) Docente: PAULO ALEXANDRE MARTINS SANTOS Quadro 27 - Média das s dos alunos do 2º Ano Resultados % de s no valor 4, ,9 4, ,4 84 O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 4,33 4 e 5 44,4% de s em O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 4, ,7 3,88 3 e 4 37,5% de s em O(a) professor(a) foi pontual 3, ,4 85 4, ,7 4,25 N = 9 Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 84 O segundo valor da escala mais indicado foi o 4, por 33,3% dos inquiridos. 85 O segundo valor da escala mais indicado foi o 3, por 33,3% dos inquiridos. 41

42 4.16. REALIZAÇÃO TELEVISIVA MULTICÂMARA (P.A. Criação de Conteúdos para os Novos Media) Docente: CARINA ALEXANDRA SANTOS ESTEVES Quadro 28 - Média das s dos alunos do 2º Ano Resultados 4,20 4 e 5 % de s no valor 40% de s em 3, ,0 86 O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 3,50 3 e 5 30% de s em O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 4, ,0 3, ,0 87 O(a) professor(a) foi pontual 3, ,0 88 4, ,0 3,84 Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 86 O segundo valor da escala mais indicado foi o 3, por 30% dos inquiridos. 87 Os restantes inquiridos distribuem-se de forma equitativa pelos escala 1, 3 e 4 (20% 88 O segundo valor da escala mais indicado foi o 3, por 30% dos inquiridos. 42

43 4.17. COMUNICAÇÃO COM A IMAGEM Docente: DINA ISABEL MOTA CRISTO Quadro 29 - Média das s dos alunos do 2º Ano Resultados % de s no valor 3, ,0 2, ,8 89 O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 4, ,1 90 O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 4, ,9 4, ,0 91 O(a) professor(a) foi pontual 4, ,0 2, ,5 92 3,62 Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 89 O segundo valor da escala mais indicado é o 2, por 31,3% de inquiridos. 90 O segundo valor da escala mais indicado é o 4, por 29,4% de inquiridos. 91 O segundo valor da escala mais indicado é o 5, por 33,3% de inquiridos. 92 O segundo valor da escala mais indicado é o 2, por 25% de inquiridos. 43

44 4.18. DIREITO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL Docente: SARA SOARES DE MEIRELES GRAÇA Quadro 30 - Média das s dos alunos do 2º Ano Resultados % de s no valor 3, ,0 3, ,3 93 O(a) professor(a) disponibilizou materiais de apoio 4, ,9 O(a) professor(a) clarificou os critérios de avaliação 4,41 4 e 5 47,1% de s em 4, ,7 94 O(a) professor(a) foi pontual 4, ,5 4,13 4 e 5 4,21 37,5% de s em Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo; 3= Apenas Parcialmente; 4=; 5= Totalmente. 93 Os escala 3 e 4 foram ambos indicados por 25% de inquiridos. 94 O segundo valor da escala mais indicado é o 5, por 33,3% de inquiridos. 44

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN Novembro ÍNDICE 1. Introdução 4 2. População e Amostra 4 3. Questionário de Satisfação dos Alunos 5 3.1. Caracterização dos inquiridos 5 3.2. Apresentação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Educação Básica sobre a ESEC 4 3.2. Opinião

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Agosto 2008

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Agosto 2008 AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Agosto 08 de Comunicação e Design Multimédia 08 ÍNDICE 1. Introdução 5 2. População e Amostra 5 3. Apresentação de Resultados 6 3.1. Opinião dos alunos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA / PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL DOMINIO COGNITIVO E MOTOR

AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA / PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL DOMINIO COGNITIVO E MOTOR AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA / PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL DOMINIO COGNITIVO E MOTOR Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Especial sobre a

Leia mais

Relatório de Monitorização Pedagógica

Relatório de Monitorização Pedagógica Relatório de Monitorização Pedagógica Inquérito aos Alunos do 1º Ciclo 2011/2012 1º Semestre Janeiro 2012 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Março 2015 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES CANAL INERNET AT AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Autoridade

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior RELATÓRIO A procura de emprego dos Diplomados com habilitação superior Dezembro 2007 Fevereiro, 2008 Ficha Técnica Título A procura de emprego dos diplomados com habilitação superior Autor Gabinete de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Setembro 2008

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Setembro 2008 AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA Setembro 08 ÍNDICE 1. Introdução 2. População e Amostra 3. Apresentação de Resultados 6 3.1. Opinião dos alunos de Língua Gestual Portuguesa sobre a ESEC

Leia mais

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO III RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL -- ÍNDICE ÍNDICE. OBJECTIVOS E ÂMBITO DO ESTUDO. METODOLOGIA. RESUMO. INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL. INOVAÇÃO NOS ÚLTIMOS 6 ANOS 6. APRENDIZAGEM

Leia mais

EXAMES ÉPOCA NORMAL 2.º SEMESTRE ANO LETIVO 2015/2016 LICENCIATURAS MESTRADOS PÓS-GRADUAÇÃO

EXAMES ÉPOCA NORMAL 2.º SEMESTRE ANO LETIVO 2015/2016 LICENCIATURAS MESTRADOS PÓS-GRADUAÇÃO EAMES ÉPOCA NORMAL 2.º SEMESTRE ANO LETIVO 2015/2016 LICENCIATURAS MESTRADOS PÓS-GRADUAÇÃO EAMES ÉPOCA NORMAL 2.º, 4.º e 6.º SEMESTRES 2015/2016 LICENCIATURA // AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA NOTA // Os alunos

Leia mais

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6 Relatório Síntese: Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Introdução ÍNDICE Qual a proporção de trabalhadores-estudantes no IST nos últimos 5 anos lectivos? 2 Qual a População-alvo deste inquérito? 2 A

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

EXAMES ÉPOCA ESPECIAL

EXAMES ÉPOCA ESPECIAL EAMES ÉPOCA ESPECIAL ANO LETIVO 2015/2016 LICENCIATURAS MESTRADOS PÓS-GRADUAÇÃO EAMES ÉPOCA ESPECIAL 2015/2016 LICENCIATURA // AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA NOTA // Só serão admitidos em eame os alunos inscritos.

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE

INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE MARÇO 2013 Índice 1. RESUMO EXECUTIVO... 3 2. INQUÉRITO AOS AGREGADOS FAMILIARES... 11 2.1. Descrição do trabalho realizado...

Leia mais

NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Coimbra

Leia mais

Sistema de formação e certificação de competências

Sistema de formação e certificação de competências Sistema de Formação e Certificação de Competências Portal das Escolas Manual de Utilizador Docente Referência Projecto Manual do Utilizador Docente Sistema de formação e certificação de competências Versão

Leia mais

RELATÓRIO. Avaliação da satisfação dos utilizadores do BAV. Relatório. Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual

RELATÓRIO. Avaliação da satisfação dos utilizadores do BAV. Relatório. Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual Relatório Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual Direcção Municipal da Presidência Gabinete do Munícipe Divisão Municipal de Gestão da Qualidade Porto, 29 de Junho de 2011

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA Junho 2013 Página 1 de 20 Introdução Entre os dias 20 e 31 de Maio de 2013, foi aplicado o Questionário

Leia mais

Critérios e metodologia de admissão e de classificação e ordenação dos candidatos

Critérios e metodologia de admissão e de classificação e ordenação dos candidatos CONCURSO DOCUMENTAL PARA UM LUGAR DE PROFESSOR COORDENADOR PARA O SETOR DE ÁREAS DISCIPLINARES DE PSICOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ÁREA DISCIPLINAR PSICOLOGIA SOCIAL, COMPORTAMENTO E COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL.

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 DEPARTAMENTO de EDUCAÇÃO Teresa Bettencourt MESTRADO EM ENSINO DE ARTES VISUAIS NO 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E NO ENSINO SECUNDÁRIO

Leia mais

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9 COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO REGULAMENTO Serviços de Psicologia e de Orientação INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA nep.010.1 Página 1 de 9 Índice Índice... 2 1. Definição dos Serviços... 3 2.Objectivos....3

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO JORNALISMO Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. Artigo 2.º Destinatários O Mestrado em Jornalismo

Leia mais

MODELOS Y DINÁMICA DE LA DOCENCIA

MODELOS Y DINÁMICA DE LA DOCENCIA MODELOS Y DINÁMICA DE LA DOCENCIA CRIAÇÃO DO GAEL (GABINETE DE APOIO À PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS E E-LEARNING) ESTUDO DE CASO: PROJECTO CAL2000 DR.ª CARLA PATROCÍNIO, DR. RUI MENDES GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA JULHO 2015 1 Abreviaturas AEAG Agrupamento de Escolas Dr. António Granjo CAF Common Assessment Framework (Estrutura Comum de Avaliação) AM - Ação de Melhoria

Leia mais

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares Título: Educação em Números - Portugal 2008 Autoria: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério da Educação Edição: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério

Leia mais

Projecto de Actividades para a «Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis» Formulário de candidatura

Projecto de Actividades para a «Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis» Formulário de candidatura Projecto de Actividades para a «Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis» Formulário de candidatura (vide instruções no URL: http://www.crie.min-edu.pt/portateis/index.htm) 1. Identificação

Leia mais

Questionário. Desenvolvimento Profissional dos Professores

Questionário. Desenvolvimento Profissional dos Professores Questionário Desenvolvimento Profissional dos Professores Com este questionário pretende-se contribuir para o conhecimento de algumas dimensões do desenvolvimento profissional dos professores portugueses,

Leia mais

Escola Superior De Enfermagem São Francisco das Misericórdias. Anexos

Escola Superior De Enfermagem São Francisco das Misericórdias. Anexos Escola Superior De Enfermagem São Francisco das Misericórdias Anexos Relatório de atividades 2014 Auditoria Interna Serviços Administrativos Quadro 1 não conformidades e reclamações no período de 13.05.2013

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt O evidente decréscimo de conhecimento básico de matemática por parte dos alunos nos cursos de engenharia,

Leia mais

A Televisão na Sociedade em Rede

A Televisão na Sociedade em Rede A Sociedade em Rede Portugal 2010 A Televisão na Sociedade em Rede Setembro de 2011 flash report Março 2009 0 Índice Introdução... 4 Sumário Executivo... 5 Perfis e caracterização do consumo de Televisão,

Leia mais

Resultados dos inquéritos aos novos alunos da ESCS

Resultados dos inquéritos aos novos alunos da ESCS Resultados dos inquéritos aos novos alunos da ESCS No prosseguimento da política de qualidade da ESCS, foram realizados, no início do ano lectivo 2011/2012 e à semelhança do que aconteceu no ano anterior,

Leia mais

MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico (IST)

MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico (IST) PERFIL DO ALUNO UNIVERSITÁRIO DO MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico () 1. Introdução Esta comunicação faz uma caracterização do

Leia mais

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente Manual de Utilizador Junho de 2011 V6 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 4 1.1 Aspectos gerais... 4 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação... 4 1.3

Leia mais

Interacções número 5. pp. 179-188. do Autor 2003 CONSUMO DE ÁLCOOL NA ADOLESCÊNCIA E RELAÇÕES PARENTAIS. Maria Manuela Pereira

Interacções número 5. pp. 179-188. do Autor 2003 CONSUMO DE ÁLCOOL NA ADOLESCÊNCIA E RELAÇÕES PARENTAIS. Maria Manuela Pereira Escola Superior de Altos Estudos 179 CONSUMO DE ÁLCOOL NA ADOLESCÊNCIA E RELAÇÕES PARENTAIS Maria Manuela Pereira Dissertação de Mestrado em Sociopsicologia da Saúde - Consumo de Álcool na Adolescência

Leia mais

da Uniiversiidade de Évora

da Uniiversiidade de Évora Universidade de Évora Rellatóriio sobre o Inquériito aos Liicenciiados da Uniiversiidade de Évora Pró-Reitoria para a Avaliação e Política da Qualidade Jacinto Vidigal da Silva Luís Raposo Julho de 2010

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Reitoria Gabinete do Reitor. Apreciação do anteprojecto de decreto-lei Graus académicos e diplomas do Ensino Superior

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Reitoria Gabinete do Reitor. Apreciação do anteprojecto de decreto-lei Graus académicos e diplomas do Ensino Superior Apreciação do anteprojecto de decreto-lei Graus académicos e diplomas do Ensino Superior 1. O anteprojecto de decreto-lei apresentado pelo governo regulamenta a recente alteração da Lei de Bases (Lei 49/2005,

Leia mais

SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU

SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU QUADRO RESUMO DA CARREIRA Escalão Índice Duração Outros requisitos: Quotas, aulas assistidas 1 167 4 2 188 4 2 aulas assistidas 3 205 4

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

Educação Formação Avançada

Educação Formação Avançada ISEC Instituto Superior de Educação e Ciências Educação Formação Avançada ISEC Instituto Superior de Educação e Ciências Educação Formação Avançada Unidade Científico- Pedagógica de Ciências da Educação

Leia mais

Inquérito Portais Portugueses

Inquérito Portais Portugueses Inquérito Portais Portugueses Janeiro 2001 O estudo promovido pela Netsonda revela dados muito interessantes sobre os hábitos dos utilizadores portugueses da Internet. Depois de uma sucessão de modas por

Leia mais

Análise por Curso EP IV Técnico de Comunicação - Marketing, R. P. e Publicidade 661

Análise por Curso EP IV Técnico de Comunicação - Marketing, R. P. e Publicidade 661 Análise por Curso EP IV Técnico de Comunicação - Marketing, R. P. e Publicidade 661 Análise por Curso EP IV Técnico de Comunicação - Marketing, R. P. e Publicidade 662 Componente de Formação SC C T Disciplinas

Leia mais

Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008

Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008 Relatório Resumo Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008 Fevereiro de 2009 Departamento de Qualidade e Comunicação sofia.viegas@apemeta.pt Índice: 2 1. Enquadramento 3 2. Avaliação da

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Secção Autónoma de Ciências da Saúde 1. INTRODUÇÃO Em 2003 foi criado o Mestrado em Geriatria e Gerontologia, que se iniciou no

Leia mais

Enoturismo em Portugal 2014. Caraterização das empresas e da procura

Enoturismo em Portugal 2014. Caraterização das empresas e da procura Enoturismo em Portugal 2014 Caraterização das empresas e da procura Edição 2015 ÍNDICE Sumário Executivo Caraterização das Empresas Promoção de Serviços Procura das (2014) 3 4 5 7 O Enoturismo em Portugal

Leia mais

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade.

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade. Reitoria Circular RT-05/2009 Programa Qualidade 2009 Apesar dos constrangimentos financeiros impostos pelo orçamento atribuído para 2009, é importante garantir que são apoiadas as experiências e os projectos

Leia mais

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Florin Zamfir 1, Fernando Delgado 2 e Óscar Mealha 1 1 Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e

Leia mais

1. (PT) - Diário de Coimbra, 21/07/2011, ESEC e Escola de Hotelaria lançam nova pós-graduação 1

1. (PT) - Diário de Coimbra, 21/07/2011, ESEC e Escola de Hotelaria lançam nova pós-graduação 1 Revista de Imprensa 22-07-2011 1. (PT) - Diário de Coimbra, 21/07/2011, ESEC e Escola de Hotelaria lançam nova pós-graduação 1 2. (PT) - Diário As Beiras, 20/07/2011, Pós-graduação pioneira na Escola de

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 )

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) Tendo iniciado no presente ano lectivo 2005/2006 o funcionamento da plataforma Moodle na Universidade Aberta, considerou-se

Leia mais

Departamento de Ciências da Educação Licenciatura em Educação de Infância 3º Ano

Departamento de Ciências da Educação Licenciatura em Educação de Infância 3º Ano Departamento de Ciências da Educação Licenciatura em Educação de Infância 3º Ano Programa da disciplina de Oficina de Materiais Educativos Ano lectivo 2008/2009 3 horas semanais Docente: Prof. Doutor Paulo

Leia mais

INQUÉRITO AOS ALUNOS FUNCIONAMENTO DAS DISCIPLINAS (1º SEMESTRE)

INQUÉRITO AOS ALUNOS FUNCIONAMENTO DAS DISCIPLINAS (1º SEMESTRE) ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO GABINETE DE AVALIAÇÃO E QUALIDADE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DA ESTG / IPG INQUÉRITO AOS ALUNOS FUNCIONAMENTO DAS DISCIPLINAS (1º SEMESTRE) ANO LECTIVO 2004-2005

Leia mais

AS ESTATÍSTICAS NO EMPREGO

AS ESTATÍSTICAS NO EMPREGO AS ESTATÍSTICAS NO EMPREGO Sumário 1. Breve Apresentação do ONRH 2. O Contributo dos Modelos Estruturais 3. Síntese dos Resultados Agregados do ONRH 4. Inquérito aos Residentes na RAM: Dimensão Emprego

Leia mais

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 O presente Regulamento Geral (RG) aplica-se

Leia mais

Sistema Interno de Garantia da Qualidade

Sistema Interno de Garantia da Qualidade ISEL Sistema Interno de Garantia da Qualidade RELATÓRIO Inquérito Novos Alunos Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Gabinete de Avaliação e Qualidade Janeiro 2014 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 4 1.1

Leia mais

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa PREÂMBULO O actual Regulamento Geral de Avaliação (RGA) foi formulado, no essencial, em 2009 e reformulado em 2010. Teve

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL AVALIAÇÃO DO CURSO D MSTRADO M DUCAÇÃO SPCIAL Setembro 2010 ÍNDIC 1. Introdução 1 2. População e Amostra 1 3. Questionário de Satisfação dos Alunos 2 3.1. Caracterização dos inquiridos 2 3.2. Apresentação

Leia mais

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral MOTIVAÇÃO DE ALUNOS COM E SEM UTILIZAÇÃO DAS TIC EM SALA DE AULA Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE npmeneses@gmail.com Doutora Sónia Rolland Sobral UNIVERSIDADE PORTUCALENSE

Leia mais

Experiência interdisciplinar: o Português e a Contabilidade

Experiência interdisciplinar: o Português e a Contabilidade DOSSIER PEDAGÓGICO Experiência interdisciplinar: o Português e a Contabilidade ESGHT, Universidade do Algarve Filipa Perdigão Cristina Gonçalves fperdig@ualg.pt cjesus@ualg.pt Introdução Os Cursos de Especialização

Leia mais

NCE/14/01231 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01231 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01231 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico Do Porto A.1.a.

Leia mais

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO A presente Nota Estatística visa apresentar informação relativa ao valor dos direitos de propriedade intelectual 1 no sector

Leia mais

CONFERÊNCIA FINAL ECONewFARMERS. O Projeto de Ensino a Distância da Universidade de Coimbra UC_D

CONFERÊNCIA FINAL ECONewFARMERS. O Projeto de Ensino a Distância da Universidade de Coimbra UC_D CONFERÊNCIA FINAL ECONewFARMERS O Projeto de Ensino a Sílvia Nolan 1 Factos e Números Fundada em 1290 Uma das universidades mais antigas do mundo A única em Portugal até 1911 21820 alunos 2056 alunos estrangeiros

Leia mais

EXAMES ÉPOCA DE RECURSO/MELHORIA

EXAMES ÉPOCA DE RECURSO/MELHORIA EXAMES ÉPOCA DE RECURSO/MELHORIA 1.º SEMESTRE ANO LETIVO 2015/2016 LICENCIATURAS MESTRADOS PÓS-GRADUAÇÃO LICENCIATURA // AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA Teorias da Comunicação Análise Social Audiovisual e Fundamentos

Leia mais

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico DESPACHO/SP/42/2014 Aprovo a seguinte alteração ao Regulamento do Mestrado em Fisioterapia na área de especialização de movimento humano, ministrado na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

Questionário aos Bolseiros. da Fundação Rotária Portuguesa. Este questionário pretende conhecer as opiniões do bolseiros da Fundação Rotária

Questionário aos Bolseiros. da Fundação Rotária Portuguesa. Este questionário pretende conhecer as opiniões do bolseiros da Fundação Rotária Questionário aos Bolseiros da Fundação Rotária Portuguesa Este questionário pretende conhecer as opiniões do bolseiros da Fundação Rotária Portuguesa sobre o apoio que lhes é prestado. A sua resposta a

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

JOVENS NO PÓS SECUNDÁRIO 2011

JOVENS NO PÓS SECUNDÁRIO 2011 JOVENS NO PÓS SECUNDÁRIO 2011 Ficha Técnica Título Jovens no Pós 2011 Autoria Centro de Investigação e Estudos em Sociologia Instituto Universitário de Lisboa Fernando Luís Machado (coord.); David Nóvoas;

Leia mais

Do jornalismo online ao webjornalismo: formação para a mudança

Do jornalismo online ao webjornalismo: formação para a mudança Do jornalismo online ao webjornalismo: formação para a mudança João Manuel Messias Canavilhas Universidade da Beira Interior Índice 1 Formação actual dos jornalistas 2 2 Formar webjornalistas 3 3 Conclusão

Leia mais

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico De Setúbal

Leia mais

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se: ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Organograma 7 3. Caracterização Global do Efectivo 9 4. Emprego 10 5. Estrutura Etária do Efectivo 13 6. Antiguidade 14 7. Trabalhadores Estrangeiros 15 8. Trabalhadores Deficientes

Leia mais

formativa e das atividades de ensino e de aprendizagem nela desenvolvidas;

formativa e das atividades de ensino e de aprendizagem nela desenvolvidas; Índice 1- ENQUADRAMENTO... 2 2- METODOLOGIA... 3 3- INSTRUMENTOS... 4 3.1. Ficha da unidade curricular... 4 3.2. Inquéritos de apreciação ensino/aprendizagem... 4 3.3. Formulários... 4 3.4. Dossiers...

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA FACULDADES INTEGRADAS IPITANGA - UNIBAHIA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CORPO DISCENT APRESENTAÇÃO 1. A Avaliação Institucional com o corpo discente é parte do processo de

Leia mais

Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral

Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral «ÁREA DE PROJECTO COMO FAZER?» Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral Centro De Formação Penalva e Azurara Círculo de Estudos

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º. Grau

MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º. Grau MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º Grau 1. A ESAP confere o grau de Mestre em Arquitetura, através de Mestrado Integrado, na especialidade de Arquitetura e comprova um nível

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS Índice Introdução 03 Ficha Técnica 05 Sumário Executivo 06 Relatório de Resultados 07 Entidades Inquiridas

Leia mais

NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL

NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL Os dados disponibilizados pelo Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais do Ministério da Ciência,

Leia mais

Diagnóstico de Sustentabilidade

Diagnóstico de Sustentabilidade Realizado para a Câmara Municipal de Aljustrel Diagnóstico de Sustentabilidade Resultados dos inquéritos às empresas Abril de 2011 Conteúdo Introdução... 3 Caracterização das empresas... 4 Indicadores

Leia mais

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Igualdade de Género INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Para um conhecimento mais aprofundado da situação de Igualdade de Género e considerando o objectivo

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Simulação Empresarial II-Marketing

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Simulação Empresarial II-Marketing INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 25/3/2015 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/5/2015 Ficha de Unidade

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O CONTROLO INTERNO DE CONSUMÍVEIS, MATÉRIAS E PRODUTOS ACABADOS E PROGRAMA DE GESTÃO DE STOCKS

RELATÓRIO SOBRE O CONTROLO INTERNO DE CONSUMÍVEIS, MATÉRIAS E PRODUTOS ACABADOS E PROGRAMA DE GESTÃO DE STOCKS Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte RELATÓRIO SOBRE O CONTROLO INTERNO DE CONSUMÍVEIS, MATÉRIAS E PRODUTOS ACABADOS E PROGRAMA DE GESTÃO DE STOCKS Trabalho efectuado ao abrigo do Plano de

Leia mais

CONCURSO. A nossa escola pela não violência

CONCURSO. A nossa escola pela não violência CONCURSO A nossa escola pela não violência O concurso A nossa escola pela não violência pretende premiar produtos e acções de sensibilização produzidos por alunos e alunas do 3º Ciclo do Ensino Básico

Leia mais

ACEF/1415/17827 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1415/17827 Relatório preliminar da CAE ACEF/1415/17827 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual Inquérito Qualitativo de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2006 31 de Janeiro de 2007 TAXA DE VARIAÇÃO DO INVESTIMENTO PARA 2006 REVISTA EM BAIXA Os resultados do Inquérito ao Investimento

Leia mais

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes Algumas considerações estratégicas António Jorge Monteiro Abril de 1992 2 I. A História II. O Mercado III. Os Cursos IV. Os Professores V. Os Alunos

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Abril de 2011 08 de Julho de 2011 Revisão em baixa das expectativas de investimento empresarial em 2011. De acordo com as intenções manifestadas pelas

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS 1.ª Edição 2011-2012 Nos termos do disposto no artigo 8.º, n.º 1, a), do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, aprovado

Leia mais

Comunicação e Educação na Formação de Professores (um estudo de caso)

Comunicação e Educação na Formação de Professores (um estudo de caso) Comunicação e Educação na Formação de Professores (um estudo de caso) Lucília Maria P. T. Santos Universidade de Aveiro Resumo O uso e a aplicação de tecnologias da comunicação e informação, TIC, integram

Leia mais

À amostra global do estudo corresponde um intervalo de confiança de 95% para uma margem de erro de ± 2,5%.

À amostra global do estudo corresponde um intervalo de confiança de 95% para uma margem de erro de ± 2,5%. Ficha Técnica: e-health: Inovação em Portugal 2012 Universo: Totalidade de Médicos, Farmacêuticos e Enfermeiros a exercer actividade profissional em Portugal; Amostra: 1.507 questionários (foram realizados

Leia mais

NCE/11/00731 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/00731 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/00731 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Coimbra A.1.a.

Leia mais

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios Informação à Comunicação Social 4 de Fevereiro de 2002 CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios A disponibilização destes resultados provisórios dos Censos 2001 sobre a população

Leia mais

Resolução nº 027, de 26 de março de 2013.

Resolução nº 027, de 26 de março de 2013. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais