A UTILIZAÇÃO DA QUALIDADE NO MARKETING EMPRESARIAL Auto Posto Lins Ltda LINS - SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A UTILIZAÇÃO DA QUALIDADE NO MARKETING EMPRESARIAL Auto Posto Lins Ltda LINS - SP"

Transcrição

1 UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Administração ALEXANDRE TIROLEZ GODOI ANDRÉ CESAR DE OLIVEIRA VASQUES VALENTE FLÁVIO VIEIRA DE SOUZA SÉRGIO GUSTAVO SINÓPOLI DOS SANTOS A UTILIZAÇÃO DA QUALIDADE NO MARKETING EMPRESARIAL Auto Posto Lins Ltda LINS - SP LINS SP 2009

2 ALEXANDRE TIROLEZ GODOI ANDRÉ CÉSAR DE OLIVEIRA VASQUES VALENTE FLÁVIO VIEIRA DE SOUZA SÉRGIO GUSTAVO SINÓPOLI DOS SANTOS A UTILIZAÇÃO DA QUALIDADE NO MARKETING EMPRESARIAL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à banca examinadora do Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, curso de Administração, sob orientação do Prof.º M. Sc. Eduardo Teraoka Tófoli e orientação técnica da Prof.ª M. Sc. Heloísa Helena Rovery da Silva. LINS SP 2009

3 G531m Godoi, Alexandre Tirolez; Valente, André Cesar Oliveira Vasques; Souza, Flavio Vieira de; Santos, Sergio Gustavo Sinópoli Marketing e qualidade: Auto Posto Lins Ltda /, Alexandre Tirolez Godoi; André Cesar Oliveira Vasques Valente; Flavio Vieira de Souza; Sérgio Gustavo Sinópoli Santos.. Lins, p. il. 31cm. Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium UNISALESIANO, Lins-SP, para graduação em Administração, 2009 Orientadores: Eduardo Teraoka Tófoli; Heloisa Helena Rovery da Silva 1. Marketing. 2. Qualidade. Satisfação. 3. Cliente. I Título. CDU 658

4 ALEXANDRE TIROLEZ GODOI ANDRÉ CÉSAR DE OLIVEIRA VASQUES VALENTE FLÁVIO VIEIRA DE SOUZA SÉRGIO GUSTAVO SINÓPOLI DOS SANTOS A UTILIZAÇÃO DA QUALIDADE NO MARKETING EMPRESARIAL Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, para obtenção do titulo de Bacharel em Administração. Aprovada em / / Banca Examinadora: Prof.º Orientador: Eduardo Teraoka Tófoli Titulação:Mestre em Administração pela Uni-FACEF-Centro Universitário de Franca-SP Assinatura: 1 Prof(a): Titulação: Assinatura: 2 Prof(a): Titulação: Assinatura:

5 Dedicamos essa monografia a todos aqueles que não acreditam que possam ser capazes de concluir algo tão grandioso sem ao menos tentar.

6 AGRADECIMENTOS Agradecemos primeiramente ao nosso Orientador Prof. M. Sc. Eduardo Teraoka Tófoli pelo incentivo, simpatia e presteza no auxílio às atividades e discussões sobre o andamento e normatização desta Monografia de Conclusão de Curso. Especialmente a Prof.ª M. Sc. Heloísa Helena Rovery da Silva pelo seu espírito inovador e empreendedor na tarefa de multiplicar seus conhecimentos, pela sua disciplina nos ensinando a importância do trabalho em grupo e pela oportunidade de participação em publicações, eventos e exercícios simulados. Aos demais idealizadores, coordenadores e funcionários do UNISALESIANO de Lins. A todos os professores e seus convidados pelo carinho, dedicação e entusiasmo demonstrado ao longo do curso. Aos colegas de classe pela espontaneidade e alegria na troca de informações e materiais numa rara demonstração de amizade e solidariedade. Às nossas famílias pela paciência em tolerar a nossa ausência. E, finalmente, a DEUS pela oportunidade e pelo privilégio que nos foram dados em compartilhar tamanha experiência e, ao freqüentar este curso, perceber e atentar para a relevância de temas que não faziam parte, em profundidade, das nossas vidas.

7 RESUMO O presente estudo sobre a utilização da qualidade no marketing empresarial decorre de trabalho caracterizado por pesquisa exploratória realizada na empresa Auto Posto Lins, situada na cidade de Lins, estado de São Paulo, com o objetivo de verificar a influência da qualidade total nos produtos e serviços e na utilização do marketing empresarial. Para isso, foram colhidas as informações que caracterizassem o trabalho efetivo da utilização da qualidade no marketing empresarial, sua aplicabilidade e desempenho junto às tomadas de decisões no processo como um todo. Com base para elaboração do instrumento de pesquisa, foram utilizadas várias teorias e conceitos de diversas bibliografias sobre o tema em estudo; por representarem os modelos teóricos que mais têm contribuído para identificar e conceituar a utilização da qualidade no marketing empresarial, são vistos, hoje, como um fator preponderante para alcançar o sucesso do empreendimento. A relação produto certo, na hora certa, para o cliente certo e com qualidade fez com que o marketing assumisse uma postura mais criativa, inovando processos e fazendo parte de todo desenvolvimento do produto até chegar às mãos do consumidor final. Nos dias atuais, perante um cenário globalizado, os consumidores cada vez mais sentem a necessidade de optar por diferentes marcas e por isso surge a necessidade das empresas investirem em qualidade juntamente com pessoal altamente qualificado onde o marketing surgiu em resposta às novas exigências do mercado, que incluem uma nova forma de relacionamento entre prestadores de serviços e consumidores, e ao crescimento da fragmentação do mercado. No mercado atual, o nível competitivo se encontra altamente turbulento onde somente os melhores terão lugar garantido, relacionamentos de longo prazo ou curto prazo são vistos como vantagens competitivas, as quais o foco principal são os clientes. Ao decorrer do trabalho e de toda pesquisa realizada, considera-se que a empresa Auto Posto Lins Ltda, situada na cidade de Lins, deve aperfeiçoar o relacionamento com os seus clientes para garantir sua fidelidade, com uma estrutura física, administrativa e funcional bem montada em busca da satisfação de seus clientes e colaboradores; e a junção do marketing com a qualidade total torna-se essencial na execução do processo e das tarefas dentro de qualquer empresa. Palavras-chave: Qualidade; Marketing; Satisfação; Cliente.

8 ABSTRACT The current study about the use of quality in the corporate marketing comes from work characterized by exploratory research in the company Auto Posto Lins, located in the city of Lins, state of Sao Paulo, in order to verify the influence of total quality in products and services and the use of corporate marketing. For that, the information was collected to characterize the effective work of the use of quality in the corporate marketing, its applicability and performance on the decision making in the process in general. The preparation of this instrument was based on several theories and concepts of several bibliographies about the subject under study, because they represent the theoretical models that have contributed most to identify and conceptualize the use of quality in corporate marketing, they are seen nowadays as an important factor for success of the enterprise. The relationship right product at the right time, to the right customer and with quality has made the marketing to assume a more creative posture, innovating processes and making part of the whole product development until the final consumer s hands. Nowadays, before a global scenario, consumers increasingly feel the need to choose different brands and then comes the companies need for investing in quality with highly qualified personnel, where marketing emerged in answer to new market demands that include a new form of relationship between service providers and consumers, and to the growth of market fragmentation. In today's market, the competitive level is highly turbulent where only the best will have a guaranteed place, long-term relationships or short term are seen as competitive advantages, which the main focus is customers. In the course of work and all research conducted, it is considered that the company Auto Posto Lins Ltda, located in the city of Lins, must improve its relationship with its customers to guarantee their loyalty, with a physical, administrative and functional structure well mounted in the hope of satisfying their customers and employees, and the joint of marketing with the total quality is essential in the process execution and tasks within any company. Keywords: Quality; Marketing; Satisfaction; Customer.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Integrantes do grupo de monografia e o logotipo da empresa...15 Figura 2: Visão geral do Auto Posto Lins...16 Figura 3: Sala de espera e conveniência...17 Figura 4: Sala de gerência...19 Figura 5: Troca de óleo...20 Figura 6: Recebimento de combustível...22

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Gênero dos entrevistados...61 Tabela 2: Faixa etária...61 Tabela 3: Renda dos entrevistado...62 Tabela 4: Qual sua opinião sobre o atendimento do Auto Posto Lins...62 Tabela 5: Você considera a garantia de qualidade do produto um aspecto relevante no momento da compra...63 Tabela 6: A marca Shell influência para a aquisição do produto...63 Tabela 7: Como você considera as instalações do Auto Posto Lins...64 Tabela 8: Qual a satisfação com os serviços prestados pelo Auto Posto Lins.64 Tabela 9: O atendimento influência na aquisição dos produtos...64 Tabela 10: Os meios de marketing do Auto Posto Lins estão atingindo os objetivos planejados...65

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABNT: Associação Brasileira de Normas técnicas ACVA: Analise do Ciclo de vida Ambiental AMA: American Marketing Association ANSI: American National Standards Institute CEP: Controle Estatístico de Processos CNPJ: Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica DNA: Ácido Desoxirribonucleico EP: Exploração e Produção GQT: Gestão da Qualidade Total ISO: International Organization for Standardization JUSE: Japanese Union of Scientists and Enginers OC Plus: Composto de oleo aditivo PDCA: Plan, Do, Check e Action RJ: Rio de Janeiro STP: Uma anfetamina que faz alusão a marca do aditivo STP - Specially Treated Petroleum SWOT: Strenghts, Weaknesses, Opportunities, Threats TC: Comitê Técnico TEF: Transferência Eletrônica de Fundos 4 P s: Produto, Preço, Promoção e Praça 5 s: Seiri, Seton, Seiso, Seiketsu, Shitsuke

12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...13 CAPÍTULO I - EMPRESA AUTO POSTO LINS HISTÓRICO Evolução Visão da empresa Missão da empresa Investimentos e melhoria Produtos e serviços oferecidos Funcionários Atendimento Concorrência Fornecedor Marca Shell para empresa Atributos da marca Diferencial de marca...25 CAPÍTULO II GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL CONCEITOS História da qualidade total Modelo Referencial Princípios da qualidade total Gerenciamento da qualidade total Ferramentas da qualidade Os 5' S Ciclo PDCA Fluxograma ISO Cliente Atendimento ao cliente...37

13 2.6 A busca da satisfação do cliente A fidelidade do cliente Qualidade no produto Qualidade no serviço Diferenciando o produto através do serviço A importância do colaborador na qualidade...42 CAPÍTULO III MARKETING INTRODUÇÃO AO MARKETING Marketing: um pouco de história Segmentação de mercado e decisões de marketing alvo Um segmento precisa evidenciar um potencial adequado Um segmento precisa ser economicamente acessível Um segmento precisa ser estável Marketing de massa Análise ambiental Componentes da análise (do ciclo de vida) ambiental Forças competitivas Análise do ambiente externo Análise do ambiente interno Análise do ambiente do consumidor SWOT: análise das forças, fraquezas, oportunidades e ameaças Forças e fraquezas Oportunidades e ameaças Desenvolvimento do composto de marketing Decisões de produto Decisões de preço Decisões de promoção Decisões de distribuição Seleção e desenvolvimento da estratégia de marketing...56 CAPÍTULO IV A PESQUISA...58

14 4 INTRODUÇÃO Relato da pesquisa Perspectiva do gerente administrativo Perspectiva do gerente financeiro Perspectiva dos funcionários Perspectiva dos clientes Resultado da pesquisa...65 PROPOSTA DE INTERVENÇÃO...67 CONCLUSÃO...69 REFERÊNCIAS...70 APÊNDICES...71

15 13 INTRODUÇÃO Ao resolver empreender e desenvolver um determinado produto, a empresa analisa os diversos aspectos e foca seu investimento no produto objetivado. A relação produto certo, na hora certa, para o cliente certo e com qualidade do produto e serviço, fez com que o marketing assumisse uma postura mais efetiva e criativa no mundo corporativo, inovando processos e fazendo parte de todo desenvolvimento produtivo. Por meio do Marketing, a empresa pode divulgar a qualidade de seu portifólio para ser algo marcante aos consumidores, pois assim que sentirem a necessidade do produto, relacionam a marca à qualidade dos produtos que à empresa oferece através de variedade, qualidade e bom atendimento buscando fidelização contínua. O foco de toda empresa deve ser o cliente, ele é quem ajuda a conduzir sua imagem e faz com que seja líder no mercado atuante. Em meio a inúmeros segmentos do Marketing, agrega-se a qualidade do produto a marca dando ênfase a garantia de bons produtos e serviços conseguindo grande aceitação e novos horizontes no mercado alvo, pois só quem fornece um produto de qualidade consegue juntar dados e informações suficientes para a montagem de um plano de marketing. No mercado globalizado o qual a concorrência vem crescendo e se tornando mais acirrada as organizações que buscam o sucesso continuo devem se estruturar de maneira exaustiva para acompanhar a demanda devido ao alto nível de variedades encontradas em um mesmo segmento, seguindo um posicionamento estratégico e identificação de seu público alvo, diferenciais competitivos, garantia do produto, qualidade no atendimento, serviços agregados, são, fatores essenciais para a satisfação do cliente e captação dos mesmos. Sabendo disso, foi realizado uma pesquisa na empresa Auto Posto Lins, localizada na rua Floriano Peixoto, número 1796 no centro de Lins, estado de São Paulo, a fim de demonstrar que o Marketing e Qualidade, refletem positivamente proporcionando aumento de competitividade no mercado.

16 14 Diante disso os objetivos desse trabalho foram de verificar a influência da qualidade total nos produtos e serviços na utilização do marketing empresarial, pesquisar as estratégias mercadológicas utilizadas pelo Auto Posto Lins, verificar as ferramentas de marketing, analisar os benefícios que a qualidade total pode trazer para a empresa e verificar as técnicas utilizadas pela empresa em busca da satisfação do cliente. Visando a melhoria contínua no Auto Posto Lins estuda-se formas melhores para fazer a implantação da qualidade, entre elas a divulgação da marca, e com isso cada vez mais tenha uma excelência no atendimento, com novas idéias e projetos. Diante do exposto, surgiu o seguinte questionamento: A implantação da qualidade total influência no marketing da empresa? Diante da pergunta problema surgiu a seguinte hipótese. A divulgação da marca, qualidade dos produtos e os valores disseminados pelo Auto Posto Lins aliados as estratégias mercadológicas adotadas pelo Marketing e Qualidade auxiliam positivamente um melhor desempenho da organização no mercado atual. Para a realização desse trabalho foram utilizados os seguintes métodos e técnicas descritos no capítulo IV. O trabalho está assim estruturado: Capítulo I descreve a evolução histórica da empresa em estudo. Capítulo II aborda os conceitos teóricos sobre conceitos de qualidade e suas ferramentas. Capítulo III aborda os conceitos teóricos sobre o marketing e seus componentes. Capítulo IV descreve a pesquisa realizada na empresa em estudo sobre a utilização da qualidade no marketing empresarial. Encerrando o trabalho vem a proposta de intervenção e a conclusão.

17 15 CAPÍTULO I EMPRESA AUTO POSTO LINS 1 HISTÓRICO No dia 01 de junho de 2001, foi dado início a nova administração da empresa Auto Posto Lins Ltda, sito à Rua Floriano Peixoto, número Centro de Lins, estado de São Paulo, com os sócios Hussein Hammound Neto e Luiz Antônio D Eugênio, onde inauguraram o posto atualmente localizado no endereço citado. Fonte: Auto Posto Lins, Marketing, 2009 Figura 1 : Integrantes do grupo de monografia e o logotipo da empresa, Lins/SP A empresa tem como razão social Auto Posto Lins Ltda e o nome fantasia de Auto Posto Lins inscrito com o CNPJ / e inscrição estadual

18 16 Fonte: Auto Posto Lins, Marketing, 2009 Figura 2 : Visão geral do Auto Posto Lins, Lins/SP 1.1 Evolução A empresa começou suas atividades com um amplo espaço físico, entre eles pode-se citar, que possui 01 sala de gerência, 01 sala de administração, 02 banheiros, 04 depósitos para suprimento das necessidades da empresa e clientes os quais possuem divisões para acessórios em geral para carros e motos, bebidas e produtos perecíveis, 01 área para lavagem de veículos, 02 áreas para troca de óleo, 03 bombas quádruplas sendo essas de álcool, gasolina comum, gasolina VPower e diesel, 01 calibrador para pneus e 03 tanques bipartidos de litros de combustível, o Auto Posto Lins possui um consumo diário de 6000 litros de combustível com a qualidade da marca Shell. Visto algumas necessidades para melhor atendimento aos clientes fezse necessário algumas alterações em sua parte física, acrescentando uma loja

19 17 de conveniências, mais 02 banheiros, melhoria da área de espera para o cliente visando maior conforto e qualidade no atendimento, implantação de um sistema automatizado com as bombas, um medidor automático dos tanques de combustível implantação de impressora fiscal, sistema de TEF (linha dedicada para cartões de crédito e débito) Fonte: Auto Posto Lins, Marketing, 2009 Figura 3 : Sala de espera e conveniência, Lins/SP A empresa dispõe de recursos que são melhorados e renovados, sempre que necessário, sendo que com isso a qualidade de atendimento no mercado seja o melhor possível. 1.2 Visão da empresa O Auto Posto Lins, visa sempre atender ao cliente da melhor maneira possível, oferecendo garantia de seus produtos e qualidade de seus serviços.

20 Missão da empresa Em primeiro lugar a empresa procura buscar a satisfação total de seus clientes, amigos e colaboradores, com produtos dignos de qualidade e procedência. 1.4 Investimento e melhorias O Auto Posto Lins fez a adequação ambiental, para manter tudo em ordem com o meio ambiente, instalou um aparelho medidor de tanque onde com ele é possível fazer a medição do tanque para ver qual a quantidade de combustível existente, sem precisar que um funcionário faça esta manualmente, diminuindo assim à margem de erro e também verificando se há vazamento nos tanques. A empresa também implantou um novo sistema, no qual foi feito a automação das bombas, garantindo um bom atendimento ao cliente, também possui um melhor controle de estoque, controle interno, e com este procura atender as necessidades dos clientes. Os clientes podem escolher a opção de deixar seu cadastrado no sistema do posto, com isso quando for abastecer seu veículo, informando a kilometragem o sistema enviará um para o cliente informando a hora que foi efetuado o abastecimento, a placa do veículo, o nome do motorista (se informado), e a média do veículo, procurando sanar as necessidades de algumas empresa de grande porte com dificuldade de controlar a sua frota. A empresa possui uma planilha de acompanhamento após a troca de óleo onde contém algumas informações sobre as condições de alguns equipamentos necessários nos veículos para seu bom funcionamento e também para a segurança do usuário, desta forma garante que o cliente esteja em plena condição de uso do veículo e claro faz com que ele perceba a preocupação da empresa com sua segurança e que a mesma está sempre buscando satisfazê-lo prestando o melhor serviço possível.

21 19 Fonte: Auto Posto Lins, Marketing, 2009 Figura 4 : Sala de gerência, Lins/SP 1.5 Produtos e serviços oferecidos O Auto Posto Lins possui a venda de combustíveis: álcool, diesel, gasolina comum e gasolina v- power, também possui lubrificantes os da linha Helix e Rimula, acessórios da linha Bardhal, STP, Wurth, filtros Mann, produtos para a conveniência, como refrigerantes, água, gelo, sorvete, cerveja e também os serviços de troca de óleo, ducha, lavagens, calibrador de pneus, todos produtos estão a disposição do cliente.

22 20 Fonte: Auto Posto Lins, Marketing, 2009 Figura 5 : Troca de óleo, Lins/SP 1.6 Funcionários A empresa possui um quadro de funcionários que trabalham divididos em 03 turnos no dia (manhã, tarde e noite) com horário de funcionamento das 06h:00m as 24h:00m, de segunda a domingo, totalizando um quadro de onze funcionários com tarefas individuais, e estas são divididas da seguinte forma, 1 gerente, 1 escriturário, 7 frentistas e 2 office boys. 1.7 Atendimento

23 21 O atendimento no Auto Posto Lins, sempre está em primeiro lugar, pois este é um dos fatores principais ao bom andamento da empresa. Buscando a satisfação do cliente, e oferecendo os produtos e serviços prestados pela empresa para que esse cliente volte, um atendimento especial para que tenha segurança e confiança para usufruir dos serviços oferecidos. 1.8 Concorrência A concorrência é um fator existentes no mercado, pois esta se enquadra em várias etapas: a) preço: o preço não é estratégia de marketing, e sim uma condição. Para estabelecer bem os preços o empresário precisa estar atento em seus concorrentes mais próximos, o Auto Posto Auttadei e o Auto Posto de Lins (Pit Stop) e manter o preço competitivo, ajustado de acordo com a sua área de influências, por isso que o Auto Posto Lins mantém uma noção do preço de outras empresas para evitar uma guerra de preços com os seus concorrentes no mercado. b) promoção: a intenção das promoções no Auto Posto Lins é fazer com que o público alvo sinta que há sempre uma novidade no posto, então as promoções são medidas em volume de vendas para checar sua eficácia. c) ponto-de-venda: O Auto Posto Lins procura sempre manter o posto limpo e organizado, manter a aparência dos funcionários, pois aparência é um fator primordial de mercado. d) produtos: o Auto Posto Lins vende apenas produtos de qualidade e sempre faz uma análise na sua chegada no estabelecimento. O Auto Posto Lins procura ter conhecimento do seu segmento e das necessidades e desejos de seus clientes através de conversas, opiniões para descobrir quais as demandas de seu público alvo. 1.9 Fornecedor

24 22 O Auto Posto Lins trabalha com fornecedores de combustível e lubrificantes da empresa Shell Brasil Ltda, e outros fornecedores para acessórios, conveniências e serviços prestados pelo posto. Fonte: Auto Posto Lins, Marketing, 2009 Figura 6 : Recebimento de combustível, Lins/SP Os gestores da empresa sempre procuram fazer uma negociação com os fornecedores, em relação ao prazo de pagamento, para que não tenha acréscimo de juros Marca Shell para a empresa A marca Shell para o Auto Posto Lins é fundamental, porque é um ativo importante, no mercado onde a diferença dos produtos é cada vez menor, quando se tem uma marca forte é um grande chamariz para o consumidor, colocando um produto em destaque, ajudando na decisão do cliente na hora de

25 23 sua escolha do produto, e com a marca Shell a empresa ganha no quesito da qualidade, pois é uma marca respeitada Atributos da marca A Shell Brasil encerrou 2008 com funcionários e respondeu por 15,54% do mercado nacional de distribuição de combustíveis. A área de negócio mais visível é a do Varejo, composta por aproximadamente 2,7 mil postos de serviço. Outro segmento tradicional é o Comercial, que atendeu a clientes (indústria, construção, transporte, entre outras áreas). Fazem parte ainda do negócio de downstream as áreas de Lubrificantes, Aviação, Químicos, Shell Marine e Suprimentos e Distribuição. Já em upstream, a empresa conta no país com as áreas de Exploração e Produção e de Gás Natural e Geração de Energia. No segmento de Exploração e Produção (EP), a Shell foi à primeira empresa privada a produzir petróleo na Bacia de Campos (RJ). A empresa que já investiu mais de US$ 2,8 bilhões em suas atividades no Brasil, fechou 2008 presente em 15 blocos. A Shell inova mais uma vez e traz mudanças no portifólio de seus lubrificantes. Seu objetivo é melhor satisfazer às necessidades dos motoristas, bem como simplificar e facilitar a escolha do grau de viscosidade e a especificação correta do lubrificante, de acordo com as demandas de cada veículo. As novas embalagens de 0/5, 01 e 04 litros facilitam o manuseio, a armazenagem e a venda. Os rótulos possuem maior área de comunicação, com maior impacto visual, facilitando o entendimento dos benefícios de cada produto e a identificação do produto mais adequado para suas necessidades. Líder mundial no segmento de lubrificantes, a Shell também revisou globalmente a sua família de produtos. As mudanças no portifólio de Shell Rimula e de Shell Helix buscam, sobretudo, tornar mais fácil ao consumidor a

26 24 identificação de qual o lubrificante é mais adequado para seu veículo, além de oferecer uma linha de produtos com performance ainda melhor. A família Shell Helix continua a oferecer tecnologia líder para limpeza e proteção dos motores modernos. A nova linha de Shell Helix se caracteriza por um novo sistema de denominações que abrange quatro categorias fáceis de entender: Shell Helix Ultra, Shell Helix HX7, Shell Helix HX 5 e Shell Helix HX 3. Cada categoria tem benefícios bem definidos, tornando mais fácil entender à diferença entre cada produto. Trabalhando com o conceito de proteção com mais energia, o portifólio de Shell Rimula apresenta a tecnologia desenvolvida pela Shell para se adaptar às mudanças nas necessidades do motor. A nova linha leva em consideração alterações na tecnologia e nas necessidades dos consumidores, facilitando também a identificação e a recomendação do lubrificante correto para cada operação. Com base em seis categorias, a nova família oferece aos consumidores definições claras sobre as características de cada produto no que se refere à performance e aos benefícios que proporcionam. A Shell está sempre preocupada em criar mecanismos para tornar inabalável a confiança na qualidade dos seus produtos e serviços. Foi pioneira no lançamento da Trava Eletrônica, um sistema de monitoramento dos combustíveis comercializados nos postos, que impede o despejo e a adulteração de produtos, através do controle da abertura e fechamento dos tanques de combustíveis. Foi também a primeira a utilizar Laboratórios Móveis verificando freqüentemente as especificações dos combustíveis comercializados nos postos de serviços. O DNA da Shell está presente na gasolina e diesel comum, Formula Shell Gasolina, Formula Shell Premium e Shell Formula Diesel, funcionando como um código genético de um DNA, agindo de forma muito mais completa que um simples corante, permitindo para a Shell a verificação da procedência dos combustíveis comercializados nos postos de serviços. Na Shell você tem certeza de que está abastecendo seu veículo com combustíveis com a qualidade que você merece. Você está protegido do risco de adulteração dos combustíveis.

27 25 Desde agosto de 2000 que a Shell vem testando a marcação de seus produtos nos postos, e em janeiro de 2001 lançou o DNA da Shell nas gasolinas, inicialmente no Rio de Janeiro e São Paulo. Em seguida, a Shell expandiu seu programa para o restante do país. Iniciado em 2000, o programa DNA expandiu-se para todo o país em 2002 e, em 2003, foi lançado também para o diesel, propiciando maior segurança para o consumidor. Em abril de 2004, postos de abastecimento participavam do programa, que conta com 40 laboratórios móveis. Com o DNA da Shell Diesel mais uma vez a companhia é pioneira no desenvolvimento de mecanismos para garantir a qualidade dos seus produtos. Duas substâncias, desenvolvidas através de tecnologia de ponta, existentes somente nos combustíveis Shell, são utilizadas na composição do DNA da Shell: A primeira substância, só é possível ser detectada em laboratórios apropriados, através de um processo conhecido como Cromatografia a Gás. O segundo componente, somente pode ser detectado por equipamentos de leitura óptica presentes nos Laboratórios Móveis da Shell. Os Laboratórios Móveis, conhecidos também como veículos de controle de qualidade, estão capacitados para analisar amostras das gasolinas e do diesel Shell, permitindo saber com precisão se a origem dos combustíveis é 100% Shell. Estes laboratórios móveis visitam diariamente postos de serviços Shell, de forma aleatória, para verificar as especificações de todos os combustíveis, e a presença do DNA da Shell em suas gasolinas e diesel Diferencial da marca A Shell Brasil também inovou no país, abasteceu o primeiro vôo comercial brasileiro e foi a primeira empresa privada a produzir petróleo na Bacia de Campos, desenvolveu um óleo combustível mais limpo, o OC Plus, e com a comercialização do biodiesel, em 2007 a Shell contribuiu para a redução

28 26 de 127 mil toneladas de gás carbônico que seriam lançadas na atmosfera, para a equipe Shell, esse foi mais um passo de um longo caminho. A Shell Brasil investe pesado em tecnologia para gerar energia de forma mais eficiente e reduzir os impactos ambientais de suas operações. Entre as diversas iniciativas buscando a redução da emissão de gás carbônico, a Shell vai investir US$ 20 milhões em um projeto de injeção de gás no desenvolvimento de alguns de seus campos no Brasil, tendo por objetivo a máxima redução na queima de gás. Para desenvolver soluções como esta, a equipe Shell conta com uma habilidade especial, a criatividade. A Shell Brasil desenvolveu um óleo combustível mais limpo, de alta performance e o único do mercado brasileiro especialmente aditivado para melhorar a queima e reduzir a emissão de poluentes. O novo OC Plus foi um sucesso tão grande que está sendo levado para outras empresas Shell do mundo todo. Nada demais para uma equipe que está sempre colocando a cabeça para funcionar.

29 27 CAPÍTULO II GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL 2 CONCEITOS A noção de qualidade depende fundamentalmente da percepção de cada um. (CARAVANTES; CARAVANTES; BJUR, 1997) Obviamente a satisfação do cliente não é resultado apenas e tão somente do grau de conformidade com as especificações técnicas, o que tem qualidade para uns pode não atender as necessidades de outros, e resulta também de fatores como prazo e pontualidade de entrega, condições de pagamento, atendimento pré e pós-venda, flexibilidade, entre outros. (CARAVANTES; CARAVANTES; BJUR, 1997) Paralelamente a esta evolução do conceito de Qualidade, surgiu a visão de que o mesmo era fundamental no posicionamento estratégico da empresa perante o mercado. O termo Qualidade Total representa a busca da satisfação, não só do cliente, mas de todas as entidades significativas na existência da empresa e também da excelência organizacional da empresa. Segundo Caravantes; Caravantes e Bjur (1997) a qualidade é fitness for use - adequação ao uso - querendo dizer que o usuário de um produto ou serviço pode contar com o mesmo para desempenhar o que a este foi determinado 2.1 História da qualidade total A preocupação com a qualidade, no sentido mais amplo da palavra, começou com W.A. Shewhart, estatístico norte-americano que, já na década de 20, tinha um grande questionamento com a qualidade e com a variabilidade encontrada na produção de bens e serviços. Shewhart desenvolveu um

Professor: Flávio Belli E-mail: flavio.belli@sc.senai.br Joinville 2013

Professor: Flávio Belli E-mail: flavio.belli@sc.senai.br Joinville 2013 Histórico da Qualidade e Produtividade Professor: Flávio Belli E-mail: flavio.belli@sc.senai.br Joinville 2013 Histórico da Qualidade e Produtividade O mundo moderno vem sendo objeto de profundas e aceleradas

Leia mais

Gestão da Qualidade: Evolução Histórica, Conceitos Básicos e Aplicação na Educação

Gestão da Qualidade: Evolução Histórica, Conceitos Básicos e Aplicação na Educação TEXTO PARA DISCUSSÃO N O 397 Gestão da Qualidade: Evolução Histórica, Conceitos Básicos e Aplicação na Educação Rose Mary Juliano Longo JANEIRO 1996 TEXTO PARA DISCUSSÃO N O 397 Gestão da Qualidade: Evolução

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS PARA MANTER A COMPETITIVIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS PARA MANTER A COMPETITIVIDADE DAS ORGANIZAÇÕES A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS PARA MANTER A COMPETITIVIDADE DAS ORGANIZAÇÕES ROMUALDO DA SILVA, Paulo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais de Garça/ACEG E-mail: paulo_romualdo@itelefonica.com.br

Leia mais

Avalia ªo da Gestªo da Qualidade

Avalia ªo da Gestªo da Qualidade Universidade Federal da Bahia Escola PolitØcnica Departamento de Engenharia Mec nica ENG039 Avalia ªo da Gestªo da Qualidade Autores: Cristiano FÆbio Salvador 04/2004 1.0 OBJETIVO 1. Objetivo pág. 03 2.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme Gestão de Qualidade Alunos: Bruna Bastos Bruno Avelar Giacomini

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL E PADRONIZAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL E PADRONIZAÇÃO NA EMPRESA SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL E PADRONIZAÇÃO NA EMPRESA Andréia Pereira da Fonseca, Unisalesiano de Lins, e-mail: andreia.fonseca@bertin.com.br Ariane de Carvalho Naya, Unisalesiano de Lins, e-mail:

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

QUALIDADE APLICADA EM PROJETO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Pedro Trindade Fontes 1 André Rodrigues da Silva 2 Fábio Fernandes 3 RESUMO

QUALIDADE APLICADA EM PROJETO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Pedro Trindade Fontes 1 André Rodrigues da Silva 2 Fábio Fernandes 3 RESUMO QUALIDADE APLICADA EM PROJETO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Pedro Trindade Fontes 1 André Rodrigues da Silva 2 Fábio Fernandes 3 RESUMO Este artigo tem como finalidade abordar a importância das ferramentas

Leia mais

TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL

TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL OLIVEIRA,Ana Paula de¹ OLIVEIRA,Dirce Benedita de¹ NERY,Miriã Barbosa¹ SILVA, Thiago² Ferreira da² RESUMO O texto fala sobre o controle da qualidade total, como ela iniciou

Leia mais

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto INTRODUÇÃO Cenário político e econômico da Globalização Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento Viçosa Novembro de 2012 Ceres Mattos Della Lucia ceresnut@yahoo.com.br

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

QUALIDADE: NÃO MAIS UM DIFERENCIAL, E SIM UMA SOBREVIVÊNCIA PARA AS INSTITUIÇÕES

QUALIDADE: NÃO MAIS UM DIFERENCIAL, E SIM UMA SOBREVIVÊNCIA PARA AS INSTITUIÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MBA EM GESTÃO DA QUALIDADE ELISANGELA ELIAS FERNANDES QUALIDADE: NÃO MAIS UM DIFERENCIAL, E SIM UMA SOBREVIVÊNCIA PARA

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES.

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Prof. Edson Costa Aildefonso FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Qualquer um de nós que possua alguma experiência em trabalho de grupo sabe como é difícil desenvolver maneiras criativas para

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita M. Coutinho 2 RESUMO Este artigo científico tem

Leia mais

Tema Nº 7 Gestão Comercial

Tema Nº 7 Gestão Comercial Tema Nº 7 Gestão Comercial Habilidades a Desenvolver: Identificar as diferenças entre marketing e vendas. Definir as ações de marketing a serem adotadas pela empresa. Estruturar os procedimentos comerciais

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS 1 ÍNDICE 1. Introdução... 2. Por que preciso investir em tecnologia?... 3. Cinco passos para usar a tecnologia a meu favor... 4.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 3º Encontro - 24/02/2012 18:50 às 20:30h 02 Matar um elefante é fácil. Difícil é remover o cadáver. (Mikhail Gorbachev Estadista

Leia mais

Gestão e Qualidade - Aula 1

Gestão e Qualidade - Aula 1 Gestão e Qualidade - Aula 1 HISTÓRIA DA NORMATIZAÇÃO O conceito de normatização é tão antigo quanto a história do homem. Os homens das cavernas padronizaram os sons para obterem uma comunicação oral, associando

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA SWOT Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) Forças Oportunidades Fraquezas Ameaças Interno Externo Ajudam Atrapalham

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso.

Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso. 1 Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso. Daiane Maria ALONGE 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 Resumo Com a atual concorrência, entender os desejos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

COMO VENDER. A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição

COMO VENDER. A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição BP COMO VENDER A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição PRODUTOS EDUCACIONAIS MULTIVERSO Avenida Batel, 1750 Batel CEP 80420-090 Curitiba/PR Fone: (41) 4062-5554 Editor:

Leia mais

A maior pesquisa sobre consumo de calçados femininos já realizada no Brasil

A maior pesquisa sobre consumo de calçados femininos já realizada no Brasil A maior pesquisa sobre consumo de calçados femininos já realizada no Brasil Categoria: Consumo - Moda Segmento: Sapatos femininos Mercado: Brasil Edição 02 www.azimute720.com.br 2011 Quem Somos Uma agência

Leia mais

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL Importância PDCA Diretriz para a organização; Aproveitamento de novos espaços e layout; Redução e controle de riscos; Gerenciamento dos recursos com maior eficiência,

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UM FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO DE UMA ORGANIZAÇÃO AUTOMOTIVA

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UM FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO DE UMA ORGANIZAÇÃO AUTOMOTIVA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UM FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO DE UMA ORGANIZAÇÃO AUTOMOTIVA Márcia Esperidião 1, Renato Nogueira Perez Avila 2, Patrícia Pâmela Martins 3. RESUMO Este artigo tem como finalidade,

Leia mais

GESTÃO da Qualidade GESTÃO DA QUALIDADE. Definição de qualidade? Consumidor vs. produtor

GESTÃO da Qualidade GESTÃO DA QUALIDADE. Definição de qualidade? Consumidor vs. produtor GESTÃO da Qualidade Práticas DEG/AB 1 GESTÃO DA QUALIDADE Definição de qualidade? Consumidor vs. produtor Consumidor: qualidade é o grau em que o produto satisfaz as necessidades pelas quais foi adquirido

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO:

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO: RESUMO O presente trabalho constitui em uma elaboração de um Plano de Marketing para a empresa Ateliê Delivery da Cerveja com o objetivo de facilitar a compra de bebidas para os consumidores trazendo conforto

Leia mais

O REFLEXO DA QUALIDADE PARA A PRODUTIVIDADE

O REFLEXO DA QUALIDADE PARA A PRODUTIVIDADE O REFLEXO DA QUALIDADE PARA A PRODUTIVIDADE Fernanda Aparecida de SOUZA 1 RGM: 079195 Juliana Regina de ALMEIDA 1 RGM: 079247 Mary Ellen dos Santos MOREIRA 1 RGM: 079248 Renato Francisco Saldanha SILVA

Leia mais

Introdução à Qualidade. Aécio Costa

Introdução à Qualidade. Aécio Costa Introdução à Qualidade Aécio Costa O que é Qualidade? Percepções Necessidades Resultados O que influencia: Cultura Modelos mentais Tipo de produto ou serviço prestado Necessidades e expectativas Qualidade:

Leia mais

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA APRESENTAÇÃO Este é o Código de Conduta da Net Serviços de Comunicação S.A. e de suas controladas ( NET ). A NET instituiu este Código de Conduta norteado

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 2011 WANDERSON S. PARIS INTRODUÇÃO Não se pretende aqui, reproduzir os conteúdos das normas ou esgotar o tema versado por elas. A ideia é apenas

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS

ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profª. Dra. Neyde Lopes de Souza Prof. Ms. Luiz Vieira da Costa SUMÁRIO Pág. 1. Apresentação...

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

GUIA RÁPIDO: ANÁLISE SWOT

GUIA RÁPIDO: ANÁLISE SWOT GUIA RÁPIDO: ANÁLISE SWOT A melhor ferramenta para você se preparar para o planejamento estratégico da sua empresa e conseguir ter informações essenciais do que priorizar SUMÁRIO 02 Introdução 03 1. A

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

PROCESSO DE VENDAS. FALCE, Ricardo de Carvalho. Discente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva - FAIT

PROCESSO DE VENDAS. FALCE, Ricardo de Carvalho. Discente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva - FAIT PROCESSO DE VENDAS FALCE, Ricardo de Carvalho. GARCIA, Isabelle Penha. GOMES, Guilherme Martins. MELLO, Karoline de Almeida. Discente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Perfil do Líder no Paraná

Perfil do Líder no Paraná Perfil do Líder no Paraná O importante é não parar nunca de questionar Albert Einstein Em 2006, a Caliper do Brasil, empresa multinacional de consultoria em gestão estratégica de talentos, buscando inovar,

Leia mais

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Alisson Oliveira da Silva (FAHOR) as000699@fahor.com.br Matheus Weizenman (FAHOR) mw000944@fahor.com.br

Leia mais

Não abasteça combustível adulterado

Não abasteça combustível adulterado Não abasteça combustível adulterado A maioria das pessoas acha que uma vez que o posto de gasolina tem bandeira (BR, Shell, Texaco, Esso, Ipiranga, etc) a qualidade do combustível está garantida. Não é

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

Ação Corretiva e Ação Preventiva

Ação Corretiva e Ação Preventiva Sérgio Goes, Ph.D., Sócio Diretor da Executive. White Paper Ação Corretiva e Ação Preventiva De uma maneira geral os conceitos de ação corretiva e preventiva já estão presentes na literatura de qualidade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 1. CAPA 2. SUMÁRIO 3. INTRODUÇÃO FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 4. DESCRIÇÃO DA EMPRESA E DO SERVIÇO 4.1 Descrever sua Visão, VISÃO DA EMPRESA COMO VOCÊS IMAGINAM A EMPRESA

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

O Guia Prático da. Arquitetura Corporativa

O Guia Prático da. Arquitetura Corporativa O Guia Prático da Arquitetura Corporativa SUMÁRIO INTRODUÇÃO ARQUITETURA CORPORATIVA NO BRASIL RECURSOS HUMANOS, TURNOVER, NORMAS E LEIS TRABALHISTAS MÓVEIS DE ESCRITÓRIO Tudo o que você precisa saber

Leia mais