Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda, 2004, 1.ª edição. Manual subsidiado pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda, 2004, 1.ª edição. Manual subsidiado pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português"

Transcrição

1 Ficha Técnica Título: Internet e E-Business Autor: Luís Martins Editor: Companhia Própria Formação e Consultoria Lda. Edifício World Trade Center, Avenida do Brasil, n.º 1-2.º, LISBOA Tel: ; Fax: / Entidades Promotoras e Apoios: Coordenador: Companhia Própria Formação e Consultoria Lda. e Programa Operacional Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado pelo Estado Português e pela União Europeia, através do Fundo Social Europeu. Ministério da Segurança Social e do Trabalho. Ana Pinheiro e Luís Pinheiro Equipa Técnica: SBI Consulting Consultoria de Gestão, SA Avenida 5 de Outubro, n.º 10 8.º andar, , LISBOA Tel: ; Fax: sbi-consulting.com Revisão, Projecto Gráfico, Design e Paginação: e-ventos CDACE Pólo Tecnológico de Lisboa Lote 1 Edifício CID Estrada do Paço do Lumiar Lisboa Tel Fax: Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda, 2004, 1.ª edição GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA Manual subsidiado pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português Todas as marcas ou nomes de empresa referidos neste manual servem única e exclusivamente propósitos pedagógicos e nunca devem ser considerados infracção à propriedade intelectual de qualquer dos proprietários.

2 Índice ÍNDICE 2 ENQUADRAMENTO 4 1. CONCEITOS OPERACIONAIS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS A REDE DAS REDES ACESSO À INTERNET O QUE É UM ISP? O BROWSER O PROTOCOLO HTTP O DOMÍNIO A ESTRUTURA DO DOMÍNIO HOMEPAGE / SITE LINKS? MAIL (CORREIO ELECTRÓNICO) LISTAS DE MAILING NEWSGROUPS (FÓRUNS DE DISCUSSÃO) CHAT (CONVERSAR NA INTERNET) FTP (PROTOCOLO DE TRANSFERÊNCIA DE FICHEIROS) A PESQUISA ONLINE PANORÂMICA SUCINTA DOS INSTRUMENTOS DE PESQUISA DIRECTORIAS / APONTADORES VS. INDEXADORES A PERSPECTIVA MULTI-CANAL OS PARTICIPANTES NO E-BUSINESS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS TRANSMISSÃO DE DADOS PAPEL DE CADA ENTIDADE NO PROCESSO DE EBUSINESS NOVOS MERCADOS E-BUSINESS PLANEAMENTO INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS MODELOS DE NEGÓCIO E MODELOS DE RECEITA A CADEIA DE VALOR DE UMA EMPRESA, DE MICHAEL PORTER A TECNOLOGIA NA CADEIA DE VALOR ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) A GESTÃO DE IMPLEMENTAÇÃO DE ERP Descrição do Projecto Organização da Gestão Funções do Chefe de Projecto Caderno de Encargos E-BUSINESS PLAN INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INFORMAÇÃO PESSOAL 80 2

3 4.3. DESCRIÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ABORDAGEM DO MERCADO PLANEAMENTO DO WEBSITE E-BUSINESS MÓVEL INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS NEGÓCIOS MÓVEIS MCOMMERCE TECNOLOGIAS DE LOCALIZAÇÃO APLICAÇÕES B2C APLICAÇÕES B2B INTEGRAÇÃO NA CADEIA DE VALOR 129 RESOLUÇÃO DOS EXERCÍCIOS 137 BIBLIOGRAFIA 140 3

4 Enquadramento ÁREA PROFISSIONAL Este manual enquadra-se em diversas áreas profissionais, dado o impacto que a utilização da Internet teve e continua a ter na operação de negócios a nível nacional. Para além de todos os profissionais do ramo, é igualmente adequado para empreendedores e para todo o tipo de funções operacionais relacionadas com negócio electrónico, gestão de pagamentos, gestão logística e Contact Center. NÍVEL DE FORMAÇÃO/QUALIFICAÇÃO Esta acção está direccionada para participantes com nível 5, ou seja, possuidores de grau de bacharel ou licenciado ou equivalente, dentro da União Europeia. CURSO / SAÍDA PROFISSIONAL Todos os participantes poderão reunir competências no âmbito desta área e obter saídas profissionais a desempenhar funções de Gestor de Loja Online, Assistente de Marketing, Consultor de e-logística, Consultor de Contact Centers e Comercial ou Consultor de Vendas no Mercado das Novas Tecnologias, Telecomunicações ou em departamento relacionados com estes mercados. As competências adicionadas com este manual complementam igualmente a formação profissional em gestão, logística e finanças. 4

5 A componente de empreendorismo é igualmente importante, dado que este curso poderá dotar o empreendedor ou o gestor de ferramentas e técnicas adequadas para alavancarem muito do potencial da Internet e Novas Tecnologias para o seu próprio negócio. PRÉ-REQUISITOS Para frequentar uma acção auxiliada por este manual, deve ser colocado como pré-requisito alguma familiaridade com browsers, preferencialmente com o Internet Explorer. A familiaridade com servidores web, como APACHE, e bases de dados MySQL são factores preferenciais. COMPONENTE DE FORMAÇÃO Através deste manual poderão ser leccionado cursos como: Internet e ebusiness Planeamento do Negócio Online Planeamento de Websites Reengenharia de Negócio e ebusiness A Formação a decorrer, tendo este manual como auxiliar, pretende criar competências ao nível de gestão, análise de gestão e de utilização da Internet para empreendedores e profissionais de empresas, com interacção diário ao nível da Internet. UNIDADES DE FORMAÇÃO E DURAÇÃO CONCEITOS OPERACIONAIS (8h) OS PARTICIPANTES NO E-BUSINESS (8h) E-BUSINESS PLANEAMENTO (8h) E-BUSINESS PLAN (8h) 5

6 NEGÓCIO MÓVEL (8h) OBJECTIVOS GLOBAIS No final da formação, o formando deve estar apto a: Definir Internet, WWW, HTTP, IP, FTP, POP, SMTP e restantes protocolos e serviços de base, disponíveis através do protocolo IP; Aplicar técnicas de pesquisa em motores de pesquisa indexadores; Identificar e aplicar na realidade do seu negócio técnicas para a automatização do seu negócio; Enunciar, no seu negócio, as alterações que a mudança no papel de cada stakeholder operaram; Identificar e aplicar diversos modelos de negócio e de receita no seu negócio online; Estruturar um plano de implementação de um ERP, na perspectiva do Gestor de Projecto vertente negócio; Elaborar um ebusiness Plan, um Plano de Negócios para um ebusiness; Identificar as alterações possíveis na cadeia de valor de um negócio, com o advento do negócio móvel e mcommerce. CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONCEITOS OPERACIONAIS Introdução Acesso à Internet e ISP s Http, browsers e domínios. Serviços Online (FTP, IRC) Motores de Pesquisa e Técnicas de Pesquisa 6

