TERMINAL MULTIMODAL DE RONDONÓPOLIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMINAL MULTIMODAL DE RONDONÓPOLIS"

Transcrição

1 1/17 TERMINAL MULTIMODAL DE RONDONÓPOLIS Figura 1: vista do local onde o Terminal será instalado. PLANO DE ATENDIMENTO À EMERGÊNCIAS - PAE Novembro de 2011

2 2/17 ÍNDICE 1. FINALIDADE:... 3/17 2. CAMPO DE APLICAÇÃO:... 3/17 3. DEFINIÇÕES:... 3/17 4. INFORMAÇÕES DE APOIO:... 3/ Sinais sonoros de alarme:... 3/ Caracterização da Situação de Emergência:... 4/ Níveis de Emergência e Comunicação Externa:... 4/17 5. PROCEDIMENTOS E RESPONSABILIDADES:... 5/17 6. SERVIÇOS ESPECIALIZADOS:... 7/ Estrutura Organizacional de Resposta - EOR:... 7/ Coordenador das Ações de Respostas (CAR):... 7/ Apoio ao CAR:... 8/ Serviço de combate aos sinistros:... 8/ Serviços de Comunicações:... 9/ Serviços de Manutenção:... 9/ Serviços Médicos:... 10/ Organização Interna:... 10/17 7. INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:... 11/ Sobre os meios para combate a sinistros:... 11/ Sobre a unidade:... 12/ Telefones úteis:... 12/17 8. PONTOS DE ENCONTRO:... 13/17 ANEXO: PLANO DE SIMULADO /17 ADVERTÊNCIA: Este Plano de Emergência possui Propriedade Intelectual registrada e preservada. Cópias parciais ou total, bem como a compilação dos conceitos sem a autorização por escrito do autor poderão ser consideradas como crime de ordem civil e criminal e os infratores poderão ficar submetidos às sanções penais e administrativas previstas tanto nos Códigos Civil e Penal Brasileiro como também no art. 104º da Lei dos Direitos Autorais da Lei Federal 9.610/1998.

3 3/17 1. FINALIDADE: Definir padrões de conduta e procedimentos para serem adotados pelos Profissionais da Terminal Multimodal de Rondonópolis da empresa ALL, quando da iminência ou da ocorrência de situações em que possa comprometer a vida de pessoas, as condições do Meio Ambiente ou às instalações da unidade. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO: Aplica-se ao Terminal Multimodal de Rondonópolis da empresa ALL. 3. DEFINIÇÕES: C.A.R.: Coordenador das Ações de Respostas; PE.: Ponto de Encontro. 4. INFORMAÇÕES DE APOIO: Em caso de Situação de Emergência, proceder: - Informar fato ao Centro de Controle da unidade; - Procurar saídas de Emergências e se deslocar ao Ponto de Encontro seguindo as indicações das Rotas de Fuga; - Auxiliar pessoas com dificuldades. 4.1 Sinais sonoros de alarme: SINAIS DE ALARME SINAIS SONOROS INTERMITENTE 1 MINUTO PROCEDIMENTOS ENVOLVIDOS SE DESLOCAREM PARA A CENTRAL CONTÍNUO 1 MINUTO PROCEDER A EVACUAÇÃO DOS AMBIENTES CONTÍNUO 20 SEGUNDOS RETORNO AO TRABALHO O primeiro sinal (INTERMITENTE) será tocado em toda a unidade, mas, destinado apenas para informar os envolvidos diretos no Plano de Emergência. Obs: Em caso de pane na instalação do alarme sonoro, os sinais sonoros deverão ser executados através da sirene dos veículos ou por megafone.

4 4/ Caracterização da Situação de Emergência: Os aspectos de risco do Plano de Gestão de Riscos que receberam valor de severidade 4 e 5, em ordem decrescente de prioridade, são: - Contaminação ambiental decorrente de vazamentos de produtos em grandes quantidades atingirem os aqüíferos superficiais; - Incêndio de proporções que destrói a parte vital da capacidade produtiva do terminal e que impossibilita temporariamente a continuidade das atividades operacionais. 4.3 Níveis de Emergência e Comunicação Externa: As ocorrências de acidentes ambientais que sejam caracterizadas como de emergência ou acidentes menores deverão ser divididas em dois níveis de gravidade conforme abaixo discriminado: Impacto leve: ocorrências de pequenas proporções e sem maiores danos (às pessoas, às instalações e ao meio ambiente) e que foram controladas por pessoal próprio. ex.: ocorrências de princípios de incêndio, pequenos derrames em área controlada, etc. Após a ocorrência, deve-se prestar notificação sobre o ocorrido para agentes externos e às Entidades Governamentais (Corpo de Bombeiros regional, Polícia Civil, Órgão de Fiscalização Ambiental, vizinhos, etc.). Impacto moderado ou catastrófico: ocorrências de maiores proporções que tenham provocado alguma lesão nas pessoas ou, danos às instalações ou, algum derrame de produtos químicos em volume aparente, ou algum impacto ambiental na vizinhança que, mesmo que tenham sido controladas por pessoal da empresa, órgãos externos foram envolvidos para prestar apoio complementar. ex.: qualquer vazamento maior de produto dentro do terminal, acidentes com produtos dentro da unidade em que tenha envolvido volumes maior que 200 litros, ocorrências de incêndios maiores, etc. Nesse caso, conforme estabelecido no art. 7 o da Portaria 109/2000 da ANTT a concessionária deverá encaminhar à Secretaria de Transportes Terrestres, no prazo máximo de 24 (vinte e quatro) horas, cópia do Boletim de Ocorrência - BO, e no prazo de 5 (cinco) dias, cópia do laudo do inquérito ou relatório da sindicância, após sua conclusão, conforme estabelecido no 2º do Art. 15, do Regulamento dos Transportes Ferroviário e mesma informação encaminhar ao pessoal da Superintendência de Infraestrutura, Mineração, Indústria e Serviços (SUIMIS) e ao pessoal do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (IBAMA).

5 5/17 5. PROCEDIMENTOS E RESPONSABILIDADES: Conforme estabelecido podem ocorrer dois tipos de emergência que suas ações devem obedecer critérios distintos de ação, sendo que eles se encontram relacionados com os seguintes cenários: SITUAÇÃO CRÍTICA? NÃO NORMALIDADE SIM INFORMAR CENTRO DE CONTROLE LOCALIZAR CAR CAR LOCALIZADO? NÃO PLANTÃO ASSUME CAR SIM CAR SITUAÇÃO EMERGENCIAL? NÃO NORMALIDADE SIM CAR ACIONA PLANO DE EMERGÊNCIA ACIONAR EMPRESA DE ATENDIMENTO ÀS EMERGÊNCIAS (EAE) EVACUAÇÃO + COMBATE AOS SINISTROS + SALVAMENTOS SITUAÇÃO SOB CONTROLE? NÃO SIM SERVIÇOS APÓS ENCERRAMENTO ALARME RETORNO AO TRABALHO

6 6/17 a) Procedimentos a serem adotados: 1) Deflagrada qualquer uma das condições do item 4.2, de imediato o fato deve ser comunicado à Unidade de Segurança. 2) Unidade de Segurança localiza e define o CAR; 3) CAR autoriza início do Plano de Emergência e define a extensão do mesmo (evacuação parcial ou total; ações independentes) e define a convocação dos Profissionais da Empresa de Atendimento à Emergência (EAE); 4) Acionar alarme para chamada dos envolvidos no Plano que devem se deslocar até a Central de Emergência; 5) CAR define ações. O pessoal da EAE executam as atividades definidas pelo CAR. 6) CAR define encerramento do Plano de Emergência e Normalização das situações.

7 7/17 6. SERVIÇOS ESPECIALIZADOS: 6.1 Estrutura Organizacional de Resposta - EOR: COORDENADOR DAS AÇÕES DE RESPOSTA COORDENADOR DE EH&S ENVOLVER NAS DECISÕES DIRETORIA DA ALL SUPERVISOR DE SEGURANÇA SERVIÇOS EXTERNOS EMPRESA DE ATENDIMENTO À EMERGÊNCIAS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES (SEGURANÇA PATRIMONIAL) SERVIÇOS DE COMBATE AOS SINISTROS (BRIGADA DE EMERGÊNCIA) SERVIÇOS MÉDICOS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO (OFICINA) APOIO AO CAR (BRIGADA DE EMERGÊNCIA) SERVIÇOS APÓS ENCERRAMENTO DO PLANO 6.2 Coordenador das Ações de Respostas (CAR): - Função: Coordenar todas as atividades dentro do Plano de Emergência - Responsáveis: Titular: Coordenador de EH&S; 1 o Substituto: Supervisor de Segurança; 2º Substituto: Inspetor de Segurança. - Capacitação Técnica: nível superior e ter participado de Treinamento do PGGR. Caso o CAR e seus substitutos não forem localizados, em função da extensão do risco existente, o Operador Líder de turno assume total responsabilidade pela Coordenação do Plano de Emergência. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES: - Avaliar da situação existente e definir ou não o acionamento do Plano de Emergência; - Decidir sobre a extensão da emergência e do alarme (evacuação total ou parcial) e das ações coordenadas (ações independentes); - Decidir sobre a solicitação de apoios externos (vide abaixo); - Informar às Entidades Governamentais sobre os fatos que estejam se desencadeando e solicitar a participação e apoio de empresas vizinhas (Plano de Área);

8 8/17 - Decidir sobre o momento de encerramento do Plano de Emergência. Serviços Externos que poderão ser solicitados: - Corpo de Bombeiros; - Defesa Civil Municipal e / ou Estadual; Entidades Governamentais a ser informadas: - Superintendência de Infraestrutura, Mineração, Indústria e Serviços (SUIMIS) - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (IBAMA); - Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT); - Policia Civil (casos de óbitos). 6.3 Apoio ao CAR: - Função: Elo para manter o Pessoal da unidade e o CAR e o Pessoal de Apoio Complementar informados sobre os fatos e as decisões a serem tomadas. - Responsáveis: componentes da Brigada de Emergência. - Capacitação Técnica: ter participado de Treinamento do PGGR. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES: - Dar apoio às decisões definidas pelo Coordenador das Ações de Respostas e supervisionar e acompanhar a execução das mesmas; - Supervisionar as evacuações das áreas de sua responsabilidade e, certificar-se da integridade da realização; - Informar ao Coordenador das Ações de Respostas sobre as informações referentes ao encerramento da evacuação de sua área de responsabilidade, do contingente envolvido e sobre o resumo do ocorrido e das dificuldades que estejam sendo deparadas; - Servir de pessoa de ligação e apoio complementar aos serviços especializados. 6.4 Serviço de combate aos sinistros: - Função: executante das ações de salvamento de pessoas e de combate aos sinistros. - Responsáveis: profissionais da Empresa de Atendimentos à Emergências (EAE). - Capacitação Técnica: ter participado de Treinamento do PGGR.

9 9/17 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES: - Salvar pessoas e prestar serviços de primeiros socorros; - Isolar áreas e combater os sinistros sob orientação do Coordenador das Ações de Respostas; - Prestar apoio complementar aos demais serviços especializados; - Proteger documentos ou locais de armazenamento de documentos e registros da empresa (por ex: arquivo morto). 6.5 Serviços de Comunicações: - Função: elo de comunicação interno e externo e apoio estratégico complementar; - Responsáveis: Pessoal da Segurança Patrimonial; - Capacitação Técnica: ter participado de Treinamento do PGGR. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES: - Manter atualizado os números do telefones das pessoas envolvidas no Plano de Emergência e dos serviços externos e das Entidades Governamentais relacionadas com situações emergenciais; - Atuar como Central de Comunicações; - Localizar e solicitar as pessoas envolvidas no Plano de Emergência e a Empresa de Atendimento à Emergências (EAE) quando solicitadas pelo CAR. - Efetuar a comunicação da Empresa de Atendimento à Emergências conforme orientação do CAR. 6.6 Serviços de Manutenção: - Função: servir como apoio para serviços relativos as instalações técnicas. - Responsáveis: profissionais da Empresa de Atendimentos à Emergências (EAE). - Capacitação Técnica: ter participado de Treinamento do PGGR. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES: - Providenciar desligamento, religamento e manutenção das instalações técnicas: energia elétrica (força, iluminação e ventilação), águas (combate a incêndio, potável e industrial), ar comprimido, bombas, equipamentos auxiliares, gerador de emergência, etc. - Fornecer prestação de serviços ou de consertos rápidos; - Fornecer apoio para desobstruções ou remoções ou demolições;

10 10/17 - Fornecer apoio com serviços de corte ou solda; - Garantir funcionamento da central de bombas de água (hidrantes). 6.7 Serviços Médicos: - Função: prestar socorro e atendimento médico às vítimas. - Responsáveis: profissionais da Empresa de Atendimentos à Emergências (EAE). - Capacitação Técnica: ter participado de Treinamento do PGGR. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES: - Prestar socorros e atendimento médicos às vítimas; - Definir e instalar local para concentração de vítimas; - Providenciar transporte às vítimas, quando necessário e fazer acompanhamento a elas; - Manter definido e manter contato com Hospitais conveniados para situações emergenciais; - Manter em condições de uso todos os equipamentos médicos disponíveis; - Solicitar apoio externo (ambulância, médicos, leitos, etc.) quando necessário sob orientação do Coordenador das Ações de Respostas. 6.8 Organização Interna: - Função: Providenciar ações após encerramento do Plano de Emergência. - Capacitação Técnica: ter participado de Treinamento do PGGR. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES: a) Pessoal da Controladoria: - Informar Setor Jurídico e desenvolver ações para efeito de seguro e de processos administrativos; - Solicitar Perícia Técnica e responsabilizar-se pela distribuição do Laudo Técnico; - Informar Órgãos competentes em casos de vítimas; - Quantificar prejuízos. b) Gerencia do Terminal: - informar mídia em casos de emergência.

11 11/17 7. INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES: 7.1 Sobre os meios para combate a sinistros: Meios Preventivos e de Combate a Incêndios existentes na unidade: DESCRIÇÃO QUANTIDADE LOCAL DE GUARDA 1) Meios de Combate a incêndios: Rede de Hidrantes 01 Carreta de pó químico seco de 100 kg e de 50 kg (*) Extintor de Água Pressurizada 10 litros (*) Extintor de CO 2 6 kg (*) Extintor de Pó Químico de 12 kg, de 8 kg e de 6 kg (*) Sistema de Líquido Gerador de Espuma (LGE) 01 Kit SOPEP 12 2) EPI s para combate aos sinistros: Vestimenta de Segurança em PVC para trabalhos com produtos químicos 10 Conjunto em Neoprene disposto com Sistema Autônomo com Pressão Positiva 10 Respiradores semifacial com filtro 10 Protetor facial 10 Luvas em PVC 10 3) Utensílios para apoio e combate e a sinistros: Distribuídos pelas instalações Centro de Controle Veiculo automotivo (caminhão munck com capacidade para 2 ton) 01 Veiculo automotivo de pequeno porte (pick up) 01 Bomba de engrenagem sobre rodas 02 Lances de mangueiras de 2 1/2 com 15 m de comprimento (*) Esguichos reguláveis de 2 1/2 (*) Canhão monitor fixo (*) Moto bomba elétrica 02 Moto bomba diesel 02 Centro de Controle Motores a explosão acoplados em bombas de sucção 02 Cone para sinalização 30 Rolo de Fita Zebrada (100 m) 20 Corda de Nylon (m) 500 Lona plástica impermeável (30 x 20 m) 05 4) Equipamentos para combate diversos: Conjunto de Ferramentas e utensílios para serviços diversos 10 Conjunto de equipamentos para remoção de vazamentos 10 5) Equipamentos para primeiros socorros: Desfibrilador cardíaco 01 Cilindro de oxigênio 04 Cobertores térmicos 20 Macas 15 Centro de Controle Ambulatório médico Distribuídas pelas instalações

12 12/ Sobre a unidade: Uma visão global do local onde a unidade encontra-se instalada bem como as distâncias e as vias de acesso podem ser obtidas no Plano de Global Gestão de Riscos PGGR que este Plano de Emergência faz parte. Detalhes sobre a disposição e a localização dos meios de combate aos sinistros e das características internas das instalações podem ser obtidos através do projeto da unidade em questão. ALL America Latina Logística Malha Norte S.A. Terminal Intermodal de Rondonópolis Rua Telefone; fax Representante Legal: 7.3 Telefones úteis: LISTA PARA CONTATO EXTERNO ENTIDADE / ÓRGÃO TELEFONE FAX Aeroporto Municipal Maestro Marinho Franco (66) Terminal Rodoviário Alberto Luz (66) Agência Nacional de Transportes Terrestres (Brasília) (61) (61) Corpo de Bombeiros (Rondonópolis) (66) Defesa Civil Estadual (65) (65) Secretaria Municipal do Meio Ambiente (66) Delegacia de Polícia (66) Serviço de Ambulância (SAMU) 192 Hospital Regional de Rondonópolis (66) IBAMA - Escritório Regional de Cuiabá (65) Policia Civil 197 Polícia Militar 190 Polícia Rodoviária Estadual 198 Polícia Rodoviária Federal 191

13 13/17 LISTA PARA CONTATO PESSOAL INTERNO - CARGO / NOME DO FUNCIONÁRIO CORREIO ELETRÔNICO TELEFONE CELULAR Gerente da Unidade Coordenador de EHSQ Coordenador de Operações Inspetor de Segurança 8. PONTOS DE ENCONTRO: Os Pontos de Encontro têm como objetivo agrupar os colaboradores, visitantes e outros quando da definição dos procedimentos de evacuação dos prédios. Estes locais encontram-se dispostos conforme segue: PE.1 - calçada ao lado da Portaria entre a Balança e o Portão de Saída. Este local servirá para reunião dos membros envolvidos no Plano de Emergência. PE.2 - gramado junto ao Portão de Saída de Vagões. PE.3 junto à Portaria. Elaborado por: Análise crítica: Aprovação:

14 14/17 ANEXO: PLANO DE SIMULADO 2012

15 15/17 ITEM SETOR ATIVIDADE RESPONS. J F M A M J J A S O N D CONSIDERAÇÕES - vazamento de óleo diesel; 1 Tanques de Inflamáveis - vazamento de óleo lubrificante; - vazamento de óleo usados; - incêndio em descontrole - incêndio em área de apoio; CAR 2 Outras áreas - derrame de resíduos perigoso em área interna; - Acidentes provocando lesões graves em pessoas (trabalhos em espaços confinados, queimaduras ou contaminações por produtos químicos, choque elétrico ou decorrentes de quedas de alturas). CAR Legenda: Início da atividade atividade iniciada Término da atividade atividade encerrada

16 16/17 Check list de verificação: Cada procedimento de simulação deverá ser avaliado conforme as condições estabelecidas neste PAE e que se encontram reportadas na tabela que segue. Os pontos de falta de atendimento deverão estar acompanhadas de um plano de ações corretivas conforme a tabela demonstra: 1) Vazamento de produto: ATIVIDADE DE ACORDO NÃO ATENDIDA DESCRIÇÃO DO NÃO ATENDIMENTO AÇÃO CORRETIVA RESP / PRAZO RESULTADOS ESPERADOS RESULTADOS OBTIDOS STATUS 1) Estancar vazamento empregando os dispositivos (tempo previsto 3 minutos) 2) Interrupção do fluxo do produto 3) Acionar o Plano de Emergência e convocar a EAE 4) Tempo previsto para a chegada do pessoal da EAE 3 minutos 5) Pessoal da EAE trouxe todos os equipamentos necessários 6) Remoção o produto vazado 7) Aplicação dos dispositivos de contenção. 8) Ações complementares (isolamento de área, afastar curiosos, movimentação de materiais e pessoas, ações de primeiros socorros, etc.) 1 Atividade discutida e ações definidas 2 Ações com responsabilidade e prazos negociados 3 Resultados parciais obtidos 4 Atividade encerrada 5 Resultados consagrados e envolvidos satisfeitos

17 17/17 2) Outras ocorrências: ATIVIDADE DE ACORDO NÃO ATENDIDA DESCRIÇÃO DO NÃO ATENDIMENTO AÇÃO CORRETIVA RESP / PRAZO RESULTADOS ESPERADOS RESULTADOS OBTIDOS STATUS 1) Unidade de Segurança localiza e define o CAR 2) Acionar o Plano de Emergência e convocar a EAE 3) Tempo previsto para a chegada do pessoal da EAE 3 minutos 4) Pessoal da EAE trouxe todos os equipamentos necessários 5) Combate aos sinistros 6) Aplicação dos dispositivos de contenção. 7) Ações complementares (isolamento de área, afastar curiosos, movimentação de materiais e pessoas, ações de primeiros socorros, etc.) 1 Atividade discutida e ações definidas 2 Ações com responsabilidade e prazos negociados 3 Resultados parciais obtidos 4 Atividade encerrada 5 Resultados consagrados e envolvidos satisfeitos

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO VOLUME IV - PROJETO DE ENGENHARIA E MATERIAL RODANTE PROJETOS ARQUITETÔNICOS E DEMAIS PROJETOS TÉCNICOS PREDIAIS PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS 1 3.2.6.10.

Leia mais

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL Usina Termelétrica Gov. LEONEL BRIZOLA/TERMORIO Informe de recursos internos LIMITES DA ÁREA INDUSTRIAL COMPOSIÇÃO DA UTE GLB Planta Outras instalações Rota de fuga ATIVAÇÃO DO PEL Qualquer empregado ou

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA PR.11 Revisão: 00 Página 1 de 4 1. OBJETIVO Estabelecer e manter planos

Leia mais

NORMA APROVAÇÃO DEX 396ª 22/06/2009 CODEBA REVISÃ DATA

NORMA APROVAÇÃO DEX 396ª 22/06/2009 CODEBA REVISÃ DATA CÓDIGO PAG T.01.10 1/13 NORMA APROVAÇÃO DATA DEX 396ª 22/06/2009 CODEBA REVISÃ DATA TÍTULO: PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO ÀS EMERGÊNCIAS NO PORTO DE SALVADOR PALAVRAS-CHAVE EMERGÊNCIA, BRIGADA DE EMERGÊNCIA,

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

Analisado por: Departamento de Segurança Patrimonial (DESEP)

Analisado por: Departamento de Segurança Patrimonial (DESEP) Proposto por: Divisão de Prevenção e Combate a Incêndio (DICIN) Analisado por: Departamento de Segurança Patrimonial (DESEP) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-Geral de Segurança Institucional (DGSEI)

Leia mais

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados O objetivo desta NR é estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento

Leia mais

SEG. E MEDICINA DO TRABALHO MAN03 SMT Rev00 01/03/13. MANUAL Plano de emergência AREAS DE APLICAÇÃO Expodireto Cotrijal Feira

SEG. E MEDICINA DO TRABALHO MAN03 SMT Rev00 01/03/13. MANUAL Plano de emergência AREAS DE APLICAÇÃO Expodireto Cotrijal Feira MANUAL Plano de emergência AREAS DE APLICAÇÃO Expodireto Cotrijal Feira SEG. E MEDICINA DO TRABALHO MAN03 SMT Rev00 01/03/13 Objetivo: Fornecer um conjunto de diretrizes e informações visando a adoção

Leia mais

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS PORTARIA N.º 30, DE 22 DE OUTUBRO DE 2002 Divulgar para consulta pública a proposta de texto de criação da Norma Regulamentadora N. º 31 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados. A SECRETÁRIA

Leia mais

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo.

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo. Recomendações Jurídico-Trabalhistas Interessados: Federação das Associações de Arrozeiros do Estado Rio Grande do Sul Federarroz e Outros Assunto: Resumo Referente Às Obrigações Patronais Trabalhistas

Leia mais

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 2011 Índice 1. Sinalização... 3 2. Organização do Armazém... 3 3. Estabelecer um esquema de armazenamento para:... 4 4. Manter em local visível... 6 5. Deveres do Responsável

Leia mais

2 CAMPO DE APLICAÇÃO Todas as empresas contratadas para executar projetos, serviços e obras na empresa.

2 CAMPO DE APLICAÇÃO Todas as empresas contratadas para executar projetos, serviços e obras na empresa. Responsável Técnico: Eduardo Machado Homem Gerência de Segurança do Trabalho Público-alvo: Empregados próprios e prestadores de serviços das unidades da Vale Fertilizantes. 1 OBJETIVO Nº: PRO-3209-74-24-03

Leia mais

Inclui no "Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração" as ementas referentes à Norma Regulamentadora nº 33

Inclui no Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração as ementas referentes à Norma Regulamentadora nº 33 SIT - Portaria nº 39/2008 25/2/2008 PORTARIA SIT Nº 39, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2008 DOU 25.02.2008 Inclui no "Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração" as ementas referentes à Norma Regulamentadora

Leia mais

2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DAS AÇÕES DE RESPOSTA

2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DAS AÇÕES DE RESPOSTA 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DAS AÇÕES DE RESPOSTA 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DAS AÇÕES DE RESPOSTA Neste capítulo consta a estrutura organizacional de resposta aos incidentes a fim de atender a cada cenário

Leia mais

Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis

Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis Inflamáveis Características e propriedades Muitos acidentes são evitados ou atenuados quando as características

Leia mais

Plano de Contingência das FARESC GESTÃO CIPA 2010/11

Plano de Contingência das FARESC GESTÃO CIPA 2010/11 FACULDADES INTEGRADAS SANTA CRUZ DE CURITIBA FARESC Plano de Contingência das FARESC GESTÃO CIPA 2010/11 Responsáveis pela elaboração: Daiane Lorente Palmas Douglas Simão de Moraes Nilton Vieira Pedro

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

Vazamento e/ou Incêndio em Cilindros de GLP

Vazamento e/ou Incêndio em Cilindros de GLP Assunto: VAZAMENTO E/OU EM CILINDROS 1/7 1. FINALIDADE Padronizar e minimizar a ocorrência de desvios na execução de tarefas fundamentais para o funcionamento correto do processo de atendimento de ocorrências

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2011 Instrução Técnica nº 37/2011 - Subestação elétrica 739 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2011 Subestação

Leia mais

N o s s o Objetivo. V isão

N o s s o Objetivo. V isão INTRODUÇÃO Po r tfólio O custo global para os empregadores, decorrentes de acidentes do trabalho com ferimentos pessoais, doenças relacionadas ao trabalho e impactos ao meio ambiente absorve grande parte

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 24, de 05/03/07 Sistema de Resfriamento

Leia mais

CONAMA: GT Embalagens Usadas de Lubrificantes

CONAMA: GT Embalagens Usadas de Lubrificantes CONAMA: GT Embalagens Usadas de Lubrificantes Apresentação: Química Industrial Supply Ltda. & Lubrificantes Fenix Ltda. Tema: Logística Reversa, Documentação Para Transporte e Dificuldades Brasília - 02

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

Título: PERMISSÃO PARA TRABALHO P.P.T.

Título: PERMISSÃO PARA TRABALHO P.P.T. 01- OBJETIVOS A PPT é uma autorização escrita para execução de trabalhos especiais em áreas / equipamentos da fábrica. A PPT deve garantir que a área / equipamento está em condições de segurança o suficiente

Leia mais

Sistema de Resfriamento para Líquidos e Gases Inflamáveis e Combustíveis

Sistema de Resfriamento para Líquidos e Gases Inflamáveis e Combustíveis SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 24/2004 Sistema de Resfriamento para

Leia mais

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ Autores: Aguinaldo Lima de Moraes Jr. José Natalino Bezerra Luiz Tomohide Sinzato CESP - Companhia Energética

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIO

PLANO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIO PLANO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIO CONDOMINIO ESPAÇO MÉDICO EMPRESARIAL Telefones em caso de emergências: CORPO DE BOMBEIROS 193 SAMU 192 POLÍCIA MILITAR 190 JF BRIGADA`S JOÃO PAULO: 63 92090197

Leia mais

1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO

1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 02/01/2015 Verificado por Rodolfo Ferreira em 08/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 09/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e a execução da segurança de magistrados, servidores, usuários e dependências.

Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e a execução da segurança de magistrados, servidores, usuários e dependências. Código: MAP-ASMIL-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Assessoria Militar Aprovado por: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e

Leia mais

INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE

INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE ANO I Nº 1 Junho 2011 2011MARCO 2010 INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE (Plano em Desenvolvimento) Página 1 de 8 Apresentação Instrução elaborada para o Condomínio do edifício

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO N o : LINHA VZ. DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Folha: 1 / 5

FICHA DE INFORMAÇÃO N o : LINHA VZ. DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Folha: 1 / 5 DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Folha: 1 / 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO QUÍMICO E DA EMPRESA Nome do Produto: LINHA VZ Verniz de Corte para pasta Código do Produto: VZ 0710 Empresa: Camallon Ind. e Comércio

Leia mais

LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA 26.1 Cor na Segurança do Trabalho. 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora (NR) tem por objetivo fixar as cores que devem ser usadas nos locais

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO 1.1. REGISTRO DE PREÇOS para eventual contratação de empresa especializada no fornecimento de Extintores de Incêndio portáteis e fornecimento de material de sinalização,

Leia mais

IT - 11 PLANO DE INTERVENÇAO DE INCÊNDIO

IT - 11 PLANO DE INTERVENÇAO DE INCÊNDIO IT - 11 PLANO DE INTERVENÇAO DE INCÊNDIO SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A Planilha de levantamento de dados 2 Aplicação B Fluxograma do Plano de Intervenção de Incêndio 3 Referências Normativas e Bibliográficas

Leia mais

Plano de Intervenção de Incêndio

Plano de Intervenção de Incêndio SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Definições INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16/2004 Plano de Intervenção

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO I - Aspectos Gerais... 2 II - Proteção da Informação... 2 III - Responsabilidades... 3 IV - Informações Confidenciais... 3 V - Informações Privilegiadas... 4

Leia mais

A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas

A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas Autora Patrícia Lins de Paula A NR-20, Norma Regulamentadora 20 do Ministério do Trabalho e Emprego, trata

Leia mais

PABE PLANO DE ACIONAMENTO E ATUAÇÃO DA BRIGADA DE EMERGÊNCIA Quattor UN QB e PE / DCX

PABE PLANO DE ACIONAMENTO E ATUAÇÃO DA BRIGADA DE EMERGÊNCIA Quattor UN QB e PE / DCX PABE PLANO DE ACIONAMENTO E ATUAÇÃO DA BRIGADA DE Quattor UN QB e PE / DCX REVISÃO MODIFICAÇÃO DATA 0 Emissão Inicial 30.03.2006 1 Revisão conforme solicitação do Subcomitê 04.12.2007 de Análise de Risco.

Leia mais

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência.

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência. FISPQ- AMACIANTE MAIS Autorização ANVISA 3.03.374-7 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Amaciante Mais Tradicional Marca: Mais Código Interno do Produto: 06.01 Técnico Químico Responsável:

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) Transcrito pela Nutri Safety * 6.1 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI, todo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2015 Instrução Técnica nº 37/2011 - Subestação elétrica 739 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2015 Subestação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2015 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

Riscos Ambientais. Projeto dos Requisitos das Instalações. -Segurança. -Conforto. - Requisitos legais

Riscos Ambientais. Projeto dos Requisitos das Instalações. -Segurança. -Conforto. - Requisitos legais Projeto dos Requisitos das Instalações Riscos Ambientais -Segurança -Conforto - Requisitos legais ILUMINAÇÃO 1.Nível de Iluminamento adequado[lux=lúmen/m2] ABNT: NBR5413, NB 57 e TB 23 2.Contrastes 3.Ofuscamento

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

O plano citado foi estruturado em ações que obtiveram os resultados positivos, a partir dos seguintes critérios:

O plano citado foi estruturado em ações que obtiveram os resultados positivos, a partir dos seguintes critérios: 2.6.17 - O Plano de Ação de Emergência PAE, também denominado Plano de Emergência Local PEL, está sendo realizado seguindo os preceitos do Projeto Básico Ambiental - PBA e as diretrizes contratuais. Este

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

PAPAM PLANO DE ACIONAMENTO DO PLANO DE AUXÍLIO MÚTUO DE CAMPOS ELÍSEOS PAM-CE

PAPAM PLANO DE ACIONAMENTO DO PLANO DE AUXÍLIO MÚTUO DE CAMPOS ELÍSEOS PAM-CE PAPAM PLANO DE ACIONAMENTO DO PLANO DE AUXÍLIO MÚTUO DE CAMPOS ELÍSEOS PAM-CE UN QB e REVISÃO MODIFICAÇÃO DATA 0 Emissão Inicial 31.03.2006 1 Revisão conforme solicitação do Subcomitê 04.12.2007 de Análise

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5 MÓDULO 5 1 PREVENÇÃO A INCÊNDIO 2 QUÍMICA DO FOGO 3 CLASSES DE INCÊNDIO 4 EXTINTORES PORTÁTEIS 5 PLANO DE EMERGÊNCIA PREVENÇÃO A INCÊNDIO Na PETROBRAS DISTRIBUIDORA S.A., só será permitido fumar em locais

Leia mais

FILTRO PRENSA OLEOFIL MANUAL

FILTRO PRENSA OLEOFIL MANUAL FILTRO PRENSA OLEOFIL MANUAL 1 - INTRODUÇÃO O objetivo deste manual é disponibilizar todas as informações necessárias para a instalação, operação e manutenção dos filtros prensa OF da OLEOFIL, assim como

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL

REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL SUMÁRIO RESUMO...4 1 INTRODUÇÃO...5 1.1 ESCOPO DO DOCUMENTO...5 1.2 APLICABILIDADE DO DOCUMENTO...5 1.3 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA...6 1.4 TERMINOLOGIA -

Leia mais

Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91. Portaria DSST n.º 03, de 20 de fevereiro de 1992 21/02/92

Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91. Portaria DSST n.º 03, de 20 de fevereiro de 1992 21/02/92 NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 05, de 07 de maio de 1982 17/05/82

Leia mais

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS 1. OBJETIVO Estabelecer o procedimento padrão a ser implementado na Irapuru Transportes Ltda quanto ao gerenciamento (solicitação e programação) de veículos (carretas e cavalos) da frota própria bem como

Leia mais

Referência: Reunião Técnica, Memorial Descritivo Rev: 2. Proteções Existentes. Observações (O)/ Recomendações (R) Meio Ambiente.

Referência: Reunião Técnica, Memorial Descritivo Rev: 2. Proteções Existentes. Observações (O)/ Recomendações (R) Meio Ambiente. Ambiente Imagem 1 Vazamento de produto inflamável armazenado em frascos, bombonas ou tambores. - Falha durante o manuseio ou transporte do recipiente provocando tombamento ou queda; - Recipiente em más

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 Página 1 de 22 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01/06/2009 01 08/12/2009 02 15/04/2010 03 16/07/2010 04 19/12/2011 05 02/02/2012 06 05/05/2012 07 03/10/2012 08 25/03/20 09 30/03/20

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2004

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2004 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2004 Subestação Elétrica ANEXO Modelo

Leia mais

Sistema de Proporcionamento FireDos de aditivos/ LGE para Corpos de Bombeiros

Sistema de Proporcionamento FireDos de aditivos/ LGE para Corpos de Bombeiros Sistema de Proporcionamento FireDos de aditivos/ LGE para Corpos de Bombeiros Unidades portáteis Viaturas de bombeiros Contêineres Aplicações especiais Sobre nós A FireDos GmbH Somos uma empresa de médio

Leia mais

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 108 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome do

Leia mais

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 ANEXO X Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Página 1 de 5 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem

Leia mais

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO Elaborado por Ana Karolina Kalil Visto Aprovado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 25/04/2014 - Emissão inicial 1. OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

NR 6 A - EPI PARA PROTEÇÃO DA CABEÇA. A.1 - Capacete. a) capacete de segurança para proteção contra impactos de objetos sobre o crânio;

NR 6 A - EPI PARA PROTEÇÃO DA CABEÇA. A.1 - Capacete. a) capacete de segurança para proteção contra impactos de objetos sobre o crânio; NR 6 A - EPI PARA PROTEÇÃO DA CABEÇA A.1 - Capacete a) capacete de segurança para proteção contra impactos de objetos sobre o crânio; b) capacete de segurança para proteção contra choques elétricos; c)

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/6 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Quimico

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Quimico Referência:FISPQ n 005 Emissão:01/02/2007 Revisão :00 SULFATO DE ALUMINIO ISENTO DE FERRO 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Sulfato de Alumínio Isento de Ferro Sólido Nome da Empresa:

Leia mais

Movimentação de Produto Perigoso. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Movimentação de Produto Perigoso. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Movimentação de Produto Perigoso Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Carga Perigosa Qualquer carga que apresente risco, mesmo não contendo produtos perigosos. Ex: Caminhão de

Leia mais

Glossário de Termos Mais Usados

Glossário de Termos Mais Usados Anexo 11 Glossário de Termos Mais Usados Tabela 10: Glossário de Termos Termos Abrigo no próprio local Acampamento Alcance do Controle Área de preparação Ativo Centro de Comando da EMT Centro de Informações

Leia mais

EMPRESAS CONTRATADAS Como manter com elas um relacionamento efetivo

EMPRESAS CONTRATADAS Como manter com elas um relacionamento efetivo EMPRESAS CONTRATADAS Como manter com elas um relacionamento efetivo O treinamento de trabalhadores, voltado para a conscientização sobre os perigos existentes em suas áreas de trabalho, reduz ao mínimo

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE USINA

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE USINA 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

1. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA... 2 3. QUALIFICAÇÃO DA EMPRESA... 2 4. QUALIFICAÇÃO DOS INSTRUTORES... 2 5. RESPONSABILIDADE DA

1. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA... 2 3. QUALIFICAÇÃO DA EMPRESA... 2 4. QUALIFICAÇÃO DOS INSTRUTORES... 2 5. RESPONSABILIDADE DA TERMO DE REFERÊNCIA SSST 004//2013 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIALIZADO EM TREINAMENTO DE TÉCNICAS DE SEGURANÇA PARA TRABALHO EM ESPAÇOS CONFINADOS 1. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA...

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS UNIFEI CAMPUS ITABIRA

NORMAS DE SEGURANÇA DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS UNIFEI CAMPUS ITABIRA NORMAS DE SEGURANÇA DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS UNIFEI CAMPUS ITABIRA Normas de Segurança dos laboratórios do curso de engenharia de materiais UNIFEI Campus Itabira, que determinam

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI)

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Introdução...

Leia mais

CAPÍTULO XIX Instalações industriais de líquidos inflamáveis. SEÇÃO I Das condições

CAPÍTULO XIX Instalações industriais de líquidos inflamáveis. SEÇÃO I Das condições CAPÍTULO XIX Instalações industriais de líquidos inflamáveis SEÇÃO I Das condições Art. 497 - Instalações industriais e recipientes estacionários somente poderão existir em Zonas Rurais ou Agrícolas, com

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO RELATÓRIO DE INSPEÇÃO AMBULÂNCIA 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Diretor Administrativo: CPF: Responsável Técnico:

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

ANEXO II ao Edital de PREGÃO AMPLO Nº 13/2009

ANEXO II ao Edital de PREGÃO AMPLO Nº 13/2009 ANEXO II ao Edital de PREGÃO AMPLO Nº 13/2009 CADERNO DE ENCARGOS MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DO SISTEMA ELÉTRICO, HIDRÁULICO E COMBATE A INCÊNDIO. COMPLEXO SEDE DA ANATEL E UNIDADE DE SOBRADINHO

Leia mais

Cartilha do Visitante da RPPN Fazenda Boa Esperança

Cartilha do Visitante da RPPN Fazenda Boa Esperança Cartilha do Visitante da RPPN Fazenda Boa Esperança SUMÁRIO 1. Introdução...3 2. Apresentação...3 3. Requisitos para Visitação...4 4. Monitoramento e Gestão dos Impactos...5 5. Medidas Emergências ou de

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

Higiene e segurança no trabalho

Higiene e segurança no trabalho Higiene e segurança no trabalho Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ LIMPA VIDROS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ LIMPA VIDROS Página 1/7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Sinônimo: Nome da empresa: GITANES PRODUTOS AUTOMOTIVOS LTDA Endereço: Rua Dos Diamantes, 72- Prosperidade São Caetano SP CEP: 09550-450.

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 041/DAT/CBMSC)

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015 REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015 Os laboratórios de informática utilizados pelos alunos das Faculdades Integradas Camões se encontram nas duas sedes: Treze de Maio e Muricy, funcionando

Leia mais

RISCI RELATORIO DE INSPEÇÃO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO CAISM

RISCI RELATORIO DE INSPEÇÃO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO CAISM RISCI RELATORIO DE INSPEÇÃO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO CAISM Ano 2015 CIPA/UNICAMP Sumário: 1 Objetivo e Aplicação. 2 Embasamento Técnico Legal. 3 Síntese da solicitação. 4 Adequações. 5 Penalidades.

Leia mais

Numero do Documento: 1360347 RESOLUÇÃO Nº. 170, de 16 de MAIO de 2013.

Numero do Documento: 1360347 RESOLUÇÃO Nº. 170, de 16 de MAIO de 2013. Numero do Documento: 1360347 RESOLUÇÃO Nº. 170, de 16 de MAIO de 2013. Dispõe sobre procedimentos para comunicação de incidentes na prestação dos serviços públicos de distribuição de gás canalizado no

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

Unidade III SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Prof. Victor Halla

Unidade III SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Prof. Victor Halla Unidade III SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Prof. Victor Halla Conteúdo Gerenciamento de Segurança Política de Segurança Ferramentas de Gerencia Segurança em Sistemas Distribuídos Gerenciamento de segurança Sistemas

Leia mais

REVISÃO: Diretoria Hospital João XXIII; Gerência de enfermagem: Gerência do bloco cirúrgico; Coordenação urgência e emergência DATA: 07/01/2013

REVISÃO: Diretoria Hospital João XXIII; Gerência de enfermagem: Gerência do bloco cirúrgico; Coordenação urgência e emergência DATA: 07/01/2013 Hospital João XXIII Plano Atendimento a Desastres Hospital João XXIII TÍTULO: Plano de Atendimento a Desastres Hospital João XXIII PALAVRAS-CHAVE: Desastres, Crise, e PS ELABORAÇÃO: Diretoria Hospital

Leia mais

CARTILHA DE PREVENÇÃO À FRAUDE

CARTILHA DE PREVENÇÃO À FRAUDE CARTILHA DE PREVENÇÃO À FRAUDE EMPRESA DO GRUPO 1. INTRODUÇÃO Mundialmente as fraudes ameaçam os governos, as corporações, os negócios e a sociedade, independentemente do grau de desenvolvimento de cada

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO 1. Passo Receber a informação sobre a ocorrência do desligamento emergencial da linha de distribuição (despachante); 1.1 de Segurança 1.1 de Segurança 1.1 de Segurança - Uniforme padrão completo; - Radiação

Leia mais

Sistemas Fixos de CO2 - Parte 2 Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios

Sistemas Fixos de CO2 - Parte 2 Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios Sistemas Fixos de CO2 - Parte 2 Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios Sistemas fixos de CO 2 : Os sistemas fixos diferem conforme a modalidade de armazenamento do meio extintor entre Sistemas

Leia mais

RELATÓRIO DE TREINAMENTO PRÁTICO

RELATÓRIO DE TREINAMENTO PRÁTICO Nº. 004 PRÁTICO ASSUNTO: Treinamento prático de atualização de Bombeiro Civil, conforme SEDEC 31. ENDEREÇO:Av. Marechal Câmara, número 160 (RJ). INSTRUTOR:Adriano Manhães. CLIENTE: Condomínio Centro Empresarial

Leia mais

Portaria SIT nº 308, de 29.02.2012 - DOU 1 de 06.03.2012

Portaria SIT nº 308, de 29.02.2012 - DOU 1 de 06.03.2012 Portaria SIT nº 308, de 29.02.2012 - DOU 1 de 06.03.2012 Altera a Norma Regulamentadora nº 20 - Líquidos Combustíveis e Inflamáveis, aprovada pela Portaria MTb nº 3.214, de 8 de junho de 1978. A Secretária

Leia mais

O que Fazer em Uma Emergência

O que Fazer em Uma Emergência O que Fazer em Uma Emergência Primeiros Socorros e Emergências Aquáticas Dr David Szpilman Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro Maj BM QOS David Szpilman Em qualquer emergência procure

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Laudo Ergonômico Laudo de Periculosidade/Insalubridade Laudo

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PORTARIA N. 2, DE 08 DE MAIO DE 1984 O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS

LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS Setor: Operacional LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS Data: 18/12/2015 Rev. 01 Procedimento: P-11 Seq. Atividade Aspecto Impacto Situação Incidência Abrangência A B C A+B+C Severidade Frequência

Leia mais

Coordenadoria da Moralidade Administrativa INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12/CMA/2008 ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DIRETA, FUNDOS E FUNDAÇÕES DO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ

Coordenadoria da Moralidade Administrativa INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12/CMA/2008 ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DIRETA, FUNDOS E FUNDAÇÕES DO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12/CMA/2008 ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DIRETA, FUNDOS E FUNDAÇÕES DO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ ASSUNTO: INSTRUMENTO NORMATIVO HISTÓRICO DELIBERAÇÃO VIGÊNCIA PROTOCOLO Nº DESCRIÇÃO Nº DATA A PARTIR

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais