INTRODUÇÃO OBJETIVO APLICABILIDADE. Crianças e adolescentes. População excluída: Nenhuma. DIRETRIZ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO OBJETIVO APLICABILIDADE. Crianças e adolescentes. População excluída: Nenhuma. DIRETRIZ"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO A doença cardiovascular (DCV) aterosclerótica representa uma das principais causas de morte em nossa população. Apesar dos sintomas da DCV serem raros na infância, os fatores desencadeantes e os comportamentos de risco se iniciam precocemente. Existem fortes evidências de que a identificação dos fatores de risco e seu controle podem atrasar o desenvolvimento da doença. O pediatra deve associar as recomendações clinicas dentro do contexto de desenvolvimento da criança nas diversas faixas etárias. Os profissionais da área pediátrica (pediatras, enfermeiros, nutricionistas) formam o grupo que reúne melhores condições de promover mudanças de habito e comportamento que diminuam o risco de desenvolvimento de doença cardiovascular nos seus pacientes. OBJETIVO Auxiliar o pediatra a atingir duas metas: Prevenção primordial: A prevenção do aparecimento dos fatores de risco. Prevenção Primaria: Identificar e tratar os fatores de risco já instalados. APLICABILIDADE Crianças e adolescentes. População excluída: Nenhuma. DIRETRIZ Definições e considerações para o reconhecimento dos fatores de risco Os principais fatores de risco associados a DCV são história familiar, idade, sexo, dieta, atividade física, exposição ao tabaco, pressão arterial, perfil lipídico, sobrepeso e obesidade, diabetes mellitus, condições predisponentes, síndrome metabólica, marcadores inflamatórios e fatores perinatais. Os níveis de evidência utilizados nesta diretriz estão na Tabela 1. DI.ASS.1. 07/07/013 por

2 Tabela 1: Nível de evidência Nível evidência A Ensaios clínicos randomizados (ECR) controlados, bem desenhados. B ECR ou estudo diagnóstico com pequenas limitações, evidências muito consistentes de estudos observacionais. C D Estudos observacionais (com desenho cohort ou caso-controle) Baseado na opinião de especialistas, ou em pesquisas experimentais, ou na fisiologia. Relato de caso. Historia Familiar A doença cardiovascular resulta de uma complexa interação entre fatores genéticos, bioquímicos comportamentais e ambientais. Evidências de estudos observacionais demonstram que a historia familiar para doença cardiovascular precoce (infarto agudo do miocárdio, angina, cateterismo intervencionista, bypass de coronárias, acidente vascular cerebral (AVC), morte súbita em homem com menos de 55 ou mulher com menos de 65 anos) é um fator de risco importante e independente para doença cardiovascular futura. A presença de historia familiar representa um risco para DCV na prole inversamente proporcional a idade de aparecimento do fato no familiar. Como os pais dos pacientes pediátricos são ainda jovens, faz parte da anamnese a informação sobre avós, tios e parentes próximos. A historia familiar também se modifica à medida que a criança amadurece, portanto é necessário atualizar esta informação periodicamente. Recomendação: A história cardiovascular da família deve ser parte integrante da anamnese e frequentemente atualizada a fim de determinar a presença de fatores de risco DI.ASS.1. 07/07/013 por

3 Nutrição Tipo Documental As recomendações alimentares devem ser consideradas no contexto da situação clinica e familiar, como nas alergias e intolerâncias. Estudos de follow up em longo prazo mostram que o aleitamento materno traz benefícios para a saúde cardiovascular, incluindo menores níveis de colesterol, menores índices de massa corpórea (IMC)e menor incidência de Diabetes Mellitus (DM) tipo. Para crianças normais e com risco de hipercolesterolemia, a ingestão de gordura deve ser correspondente a no máximo 30% do total de calorias, as gorduras saturadas devem representar 7 a 10% das calorias e a ingestão de colesterol deve ser menor que 300mg/dia. Sob a orientação e supervisão de uma nutricionista esta dieta resulta em menores níveis de LDL colesterol e triglicérides (TG), obesidade e resistência à insulina (EVIDÊNCIA A). Para crianças em crescimento, o leite provê nutrientes essenciais como proteína, cálcio e magnésio. O consumo de leite desnatado após anos de idade até a adolescência otimiza estes benefícios sem comprometer a qualidade, uma vez que reduz a ingestão de gorduras saturadas e do excesso de calorias. Para crianças entre um e anos, com risco de desenvolver DCV (historia familiar, por exemplo), o uso de leite semidesnatado (% de gordura) está indicado. Apesar de não haver evidência cientifica para tal, é consensual a recomendação de que a ingestão de proteínas deve ficar entre 15 a 0% e a de carboidratos entre 50 a 55% do total de calorias ingeridas. Apesar de permanecer um desafio na pratica clinica, há evidencias (EVIDÊNCIA A) de que a exposição e disponibilidade de frutas e vegetais aumentam sua aceitação e representam importante fonte de fibras e vitaminas, associados à baixa ingestão calórica. Diminuir a ingestão de líquidos doces (refrigerantes, sucos adoçados etc.) reduz a incidência de obesidade (EVIDÊNCIA B). A ingestão calórica deve ser adequada às demandas de crescimento e atividade física (Tabela ). Para crianças com peso normal e atividade mínima, a maior parte deste aporte é necessária para as necessidades básicas, restando 10-15% para ser consumido em extras (como doces, petiscos e sobremesa). DI.ASS.1. 07/07/013 por

4 Tabela : Necessidades calóricas em Kcal/dia, por idade, sexo e nível de atividade física. Idade Sedentário Atividade moderada Ativo Criança -3 anos Meninas 4-8anos anos anos Meninos 4-8 anos anos anos A recomendação atual da AAP é a suplementação de todas as crianças com no mínimo 400UI/dia de vitamina D. Em crianças maiores de 1 ano até a vida adulta, deve-se assegurar a ingesta de vitamina D, podendo-se oferecer a suplementação de 600UI/dia, se necessário. Nenhuma outra suplementação vitamínica é necessária rotineiramente. A maior ingestão de fibras diminui a densidade energética da dieta e diminui a gordura corporal. A ingestão de fibras alimentares deve ser estimulada. Recomendação: O reforço dos conceitos da boa nutrição e controle da ingestão de calorias e gorduras deve fazer parte de toda consulta pediátrica de rotina. Se necessário, recorrer ao suporte de uma nutricionista. Atividade Física O estilo de vida sedentário é fator de risco independente para doença coronariana em adultos. Existe evidência razoável (EVIDÊNCIA C) de que os padrões de atividade física estabelecidos na infância se mantêm na vida adulta. DI.ASS.1. 07/07/013 por

5 Há evidência forte (EVIDÊNCIA A) de que a atividade física moderada a intensa está associada com menores níveis de pressão arterial (PA), índice de massa corpórea (IMC), gordura corporal, colesterol LDL, TG, resistência à insulina e a maiores níveis de colesterol HDL. Não há evidências de danos causados pela maior atividade física na infância (EVIDÊNCIA A). A atividade física deve ser estimulada pelas escolas (EVIDÊNCIA A). É difícil definir atividade física moderada - intensa fora de um ambiente controlado (pratica de esportes aeróbicos por pelo menos 0-60 minutos, 3 a 5 vezes por semana). Como a diminuição do tempo sedentário também está associada à melhor evolução cardiovascular, a exposição a telas (computadores, videogames e TV) não deve ser maior que horas por dia. Recomendação: A anamnese na consulta de rotina deve avaliar o grau de atividade física e exposição à tela. A família e a criança precisam entender o porquê da importância das orientações. Exposição ao fumo A dependência ao fumo é responsável por 4 milhões de mortes no mundo, anualmente. A exposição aos produtos do tabaco intra-útero, a exposição passiva e o uso direto prejudicam a saúde nos fetos, lactentes, crianças e adolescentes. As evidências dos malefícios do fumo são todas inequívocas (EVIDÊNCIA A), e estudos epidemiológicos demonstram que o tabagismo continua presente em 3 a 1% dos adolescentes brasileiros. As evidencias quanto à eficiência das abordagens no consultório pediátrico tem resultados variáveis (EVIDÊNCIA B). Recomendação: O pediatra deve usar o momento da consulta pediátrica e sua relação com a família para identificar a presença de fumantes na família e orientar sobre os efeitos adversos. Se necessário encaminhá-los para grupos de ajuda e/ou terapias para apoio para que consigam se livrar do tabagismo. DI.ASS.1. 07/07/013 por

6 Hipertensão arterial Estudos epidemiológicos em crianças e adolescentes nos últimos 0 anos mostram que os valores de pressão arterial têm aumentado, bem como a incidência de hipertensão arterial e préhipertensão arterial. Esta alteração pode ser parcialmente explicada pelo aumento nas taxas de obesidade. No Brasil, estudos demonstram uma prevalência de 0,8 a 8,% na infância e adolescência. O aleitamento materno e a suplementação com fórmulas com ácidos graxos poli-insaturados, no lactente, estão associados com menores valores de pressão arterial no seguimento. Regimes nutricionais com maiores quantidades de frutas, vegetais, lácteos desnatados ou semidesnatados, cereais, grãos, peixes e aves e menores quantidades de açúcares, gorduras e carne vermelha estão associados a menores níveis de pressão arterial. Menores quantidades de ingestão de sódio estão associadas a menores valores de pressão arterial. Em um estudo de recém nascidos pequenos para a idade gestacional o uso de dieta hipercalórica para promover rápido ganho de peso se associou a maiores valores de pressão arterial na infância. Este risco potencial deve ser considerado em função do quadro clinico. Recomendação: Avaliar a pressão arterial pelo menos anualmente a partir de 3 anos e checar com curvas de percentil adequadas. Crianças com menos de 3 anos e fatores de risco devem ter a pressão arterial checada. Caso a pressão, em duas medidas, seja superior aos percentis 90 ou 95 seguir protocolos específicos. São fatores de risco (indicação de avaliar PA < 3 anos ) Prematuridade, muito baixo peso ao nascer, necessidade de UTI neonatal Doença cardíaca congênita Infecção urinaria pregressa, hematúria ou proteinúria Doença renal ou malformação urológica Tumores Tratamento com drogas que aumentam pressão arterial Aumento de pressão intracraniana DI.ASS.1. 07/07/013 por

7 Avaliação de perfil lipídico Evidencia combinada de estudos de autopsia, estudos vasculares e cohort sugerem fortemente que os níveis séricos de lípides na infância estão associados ao aumento da aterosclerose (EVIDÊNCIA B). A prevalência de hipercolesterolemia em escolares e adolescentes brasileiros varia de 10 a 35%, e hipertrigliceridemia em torno de %. As evidencias mostram que a identificação precoce e o controle das dislipidemias na infância e adolescência reduzem o risco de desenvolver doença cardiovascular clinica quando adultos jovens (EVIDÊNCIA B). Os valores de lípides e lipoproteinas na infância têm valor preditivo quanto ao futuro perfil lipídico na fase adulta; a relação estatística e mais forte entre os resultados do final da infância (9-11 anos) e as terceira e quarta décadas de vida (EVIDÊNCIA D). Os valores de LDL diminuem cerca de 10-0% durante a puberdade, voltando a aumentar na vida adulta. Usar apenas a historia familiar para estabelecer critérios para a triagem de lipídios na infância faz com que não se avalie 30-60% das crianças com dislipidemia, portanto é importante realizar esta avaliação em todas as crianças (EVIDÊNCIA B) O colesterol não HDL é preditivo de doença aterosclerótica tanto quanto o LDL e CT. A vantagem de usar o valor de colesterol não HDL (CT - HDL) é a pouca influencia do jejum o que o torna mais fácil como instrumento de triagem. Esta medida deve ser adicionada nas ferramentas de triagem nas dislipidemias da infância (EVIDÊNCIA B). As medidas de apolipoproteínas A e B não são superiores as medidas do Colesterol não HDL, LDL, HDL e não tem utilidade clinica em crianças (EVIDÊNCIA B). A obesidade é comumente associada a uma dislipidemia caracterizada por elevações discretas de CT e LDL, elevação moderada a severa de TG e níveis baixos de HDL. Este é o padrão de dislipidemia visto na infância e deve ser investigado em toda criança com sobrepeso ou obesidade. (EVIDÊNCIA B) DI.ASS.1. 07/07/013 por

8 Algumas patologias como hipotireoidismo, diabetes, síndrome nefrótica, doença inflamatória crônica, Kawasaki com doença coronariana, etc. podem levar a dislipidemia secundaria e representam risco elevado para aterosclerose (EVIDÊNCIA B). Tabela 3: Recomendações baseadas em evidencia para avaliação de lípides Idade Conduta Grau de Recomendação 0- anos Não realizar EVIDÊNCIA C Recomendado -8 anos Não realizar de rotina Realizar se: -historia familiar de DCV -pais com CT >40 -Diabetes, Hipertensão, obesidade ou sobrepeso. -condição medica de risco EVIDÊNCIA B Fortemente recomendado 9-11 anos Realizar triagem universal EVIDÊNCIA B Fortemente recomendado 1-16 anos Não realizar de rotina Realizar se: -historia familiar de DCV -pais com CT >40 -Diabetes, Hipertensão, obesidade -condição medica de risco EVIDÊNCIA B Fortemente recomendado anos Realizar triagem universal EVIDÊNCIA B Fortemente recomendado Recomendações: Avaliar perfil lipídico em todas as crianças entre 9-10 anos. Nas crianças com historia familiar ou sobrepeso/obesidade esta investigação pode ocorrer a partir dos anos. Para não perder a oportunidade de triagem, a avaliação de colesterol não HDL (Colesterol total - HDL) pode ser realizada mesmo sem jejum. DI.ASS.1. 07/07/013 por

9 Tipo Documental Se Colesterol LDL >130 ou Colesterol não HDL >145 ou HDL <40 ou TG > 100 (se maior de 10 anos, 130) fazer medidas (intervalo de semanas a 3 meses) e computar a media. Conclusões e grau de evidencia para o manejo dietético da dislipidemia: Como já citado a dieta com 5 a 35% de calorias na forma de gordura, com gordura saturada sendo menos de 10% das calorias e oferta de colesterol de no máximo 300mg/dia efetivamente reduz os níveis de colesterol total e LDL em crianças saudáveis (EVIDÊNCIA A). Em crianças com níveis elevados de colesterol a dieta pode ser mais restrita com aporte de no máximo 7% das calorias na forma de gordura saturada e limitar a ingestão de colesterol a 00mg/dia. A dieta é segura, mas modestamente eficiente em reduzir os níveis de LDL (EVIDÊNCIA A). Em crianças com elevação do nível de triglicérides, a redução da ingestão calórica e a perda de peso estão associadas com a diminuição destes níveis (EVIDÊNCIA B). A redução de carboidrato simples deve estar associada ao aumento de ingestão carboidratos complexos e redução da ingestão de gorduras saturadas bem como aumento da atividade física. Recomendação: A mudança comportamental e alimentar que envolva a criança e a família é o primeiro passo terapêutico no controle dos lípides e é mais efetiva quando associada à orientação de nutricionista (EVIDÊNCIA B). Uso de medicamentos para tratamento das hiperlipidemias Quando a medicação é recomedada, a decisão deve ser tomada no contexto do perfil de risco cardiovascular do paciente e de comum acordo com o paciente (se cabível) e a família. A decisão deve ser baseada na média de resultados obtidos num intervalo de semanas a 3 meses (EVIDÊNCIA C). Os valores de corte utilizados abaixo tem sido a base para inúmeros estudos sobre a segurança e eficiência do tratamento medicamentoso nas crianças com dislipidemia (EVIDÊNCIA B). A meta da terapia é baixar o LDL e atingir valores menores que 130mg/dl (< percentil 95). DI.ASS.1. 07/07/013 por

10 Indicações de tratamento com estatinas: Colesterol médio ( medidas) LDL > 130mg/dl ou colesterol não HDL >145mg/dl --- orientação nutricional Apos 6 meses, repetir colesterol total e frações. Se: LDL < 130 mg/dl ---- manter conduta e reavaliar em 1 ano LDL = mg/dl sem fator de risco ou historia familiar--- reavaliar 6/6 meses LDL = mg/dl com fatores de risco alto ou 1 fator de risco alto + fatores risco moderados -- considerar estatinas LDL = mg/dl com Historia familiar de DCV ou 1 fator de risco alto ou fatores de risco moderado---considerar estatina LDL > 190 mg/dl ---- considerar uso de estatina Fatores de risco para dislipidemias: Historia familiar de Infarto miocárdio, angina, angioplastia, morte súbita em parentes < 55 anos para homens ou 65 anos para mulheres. Fatores de risco alto Hipertensão que necessite terapia medicamentosa Fumante IMC > 97% Presença de condição de alto risco: o DM tipo 1 ou o Doença crônica renal o Transplante renal ou cardíaco Fatores de risco moderado Hipertensão que não precise terapia IMC entre 95 e 97% HDL colesterol < 40mg/dl Presença de condição de risco moderado: DI.ASS.1. 07/07/013 por

11 o Kawasaki com aneurisma de coronária o Dença inflamatória crônica (Lúpus, artrite reumatóide..) o Infecção por HIV o Síndrome nefrótica As estatinas inibem a enzima hidroximetilglutaril coenzima A redutase, que faz parte da cadeia de síntese do colesterol endógeno. Não há evidencias de ações adversas no crescimento, maturação sexual, desenvolvimento em crianças maiores de 8 anos e o perfil de efeitos colaterais é similar aos de estudos em adultos, como alterações de enzimas hepáticas e miopatias (EVIDÊNCIA A), e estas devem ser monitorizadas periodicamente As estatinas devem ser iniciadas com a menor dose (10mg) e após 3 meses pode haver um incremento de 10mg caso não se alcance a meta desejada. Atorvastatina (Lípitor ), Fluvastatina (Lescol ), Lovastatina (Mevacor, Lovast ), Pravastatina (Mevalotin, Pravacol ), Rosuvastatina (Vivacor ) e Sinvastatina (Zocor ) são aprovadas pelo FDA para uso em crianças maiores de 10 anos. Os quelantes de sais biliares podem, se necessário, ser utilizados em conjunto com as estatinas e seu efeito é somatório. Não há evidencia para o uso de Niacina e Fibratos em crianças (EVIDÊNCIA C). Normalmente as elevações de TG respondem bem ao controle da dieta e perda de peso, não sendo necessária medicação (grau B). Níveis de TG > 500 necessitam encaminhamento para especialista. Óleo de peixe com omega 3 pode abaixar o nível de TG em 30% e aumentar o HDL em 6 a 17% em adultos, mas não há estudos randomizados controlados em crianças (EVIDÊNCIA D). Sobrepeso e obesidade O aumento importante no sobrepeso e obesidade na infância e adolescência é evidente no nosso meio. Em função da forte associação entre obesidade e outros fatores de risco (dislipidemia, DM tipo, hipertensão arterial) a obesidade é ainda mais fortemente associada com aterosclerose. Altos índices de massa corpórea nas crianças se relacionam fortemente com aumento de incidência de DCV nos adultos. Em 1997, a prevalência de obesidade entre a 17 anos no Brasil, era de 10,1%. DI.ASS.1. 07/07/013 por

12 Para identificar sobrepeso e obesidade o pediatra deve regularmente calcular o IMC e comparar com uma curva de percentil para IMC (as curvas do CDC são as preferidas como referência). O sobrepeso é definido quando o IMC está entre os percentis 85 e 95% e a obesidade quando o IMC está maior que o percentil 95%. Estes índices são confiáveis como ponto de partida para uma triagem de risco cardiovascular. Existe boa evidencia de que programas combinados de perda de peso que incluem dieta com redução calórica e aumento de atividade física em crianças maiores de 6 anos com IMC > 95% e sem comorbidades trazem resultados (EVIDÊNCIA A). No entanto estes programas se mostraram eficientes apenas em situação de pesquisa ou em locais com atendimento multidisciplinar. O mesmo resultado é difícil de ser atingido no atendimento primário. Não há dados que evidenciam o mesmo sucesso de tais programas de perda de peso em crianças com menos de 6 anos. Atividade física em intensidade de treinamento (pelo menos 4 vezes por semana, por 60 minutos) ajuda a diminuir a gordura corporal, o IMC, a reduzir a pressão arterial e a resistência periférica a insulina. Recomendação: O pediatra deve estar atento às crianças que apresentam risco de desenvolver sobrepeso ou obesidade durante o crescimento. A historia familiar de um ou os pais obeso, a tendência da curva e a falta de atividade física são alguns dos sinais de risco. As intervenções nutricionais e de aconselhamento devem se iniciar tão cedo quanto possível. Nota: Estas recomendações resultaram da revisão crítica da literatura e de práticas atuais, e não tem a intenção de impor padrões de conduta, mas ser um instrumento na prática clínica diária. O médico, frente ao seu paciente (inclusive considerando as opiniões deste), deve fazer o julgamento a respeito da decisão de tratamento ou das prioridades de qualquer procedimento. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS 1. Expert Panel on Integrates Guidelines for cardiovascular Health and Risk Reduction in Children and Adolescents. Expert Panel on Integrates Guidelines for cardiovascular Health and Risk Reduction in Children and Adolescents: Summary Report. Pediatrics 011; 18-S6: S1-44. DI.ASS.1. 07/07/013 por

13 . Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento de Nutrologia. Manual de orientação: alimentação do lactente, alimentação do pré-escolar, alimentação do escolar, alimentação do adolescente, alimentação na escola. Sociedade Brasileira de Pediatria - Departamento de Nutrologia. São Paulo, High Blood Pressure Education Program Working Group on High Blood Pressure in Children and Adolescents. The fourth report on the diagnosis, evaluation, and treatment of high blood pressure in children and adolescents.pediatrics 004;114( suppl 4 th Report): Sociedade Brasileira de Cardiologia. I diretriz de prevenção da aterosclerose na infância e na adolescência. Arquivos Brasileiros de Cardiologia - Volume 85, Suplemento VI, Dezembro 005. ELABORAÇÃO DESTE DOCUMENTO Autoria: Durval Aníbal Daniel Filho,. Núcleo de Pediatria Baseada em Evidências (à época da discussão):, Ana Claudia Brandão,, Debora Ariela Kalman, Denise Katz, Gonçalves Pires, João Fernando L. de Almeida, Marcelo Luiz Abramczyk, Tania Maria Russo Zamataro, Victor Nudelman. RESUMO Descrição em forma de resumo para acesso em meios alternativos de conectividade como tablets ou celulares DI.ASS.1. 07/07/013 por

14 ANEXOS DOCUMENTOS RELACIONADOS DESCRIÇÃO RESUMIDA DA REVISÃO 00 (/08/013 03:08:43 PM) - A principal causa de morte em adultos são as doenças cardiovasculares. A prevenção primária é feita na pediatria, com a promoção de saúde. É importante que o pediatra, na sua atenção primária à saúde, estimule atividade física, dieta saudável, rica em vegetais e cereais integrais, e pobre em gorduras saturadas de origem animal. Além disso, é importante que por volta dos 10 anos de idade seja feita uma dosagem do colesterol total e frações. (13/11/014 0:50:1 PM) - Diretriz revisada e reformatada. DI.ASS.1. 07/07/013 por

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012)

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

Obesidade Infantil. O que é a obesidade

Obesidade Infantil. O que é a obesidade Obesidade Infantil O que é a obesidade A obesidade é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma doença em que o excesso de gordura corporal acumulada pode atingir graus capazes de afectar

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Prevenção Cardio vascular Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Principal causa de morte em todo o mundo Considerada uma EPIDEMIA pela OMS em 2009 Alta mortalidade Alta morbidade = Muitas

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

O HDL é conhecido como o bom colesterol porque remove o excesso de colesterol e traz de volta ao fígado onde será eliminado. O LDL-colesterol é o

O HDL é conhecido como o bom colesterol porque remove o excesso de colesterol e traz de volta ao fígado onde será eliminado. O LDL-colesterol é o DISLIPIDEMIA Introdução Dislipidemias, também chamadas de hiperlipidêmicas, referem-se ao aumento dos lipídios no sangue, principalmente do colesterol e dos triglicerídeos. O colesterol é uma substância

Leia mais

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Dra. Carla Romagnolli JNC 8 Revisão das evidências Ensaios clínicos randomizados controlados; Pacientes hipertensos com > 18 anos de idade;

Leia mais

Perfil Lipídico. Prof. Fernando Ananias FUNÇÃO DOS LIPÍDIOS

Perfil Lipídico. Prof. Fernando Ananias FUNÇÃO DOS LIPÍDIOS Perfil Lipídico Prof. Fernando Ananias FUNÇÃO DOS LIPÍDIOS Maior reserva corporal de energia tecidos muscular e subcutâneo Proteção contra traumatismo: 4% Isolamento térmico Transportadores de vitaminas

Leia mais

O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS?

O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS? O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS? Franklim A. Moura Fernandes http://www.melhorsaude.org Introdução Os triglicerídeos, também chamados de triglicéridos, são as principais gorduras do nosso organismo e compõem

Leia mais

E L R O R B ETSE SO L O R C FALAS O VAM

E L R O R B ETSE SO L O R C FALAS O VAM SOBRE COLESTEROL VAMOS FALAR COLESTEROL O nome colesterol vem do grego e significa cálculo biliar. Ele foi batizado pelo químico francês Michel Eugene Chevreul, em 1815. Presente nas gorduras animais,

Leia mais

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 Dislipidemias Raul D. Santos Unidade Clínica de Lípides InCor-HCFMUSP Faculdade de Medicina da USP Metabolismo do colesterol,

Leia mais

O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) ANA CLÁUDIA LIMA RODRIGUES, KARINA FEITAL E VANESSA DINIZ DO NASCIMENTO 1. Introdução O tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) inclui estratégias

Leia mais

ESTADO D O AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MAN AUS GABINETE VEREADOR JUNIOR RIBEIRO

ESTADO D O AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MAN AUS GABINETE VEREADOR JUNIOR RIBEIRO PROJETO DE LEI Nº. 253 / 2014 Dispõe sobre a obrigatoriedade do uso de equipamentos de Ionização de água potável em Unidades de Tratamento de doenças degenerativas da Rede Pública Municipal e de Organizações

Leia mais

E E R D A B DISEB SO O RA S FALOM VA

E E R D A B DISEB SO O RA S FALOM VA VAMOS FALAR SOBRE OBESIDADE OBESIDADE A obesidade é uma doença crônica caracterizada pelo excesso de gordura corporal no organismo ou quando o peso do corpo ultrapassa em 20% o peso ideal. É atualmente

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

Lípidos e dislipidemia. Cláudio David

Lípidos e dislipidemia. Cláudio David Lípidos e dislipidemia Cláudio David Os lípidos Os 3 principais tipos de lípidos são: Glicéridos (triglicéridos) Esteróis (colesterol) Fosfolípidos (fosfatidil colina=lecitina e esfingomielina) Glicerol

Leia mais

Coração Saudável! melhor dele?

Coração Saudável! melhor dele? As doenças cardiovasculares (DCV s) - incluem as doenças coronarianas e o acidente vascular cerebral (AVC) também conhecido como derrame afetam pessoas de todas as idades, até mesmo mulheres e crianças.

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

Ácido nicotínico 250 mg, comprimido de liberação Atorvastatina 20 mg, comprimido; Bezafibrato 400 mg, comprimido; Pravastatina 20 mg, comprimido;

Ácido nicotínico 250 mg, comprimido de liberação Atorvastatina 20 mg, comprimido; Bezafibrato 400 mg, comprimido; Pravastatina 20 mg, comprimido; DISLIPIDEMIA PARA A PREVENÇÃO DE EVENTOS CARDIOVASCULARES E PANCREATITE (CID 10: E78.0; E78.1; E78.2; E78.3; E78.4; E78.5; E78.6; E78.8) 1. Medicamentos Hipolipemiantes 1.1. Estatinas 1.2. Fibratos Atorvastatina

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS - 2006

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS - 2006 MANUAL DE BOAS PRÁTICAS - 2006 Administração Regional de Saúde do Norte Comissão de Farmácia e Terapêutica da Região Norte Introdução As doenças cardiovasculares são a principal causa de mortalidade em

Leia mais

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE 01 CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE A obesidade é uma doença crónica que se caracteriza pelo excesso de gordura corporal e que atinge homens, mulheres e crianças de todas as etnias e idades. A sua prevalência

Leia mais

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes TER DIABETES NÃO É O FIM... É o início de uma vida mais saudável, com alimentação

Leia mais

1,ROT000LO :11_ SP :8/NOW201: 18:52 10006715

1,ROT000LO :11_ SP :8/NOW201: 18:52 10006715 1,ROT000LO :11_ SP :8/NOW201: 18:52 10006715 / PROJETO DE LEI N 3/-3 /2013 ITUI A SEMANA DE PREVENÇÃO E CO ROLE DA DIABETE E COLESTEROL NO M ICÍPIO DE LIMEIRA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". Art. 1 - Fica instituída

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diabetes & você

INTRODUÇÃO. Diabetes & você INTRODUÇÃO Diabetes & você Uma das coisas mais importantes na vida de uma pessoa com diabetes é a educação sobre a doença. Conhecer e saber lidar diariamente com o diabetes é fundamental para levar uma

Leia mais

Triglicerídeos altos podem causar doenças no coração. Escrito por Fábio Barbosa Ter, 28 de Agosto de 2012 11:19

Triglicerídeos altos podem causar doenças no coração. Escrito por Fábio Barbosa Ter, 28 de Agosto de 2012 11:19 Os triglicerídeos são a principal gordura originária da alimentação, mas podem ser sintetizados pelo organismo. Altos níveis de triglicerídeos (acima de 200) associam-se à maior ocorrencia de doença coronariana,

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? TIPOS

O QUE É COLESTEROL? TIPOS O QUE É COLESTEROL? O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal (carne, leite integral, ovos etc.). Em nosso

Leia mais

Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol

Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol COLESTEROL O nome colesterol vem do grego e significa cálculo biliar. Ele foi batizado pelo químico francês Michel Eugene Chevreul, em 1815.

Leia mais

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si A função da insulina é fazer com o que o açúcar entre nas células do nosso corpo, para depois poder

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO Mari Uyeda* Pedro Henrique Martins de Lima** RESUMO: As mudanças nas práticas alimentares e no padrão de atividades físicas culminaram em

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana RESUMO Posicionamento Oficial do Colégio Americano de Medicina Esportiva: Exercise

Leia mais

American Dietetic Association

American Dietetic Association É um método sistemático para resolução de problemas que os profissionais de nutrição empregam para pensar de modo crítico e tomar decisões para resolver problemas nutricionais e prestar assistência nutricional

Leia mais

Por não serem solúveis na água, os lípidos circulam no plasma sob a forma de lipoproteínas. Os ácidos gordos livres circulam ligados à albumina.

Por não serem solúveis na água, os lípidos circulam no plasma sob a forma de lipoproteínas. Os ácidos gordos livres circulam ligados à albumina. LIPOPROTEÍNAS E DISLIPIDÉMIAS Por não serem solúveis na água, os lípidos circulam no plasma sob a forma de lipoproteínas. Os ácidos gordos livres circulam ligados à albumina. Transporte dos lípidos Classificação

Leia mais

Médico Pediatra Cursos de Pós-Graduação: Nutrologia / Homeopatia / Saúde Pública Presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Santa

Médico Pediatra Cursos de Pós-Graduação: Nutrologia / Homeopatia / Saúde Pública Presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Santa Médico Pediatra Cursos de Pós-Graduação: Nutrologia / Homeopatia / Saúde Pública Presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Santa Catarina Hipócrates (pai da Medicina, 460 a.c.) 1-

Leia mais

CUIDANDO DO SEU CORAÇÃO Controle e Prevenção da Doença Aterosclerótica Coronariana

CUIDANDO DO SEU CORAÇÃO Controle e Prevenção da Doença Aterosclerótica Coronariana HOSPITAL DAS CLÍNICAS - UFMG Programa de Reabilitação Cardiovascular e Metabólica Residência Multiprofissional em Saúde Cardiovascular CUIDANDO DO SEU CORAÇÃO Controle e Prevenção da Doença Aterosclerótica

Leia mais

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo 76 Estudo comparativo entre hipertensos que utilizam e os que não utilizam medicamentos fornecidos pelo SUS na unidade de saúde Três Poços Geraldo Assis Cardoso 1 Ana Paula Ferreira Vilarinho 2 Douglas

Leia mais

Sumário. Data: 19/11/2013 NTRR 224/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Sumário. Data: 19/11/2013 NTRR 224/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura NTRR 224/2013 Solicitante: Dr. João Batista Simeão da Silva Comarca de Bom Despacho Minas Gerais Data: 19/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0035442-11.2013.8.13.0074

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

Boletim Brasileiro de Avaliação de Tecnologias em Saúde

Boletim Brasileiro de Avaliação de Tecnologias em Saúde 09BRATS ISSN 1983-7003 Ano IV nº 9 Setembro de 2009 ESTATINAS NA PREVENÇÃO PRIMÁRIA DE EVENTOS CARDIOVASCULARES Resumo As doenças cardiovasculares (DCV) acometem o coração e os vasos sanguíneos e, atualmente,

Leia mais

AS SOLUÇÕES... 1. A prevalência da diabetes na população portuguesa entre os 20-79 anos é:

AS SOLUÇÕES... 1. A prevalência da diabetes na população portuguesa entre os 20-79 anos é: RESPOSTAS OBTIDAS AS SOLUÇÕES... 1. A prevalência da diabetes na população portuguesa entre os 20-79 anos é: a) inferior a 10% b) superior a 20% c) entre 13-14% d) nenhuma das anteriores 2. Em Portugal

Leia mais

Doenças Cardiovasculares

Doenças Cardiovasculares Doenças Cardiovasculares doenças cardiovasculares 1 ÍNDICE O que são as doenças cardiovasculares? 1 Sabe como prevenir as doenças cardiovasculares? 2 Factores modificáveis 4 Açúcar elevado no sangue 4

Leia mais

4.00.00.00-1 CIÊNCIAS DA SAÚDE NUTRIÇÃO 4.05.00.00-4

4.00.00.00-1 CIÊNCIAS DA SAÚDE NUTRIÇÃO 4.05.00.00-4 4.00.00.00-1 CIÊNCIAS DA SAÚDE NUTRIÇÃO 4.05.00.00-4 AVALIAÇÃO DO PERFIL NUTRICIONAL E ANTROPOMÉTRICO DE PROFESSORES E FUNCIONÁRIOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE MARINGÁ Pr. Débora Janaina Aymoré;

Leia mais

Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( )

Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Elizabeth Vargas Nutricionista Unilever America Latina Seminário Tecnológico de Nutrição, Saudabilidade e Meio Ambiente Junho 2014

Leia mais

Colesterol. Você pode verificar os rótulos nutricionais (como este de uma lata de atum) para obter informações sobre o colesterol

Colesterol. Você pode verificar os rótulos nutricionais (como este de uma lata de atum) para obter informações sobre o colesterol Colesterol Fonte: http://hsw.uol.com.br/ Introdução Segundo a Associação Americana do Coração (em inglês), altos níveis de colesterol são fatores de risco para doenças do coração, principal motivo de mortes

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Percepção do estado de saúde Autoavaliação da saúde A avaliação do estado de saúde consiste na percepção que os indivíduos possuem de sua própria saúde. Por conseguinte, é um indicador

Leia mais

1CARTÃO DE MELHORIA DA SAÚDE

1CARTÃO DE MELHORIA DA SAÚDE World Health Professions Alliance WHPA 1CARTÃO DE MELHORIA DA SAÚDE GUIA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE WORLD HEALTH PROFESSIONS ALLIANCE WHPA C/O WORLD MEDICAL ASSOCIATION BP 63 01210 FERNEY VOLTAIRE FRANCE

Leia mais

Diabetes Mellitus Gestacional em mulheres de baixa renda de uma região da bacia amazônica

Diabetes Mellitus Gestacional em mulheres de baixa renda de uma região da bacia amazônica Diabetes Mellitus Gestacional em mulheres de baixa renda de uma região da bacia amazônica Autor(es): Júlia Maria Martins Vieira 1 ; Kessila Nayane Costa Cruz 1 ; Pâmella Ferreira Rodrigues 1,2 ; Tutor:

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Lipidil fenofibrato micronizado APRESENTAÇÕES

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Lipidil fenofibrato micronizado APRESENTAÇÕES IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Lipidil fenofibrato micronizado APRESENTAÇÕES Cápsulas. Cada cápsula contém 200 mg de fenofibrato micronizado. Cartucho com 30 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

Hábitos alimentares e estilo de vida saudáveis

Hábitos alimentares e estilo de vida saudáveis Hábitos alimentares e estilo de vida saudáveis Fabrille Carneiro Corrêa Nutricionista CRN 08101589 E-MAIL: fabrillenut@ig.com.br Tel: 9877-6593 O QUE É SAÚDE? "Saúde é um estado de completo bem-estar físico,

Leia mais

Congregação das Filhas do Amor Divino

Congregação das Filhas do Amor Divino Congregação das Filhas do Amor Divino EXERCÍCIO FÍSICO E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Em se tratando dos conhecimentos necessários para a prática de exercícios e/ou atividades físicas, a alimentação deve ser considerada

Leia mais

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE IDOSO DOENÇAS MAIS COMUNS Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde começam a aparecer, conheça alguns dos mais comuns e saiba como se prevenir: 1 2 DIABETES

Leia mais

Atividade física no ambiente escolar

Atividade física no ambiente escolar Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção BásicaB Coordenação ão-geral da Política de Alimentação e Nutrição Atividade física x alimentação saudável no ambiente escolar

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul 29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul BUSCA ATIVA DOS SERVIDORES HIPERTENSOS E DIABÉTICOS DA UEM: ORIENTAÇÃO, PREVENÇÃO, TRIAGEM E ENCAMINHAMENTO MÉDICO DE TRABALHADORES DE UMA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Criança nutrida & criança Vitaminada

Criança nutrida & criança Vitaminada Criança nutrida & criança Vitaminada IMC INFANTIL Muitos pais se preocupam com o peso e a estatura de seu filho. Questionam-se se a massa corporal da criança está de acordo com a idade, se a alimentação

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA Andréa Ott 1, Arléia Maria Gassen 1, Catiana de Moura Morcelli 1, Elisângela Maria Politowski 1, Débora Krolikowski 2 Palavras-chave: nutrição humana, criança, saúde. INTRODUÇÃO

Leia mais

OBESIDADE NA COMUNIDADE, O QUE FAZER? Um guia simplificado para o Agente Comunitário de Saúde

OBESIDADE NA COMUNIDADE, O QUE FAZER? Um guia simplificado para o Agente Comunitário de Saúde 0 OBESIDADE NA COMUNIDADE, O QUE FAZER? Um guia simplificado para o Agente Comunitário de Saúde Coordenação de Vigilância Nutricional GVE/SUVISA/SES-GO 2015 1 OBESIDADE NA COMUNIDADE, O QUE FAZER? Um guia

Leia mais

Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade

Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site

Leia mais

LIPNEO (ciprofibrato)

LIPNEO (ciprofibrato) LIPNEO (ciprofibrato) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido 100mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LIPNEO ciprofibrato APRESENTAÇÃO Comprimido de 100mg: Embalagem com 30 comprimidos.

Leia mais

conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS

conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS 2013 Diretoria Executiva Diretor-Presidente: Cassimiro Pinheiro Borges Diretor Financeiro: Eduardo Inácio da Silva Diretor de Administração: André Luiz de Araújo Crespo

Leia mais

Nutrição PADRÃO DE RESPOSTA

Nutrição PADRÃO DE RESPOSTA Nutrição PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para o agravamento

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

Carne suína e dietas saudáveis para o coração. Semíramis Martins Álvares Domene Prof a. Titular Fac. Nutrição PUC-Campinas

Carne suína e dietas saudáveis para o coração. Semíramis Martins Álvares Domene Prof a. Titular Fac. Nutrição PUC-Campinas Carne suína e dietas saudáveis para o coração Semíramis Martins Álvares Domene Prof a. Titular Fac. Nutrição PUC-Campinas As doenças cardiovasculares representam uma preocupação crescente para os profissionais

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA (PROCOR)

PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA (PROCOR) PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA (PROCOR) Priscila Bendo Acadêmica do Curso de Educação Física da UFSC Luiza Borges Gentil Acadêmica do Curso de Medicina da UFSC José Henrique Ramos

Leia mais

Editor. Coordenador de Normatizações e Diretrizes da SBC. Editores. Membros do Comitê. Coordenação Geral. Esta diretriz deverá ser citada como:

Editor. Coordenador de Normatizações e Diretrizes da SBC. Editores. Membros do Comitê. Coordenação Geral. Esta diretriz deverá ser citada como: Diretriz sobre o Consumo de Gorduras e Saúde Cardiovascular 137 Coordenador de Normatizações e Diretrizes da SC Harry Correa Filho Editores Guilherme Fenelon e Silvana. D. Nishioka Coordenação Geral na

Leia mais

Tipos de Diabetes e 10 Super Alimentos Para Controlar a Diabetes

Tipos de Diabetes e 10 Super Alimentos Para Controlar a Diabetes Esse Ebook Tem O Objetivo de Ajudar Diabéticos, a Levar Uma Vida Normal Lembrando Que A Diabetes E Uma doença Silenciosa, e Muito Perigosa se Você Ignora-la. Um Outro Ponto Importante e Que A forma de

Leia mais

EFEITO PROJETADO DA DIETA DE REDUÇÃO DE SAL NA DOENÇA CARDIOVASCULAR FUTURA

EFEITO PROJETADO DA DIETA DE REDUÇÃO DE SAL NA DOENÇA CARDIOVASCULAR FUTURA EFEITO PROJETADO DA DIETA DE REDUÇÃO DE SAL NA DOENÇA CARDIOVASCULAR FUTURA AP R E S E N TAD O P O R R E N AT O AN T U N E S C AI R E S N A R E U N I Ã O D A U N I D AD E D E H I P E R T E N S Ã O D O

Leia mais

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Randomizado Apresentado por Tatiana Goveia Araujo na reunião

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 MARINA SOUSA PINHEIRO MOTA ALUÍSIO DE MOURA FERREIRA MARIA DE FÁTIMA RAMOS DE QUEIROZ MARIA DO SOCORRO RAMOS DE QUEIROZ DANIELE IDALINO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.131/2015

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.131/2015 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.131/2015 (Publicada no D.O.U. em 13 jan. 2016, Seção I, p. 66) (Retificação publicada no D.O.U. 29 jan. 2016, Seção I, p. 287) Altera o anexo da Resolução CFM nº 1.942/10, publicada

Leia mais

Este capítulo tem como objetivo, tecer algumas considerações. Epidemiologia, Atividade Física e Saúde INTRODUÇÃO

Este capítulo tem como objetivo, tecer algumas considerações. Epidemiologia, Atividade Física e Saúde INTRODUÇÃO 1 Epidemiologia, Atividade Física e Saúde Efi gênia Passarelli Mantovani Especialista em Atividade Física e Qualidade de Vida Unicamp Vera Aparecida Madruga Forti Profa. Dra. do Departamento de Estudos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 Importância da avaliação nutricional em Cuidados Continuados Março 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 4. GUIA PARA PREVENIR E

Leia mais

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Coração saudável Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Qual a importância da doença cardiovascular? Milhões de Mortes* Mortalidade por doenças cardiovasculares em 1990 e 2020 Países desenvolvidos

Leia mais

- Grupo de Apoio e Educação em Diabetes

- Grupo de Apoio e Educação em Diabetes DIABETES O que é Diabetes mellitus é uma doença crônica resultante do desequilíbrio entre a secreção e a sensibilidade à insulina. A classificação tradicional segrega as condições hiperglicêmicas nos seguintes

Leia mais

Parar de fumar Resumo de diretriz NHG M85 (maio 2011)

Parar de fumar Resumo de diretriz NHG M85 (maio 2011) Parar de fumar Resumo de diretriz NHG M85 (maio 2011) Chavannes NH, Kaper J, Frijling BD, Van der Laan JR, Jansen PWM, Guerrouj S, Drenthen AJM, Bax W, Wind LA traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

Cartilha. pela Saúde da Mulher

Cartilha. pela Saúde da Mulher Cartilha pela Saúde da Mulher Cólica Menstrual Excesso de Gorduras no Sangue A cólica menstrual ou dismenorreia é uma dor abdominal provocada pelas contrações uterinas que ocorrem durante a menstruação.

Leia mais

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nut. Sandra Mari Barbiero barbierosandra@yahoo.com.br Doenças e Agravos Não Transmissíveis (DANTs) São doenças multifatoriais a) Fatores de Risco Não modificáveis:

Leia mais

QFase REVISTA TJ 11. Tiago Elias Junior. Volume 02 julho/2014 Ano 1 Bebedouro SP. Redator chefe. Experiências. Bebe da Semana. Obesidade infantil

QFase REVISTA TJ 11. Tiago Elias Junior. Volume 02 julho/2014 Ano 1 Bebedouro SP. Redator chefe. Experiências. Bebe da Semana. Obesidade infantil Marca registrada Volume 02 julho/2014 no 1 Bebedouro SP QFase REVIST Obesidade infantil Por : Dr. Tiago Elias Diferença da criança gordinha da criança obesa Bebe da Semana O Bebê da semana do facebook

Leia mais

NUTRICIONISTA PORTUGUÊS

NUTRICIONISTA PORTUGUÊS NUTRICIONISTA PORTUGUÊS 01. Seus amigos realmente confiam em que você vença na vida?. Sintaticamente a oração em destaque classifica-se como: a.( ) Oração subordinada substantiva subjetiva b.( ) Oração

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

Comorbidade entre depressão e doenças clínicas em um ambulatório de geriatria.

Comorbidade entre depressão e doenças clínicas em um ambulatório de geriatria. Artigo Técnico Saúde Total Novembro / 2007 Comorbidade entre depressão e doenças clínicas em um ambulatório de geriatria. O envelhecimento populacional fará com que os médicos e profissionais de saúde,

Leia mais

Na diabetes e dislipidemia

Na diabetes e dislipidemia Cuidados de saúde primários e Cardiologia NOCs e Guidelines: com tanta orientação ficamos mesmo orientados? Na diabetes e dislipidemia Davide Severino 4.º ano IFE de Cardiologia Hospital de Santarém EPE

Leia mais

Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares

Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares Ms. Jacqueline Queiroz Silveira Nutricionista e Doutoranda Faculdade de Ciências Farmacêuticas - UNESP Araraquara

Leia mais