7 OS PARTICIPANTES NO E-BUSINESS Papel de cada entidade no ebusiness Novos Mercados E-BUSINESS PLANEAMENTO Modelos de Negócio Modelos de Receita Directos Modelos de Receita Indirectos Cadeia de Valor de uma empresa ERP (Enterprise Resource Planning) Gestão com ERP Gestão de Projecto e implementação de um ERP E-BUSINESS PLAN Pressupostos Informação Pessoal Descrição do Plano de Negócios Abordagem do Negócio Planeamento de website NEGÓCIO MÓVEL mcommerce Tecnologias de Localização Aplicações B2B Modelos de Receita móveis Integração na Cadeia de Valor 7

8 1. Conceitos Operacionais Introdução 1.1. INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS Neste capítulo, devem ficar esclarecidos os principais conceitos no ebusiness, como sendo os principais serviços disponíveis através da Internet, os protocolos, linguagens de programação e a forma como a pesquisa na web, um dos serviços mais procurados, pode ser realizada. No final do capítulo, os formandos devem estar aptos a: Identificar os protocolos possíveis para a execução de serviços na Internet; Relacionar cada serviço a um protocolo; Pesquisar na web, utilizando indexadores e directórios. Sucintamente, a Internet, ou simplesmente "A Net", é um sistema mundial de redes de computadores 1 uma rede de redes, na qual, utilizadores em qualquer computador podem aceder a dados e informação noutro computador qualquer, dentro da Internet, se para isso tiverem permissão. Esta partilha constante apenas é possível devido ao protocolo-base, o IP (Protocolo de Internet), que possibilita a troca de ficheiros via (através dos protocolos POP, SMTP e IMAP), transferência directa de ficheiros (protocolo FTP) e acesso móvel (protocolos WAP, GPRS e UMTS). Não deve confundir a Internet com WWW, World Wide Web, que, nas palavras do seu criador: " É o universo de toda a Informação acessível em Rede através da Internet, uma concretização do potencial do conhecimento humano." 2 1 Whatis.com 2 Tim Berners-Lee, criador do conceito genérico da WWW e Director da 8

9 Ou seja, a WWW corresponde ao conjunto de todos os utilizadores e recursos disponíveis na Internet que comunicam entre si através do protocolo HTTP (Protocolo de Transferência de Hipertexto). O Hipertexto é um dos mais importantes conceitos na WWW. Na sua forma mais visível, o hipertexto compõe todas as ligações (links) entre as várias páginas, o que permite saídas e entradas directas de site para site. Sendo uma rede livre, onde todos os utilizadores podem disponibilizar dados e informação, e dada a facilidade que o hipertexto empresta à transição de página para página, temos acesso hoje a milhares de páginas de informação. A navegação através do protocolo HTTP e a pesquisa nestas páginas é feita através de um browser. MOSAIC foi o nome do primeiro programa de navegação na Internet, que permitia apenas a visualização de textos e cores 3. Hoje, os mais usuais são o Internet Explorer 4, o Netscape Navigator 5 e o Opera 6. Definimos o ebusiness como o desenvolvimento de uma parte ou da totalidade de um negócio na plataforma Internet. Vamos, de seguida, analisar os serviços que podem ser servidos através da plataforma Internet para, posteriormente, analisarmos o negócio electrónico e a sua caracterização. BIBLIOGRAFIA ACONSELHADA Para desenvolver mais o seu conhecimento sobre o funcionamento básico dos browsers e do papel do IP e restantes protocolos, pode consultar: Vaz, Isabel, Depressa e Bem Utilizar a Internet, FCA, Lisboa, 2000, ISBN: Para um conhecimento mais aprofundado do protocolo IP, está disponível na o seguinte manual, em inglês: Stevens, W. Richard, TCP/IP Illustrated: The Protocols (APC), Addison Wesley, 1994, ISBN: LINKS DE INTERESSE 3 E pode encontrá-lo ainda hoje no National Center of Supercomputer Applications em

10 Manual Online de Introdução à Internet, de Libório Silva e Pedro Remoaldo (Ed. Presença) A REDE DAS REDES A Internet assemelha-se a um gigantesco sistema telefónico, que liga utilizadores de todo o mundo, por meio de uma rede de linhas de transmissão de dados. Na rede, computadores especiais, a que se dá o nome de servidores (servers) estão conectados entre si, através de linhas telefónicas e cabos de fibra óptica. O verdadeiro trabalho na rede é feito por esses computadores especiais, que têm como função, "despejar" os dados procurados pelo utilizador nos seus computadores pessoais. A ligação às páginas pretendidas é feita através dos endereços electrónicos (os tais comandos Para aceder ao conteúdo da World Wide Web (a rede mundial) é preciso dispor de um programa "navegador" (browser) que permita viajar pela WWW, que é como uma espécie de controlo remoto, capaz de juntar no ecrã do nosso computador, fotos, texto e som das páginas alojadas na rede. Para além de todos os serviços proporcionados pela Internet, é de referir duas vantagens: 1ª - Todos os computadores ligados entre si, com o seu precioso conteúdo de informação, formam uma enorme base de dados a nível mundial, que pode ser consultada como se estivéssemos a pesquisar algo no nosso próprio computador. 2ª - Mesmo numa ligação dial-up (telefónica ou analógica), é possível ler ou enviar um documento de um local do Globo para outro... como se fosse em Portugal ou até na nossa própria cidade. Comunica-se com o Mundo inteiro ao preço de uma chamada local. A World Wide Web (WWW) é a aplicação mais recente na Internet. O protocolo HTTP que está na sua origem, foi concebido e desenvolvido em 1990, pelo European Laboratory for Particle Physics, na Suíça, e conseguiu tornar a Internet mais convidativa, com o seu simpático aspecto gráfico. Pela primeira vez, o comum dos utilizadores estava dispensado de saber de cor uma imensidão de comandos estranhos que era preciso digitar caracter a caracter no teclado; e navegar por entre texto, imagens e sons tornou-se uma brincadeira de crianças. A WWW funciona como uma revista onde, para mudar de página, basta um clique do rato. Existem páginas de Web com informação sobre os mais variados temas e proveniências, sendo tão fácil aceder a uma página Web 10

11 americana, como a uma portuguesa ou japonesa. Qualquer que seja o assunto em que se esteja interessado, o mais certo é encontrar várias páginas Web sobre esse mesmo tema. As páginas Web são criadas através de uma linguagem de programação, chamada HTML (HyperText Mark-up Language), que permite criar facilmente (qualquer um pode desenvolver a sua própria página de WWW com um mínimo de esforço) ligações (links) a outras páginas, introduzir imagens e vídeo, som, formulários, etc. Para aceder à Web é necessário um programa específico, conhecido como browser (navegador). Para se visitar uma determinada página, é preciso conhecer o seu endereço (URL), que é então digitado no Web browser, que irá em seguida procurar estabelecer ligação com o computador (Web server) referente a essa morada. Seguidamente, o computador contactado envia o código HTML da página solicitada; o Web browser descodifica tudo isso, sem o mínimo de esforço por parte do utilizador, e dá-lhe a ver a página tal como foi concebida na origem. Os browser mais conhecidos são o Internet Explorer e Netscape. Os milhares de milhões de páginas Web existentes na rede, poderiam constituir um problema, quando pretendêssemos encontrar uma página específica, relativa a determinada informação, sem que possuíssemos o seu endereço. Não haveria sequer "Páginas Amarelas" que comportassem tal quantidade de dados. No entanto, e porque existem os chamados "motores de busca ou de pesquisa", há a possibilidade de procurar o que queremos através de palavras-chave simples ou compostas. Os mais populares entre os estrangeiros são: Yahoo, AltaVista, Lycos e entre os portugueses Sapo, aeiou. Mais à frente neste capítulo, analisaremos algumas das ferramentas de pesquisa mais utilizadas na Internet. Para utilizar a Internet são necessários quatro componentes: 1º Uma linha telefónica normal, ADSL ou Via Cabo Coaxial 2º Um computador pessoal munido de um programa com interface gráfico, como o Windows, que ao executar o programa navegador (Browser), é capaz de extrair os dados de outro computador ligado à rede (servidor). 3º Um modem aparelho capaz de converter o sinal analógico da linha telefónica em sinal digital, de modo a que os dados possam ser visualizados no computador. Faz também a conversão inversa, quando se enviam dados através da linha telefónica. Tendo em conta os novos tipos de ligação à Internet, podemos ainda falar em modem por cabo e modem ADSL. 4º Um fornecedor de acesso à Internet (ISP - Internet Service Provider). Ao subscrever o serviço, o ISP fornece-lhe uma identificação 11

12 (user), uma palavra-chave (password) e uma lista dos números de telefone dos pontos de acesso ACESSO À INTERNET O acesso à Internet pode ser feito através de uma ligação temporária (dialup) ou de uma ligação permanente. O "Internet Service Provider" (ISP) é a empresa que fornece o acesso à Internet. A localização do nó de acesso designa-se por "Point Of Presence" (POP). Nas secções seguintes descrevese os modos de acesso mais comuns. A velocidade e o custo serão os parâmetros de comparação para os diferentes tipos de acesso. O débito ou velocidade da ligação são medidos pelo número de bits por segundo (bps) que a ligação suporta. Enquanto os custos das ligações temporárias são variáveis e em função do tempo, os custos das ligações permanentes são fixo qualquer que seja o tempo de ligação. 1 - Acesso Temporário (Dial-Up) 1.1 Modem Analógico Os custos de uma ligação via modem são relativamente baixos. Utiliza a tradicional linha analógica da rede telefónica comutada (RTC) e oferece uma velocidade até 28.8 Kbps. É uma solução para ligações temporárias e o custo é igual ao custo duma chamada telefónica. A opção por esta solução implica a aquisição de um modem e duma linha telefónica RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Uma linha RDIS oferece um suporte de comunicação digital e velocidades até 128 Kbps. Permite tempos de ligação quase instantâneos e melhor qualidade nas comunicações, imune ao ruído e às interferências. Constitui uma boa solução para profissionais liberais e empresas de pequena e média dimensão que usam a Internet como ferramenta de trabalho nas suas actividades e precisam de pequenos a médios volumes de tráfego. O custo é em função do tempo de ligação tal como a clássica chamada telefónica. A Portugal Telecom disponibiliza dois tipos de acesso RDIS: básico e primário. O acesso básico fornece dois canais de comunicação de 64 Kbps. O acesso primário está vocacionado para as empresas com elevados volumes de tráfego e disponibiliza até 30 canais de comunicação. Todavia, já existem no mercado soluções integradas que incluem o acesso RDIS, hardware, sofware e suporte técnico. 12

13 Pode dar-se acesso à Internet aos utilizadores de uma LAN duma empresa através duma configuração multiponto. Esta solução é mais barata que a "tradicional" solução com um router e um firewall. 2 - Acesso Permanente Frame Relay O Frame Relay estabelece uma ligação permanente e dedicada entre dois locais. A LAN da organização é ligada à rede frame relay que actua como backbone ou rede de transporte, na qual o ISP está ligado. Estabelece-se assim a ligação à Internet. Como o backbone é partilhado por todos os clientes, a velocidade de trânsito da informação pode ser menor que a conseguida com um circuito alugado. As velocidades de ligação variam de 56 Kbps a T1 (1,5 Mbps). Os custos são fixos e proporcionais ao débito contratado. Especificamente, frame relay é a solução que se recomenda para sites Internet de médio e grandes volumes de tráfego (www e ). 2.2 Linha dedicada A linha dedicada ou circuito alugado estabelece uma ligação ponto a ponto, duma forma muito semelhante ao frame relay. A única diferença é que não existe uma rede backbone pelo meio como existia com o frame relay, ou seja, a linha é completamente dedicada ao tráfego da empresa. Isto traduzse em ligações com débitos mais elevados, mais fiáveis e com maior segurança. Os débitos dos circuitos alugados variam de 56 Kbps a T3 (45 Mbps) e dado que são dedicados apenas ao tráfego da empresa as velocidades de trânsito da informação são usualmente maiores que as conseguidas com o frame relay. É a melhor solução para uma ligação permanente à Internet. Os custos são fixos e proporcionais ao débito contratado ADSL Uma opção que vem ganhando popularidade não só ao nível de empresas, como ao nível de utilizador doméstico é a conexão via ADSL. Através deste tipo de conexão, o equipamento fica ligado à Internet 24 horas por dia, ou seja, basta ligar o computador e estará imediatamente ligado à Internet. Ao contrário da conexão analógica, a linha telefónica fica livre para a realização e recepção de chamadas. Um circuito ADSL consiste em três canais lógicos de alta velocidade para download, um canal duplex de média velocidade e uma POTS (Plain Old Telephony Services), a linha de voz utilizada pelas companhias telefónicas. 13

14 1.4. O QUE É UM ISP? Internet Service Provider, ou seja, Fornecedor de Serviço Internet. São instituições que fornecem acesso à Internet através dos seus servidores a utlizadores remotos O BROWSER Browsers são programas especiais para visualizar páginas WWW. Os Browsers lêem e interpretam os documentos escritos em HTML (Linguagem de Criação de Sites na Internet), apresentando as páginas de forma a que todas as pessoas as possam ler. Hoje, os Browsers muitas vezes realizam tarefas relacionadas com à Internet, como a leitura de correio electrónico e de grupos Usenet News. No entanto, estas actividades extras NÃO são relacionadas directamente com a WWW O PROTOCOLO HTTP Quando seres humanos se comunicam, utilizam o mesmo idioma para que se consigam entender. E o mesmo acontece na Internet. A língua em que os computadores conversam é o TCP/IP, um conjunto de regras ou se preferir, de protocolos. Para que dois computadores se comuniquem, é necessário que "falem" e "entendam" um mesmo protocolo. O protocolo mais comum utilizado na WWW é o Hyper Text Transfer Protocol ou Protocolo de Transferência em Hipertexto, que na forma reduzida diz-se HTTP. O HTTP faz parte do conjunto TCP/IP. Para encontrarmos uma página na web, usamos No entanto, muitas vezes queremos aceder a outros serviços a partir do browser. Usamos então o protocolo correspondente, por exemplo: ftp://para File Transfer Protocol, (que iremos tratar mais adiante) 14

15 1.7. O DOMÍNIO O domínio identifica uma organização, entidade ou projecto na internet. Por exemplo, o domínio que permite o acesso ao site de apoio deste livro, encontra-se no ponto de Internet (Internet Point IP ) Este ponto da Internet, ou nó da rede, é único. A principal função dum domínio está em converter IP s em nomes perceptíveis e memoráveis para o comum dos mortais, como se se tratasse duma matrícula virtual. Dominou? Para verificar o IP dum domínio, clique na sua barra de iniciar e escolha Executar. Aí tecle command e abre-se uma pequena janela negra de DOS. Aí pode utilizar o Packet Inter-Network Groper (PING) para descobrir essa informação. Basta teclar ping A ESTRUTURA DO DOMÍNIO Começando pelo fim, a extensão.com indica-nos que este domínio tem uma função comercial. Todos os domínios na Web possuem estas extensões, que chamamos de domínios de topo (TLD s Top-level Domains). Segundo um estudo do TheCounter.com, sites pequenos e até mesmo sites pessoais usam e promovem-se através de TLD s.com e, graças a essa inflação, 22% dos sites a nível Mundial são.com. Sim, embora essa extensão tenha fins comerciais, não existe qualquer controlo da aplicação desta pelas entidades que permitem o registo de TLD s daí este excesso. Para além do.com, podemos ter ainda os seguintes domínios internacionais, que identificam o objectivo genérico do site:.net (para sites que tratam de matérias directamente relacionadas com a net);.org (para sites de organizações não-lucrativas);.biz (um TLD recente, criado para identificar negócios na Internet, mas que ainda não conseguiu destronar o.com);.info (para sites de conteúdo informativo, não-comercial);.name (para sites pessoais);.coop (para colectividades ou organizações cooperativas);.aero (para companhias aéreas e sites do ramo); 15

16 .museum (para museus ou exposições). Estas extensões podem reflectir, para além do propósito do site, a região / nacionalidade onde o domínio foi registrado ( por ex. o nosso conhecido,pt ) ou mesmo um cruzamento entre ambos (ex. o recente com.pt. Dê uma espreitadela no anexo 1 para uma lista completa de TLD s utilizados a nível Mundial. Em Portugal, o.com e o.pt estão par a par sempre que um utilizador comum não acha o domínio pretendido em.com, tenta em.pt e vice-versa. Registar as duas versões é por isso muito importante, pois assim consegue cobrir todas as possibilidades de acesso ao seu negócio e, mesmo que apenas promova um deles, está a certificar-se que não perde nenhum visitante interessado nos seus serviços. Mas de volta à estrutura do domínio: ao nome da entidade, em conjunto com o TLD, chamamos Domínio de 2º nível (ex. companhiapropria.pt). Este é o domínio que traduz o endereço de IP dum site e que encaminha o utilizador ao conteúdo desejado. Um domínio de 2º nível deve ser único e registado junto de uma entidade acreditada para o efeito no ICANN.org (Internet Corporation for Assigned Names and Numbers) ou na sua entidade representante em Portugal, a FCCN.pt (Fundação para a Computação Científica Nacional). Um terceiro nível pode ainda ser definido para identificar especificamente o servidor ou directoria que pretende. Por exemplo, ou Este terceiro nível serve sobretudo para identificar serviços específicos e para facilitar o aceso a utilizadores habituais HOMEPAGE / SITE Antigamente o termo HomePage nem sempre era usado de forma clara e correcta. Antes, uma HomePage era um conjunto de arquivos em HTML apelidados de páginas, disponíveis na WWW. Estes estavam interligados entre si através de Links, e eram criadas com um objectivo determinado. E, algumas vezes, o termo HomePage também era utilizado para designar a primeira e principal página de um conjunto de documentos. Foi essa ambiguidade de conceitos, que estimulou a nova definição Web page, página web, para o conjunto, também chamado de site. Sendo assim, home page agora serve para designar a página inicial, principal do site (web page). 16

17 1.10. LINKS? Links são elementos especiais (palavras, frases, ícones, gráficos ou ainda um Mapa Sensitivo, que caracterizam um ambiente em hipertexto. Um link quando clicado - accionado - com o mouse, remetem o leitor a outra parte do documento ou outro documento MAIL (CORREIO ELECTRÓNICO) Este é o serviço mais utilizado na Internet. Possibilita a troca de mensagens entre os utilizadores da Inyternet, em todo o mundo. O Correio Electrónico é, de uma forma simples, uma das várias maneiras de transferir informações de um local para outro, recorrendo aos computadores e às linhas telefónicas. E basicamente é isso: trocar mensagens, seja com quem for, onde quer que essa pessoa se encontre. Entenda, no entanto, "mensagens" num sentido mais lato que o convencional: não há nenhuma razão que limite as suas capacidades de expressão ao texto puro e simples; aos computadores é tão fácil partilhar o texto completo da Bíblia como excertos de áudio e vídeo, gráficos e folhas de cálculo, ou tudo isso ao mesmo tempo. Há, de facto, uma série de vantagens em fazer do uma forma de comunicação preferencial: O é muito rápido. Depois de carregar na tecla <return> do computador, a mensagem chega ao outro lado do mundo em poucos segundos, inclusivamente a dois ou três lugares diferentes ao mesmo tempo, se o desejar. Por outro lado, enviar um para Coimbra ou para Tóquio, o preço é exactamente o mesmo. Podemos pensar, p.ex. na possibilidade de enviar um fax de 23 páginas para o outro lado do Atlântico nuns meros 7 segundos, ao preço de uma chamada local. O que chega ao lado de lá é, para todos os efeitos, um documento original, sem a degradação a que os esforçados faxes invariavelmente o sujeitariam. Finalmente, o é o mais eficiente meio de comunicação existente. Não tem de sair de casa para enviar e receber mensagens. Podem enviar-se várias cópias da mesma carta para diversos destinos, juntar-lhe imagens, codificar a mensagem para maior segurança...e verificar se o destinatário recebeu efectivamente a mensagem, com toda a segurança de uma carta registada. O endereço de divide-se em duas partes: o nome do utilizador e a localização do utilizador, separados pelo (arroba) 17

18 À esquerda do está o nome do utilizador espaa que é o nome da pessoa ou entidade a quem dirigimos a mensagem. Falta-nos o resto, como a rua, cidade, código postal... neste caso a espaa "mora Analisando o endereço da direita para a esquerda: pt é o código do domínio top-level que indica que o endereço se localiza em Portugal. Todas as "matrículas electrónicas" portuguesas terminam em "pt", tal como as brasileiras terminam em "br" e as do Reino Unido em "uk". Sabemos portanto que a espaa mora no país Portugal. E sabemos que a encontramos na "cidade" do clix, porque lá está "clix" antes do "pt". O termo "mail" é menos interessante para nós, mas fundamental para os computadores, e refere pouco mais ou menos a "rua" a que a carta que enviámos deve ser dirigida. Neste caso, é o nome da máquina que serve de carteiro à Telepac, e onde são acumuladas todas as mensagens de correio dirigidas a utilizadores da Telepac. A analogia não podia ser mais simples: trata-se apenas de indicar ao carteiro electrónico o número da casa (espaa), a rua (mail), a cidade (telepac) e o país (pt) para onde o deve ser enviado. Em relação aos cabeçalhos é, somente, uma questão de hábito. Com alguma paciência, os cabeçalhos são muito fáceis de decifrar e muito úteis para detectar qualquer programa. No fundo, não são mais do que um envelope virtual. Eis alguns exemplos: Date: Sun, 27 Sep :58:27 GMT To: From: Editorial Caminho ML Sender: Editorial Caminho ML Reply-To: Editorial Caminho ML Subject: Edicao # Priority: urgent Date: - indicação da data e hora em que o foi enviado. To: - o destinatário da mensagem. É possível designar mais do que um destinatário para a mesma mensagem, mas o modo de fazer varia com os programas de utilizados. From: indica-lhe de onde e de quem está a chegar o recebido. Subject: o assunto do CC (Carbon Copy): "com cópia para"; é uma forma de dar conhecimento do teor da mensagem a outra pessoa que não o destinatário principal 18

19 BCC (Blind Carbon Copy): o mesmo que CC, mas o destinatário principal da mensagem não chega a ser informado da existência de outros receptores da mesma mensagem. Received: pormenores dos sistemas por onde o passou para chegar ao seu destino final. Muito útil quando se pretende detectar qualquer problema no envio. Reply To: especifica o endereço para onde se deve responder à mensagem enviada (que pode não ser o que foi usado no contacto de origem) Para enviar ou receber é necessário ter instalado no computador software especializado (Eudora, MS Exchange, p. ex.). Se comunicar cara a cara já é difícil. Imagine no que pode resultar a limitação a um simples texto e a impossibilidade de transmitir variações no tom de voz ou da expressão facial: a probabilidade de as mensagens serem mal interpretadas é muito maior. Para "aliviar" o problema, os utilizadores acérrimos do criaram um conjunto de códigos em que o "smiley" é o mais emblemático. Estes smileys não são mais do que umas "caras sorridentes" (ou não), que tentam reproduzir expressões faciais humanas e que ganham vida quando vistas de perfil (tente reconhecer dois olhinhos, um nariz e uma boca de expressão variável). Existem centenas destes smileys: : -) Estou feliz/estou a brincar : - (Estou triste, descontente/não achei graça ; -) Piscadela de olho/cumplicidade >: -) Sorriso diabólico, maquiavélico : - Cepticismo Como em tudo na vida, não se deverá abusar deste tipo de linguagem "gestual". Há outras regras importantes para quem comunica on-line, que corresponde a uma certa etiqueta: Evitar o uso de maiúsculas, porque isto pode ser entendido como se estivesse a GRITAR, além de tornar a leitura mais difícil; Assegure-se que está a enviar o certo para o endereço certo (as caixas de correio electrónicas são entendidas como algo de muito mais privado que as caixas de correio convencionais, e tanto o junk-mail como o correio indesejado são geralmente muito mal recebidos); 19

20 A clareza e a concisão são também condições essenciais a quem utiliza o correio electrónico (não esquecer que um infonauta "rodado" recebe regularmente mais mensagens do que aquelas a que pode dar resposta: vá tão directamente ao assunto quanto possa, poupando-lhe o tempo de decifrar cartas excessivamente elaboradas. Pela sua natureza, o dispensa praticamente todo o formalismo da correspondência convencional) LISTAS DE MAILING O não está limitado à troca de mensagens electrónicas entre um par ou um grupo restrito de utilizadores. O permite igualmente o acesso a listas de mailing (debates ou divulgação noticiosa que têm como suporte o correio electrónico). Uma lista de mailing é basicamente um grupo de discussão dedicado a um assunto muito específico, distribuído e participado através de . Serviço gratuito, depois de inscrito passará a figurar numa lista de distribuição automática, recebendo ou fornecendo através da sua caixa de correio toda a informação disponível sobre um determinado assunto que seja do seu interesse. Os temas abordados pelas mailing list são os mais variados. Só por curiosidade, pode dar-se uma vista de olhos pela interminável lista dos assuntos disponíveis e respectivas listas de mailing, em NEWSGROUPS (FÓRUNS DE DISCUSSÃO) Os Newsgroups, são grupos abertos de discussão sobre os temas mais variados. As pessoas que participam nos newsgroups apenas pretendem conversar. São mais de áreas temáticas nas quais se pode participar, conversando, discutindo, opinando. Áreas que vão do futebol à música, à ciência, à arte, etc. E para além de disponibilizarem pura diversão, podem ser também muito úteis, podendo ser uma das melhores formas de obter apoio técnico ou de investigar um determinado assunto. Para se poder ler o que se passa nos newsgroups tem de se ter acesso a um servidor de News (um computador dedicado à pesquisa e redistribuição das mensagens enviadas para os ditos newsgroups). A maior parte dos ISP s (fornecedores de acesso à Internet) em Portugal, oferece acesso aos newsgroups como parte integrante do seu pacote de serviços Internet; pode 20

T ecnologias de I informação de C omunicação

T ecnologias de I informação de C omunicação T ecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Aferir sobre a finalidade da Internet Identificar os componentes necessários para aceder

Leia mais

Glossário de Internet

Glossário de Internet Acesso por cabo Tipo de acesso à Internet que apresenta uma largura de banda muito superior à da linha analógica. A ligação é feita com recurso a um modem (de cabo), que se liga à ficha de sinal de TV

Leia mais

Manual Internet. Professora: Elisa Carvalho elisa_castro@sapo.pt http://elisacarvalho.no.sapo.pt

Manual Internet. Professora: Elisa Carvalho elisa_castro@sapo.pt http://elisacarvalho.no.sapo.pt Manual Internet Professora: Elisa Carvalho elisa_castro@sapo.pt http://elisacarvalho.no.sapo.pt Fevereiro de 2006 Índice Internet... 2 Correio electrónico... 2 Os endereços... 2 Lista de correio... 2 Grupos

Leia mais

Internet. O que é a Internet?

Internet. O que é a Internet? O que é a Internet? É uma rede de redes de computadores, em escala mundial, que permite aos seus utilizadores partilharem e trocarem informação. A Internet surgiu em 1969 como uma rede de computadores

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet

Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet Tecnologias da Informação e Comunicação UNIDADE 3 Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet Aula nº 2º Período Escola EB 2,3 de Taíde Ano lectivo 2009/2010 SUMÁRIO Introdução à Internet: história

Leia mais

Introdução à Internet

Introdução à Internet Internet Introdução à Internet A Internet é a maior rede de computadores do Mundo, abrangendo praticamente todos os países. Uma rede de computadores é um conjunto de dois ou mais computadores interligados,

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação. Principais tipos de serviços da Internet

Tecnologias da Informação e Comunicação. Principais tipos de serviços da Internet Tecnologias da Informação e Comunicação Principais tipos de serviços da Internet Introdução à Internet Serviços básicos Word Wide Web (WWW) Correio electrónico (e-mail) Transferência de ficheiros (FTP)

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 Acessando endereços simultaneamente Parte 2 Um recurso interessante e extremamente útil é o de abrir várias janelas ao mesmo tempo. Em cada janela você poderá acessar um endereço diferente na

Leia mais

Navegação na Web utilizando um browser. Utilização de uma aplicação para Correio Electrónico

Navegação na Web utilizando um browser. Utilização de uma aplicação para Correio Electrónico Navegação na Web utilizando um browser Utilização de uma aplicação para Correio Electrónico A, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados entre si através de linhas telefónicas comuns, linhas

Leia mais

Informática. Aula 9. A Internet e seu Uso nas Organizações

Informática. Aula 9. A Internet e seu Uso nas Organizações Informática Aula 9 A Internet e seu Uso nas Organizações Curso de Comunicação Empresarial 2º Ano O Que é a Internet? A Internet permite a comunicação entre milhões de computadores ligados através do mundo

Leia mais

Grande conjunto de informação que existe em todo o Mundo alojada em centenas de milhares de computadores chamados servidores Web.

Grande conjunto de informação que existe em todo o Mundo alojada em centenas de milhares de computadores chamados servidores Web. 1. Complete a tabela. Designação Descrição Rede mundial de computadores ligados entre si através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação privadas, satélites e outros serviços de telecomunicação.

Leia mais

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing Docente (Teóricas): E-mail: vmnf@yahoo.com Web: http://www.vmnf.net/ipam Aula 10 Sumário A Internet: História, Serviços e Tipos de Ligação

Leia mais

INTERNET. TCP/IP protocolo de comunicação sobre o qual se baseia a Internet. (conjunto de regras para a comunicação entre computadores)

INTERNET. TCP/IP protocolo de comunicação sobre o qual se baseia a Internet. (conjunto de regras para a comunicação entre computadores) TCP/IP protocolo de comunicação sobre o qual se baseia a Internet. (conjunto de regras para a comunicação entre computadores) A cada computador integrado na rede é atribuído um número IP que o identifica

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO INTRODUÇÃO À INTERNET A Internet é a maior rede de computadores do Mundo, abrangendo praticamente todos os países; Escrevemos Internet com um «I» maiúsculo

Leia mais

A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados, entre si, através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação

A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados, entre si, através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados, entre si, através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação privadas, satélites e outros serviços de telecomunicação. Hardware

Leia mais

UNIDADE 3: Internet. Navegação na Web utilizando um browser. Utilização de uma aplicação para Correio Electrónico

UNIDADE 3: Internet. Navegação na Web utilizando um browser. Utilização de uma aplicação para Correio Electrónico Navegação na Web utilizando um browser Utilização de uma aplicação para Correio Electrónico A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados entre si através de linhas telefónicas

Leia mais

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns.

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Internet Internet ou Net É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Como Comunicam os computadores Os computadores comunicam entre si utilizando uma linguagem

Leia mais

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET INTERNET O QUE É A INTERNET? O QUE É NECESSÁRIO PARA ACEDER À INTERNET? QUAL A DIFERENÇA ENTRE WEB E INTERNET? HISTÓRIA DA INTERNET SERVIÇOS BÁSICOS DA INTERNET 2 1 INTERCONNECTED NETWORK INTERNET A Internet

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio Introdução à Internet Nos dias de hoje a Internet encontra-se massificada, e disponível nos quatro cantos do mundo devido às suas

Leia mais

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO Hospitais 2004 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO PROJECTO... 3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...

Leia mais

Internet e seus recursos

Internet e seus recursos O Portal dos Miúdos e Graúdos Instituto Politécnico de Bragança Escola Superior de Educação Internet e seus recursos Portal dos Catraios, 2002 Vitor Gonçalves Conceito Básico INTERNET é uma rede global

Leia mais

NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS: intervir em rede

NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS: intervir em rede NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS: intervir em rede Algumas especificações técnicas 1 Bibliografia: REBELO, Manuel Ferreira Soares Textos de Apoio da Acção de Formação Internet e Word Web: Novos Espaços

Leia mais

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen. Concebido para a Vodafone

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen. Concebido para a Vodafone Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen Concebido para a Vodafone 1 Bem-vindo ao mundo das comunicações móveis 1 2 3 4 5 6 8 9 9 10 13 2 Bem-vindo Configuração da sua Connect Pen Iniciar o software

Leia mais

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação.

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação. Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação Internet Conceito de Internet Para compreender melhor a estrutura da Internet,

Leia mais

Editor HTML. Composer

Editor HTML. Composer 6 Editor HTML 6 Composer Onde criar Páginas Web no Netscape Communicator? 142 A estrutura visual do Composer 143 Os ecrãs de apoio 144 Configurando o Composer 146 A edição de Páginas 148 Publicando a sua

Leia mais

Introdução à Internet

Introdução à Internet Introdução à Internet Paulo Santos v. 2.0-2012 1 Índice 1 Introdução à Internet... 3 1.1 Conceitos base... 3 1.1.1 O que é a internet?... 3 1.1.2 O que é preciso para aceder à internet?... 3 1.1.3 Que

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

Estrutura de um endereço de Internet

Estrutura de um endereço de Internet Barras do Internet Explorer Estrutura de um endereço de Internet Na Internet, cada servidor tem uma identificação única, correspondente ao endereço definido no IP (Internet Protocol). Esse endereço é composto

Leia mais

Internet. A Grande Rede Mundial. Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Internet. A Grande Rede Mundial. Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha Internet A Grande Rede Mundial Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha O que é a Internet? InterNet International Network A Internet é uma rede mundial de

Leia mais

Serviços na INTERNET

Serviços na INTERNET Serviços na INTERNET Introdução A Internet é uma rede global que disponibiliza diversos serviços. Os mais conhecidos hoje em dia são a World Wide Web (WWW), o correio electrónico e o Internet Chat Relay

Leia mais

Redes - Internet. Sumário 26-09-2008. Aula 3,4 e 5 9º C 2008 09 24. } Estrutura baseada em camadas. } Endereços IP. } DNS -Domain Name System

Redes - Internet. Sumário 26-09-2008. Aula 3,4 e 5 9º C 2008 09 24. } Estrutura baseada em camadas. } Endereços IP. } DNS -Domain Name System Redes - Internet 9º C 2008 09 24 Sumário } Estrutura baseada em camadas } Endereços IP } DNS -Domain Name System } Serviços, os Servidores e os Clientes } Informação Distribuída } Principais Serviços da

Leia mais

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas PLANIFICAÇÃO AGRUPAMENTO ANUAL - DE TECNOLOGIAS ANO ESCOLAS LECTIVO DR. VIEIRA DE CARVALHO 9º ANO 2008/2009 DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Tecnologias 1º Período Conceitos Sistema da informação e comunicação

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

1. INTERNET OU NET. Hardware. Computador. Linha telefónica normal, linha RDIS, ligação por cabo ou ADSL. Modem

1. INTERNET OU NET. Hardware. Computador. Linha telefónica normal, linha RDIS, ligação por cabo ou ADSL. Modem 1. INTERNET OU NET O que é a Internet? A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados entre si através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação privadas, satélites e outros

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Unidade de Ensino/Aprendizagem Tecnologias da Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Conceitos

Leia mais

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3772-Z

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3772-Z Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3772-Z Bem-vindo ao mundo da Banda Larga Móvel 1 2 3 4 5 6 8 9 9 10 12 Bem-vindo Configuração da Connect Pen Iniciar a aplicação Ligar Janela Normal Definições

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet

Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet Tecnologias da Informação e Comunicação UNIDADE 3 Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet Aula nº 2º Período Escola EB 2,3 de Taíde Ano lectivo 2009/2010 SUMÁRIO Serviços básicos da internet

Leia mais

Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET

Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET Introdução Pesquisa de Informação de carácter genérico Pesquisa de Informação em Bases de Dados Utilização de dicionários on-line Ferramentas de tradução on-line 1

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE INTERNET CADEIRA: INFORMÁTICA I- 1º A NO ANO LECTIVO: 2001/2002 DOCENTES: LUÍS BAPTISTA JOEL CASTELEIRA O que é a Internet? Internet

Leia mais

Senha f. Sinónimo de palavra-chave. ; v.t. Palavra-chave, Username

Senha f. Sinónimo de palavra-chave. ; v.t. Palavra-chave, Username scp m. Abreviatura de soc.culture.portuguese, o grupo de news distribuído internacionalmente, dedicado a Portugal e à cultura portuguesa, no sentido lato. ; v.t. Usenet, News SDH m. Sigla de Synchronous

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISICPLINAR - Informática ANO: 8º TICT2 ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/9

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISICPLINAR - Informática ANO: 8º TICT2 ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/9 ANO: 8º TICT2 ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/9 Módulo 1 Tecnologias da Informação e Comunicação 1.1 Conceitos Essenciais Conceitos Básicos o Informática o Tecnologias da Informação o Tecnologias da Informação

Leia mais

internet http://www.uarte.mct.pt internet... abrir o programa... pag.. 6 ecrã do internet explorer... ligações... escrever um endereço de internet...

internet http://www.uarte.mct.pt internet... abrir o programa... pag.. 6 ecrã do internet explorer... ligações... escrever um endereço de internet... internet 1 http://www.uarte.mct. internet...... pag.. 2 abrir o programa...... pag.. 3 ecrã do internet explorer... pag.. 4 ligações...... pag.. 5 escrever um endereço de internet... pag.. 6 voltar à página

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2003

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2003 MANTENHA-SE INFORMADO Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para ser informado sempre que existirem actualizações a esta colecção ou outras notícias importantes sobre o Internet Explorer. *

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

World Wide Web. Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto. Disciplina de Informática, PEUS 2006 Universidade do Porto

World Wide Web. Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto. Disciplina de Informática, PEUS 2006 Universidade do Porto World Wide Web Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto Redes de Comunicação Nos anos 60 surgem as primeiras redes locais destinadas à partilha de recursos fisicamente próximos (discos, impressoras).

Leia mais

Internet. Definição. Arquitectura cliente servidor

Internet. Definição. Arquitectura cliente servidor Internet Definição A definição mais simples de Internet é que é a maior rede mundial de computadores. Do ponto de vista técnico, a Internet consiste numa rede composta por outras redes de computadores

Leia mais

Pequena história da Internet

Pequena história da Internet Pequena história da Internet A Internet nasceu em 1969, nos Estados Unidos. Interligava originalmente laboratórios de pesquisa e se chamava ARPAnet (ARPA: Advanced Research Projects Agency). Era uma rede

Leia mais

Navegar na WWW Pesquisa e Organização de Informação

Navegar na WWW Pesquisa e Organização de Informação Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação de Setúbal CENTRO DE COMPETÊNCIA NÓNIO SÉCULO XXI Navegar na WWW Pesquisa e Organização de Informação MÓDULO DE CURTA DURAÇO Cadernos de Divulgação

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Noções Básicas de Informática Componentes de hardware Monitor : permite visualizar informação na forma de imagem ou vídeo; todo o trabalho desenvolvido com o computador pode ser

Leia mais

Introdução à Internet

Introdução à Internet Tecnologias de Informação e Comunicação Introdução Internet? Introdução 11-03-2007 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 2 Internet Introdução É uma rede global de computadores interligados que comunicam

Leia mais

Internet. Professor: Francisco Silva

Internet. Professor: Francisco Silva Internet e Serviços Internet A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados entre si através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação privadas, satélites e outros serviços

Leia mais

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1. Oficina da Internet

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1. Oficina da Internet COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina da Internet Utilização Educativa da Internet Guião de iniciação à consulta e pesquisa de informação na Web Índice Introdução... 2 Alguns conceitos básicos...2

Leia mais

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Outlook 2010 Colecção: Software

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação 03-08-2010. Unidade D 1. O que é a Internet

Tecnologias da Informação e Comunicação 03-08-2010. Unidade D 1. O que é a Internet Unidade D Usar a Internet para obter, transmitir e publicar informação Unidade D Usar a Internet para obter, transmitir e publicar informação Formadora: Sónia Rodrigues Critérios de Evidência: Identifica

Leia mais

CEF Pastelaria - 3ºG Curso de Educação e Formação, Tipo II, Nível II

CEF Pastelaria - 3ºG Curso de Educação e Formação, Tipo II, Nível II Escola Básica e SecundáriaGonçalves Zarco CEF Pastelaria - 3ºG Curso de Educação e Formação, Tipo II, Nível II Tecnologias de Informação e Comunicação aula 3 e 4 2013/2014 1 Sumário - Rede de computadores;

Leia mais

NAVEGANDO NA INTERNET

NAVEGANDO NA INTERNET UNIDADE 2 NAVEGANDO NA INTERNET OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Definir a forma de utilizar um software de navegação; Debater os conteúdos disponibilizados

Leia mais

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3571. Concebido para a Vodafone

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3571. Concebido para a Vodafone Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3571 Concebido para a Vodafone Bem-vindo ao mundo das comunicações móveis 1 Bem-vindo 2 Configuração da Connect Pen 3 Iniciar a aplicação 4 Ligar - Modo

Leia mais

Guia de Estudo. Redes e Internet

Guia de Estudo. Redes e Internet Tecnologias da Informação e Comunicação Guia de Estudo Redes e Internet Aspectos Genéricos Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores

Leia mais

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Maio de 2004 Sumário 1 2 TV Cabo Bragatel Sapo Clix OniNet Telepac Tipos de ligações actualmente disponibilizadas

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação. 1.3 Introdução à Internet e à utilização dos seus serviços

Tecnologias da Informação e Comunicação. 1.3 Introdução à Internet e à utilização dos seus serviços Tecnologias da Informação e Comunicação 1.3 Introdução à Internet e à utilização dos seus serviços 2010/2011 1 Alguns aspectos gerais sobre Redes de computadores Rede de computadores conceito e objectivos

Leia mais

Guia da Internet. Página 1

Guia da Internet. Página 1 Guia da Internet Utilização da Internet Introdução... 2 Alguns conceitos básicos... 2 Endereços (URL)... 2 Páginas Web... 3 Abrir o Internet Explorer... 3 O ecrã do Internet Explorer... 4 A Barra de Ferramentas

Leia mais

Era da Informação exige troca de informações entre pessoas para aperfeiçoar conhecimentos dos mais variados

Era da Informação exige troca de informações entre pessoas para aperfeiçoar conhecimentos dos mais variados O Uso da Internet e seus Recursos Ana Paula Terra Bacelo anapaula@cglobal.pucrs.br Faculdade de Informática /PUCRS Sumário Introdução Internet: conceitos básicos Serviços da Internet Trabalhos Cooperativos

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE CONCEITOS BÁSICOS SOBRE 2008/2009 INTERNET Internet - Introdução A Internet transformou o modo como as pessoas comunicam entre si. É possível aceder e utilizar diversos serviços relacionados com a informação

Leia mais

Princípios de Internet e Termos mais Utilizados. Internet

Princípios de Internet e Termos mais Utilizados. Internet Princípios de Internet e Termos mais Utilizados Internet A Comunicação é a melhor palavra para descrever a Internet. São serviços e facilidades que, para algumas pessoas, é o lugar onde elas encontram

Leia mais

Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet

Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet Mercados em potencial de serviços Serviços da Web ftp,http,email,news,icq! Mercados em potencial de serviços FTP IRC Telnet E-mail WWW Videoconferência

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Prof. BRUNO GUILHEN Vídeo Aula VESTCON MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. A CONEXÃO USUÁRIO PROVEDOR EMPRESA DE TELECOM On-Line A conexão pode ser

Leia mais

Ferramentas como, por exemplo, linhas de conexão, formas automáticas, sombras pendentes, WordArt, etc.

Ferramentas como, por exemplo, linhas de conexão, formas automáticas, sombras pendentes, WordArt, etc. Ambiente de trabalho Ambiente de trabalho Porquê criar páginas web? A World Wide Web é a melhor forma das pessoas comunicarem umas com as outras. Nos dias de hoje, é importante poder comunicar com outras

Leia mais

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta.

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. Prof. Júlio César S. Ramos P á g i n a 1 INTERNET OUTLOOK 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. A O Outlook Express permite criar grupo de pessoas

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES 1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES Objetivos da Aula Aprender os conceitos básicos para compreensão das próximas aulas. Na maioria dos casos, os conceitos apresentados serão revistos com maior

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

Internet. História da Internet

Internet. História da Internet Internet A rede mundial de computadores é um grande fenômeno e está ampliando os horizontes de profissionais e empresas. O acesso é feito a qualquer hora e de qualquer lugar: do escritório, em casa, na

Leia mais

CCI.Courier. Troca de dados de encomenda entre o PC da quinta e o terminal. Manual de instruções. Referência: CCI.Courier v2.0

CCI.Courier. Troca de dados de encomenda entre o PC da quinta e o terminal. Manual de instruções. Referência: CCI.Courier v2.0 CCI.Courier Troca de dados de encomenda entre o PC da quinta e o terminal Manual de instruções Referência: CCI.Courier v2.0 Copyright 2014 Copyright by Competence Center ISOBUS e.v. Albert-Einstein-Str.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Internet,

Leia mais

E-MAIL ACÇÃO DE FORMAÇÃO ESE VISEU PÓLO DE LAMEGO 10/04/2003 ANA C. C. LOUREIRO ÁREA DAS TIC

E-MAIL ACÇÃO DE FORMAÇÃO ESE VISEU PÓLO DE LAMEGO 10/04/2003 ANA C. C. LOUREIRO ÁREA DAS TIC E-MAIL ACÇÃO DE FORMAÇÃO ESE VISEU PÓLO DE LAMEGO 10/04/2003 ANA C. C. LOUREIRO ÁREA DAS TIC O E-MAIL O Email (Electronic Mail) ou Correio Electrónico é um sistema de troca de mensagens entre dois ou mais

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer Netscape Navigator;

Leia mais

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA Departamento de Estatísticas Sociais Serviço de Estatísticas da Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder. Escreva as suas respostas nesta folha de teste, marcando um círculo em volta da opção ou opções que considere

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA. Text PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA. Text PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt Text GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30

Leia mais

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano Escola Básica do 2º e 3º Ciclos João Afonso de Aveiro Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Secção de Informática Planificação Anual (1.º Período) Ano lectivo 2010/2011 Tecnologias da Informação

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Março de 2004 ISBN: 972-8426-81-X Depósito legal: 207877/04

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Março de 2004 ISBN: 972-8426-81-X Depósito legal: 207877/04 Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Adobe Reader 6 Colecção: Software obrigatório

Leia mais

ENSINO BÁSICO CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Praticas Administrativas

ENSINO BÁSICO CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Praticas Administrativas Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes ENSINO BÁSICO CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Praticas Administrativas ESCOLA: Dr. Solano de Abreu DISCIPLINA:TIC ANO: 1 ANO 2013/2014 CONTEÚDOS Conceitos básicos Informática

Leia mais

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Índice 1. Sobre o Guia... 4 1.1 Objectivo... 4 1.2 Utilização do Guia... 4 1.3 Acrónimos e Abreviações... 4 2. Introdução ao Extracto on Line Aplicação

Leia mais

INFormática. Paulo Coelho 2001/2002 pcoelho@di.estv.ipv.pt. Instituto Superior Politécnico de VISEU Escola Superior de Tecnologia

INFormática. Paulo Coelho 2001/2002 pcoelho@di.estv.ipv.pt. Instituto Superior Politécnico de VISEU Escola Superior de Tecnologia Paulo Coelho 2001/2002 pcoelho@di.estv.ipv.pt 1 2 3 4 software Transmission control Protocol/Internet Protocol 5, Routers 6 7 8 Domain Name System Traduz nomes para endereços IP 9 10 11 12 Nome do Domínio.com.edu.org.net.mil.biz.info.int

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais

sensitives). Os endereços Internet (E-mail) são comumente escritos em 1 - INTERNET:

sensitives). Os endereços Internet (E-mail) são comumente escritos em 1 - INTERNET: 1 - INTERNET: 1.1 - Conceitos: 1.1.1 - A Internet Uma definição mais formal sobre o que é a Internet pode ser resumida como uma rede de computadores, de abrangência mundial e pública, através da qual estão

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 3 Internet, Browser e E-mail. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 3 Internet, Browser e E-mail. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 3 Internet, Browser e E-mail Professora: Cintia Caetano SURGIMENTO DA INTERNET A rede mundial de computadores, ou Internet, surgiu em plena Guerra Fria, no final da década de

Leia mais

CLC5 Formador: Vítor Dourado

CLC5 Formador: Vítor Dourado 1 A designação da Internet advém de Interconnected Network, ou seja, rede interligada. A Internet é uma gigantesca teia mundial de redes de computadores, em constante crescimento e evolução, oferecendo

Leia mais