Identificação de conflito de uso da terra em Áreas de Preservação Permanente na bacia hidrográfica córrego Padre Inácio, Mato Grosso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Identificação de conflito de uso da terra em Áreas de Preservação Permanente na bacia hidrográfica córrego Padre Inácio, Mato Grosso"

Transcrição

1 Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p Identificação de conflito de uso da terra em Áreas de Preservação Permanente na bacia hidrográfica córrego Padre Inácio, Mato Grosso Tiago Ferrarezi Dassoller¹ Sandra Mara Alves da Silva Neves¹ Ronaldo José Neves¹ Sophia Leitão Pastorello de Paiva¹ ¹Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Av. Santos Dumont, s/n.b: Santos Dumont (Cidade Universitária) Cáceres - MT, Brasil {ssneves, Resumo: Objetivo-se delimitar as Áreas de Preservação Permanente com base na Lei /2012, bem como identificar a ocorrência de conflito de uso da terra nestas áreas da bacia hidrográfica do córrego Padre Inácio. Para confecção do mapa de uso da terra e cobertura vegetal foram utilizadas as imagens do satélite Landsat 8, sensor Operational Land Imager (OLI), datadas de 30/07/2013, referente as órbitas/pontos 227/71 e 228/71 e a para a geração da rede hidrográfica usou-se a imagem de alta resolução do satélite RapidEye, datada de 21/07/2012. O mapa de uso da terra e cobertura vegetal foi gerado no SPRING 5.2 do INPE, através dos procedimentos de: mosaico, recorte, segmentação e classificação e para a delimitação das Áreas de Preservação Permanente (APPs) utilizou-se o mapa de hidrografia e a ferramenta Buffer do ArcGis, versão 9.2 da ESRI. No ArcGis as APPs delimitadas foram sobrepostas ao mapa de uso da terra e cobertura vegetal e interseccionados para a identificação das as áreas de conflito de uso da terra. Na bacia a principal forma de uso é a agropecuária (67,77%) e as APPs representam 6,08% da área total da BHCPI e sua maior parte (58,05%) é coberta pela vegetação natural, enquanto que (41,95%) apresentam conflito em sua utilização. Esses valores elevados de conflito mostram que apesar da rigidez do Código Florestal Brasileiro, ele não tem sido cumprido de forma eficaz na preservação das APPs na bacia córrego Padre Inácio. Palavras chaves: Recursos Hídricos, APPs, Sensoriamento Remoto, Código Florestal. 426

2 Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p Abstract: Objective is to delimit the areas of permanent preservation under Law 12,651 / 2012, as well as identify the occurrence of conflict of land use in the watershed of the Padre Inácio stream. For preparation of land use and land cover map were used the Landsat 8 images, Operational Land Imager sensor (OLI), dated 30/07/2013, regarding the orbits / 227/71 and 228/71 points and for the generation of the hydrographic network was used to image high-resolution satellite Rapid Eye, dated 21/07/2012. The map of land use and vegetation cover was generated in 5.2 SPRING INPE, through the procedures of: mosaic, clipping, segmentation and classification and delimitation of Areas of Permanent Preservation (APPs) used the map of hydrography and the Buffer tool of ArcGIS, version 9.2 ESRI. In the ArcGIS bounded APPs were superimposed on land use and vegetation cover and intersected to identify the areas of conflict of land use map. Basin in the main form of use is agriculture (67.77%) and APPs represent 6.08% of the total area of BHCPI and mostly (58.05%) is covered by natural vegetation, whereas (41, 95%) have conflict in their use. These high levels of conflict show that despite the rigidity of the Brazilian Forest Code, it has not been fulfilled effectively in the preservation of APPs in the basin stream Padre Inácio. Keywords: Water Resources, APPs, Remote Sensing, Forest Code. 1. Introdução A utilização cada vez maior de novas áreas para a agricultura e pecuária são as principais causas dos processos de desmatamento no Brasil (Tollefson, 2010; Arvor et al., 2012), estas alterações intensificam a fragmentação florestal e geram um resultado negativo para diferentes ecossistemas, influenciando, com isto a biodiversidade (Soares et al., 2011). Estas mudanças na cobertura da terra geram também conseqüências sobre os recursos hídricos implicando na qualidade de vida das populações e no equilíbrio ambiental das áreas drenadas pelas bacias hidrográficas (Nascimento et al., 2005). Com o intuito de reduzir o desmatamento foi criado em 1965 o Código Florestal - Lei n.º 4.771/1965 (Brasil, 1965), o qual visava à conservação do patrimônio ambiental natural. Com o decorrer dos anos o Código Florestal sofreu diversas alterações até que em maio de 2012, instituiu-se a Lei n.º , na qual se altera a Lei n.º 4.771/1965. Em seu artigo 4.º a Lei /2012 (Brasil, 2012) define as Áreas de Preservação Permanente (APP) e os métodos de demarcação, que diferem em alguns itens do Código Florestal de As APPs tem como funções principais segundo Gasparini et al. (2013) a conservação do regime hidrológico e a estabilização das linhas de drenagem natural e suas margens e de acordo com Valente e Gomes (2005) em paisagens agrícolas elas atuam ainda como filtro biológico nos processos de lixiviação, erosão laminar, deriva e fluxo lateral de agroquímicos, além de servirem de quebra-ventos para essas áreas. Para a delimitação de APPs as geotecnologias mostram-se eficaz, principalmente quando se utiliza imagens de satélite de alta resolução espacial processadas em SIG, podendo gerar diagnósticos e subsídios capazes de identificar e avaliar a existência de conflito de uso da terra em Áreas de Preservação Permanente, consolidando as ações ambientais de monitoramento e fornecendo apoio para os instrumentos jurídicos de controle e fiscalização desses ambientes (Nascimento et al., 2005). 2. Objetivo O presente estudo teve como objetivo avaliar o conflito no uso da terra em Áreas de Preservação Permanente na bacia hidrográfica do córrego Padre Inácio, baseando-se na Lei de 25 de maio de

3 Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p Materiais e Métodos 3.1 Área de estudo A área territorial de 1.726,53 km² da Bacia Hidrográfica do Córrego Padre Inácio (BHCPI), encontra-se distribuída nos municípios de Cáceres (74,79%), Mirassol D Oeste (17,20%) e Curvelândia (8,01%), estando localizada na região sudoeste de planejamento do estado de Mato Grosso (Mato Grosso, 2012) e no Pantanal mato-grossense, mais especificamente na unidade do Pantanal de Cáceres (Figura 1). Figura 1. Bacia Hidrográfica do Córrego Padre Inácio nos contextos nacional, estadual, municipal e do Pantanal de Cáceres/MT. A população de Cáceres, Mirassol D Oeste e Curvelândia segundo é , e habitantes, respectivamente, sendo que nestes municípios a população urbana é superior a rural (IBGE, 2013). O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M) dos municípios de Cáceres, Mirassol D Oeste e Curvelândia em que a área de estudo está localizada é de 0,708, 0,704 e 0,690, respectivamente, estando abaixo do IDH do Estado, que é de 0,725 e do Brasil de 0,730 (Pnud, 2013). De acordo com a classificação de Köppen, fundamentada nos regimes térmico, pluviométrico e nas distribuições das associações vegetais, Cáceres possui clima tropical, com temperatura do mês mais frio superior a 18 C, com inverno seco (maio outubro) e chuvas no verão (novembro abril). A pluviosidade anual do município de Cáceres totaliza 1.318,43 mm, chovendo em média 115 dias por ano (Neves et al., 2011). 3.2 Processamento digital de imagem de sensoriamento remoto 428

4 Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p Para elaboração do mapa de uso e cobertura da terra utilizou-se as bandas 4, 5 e 6 da imagem orbital do satélite Landsat 8, sensor Operational Land Imager (OLI), resolução espacial de 30 m, das órbitas/pontos 227 e 228/71 de 30/07/13, disponibilizada gratuitamente no sítio do Serviço Geológico Americano. A escolha da imagem do período seco foi devido à menor ocorrência de nuvens na cena. Inicialmente foi realizada a modelagem e a implementação de um banco de dados geográfico no Sistema de Processamento de Informações Georreferenciadas SPRING do INPE. Na seqüência procedeu-se o mosaico das imagens e o seu recorte pela máscara da área de estudo. Para geração dos mapas realizou-se o processo de segmentação, que compartimenta a imagem em regiões homogêneas a partir do método de crescimento de regiões, cujos valores de similaridade e área foram 2400/800, respectivamente. Para a classificação foi adotado o método supervisionado por região baseado no algoritmo de Bhattacharya. Este método necessita de um conhecimento prévio das feições ocorrentes na área de estudo, pois são coletadas amostras das classes de interesse, por este motivo realizouse trabalho de campo na área de estudo, que permitiu relacionar de forma coerente às feições espectrais presentes nas imagens com a cobertura vegetal e o uso da terra visualizada no campo. Com a finalidade de verificar a confiabilidade do mapa gerado no SPRING foi realizada uma avaliação da exatidão por meio do índice Kappa. As imagem classificada foi convertida para o formato shapefile e exportada para posterior edição no módulo ArcMap do ArcGis, versão 9.2 (ESRI, 2007). Após a finalização da edição as classes de cobertura vegetal e uso da terra da área de estudo, estas foram quantificadas através da calculadora de atributos do ArcGis. 3.3 Delimitação das Áreas de Preservação Permanente A partir de imagens RapidEye disponibilizadas pelo Ministério do Meio Ambiente foram geradas as bases cartográficas de hidrografia, incluindo a de rios, nascentes e lagos existentes na bacia estudada. Para gerar as classes de APPs, foi utilizada a ferramenta Buffer do ArcGis, versão 9.2 da ESRI, respeitando-se os limites contidos no artigo 4.º da Lei /2012 (Brasil, 2012). 3.4 Análises de conflito de uso da terra Para a identificação e análise do conflito no uso das Áreas de Preservação Permanente foi sobreposto no módulo ArcMap do ArcGis, versão 9.2 da ESRI, os mapas de classes de APPs e o de uso e cobertura da terra. Posteriormente através da ferramenta intersecção, disponível no ArcGis, os dados foram combinados, resultando em um novo arquivo contendo os conflitos de uso da terra nas APPs. Para finalizar o arquivo de conflito teve suas áreas quantificadas por meio da calculadora de atributos do ArcGis, para posterior análise dos resultados. 4. Resultados e Discussão O resultado obtido com a utilização do estimador de acerto Kappa (matriz de erros) para a classificação realizada foi de 0,99, valor considerado excelente (Foody, 1992; Congalton e Green, 1998), indicando que a classificação alcançou resultado satisfatório. Na Figura 2 é apresentada a distribuição espacial dos tipos de uso da terra e a cobertura vegetal na bacia hidrográfica do córrego Padre Inácio referente ao ano de 2013, onde se constatou que a situação de elevada degradação é resultado da supressão da vegetação natural para expansão da fronteira agropecuária, que gera devido a isto algumas áreas com uso indevido da terra (APPs). 429

5 Anais 5º Simpósio de Geotecnologias no Pantanal, Campo Grande, MS, 22 a 26 de novembro 2014 Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p Figura 2. Uso da terra e cobertura vegetal da Bacia Hidrográfica do córrego Padre Inácio em A Cana totalizou uma área de 44,46 km² (2,58%) estando distribuída nos três municípios onde a área de estudo está localizada. A expansão desta classe esta diretamente relacionada às duas usinas localizadas nos municípios de Mirassol D Oeste e Lambari D Oeste, pois estas necessitam de matéria prima para o funcionamento. Segundo Simões (2009) a cana-de-açúcar geralmente ocupa áreas que anteriormente eram pastagens, no entanto cabe ressaltar que Politano et al. (1983), Barros et al. (1987) e Campos et al. (1993) em trabalhos sobre a expansão canavieira no estado de São Paulo, constataram que a cana-de-açúcar ocupou áreas deixadas por outras culturas. A Pecuária foi a classe mais representativa na bacia, ocupando uma área total de 1.143,43 km² (66,23%), o que se justifica pelo modelo extensivo utilizado na região, que demanda grandes porções de terra para o seu desenvolvimento. Cardoso et al. (2009) relatam que o aumento da produtividade da pecuária pantaneira é obtido pelo desmatamento, para posterior implantação de pastagens cultivadas, não se considerando as características singulares dos diferentes ecossistemas que formam a paisagem pantaneira, o que colabora de forma significativa para o desequilíbrio ambiental. A vegetação natural da BHCPI totalizou uma área de 473,78 km² (27,44%), sendo constituída pelas classes: Savana arborizada sem Floresta de galeria, Savana florestada, Floresta estacional sub Montana, Savana arborizada e Floresta aluvial. Dentre estas formações merece destaque a Floresta aluvial que ocupou uma área de 271,02 430

6 Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p km² (57,20%), possivelmente explicado pelo cumprimento do Código Florestal Brasileiro Lei nº /2012 (Brasil, 2012), que em seu artigo 4º determina que as faixas marginais de qualquer curso d água natural, desde a borda da calha do leito regular, em largura mínima variando de acordo com a espessura do curso d água devem ser preservadas. As demais classes de vegetação natural totalizaram uma área de 202,76 km² (42,80%), onde à formação Savana arborizada sem Floresta de galeria correspondeu a 56,75% do total. De um modo geral na bacia investigada as classes de vegetação se encontram fragmentadas, o que de acordo com Viana (1995) acarreta na perca da biodiversidade regional, sendo que quanto mais fragmentadas e perturbadas, mais difícil e trabalhoso se tornará a conservação da biodiversidade nestes ambientes. A classe Ecótono entre Savana e Floresta estacional decidual, perfez 31,22 km² (1,81%) da área da BHCPI, um valor baixo se considerada a elevada importância destas áreas para os ecossistemas, pois conforme relata Almeida et al. (2009) estes ambientes são formados por acentuadas variações ambientais, que na maioria dos casos permitem a existência de uma fauna e flora endêmica, com uma notável diversidade. A classe Influência urbana refere-se à cidade de Curvelândia e aos distritos de Santo Antônio do Caramujo e Horizonte D Oeste, ambos pertencentes ao município de Cáceres, tendo somado uma área de 1,83 km² (0,11%) correspondendo a menor área dentre as classes mapeadas na BHCPI, provavelmente por os distritos se localizarem em meio à zona rural de Cáceres onde maior parte da população concentra-se no perímetro urbano. Quanto a Curvelândia a provável razão é que este município se emancipou de Cáceres em 1998, estando desta forma até o referido ano localizado também em meio à zona rural de Cáceres. A área ocupada pela Água foi de apenas 31,81 km² (1,84%), podendo ter sido influenciada pela data de aquisição das imagens que registram o comportamento dos elementos da paisagem no período de seca da região, onde ocorre escassez de chuva. As classes de APPs da Bacia Hidrográfica córrego Padre Inácio totalizaram 103,64 km² e tem como função principal preservar os recursos hídricos, tanto em qualidade como em quantidade (Figura 2). A classe APP-1, relativa às Áreas de Preservação Permanente das nascentes, totalizou uma área de 0,9 km² (0,87%), sendo a classe com menor contribuição dentro das APPs, porém cerca de 80% deste valor encontra-se ocupado pelo uso indevido (pecuária e cana). Este valor baixo é alarmante, pois de acordo com Calheiros et al. (2004) as nascentes sem preservação não conseguem fornecer os benefícios de controle de erosão do solo e redução da contaminação química e biológica da água. As APPs de rios (APP-2) apresentaram área de 85,44 km² (82,44%), sendo a classe de APP com maior representatividade na BHCPI, também representando à classe de APP mais preservada, somando 67% de sua área coberta por vegetação natural. É importante ressaltar que esta classe merece atenção especial, pois Andrade e Romero (2005) afirmam que ela mantém o equilíbrio hidrológico através da: estabilização de ribanceiras do rio; controle da chegada de nutrientes e agrotóxicos aos cursos hídricos; filtragem e regulação das mudanças na temperatura para os ecossistemas aquáticos; ação como barreira para evitar a chegada de sedimentos aos rios e, conseqüentemente evitar o assoreamento dos cursos d águas. A área ocupada pela classe APP-3 (Reservatórios Naturais e Artificiais) foi de 17,30 km² (16,69%), sendo bastante expressiva quando comparamos com outros trabalhos como o de Nowatzki et al. (2010), o que se justifica pelo fato da BHCPI estar contida no bioma Pantanal e os reservatórios naturais de água (lagoas) serem formações características deste bioma. Cabe salientar ainda que esta classe de APP destaca-se negativamente, pois apresentou a maior quantidade de conflito no uso terra, com 86% de sua área sendo utilizado pela agropecuária (pecuária 431

7 Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p extensiva e cana). Analisando de maneira geral o uso da terra e a cobertura vegetal nas Áreas de Preservação Permanente notou-se que 60,22 km² (58,10%) delas estão cobertas por vegetação nativa, enquanto que 43,42 km² (41,90%) são utilizadas contrariando o que foi definido na legislação. Deste total utilizado indevidamente, a pecuária ocupa 43,26 km² enquanto que 0,26 km² são ocupados pela cana. De acordo com a Lei nº /2012 do Código Florestal (Brasil, 2012) as APPs devem ser mantidas cobertas por vegetação, pois apenas desta maneira conseguem desempenhar sua função. No entanto, Coutinho et al. (2013) constataram que as APPs atualmente não conseguem desempenhar suas funções dentro dos ecossistemas, pois estão sendo utilizadas de forma indevida, principalmente pela agropecuária. Tabela 1. Distribuição das áreas das classes de uso e cobertura da terra por município. Município Área Área Categoria Classes Km² Km² % Km² % Ecótono 5,50 0,43 Floresta Aluvial 237,06 18,36 Savana Arborizada Sem Floresta Vegetação 420,88 32,60 114,90 8,90 de Galeria Savana Arborizada Com Floresta Cáceres 0,37 0,03 de Galeria 1.291,23 Savana Florestada 63,05 4,88 Cana 14,76 1,14 Uso 840,43 65,09 Influência Urbana 0,46 0,04 Pecuária 825,21 63,91 Corpos D Água 29,92 2,31 Água 29,92 2,31 Total 1291, , Ecótono 6,70 4,84 Vegetação 19,43 14,05 Floresta Aluvial 10,10 7,30 Savana Florestada 2,63 1,90 Curvelândia Cana 8,39 6,06 138,30 Uso 117,55 85 Influência Urbana 1,37 0,99 Pecuária 107,80 85 Corpos D Água 1,32 0,95 Água 1,31 0,95 Total 138, ,3 100 Ecótono 19,02 6,4 Floresta Aluvial 23,86 8,03 Floresta Estacional Decidual Sub 4,00 1,35 Vegetação 64,69 21,77 Montana Mirassol Savana Arborizada 11,77 3,96 D Oeste Savana Arborizada Sem Floresta 0,16 0, de Galeria Uso 231,73 78,03 Savana Florestada 5,88 1,98 Cana 21,31 7,18 Pecuária 210,42 70,85 Corpos D Água 0,58 0,20 Água 0,58 0,20 Total A análise das APPs por municípios (Tabela 2) evidenciou que 83,74% das APPs estão em Cáceres, possivelmente pelo fato de que aproximadamente 75% da área de estudo está contida neste município. Contudo, se for analisado o uso e a cobertura da terra nas APPs constatamos que é nesta unidade territorial municipal que encontramos o menor valor de uso indevido destas áreas, valor este representado apenas pela pecuária. O município de Curvelândia totaliza 7,69% de APPs, dos quais pouco mais da metade apresenta conflito em seu uso, sendo representado totalmente pela pecuária, enquanto que em Mirassol D Oeste as APPs ocupam 8,57% da BHCPI, estando aproximadamente 55% deste total 432

8 Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p coberto por vegetação nativa, cabe ressaltar que a área que apresenta conflito no uso das APPs deste município é representada pela classe pecuária e cana, diferente dos demais municípios, o que pode estar relacionado com a existência de uma usina de cana nesta unidade territorial. Tabela 2. Distribuição do conflito do uso e da cobertura vegetal da terra em APPs nos municípios de Cáceres, Curvelândia e Mirassol D Oeste. Município Área Área Categoria Classes Km² Km² % Km² % Ecótono 0,32 0,36 Floresta Aluvial 48,27 55,57 Vegetação 51,50 59,28 Savana Arborizada Sem Floresta de APPs Cáceres 86, ,69 1,94 Galeria Savana Florestada 1,22 1,41 Uso 35,37 40,72 Pecuária 35,37 40,72 Total 86, , APPs Floresta Aluvial 3,82 47,91 Vegetação 3,84 48,16 Curvelândia Savana Florestada 0,02 0,25 7,98 Uso 4,14 51,84 Pecuária 4,14 51,84 Total 7, , Ecótono 0,31 3,49 Floresta Aluvial Floresta Estacional Decidual Sub 4,51 50,77 APPs Vegetação 4,88 54,88 0,04 0,45 Mirassol Montana Savana Arborizada Sem Floresta de D Oeste 0,005 0,06 Galeria 8,89 Savana Florestada 0,01 0,11 Cana 0,26 2,95 Uso 4,01 45,12 Pecuária 3,75 42,17 Total 8, , Segundo Silva (2006) muitas das dificuldades encontradas a respeito da preservação das APPs ocorrem porque a legislação ambiental adota os mesmos critérios para todo o Brasil, desconsiderando que no País existem ecossistemas muito diferentes. O que corrobora com Ribeiro et al. (2005) que afirmou que o descumprimento da legislação é facilitada pela inexistência da demarcação oficial das APPs. 5. Conclusões A adoção de Sistemas de Informações Geográficas permitiu a delimitação das Áreas de Preservação Permanente de forma bastante eficiente, produzindo informações acuradas sobre as suas dimensões e distribuição espacial na bacia e nos municípios. A agropecuária representou mais de dois terços da área de estudo, enquanto que as formações vegetais naturais apresentaram-se reduzidas e altamente fragmentadas, o que evidencia a necessidade de um planejamento ambiental para que às mesmas se recuperem, evitando prejuízos irreversíveis a exemplo da perca da biodiversidade. A classe de APP-2 foi a mais representativa e mais conservada entre as delimitadas, em contrapartida a APP-1, foi a menos representativa e a APP-3 foi a que apresentou maior conflito no uso da terra entre as classes mapeadas. A maior parte das APPs encontradas localiza-se no município de Cáceres, enquanto que a menor contribuição foi do município de Curvelândia. As APPs apresentaram valores elevados de conflito, o que mostra que apesar da rigidez do Código Florestal Brasileiro, este não tem sido aplicado com eficácia na preservação das Áreas de Preservação Permanente da bacia investigada. Embora as geotecnologias adotadas para execução da pesquisa tenham possibilitado a ob-

9 Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p tenção dos resultados que contemplaram o objetivo do estudo, ressalta-se que é indispensável a execução dos trabalhos de campo considerando que a vegetação pode ser utilizada para determinados fins (parque, reserva florestal, entre outros) e que os tipos de usos não são identificados via imagem de sensoriamento remoto. 6. Agradecimentos À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Capes pela concessão da bolsa de estudos de mestrado. Ao projeto de pesquisa Modelagem de indicadores ambientais para a definição de áreas prioritárias e estratégicas à recuperação de áreas degradadas da região sudoeste de Mato Grosso/MT, vinculado à sub-rede de estudos sociais, ambientais e de tecnologias para o sistema produtivo na região sudoeste mato-grossense REDE ASA, financiada no âmbito do Edital MCT/CNPq/FNDCT/FAPs/MEC/CAPES/PRO-CENTRO-OESTE Nº 031/ Referências bibliográficas Almeida, H. S.; Berg, E. V. D.; Isaias E. Paulino Carmo, I. E. P.; Almeida, C. A. M. Influência de variáveis ambientais e relações florísticas em um ecótono entre floresta estacional decidual e semidecidual, no sudeste do Brasil. In: Congresso Nacional de Botânica, 60., 2009; Feira de Santana. Anais... Brasília: SBB, Disponível em: <http://www.botanica.org.br/trabalhos-cientificos/60cnbot/resumoexpandido2009_1202.pdf> Acesso em: 03 de agosto de Andrade, L. M. S.; Romero, M. A. B. A importânciadas áreas ambientalmente protegidas nas cidades. In:Encontro nacional de pós-graduação e pesquisa em planejamento urbano e regional, 11., 2005; Salvador. Anais...Salvador: ANPUR, Disponível em: <http://www.anpur.org.br/revista/rbeur/index.php/anais/article/ view/2751/2691> Acesso em 28 de julho de Arvor, D.; Meirelhes, M.S.P.; Dubreuil, V.; Bégué, A. Shimabukoro, Y.E. Analyzubg the agricultural transition in Mato Grosso, Brazil using satellite-derived indices. Applied Geography, v. 32, n. 2, p , Barros, Z. X.; Cardoso, L. G.; Targa, L. A. Utilização de fotografias aéreas em ocupação do solo por cobertura vegetal. In:Congresso Brasileiro De Engenharia Agrícola, 16., 1987, Jundiaí, Anais... Jundiaí: SBEA, P Brasil. Lei nº , de 25 de maio de Institui o novo Código Florestal Brasileiro. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2012/lei/l12651.htm>. Acesso em: 20 julho Brasil. Lei nº 4,771, de 15 de setembro de Institui o Código Florestal Brasileiro. Disponível em: < Acesso em: 20 julho Calheiros, R. De O.; Tabai, F. C. V.; Bosquilia, S. V.; Calamari, M. Preservação e recuperação das nascentes (de água e de vida).. Piracicaba: Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivarí e Jundiaí CTRN, Campos, S.; Castro, R. De Cardoso, L. G.; Barros, Z. X.; De Curi, P. R. Agrupamentos das divisões regionais agrícolas com relação à cobertura vegetal do estado de São Paulo, em In: Congresso Brasileiro De Engenharia Agrícola, 22., 1993, Ilhéus. Anais... Ilhéus. SBEA/CEPLAC, p Cardoso, E. L.; Silva, M. L. N.; Moreira, F. M. S.; Curi, N. Atributos biológicos indicadores da qualidade do solo em pastagem cultivada e nativa no Pantanal. Pesq. agropec. bras., v. 44, n. 6, p , Congalton, R. G.; Green, K. Assessing the accuracy of remotely sensed data: principles and practices. New York: Lewis Publishers, p. Coutinho, L. M.; Zanetti, S. S.; Cecílio, R. A.; Garcia, G. O.; Xavier, A. C. Usos da terra e áreas de preservação permanente (APP) na bacia do Rio da Prata, Castelo-ES. Floresta e Ambiente, v. 20, n. 4, p , Esri. ArcGIS Desktop: release 9.2. Redlands, CA: Environmental Systems Research Institute, Foody, G. M. On the compensation for chance agreement in image classification accuracy assessment. Photogrametric Engineering and Remote Sensing, v. 58, n. 10, p ,

10 Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p Gasparini, K. A. C.; Lyra, G. B.; Francelino, M. R.; Delgado, R. C.; Oliveira Junior, J. F.; Facco, A. G. Técnicas de geoprocessamento e sensoriamento remoto aplicadas na identificação de conflitos do uso da terra em Seropédica-RJ. Floresta e Ambiente, v. 10, n. 3, p , Ibge. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE Cidades. Rio de Janeiro: IBGE, Disponível em: <www.cidades.ibge.gov.br> Acesso em: 20 de julho de Jensen, J. R. Introductory digital image processing: a remote sensing perspective. 2ª. ed. New Jersey: Prentice Hall, 1996, 316 p. Lima, I. B. T.; Barbosa, C. C.; Novo, E. M. L. M.; Carvalho, J. C.; Stech, J. L. Localização de áreas de monitoramento telemétrico em ambientes aquáticos da Amazônia. Acta Amazonica, v. 36, n. 3, p , Mato Grosso (Estado). Secretaria de Estado e Planejamento e Coordenação Geral. Plano de Desenvolvimento do Estado de Mato Grosso - MT Cuiabá: Secretaria de Planejamento do Estado de Mato Grosso, p. Nascimento, M. C.; Soares, V. P.; Ribeiro, C. A. A. S.; Silva, E. Uso do geoprocessamento na identificação de conflito de uso da terra Em áreas de preservação permanente na bacia hidrográfica do rio Alegre, Espírito Santo. Ciência Florestal, v. 15, n. 2, p , Neves, S. M. A. S.; Nunes, M, C, M.; Neves, R. J. Neves. Caracterização das condições climáticas de Cáceres/ MT Brasil, no período de 1971 a 2009: subsídios às atividades agropecuárias e turísticas municipais. B. goiano. geogr., v. 31, n. 2, p , dez., Nowatzki, A.; Santos, L. J. C.; Paula, E. V. Utilização do sig na delimitação das áreas de preservação Permanente (APP s) na bacia do Rio Sagrado (Morretes/PR). Sociedade & Natureza, v. 22, n. 1, p , Pnud. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Atlas de Desenvolvimento Humano. Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos municípios brasileiros. Disponível em: <www.pnud.org.br>. Acessado em: 23 julho Politano, W.; Corsini, P. C.; Lopes, L. R.; Sacchi, E.; Paro, P. S. Caracterização por fotointerpretação da ocupação do solo no município de Monte Alto-SP. Rev. Eng. Agrícola, v. 7, n. 1, p , Sampaio, L. S.; Sartori, A. A. C.; Zimback, C. R. L. Geoprocessamento na identificação de conflito do uso da terra em áreas de preservação permanente na Sub-Bacia do Rio Pardo, SP. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 15., 2011; Curitiba. Anais...São José dos Campos: INPE, Disponível na biblioteca digital URLib: < Acesso em: 24 julho Silva V. G. Legislação ambiental comentada. 3. ed. Belo Horizonte: Fórum, Simões, J. Estudo inédito, com base em imagens de satélite, mostra avanço sobre pastagens e outros cultivos; florestas são pouco atingidas. Inovação Unicamp, 31 agosto Disponível em: <http://www. inovacao.unicamp.br/report/noticias/index.php?cod=588>. Acessoem: 26 de julho Soares, V. P.; Moreira, A.A.; Ribeiro, C. A. A. S.;Gleriani, J. M. Mapeamento das áreas de preservação permanente e dos fragmentos florestais naturais como subsidio à averbação de Reserva Legal em imóveis rurais. Cerne, v. 17, n. 4, p , Tollefson, J. The Global Farm. Nature, v. 466, n. 7306, p , Valente, O. F.; Gomes, M. A. Conservação de nascentes: hidrografia e manejo de bacias hidrográficas de cabeceiras. Viçosa: Aprenda Fácil, 2005, 210p. Viana, V. M. Conservação da biodiversidade de fragmentos de florestas tropicais em paisagens intensamente cultivadas. In: Fonseca, G. A. B.; Schmink, M.; Pinto, L. P. S.; Brito, F. (Ed.). Abordagens interdisciplinares para a Conservação da Biodiversidade e Dinâmica do Uso da Terra no Novo Mundo. Gainesville: Conservation International do Brasil/ UFMG/ University of Florida, p

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Stephanie Freitas Couto de Magalhães Samara Salamene Tom Adnet Moura Viviane Costa Elias

Leia mais

Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG

Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG Resumo A Bacia Hidrográfica do Rio Doce apresenta uma extensão territorial

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT Elaine Barbosa da SILVA¹ Laerte Guimarães FERREIRA JÚNIOR¹ Antonio Fernandes dos ANJOS¹ Genival Fernandes

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Hygor Evangelista Siqueira Gestor Ambiental,

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS FERNANDES, Marianne Durães 1 Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES mari170191@yahoo.com.br

Leia mais

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS XV Encontro de Iniciação Científica XI Mostra de Pós-graduação V Seminário de Extensão II Seminário de Docência Universitária 18 a 22 de outubro de 2010 DESAFIOS DO SABER PARA UMA NOVA SOCIEDADE EPB0733

Leia mais

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais.

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Bruno Alves Nobre Bolsista da FAPEMIG bruno.nobre13@gmail.com Marcos Esdras Leite Professor Dr. Dep. de

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

ADEQUAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO RIPÁRIA EM FUNÇÃO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

ADEQUAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO RIPÁRIA EM FUNÇÃO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ADEQUAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO RIPÁRIA EM FUNÇÃO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Katiuscia Fernandes Moreira 1, Sérgio Campos 1, Mariana Di Siervo 1, Fernanda Caetano Ferreira Santos 1, Milena Montanholi Mileski

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ JULIA S. MELLO 1 ; DANIEL de C. VICTORIA 2 Nº 10505 RESUMO Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são importantes ferramentas

Leia mais

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Murilo R. D. Cardoso Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais/GO

Leia mais

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG)

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG) USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Junior, W. 2 ; Prado, R.B. 3 ; Calderano, S.B. 4 ; 1 EMBRAPA - CNPS Email:braz.calderano@embrapa.br; 2 EMBRAPA- CNPS Email:waldir.carvalho@embrapa.br;

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 143

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 143 Página 143 MAPEAMENTO DE MACIÇOS NATURAIS DE OCORRÊNCIA DE MACAÚBA (ACROCOMIA ACULEATA) VISANDO À EXPLORAÇÃO SUSTENTÁVEL 1 Leonardo Lopes Bhering 1 ; Marina de Fátima Vilela 2 ; Fabiana de Gois Aquino

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

MICROBACIA DO ARROIO CALIFÓRNIA FOZ DO IGUAÇU/ PR, COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE GEOPROCESSAMENTO

MICROBACIA DO ARROIO CALIFÓRNIA FOZ DO IGUAÇU/ PR, COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE GEOPROCESSAMENTO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL E DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE APP's DA MICROBACIA DO ARROIO CALIFÓRNIA FOZ DO IGUAÇU/ PR, COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE GEOPROCESSAMENTO gvsig Eng Esp Taciana

Leia mais

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS Andrade, J.H.R. 1 ; Maia, C.E. 2 ; Cavalcante, A.A. 3 ; Sousa, D.M.M. 4 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO - UFERSA Email:hamilton.meioambiente@yahoo.com.br;

Leia mais

ANÁLISE DE OCORRÊNCIA DE QUEIMADAS EM UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS NA BACIA AMAZÔNICA, CONTIDA NA REGIÃO SUDOESTE MATO-GROSSENSE

ANÁLISE DE OCORRÊNCIA DE QUEIMADAS EM UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS NA BACIA AMAZÔNICA, CONTIDA NA REGIÃO SUDOESTE MATO-GROSSENSE ANÁLISE DE OCORRÊNCIA DE QUEIMADAS EM UNIDADES Paiva, S.L.P. 1 ; Neves, S.M.A.S. 2 ; Muniz, C.C. 3 ; Neves, R.J. 4 ; Kreitlow, J.P. 5 ; 1 UNEMAT/CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Email:sophiapastorello@gmail.com;

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

INTERPOLADOR GEOESTATÍSTICO COMO FERRAMENTA DE PREDIÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA EM ÁREAS ANTROPIZADAS NO BIOMA CERRADO EM GOIÁS E NO DISTRITO FEDERAL

INTERPOLADOR GEOESTATÍSTICO COMO FERRAMENTA DE PREDIÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA EM ÁREAS ANTROPIZADAS NO BIOMA CERRADO EM GOIÁS E NO DISTRITO FEDERAL INTERPOLADOR GEOESTATÍSTICO COMO FERRAMENTA DE PREDIÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA EM ÁREAS ANTROPIZADAS NO BIOMA CERRADO EM GOIÁS E NO DISTRITO FEDERAL Cassio Henrique Giusti CEZARE 1 Nilson Clementino FERREIRA

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ROGER TORLAY 1 ; OSVALDO T. OSHIRO 2 N 10502 RESUMO O sensoriamento remoto e o geoprocessamento trouxeram importantes avanços

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ANTES E APÓS A CONSTRUÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ANTES E APÓS A CONSTRUÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ANTES E APÓS A CONSTRUÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Wellington Nunes de Oliveira Universidade Federal de Goiás,

Leia mais

A importância do Cerrado

A importância do Cerrado A importância do Cerrado Quem vive no Cerrado mora em uma das regiões mais ricas em espécies de plantas e animais do mundo, muitas delas ainda desconhecidas pela ciência e que só existem ali. É ainda nas

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

O emprego do Geoprocessamento na Análise Espacial da Bacia Hidrográfica do Córrego Guariroba, Campo Grande MS

O emprego do Geoprocessamento na Análise Espacial da Bacia Hidrográfica do Córrego Guariroba, Campo Grande MS O emprego do Geoprocessamento na Análise Espacial da Bacia Hidrográfica do Córrego Guariroba, Campo Grande MS Raony Moreira Gomes Yamaciro Geógrafo raony.shiro@gmail.com Abstract. The present study aimed

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO.

Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO. Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO. Marcos Vinícius Alexandre da SILVA Instituto de Estudos Sócio-Ambientais - IESA/UFG Mestrando em Geografia marcosalexandregeo@gmail.com

Leia mais

2. METODOLOGIA DE TRABALHO

2. METODOLOGIA DE TRABALHO TRAÇADO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO TÉCNICA AUXILIAR NA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS DEGRADADAS Autores: Adriana Gomes de Souza Pesquisadora

Leia mais

Monitoramento Espacial e Inteligência na Agricultura

Monitoramento Espacial e Inteligência na Agricultura Monitoramento Espacial e Inteligência na Agricultura Seminário: Imagens de Satélites e Aéreas na Agricultura e Gestão Territorial Édson Bolfe Pesquisador, Chefe-Adj. P&D Embrapa Monitoramento por Satélite

Leia mais

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Joelson de Souza Passos Estudante de Graduação Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Brasil Resumo O código

Leia mais

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ALENCAR SANTOS PAIXÃO 1 ; ÉLIDA LOPES SOUZA ROCHA2 e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO 3 alencarspgeo@gmail.com,

Leia mais

Mapeamento e análise, subsidiadas nas geotecnologias, da ocorrência de queimadas na região sudoeste Matogrossense, contida na Bacia Amazônica

Mapeamento e análise, subsidiadas nas geotecnologias, da ocorrência de queimadas na região sudoeste Matogrossense, contida na Bacia Amazônica Mapeamento e análise, subsidiadas nas geotecnologias, da ocorrência de queimadas na região sudoeste Matogrossense, contida na Bacia Amazônica Laís Fernandes de Souza Neves 1,2 Miriam Raquel da Silva Miranda

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP.

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. 213 PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. Bruno Magro Rodrigues 1, Ana Paula de Lima Costa 1, Marcos Norberto Boin 2. 1 Discente do curso de

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO

DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO RAFAEL CALORE NARDINI; SÉRGIO CAMPOS; LUCIANO NARDINI GOMES;

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1

CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 PIAZZA, Eliara Marin 2 ; GONSALVEZ, Lilian Mariano 2 ; BREUNIG, Fábio Marcelo

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES Franciane L. R. O. Louzada 1, Alexandre R. Santos 2 1 UFES/Departamento Engenharia Florestal, Programa

Leia mais

Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares.

Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares. Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares. Nome do Autor 1: Wagner Santos de Almeida Universidade de Brasília,

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

Conflito de uso da terra em áreas de preservação permanente e reserva legal da bacia hidrográfica do rio Queima- Pé/MT

Conflito de uso da terra em áreas de preservação permanente e reserva legal da bacia hidrográfica do rio Queima- Pé/MT Conflito de uso da terra em áreas de preservação permanente e reserva legal da bacia hidrográfica do rio Queima- Pé/MT Rogerio Gonçalves Lacerda de Gouveia 1 Edinéia Aparecida dos Santos Galvanin 2 Sandra

Leia mais

Mapeamento do conflito de uso em áreas de preservação permanente na microbacia Santa Cruz, município de Porto Nacional Tocantins Brasil Emmanuel Kirlian Evangelista Barros 1 Alan Kardec Elias Martins 2

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL Gabriela Nunes Wicke 1, Antonio Fontes de Faria Filho 2, Quintino Reis de Araujo 3, Gabriel Paternostro

Leia mais

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE 16 a 18 de novembro de 2009 Fundação Mokiti Okada Palestrante: Mônica Pavão Pesquisadora do Instituto Florestal INVENTÁRIO FLORESTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO INVENTÁRIO

Leia mais

Utilização de SIG aliado ao sistema de gestão ambiental em cursos d água urbanos.

Utilização de SIG aliado ao sistema de gestão ambiental em cursos d água urbanos. Utilização de SIG aliado ao sistema de gestão ambiental em cursos d água urbanos. AUTORES: Reginal Exavier¹, Elizabeth Rodrigues Brito Ibrahim² ¹Graduado no curso de Engenharia Ambiental e Sanitária pelo

Leia mais

Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 13 a 18 de abril de 2013, INPE

Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 13 a 18 de abril de 2013, INPE Diagnóstico ambiental no perímetro urbano do município de Marabá, estado do Pará, utilizando imagens de alta resolução Raphael de Souza Vale 1 Cíntia Pedrina Palheta Balieiro 2 1 Universidade do Estado

Leia mais

Comparação entre classificadores por pixel e por região com imagem SPOT-5 para o estado de Minas Gerais

Comparação entre classificadores por pixel e por região com imagem SPOT-5 para o estado de Minas Gerais Comparação entre classificadores por pixel e por região com imagem SPOT-5 para o estado de Minas Gerais Fernanda Rodrigues Fonseca 1 Thiago Duarte Pereira 1 Luciano Vieira Dutra 1 Eliana Pantaleão 1 Corina

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

Figura 1: Localização geográfica da área de estudo com a composição colorida do sensor TM (R3, G2 e B1).

Figura 1: Localização geográfica da área de estudo com a composição colorida do sensor TM (R3, G2 e B1). MUDANÇA DA PAISAGEM AMAZÔNICA NA ÁREA DO PROJETO DE ASSENTAMENTO DIRIGIDO SANTA LUZIA, EM CRUZEIRO DO SUL, AC Rafael C. DELGADO 1, Leonardo P. de SOUZA 1, Ian W. R. da SILVA 1, Evaldo de P. LIMA 2, Ricardo

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s)

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) Richard Antonio Souza Mesquita Tocantins - FACTO Murilo Ribeiro Brito Tocantins FACTO Adelzon Aires Marinho Tocantins FACTO Prof: Dr. Cid Tacaoca

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O LEI N.º 1.453/2013. SÚMULA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a promover a Concessão de Direto Real de Uso em favor da Colônia Z-20 de Pescadores de Juína, da área urbana que menciona, e dá outras Providências.

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA DINÂMICA DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA, EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA DO RIO DOS MACACOS, MUNICÍPIO DE PARACAMBÍ - RJ

DIAGNÓSTICO DA DINÂMICA DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA, EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA DO RIO DOS MACACOS, MUNICÍPIO DE PARACAMBÍ - RJ DIAGNÓSTICO DA DINÂMICA DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA, EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA DO RIO DOS MACACOS, MUNICÍPIO DE PARACAMBÍ - RJ Guilherme Ramos de Paula 1 Alessandra Carreiro Baptista 2

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA E ANÁLISE DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO NIOAQUE UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

CARACTERIZAÇÃO DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA E ANÁLISE DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO NIOAQUE UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS CARACTERIZAÇÃO DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA E ANÁLISE DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO NIOAQUE UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS MSc. Emerson Figueiredo Leite 1 Dr. Roberto Rosa 2 1 Doutorando

Leia mais

PROCESSAMENTO DE IMAGENS LANDSAT-5 TM NO MAPEAMENTO DO USO DA TERRA NA REGIÃO DE GUAXUPÉ (MG)

PROCESSAMENTO DE IMAGENS LANDSAT-5 TM NO MAPEAMENTO DO USO DA TERRA NA REGIÃO DE GUAXUPÉ (MG) PROCESSAMENTO DE IMAGENS LANDSAT-5 TM NO MAPEAMENTO DO USO DA TERRA NA REGIÃO DE GUAXUPÉ (MG) LYNEKER PEREIRA DA SILVEIRA¹ e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO² Palavras chaves: Sensoriamento Remoto; Café; Cana-de-açúcar;

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

JOSÉ CONSTANTINO SILVEIRA JÚNIOR DIÓGENES SALAS ALVES MARIA ISABEL ESCADA

JOSÉ CONSTANTINO SILVEIRA JÚNIOR DIÓGENES SALAS ALVES MARIA ISABEL ESCADA Utilização de Técnicas de Análise Espacial no Estudo da Correlação entre Expansão das Áreas Desflorestadas e da Fronteira Agropecuária no Estado do Mato Grosso JOSÉ CONSTANTINO SILVEIRA JÚNIOR DIÓGENES

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

Marcelo Gonçalves 1. Maurício Polidoro 2. Mirian Vizintim Fernandes Barros 3

Marcelo Gonçalves 1. Maurício Polidoro 2. Mirian Vizintim Fernandes Barros 3 MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E IDENTIFICAÇÃO DE USOS IRREGULARES DO SOLO MUNICIPAL DE IBIPORÃ-PR POR MEIO DAS TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO Marcelo Gonçalves 1 Maurício Polidoro 2 Mirian

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG.

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG. UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG. PEDRO HENRIQUE BAÊTA ANGELINI 1, ROSÂNGELA ALVES TRISTÃO BORÉM

Leia mais

Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil

Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil FARIAS DO VALLE JUNIOR, RENATO; PEDROSO VAL, BRUNO HENRIQUE; ALMEIDA DO CARMO, DANILO; SILVA CAMPOS

Leia mais

A dinâmica do desmatamento em duas cidades amazônicas: Rio Branco e Cruzeiro do Sul, Acre, no período de 1985 a 2003 uma análise preliminar.

A dinâmica do desmatamento em duas cidades amazônicas: Rio Branco e Cruzeiro do Sul, Acre, no período de 1985 a 2003 uma análise preliminar. A dinâmica do desmatamento em duas cidades amazônicas: Rio Branco e Cruzeiro do Sul, Acre, no período de 1985 a 2003 uma análise preliminar. Letícia Palazzi Perez 1 Homero Fonseca Filho 1 Tatiana Mora

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA

ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA Raphael de Souza Vale 1, Cintia Pedrina Palheta Balieiro 2 1 Graduando

Leia mais

Rafael Galvan Barbosa Ferraz 1 Carla Maria Maciel Salgado 1 Reginaldo Brito da Costa 1

Rafael Galvan Barbosa Ferraz 1 Carla Maria Maciel Salgado 1 Reginaldo Brito da Costa 1 Análise de Uso do Solo e Topografia do Município de Dois Irmãos de Buriti para elaboração de uma proposta de criação de Área de Proteção Ambiental (APA) Rafael Galvan Barbosa Ferraz 1 Carla Maria Maciel

Leia mais

Tema: Geoprocessamento e aplicações. As áreas de preservação permanente a luz do novo código florestal

Tema: Geoprocessamento e aplicações. As áreas de preservação permanente a luz do novo código florestal Tema: Geoprocessamento e aplicações As áreas de preservação permanente a luz do novo código florestal Luciana da Silva Estevam ¹ Samira Amorim Pereira ² ¹ TNC The Nature Conservancy Av. Hist. Rubens de

Leia mais

Espacialização do Conflito do Uso e Ocupação do Solo em Áreas de Preservação Permanente da Microbacia do Ribeirão Santo Antonio, São Manuel-SP

Espacialização do Conflito do Uso e Ocupação do Solo em Áreas de Preservação Permanente da Microbacia do Ribeirão Santo Antonio, São Manuel-SP Espacialização do Conflito do Uso e Ocupação do Solo em Áreas de Preservação Permanente da Microbacia do Ribeirão Santo Antonio, São Manuel-SP Sérgio CAMPOS 1 Gabriel Rondina Pupo da SILVEIRA 2 Mariana

Leia mais

Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado

Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado Carlos Antônio Melo CRISTÓVÃO Laerte Guimarães FERREIRA Jr. Universidade Federal de Goiás - UFG Instituto

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Monitoramento das pastagens cultivadas no cerrado goiano a partir de imagens MODIS índices de vegetação e dados censitários

Monitoramento das pastagens cultivadas no cerrado goiano a partir de imagens MODIS índices de vegetação e dados censitários Monitoramento das pastagens cultivadas no cerrado goiano a partir de imagens MODIS índices de vegetação e dados censitários Fanuel Nogueira GARCIA, Laerte Guimarães FERREIRA Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Mapeamento, Identificação e Monitoramento das Áreas de Proteção Permanente ao longo do Ribeirão Anicuns no Município de Goiânia - Go

Mapeamento, Identificação e Monitoramento das Áreas de Proteção Permanente ao longo do Ribeirão Anicuns no Município de Goiânia - Go Mapeamento, Identificação e Monitoramento das Áreas de Proteção Permanente ao longo do Ribeirão Anicuns no Município de Goiânia - Go Daniel Mathias Caixeta 1 1 Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Florestal Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br Ministério da Agricultura, O Código Florestal atual apresenta sérias dificuldades para sua aplicação no Pantanal. A Embrapa

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

Raphael Ferreira Almeida 1, Herval K. Ferreira Neto 1, Viviane de O. Marques¹, Janaina F. Guidolini², Renato F. do Valle Júnior 3

Raphael Ferreira Almeida 1, Herval K. Ferreira Neto 1, Viviane de O. Marques¹, Janaina F. Guidolini², Renato F. do Valle Júnior 3 DIAGNÓSTICO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA MICROBACIA HIDROGRÁFICA RIBEIRÃO DAS PEDRAS, VERÍSSIMO-MG, UTILIZANDO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO Raphael Ferreira Almeida 1, Herval K. Ferreira Neto

Leia mais

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251 ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11 13 de Novembro de 2010, São João delrei, MG; pg 251 257 251 ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA CIDADE DE VITÓRIAES USANDO A COMPOSIÇÃO

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL, COM SUPORTE DE GEOTECNOLOGIAS

ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL, COM SUPORTE DE GEOTECNOLOGIAS RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO DE PESQUISA FAPERJ AUXÍLIO À PESQUISA APQ1 PROCESSO E-26/111.893/2012 RESPONSÁVEL: GILBERTO PESSANHA RIBEIRO ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO

Leia mais

Delimitação de áreas de proteção permanente (APPs) em uma bacia de drenagem sob uso agrícola na região serrana do Rio de Janeiro.

Delimitação de áreas de proteção permanente (APPs) em uma bacia de drenagem sob uso agrícola na região serrana do Rio de Janeiro. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.4149 Delimitação de áreas de proteção permanente (APPs) em uma bacia de drenagem

Leia mais

Exigência e cumprimento do código florestal brasileiro referente à área de reserva legal em imóveis rurais da mesorregião do Centro Norte Baiano

Exigência e cumprimento do código florestal brasileiro referente à área de reserva legal em imóveis rurais da mesorregião do Centro Norte Baiano Exigência e cumprimento do código florestal brasileiro referente à área de reserva legal em imóveis rurais da mesorregião do Centro Norte Baiano Ane Fonseca Sá Calafange 1* Valter Forastieri 1** RESUMO:

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA OCUPAÇÃO IRREGULAR DE ÁREAS DE APP NA SUB- BACIA DO RIO DO PEIXE EM ITABIRA MG E A RELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE SEDIMENTOS

DIAGNÓSTICO DA OCUPAÇÃO IRREGULAR DE ÁREAS DE APP NA SUB- BACIA DO RIO DO PEIXE EM ITABIRA MG E A RELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE SEDIMENTOS DIAGNÓSTICO DA OCUPAÇÃO IRREGULAR DE ÁREAS DE APP NA SUB- BACIA DO RIO DO PEIXE EM ITABIRA MG E A RELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE SEDIMENTOS Letícia de Souza Perdigão 1 ; Eliane Maria Vieira 2 *; Roberto Cezar

Leia mais

ANÁLISE AMBIENTAL DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA NO MUNICÍPIO DE VERÍSSIMO - MG: ELABORAÇÃO DO MAPA DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

ANÁLISE AMBIENTAL DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA NO MUNICÍPIO DE VERÍSSIMO - MG: ELABORAÇÃO DO MAPA DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ANÁLISE AMBIENTAL DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA NO MUNICÍPIO DE VERÍSSIMO - MG: ELABORAÇÃO DO MAPA DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Kedson Palhares Gonçalves - kedsonp_gonçalves@hotmail.com Instituto Federal do Triângulo

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI Manutenção e recuperação da capacidade produtiva da região do Médio e Baixo Apoiar o desenvolvimento de atividades produtivas com espécies adaptadas a região (fauna e flora) Identificar as potencialidades

Leia mais

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) NOS PRINCIPAIS CORPOS HÍDRICOS DO MUNICÍPIO DE JAGUARI/RS, UMA ANÁLISE QUANTO A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) NOS PRINCIPAIS CORPOS HÍDRICOS DO MUNICÍPIO DE JAGUARI/RS, UMA ANÁLISE QUANTO A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) NOS PRINCIPAIS CORPOS HÍDRICOS DO MUNICÍPIO DE JAGUARI/RS, UMA ANÁLISE QUANTO A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PERMANENT PRESERVATION

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; Email:natachaaleixo@yahoo.com.br;

Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; Email:natachaaleixo@yahoo.com.br; SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA APLICADAS À ANÁLISE DA Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; 1 UEA Email:nsacj@hotmail.com; 2 UEA Email:joaokandido@yahoo.com.br; 3 UEA Email:natachaaleixo@yahoo.com.br;

Leia mais