Estas tradicionais frases começam a ecoar celebrando

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estas tradicionais frases começam a ecoar celebrando"

Transcrição

1 Distribuição Gratuita nell360.com.br Inova + 7 a edição Dezembro de 2014 GRUPO GELOG Boas Festas Feliz 2015 Estas tradicionais frases começam a ecoar celebrando mais um ano que se não foi dos melhores, pelo menos alimentou novas esperanças para começarmos bem o próximo que logo chegará. Este deve ser o tom geral a ser ouvido por todos os cantos deste imenso país. As famosas retrospectivas que serão brevemente divulgadas através da imprensa escrita, falada e televisada, agora também acompanhadas pela internet, nos farão relembrar fatos bons e ruins acontecidos ao longo deste 2014, que em breve e em meio as tradicionais festividades, também logo despacharemos. Entretanto, deveremos lembrar que os fatos bons servirão para balizar a marcha de 2015, e os que não foram agradáveis não devem sob nenhum aspecto ou justificativa, fazer parte do dia a dia no próximo ano, mas apenas usados como experiência a evitar e precauções a tomar. Logicamente, nada controlamos totalmente. Alguns fatos são sempre inevitáveis, então nos resta tão somente torcer e esperar que os bons frutos frutifiquem e os prejudiciais estejam o mais longe possível. A tônica encabeçada por nossos dois sócios proprietários, foi muito clara e objetiva, ou seja, não deixaram nenhum espaço para que seus comandados viessem a esmaecer diante das inúmeras barreiras que de alguma forma intervieram na caminhada deste ano que se encerra. Pelo contrário, estiveram muito atentos e atuantes, acompanhando todos os setores produtivos da empresa. Finalizando, a mensagem de agradecimento aos nossos colaboradores, extensiva aos parceiros comerciais e amigos, clientes, fornecedores, bancos e autoridades; é muito simples: manutenção da energia empresarial e confiança no futuro através de muito trabalho, é a única saída para nos mantermos sadios e como consequência levarmos a nossos lares o melhor que podemos extrair em forma de benefícios adquiridos por conta de nossa atuação laboral. A Diretoria Aqui nas empresas Gelog, muito pouco temos a reclamar. Simplesmente, afiançamos que o ano foi tão atípico e desafiador, que a carga de trabalho e a busca de melhorias e realizações profícuas sem exceções ocupou nossas mentes e corações o ano inteirinho, portanto não sobrou tempo para lamentarmos eventuais fatos que tenham fugido a nosso controle, ou que emanados de fontes externas não tenham sido de nosso agrado. NESTA EDIÇÃO: PG NOVO EQUIPAMENTO 2 COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL 3 ACESSIBILIDADE PORTUÁRIA 4/5 TIPOS DE CARGAS 6 FERRAMENTAS LOGÍSTICAS 7 DUPLO NATAL NA GELOG 8

2 NOVO EQUIPAMENTO MECLIFTER INOVADORES: veis pesando até 16 ton. Não é da benevolência do açougueiro, do cervejeiro e do padeiro que esperamos o nosso jantar, mas da consideração que eles têm pelos próprios interesses. Apelamos não à humanidade, mas ao amor-próprio, e nunca falamos de nossas necessidades, mas das vantagens que eles podem obter. (Adam Smith) dade física do produto manipulado e principalmente do operador. FRASES QUE OUVIMOS POR AÍ: D ando continuidade a batida da inovação, a Gelog passou a operar o equipamento MecLifter ML1612R da finlandesa MECLIFT, cuja característica principal é permitir a estufa- gem de containers e carregamento de carretas com peças indivisíesta nova aquisição considerou a excelente margem de seguran- ça e rapidez operacional, ao mesmo tempo preservando a integri- Se Deus te fez, a bronca não é minha, é dele. (José Reymão - pai) Toda e qualquer ação ou decisão é arriscada, portanto, a prudência não está em evitar o perigo - É impossível - Está sim, em calcular os riscos e agir decisivamente. (Niccolò Machiavelli, O Príncipe) Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém... Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim... E ter paciência para que a vida faça o resto... (William Shakespeare) Não inventei nada de novo. Simplesmente juntei em um carro as descobertas de outros homens, séculos de trabalho depois. (Henry Ford) GRUPO GELOG GRUPO GELOG

3 COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Quais os (bons) resultados da Comunicação Institucional? Como explicar a uma empresa que a comunicação institucional não pode ser considerada gasto e sim investimento? Como apresentar a comunicação institucional como uma atividade geradora de lucros? A comunicação institucional é uma atividade ainda não suficientemente explorada pelas empresas e, mesmo quando praticada, enfrenta os resquícios de uma certa forma de pensar mercadológica que, aplicada às vezes automaticamente nas relações institucionais, ocasiona um terrível viés nas conclusões. Ao desenvolver suas ações de marketing, a empresa tem seu foco principal dirigido a um único público - o cliente - e orientado para o objetivo exclusivo de vender produtos ou serviços. Para tal, utilizase de campanhas publicitárias de conteúdo comercial; promoções de vendas; programas de marketing direto; eventos comerciais; material de merchandising; enfim, de ferramentas de comunicação que dispõem de indicadores de sucesso muito bem estabelecidos. Quais os resultados esperados? Vendas, vendas, vendas. Já a comunicação institucional é dirigida a todos os públicos de interesse da organização, representados por funcionários, imprensa, fornecedores, acionistas, investidores, governo, comunidade, etc., com o objetivo de fortalecer sua imagem pública, divulgar sua missão e valores e de realçar sua visibilidade. Ao buscar o estreitamento das relações com os stakeholders, são criadas campanhas publicitárias de conteúdo institucional; programas de atendimento à imprensa; edição de publicações internas e externas; calendário de eventos institucionais; espaços voltados à memória empresarial; e projetos dirigidos à comunidade, centrados em temas ligados à educação ou a cultura, entre tantas outras. Quais os resultados esperados? Que a empresa passe a ser referência em sua área de atuação, além de ter suas políticas, posturas e opiniões divulgadas de forma positiva. Enfim, que ela passe a servir de exemplo a toda sociedade, a partir da imagem pública. LUCRO INSTITUCIONAL Ações de comunicação institucional podem não aumentar direta ou indiretamente o volume de vendas das empresas, mas é certo que facilitarão suas negociações, além de manter ou aperfeiçoar os canais de relacionamentos já existentes com seus stakeholders. Quanto mais conhecida a empresa for, mais reconhecimento ela terá - e esse reconhecimento público facilitará a atuação de sua equipe comercial. Essa visibilidade positiva abre portas e estabelece relações de confiança com o mercado, composto hoje por consumidores mais exigentes, que também exercem seu papel de cidadãos não só preocupados com a marca do produto objeto de seu desejo, mas também com a marca da empresa fabricante. Exemplos desse caso são as organizações que se posicionam como socialmente responsáveis, as que não agridem o meio ambiente nem exploram o trabalho infantil, as que mantém relações trabalhistas transparentes e cumprem seus compromissos financeiros. Esse jeito empresarial de ser está sendo exposto à sociedade, independentemente da marca de seus produtos. Alguns indicadores já são utilizados para comprovar os fatores de sucesso institucional: apoio ao trabalho do departamento comercial; fortalecimento do poder político junto às entidades de classe e à própria área governamental; visibilidade pública que facilita a disseminação de seus princípios éticos; reconhecimento de sua identidade ideológica e postura empresarial, podem ser considerados os mais valiosos. Enfim, uma empresa ideal para os clientes terem garantia da qualidade dos produtos e serviços; para os funcionários terem orgulho em lá trabalhar; para os fornecedores conseguirem melhores formas de negociação; para a comunidade querer manter suas unidades operacionais; para os investidores desejarem negociar maiores volumes de ações: para os jornalistas terem uma fonte confiável, etc. Empresas conscientes da importância de sua imagem pública colhem os (bons) resultados decorrentes da comunicação institucional através de sua visibilidade positiva e de sua reputação favorável. Estas são duas condições obrigatórias para as organizações que buscam a perenidade e estão em sintonia com as mudanças que ocorrem na vida corporativa em todo o planeta. IZOLDA CREMONINE Consultora em Comunicaça o Profª da ESPM e FGV/GVpec Artigo originalmente publicado na ediça o nº 17, do Omnitrans News dezembro de

4 ROTTERDAM X SANTOS Acessibilidade aos Portos: Rotterdam x Santos Lições a aprender O Porto de Santos, maior porto da América do Sul e Central, é a porta de entrada e saída de uma significativa parcela das mercadorias que circulam no Brasil. Atualmente existe um Masterplan, apresentado em 2010, que caracteriza que até 2024 o Porto de Santos estará aumentando seu volume de movimentação de carga, passando dos atuais 104 milhões de toneladas para 230 milhões de toneladas, sendo que a carga geral responderá por 53% desse volume, o granel sólido por 30% e o granel líquido 17%. A quantidade de contêineres movimentada também aumentará: passará dos 3,1 milhões de TEUs para 9 milhões de TEUs. Toda essa expansão nos impõe algumas questões pertinentes: Estamos preparados para esta expansão? O que será necessário realizar para evitar que os quilômetros de filas provocadas (em parte) pelo volume de veículos de veículos de carga que operam no Porto de Santos continue reduzindo a qualidade de vida para os moradores da Baixada Santista? O que será necessário fazer para que o crescimento projetado de carga para o Porto de Santos não agrave o congestionamento e por decorrência aumente os custos de transporte, implicando em perda de competitividade para os produtos brasileiros? Refletindo sobre a questão, podemos utilizar algumas experiências internacionais para nos ajudar no planejamento da expansão. A expansão do Porto de Rotterdam é a maior obra de engenharia do século XXI nos Países Baixos e é a aposta do Governo Holandês para solidificar o plano de estado com vistas a garantir a Rotterdam o papel de porta de entrada de mercadorias da Europa. Na década de 1960, os holandeses agregaram uma grande área no estuário do rio Meuse ao porto de Rotterdam. Por meio da construção de um grande dique circular e do bombeamento de areia do Mar do Norte para dentro dele, o porto pôde receber navios maiores e em maior número, sem com- prometer as rotas de navegação nas hidrovias. Esta 1ª. expansão foi chamada de Maasvlakte. A expansão do porto, chamada de Maasvlakte 2, ocupa uma área de aproximadamente 2 mil hectares, sendo 50% das áreas destinadas ao complexo industrial portuário e o restante as atividades logísticas. O processo de concessão para operar em Maasklakte 2 foi vencido pela APM Terminals, que participa no Brasil do bloco de controle da BTP (Brasil Terminal Portuário) em Santos e pela Rotterdam World Gateway (RWG), através da DP World, associada no Brasil a Odebrecht no Terminal Embraport. A expectativa é que o volume atual de carga, com já expressivos 11,6 milhões de TEUs, passe para 35 milhões de TEUs em Sua estrutura permitirá que navios de maior calado possam operar no complexo portuário, colocando Rotterdam a frente de seus principais competidores europeus. Fica no ar a mesma questão: Como triplicar o movimento de contêineres em 15 anos sem que isso signifique perda de qualidade de vida para os habitantes de Rotterdam e sua área de influência? Avaliando o processo de concessão, percebe-se que uma das ações mais simples foi a inclusão, nos contratos de exploração dos terminais de Maasvlakte 2, de metas para a utilização dos modos de transporte. As instalações terão de operar 35% de seus contêineres por rodovia, 45% em barcaças e 20% pelos trilhos. Atualmente, a divisão modal é 4

5 de 5% para ferrovias, 40% para barcaças e 55% para o rodoviário. De maneira prática, isso significa que a cidade de Rotterdam e a área de influência do porto entendem que a logística é parte importante da economia do estado, porém devem existir formas de proteger os cidadãos das externalidades geradas pela atividade. Utilizando a rede de ferrovias e hidrovias os contêineres movimentados pelo Porto podem entrar e sair mitigando os efeitos gerados pelo tráfego de veículos pesados. Os embarcadores podem, através de uma rede de External Gates, expedir e retirar suas mercadorias em terminais localizados ao longo da malha ferroviária e hidroviária, mesmo para curtas distâncias (200 Km). Para garantir a utilização destes terminais, o estado deve exercer papel determinante. Na Alemanha, por exemplo, a DB Netze, empresa alemã de terminais ferroviários, garante acesso a rede ferroviária com tarifas competitivas, reduzindo o impacto dos custos de transbordo de carga. No caso brasileiro, o impacto do tráfego gerado normalmente é objeto do Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) que é um instrumento legal de normatização dos usos do solo urbano, regulamentado através da Lei , denominada Estatuto da Cidade. Uma parte significativa do EIV é dedicada para o Relatório de Impacto no Tráfego Urbano RITU, que procura, entre outros itens, a adequação e viabilização da localização do empreendimento, oferta de estacionamento, condições de acesso de veículos e pedestres, através do impacto no trânsito e observância de preceitos legais essenciais ao licenciamento ambiental. É necessário portanto, ter uma visão mais ampla do real impacto deste importante item no Porto de Santos de modo a ampliar positivamente a sinergia entre a atividade econômica e quem interage com ela. O esco- 11,000 TEU 13,000 TEU Hamburg 12,8m Antwerp 13,1m 18,000 TEU Rotterdam 19,7m po de análise deverá ser muito mais abrangente e verificar os reflexos de natureza econômica e social em toda área de influência do complexo portuário. Grandes congestionamentos não apenas aumentando os custos de transporte, mas também, e de forma drástica, reduzem a produtividade de todas as atividades na área em questão. Em uma primeira leitura, para o Porto de Santos e na sua Retroárea, torna-se imprescindível garantir acessibilidade ao porto nas próximas décadas. O simples aumento da oferta viária para os veículos de carga com mais viadutos, pontes e estradas tem limitadores claros, sociais, ambientais e sem dúvida econômicos e financeiros que precisam ser discutidos pela sociedade na Baixada Santista. A estratégia de uma política voltada à divisão modal aplicada nos processos de concessão de novas áreas e de autorização de TUPs (Terminais de Uso Privado), como fez Rotterdam, pode ser um importante instrumento, embora não seja simples, no cenário regulatório brasileiro, e deve ser melhor estudada com vistas ao aumento de produtividade no plano de expansão do Porto de Santos e possivelmente em outros portos brasileiros. José Reymão Mestre em Engenharia de Transportes pela COPPE/UFRJ Pesquisador I - Fundação Coppetec/COPPE/UFRJ dezembro de

6 TIPOS DE CARGA Carga geral Existem muitos tipos de carga e na hora de custear o frete, é importantíssima a correta identi icação desta, podendo-se assim alocar o veículo mais adequado para efetuar o transporte com a segurança e a qualidade desejada pelo cliente C argas se caracterizam, nos mais variados formatos, pesos, embalagens e medidas que se possa conceber. Existe principalmente carga líquida a granel, líquida embalada, sólida a granel, sólida embalada, avulsa, lixo, sensíveis, e excedente em peso e volume, mineral, produto acabado, matéria prima em geral, postes, estruturas, encomendas e pequenos volumes, hospitalar etc. Podem ser originadas em: indústrias, centros de distribuição, minas, portos, aeroportos, fazendas, comércio em geral, rua e locais públicos. Muitas outras ocorrências poderiam ser citadas, mas, pensando bem, os exemplos acima são mais que o suficiente para ilustrar a complexidade do assunto. Daí, a necessidade de sermos obrigados a estudar e manter atualizada nossa percepção a respeito deste emaranhado de informações. Logicamente, desconhece-se aqui no Brasil ou em qualquer outro lugar do mundo, a existência de um transportador ou operador logístico do tipo faz tudo. Esta situação é resolvida com a especialização de determinados grupos de empresas que atendem a determinados tipos de carga. No caso da GELOG o foco principal é atender cargas oriundas ou destinadas ao Setor de Comércio Exterior; primordialmente containers, máquinas, equipamentos e carga seca. Outras oportunidades de negócio dentro de área de atividade podem ser avaliadas, desde que estejam em sinergia com o foco principal da empresa. Lembrarmos todos da medicina, onde para cada tipo de enfermidade procura-se um médico que seja especialista naquela disfunção orgânica, portanto detentor de amplo conhecimento em sua especialidade. No transporte não é diferente. Então, de um operador logístico que oferece serviços desta natureza, o cliente espera que ele seja um entendido, e até o oriente sobre como melhor fazer determinados trabalhos. As empresas GELOG estão aparelhadas e em condições de satisfazer plenamente a necessidade de seus clientes em: transporte, armazenamento e manipulação de tambores, caixas, ensacados, big-bags, flexitanks, containers, pallets, engradados, IBC-Tank, fardos, carga LCL e FCL; além de ter forte atuação em serviços de etiquetagem, separação e montagem de kits, com milhões de operações anuais manipulando bebidas, brinquedos, material de escritório e alimentos. Entre os diversos tipos de carga acima explanadas, estamos perfeitamente adequados e aptos para transportar todas as mercadorias ao lado demonstradas: 6 CARGAS Big Bag Tambores Sacos Grandes Embalagens Fardos Barrica 20 kg Tubos Containers Paletes Cabos Amarrados Flexitank Bobina de papel Bombona 20 lts. Container IBC 1 m³ Cargas Especiais Engradados Caixas Bobina de aço

7 FERRAMENTAS LOGÍSTICAS Flexitank Vamos conhecer um pouco mais sobre esta importante ferramenta logística Transporte de vários tipos de líquidos e também de granéis sólidos podem ser feitos economicamente utilizando-se flexitanks. Por exemplo: um container dry se carregado usando-se um flexitank levará em torno de 25% a mais de carga líquida, que se estivesse contida em tambores; além de mostrar ampla vantagem econômica em relação ao transporte efetuado com a utilização de isotanks. A versatilidade é tão grande, que até mesmo qualquer caminhão de carroceria fechada pode ser eventualmente transformado em caminhão tanque. Desta maneira, enorme variedade de produtos principalmente líquidos podem ser facilmente manipulados e transportados mundo afora de forma absolutamente segura mediante o uso de containers convencionais carregando flexitanks descartáveis, portanto, absolutamente mantendo as propriedades e a qualidade de produtos alimentícios ou químicos não perigosos. Assim, vinho, azeite, suco de frutas, água mineral, bebidas destiladas, compostos orgânicos, óleos vegetais, molhos, xaropes, açúcar líquido, geleias, levedura, ovo líquido, sebos e banhas, glucose; e também produtos químicos como exemplo: xampus, óleos minerais, lubrificantes, tintas à base d água, biodiesel, detergentes, látex, glicerina, silicatos, colas, adesivos, ácidos graxos, fármacos líquidos, emulsões etc. Estes flexitanks com capacidade de até 24 mil litros, ao chegar no destino, pode ter sua carga facilmente fracionada, utilizando flexitanks de menor capacidade e finalmente redestinadas aos seus destinatários com muita flexibilidade a baixo custo. Outra característica que aumenta drasticamente o custo benefício, é poder ser facilmente carregado ou descarregado com a participação de apenas uma pessoa em seu manuseio, além de rapidez no transbordo dos líquidos contidos na unidade primária. Os materiais recicláveis utilizados em sua fabricação são basicamente PVC, fibra de nylon, polietileno para formar o recipiente e válvulas e mangueiras específicas para possibilitar operações com os mais diversos tipos de produtos como acima citados. Importante salientar ser um produto descartável, portanto não reaproveitável, evitando-se desta forma custosas lavagens; além de - com isto - evitar eventuais contaminações. Empresas como a JLHillebrand (Transocean) fundada em 1844, é líder mundial em logística especializada no ramo da indústria de bebidas e opera fortemente na Europa Ocidental, também com significativa presença em outras regiões a exemplo do Chile, hoje grande e respeitado produtor de vinhos. Através da Transocean, em sua nova fase brasileira, a JLHillebrand, fechou parceria operacional com o Grupo Gelog, o qual ficará incumbido de armazenar, manipular, receber e expedir para exportação e ou distribuição interna, todos os produtos FCL ou LCL - sob sua responsabilidade em território brasileiro e, para garantir a qualidade operacional padrão, enviou a Santos o seu gerente técnico, para ministrar treinamento específico na montagem e transbordo de flexitanks nas instalações locais da Gelog. Para maiores informações, sugerimos: dezembro de

8 NATAL NA GELOG Nas empresas Gelog, o Natal acontece duas vezes J á tradicionalíssima, a Festa de Natal que a Gelog dedica aos seus colaboradores, cada vez mais torna-se um acontecimento aguardadíssimo por toda a sua equipe e familiares. Este ano os responsáveis por traduzir em realidade os desejos expressos pela diretoria, registrados em um com mais de setenta linhas, pacientemente detalhado e direcionado aos donos de cada tarefa, visou o conforto, segurança, qualidade e principalmente o bem estar de todos os funcionários, familiares e demais convidados; teve início com dois meses de antecedência. O evento cuidadosamente elaborado transcorreu na mais perfeita ordem e durante quase dez comemorativas horas, notamos a plena satisfação reinante entre todos os presentes. Como acontece todos os anos, infelizmente alguns de nossos colaboradores não puderam comparecer e participar, simplesmente porque a logística não para, pois existe demanda imposta pelas necessidades de clientes cujas características operacionais acontece initerruptamente dentro suas plantas industriais e portanto não podem correr risco de paralisações em suas linhas de produção. Os profissionais privados desta participação, a diretoria agraciou com descanso extra. Como ficou extremamente difícil traduzir em palavras o excelente clima que norteou a confraternização deste final de ano nas dependências da Gelog, que foram especialmente preparadas para receber mais de mil pessoas, optamos pela melhor maneira possível de registrar o que acima dissemos, utilizando algumas das centenas de imagens capturadas ao longo daquele especial dia. Que esta festividade no próximo ano seja maior e melhor. E que tenhamos todos um Novo Ano repleto de ótimas realizações. 8

Transporte liquido em Box - Container para produtos alimentícios e não alimentícios

Transporte liquido em Box - Container para produtos alimentícios e não alimentícios -1- EasyFlexitank Transporte liquido em Box - Container para produtos alimentícios e não alimentícios EasyFlexitanks com tampas de metal Dirk-Kappes-Consulting Hofstrasse 115 D - 40723 Hilden Tel. +49-2103-492606

Leia mais

Unidade II. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos

Unidade II. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos Unidade II Administração de Suprimentos Prof. Ms. Livaldo dos Santos Administração de Suprimentos Objetivos da Unidade Analisar os principais conceitos sobre: A medição do desempenho na cadeia de suprimentos

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

Parte de nossa história em algumas palavras...

Parte de nossa história em algumas palavras... Parte de nossa história em algumas palavras... José Renato Paiva, trazendo todo o seu conhecimento e experiência em logística de transporte terrestre, adquiridos desde sua adolescência e somados em mais

Leia mais

Confiança. Diversidade. Competência. Seu desejo é o nosso estilo.

Confiança. Diversidade. Competência. Seu desejo é o nosso estilo. Confiança. Diversidade. Competência. Seu desejo é o nosso estilo. O CLIENTE EM PRIMEIRO LUGAR Nossos clientes são tão exclusivos quanto os nossos serviços. Por isto, a O. Lisboa é grande o suficiente para

Leia mais

Navegação Interior na Europa a Experiência Belga Porto de Antuérpia, BÉLGICA

Navegação Interior na Europa a Experiência Belga Porto de Antuérpia, BÉLGICA Navegação Interior na Europa a Experiência Belga Porto de Antuérpia, BÉLGICA Maurício M. Souza SNI / GOI julho / 2008 1 Porto de Antuérpia e a Navegação Interior 1.Introdução 2. Navegação interior no Porto

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

www.nsclogistica.com.br

www.nsclogistica.com.br www.nsclogistica.com.br A Missão, Visão Valores Infra-Estrutura Nossa Frota Soluções Gris A A NSC logística atua no segmento de logística de telecomunicações desde 1988, estrategicamente situada as margens

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo

Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo Outubro, 2013 UTi Provedor de Soluções Logísticas Financeiro

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade IV GESTÃO DE SUPRIMENTO E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Logística na cadeia de suprimentos Logística Parte do processo da cadeia de suprimentos, que, para atingir o nível de serviço desejado pelo

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

A REALIDADE LOGÍSTICA

A REALIDADE LOGÍSTICA A REALIDADE LOGÍSTICA Logística NO BRASIL Por Marco Aurélio O Brasil teve, até o ano de 2010, 1,76 milhão de quilômetros de vias rodoviárias. Desse total, somente 212.000 quilômetros estavam pavimentados.

Leia mais

Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar

Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar Sumário Prefácio: Os hospitais não são essenciais Introdução: O sistema hospitalar mudou, mas continua o mesmo! Imagem pública

Leia mais

Política de Atendimento de Lubrificantes. Índice. Item Tópico Página. 1. Introdução e Propósito 2. 2. Nossa Missão 2. 3.

Política de Atendimento de Lubrificantes. Índice. Item Tópico Página. 1. Introdução e Propósito 2. 2. Nossa Missão 2. 3. Política de Atendimento de Lubrificantes Índice Item Tópico Página 1. Introdução e Propósito 2 2. Nossa Missão 2. CALL Center 2 e. Disponibilidade de Produtos.1 Pedidos Mínimos.2 Tipos e Características

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Criação Publicitária: Colocando a Mão na Massa (Encefálica)

Criação Publicitária: Colocando a Mão na Massa (Encefálica) 30 de junho 09 às 13 horas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS CURSOS DESTE PERÍODO A Logística dos Granéis Líquidos e Gasosos Área: Portos & Logística Definição de granéis, equipamentos para manuseio de Granéis

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

LOGÍSTICA CONFIÁVEL PARA A INDÚSTRIA EÓLICA. Segue

LOGÍSTICA CONFIÁVEL PARA A INDÚSTRIA EÓLICA. Segue LOGÍSTICA CONFIÁVEL PARA A INDÚSTRIA EÓLICA Segue Conteúdo Nós compreendemos NÓS COMPREENDEMOS SUAS EXIGÊNCIAS Nós compreendemos Você está em uma posição invejável. Crescendo em média 25% ao ano ao longo

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Câmara de Comércio Brasil-Argentina Julho de 2015 Guilherme Alvisi Gerente Geral de Negócios Carga Geral GUILHERME ALVISI Gerente Geral

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Excelência. locações e transporte Ltda. www.excelenciaguindastes.com.br

Excelência. locações e transporte Ltda. www.excelenciaguindastes.com.br www.excelenciaguindastes.com.br A Guindastes e uma empresa de Goiânia Goiás QUEM SOMOS que presta serviço em todo território nacional no segmento de Locação de Guindastes, Locação de Munck, Grupo Geradores,

Leia mais

Paulista Logística & Supply Chain Pontualidade e excelência.

Paulista Logística & Supply Chain Pontualidade e excelência. Metas propostas Compreender a necessidade do cliente, e atende-lo com sublimidade, sempre utilizando os melhores modelos de gestão, com o objetivo principal solidificar a nossa parceria onde ambos os lados

Leia mais

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar PRÊMIO 2012 Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar Data ou Período de Aplicação da Experiência: 2011 e 2012 Categoria

Leia mais

Criação Publicitária: Colocando a Mão na Massa (Encefálica)

Criação Publicitária: Colocando a Mão na Massa (Encefálica) 12 de maio 09 às 13 horas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS CURSOS DESTE PERÍODO A Logística dos Granéis Líquidos e Gasosos Área: Portos & Logística Definição de granéis, equipamentos para manuseio de Granéis

Leia mais

Revolução argentina no processo de carregamento de grãos de Soja

Revolução argentina no processo de carregamento de grãos de Soja Tipo: Artigo Produto: Grãos de Soja 3ª Parte: TPR Rosário Publicação / Sulamericana Data: Abril 2015 Ref: 160415ARGrain Revolução argentina no processo de carregamento de grãos de Soja O terminal argentino

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Relatório de Clipping BÁSICA COMUNICAÇÕES

Relatório de Clipping BÁSICA COMUNICAÇÕES Relatório de Clipping BÁSICA COMUNICAÇÕES Cliente: Famiglia Zanlorenzi Inserções na mídia: 18 Período: Fevereiro de 2015 VEÍCULO: Portal Supermercado Moderno - Notícias PÁGINA: www.sm.com.br/editorias/ultimas-noticias/consumo-em-alta-fazindustria-reforcar-oferta-de-suco-detox-25731.html

Leia mais

A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. www.atres.org.

A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. www.atres.org. A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO A ATRES - Associação dos Terminais Retroportuários, Portuários e dos Usuários dos Portos

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

DHL OCEAN DIRECT (FCL) A CONFIABILIDADE QUE VOCÊ EXIGE A FLEXIBILIDADE QUE VOCÊ PRECISA

DHL OCEAN DIRECT (FCL) A CONFIABILIDADE QUE VOCÊ EXIGE A FLEXIBILIDADE QUE VOCÊ PRECISA DHL OCEAN DIRECT (FCL) A CONFIABILIDADE QUE VOCÊ EXIGE A FLEXIBILIDADE QUE VOCÊ PRECISA POR QUE ESCOLHER O DHL OCEAN DIRECT (FCL) EXPERIÊNCIA EM LOGÍSTICA PARA NEGÓCIOS DE TODOS OS TAMANHOS Nossa experiência

Leia mais

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Papel dos Transportes Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE...

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... HISTÓRICO... 05 MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... 10 EVOLUIR SEMPRE... 12 ALTA TECNOLOGIA PARA GRANDES RESULTADOS... 15 EQUIPAMENTOS...

Leia mais

Brado Logística e Incorporação Standard. Atualização - 20 de dezembro de 2010

Brado Logística e Incorporação Standard. Atualização - 20 de dezembro de 2010 Ressalvas Este Documento é destinado aos acionistas da ALL América Latina Logística S.A. e tem por objetivo apresentar os mesmos fatos e eventos descritos no Fato Relevante divulgado no dia 20 de dezembro

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

Pack Less Desenvolvimento & Inovação Ltda.

Pack Less Desenvolvimento & Inovação Ltda. Pack Less Desenvolvimento & Inovação Ltda. ANO I Número 03 Julho de 2013 Express Pack Less : um papo de marketing no Agronegócio. Sustentabilidade como agregação de valor, o case Pack Less. Com esse tema

Leia mais

Fundada em novembro de 2002, a Gelog nasceu da visão de seus controladores

Fundada em novembro de 2002, a Gelog nasceu da visão de seus controladores Nosso objetivo Fundada em novembro de 2002, a Gelog nasceu da visão de seus controladores em oferecer soluções simples e eficazes na gestão e relacionamento, circundando o processo como um todo, desde

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

Plano de Negócios. Fast Break

Plano de Negócios. Fast Break Plano de Negócios Fast Break Aislan Amadio 1 José Marcio Alves Thomé 2 Valéria Figueiredo 3 Vagner Roberto da Costa 4 Maria Eliza Zandarim 5 Resumo O presente estudo tem como objetivo demonstrar e de estruturar

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

MATRIZ: RUA DR. ALBERT SCHWEITZER, 1901 ALEMOA - SANTOS/SP - CEP 11095 520 T: 13 2101.2400 - F: 13 3296.4407 WWW.TRANSMODAL.COM.BR

MATRIZ: RUA DR. ALBERT SCHWEITZER, 1901 ALEMOA - SANTOS/SP - CEP 11095 520 T: 13 2101.2400 - F: 13 3296.4407 WWW.TRANSMODAL.COM.BR Ref. Transporte Rodoviário, Movimentação e Armazenagem de Mercadorias, Importação, Exportação, Mercado Interno e Limpeza Interna especializada de tanques (food grade). Prezados Senhores, Apresentamos um

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 2013

CÓDIGO DE CONDUTA 2013 CÓDIGO DE CONDUTA 2013 CARTA DO PRESIDENTE A, traduzimos nossos valores e damos diretrizes à, de modo a garantir um relacionamento transparente e harmonioso com clientes, e e cotidianas de trabalho., aqui

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il.

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Logística Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Logística

Leia mais

Sorter Plimor. A inteligência é artificial, o resultado é real.

Sorter Plimor. A inteligência é artificial, o resultado é real. Sorter Plimor. A inteligência é artificial, o resultado é real. Prêmio Top de Marketing ADVB RS 2014 Categoria Especial: Top Inovação em Processos www.plimor.com.br Uma empresa aplicada em oferecer o melhor

Leia mais

Entrevista Inovação em dose dupla

Entrevista Inovação em dose dupla Entrevista Inovação em dose dupla Por Juçara Pivaro Foto: L. R.Delphim Uma importante aquisição no setor de empresas fornecedoras de ingredientes ocorreu em 2012, unindo duas grandes forças desse mercado,

Leia mais

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS Agência Nacional de Transportes Aquaviários MULTIMODALIDADE EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS SETOR AQUAVIÁRIO SEMINÁRIO: TRANSPORTE / ENERGIA PILARES DE SUSTENTAÇÃO DA NOVA ECONOMIA Palestra do Diretor-Geral da ANTAQ,

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO!

PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO! PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO! 17-4-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Agenda: O projeto, missão, visão e estratégia Porto Central: Localização e hinterlândia Acessos Projeto conceitual Cargas e atividades

Leia mais

Produzindo o futuro com bases sólidas. Soluções para a sua Indústria

Produzindo o futuro com bases sólidas. Soluções para a sua Indústria Produzindo o futuro com bases sólidas Soluções para a sua Indústria Experiência Global, Soluções Locais Somos uma das maiores Seguradoras do mundo. Fornecemos programas de seguros para a sua indústria

Leia mais

POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL

POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL SOBRE LOG-IN BENEFÍCIOS MONITORAMENTO 24HS DAS CARGAS Monitoramento de risco e informação de todas as viagens; INTERMODALIDADE

Leia mais

Balanço Sustentável. Balanço Sustentável

Balanço Sustentável. Balanço Sustentável Balanço Sustentável ÍNDICE SUSTENTABILIDADE PARA A SONDA IT...03 PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS...05 CONHEÇA AS AÇÕES SUSTENTÁVEIS DA SEDE DA SONDA IT...06 DATA CENTER PRÓPRIO...13 ASPECTOS AMBIENTAIS...15 Sustentabilidade

Leia mais

Carta de Santos O que ocorreu e o que precisa mudar

Carta de Santos O que ocorreu e o que precisa mudar Carta de Santos O que ocorreu e o que precisa mudar Aos vinte dias de maio do ano de dois mil e quinze, realizou-se na Associação de Engenheiros e Arquitetos de Santos - AEAS o fórum Incêndio Alemoa O

Leia mais

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO PORTO CENTRAL CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO VITORIA, 01/8/2012 Jose Maria Novaes 3-8-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Porto Central Visão Ser um complexo portuário indústrial de águas profundas

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

Índice. O Evento. Atrações. Campanha de Marketing. Comunicação. Galeria de Fotos

Índice. O Evento. Atrações. Campanha de Marketing. Comunicação. Galeria de Fotos Índice O Evento Atrações Campanha de Marketing Comunicação Galeria de Fotos Apoios Organização e Promoção Apoio Co-apoio: Patrocínios: Patrocinadores TÃO FORTE QUANTO A SUA MARCA O Evento 4ª Feira Internacional

Leia mais

TRANSPORTES EDIÇÃO DEZEMBRO DE 2013 EDIÇÃO Nº 11 / Nº NOVEMBRO 12

TRANSPORTES EDIÇÃO DEZEMBRO DE 2013 EDIÇÃO Nº 11 / Nº NOVEMBRO 12 EDIÇÃO RIO EDIÇÃO Nº 11 / Nº NOVEMBRO 12 LOPES / DEZEMBRO 2012 DE 2012 TRANSPORTES EDIÇÃO DEZEMBRO DE 2013 Mudanças do Porto Seco de São Cristóvão (EADI-DAP) Aeroporto do Galeão é arrematado RIO LOPES

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

Contribuições à Criação e Organização de um Núcleo de Voluntariado

Contribuições à Criação e Organização de um Núcleo de Voluntariado Terceiro Setor Contribuições à Criação e Organização de um Núcleo de Voluntariado Para que possamos atuar com voluntários, em projetos sociais, em instituições públicas ou privadas é fundamental que se

Leia mais

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Fundação André Maggi Originação Processamento Exportação Soja Milho Geração

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

Manual Técnico MEMORIAL DESCRITIVO TREINAMENTO E-LEARNING MECÂNICA PARA MULHERES

Manual Técnico MEMORIAL DESCRITIVO TREINAMENTO E-LEARNING MECÂNICA PARA MULHERES Manual Técnico MEMORIAL DESCRITIVO TREINAMENTO E-LEARNING MECÂNICA PARA MULHERES Versão 1.0 Outubro de 2011 2 2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 4 1.1 HISTÓRICO 1.2 DEFINIÇÃO 2 OBJETIVOS 5 2.1 - OBJETIVO GERAL 2.2

Leia mais

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade Acadêmico Autor: Horácio Braga LALT - Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil - UNICAMP O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e

Leia mais

O DESAFIO BRASILEIRO

O DESAFIO BRASILEIRO O DESAFIO BRASILEIRO 1 Principais desafios do comércio mundial para o Brasil O comércio global brasileiro por meio de contêineres principal motor para a globalização do país está crescendo cerca de 4%

Leia mais

FUNDADA em outubro de 2002, a Gelog nasceu da visão de seus

FUNDADA em outubro de 2002, a Gelog nasceu da visão de seus FUNDADA em outubro de 2002, a Gelog nasceu da visão de seus controladores em oferecer soluções simples e eficazes na gestão e relacionamento, circundando o processo como um todo, desde o fluxo da informação,

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

seguir. Este artigo visa esclarecer as principais dúvidas sobre o cadastro de produtos no comércio eletrônico.

seguir. Este artigo visa esclarecer as principais dúvidas sobre o cadastro de produtos no comércio eletrônico. OHá endereçamento muitas particularidades de estoque que éenvolvem uma forma o de identificar onde cadastro um de produto produtos estáno localizado comércio dentro eletrônico, de umque armazém, almoxarifado

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO A unidade BIC Amazônia está localizada na cidade de Manaus, no Estado do Amazonas, onde são produzidos canetas, lápis,

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE Prof. Altair da Silva Unidade III GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Transporte aéreo O transporte caracterizado por transporte através de aeronaves. Doméstico internamente; Internacional outros países; Início

Leia mais

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS SOBRE NOSSA PLATAFORMA COMPLETA A Plataforma de Negocio da Tommasi foi formada ao longo de 20 anos de experiência no ramo de importação e exportação e de uma equipe especializada para formação de uma estrutura

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

Transporte hidroviário de cargas: uma proposta para a Baixada Santista.

Transporte hidroviário de cargas: uma proposta para a Baixada Santista. Transporte hidroviário de cargas: uma proposta para a Baixada Santista. Eduardo Andrade Chaves 1 ; Glayce Batista Gomes Leite 2 ; Júlio César Reis de Jesus 3 ; Adilson Luiz Gonçalves 4. 1 Universidade

Leia mais

Principais Fatos e Números

Principais Fatos e Números Principais Fatos e Números BRAZIL Brasil Minas Gerais Região Metropolitana de Classificado como a 6ª maior economia em 2011, esperando chegar à 5ª posição até 2016. 3 ª maior economia dentre os 27 Estados

Leia mais

Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA

Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA Guia do Transporte Saiba como enviar sua encomenda. Dicas gerais CARGOBR oferece uma ferramenta simples

Leia mais

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do cais (233m) 1950/56 Complementação do cais (total 703m)

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja

A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja Conselho Empresarial Brasil China ABIOVE Carlo Lovatelli Presidente Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais 1 de Junho de 2005 1 Brasil

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA CADEIA LOGÍSTICA

GESTÃO ESTRATÉGICA DA CADEIA LOGÍSTICA http://www.administradores.com.br/artigos/ GESTÃO ESTRATÉGICA DA CADEIA LOGÍSTICA DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração (FAE), Especialista em Gestão de Negócios

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade

Relatório de Sustentabilidade Relatório de Sustentabilidade Política de sustentabilidade da Rodorei Transportes Política de sustentabilidade da Rodorei Transportes A Rodorei Transportes adota, há dez anos, uma política agressiva de

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS

ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais