ALEIXO. Companhia Teatro de Grupo TEATRODAUNIVERCIDADE. Sistema de Identidade Visual da

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALEIXO. Companhia Teatro de Grupo TEATRODAUNIVERCIDADE. Sistema de Identidade Visual da"

Transcrição

1 TEATRODAUNIVERCIDADE APRESENTAÇÃO ALEIXO 12 / 12 PROJETOFINAL Sistema de Identidade Visual da Companhia Teatro de Grupo Projeto Final de Graduação Raphael Aleixo Avellar Dezembro 2005 Univercidade

2 Introdução Escolha do Tema Utilidade O projeto foi escolhido de modo que tivesse uma aplicação real. Identidade Visual Trabalhar com o projeto desde o início; abranger todas as etapas de criação. Participação Social Usar o design como instrumento de transformação da realidade. Teatro de Grupo Identificação pessoal com o trabalho da companhia. Facilidade de contato com os membros.

3 Introdução Brieffing Teatro do Oprimido Método que busca a democratização do Teatro, e transforma os espectadores em sujeitos ativos da ação teatral. Público Alvo Apresentações relacionadas em sua maioria ao cenário universitário. Mas é direcionada a pessoas vítimas de qualquer tipo de opressões. Intenção de produzir uma arte relacionada com a realidade na qual vivemos, e crítica da mesma, voltada para a transformação. Verba Grupo de estudantes sem nenhuma intenção de lucro. Materiais deveriam ser produzidos visando a facilidade de reprodução, alteração e baixos custos.

4 Introdução Levantamento de Dados Grupos Relacionados ao CTO Pouca ou nenhuma preocupação com design. Produção e criação gráfica centralizada com o CTO. Protomarcas de companhias filiadas ao CTO basicamente tipográficas. Figura do "Coringa". Outros Grupos Maior uso de um símbolo aliado à logotipia: Uso em materiais promocionais.

5 Introdução Levantamento de Dados

6 Introdução Geração de Alternativas: Cartazes Políticos

7 Introdução Geração de Alternativas: Borboleta " Intenção de produzir uma arte relacionada com a realidade na qual vivemos, e crítica da mesma, voltada para a transformação."

8 Introdução Geração de Alternativas: Borboleta C M TE T HI

9 Introdução Geração de Alternativas: Borboleta

10 Identidade Marca Final C O M P A N H I A TEATROde GRUPO

11 Identidade Marca: Escolha de cores C O M P A N H I A TEATROde GRUPO C O M P A N H I A TEATROde GRUPO C O M P A N H I A TEATROde GRUPO C O M P A N H I A TEATROde GRUPO C O M P A N H I A TEATROde GRUPO C O M P A N H I A TEATROde GRUPO

12 Identidade Marca: Assinaturas e Reduções C O M P A N H I A TEATROde GRUPO C O M P A N H I A TEATROde GRUPO C O M P A N H I A TEATROde GRUPO 1cm 2cm 3cm C O M P A N H I A TEATROde GRUPO C O M P A N H I A TEATROdeGRUPO C O M P A N H I A TEATROdeGRUPO

13 Identidade Malha de Construção C O M P A N H I A TEATROde GRUPO

14 Identidade Elementos de Apoio da Identidade: Fonte OFFICINA SERIF A B C D E F G H I J K L M N O P Q RS T U V W X Y Z a b c de fg h i j k l m no p q rs t u v x z OFFICINA SANS A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z a b c de fg h i j k l m no p q r s t u v x z

15 Identidade Elementos de Apoio da Identidade: Posição de Títulos TÍTULO Subtítulo de menor importância Título Subtítulo de menor importância

16 Identidade Elementos de Apoio da Identidade: Variação de Caixa TEATROde GRUPO FESTAem DEZEMBRO CASULO CHOVEno X VIDASem CONJUNTO

17 Identidade Elementos de Apoio da Identidade: Borboleta

18 Identidade Elementos de Apoio da Identidade: Personagem

19 Identidade Elementos de Apoio da Identidade: Box Arredondados

20 Material Interno Papelaria: Cartão de Visitas C O M P A N H I A TEATROde GRUPO Companhia Teatro de Grupo Universidade Federal Fluminense Niterói Rio de Janeiro

21 Material Interno Papelaria: Papel Timbrado C O M P A N H I A TEATROde GRUPO Companhia Teatro de Grupo Universidade Federal Fluminense Niterói Rio de Janeiro Antonio Terra para Assunto: FSM e Chove no Casulo Olá pessoas! Parabéns a td mundo por ontem, ainda estou mó feliz... Queria avisar que mandei as fotos de ontem para o Quem quiser já pode entrar lá para ver! Queria tb que as pessoas se manifestassem quanto ao que fazer em relação à nossa inscrição para o Fórum... O prazo para a inscrição acaba dia 15 de novembro (terça-feira agora), vcs tem que se inscrever e me avisar para eu adicionar na Companhia Teatro de Grupo... Mas o problema é que se quisermos estar na programação temos que inscrever uma atividade! Eu tinha sugerido que tentassemos fazer mais uma reunião até terça, mas acho que depois da maratona dessa semana isso não vai mais ser possível... O Rodolfo tinha sugerido que inscrevessemos uma atividade genérica, falando só que vamos usar as técnicas do teatro do oprimido e tal, mas não acho bom deixar a inscrição gernérica pq é o que vai estar na programação e ficar genérico tende a esvaziar... A Miriane sugeriu que inscrevessemos Chove no Casulo, é uma possibilidade tb... Podemos ainda não inscrevermos atividades, aí não entramos na programação mas podemos fazer como fizemos no Fórum desse ano, divulgar por conta própria... Hmmm... Pensando agora tive uma idéia... Podemos inscrever Chove no Casulo E uma outra atividade mais genérica de Teatro do Oprimido (poderia inscrever como oficina), assim poderemos decidir depois se vamos apresentar Chove no Casulo ou essa oficina mais genérica de TO ou se vamos deixar de pagar a inscrição e aí fazermos o que quisermos ficando a divulgação por nossa própria conta! Essa me parece a melhor idéia, aí decidimos depois! Gostaría que as pessoas manifestassem suas opiniões até terça-f eira, dia que acaba o prazo das inscrições (que já foi prorrogado uma vez esse ano). Podemos inscrever até 4 atividades agora para depois decidir qual iremos apresentar, então ainda cabem mais duas sugestões! Abraços! Antonio Terra, =) Antonio Terra para Assunto: FSM e Chove no Casulo olá pessoas!!! Parabens a todas por ontem... estou muuuiiiiiittto feliz!!!! Adeus

22 Material Interno Papelaria: Papel Timbrado (Detalhe) C O M P A N H I A TEATROde GRUPO Companhia Teatro de Grupo Universidade Federal Fluminense Niterói Rio de Janeiro

23 Material Interno Papelaria: Envelopes C O M P A N H I A TEATROde GRUPO C O M P A N H I A TEATROde GRUPO Companhia Teatro de Grupo Universidade Federal Fluminense Niterói Rio de Janeiro

