ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE BENCHMARKINGS DE TIMENTOS FINANCEIROS NO MERCADO BRASILEIRO NO PERÍODO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE BENCHMARKINGS DE TIMENTOS FINANCEIROS NO MERCADO BRASILEIRO NO PERÍODO 1986-2004"

Transcrição

1 recebido em 09/ provdo em 10/2005 ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE BENCHMARKINGS DE INVESTIME TIMENTOS FINANCEIROS NO MERCADO BRASILEIRO NO PERÍODO Tbjr PIMENTA Júnior Universidde de São Pulo Fculdde de Economi, Administrção e Contbilidde de Ribeirão Preto - FEA-RP/USP Fbino Gusti LIMA Uni-FACEF - Centro Universitário de Frnc An Luíz Gmbi CAVALLARI Universidde de São Pulo Fculdde de Economi, Administrção e Contbilidde de Ribeirão Preto - FEA-RP/USP Resumo Neste estudo são comprdos os retornos obtidos com o investimento de um unidde monetári em diferentes lterntivs do mercdo finnceiro brsileiro, no período entre julho de 1986 e dezembro de As lterntivs considerds form: Ibovesp, poupnç, e US$ dólr. As séries histórics ds cotções form convertids em US$ dólr e corrigids pel inflção mericn. A propost foi de se obter um medid do gnho rel sob perspectiv interncionl. Os resultdos mostrrm que o melhor desempenho foi obtido pelo investimento em, que registrou gnho rel médio de 12,07%.., no período de 18 nos. Em segundo lugr, o melhor desempenho foi lcnçdo pelo índice Bovesp, que registrou gnho rel médio de 4,24%.., ocsiondo pelos bons desempenhos dos nos de 2003 e As demis lterntivs tiverm desempenho modesto. Abstrct In this study the returns gotten with the investment of monetry unit in different lterntives of the Brzilin finncil mrket re compred, in the period between July of 1986 nd July of The considered lterntives hd been: Ibovesp, sving, nd US dollr. The historicl series of the quottions hd been converted into US dollr nd corrected by the mericn infltion. The proposl ws getting mesure of the rel profit under the interntionl perspective. Results hd shown tht the best performnce ws gotten by the investment in, tht registered verge rel profit of 12,07%.., in the period of 18 yers. The Second best performnce ws gotten by the investment in Ibovesp, tht registered verge rel profit of 4,24%.., crried out minly to 2003 nd 2004 good performnce. The other lterntives hd hd low performnce. Plvrs-chve: Investimento Mercdo de Cpitis Ibovesp Dólr Poupnç. Key Words: Investment Cpitls Mrket Ibovesp Dollr Sving. FACEF PESQUISA - v.8 - n

2 ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE BENCHMARKINGS DE INVESTIMENTOS FINANCEIROS NO MERCADO BRASILEIRO NO PERÍODO Introdução A decisão de onde investir dinheiro está intrinsecmente ligd o nível de risco que se desej ssumir, frente o retorno esperdo, motivo pelo qul modern teori de finnçs dedic tenção especil esses prâmetros. Sej pr o especuldor, sej pr o pequeno investidor, grnti de preservção ou evolução do ptrimônio dependerá do trde-off entre risco e retorno. Os mercdos finnceiros oferecem um gm de instrumentos finnceiros com vridos níveis de risco e retorno, o que possibilit dequção ds lterntivs os diferentes perfis de risco dos investidores. Segundo Assf Neto (2001), existem qutro subdivisões estbelecids dentro do mercdo: mercdo monetário, mercdo de crédito, mercdo de cpitis e mercdo cmbil. O mercdo monetário é quele onde ocorrem s operções de curto e curtíssimo przos. Esse mercdo proporcion um controle ágil e rápido d liquidez d economi e ds txs de juros básics pretendids pel polític econômic ds utoriddes monetáris. O mercdo de crédito é quele voltdo pr s operções de finncimento de curto e médio przos, operções esss direcionds os tivos permnentes e cpitl de giro ds empress. Compõe-se de bncos comerciis e socieddes finnceirs. Embor o utor ssim clssifique o mercdo de crédito, no Brsil existem operções de longo przo nesse mercdo, ind que menos comuns. As operções pr finncimento de empress no médio e longo przo fzem prte do mercdo de cpitis. Neste mercdo são negocidos, bsicmente, ções, debêntures e títulos e direitos correltos. A necessidde d prátic do comércio interncionl e operções finnceirs em gerl que envolvm moed estrngeir, fz surgir o mercdo cmbil. É o mercdo que possibilit conversão de moeds. Os qutro mercdos compõem o mercdo finnceiro de um pís, e nele estão presentes inúmers opções de títulos, contrtos, certificdos, direitos, céduls, e outros tivos finnceiros genericmente chmdos de ppéis. Esses ppéis representm um exigibilidde sobre rendimentos futuros, pré-definidos ou não, serem pgos pelo emissor. Considerndo-se os investimentos em tivos finnceiros de um modo gerl, ocorre com s decisões sobre onde investir o que se chm de locção de tivos. Ess locção é divisão dos investimentos segundo s principis clsses de tivos finnceiros. Algums clsses são considerds potencilmente mis rentáveis que outrs, ms tmbém mis voláteis, o que signific que são lterntivs mis rriscds. Em tese, tivos cujos preços são mis voláteis, portnto com mior risco, são potencilmente mis rentáveis. Os tivos finnceiros podem ser grupdos em lgums clsses, de cordo com o seu przo de vencimento ou tipo de rendimento que pode ser fixo ou vriável. A clssificção mis comum no mercdo finnceiro pr seus tivos consider os seguintes grupos: - Ativos de rend fix de curto przo: esses tivos pgm juros pré ou pós-fixdos sobre um vlor definido. A mior prte deles, no Brsil, tem vencimento em um ou poucos meses. São exemplos: cots de fundos de rend fix, títulos de curto przo do governo federl (LTN, LFT, BBC etc.), cdernet de poupnç, CDB, commercil ppers, entre outros; - Ativos de rend fix de longo przo: representdos predominntemente pelos títulos de dívid do governo e ds empress pr przos mis longos, gerlmente vários nos. São exemplos: ções, debêntures, Nots do Tesouro Ncionl, C-Bonds, entre outros; - Ativos de rend vriável: são tivos cuj remunerção não é previmente conhecid ou indexd. São exemplos: ções, contrtos de opções, contrtos futuros em gerl, ouro, dólr e outrs moeds. 88 FACEF PESQUISA - v.8 - n

3 Tbjr PIMENTA JÚNIOR / Fbino Gusti LIMA An Luíz Gmbi CAVALLARI Dentre tods s lterntivs existentes no mercdo finnceiro brsileiro, lgums se destcm por servirem de referênci pr vlição do resultdo dos investimentos em gerl. São benchmrks muito usdos, em prte pel grnde populridde que possuem. São tivos proprimente ditos ou índices referenciis. No cso, destcm-se o dólr mericno, inflção, cdernet de poupnç, tx de juros e o Ibovesp, do mercdo de ções. O dólr não é um título, e só pode ser dquirido em espécie sob restrições, ms é populrmente considerdo como um lterntiv pr preservção de vlor, prticulrmente qundo s incertezs econômics do pís umentm. O mercdo prlelo de dólr represent um lterntiv, ilegl, é bom lembrr, pr os investidores pessos físic e jurídic. Há, contudo, muits lterntivs legis pr investimentos em fundos e contrtos bsedos n moed mericn, como os contrtos derivtivos, negocidos nos mercdos futuros e de opções. As principis demnds e trnsções relcionds ess moed estrngeir contecem ns operções finnceirs governmentis e empresriis. A cdernet de poupnç é o investimento mis populr do mercdo. Oferece um rentbilidde fix de 6% o no, cpitlizdos menslmente, e com correção inflcionári bsed n Tx Referencil (TR), que é clculd pelo Bnco Centrl prtir d médi ds txs de rendimento de CDBs de grndes bncos subtríd de um ftor de redução. Trt-se de um opção típic do pequeno poupdor, cujo funding é especilmente destindo o finncimento imobiliário, e present bixo risco, contndo inclusive com grntis limitds oferecids pelo governo federl. De tods s txs de juros utilizds n economi brsileir, tx médi de depósitos interfinnceiros de um di, é um ds mis importntes. A tx DI é um ds principis vriáveis d economi, tendo influênci diret sobre o comportmento de todos os outros tivos, sejm à vist ou futuro. O contrto futuro de DI um di é o principl tivo do mercdo futuro em termos de volume movimentdo. A tx DI é dd pels txs médis clculds pelo Cetip, que refletem o custo médio ds operções de troc de recursos disponíveis entre instituições finnceirs no overnight (Fortun 2002). O Ibovesp é o mis importnte indicdor do desempenho médio ds cotções do mercdo de ções brsileiro, porque retrt o comportmento dos principis ppéis negocidos n Bovesp. Su finlidde básic é servir de indicdor médio do comportmento do mercdo. Existem muitos fundos de investimento que reproduzem composição do Ibovesp, fcilitndo o pequeno investidor o cesso plicções que compnhem este índice. A inflção pode ser vist de um mneir mpl como um umento contínuo e generlizdo no nível gerl de preço. A prolongd convivênci com inflção é um ds crcterístics mrcntes d economi brsileir dissemind de cert form pelos constntes indexdores existentes n economi. O indicdor usdo como índice de inflção neste trblho foi dotdo como - Índice Ncionl de Preços o Consumidor. 1 Objetivos O objetivo do estudo foi comprr os retornos obtidos com o investimento de um unidde monetári, em julho de 1986, em diferentes lterntivs do mercdo finnceiro brsileiro (Ibovesp, poupnç, e US$ dólr), té julho de A propost foi de se obter um medid do gnho rel lcnçdo em cd investimento, sob perspectiv interncionl. 2 Metodologi A pesquis desenvolvid é quntittiv, com bse em procedimentos esttísticos. Com relção o enfoque epistemológico pesquis é do tipo empírico-nlític. Segundo Mrtins (1994) est bordgem envolve técnics de colet, trtmento e nálises de ddos mrcdmente quntittivs. FACEF PESQUISA - v.8 - n

4 ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE BENCHMARKINGS DE INVESTIMENTOS FINANCEIROS NO MERCADO BRASILEIRO NO PERÍODO As séries histórics dos vlores dos tivos e índices em cd período form obtids em Bnco Centrl do Brsil (2005). Os retornos mensis nominis form clculdos pels sus vrições discrets de cordo com seguinte fórmul: R t = [(P t - P t-1 ) / P t-1 ] x 100 Considerou-se R t o retorno, em tx, do mês t, pr um determindo tivo ou índice. O mês inicil (mês zero ) é julho de 1986, portnto o primeiro retorno clculdo (R 1 ) refere-se o obtido o longo do mês de gosto de 1986 (t=1) e o totl que se cumul com os retornos mensis o longo de todo o período (t=1 té t=t) é ddo por: R=[(1+R 1 )x(1+ R 2 )x...x (1+R t ) x (1+R T ) 1]x100 Estes retornos form justdos, um vez que o longo do período considerdo houve trnsformções n moed brsileir. Além disso, investigção se deu sobre o comportmento dos tivos e índices qunto gnhos reis. Por isso, dotou-se conversão em moed forte (US$ dólr) e devid correção inflcionári d economi mericn. No período considerdo houve dois cortes de três zeros n moed brsileir. O primeiro foi no Plno Verão, em jneiro de 1989, com congelmento de preços e corte de três zeros n crição do Cruzdo Novo. Em gosto de 1993, pós volt do Cruzeiro em mrço de 1990, moed sofreu novo corte de três zeros e trnsformou-se em Cruzeiro Rel. Em julho de 1994, depois de um período com doção de um unidde de indexção URV Unidde Rel de Vlor nov moed, o Rel, entrou em vigor. O retorno rel de cd tivo ou índice foi clculdo do seguinte modo: RR t ={[(1+R t )/(1+I DÓLAR )x(1+i INFLAÇÃO EUA )] 1} x100 3 Resultdos O gráfico 1 exibe o comportmento dos retornos dos tivos e índices considerdos. Gráfico 1 Evolução do investimento entre julho/86 e julho/04 R$ 12,00 R$ 10,00 R$ 8,00 R$ 6,00 R$ 4,00 Poupnç Ibovesp Inflção Americn R$ 2,00 R$ - Dólr Jul-86 Jul-87 Jul-88 Jul-89 Jul-90 Jul-91 Jul-92 Jul-93 Jul-94 Jul-95 Jul-96 Jul-97 Jul-98 Jul-99 Jul-00 Jul-01 Jul-02 Jul-03 Jul-04 Fonte: Elbordo pelos utores prtir de ddos do site do Bnco Centrl (http://www.bcb.gov.br) O gráfico 1 mostr evolução de $ 1 (um unidde monetári) plicd em cd um ds diferentes lterntivs de investimento considerds no estudo: cdernet de poupnç; ; Ibovesp; US$ Dólr; CPI;. A unidde monetári plicd no início de julho de 1986 no Ibovesp tingiu o vlor de $ 3,06 em dezembro de O mior crescimento ocorreu n plicção em, que tingiu $ 12,07 em dezembro de A tbel 1 present os números de cd lterntiv e tbel 2 exibe os retornos médios, desvios-pdrão e vriâncis dos retornos. 90 FACEF PESQUISA - v.8 - n

