O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1"

Transcrição

1 1 Eixo Temático: Organização e Representação da Informação e do Conhecimento O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1 Bill Alexander Santos da Silva 2 Juliana Marques do Amaral 3 Nayara Ghiovana Stanganelli 4 RESUMO Em razão de solucionar as formas de recuperação e acesso aos recursos armazenados na Web foi criado o padrão de metadados Dublin Core, apresentando uma estrutura simples, flexível, padronizada e com consenso internacional para sua utilização. Por meio de uma análise exploratória e descritiva da literatura disponível, o objetivo desse trabalho é apresentar o Dublin Core e verificar a representação do recurso informacional, inserido ao Hyper Text Markup Language (HTML). Considerando as características de sua estrutura, os resultados mostram que o Dublin Core possui um grande potencial de substituir os métodos anteriores de representação para o ambiente Web. Palavras-chave: Dublin Core. HTML. Padrão de metadados. Descrição de recursos informacionais digitais. 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS A tecnologia tem o papel de potencializar a inteligência humana, fornece condições para que a pessoas criem e disseminem seus conhecimentos em ambientes colaborativos. Além disso, possibilita diversos tipos de interação e dinâmica. Atualmente os meios de comunicação estão inseridos dentro de uma macromídia, denominada plataforma Web. O surgimento de ferramentas que permitem a construção rápida de páginas e websites culminou em uma aceleração constante, exponencial e descontrolada de 1 Trabalho desenvolvido durante a disciplina optativa 2BIB996 - Metadados e interoperabilidade da graduação de Biblioteconomia e ministrada pela Profa. Ana Carolina Simionato, durante o período de março a julho de 2014, na Universidade Estadual de Londrina (UEL). 2 Graduando do Curso de Biblioteconomia UEL. 3 Graduando do Curso de Biblioteconomia UEL. 4 Graduando do Curso de Biblioteconomia UEL.

2 2 diferentes tipos de recursos informacionais na Web, incluindo os recursos como os websites. Essa produção gera um caos informacional e consequentemente, tarefas como a identificação, organização e busca de informações se tornam importantes para que possa recuperar e acessar o que se deseja. E além disso, otimiza as formas de navegação dentro dos sistemas informacionais. Nesse sentido, várias iniciativas estão sendo conduzidas e assim, tendo em vista as formas descritivas para garantir o acesso aos documentos, esse estudo procura refletir sobre como: a representação descritiva auxilia nas formas de recuperação e acesso na plataforma Web? Para tanto, os padrões mais flexíveis e eficientes para descrição de recursos, como o Dublin Core, apresentam uma estrutura capaz de garantir o acesso do recurso e facilitar a interoperabilidade entre os metadados. Dessa forma, a partir de uma revisão bibliográfica da literatura realizada sobre o padrão de metadados Dublin Core e sobre a linguagem de marcação Hyper Text Markup Language (HTML), o objetivo do estudo é verificar que o uso do padrão Dublin Core em websites construídos com base na linguagem HTML possibilitam a otimização do acesso e recuperação dos recursos. Logo, esse estudo contribui com a literatura sobre o tema, além de esclarecer sobre a representação descritiva na plataforma Web. 2 PRESSUPOSTOS TEÓRICOS As tecnologias modificam a relação dos profissionais da informação com a forma de tratar a informação gerada e corporificada em recursos, entre essa relação ocasionam as principais mudanças relacionadas à informação e à tecnologia, como exemplo a produção acentuada de recursos informacionais. E consequentemente, na mesma proporção, a relação dos usuários no processo de localização, uso e reuso desses recursos informacionais. Os recursos informacionais [...] refere-se a informação objetivada no contexto de um campo do conhecimento podendo ser apresentado em uma estrutura analógica e/ou digital, com valor informacional que caracteriza a sua concepção intelectual expressa na corporificação de manifestações estruturadas na forma de itens. O recurso informacional também é nominado de:

3 3 item informacional, informação registrada, coisa física, ou uma coisa não-física e artefato. (SANTOS; SIMIONATO; ARAKAKI, 2014, p. 148). Para tanto, o volume informacional causa um aspecto problemático: a dificuldade entre os processos de identificação, organização, busca, recuperação, acesso e uso das informações em ambientes digitais. (ALVES, 2010). Nesse sentido, para que o acesso às informações estocadas possa atender ao usuário na realização de suas pesquisas, a informação e os recursos devem ser corretamente e adequadamente descritas. Dessa forma, a Ciência da Informação e a Biblioteconomia têm buscado soluções em melhorar as formas de representação e recuperação da informação, tanto em ambientes físicos como as bibliotecas e centros de informação, e também ambientes digitais, como exemplo os websites da plataforma Web. A catalogação como disciplina contida na Ciência da Informação e a Biblioteconomia é definido como um processo que [...] descreve formalmente um documento do recurso e se estabelece um variado e variável número de pontos de acesso, objetivando proporcionar, ao usuário final, a condição de encontrar, identificar, selecionar e obter o documento ou descrito, ou a informação nele contida. (CATARINO; SOUZA, 2012, p. 84) E para que possa estabelecer pontos de acesso adequados a descrição necessita de padronização da informação na Web por meio de metadados e seus padrões. Os metadados definem-se pela forma mais conhecida: dados sobre dados. Conforme explica Grácio (2002) os metadados são elementos que descrevem as informações contidas em um recurso, com o objetivo de possibilitar sua busca e recuperação. Este conceito explica como toda informação armazenada eletronicamente pode ser acessada e recuperada com precisão independente do seu formato, como texto, imagem, som, vídeo, e outros tipos de recurso. Os metadados estão presentes na maioria dos sistemas de informação em uma variedade de tipos e níveis, e a sua aplicação e efetivação corresponde ao tipo de ambiente informacional.

4 4 E nesse sentido, os metadados precisam ser padronizados, ou seja, devem utilizar um formato padrão e terminologia própria e também um número de elementos descritivos que pode ser variável de acordo com o padrão. Esses elementos devem seguir esquemas de codificação que sejam usuais e comuns, como o uso de vocabulário controlado, esquemas de classificação e formatos de descrição formais, permitindo dessa forma o compartilhamento desses metadados entre diferentes instituições. Segundo Buckland (2006) a utilização dos formatos padronizados para armazenamento e exibição torna mais fácil o acesso aos documentos. E portanto, os metadados sejam eles padrões nacionais ou internacionais, precisam ser cuidadosamente elaborados, permitindo o tratamento adequado e acessibilidade às informações de um recurso. Assim, surgem iniciativas importantes para solucionar o problema de descrição de recursos na Web, como o padrão de metadados Dublin Core que tem aplicação internacional para descrição de documentos eletrônicos. Seu desenvolvimento teve sua origem na 2ª Conferência Internacional sobre a World Wide Web (WWW) em 1994 na cidade de Chicago, onde Yuri Rubinsky, Stuart Weibel e Eric Miller, ambos da Online Computer Library Center (OCLC) e Joe Hardin da National Center for Supercomputing Applications (NCSA), promoveram uma discussão sobre semântica e Web (GRÁCIO, 2002). Em 1995 foi criado o Dublin Core e, no ano seguinte, a sua instituição base a Dublin Core Metadata Initiative (DCMI). O Dublin Core foi nomeado dessa forma, pois o primeiro evento se dava em Dublin, Ohio nos Estados Unidos e Core, por conter os metadados essenciais para qualquer descrição. (GRÁCIO, 2002). E podese predispor que o Dublin Core contemporiza a uma iniciativa criada para catalogação de recursos eletrônicos na Web, com uma proposta de expandir a representação e aperfeiçoando a recuperação de documentos em outros domínios, que não os bibliográficos. A Dublin Core Metadata Initiative tem reunido profissionais de diversas áreas e países para trabalharem juntos nas discussões sobre como os metadados podem ajudar a resolver a falta de descrição das informações no meio eletrônico. E a partir dessas discussões também levou o DCMI a organizar, no ano seguinte (1996) e se

5 5 repetindo até hoje, um evento chamado OCLC/NCSA Metadada Workshop (GRÁCIO, 2002). E durante os primeiros OCLC/NCSA Metadada Workshop principal discussão era o conjunto mínimo de elementos descritivos que representariam os recursos da Web. Segundo Grácio (2002) durante este primeiro evento, muitos participantes reconheceram a dificuldade de trabalhar com padrões que possuíssem muitos elementos e procuraram determinar uma relação de elementos não exaustiva e tediosa para descrever os recursos de rede. O Dublin Core possui um conjunto de 15 elementos para descrição. E esses elementos designam aos objetivos propostos e são suficientemente amplos e flexíveis para ser utilizados nas mais diversas situações (BAPTISTA; MACHADO, 1999). E segundo Souza; Vendrusculo e Melo (2000, p. 93) O conjunto de metadados descrito pelo DC é composto de quinze elementos, os quais poderiam ser descritos como o mais baixo denominador comum para descrição de recurso (equivalente a uma ficha catalográfica). A seguir, no quadro 1, é representado cada um dos quinze elementos componentes do Dublin Core. Quadro 1 Os quinze elementos do padrão Dublin Core e a definição de valores Elementos do Dublin Core 1. Título 2. Autor 3. Assunto/palavraschave 4. Descrição Definição do valor Identificador: Title Definição: Um nome dado para o recurso Comentário: Tipicamente, um título será o nome pelo qual o recurso é formalmente conhecido, podendo ser o próprio título. Identificador: Creator Definição: Uma entidade primeiramente responsável pelo conteúdo dos recursos. Comentário: Em autor incluem uma pessoa, uma organização ou um serviço. Identificador: Subject Definição: O tema (objeto ou ponto principal) do conteúdo do recurso. Comentário: Tipicamente, um Assunto será expresso com palavras-chave, descritores ou códigos de classificação que descrevem o tema do recurso (indica o conteúdo informativo). Identificador: Description Definição: Um relato do conteúdo do recurso. Comentário: Descrição pode incluir (mas não é limitado) a um abstract, tabelas de conteúdo, referências para uma representação de conteúdo ou um texto livre de relato do conteúdo.

6 6 5. Editor 6. Colaborador 7. Data 8. Tipo do recurso 9. Formato 10. Identificador do recurso 11. Fonte 12. Língua 13. Relação Identificador: Publisher Definição: Uma entidade responsável por tornar o recursodisponível. Comentário: No editor incluem uma pessoa, uma organização ou um serviço. Tipicamente, o nome de um editor deve ser usado para indicar a entidade. Identificador: Contributor Definição: Uma entidade responsável por fazer contribuiçõespara o conteúdo do recurso. Comentário: Exemplos de um Colaborador incluem uma pessoa, uma organização ou um serviço. Tipicamente, o nome do colaborador deve ser usado para indicar a entidade. Identificador: Date Definição: Uma data associada com um evento no ciclo de vida do recurso. Comentário: Tipicamente, data seráassociada com a criação ou a disponibilização do recurso. Recomendação para melhor uso de codificação dos valores de data é definido na norma ISO 8601 e segue o formato YYYY- MM-DD, onde YYYY é o ano, MM é o mês e DD o dia. Identificador: Type Definição: A natureza ou a espécie do conteúdo do recurso. Comentário: Tipo inclui termos descrevendo categorias gerais, funções, espécies ou níveis de agregação para conteúdo. Recomendação para melhor uso é selecionar valores de vocabulário controlado. Para descrever manifestação física ou digital dos recursos, deve-se usar o elemento Formato. Identificador: Format Definição: A manifestação física ou digital do recurso. Comentário: Tipicamente, formato pode incluir o tipo da mídia ou as dimensões do recurso. O Formato pode ser usado para determinar o software, hardware ou outro equipamento necessário para mostrar ou operar o recurso. Exemplos de dimensões incluem tamanho e duração. Identificador: Identifier Definição: Uma referência não ambígua para o recurso dentro de um dado contexto. Comentário: A recomendação para melhor uso é identificar o recurso pelo significado de uma string ou número conforme um sistema de identificação formal. Exemplo de sistemas de identificação formal inclui o Identificador de Uniforme de Recursos (Uniform Resource Identificador URI) e outros. Identificador: Source Definição: Uma referência para o recurso do qual o presente recurso é derivado. Comentário: O presente recurso pode ser derivado de uma fonte de recurso inteira ou em parte. A recomendação para melhor uso é identificar o recurso pelo significado da string ou do número conforme o sistema de identificação formal. Identificador: Language Definição: Uma língua do conteúdo intelectual do recurso. Comentário: A recomendação para melhor uso dos valores do elemento língua é definida pela RFC 1766 que inclui um código de língua em 2 letras (do padrão ISO 639), seguido opcionalmente pelo código de país em 2 letras também (do padrão ISO 3166). Identificador: Relation Definição: Uma referência para o recurso relacionado, como versão de um

7 7 14. Cobertura 15. Gerenciamento de Direitos autorais trabalho, tradução de um trabalho ou parte de um trabalho. Comentário: A recomendação para melhor uso é referenciar o recurso pelo significado da string ou do número conforme um sistema de identificação formal. Identificador: Coverage Definição: O âmbito do conteúdo do recurso. Comentário: Cobertura tipicamente inclui localização espacial (o nome de um lugar ou suas coordenadas geográficas), período temporal (um rótulo, uma data ou intervalo de datas do período) ou jurisdição (como o nome de uma entidade administrativa). A recomendação para melhor uso é selecionar valores de vocabulário controlado, como do Thesaurus de Nomes Geográficos (TGN) e, quando for apropriado, nomes de lugares ou períodos de tempo são usados em preferência a identificadores numéricos como conjunto de coordenadas ou intervalo de tempo. Identificador: Rights Definição: Informações sobre direitos do recurso. Comentário: Tipicamente, um elemento Direitos conterá uma declaração de gerenciamento de direitos para o recurso. Informações de Direitos frequentemente abrangem Direitos de Propriedade Intelectual (Intellectual Property Rights - IPR), Copyright, e várias propriedades de Direitos. Fonte: DCMI (2014, não paginado, tradução nossa). Portanto, o Dublin Core possui como características: a simplicidade significa que o Dublin Core pode ser facilmente gerado pelo responsável do documento; a interoperabilidade semântica apresenta a caraterística que o Dublin Core é um modelo unívoco que realiza uma interoperabilidade entre as áreas, ter o consenso internacional, é que o padrão tem a participação de mais de vinte países na busca por um escopo internacional na Web, a extensibilidade condiz que parte de uma modelo simplificado de descrição, a flexibilidade sob a elaboração de modelos permitindo que novos elementos possam ser acrescentados. (DCMI, 2014, não paginado, tradução nossa). 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Esse trabalho insere-se em uma pesquisa exploratória de caráter qualitativo de cunho teórico e prático. A análise exploratória e descritiva da literatura disponível sobre o tema proposto permite melhor aprofundamento teórico na área da Ciência da Informação, em especial no campo da Representação Descritiva. Dessa forma, o universo da pesquisa está pautado nos fundamentos da catalogação, no estudo do tratamento descritivo da informação e no

8 8 desenvolvimento da catalogação dos recursos informacionais, tendo como instrumento de análise a estrutura do padrão de metadados Dublin Core e a linguagem de marcação HyperText Markup Language (HTML). 4 ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Os metadados quando aplicados fora do seu contexto original, adquirem um âmbito ainda mais expansivo. Na internet, os metadados podem ser incorporados à linguagem HTML como tags meta e o uso dos metadados do padrão Dublin Core facilita os usuários buscarem informações de uma maneira mais rápida e eficiente. O HTML consiste em uma linguagem de marcação utilizada para produção de páginas na Web e permite a criação de documentos que podem ser lidos em praticamente qualquer tipo de computador e transmitidos pela internet. Para escrever documentos HTML não é necessário mais do que um editor de texto simples e conhecimento dos códigos que compõem a linguagem, também denominados como tags. As tags servem para indicar a função de cada elemento da página Web e funcionam como comandos de formatação de textos, formulários, links (ligações), imagens, tabelas, entre outros. E os browsers (navegadores) são as ferramentas que identificam as tags e apresentam a página conforme está especificada e descrita. A linguagem HTML que atualmente se encontra na sua quinta versão (HTML5) com novos recursos e principalmente a manipulação de conteúdo gráfico e multimídia, suas variáveis ou evoluções, e permite basicamente, a elaboração de três tarefas. A diagramação ou formatação do texto na forma deseja, que costa no cabeçalho, títulos, parágrafos, ou lista de itens; A interligação (link) com outras páginas através de clique do mouse; A inserção de outros arquivos, contendo imagens, animação, som ou texto no corpo do documento a ser exibido. Os metadados em si, são encontrados em toda a expressão de uma página em HTML, podem ser inseridos na maioria das vezes no cabeçalho do código fonte dos documentos produzidos em tais recursos. E os padrões metadados

9 9 estabelecidos são similares aos elementos e estruturas de etiquetas meta padronizadas em HTML. A linguagem é precedida de comandos, e este comando devem estar precedidos por um início e fim, como exemplo: <HTML>...</HTML>. Embora, não seja de uso obrigatório alguns comandos possuem como função declarar que o documento está nesta linguagem, sendo inserido no começo do documento e no final. Logo, os metadados devem ser inseridos logo depois do título do documento, que é a primeira fonte para a indexação de uma página e para a elaboração da lista de endereço. O comando <TITLE> é uma etiqueta que deve ser incluída quando o documento necessita de um título. Recomenda-se o uso de um título curto e informativo, este dado será apresentado na barra de título ou no canto superior à direita da tela, dependendo do programa de visualização utilizado pelo usuário. Dessa forma, cada campo do Dublin Core compreende em uma maneira diferente das outras, como pode ser exemplificado pela descrição com base no Dublin Core apresentada na figura1. Figura 1 Descrição utilizando o Dublin Core Fonte: Código fonte do FRBR Blog. Disponível em: < Logo, o HTML é uma linguagem de marcação simples para sua utilização e que fornece recursos necessários para descrever, identificar, processar, localizar, recuperar, e filtrar um objeto/ documento digital. Sendo assim, observa-se que Dublin Core e HTML estão inteiramente relacionados, ou seja, HTML é uma linguagem intrínseca à descrição na estrutura Dublin Core em páginas Web.

10 10 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Como considerações finais, observa-se que o padrão Dublin Core apresenta uma forma simples e composta por quinze elementos de identificação, que também podem ser qualificados no acréscimo de outros elementos. Os elementos qualificados do Dublin Core constituem-se em uma melhor descrição e precisão semântica do recurso, que está sendo inseridos nos campos. Contudo essa descrição mais aprofundada fica a critério do profissional da informação, e da mesma forma, nos elementos de baixo denominador onde existe a possibilidade de não utilizar todos os elementos apresentados pelo Dublin Core. O HTML conjunto ao Dublin Core permite verificar que o padrão de metadados aprimora a localização, representação e recuperação das informações em ambiente Web assim permitindo maior aproveitamento de seus recursos. Da mesma forma, essa interoperabilidade das fontes de informação na internet demonstra a contribuição do trabalho do bibliotecário para que o conhecimento não fique disperso ao que se constitui o meio digital. Com este estudo, o uso do Dublin Core torna a representação descritiva dos documentos mais ágil, flexível ao ambiente digital, buscando garantir o controle e o acesso aos recursos nele descrito. REFERÊNCIAS ALVES, R. C. V. Metadados como elementos do processo de catalogação f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, Disponível em: < Graduacao/CienciadaInformacao/Dissertacoes/alves_rachel.pdf>. Acesso em: 01 jul BAPTISTA, A. A.; MACHADO, A. B. A utilização do Dublin Core qualificado na descrição semântica de uma revista científica em linha. Departamento de Sistema de Informação, Universidade do Minho, Guimarães, Portugal Disponível em: < Acesso em: 15 mai CATARINO, M. E.; SOUZA, T. B. A representação descritiva no contexto da web semântica. TransInformação, v. 24, n. 2, Disponível em: < Acesso em: 18 jul

11 11 BUCKLAND, M. K. Descrição e pesquisa: metadados como infra-estrutura. Brazillian Journal of Information Science, Marília, v. 0, n. 0, jul./dez Disponível em: < em: 14 mai DUBLIN CORE METADATA INICIATIVE (DCMI). Metadata Innovation Disponível em: < Acesso em: 16 mai GRÁCIO, J. C. A. Metadados para a descrição de recursos da Internet: o padrão Dublin Core, aplicações e a questão da interoperabilidade f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, Disponível em: < Graduacao/CienciadaInformacao/Dissertacoes/gracio_jca_dr_mar.pdf>. Acesso em: 13 mai SANTOS, P. L. V. A. C.; SIMIONATO, A. C.; ARAKAKI, F. A. Definição de metadados para recursos informacionais: apresentação da metodologia BEAM. Informação & Informação, Londrina, v. 19, n. 146, Disponível em: < Acesso em: 13 mai SOUZA, M. I. F.; VENDRUSCULO, L. G.; MELO G. C. Metadados para descrição de recursos de informação eletrônica: utilização do padrão Dublin Core. Ciência da Informação, Brasília, v. 29, n. 1, p , jan./abr Disponível em: < Acesso em: 13 mai

Sumário. 4 Introdução. 4 Definições. 4 Utilização. 4 Padrões. 4 Conclusão. 4 Os padrões permitem 4 Padrões USMARC 4 Padrões Dublin Core

Sumário. 4 Introdução. 4 Definições. 4 Utilização. 4 Padrões. 4 Conclusão. 4 Os padrões permitem 4 Padrões USMARC 4 Padrões Dublin Core Sumário 4 Introdução 4 Definições 4 Utilização 4 Padrões 4 Os padrões permitem 4 Padrões USMARC 4 Padrões Dublin Core 4 Conclusão Introdução 4 A constante evolução da área de informática, permite com que

Leia mais

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Maria das Dores Rosa Alves¹, Marcia Izabel Fugisawa Souza¹ ¹Embrapa Informática Agropecuária Caixa postal 6014 Campinas, SP

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 354 METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP) Bárbara Fadel (UNESP) 1. Introdução Com os avanços das tecnologias de informação e comunicação (TIC) as instituições

Leia mais

Biblioteca Virtual: Atualidade e Perspectivas 1. Guilhermina de Melo Terra 2. Universidade Federal do Amazonas

Biblioteca Virtual: Atualidade e Perspectivas 1. Guilhermina de Melo Terra 2. Universidade Federal do Amazonas Biblioteca Virtual: Atualidade e Perspectivas 1 Guilhermina de Melo Terra 2 Universidade Federal do Amazonas Resumo Discute o processo de produção, armazenamento e disseminação da informação que se encontra

Leia mais

RELATÓRIO 3 CONJUNTO DE METADADOS DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA ENAP

RELATÓRIO 3 CONJUNTO DE METADADOS DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA ENAP RELATÓRIO 3 CONJUNTO DE METADADOS DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA ENAP Projeto básico sobre Repositório Digital: Definição da Arquitetura Informacional / Definição do Conjunto de Metadados / Definição

Leia mais

ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais

ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais Abril 2008 Parte VII Dublin Core Fontes dublincore.org/ http://dublincore.org/usage/documents/principles/ http://dublincore.org/documents/dc-rdf/ Objectivo do Dublin

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA FACILITADOR VIRTUAL DA APRENDIZAGEM EM QUÍMICA Campina Grande-

Leia mais

Metadados e Dublin Core

Metadados e Dublin Core Metadados e Dublin Core Eloi Juniti Yamaoka 14 de Fevereiro de 2007 Meta Meta = sobre (about) Metadados Metametadados Metadata Meta data Metainformação Metadados? Dados sobre dados Informação sobre informações

Leia mais

XML (extensible Markup Language) por. Rafael Port da Rocha. (Notas de Aula)

XML (extensible Markup Language) por. Rafael Port da Rocha. (Notas de Aula) XML (extensible Markup Language) por Rafael Port da Rocha (Notas de Aula) 2007 Introcução Componentes de um Documento Eletrônico Digital Conteúdo: formado pelas informações que o documento transmite aos

Leia mais

HTML Página 1. Índice

HTML Página 1. Índice PARTE - 1 HTML Página 1 Índice HTML A HISTÓRIA... 2 O COMEÇO E A INTEROPERABILIADE... 3 Primeira Página... 4 Entendendo seu código... 5 Abrindo o código fonte da sua página... 6 Comentários na página...

Leia mais

Escola de Ciência da Informação ECI/UFMG. Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br

Escola de Ciência da Informação ECI/UFMG. Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Escola de Ciência da Informação ECI/UFMG Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Metadados Metadados Significa dado sobre dado ou informação sobre outra informação. Uma informação que trabalha o significado

Leia mais

WEB DE DADOS: ABERTURA DE BASES

WEB DE DADOS: ABERTURA DE BASES WEB DE DADOS: ABERTURA DE BASES E WEB SEMÂNTICA VAGNER DINIZ CAROLINE BURLE DOS SANTOS GUIMARÃES 2 Painel 35/106 Abertura de bases de dados e colaboração cidadã WEB DE DADOS: ABERTURA DE BASES E WEB SEMÂNTICA

Leia mais

Manual do Moodle. Manual do Moodle para alunos. 29/Junho/2009. (Versão 1.0) Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1

Manual do Moodle. Manual do Moodle para alunos. 29/Junho/2009. (Versão 1.0) Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1 Manual do Moodle para alunos (Versão 1.0) 29/Junho/2009 Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1 O que é?... 3 Acesso... 4 Atualizando suas informações... 4 Enviando Mensagens... 5 Acessando os seus cursos...

Leia mais

Pró-Reitoria de Administração - PRAd Assessoria de Informática - AI SISTEMA DE PUBLICAÇÃO DE LICITAÇÕES. Manual de Procedimentos

Pró-Reitoria de Administração - PRAd Assessoria de Informática - AI SISTEMA DE PUBLICAÇÃO DE LICITAÇÕES. Manual de Procedimentos Pró-Reitoria de Administração - PRAd Assessoria de Informática - AI SISTEMA DE PUBLICAÇÃO DE LICITAÇÕES Manual de Procedimentos 2004 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVOS...3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...3

Leia mais

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas:

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas: 1 2 1 Apresentação Este documento tem por objetivo apresentar orientações para a redação e formatação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) na modalidade de Artigo Científico. Para a elaboração do artigo

Leia mais

Internet. Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Infomação

Internet. Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Infomação Internet Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Infomação Histórico da Web World Wide Web o nosso www é o meio de comunicação mais utilizado no mundo atualmente. Através da WWW qualquer usuário conectado

Leia mais

Biblioteca Digital para a coleção de lundus do acervo Mozart de Araújo

Biblioteca Digital para a coleção de lundus do acervo Mozart de Araújo Biblioteca Digital para a coleção de lundus do acervo Mozart de Araújo Adriana Olinto Ballesté Laboratório Nacional de Computação Científica UNIRIO-PPGM e-mail: adri@lncc.br Jupter Martins de Abreu Jr.

Leia mais

Criação do Sistema Integrado de Bibliotecas do Sistema ACAFE: utilizando JAVA e XML

Criação do Sistema Integrado de Bibliotecas do Sistema ACAFE: utilizando JAVA e XML Criação do Sistema Integrado de Bibliotecas do Sistema ACAFE: utilizando JAVA e XML Alberto Pereira de Jesus (FURB) albertop@furb.br Jefferson José Gomes(ACAFE) jeffer@acafe.org.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Portal do Projeto Tempo de Ser

Portal do Projeto Tempo de Ser Sumário Portal do Projeto Tempo de Ser O que é um Wiki?...2 Documentos...2 Localizando documentos...3 Links...3 Criando um Documento...4 Criando um link...4 Editando um Documento...5 Sintaxe Básica...5

Leia mais

Manual do Usuário Janeiro de 2016

Manual do Usuário Janeiro de 2016 Manual do Usuário Janeiro de 2016 SOBRE CMX CMX é uma interface que dá acesso aos estudantes a milhares de atividades, exercícios e recursos todos posicionados com os padrões e conceitos curriculares.

Leia mais

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Surgimento da internet Expansão x Popularização da internet A World Wide Web e a Internet Funcionamento e personagens da

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. HTML - Introdução

Desenvolvimento em Ambiente Web. HTML - Introdução Desenvolvimento em Ambiente Web HTML - Introdução O que é HTML? HTML é uma linguagem para descrever a estrutura de uma página WEB. Ela permite: Publicar documentos online com cabeçalhos, texto, tabelas,

Leia mais

Eixo Temático: Organização e Representação da Informação e do Conhecimento

Eixo Temático: Organização e Representação da Informação e do Conhecimento 1 Eixo Temático: Organização e Representação da Informação e do Conhecimento DESENVOLVIMENTO DO PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: AS CONTRIBUIÇÕES DA DCMI INTERNATIONAL CONFERENCE ON DUBLIN CORE AND METADATA

Leia mais

Comunicado Técnico da Embrapa Informática Agropecuária

Comunicado Técnico da Embrapa Informática Agropecuária Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Ministério da Agricultura e do Abastecimento Nº. 7, dezembro/2000 Comunicado Técnico da ISSN 1516-5620 CATALOGAÇÃO DE RECURSOS ELETRÔNICOS: METADADOS E O PADRÃO

Leia mais

Manual de Rotinas para Usuários. Advogados da União. Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS. Sistema da AGU de Inteligência Jurídica

Manual de Rotinas para Usuários. Advogados da União. Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS. Sistema da AGU de Inteligência Jurídica Manual de Rotinas para Usuários Advogados da União Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS Sistema da AGU de Inteligência Jurídica Versão 1.0 2015 1 INTRODUÇÃO 3 1.1 O QUE É O SAPIENS? 3

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 Eduardo Laguna Rubai, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR- Brasil eduardorubay@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo.

Leia mais

Weslley da Silva Fernandes Mathias

Weslley da Silva Fernandes Mathias Weslley da Silva Fernandes Mathias 1 Biblioteca digital é a biblioteca constituída por documentos primários, que são digitalizados sob a forma material (disquetes, CD-ROM, DVD), ou online através da internet,

Leia mais

Tutorial Moodle ESDM - professores

Tutorial Moodle ESDM - professores Primeira entrada: Tutorial Moodle ESDM - professores USUÁRIO - MODIFICAR PERFIL No primeiro login/entrada no MOODLE aparecerá a tela do PERFIL para que o usuário complete seus dados. EDITANDO O PERFIL

Leia mais

DESCRIÇÃO E RECUPERAÇÃO DE NOTÍCIAS JORNALÍSTICAS POR MEIO DE METADADOS

DESCRIÇÃO E RECUPERAÇÃO DE NOTÍCIAS JORNALÍSTICAS POR MEIO DE METADADOS 10 DESCRIÇÃO E RECUPERAÇÃO DE NOTÍCIAS JORNALÍSTICAS POR MEIO DE METADADOS DESCRIPTION AND RETRIEVING NEWS STORY BY METADATA João Brambilla 1, Silvio Carro 1, Munir Felício 1 1 Faculdade de Informática

Leia mais

Curso Juventude Brasileira e Ensino Médio Inovador. Manual do ambiente Moodle

Curso Juventude Brasileira e Ensino Médio Inovador. Manual do ambiente Moodle Curso Juventude Brasileira e Ensino Médio Inovador Manual do ambiente Moodle CURSO DE INTRODUÇÃO AO MOODLE 1. Introdução Estamos começando nossa viagem e nossa primeira parada é na unidade denominada Curso

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a indexação e resumos, julgue os itens a seguir. Julgue os itens subsecutivos, referentes à gestão da informação e do conhecimento. 51 Coerência intraindexador refere-se

Leia mais

Indaial SC Abril 2012. Setor Educacional: 3. Educação Universitária

Indaial SC Abril 2012. Setor Educacional: 3. Educação Universitária MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO A DISTÂNCIA: PRODUÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS DIDÁTICOS UTILIZADOS PELOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO EAD DA UNIASSELVI Indaial SC Abril 2012 Hiandra Bárbara Götzinger

Leia mais

Novell. Novell Teaming 1.0. novdocx (pt-br) 6 April 2007 EXPLORAR O PORTLET BEM-VINDO DESCUBRA SEU CAMINHO USANDO O NOVELL TEAMING NAVIGATOR

Novell. Novell Teaming 1.0. novdocx (pt-br) 6 April 2007 EXPLORAR O PORTLET BEM-VINDO DESCUBRA SEU CAMINHO USANDO O NOVELL TEAMING NAVIGATOR Novell Teaming - Guia de início rápido Novell Teaming 1.0 Julho de 2007 INTRODUÇÃO RÁPIDA www.novell.com Novell Teaming O termo Novell Teaming neste documento se aplica a todas as versões do Novell Teaming,

Leia mais

1Ò&/(2'(('8&$d 2$',67Æ1&,$1($' PROCEDIMENTOS PARA DISCIPLINAS A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO

1Ò&/(2'(('8&$d 2$',67Æ1&,$1($' PROCEDIMENTOS PARA DISCIPLINAS A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO 1Ò&/(2'(('8&$d 2$',67Æ1&,$1($' PROCEDIMENTOS PARA DISCIPLINAS A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 03 2 PROCEDIMENTOS PARA MATRÍCULA...04 3. PARTICIPAÇÃO NAS DISCIPLINAS EAD...04 4 AVALIAÇÃO

Leia mais

TUTORIAL PARA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA LMS

TUTORIAL PARA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA LMS TUTORIAL PARA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA LMS Neste documento você encontrará um conjunto de orientações de como navegar na plataforma do MBA Gestão Empreendedora. Siga as instruções com atenção e salve este

Leia mais

Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu

Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu É o gerenciamento do ciclo de vida de todos os registros, em todos os tipos de mídia, desde a criação até a destruição ou arquivo permanente.

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL

Leia mais

Manual do Usuário CMS WordPress Versão atual: 3.0

Manual do Usuário CMS WordPress Versão atual: 3.0 Manual do Usuário CMS WordPress Versão atual: 3.0 1 - Introdução O Centro de Gestão do Conhecimento Organizacional, CGCO, criou, em março de 2008, uma equipe para atender à demanda de criação de novos

Leia mais

Metadados Essenciais: Uma Metodologia para Catalogação de Objetos de Aprendizagem no Repositório Digital ROAI

Metadados Essenciais: Uma Metodologia para Catalogação de Objetos de Aprendizagem no Repositório Digital ROAI Metadados Essenciais: Uma Metodologia para Catalogação de Objetos de Aprendizagem no Repositório Digital ROAI Jhônatan Ferlin, Avanilde Kemczinski, Edson Murakami, Marcelo da Silva Hounsell Departamento

Leia mais

Questões sobre Web Mining e Web Warehousing

Questões sobre Web Mining e Web Warehousing Curso de Data Warehousing PUC-Rio TecBD Prof. Rubens Melo Tendências Web Warehousing e Web Mining Questões sobre Web Mining e Web Warehousing Quais são as características da plataforma WEB Quais os tipos

Leia mais

Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano

Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano Programação Servidor para Sistemas Web 1 Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar a teoria por trás dos padrões na construção de aplicações Web. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores

Leia mais

Manual do Aluno para o Curso do SEER à Distância

Manual do Aluno para o Curso do SEER à Distância Manual do Aluno para o Curso do SEER à Distância Elaborado por: Alexandre Faria de Oliveira Consultor TI / Monitor Colaborador: Dr.Miguel Ángel Márdero Arellano Coordenador SEER - IBICT Brasília, 2011

Leia mais

Projeto de Software Social. ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica

Projeto de Software Social. ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica 1 Projeto de Software Social ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica Autores: Carlos Alberto Meier Basso Késsia Rita da Costa Marchi Marcelo Rafael Borth Orientador: Prof. Dr. Sérgio

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML

BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML Por Carlos H. Marcondes marcon@vm.uff.br Rio de Janeiro Abril 2008 PROGRAMA 1.Problema, motivações e conceitos 2.Estrutura de um documento XML 1.DTDs, Schemas 2.Folhas

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO - 2015

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO - 2015 Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO - 2015 I. IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA ORGANIZAÇÃO DE RE- CARGA HORÁRIA 82 h CURSOS

Leia mais

documentclass[a4paper,12pt,dvipdfm]report usepackagegraphicx

documentclass[a4paper,12pt,dvipdfm]report usepackagegraphicx documentclass[a4paper,12pt,dvipdfm]report usepackagegraphicx 1 2 Elaborado por SIGA-EPT Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Biblioteca - v. 2 Versão Novembro - 2009 Sumário 1 Introdução 5 2 Acesso ao sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Manual do Moodle- Sala virtual

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Manual do Moodle- Sala virtual UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Manual do Moodle- Sala virtual UNIFAP MACAPÁ-AP 2012 S U M Á R I O 1 Tela de Login...3 2 Tela Meus

Leia mais

Início Rápido para Fotos e Histórias do FamilySearch

Início Rápido para Fotos e Histórias do FamilySearch Início Rápido para Fotos e Histórias do FamilySearch Você pode adicionar fotos e histórias da família aos registros dos seus antepassados na Árvore Familiar. Com o novo recurso Adicionar Fotos e Histórias,

Leia mais

MANUAL MOODLE - PROFESSORES

MANUAL MOODLE - PROFESSORES MANUAL MOODLE - PROFESSORES VERSÃO 2.5 Faculdades Projeção FACULDADE PROJEÇÃO Prof. Oswaldo Luiz Saenger Presidente Prof.ª Catarina Fontoura Costa Diretora Geral das Unidades Educacionais Prof. José Sérgio

Leia mais

Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace. Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida

Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace. Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida Roteiro Biblioteca Digital da UNIVATES Bibliotecas: Conceitos Metas da

Leia mais

ARTIGO REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA E TEMÁTICA DE RECURSOS DE INFORMAÇÃO NO SISTEMA AGÊNCIA EMBRAPA: USO DO PADRÃO DUBLIN CORE

ARTIGO REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA E TEMÁTICA DE RECURSOS DE INFORMAÇÃO NO SISTEMA AGÊNCIA EMBRAPA: USO DO PADRÃO DUBLIN CORE REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA E TEMÁTICA DE RECURSOS DE INFORMAÇÃO NO SISTEMA AGÊNCIA EMBRAPA: USO DO PADRÃO DUBLIN CORE Marcia Izabel Fugisawa Souza Maria das Dores Rosa Alves Resumo: O artigo relata a experiência

Leia mais

a) É a que reúne, preserva e difunde a documentação bibliográfica e audiovisual produzida no território

a) É a que reúne, preserva e difunde a documentação bibliográfica e audiovisual produzida no território 1. Assinale a alternativa que conceitua a biblioteca especializada: a) É a que reúne, preserva e difunde a documentação bibliográfica e audiovisual produzida no território nacional b) É a dedicada à reunião

Leia mais

OFICINA DE POWER POINT

OFICINA DE POWER POINT OFICINA DE POWER POINT Barra de Ferramentas Padrão Barra de Ferramentas Formatação Barra de Menus Modos de Visualização Painéis de Tarefas Barra de Ferramentas Desenho Profª. Maria Adelina Raupp Sganzerla

Leia mais

Manual do Usuário Publicador

Manual do Usuário Publicador Manual do Usuário Publicador Portal STN SERPRO Superintendência de Desenvolvimento SUPDE Setor de Desenvolvimento de Sítios e Portais DEDS2 Versão 1.1 Fevereiro 2014 Sumário Sobre o Manual... 3 Objetivo...

Leia mais

Apostila de. WordPress. Gustavo Teixeira da Cunha Coelho Henrique Gemignani Passos Lima. 13 de maio de 2013. Primeira Edição RC2

Apostila de. WordPress. Gustavo Teixeira da Cunha Coelho Henrique Gemignani Passos Lima. 13 de maio de 2013. Primeira Edição RC2 Apostila de WordPress Gustavo Teixeira da Cunha Coelho Henrique Gemignani Passos Lima 13 de maio de 2013 Primeira Edição RC2 Copyright (C) 2013 USPGameDev A edição mais recente pode ser encontrada em:

Leia mais

Como criar um blog. Será aberta uma janela onde você deverá especificar o título do blog, o endereço do blog, e o modelo.

Como criar um blog. Será aberta uma janela onde você deverá especificar o título do blog, o endereço do blog, e o modelo. Como criar um blog Criando o blog Vá em www.blogger.com. Entre com sua conta google (a mesma que você usa para acessar o gmail). Escolha um perfil. Na página seguinte, clique no botão novo blog. Será aberta

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1 Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente Versão 1.1 Sumário Sistema de Relacionamento com Cliente 3 1 Introdução... ao Ambiente do Sistema 4 Acessando... o Sistema 4 Sobre a Tela... do Sistema

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA EXPLORAÇÃO DE PUBLICIDADE NAS HOME PAGES DA UNESP. Referência: NT-AI.02.02.01. Data: 22/03/2000

NORMA TÉCNICA PARA EXPLORAÇÃO DE PUBLICIDADE NAS HOME PAGES DA UNESP. Referência: NT-AI.02.02.01. Data: 22/03/2000 NORMA TÉCNICA PARA EXPLORAÇÃO DE PUBLICIDADE NAS HOME PAGES DA UNESP Referência: NT-AI.02.02.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.02.02.01.pdf Data: 22/03/2000 STATUS: EM VIGOR A Assessoria de Informática,

Leia mais

Índice. 5. Editar as seções de um curso 6. Estruturar o curso 7. Publicar o curso 8. Resumo do Fluxo de criação de um curso no educommons

Índice. 5. Editar as seções de um curso 6. Estruturar o curso 7. Publicar o curso 8. Resumo do Fluxo de criação de um curso no educommons Manual do Professor Índice 1. Selecionar a categoria na qual incluir o curso 2. Adicionar um curso novo 3. Importar o template do curso 4. Fazer upload de conteúdos do novo curso para a plataforma 4.1.

Leia mais

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Resumo André Alves Freitas Andressa Guimarães Melo Maxwell Sarmento de Carvalho Pollyanna de Sousa Silva Regiane Souza de Carvalho Samira Oliveira Os cursos

Leia mais

CentralSul de Notícias: A Rotina Produtiva de uma Agência Experimental Online 1

CentralSul de Notícias: A Rotina Produtiva de uma Agência Experimental Online 1 CentralSul de Notícias: A Rotina Produtiva de uma Agência Experimental Online 1 COSTA 2 Daiane dos Santos; FONSECA 3 Aurea Evelise dos Santos; ZUCOLO 4 Rosana Cabral 1 Trabalho submetido ao SEPE 2011 Simpósio

Leia mais

LGTi Tecnologia. Manual - Outlook Web App. Soluções Inteligentes. Siner Engenharia

LGTi Tecnologia. Manual - Outlook Web App. Soluções Inteligentes. Siner Engenharia LGTi Tecnologia Soluções Inteligentes Manual - Outlook Web App Siner Engenharia Sumário Acessando o Outlook Web App (Webmail)... 3 Email no Outlook Web App... 5 Criar uma nova mensagem... 6 Trabalhando

Leia mais

MULTIACERVO Implementações da versão 20-1

MULTIACERVO Implementações da versão 20-1 Data: Janeiro / 2015 Recurso pop-up O pop-up é um recurso que abre uma nova janela sem sair da tela original. Isto é interessante pois permite complementar uma informação e permanecer no ponto original,

Leia mais

Manual do Aluno Moodle

Manual do Aluno Moodle Manual do Aluno Moodle Site: Moodle PUCRS Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Curso: Moodle PUCRS Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Livro: Manual do Aluno Moodle Impresso

Leia mais

OLÁ! Eldes saullo. Neste GUIA VISUAL você vai descobrir a maneira mais fácil de formatar seu livro e publicá-lo na Amazon e no Kindle.

OLÁ! Eldes saullo. Neste GUIA VISUAL você vai descobrir a maneira mais fácil de formatar seu livro e publicá-lo na Amazon e no Kindle. OLÁ! Neste GUIA VISUAL você vai descobrir a maneira mais fácil de formatar seu livro e publicá-lo na Amazon e no Kindle. O Guia está divido em duas partes: FORMATAÇÃO: como preparar seu arquivo antes de

Leia mais

Documento Descritivo do Mecanismo de Busca. Preparação do Portal para indexação

Documento Descritivo do Mecanismo de Busca. Preparação do Portal para indexação Documento Descritivo do Mecanismo de Busca Este documento visa esclarecer as regras que serão executadas pelo mecanismo de busca para a recuperação de informações a partir de uma palavra e/ou expressão

Leia mais

CAPÍTULO 2. Entendendo a Internet

CAPÍTULO 2. Entendendo a Internet CAPÍTULO 2 Entendendo a Internet 2.1 O que é a Internet Internet é a rede mundial pública de computadores interligados, por meio da qual se transmite informações e dados para outros computadores conectados

Leia mais

AMARO Gestão Empresarial Ltda.

AMARO Gestão Empresarial Ltda. Anexo SL Por se tratar de uma tradução livre e de uso somente informativo para os clientes da consultoria, selecionamos somente os trechos importantes do Anexo SL e colocamos abaixo o Apêndice 2 que estrutura

Leia mais

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 3.4 1º de julho de 2013 Novell Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo

Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Núcleo de Tecnologia da Informação Gerenciamento do Conteúdo de Sítios Institucionais Versão 1.4 Atualizado em: 8/10/2015 Sumário Sumário................................................

Leia mais

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS Anissa CAVALCANTE 2 Jessica WERNZ 3 Márcio CARNEIRO 4, São Luís, MA PALAVRAS-CHAVE: CMS, webjornalismo, TV Vila Embratel, comunicação 1 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Verifique se o Plugin do Flash Player está instalado no seu computador para a navegação adequada no portal.

Verifique se o Plugin do Flash Player está instalado no seu computador para a navegação adequada no portal. 1 Tutorial: Blogs no Clickideia Introdução Esse tutorial mostrará as funções básicas da ferramenta de Blog do Portal Educacional Clickideia. Ele foi elaborado pensando em diferentes níveis de usuários

Leia mais

Movie Maker. Fazer download de vídeos no You Tube. Para publicar no You Tube. O Windows Movie Maker 2 torna fácil para qualquer pessoa

Movie Maker. Fazer download de vídeos no You Tube. Para publicar no You Tube. O Windows Movie Maker 2 torna fácil para qualquer pessoa Colégio Imperatriz Leopoldina Formação de Professores 2010 Movie Maker Fazer download de vídeos no You Tube O Movie Maker permite a edição de vídeos que estejam publicados no You Tube. É preciso fazer

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: COORDENADOR DE INCLUSÃO DIGITAL CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: COORDENADOR DE INCLUSÃO DIGITAL CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

Wordpress - Designtec. Manual básico de gerenciamento Práticas de Geografia

Wordpress - Designtec. Manual básico de gerenciamento Práticas de Geografia Wordpress - Designtec Manual básico de gerenciamento Práticas de Geografia 1 Índice Acessando o painel administrativo... 3 Gerenciamento de edições... 3 Gerenciamento de artigos... 3 Publicando mídias...

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 06: Introdução Linguagem HTML

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 06: Introdução Linguagem HTML PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 06: Introdução Linguagem HTML O Desenvolvimento Web O desenvolvimento web é o termo utilizado para descrever atividade relacionada

Leia mais

BIBLIOTECA DIGITAL DE PRODUÇÃO INTELECTUAL DA USP

BIBLIOTECA DIGITAL DE PRODUÇÃO INTELECTUAL DA USP BIBLIOTECA DIGITAL DE PRODUÇÃO INTELECTUAL DA USP Sistema Integrado de Bibliotecas Novembro de 2012 Uma nova realidade Com o advento da Internet, os fluxos da Comunicação científica se modificaram As publicações

Leia mais

Manual do Usuário PORTAL CNI CMS PUBLICA

Manual do Usuário PORTAL CNI CMS PUBLICA Manual do Usuário PORTAL CNI CMS PUBLICA SUMÁRIO 1. CONCEITOS INICIAIS...04 1.1 O que é um CMS?...04 1.2 Especificidades do Publica...04 1.3 O que é uma template?...04 1.4 O que são Páginas...04 1.5 O

Leia mais

Relatório referente ao período de 24 de abril de 2007 a 29 de maio de 2007.

Relatório referente ao período de 24 de abril de 2007 a 29 de maio de 2007. Relatório do GPES Relatório referente ao período de 24 de abril de 2007 a 29 de maio de 2007. Objetivo O objetivo desse relatório é expor alguns padrões de interface para Web que foram definidos pela Coleção

Leia mais

Tutorial 7 Fóruns no Moodle

Tutorial 7 Fóruns no Moodle Tutorial 7 Fóruns no Moodle O Fórum é uma atividade do Moodle que permite uma comunicação assíncrona entre os participantes de uma comunidade virtual. A comunicação assíncrona estabelecida em fóruns acontece

Leia mais

Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Introdução Dados Informações Banco de Dados Conceitos Básicos em Bancos de Dados Definição BD - Banco de Dados SGBD - Sistema de Gerenciamento de BD Programa de Aplicação

Leia mais

Repositórios, Acesso Livre, Preservação Digital. Questões para hoje e amanhã

Repositórios, Acesso Livre, Preservação Digital. Questões para hoje e amanhã Repositórios, Acesso Livre, Preservação Digital Questões para hoje e amanhã Florianópolis 1.000.000 a.c - 2009 d.c Evolução da prática científica O compartilhamento dos dados das pesquisas mudou para práticas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP/CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS SAU - SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO USUÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP/CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS SAU - SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO USUÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP/CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS SAU - SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO Perfil Self-Service Gestão Livre de Parque de Informática

Leia mais

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática.

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática. DESAFIOS DO ENSINO DA INFORMÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Jéssyca Edly Messias Ribeiro (IFRN) jeh_edly@hotmail.com Jefferson Hernane da Silva

Leia mais

Avaliação do uso do serviço de autoatendimento com tecnologia RFID na Biblioteca da Unesp - Câmpus de Rio Claro

Avaliação do uso do serviço de autoatendimento com tecnologia RFID na Biblioteca da Unesp - Câmpus de Rio Claro Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Avaliação do uso do serviço de autoatendimento com tecnologia RFID na Biblioteca da Unesp - Câmpus de Rio Claro Adriana Aparecida Puerta (UNESP) - dripuerta@yahoo.com.br

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Douglas Vaz, Suelen Silva de Andrade Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {doug.vaz,

Leia mais

TECNOLOGIAS WEB. Unidade 2 Introdução a Construção de Páginas Estáticas. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://luizleao.com

TECNOLOGIAS WEB. Unidade 2 Introdução a Construção de Páginas Estáticas. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://luizleao.com Luiz Leão luizleao@gmail.com http://luizleao.com CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DESTA UNIDADE HTML TAG S HTML LINGUAGEM HTML Hypertext Markup Language Interpretada pelo navegador Não linearidade da informação Formatação

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DE PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ONLINE: IMPLANTAÇÃO DE RELATÓRIOS ARMAZENÁVEIS

APERFEIÇOAMENTO DE PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ONLINE: IMPLANTAÇÃO DE RELATÓRIOS ARMAZENÁVEIS APERFEIÇOAMENTO DE PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ONLINE: IMPLANTAÇÃO DE RELATÓRIOS ARMAZENÁVEIS Marina Pasquali Marconato Mancini CER, DEs, UFSCar 1 2 Anderson Luiz Ara-Souza

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

Noções Básicas sobre o FrontPage 2000. Criar uma simples home-page utilizando o FrontPage

Noções Básicas sobre o FrontPage 2000. Criar uma simples home-page utilizando o FrontPage 1 Noções Básicas sobre o FrontPage 2000 Rosana Giaretta Sguerra Miskulin 1 Jean Píton Gonçalves Criar uma simples home-page utilizando o FrontPage 1-) Acessar o aplicativo FrontPage Você encontrará a imagem

Leia mais

Capítulo 1. Guia de Início Rápido. Você vai aprender a programar a sua primeira reunião em 5 passos fáceis.

Capítulo 1. Guia de Início Rápido. Você vai aprender a programar a sua primeira reunião em 5 passos fáceis. Capítulo 1 Guia de Início Rápido Você vai aprender a programar a sua primeira reunião em 5 passos fáceis. PRIMEIRO PASSO: Entrando no ClaireMeeting Use o seu navegador e acesse: http://www.clairemeeting4.com.br

Leia mais

3 Estratégia para o enriquecimento de informações

3 Estratégia para o enriquecimento de informações 34 3 Estratégia para o enriquecimento de informações Podemos resumir o processo de enriquecimento de informações em duas grandes etapas, a saber, busca e incorporação de dados, como ilustrado na Figura

Leia mais

COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO. Versão 1.0

COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO. Versão 1.0 COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2015 SUMÁRIO 1. O MOODLE 3 2. Acesso à Plataforma 3 2.1. Cadastrar-se em uma disciplina 4 2.2. Página Inicial do Curso 5 3.

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

O uso correto do texto alternativo

O uso correto do texto alternativo O uso correto do texto alternativo Tradução livre do texto Appropriate Use of Alternative Text [http://webaim.org/techniques/alttext/] O texto alternativo é, como o nome diz, uma alternativa aos elementos

Leia mais

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 552 A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP Marília) Bárbara Fadel (UNESP Marília / Uni-FACEF Franca) 1. Introdução O papel surgiu como um dos principais suportes

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA TECNOLÓGICA PARA FACILITAR A REUTILIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPARTILHAMENTO. Maio de 2007

OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA TECNOLÓGICA PARA FACILITAR A REUTILIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPARTILHAMENTO. Maio de 2007 1 OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA TECNOLÓGICA PARA FACILITAR A REUTILIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPARTILHAMENTO Maio de 2007 Érico Galdino Almeida Senac São Paulo erico.galmeida@sp.senac.br Leandro Cassa

Leia mais