ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO.3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS.3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO.3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS.3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO.5 4.6 5.6 6.6 7.7 8.8.8.8."

Transcrição

1

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO DIRETRIZES DA GESTÃO DO DESEMPENHO ETAPAS DO PROCESSO DE GESTÃO DO DESEMPENHO CARACTERÍSTICAS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONAB REGRA GERAL TIPOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESCALA DE AVALIAÇÃO PROMOÇÃO POR MÉRITO CRITÉRIOS DE DESEMPATE RECURSOS APLICABILIDADE DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EVOLUÇÃO DE COMPETÊNCIAS TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

3 1. INTRODUÇÃO A Política de Gestão do Desempenho da Companhia Nacional de Abastecimento Conab, definida neste documento, integra os Planos de Cargos, Carreiras e Salários vigentes na Companhia e tem como objetivo definir os procedimentos relativos à Gestão do Desempenho de seus empregados, regulamentando os aspectos relacionados à Avaliação de Desempenho, que será baseada no Sistema de Gestão por Competências. Este manual é um instrumento orientador do processo de avaliação, onde estão definidas as competências a serem avaliadas, os instrumentos utilizados e seus critérios de aplicação. A metodologia de avaliação prevê a participação tanto do empregado avaliado quanto das pessoas que interagem diretamente com o seu trabalho. Há um consenso sobre a necessidade das instituições terem trabalhadores com um perfil profissional compatível com os requisitos demandados pelas novas configurações do mundo do trabalho. Esse perfil, de modo geral, baseia-se na versatilidade dos profissionais para acompanhar as constantes mudanças ocorridas nos ambientes de trabalho, na capacidade de atuar em equipes, de se expressar com clareza, de resolver problemas de forma fundamentada, dentre outras características. Nesse sentido, e levando em consideração a Missão, a Visão e os valores organizacionais determinados no Planejamento Estratégico da Companhia, foram definidas as Competências Estratégicas, necessárias a todo e qualquer empregado da Conab, bem como as Competências de Liderança, indispensáveis àqueles ocupantes de função de gestão. Essas competências serviram de base para a elaboração da Avaliação de Desempenho aqui apresentada. Essa ferramenta visa não somente implementar um sistema de promoção por mérito, mas principalmente diagnosticar o desempenho dos empregados em relação às expectativas da Companhia, buscando o desenvolvimento pessoal e profissional dos empregados por meio de ações relativas a treinamento e capacitação. 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS Objetivando facilitar o correto entendimento da Política de Gestão do Desempenho, a seguir estão disponibilizados os conceitos das terminologias adotadas neste documento. 3

4 Ano-base período de doze meses considerado para aferição da avaliação do desempenho. Atributos são os conhecimentos, habilidades ou comportamentos requeridos pela Conab. São os atributos que caracterizam uma competência e que direcionam sua avaliação. Autoavaliação é avaliação feita pelo próprio avaliado acerca de seu desempenho ao longo do exercício trabalhado, identificando seus pontos fortes e oportunidades de melhoria. Avaliação de Desempenho ferramenta gerencial para administração do desempenho dos empregados da Companhia. Consiste em uma etapa do processo de Gestão do Desempenho. Avaliação do Superior percepção do superior imediato acerca do desempenho do empregado. Avaliação da Equipe avaliação na qual os empregados avaliam o superior imediato com base nas competências estratégicas e Liderança. Avaliação dos Pares avaliação dos pares do empregado, ou seja, dos colegas de equipe ocupantes, preferencialmente, do mesmo cargo. Avaliado empregado que tem o seu desempenho acompanhado, e não julgado, mediante a aplicação da ferramenta de Avaliação de Desempenho. Cargo é um conjunto delimitado de papéis sócio organizacionais que apresentam substancial identidade de natureza, complexidade, responsabilidade e condições de trabalho em que são executadas. É a posição que o empregado ocupa na estrutura organizacional. Competências resultado da aplicação de um conjunto de conhecimentos, comportamentos, habilidades e características pessoais, demonstrado por meio do comportamento em um determinado contexto de trabalho, o qual suporta e gera um desempenho superior. Comportamento é o conjunto de procedimentos ou reações do indivíduo no ambiente de trabalho, é a postura adotada em determinadas circunstâncias. Conhecimento um conjunto consciente e acessível de dados, informações, conceitos e percepções adquiridos por meio de educação ou experiências. É o que cada um pode perceber e entender. É o saber. Desempenho é o conjunto de resultados de determinada pessoa para a empresa. Empregado Elegível aquele que atende aos critérios de concessão de promoção por mérito. Empregado Inelegível aquele que se enquadra em alguma situação impeditiva de concessão de promoção por mérito, conforme estabelecido em norma própria. Espaço Ocupacional é um conjunto de atribuições típicas de um mesmo cargo num determinado processo. Função: é o conjunto de responsabilidades ou tarefas atribuídas a um cargo. Feedback o processo utilizado para fornecer aos empregados as informações sobre o grau de eficácia de seu desempenho. Deve ser construtivo e assertivo. 4

5 Gestão por Competências maneira pela qual a Companhia se organiza para gerenciar e orientar o comportamento dos empregados e seu consequente desenvolvimento atrelado às necessidades e expectativas da Companhia. Gestor.empregado responsável pela gestão técnico-administrativa de determinadas áreas da Companhia, liderando as respectivas equipes de trabalho sob sua hierarquia, percebendo, para tanto, gratificação de função de confiança. Habilidade é a capacidade demonstrada de desenvolver tarefas físicas e mentais exigidas pelo seu trabalho. É a aplicação do conhecimento ao trabalho. É o saber fazer, ou seja, o saber colocado em prática. Referência Salarial valor de salário-base contido na tabela salarial. Tabela Salarial é o conjunto de referências salariais hierarquicamente organizadas. 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO Em meados de 2006, com a edição do Decreto nº 5.707, de 23 de fevereiro de 2006, o Governo Federal instituiu a Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal que tem como um de seus instrumentos principais o sistema de Gestão por Competências. Portanto, esse modelo passou a ser uma política de Estado utilizada pela Administração Direta com o intuito de monitorar, planejar e avaliar ações de capacitação e desenvolvimento dos servidores. Buscando esse mesmo fim, e visando o alcançar um referencial de qualidade nos serviços prestados à sociedade, o processo de Desenvolvimento Organizacional da Conab também é baseado no modelo de competências. Tendo em vista que os resultados alcançados pela Conab possuem relação direta com as competências de seus empregados, a ideia deste modelo de gestão é de desenvolvimento mútuo, ou seja, os resultados positivos obtidos pela Conab tendem a indicar uma evolução no desempenho de seu corpo funcional. O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, por meio da Secretaria de Gestão Pública editou em 2013 o Manual de Orientação para a Gestão do Desempenho com visando auxiliar no entendimento dos procedimentos e das rotinas necessárias à realização da gestão do desempenho, bem como uniformizar conceitos e oferecer bases teóricas de forma sistemática e criteriosa. Logo, verificamos que o instrumento sugerido pelo Governo Federal é exatamente o modelo de avaliação aplicado na Conab, ou seja, a avaliação por múltiplas fontes onde se analisa o desempenho do empregado pela chefia imediata, pela autoavaliação e avaliação dos colegas ou subordinados. 5

6 Para compor a ferramenta de Avaliação de Desempenho da Conab, consolidando-a como uma etapa do processo de Gestão de Competências, o desempenho dos empregados a princípio, será medido considerando-se as Competências Estratégicas e para aqueles que ocupam função de gestão serão consideradas, também, as competências de Liderança. Tais competências foram definidas com base nas diretrizes e objetivos do Mapa Estratégico Corporativo, bem como nos Macroprocessos da Organização e nas necessidades atuais e futuras do negócio. 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO Ser um instrumento de direcionamento dos objetivos organizacionais da Companhia; Medir o desempenho individual do empregado, visando subsidiar os sistemas de Gestão de Pessoas, tais como remuneração, treinamento, desenvolvimento e carreira; Contribuir para o desenvolvimento dos Gestores buscando transformá-los em Líderes de Pessoas, principalmente com relação ao feedback e evolução de suas equipes. Identificar as necessidades de capacitação e identificar as necessidades de adequação funcional. 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO Desenvolvimento de uma cultura organizacional voltada para o Desempenho; Orientação dos esforços, compromisso e participação dos empregados em convergência com as diretrizes estratégicas da Companhia; Melhoria contínua do empregado por meio de capacitação e treinamento; Utilização de medidas e ferramentas para planejar, monitorar e informar os progressos individuais e das equipes Possibilidade de identificação, por parte do empregado, de sua contribuição naquilo que a organização espera dele, impulsionando os resultados do seu trabalho. Estabelecimento de critérios de avaliação que possibilitem o reconhecimento do mérito; Possibilidade de direcionamento das necessidades de desenvolvimento. 6. DIRETRIZES DA GESTÃO DO DESEMPENHO 6

7 Com o intuito de alinhar a ferramenta de Gestão do Desempenho com as necessidades da Companhia, atentando-se às questões culturais existentes hoje, deve-se respeitar algumas diretrizes principais, abaixo definidas: A Companhia e seus empregados devem focar o processo de gestão do desempenho, não somente a avaliação de competências; Os objetivos da Companhia devem estar relacionados aos objetivos individuais; A prática de feedback deve ser contínua e formalizada periodicamente, a fim de garantir a eficácia da avaliação; O processo deve contemplar o reconhecimento dos resultados individuais e reforçar os comportamentos esperados. 7. ETAPAS DO PROCESSO DE GESTÃO DO DESEMPENHO O Processo de Gestão do Desempenho da Conab contempla as seguintes etapas: 1º Início do Ciclo Nesta etapa, ocorrerá a divulgação ao corpo funcional do início do ciclo de avaliação de desempenho, suas regras, prazos e o funcionamento do processo bem como a indicação dos avaliadores de cada empregado. 2º Avaliação e Feedback Por meio de ferramenta informatizada serão realizadas as avaliações de todo o corpo funcional. Ainda nesta etapa deverá haver a discussão entre o gestor e o empregado sobre os resultados da avaliação, pontos e oportunidades de melhoria identificadas. Esse feedback, é primordial para o desenvolvimento das competências e melhoria do desempenho do empregado. 3º Consolidação dos Resultados Serão compilados os dados das avaliações de cada um dos empregados e aberto o período de recursos que serão analisados pelos Comitês Regionais, instituídos pela Conab para analisar inconsistências nos resultados obtidos. 4º Promoção por Mérito Nesta etapa são identificados os empregados elegíveis à promoção por Mérito de acordo com o orçamento disponível as regras e procedimentos definidos para este critério de movimentação salarial. O lançamento da promoção ocorrerá na folha de pagamento de Julho. 5º Planos de Ação com os resultados consolidados, a Companhia adotará planos de ação necessários à realização de treinamentos para o desenvolvimento do corpo funcional com vistas à aquisição ou ampliação das competências dos empregados. 7

8 Esse processo acontecerá sempre no ano subsequente ao ano-base avaliado, conforme programação a ser divulgada ao corpo funcional por ocasião do início do processo. 8. CARACTERÍSTICAS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONAB 8.1 REGRA GERAL A responsabilidade pela aplicação dos procedimentos relativos à Avaliação e orientação nos assuntos aqui definidos é da Gerência de Carreiras e Remuneração - GECAR, em conjunto com os Comitês de Desempenho constituídos no âmbito das Superintendências Regionais. A regulamentação de cada Comitê ocorrerá por meio de Portaria da Presidência, cuja composição deverá contar com no máximo 3 empregados da Regional, sendo que um deles deverá pertencer à área de Recursos Humanos da SUREG. Todos os empregados da Companhia devem participar do processo de Avaliação de Desempenho, inclusive aqueles que estão cedidos a outros órgãos. Os empregados que se encontram nessa condição, serão avaliados no Órgão onde estão cedidos e pelos mesmos critérios estabelecidos para os empregados em efetivo exercício na Conab. 8.2 TIPOS DE AVALIAÇÃO O processo contempla 4 tipos de avaliação: Se o avaliado é Empregado sem função de gestão na Conab: A Autoavaliação consiste em 1 avaliador. A Avaliação do Superior consiste em 1 avaliador. A Avaliação dos Pares deve conter, no mínimo, 2 avaliadores, sendo 1 escolhido pelo empregado e outro, pelo superior imediato. Se o avaliado é Gestor no âmbito da Conab: A Autoavaliação consiste em 1 avaliador. A Avaliação do Superior consiste em 1 avaliador. A Avaliação da Equipe consiste na avaliação do gestor por 2 subordinados, sendo 1 escolhido pelo avaliado e outro, pelo superior imediato. Cada tipo de avaliação representa uma porcentagem da nota final, conforme quadro a seguir: 8

9 Tipo de Avaliação Gestores Empregado sem função de gestão na Conab Autoavaliação 15% 15% Superior 60% 60% Pares - 25% Subordinados 25% - Os avaliadores não podem se eximir de realizar as avaliações para as quais foram indicados, seja como par, subordinado ou superior hierárquico. Para os empregados que tiveram alteração de lotação por transferência ou cessão, os avaliadores serão os da área onde o avaliado passou maior tempo no ano-base. A Avaliação do Superior será feita pelo gestor que supervisionou o trabalho do empregado por mais tempo no anobase. 8.3 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A Avaliação será baseada na aferição do desempenho dos empregados nas Competências a seguir mencionadas: COMPETÊNCIAS ESTRATÉGICAS COMPETÊNCIA COMPORTAMENTO ESPERADO ATRIBUTOS 1. Trabalho em Equipe 2. Adaptação à Mudança 3. Iniciativa e Dinamismo Colaborar efetivamente com a equipe, trabalhando de forma estruturada, disciplinada e integrada, com foco em resultados. Responder, no tempo adequado, às novas demandas definidas pelo contexto de trabalho, ponderando sua opinião e conduta. Atuar com espírito empreendedor vigor e determinação, procurando novos desafios e soluções, antecipando-se aos problemas, necessidades e oportunidades de trabalho, revelando disposição mesmo diante de circunstâncias adversas. - Habilidade de relacionamento interpessoal - Capacidade de estabelecer laços de confiança - Habilidade de comunicação - Atitude positiva e receptiva - Conhecimento dos processos da Companhia - Visão crítica - Capacidade analítica - Habilidade de convivência com a diversidade - Atitude positiva e receptiva - Conhecimento do Mapa Estratégico Corporativo - Flexibilidade - Capacidade de quebra de paradigmas - Versatilidade - Proatividade - Motivação - Persistência - Empreendedorismo 9

10 4. Conhecimento da Organização 5. Aquisição e Transferência de Conhecimentos 6. Foco no Cliente Compreender o contexto, a missão e a área de atuação da Companhia, assim como a sua contribuição individual para a realização dos seus objetivos estratégicos. Ampliar e compartilhar o próprio conhecimento, propiciando a atualização permanente, buscando ser um multiplicador de conhecimentos no ambiente de trabalho. Conhecer e atender às necessidades e expectativas dos clientes internos e externos, atuando como parceiros, desenvolvendo e implementando soluções que agreguem valor, observando as diretrizes e normativos da Companhia. - Visão sistêmica - Visão de futuro - Conhecimento do Mapa Estratégico da Conab - Conhecimento da legislação específica da sua área de atuação - Conhecimento dos normativos internos - Conhecimento dos processos da Companhia - Visão integrada - Motivação - Habilidade e disposição para transmitir conhecimento - Capacidade de autodesenvolvimento - Habilidade de relacionamento interpessoal Persistência - Capacidade de buscar melhores práticas - Habilidade de comunicação - Capacidade de estabelecer laços de confiança Transparência - Conhecimento do Mapa Estratégico da Conab - Excelência no atendimento - Conhecimento do perfil do cliente - Credibilidade - Habilidade de desenvolvimento e de manutenção de relacionamentos - Visão sistêmica - Habilidade de interagir com as demais áreas COMPETÊNCIAS DE LIDERANÇA COMPETÊNCIA COMPORTAMENTO ESPERADO ATRIBUTOS 1. Gestão Estratégica Compreender a missão e a visão de futuro da Companhia e direcionar esforços para a viabilização dos objetivos estratégicos definidos. - Visão sistêmica - Conhecimento do Mapa Estratégico da Conab - Capacidade de análise de cenários - Habilidade de tomada de decisão - Empreendedorismo 2. Orientação para Resultados 3. Gestão de Processos Desenvolver e melhorar continuamente os processos de trabalho, buscando a melhor relação custo-benefício, a otimização de recursos e a satisfação dos clientes, a fim de atingir os resultados a que se propõe. Melhorar continuamente os processos organizacionais, priorizando as etapas necessárias à consecução dos trabalhos. - Conhecimento dos processos da Companhia - Habilidade de análise e de redução de custos - Capacidade de otimização de recursos - Flexibilidade - Criatividade - Habilidade para soluções de problemas - Capacidade de avaliação de resultados - Habilidade para gestão dos planos de melhorias - Conhecimento de fluxograma de processos - Visão sistêmica - Agilidade em situações imprevistas - Capacidade analítica - Conhecimento do Mapa Estratégico da Conab 10

11 4. Liderança e Gestão de Equipes 5. Negociação Coordenar e comprometer equipes, delegando responsabilidades, orientando e avaliando a necessidade de desenvolvimento, incentivando a autocrítica, atuando como referência no grupo, obtendo credibilidade e conduzindo as pessoas, tanto na operacionalização de processos atuais como naqueles em fase de mudanças. Negociar em situações caracterizadas por objetivos diversos e/ ou conflitantes, obtendo consenso ou resultados positivos e a satisfação das partes envolvidas. - Habilidade de aconselhamento e orientação - Habilidade para gerenciamento de conflitos - Empatia - Capacidade de dar e receber feedback - Conhecimento da metodologia de avaliação de desempenho - Conhecimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da Companhia - Senso de justiça - Transparência - Assertividade - Capacidade de análise e de priorização de atividades - Capacidade de orientação e análise - Habilidade de comunicação - Flexibilidade - Conhecimento de técnicas de negociação - Habilidade de relacionamento interpessoal - Capacidade de articulação - Capacidade de persuasão e influência O quadro a seguir indica os percentuais de cada tipo de competência na composição da Avaliação, de acordo com o perfil do avaliado: COMPETÊNCIAS GESTOR DA CONAB EMPREGADO SEM FUNÇÃO DE GESTÃO Competências Estratégicas 50% 100% Competências de Liderança 50% ESCALA DE AVALIAÇÃO A Escala de Avaliação da Conab contém 4 conceitos de avaliação, conforme tabela abaixo: Conceito Descrição Não Apresenta Não apresentou o comportamento esperado durante o período avaliado. Apresenta Parcialmente Apresenta Supera Apresentou parcialmente o comportamento esperado, com uma frequência moderada, porém, abaixo do esperado. Apresentou o comportamento dentro do esperado durante o período avaliado e raramente demonstrou dificuldades nos comportamentos descritos. Apresentou o comportamento além do esperado durante o período avaliado. Se destacou em relação à postura desejada, sendo exemplo na aplicação do comportamento descrito. Cada evidência descrita na Avaliação deve ser analisada com base na descrição dos conceitos de avaliação expostos acima, sendo que cada um desses conceitos possui uma nota. Ao 11

12 término do preenchimento da escala, somam-se as notas correspondentes de cada evidência avaliada para o cálculo da nota da competência. 8.5 PROMOÇÃO POR MÉRITO Serão considerados inelegíveis à Promoção por Mérito aqueles que se enquadrarem, no ano-base, em alguma das situações abaixo elencadas: Efetivo exercício inferior a 240 dias. Tenha acumulado mais de 6 faltas injustificadas; Tenha sofrido penalidade disciplinar; Esteja enquadrado no último nível da tabela salarial ao qual está vinculado. Esteja desligado da Conab na data de elaboração do ranqueamento para concessão da Promoção por Mérito. Obtenha Nota Final da Avaliação de Desempenho inferior a 70. Para cômputo dos 240 dias de efetivo exercício, deverão ser deduzidos os seguintes afastamentos acumulados: Faltas injustificadas, Licença pela Previdência Social, Licença para Mandato Eletivo, Licença sem vencimentos/interesse Particular, Licença para concorrer a Cargo Eletivo e afastamento para pós-graduação com dedicação exclusiva. Serão concedidos até 2 (dois) níveis salariais aos empregados considerados elegíveis à Promoção por Mérito, cuja nota final na avaliação de desempenho seja igual ou superior a 70, observado o limite orçamentário de 1% de impacto sobre a folha salarial, imposto pela resolução CCE N. 009/96. Será assim distribuído o montante financeiro disponível: 40% para a concessão de 02 (dois) níveis salariais, obedecida a ordem de classificação, até que o valor seja suficiente para conceder 02 (dois) níveis. Caso o saldo não seja suficiente para contemplar o próximo empregado com 02 (dois) níveis, esse saldo deverá ser remanejado para o orçamento de concessão de 01 (um) nível. 60% para a concessão de 01 (um) nível salarial, obedecida a ordem de classificação, até o término do orçamento disponível. O montante financeiro disponível para a concessão da Promoção por Mérito será dividido pelo número total de empregados considerados elegíveis e distribuído proporcionalmente, respeitada a lotação em que o empregado foi avaliado, entre as seguintes Unidades: 12

13 Matriz: a divisão ocorrerá entre a Presidência, Diretorias e empregados cedidos. SUREG: o orçamento contemplará os empregados da SUREG (incluindo as Unidades Armazenadoras) e existirá, também, um orçamento separado para os empregados cedidos em cada Regional. Após a divisão acima estabelecida haverá uma subdivisão por tipo de Avaliado (Gestor ou empregado sem função de gestão). Os empregados sem função de Gestão serão, ainda, separados por cargo. Logo, após a divisão do montante financeiro entre as Unidades, os elegíveis serão ranqueados em 04 listas distintas, distribuídos da seguinte forma: 1. Gestores 2. Empregados sem função de Gestão 2.1 Cargos de Nível Fundamental 2.2 Cargos de Nível Médio 2.3 Cargos de Nível Superior Os empregados cedidos serão ranqueados da mesma maneira que os empregados sem função de Gestão na Conab. A promoção será concedida sempre no mês de Julho do ano subsequente ao avaliado e contemplará os empregados elegíveis até o limite orçamentário disponível, considerando a ordem decrescente das notas. O empregado só terá direito a concessão de 2(dois) níveis por mérito no mês de julho, caso nos 12(doze) meses anteriores ele não tenha sido contemplado com a promoção por antiguidade. Ou seja, se nos 12(doze) meses que antecedem a Promoção por Mérito o empregado já tiver sido contemplado com 1(um) nível de promoção por antiguidade, este mesmo fazendo jus a 02(dois) níveis por força da nota obtida na avaliação de desempenho receberá somente mais 1(um) nível para completar os 02(dois) permitidos para o período. O item do PCCS/2009 afirma que para aqueles empregados submetidos à Avaliação de Desempenho que obtiverem maior destaque no desenvolvimento de competências será aplicada uma referência salarial a cada ano, já o Regulamento de Pessoal NOC que normatiza as relações de Trabalho desses empregados - diz que o avanço salarial do critério Evolução de Competências será concedido, em decorrência da avaliação de desempenho, conforme normas 13

14 específicas. Considerando que a Norma específica neste caso é a própria Política de Gestão do Desempenho, e levando em consideração o princípio da norma mais favorável ao trabalhador, que determina que, diante de um quadro de conflito de regras, seja aplicada aquela mais benéfica ao empregado, de modo a alcançar o sentido finalístico inerente ao Direito do Trabalho, as regras definidas nesta Política se aplicam aos empregados enquadrados no PCCS/ CRITÉRIOS DE DESEMPATE Em caso de notas idênticas entre empregados de uma mesma Unidade serão utilizados os seguintes critérios de desempate: Maior média das Notas da Competência Trabalho em Equipe; Maior média das Notas da Competência Adaptação à Mudança; Maior média das Notas da Competência Aquisição e Transferência de Conhecimentos; Maior idade. Para o desempate dos empregados que ocupam função de gestão, os critérios serão os seguintes: Maior média das Notas da Competência Liderança e Gestão de Equipes; Maior média das Notas da Competência Orientação para Resultados; Maior média das Notas da Competência negociação; Maior idade. 8.7 DOS RECURSOS O empregado que discordar do resultado de sua avaliação poderá recorrer, por escrito, aos Comitês de Avaliação de Desempenho nas SUREGs ou à GECAR, no caso dos empregados lotados da Matriz. Os recursos deverão ser respondidos, por escrito, no prazo de até 5 (cinco) dias úteis, contados do último dia de prazo para apresentação do recurso. 9. APLICABILIDADE DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 9.1. EVOLUÇÃO DE COMPETÊNCIAS 14

15 A Evolução de Competências é um dos critérios definidos para o avanço do empregado da Conab na carreira e na tabela salarial. Este critério deve ser regido mediante os resultados do processo de Avaliação de Desempenho. A aferição das competências será baseada no resultado das avaliações de desempenho, conforme detalhado neste documento TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Após a consolidação dos resultados das avaliações da Conab e identificação dos empregados elegíveis ao avanço salarial, é possível definir os planos de ação para treinamento e desenvolvimento, a fim de sanar as deficiências dos empregados em determinadas competências. Os planos de treinamento e desenvolvimento devem ser gerenciados pela Gerência de Capacitação e Desenvolvimento GECAP. Os empregados que apresentarem desempenho mediano ou inferior deverão cumprir as horas de treinamento definidas pela GECAP para o desenvolvimento de cada competência. A participação nos treinamentos é necessária para que os empregados superem as deficiências apresentadas. 15

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO.3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS.3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO.5 4.6 5.6 6.6 7.7 8.8.8.

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO.3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS.3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO.5 4.6 5.6 6.6 7.7 8.8.8. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS...3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO...5 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO...6 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO...6

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD)

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DIVISÃO DE TREINAMENTO E AVALIAÇÃO SERVIÇO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROGRAMA DE

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO N.º 04/2007 Institui o Programa de Avaliação do Desempenho PAD

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DO DESEMPENHO DOS EMPREGADOS DA EMPREL- PGDE 2014

EDITAL DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DO DESEMPENHO DOS EMPREGADOS DA EMPREL- PGDE 2014 EDITAL DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DO DESEMPENHO DOS EMPREGADOS DA EMPREL- PGDE 2014 1.0 - OBJETIVOS 1.1 Objetivo Geral Contribuir para implantação do processo de gestão de desempenho dos empregados da

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com. Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.br MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Alinhadas às Diretrizes

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS DA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO CONAB

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS DA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO CONAB Minuta do Plano de Cargos, Carreiras e Salários PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS DA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO CONAB 2008 Página 1 de 151 Minuta do Plano de Cargos, Carreiras e Salários ÍNDICE

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Regulamento de Recursos Humanos

Regulamento de Recursos Humanos Diretoria de Administração e Planejamento Novembro de 2001 Este regulamento estabelece as diretrizes e normas a serem adotadas pela RNP na gestão dos seus recursos humanos, aprovado na 2ª Reunião Ordinária

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N. 1.327, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N. 1.327, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N. 1.327, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011 Regulamenta o Programa de Avaliação de Desempenho dos Servidores Técnico-Administrativos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS No que se refere à gestão, recrutamento e seleção de pessoas, julgue os itens a seguir. 51 A gestão de pessoas recebeu forte influência dos estudos de Hawthrone, especialmente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO (AD)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO (AD) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO (AD) CURITIBA OUTUBRO 2008 PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AD DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho IBMEC Jr. Consultoria A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho O mercado de trabalho que nos espera não é o mesmo dos nossos pais... ... ele mudou! As mudanças Certeza Incerteza Real Virtual

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União.

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011 Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições,

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO 1. Apresentação O Programa de Avaliação de Desempenho constitui um processo pedagógico, coletivo

Leia mais

INSTITUI O SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES ESTATUTÁRIOS DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

INSTITUI O SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES ESTATUTÁRIOS DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI N INSTITUI O SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES ESTATUTÁRIOS DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOÃO PAULO TAVARES PAPA, Prefeito Municipal de Santos, faço saber

Leia mais

Plano de cargos e salários

Plano de cargos e salários Plano de cargos e salários CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Armando de Queiroz Monteiro Neto INSTITUTO EUVALDO LODI - IEL / NÚCLEO CENTRAL Diretor etor-geral Armando de Queiroz Monteiro

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2010 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU)

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2010 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU) Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2010 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU) Alan Rodrigues da Silva Iuri Frederico de Oliveira Santos

Leia mais

PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC

PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC DEZEMBRO DE 2013 1 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 CONCEITOS BÁSICOS... 4 3 OBJETIVO DO PCRC... 6 4 REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS PARA FORMULAÇÃO DO PCRC... 7 5

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS. COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS. COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab 2009 Companhia Nacional de Abastecimento CONAB (Atualizado em Dez/2012) Página 1 de 146 ÍNDICE PARTE I DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

Plano de cargos e salários

Plano de cargos e salários Plano de cargos e salários CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Armando de Queiroz Monteiro Neto Superintendência Corporativa Superintendente: Antonio Carlos Brito Maciel Superintendente

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS DOCENTES

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS DOCENTES PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS DOCENTES DEZEMBRO/2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONSENHOR MESSIAS Presidente : Adélio Araujo de Faria Vice- presidente : Dirceu José Rocha 1ª Secretário : Euza Mércia Araujo Drummond

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SGP

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SGP SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SGP Manual de Políticas e Procedimentos PARAÍBA Outubro, 2004 ÍNDICE 2 1. INTRODUÇÃO.... 04 2. OBJETIVOS DO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS... 05 3. ADMINISTRAÇÃO E CONTROLE...

Leia mais

Plano de cargos e salários

Plano de cargos e salários Plano de cargos e salários CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Armando de Queiroz Monteiro Neto SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA - SESI Conselho Nacional Jair Meneguelli SESI - DEPAR ARTAMENTO

Leia mais

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional)

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) 1 Senhor (a) Avaliador (a), a) Para Autoavaliação: utilizar a coluna "A" do campo ; b) Para Avaliação da Equipe de Trabalho: utilizar

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO E DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO PROGRAMA

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

MINUTA RESOLUÇÃO Nº... /2014, DE.. DE... DE 2014.

MINUTA RESOLUÇÃO Nº... /2014, DE.. DE... DE 2014. MINUTA RESOLUÇÃO Nº... /2014, DE.. DE... DE 2014. Regulamenta a avaliação de desempenho funcional dos Servidores Técnico-Administrativos da Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB prevista na

Leia mais

1 Dicas para o profissional que vira chefe dos colegas

1 Dicas para o profissional que vira chefe dos colegas 1 Dicas para o profissional que vira chefe dos colegas http://oglobo.globo.com/economia/emprego/dicas-para-profissional-que-vira-chefe-dos-colegas-13653201 Tudo depende da postura pessoal, mas clareza

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final SGD Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras Versão Final 2 APROVAÇÕES Resolução da Diretoria Executiva da Eletrobras DEE - 508/09, de 10.06.2009. Deliberação do Conselho de Administração da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002, DE 05 DE FEVEREIRO DE 2013. O PLENO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 002, DE 05 DE FEVEREIRO DE 2013. O PLENO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 002, DE 05 DE FEVEREIRO DE 2013 DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA E ATIVIDADES DA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO APMP, CRIA A DIVISÃO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS DIGEP,

Leia mais

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas ESTRATEGICA 1985 a hoje Aumentar o envolvimento dos colaboradores e integrar sistemas de suporte ADMINISTRATIVA 1965 a 1985 Foco: indivíduos

Leia mais

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS 1. OBJETIVO Estabelecer critérios de remuneração, baseados na legislação brasileira vigente e nas regras definidas pela Secretaria Executiva e Conselho Curador, com o objetivo de constituir uma estrutura

Leia mais

Fevereiro 2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM

Fevereiro 2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM Fevereiro DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM 2 ÍNDICE PLANO ESTRATÉGICO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO... 3 Apresentação... 3 Missão... 4 Visão de Futuro... 4 Valores... 4 PERSPECTIVAS...

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

ANEXO " #$%%& Direitos Reservados Universidade Estadual de Londrina J:\GADS\Pacotes\Techne\UEL\Manuais\GuiaUtilizacaoAvaliacao.doc

ANEXO  #$%%& Direitos Reservados Universidade Estadual de Londrina J:\GADS\Pacotes\Techne\UEL\Manuais\GuiaUtilizacaoAvaliacao.doc ANEXO! " #$%%& Direitos Reservados Universidade Estadual de Londrina J:\GADS\Pacotes\Techne\UEL\Manuais\GuiaUtilizacaoAvaliacao.doc Guia de Utilização do Sistema de Avaliação de Desempenho Funcional 2

Leia mais

LEI N. 2.294, DE 08 DE JULHO DE 2014

LEI N. 2.294, DE 08 DE JULHO DE 2014 Poder Executivo LEI N. 2.294, DE 08 DE JULHO DE 2014 Institui a Avaliação de Desempenho Individual ADI, concede Bônus por Resultados aos servidores públicos da administração direta e indireta do Município

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 006 2 2 APRESENTAÇÃO Este manual é uma ferramenta de consulta

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS. Brasília, dezembro de 2014. Diretoria de Gestão de Pessoas

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS. Brasília, dezembro de 2014. Diretoria de Gestão de Pessoas PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS Brasília, dezembro de 2014 1 APRESENTAÇÃO Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011. A referência para instruir o presente plano

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Desenvolvendo pessoas e um melhor serviço à sociedade

Desenvolvendo pessoas e um melhor serviço à sociedade Desenvolvendo pessoas e um melhor serviço à sociedade Relatório de atividades 2014 Introdução No quadriênio de 2007 a 2010 a implantação de Modelo de Gestão de Pessoas por Competências na Secretaria da

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Florianópolis, 17 de novembro de 2014. Luiz Ademir Hessmann Presidente

APRESENTAÇÃO. Florianópolis, 17 de novembro de 2014. Luiz Ademir Hessmann Presidente APRESENTAÇÃO O presente Plano de Cargos e Salários da Epagri, originalmente elaborado por Comissão Paritária composta por representantes dos empregados e do empregador, implementado no ano de 1998, agrega,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS:

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: Implantação do sistema de Avaliação de Desempenho com Foco em Competências no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Raul Anselmo Randon Presidente do Conselho de Administração das Empresas Randon

Raul Anselmo Randon Presidente do Conselho de Administração das Empresas Randon Palavra do Presidente É com satisfação que editamos o Guia de Conduta Ética das Empresas Randon, um instrumento de comunicação que traduz os nossos valores e dá as diretrizes para as nossas ações profissionais,

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE)

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) STE/02 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E POTENCIAL EM 360º NYDIA GUIMARÃES E ROCHA ABB RESUMO

Leia mais

Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS. Você escolhe o caminho e constroi sua própria saúde.

Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS. Você escolhe o caminho e constroi sua própria saúde. Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS Você escolhe o caminho e constroi sua própria saúde. PCCS Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS Colaborador (a), Com o objetivo de alavancar a

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CALDAS NOVAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SÁUDE LEI Nº [...],DE[...] DE [...] DE 2006.

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CALDAS NOVAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SÁUDE LEI Nº [...],DE[...] DE [...] DE 2006. ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CALDAS NOVAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SÁUDE LEI Nº [...],DE[...] DE [...] DE 2006. Institui o Plano de Carreiros Cargos e Vencimentos do Quadro de Pessoal da Secretaria

Leia mais

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA PLANO DE CARREIRA DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO TÍTULO I DO REGULAMENTO CAPÍTULO I DO CORPO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA PLANO DE CARREIRA DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO TÍTULO I DO REGULAMENTO CAPÍTULO I DO CORPO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA PLANO DE CARREIRA DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO TÍTULO I DO REGULAMENTO Art. 1º - Este Plano de Carreira do Pessoal Técnico-Administrativo é um instrumento de constituição

Leia mais

Sistemática de Avaliação de Desempenho (AD)

Sistemática de Avaliação de Desempenho (AD) Sistemática de Avaliação de Desempenho (AD) Referencial Legal A avaliação de desempenho tem como referência três institutos legais: Lei nº 11.090, de 07 de janeiro de 2005 Dispõe sobre a criação do Plano

Leia mais

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fórum Gestão de Pessoas Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fabiano Nijelschi G. Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Secretaria de Fiscalização

Leia mais

PORTARIA Nº 98, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA Nº 98, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE PORTARIA Nº 98, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE - SUDENE,

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

Programa de Participação nos Lucros e Resultados da ECT do exercício de 2012

Programa de Participação nos Lucros e Resultados da ECT do exercício de 2012 CLÁUSULA 1 - Objetivo da PLR O Programa de Participação dos Lucros e Resultados (PLR) foi instituído para fortalecer o comprometimento dos empregados com os resultados, incentivar uma postura empreendedora

Leia mais

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente.

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. Realização de cursos, treinamento e palestras. 1 ISO 9001:2008 - Interpretação e Implementação

Leia mais