CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO KARLA CRISTINE JUSTINO MIX EXTERNO E INTERNO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO KARLA CRISTINE JUSTINO MIX EXTERNO E INTERNO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO KARLA CRISTINE JUSTINO MIX EXTERNO E INTERNO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL SÃO PAULO 2006

2 2 KARLA CRISTINE JUSTINO MIX EXTERNO E INTERNO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Trabalho de conclusão de curso realizado para cumprir exigência parcial para conclusão do curso de Jornalismo, sob a orientação da prof.ª Marcela de Matos Batista. SÃO PAULO 2006

3 3 SUMÁRIO Introdução Comunicação Empresarial A história A função Comunicação Externa e Interna Comunicação Externa Publicidade e Propaganda Marketing Assessoria de Imprensa Comunicação Interna Endomarketing O mix Externo e Interno para o Planejamento Estratégico A relação das ferramentas das atividades Externa e Interna O Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Estudo de Caso: Indiana Seguros...34 Conclusão...38 Glossário...40 Anexo...45 Referência Bibliográfica...42

4 4 INTRODUÇÃO Este Trabalho de Conclusão de Curso tem como objetivo apresentar como as empresas buscam firmar uma imagem no mercado, utilizando as estratégias e táticas da Comunicação Externa e Interna. O estudo será realizado em cima de publicações, sejam elas livros, revistas ou artigos, dos principais autores e profissionais da área de Comunicação Empresarial e com base em uma pesquisa sobre o trabalho diário destas áreas de comunicação da empresa Indiana Seguros. No caso da Comunicação Externa serão analisados os projetos e campanhas de Publicidade, Propaganda e Marketing e o trabalho da Assessoria de Imprensa, como os trabalhos de Press-Releases, escolha e orientação do Porta-voz e o Clipping. Na Comunicação Interna e Endomarketing será analisada a tendência das empresas em investir nestes ramos, os benefícios que são proporcionados e o clima e cultura organizacional. A problemática é que na maioria das empresas a Comunicação Externa e Interna não estão conectadas, por muitas vezes estes setores serem terceirizados, tendo como conseqüência diversos problemas decorrentes da falta de informação de ambos os públicos. A hipótese deste trabalho é o mix da Comunicação Externa e Interna para o Planejamento da Comunicação Empresarial como uma forma eficaz para construir e fixar uma boa imagem da empresa, que posteriormente acarretará em resultados benéficos para os negócios, assim tornando este mix como meta e parte essencial do Planejamento Estratégico da empresa. A escolha do tema O mix Interno e Externo para o Planejamento Estratégico de Comunicação Empresarial veio da pretensão de mostrar que as áreas da Comunicação Empresarial dependem uma da outra.

5 5 1. COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL A Comunicação Empresarial não deve somente mostrar a marca da empresa, e sim firmá-la, tanto externamente para o consumidor, quanto internamente para o empregado. Assim, buscando um lucrativo resultado nas vendas, já que neste mundo do Capitalismo, a competição entre as empresas é cada vez mais acirrada, pois a tecnologia diminui distâncias e derruba barreiras em diversos países, e hoje há possibilidade de um consumidor comprar um produto do outro lado do mundo sem sair de casa, o que colocou as empresas num mesmo patamar, porque as diferenças dos produtos e serviços são mínimas e há inúmeros no mercado, tornando extremamente difícil apresentar os seus diferencias e vantagens, o que leva a Comunicação Empresarial atuar com uma linguagem subjetiva e conceitual, agregando às marcas valores que representam prestígio, status e exclusividade. No entanto, é importante comprovar que o produto oferece muitos benefícios, caso não, ocorra imediatamente uma desilusão no consumidor, que não se tornará mais um cliente. (NASSAR e FIGUEIREDO, 1995). No ambiente empresarial de hoje, onde a concorrência é brutal e o consumidor se impõe de uma forma nunca vista, as linguagens de comunicação que interagem com a sociedade e com os públicos de interesse da empresa se tornam fundamentais no mix (composição) de Comunicação Empresarial. (NASSAR, FIGUEIREDO, 1995, p.13) O papel da Comunicação Empresarial é justamente apresentar a empresa para o público através da mídia, com o trabalho da área Comunicação Externa, e tratar os empregados de forma que fiquem sempre informados dos processos da companhia através da área Interna.

6 6 O objetivo da Comunicação Externa e Interna é o objetivo da empresa, por isso ela deve ser norteada ao plano da companhia e entrar em sintonia para obter resultados essenciais, como a ampliação do número de clientes e o faturamento. (NASSAR e FIGUEIREDO, 1995). 1.1 A HISTÓRIA A Comunicação Empresarial surgiu nos Estados Unidos em 1906, mais precisamente em Nova York através do Jornalista Ivy Lee que decidiu mudar sua forma de fazer jornalismo, por causa do seu objetivo de recuperar a credibilidade perdida do empresário John D. Rockfeller, que era odiado por todos os empresários dos EUA, por dominar o mercado e ser o mais destacado empresário daquele país. (AMARAL, 2001). Ivy Lee passou a fornecer à imprensa notícias empresariais para serem divulgadas jornalisticamente e não como anúncios ou como matéria paga, e para convencer a imprensa que o seu trabalho era sério, ele escreveu e adotou uma carta de princípios. O trabalho de Lee deu tão certo nos EUA, que Rockfeller passou a ser visto como um benfeitor da humanidade pela imprensa e opinião pública, e mais tarde, os demais empresários contrataram o seu serviço. A partir do sucesso de Lee, a atividade de Comunicação Empresarial começou a ser adotada em inúmeras empresas e órgãos públicos, posteriormente passou a ser estudada em universidades, como Yale, Havard e Colúmbia, que começaram a formar especialistas em Relações Públicas. Dos Estados Unidos, as Relações Públicas foram sucessivamente para o Canadá (1940), França (1946), Holanda, Inglaterra, Noruega Itália, Bélgica, Suécia, Finlândia e Alemanha.

7 7 Em 1950, as atividades de Comunicação Empresarial chegaram ao Brasil com as indústrias e agências de propaganda dos Estados Unidos, que foram atraídas pelo governo de Juscelino Kubitschek, que investia no ramo industrial. O Juscelino Kubitschek assumiu a Presidência com a disposição de fazer 50 anos em 5, conseqüentemente ele criou condições para que viessem para o Brasil as empresas de capital estrangeiro, como as montadoras de veículos e fábricas de produtos de higiene. Estas atividades eram exercidas por profissionais de Relações Públicas, que obtiveram a Regulamentação da profissão em 1968, iniciando a prática de Assessoria de Imprensa e despertando um interesse dos jornalistas nesta área. Então, começa uma disputa entre os profissionais de Relações Públicas e de Jornalismo para ganhar o mercado de trabalho, e conseqüentemente, a busca pelos fatos que virariam notícias nos veículos de comunicação de massa. Porém, os jornalistas destes veículos não acreditavam nos assessores de imprensa, pois achavam que só queriam se promover. Este quadro mudou após a Greve dos Jornalistas de São Paulo, em 1978, pois muitos foram demitidos por Assessorias de Imprensa e migraram para os jornais, revistas e rádios, levando uma bagagem das atividades empresariais. Em 1967 foi fundada a ABERJE, Associação Brasileira de Editores de Revistas e Jornais de Empresas pelo jornalista Nilo Luchetti, editor da revista Notícias Pirelli, a fim de fomentar a aproximação e o relacionamento de empresas, instituições, pesquisadores e profissionais que exercem as atividades de Comunicação Empresarial, hoje é denominada Associação Brasileira de Comunicação Empresarial, mantendo a mesma sigla, é considerada a mais importante entidade da área em nosso país. Atualmente a Comunicação Empresarial está mais madura, mas ainda precisa identificar problemas e encontrar soluções para grandes desafios que a globalização, novas tecnologias e a forte concorrência impõe. A Comunicação se tornou o espelho da Cultura Organizacional,

8 8 que se reflete na valorização dos profissionais, na responsabilidade social e na transparência e participação no mercado. (AMARAL, 2001). As empresas investem cada vez mais em comunicação, de acordo com a pesquisa realizada pela ABERJE, divulgada pela revista Imprensa, em dezembro de 2005, 74% dos entrevistados acreditam que a Comunicação Corporativa é uma área estratégica nas empresas onde trabalham e, em 73,5% delas já existe um plano integrado para o setor, em relação ao modelo, 73,5% das empresas atuam com equipes internas e externas para a comunicação. Os empresários têm plena consciência que não há como uma empresa se manter e desenvolver sem um plano de comunicação, e o profissional desta área deve ir muito além dos veículos de comunicação, como participar do Planejamento Estratégico da Organização, como Paulo Nassar disse em uma entrevista a jornalista Thaís Naldini... O comunicador empresarial deixou de ser um fazedor de mídia para ser um planejador.... (Revista Imprensa, dez/2005, p.53). A pesquisa realizada pelo Instituto ABERJE e Ideafix Estudos Institucionais (2001), com a finalidade de identificar aspectos da Comunicação Corporativa, referente a investimentos, configuração da área e ferramentas disponíveis para o profissional de comunicação, constatou que de 100 empresas do ramo Industrial, Comércio e Prestadores de Serviços, 54% desenvolvem um trabalho de comunicação tradicional, enquanto 36% o trabalho é arrojado, mas apenas 10% não desenvolvem um trabalho adequado. E a maioria destas empresas, que representam 64%, encara os recursos destinados à área de Comunicação Corporativa como estratégicos, e para 40% os recursos são vistos como instrumentos táticos. Instrumentos estratégicos são mais teóricos, como exemplo, mostrar uma prática mais agressiva de negociação, manter a equipe informada, motivada, atrair leitores e diversificar o produto. Os táticos são mais práticos como publicar no site algo sobre a nova política, pressrelease, informativo para os funcionários e programa de rádio.

9 9 As empresas que participaram da amostra são 52 indústrias, 7 empresas do ramo do comércio e 41 prestadores de serviços, que compõe 23 dos maiores grupos empresariais do país e empregam cerca de meio milhão de pessoas, destas empresas 54 estão classificadas entre as 500 Maiores e Melhores da Pesquisa Revista Exame e 75 empregam mais de funcionários. As organizações de capital nacional têm o trabalho mais arrojado, numa proporção de 44,2% para 26,2% em relação às empresas de capital estrangeiro. Esta pesquisa comprova também que há uma tendência das empresas em investir cada vez mais em comunicação, apoiando o seu Planejamento Estratégico nesta área e ainda se prevenindo com o trabalho de comunicação de crise, na qual foi comprovado que 65% delas têm estrutura para gerenciar crises, enquanto para empresas que possuem mais de funcionários este número sobe para 77%. Em relação ao gerenciamento de crises, as indústrias estão mais bem preparadas para a situação de crise (78%) do que o ramo de Prestadores de serviços (54%). Da mesma forma que as empresas de capital estrangeiro (81%), se preparam para a crise mais que as nacionais (53%). As empresas consideradas que têm uma atividade arrojada possuem uma atitude proativa, divulgando intensamente a crise, enquanto as empresas tradicionais fazem comunicados oficiais. As principais conclusões da pesquisa foram que embora as empresas vêm aumentando o investimento em comunicação, ainda preferem que esta seja de um modelo tradicional, a comunicação de crise já possui uma postura incorporada e tem como visão a importância de informar primeiro o público interno, o elevado índice de empresas investindo na área social demonstra uma mudança de perfil empresarial e o crescimento da demanda pela responsabilidade social.

10 10 A crise empresarial é uma situação inesperada e que seu desdobramento prejudica a atuação normal da empresa, e por ela ser vastíssima, até foge do controle dos administradores. As universidades americanas e européias estudam casos e mais casos escabrosos que levaram empresas à ruína, professores e profissionais de Relações Públicas buscam construir processos e descobrir receitas para lidar com as crises, entretanto, as empresas continuam mergulhando nelas todos os dias, apesar de tudo que se estudou e se debateu sobre o assunto. (NEVES, 2000). 1.2 A FUNÇÃO Segundo a consultoria de comunicação e pesquisa Comtexto (2006), a função da Comunicação Empresarial é promover, desenvolver e manter a relação da empresa com seu público interno e externo através do conjunto de atividades e técnicas destinadas à intensificação do processo e à intensificação do processo e à difusão da informação. Considerada como ferramenta estratégica, esta deve trabalhar com intensidade na competitividade, criando a todo tempo inovações de produtos e serviços, colocando-os com diferenciais no mercado e ao final mostrar bons resultados. É fundamental o cuidado com a aparência da empresa, na qual é analisada a sua saúde financeira, que é vista através de sua imagem, este é o fator diferencial da concorrência, uma empresa bem estruturada e administrada, significa bom trabalho prestado. No entanto, tratando o seu cliente com respeito, monitorando o trabalho realizado continuadamente, mantendo o contato, seja ele externo ou interno, para avaliar o seu grau de

11 11 satisfação, obtendo assim um feedback, também comunicando com informações de qualidade, consistência e periodicidade. A tecnologia nos proporcionou um ambiente superinterativo, ágil e de fácil acesso às informações, onde o público se interage direta ou indiretamente, com ou sem controle e planejamento. Então, a empresa que tem capacidade de competir de forma que utilize diferentes canais de comunicação para atender diferentes clientes, ou seja, respeitando o perfil de cada um, está à frente da concorrência. São inúmeros os públicos com os quais as empresas se relacionam, independente do seu tamanho, se uma empresa pequena tem tantos públicos a ela associados quanto uma grande corporação, o valor é proporcional. O importante é o processo correto de identificação dos públicos, análise de suas motivações, descoberta de interesses mútuos, estabelecimento de programas de aproximação, abertura de canais e sua lubrificação. Cada público tem uma particularidade, uma linguagem própria, uma tendência a desenvolver certas percepções. (Neves, 2000). A Comunicação deve seguir 3 etapas para conquistar o público, a primeira é coordenar a integração das ações, programas e projetos, bem como buscar a otimização dos recursos, a segunda é integrar à comunicação os marketings institucional e comercial e a terceira é fase de unificar o discurso, ou seja, utilizar a mesma mensagem para todos os públicos. A segmentação somente ocorre na definição dos programas e dos veículos, estes, sim, adequados às características do público, contudo, é necessário dar sinergia às mensagens, como por exemplo, o consumidor deve saber o que a empresa faz no campo social tanto quanto o público interno ou os formadores de opinião, e também evitar dissonâncias no discurso, como a empresa dizer que está bem de vida e anunciar planos de cortes de pessoal. Quem confere valor à marca são os seus clientes, mas todos os stakeholders são elos importantes, para estimular e potencializar a atratividade da marca em todas as

12 12 suas dimensões. É essa atratividade da marca, esse magnetismo da marca, convertido em negócios, que garante a valorização e a vitalidade de uma organização e confere o valor da empresa. (MARTINS, 2005, p.51) A Comunicação deve analisar e valorizar os principais itens que estão na pasta das empresas, ou seja, elementos da Identidade Institucional que ajudam a construir e a fortalecer percepções no público - são eles: a história da empresa, o passado de contribuições à comunidade, à sociedade e ao país, os produtos e/ou serviços, pois de uma empresa de qualidade, o consumidor espera produtos e/ou serviços de qualidade. Também está o perfil dos clientes, a natureza deles ajuda a construir uma percepção sobre a empresa, o comportamento dos dirigentes, como vivem, como agem, como se posicionam e como tratam as pessoas, de preferência, subordinados, e as atitudes dos empregados, que devem tratar o cliente com educação, cortesia, atenção, estar ou aparecer estar de bem com a vida. Além disso, há a Publicidade, que precisa ser compatível com a imagem empresarial desejada, as parcerias que precisam de cuidados com mal-entendimentos, pois recentes fusões têm produzido estragos na imagem de boas empresas e a programação visual, todas as coisas que usam elementos devem ser analisados por especialistas, o relacionamento com públicos, a forma, os meios, os processos, os procedimentos, etc., estes estão diretamente vinculados às idéias de transparência empresarial, respeito pela comunidade e pela opinião pública. A arquitetura dos imobiliários também é um elemento, os desenhos emitem mensagens poderosas que mobilizam o imaginário popular, além da estética. As empresas precisam se preocupar com a segurança, porque os procedimentos nessa área cada vez mais necessários devem ser os mais discretos possíveis. E também com os patrocínios e eventos, que devem ser de total compatibilidade entre a imagem empresarial desejável e os diversos tipos de marketings institucional. Já os brindes, precisam combinar os três elementos: a qualidade do brinde, a cara da empresa e a utilidade para quem recebe.

13 13 Mas isto não é só, há o posicionamento nas questões públicas, porque nem sempre os interesses da empresa coincidem com os interesses dos clientes e consumidores, e o posicionamento nas crises, pela razão de que as empresas ficam superexpostas nas crises, mas o posicionamento certo pode diminuir o prejuízo, a qualidade em geral, é fundamental a existência de processos que asseguram a qualidade de textos, como cartas e publicações, e de bancos de dados, como nomes e cargos. (NEVES, 2000). Comunicação Empresarial é o processo que exige esforço, dedicação e investimentos permanentes, reconhecendo a importância do seu público para a sobrevivência dos negócios da empresa.

14 14 2. COMUNICAÇÃO EXTERNA E INTERNA Neste capítulo serão conceituadas as áreas da Comunicação Externa e da Interna. As atividades externas englobam os trabalhos de Publicidade, Propaganda e Marketing, que usam o poder da marca para acrescentar personalidade e significados aos produtos, serviços e a empresa, e também trabalhos da Assessoria de Imprensa, que fazem eco no mercado ao informar os diferenciais, qualidades e conquistas da empresa, assim tomando o reconhecimento do público. E as atividades internas são trabalhadas pela Comunicação Interna e Endomarketing, que informam e mantêm informações importantes aos empregados sobre objetivos, performance e metas da companhia. 2.1 COMUNICAÇÃO EXTERNA Publicidade e Propaganda Instrumento de Comunicação Mercadológica que as empresas usam para persuadir seu público-alvo, utilizando razões e argumentos (verdadeiros ou não) para que ele acredite em algo, o qual afetará o seu psicológico e social, levando a mudança de valores que modificará suas atitudes sobre algum aspecto da realidade ou realizará uma ação, como a compra de um determinado produto. (GOMES et al, 1998).

15 15 A importância atual da Publicidade e Propaganda se dá devido a dois fatores novos na sociedade de massa, que é o distanciamento entre o produtor de bens ou de idéias e o consumidor e a abundância de produtos e idéias estandardizadas. A Publicidade e Propaganda nasceram da industrialização, são causa e efeito da revolução industrial, com o advento da produção em série, a urbanização, as grandes lojas de departamentos, os meios de comunicação de massa e a elevação do nível de vida. A publicidade fez a prosperidade e a prosperidade fez a publicidade. O mercado sofreu uma grande mudança com o início da fabricação massiva dos produtos, e as empresas passaram a produzir mais do que as pessoas consumiam e quando se produz em massa, é necessário que se venda em massa, se não ocorre o aumento de estoque, assim há queda no faturamento que poderá levar a falência. Então, identificado o desequilibro, veio à necessidade da oferta de produtos e conseqüentemente da Publicidade e Propaganda para fomentar a venda, estimulando a demanda. As empresas sentiram a necessidade de comunicar-se com o seu público, e a Publicidade passa a oferecer os objetos de consumo por meios de comunicação de massa, e eles por sua vez passam a ser financiados por ela através da compra de seus espaços, tornando possível sua existência e permanência no tempo. Hoje o custo do financiamento ficou muito alto, então a Publicidade e Propaganda devem identificar qual é a meta da empresa, conhecer produto ou serviço para oferecer ao mercado, em tal quantidade que sua promoção justifique o uso dos meios massivos. Em seguida, é necessário planejar, criar e produzir um anúncio ou conjunto de anúncio, denominado de campanha, que deverá ser veiculada, isto é, inserida em um espaço comercial. A Publicidade e Propaganda consistem num processo de disseminação de idéias através de múltiplos canais, a fim de promover no grupo o qual dirige os objetivos do emissor, não necessariamente favoráveis ao receptor; implica, pois, um processo de informação e um

16 16 processo de persuasão.... Propaganda é a expressão de uma opinião por indivíduos ou grupos, deliberadamente orientada a influir opiniões ou ações de outros indivíduos ou grupos para fins predeterminados.... (GOMES et. al, 1998). O publicitário tem a capacidade de agrupar as linhas individuais de conduta existentes dentro da massa, em torno de um ponto comum, destacando-as ao mesmo tempo que mantêm os divergentes ocultos da percepção do individuo, que ao decorrer do tempo aprendeu a analisar as propagandas e saber apreciar aquelas que, de fato, são qualitativas e que conseguem mexer com sua estrutural emocional. (TARSIANO, 1998). A Publicidade e Propaganda são capazes de alcançar um maior número de pessoas ou grupos inacessíveis de forma direta, transformar o indivíduo em um comprador e atrai-lo para o vendedor (empresa), bastando o consumidor receber a informação persuasiva e ter acesso ao ponto de venda que ele virá até o produto. É essencial ter como ferramenta importante a investigação das atitudes do consumidor, afinal o objetivo das campanhas publicitárias é gerar crenças dos tributos de um produto, por isso, é necessário saber em quais crenças se concentrar, identificando os atributos que o mercado-alvo considera importantes e obter informações quanto ao tipo de mensagem que deve ser utilizada para influenciar as crenças, ou seja, conhecer o processo de formação e mudança de atitude para ajudar em questões que sempre são usadas, como o testemunho de uma pessoa famosa ou a propaganda comparativa, que são fontes mais efetivas de informação. (MOWEN e MINOR, 2003). A análise das diferenças culturais e subculturais entre a força de vendas e os clientes ajudam a empresa a evitar vários problemas que podem surgir por meio de declarações ou ações inapropriadas. Por exemplo, ao lidar com executivos japoneses, um gerente não desejará que sua força de vendas seja tão enérgica ou aja de maneira muito informal com essa raça, que é mais reservada e educada. (MOWEN e MINOR, 2003, p. 20)

17 17 A empresa precisa utilizar a Publicidade para aumentar a venda e lucros, porque para comprar dela, os clientes precisam saber o que ela tem para vender. Uma boa campanha publicitária beneficia o perfil do produto, aumenta as vendas e faz crescer os lucros.(ali, 2001, p.36) Marketing O trabalho de Marketing resulta em produtos melhores, clientes mais satisfeitos e mais lucratividade, ou seja, é vital para o sucesso da empresa. (ALI, 2001). Diz-se que marketing eficiente é o que faz o que pode vender, em vez de vender o que pode fazer. Empresas que vendem o que podem produzir são produto-orientadas : fazem o produto, consideram depois os clientes e encaram o marketing como uma forma de persuadi-los. As companhias mais bem-sucedidas produzem o que pode ser vendido. São cliente-orientadas : criam produtos e serviços em resposta às necessidades dos consumidores. (ALI, 2001, p.36). Uma das tarefas mais essenciais desta área é verificar o comportamento do consumidor, pois a maioria das compras é feita pela emoção e não pela razão, daí a importância de se descobrir o que motiva o consumidor a preferir determinado produto. (ALI, 2001). Por isso a necessidade da pesquisa de Marketing, que é uma atividade de planejamento, contudo, após a coleta das informações vem a análise das oportunidades do mercado. Desenvolver o produto certo é aquele de que o consumidor precisa, fixar o preço adequado é que dá lucro e deixa o consumidor satisfeito e colocar o produto no lugar certo é fazer com que o consumidor possa comprá-lo com facilidade.

18 18 O produto inclui toda a atividade relativa ao produto a ele em si, como o design, embalagem, qualidade e padronização, o preço inclui as relacionadas com a formação do valor do produto ou serviço e o ponto é a transferência do produto ou serviço, desde o fabricante até o consumidor final. A base de qualquer negócio é um produto ou serviço. Uma empresa tem por objetivo oferecer algo de maneira diferente e melhor, para que o mercadoalvo venha a preferi-lo e até mesmo pague um preço mais alto por ele. (KOTLER, 1999, p. 126). Os marqueteiros acrescentam a seus produtos benefícios adicionais e atribuem preço à oferta como um todo, além de criar diferentes variações e dar ao cliente opções de escolha. O desconto, por exemplo, é algo tão comum hoje em dia que dificilmente um comprador paga o preço normal de tabela, mas ele pode ser agraciado com um preço especial, um bônus, um serviço sem custo adicional ou um presente, que causam reduções no preço obtido. As empresas querem o maior número possível de consumidores, por isso, muitas optam pelo pacote completo, oferecendo ao cliente um preço menor em relação ao que ele pagaria se comprasse todos os itens separadamente, outras criam uma gama de ofertas em diferentes níveis de preços. O preço é um elemento flexível, pois pode ser mudado rapidamente, sem maiores problemas, mas o produto só terá sucesso se obter um preço adequado e justo, porque vender barato envolve baixa margem de lucro e dependência excessiva do volume de vendas. Não há regras em relação ao custo e preço, porém, é possível elevar ou reduzir o preço sem que haja alteração no custo. (ALI, 2001). O ponto de venda é a ponte entre o cliente e o produto, a sua escolha do local obviamente é fundamental, mas estabelecer um compromisso de se fixar é uma estratégia, mesmo se aparecerem canais novos ou mais atraentes, exceto quanto houver ampliação dos negócios, porque assim os clientes saberão aonde encontrar o produto e a empresa.

19 19 Outra tarefa essencial é construir a imagem certa da empresa, e para isto é preciso examinar os diferentes aspectos da empresa que formam a visão que o cliente tem ou terá dela. Primeiramente forma-se a sua marca, que é a denominação, forma ou desenho que auxilia na identificação da mesma ou de seu produto, em segundo o logotipo, que nada mais é a marca nominativa e que se utiliza caracteres tipógrafos e a logomarca e em terceiro é a marca figurativa que utiliza outros símbolos. (ALI, 2001). A marca tem o poder de acrescentar personalidade e significado aos produtos e serviços, o que garanti um lugar de destaque no mercado, se transformada em atributos de particularidades, fáceis de memorizar e que induzam a associações positivas, fazendo com que o cliente olhe para o produto ou serviço e, instantaneamente, assimile sua imagem e tudo o que ela representa. O nome certo ajuda a vender produtos e serviços. Ele dá individualidade e personalidade e permite que o cliente identifique e conheça o que lhe é oferecido. Produtos e serviços com nomes bem escolhidos tornam-se tangíveis e reais para o consumidor. (ALI, 2001, p.36). O nome do produto geralmente é pronunciável em outra língua, não possuem significado negativo, são curtos, adequados e fáceis de escrever e de memorizar. Marcas de sucesso possuem uma identidade visual tão forte que são reconhecidas na hora, são chamadas de marcas reconhecidas, cujo seu valor conta com a confiança implícita do consumidor do produto. A empresa precisa adaptar-se as necessidades individuais expressas pelo cliente. Isto pode significar a personalização em massa de um produto ou a personalização das opções oferecidas ao redor do produto. (PEPPERS e ROGERS, 2000, p. 8). A conquista pelo consumidor é o primeiro passo, o próximo é mantê-lo, fazendo com que ele crie um elo com a empresa, o chamado fidelização, para isso o Marketing deve melhorar a

20 20 eficiência e a eficácia das interações da empresa com seus clientes, isso quer dizer que não somente precisa buscar a forma mais barata e automatizada de interação, mas também a mais útil em termos de produção de informação que possa ajudar a fortalecer as relações. (ALI, 2001, p. 39). Além disso, toda interação deve estar dentro do contexto de todas as outras interações, isto quer dizer que a nova conversa deve iniciar-se onde a última conversa terminou, não importando quando ocorreu, assim o trabalho se torna coeso. As necessidades dos clientes mudam, e para descobri-las é necessário um processo de feedback interativo para que seja possível deduzi-las, que é obtido através do trabalho de carta-resposta, entrevistas e até um canal de comunicação receptivo através de Call Center. Marketing é a arte de descobrir oportunidades, desenvolve-las e lucrar com elas. (KOTLER, 1999, p. 126) Assessoria de Imprensa Contra o positivismo, que pára perante os fenômenos e diz: Há apenas fatos, eu digo: Ao contrário, fatos é o que não há; há apenas interpretações. (NIETZSCHE apud BAUER, 1999, p. 167). A organização tem interesse em ser notícia, o assessor tem interesse em que isso aconteça e os meios de comunicação querem atingir determinado receptor. Entretanto assessorar uma organização é fazer com que ela se torne notícia. (CHAPARRO apud DIAS, 1994). As empresas investem nas Assessorias de Imprensa porque é uma maneira de divulgação e publicação que custa menos que anunciar nos veículos de comunicação, e ainda fortalece a

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida.

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida. A Dehlicom Soluções em Comunicação é a agência de comunicação integrada que busca divulgar a importância da comunicação empresarial perante as empresas e todos os seus públicos, com atendimento personalizado

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Antes de tudo como sugestão aos donos de construtoras, incorporadoras, imobiliárias e escritórios de arquitetura

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL FAÇA SUA CAMPANHA PARA PROJETO PODER P - Planejamento O - Organização D - Delegação E - Execução R - Realização Lance sua campanha para Vereador com o Projeto

Leia mais

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional A união faz a força O dito popular encaixa-se como uma luva quando o assunto é associativismo o assunto em pauta no meio sindical. As principais confederações patronais do País estão investindo nessa bandeira

Leia mais

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg)

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Jornada de Aprendizado Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Promovendo os microsseguros: Educação Financeira Conteúdo

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

de Propaganda PARTE 2 UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 14 e 28.04.11

de Propaganda PARTE 2 UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 14 e 28.04.11 Etapas Planejamento de Campanha de Propaganda PARTE 2 UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 14 e 28.04.11 Agenda: Tipos de Campanhas Objetivo: Apresentar

Leia mais

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL Na ASBRASIL, já foram estabelecidas as direções básicas da ação empresarial, conforme estabelecido em nosso plano de negócios que deseja se consolidar em uma cultura

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA Introdução É importante ressaltar que um plano de comunicação tem a finalidade de tornar conhecida

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI)

CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº xx, de XX de XXXXXXX de 2011.

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MARKETING II Comunicação Integrada de Marketing Profª: Michele Freitas Santa Maria, 2012. O que é comunicação integrada? É o desenvolvimento

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica.

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Além de tornar-se fundamental para a difusão do conhecimento e geração das relações interpessoais, a Internet

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

A LB Comunica desenvolve estratégias e ações de marketing e comunicação, feitas sob medida para a realidade e as necessidades de cada cliente.

A LB Comunica desenvolve estratégias e ações de marketing e comunicação, feitas sob medida para a realidade e as necessidades de cada cliente. .a agência A LB Comunica desenvolve estratégias e ações de marketing e comunicação, feitas sob medida para a realidade e as necessidades de cada cliente. Nosso compromisso é auxiliar empresas e organizações

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução. Os princípios Éticos que formam a consciência e fundamentam nossa imagem no segmento de recuperação de crédito e Call Center na conduta de nossa imagem sólida e confiável. Este

Leia mais

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período: Encontro 05 Disciplina: Planejamento Estratégico de Marketing Unidade I: Introdução ao Planejamento Estratégico Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 4º. ADM 2. Visão, Valores, Políticas,

Leia mais

A l e x a n d r a P a u l o

A l e x a n d r a P a u l o A l e x a n d r a P a u l o ESCOLA SECUNDÁRIA SERAFIM LEITE TRABALHO FINAL TÉCNICAS DE VENDA Alexandra Paulo 11ºI Nº 21160 Disciplina: Comercializar e vender Prof: João Mesquita 20-12-2012 2012-2013 1

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

5. Análise conjunta dos casos

5. Análise conjunta dos casos 5. Análise conjunta dos casos Após analisar como tem ocorrido o processo de institucionalização da responsabilidade social corporativa nas empresas farmacêuticas estudadas concluiu-se que nas quatro empresas

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

MENSAGEM CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

MENSAGEM CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO MENSAGEM O Código de Ética do Banco do Brasil vem reafirmar a contínua valorização dos preceitos éticos existentes na cultura da Organização, reconhecidos pela comunidade. Nasce da realidade da Empresa,

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais