PROJETO INOVAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSO PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO INOVAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSO PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES"

Transcrição

1 PROJETO INOVAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSO PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES Belo Horizonte Setembro, 2013

2 PROJETO INOVAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES Relatório técnico-científico apresentado para concorrer ao I Prêmio Inovar BH, conforme Edital SMARH nº 01/2013, na categoria Servidor Belo Horizonte Setembro, 2013

3 SUMÁRIO RESUMO CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO ANTERIOR DESCRIÇÃO DO TRABALHO OBJETIVOS PROPOSTOS E RESULTADOS VISADOS DEFINIÇÕES AÇÕES E ETAPAS DA IMPLEMENTAÇÃO RECURSOS UTILIZADOS DESCRIÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS, FINANCEIROS, MATERIAIS, TECNOLÓGICOS ETC CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL MECANISMOS OU MÉTODOS DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES UTILIZADOS RESULTADOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS CONCRETAMENTE MENSURADOS LIÇÕES APRENDIDAS SOLUÇÕES ADOTADAS PARA A SUPERAÇÃO DOS PRINCIPAIS OBSTÁCULOS ENCONTRADOS

4 RESUMO Este trabalho visa apresentar soluções para melhor aplicabilidade de produtos e recursos utilizados na limpeza de superfícies e desinfecção nos órgãos da administração direta e indireta da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. Para alcançar os objetivos traçados, trazemos a proposta com base em análises feitas em processos e produtos utilizados atualmente. Após esta análise, foi identificado que a utilização de apenas três produtos, seriam suficientes e muito mais eficazes do que os 39 produtos utilizados atualmente. Identificamos a falta de padronização nas compras e processo de utilização destes produtos, o que causa grande desperdício de dinheiro público. Também conseguimos visualizar que os resultados esperados na limpeza e desinfecção não estão sendo atingidos, uma vez que a eficácia de sua aplicação não é alcançada em sua totalidade. A dificuldade que vemos na implantação deste processo, está relacionada à cultura, divulgação da informação, treinamento e acompanhamento do processo. Será necessário padronizar os procedimentos de limpeza, objetivando a combinação certa dos produtos e sua melhor aplicação. Através de análises preliminares, foi possível identificar a real economia na compra dos materiais de limpeza, chegando a reduções expressivas no gasto com produtos indicados neste trabalho. O processo de aplicação e utilização dos produtos, também é um fator de grande importância nos resultados esperados e na economia de material. Treinamentos e acompanhamento juntos aos executores deste trabalho, são pontos extremamente importantes para que a cultura de limpeza e desinfecção seja implementada e oficializada em toda Prefeitura de Belo Horizonte. 4

5 1 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO ANTERIOR Atualmente na prefeitura, os produtos de limpeza e a forma como são utilizados, não trazem o total benefício esperado no que se refere à limpeza, desinfecção de superfícies e otimização de recursos. Nem sempre os melhores produtos são os mais eficazes, e nem sempre os mais eficazes são os que têm o melhor custo benefício. A necessidade de repensar a forma como tratamos este item é exatamente o foco da nova administração da Prefeitura de Belo Horizonte, onde atingir os melhores resultados com os menores recursos é o grande desafio para cada gestor. Prestadores de serviço, como por exemplo, a Empresa MGS, utiliza álcool a 65% que não gera resultado eficaz em seu procedimento de limpeza. Outra situação registrada é que a Prefeitura de Belo Horizonte também compra este o álcool a 65% em algumas secretárias. Segundo informações fornecidas pelo SIEST (Sistema de Controle do Estoque) no ano de 2012 foi comprado mais de produtos referente este item (Anexo II), gastando mais de R$ 14 mil sem eficácia. Padronizando a forma de limpar e utilizando produtos adequados, poderíamos deixar de utilizar 39 itens, o que representaria em valores no ano de 2012 R$ 414 mil reais. (Anexo II) O efeito não é apenas financeiro, ele é também de prevenção, pois utilizaríamos de fato recursos materiais que limpam e desinfetam a um valor consideravelmente menor, facilitando processos de compra. Desta forma estaremos comprando menos itens, mas em maiores quantidades, facilitando o processo de compras e aplicabilidade dos produtos. 5

6 Neste projeto, traremos sugestões com base em resultados comprovadamente eficientes e eficazes, que de forma muito prática e objetiva trará bons resultados para a Prefeitura de Belo Horizonte. 2 - DESCRIÇÃO DO TRABALHO O tema deste trabalho é otimização de recursos para limpeza e desinfecção de superfícies na Prefeitura de Belo Horizonte, readequando a utilização de produtos de acordo com normas técnicas da Vigilância Sanitária, otimizando recursos financeiros e de mão de obra na realização das compras e execução do trabalho. Este projeto está baseado em uma cartilha já elaborada e distribuída na Secretaria de Saúde OBJETIVOS PROPOSTOS E RESULTADOS VISADOS Este projeto tem como objetivo reduzir os itens utilizados para limpeza de superfícies, readequando-os de forma mais objetiva e eficaz. A otimização destes recursos, trará maior benefício quanto à qualidade, segurança e satisfação da higienização executada atualmente, evitando com isto problemas de saúde e financeiros para o servidor e cidadão de Belo Horizonte. Um ponto importante deste projeto, é transformar esta iniciativa em algo que seja incorporado a todos os órgãos da Prefeitura de Belo Horizonte, sejam diretos ou indiretos. Desta forma, teremos a padronização nas compras, processos e execução do trabalho de acordo com normas técnicas pré-definidas com as melhores práticas desta disciplina PÚBLICO ALVO DO TRABALHO Este trabalho tem como público alvo, atingir todos os cidadãos / servidores que precisam utilizar algum equipamento / unidade pública da Prefeitura de Belo Horizonte, prestadores de serviço de limpeza, utilizando melhores práticas com base na Cartilha da COMCIRA, elaborada em parceria com médicos, infectologistas, central de esterilização, Vigilância Sanitária. 6

7 7

8 2.3 - DEFINIÇÕES Segundo anexo I, segue abaixo definições que serão adotadas: DESINFECÇÃO: processo físico ou químico que elimina a maioria dos microorganismos patogênicos de objetos inanimados e superfícies. Conforme Spaulding existem três níveis de desinfecção (alto, médio e baixo), de acordo com a capacidade de eliminar micro-organismos. DESINFETANTE: é um produto que elimina os micro-organismos patogênicos, mas não necessariamente todas as formas microbianas esporuladas presentes em objetos e superfícies inanimadas. Os desinfetantes são classificados em: Desinfetante de Alto Nível: produto eficaz contra todas as formas vegetativas, destruindo parte de esporos quando utilizado em um tempo relativamente longo. Ex.: Ácido Peracético (vale ressaltar que este desinfetante é específico para desinfecção de artigos, não podendo ser utilizado para desinfecção de superfícies). Desinfetante de Médio Nível: produto que destrói os micro-organismos na forma vegetativa incluindo o bacilo da Tuberculose e os vírus da AIDS e Hepatite B. Ex.: Álcool 70%, Hipoclorito de Sódio 1%. Desinfetante de Baixo Nível: produto que destrói a maioria das bactérias na forma vegetativa, alguns vírus e fungos. Ex.: Hipoclorito de Sódio 0,02%, Quaternário de Amônio. DETERGENTE: é um produto destinado à limpeza de artigos, superfícies e tecidos. 8

9 EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI): todo dispositivo ou produto de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e saúde no trabalho. Devem ser fornecidos EPI adequado ao risco, nas seguintes circunstâncias: Sempre que medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra riscos de acidentes ou doenças do trabalho; Enquanto medidas de proteção coletiva estiverem sendo implanta- das; Para atender situações de emergência. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPC): são dispositivos destinados à proteção de trabalhadores durante realização de suas atividades. Servem para neutralizar a ação dos agentes ambientais, evitando acidentes, protegendo contra danos à saúde e a integridade física dos trabalhadores, uma vez que o ambiente de trabalho não deve oferecer riscos à saúde ou à segurança do trabalhador. Exemplos: Fitas de demarcação reflexivas, cones de sinalização, placas sinalizadoras, etc. LIMPEZA: é o processo mecânico de remoção de sujidade, mediante o uso de água e detergente para manter em estado de asseio os artigos e superfícies. Constitui o primeiro passo nos procedimentos técnicos de desinfecção, considerando que a presença de matéria orgânica protege os micro-organismos do contato com agentes desinfetantes. SANEANTES: substâncias ou preparações destinadas à higienização, desinfecção ou desinfestação domiciliar, em ambientes coletivos e/ou públicos, em lugares de uso comum e no tratamento da água compreendendo entre outros os detergentes e desinfetantes. SUPERFÍCIES: compreendem pisos, paredes, mobiliários, portas, tetos, janelas, equipamentos e demais instalações. 9

10 2.4 - AÇÕES E ETAPAS DA IMPLEMENTAÇÃO As ações abaixo devem ser executadas não necessariamente nesta mesma ordem, porém será necessário que sejam elaboradas e oficializadas para que tenhamos os resultados esperados. 1º Decreto do Prefeito: Oficialização por parte do Prefeito do Município de Belo Horizonte, através de Decreto. 2º Revisão no processo de compras de materiais de limpeza: Rever todos os itens existentes nas listas de compras de materiais de limpeza de todos os órgãos diretos e indiretos da Prefeitura de Belo Horizonte. Readequar a lista de compra de acordo com cada local e necessidade. 3º Divulgação: Elaborar junto aos órgãos de comunicação do Prefeito do Município de Belo Horizonte um plano para divulgar a cartilha com as melhores práticas. Enviar para todas as gerências distritais com a orientação para distribuir em todas as unidades da rede com treinamento e registro dos mesmos. 4º Treinamento: Realizar treinamento com as prestadoras de serviços da Prefeitura de Belo Horizonte, utilizando cartilha, equipamentos e procedimentos adequados. Estabelecer cronograma de reciclagem periódica para todos os prestadores. Execução da Limpeza: Aplicar o produto, de acordo com orientações do fabricante, utilizando pano ou escova; Esfregar a superfície desejada; Remover com pano úmido. Execução da Desinfecção: 10

11 As soluções devem ser estocadas em recipientes fechados e protegidos da luz (frascos opacos) e em locais bem ventilados; As embalagens do produto não podem ser reutilizadas para outros fins; Sua ação como desinfetante ficará comprometida caso seja misturado com detergente ou outros produtos químicos, podendo inclusive se tornar tóxico. Como utilizar estes processos: Em superfícies: Limpar a superfície; Embeber pano seco com o produto; Aplicar o Hipoclorito de Sódio 1% na superfície desejada e deixar agir por 10 minutos; Retirar o produto com pano umedecido em água. 3 RECURSOS UTILIZADOS DESCRIÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS, FINANCEIROS, MATERIAIS, TECNOLÓGICOS ETC. Não será necessário adquirir novos equipamentos. A proposta deste projeto e substituir todos os produtos de limpeza utilizados atualmente pelos seguintes itens: Produtos para limpeza: Detergente neutro; Produtos para desinfecção: Álcool etílico 70% e Hipoclorito de sódio 1%. Descrição: Detergente neutro Indicações e Contraindicações: É indicado para limpeza mecânica para remoção de sujidades de equipamentos e superfícies; 11

12 Não tem ação bactericida; Devem-se observar as contraindicações para limpeza dos diversos tipos de superfície, seguindo orientações do fabricante. Álcool etílico 70% Indicações e Contraindicações: Deve ser usado após a limpeza com água e detergente; É indicado para desinfecção de nível intermediário (médio) de produtos para saúde (artigos, equipamentos) e superfícies em concentração de 70%. O produto age por fricção; Indicado para bebedouros, bancadas, maçanetas, torneiras, móveis, colchão, macas, camas, pratos de balança, superfícies externas de equipamentos metálicos, etc.. É contra-indicado o uso em acrílico, borrachas e tubos plásticos; As embalagens do produto não podem ser reutilizadas para outros fins. Como utilizar: Limpar a superfície; Embeber pano seco com o produto; Friccionar a superfície desejada, esperar secar e repetir três vezes a aplicação. Hipoclorito de sódio 1% Indicações e contra-indicações: Deve ser usado após a limpeza com água e detergente; É indicado para desinfecção de nível intermediário (médio) de produtos para saúde (artigos, equipamentos) e superfícies; É total ou parcialmente inativado na presença de matéria orgânica; É contra-indicado para metais, devido ação corrosiva. Possui ação descolorante. 4 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL 12

13 4.1 - MECANISMOS OU MÉTODOS DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES UTILIZADOS Vistoriar periodicamente todas as empresas e prestadores de serviço de conservação e limpeza. Acompanhar através do processo de prestação de contas se os produtos estão sendo comprados segundo as novas orientações de qualidade e otimização de recursos. Avaliar periodicamente a opinião dos usuários dos ambientes públicos em questão, utilizando formulários impressos e disponibilizando endereço eletrônico ( ) para envio de sugestões, críticas e elogios RESULTADOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS CONCRETAMENTE MENSURADOS. Hoje a Prefeitura de Belo Horizonte utiliza 42 itens de material de limpeza, sendo que no projeto poderia ser usado apenas 3 itens. Os órgãos da Prefeitura de Belo Horizonte que possuem contratos com empresas terceirizadas de limpeza, recebem o material diretamente da empresa, não sendo necessária a compra. Desta forma não temos como mensurar exatamente a relação compra / custo / desperdício a utilização de material. Os dados que nós referenciamos são baseados no SIEST (Anexo II - ITENS DE MATERIAL DE LIMPEZA UTILIZADOS EM 2012 PBH), que representam apenas as compras diretas para cada órgão que não mantém algum contrato com empresas terceirizadas, que fornecem material de limpeza, como exemplo a MGS que cobra por metro quadrado. 5 - LIÇÕES APRENDIDAS SOLUÇÕES ADOTADAS PARA A SUPERAÇÃO DOS PRINCIPAIS OBSTÁCULOS ENCONTRADOS. 13

14 Mudança comportamental e cultural: Divulgar utilizando os meios de comunicação da prefeitura, a cartilha com as instruções e melhores práticas para limpeza de superfícies. Elaborar treinamentos para os prestadores de serviço e servidores que são responsáveis pela limpeza na Prefeitura de Belo Horizonte. Dificuldade em padronizar os produtos de limpeza, devido à resistência a mudanças: Utilizar de normatizações técnicas e decretos para padronizar em toda Prefeitura de Belo Horizonte as compras destes itens de limpeza, de acordo com as diretrizes da cartilha de limpeza e desinfecção, Anexo I. Dificuldade na substituição dos produtos de limpeza utilizados atualmente pelos novos produtos: Como as compras não são centralizadas, a cartilha de utilização de materiais, deve ser utilizada por todas as regionais, autarquias e fundações para aquisição de materiais de limpeza. 14

15 6 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Cartilha - Diretrizes para Limpeza e Desinfecção de Superfícies (SMSA) BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal Secretaria Municipal de Saúde.Manual de Normas e Rotinas Técnicas Central Distrital de Material Esterilizado. Coordenação: Elvira Pires Monteiro de Castro, Maria Aparecida de Carvalho Ribeiro, Comissão de Centrais Distritais de Esterilização. Belo Horizonte: Prodabel, BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies. Brasília: Anvisa, p. BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Lei n , de22dedezembrode1977. Norma Regulamentadora 4 (NR 4). Aprovada pela Portaria n , de8dejunhode Ed. São Paulo, BRASIL. Portaria nº 3.523, de 28 de agosto de Regulamento Técnico contendo medidas básicas referentes aos procedimentos de verificação visual do estado de limpeza, remoção de sujidades por métodos físicos e manutenção do estado de integridade e eficiência de todos os componentes dos sistemas de climatização, para garantir a qualidade do ar de interiores e prevenção de riscos ä saúde dos ocupantes de ambientes climatizados. Diário Oficial da União. Ministério da Saúde, Brasília, 31deagostode BRASIL Resolução RDC nº14de28de fevereiro de Aprovar o Regula- mento Técnico para Produtos Saneantes com Ação Antimicrobiana harmonizado no âmbito do Mercosul através da Resolução GMC nº50/06. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, 5mar. CENTERS FOR DISEASE CONTROLAND PREVENTION. Guidelines for Environmental Infection Control in Health-Care Facilities Transmission. MMWR CDC Recommendations and Reports June 6, 2003 / 52(RR10);1-42 Atlanta, v.52,n.38, p. 15

16 , set Disponível em:<http://www.cdc.gov/mmwr/preview/ mmwrhtm/mm5238al.htm>.acesso em:21dez COSTAE SILVA, A. M; ABREU, E. S. Limpeza e desinfecção de áreas hospitalares. In:APECIH. Limpeza, desinfecção de artigos e áreas hospitalares e antissepsia. São Paulo: Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, P SILVA, W.R. Serviço de Higienização. In: COUTO, R. C., et al. Infecção hospitalar e outras complicações não infecciosas da doença:epidemiologia,controle e tratamento. 4 ed. Rio de Janeiro: Medsi, Cap.11, p

17 17

18 18

19 19

20 20

21 21

22 22

23 23

24 24

25 25

26 26

27 27

28 28

29 29

30 30

31 31

32 32

33 33

34 34

35 35

36 36

37 37

38 38

39 39

40 40

41 41

42 42

43 43

44 44

45 45

46 46

47 47

48 48

49 49

50 50

51 51

52 52

PORTARIA Nº 500 DE 2010

PORTARIA Nº 500 DE 2010 PORTARIA Nº 500 DE 2010 Regulamento técnico para Processamento de artigos por método físico em estabelecimentos sujeitos à Vigilância Sanitária no RS A SECRETÁRIA DA SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL, no uso

Leia mais

NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO.

NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. ATENÇÃO Para desenvolver esta atividade, sem risco de contaminação por material orgânico (sangue, fluídos orgânicos, secreções e excreções)

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Centro Universitário Newton Paiva Escola de Odontologia BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Maria Aparecida Gonçalves de Melo Cunha O que é biossegurança? O termo biossegurança é formado pelo radical

Leia mais

Eficiência e segurança dos produtos saneantes

Eficiência e segurança dos produtos saneantes Eficiência e segurança dos produtos saneantes Elenildes Silva Amorim Gerência Geral de Saneantes Porto Alegre, 08 de novembro de 2013 2 Área suja Área limpa 3 Resolução - RDC n 6, de 30 de janeiro de 2012

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO ANA LUÍZA 21289 LUCAS - 23122 ARTTENALPY 21500 MARCELINA - 25723 CLECIANE - 25456 NAYARA - 21402

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 55, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO - RDC Nº 55, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009 DOU Nº 217, de 13/11/2009 Seção 1 RESOLUÇÃO - RDC Nº 55, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre Regulamento Técnico para Produtos Saneantes Categorizados como Água Sanitária e Alvejantes à Base de Hipoclorito

Leia mais

LIMPEZA. Água / sabão /escova Solução multi - uso Soluções desencrostrantes Detergentes enzimáticos

LIMPEZA. Água / sabão /escova Solução multi - uso Soluções desencrostrantes Detergentes enzimáticos DESINFECÇÃO É o processo de eliminação de formas vegetativas, existentes em superfícies inanimadas, mediante a aplicação de agentes químicos e/ou físicos. LIMPEZA Antes do procedimento de Desinfecção deve-se

Leia mais

Dispõe sobre Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos.

Dispõe sobre Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos. RESOLUÇÃO RDC/ANVISA Nº. 302, de 13 de outubro de 2005. Dispõe sobre Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária,

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA nº 204/2009

RESOLUÇÃO SESA nº 204/2009 RESOLUÇÃO SESA nº 204/2009 Dispõe sobre as condições para instalação e funcionamento dos Estabelecimentos de Podologia. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

Diante da atual situação de desabastecimento de água na cidade. Orientações à população para uso da Água. prefeitura.sp.gov.

Diante da atual situação de desabastecimento de água na cidade. Orientações à população para uso da Água. prefeitura.sp.gov. Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde - COVISA 08 de abril de 05 Orientações à população para uso da Água Diante da atual situação de desabastecimento

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto;

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto; PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MACEIÓ DIRETORIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÄNCIA SANITÁRIA INSPETORIA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES GERAIS

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 75, de 23 de dezembro de 2008. D.O.U de 24 /12/08 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Diante da atual situação de desabastecimento de água na cidade. Orientações à população para uso da Água. prefeitura.sp.gov.

Diante da atual situação de desabastecimento de água na cidade. Orientações à população para uso da Água. prefeitura.sp.gov. Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde - COVISA 08 de abril de 05 Orientações à população para uso da Água Diante da atual situação de desabastecimento

Leia mais

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 Ementa: Utilização de luvas de procedimentos para aplicação de vacina. 1. Do fato Profissionais de Enfermagem solicitam

Leia mais

MANUAL DE BIOSSEGURANÇA DA CLÍNICA ESCOLA DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO

MANUAL DE BIOSSEGURANÇA DA CLÍNICA ESCOLA DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO MANUAL DE BIOSSEGURANÇA DA CLÍNICA ESCOLA DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO ALÉM PARAÍBA 2009 JUSTIFICATIVA Esta Instituição zela pela biossegurança e visa o preparo técnico e científico de profissionais aptos

Leia mais

Processo nº 2009-0.154.220-9 Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde SMS - 32 - Licitações

Processo nº 2009-0.154.220-9 Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde SMS - 32 - Licitações EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº 145/2009 PROCESSO Nº 2009-0.154.220-9 DATA DA REALIZAÇÃO :10 DE NOVEMBRO DE 2009 HORÁRIO : 10:00 HORAS LOCAL : RUA GENERAL JARDIM, 36 3º ANDAR SALA DE PREGÕES AMOSTRAS ATÉ

Leia mais

Simplificar as práticas de preenchimento da Planilha Diária de Movimentação de Veículos alterando seu layout, visando preservar o meio ambiente,

Simplificar as práticas de preenchimento da Planilha Diária de Movimentação de Veículos alterando seu layout, visando preservar o meio ambiente, Simplificar as práticas de preenchimento da Planilha Diária de Movimentação de Veículos alterando seu layout, visando preservar o meio ambiente, minimizar os gastos públicos e diminuir o fluxo nos arquivos.

Leia mais

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública?

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública? QUESTIONÁRIO PARA DIAGNÓSTICO DE ASPECTOS AMBIENTAIS E MANEJO DE RESÍDUO DAS UNIDADE DE SAÚDE. A) Aspectos Ambientais Avaliação da estrutura Responda os itens abaixo com a seguinte legenda: Sim = S Não

Leia mais

Resíduos de Serviços de Saúde

Resíduos de Serviços de Saúde Programa de Gerenciamento dos Serviços de Saúde no Brasil Resíduos de Serviços de Saúde PGRSS PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Responsabilidade civil: Art. 3 da Lei de Introdução

Leia mais

DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000

DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000 DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000 Aprova as Diretrizes Básicas e o Regulamento Técnico para apresentação e aprovação do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde no Município de Belo

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base [informe a unidade/complexo] Anexo 1 do PGS-3209-46-63 Data - 07/10/2013 Análise Global: - [informe o número e data da análise] p. 1/27 Sumário

Leia mais

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 1 de 8 PAC 11 Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA Classificação das Áreas: Critica Semicrítica Não critica Tipos de Limpeza: Limpeza concorrente Limpeza terminal Métodos e Equipamentos de Limpeza de superfície: Limpeza

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Manual do Usuário

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Manual do Usuário SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3 INTRODUÇÃO 4 ACESSO AO SISTEMA 5 CADASTRO 6 1 Identificação da ICT 6 2 Política

Leia mais

Lavanderia Hospitalar. Panorama no Brasil. Os precursores. Lavanderia Hospitalar SERVIÇO DE LAVANDERIA HOSPITALAR

Lavanderia Hospitalar. Panorama no Brasil. Os precursores. Lavanderia Hospitalar SERVIÇO DE LAVANDERIA HOSPITALAR SERVIÇO DE LAVANDERIA HOSPITALAR Cristiane Schmitt SCIH Hospital SEPACO Os precursores Século III antes de Cristo Fumigação e vapor dágua para purificar lençóis Semmelweis (1818-1865) Surto relacionado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR MANUAL DE ANTISSÉPTICOS PADRONIZADOS DO HC/UFTM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR MANUAL DE ANTISSÉPTICOS PADRONIZADOS DO HC/UFTM A. ANTISSEPSIA 1 - INTRODUÇÃO Antissepsia é o processo de eliminação ou inibição do crescimento dos microrganismos na pele ou em outros tecidos vivos. É realizada através de antissépticos que são formulações

Leia mais

XISPA MD 17. Limpador de resíduos de cimento, terra e argamassa

XISPA MD 17. Limpador de resíduos de cimento, terra e argamassa XISPA MD 17 Linha: Tratamento de Piso Limpador de resíduos de cimento, terra e argamassa Versátil O XISPA MD 17 é um limpador com poderosa ação sobre resíduos de cimento, argamassa e terra, recomendado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) 1 - DIRETRIZ GERAL O presente Termo de Referência tem o objetivo de orientar os empreendimentos, sujeitos ao

Leia mais

Implantação de Unidade de Coleta de Leite Humano no Centro de Saúde Venda Nova/Paraúnas Do Desafio à Implementação

Implantação de Unidade de Coleta de Leite Humano no Centro de Saúde Venda Nova/Paraúnas Do Desafio à Implementação Implantação de Unidade de Coleta de Leite Humano no Centro de Saúde Venda Nova/Paraúnas Do Desafio à Implementação Resumo: Como é de conhecimento, o primeiro banco de leite humano foi instituído no Brasil

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE CONSULTÓRIO. Igor Bettarello Ravi Araújo Leandro Alex Douglas

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE CONSULTÓRIO. Igor Bettarello Ravi Araújo Leandro Alex Douglas HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE CONSULTÓRIO Igor Bettarello Ravi Araújo Leandro Alex Douglas Brasília, 29/05/2013 Regras Básicas Deverão usar E.P.I Nunca efetuar varredura a seco para não provocar a presença

Leia mais

Enfª Karin Bienemann

Enfª Karin Bienemann Enfª Karin Bienemann CONCEITOS BÁSICOS: CME É uma unidade voltada à prestação de serviços, onde é realizado o trabalho de limpeza, montagem, embalagem, esterilização e armazenamento de materiais. LIMPEZA

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares Página: 1/9 INTRODUÇÃO: A limpeza e a desinfecção de superfícies são elementos que propiciam segurança e conforto aos pacientes, profissionais e familiares nos serviços de saúde. Colabora também para o

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI SETOR DE ZELADORIA HOSPITAL VETERINÁRIO

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI SETOR DE ZELADORIA HOSPITAL VETERINÁRIO EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI SETOR DE ZELADORIA HOSPITAL VETERINÁRIO Danielle Vargas TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 art. 6º - são direitos sociais a educação,

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP Página 1 de 10 Controle Integrado de Pragas CIP Página 2 de 10 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE VIGILANCIA DE SERVIÇOS E PRODUTOS DE INTERESSE À SAÚDE Módulo I - Informações Gerais

Leia mais

EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES: Higienização, Operação e Cuidados

EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES: Higienização, Operação e Cuidados II Seminário de Prevenção e Controle de Infecção em Serviços de Saúde em Santa Catarina EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES: Higienização, Operação e Cuidados MINISTRANTE: Engº Alisson Tolotti IEB-UFSC Vinculado

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nº: 059 Data da última revisão: 04/05/2013 Nome do Produto: Betugrout Super 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Super Código do Produto:026050100. Nome da Empresa:Betumat

Leia mais

TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO

TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO Tecido ou fluido constituinte do organismo humano, tais como excrementos, fluidos corporais, células, tecidos, órgãos ou outros fluidos

Leia mais

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - COVISA GERÊNCIA DO CENTRO DE CONTROLE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS - CCD NÚCLEO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO

Leia mais

SEGURANÇA E TÉCNICA DE LABORATÓRIO AULA 01: ORGANIZANDO O LABORATÓRIO TÓPICO 03: ORGANIZAÇÃO LABORATORIAL O laboratório, seja de uma indústria, de um centro de pesquisa ou de uma instituição de ensino

Leia mais

Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands

Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands p. 1 de 10k Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands 1ª EDIÇÃO Janeiro de p. 2 de 10k p. 3 de 10k Índice Introdução... 4 Campo de aplicação...

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE REUTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DE USO ÚNICO

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE REUTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DE USO ÚNICO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE REUTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DE USO ÚNICO Adélia Aparecida Marçal dos Santos Gerência de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos GIPEA/GGTES/ANVISA AGÊNCIA

Leia mais

REUSO DE PRODUTOS REUSO DE PRODUT MÉDICOS HOSPIT

REUSO DE PRODUTOS REUSO DE PRODUT MÉDICOS HOSPIT REUSO DE PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES Cristiane Uyeno Outubro / 2012 Reuso de produtos fabricados e desenvolvidos para uso único. História i Na década de 80, a maioria dos dispositivos médicos consistia

Leia mais

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, tendo em vista o disposto na Lei nº

Leia mais

Data de Vigência: Página 1 de 8. 1- Objetivo: Prevenir doenças e livrar o ambiente de pragas, insetos e roedores.

Data de Vigência: Página 1 de 8. 1- Objetivo: Prevenir doenças e livrar o ambiente de pragas, insetos e roedores. Data de Vigência: Página 1 de 8 1- Objetivo: Prevenir doenças e livrar o ambiente de pragas, insetos e roedores. 2- Aplicação: 3- Procedimentos: Este procedimento aplica-se a cozinha e refeitório. 3.1-

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO

Leia mais

LOTE II. TERMO DE REFERÊNCIA Descrição Geral dos Serviços de Limpeza e Conservação

LOTE II. TERMO DE REFERÊNCIA Descrição Geral dos Serviços de Limpeza e Conservação 1. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços de limpeza e conservação deverão ser realizados, conforme as seguintes especificações: ÁREAS INTERNAS 1.1. DIARIAMENTE, uma vez quando não explicitado. 1.1.1. Remover,

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde - SES/GO SESMT

Secretaria de Estado da Saúde - SES/GO SESMT Secretaria de Estado da Saúde - SES/GO SESMT Juliana A. Nepomuceno Eng. de Seg. do Trabalho Cood. SESMT/SES SESMT O que é? Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho EQUIPES

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO MELHORES PRÁTICAS DE ESTÁGIO 11ª EDIÇÃO

REGULAMENTO DO PRÊMIO MELHORES PRÁTICAS DE ESTÁGIO 11ª EDIÇÃO REGULAMENTO DO PRÊMIO MELHORES PRÁTICAS DE ESTÁGIO 11ª EDIÇÃO 1. O Prêmio 1.1. O Prêmio Melhores Práticas de Estágio, iniciativa do Fórum de Estágio da Bahia, de periodicidade anual, é destinado a identificar

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. São atitudes corretas de atendimento ao público, EXCETO: A) Ser cortês. B) Tratar bem o cliente. C) Favorecer um ambiente agradável. D) Não dar a mínima importância ao problema

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR PROGRAMA PREVENÇÃO E CONTROLE DE Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR ORGANIZAÇÃO DA CCIH Estrutura Atividades FUNCIONAMENTO Coleta de Dados Análise dos Dados Divulgação dos Dados Recursos

Leia mais

CENTREIND CENTRO DE TREINAMENTO INDUSTRIAL

CENTREIND CENTRO DE TREINAMENTO INDUSTRIAL Programa 5S Base da implantação da qualidade total nas organizações. Introdução: É possível eliminar o desperdício (tudo que gera custo extra), em cinco fases, com base no programa 5S, surgido no Japão

Leia mais

DECRETO Nº 17.655, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012.

DECRETO Nº 17.655, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012. DECRETO Nº 17.655, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012. Altera o inc. II do art. 12, o art. 19 e o campo 15.2 da instrução de preenchimento do PPP carimbo e assinatura do Anexo II do Decreto nº 17.394, de 19 de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 2, DE 25 DE JANEIRO DE 2010 (*) Dispõe sobre o gerenciamento de tecnologias em saúde em estabelecimentos de saúde. A Diretoria

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal artigos 205, 206, 208, 211 e

Leia mais

Higienização do Ambiente Hospitalar

Higienização do Ambiente Hospitalar Higienização do Ambiente Hospitalar Enfª Mirella Carneiro Schiavon Agosto/2015 O serviço de limpeza tem por finalidade preparar o ambiente de saúde para suas atividades, mantê-lo em ordem e conservar equipamentos

Leia mais

Boas Práticas de Funcionamento em Serviços de Saúde

Boas Práticas de Funcionamento em Serviços de Saúde - ANVISA Gerência de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES Boas Práticas de Funcionamento em Serviços de Saúde Resolução ANVISA RDC nº. 63 de 25 de novembro de 2011 IV SEMINÁRIO DE PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REITORIA Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3357-7500 COMISSÃO GESTORA DOS PLANOS DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO

Leia mais

NASOFIBROSCÓPIOS: COMO REPROCESSÁ-LOS? BUSCANDO EVIDÊNCIAS PARA A MELHOR PRÁTICA

NASOFIBROSCÓPIOS: COMO REPROCESSÁ-LOS? BUSCANDO EVIDÊNCIAS PARA A MELHOR PRÁTICA NASOFIBROSCÓPIOS: COMO REPROCESSÁ-LOS? BUSCANDO EVIDÊNCIAS PARA A MELHOR PRÁTICA Serviço de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Israelita Albert Einstein A Associação Brasileira de Otorrinolaringologia

Leia mais

DESCUBRA A VERDADE SOBRE ESSE TEMA

DESCUBRA A VERDADE SOBRE ESSE TEMA e os mitos da lubrificação esterilização de instrumentos rotatórios DESCUBRA A VERDADE SOBRE ESSE TEMA APRESENTAÇÃO Conheça o Agente K, o revelador de mitos dos processos de lubrificação e esterilização

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE ÁGUA E AMOSTRAS AMBIENTAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE ÁGUA E AMOSTRAS AMBIENTAIS Sistema Único de Saúde Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Laboratório Central de Saúde Pública Código do Documento Cópia Controlada Nº MANUAL 1/8 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE

Leia mais

DETERGENTE HARMONIEX Página: 1/5. 2. Composição e informações sobre os ingredientes

DETERGENTE HARMONIEX Página: 1/5. 2. Composição e informações sobre os ingredientes 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: DETERGENTE HARMONIEX Nome da empresa: Cleusa Marques Malheiros EPP Endereço: Rua Papa Pio XII- Bairro:Industrial II Telefone: 19-33041002 Fax:

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 34, de 3 de junho de 2009. D.O.U de 4/06/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS LIDERANÇA DO PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE. Projeto de Resolução nº, de 2015. (Do Sr. Chico Alencar)

CÂMARA DOS DEPUTADOS LIDERANÇA DO PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE. Projeto de Resolução nº, de 2015. (Do Sr. Chico Alencar) CÂMARA DOS DEPUTADOS LIDERANÇA DO PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE Projeto de Resolução nº, de 2015. (Do Sr. Chico Alencar) Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água na Câmara

Leia mais

Obras no ambiente Hospitalar. e o. Serviço de Controle de Infecção

Obras no ambiente Hospitalar. e o. Serviço de Controle de Infecção Obras no ambiente Hospitalar e o Serviço de Controle de Infecção Enfª. Sílvia Pedroso T. Soares Serviço de Controle de Infecção HSL/PUCRS Núcleo de Vigilância Epidemiológica HSL/PUCRS Medidas de Controle

Leia mais

NR- 9 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

NR- 9 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR- 9 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira PPRA PADRÃO PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155

Leia mais

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M.

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011 Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. Trazzi Objetivos: As normas descritas abaixo, deverão ser acatadas pelos

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

4. MEDIDAS DE PRIMEIROS-SOCORROS

4. MEDIDAS DE PRIMEIROS-SOCORROS 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: VOTOMASSA MEMBRANA IMPERMEABILIZANTE Empresa: VOTORANTIM CIMENTOS LTDA. Endereço: Rodovia PR092, 1303 Cidade: Curitiba Estado: PR Telefone: 0800 701 98 98

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC Nº 28, DE 9 DE AGOSTO DE 2010. Regulamento Técnico para o Ingrediente Ativo Endossulfam em decorrência da Reavaliação Toxicológica.

RESOLUÇÃO-RDC Nº 28, DE 9 DE AGOSTO DE 2010. Regulamento Técnico para o Ingrediente Ativo Endossulfam em decorrência da Reavaliação Toxicológica. RESOLUÇÃO-RDC Nº 28, DE 9 DE AGOSTO DE 2010 Regulamento Técnico para o Ingrediente Ativo Endossulfam em decorrência da Reavaliação Toxicológica. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS 9.1 - Do Objeto e Campo de Aplicação Item 9.1 da NR 9 alterado pelo art. 1º da Portaria SSST nº 25 - DOU 30/12/1994 - Republicada

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS MG. SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS SOCIAIS

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS MG. SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS SOCIAIS PORTARIA N 035, 10 DE JUNHO DE 2008 DISPÕE SOBRE O EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS DA REDE EXECUTORA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS 2.008 O Secretário Municipal de Políticas

Leia mais

Relato da Iniciativa

Relato da Iniciativa 1 Relato da Iniciativa 5.1 Nome da Iniciativa ou Projeto Jornal Mural Taruíra: fortalecendo a comunicação com os servidores 5.2 Caracterização da Situação Anterior Historicamente, a comunicação interna

Leia mais

BIOSSEGURANÇA E NORMAS DE CONDUTA EM LABORATÓRIO

BIOSSEGURANÇA E NORMAS DE CONDUTA EM LABORATÓRIO BIOSSEGURANÇA E NORMAS DE CONDUTA EM LABORATÓRIO BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento 1 Cuidados necessários recomendados aos membros do setor e estudantes Conhecer a

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Telha Impermeabilizante Incolor Página: 01 / 07 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Telha Impermeabilizante Incolor Código

Leia mais

(As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

(As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente) MODELO DE INSTRUÇÃO DE USO GUIA PONTA TROCATER (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente) DESCRIÇÃO DO PRODUTO O Guia Ponta Trocater,

Leia mais

Mensagem do Presidente

Mensagem do Presidente Mensagem do Presidente A PISOAG DO BRASIL está no mercado desde 1980, atuando com empresas nacionais e internacionais dos mais diversos segmentos, com qualidade, tecnologia e o elevado padrão de responsabilidade

Leia mais

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL 1/16 O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL Classificação Rótulos de Risco e Painéis de Segurança Interface com o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Substâncias

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 Dispõe sobre Regulamento Técnico que estabelece requisitos sanitários para estabelecimentos destinados a eventos esportivos. A Diretora Técnica do Centro de Vigilância

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX AG CURATIVO ANTIMICROBIANO DE ESPUMA COM SILICONE SUAVE

INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX AG CURATIVO ANTIMICROBIANO DE ESPUMA COM SILICONE SUAVE VERSÃO 1 INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX AG CURATIVO ANTIMICROBIANO DE ESPUMA COM SILICONE SUAVE Nome técnico: Curativo Nome comercial: Mepilex Ag Verifique no rótulo do produto a versão da instrução de uso

Leia mais

COLETÂNEA DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE I - PRÁTICAS IMEDIATAS E PERMANENTES PARA PROMOVER O USO RACIONAL DA ENERGIA ELÉTRICA:

COLETÂNEA DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE I - PRÁTICAS IMEDIATAS E PERMANENTES PARA PROMOVER O USO RACIONAL DA ENERGIA ELÉTRICA: COLETÂNEA DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE I - PRÁTICAS IMEDIATAS E PERMANENTES PARA PROMOVER O USO RACIONAL DA ENERGIA ELÉTRICA: 1 Sobre a utilização de aparelhos de ar condicionado: a) Desligar o aparelho

Leia mais

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO SMA N. 33, DE 16.11.2005 Dispõe sobre procedimentos para o gerenciamento e licenciamento ambiental de sistemas de tratamento e disposição final de resíduos de serviços

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Nota: Os itens grafados em Negrito, Itálico e Sublinhado

Leia mais

LIMPA PNEU ECO 3000 Manual Técnico

LIMPA PNEU ECO 3000 Manual Técnico Greensun Ind. e Com. de Prod. de Limp. Ltda. CNPJ: 39.708.888/0001-57 - Ins. Est: 85.419.269 Rua da Fonte 1028, Nova Cidade - Rio das Ostras - Rio de Janeiro / Brasil Telefax: (22) 2760-0518 - Químico

Leia mais

José Adalto Pires de Oliveira Junior Orientadora: profª. Mariana Bandeira. São Luis 2013

José Adalto Pires de Oliveira Junior Orientadora: profª. Mariana Bandeira. São Luis 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAS - CCSO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO José Adalto Pires de Oliveira Junior Orientadora: profª. Mariana Bandeira São Luis 2013 GESTÃO DA QUALIDADE: Plano

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE XINGUARA, Estado do Pará, faz saber que a câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte lei.

O PREFEITO MUNICIPAL DE XINGUARA, Estado do Pará, faz saber que a câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte lei. DO DO PARÁ LEI Nº 877/13 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013. Institui a Política Municipal de Saneamento Básico, e o Plano de Saneamento Básico (PMSB) do Município de Xinguara-Pa e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [REV.03 29112011] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções contidas neste manual antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTA NO ACOMPANHAMENTO VIA INTERNET DOS PROCESSOS ENTRE INGRESSO E APOSENTADORIA DOS SERVIDORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTA NO ACOMPANHAMENTO VIA INTERNET DOS PROCESSOS ENTRE INGRESSO E APOSENTADORIA DOS SERVIDORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTA NO ACOMPANHAMENTO VIA INTERNET DOS PROCESSOS ENTRE INGRESSO E APOSENTADORIA DOS SERVIDORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL Belo Horizonte 2013 IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTA NO

Leia mais

Manual de inserção do acessório de rotação de endoscópio Arthrex Starfish

Manual de inserção do acessório de rotação de endoscópio Arthrex Starfish 950-0036-00, Rev. D Português Manual de inserção do acessório de rotação de endoscópio Arthrex Starfish Acessórios para endoscópio Arthrex, Inc. 1370 Creekside Blvd. Naples, FL 34108, EUA (800)-934-4404

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo.

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo. Recomendações Jurídico-Trabalhistas Interessados: Federação das Associações de Arrozeiros do Estado Rio Grande do Sul Federarroz e Outros Assunto: Resumo Referente Às Obrigações Patronais Trabalhistas

Leia mais

Presidência da República. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Secretaria Especial dos Direitos Humanos

Presidência da República. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Secretaria Especial dos Direitos Humanos Presidência da República Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria Especial dos Direitos Humanos EDITAL N o 1, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2003 O Conselho Nacional dos Direitos da

Leia mais

a. Limpeza b. Descontaminação c. Degermação d. Anti-sepsia e. Desinfecção

a. Limpeza b. Descontaminação c. Degermação d. Anti-sepsia e. Desinfecção 21. Sobre a participação do setor privado no Sistema Único de, SUS, é incorreto afirmar que: a. As entidades filantrópicas e sem fins lucrativos também recebem remuneração do SUS pelos serviços prestados

Leia mais

BEBEDOURO COMPACTO COMPRESSOR MASTERFRIO MANUAL DE INSTRUÇÕES

BEBEDOURO COMPACTO COMPRESSOR MASTERFRIO MANUAL DE INSTRUÇÕES BEBEDOURO COMPACTO COMPRESSOR MASTERFRIO MANUAL DE INSTRUÇÕES Prezado Cliente, A Masterfrio cumprimenta-o pela escolha feita ao comprar nosso bebedouro. Tudo foi feito para que este aparelho preste bons

Leia mais