Meta de Avaliação de Desempenho Institucional (ADI)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Meta de Avaliação de Desempenho Institucional (ADI)"

Transcrição

1 Meta de Avaliação de Desempenho Institucional (ADI) Plano de Ação Para Melhoria das Informações de VISA nos Sistemas Usados Para Monitoramento e Manutenção do Repasse de Recursos Financeiros - Julho/14 a Junho/2015

2 Diretor Presidente (Substituto) da Anvisa Ivo Bucaresky Diretor Renato Alencar Porto Diretor José Carlos da Silva Moutinho Superintendente de Serviços de Saúde e Gestão do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária Doriane Patricia Ferraz de Souza Gerente Geral de Coordenação e Fortalecimento do SNVS (GGCOF) Rodrigo Lino de Brito Gerência de Coordenação do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (GCORD) Tiago Alves Carvalho Gerente substituto Equipe GCORD Ethel Resch Fernanda Ribeiro Santana Karla Freire Baeta Marcelo Vogler de Moraes Mariana Fernandes Gomes Cazer Maria Lucia Silveira Malta de Alencar Marina Ferreira Goncalves Marino José Ferreira Rogério Silva Pereira Apoio Administrativo: Jaiany Guedes Lopes Estagiário Wellerson Martins Pereira 2

3 INTRODUÇÃO A meta proposta tem como finalidade fortalecer o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS), tendo por base o componente financiamento das ações de vigilância sanitária, a partir das diretrizes estabelecidas na Lei Complementar 141, de 13 de janeiro de 2012, e no disposto no Art. 24 da Portaria nº 1378/GM/MS, de 09 de julho de Esta meta consistiu em elaborar e executar Plano de Ação para melhoria das informações de vigilância sanitária nos sistemas usados para monitoramento e manutenção do repasse de recursos financeiros, do componente de vigilância sanitária, do bloco de financiamento de vigilância em saúde, contemplando cinco Unidades Federativas. A meta teve por objetivo auxiliar na diminuição gradativa do número de municípios com recursos financeiros bloqueados, em função de falta de cadastro no Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES) ou de alimentação das informações de vigilância sanitária no Sistema de Informação Ambulatorial do Sistema Único de Saúde (SIA/SUS) usadas para monitoramento e manutenção do repasse. Constatou-se que vários fatores influenciar na capacidade local de alimentação e manutenção dos sistemas de informação utilizados para o monitoramento: desconhecimento da necessidade de manter os sistemas atualizados, dificuldade de utilizar o computador e os sistemas de Informação, rotatividade dos servidores de vigilância sanitária e dos profissionais que trabalham com os sistemas de informação em saúde, questões especificas do SIA/SUS que trava a alimentação da produção da vigilância sanitária no sistema, serviço de visa sem cadastro, múltiplos cadastros do serviço de visa e alterações cadastrais, dentre outros. Esta meta alinha-se, no Mapa Estratégico da Anvisa, à iniciativa estratégica 6: Fortalecimento do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, que está atrelada aos objetivos estratégicos: Coordenar o SNVS por meio de um Modelo de Gestão legitimado pelos entes participantes; ampliar as ações estratégicas pactuadas, garantindo a totalidade da eficácia 3

4 na implementação e aumentar a capacidade e a eficiência operacional do SNVS quanto às ações de vigilância sanitária. Cumpre ressaltar que desde 2012, a GCORD vem desenvolvendo ações para melhoria das informações de vigilância sanitária nos sistemas SCNES e SIA/SUS, incluindo visitas aos estados e realização de oficina de treinamento com foco na alimentação do SCNES e SIA/SUS para os estados e municípios e a elaboração de manual para a alimentação do SIA/SUS disponibilizado para o SNVS. Assim, o Plano de Ação previsto para a consecução da meta foi desenvolvido entre julho de 2014 e junho de 2015 e teve como foco cinco estados elencados com base em critérios definidos. Foram dispostas como etapas para o alcance da meta: 1. Definição dos critérios para delimitação da abrangência do plano de ação com a seleção das cinco unidades da federação prioritárias; 2. Elaboração do plano, estabelecendo as ações estratégicas e cronograma de trabalho; 3. Apresentação do plano no Grupo Técnico de Vigilância Sanitária (GT-VISA); 4. Apresentação do plano e sensibilização dos atores das UF (s) prioritárias; 5. Elaboração e divulgação de nota orientativa sobre monitoramento e manutenção do repasse de recursos financeiros do componente de vigilância sanitária, do bloco de financiamento de vigilância em saúde; 6. Divulgação de manual para as vigilâncias sanitárias com orientações para a correta inserção de dados no sistema SIA/SUS; 7. Elaboração e divulgação de relatório final, incluindo a avaliação do número de municípios beneficiados com o plano; Para monitoramento da meta, foram realizadas avaliações trimestrais, com levantamento de dados cumulativos. REALIZAÇÃO DE AÇÕES PREVISTAS NO PLANO Previamente à construção do Plano de Ação, foram definidos os critérios para seleção das 4

5 Unidades da Federação. Esses critérios tiveram o objetivo de eleger as UF s com maior número de municípios em situação de bloqueio, no ano de 2013, e a maior quantidade de população. Abaixo os critérios estabelecidos: Número absoluto de municípios (da UF) que perderam recursos, por bloqueio, em pelo menos um dos repasses de 2013 (peso 2); Percentual de municípios (considerando o total de municípios da UF) que perderam recursos em pelo menos um repasse em 2013 (peso 2); Número de municípios com mais de 50 mil habitantes (considerando a UF) que perderam recursos em pelo menos um repasse em Após a tabulação das informações e aplicados seus respectivos pesos, foram identificados cinco estados: 1) Minas Gerais, 2) Rio Grande do Sul, 3) Ceará, 4) Bahia e 5) Roraima. O Plano de ação foi apresentado na Reunião do GT-VISA do dia 21/07/2014. Os contatos iniciais para apresentação da proposta e avaliação da viabilidade para execução do plano nos estados foram realizados pela Gerência de Coordenação do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária por telefone, e por reuniões presenciais, com os coordenadores dos estados elencados, com vistas à apresentação do plano e organização do evento no estado. Essas reuniões foram registradas por meio de ata. Destaca-se nesse contexto que foram designados dois técnicos da GCORD para acompanhar o planejamento da estratégia de sensibilização em cada estado, incluindo o planejamento da ação, preparação, produção e organização do material, e definição do público alvo para o evento. Estes técnicos estiveram presentes nos estados para condução do evento. Os encontros nos estados tiveram como pauta prioritária a identificação dos principais problemas na alimentação do Sistema de Informação Ambulatorial do SUS (SIA/SUS) e no cadastro/atualização do serviço de vigilância sanitária no SCNES, bem como as medidas corretivas para superação dos problemas observados. Também foram apresentados os resultados do monitoramento das ações de vigilância sanitária (Visa) realizado por meio da produção da vigilância sanitária extraída do Sistema de Informação Ambulatorial do SUS (SIA/SUS). Esse monitoramento é realizado para a manutenção do repasse financeiro do componente de vigilância sanitária e para a observação nos indicadores de Visa do Sistema de Pactuação dos Indicadores (SISPACTO)/Contrato Organizativo de Ação Pública (COAP) (indicador 41 e 56). 5

6 A nota orientativa sobre monitoramento e manutenção do repasse de recursos financeiros do componente de vigilância sanitária, do bloco de financiamento de vigilância em saúde foi publicada no sítio eletrônico da Anvisa, na página da GCORD, no dia 12/06/2015, no link: Com relação à divulgação do manual para as vigilâncias sanitárias Alimentação da Produção no Sistema de Informação Ambulatorial (SIA/SUS), informa-se que foi realizada uma revisão e publicação no sítio eletrônico da Anvisa no dia 22/06/2016, no link al+siasus.pdf?mod=ajperes e posteriormente será publicado em versão impressa. RELATÓRIO DAS VISITAS AOS ESTADOS SELECIONADOS As visitas aos estados foram registradas em relatórios elaborados pelos técnicos da Anvisa responsáveis por acompanhar o planejamento da estratégia de sensibilização em cada estado e estão inseridos no GPWEB. Estado de Minas Gerais Foi realizada uma reunião no Centro Administrativo em Belo Horizonte no dia 08/10/2014 de 9:00 às 18:00, com a presença de 18 técnicos do nível central e das regionais. Esta teve como principal objetivo capacitar as regionais do estado de Minas Gerais, bem como o nível central para atender aos municípios a fim de sanar as dificuldades encontradas no processo de cadastramento do serviço de vigilância sanitária no Sistema Nacional de Cadastro de Estabelecimentos de Saúde (SCNES) e na inserção da produção da vigilância sanitária no Sistema de Informação Ambulatorial do SUS (SIA/SUS). No decorrer da reunião, foram apresentados: 1. Resultados da pesquisa perfil das vigilâncias sanitárias realizada em 2012/2013 com os municípios brasileiros: Abordou-se a situação específica do estado que teve participação de resposta de 52%, abaixo da média do Brasil, 72%. 2. Resultados do monitoramento do indicador da Vigilância Sanitária no SISPACTO, indicador 41, relativo aos anos de 2012 e 2013: Verificou-se que há um número 6

7 elevado de municípios que não realizam nenhum procedimento, 226 em 2012 e 154 em Entretanto, observa-se uma tendência de redução destes e, por conseguinte, o aumento dos que realizam 6 (seis) procedimentos, 72 em 2012 subindo para 154 em Municípios que perderam os recursos do Piso Fixo de Vigilância Sanitária (PF-VISA) nos anos de 2012 e 2013, bem como a situação para o ano de 2014: Foram enfatizados os casos em que a situação de bloqueio se repete ao longo dos anos, e observado que é para esses casos que se deve concentrar a atenção das regionais a fim de descobrir os problemas e assim evitar os bloqueios e as perdas de recurso. Foi relatado que são municípios muito pequenos e que possuem dificuldades estruturais de equipamentos e de recursos humanos. 4. Principais problemas que ocasionam a perda dos recursos financeiros: Estão ligados ao cadastro do serviço de vigilância sanitária no SCNES e ao processo de alimentação da produção no SIA-SUS. Em relação ao SCNES os principais problemas são: serviço de visa sem cadastro; múltiplos cadastros do serviço de visa e alterações cadastrais. Já em relação ao SIA, o principal problema é a própria ausência de alimentação por esquecimento ou falta de conhecimento de operacionalização do sistema. Estado do Ceará A participação da GCORD ocorreu no âmbito do III Encontro de VISA Ceará, nos dias 13 e 14/11 em Fortaleza, com a participação da coordenação de VISA do estado e dos coordenadores de Vigilância Sanitária das regionais de Saúde. A apresentação da GCORD destacou a análise dos municípios por estrato populacional e a sensibilização junto aos coordenadores regionais para um trabalho mais efetivo com os municípios que estão irregulares sistematicamente: anos de 2012, 2013 e No decorrer da reunião foram apresentados: 1. Resultados da pesquisa perfil das vigilâncias sanitárias realizada em 2012/2013 com os municípios brasileiros: O estado do Ceará teve participação de resposta de 93%, acima da média do Brasil, 72%. 7

8 2. Resultados do monitoramento do indicador da Vigilância Sanitária no SISPACTO, indicador 41 relativo aos anos de 2012, 2013 e 2014: Em 2013, ano referência para a seleção dos municípios a serem trabalhados, de acordo com a meta ADI, verificou-se que apenas 5 municípios dos 33 que compõem a faixa populacional de a habitantes realizaram 7 procedimentos. 3. Regras para manutenção do repasse federal, quais sejam: cadastramento do serviço de vigilância sanitária no SCNES e a alimentação mensal da produção da vigilância sanitária no SIA/SUS, previstas na Portaria 1378/2013 e Portaria 475/ Municípios que perderam os recursos do PF-VISA nos anos de 2012,2013 e 2014: Em 2012, foram 23 (13%) munícipios, em 2013 esse número aumentou para 35 (19%) e em 2014 (1º e 2º bloqueios), perderam os recursos 23 (13%) municípios. O Estado do Ceará foi priorizado na meta ADI por apresentar um total de 6 municípios acima de habitantes com perda de recurso em 2013 (3º critério para elegibilidade de municípios da meta ADI). Estado da Bahia A reunião com a GCORD ocorreu no dia 27/11 de 14:00 às 18:00h, com participação de coordenadores regionais de Visa, representantes de Visas de municípios acima de habitantes e representantes da Visa estadual. Foi feita uma sensibilização junto aos coordenadores regionais para um trabalho mais efetivo com os municípios com irregularidades sistemáticas nos anos de 2012, 2013 e No decorrer da reunião foram apresentados: 1. Resultados da pesquisa perfil das vigilâncias sanitárias realizada em 2012/2013 com os municípios brasileiros: Abordou-se a situação específica do estado que teve participação de resposta de 80%, acima da média do Brasil, 72%. Os presentes puderam observar que os resultados possuíam relação direta com a realidade da situação das vigilâncias sanitárias do estado e servia como orientador para a gestão estadual no sentido de apoiar de forma qualificada a gestão municipal. 2. Resultados do monitoramento do indicador 41 da Vigilância Sanitária no SISPACTO/COAP relativos aos anos de 2012, 2013 e 2014: Em 2012, 14 municípios 8

9 do estado da Bahia (3%) realizaram os 7 procedimentos considerados necessários no indicador. Em 2013, ano referência para seleção dos estados a serem trabalhados, de acordo com a meta ADI, verificou-se que 29 municípios (7%) realizaram os 7 procedimentos, e no 1º semestre de 2014 foram 17 municípios (4%). 3. Regras para manutenção do repasse federal de Visa: cadastramento do serviço de vigilância sanitária no SCNES e a alimentação mensal da produção da vigilância sanitária no SIA/SUS, previstas na Portaria 1378/2013 e Portaria 475/ Municípios que perderam os recursos do PF-VISA nos anos de 2012, 2013 e 2014: Em 2012 foram 107 munícipios (26%), em 2013 esse número reduziu para 74 (18%) e, em 2014 (1º e 2º bloqueios), 70 (17%) municípios perderam os recursos. Estado do Rio Grande do Sul A reunião foi realizada em 20/11/2014, em Porto Alegre com a participação da coordenação estadual de VISA, representantes das regionais e municípios selecionados a partir do histórico de bloqueio de recurso. Os assuntos tratados na reunião visaram à qualificação das ações e informações de vigilância Sanitária no SCNES e SIA/SUS e a discussão do Planejamento em VISA No decorrer da reunião foram apresentados: 1. Resultados da pesquisa perfil das vigilâncias sanitárias realizada em 2012/2013 com os municípios brasileiros. Abordou-se a situação específica do estado que teve participação de resposta de 44%, abaixo da média do Brasil, 72%. 2. Resultados do monitoramento do indicador da Vigilância Sanitária no SISPACTO, indicador 41 relativo aos anos de 2012, 2013 e Regras para manutenção do repasse federal de Visa: cadastramento do serviço de vigilância sanitária no SCNES e a alimentação mensal da produção da vigilância sanitária no SIA/SUS, previstas na Portaria 1378/2013 e Portaria 475/ Situação do repasse de recursos financeiros para o estado do Rio Grande do Sul e seus municípios no período de 2013 a 2014 evolução nos desbloqueios, alimentação do SIA/SUS e atualização SCNES como alimentar e acompanhar os 9

10 sistemas e principais falhas observadas, incluindo estudo de casos de municípios do estado. 5. Palestra sobre planejamento em VISA e principais desafios e perspectivas para o SNVS. Estado de Roraima A reunião foi realizada em 2 e 3 de junho de 2015, na cidade de Boa Vista. Estiveram presentes 52 representantes, incluindo os do estado e dois representantes de 13 dos 15 municípios. A programação sugerida pela coordenação estadual incluiu além das questões relacionadas à falta de cadastro no SCNES e alimentação da produção da vigilância sanitária no SIA-SUS, as de planejamento, descentralização, pactuação e financiamento das ações de vigilância sanitária no SNVS à luz da legislação em vigor atualmente (Decreto 7508/2012, Lei Complementar 141/12 e a Portaria 475/2014). 1. Resultados da pesquisa perfil das vigilâncias sanitárias realizada em 2012/2013 com os municípios brasileiros. Abordou-se a situação específica do estado que teve participação de resposta de 93%, acima da média do Brasil, 72%. 2. Resultados do monitoramento do indicador da Vigilância Sanitária no SISPACTO, indicador 41 relativo aos anos de 2012, 2013 e Regras para manutenção do repasse federal de Visa: cadastramento do serviço de vigilância sanitária no SCNES e a alimentação mensal da produção da vigilância sanitária no SIA/SUS, previstas na Portaria 1378/2013 e Portaria 475/ Situação do repasse de recursos financeiros para o estado do Roraima e seus municípios no período de 2013 a 2014 evolução nos desbloqueios, alimentação do SIA/SUS e atualização SCNES como alimentar e acompanhar os sistemas e principais falhas observadas, incluindo estudo de casos de municípios do estado. 5. Palestra sobre planejamento em VISA e principais desafios e perspectivas para o SNVS. 10

11 Com a equipe estadual foram discutidas estratégias para apoiar os municípios. Estiveram reunidos aproximadamente 14 servidores, incluindo a equipe responsável pela relação com os municípios. Foi proposta a realização de uma oficina de planejamento para sistematizar e fazer constar em documento as ações que a gestão atual pretende desenvolver seja na consecução das atividades internas da gestão estadual quanto no apoio aos municípios para que estes venham assumir cada vez mais a realização das ações que ainda estão na responsabilidade da coordenação estadual. ANÁLISE DOS RESULTADOS E CONSIDERAÇÕES FINAIS As oficinas/reuniões nos estados prioritários foram realizadas em 2014, restando para 2015 apenas o estado de Roraima. Em todas as oficinas, foi apresentada a situação de bloqueio e perda de recursos financeiros dos estados a partir do ano de Também foi destacado o desempenho do indicador 41 Percentual de municípios que executam as ações de Vigilância Sanitária consideradas necessárias a todos os municípios. Durante as oficinas, servidores estaduais e municipais tiveram a oportunidade de conhecer mais detalhadamente a dinâmica de repasse dos recursos do componente de vigilância sanitária, bem como os principais problemas que ocasionam o bloqueio e a perda dos recursos financeiros da vigilância sanitária. Foram realizados estudos de caso, isto é, alguns municípios foram escolhidos para verificação das causas do bloqueio e tanto representantes de municípios, quanto dos estados, no nível central e nas regionais foram capacitados para identificação e resolução dos problemas. Um dos benefícios esperados com a execução do plano de ação era a redução gradativa do número de munícipios com recursos financeiros bloqueados em função da falta de cadastro no SCNES, da alimentação da produção da vigilância sanitária no SIA-SUS e consequentemente maior quantidade de municípios com os recursos financeiros para o custeio das ações de vigilância sanitária. 11

12 Análise da situação de cada estado 1. Bahia Verifica-se, no gráfico 1 que o estado da Bahia possuía, no primeiro quadrimestre de 2013, 35% dos municípios com recursos bloqueados e 16% perderam os recursos da vigilância sanitária. Esse percentual vem reduzindo gradativamente até o primeiro quadrimestre de 2015, quando o estado atinge o percentual de 11% de bloqueio e 6% de perda. No período referente à meta, o estado tinha no segundo quadrimestre de 2014, 24% dos municípios com recursos bloqueados e 14% perderam os recursos da vigilância sanitária e no primeiro quadrimestre de 2015, quando o estado atinge o percentual de 11% de bloqueio e 6% de perda. 2. Ceará 12

13 Verifica-se, no gráfico 2 que o estado da Ceará possuía, no primeiro quadrimestre de 2013, 21% dos municípios com recursos bloqueados e 6% perderam os recursos da vigilância sanitária. Esse percentual vem reduzindo gradativamente até o primeiro quadrimestre de 2015, quando o estado atinge o percentual de 10% de bloqueio e 3% de perda. No período referente à meta, o estado tinha no segundo quadrimestre de 2014, 27% dos municípios com recursos bloqueados e 10% perderam os recursos da vigilância sanitária e no primeiro quadrimestre de 2015, quando o estado atinge o percentual de 10% de bloqueio e 3% de perda. 3. Minas Gerais Verifica-se, no gráfico 3 que o estado de Minas Gerais possuía, no primeiro quadrimestre de 2013, 44% dos municípios com recursos bloqueados e 31% perderam os recursos da vigilância sanitária. Esse percentual vem reduzindo gradativamente até o primeiro quadrimestre de 2015, quando o estado atinge o percentual de 18% de bloqueio e 15% de perda. No período referente à meta o estado tinha no segundo quadrimestre de 2014, 32% 13

14 dos municípios com recursos bloqueados e 28% perderam os recursos da vigilância sanitária e no primeiro quadrimestre de 2015, quando o estado atinge o percentual de 18% de bloqueio e 15% de perda. 4. Rio Grande do Sul Verifica-se, no gráfico 4, que o estado do Rio Grande do Sul possuía, no primeiro quadrimestre de 2013, 45% dos municípios com recursos bloqueados e 28% perderam os recursos da vigilância sanitária. Esse percentual vem reduzindo gradativamente até o primeiro quadrimestre de 2015, quando o estado atinge o percentual de 16% de bloqueio e 13% de perda. No período referente à meta, o estado tinha no segundo quadrimestre de 2014, 33% dos municípios com recursos bloqueados e 25% perderam os recursos da vigilância sanitária e no primeiro quadrimestre de 2015, quando o estado atinge o percentual de 16% de bloqueio e 13% de perda. 14

15 5. Roraima Verifica-se, no gráfico 5, que o estado de Roraima possuía, no primeiro quadrimestre de 2013, 87% dos municípios com recursos bloqueados, desses, 80% perderam os recursos da vigilância sanitária. Esse percentual vem reduzindo gradativamente até o primeiro quadrimestre de 2015, quando o estado atinge o percentual de 33% de bloqueio e perda. No período referente à meta, o estado tinha no segundo quadrimestre de 2014, 40% dos municípios com recursos bloqueados perderam recurso, e no primeiro quadrimestre de 2015, os 33% dos municípios bloqueados perderam recurso. 15

16 Considerações Finais Diante da situação analisada para cada estado, fica evidente que a ação desencadeada pela Anvisa, no sentido de apoiar aos estados e municípios, especificamente no que diz respeito a operacionalização dos sistemas CNES e SIA, provocou o efeito esperado. Todos os estados conseguiram reduzir o percentual de municípios que ficaram bloqueados e perdem os recursos financeiros do componente de vigilância sanitária, por falhas na operacionalização dos sistemas citados. Além disso, pode-se relatar também outros resultados que extrapolam a meta estabelecida como: a oportunidade de aproximação com as visas estaduais, a simplificação do fluxo de tramitação das informações da visa, oportunidade de discussão e a qualificação das ações que compõem o indicador 41. Ao fazer uma extrapolação para o contexto Brasil, observando-se o gráfico 6, pode-se inferir que as ações realizadas para a consecução da meta afetaram positivamente outros estados de modo que o percentual de munícipios bloqueados no primeiro quadrimestre de 2013, que era de 31%, e o de perda que era de 16%, reduziu, no primeiro quadrimestre de 2015, para 11% de municípios bloqueados, e 9% de municípios que perderam recursos. 16

17 BIBLIOGRAFIA BRASIL. Decreto n 7508, de 28 de junho de Regulamenta a Lei 8080, de 19 de setembro de 1990, e dá outras providências; BRASIL. Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de Publicada no DOU de Regulamenta o 3º do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios em ações e serviços públicos de saúde; estabelece os critérios de rateio dos recursos de transferências para a saúde e as normas de fiscalização, avaliação e controle das despesas com saúde nas 3 (três) esferas de governo; revoga dispositivos das Leis nos 8.080, de 19 de setembro de 1990, e 8.689, de 27 de julho de 1993; e dá outras providências. BRASIL. Lei Federal Nº 9.782, de 26 de Janeiro de Define o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, cria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária e dá outras providências. BRASIL. Portaria GM/MS 1.378, de 9 de julho de Regulamenta as responsabilidades e define diretrizes para execução e financiamento das ações de Vigilância em Saúde pela 17

18 União, Estados, Distrito Federal e Municípios, relativos ao Sistema Nacional de Vigilância em Saúde e Sistema Nacional de Vigilância Sanitária. BRASIL. Portaria GM/MS 475, de 31 de março de Estabelece os critérios para o repasse e monitoramento dos recursos financeiros federais do Componente da Vigilância Sanitária do Bloco de Financiamento de Vigilância em Saúde, para Estados, Distrito Federal e Municípios, de que trata o inciso II do art. 13 da Portaria nº 1.378/GM/MS, de 9 de julho de

Assunto: Mudanças trazidas pela Portaria GM/MS 475/2014

Assunto: Mudanças trazidas pela Portaria GM/MS 475/2014 NOTA ORIENTATIVA 01/2014 GCOOR/GGCOF Assunto: Mudanças trazidas pela Portaria GM/MS 475/2014 (Planejamento e Programação, Pactuação, Prestação de Contas e Monitoramento para fins de repasse financeiro)

Leia mais

NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS

NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS Brasília, 18 de novembro de 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA,

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

DAI/SGEP/MS. Planejamento em Saúde Sistema de Apoio ao Relatório de Gestão - SARGSUS

DAI/SGEP/MS. Planejamento em Saúde Sistema de Apoio ao Relatório de Gestão - SARGSUS Planejamento em Saúde Sistema de Apoio ao Relatório de Gestão - SARGSUS Brasília DF, 06/03/2013 Saúde Direito de todos e dever do Estado CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei 8.080 Lei 8.142 DECRETO 7.508 Lei 12.401

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS N o 152 Abril/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para

Leia mais

PORTARIA No- 189, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA No- 189, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA No- 189, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 Institui o Serviço de Referência para Diagnóstico e Tratamento de Lesões Precursoras do Câncer do Colo de Útero (SRC), o Serviço de Referência para Diagnóstico

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A VIGILÂNCIA SANITÁRIA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM. Versão 1.2

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A VIGILÂNCIA SANITÁRIA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM. Versão 1.2 GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA Planejamento, Programação, Pactuação e Monitoramento das ações de Visa Versão 1.2 ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO (APLAN/ANVISA)

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM NOTA TÉCNICA 41 2013 POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM DISPÕE SOBRE O REPASSE DE RECURSOS FINANCEIROS DE CUSTEIO A MUNICIPIOS, ESTADOS E DISTRITO FEDERL PARA A EXECUÇÃO DE AÇÕES DE

Leia mais

Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015. Videoconferências. Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015

Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015. Videoconferências. Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015 Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015 Videoconferências Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015 PAUTA Orientações sobre o processo de pactuação para o ano de 2015; Abertura do

Leia mais

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS NOTA TÉCNICA 34 2013 Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS Brasília, 24 de agosto de 2013 I NTRODUÇÃO NOTA TÉCNICA 34 2013 Nesta Nota Técnica vamos analisar a proposta do

Leia mais

NOTA TÉCNICA 07 /2014

NOTA TÉCNICA 07 /2014 NOTA TÉCNICA 07 /2014 Institui o incentivo financeiro de custeio destinado aos núcleos de Telessaúde do Programa de Requalificação de Unidades Básicas de Saúde, Componente de Informatização e Telessaúde

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 Redefine as regras e critérios

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO / SARGSUS

PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO / SARGSUS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Departamento de Articulação Interfederativa PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO / SARGSUS Brasília, Julho de 2013 Planejamento do

Leia mais

PORTARIA No- 2.135, DE 25 DE SETEMBRO DE 2013

PORTARIA No- 2.135, DE 25 DE SETEMBRO DE 2013 PORTARIA No- 2.135, DE 25 DE SETEMBRO DE 2013 Estabelece diretrizes para o processo de planejamento no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que

Leia mais

PORTARIA Nº 1378, DE 09 DE JULHO DE 2013.

PORTARIA Nº 1378, DE 09 DE JULHO DE 2013. PORTARIA Nº 1378, DE 09 DE JULHO DE 2013. Regulamenta as responsabilidades e define diretrizes para execução e financiamento das ações de Vigilância em Saúde pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios,

Leia mais

Acompanhamento da Programação Anual das Ações de Visa

Acompanhamento da Programação Anual das Ações de Visa Agência Nacional de Vigilância Sanitária Acompanhamento da Programação Anual das Ações de Visa DIMCB/Nadav Brasília/DF, julho de 2009. Acompanhamento da Programação das Ações de Vigilância Sanitária/Nadav/2009

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html Página 1 de 17 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Gabinete do Ministro Comissão Intergestores

Leia mais

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização

Leia mais

OFICINA: INOVAÇÃO INSTRUMENTAL NO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SARGSUS - MÓDULO DO RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR

OFICINA: INOVAÇÃO INSTRUMENTAL NO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SARGSUS - MÓDULO DO RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR XXIX Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde OFICINA: INOVAÇÃO INSTRUMENTAL NO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SARGSUS - MÓDULO DO RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR Brasília,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 02 2014

NOTA TÉCNICA 02 2014 NOTA TÉCNICA 02 2014 DEFINIÇÃO DAS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE VOLTADOS PARA VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DE ZOONOSES E DE ACIDENTES CAUSADOS POR ANIMAIS PEÇONHENTOS E VENENOSOS, DE RELEVÂNCIA PARA A

Leia mais

Alocação de Recursos e Regionalização no SUS

Alocação de Recursos e Regionalização no SUS Alocação de Recursos e Regionalização no SUS Áquilas Mendes Professor Doutor Livre-Docente de Economia da Saúde da FSP-USP e do Departamento de Economia da PUC-SP ABRES Encontro Alocação de Recursos e

Leia mais

ATRIBUIÇÕES E GESTÃO DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA

ATRIBUIÇÕES E GESTÃO DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA ATRIBUIÇÕES E GESTÃO DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA Natal-RN Agosto/2014 VIGILÂNCIA SANITÁRIA A Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, no artigo 6º 1º, define a Vigilância Sanitária como: a) Eliminar, diminuir

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 01/13 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS 2014/2017 Introdução: O planejamento em saúde configura-se como responsabilidade dos entes públicos, assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 189, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 189, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 189, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 Institui o Serviço de Referência para Diagnóstico e Tratamento de Lesões Precursoras do Câncer do Colo de Útero (SRC),

Leia mais

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 (SUS). Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

Sistema de Informação em Vigilância Sanitária

Sistema de Informação em Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Sistema de Informação em Vigilância Sanitária Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Desenvolvimento de Sistemas Gerência-Geral de Gestão em Tecnologia

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DA PRODUÇÃO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO AMBULATORIAL (SIA/SUS)

ALIMENTAÇÃO DA PRODUÇÃO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO AMBULATORIAL (SIA/SUS) manual para as vigilâncias sanitárias ALIMENTAÇÃO DA PRODUÇÃO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO AMBULATORIAL (SIA/SUS) Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa - 1 - Conteúdo APRESENTAÇÃO...5 PROCEDIMENTOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

NOTA TÉCNICA 25/2013 FINANCIAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

NOTA TÉCNICA 25/2013 FINANCIAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA NOTA TÉCNICA 25/2013 FINANCIAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA O CONASS solicitou, na reunião da CIT de 25 de abril de 2013, que a ANVISA apresentasse numa próxima reunião da Comissão o montante de sua arrecadação

Leia mais

GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZA-CEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1

GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZA-CEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1 GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZACEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1 Introdução Vera Maria Câmara Coelho 2 O estudo analisou os gastos nos Centros Especializados

Leia mais

Certificação digital e SIOPS Previsão legal

Certificação digital e SIOPS Previsão legal O Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde (SIOPS) é um software desenvolvido pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), em linguagem Delphi, com o objetivo

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

NOTA TÉCNICA No 1/2011

NOTA TÉCNICA No 1/2011 Agência Nacional de Vigilância Sanitária NOTA TÉCNICA No 1/2011 Esclarecimentos e orientações sobre o funcionamento de instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com transtornos decorrentes

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011

PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011 PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011 Institui, no Programa de Requalificação de Unidades Básicas de Saúde, o Componente de Informatização e Telessaúde Brasil Redes na Atenção Básica, integrado

Leia mais

NOTA TÉCNICA PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO e-sus AB Outubro/2014

NOTA TÉCNICA PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO e-sus AB Outubro/2014 NOTA TÉCNICA PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO e-sus AB Outubro/2014 Recomendações do TelessaúdeRS/UFRGS e SES-RS sobre o uso do SIA, SIAB e/ou SISAB durante o processo de implantação do e-sus AB Atualmente,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO Repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde Estaduais, Municipais e do Distrito Federal, por meio do Piso Variável

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007 Conteúdo: SEÇÃO 1...2 PORTARIA No- 2.831, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...2 PORTARIA No- 2.834, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...4 PORTARIA No- 2.835, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...5 PORTARIA Nº 600, DE 1o- DE

Leia mais

O processo de Planejamento Regional e o Contrato Organizativo de Ação Pública (COAP)

O processo de Planejamento Regional e o Contrato Organizativo de Ação Pública (COAP) MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Departamento de Articulação Interfederativa O processo de Planejamento Regional e o Contrato Organizativo de Ação Pública (COAP) NORMAS

Leia mais

AUDITORIA E REGULAÇÃO NO SUS SOLUÇÃO OU PROBLEMA? Sistema Nacional de Auditoria: Auditoria do SUS em Pernambuco e sua Evolução

AUDITORIA E REGULAÇÃO NO SUS SOLUÇÃO OU PROBLEMA? Sistema Nacional de Auditoria: Auditoria do SUS em Pernambuco e sua Evolução AUDITORIA E REGULAÇÃO NO SUS SOLUÇÃO OU PROBLEMA? Sistema Nacional de Auditoria: Auditoria do SUS em Pernambuco e sua Evolução O que é Auditoria? Na área da saúde, a Auditoria para alguns autores, a exemplo

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

Câmara Técnica de Vigilância em Saúde/Departamento de Vigilância Sanitária Abril 2011.

Câmara Técnica de Vigilância em Saúde/Departamento de Vigilância Sanitária Abril 2011. INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA NO SIA/SUS ADAPTADO PARA O ESTADO DO PARANÁ. Câmara Técnica de Vigilância em Saúde/Departamento de Vigilância Sanitária Abril 2011. 1 1.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Acordo de Empréstimo BIRD - Nº 7841-BR PROJETO

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

DECRETO Nº 50/2015. DE 14 DE AGOSTO DE 2015.

DECRETO Nº 50/2015. DE 14 DE AGOSTO DE 2015. DECRETO Nº 50/2015. DE 14 DE AGOSTO DE 2015. Regulamenta a concessão de incentivo financeiro, Prêmio Variável de Qualidade e Inovação, do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção

Leia mais

PACTO CONSTITUINTE DE 1988: UMA FEDERAÇÃO EM CONSTRUÇÃO

PACTO CONSTITUINTE DE 1988: UMA FEDERAÇÃO EM CONSTRUÇÃO Pacto Federativo no Brasil: Coordenação Federativa das Ações de Vigilância Sanitária 2015 PACTO CONSTITUINTE DE 1988: UMA FEDERAÇÃO EM CONSTRUÇÃO DITADURA ESTADO CENTRAL X DEMOCRATIZAÇÃO DESCENTRALIZAÇÃO

Leia mais

INCLUSÃO PRODUTIVA COM SEGURANÇA SANITÁRIA. VIII Reunião de Vigilância Sanitária de Alimentos Goiânia - 2012

INCLUSÃO PRODUTIVA COM SEGURANÇA SANITÁRIA. VIII Reunião de Vigilância Sanitária de Alimentos Goiânia - 2012 INCLUSÃO PRODUTIVA COM SEGURANÇA SANITÁRIA VIII Reunião de Vigilância Sanitária de Alimentos Goiânia - 2012 BRASIL SEM MISÉRIA Uma das principais macro-políticas sociais brasileiras relacionadas ao desenvolvimento

Leia mais

Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde

Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cheila Marina de

Leia mais

MINISTERIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA COORDENAÇÃO-GERAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR

MINISTERIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA COORDENAÇÃO-GERAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR MINISTERIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA COORDENAÇÃO-GERAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR Cartilha A B C do HPP 2005 Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial

Leia mais

Repasse de recursos: convênio ou transferência fundo a fundo?

Repasse de recursos: convênio ou transferência fundo a fundo? 008 Repasse de recursos: convênio ou transferência fundo a fundo? Luciano de Souza Gomes SENADO FEDERAL Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle Diretor Luiz Fernando de Mello Perezino Editores

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS AÇÕES DE AUDITORIA REALIZADAS PELO DENASUS EM 2012

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS AÇÕES DE AUDITORIA REALIZADAS PELO DENASUS EM 2012 Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento Nacional de Auditoria do SUS DENASUS ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA n 49/13 Esta resolução tem por objetivo aplicar no âmbito da vigilância sanitária as diretrizes e os objetivos do Decreto nº 7.492,

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

SUSAM Secretaria de Estado de Saúde RESUMO DE ATOS ADMINISTRATIVOS. SUSAM Secretaria de Estado de Saúde. Fonte: Diário Oficial da União - DOU

SUSAM Secretaria de Estado de Saúde RESUMO DE ATOS ADMINISTRATIVOS. SUSAM Secretaria de Estado de Saúde. Fonte: Diário Oficial da União - DOU SUSAM Secretaria de Estado de Saúde RESUMO DE ATOS ADMINISTRATIVOS SUSAM Secretaria de Estado de Saúde ABRIL DE 2011 Fonte: Diário Oficial da União - DOU SUSAM Secretaria de Estado de Saúde S U M Á R I

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O CADASTRAMENTO DAS COORDENAÇÕES MUNICIPAIS DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CMCIH 2010/2012

RELATÓRIO SOBRE O CADASTRAMENTO DAS COORDENAÇÕES MUNICIPAIS DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CMCIH 2010/2012 RELATÓRIO SOBRE O CADASTRAMENTO DAS COORDENAÇÕES MUNICIPAIS DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CMCIH 200/202 Brasília, Maio de 202 Diretores: Dirceu Brás Aparecido Barbano Diretor-Presidente Jaime Cesar

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE 1. Marcos Lógicos Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração Americana dos Direitos

Leia mais

Diário Eletrônico Quarta-feira, 30 de dezembro de 2015 Ano 7 nº 1544

Diário Eletrônico Quarta-feira, 30 de dezembro de 2015 Ano 7 nº 1544 Diário Eletrônico Quarta-feira, 30 de dezembro de 2015 Ano 7 nº 1544 Índice ATOS ADMINISTRATIVOS... 1 ATOS ADMINISTRATIVOS Gabinete da Presidência PORTARIA Nº 398/2015-GP/TCE Natal, 29 de dezembro de 2015.

Leia mais

CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012

CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012 CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012 GERÊNCIA GERAL DE LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA Abril/2013 - Curitiba/PR Por Lais Santana Dantas Gerente Geral/ AGENDA: Regulação de Laboratórios Analíticos Laboratórios

Leia mais

REDEFINE AS REGRAS DO PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE

REDEFINE AS REGRAS DO PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE Circular 536/2013 São Paulo, 18 de Novembro de 2013. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REDEFINE AS REGRAS DO PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE Diário Oficial da União Nº 216, Seção 1, quinta-feira, 14 de Novembro

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social Novembro/2012

Secretaria Nacional de Assistência Social Novembro/2012 Secretaria Nacional de Assistência Social Novembro/ PLANEJAMENTO E GESTÃO FINANCEIRA NO SUAS: A NOVA NOB Norma Operacional Básica da Assistência Social NOB SUAS/2005 Resolução CNAS nº 130, de 15 /07/2005;

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL MANUAL PARA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE BUCAL DO SUS PORTO ALEGRE Julho 2007 1- APRESENTAÇÃO Este

Leia mais

SICONV UM NOVO PARADIGMA NAS TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO: TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL DOS GASTOS PÚBLICOS

SICONV UM NOVO PARADIGMA NAS TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO: TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL DOS GASTOS PÚBLICOS SICONV UM NOVO PARADIGMA NAS TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO: TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL DOS GASTOS PÚBLICOS TAHOMA NEGRITO 16 ASSINATURAS SICONV O SICONV inaugurou uma nova era na gestão pública,

Leia mais

DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DA RENAME, RENASES E COAP

DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DA RENAME, RENASES E COAP NOTA TÉCNICA 44 2011 DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DA RENAME, RENASES E COAP (Decreto 7.508/11) 1 1. INTRODUÇÃO Essa Nota Técnica se propõe a apresentar uma análise das propostas de Diretrizes Gerais para

Leia mais

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO Brasília, 16 de agosto de 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO

Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO Relatório de Demandas Externas n 00220000037-2008-17 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS Planejamento Regional Integrado Brasília DF, novembro de 2014 LEGISLAÇÃO ANTERIOR AO DECRETO - VIGENTE Lei 8142/90-1º. art. 1 A Conferência de Saúde reunir-se-á

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

NOTA TÉCNICA 34 2012 REPASSES DE RECURSOS PARA A VIGILÂNCIA SANITÁRIA

NOTA TÉCNICA 34 2012 REPASSES DE RECURSOS PARA A VIGILÂNCIA SANITÁRIA NOTA TÉCNICA 34 2012 REPASSES DE RECURSOS PARA A VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasília, 17 de outubro de 2013 1 SUMÁRIO Apresentação... 03 Portaria 1 - "Regulamenta o incentivo financeiro destinado à Capacitação

Leia mais

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE (Fonte: Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS) O planejamento é uma função estratégica de gestão assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios Colegiado de Secretários Municipais de Saúde do Estado de PE COSEMS-PE O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios 2º Congresso Pernambucano de Municípios - AMUPE Gessyanne Vale Paulino Saúde Direito de todos

Leia mais

Recepção aos Gestores Municipais Eleitos e Reeleitos 2012. Uma parceria entre a CAIXA e os Municípios

Recepção aos Gestores Municipais Eleitos e Reeleitos 2012. Uma parceria entre a CAIXA e os Municípios Recepção aos Gestores Municipais Eleitos e Reeleitos 2012 Uma parceria entre a CAIXA e os Municípios A missão da CAIXA é: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável do País, como instituição

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 Região de Saúde [...] espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades

Leia mais

Juliana Gagno Lima 1 ; André Schimidt da Silva 2 ; Monique Alves Padilha 1; Waleska Muniz Lopes Guerra 3

Juliana Gagno Lima 1 ; André Schimidt da Silva 2 ; Monique Alves Padilha 1; Waleska Muniz Lopes Guerra 3 Financiamento da atenção básica no estado do Rio de Janeiro: análise dos repasses federais e estaduais. 1. INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA Juliana Gagno Lima 1 ; André Schimidt da Silva 2 ; Monique Alves Padilha

Leia mais

NOTA TÉCNICA 38 /2013. Institui, no âmbito da Política Nacional de Saúde Bucal, o componente GraduaCEO BRASIL SORRIDENTE e dá outras providências.

NOTA TÉCNICA 38 /2013. Institui, no âmbito da Política Nacional de Saúde Bucal, o componente GraduaCEO BRASIL SORRIDENTE e dá outras providências. NOTA TÉCNICA 38 /2013 Institui, no âmbito da Política Nacional de Saúde Bucal, o componente GraduaCEO BRASIL SORRIDENTE e dá outras providências. Brasília, 18 de setembro de 2013 1 INTRODUÇÃO O Ministério

Leia mais

Pactuação do processo de construção da Estratégia de Educação Permanente do Sisan para os próximos 4 anos. 9º Encontro Caisan 11/03/2015

Pactuação do processo de construção da Estratégia de Educação Permanente do Sisan para os próximos 4 anos. 9º Encontro Caisan 11/03/2015 Pactuação do processo de construção da Estratégia de Educação Permanente do Sisan para os próximos 4 anos 9º Encontro Caisan 11/03/2015 Contribuição das Conferências de SAN ao debate da educação e formação

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA. Alocação de Recursos e Regionalização

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA. Alocação de Recursos e Regionalização MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Alocação de Recursos e Regionalização Saúde Direito de todos e dever do Estado CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei 8.080 Lei 8.142 DECRETO 7.508

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação institucional na proteção dos direitos sociais B rasília-d F Nova Lei de Certificação e Acompanhamento Finalístico das Entidades ü A Constituição Federal

Leia mais

PORTARIA Nº 2.048, DE 3 DE SETEMBRO DE 2009. Aprova o Regulamento do Sistema Único de Saúde (SUS).

PORTARIA Nº 2.048, DE 3 DE SETEMBRO DE 2009. Aprova o Regulamento do Sistema Único de Saúde (SUS). PORTARIA Nº 2.048, DE 3 DE SETEMBRO DE 2009 Aprova o Regulamento do Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso da atribuição que lhe confere o inciso II do parágrafo único do art.

Leia mais

19ª OFICINA NACIONAL DE APOIO A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO O EIXO ESTRUTURA DO QUALIFAR- SUS NOS MUNICÍPIOS DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

19ª OFICINA NACIONAL DE APOIO A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO O EIXO ESTRUTURA DO QUALIFAR- SUS NOS MUNICÍPIOS DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA 19ª OFICINA NACIONAL DE APOIO A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO O EIXO ESTRUTURA DO QUALIFAR- SUS NOS MUNICÍPIOS DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Manaus, 21 de novembro de 2013 Estratégias de apoio Eixo Estrutura

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Instrumentos estratégicos para o planejamento no SUS. Curitiba, abril 2013

Instrumentos estratégicos para o planejamento no SUS. Curitiba, abril 2013 Instrumentos estratégicos para o planejamento no SUS Curitiba, abril 2013 Instrumentos de planejamento Plano de Saúde cada 4 anos Programações Anuais de Saúde Relatório de Gestão anual Compatíveis com:

Leia mais

Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014

Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014 Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014 Municípios com alta incidência de trabalho infantil que apresentaram: a) mais de 250 casos de trabalho infantil ou com taxa

Leia mais

regionalização e contratos organizativos de ação pública.

regionalização e contratos organizativos de ação pública. A Regulamentação da Lei 8.080/90: A Regulamentação da Lei 8.080/90: regionalização e contratos organizativos de ação pública. Seminário Nacional PRÓ Saúde e PET Saúde Brasília, 19 de outubro de 2011.,

Leia mais

I Fórum Pernambucano de Regulação Assistencial e Auditoria do SUS COAP na perspectiva da regulação assistencial e auditoria do SUS

I Fórum Pernambucano de Regulação Assistencial e Auditoria do SUS COAP na perspectiva da regulação assistencial e auditoria do SUS Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Auditoria do SUS I Fórum Pernambucano de Regulação Assistencial e Auditoria do SUS COAP na perspectiva da regulação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa COAP

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa COAP MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa COAP O Brasil é o único país......com + de 100 milhões de hab. com o desafio de ter um sistema

Leia mais