CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 8 de Dezembro de 2011 (15.12) (OR. en) 18345/11

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 8 de Dezembro de 2011 (15.12) (OR. en) 18345/11"

Transcrição

1 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 8 de Dezembro de 2011 (15.12) (OR. en) 18345/11 RECH 427 COMPET 602 REGIO 168 ENER 398 CULT 116 SOC 1099 SAN 270 ENV 939 AGRI 859 ESPACE 84 TELECOM 207 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Conselho para: Delegações n.º doc. Com.: 14454/11 RECH 307 COMPET 405 ENV 694 TRANS 242 PECHE /11 RECH 345 COMPET 462 REGIO 107 ENER 337 CULT 87 SOC 914 SAN /11 RECH 346 COMPET 464 ENV 818 AGRI 734 ESPACE 61 ENER 338 TELECOM /11 RECH 356 COMPET 481 ENV 837 AGRI 745 REGIO /11 RECH 357 COMPET 482 ENV 838 AGRI 746 SAN 224 n.º doc. ant.: 17424/11 RECH 385 COMPET 550 REGIO 136 ENER 379 CULT 109 SOC 1032 SAN 254 ENV 897 AGRI 805 ESPACE 77 TELECOM 184 Assunto: Conclusões do Conselho sobre o lançamento das iniciativas de programação conjunta em matéria de 'Mares e Oceanos Sãos e Produtivos', 'Europa Urbana Desafios Urbanos Globais, Soluções Europeias Comuns', Coordenar os conhecimentos sobre clima em prol da Europa', 'Desafios da água para um mundo em mudança' e 'Desafio microbiano Uma ameaça emergente para a saúde humana' Conclusões do Conselho 18345/11 VLC/ml 1 DG C II PT

2 Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões do Conselho sobre o lançamento das iniciativas de programação conjunta em matéria de 'Mares e Oceanos Sãos e Produtivos', 'Europa Urbana Desafios Urbanos Globais, Soluções Europeias Comuns', Coordenar os conhecimentos sobre clima em prol da Europa', 'Desafios da água para um mundo em mudança' e 'Desafio microbiano uma ameaça emergente para a saúde humana' adoptadas pelo Conselho (Competitividade) na reunião de 6 de Dezembro de /11 VLC/ml 2 DG C II PT

3 ANEXO Conclusões do Conselho sobre o lançamento das iniciativas de programação conjunta em matéria de 'Mares e Oceanos Sãos e Produtivos', 'Europa Urbana Desafios Urbanos Globais, Soluções Europeias Comuns', Coordenar os conhecimentos sobre clima em prol da Europa', 'Desafios da água para um mundo em mudança' e 'Desafio microbiano uma ameaça emergente para a saúde humana' O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, RECORDANDO O Livro Verde da Comissão de 4 de Abril de 2007, intitulado "O Espaço Europeu da Investigação: novas perspectivas" 1, em que um dos principais objectivos consistia em assegurar a coerência dos programas nacionais e regionais de investigação, bem como das prioridades sobre questões relacionadas com os principais desafios ou oportunidades sociais relevantes para todos os países, ou muitos deles, o que requer uma nova abordagem no tocante aos esforços em matéria de investigação para além da capacidade dos Estados- -Membros a nível individual; O documento sobre as questões-chave, elaborado pelo Conselho (Competitividade) 2 de 25 de Fevereiro de 2008, em que incitava os Estados-Membros e a Comissão a continuarem a desenvolver iniciativas para uma programação conjunta da investigação nos domínios em que tal se afigure oportuno, permitindo uma abordagem mais estratégica e bem estruturada do lançamento de novos programas conjuntos e de convites comuns à apresentação de projectos; As conclusões do Conselho Europeu de 13 e 14 de Março de , que lançaram o novo ciclo da Estratégia de Lisboa para o Crescimento e o Emprego ( ) e confirmaram que, para explorar plenamente o potencial de inovação e de criatividade dos cidadãos europeus, deve ser prestada uma atenção especial a novas iniciativas no sentido de uma programação conjunta da investigação; / / /1/08 REV /11 VLC/ml 3

4 A comunicação da Comissão de 15 de Julho de 2008, intitulada "Para uma programação conjunta em investigação: Trabalhar em conjunto para enfrentar mais eficazmente os desafios comuns" 4, que apela ao lançamento de um processo conduzido pelos Estados-Membros para intensificarem a sua cooperação no domínio da I&D a fim de fazer frente aos grandes desafios societais à escala pan-europeia ou à escala mundial, em que a investigação pública desempenha um papel essencial; As conclusões do Conselho de 2 de Dezembro de 2008 sobre a programação conjunta da investigação na Europa em resposta aos grandes desafios sociais 5, que criaram uma formação específica do CREST, o Grupo de Alto Nível para a Programação Conjunta (GPC), tendo em vista identificar e concretizar a primeira lista de um número limitado de temas de programação conjunta; As conclusões do Conselho de 3 de Dezembro de em que lançou a Iniciativa-piloto de Programação Conjunta (IPC) consagrada à luta contra as doenças neurodegenerativas, com especial destaque para a doença de Alzheimer e acolheu favoravelmente a identificação e concretização da "primeira vaga" de temas para IPC nos domínios da "Agricultura, segurança alimentar e alterações climáticas", "Património Cultural e Alterações Globais: um novo desafio para a Europa", e "Um regime alimentar saudável para uma vida saudável"; As conclusões do Conselho de 26 de Maio de nas quais acolheu favoravelmente as recomendações da Comissão relativas à primeira vaga de IPC e convida esta instituição a contribuir, no âmbito da sua competência, para a elaboração de novas IPC relacionadas com os temas identificados e concretizados pelo GPC nos seguintes domínios: "Interligando os Conhecimentos Climáticos para a Europa (Clik'EU)", "Mares e Oceanos Saudáveis e Produtivos", "Mais Anos, Melhor Vida O Potencial e os Desafios das Alterações Demográficas", "Desafio microbiano Uma ameaça emergente para a saúde humana", "Europa Urbana Desafios Globais, Soluções Locais" e "Desafios da Água para um Mundo em Mudança". As conclusões do Conselho Europeu de 17 de Junho de 2010 que ultimaram a nova estratégia da União Europeia para o emprego e um crescimento inteligente, sustentável e inclusivo (Estratégia Europa 2020) 8 ; /08. Jornal Oficial C 24 de , p / /10. EUCO 13/ /11 VLC/ml 4

5 As conclusões do Conselho de 12 de Outubro de 2010 sobre o lançamento das iniciativas de programação conjunta relativas a "Agricultura, segurança alimentar e alterações climáticas", "Património Cultural e Alterações Globais: um novo desafio para a Europa", e "Um regime alimentar saudável para uma vida saudável" 9 ; As conclusões do Conselho de 26 de Novembro de 2010 sobre os progressos realizados no processo de programação conjunta 10 ; As conclusões do Conselho de 26 de Novembro de 2010 sobre a Iniciativa emblemática no quadro da estratégia Europa 2020 "União da Inovação" nas quais acolheu favoravelmente os objectivos prosseguidos pelas Parcerias Europeias de Inovação (PEI) e os trabalhos em curso nessa área que, permitindo fomentar sinergias e mobilizar recursos e conhecimentos especializados a nível da UE, são transversais a toda a cadeia de investigação e inovação, uma vez que conseguem conjugar as políticas seguidas nos domínios da oferta e da procura e garantir que as políticas da UE sejam coerentes entre si, graças a uma melhor coordenação das iniciativas e acções empreendidas no quadro de uma estrutura coerente 11 ; As conclusões do Conselho Europeu de 4 de Fevereiro de 2011 em que afirma que importará desenvolver iniciativas de programação conjunta 12 ; As conclusões do Conselho de 9 de Março de 2011 sobre os trabalhos preparatórios da Parceria-piloto europeia para a inovação no domínio do envelhecimento activo e saudável, atribuindo grande importância a que sejam devidamente tidas em conta as actuais iniciativas pertinentes e salientando o carácter independente e voluntário, bem como o papel essencial desempenhado pela programação conjunta 13 ; As Conclusões do Conselho de 30 de Setembro de 2011 sobre o lançamento da iniciativa de programação conjunta "Viver mais, viver melhor" 14 ; / / /10. EUCO 2/1/11 REV / / /11 VLC/ml 5

6 O Conselho 1. SUBLINHA que a programação conjunta da investigação nas áreas das cinco iniciativas propostas 'Mares e Oceanos Sãos e Produtivos', 'Europa Urbana Desafios Urbanos Globais, Soluções Europeias Comuns', 'Coordenar os conhecimentos sobre clima em prol da Europa', 'Desafios da água para um mundo em mudança' 'O desafio microbiano Uma ameaça emergente para a saúde humana' contribuirá para a redução da fragmentação dos esforços de investigação dos Estados- -Membros e incentivará a mobilização de competências, conhecimentos e recursos, com vista a progredir e reforçar a liderança e competitividade da investigação e inovação da Europa nestas áreas. 2. CONVIDA os Estados-Membros que participam no enquadramento das cinco iniciativas, a respectivamente: i) Desenvolverem uma visão comum, baseada numa abordagem interdisciplinar, sobre o modo como a cooperação e a coordenação no domínio da investigação a nível europeu podem melhorar a forma de enfrentar os desafios apresentados nas iniciativas, a fim de assegurar a eficácia dos esforços conjuntos dos Estados-Membros; ii) Desenvolverem uma Agenda Estratégica de Investigação (AEI) que estabeleça as necessidades e os objectivos de investigação a médio e longo prazo nas áreas das cinco iniciativas. A Agenda Estratégica de Investigação deve ser desenvolvida no sentido de um plano de execução que estabeleça prioridades e calendários e especifique as acções, instrumentos e recursos necessários para a sua execução. Os conteúdos, programas de trabalho e planos de execução devem atender ao impacto científico, tecnológico, societal e inovador da investigação apoiada /11 VLC/ml 6

7 iii) Implementarem em conjunto a Agenda Estratégica de Investigação, também através dos seus programas de investigação nacionais, tendo em conta as directrizes facultativas para as condições-quadro da programação conjunta, elaboradas pelo Grupo de Alto Nível do Conselho para a Programação Conjunta (GPC) ou outras actividades de investigação a nível nacional. iv) Estabelecerem e manterem uma estrutura de gestão comum eficiente no domínio das cinco iniciativas respectivamente, mandatada para estabelecer condições, regras e procedimentos adequados de cooperação e coordenação e proceder ao acompanhamento da execução da Agenda de Investigação Estratégica. Essa estrutura de gestão deverá ser leve, eficiente e flexível e deverá ter em conta as directrizes facultativas para as condições-quadro da programação conjunta na investigação, elaboradas pelo GPC. v) Basearem-se nas competências existentes na Comissão e terem em conta as futuras directrizes facultativas para as condições-quadro ao desenvolver e implementar a Agenda Estratégica de Investigação, com vista a coordenar as iniciativas de programação conjunta e a assegurar a coerência global com outros programas e iniciativas pertinentes, evitando duplicações desnecessárias com iniciativas existentes e futuras da União nestes domínios; vi) Apresentarem regularmente relatórios ao Conselho, através do GPC (ou do CEEI) sobre os progressos e os resultados destas IPC, incluindo os ensinamentos extraídos sobre a forma de alcançar uma máxima eficiência. 3. RECONHECE a importância de um processo de comum de estabelecimento de prioridades entre os Estados-Membros e países associados, e de fazer o ponto da situação da investigação europeia em domínios em que as IPC se estão a desenvolver /11 VLC/ml 7

8 4. CONVIDA a Comissão a, respeitando plenamente o carácter das IPC como processo conduzido pelos Estados-Membros: i) Actuar como facilitadora, sugerindo para tal medidas complementares para apoiar as iniciativas de programação conjunta (IPC). Essas medidas poderão compreender o apoio à coordenação comum, à estrutura de gestão e ao estabelecimento da Agenda Estratégica de Investigação, o fornecimento de dados, a informação e a análise da situação neste domínio a nível europeu e internacional. ii) Estudar a melhor forma de contribuir para a implementação da Agenda Estratégica de Investigação através das acções e instrumentos de financiamento da UE. iii) Estudar, em cooperação com as IPC, possíveis formas de consulta e cooperação na matéria da respectiva iniciativa com os intervenientes relevantes e outros programas a nível internacional; iv) Oferecer o seu apoio à implementação destas iniciativas, facilitando igualmente a complementaridade com os outros programas e iniciativas relevantes neste domínio, em especial o Programa-Quadro e o próximo Horizonte v) Apresentar regularmente relatórios ao Conselho e manter o Parlamento Europeu informado dos progressos globais e resultados das IPC /11 VLC/ml 8

9 Mais especificamente quanto ao lançamento destas três iniciativas, o Conselho: a) em relação ao lançamento da iniciativa de programação conjunta sobre "Mares e Oceanos Saudáveis e Produtivos", 5. TOMA NOTA de que a Estratégia Europa 2020 assinala a importância de a UE aproveitar nomeadamente a contribuição das políticas marítimas da UE para atingir os seus objectivos em matéria de redução de emissões e de biodiversidade, adaptação às alterações climáticas, prevenção e gestão das catástrofes naturais, utilização mais eficiente dos recursos, e contribuir para melhorar a segurança alimentar global. 6. RECONHECE que a Europa possui km de orla costeira, que se estendem ao longo de dois oceanos e quatro mares 15, e as regiões costeiras da UE representam cerca de 40% do seu PIB e da população, dando um contributo decisivo para sectores económicos fundamentais como o transporte e o comércio marítimos, a bioeconomia marinha, a energia e o turismo. 7. RECOMENDA que sejam consideradas as seguintes acções, de acordo com as necessidades identificadas pelos Estados-Membros participantes na Agenda Estratégica de Investigação, no quadro de um plano de implementação: a) Analisar a situação neste domínio e identificar e trocar informações sobre programas nacionais, actividades de investigação e capacidades; b) Reforçar as capacidades conjuntas para a realização de análises prospectivas e a avaliação das tecnologias; c) Trocar informações, boas práticas, metodologias e orientações; d) Identificar domínios ou actividades de investigação que beneficiariam com a coordenação ou, se adequado, do lançamento conjunto de convites à apresentação de propostas ou a mobilização de recursos; e) Definir as modalidades de investigação a realizar conjuntamente nos domínios mencionados na alínea d); 15 O oceano Atlântico e o oceano Árctico, o mar Báltico, o mar do Norte, o Mediterrâneo e o mar Negro /11 VLC/ml 9

10 f) Garantir a coordenação e o desenvolvimento de sinergias com os programas actuais e futuros de investigação e inovação na UE, por ex, o Programa-Quadro, incluindo as redes ERA e as iniciativas do artigo 185.º, bem como outras iniciativas afins de programação conjunta e plataformas tecnológicas europeias; g) Partilhar, conforme adequado, as infra-estruturas de investigação existentes ou desenvolver novas estruturas de forma coordenada, em especial para apoiar, nomeadamente, políticas baseadas numa abordagem ecossistémica integrada. h) Promover uma melhor colaboração entre os sectores público e privado, bem como a inovação aberta entre diferentes actividades de investigação e sectores empresariais; i) Promover de abordagens interdisciplinares e incentivar o intercâmbio e interacção entre os sectores marinho e marítimo; j) Exportar e divulgar conhecimentos, inovação e abordagens metodológicas interdisciplinares; k) Desenvolver interfaces adequadas ciência/política sobre questões relevantes como a aplicação da Directiva 2008/56/CE (Directiva-Quadro "Estratégia Marinha") e o Ordenamento do Espaço Marítimo como objectivo essencial da Comunicação "Uma política marítima integrada para a União Europeia". l) Criar redes entre centros dedicados à investigação no domínio dos mares e oceanos. b) no que diz respeito ao lançamento da iniciativa de programação conjunta "Europa Urbana Desafios Urbanos Globais, Soluções Europeias Comuns" 8. Toma nota de que o desenvolvimento urbano sustentável poderá contribuir de forma significativa para cumprir as três prioridades da estratégia Europa 2020 que se reforçam mutuamente: o crescimento inteligente, sustentável e inclusivo /11 VLC/ml 10

11 9. RECONHECE que o desenvolvimento sustentável das zonas urbanas europeias é uma questão societal importante num contexto de intensificação das tendências mundiais como a urbanização. Prevê-se que na Europa em 2050 cerca de 83% da população (cerca de 557 milhões) viva nas cidades. 10. TOMA NOTA de que a urbanização envolve uma grande diversidade de desafios interdependentes, incluindo a exclusão e segregação sociais, expansão urbana e congestionamento, questões de segurança intrínseca e extrínseca, degradação ambiental, poluição e efeitos das alterações climáticas, que exercem pressão na sociedade e colocam um desafio sem precedentes à resiliência, gestão e governação dos sistemas urbanos na Europa e no mundo. 11. SALIENTA que a Europa deveria explorar as vantagens do espaço urbanizado, uma vez que as zonas urbanas são os motores do crescimento na economia europeia. 12. RECOMENDA que sejam consideradas as seguintes acções, de acordo com as necessidades identificadas pelos Estados-Membros participantes na Agenda Estratégica de Investigação, no quadro de um plano de implementação: a) Analisar a situação neste domínio e identificar e trocar informações sobre os programas e actividades de investigação nacionais relevantes; b) Reforçar as capacidades em matéria de actividades conjuntas de análise prospectiva e de avaliação de tecnologias; c) Trocar informações, recursos, boas práticas, metodologias e orientações; d) Identificar áreas ou actividades de investigação que beneficiem com a coordenação e o reforço dessa coordenação; e) Identificar áreas ou actividades de investigação que beneficiem com o lançamento conjunto de convites à apresentação de propostas ou a mobilização de recursos; f) Definir as modalidades de investigação a realizar conjuntamente nas áreas mencionadas na alínea e); 18345/11 VLC/ml 11

12 g) Assegurar a coordenação, o desenvolvimento de sinergias através de um amplo leque de programas de financiamento e iniciativas de investigação e inovação na União, como I&D, apoiados por programas de financiamento para a investigação e a inovação, outras iniciativas de programação conjunta conexas, as Comunidades de Conhecimento e Inovação do Instituto Europeu da Inovação e Tecnologia, as plataformas tecnológicas europeias, bem como em coordenação com o Fórum Estratégico para a Cooperação C&T Internacional (FECI) para desenvolver e implementar uma possível dimensão internacional da AEI e assegurar a coerência com as iniciativas desenvolvidas pelo FECI com e destinadas a países terceiros; h) Tomar em consideração das necessidades em evolução das cidades e populações urbanas aquando da definição dos objectivos dos programas de investigação sobre desenvolvimento urbano; i) Partilhar, quando adequado, as infra-estruturas de investigação existentes ou desenvolver novas estruturas, como bases de dados coordenadas ou o inventário, e modelos para o estudo dos processos urbanos; j) Promover uma melhor colaboração dentro do sector público e entre os sectores público e privado, bem como a inovação aberta entre diferentes actividades de investigação, o ensino e o sector empresarial; k) Exportar e divulgar conhecimentos, inovação e abordagens metodológicas interdisciplinares, bem como identificar e analisar os obstáculos no sistema de investigação e inovação que impedem as soluções inovadoras com benefícios societais de chegarem mais rapidamente ao mercado; l) Disponibilizar informações científicas adequadas aos níveis decisórios local, regional, nacional e da União; m) Criar redes entre centros dedicados à investigação urbana, incluindo centros fora do âmbito do EEI /11 VLC/ml 12

13 c) em relação ao lançamento da iniciativa de programação conjunta sobre "Coordenar os conhecimentos sobre clima em prol da Europa" 13. TOMA NOTA de que a estratégia Europa 2020 identificou a necessidade de cumprir os objectivos de emissões já fixados a nível da União Europeia e salienta a necessidade de reforçar a resiliência das nossas economias aos riscos climáticos e a nossa capacidade de prevenção e resposta às catástrofes. 14. RECONHECE que as alterações climáticas constituem um dos grandes desafios da nossa época: o Acordo de Copenhaga reconheceu o objectivo de 2 C e sublinhou a necessidade de proceder a profundas reduções nas emissões globais de gases com efeito de estufa, apelando à adopção de medidas destinadas a minimizar os impactos das alterações climáticas. 15. DESTACA que são necessárias melhores projecções climáticas para analisar o potencial de futuras alterações na frequência e intensidade dos fenómenos extremos. Embora a vulnerabilidade e a resiliência da sociedade e dos ecossistemas aos riscos climáticos sejam ainda mal compreendidas, é necessária uma melhor compreensão dos processos fundamentais que regem o complexo sistema climático, a fim de melhor detectar e identificar as alterações climáticas (influência humana vs. processo natural) e distinguir entre alterações climáticas e variabilidade climática. 16. SALIENTA que são urgentemente necessárias tecnologias, conceitos e mecanismos de atenuação para assegurar as fortes reduções das emissões de carbono necessárias até 2050, incluindo investigação e inovação sobre energias renováveis, captação e armazenagem de carbono, eficiência energética e dos recursos, combustíveis alternativos, reafectação dos solos, mobilidade sustentável, agricultura e silvicultura, bem como reduções das emissões de poluentes que afectam a saúde humana ou o ambiente. 17. TOMA NOTA de que devem ser desenvolvidos serviços climáticos para a produção, disponibilidade e aplicação de projecções climáticas de base científica /11 VLC/ml 13

14 18. RECOMENDA que sejam consideradas as seguintes acções, de acordo com as necessidades identificadas pelos Estados-Membros participantes na Agenda Estratégica de Investigação, no quadro de um plano de implementação: a) Reforçar o intercâmbio de informações sobre programas regionais e nacionais relevantes, actividades de investigação e programas coordenados de investigação da União Europeia, tendo também em vista uma actualização periódica da cartografia da investigação europeia neste domínio; b) Trocar informações, recursos, boas práticas, metodologias e orientações; c) Identificar as áreas ou actividades de investigação que beneficiariam com a coordenação, o lançamento conjunto de convites à apresentação de propostas ou a mobilização de recursos; d) Definir as modalidades de investigação a realizar conjuntamente nas áreas mencionadas na alínea c); e) Assegurar a coordenação e o desenvolvimento de sinergias com os mecanismos de investigação e inovação existentes na União Europeia, como as actividades no âmbito do Programa-Quadro, incluindo a Investigação sobre o Impacto das Alterações Climáticas e a Coordenação da Resposta com vista a uma rede ERA Europa mais ampla (CIRCLE2) e as acções pré-operacionais da iniciativa Vigilância Global do Ambiente e da Segurança (GMES), a investigação no domínio das alterações climáticas e relacionada com o clima realizada pelo Centro Comum de Investigação (JRC) e a Comunidade de Conhecimento e Inovação Clima do EIT; actividades de investigação promovidas no âmbito da política de coesão outras iniciativas de programação conjunta, bem como em colaboração com o Centro da União Europeia de Intercâmbio de Informações em matéria de Adaptação, gerido pela Comissão e pela Agência Europeia do Ambiente. Devem ser desenvolvidas ligações fortes em domínios relevantes para as alterações climáticas e que não sejam abordados especificamente na presente iniciativa de programação conjunta, como o desenvolvimento de opções de atenuação e adaptação e a avaliação dos riscos e oportunidades da acção no domínio das alterações climáticas. Devem igualmente ser incentivadas ligações fortes com o FECI para desenvolver e implementar uma possível dimensão internacional da AEI e assegurar a coerência com as iniciativas desenvolvidas pelo FECI com ou orientadas para países terceiros. f) Partilhar, quando conveniente, as infra-estruturas de investigação existentes ou desenvolver novos mecanismos, como bases de dados coordenadas, ou modelos para o estudo dos processos e dos impactos ligados às alterações climáticas; g) Promover uma melhor colaboração entre os sectores público e privado, bem como a inovação aberta entre diferentes actividades de investigação e sectores empresariais; 18345/11 VLC/ml 14

15 h) Exportar e divulgar conhecimentos, inovação e abordagens metodológicas pluridisciplinares, em especial no que respeita aos resultados relevantes do ponto de vista das políticas; i) Fornecer informações científicas adequadas para a elaboração de políticas a nível nacional e da União Europeia; j) Estabelecer um intercâmbio adequado de informações com os programas internacionais relevantes; k) Criar redes entre centros dedicados à investigação sobre as alterações climáticas, incluindo centros situados fora do Espaço Europeu da Investigação; l) Reforçar as capacidades conjuntas para a realização de exercícios de prospectiva. d) em relação ao lançamento da iniciativa de programação conjunta sobre "Desafios da água para um mundo em mudança", 19. REGISTA que, integrada na Estratégia Europa 2020, a iniciativa emblemática "Uma Europa eficiente em termos de recursos" no âmbito da estratégia Europa 2020 recorda a importância da água como recurso natural essencial na base do funcionamento da economia europeia e mundial e da nossa qualidade de vida. Além disso, a iniciativa emblemática "Uma União da Inovação" no âmbito da estratégia Europa 2020 reconhece a água como um desafio crescente para a sociedade e um domínio prioritário para a inovação. 20. RECONHECE que se prevê que as alterações climáticas venham a ter novos impactos nos ecossistemas hídricos europeus, resultando em situações mais frequentes de escassez de água, maior frequência e gravidade das secas e em mais riscos de inundações. Além disso, a agricultura intensiva destinada a produzir mais alimentos e biomassa pode aumentar a procura de água doce para fins de irrigação, exercendo uma maior pressão nas reservas de água. O aumento da urbanização e a expansão das áreas edificadas induzem alterações hidromorfológicas que têm impacto nas massas de águas subterrâneas e de superfície, nos habitats e noutros aspectos da biodiversidade. Por outro lado, as infra-estruturas hídricas europeias estão a tornar-se cada vez mais sujeitas a falhas devido ao envelhecimento, aos danos causados por escavações, a uma manutenção insuficiente ou à sobrecarga /11 VLC/ml 15

16 21. SALIENTA que, embora a disponibilidade de água em quantidades suficientes e de qualidade adequada seja uma questão de elevada prioridade e um desafio societal a nível pan-europeu e mesmo mundial, as disparidades a nível mundial entre a procura e a disponibilidade de recursos hídricos deverão aumentar significativamente nos próximos 20 anos. 22. REALÇA que o sector europeu da água tem grande importância económica, com uma taxa média de crescimento de 5% e um volume de negócios de cerca de 80 mil milhões de euros por ano, o que representa cerca de um terço do mercado mundial da água. Uma cooperação mais estratégica na investigação e inovação na Europa pode conduzir a descobertas científicas e tecnológicas. 23. RECOMENDA que sejam consideradas as seguintes acções, de acordo com as necessidades identificadas pelos Estados-Membros participantes na Agenda Estratégica de Investigação, no quadro de um plano de implementação: a) Analisar a situação neste domínio e identificar e trocar informações sobre programas nacionais, actividades de investigação e programas de investigação coordenados pela União; b) Reforçar as capacidades conjuntas para a realização de análises prospectivas e a avaliação das tecnologias; c) Trocar informações, recursos, boas práticas, metodologias e orientações; d) Identificar as áreas ou actividades de investigação que beneficiariam com a coordenação, o lançamento conjunto de convites à apresentação de propostas ou a mobilização de recursos; e) Definir as modalidades de investigação a realizar conjuntamente nos domínios mencionados na alínea d); f) Assegurar a coordenação e o desenvolvimento de sinergias com os mecanismos de investigação e inovação existentes na União, como o Programa-Quadro, e outras iniciativas de programação conjunta conexas, em especial as iniciativas "Agricultura, segurança alimentar e alterações climáticas", "Coordenar os conhecimentos sobre clima em prol da Europa", "Europa Urbana Desafios Urbanos Globais, Soluções Europeias Comuns" e "Mares e Oceanos Sãos e Produtivos", bem como em coordenação com o FECI para desenvolver e implementar uma possível dimensão internacional da AEI e assegurar a coerência com as iniciativas desenvolvidas pelo FECI com e destinadas a países terceiros; 18345/11 VLC/ml 16

17 g) Partilhar, quando conveniente, as infra-estruturas de investigação existentes ou desenvolver novos mecanismos, como bases de dados coordenadas, ou modelos para o estudo dos processos associados à água; h) Promover uma melhor colaboração entre os sectores público e privado, bem como a inovação aberta entre diferentes actividades de investigação e sectores empresariais; i) Exportar e divulgar conhecimentos, inovação e abordagens metodológicas pluridisciplinares, em especial no que respeita aos resultados relevantes do ponto de vista das políticas; j) Fornecer informações científicas e tecnológicas adequadas para a elaboração de políticas a nível nacional e da União; k) Criar redes entre centros dedicados à investigação sobre a água. e) em relação ao lançamento da iniciativa de programação conjunta "O desafio microbiano uma ameaça emergente para a saúde humana" 24. REGISTA que o problema microbiano, devido à crescente resistência aos medicamentos antimicrobianos, representa uma das maiores ameaças emergentes para a saúde humana no século XXI. Anualmente, morrem na União mais de pacientes devido a infecções causadas por bactérias que são resistentes a antibióticos múltiplos. A resistência aos antibióticos múltiplos é problema comum e crescente. 25. RECONHECE que as doenças infecciosas causadas por bactérias resistentes acarretam gastos suplementares com cuidados de saúde, além de custos indirectos, como as baixas por doença e a perda de produção em consequência de mortes prematuras. 26. REGISTA ainda que o problema da resistência aos medicamentos é uma consequência natural e inevitável do tratamento das doenças infecciosas com medicamentos antimicrobianos. No entanto, é exacerbado pela utilização indiscriminada destes medicamentos e a disseminação no meio ambiente de bactérias resistentes a antibióticos. A dinâmica das populações humanas, incluindo as viagens e a distribuição de alimentos à escala mundial, contribui significativamente para a rápida disseminação de microrganismos infecciosos resistentes. Por outro lado, a utilização abusiva de antibióticos na criação de gado está a aumentar o risco de os microrganismos resistentes serem transmitidos aos seres humanos através do consumo de alimentos. Ao mesmo tempo, o desenvolvimento de novos medicamentos antimicrobianos está a diminuir drasticamente /11 VLC/ml 17

18 27. SALIENTA que uma solução global para o problema exige a tomada de medidas por muitos sectores da sociedade: decisores políticos, serviços de saúde, educação, indústria, agências do ambiente, agricultura, veterinária, investigação e outros domínios. 28. RECOMENDA que sejam consideradas as seguintes acções, de acordo com as necessidades identificadas pelos Estados-Membros participantes na Agenda Estratégica de Investigação, no quadro de um plano de implementação: a) Analisar a situação neste domínio e identificar e trocar informações sobre os programas e actividades de investigação nacionais relevantes; b) Reforçar as capacidades conjuntas para a realização de exercícios de prospectiva e avaliação das tecnologias; c) Trocar informações, recursos, boas práticas, metodologias e orientações; d) Identificar as áreas ou actividades de investigação que beneficiariam com a coordenação, o lançamento conjunto de convites à apresentação de propostas ou a mobilização de recursos; e) Definir procedimentos pormenorizados para a investigação a realizar conjuntamente nas áreas mencionadas na alínea d); f) Ponderação das necessidades relacionadas com o tratamento dos pacientes e com os sistemas de cuidados de saúde aquando da definição dos objectivos para os programas de investigação sobre resistência antimicrobiana; g) Partilhar, conforme adequado, as infra-estruturas de investigação existentes ou desenvolver novas estruturas, como bases de dados coordenadas, ou modelos para o estudo de processos de resistência antimicrobiana; h) Promover uma melhor colaboração entre os sectores público e privado, bem como a inovação aberta entre diferentes actividades de investigação e sectores empresariais; i) Exportar e divulgar conhecimentos, inovação e abordagens metodológicas interdisciplinares, bem como identificar e analisar os obstáculos no sistema de investigação e inovação que impedem as soluções inovadoras com benefícios societais de chegarem mais rapidamente ao mercado; j) Criar redes entre centros dedicados à investigação no domínio da resistência antimicrobiana; 18345/11 VLC/ml 18

19 k) Assegurar a coordenação e o desenvolvimento de sinergias com os mecanismos de investigação e inovação existentes na União, como a Iniciativa sobre Medicamentos Inovadores; investigação, desenvolvimento e inovação com o apoio do Programa- -Quadro, nomeadamente nos domínios de saúde, alimentação, agricultura e ambiente, se necessário viabilizados por tecnologias da informação, bem como outras iniciativas, como as redes ERA pertinentes /11 VLC/ml 19

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 ESPACE 19 COMPET 390 RECH 392 IND 161 TRANS 349 ENER 343 REGIO 95 ECOFIN 759 CODUN 47 ENV 804 EDUC 213 RESULTADO DOS TRABALHOS

Leia mais

10518/16 ap/ip 1 DG E 1A

10518/16 ap/ip 1 DG E 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 21 de junho de 2016 (OR. en) 10518/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado-Geral do Conselho data: 20 de junho de 2016 para: Delegações ENV 445 COMPET 389 AGRI

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 ENVIO DE TEXTO de: Conselho (Emprego e Política Social) para: Conselho Europeu de Nice Nº doc. ant.:

Leia mais

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02)

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) CONCLUSÕES DO CONSELHO de 27 de Novembro de 2003 sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA I. EM RELAÇÃO A QUESTÕES HORIZONTAIS:

Leia mais

10668/16 pbp/ml 1 DGG 2B

10668/16 pbp/ml 1 DGG 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de junho de 2016 (OR. en) 10668/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações FSTR 36 FC 30 REGIO 43 SOC 435 AGRISTR 37 PECHE 244

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Outubro de 2010 (04.11) (OR. en) 15449/10 AUDIO 37 COMPET 311 CULT 98

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Outubro de 2010 (04.11) (OR. en) 15449/10 AUDIO 37 COMPET 311 CULT 98 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 26 de Outubro de 2010 (04.11) (OR. en) 15449/10 AUDIO 37 COMPET 311 CULT 98 NOTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Comité de Representantes Permanentes (1.ª

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24 NOTA de: Secretariado-Geral data: 15 de Maio de 2007 n.º doc. ant.: 9179/07 Assunto:

Leia mais

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66 OTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações n.º doc. ant.: 14061/1/11 REV 1 SOC 759

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Tendo em conta a comunicação da Comissão (COM(1999) 317 C5-0206/1999),

Tendo em conta a comunicação da Comissão (COM(1999) 317 C5-0206/1999), Tendo em conta a comunicação da Comissão (COM(1999) 317 C5-0206/1999), Tendo em conta o nº 1 do artigo 47º do seu Regimento, Tendo em conta o relatório da Comissão da Política Regional, dos Transportes

Leia mais

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 10.7.2013 SWD(2013) 252 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha o documento Proposta de Decisão do Parlamento Europeu

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre a fraude e a evasão fiscais Adoção

Conclusões do Conselho sobre a fraude e a evasão fiscais Adoção CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 14 de maio de 2013 (21.05) (Or. en) 9549/13 FISC 94 ECOFIN 353 NOTA de: para: Assunto: Secretariado-Geral do Conselho Delegações Conclusões do Conselho sobre a fraude

Leia mais

EVOLUÇÃO DA POLÍTICA EUROPEIA DE AMBIENTE

EVOLUÇÃO DA POLÍTICA EUROPEIA DE AMBIENTE Políticas de Ambiente EVOLUÇÃO DA POLÍTICA EUROPEIA DE AMBIENTE Francisco Nunes Correia IST, Ano Lectivo 2010/2011 Onde estamos? Projecto de Tratado que estabelece uma CONSTITUIÇÃO PARA A EUROPA 2001-2005

Leia mais

L 347/104 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013

L 347/104 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013 L 347/104 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013 REGULAMENTO (UE) N. o 1291/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de dezembro de 2013 que cria o Horizonte 2020 Programa-Quadro de Investigação

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, COM(2008)XXX COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES UE, África e

Leia mais

de 9 de Março de 2005

de 9 de Março de 2005 24.3.2005 PT Jornal Oficial da União Europeia L 79/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. O 456/2005/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 9 de Março de 2005 que

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE VERSION FINALE PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União

Leia mais

PUBLIC 11386/02 Dossier interinstitucional: 2001/0123 (CNS)

PUBLIC 11386/02 Dossier interinstitucional: 2001/0123 (CNS) Conseil UE CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 9 de Agosto de 2002 (09.08) (OR. en) PUBLIC 11386/02 Dossier interinstitucional: 2001/0123 (CNS) LIMITE RECH 140 ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento Regional PROJECTO DE PARECER. da Comissão do Desenvolvimento Regional

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento Regional PROJECTO DE PARECER. da Comissão do Desenvolvimento Regional PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««2009 Comissão do Desenvolvimento Regional PROVISÓRIO 2004/0000 23.8.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento Regional destinado à Comissão das Petições

Leia mais

A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS. Lisboa, 16 de Maio de 2006

A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS. Lisboa, 16 de Maio de 2006 APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural CIEJD - Centro de Informação Europeia Jacques Delors CNC - Centro Nacional de Cultura CultDigest - Gestão Cultural A Política Cultural da União Europeia, a

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.2.2009 COM(2009) 64 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Numa época em que se assiste a importantes reestruturações empresariais no sector energético a nível europeu, a Comissão Europeia estabeleceu as bases

Leia mais

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe.

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe. Conselho Europeu Bruxelas, 18 de dezembro de 2015 (OR. en) EUCO 28/15 CO EUR 13 CONCL 5 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: Reunião do Conselho Europeu (17 e 18 de

Leia mais

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2,

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2, P6_TA(2009)0130 Degradação das terras agrícolas na UE Resolução do Parlamento Europeu, de 12 de Março de 2009, sobre o problema da degradação das terras agrícolas na UE e particularmente no Sul da Europa:

Leia mais

3º Programa de Saúde 2014-2020

3º Programa de Saúde 2014-2020 2014-2020 1. Enquadramento estratégico 2. Apresentação 3. Objetivos gerais 4. Prioridades temáticas 5. Ações 6. Beneficiários 7. Tipos de subvenção 8. Regras de financiamento 9. Critérios de elegibilidade

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão dos Assuntos Sociais e do Ambiente 29.8.2006 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a água nos países em desenvolvimento Co-relatores: Achille Tapsoba (Burkina-Faso)

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.04.2006 COM(2006) 173 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Plano

Leia mais

O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno

O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020 Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno Lisboa, 02 de outubro de 2014 Tópicos: 1. Portugal 2020: Objetivos e prioridades 2. Nova Lógica

Leia mais

ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS

ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS (Versão revista de 20 de Julho de 2009) ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS Da minha língua vê-se o mar Vergílio Ferreira INTRODUÇÃO Os Estados membros da Comunidade

Leia mais

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros *

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * P6_TA(2006)0334 Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * Resolução legislativa do Parlamento Europeu sobre uma proposta de directiva do Conselho relativa à tributação aplicável aos

Leia mais

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 O NOVO CICLO DE FUNDOS COMUNITÁRIOS AO SERVIÇO DO DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL, Porto 07.06.13 O CONTRIBUTO DO MAR PARA O CRESCIMENTO SUSTENTÁVEL DAS REGIÕES PORTUGUESAS Rui Azevedo II ENCONTRO DOS PARCEIROS

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais Programa Horizon 2020 Fonte: Proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece as Regras de Participação e Difusão relativas ao «Horizonte 2020 Programa-Quadro de Investigação

Leia mais

O Papel da Engenharia no Crescimento

O Papel da Engenharia no Crescimento O Papel da Engenharia no Crescimento Visão e Objectivos Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Iniciativa António Manzoni e Vilar Filipe 11 de Abril de 2013 Projecto Engenharia 2020 Plataforma

Leia mais

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS 1 ENQUADRAMENTO - I - Os objectivos delineados na Estratégia de Lisboa e as conclusões do Conselho de Barcelona,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu Nuno Teixeira CCDR-LVT 26.Novembro.2010 A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu 1 ÍNDICE I. A coesão no espaço europeu II. O Tratado

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada C 102 E/492 Jornal Oficial da União Europeia PT 28.4.2004 P5_TA(2004)0152 Conciliação entre vida profissional, familiar e privada Resolução do Parlamento Europeu sobre a conciliação entre vida profissional,

Leia mais

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu Os Tribunais de Contas e os desafios do futuro Vítor Caldeira Presidente do Tribunal de Contas Europeu Sessão solene comemorativa dos 160 anos do Tribunal de Contas Lisboa, 13 de Julho de 2009 ECA/09/46

Leia mais

PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação. Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português

PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação. Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português Lisboa, 25 de fevereiro 2015 1 Considerando que: 1. O Turismo é uma atividade estratégica para a economia

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP- UE Comissão de Desenvolvimento Económico, Finanças e Comércio 3.9.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o impacto do investimento directo estrangeiro (IDE) nos Estados

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ECA/09/69 DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ******* APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL RELATIVO AO EXERCÍCIO DE 2008 À COMISSÃO DO

Leia mais

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL 2015 PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL 2015 MANUAL OPERACIONAL Prémios Europeus de Promoção Empresarial 2015 2/13 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência

Leia mais

9200/16 fmm/hrl/ml 1 DG B 3A - DG G 1A

9200/16 fmm/hrl/ml 1 DG B 3A - DG G 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 13 de junho de 2016 (OR. en) 9200/16 ECOFIN 452 UEM 199 SOC 316 EMPL 212 COMPET 286 ENV 331 EDUC 186 RECH 178 ENER 194 JAI 440 NOTA de: para: n. doc. Com.: Assunto:

Leia mais

Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais

Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais Novos PO detêm um valor global de quase 12,2 mil M de financiamento comunitário Alerta de Cliente Dezembro de 2014 Temas/Assuntos: Numa cerimónia realizada

Leia mais

Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal

Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal Anexos. Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal e dos Portugueses ordem dos arquitectos. manifesto para as eleições legislativas 2011. maio 2011 Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal

Leia mais

O INSTITUTO EUROPEU PARA A IGUALDADE DE GÉNERO A AGÊNCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DA UNIÃO EUROPEIA. Acordo de Cooperação

O INSTITUTO EUROPEU PARA A IGUALDADE DE GÉNERO A AGÊNCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DA UNIÃO EUROPEIA. Acordo de Cooperação O INSTITUTO EUROPEU PARA A IGUALDADE DE GÉNERO E A AGÊNCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DA UNIÃO EUROPEIA Acordo de Cooperação Preâmbulo A Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia (FRA) e o Instituto

Leia mais

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas Resumo das Conclusões Ainda vamos a tempo de evitar os piores impactos das alterações climáticas, se tomarmos desde já medidas rigorosas. As provas científicas são presentemente esmagadoras: as alterações

Leia mais

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE ATUALIZAÇÃO DO EDIC - ESTUDO DIAGNÓSTICO SOBRE A INTEGRAÇÃO DO COMÉRCIO DE CABO VERDE CONVITE / CONCURSO I. ENQUADRAMENTO Cabo Verde é beneficiário

Leia mais

ALTERAÇÕES 1-58. PT Unida na diversidade PT 2012/2039(INI) 16.10.2012. Projeto de parecer Regina Bastos (PE483.860v02)

ALTERAÇÕES 1-58. PT Unida na diversidade PT 2012/2039(INI) 16.10.2012. Projeto de parecer Regina Bastos (PE483.860v02) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 16.10.2012 2012/2039(INI) ALTERAÇÕES 1-58 Regina Bastos (PE483.860v02) sobre o estatuto da mutualidade europeia (2012/2039(INI))

Leia mais

OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012

OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012 OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012 RUI AZEVEDO II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 PONTOS A ABORDAR

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

ALTERAÇÕES 35-98. PT Unida na diversidade PT 2011/0371(COD) 7.6.2012. Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00)

ALTERAÇÕES 35-98. PT Unida na diversidade PT 2011/0371(COD) 7.6.2012. Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/0371(COD) 7.6.2012 ALTERAÇÕES 35-98 Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00) sobre a proposta de regulamento

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.2 ACONSELHAMENTO Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

5306/15 ADD 1 ls/mpm/mjb 1 DG G 2A

5306/15 ADD 1 ls/mpm/mjb 1 DG G 2A Conselho da União Europeia Bruxelas, 30 de janeiro de 205 (OR. en) 5306/5 ADD FIN 28 PE-L 5 NOTA PONTO "I/A" de: para: Assunto: Comité Orçamental Comité de Representantes Permanentes/Conselho Quitação

Leia mais

Carta Europeia de luta contra a obesidade

Carta Europeia de luta contra a obesidade Carta Europeia de luta contra a obesidade Para fazer face ao desafio crescente, decorrente da epidemia da obesidade para a saúde, as economias e o desenvolvimento, nós, os Ministros e delegados presentes

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo [Página 1 capa] Utilizar da melhor forma os fundos estruturais URBAN II Em apoio do comércio e do turismo O que é e sugestões para candidaturas a projectos bem sucedidas Com esta publicação, a DG Empresa

Leia mais

Aluno nº: Ano: Turma: Data: 28 de maio de 2012

Aluno nº: Ano: Turma: Data: 28 de maio de 2012 E S C O L A S E C U N D Á R I A D. J O Ã O I I - S E T Ú B A L TESTE DE GEOGRAFIA A (2º ANO) Nº6/VERSÃO 02 Nome: Aluno nº: Ano: Turma: Data: 28 de maio de 2012 É obrigatório indicar a versão do teste na

Leia mais

Parecer do Comité das Regiões O papel dos órgãos de poder local e regional na consecução dos objectivos da Estratégia Europa 2020 (2012/C 9/10)

Parecer do Comité das Regiões O papel dos órgãos de poder local e regional na consecução dos objectivos da Estratégia Europa 2020 (2012/C 9/10) 11.1.2012 Jornal Oficial da União Europeia C 9/53 Parecer do Comité das Regiões O papel dos órgãos de poder local e regional na consecução dos objectivos da Estratégia Europa 2020 (2012/C 9/10) O COMITÉ

Leia mais

O papel das Instituições de Ensino Superior e a necessidade de modernização

O papel das Instituições de Ensino Superior e a necessidade de modernização Boa tarde Senhoras e Senhores Para aqueles que não me conhecem. Sou membro do Parlamento Europeu nas Comissões ITRE e dos Orçamentos. Sou neste momento a relatora do Programa Específico de Execução Horizonte

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa da União Europeia na área de Ciência e Tecnologia Construir o futuro da Ciência e da

Leia mais

NERSANT Torres Novas. Apresentação e assinatura do contrato e-pme. Tópicos de intervenção

NERSANT Torres Novas. Apresentação e assinatura do contrato e-pme. Tópicos de intervenção G ABINETE DO M INISTRO NERSANT Torres Novas Apresentação e assinatura do contrato e-pme Tópicos de intervenção Senhor Secretário de Estado Adjunto da Indústria e Inovação, António Castro Guerra Senhor

Leia mais

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis O futuro que queremos não se concretizará enquanto a fome e a subnutrição persistirem,

Leia mais

Progress em acção: O Programa da União Europeia para o Emprego e a Solidariedade Social 2007-2013

Progress em acção: O Programa da União Europeia para o Emprego e a Solidariedade Social 2007-2013 Progress em acção: O Programa da União Europeia para o Emprego e a Solidariedade Social 2007-2013 A presente publicação é apoiada pelo Programa da União Europeia para o Emprego e a Solidariedade Social

Leia mais

PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Euro-Latin American Parliamentary Assembly Assemblée Parlementaire Euro-Latino Américaine Asamblea Parlamentaria Euro-Latinoamericana Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana Parlamentarische Versammlung

Leia mais

Conselho Europeu extraordinário de Lisboa (Março de 2000): para uma Europa da inovação e do conhecimento

Conselho Europeu extraordinário de Lisboa (Março de 2000): para uma Europa da inovação e do conhecimento Estratégia de Lisboa Conselho Europeu extraordinário de Lisboa (Março de 2000): para uma Europa da inovação e do conhecimento Em 23 e 24 de Março de 2000, o Conselho Europeu extraordinário de Lisboa, nasceu

Leia mais

Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010»

Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010» C 161 E/8 Jornal Oficial da União Europeia 31.5.2011 Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010» P7_TA(2010)0164 Resolução do Parlamento

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre a consolidação das relações UE-África

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre a consolidação das relações UE-África PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 10.11.2010 COM(2010) 634 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre a consolidação das relações UE-África 1 500 milhões de pessoas, 80

Leia mais

Documento de sessão 12.3.2012 B7-0145/2012 } B7-0146/2012 } B7-0147/2012 } B7-0148/2012 } RC1

Documento de sessão 12.3.2012 B7-0145/2012 } B7-0146/2012 } B7-0147/2012 } B7-0148/2012 } RC1 PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Documento de sessão 12.3.2012 B7-0145/2012 } B7-0146/2012 } B7-0147/2012 } B7-0148/2012 } RC1 RESOLUÇÃO apresentada nos termos do n.º 4 do artigo 110.º do Regimento em substituição

Leia mais

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p.

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p. RESUMO Programa de Ação Anual 2013, ao abrigo do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH), a financiar pela rubrica orçamental 19 04 01 do orçamento geral da União Europeia 1.

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008

L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008 L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008 REGULAMENTO (CE) N. o 734/2008 DO CONSELHO de 15 de Julho de 2008 relativo à protecção dos ecossistemas marinhos vulneráveis do alto mar contra os efeitos

Leia mais

Inventário 2010. I. Introdução

Inventário 2010. I. Introdução Inventário 2010 I. Introdução Aqui se apresenta o quarto inventário público da AEPD na sua qualidade de consultora a respeito de propostas de legislação e documentos conexos. Devido à publicação do Programa

Leia mais

(2005/C 71/13) TENDO EM CONTA o seu parecer sobre a Avaliação do programa IDA e uma segunda fase do programa IDA (CdR 44/98 fin) (4);

(2005/C 71/13) TENDO EM CONTA o seu parecer sobre a Avaliação do programa IDA e uma segunda fase do programa IDA (CdR 44/98 fin) (4); Parecer do Comité das Regiões sobre a «Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões Ligar a Europa em alta velocidade: Estratégias

Leia mais

Jor nal Oficial L 116. da União Europeia. Legislação. Atos não legislativos. 57. o ano 17 de abril de 2014. Edição em língua portuguesa.

Jor nal Oficial L 116. da União Europeia. Legislação. Atos não legislativos. 57. o ano 17 de abril de 2014. Edição em língua portuguesa. Jor nal Oficial da União Europeia L 116 Edição em língua portuguesa Legislação 57. o ano 17 de abril de 2014 Índice II Atos não legislativos DECISÕES 2014/203/UE: Decisão de Execução da Comissão, de 19

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 23.11.2010 COM(2010) 683 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO O voluntariado como expressão da solidariedade dos cidadãos da UE: primeiras

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PARECER JOIN(2012}39 a Proposta Conjunta de DECISÃO DO CONSELHO relativa às regras de execução pela União da Cláusula de solidariedade 1 ASSEMBLEIA

Leia mais

47% em I&D duplicou. numa década. Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento. última década" e lembra que "é preciso

47% em I&D duplicou. numa década. Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento. última década e lembra que é preciso Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento numa década em I&D duplicou I&D, a sigla que sintetiza a expressão Investigação e Desenvolvimento é hoje, e mais do que nunca,

Leia mais

UM NEW DEAL para o envolvimento em Estados frágeis

UM NEW DEAL para o envolvimento em Estados frágeis UM NEW DEAL para o envolvimento em Estados frágeis CONSTATAÇÕES 1.5 mil milhões de pessoas vivem em Estados frágeis ou afetados por conflitos. Cerca de 70% dos Estados em situação de fragilidade passaram

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES PARLAMENTO EUROPEU

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES PARLAMENTO EUROPEU 7.9.2013 Jornal Oficial da União Europeia C 258 E/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES PARLAMENTO EUROPEU O papel da política de coesão nas regiões ultraperiféricas da União Europeia

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 24.6.2009 COM(2009) 291 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Acção

Leia mais

ANEXO I QUADRO 1: CÓDIGOS DA DIMENSÃO «DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO» Investimento produtivo genérico em pequenas e médias empresas («PME»)

ANEXO I QUADRO 1: CÓDIGOS DA DIMENSÃO «DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO» Investimento produtivo genérico em pequenas e médias empresas («PME») PT 8.3.2014 Jornal Oficial da União Europeia L 69/71 ANEXO I Dimensões e códigos para as categorias de intervenção dos Fundos (1) no âmbito do objetivo de Investimento no Crescimento e no Emprego e da

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

AGENDA. Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia.

AGENDA. Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia. PORTUGAL A INOVAR O Desafio do Desenvolvimento Regional AGENDA Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia. Objectivos Plano Tecnológico, a resposta portuguesa

Leia mais

PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Um Projecto de Internacionalização do Sector

PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Um Projecto de Internacionalização do Sector Em colaboração com: PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Um Projecto de Internacionalização do Sector Lisboa, 18 de Fevereiro de 2011 Francisco Nunes Correia Portugal tem um tecido diversificado e maduro de

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 85/40 DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Março de 2002 relativa ao estabelecimento de regras e procedimentos para a introdução de restrições de operação relacionadascom

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão dos Transportes e do Turismo 2014/2241(INI) 22.5.2015 PROJETO DE RELATÓRIO sobre novos desafios e ideias para o fomento do turismo na Europa (2014/2241(INI)) Comissão

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP)

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) Lisboa, 29 de Agosto de 2009 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros responsáveis

Leia mais