24 Material Interno Papelaria: Conjunto

25 Material Interno Uniformes

26 Material Interno Uniformes

27 Material Interno Pano de Fundo Altura do pano: 300cm Altura modelo: 180cm Altura marca: 150cm

28 Material Interno Estandarte

29 Material Interno Panfleto Querendo nosso contato: Venha nas nossas reuniões e nos dê um abraço!! Para participar da Companhia Teatro de Grupo não é necessário ter experiência prévia com o Teatro. Quem tiver alguma experiência é bem-vindo, e quem não tiver, também é! Reuniões aos sábados no quinto andar do DCE da UFF (Rua Visconde do Rio Branco, 625, Centro, Niterói) - Confirme antes com a gente! Contatos A (Antonio) (Pamela) TEATROdeGRUPO MANIFESTO Companhia Teatro de Grupo No mínimo nos ignoram, no meio nos imitam O incômodo é só um terço do caminho. E o caminho, é o transpasso do incerto, a medida indeterminada. É CHEGADA A HORA DO GRANDE DESPERTAR Somos o círculo e o fogo duvidoso A embriaguez, é só o prelúdio do manifesto.* Senhoras e senhores, o espetáculo vai começar! Hoje, e sempre, encontraremos no palco a alegria de amarelo, a tristeza de vermelho, o ódio de laranja, o orgulho de cor-de-rosa, a ironia de preto, o amor de verde. Todos juntos na roda... Suas diferenças, suas motivações particulares contribuindo para o fortalecimento de motivações coletivas. Aproximando-nos da arte, da cultura de modo a nos sensibilizar... Fazer uma alternativa de crítica, militância, resistência a todas as formas de opressões cotidianas. A Companhia Teatro de Grupo surge da sensação de estarmos sendo devorados por fomes dos variados tipos: fome de arte, fome de paixão, fome de transgressão, fome de libertação... E essa fome nos impulsiona... Nos faz ver a arte e a poesia que existe nos lugares mais simples, entre o povo das ruas e bares... Buscar a paixão, a crítica, engajamento político definido, a transgressão e a busca pela libertação das pessoas. E nessa caminhada, criamos nossos elos por mãos afetuosas que tecem roupas, gestos, falas... Tecidos do grupo, somos o tecido bruto e frágil. E nesse frágil criamos nossos subterfúgios, personagens e cenários. Inauguramos linguagens, reinos, catástrofes com o poder que cada um abriga. E assim a Companhia esta sendo numa eterna construção com cada um expondo suas opiniões. Cada um tendo as suas qualidades e seus limites. Flexibilidade e repartição de todos. Isso faz ser assim: DE GRUPO. E enquanto for leve e Eu tenho amigos por toda parte. Na praia, cinema, teatro, favela. Amigo jornalista, garçom, vagabundo. Meu negócio não é somar, é multiplicar. Sozinho não dou conta. Eu ando em bando, camuflado, descartado, fazendo festa. O tempo inteiro me sinto em casa: no meio da rua, na madrugada, na multidão. Eu sou da tribo do abraço. Arthur Rimbaud. DECLARAÇÃO DA COMPANHIA TEATROdeGRUPO agradável parece que esta bom! *Poesia de Caio di Palma

30 Material Interno Panfleto

31 Material Interno Cartazes Chegou a hora do GRANDE DESPERTAR

32 Cartazes Material Interno Chegou a hora do GRANDE DESPERTAR CHOVEno CASULO A Companhia Teatro de Grupo tem o prazer de convidá-los para a peça de Teatro-Fórum "Chove no Casulo" Dia 12 de Novembro, 20h Teatro do DCE-UFF Niterói-RJ Entrada Franca

33 Cartazes Material Interno Chegou a hora do GRANDE DESPERTAR CHOVEno CASULO A Companhia Teatro de Grupo tem o prazer de convidá-los para a peça de Teatro-Fórum "Chove no Casulo" Dia 12 de Novembro, 20h Teatro do DCE-UFF Niterói-RJ Entrada Franca

34 Material Interno Cartazes Eu sou da TRIBO DO ABRAÇO

35 Material Interno Cartazes Eu sou da TRIBO DO ABRAÇO OFICINASde TEATRO IMAGEM A Companhia Teatro de Grupo tem o prazer de convidá-los para participarem de uma oficina de Teatro Imagem! Dia 12 de Dezembro, 20h Auditório da UniverCidade Ipanema Rio de Janeiro-RJ Entrada Franca

36 Material Interno Cartazes Eu sou da TRIBO DO ABRAÇO OFICINASde TEATRO IMAGEM A Companhia Teatro de Grupo tem o prazer de convidá-los para participarem de uma oficina de Teatro Imagem! Dia 12 de Dezembro, 20h Auditório da UniverCidade Ipanema Rio de Janeiro-RJ Entrada Franca

37 Material Interno Cartazes Até Quando ACEITAREMOS?

38 Material Interno Cartazes Até Quando ACEITAREMOS? Laurinha A Companhia Teatro de Grupo tem o prazer de convidá-los para a peça "Laurinha 0800" Dia 12 de Novembro, 20h Teatro do DCE-UFF Niterói-RJ Entrada Franca

39 Material Interno Cartazes Até Quando ACEITAREMOS? Laurinha A Companhia Teatro de Grupo tem o prazer de convidá-los para a peça "Laurinha 0800" Dia 12 de Novembro, 20h Teatro do DCE-UFF Niterói-RJ Entrada Franca

40 Material Comercial Adesivos Eu sou da TRIBO DO ABRAÇO Chegou a hora do GRANDE DESPERTAR Até quando ACEITAREMOS?

41 Broches Material Comercial

42 Marcadores de Livro Material Comercial

43 Camisas do Grupo Material Comercial

44 Livreto de Poesias Material Comercial C O M P A N H I A TEATROde GRUPO A P R E S E N T A POESIASde GRUPO V O L U M E 1

45 Livreto de Poesias (Detalhe) Material Comercial Teatro... teatro... Arte viva... a arte brota como expressão, musicas... idéias.. poesias... Aqui lhe entregamos o que exibimos o que nasce de nosso ânsia por cores de todos os tipos... As poesias que participaram de nossos dias... de nosso desassossego.. de nosso alívio e nosso teatro Miriane Peregrino JOANNES E O TREM DE SEIXAS Carolina Camargo O QUE DESEJAR SER Sívia Cáceres A CRIANÇA E A BOLA Carolina Camargo AS NORMALISTAS Pâmela Peregrino... Poesias de Grupo Volume 1 Todos os textos reproduzidos aqui são copyright de seus devidos os autores. Proibida a reprodução total ou parcial dessa obra. COMPANHIA TEATRO DE GRUPO Universidade Federal Fluminense Niterói Rio de Janeiro Foi ali no 107 que embarcou Cantou, e tua voz soprou como uma lembrança Que nos enche o peito de saudade e de esperança. Tocou, e provocou na consciência Dos que o ouviram com atenção Um auto-exame de valor. Alguns aplaudiram; Outros ignoraram; Uns contribuíram ofertando moedas e notas, e cada um que ali ficou, Depois da partida do violão e do cantor, Talvez pensou, talvez, Em como deve ser bom Se encontrar no que se acredita E ver nisto um sentido para toda vida. Mas isso é só o que supõe Um pobre e simples observador Que, por acaso, viajava no ônibus Por onde o músico passou Miriane Peregrino JOANNES E O TREM DE SEIXAS 3

46 Livreto de Divulgação Release C OM PA N H I A TEATROde GRUPO Produzir uma arte relacionada com a realidade na qual vivemos e crítica da mesma, voltada para a transformação. A primeira apresentação pra valer do grupo foi no dia 20 de outubro de 2004 com o espetáculo Laurinha (apresentado durante uma paralisação do curso de História da UFF contra o ensino a distância no curso). Desde então, a Companhia Teatro de Grupo já apresentou diversas oficinas e esquetes nas mais diversas ocasiões e lugares. Desde intervenções em manifestações como o Grito dos Excluídos até uma apresentação de dia das crianças em uma comunidade em Niterói, passando pelo Fórum Social Mundial de 2005 em Porto Alegre. No dia 12 de novembro de 2005 no Encontro Nacional Universitário de Diversidade Sexual (ENUDS) a companhia apresentou a sua primeira peça: Chove no casulo. Nesta peça, a companhia trabalhou com teatro-fórum colocando em questão as opressões cotidianas de um casal de lésbicas em suas famílias, locais públicos e na universidade. Acreditamos que toda arte é política, mesmo aquela que não pretende ser. Por isso não podemos esconder nossa posição e nem nos furtarmos a colocar nossa realidade e nossas questões em cena. Mas isso não quer dizer que devamos repetir aquele velho teatro político evangelizador. Não queremos ensinar as.nossas verdades ou os caminhos corretos, mas dar a voz àqueles que não a tem, promover a reflexão em todos os espaços, buscar alternativas em Não devemos repetir aquele velho teatro político "evangelizador". O Nome O nome do grupo tem a intenção de expressar algumas das idéias mais caras aos seus integrantes: horizontalidade e coletividade. O grupo não tem diretor e todos são igualmente responsáveis por tudo no grupo. As decisões são sempre coletivas, o que o grupo vai fazer, como irá se organizar, quando e onde irá se reunir, que textos serão lidos. Por isso o nome: Companhia Teatro DE GRUPO! Originalmente nos chamávamos só Teatro de Grupo, sem Companhia, mas isso criava um problema: as pessoas achavam que tinham entendido errado e que tínhamos dito Grupo de teatro... Não percebiam que Teatro de Grupo era o próprio nome do grupo! Por isso acrescentamos Companhia, para facilitar o entendimento do nome! In dapibus blandit metus. Aliquam erat volutpat. Maecenas laoreet sapien quis quam. Suspendisse diam. Ut velit elit, volutpat at, laoreet nec, volutpat at, neque. Vestibulum pede justo, viverra eget, interdum a, eleifend id, lacus. Proin sagittis. Etiam cursus ligula eu lacus rutrum mattis. Vestibulum nunc. Proin vel magna interdum turpis accumsan rutrum. Duis aliquam pharetra dui. Vivamus interdum. In vel tortor eu purus nonummy pretium. Aenean consequat sem in ligula. Praesent dictum viverra pede. Suspendisse quam eros, luctus ac, condimentum suscipit, fringilla quis, urna. Ut eu ipsum nec magna tempus volutpat. Integer ut purus. Aenean ornare ipsum sit amet velit. Sed ut neque. Fusce augue nibh, ultrices ornare, vestibulum sodales, euismod eu, sem. Nulla sed orci eget pede suscipit hendrerit. conjunto com nossas platéias e transformar nossas realidades! Para isto trabalhamos com diversos métodos, principalmente com o teatro do oprimido. Método teatral que busca a democratização do teatro e transforma os espectadores em sujeitos ativos da ação teatral. Por fim, acreditamos também que todos somos capazes de fazer teatro! Não é necessário nenhum dom especial para usar a linguagem teatral. Na verdade, todos a usamos cotidianamente, a diferença é que os atores têm consciência disso e trabalham para aprimorar seu domínio sobre ela. Portanto, qualquer um pode apreender a usá-la, basta querer e correr atrás!. As peças Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Nulla turpis. Vestibulum rutrum ipsum a est. Phasellus egestas scelerisque diam. Donec hendrerit pulvinar pede. Vivamus pulvinar. Relevância do Projeto Sed ut perspiciatis unde omnis iste natus error sit voluptatem accusantium doloremque laudantium, totam rem aperiam, eaque ipsa quae ab illo inventore veritatis et quasi architecto beatae vitae dicta sunt explicabo Nemo enim ipsam voluptatem quia voluptas sit aspernatur aut odit aut fugit, sed quia consequuntur magni dolores eos qui ratione voluptatem sequi nesciunt. Neque porro quisquam est, qui dolorem ipsum quia dolor sit amet, consectetur, adipisci velit, sed quia non numquam eius modi tempora incidunt ut labore et dolore magnam aliquam quaerat voluptatem. Ut enim ad minima veniam, quis nostrum exercitationem ullam corporis suscipit laboriosam, nisi ut aliquid ex ea commodi consequatur? Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit Manifesto A Companhia Teatro de Grupo teve sua origem em abril de 2004 a partir da iniciativa de um pequeno grupo de estudantes do curso de História da UFF. Militantes do movimento estudantil incomodados com a pouca relevância que o movimento dispensa para a cultura e as manifestações artísticas em geral. Pessoas que possuíam pouca ou nenhuma experiência com teatro, mas que acreditaram no enorme potencial transformador dessa linguagem. Aqui é importante destacar alguns nomes que foram fundamentais para o seu nascimento: Ana Kallás, Carla Medeiros e Silvia Cáceres. Formada para produzir uma arte relacionada com a realidade na qual vivemos e crítica da mesma, voltada para a transformação. Hoje, a Companhia transbordou as fronteiras do movimento estudantil e de seu curso original. É formada por estudantes de vários cursos da UFF que discutem e teatralizam uma grande variedade de temas e opressões. Proposta História No mínimo nos ignoram, no meio nos imitam O incômodo é só um terço do caminho. E o caminho, é o transpasso do incerto, a medida indeterminada. É chegada a hora do grande despertar Somos o círculo e o fogo duvidoso A embriaguez, é só o prelúdio do manifesto. Senhoras e senhores, o espetáculo vai começar! Hoje, e sempre, encontraremos no palco a alegria de amarelo, a tristeza de vermelho, o ódio de laranja, o orgulho de cor-de-rosa, a ironia de preto, o amor de verde. Todos juntos na roda... Suas diferenças, suas motivações particulares contribuindo para o fortalecimento de motivações coletivas. Aproximando-nos da arte, da cultura de modo a nos sensibilizar... Fazer uma alternativa de crítica, militância, resistência às opressões cotidianas, culturais, políticas e sociais. A Cia Teatro de Grupo surge da sensação de estarmos sendo devorados por fomes dos variados tipos: fome de arte, fome de paixão, fome de transgressão, fome de libertação... E essa fome nos impulsiona... Nos faz ver a arte e a poesia que existe nos lugares mais simples, entre o povo das ruas e bares... Buscar a paixão, a crítica, engajamento político definido, a transgressão e a busca pela libertação das pessoas. E assim a Companhia esta sendo numa eterna construção com cada um expondo suas opiniões. Cada um tendo as suas qualidades e seus limites. Flexibilidade e repartição em todos que se propõem a integrá-la. E isso faz ser assim: DE GRUPO. Caminhando sobre nós, criamos nossos elos por mãos afetuosas que tecem roupas, gestos, falas... Tecidos do grupo, somos o tecido bruto e frágil. E nesse frágil criamos nossos subterfúgios, personagens e cenários. Inauguramos linguagens, reinos, catástrofes com o poder que cada um abriga. E enquanto for leve e agradável parece que esta bom! C OM PA N H I A TEATROdeGRUPO

47 Release Livreto de Divulgação (Detalhe)

48 Release Livreto de Divulgação (Detalhe) História A Companhia Teatro de Grupo teve sua origem em abril de 2004 a partir da iniciativa de um pequeno grupo de estudantes do curso de História da UFF. Militantes do movimento estudantil incomodados com a pouca relevância que o movimento dispensa para a cultura e as manifestações artísticas em geral. Pessoas que possuíam pouca ou nenhuma experiência com teatro, mas que acreditaram no enorme potencial transformador dessa linguagem. Aqui é importante destacar alguns nomes que foram fundamentais para o seu nascimento: Ana Kallás, Carla Medeiros e Silvia Cáceres. Formada para produzir uma arte relacionada com a realidade na qual vivemos e crítica da mesma, voltada para a transformação. Hoje, a Companhia transbordou as fronteiras do movimento estudantil e de seu curso original. É formada por estudantes de vários cursos da UFF que discutem e teatralizam uma grande variedade de temas e opressões. Produzir uma arte relacionada com a realidade na qual vivemos e crítica da mesma, voltada para a transformação. A primeira apresentação pra valer do grupo foi no dia 20 de outubro de 2004 com o espetáculo Laurinha (apresentado durante uma paralisação do curso de História da UFF contra o ensino a distância no curso). Desde então, a Companhia Teatro de Grupo já apresentou diversas oficinas e esquetes nas mais diversas ocasiões e lugares. Desde intervenções em manifestações como o Grito dos Excluídos até uma apresentação de dia das crianças em uma comunidade em Niterói, passando pelo Fórum Social Mundial de 2005 em Porto Alegre. No dia 12 de novembro de 2005 no Encontro Nacional Universitário de Diversidade Sexual (ENUDS) a companhia apresentou a sua primeira peça: Chove no casulo. Nesta peça, a companhia trabalhou com teatro-fórum colocando em questão as opressões cotidianas de um casal de lésbicas em suas famílias, locais públicos e na universidade. O Nome. O nome do grupo tem a intenção de expressar algumas das idéias mais caras aos seus integrantes: horizontalidade e coletividade. O grupo não tem diretor e todos são igualmente responsáveis por tudo no grupo. As decisões são sempre coletivas, o que o grupo vai fazer, como irá se organizar, quando e onde irá se reunir, que textos serão lidos. Por isso o nome: Companhia Teatro DE GRUPO! Originalmente nos chamávamos só Teatro de Grupo, sem Companhia, mas isso criava um problema: as pessoas achavam que tinham entendido errado e que tínhamos dito Grupo de teatro... Não percebiam que Teatro de Grupo era o próprio nome do grupo! Por isso acrescentamos Companhia, para facilitar o entendimento do nome!

49 Release Livreto de Divulgação (Detalhe) Proposta Acreditamos que toda arte é política, mesmo aquela que não pretende ser. Por isso não podemos esconder nossa posição e nem nos furtarmos a colocar nossa realidade e nossas questões em cena. Mas isso não quer dizer que devamos repetir aquele velho teatro político evangelizador. Não queremos ensinar as. nossas verdades ou os caminhos corretos, mas dar a voz àqueles que não a tem, promover a reflexão em todos os espaços, buscar alternativas em personalidades.cada personagem era apresentado como vivendo em uma ilha a parte do mundo e desconexa até dos outros estudantes do mesmo curso, que sequer se conheciam. Foi apresentada duas vezes (manhã e noite) para platéias de mais de cem estudantes durante uma manifestação do curso de História da UFF contra a implementação do ensino a distância no curso. Chove no casulo (novembro de 2005): Peça de Teatro-Fórum que coloca em questão as opressões cotidianas de um casal de lésbicas (Maria e Natália) em suas famílias, locais públicos e na universidade. Não devemos repetir aquele velho teatro político "evangelizador" Foi criada para ser apresentada pela primeira vez no Encontro Nacional Universitário de Diversidade Sexual (ENUDS) de 2005 e, até o presente momento, é o principal espetáculo do grupo. conjunto com nossas platéias e transformar nossas realidades! Para isto trabalhamos com diversos métodos, principalmente com o teatro do oprimido. Método teatral que busca a democratização do teatro e transforma os espectadores em sujeitos ativos da ação teatral. Por fim, acreditamos também que todos somos capazes de fazer teatro! Não é necessário nenhum dom especial para usar a linguagem teatral. Na verdade, todos a usamos cotidianamente, a diferença é que os atores têm consciência disso e trabalham para aprimorar seu domínio sobre ela. Portanto, qualquer um pode apreender a usá-la, basta querer e correr atrás!. Laurinha (outubro de 2004): Esquete que simbolizava o isolamento dos estudantes de um curso a distância através da narração do cotidiano dos personagens e suas Principais Apresentações Relevância do Projeto Sed ut perspiciatis unde omnis iste natus error sit voluptatem accusantium doloremque laudantium, totam rem aperiam, eaque ipsa quae ab illo inventore veritatis et quasi architecto beatae vitae dicta sunt explicabo. Nemo enim ipsam voluptatem quia voluptas sit aspernatur aut odit aut fugit, sed quia consequuntur magni dolores eos qui ratione voluptatem sequi nesciunt. Ut enim ad minima veniam, quis nostrum exercitationem ullam corporis suscipit laboriosam, nisi ut aliquid ex ea commodi consequatur? Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem eum fugiat quo voluptas nulla pariatur?

50 Release Livreto de Divulgação (Detalhe) Manifesto No mínimo nos ignoram, no meio nos imitam O incômodo é só um terço do caminho. E o caminho, é o transpasso do incerto, a medida indeterminada. É chegada a hora do grande despertar Somos o círculo e o fogo duvidoso A embriaguez, é só o prelúdio do manifesto. Senhoras e senhores, o espetáculo vai começar! Hoje, e sempre, encontraremos no palco a alegria de amarelo, a tristeza de vermelho, o ódio de laranja, o orgulho de cor-de-rosa, a ironia de preto, o amor de verde. Todos juntos na roda... Suas diferenças, suas motivações particulares contribuindo para o fortalecimento de motivações coletivas. Aproximando-nos da arte, da cultura de modo a nos sensibilizar... Fazer uma alternativa de crítica, militância, resistência às opressões cotidianas, culturais, políticas e sociais. A Cia Teatro de Grupo surge da sensação de estarmos sendo devorados por fomes dos variados tipos: fome de arte, fome de paixão, fome de transgressão, fome de libertação... E essa fome nos impulsiona... Nos faz ver a arte e a poesia que existe nos lugares mais simples, entre o povo das ruas e bares... Buscar a paixão, a crítica, engajamento político definido, a transgressão e a busca pela libertação das pessoas. E assim a Companhia esta sendo numa eterna construção com cada um expondo suas opiniões. Cada um tendo as suas qualidades e seus limites. Flexibilidade e repartição em todos que se propõem a integrá-la. E isso faz ser assim: DE GRUPO. Caminhando sobre nós, criamos nossos elos por mãos afetuosas que tecem roupas, gestos, falas... Tecidos do grupo, somos o tecido bruto e frágil. E nesse frágil criamos nossos subterfúgios, personagens e cenários. Inauguramos linguagens, reinos, catástrofes com o poder que cada um abriga. E enquanto for leve e agradável parece que esta bom! C O M P A N H I A TEATROdeGRUPO

51 Release Blog - Site de Informações

52 Release Blog - Site de Informações

53 Release Blog - Site de Informações

54 Aplausos FIM

atividade florestal não-madeireira título da categoria com opção de uso de icone

atividade florestal não-madeireira título da categoria com opção de uso de icone buscar no site OK Página inicial links rápidos a fazenda santa maria nononononono não- título em destaque texto complementar Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Praesent vestibulum

Leia mais

MANUAL DE REGRAS BÁSICAS. CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo

MANUAL DE REGRAS BÁSICAS. CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo INSTITUTO POLITÉCNICO MANUAL DE REGRAS BÁSICAS CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo Capa Tese de Mestrado INSTITUTO POLITÉCNICO Dimensões da capa: A4+lombada variável+a4 Papel: Coché

Leia mais

wireframe do novo site

wireframe do novo site wireframe do novo site home METRÔ PAINÉIS S ANUNCIE QUEM SOMOS Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nam imperdiet sed eros ut luctus. Suspendisse eu vulputate massa. Nullam dignissim,

Leia mais

Normas para envio de artigos:

Normas para envio de artigos: NORMAS PARA ENVIO DE ARTIGOS Formatação da página: recuo superior e da lateral esquerda de 3 cm. Recuo inferior e da lateral direita de 2,5 cm, conforme a formatação deste documento. Título: fonte Arial,

Leia mais

d ce R E V I S T A D I G I TA L

d ce R E V I S T A D I G I TA L d ce R E V I S T A D I G I TA L Doce Revista Digital Há 25 anos no mercado, a imagem da Doce Revista é marcada pelo jornalismo ágil e independente. É a única publicação nacional voltada exclusivamente

Leia mais

Sorriso. Metálico. Ponto de Vista. A Saúde bucal infantil. Entrevista. Comportamento

Sorriso. Metálico. Ponto de Vista. A Saúde bucal infantil. Entrevista. Comportamento Sorriso Entrevista Dr Alisson explica as vantagens dos aparelhos Autoligados Comportamento O que te faz feliz? Fique Ligado Participe, curta, compartilhe e ganhe brindes especiais Escova de dentes: A maior

Leia mais

R.Boquino Manual de Identidade Visual

R.Boquino Manual de Identidade Visual R.Boquino Manual de Identidade Visual Normas padrão para construção e uso correto da marca. Comunicação institucional padrão Apresentação 3 Envelope 36 18 Conceito da marca 4 Envelope 34 19 Marca 5 Envelope

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE

MANUAL DE IDENTIDADE MANUAL DE IDENTIDADE O YouBeep é um sistema mobile que está a revolucionar a dinâmica de compras em Portugal. Este sistema patenteado é composto por duas componentes: para os retalhistas é um dispositivo

Leia mais

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2013, v-1.7.1 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de

Leia mais

T12design MÓVEIS DE ALTO PADRÃO. Manual de Identidade Visual T12 Design

T12design MÓVEIS DE ALTO PADRÃO. Manual de Identidade Visual T12 Design Índice Capítulo Apresentação... O logo e seus elementos... Variações cromáticas... Reduções e reservas... Aplicação em fundos de cor... Tipografias de apoio... Usos indevidos... Cartão de Visita... Pág.

Leia mais

EMBRACE THE FUTURE SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS NEGÓCIO ÁREAS DE EDIFÍCIO PLATINUM MOÇAMBIQUE

EMBRACE THE FUTURE SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS NEGÓCIO ÁREAS DE EDIFÍCIO PLATINUM MOÇAMBIQUE MENU EMBRACE THE FUTURE ÁREAS DE NEGÓCIO SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS EM DESTAQUE PORTUGAL MARROCOS ARGÉLIA EDIFÍCIO PLATINUM GANA ANGOLA ARGENTINA O Grupo Ramos Ferreira vai ser responsável, em parceria

Leia mais

SOCALOR saunas Manual de Identidade Visual

SOCALOR saunas Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Normas padrão para construção e uso correto da marca. Comunicação institucional padrão Apresentação 3 Envelope 36 18 Conceito da marca 4 Envelope 34 19 Marca 5 Envelope 32 20

Leia mais

OS CAMINHOS PARA UMA APOSENTADORIA PLANEJADA

OS CAMINHOS PARA UMA APOSENTADORIA PLANEJADA CAPITANIA MULTI CRÉDITO PRIVADO OS CAMINHOS PARA UMA Apresentação de Produto 2º Tri 2009 APOSENTADORIA PLANEJADA Capitânia Asset & Risk Management www.capitania.net Rua Dona Leopoldina, 48 São João -Porto

Leia mais

wireframe homepage Onde buscar ajuda para animais carentes onde denunciar maus tratos Feiras de doação por todo o Brasil Apadrinhe um cão

wireframe homepage Onde buscar ajuda para animais carentes onde denunciar maus tratos Feiras de doação por todo o Brasil Apadrinhe um cão wireframe homepage tipo Quem somos Doações em dinheiro Onde r ajuda para animais carentes equipe Doações em mantimentos onde denunciar maus tratos banner 720 álbum x 160 de fotos Doaçòes medicinais Feiras

Leia mais

Centro de informações turísticas

Centro de informações turísticas 2016/01/11 09:42:27 General Nome de inquérito Centro de informações turísticas Autor Richard Žižka Idioma Português URL do inquérito http://www.survio.com/survey/d/e6t9r6p5o8z4o9v3a Primeira resposta 2014/02/28

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL I. Objetivos e Descrição Redesign do website que a empresa possui, acrescentando novos recursos, informações mais detalhadas dos produtos e serviços,

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ECOBRAZ

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ECOBRAZ Sumário Sumário 1. Apresentação 2. O logo e seus elementos...... 3. Variações Cromáticas 4. Reduções e Reservas 5. Aplicação em fundo de cor 6. Tipografias de apoio 7. Usos indevidos..................

Leia mais

TÍTULO DO ARTIGO EM PORTUGUÊS TÍTULO DO ARTIGO EM INGLÊS

TÍTULO DO ARTIGO EM PORTUGUÊS TÍTULO DO ARTIGO EM INGLÊS TÍTULO DO ARTIGO EM PORTUGUÊS TÍTULO DO ARTIGO EM INGLÊS Nome completo (sem abreviações) do Autor 1, última titulação, endereço profissional Nome completo (sem abreviações) do Autor 2, última titulação,

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES E PROJETOS

PLANO DE ATIVIDADES E PROJETOS PLANO DE ATIVIDADES E PROJETOS 2016 PLANO DE ATIVIDADES 2016 1 Sed ut perspiciatis unde omnis iste natus error sit voluptatem accusantium doloremque laudantium, totam rem aperiam, eaque ipsa quae ab illo

Leia mais

CCM002 Metodologia de Pesquisa em Ciência da Computação. Apresentações. Prof. Jesús P. Mena-Chalco 3Q-2016

CCM002 Metodologia de Pesquisa em Ciência da Computação. Apresentações. Prof. Jesús P. Mena-Chalco 3Q-2016 1 CCM002 Metodologia de Pesquisa em Ciência da Computação Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 3Q-2016 2 Pratique, pratique, pratique,. Pode inovar, não ha regra apenas sugestões. Pode falar

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Assinatura Visual Aplicação com outras marcas Em locais onde a marca da será centro vertical, respeitando uma mesma distância da assinatura colocada junto a outras marcas, distância equivalente a 2 vezes

Leia mais

NORMAS GRÀFICAS - INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

NORMAS GRÀFICAS - INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA NORMAS GRÀFICAS - INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA CONSTRUÇÃO HORIZONTAL CONSTRUÇÃO VERTICAL LOGÓTIPO de artes e design de artes e design de tecnologia do mar de tecnologia do mar de saúde de tecnologia

Leia mais

BRAND GUIDELINES RTP MÚSICA

BRAND GUIDELINES RTP MÚSICA RTP MÚSICA VERSÃO VERTICAL GRELHA / EIXOS BRAND GUIDELINES GRELHA / EIXOS VERSÃO VERTICAL VERSÃO HORIZONTAL BRAND GUIDELINES VERSÃO MOSCA COMPORTAMENTOS CROMÁTICOS (VERSÃO HORIZONTAL E VERTICAL) Cor Directa

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado do Mato Grosso do Sul aguardamos envio de uma imagem de mato grosso do sul Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS

Leia mais

Um exemplo de projeto feito em L A TEX: Procure um título suficientemente claro

Um exemplo de projeto feito em L A TEX: Procure um título suficientemente claro Um exemplo de projeto feito em L A TEX: Procure um título suficientemente claro Projeto de Pesquisa - Nome da Instituição/Agência de fomento Proponente: Jesús P. Mena-Chalco Centro de Matemática, Computação

Leia mais

advisor senior seu sucesso nosso compromisso senior advisor

advisor senior seu sucesso nosso compromisso senior advisor senior advisor COACHING FINANCEIRO BRANDING SERVIÇOS CONTÁBEIS COACHING FINANCEIRO SERVIÇOS CONTÁBEIS BRANDING A Senior Advisor é uma consultoria multidisciplinar, que tem como foco principal, auxiliar

Leia mais

Recursos Naturais. Cores quentes, energia, países de clima tropical, desigualdade social. Conceito: mover para somar. Projeção de cinema

Recursos Naturais. Cores quentes, energia, países de clima tropical, desigualdade social. Conceito: mover para somar. Projeção de cinema Ven.ti.la.dor adj (ventilar+dor2) Que ventila; ventilante. sm 1 Aparelho que renova o ar de ambientes fechados ou que o põe em circulação; aparelho que produz corrente de ar. Recursos Naturais { Cores

Leia mais

Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa

Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa 1 Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio A Identidade Visual da Afeal é um de seus principais

Leia mais

ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Teleconumicações e de Computadores

ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Teleconumicações e de Computadores ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Teleconumicações e de Computadores MERCM Mestrado em Eng. de Redes de Comunicação e Multimédia Dissertação

Leia mais

Selos de Certificação. Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010

Selos de Certificação. Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010 Selos de Certificação Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010 Sumário 01. Abertura 02. Versões Cromáticas 03. Regras de Uso 04. Exemplos de Aplicações 05. Arquivos 2 01. Abertura Os Selos de Certifi

Leia mais

MANUAL DE USO DE MARCA

MANUAL DE USO DE MARCA MANUAL DE USO DE MARCA INTRODUÇÃO A MARCA FAPEU A marca é um dos bens mais preciosos de uma empresa. Ela existe para ser vista e lembrada pelos consumidores, identificando-se com os produtos, serviços

Leia mais

Um teste do L Y X. efeefe

Um teste do L Y X. efeefe Um teste do L Y X efeefe Sexta-feira, 13 de agosto de 2010 Esse texto é teste do software L Y X para a diagramação de publicações online. Também vou utilizá-lo como base para converter para diversos formatos

Leia mais

Intro. Índice. Um teste do L Y X. Contents. efeefe. Sexta-feira, 13 de agosto de I O primeiro capítulo 1. II O segundo capítulo 3.

Intro. Índice. Um teste do L Y X. Contents. efeefe. Sexta-feira, 13 de agosto de I O primeiro capítulo 1. II O segundo capítulo 3. Um teste do L Y X efeefe Sexta-feira, 13 de agosto de 2010 Abstract Esse texto é teste do software L Y X para a diagramação de publicações online. Também vou utilizá-lo como base para converter para diversos

Leia mais

espaço publicitário SEJA FELIZ o poder da alegria dentário? pág.9 tratá-la? pág.9 saúde? pág.9 TEM IDADE CERTA para uso do aparelho

espaço publicitário SEJA FELIZ o poder da alegria dentário? pág.9 tratá-la? pág.9 saúde? pág.9 TEM IDADE CERTA para uso do aparelho edição 01 ano 01 Fevereiro de 2015 Publicação bimestral com distribuição gratuita no Circuito das Águas Paulista www.circuitosaude.com.br SEJA FELIZ o poder da alegria pág.7 TEM IDADE CERTA para uso do

Leia mais

Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade?

Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade? Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade? Índice O que é a Marca? Conceito 4 Personalidade da Marca 5 Como ela é? Marca Principal Versão

Leia mais

Título do artigo. 1,5cm. Nome completo do AUTOR 1. 2,5cm. 1,2cm

Título do artigo. 1,5cm. Nome completo do AUTOR 1. 2,5cm. 1,2cm Título do artigo Formatação Título 1: fonte tamanho 16, negrito, Inicial maiúscula, espaçamento de 1,5 linhas, alinhado à esquerda. Nome completo do AUTOR 1 Resumo: Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur

Leia mais

O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO

O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO Ludmyla Sathler Aguiar do Nascimento 1 GD12 Educação Matemática e Inclusão A leitura e compreensão textual expõem o quanto

Leia mais

Centro de informações turísticas ou de visitantes

Centro de informações turísticas ou de visitantes 11/01/2016 09:35:23 Geral Nome da pesquisa Centro de informações turísticas ou de visitantes Autor Richard Žižka Idioma Português Brasileiro URL da pesquisa http://www.survio.com/survey/d/r3v5w9o5a1a6d5v6p

Leia mais

SUPER LOGO EXEPLO DE APRESENTAÇÂO

SUPER LOGO EXEPLO DE APRESENTAÇÂO SUPER LOGO EXEPLO DE APRESENTAÇÂO Capa com titulo da apresentação com sub-titulo ou texto de apoio, ou outras informações muito sumárias, caso necessário Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CENTEIAS

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CENTEIAS MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Introdução A Marca Versões Cores Fonte Padrão Papelaria Template de Apresentações 4 5 6 7 8 9 18 ÍNDICE Este manual tem a função de estabelecer os parâmetros corretos para

Leia mais

Equipe abntex2. Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Equipe abntex2. Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2013 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de Relatório

Leia mais

Redes - Revista Eletrônica Direito e Sociedade

Redes - Revista Eletrônica Direito e Sociedade Redes - Revista Eletrônica Direito e Sociedade Author Name 1 Second Author Name 2 Resumo: Sugere-se que no resumo, após a contextualização da investigação, sejam informadas a hipótese e problema, objetivos,

Leia mais

EDITAL 03/2019 DISCIPLINA ESPECIAL: DIPLOMACIA MULTILATERAL E LIDERANÇA

EDITAL 03/2019 DISCIPLINA ESPECIAL: DIPLOMACIA MULTILATERAL E LIDERANÇA EDITAL 03/2019 DISCIPLINA ESPECIAL: DIPLOMACIA MULTILATERAL E LIDERANÇA O presente documento versa sobre os requisitos para a submissão da inscrição na Disciplina Diplomacia Multilateral e Liderança, ofertada

Leia mais

Wireframes. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com

Wireframes. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com Wireframes 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 Definição Wireframes Diagrama que representa todos os elementos de uma página, definindo esses elementos, a hierarquia entre eles, agrupamentos e suas

Leia mais

KIT DE NORMAS GRAFICAS

KIT DE NORMAS GRAFICAS KIT DE NORMAS GRAFICAS ÍNDICE 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 INTRODUÇÃO CONCEÇÃO DO SELO CORES DO SELO SELO MONOCROMÁTICO REFERÊNCIAS DE COR OUTRAS CORES FUNDOS FOTOGRÁFICOS ÁREA DE PROTEÇÃO REDUÇÃO TIPOGRAFIA

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA MECÂNICA PRIMEIRO AUTOR SEGUNDO AUTOR TERCEIRO AUTOR QUARTO AUTOR QUINTO AUTOR SEXTO AUTOR TÍTULO COMPLETO DO PROJETO PROJETO

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ATUALIZAÇÃO: MARÇO/2017

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ATUALIZAÇÃO: MARÇO/2017 MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ATUALIZAÇÃO: MARÇO/2017 INTRODUÇÃO Neste manual de identidade visual da Comissão de Graduação do Instituto de Física da Universidade de São Paulo serão oferecidas soluções e

Leia mais

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 2015

Leia mais

Manual de Normas Gráficas. CASES - Cooperativa António Sérgio para a Economia Social

Manual de Normas Gráficas. CASES - Cooperativa António Sérgio para a Economia Social Manual de Normas Gráficas CASES - Cooperativa António Sérgio para a Economia Social CASES 2015 Assinatura CASES Versões da assinatura CASES v1 v3 v5 Positivo v2 v4 v5 Negativo v1. Esta assinatura deverá

Leia mais

Como gerenciar com sucesso o seu empreendimento

Como gerenciar com sucesso o seu empreendimento GRANDE ARACAJU SERGIPE Ano I Edição 1 Março/Abril 2018 ADMINISTRAÇÃO Como gerenciar com sucesso o seu empreendimento Entrevista com Dr. ANTONIO JOSÉ DA SILVA Administrador da SET & Cia. EXPEDIENTE EDITORIAL

Leia mais

HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS

HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS LONDRINA PR 2015 HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE

Leia mais

Arquitetura de Informação - 7

Arquitetura de Informação - 7 Arquitetura de Informação - 7 Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Ícone Imagem Banner Logotipo Título 1 Título 2 Tabela Disclaimer Título 1 Título 2 Ícone Ícone Imagem

Leia mais

AMAZÔNIA PARA SEMPRE. Inclusão Digital. Acessibilidade. País do Futebol. Sustentabilidade & Gestão Social

AMAZÔNIA PARA SEMPRE. Inclusão Digital. Acessibilidade. País do Futebol. Sustentabilidade & Gestão Social www.revistaresponsa.com.br Sustentabilidade & Gestão Social Inclusão Digital A internet sobe a favela Pág. 09 Acessibilidade Adaptação por todos os lados Pág. 15 País do Futebol Como a Copa do Mundo no

Leia mais

MANUAL DE NORMAS Normas Normas.indd indd :09:36 12:09:36

MANUAL DE NORMAS Normas Normas.indd indd :09:36 12:09:36 MANUAL DE NORMAS Universo cromático Pantone 470 C C M Y K 0% 58% 100% 33% Black 50% Black Família Tipográfica Barmeno Regular utilizado nas palavras municipal de lisboa abcdefghijklmnopqrstuvxz ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVXZ

Leia mais

O PROJETO PROMOVER A IMPORTÂNCIA DE UMA EDUCAÇÃO ACOMPANHADA E INTERVENTORA PROMOVER RELAÇÕES DE INTERAÇÃO COM A NATUREZA E OS ANIMAIS

O PROJETO PROMOVER A IMPORTÂNCIA DE UMA EDUCAÇÃO ACOMPANHADA E INTERVENTORA PROMOVER RELAÇÕES DE INTERAÇÃO COM A NATUREZA E OS ANIMAIS FONTE BOA O PROJETO PROMOVER A IMPORTÂNCIA DE UMA EDUCAÇÃO ACOMPANHADA E INTERVENTORA PROMOVER RELAÇÕES DE INTERAÇÃO COM A NATUREZA E OS ANIMAIS missão A MISSÃO DA FONTE BOA JUNTA DOIS UNIVERSOS DIFERENTES.

Leia mais

POCH MANUAL DE NORMAS

POCH MANUAL DE NORMAS POCH MANUAL DE NORMAS 2015 A MARCA A marca é o elemento mais identificativo da identidade corporativa. A normalização da mesma é essencial para preservar a sua legibilidade e percepção. Por esse motivo,

Leia mais

Fórum Metodologias Ativas MetA 2015

Fórum Metodologias Ativas MetA 2015 Fórum Metodologias Ativas MetA 2015 Professor, venha compartilhar suas experiências diferenciadas e inovadoras de ensino! Participe dessa onda Saberes da Universidade - Metodologias Ativas http://www.pucsp.br/reunindo-saberes-da-universidade

Leia mais

Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013. Frutacor lança coleção Inverno 2014. Confira o festival de Jazz no CCCP

Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013. Frutacor lança coleção Inverno 2014. Confira o festival de Jazz no CCCP Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013 Frutacor lança coleção Inverno 2014 Fashion City Brasil participará da Fenim Confira o festival de Jazz no CCCP Bodytech loren ipsum ad vitor

Leia mais

Este é o Título do TCC

Este é o Título do TCC Faculdade do Piauí Curso de Bacharelado em Ciências da Computação Este é o Título do TCC Autores Teresina-PI, Xxxx de 20XX Autores Este é o Título do TCC Trabalho de Conclusão de Curso Monografia apresentada

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO

MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO SUMÁRIO 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 1.7 1.8 1.9 1.10 1.11 1.12 1.13 1.14 1.15 1.16 Introdução Assinatura institucional Malha de construção Assinatura

Leia mais

Preparação de um trabalho de pesquisa: - Citações e Referências bibliográficas

Preparação de um trabalho de pesquisa: - Citações e Referências bibliográficas CCM002 Metodologia de Pesquisa em Ciência da Computação Apresentações Preparação de um trabalho de pesquisa: - Citações e Referências bibliográficas Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 3Q-2017

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS 01 03 APRESENTAÇÃO Este guia de identidade uniformiza a utilização da marca Fundação Bienal de Cerveira. Estas normas devem ser cumpridas de modo rigoroso para que a imagem da

Leia mais

MATÉRIA DE AULA Poderá ser cobrado em prova.

MATÉRIA DE AULA Poderá ser cobrado em prova. TYPOS Do grego (formas) + GRAPHEIN (escrita) MATÉRIA DE AULA Poderá ser cobrado em prova. CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS SEGUNDO A BASE BASTÃO CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS Ausência de serifa Traços uniformes 13

Leia mais

GUIA SIMPLIFICADO DA LOGOMARCA

GUIA SIMPLIFICADO DA LOGOMARCA GUIA SIMPLIFICADO DA LOGOMARCA 1 2 Introdução 04 A logomarca 05 Variantes de cor 06 Dimensões mínimas 07 Área de não-interferência 08 Usos incorretos 09 Cores institucionais 10 Tipografia Grafismo 11 12

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Capítulo 1 Normatização Geral 1. Conceito de Marca 1.1. Identidade de Foz do Iguaçu 1.2. Pôster Conceitual 2. Assinaturas Padrão 2.1. Assinaturas em Português 2.2. Assinaturas

Leia mais

A construção do logótipo (relações entre os diferentes elementos);

A construção do logótipo (relações entre os diferentes elementos); Manual Normas Este manual de normas gráficas é um instrumento de trabalho que visa definir um conjunto de regras e recomendações que garantam a aplicação correcta da identidade gráfica da ANI. As várias

Leia mais

MANUAL NORMAS GRÁFICAS

MANUAL NORMAS GRÁFICAS MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS NOVEMBRO 2016 MIGUEL GATA INTRODUÇÃO 2 MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS BEM-VINDO ao Manual de Normas Gráficas da ESCOLA PROFISSIONAL PRÁTICA UNIVERSAL BRAGANÇA Dada a importância que

Leia mais

ECA-USP. Manual Simplificado de Identidade Visual. Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat

ECA-USP. Manual Simplificado de Identidade Visual. Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat ECA-USP Manual Simplificado de Identidade Visual Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat Logotipo Grade de Construção Identidade Visual/Cor Grade de Construção Identidade

Leia mais

MODELO PARA EDITORAÇÃO DE LIVRO Guia do Usuário

MODELO PARA EDITORAÇÃO DE LIVRO Guia do Usuário MODELO PARA EDITORAÇÃO DE LIVRO Guia do Usuário 2016 Esta página ficará em branco. LOREM IPSUM (título) dolor (subtítulo) Falsa folha de rosto. Nesta folha conterá apenas o título e o subtítulo (se necessário)

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia. Nome do Autor. Título da Dissertação ou Tese em Português

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia. Nome do Autor. Título da Dissertação ou Tese em Português Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia Nome do Autor Título da Dissertação ou Tese em Português Limeira, 2017 Nome do Autor Título da Dissertação ou Tese em Português Dissertação apresentada

Leia mais

Manual de Normas Gráficas Março 2017

Manual de Normas Gráficas Março 2017 Manual de Normas Gráficas Março 2017 1 Introdução A Frusantos é uma empresa familiar, com aspiração comum, visão de crescimento e compromisso com o senso de legado, de geração em geração. Visão Ser empresa

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS MOD02_PR02_V05 1

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS MOD02_PR02_V05 1 MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS MOD02_PR02_V05 1 DATA: Outubro 2018 ELABORADO: Laura Santos EDITADO: Bruno Filipe APROVADO: Manuel Serejo ASSUNTO: Normas para apresentação de documentos Normas e apresentação

Leia mais

IFDR, IP MANUAL DE NORMAS

IFDR, IP MANUAL DE NORMAS IFDR, IP MANUAL DE NORMAS Este guia de normas representa, no seu conteúdo, o conjunto das regras básicas de utilização da marca, bem como das suas declinações e complementos visuais. A utilização dos elementos

Leia mais

12 Set SEGUNDA-FEIRA ÀS 19:30PM

12 Set SEGUNDA-FEIRA ÀS 19:30PM SUPER BANNER PERSONALIZADO (960X200px) Pec do Teto Após Renato acelerar tramitação, Senado vota hoje PEC do teto Fábio Assunção comenta cena do primeiro encontro entre Arthur e Eliza: Bem bonito Ator fala

Leia mais

Brand Identity Guidelines

Brand Identity Guidelines Brand Identity Guidelines manual PARA QUÊ? Índice 1.0 Logotipo 00 1.1 Apresentação 00 1.2 Cores Institucionais 00 1.3 Símbolo 00 1.4 Família Tipográfica 00 1.5 Redução 00 1.6 Versões 00 Este manual explica

Leia mais

Brandbook OUTUBRO 2017

Brandbook OUTUBRO 2017 Brandbook OUTUBRO 2017 Brandbook É um guia que faz parte da vida da Saque y Pague. Traduz verbalmente e visualmente a sua identidade e ajuda a gerenciar a comunicação entre seus diferentes públicos. Ele

Leia mais

Manual de identidade visual

Manual de identidade visual Manual de identidade visual Indrodução Neste manual de uso de marca, é possível encontrar todas as informações, denominações, padrões, variações, elementos e aplicações do novo sistema de identidade visual

Leia mais

Wireframes. Definição. Wireframes

Wireframes. Definição. Wireframes Wireframes Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 Definição Wireframes Diagrama que representa todos os elementos de uma página, definindo esses elementos, a hierarquia entre eles, agrupamentos e suas importâncias

Leia mais

D I G I TA L ATENÇÃO NAS MÍDIAS DIGITAIS, OS DESCONTOS DIFEREM DOS PRATICADOS NA MÍDIA IMPRESSA. CONSULTE-NOS.

D I G I TA L ATENÇÃO NAS MÍDIAS DIGITAIS, OS DESCONTOS DIFEREM DOS PRATICADOS NA MÍDIA IMPRESSA. CONSULTE-NOS. D I G I TA L ATENÇÃO NAS MÍDIAS DIGITAIS, OS DESCONTOS DIFEREM DOS PRATICADOS NA MÍDIA IMPRESSA. CONSULTE-NOS. Plásticos em Revista Digital Plásticos em Revista é a mais antiga publicação de seu segmento,

Leia mais

MUSEU do FUTEBOL manual da marca

MUSEU do FUTEBOL manual da marca manual da marca MUSEU do FUTEBOL manual da marca 03 06 07 11 13 14 15 19 23 24 25 conceito ASSINATURAS PREFERENCIAIS ASSINATURAS secundárias dimensões da marca uso da tipologia Auxiliar opções de uso da

Leia mais

SUPER BANNER PERSONALIZADO 01 (960X200px) Fábio Assunção comenta cena do primeiro encontro entre Arthur e Eliza: Bem bonito

SUPER BANNER PERSONALIZADO 01 (960X200px) Fábio Assunção comenta cena do primeiro encontro entre Arthur e Eliza: Bem bonito SUPER PERSONALIZADO 01 Pec do Teto Após Renato acelerar tramitação, Senado vota hoje PEC do teto CAPA 1 EUGÊNIO FALCÃO RINGSON TOLEDO MATEUS RODRIGUES CAPA 2 INTEGER amet, consectetur adipiscing elit.

Leia mais

MANUAL DE NORMAS. Guia de identidade visual. Abril. 2016

MANUAL DE NORMAS. Guia de identidade visual. Abril. 2016 MANUAL DE NORMAS Guia de identidade visual Abril. 2016 A logomarca tem como base a interação com as pessoas. É por isso que é tão importante que todos os que trabalham com a logomarca Nosso Shopping percebam

Leia mais

Normas de Marca. Logotipo. sempre que existe o contraste necessário. Na letra t existe um sinal + implícito que remete para a essência de marca.

Normas de Marca. Logotipo. sempre que existe o contraste necessário. Na letra t existe um sinal + implícito que remete para a essência de marca. Normas de Marca Logotipo Logotipo sempre que existe o contraste necessário. Na letra t existe um sinal + implícito que remete para a essência de marca. 2 Logotipo versão amarela versão verde versão vermelha

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS MOD02_PR02_V03 1

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS MOD02_PR02_V03 1 MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS MOD02_PR02_V03 1 DATA: Outubro 2016 ELABORADO: Laura Santos EDITADO: Bruno Filipe APROVADO: Manuel Serejo ASSUNTO: Normas para apresentação de documentos Normas e apresentação

Leia mais

Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2

Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Brasil 2013, v-1.7.1 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Modelo canônico de Projeto de pesquisa em conformidade

Leia mais

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO - TECCOGS ISSN:

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO - TECCOGS ISSN: Normas para publicação Formatação da página (margens): Topo: 3,3 cm Inferior: 3 cm Esquerda: 2,3 cm Direita: 2 cm Título: Fonte: Arial, 14 Alinhamento do texto: à esquerda Norma para publicação Autoria:

Leia mais

LOREM IPSUM DOLOR SIT AMET

LOREM IPSUM DOLOR SIT AMET LOREM IPSUM DOLOR SIT AMET Capa com titulo da apresentação com sub-titulo ou texto de apoio, ou outras informações muito sumárias, caso necessário OMEULOGO Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing

Leia mais

d ce D I G I TA L ATENÇÃO NAS MÍDIAS DIGITAIS, OS DESCONTOS DIFEREM DOS PRATICADOS NA MÍDIA IMPRESSA. CONSULTE-NOS. R E V I S T A

d ce D I G I TA L ATENÇÃO NAS MÍDIAS DIGITAIS, OS DESCONTOS DIFEREM DOS PRATICADOS NA MÍDIA IMPRESSA. CONSULTE-NOS. R E V I S T A d ce R E V I S T A D I G I TA L ATENÇÃO NAS MÍDIAS DIGITAIS, OS DESCONTOS DIFEREM DOS PRATICADOS NA MÍDIA IMPRESSA. CONSULTE-NOS. Doce Revista Digital Há 31 anos no mercado, a imagem da Doce Revista é

Leia mais

Coloque aqui seu nome

Coloque aqui seu nome Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional - PROFMAT Dissertação de Mestrado Coloque aqui o título da sua dissertação Coloque aqui seu nome Uberaba

Leia mais

A EFICIÊNCIA DA CONSTRUÇÃO

A EFICIÊNCIA DA CONSTRUÇÃO A EFICIÊNCIA DA CONSTRUÇÃO 1 ÍNDICE 03 _ APRESENTAÇÃO 05 _ ambiente _ certificação 04 _ segurança _ qualidade _ política da empresa 07 _ obras 2 APRESENTAÇÃO A DVR Construções Divireis, Lda, empresa de

Leia mais

Responsabilidade social e comunicação institucional: Estudo de caso da campanha SOS Minas, da Igreja do Evangelho Quadrangular

Responsabilidade social e comunicação institucional: Estudo de caso da campanha SOS Minas, da Igreja do Evangelho Quadrangular Responsabilidade social e comunicação institucional: Estudo de caso da campanha SOS Minas, da Igreja do Evangelho Quadrangular Jessica Caroline Silva de Freitas Kelly Isaura Graciano da Silva Bento Sabrina

Leia mais

Após Renato acelerar tramitação, Senado vota hoje PEC do teto

Após Renato acelerar tramitação, Senado vota hoje PEC do teto Dourados-MS, 12 de Janeiro de 2020. Digite e pressione enter... MS BRASIL MUNDO POLÍTICA ESPORTES FESTAS&EVENTOS ENTREVISTAS ARTIGOS COLUNAS + EDITORIAS Full banner capa 1 (728x90px) FULL BANNER DESKTOP

Leia mais

Câmara Municipal de Vagos Normas Gráficas

Câmara Municipal de Vagos Normas Gráficas 01 Índice Introdução # 3 Marca # 4 Logótipo # 5 Símbolo # 6 Construção Identidade # 7 Versões # 8-9 - 10 Arquitetura Marca # 11 Identidade Inglês # 12 Identidade Espanhol # 13 Área de proteção # 14 Dimensões

Leia mais

Manual de Normas Gráficas

Manual de Normas Gráficas Manual de Normas Gráficas A criação da identidade visual da Proxira, tem por base um sistema de aplicações coerente, organizado e bem definido. O manual de identidade visual apresentado reúne os elementos

Leia mais

Manual de Identidade Visual. Abril de 2014

Manual de Identidade Visual. Abril de 2014 Manual de Identidade Visual Abril de 2014 ÍNDICE 03 Para que serve este manual? 04 O logotipo 06 Variações do logotipo 07 Escala cromática 08 Fundos preferenciais 09 Malha construtiva 10 Área de não-interferência

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

A C R A M A L D A U N A

A C R A M A L D A U N A MANUAL DA MARCA BRIEFING & PROCESSO CRIATIVO 01 CONCEITO E CONSTRUÇÃO DA MARCA 02 GRADE 04 PALETA DE CORES 05 APLICAÇÕES MONOCROMÁTICAS 05 APLICAÇÕES 06 CRÉDITOS 07 01 BRIEFING & PROCESSO CRIATIVO BRIEFING...

Leia mais