NILSON CAMPOS MEDIÇÃO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PRODUTIVO OPERACIONAL PARA A INDÚSTRIA DE MANUFATURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NILSON CAMPOS MEDIÇÃO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PRODUTIVO OPERACIONAL PARA A INDÚSTRIA DE MANUFATURA"

Transcrição

1 NILSON CAMPOS MEDIÇÃO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PRODUTIVO OPERACIONAL PARA A INDÚSTRIA DE MANUFATURA JOINVILLE SC 2007

2 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO CCA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA ESAG MEDIÇÃO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PRODUTIVO OPERACIONAL PARA A INDÚSTRIA DE MANUFATURA NILSON CAMPOS Orientador: Prof. Wilson José Mafra, Dr. Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Administração, no programa de pósgraduação, no curso de Mestrado em Administração, do Centro de Ciências da Administração-CCA da ESAG-UDESC. FLORIANÓPOLIS - SC 2007

3 3 MEDIÇÃO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PRODUTIVO OPERACIONAL PARA A INDÚSTRIA DE MANUFATURA NILSON CAMPOS DISSERTAÇÃO APROVADA COMO REQUISITO PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM ADMINISTRAÇÃO, ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DAS ORGANIZAÇÕES DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA (UDESC), CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO (CCA), ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA (ESAG) BANCA EXAMINADORA: Orientador: Prof. Wilson José Mafra, Dr. UDESC/CCT Membros: Prof. Julíbio David Ardigo, Dr. UDESC/ESAG Prof. Silene Seibel, Dra. UFSC

4 4 AGRADECIMENTO Ao professor Wilson José Mafra pela dedicação e pela postura motivadora pela qual se apresentou quando da orientação desta dissertação. Aos professores do mestrado pela seriedade com que levaram este curso. Ao professor Mário César Moraes Filho, coordenador do curso, pela dedicação e compreensão nos momentos de decisão. Ao Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas DEPS, do curso de Engenharia de Produção e Sistemas do Centro de Ciências Tecnológicas da UDESC, ao qual sou professor filiado, e à Direção do Centro por ter compreendido e aceito minhas saídas, para poder realizar o curso e escrever esta dissertação. Aos meus amigos, que me apoiaram.

5 Dedico aos meus pais, irmãos, esposa e filhos. 5

6 6 LISTA DE FIGURAS Figura 01 - Distribuição da Produção de Veículos Motorizados por Região...21 Figura 02 Exemplo de Jidoka...29 Figura 03 Estágios no Processo de Melhoria de Setup...32 Figura 04 Curva de Troca entre Critério...37 Figura 05 Planilha de Registros de Paradas...59 Figura 06 Planilha de Registro de Produção...60 Figura 07 Planilha de Registros de Paradas (em excel)...62 Figura 08 Planilha de Registro de Horas Planejadas (em excel)...63 Figura 09 Planilha de Registro de Produção (em excel)...64

7 7 LISTA DE QUADROS Quadro 01 Produção de Veículos Motorizados por Região em %...20 Quadro 02 Riscos da Liderança...33 Quadro 03 Critérios de Desempenho...37 Quadro 04 Áreas de Decisão do Sistema Produtivo...38 Quadro 05 Descrição dos Indicadores Levantados pela FIESP...40

8 8 RESUMO Num cenário que vem se apresentando cada vez mais dinâmico e imprevisível, onde a concorrência pode assumir escalas globais, as organizações são forçadas a procurar novas idéias, métodos e ferramentas de gestão empresarial, buscando sempre a melhoria contínua de seu sistema produtivo. Este cenário exige a revisão de certos preceitos, dentre eles, a forma de avaliar o desempenho de seu sistema produtivo. As empresas precisam atender seus clientes, fornecendo produtos ou serviços com os melhores níveis de qualidade, com preços competitivos, com rapidez na entrega, flexibilidade para atender algumas solicitações de alteração no produto, além de ter que criar critérios competitivos, que se traduzem em ações estratégicas utilizadas para diferenciá-los da concorrência. Para apresentar estes diferenciais as empresas precisam encontrar um padrão de desempenho produtivo que lhes permita criar estes diferenciais com segurança, apresentando uma estabilidade que não permita desvios importantes que possam afetar a sua produtividade e eficiência. Neste trabalho propõe-se apresentar uma proposta de procedimento de medição, que, após observações realizadas em empresas de manufatura de Joinville e Jaraguá do Sul, tem como objetivo apresentar sugestões às empresas que se mostrarem interessadas a adotarem este método, para que tenham sustentadas as suas ações gerenciais de melhoria contínua de seu desempenho produtivo. Com a simulação da aplicação deste procedimento chega-se a resultados que garantem às organizações a transparência necessária para o envolvimento geral de sua equipe operacional, seus gestores e os setores de apoio, gerando um clima de comprometimento importante para se alcançar o nível de competitividade desejado. PALAVRAS CHAVE: desempenho produtivo, procedimento de medição, competitividade.

9 9 ABSTRACT In a scenery that are presenting itself more dynamic and unpredictable, where the business competition can reach global scales, the corporations are forced to search new ideas, methods and management tools, searching always the continuous improvement of its production systems. This scenery demands the revision of certain rules, between them, the production system evaluation form. The companies need to attend their clients, providing products or services with the best quality levels, with competitive prices, with quick delivery, flexibility to make product changes if necessary and it is also necessary to create competitive criteria, which are strategic actions used to distinguish them from the competitors. To present these differentials, the companies need to find a production performance standard that allows the creation of these differentials with safety, presenting a real stability that won t allow an important change that made affect their productivity and efficiency. Therefore, this paper proposes to present a model of measuring process that, after a research that took place in manufacturers in Joinville and Jaraguá do Sul, has the main objective to present suggestions to companies interested to adopt this model in order to have sustained their continuous improvement management actions of the productive performance with the simulations of the application of this model result are obtained that assures to the companies the needed clearness to reach total involvement of its operational team, its management and support areas, providing this way a important commitment atmosphere to reach the desired competition level. KEY WORDS: Productive performance, measuring process, competitivity

10 10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA E RELEVÂNCIA ESTRUTURA DO TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA TEORIAS X E Y GERÊNCIA PARTICIPATIVA FILOSOFIA JUST IN TIME KANBAN PENSAMENTO ENXUTO PRODUÇÃO NIVELADA FERRAMENTA CINCO S AUTONOMAÇÃO TROCA RÁPIDA DE FERRAMENTA MANUTENÇÃO PREVENTIVA TOTAL SISTEMA GERENCIAL DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO MODELO KAPLAN ESTRATÉGIA COMPETITIVA VANTAGEM COMPETITIVA INDICADORES DE COMPETITIVIDADE PRODUTIVIDADE, EFICIÊNCIA E COMPETITIVIDADE COMPETITIVIDADE OPERACIONAL PROCEDIMENTO METODOLÓGICO NATUREZA E CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA DELINEAMENTO DO ESTUDO PROCEDIMENTOS DELIMITAÇÃO DA PESQUISA PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO PROPOSTO PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO PRODUTIVO OPERACIONAL SIMULAÇÃO DA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 90

11 11 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA Na maioria das empresas, as formas de medição de desempenho produtivo são desenvolvidas a partir de uma cultura de produção em massa, onde a busca pela quantidade está à frente da produção com qualidade. As organizações se adaptam às situações de mercado cada vez mais segmentados, inseguros, altamente competitivos e, em função deste cenário, novos valores surgem como resposta aplicável à organização. Historicamente, a medição de desempenho vem sendo encarada como um mecanismo de controle que, em muitos casos, assume caráter repressor. Porém esta visão acaba limitando outras possíveis aplicações da medição de desempenho dentro de uma organização (KIYAN, 2001). Ainda de acordo com Kiyan (2001), no campo da estratégia empresarial, o que a literatura vem sinalizando sobre a avaliação de desempenho é que a mesma extrapole o controle, servindo de suporte para a aprendizagem organizacional. Indicadores podem ser empregados para analisar se as suposições que estão por trás da estratégia são válidas ou não. E, aliado a este novo enfoque, outros importantes aspectos dizem respeito à concepção das estratégias como: ascensão da visão sistêmica, valorização da informação, ambiente de trabalho, visão por processos contrapondo a visão departamental e a focalização dos esforços. Segundo Moura (1999), a ascensão da visão sistêmica é analisada no seu aspecto geral em detrimento da análise isolada das partes que a contribui. Deve-se privilegiar a ação do todo, visto que isto produz melhor resultado do que os resultados somados de suas partes individuais. De acordo com Chiavenato (1993), as características ambientais condicionam as características organizacionais. É no ambiente que se pode localizar a explicação causal das características organizacionais. O gerenciamento de resultados assume um papel crítico dentro do processo de gestão, buscando-se o melhor posicionamento entre eficiência e eficácia. Eficiência

12 12 refere-se ao quão economicamente os recursos são empregados para a geração de produtos e serviços e eficácia representa o quanto os resultados planejados foram atingidos, que devem estar sintonizados com os critérios competitivos valorizados pelo mercado (KIYAN, 2001). Os sistemas tradicionais de avaliação de desempenho apresentam uma série de incongruências, pois basicamente baseiam-se em valores da era da Produção em Massa. Dentre estas incongruências, pode-se citar o foco excessivo na eficiência, favorecimento de uma visão fragmentada da empresa, falta de aderência para com os objetivos estratégicos, ênfase em resultados de curto prazo, fornecimento de informações muito agregadas e deficiência em prover informações em tempo hábil para a tomada de decisão baseado nestes indicadores. Este trabalho apresenta, além das informações básicas e necessárias de eficiência, com variáveis tais que facilitam a transparência e a tomada de decisão em busca da melhoria de desempenho nesta área, informações de produtividade efetiva, considerando somente as horas trabalhadas, e a relação entre estes dois coeficientes (eficiência e produtividade), apresentando apenas um indicador final que irá retratar o real desempenho produtivo da célula, posto de trabalho, departamento ou até toda a unidade de manufatura. 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral Propor um procedimento de medição de desempenho produtivo operacional para a indústria de manufatura visando apoiar o estabelecimento de um diferencial competitivo Objetivos Específicos 1. Observar as indústrias de manufatura de Joinville e Jaraguá do Sul para conhecer os procedimentos de medição de desempenho operacional adotados;

13 13 2. Estabelecer critérios e indicadores de desempenho para constituir o procedimento de medição; 3. Montar um procedimento de medição de desempenho produtivo operacional baseado nestes critérios e indicadores; 4. Simular um processo produtivo similar às empresas pesquisadas para melhor entendimento e clareza do registro e cálculo do desempenho produtivo operacional. 1.3 JUSTIFICATIVA E RELEVÂNCIA O desenvolvimento deste procedimento se justifica pela necessidade das organizações de mensurar e avaliar com clareza o desempenho de seu processo operacional, comparativamente com organizações de sua cadeia produtiva ou de sua área de atuação, com o objetivo de buscar um posicionamento competitivo. As empresas observadas definem alguns parâmetros operacionais que são utilizados como metas, e até recebem alguma atenção dos gestores e responsáveis pela área ou departamento, mas sentem muita dificuldade de implantar uma cultura de envolvimento total dos funcionários neste controle. Os indicadores utilizados servem apenas como orientação para tomada de decisão. As particularidades de cada empresa levam-nas a definir um método para medir, acompanhar e corrigir as suas deficiências produtivas. Todas as empresas de médio e grande porte têm bem definidos os seus tempos-padrão de produção para cada máquina, equipamento ou célula de produção. Outra preocupação gerencial bem clara são os motivos de parada de máquina. Com variações que vão desde o tempo de set-up, passando por paradas para manutenção e regulagens, até por ausência do pessoal responsável pela execução da operação. Empresas de grande e médio porte utilizam as informações de desempenho produtivo, cujos termos são definidos ora como eficiência ou produtividade, ora como rendimento ou eficácia, para obterem mais um parâmetro para definição dos valores para participação dos resultados da empresa. Além dos resultados financeiros e de cumprimento de metas orçamentárias, metas de desempenho são perseguidos, com o

14 14 objetivo de alcançar índices que lhes ajude a melhorar a sua competitividade no mercado. Por outro lado, empresas de pequeno porte, apresentam uma dificuldade muito grande em definir indicadores de desempenho, principalmente por não contarem com profissionais capacitados que possam desenvolver um trabalho com este objetivo. Começam a ter dificuldades na definição do tempo-padrão, pois nem sempre possuem um departamento de engenharia que atue na área de métodos e tempos, tendo que buscar estas informações junto aos fornecedores de máquinas, que nem sempre espelha a realidade, em função da regulagem que cada empresa faz, dependendo aí muito do profissional responsável e pela necessidade de produção atual. Quando partem para definir índices de desempenho, encontram dificuldades ainda maiores porque misturam eficiência produtiva com produtividade, e muitas vezes ainda agrupam estas informações com índices de qualidade. Algumas até se preocupam em registrar ocorrências de paradas de máquina, mas não conseguem transformar estas ocorrências em índices transparentes que possam ajudar aos gestores quando da tomada de decisão, por exemplo, na hora de comprar uma máquina em função do aumento de produção necessário para cumprir novas metas comerciais. Pois o aumento de produção, levando a um aumento da carga máquina, por vezes pode ser resolvido com o ataque aos piores índices de eficiência apresentados, reduzindo tempos de manutenção ou set-up, por exemplo, sem a necessidade de aquisição de uma nova máquina. Estes deslizes de tomada de decisão podem ser melhorados ou até eliminados com a adoção de metodologia de avaliação mais transparente e de fácil acompanhamento de todos os decisores e operacionais envolvidos. Em empresas de médio e grande porte, já não encontram dificuldades na definição dos tempos-padrão, pois há sempre profissionais de engenharia para executar esta tarefa. Os registros de parada de máquina ou célula de produção também são quase sempre realizadas, algumas empresas utilizando sistemas próprios, desenvolvidos por profissionais da organização ou até aproveitando software que já faz parte do sistema da máquina, e adaptando à sua realidade. Os registros são quase sempre realizados, porém, pouco aproveitados pelos executivos responsáveis pelo processo produtivo. O departamento de manutenção por vezes utiliza estas informações para planejar a manutenção preventiva e acompanhar o desempenho de sua área, buscando alcançar metas traçadas para o setor, que por vezes são utilizadas nos programas de participação de resultado da organização. As informações de metas produtivas também são

15 15 registradas, porém, pouco se observa de registro e controle da produtividade o que deveria ser produzido comparado com o que realmente foi produzido, descontando-se os tempos de parada. Muitas das empresas visitadas declararam e comprovaram estar utilizando a filosofia de produção enxuta (JIT, LEAN THINKING, KANBAN), porém, alguns conceitos destas doutrinas não são seguidos, ou por desconhecimento de alguns, ou por comodidade de outros. Os registros da produção necessários para o período devem ser somente de peças boas, conforme recomenda a filosofia, pois os problemas de qualidade deverão ser sanados imediatamente, em processos paralelos já previamente destinados às correções, ou em horários alternativos de trabalho (horas extras). Os índices de qualidade devem ser monitorados para criar soluções definitivas, porém não deveriam ser agrupados aos índices de eficiência e produtividade, pois estes índices devem ser medidos para situações de qualidade total. Nesse sentido, a pesquisa busca responder à seguinte indagação: Como proceder para medir o desempenho produtivo operacional na indústria de manufatura? 1.4 ESTRUTURA DO TRABALHO Este trabalho está estruturado em cinco capítulos. No Capítulo 1 apresenta-se a introdução do trabalho destacando-se os objetivos e justificativas para a elaboração desta monografia. O Capítulo 2 traz a fundamentação teórica que, a partir da pesquisa bibliográfica realizada, pretendeu-se fundamentar as questões estudadas e demonstrar a independência do modelo de gestão e ferramentas organizacionais utilizadas na empresa do procedimento de medição de desempenho operacional a ser desenvolvido. O Capitulo 3 descreve os procedimentos metodológicos utilizados, caracterizandose a pesquisa e as informações necessárias para aplicação do método proposto. O Capítulo 4 apresenta o procedimento proposto e a simulação da aplicação do mesmo, em uma situação que procura espelhar a realidade de todas as empresas pesquisadas.

16 16 Por fim, o Capítulo 5 apresenta as considerações finais, onde destaca o cumprimento dos objetivos traçados, deixando sugestão de futuras aplicações ao procedimento proposto.

17 17 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Faz-se necessário a apresentação de alguns modelos e ferramentas de gestão da produção conhecidos no meio acadêmico e por vezes aplicados nas organizações para que fique clarificado que o procedimento de avaliação aqui apresentado poderá ser aplicado independente do modelo de gestão ou estilo gerencial adotado pela empresa e pelos seus gestores. Apresentaremos uma evolução cronológica de alguns estilos gerenciais e modelos de gestão pesquisados até chegarmos num novo conceito de produção que já é adotado, ou está em fase de implantação, em quase todas as empresas observadas durante esta pesquisa: o Lean Thinking (Pensamento Enxuto). 2.1 TEORIAS X E Y De acordo com Silva (2001), Douglas Mc Gregor foi o criador das teorias administrativas denominadas como Teoria X (enfoque clássico) e Teoria Y, que se opõe à primeira. Ele empregou o termo Teoria X para descrever as premissas principais sobre a natureza humana, sugerindo que os teóricos e gerentes que sustentavam esta teoria, descreveriam a prática da administração da seguinte forma: No modelo X, os gerentes são responsáveis pela organização dos elementos do empreendimento produtivo ( dinheiro, matéria-prima, equipamentos, pessoal ) unicamente no interesse da eficiência econômica. A função do gerente é motivar os trabalhadores, direcionar seus esforços, controlar suas ações e modificar seu comportamento para atender às exigências da sociedade. E, sem tal intervenção, as pessoas ficariam passivas ou mesmo resistentes às necessidades organizacionais. Os trabalhadores devem ser persuadidos, recompensados e castigados para o bem da empresa. Este modelo foi observado no Sistema Taylor de administração da produção. Segundo Wiest (1985), o gerente do tipo X acreditava que a maioria de seus colaboradores: Tinham uma natural propensão a fugir do trabalho;

18 18 Não mostravam iniciativa e criatividade, precisando ser continuamente supervisionados; Não assumiam e não gostavam de assumir responsabilidades; Não queriam aceitar os objetivos da empresa; Não tinham motivação para participar das tomadas de decisão da organização; Precisavam trabalhar sob pressão para que houvesse um mínimo de eficácia; Em contrapartida o modelo Y, segundo Silva (2001), é uma versão amena da Teoria X, e está relacionada à satisfação e às relações sociais, principalmente como recompensas para funcionários que acatavam ordens. Sendo contrária à Teoria X, Mc Gregor (1985) atribuía a teóricos, investigadores e gerentes adeptos à abordagem das relações humanas, e estes veriam a tarefa gerencial como responsáveis pela organização dos elementos do empreendimento produtivo dinheiro, matéria-prima, equipamentos, pessoal no interesse dos fins econômicos. Devido ao fato de as pessoas serem motivadas pelo desempenho, possuírem potencial para o desenvolvimento, poderem assumir responsabilidades e estarem dispostas a trabalhar para alcançar metas organizacionais, os gerentes são responsáveis por capacitá-las e reconhecer e a desenvolver essas capacidades básicas. E a tarefa essencial da administração é oferecer condições organizacionais e métodos de operação de forma que trabalhar para realizar objetivos organizacionais também seja a melhor maneira de as pessoas alcançarem suas próprias metas pessoais. Este estilo gerencial foi chamado de Gerência Cooperativa. Ainda segundo Wiest (1985), o gerente tipo Y acredita que a maioria de seus colaboradores agem da seguinte maneira: Trabalham produtivamente porque querem, e não porque eles deveriam; Consideram que o trabalho voluntário é melhor do que o forçado; Consideram que o trabalho também traz alegrias, assim como o esporte; Controle rígido e punições não conseguem convencer ninguém a trabalhar pelos objetivos da empresa; Motivação, lealdade e responsabilidade não podem ser compradas; Administração e atividade orientada para objetivos, depende do grau de satisfação e auto-realização, as quais acabam levando ao cumprimento dos objetivos da empresa.

19 GERÊNCIA PARTICIPATIVA De acordo com Wiest (1985), as teorias de motivação de McGregor foram retrabalhadas e aplicadas à cultura oriental, com um sentido mais socializado, gerando um modelo participativo de gestão empresarial; Ouchi (1981) estudou as práticas gerenciais das empresas japonesas, iniciando estes estudos em 1973 e concluindo com a publicação de seu livro Teoria Z Como as Empresas podem enfrentar o Desafio Japonês, em Segundo Ouchi(1981), o segredo do sucesso japonês observado na década de 70, não era a tecnologia, mas um modo especial de administrar as pessoas. Ele comparou este estilo às empresas americanas de sucesso e percebeu que, apesar da cultura muito distinta, havia muita semelhança no estilo de abordar o comportamento das pessoas. Empresas como a IBM, Hewlett-Packard, a Kodak, usavam este estilo de administração mesmo antes que ele tivesse um nome. De acordo com Ouchi(1981), a produtividade é um problema de organização social ou, em termos empresariais, organização gerencial. A teoria Z apresenta algumas lições que devem ser seguidas, para se conseguir maior produtividade: A primeira lição é a confiança. Por estranho que pareça, produtividade e confiança andam de mãos dadas. A confiança que as empresas depositam em seus executivos e estes em seus subordinados leva a resultados melhores que o da cobrança excessiva. Outra lição importante é a sutileza. Os relacionamentos entre as pessoas são sempre complexos e estão em mudança. A identificação de personalidades distintas, com precisão, decidir quem trabalha bem com quem e, assim, formar equipes de trabalho mais eficazes, é importante para melhorar o desempenho. Produtividade, confiança e sutileza não são elementos isolados. A confiança e a sutileza não só proporcionam maior produtividade através da coordenação mais efetiva, como também se encontram ligadas entre si. A falta de confiança, portanto, acabará exigindo que a sutileza seja posta de lado, face à necessidade de decisões e ações explicitamente defensáveis. A teoria Z, conforme Ouchi (1981), motiva os funcionários da empresa a terem uma postura mais participativa nas tomadas de decisão da empresa, em todos os níveis que a empresa necessita, iniciando com a preocupação com a qualidade, até a participação efetiva nas diretrizes tomadas pela empresa para melhorar cada vez mais a

20 20 sua presença no mercado. Algumas iniciativas foram criadas para efetivar esta participação, como por exemplo: Círculos de trabalho foram criados pelas empresas para que grupos de funcionários estudassem casos específicos e tomassem decisões como se fossem gerentes/diretores. Também a partir desta teoria foram criados modelos de gestão e métodos de trabalhos, todos no sentido de buscar a participação, como por exemplo: TQC (Controle Total da Qualidade), 5 S (Programa Motivacional de Organização do Ambiente de Trabalho), KANBAN (Programação e Controle da Produção através de Cartões), JUST-IN-TIME (Filosofia de Produção sem Desperdícios), Zero Defeitos, PPRs (Programas de Participação dos Resultados), etc... Com a mudança de comportamento das empresas, utilizando a Teoria Z como modelo de gestão, ocorreram algumas modificações: Organograma achatado: eliminação de alguns níveis hierárquicos; Terceirização: a empresa se atém apenas aquilo que é de sua especialidade, terceirizando serviços, como: vigilância, manutenção, alimentação, etc. A missão da área de Recursos Humanos teve uma nova filosofia de trabalho implantada, mais socializada, passando então a ser denominada Departamento de Pessoal. As empresas tipo Z, de acordo com Ouchi (1981), tendem a ter um sistema de emprego a longo prazo, muitas vezes por toda a vida, sem que haja uma formalização declarada. As empresas desejam conservar os empregados pois investiram em seu treinamento para um bom desempenho naquele ambiente específico e os empregados tendem a permanecer na empresa porque muitas vezes as suas habilidades são específicas a essa firma, sendo difícil encontrar outro trabalho com remuneração equivalente ou igualmente desafiador. Esta relação de emprego por toda a vida produz um processo relativamente lento de avaliação e promoção, porém não tão lento quanto as empresas tradicionais. As empresas do tipo Z proporcionam aos funcionários passarem por várias funções e escritórios, produzindo mais habilidades voltadas especificamente para uma certa empresa, que atuam no sentido da coordenação íntima entre as etapas, no processo de planejamento, fabricação e distribuição. Este modelo apresentado por William Ouchi é até hoje utilizado pelos gestores que se dizem antenados com as mais modernas práticas gerenciais, porém o modelo

21 21 sofreu adaptações, com novas pesquisas realizadas por outros acadêmicos, citados a seguir, apresentados em roupagens mais atuais, porém mantendo o espírito do conceito de gestão participativa. 2.3 FILOSOFIA JUST IN TIME De acordo com Ohno (1996), a gestão de um negócio pela ótica do Sistema Convencional de Gestão da Produção conduz a que se produza segundo a máxima capacidade de produção dos recursos, antecipando a demanda futura sob a forma de estoques. Não se desenvolvem esforços nem para balancear as capacidades nem para eliminar as variabilidades, pois o interesse é operar o tempo todo na máxima capacidade. O ritmo de produção é ditado pela capacidade excessiva do primeiro processo, que "empurra" a produção em direção aos processos sucessivos, resultando inventário consideravelmente mais alto do que o necessário. Já o Just in Time gerencia para obter o nivelamento da produção e age para diminuir as variabilidades no processo. Atribui pequenos estoques de material em processo na frente de cada centro produtivo, para proteger o sistema das incertezas e flutuações dos processos de manufatura. Atingindo-se este estoque, o processo precedente é interrompido. Ao considerar-se toda a cadeia produtiva, o JIT mantêm uma quantidade de estoques intermediários bastante inferior ao Sistema Convencional. Através de ferramentas e técnicas de solução de problemas, busca a melhoria contínua de seus processos e procedimentos através da eliminação de todo desperdício. Eiji Toyoda e Taiichi Ohno, em viagem aos EUA, verificaram que os supermercados americanos repunham os estoques de produtos nas prateleiras na exata medida de seus consumos. Esta idéia, transposta para a fábrica, permitiu uma operação nivelada entre os postos operacionais, onde o posto precedente repõe apenas as peças certas, na quantidade certa e no momento em que o posto sucessivo as consumiu, prevenindo a formação de estoques entre processos. O sistema de "puxar" a produção a partir da demanda é conhecido por kanban, nome dado aos cartões que autorizam a produção e movimentação dos itens. O kanban pode ter uso restrito como gerenciador de produção de chão-de-fábrica, mas também oportuniza o processo da melhoria contínua, na medida em que a continuidade de uso aponta as posições onde ocorrem

22 22 faltas de material e por via de conseqüência as oportunidades de melhoria (WOMACK,1990). De acordo com Womack (1990), a primeira organização que se tem conhecimento de que implantou esta filosofia gerencial chama-se Toyota, fundada em 1937 pela família Toyoda, que significa arrozal abundante em japonês. O nome da empresa foi definido após um concurso público, onde recebeu 27 mil sugestões para utilizar Toyota, que não tem algum significado. Taiichi Ohno era o executivo de produção da Toyota na época e criou o termo Sistema Toyota de Produção. O Sistema Toyota de Produção, criado pela Toyota para criar e divulgar métodos e modelos de gestão baseados na participação efetiva de seus funcionários, foi sendo elaborado ao longo de vinte anos, incorporando conceitos oriundos de seus criadores. Citem-se: A abordagem sistemática dos cinco porquês para a causa fundamental dos problemas; Autonomação (Jidoka), que dá autonomia à máquina para parar a linha em caso de produção defeituosa, ligada à separação entre homem e máquina, obtida pela multifuncionalidade de operadores e operação via lay-out celular; Just in Time, apoiado no kanban, que reduz os estoques intermediários, fornecendo os materiais no local, na hora, na qualidade e na quantidade necessária; As sete perdas com base no princípio da completa eliminação de perdas, de Ohno, originado no desafio lançado por Toyoda, de alcançar a competitividade industrial da América em três anos. O Sistema Toyota de Produção persegue a completa eliminação das perdas, vinculado ao objetivo da redução de custo, fundamental à sobrevivência da organização. Este sistema busca maximizar o trabalho que agrega valor, ou seja, aquele que transforma o material ou faz uma montagem, e reduzir progressivamente o trabalho que não agrega valor, abolindo toda forma de perda. Para que se focalize o combate aos desperdícios na organização, o Sistema Toyota de Produção classifica sete tipos de perdas: Perda por superprodução; Perda por transporte; Perda por processamento; Perda por produção de não-qualidade;

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS Semana LIAG Limeira: 09/05/2011 1 Apresentação Palestrante: José Augusto Buck Marcos Engenheiro com formação e especialização

Leia mais

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE Menor Lead Time Estrutura do STP Just-In-Time Fluxo Contínuo Takt Time Produção Puxada Kanban Custo Mais Baixo CLIENTE Segurança Moral Jidoka Separação Homem/ Máquina Poka-Yoke Inspeção Fonte Ação Imediata

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente!

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! Sakichi Toyoda - Fundador do grupo TOYOTA. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) O é um Ideal,

Leia mais

TPM Planejamento, organização, administração

TPM Planejamento, organização, administração TPM Planejamento, organização, administração A UU L AL A Durante muito tempo as indústrias funcionaram com o sistema de manutenção corretiva. Com isso, ocorriam desperdícios, retrabalhos, perda de tempo

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br O QUE ESTÁ POR TRÁS DA IDÉIA DE EMPRESA ENXUTA? ELIMINAÇÃO DE TODO TIPO DE DESPERDÍCIO NO SUPPLY VELOCIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Sensibilizando para Organização e Limpeza

Sensibilizando para Organização e Limpeza Sensibilizando para Organização e Limpeza Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com. @sebraesp.com.br Ver-03/04 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo O QUE PODEMOS FAZER

Leia mais

Produção Enxuta. Kanban

Produção Enxuta. Kanban Produção Enxuta Kanban Relembrando Supermercado O Supermercado é onde o cliente pode obter: O que é necessário; No momento em que é necessário; Na quantidade necessária. O supermercado é um lugar onde

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Teresa Maciel MSC, PhD Candidate Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Sobre a instrutora... Doutoranda em Engenharia de Software (métodos ágeis), Mestre em Engenharia de Software (melhoria de processos de

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA 2013 15 anos CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA Ministrante: Sidnei Lopes Dias Realização: Gênesis Assessoria Empresarial CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Excelência Operacional

Excelência Operacional Excelência Operacional Inter-relação entre Lean Manufacturing e TPM ( Total Productive Management) Paulo Yida - Diretor Solving Efeso America do Sul Renato Cosloski Iamondi Consultor Senior Solving Efeso

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO GUIA PARA EXECUTIVOS Professo MSc Lozano 2015 FERRAMENTAS DE GESTÃO Técnicas gerenciais utilizadas pelas organizações para aumentar competitividade. Ferramentas Básicas para Gestão

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva Sergio Kamada* Este artigo tem como objetivo descrever a importância da Cadeia de Ajuda no processo de estabilização produtiva e apresentar métodos

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 5 Lean Office Isto não é... LEAN OFFICE 1 Aqui parece ser... LEAN OFFICE Lean Thinking: Os 5 Princípios Fundamentais 1. Definir o que é VALOR sob a ótica do

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Um novo. modismo gerencial?

Um novo. modismo gerencial? Um novo modismo gerencial? por Cesar Gomes de Mello A imprensa vem divulgando várias notícias sobre empresas e projetos de quarteirização. Afinal, o que é isto? Um novo modismo que aparece no mundo dos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos?

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Gestão de processos significa que há processos sendo monitorados, mantidos sob controle e que estão funcionando conforme foi planejado.

Leia mais

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura Aplicação de Layout Celular na Recuperação de Produtos: Uma Proposta Lean para Aumentar a Eficiência na Remanufatura (UFSC) - marinabouzon@gmail.com Carlos M. Taboada Rodriguez taboada@deps.ufsc.br Abelardo

Leia mais