5 Tbjr PIMENTA JÚNIOR / Fbino Gusti LIMA An Luíz Gmbi CAVALLARI Tbel 1 Tx de gnho rel entre julho/86 e julho/04 Anul DÓLAR IBOVESPA POUPANÇA CPI jul-86 jul-94 jul-04 Gnho Rel.p. Gnho Rel.. R$ 1,23 R$ 0,86-14,22% -0,85% R$ 2,83 R$ 7,77 677,21% 12,07% R$ 0,74 R$ 0,58-42,28% -3,01% R$ 1,78 R$ 2,11 111,34% 4,24% R$ 1,22 R$ 1,35 34,66% 1,67% R$ 1,35 R$ 1,73 73,24% 3,10% Fonte: Site do Bnco Centrl (http://www.bcb.gov.br) Tbel 2 Esttístics dos investimentos no período de julho/86 e julho/04 Mensl DÓLAR IBOVESPA POUPANÇA CPI Retorno médio Desvio Pdrão Vriânci 0,191% 5,754% 0,331% 1,199% 5,438% 0,296% 0,471% 10,744% 1,154% 2,414% 19,335% 3,738% 0,408% 5,888% 0,347% 0,250% 0,240% 0,001% Fonte: Site do Bnco Centrl (http://www.bcb.gov.br) No período de julho/1986 julho/2004, rentbilidde rel médi d poupnç foi de 0,22%.m. o psso que do Ibovesp lcnçou 2,414%.m. e o 1,199%.m. O mior risco, clculdo pelo desvio pdrão, esteve ssocido o mercdo de ções, que lcnçou 19,335%.m. O risco dos retornos em ficou em torno de um qurto desse vlor, 5,438%.m. Já o câmbio esteve bem bixo, com retorno médio de 0,471%.m. e risco de 10,744%.m. Gráfico 2 Esttístics dos investimentos no período de julho/86 e julho/04 (Risco e retorno mensis) RISCO - Desvio Pdrão 25,000% Ibovesp 20,000% 15,000% Dólr 10,000% Poupnç 5,000% Inflção mericn 0,000% 0,000% 0,500% 1,000% 1,500% 2,000% 2,500% 3,000% RETORNO Fonte: Elbordo pelos utores prtir de ddos do site do Bnco Centrl (http://www.bcb.gov.br) O gráfico 2, mostr o retorno e o risco médio mensl de cd investimento no período de julho/86 e julho/ 04, demonstr que pr um unidde de risco o investimento que possui mior retorno é o seguido do Ibovesp, Poupnç, Dólr e. Os resultdos mostrrm (Gráfico 1) que há um diferenç significtiv no comportmento dos retornos entre os períodos (período pré Plno Rel) e (período pós Plno Rel). No segundo período é possível perceber um FACEF PESQUISA - v.8 - n

6 ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE BENCHMARKINGS DE INVESTIMENTOS FINANCEIROS NO MERCADO BRASILEIRO NO PERÍODO forte crescimento dos juros, no cso o DI, té o juste sofrido em jneiro de 1999 com mxidesvlorizção do Rel. O Ibovesp tmbém mostr crescimento e os efeitos d Crise Asiátic em 1997, d Crise Russ em 1998 e do momento crítico pré-eleição presidencil brsileir em Os ddos form então trblhdos em cd período isoldmente e os resultdos estão exibidos ns tbels 3 e 4, e nos gráficos 3 e 4. Tbel 3 Esttístics dos investimentos no períodos jul/86 jun/94 e jul/94 jul/04 Esttístics Julho/86 Junho/94 e Julho/94 Julho/04 Retorno médio Desvio pdrão Vriânci 0,36% 5,34% 0,28% -0,21% 6,05% 0,37% 1,20% 4,47% 0,20% 0,96% 6,12% 0,38% Fonte: Site do Bnco Centrl (http://www.bcb.gov.br) 1,35% 16,34% 2,67% -0,21% 0,25% 0,00% -0,21% 0,25% 0,00% 1,10% 13,75% 1,89% 0,36% 5,76% 0,33% 0,20% 6,04% 0,36% 0,31% 0,20% 0,00% 0,21% 0,25% 0,00% Gráfico 3 Evolução do investimento entre julho/86 julho/94 R$ 3,00 R$ 2,50 R$ 2,00 Poupnç Inflção Americn R$ 1,50 Dólr R$ 0,50 R$ - jul/86 nov/86 mr/87 jul/87 nov/87 mr/88 jul/88 nov/88 mr/89 Tbel 4 Tx de gnho rel entre julho/86 e julho/94 Anul jul-86 jul-94 Gnho Rel.p. Gnho Rel.. R$ 1,40 40,40% 4,33% R$ 3,20 219,96% 15,65% Ibovesp jul/89 nov/89 mr/90 jul/90 nov/90 mr/91 jul/91 DÓLAR R$ 0,74-26,21% -3,73% IBOVESPA R$ 1,78 78,44% 7,51% nov/91 mr/92 jul/92 nov/92 mr/93 jul/93 nov/93 mr/94 Fonte: Elbordo pelos utores prtir de ddos do site do Bnco Centrl (http://www.bcb.gov.br) Fonte: Site do Bnco Centrl (http://www.bcb.gov.br) POUPANÇA R$ 1,22 22,06% 2,52% CPI R$ 1,36 35,53% 3,87% No período de jul/86 jun/94, observ-se que o presentou mior rentbilidde rel dos investimentos seguido pelo Ibovesp que no período teve um rentbilidde de 78,44% contr 219,96% de rendimento do. A poupnç rendendo 22,06% vem em seguid e o dólr ficndo com prejuízo de 26,21%. 92 FACEF PESQUISA - v.8 - n

7 Gráfico 4 Evolução do investimento no período de julho/94 dezembro/04 Tbjr PIMENTA JÚNIOR / Fbino Gusti LIMA An Luíz Gmbi CAVALLARI R$ 3,5000 R$ 3,0000 R$ 2,5000 Ibovesp R$ 2,0000 Poupnç Inflção Americn R$ 1, Dólr R$ 0,5000 R$ - jul/94 jn/95 jul/95 jn/96 jul/96 jn/97 jul/97 jn/98 jul/98 jn/99 jul/99 jn/00 jul/00 jn/01 jul/01 jn/02 jul/02 jn/03 jul/03 jn/04 jul/04 Fonte: Elbordo pelos utores prtir de ddos do site do Bnco Centrl (http://www.bcb.gov.br) Tbel 5 Tx de gnho rel entre julho/94 e julho/04 Anul DÓLAR IBOVESPA POUPANÇA CPI jul-94 jul-94 Gnho Rel.p. Gnho Rel.. R$ 0,73-26,63% -3,05% R$ 3,06 206,16% 11,84% R$ 0,78-22,02% -2,46% R$ 1,71 71,21% 5,52% R$ 1,21 20,96% 1,92% R$ 1,28 28,23% 2,52% Fonte: Site do Bnco Centrl (http://www.bcb.gov.br) Observ-se que no período de jul/94 jul/04 o retorno médio obtido com o continu sendo superior os ds demis lterntivs, ms houve um deteriorção generlizd dos retornos dos investimentos. O que é importnte ser slientdo é o comportmento do, considerndo-se ocorrênci de um deflção em termos reis, frente o dólr. 4 Conclusão Sob ótic do investidor externo, neste estudo form comprdos os retornos obtidos com o investimento de um unidde monetári em diferentes lterntivs do mercdo finnceiro brsileiro, no período entre julho de 1986 e dezembro de Considerdos benchmrking de mercdo form estuddos: Ibovesp, poupnç,, US$ dólr e Inflção medid pelo - Índice Ncionl de Preços o Consumidor. Cd um desses foi convertido em US$ dólr e corrigidos pel inflção mericn, pr que se pudesse obter medid do gnho rel sob perspectiv interncionl. Os resultdos mostrrm que o melhor desempenho foi obtido pelo investimento em, que registrou gnho rel médio de 12,07%.., no período de 18 nos. Em segundo lugr, o melhor desempenho foi lcnçdo pelo índice bovesp, que registrou gnho rel médio de 4,24%.., ocsiondo pelos bons desempenhos dos nos de 2003 e O terceiro lugr foi lcnçdo pel Poupnç que registrou gnho rel médio de 1,67%... O e o Dólr presentrm perds nuis de 0,85% e FACEF PESQUISA - v.8 - n

8 ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE BENCHMARKINGS DE INVESTIMENTOS FINANCEIROS NO MERCADO BRASILEIRO NO PERÍODO ,01% respectivmente. A nálise de risco e retorno tmbém confirmou mesm ordem entre os benchmrkings, tendo o como o mior retorno por unidde de risco. N nálise relizd pr o período pré-plno Rel, ordem de desempenho e gnho rel o no entre os benchmrkings só presentou lterção pr o terceiro lugr que no período totl foi ocupdo pel poupnç, ms que entre julho de 1986 e junho 1994, foi ocupdo pelo. Já n nálise relizd pós-plno Rel, de julho de 1994 julho de 2004, ordem dos benchmrkings foi mesm do período totl. Neste estudo pode ser concluído que pr um investidor externo o melhor investimento relizdo no pís em qulquer no, durnte os últimos 18 nos, foi o. Fto que comprov o lto custo do dinheiro brsileiro e explic os bixos investimentos ocorridos no pís durnte este período. Um outro estudo poderi ser relizdo sobre o desempenho destes mesmos benchmrkings, porém sob ótic de um investidor ncionl. KAPLAN, P. D. Stocks, Brdy Bonds, nd currencies: investment opportunities. Ltin Americ. Chicgo: Ibbotson Assocites, p.2-21, jul IBBOTSON, R. G. The supply os stock mrket returns. Ltin Americ. Chicgo: Ibbotson Assocites, p. 1-28, jun Referêncis ASSAF NETO, A. Mercdo finnceiro. 4. ed. São Pulo: Atls, BALEEIRO, A. Um introdução à ciênci ds finnçs. Rio de Jneiro: Forense, BARR, D. G.; CAMPBELL, J. Y. Infltion, rel interest rtes, nd the bond mrket: study of UK nominl nd index-linked government bond prices. Journl of Monetry Economics. n. 39, p , mr ROSS, S. A.; WESTERFIELD, R. W.; JAFFE, J. F. Administrção finnceir: corporte finnce. São Pulo: Atls, SANDRONI, P. Novo dicionário de economi. São Pulo: Best Seller, SHARPE, W. F.; ALEXANDER, G. J.; BAILEY, J. V. Investments. 5.ed. New Jersey: Prentice Hll, FACEF PESQUISA - v.8 - n

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal 01-08-09 / Pág. 1/12 CRÉDITO PESSOAL CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - PARTICULARES Crédito Lr Txs Representtivs Tx Preferencil Tx Nominl Nominl 7,500% 29,500% 18,3% CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - EMPRESAS Crédito

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Divulgação nos relatórios dos bancos públicos brasileiros: análise das recomendações do Pilar 3 do Acordo de Basileia 2

Divulgação nos relatórios dos bancos públicos brasileiros: análise das recomendações do Pilar 3 do Acordo de Basileia 2 Divulgção nos reltórios dos bncos públicos brsileiros: nálise ds recomendções do Pilr 3 do Acordo de Bsilei 2 Andrei d Silv Britto Universidde Federl do Rio de Jneiro Adrino Rodrigues Universidde Federl

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE INVESTIMENTOS NO MERCADO DE AÇÕES E FUNDOS DE AÇÕES: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO AHP

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE INVESTIMENTOS NO MERCADO DE AÇÕES E FUNDOS DE AÇÕES: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO AHP ESTUDO COMPARATIVO ENTRE INVESTIMENTOS NO MERCADO DE AÇÕES E FUNDOS DE AÇÕES: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO AHP Crolyne Morn Fusco (FATEC ) mornfusco@gmil.com Neste trblho são nlisdos, especificmente, o mercdo

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

Sindicatos. Indicadores sociais 2001

Sindicatos. Indicadores sociais 2001 Ministério do Plnejmento, Orçmento e Gestão Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE Diretori de Pesquiss Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis Sindictos Indicdores sociis 2001 Rio de Jneiro

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente d Repúblic Luiz Inácio Lul d Silv Ministro do Plnejmento, Orçmento e Gestão Guido Mnteg INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Edurdo Pereir Nunes Diretor Executivo

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT GOVERNO FEDERAL COM MAIS CASOS DE CORRUPÇÃO, em Mrço de 2006 - [estimuld e únic, em %] Em 1º lugr Som ds menções Bse: Totl d mostr Collor Lul FHC 11

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU?

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? Toda decisão de aplicação financeira está ligada ao nível de risco que se deseja assumir, frente a uma expectativa de retorno futuro.

Leia mais

RELAÇÕES DE PREÇO I NSUMO/PRODUTO NA CULTURA DO MILHO DO CENTRO-SUL DO BRASIL

RELAÇÕES DE PREÇO I NSUMO/PRODUTO NA CULTURA DO MILHO DO CENTRO-SUL DO BRASIL RELAÇÕES DE PREÇO I NSUMO/PRODUTO NA CULTURA DO MILHO DO CENTRO-SUL DO BRASIL Elizbeth Christin Swenson Pontes! João Crlos Grci 2 RESUMO - Teve-se por objetivo estudr o comportmento dos preços de insumos

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Desinflação Ótima na Presença de Inércia Inflacionária, Formação de Hábito e Fricções Monetárias

Desinflação Ótima na Presença de Inércia Inflacionária, Formação de Hábito e Fricções Monetárias Desinflção Ótim n Presenç de Inérci Inflcionári, Formção de Hábito e Fricções Monetáris Mrco A. F. H. Cvlcnti Conteúdo: Plvrs-chve: 1. Introdução;. O Modelo; 3. Desinflção sob Regrs Arbitráris de Polític

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Capital Asset Pricing Model CAPM

Capital Asset Pricing Model CAPM Cpitl Asset Pricing Model CAPM Prf. José Fjrdo EBAPE-FGV Referêncis Shrpe, W. F. 964. Cpitl Asset Prices: A Theory of Mrket Equilibrium Under Conditions of Risk. Journl of Finnce 9:45 4. Lintner, J. 965.

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Estudo comparativo entre investimentos no mercado de ações e fundos de ações: Uma aplicação do Método AHP.

Estudo comparativo entre investimentos no mercado de ações e fundos de ações: Uma aplicação do Método AHP. Estudo comprtivo entre investimentos no mercdo de ções e fundos de ções: Um plicção do Método AHP. Crolyne Morn Fusco mornfusco@gmil.com FATEC-BP Resumo:Neste trblho são nlisdos, especificmente, o mercdo

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente d Repúblic Luiz Inácio Lul d Silv Ministro do Plnejmento, Orçmento e Gestão Pulo Bernrdo Silv INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Edurdo Pereir Nunes Diretor-Executivo

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS MARIANE SANCES FERREIRA. AVALIAÇÃO DE EMPRESAS SEGURADORAS Um estudo de caso da SulAmérica S.A.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS MARIANE SANCES FERREIRA. AVALIAÇÃO DE EMPRESAS SEGURADORAS Um estudo de caso da SulAmérica S.A. UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS MARIANE SANCES FERREIRA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS SEGURADORAS Um estudo de cso d SulAméric S.A. Vrginh/MG 2014 MARIANE SANCES FERREIRA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS SEGURADORAS Um estudo

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito ns melhores fculddes IBMEC 03/junho/007 ANÁLISE QUANTITATIVA E LÓGICA DISCUSIVA 01. O dministrdor de um boliche pretende umentr os gnhos com sus pists. Atulmente, cobr $ 6,00 por um hor

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Trimestrais ITR em 30 de junho de 2013 e relatório sobre a revisão de informações trimestrais

Abril Educação S.A. Informações Trimestrais ITR em 30 de junho de 2013 e relatório sobre a revisão de informações trimestrais Abril Educção S.A. Informções Trimestris ITR em 30 de junho de 2013 e reltório sobre revisão de informções trimestris ABRIL EDUCAÇÃO S.A. INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS - ITR em 30 de junho de 2013 e Reltório

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Volume 45 N 17-2014 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde Dengue: monitormento té Semn Epidemiológic (SE) 29 de 2014 Em 2014 form registrdos 688.287 csos de dengue no pís

Leia mais

Evidências de Insider Trading em Eventos de Descoberta de Petróleo e Reservas de Gás no Brasil RESUMO

Evidências de Insider Trading em Eventos de Descoberta de Petróleo e Reservas de Gás no Brasil RESUMO Evidêncis de Insider Trding em Eventos de Descobert de Petróleo e Reservs de Gás no Brsil Autori: Cmil Arújo Mchdo RESUMO O trblho procurou responder se há possíveis evidêncis de insider trding em eventos

Leia mais

A CONTABILIDADE DOS DERIVADOS

A CONTABILIDADE DOS DERIVADOS A CONTABILIDADE DOS DERIVADOS José Tomé (equip. Professor Adjunto) Sndr Rebelo (equip. Assistente do 1º triénio) Resumo Vivemos num mbiente em constnte mutção em que é imprescindível tomd rápid e tempestiv

Leia mais

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná ESMAFE/PR Escol d Mgistrtur Federl do Prná Curso Regulr Preprtório pr Crreir d Mgistrtur Federl com opção de Pós-Grdução ltu sensu em Direito Público em prceri com UniBrsil - Fculddes Integrds do Brsil

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

A técnica de controle proposta fundamenta-se

A técnica de controle proposta fundamenta-se rtigo Metodologi pr o controle de qulidde dos estquementos tipo hélice contínu rotin SCCAP A técnic de controle propost fundment-se no utocontrole d execução dos elementos de fundção prtir d medição utomtizd

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL

RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL INICIALIZAÇÃO AUTOMÁTICA DE CONTROLADORES DEFINIDOS PELO USUÁRIO DO PROGRAMA PACDYN MARCOS INÍCIUS GONÇALES DA SILA FARINHA PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA

Leia mais

SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E AGENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO

SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E AGENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E ENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO SILVA, P S, NEPOMUCENO, L Lbortório de Estudos Econômicos em Sistems de Potênci - LEESP UNESP / FE / DEE

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

Preços em dólares norte-americanos (US$) por pessoa a partir de. American Airlines 1.839 1.521 1.410 2.550 2.129 1.811 1.700 2.840

Preços em dólares norte-americanos (US$) por pessoa a partir de. American Airlines 1.839 1.521 1.410 2.550 2.129 1.811 1.700 2.840 Flórid Fly & Drive Visitndo: Mimi Bech, Key West, Nples e Orlndo Tbel 01-2010 Síds de 01 de jneiro 31 de mrço de 2010 Noss vigem inclui: Pssgem ére Rio de Jneiro, São Pulo ou Belo Horizonte / Mimi / São

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL II Congresso sobre Plnejmento e Gestão ds Zons Costeirs dos Píses de Expressão Portugues IX Congresso d Associção Brsileir de Estudos do Quternário II Congresso do Quternário dos Píses de Língu Ibérics

Leia mais

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco ANEXO 1. NOTA TÉCNICA O Brsil produz dus espécies de cfé: O rábic (Coffe rábic L.) e o robust (Coffe cnephor Pierre ex A. Froehner.), mis conhecido como cfé robust. Atulmente, o pís é o mior produtor e

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

PAULA et al. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 2. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 3

PAULA et al. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 2. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 3 PAULA et l. 133 ANÁLISE COMPARATIVA DA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DOS SEGMENTOS DE CALÇADOS E ALIMENTOS DIVERSOS Amnd de Pul 1 Myr Nkok 2 Adlberto Rmon Vlderrm Gerbsi 3 Isbel Cristin Gozer 4 PAULA,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira

Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira Educção integrl/educção integrd e(m) tempo integrl: concepções e prátics n educção brsileir Mpemento ds experiêncis de jornd escolr mplid no Brsil UFPR UNB UNIRIO UFRJ UERJ UFMG ULBRA Educção integrl/educção

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC 1 MÁQUINS ELÉTRICS II 1233 /C : PROF. CGNON - 2005 LBORTÓRIO L1 ENSIO 01 : OBTENÇÃO D CRCTERÍSTIC ZIO DE UM MÁQUIN CC 1. Objetivo Neste ensio será relizdo o levntmento d crcterístic de funcionmento vzio

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais