AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA QUALITATIVA: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA QUALITATIVA: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS"

Transcrição

1 1 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA QUALITATIVA: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS MAURIVAN GÜNTZEL RAMOS ROQUE MORAES Introdução Com o presente artigo pretendemos relatar a investigação de um processo de avaliação do desempenho docente no ensino superior, essencialmente qualitativo e processual, que pretende o desenvolvimento profissional dos professores através de uma reflexão mediada sobre a sua prática. A avaliação docente foi levada a efeito no curso de Licenciatura em Química da Faculdade de Química da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Isso porque acreditamos que a avaliação do desempenho docente contribui para a melhoria da qualidade do ensino. Em qualquer nível de ensino, mas especialmente no ensino superior, investigar a própria prática é imprescindível quando o professor pretende qualificar a ação docente em direção a um ensino mais produtivo, mais adequado à realidade e mais humano. Na avaliação do desempenho docente em estudo foram coletados depoimentos de alunos sobre o ensino desenvolvido pelos seus professores. Após, os próprios professores realizaram uma análise de conteúdo dos depoimentos. Para a análise dos depoimentos foram constituídos grupos de estudos específicos, envolvendo os professores do curso. A expressão avaliação do desempenho docente, apesar de eventualmente sugerir a idéia de um processo visto de fora, com um sentido controlador e fiscalizador, na presente pesquisa não tem essa conotação. O processo apresentado neste artigo tem por princípio oportunizar aos professores a construção de uma percepção mais aprofundada do trabalho que realizam, com transparência e abertura. Acredita-se que, na medida em que isso acontece, desencadeiam-se modificações conscientes e inconscientes que afetam a sua prática, com o conseqüente aperfeiçoamento da ação docente. Não está em jogo aqui somente a qualidade técnica, mas também a qualidade política. De outro lado, a investigação sobre a avaliação docente consistiu de uma releitura crítica do processo avaliativo. Entre os objetivos da investigação está o de compreender as ações instauradas, bem como os seus resultados, para identificar as suas potencialidades, enquanto pesquisa e enquanto ação com características de educação continuada, para o desenvolvimento e crescimento dos professores. Para compreender o processo avaliativo e identificar suas potencialidades foram realizados dois procedimentos básicos: a releitura e análise dos depoimentos dos alunos, bem como, de todos os produtos gerados nesse trabalho, incluindo unidades de significado, categorias e textos elaborados; a análise do discurso presente em entrevistas realizadas com cinco professores que participaram ativamente dos grupos de estudos organizados para a avaliação do desempenho docente.

2 2 Portanto, com este texto, apresenta-se uma alternativa para a avaliação do desempenho docente no ensino superior, numa abordagem que emprega princípios metodológicos da pesquisa cooperativa e conhecimentos da pesquisa qualitativa, em especial, da análise do conteúdo. Avaliação do desempenho docente - uma revisão histórica Desde a década de 70, tem havido um crescente interesse na busca do auto-conhecimento por parte das instituições de ensino, principalmente em nível superior. Essas iniciativas têm procurado avaliar a instituição como um todo, contemplando os aspectos político, acadêmico e administrativo. Nas Universidades tem-se destacado a avaliação do desempenho docente, pois conforme Grillo (1992), apesar de reconhecer que diversos fatores influem na qualidade de ensino, com freqüência a maior responsabilidade recai sobre o professor. Nessa perspectiva, vem sendo privilegiada a avaliação externa, ou seja, o desempenho dos professores tem sido avaliado pelos alunos, egressos ou por comissões de docentes constituídas para tal fim, os quais radiografam a realidade percebida. Para isso as comissões têm empregado instrumentos de coletas de informações elaborados com a participação ou não de todos os envolvidos nesse processo. Nesse sentido, os dados são tabulados por grupos encarregados dessa atividade, requerendo, em geral, o auxílio da informática para facilitá-la. Nessa dinâmica, os professores avaliados recebem os resultados ao final, após a tabulação dos dados, geralmente de natureza quantitativa. São notas, conceitos ou porcentagens que devem representar de alguma forma o desempenho dos professores pesquisados. A participação dos professores é mínima no processo de avaliação. Esse processo pode trazer algumas informações para a reflexão daqueles que estão sendo avaliados. Mas o que se tem observado é que os professores vêem seus resultados e, quando muito, comparam com os anteriores para observar mudanças. Em se tratando de resultados de natureza quantitativa analisam os escores e procuram os casos em que tiveram pontos a mais ou a menos, décimos a mais ou a menos. De quando em vez, fazem alguma crítica ao instrumento de coleta de dados empregado, principalmente quando esse revela alguma distorção, mas o processo pára por aí. Qual então o real sentido de avaliar o desempenho docente dessa forma? Não é um engodo pensar que se vai transformar o ensino, qualificando-o, com procedimentos de avaliação semelhantes aos descritos? Para a ocorrência de mudanças significativas na ação docente não é necessário, mais do que analisar números finais, que os professores participem de todo o processo de avaliação, desde a elaboração e aplicação dos instrumentos, até na análise dos depoimentos dos entrevistados e de sua interpretação? Outras questões importantes devem ser colocadas. Na avaliação do desempenho docente é necessário elaborar o retrato individual dos professores? Não parece mais produtivo que o professor se veja no coletivo e identifique as semelhanças e diferenças no pensar e no agir com o pensar e agir dos seus pares? Não é uma oportunidade para que os professores descubram ou tomem consciência de suas concepções, sejam pedagógicas, epistemológicas ou metodológicas, e busquem com isso o aperfeiçoamento de sua ação num processo cooperativo? Não é, também, uma oportunidade para que

3 3 os professores percebam o alcance do seu trabalho no âmbito da sociedade e, quiçá, passem a contribuir ainda mais para a sua transformação, melhorando-a? Considerando o importante papel dos alunos em apresentar suas percepções sobre o trabalho desenvolvido por seus professores, através de depoimentos, não parece adequado, também eles, refletirem sobre o seu envolvimento nas ações que conduzem as suas aprendizagens e a sua formação? Diante da relevância desses questionamentos, apresenta-se a pesquisa cooperativa como uma alternativa para realizar a avaliação do desempenho docente, tendo em vista a melhoria da qualidade do ensino em nível superior. Aspectos teóricos da pesquisa cooperativa Para Reason, a idéia da pesquisa cooperativa é simples: consiste fundamentalmente em que pessoas trabalhem juntas, como co-pesquisadoras, explorando e modificando seu mundo (1988, p. 18). A afirmativa apresenta a pesquisa cooperativa como algo fácil e simples, mas essa metodologia apresenta suas peculiaridades, implicando um processo democrático em que a igualdade deve prevalecer e as habilidades para desenvolver-se num trabalho dessa natureza devem ser aprendidas através da prática. De acordo com o pensamento e experiência de Reason, assumidos neste trabalho, a pesquisa cooperativa pode ser desenvolvida segundo os passos descritos a seguir. a) Constituir o grupo que desenvolverá a pesquisa, em geral, por iniciativa de uma ou duas pessoas - os iniciadores - que têm uma idéia ou paixão por um projeto de pesquisa (Reason, 1988, p. 20). b) Identificar e explicitar o problema a ser solucionado ou assunto a ser explorado e compreendido que, em geral, se dá nos primeiros momentos da pesquisa pelos iniciadores. Esta etapa tem especial importância, pois um grupo será eficaz na pesquisa cooperativa se seus membros já estiverem à procura da solução de um problema atual na sua vida e trabalho.(reason, 1988, p. 22) c) Elaborar cooperativamente um modelo mais ou menos explícito de aplicação, tendo em vista diferentes estágios de ação e reflexão. Esse modelo pode partir de um esboço básico de agenda de trabalho apresentado pelos iniciadores, o qual deve ser objeto de discussão e sobre o qual deve haver uma consensualização por todo o grupo envolvido. Isso garantirá um movimento permanente e rigoroso entre ação na realidade e reflexão, pois a pesquisa cooperativa não é um processo desestruturado. Pelo contrário, exige uma organização coletiva e o desejo de trabalhar num empreendimento cooperativo, pois se não houver a possibilidade de realizar uma tarefa compartilhada de pesquisa, o grupo terá sido organizado numa base falsa e tornam-se remotas as possibilidades de cooperação. (Reason, 1988, p. 21) Por outro lado, deve-se ter a clareza que esse esboço não é rígido e imutável pois é um trabalho que vai sendo construído pelo grupo de pesquisa. d) Praticar o modelo pensado, registrando o que acontece, refletindo a partir do que vai surgindo e produzindo sentido com o grupo em relação a todo esse empreendimento.

4 4 O modelo praticado, definido cooperativamente pelos membros do grupo de pesquisa, depende do objeto de pesquisa. Por isso, especificamente no processo de avaliação de desempenho de professores do curso de Licenciatura em Química, o referido modelo constituiu-se num planejamento para desenvolver as seguintes ações: elaboração e aplicação de instrumentos com o objetivo de coletar depoi mentos dos alunos sobre o ensino que lhes era oferecido; análise de conteúdo desses depoimentos realizadas pelo grupo, com a construção de categorias, de textos descritivos e interpretativos; processo iluminativo das concepções - metodológica, pedagógica e epistemológica - presentes no trabalho dos professores envolvidos; identificação das dificuldades que não permitem o avanço do trabalho e das alternativas para sua superação. A reflexão sobre a ação docente de cada um dos professores envolvidos no projeto ocorreu a partir dos materiais produzidos, nas reuniões do grupo de pesquisa. Também a produção de sentido se deu após o período de aplicação do modelo executado. É o momento em que o grupo sistematiza suas aprendizagens, reunindo toda a experiência, geralmente em uma afirmativa coerente. Dependendo do movimento entre a ação e a reflexão a produção de sentido pode ocorrer várias vezes, em vários estágios, como se fossem ciclos. Um ciclo vai contribuir para o outro, caracterizando um processo de construção A seguir, esse modelo é representado na forma de um esquema.

5 5 A Pesquisa Cooperativa e a Avaliação do desempenho docente Os iniciadores constituem o grupo de pesquisa. No caso da avaliação do desempenho docente, o grupo de pesquisa é o grupo de professores do nível que está sendo analisado. Também podem ser incluídos representantes dos alunos. Identificam e explicitam o problema a ser solucionado ou o assunto a ser compreendido. Busca-se compreender o trabalho docente desenvolvido com base na percepção dos alunos Elaboram cooperativamente com o grupo um modelo de aplicação mais ou menos explícito. São construídos instrumentos de coletas de depoimentos dos alunos, de natureza qualitativa, e é elaborado um cronograma de aplicação e de análise do material pelo grupo. Praticam o modelo pensado, registrando o que acontece e refletindo a partir do que vai surgindo. São aplicados os instrumentos planejados e o grupo faz a análise de conteúdo desse material, ao longo de várias reuniões Produzem sentido com o grupo em relação a todo o empreendimento. Principalmente na forma de textos, o grupo expressa a compreensão e o conhecimento construídos da percepção dos alunos sobre o seu trabalho docente e os sentimentos sobre o trabalho realizado.

6 6 No modelo aqui proposto, considera-se como uma das etapas mais importantes a da análise dos depoimentos dos alunos, pois o material que é construído nesse processo constitui-se na base de sustentação do grupo cooperativo. A seguir apresenta-se um detalhamento na Análise de Conteúdo como uma alternativa para a pesquisa qualitativa que se considera adequada à avaliação do desempenho docente aqui descrita. Aspectos teóricos da Análise de Conteúdo Os procedimentos de análise de textos devem ser escolhidos de acordo com o paradigma adotado para interpretar a realidade. No caso da avaliação docente num grupo cooperativo devemos considerar também a caminhada dos participantes nessas metodologias de pesquisa. Por isso, optou-se inicialmente em proceder a Análise de Conteúdo com os professores pela flexibilidade dessa metodologia e pela menor dificuldade de sua aplicação com um grupo constituído, na sua maioria, de iniciantes nesses procedimentos. A análise de conteúdo é um processo pelo qual se pode compreender a realidade, através da interpretação de textos ou discursos que tenham vínculos com essa mesma realidade. Portanto, a análise de conteúdo é uma possibilidade científica de extrairmos o conteúdo, tanto o explícito como o latente, de textos, geralmente, escritos. Concordando com isso, Olabuenaga e Ispizua (1989) afirmam que a análise de conteúdo é uma técnica para ler e interpretar o conteúdo de documentos. Dizem ainda que a leitura como instrumento de busca de informação é a base da análise de conteúdo, leitura essa que deve se realizar de modo científico, ou seja de maneira sistemática, objetiva e válida, total e completa. Por isso, para ser científica deve-se chegar ao conteúdo latente do texto, não bastando captar o seu sentido manifesto. Como a Análise de Conteúdo vem sendo empregada desde o final do século passado, com uma evolução mais acentuada nos últimos cinqüenta anos, podem ser encontradas várias concepções e abordagens desta metodologia em função da percepção de vários autores. Em Bardin (1977) pode-se encontrar um histórico desta metodologia até os anos 60. Moraes (1994) faz um breve resumo, apontando as principais definições emitidas até os anos 90 para a Análise de Conteúdo e apresenta, na sua ótica, uma concepção atualizada, integrando os elementos constituintes dessas definições. A análise de conteúdo constitui-se de um conjunto de técnicas e instrumentos empregados na fase de análise e interpretação de dados de uma pesquisa, aplicando-se de modo especial, ao exame de documentos escritos, discursos, dados de comunicação e semelhantes, com a finalidade de uma leitura crítica e aprofundada, levando à descrição e interpretação destes materiais, assim como inferências sobre suas condições de produção e recepção (Moraes, 1944, p. 104). Os procedimentos empregados para a análise de conteúdo dependem dos objetivos da análise, do material que se tem para analisar e do contexto do qual foram extraídos os textos. Em geral, acontecem em três momentos: organização do material ou corpus que será alvo de estudo; análise do material, com destaque para a identificação de unidades de significado, categorização das unidades e elaboração de um texto descritivo; e, finalmente, a interpretação das informações descritas.

7 7 O esquema a seguir mostra de forma resumida as etapas da Análise de Conteúdo empregada na pesquisa.

8 8 A análise de conteúdo na avaliação do desempenho docente Organização do corpus de análise Análise do material Leitura e seleção do material Na avaliação do desempenho docente o material é constituído basicamente de depoimentos de alunos sobre o ensino que lhes é oferecido Identificação das unidades de significado e codificação São consideradas todas as expressões ou frases que têm em seu conteúdo um significado avaliativo dos agentes do processo ensino-aprendizagem. Categorização das unidades de significado Pela reunião das expressões e frases de conteúdos semelhantes são organizadas categorias. Em níveis distintos do curso podem surgir categorias diferentes. Organização de um texto descritivo Interpretação do material descrito Reunindo-se as unidades de significado de cada categoria e estabelecendo as relações lógicas correspondentes organizam-se textos descritivos da realidade estudada. Após a releitura dos depoimentos e dos textos descritivos, com base no conhecimento tácito e no conhecimento disponível, parte-se para a interpretação dos depoimentos dos alunos, considerando o explícito e tentando compreender também o não dito, o não lembrado.

9 9 A prática da pesquisa cooperativa na avaliação do desempenho docente Com as devidas adaptações e simplificações, o modelo descrito de pesquisa cooperativa apresenta-se como alternativa para promover a avaliação do desempenho docente, na medida em que o professor é, ao mesmo tempo, um co-pesquisador da sua prática e um sujeito da pesquisa, inserido num grupo com necessidades e intenções semelhantes. A avaliação do desempenho docente só tem sentido se conseguir proporcionar ao professor percepções claras de sua prática, tomadas de consciência das suas ações e do alcance disso na vida dos alunos e na sociedade, mudanças de atitudes relacionadas a prática que desenvolve e, resumindo, a qualificação técnica e política. Pedro Demo, quando trata da prática da qualidade, afirma que a qualidade formal do conhecimento e da educação, como meio, é um instrumento primordial de inovação e orienta-se pelo fim que é a qualidade política. Prática da qualidade refere-se, pois, à competência inovadora e humanizadora de um sujeito histórico, formalmente preparado. Manejar e produzir conhecimento é a força inovadora primordial, que decide, mais que outros fatores, cidadania e competitividade (1994, p. 47). Nessa perspectiva, de acordo com os princípios norteadores construídos pelo grupo de professores da Faculdade de Química, foram desenvolvidas atividades de avaliação do curso de Licenciatura em Química com a participação dos alunos. Foi elaborado um instrumento constituído pelas quatro questões apresentadas abaixo. 1. Descreva o ensino das disciplinas de Química deste semestre, destacando os aspectos positivos e negativos evidenciados. 2. Descreva a sua participação no processo ensino-aprendizagem nas disciplinas de Química cursadas neste semestre. 3. Descreva a sua relação com os demais segmentos da Faculdade de Química (Direção, Coordenações de departamento, Secretaria, Diretório Acadêmico, etc.) e a forma como estes segmentos têm influenciado na sua convivência universitária. 4. Apresente outras manifestações não contempladas nas questões anteriores ou apresente sugestões para a melhoria da ação educativa na Faculdade de Química. Pelas questões do instrumento proposto aos alunos, pode-se perceber porque a avaliação não é apenas do desempenho docente, mas envolve também os demais segmentos que constituem a Unidade Acadêmica. Por isso a avaliação também foi do desempenho discente e administrativo. Responderam ao instrumento noventa e cinco alunos dos oito níveis do curso de Licenciatura em Química. Após a digitação, os depoimentos foram analisados pelos professores distribuídos em quatro grupos, sendo cada grupo constituído pelos professores que atuavam em dois níveis do curso. As reuniões dos grupos de estudos tiveram uma média de freqüência de dezesseis professores, dos vinte e dois que atuavam nas disciplinas do curso. As reuniões ou encontros periódicos tiveram sempre objetivos claros, definidos pelo grupo. Entre eles estavam: ler os depoimentos, preferentemente digitados numa forma em que o texto se apresentasse claro e correto; identificar unidades que contivessem algum significado relevante na perspectiva da avaliação em processo; classificar as unidades de significado, categorizando-as; elaborar textos

10 10 descritivos; interpretar os textos produzidos a luz do conhecimento tácito e de conhecimentos disponíveis em livros e artigos relacionados à realidade estudada; perceber concepções relacionadas ao ensino desenvolvido; e, produzir sentido sobre todo o processo vivenciado pelo grupo. A experiência tem mostrado que é importante que os professores que integram o grupo compreendam, desde o início do trabalho, que nesta metodologia de pesquisa aplicada à avaliação de seu desempenho, eles são sujeitos do processo e, portanto, sua participação é necessária até mesmo para garantir a validade do trabalho. Nesse sentido, também é importante que os professores percebam-se num processo democrático e transparente, no qual todos tenham voz e vez. Cada professor deve, ainda, considerar que o objetivo maior deste trabalho é a busca da melhoria da qualidade da sua ação docente a partir do desvelar para si próprio da sua prática com a conseqüente superação das dificuldades e desconhecimentos percebidos. Nessa perspectiva, temos a convicção de que o professor não espera o resultado da avaliação para introduzir modificações e melhorias no seu trabalho, mas, pelo contrário, na medida em que ele vai se vendo avaliado no coletivo do grupo de pesquisa, sofre modificações e conseqüentemente muda e inova a sua ação docente, numa relação estreita entre prática e teoria. No modelo aqui proposto, considera-se como uma das etapas mais importantes a da análise dos depoimentos dos alunos, pois o material que é construído nesse processo constitui-se na base de sustentação do grupo cooperativo. A seguir apresenta-se um detalhamento da Análise de Conteúdo como uma alternativa para a pesquisa qualitativa que se considera adequada à avaliação do desempenho docente até aqui descrita. A Análise de Conteúdo aplicada à avaliação do desempenho docente Como já foi dito, a análise de conteúdo dos depoimentos dos alunos sobre o ensino que lhes é oferecido e sobre as demais condições circundantes é a base de sustentação de um grupo cooperativo de pesquisa constituído por professores, sujeitos e co-pesquisadores do processo dessa avaliação. Por isso o empenho na descrição dessa metodologia no presente texto. No âmbito da pesquisa cooperativa com a finalidade de avaliar o desempenho docente, a análise de conteúdo segue basicamente o esquema já apresentado. No entanto, parece necessário ainda destacar alguns aspectos que têm se revelado importantes em estudo piloto em desenvolvimento. Primeiramente, é necessário dispor de um auxiliar de pesquisa para digitar todos os depoimentos, codificando-os adequadamente. A partir desse material o grupo de professores do referido nível deve iniciar o processo de análise, unitarizando o texto, isto é transformando-o em unidades de significado. Esta atividade pode durar uma ou duas reuniões. Após, as unidades devem ser digitadas para os próximos encontros. Essa atividade fica facilidata quando os depoimentos já se encontram digitados na íntegra. Em alguns casos, a experiência de um grupo serviu para outros grupos em relação à constituição de categorias. Mesmo assim, nunca se descartou a possibilidade de permitir o surgimento de categorias novas em níveis distintos. Por exemplo, os alunos de níveis de final de curso referiram-se a temas

11 11 como estágios ou outros aspectos relacionados ao futuro exercício da profissão que ainda não tinham sido objeto de preocupação dos alunos dos primeiros níveis do curso. Após a categorização, os professores elaboraram um texto descritivo para cada categoria. Inicialmente, foram elaborados coletivamente os textos de uma ou duas categorias e após, dividiu-se a tarefa de construção dos textos relativos às demais categorias entre os participantes, para que fossem realizadas fora do horário das reuniões. Nas reuniões seguintes os textos foram lidos, discutidos e aperfeiçoados pelo grupo. Em seguida, a atividade do grupo cooperativo tinha por objetivo interpretar o conteúdo dos textos descritivos, tanto os aspectos explícitos como os implícitos. Este era um dos momentos mais importantes na perspectiva de promover mudanças no modo de pensar e no modo de agir dos professores. Era o momento do dar-se conta, em que pese já terem acontecido muitas constatações durante o processo de análise. Nesta etapa, o coordenador do grupo (o iniciador), enquanto mediador, apresentava ou sugeria aos co-pesquisadores textos para leitura, reflexão e discussão, com a intenção de contribuir para a expansão das percepções teóricas, proporcionando uma tomada de consciência das próprias concepções e, se for o caso, encaminhando para mudanças na forma de pensar e agir em relação ao trabalho docente. Mas, mais do que a melhoria da qualidade do ensino através das mudanças individuais, ocorre uma consolidação da equipe de professores como um grupo que busca sua identidade. Um olhar sobre os produtos o que os depoimentos dos alunos mostraram Um olhar sobre os produtos tem o sentido de rever os depoimentos dos alunos, os quais foram objeto de análise dos professores nos grupos de estudos. Também tem o sentido de resgatar esse trabalho, enquanto uma metodologia de avaliação do desempenho docente. Já foi dito que essa análise tinha por objetivo aprofundar o conhecimento dos professores envolvidos sobre a sua prática, tendo em vista a melhoria da qualidade do ensino a partir da ampliação da capacidade de reflexão e de crítica no coletivo dos professores. Destacamos a seguir o que foi possível identificar em termos dos posicionamentos dos alunos, tentando mostrar as suas potencialidades e possibilidades, enquanto objeto de conhecimento para os professores sobre o seu trabalho e sobre o contexto em que ele acontece. Os enunciados dos alunos permitiram identificar: - concepções de ensino e de aprendizagem dos alunos que está relacionada com as concepções dos professores sobre a sua prática docente; - posições sobre o conteúdo desenvolvido nas disciplinas; - o significado de participação para os alunos que está relacionado aos modos de participação permitidos ou incentivados pelos professores; - interesses, expectativas e necessidades dos alunos; - posições sobre a relação entre teoria e prática associadas às disciplinas do curso; - posições sobre a estrutura curricular, incluindo elogios, críticas e sugestões;

12 12 - dificuldades no gerenciamento do curso; - o entendimento dos alunos sobre um "bom professor"ou um "professor deficiente"; - posições dos alunos sobre as estratégias de ensino e o uso de recursos auxiliares pelos professores; - sentimentos dos alunos ou o modo como cada um se vê ou como vê os outros; - as preocupações dos alunos ao longo do curso; - posições dos alunos relacionadas à avaliação, relacionadas às concepções de avaliação dos professores ou ao modo como eles conduzem esse processo; - posições dos alunos sobre as atividades extraclasse, como monitorias, atividades de iniciação científica, pesquisas, oficinas de química, entre outras; - posições dos alunos sobre a infra-estrutura disponível na Instituição e o modo como a valorizam; - sentimentos em relação ao próprio processo de avaliação, comparando-o aos processos anteriores; A apresentação das possibilidades de análise dos depoimentos dos alunos contribui para o argumento de que o instrumento de coleta de informações empregado, os depoimentos obtidos em função desse instrumento e a análise de conteúdo realizada nos grupos de estudos mostraram-se adequados para ampliar o conhecimento dos professores e da Direção sobre o trabalho realizado no âmbito do curso. Por isso, podem constituir-se, respectivamente, como objeto e procedimento de reflexão, podendo contribuir para gerar mudanças importantes a curto, a médio e a longo prazo, principalmente, pelo desejo despertado nos participantes ao longo do processo. Um olhar sobre o processo o que foi o processo avaliativo para os professores envolvidos Um olhar sobre o processo tem o significado de uma visão panorâmica do processo avaliativo investigado. A análise de discurso das entrevistas com professores que participaram do processo avaliativo, identificando e interpretando o dito (o explícito) e o não dito (o implícito), evidenciou que: - participar de grupos é necessário para o desenvolvimento profissional; - agir, tomando parte das decisões, pode contribuir para o crescimento docente, mas é necessário participar das decisões com os outros; - foi importante aplicar uma metodologia para a análise dos depoimentos dos alunos e os professores destacam o fato de ter sido uma metodologia de análise qualitativa, pois possibilita compreender os depoimentos; - foi significativo refletir sobre a prática com os colegas; - o clima dos grupos era bom; - foi importante participar efetivamente do processo; - foi importante para o professor ver-se nos depoimentos; - foi positivo o acesso às teorias formalizadas para ajudar a interpretação; - foi possível ver que o fundamento do trabalho era a melhoria do professor; - houve o enfrentamento das dificuldades no grupo; - foi importante a mediação nos grupos de estudos; - crescer é estar aberto a novas idéias, a novas experiências; - crescer é rever as idealizações permanentemente;

13 13 - a busca da compreensão dos significados das ações do grupo é um fator de crescimento; - crescer é participar, discutindo e vendo-se na caminhada; - crescer é valorizar a participação de todos; - crescer é conhecer as partes do todo, é integrar; - as mudanças na sala de aula podem revelar mudanças das concepções sobre o ensinar e o aprender; - crescer pode ser permitir-se experimentar com os alunos; - estar consciente da sua incompletude pode ser um fator de crescimento para o professor; - as análises e as reflexões que ocorrem no coletivo dos professores podem trazer mudanças significativas; - a profissionalização do professor também se dá pela continuidade de seus estudos em níveis mais avançados, incluindo cursos de pós-graduação; - transitar de uma concepção de autonomia individualista para uma visão de autonomia do grupo pode representar um crescimento; - enfrentar as críticas reflexivamente no coletivo pode contribuir para a autonomia; - para a construção da autonomia é preciso conhecer o contexto; - a construção da autonomia dos alunos exige professores autônomos; - o desenvolvimento da autonomia requer espaço e ambiente para experimentar; - os alunos devem participar mais do processo, não apenas fornecendo depoimentos; - a escolha do melhor momento pode fornecer melhores informações sobre o desempenho do professor e das demais instâncias do curso; - a maior possibilidade de participar do processo de avaliação, tendo acesso a todos os seus produtos, pode ampliar o avanço dos professores e do curso; - envolver mais efetivamente os professores pode representar crescimento para o grupo; - os grupos de estudo menores podem ser mais produtivos; - a mudança e a melhoria da ação docente requer esforço e trabalho; - poucas informações podem tornar improdutivo o processo de avaliação; - é uma experiência que merece ser repetida num intervalo de tempo adequado; - ser avaliado não significa ser denunciado; - discutir no grupo faz a diferença; - para mudar é necessário perceber e compreender a realidade; Assim, esse olhar sobre o processo de avaliação docente traz evidências de que os professores entrevistados percebem positivamente essa experiência. Apesar de reconhecidos alguns limites e momentos de tensão, principalmente, no início do processo e dificuldades em relação à participação dos alunos, ao momento em que a avaliação foi realizada, às análises restritas ao nível em que o professor trabalha, à ausência ou falta de assiduidade de alguns professores, o tamanho de alguns grupos, ao trabalho e esforço que requer a proposta e à quantidade de informação que alguns grupos tinham para analisar é consenso que a avaliação seja repetida e que haja continuidade do processo.

14 14 Este desejo surge da possibilidade que os professores têm de participar do seu coletivo, formando grupos, agindo através da linguagem, tomando decisões junto com os demais colegas num clima propício ao entendimento, alcançando maior união do grupo de professores pelo estreitamento das relações. Essa participação está voltada a analisar o contexto de trabalho, em que cada participante pode ver-se retratado nos depoimentos dos alunos, pois a metodologia de análise adotada, a Análise de Conteúdo, torna isso possível, sendo complementada por leituras, as quais dão acesso às teorias formalizadas, principalmente, na área de Educação. Conhecer melhor o contexto de trabalho pode significar conhecer melhor os sentimentos e necessidades dos alunos nos diferentes níveis do curso e ter uma percepção mais integrada do curso. O processo de avaliação docente revela-se positivo aos professores entrevistados, também, porque propicia abertura a novas idéias e a novas experiências com os alunos que permitem uma revisão permanente e mudanças das idealizações e das crenças, através da busca de uma maior compreensão dos significados das ações pedagógicas, inclusive, em cursos de mestrado. O avanço em direção à autonomia e à emancipação, também é beneficiado, principalmente, enfrentando as críticas dos alunos no grupo dos professores e os riscos pertinentes às novas experiências empreendidas com os alunos. E, finalmente, o processo de avaliação teve a aceitação da comunidade acadêmica porque as críticas têm o real objetivo de contribuir para a transformação e melhoria, pelo caminho da reflexão. No entanto, temos a convicção de que o trabalho apresentado neste artigo pode ser, quem sabe, apenas uma ação desencadeadora de processos reflexivos, pois outros processos coletivos fazem-se necessários, e de modo continuado, em relação ao aprofundamento e otimização do conhecimento específico, à reorganização e implementação curricular, à reconstrução do projeto pedagógico, às questões relacionadas à avaliação, enfim, trata-se de um trabalho interminável. Esse pode ser apenas um modo de começar... Contribuições do processo desenvolvido para a avaliação institucional As análises feitas até aqui, geram a convicção de que qualquer processo que se pretende transformador necessita ser avaliado e acompanhado. O ensino que visa a mudança, a melhoria das capacidades e das habilidades e o desenvolvimento integral das pessoas, em especial em nível superior, necessita ser avaliado. Entendemos que a avaliação deve ser um processo que vai transformando à medida que se desenvolve, fundado numa racionalidade crítica ou prática, pois o processo avaliativo que antes exige produzir resultados para depois buscar transformações pode estar alicerçado numa racionalidade técnica, com ênfase na certeza e no êxito de um sujeito sobre alguém que é assumido como objeto. Nessa linha de pensamento, transformações efetivas em relação à qualidade das ações e, conseqüentemente, em relação ao desenvolvimento profissional como um todo, ocorrem em processos avaliativos que se dão no coletivo de seus membros. Por isso, é imprescindível a formação de grupos de estudos e de reflexão para que os professores, atuando como sujeitos intersubjetivos, possam ser constituídos.

15 15 Avaliações do desempenho docente em que os professores têm a possibilidade de ver-se e de ver a sua prática são transformadoras. Entretanto, falar sobre a prática docente não parece ser suficiente para que cada professor possa ver-se no processo. Acreditamos na necessidade de que cada professor veja a si próprio no espelhamento possível que os seus alunos podem oferecer. Portanto, os depoimentos dos alunos sobre ação dos professores, preferencialmente por escrito, podem exercer um papel importante como objeto de conhecimento num processo de avaliação que não tem apenas a função de conhecer, mas de transformar enquanto contribui para a reconstrução desse conhecimento. Para que o professor se veja nos depoimentos dos alunos, tomando consciência do que é dito e do que está implícito, é necessário ir além da leitura desse material. Pode exigir a análise do seu conteúdo no interior do grupo dos professores envolvidos no processo formativo mais amplo. Ao mesmo tempo em que são construídos os significados das falas dos alunos pelo grupo, vai sendo construído, coletivamente, um conhecimento acerca da ação docente, vão sendo identificadas as dificuldades, e a consciência sobre elas vai emergindo. E em todo esse processo vão sendo propostas alternativas de soluções ou de modos de interagir com essa realidade. A consciência do seu fazer e do seu pensar pode tornar cada um dos professores sujeito da sua ação docente, pois este passa a decidir apoiado em argumentos construídos ao longo do processo. E esse tornar-se sujeito pode contribuir para a emancipação dos professores, principalmente se esse processo de avaliação tiver continuidade, consolidando esse modo de ser e de pensar. Sintetizando, um processo reflexivo mediado em grupos de professores para a análise das suas ações, a partir do olhar dos alunos, e empregando uma metodologia para perceber adequadamente esse olhar, pode contribuir para a transformação e melhoria dessas ações e para a superação da racionalidade técnica, em direção a uma racionalidade crítica, vital para o desenvolvimento da autonomia e para os processos de emancipação. Entretanto, isso não pára por aí, pois para a melhoria da ação docente outros elementos são importantes. Isso pode representar somente o começo do processo. Por exemplo, um dos aspectos sempre levantados, quando se fala em qualidade do ensino, é o domínio do conteúdo específico pelo professor. Na avaliação desenvolvida, esse aspecto não foi tratado na sua especificidade. Ele apenas pode ter gerado consciência de que o professor não domina o conhecimento de que trata a disciplina e, por isso, pode ter sido um fator desencadeador para a busca de alternativas para esse problema. Novos processos coletivos são então necessários para cuidar de cada aspecto mais complexo, mais pessoal, mais específico, ainda que possam também ser trabalhados e solucionados no coletivo dos professores. Afirmamos que o processo avaliativo do desempenho de professores, objeto deste estudo, pode contribuir para a inserção de mudanças relacionadas à melhoria do ensino, à qualificação docente e ao desenvolvimento profissional dos professores, na medida em que sobre esse processo podem ser feitas as sínteses que seguem. O instrumento de coleta de informações empregado, os depoimentos obtidos em função desse instrumento e a análise realizada do seu conteúdo nos grupos de estudos mostram-se adequados para ampliar o conhecimento dos professores envolvidos sobre o trabalho, podendo, mesmo assim,

16 16 ser aperfeiçoados e adaptados a novas situações. Por isso, podem constituir-se, respectivamente, como objeto e procedimento de reflexão, vindo a contribuir para gerar mudanças importantes a curto, a médio e a longo prazo, principalmente, em função do desejo despertado nos participantes ao longo do processo. A ampliação do conhecimento sobre o contexto da sala de aula, incluindo nesse processo de construção a disponibilidade dos professores em ouvir as críticas e as dificuldades dos alunos e a possibilidade de equacionar as dificuldades evidenciadas através da pesquisa e de experimentações pelo professor, assumindo os possíveis riscos, pode proporcionar o desenvolvimento da autonomia desses professores e, por conseqüência, dos alunos. A participação dos professores em grupos organizados para analisar, para compreender, para refletir sobre as práticas docentes dos envolvidos, teorizando-as, pode contribuir para o desenvolvimento profissional desses professores, em função das mudanças que se desencadeiam no seu pensar e no seu fazer. Os grupos de estudos com o objetivo de reflexão sobre a ação, especificamente para a realização de avaliação docente cooperativa, tendem a ter um melhor funcionamento quando têm um início, um meio e um término previsto, a priori, pelos participantes. Caso os participantes decidam pela sua continuidade, poderão planejar nova etapa com início e término previstos. Nos grupos em que isso não ocorre têm sido observado o seu esvaziamento, o que não contribui para os processos reflexivos que exigem continuidade. O emprego de metodologias específicas para analisar essas práticas favorece uma compreensão relevante, uma reflexão produtiva sobre a prática e uma teorização transformadora. Analisar o conteúdo de um objeto concreto com estreita relação com a prática, como, por exemplo, os depoimentos escritos dos alunos, utilizando-se de uma metodologia específica, existente ou criada pelo grupo envolvido, implica um olhar mais consistente. Neste caso, os depoimentos dos alunos passam a constituir-se em atos de fala nas mãos dos professores porque agem, transformando, quando é analisada a prática, complexa por natureza. Por isso, esse processo é analítico-reflexivotransformador. Um ambiente sem ameaças externas, de tal modo que a única intenção de todos os envolvidos seja o desenvolvimento profissional com repercussões no processo ensino-aprendizagem, na forma de avanços e de melhorias, favorece a consolidação de um espaço de reflexão. Uma mediação capaz de promover e manter um bom clima de trabalho, implicando ações em que é possibilitado, a cada participante, poder ver-se no objeto de análise, em que é incentivada a ampliação das percepções teóricas dos envolvidos e em que é percebida a segurança do grupo em relação ao processo, pelo modo de lidar com as dificuldades e com os conflitos sempre presentes em ações coletivas nos grupos humanos, contribui para a reflexão sobre a ação e para a formação de professores críticos e reflexivos. Podem ser indicadores importantes de desenvolvimento profissional dos professores: a abertura para buscar novas idéias e para realizar novas experiências no seu fazer pedagógico com seus alunos; a abertura para revisar permanentemente as idealizações e as crenças com base na reflexão sobre as

17 17 experiências pessoais e na pesquisa em sala de aula para ampliar a compreensão dos significados dessas ações individuais e coletivas; a disponibilidade para a participação em atividades coletivas, porque acredita na importância e no papel da reflexão em grupo para o seu crescimento profissional; a ampliação da capacidade de análise das situações da ação pedagógica; a ampliação do esforço em perceber e conhecer mais o seu contexto de trabalho; a ampliação do interesse na melhoria das relações interpessoais dos sujeitos integrantes desse mundo do trabalho, envolvendo principalmente os outros professores, as pessoas que detêm cargos de chefia, os alunos e os funcionários; e a disponibilidade e coragem para buscar a ampliação das suas percepções teóricas no meio acadêmico, nas relações formalizadas, em cursos em nível de pós-graduação, tanto em áreas específicas do conhecimento como na área da educação. Finalmente, num processo de avaliação de desempenho de professores, mais importante do que resultados, produtos e relatórios é o processo, é a vivência, é a participação efetiva. Por isso, para o desenvolvimento profissional, mais importante do que receber um grau, uma nota, é ler o que os alunos pensam ou escutar o que os alunos dizem sobre a prática do professor e refletir em grupo sobre isso. É considerar a avaliação como acompanhamento reconstrutivo de um processo pedagógico. O risco da nota é a classificação e a excludência, enquanto que a possibilidade que representa um processo com características qualitativas é o crescimento. Considerações finais Com este artigo pretendemos apresentar uma alternativa para a avaliação do desempenho docente nas instituições de ensino superior e, ao mesmo tempo, submetê-la à discussão e à crítica. Temos a convicção de que os professores qualificam o seu trabalho em termos formais ou técnicos e em termos políticos, na medida em que são considerados co-investigadores de sua prática. A experiência tem mostrado que é importante que os professores sintam-se sujeitos do processo e que sua participação é necessária até mesmo para garantir a validade do trabalho. Nessa perspectiva, temos a convicção de que o professor não espera o resultado da avaliação para introduzir modificações e melhorias no seu trabalho, mas, pelo contrário, na medida em que vai sendo avaliado no coletivo do grupo de pesquisa, sofre modificações e conseqüentemente busca mudanças, procura alternativas e inova a sua ação docente, numa relação estreita entre prática e teoria. A melhoria da qualidade técnica advém do auto-questionamento do professor quando define objetivos de ensino, decide sobre os conteúdos que julga relevantes, escolhe recursos mais adequados, age com um pensamento voltado continuamente para o aperfeiçoamento desse agir e avalia rendimentos e desempenhos com base na necessidade, no interesse e no desejo dos seus alunos. A melhoria da qualidade política dos professores é conseqüência de uma maior informação sobre si mesmo, sobre seu trabalho e sobre o contexto, implicando em agentes mais eficazes de transformação da sociedade maior, pois, sendo a maior consciência do tipo de racionalidade que direciona suas próprias pressuposições, torna-os capazes de ver diferentes possibilidades de sociedade e diferentes e melhores modos de vida, além de contribuirem decisivamente para isso.

18 18 Os produtos das ações desenvolvidas nesta investigação auxiliam na consolidação dos argumentos de que a participação dos professores em grupos organizados para analisar, compreender, refletir e teorizar as suas práticas docentes contribui para o desenvolvimento profissional. O emprego de metodologias específicas para analisar essas práticas favorece uma compreensão relevante, uma reflexão produtiva sobre a prática e uma teorização transformadora. Material concreto de análise, como os depoimentos dos alunos, constituem-se em instrumentos de transformação nas mãos dos professores quando analisam a sua prática, complexa por natureza. A existência de um material concreto deste tipo parece ser elemento importante para que o processo avaliativo possa ser realizado de forma produtiva. Referências Bibliográficas BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, DEMO, Pedro. Educação e Qualidade. Campinas: Papirus, GRILLO, Marlene Correro. Qualidade no ensino superior: um referencial pedagógico de professores. Porto Alegre: Tese de Doutorado, Faculdade de Educação/PUCRS, KRIPPENDORFF, K. Metodologia de análisis de contenido: teoria e prática. Barcelona: Ediciones Paidós, LINCOLN, Yvonna, GUBA, Egon G. Naturalistic Inquiry. Beverly Hills: Sage, MARSHALL, Judi. Making sense as a personal process. In: REASON, Peter, ROWAN, John. Human Inquiry Chichester: John Wiley & Sons, MORAES, Roque. Análise de Conteúdo:limites e possibilidades.in:engers, Maria Emilia A.(org.).Paradigmas e metodologias de pesquisa em educação.porto Alegre:EDIPUCRS, NAVARRO, Pablo, DÍAZ, Capitolina. Análisis de contenido. In: DELGADO, J. M., GUTIERRES, J. Métodos y técnicas cualitativas de investigación en ciencias sociales. Madrid: Sintesis, OLABUENAGA, Jose I. Ruiz, ISPIZUA, Maria Antonia. La descodificación de la vida cotidiana: metodos de investigación cualitativa. Bilbao: Universidad de Deusto, RAMOS, M.G.(1999). Avaliação do desempenho docente numa perspectiva qualitativa: contribuições para o desenvolvimento profissional de professores no ensino superior. Porto Alegre: Doctoral thesis, Faculty of Education/PUCRS. REASON, Peter. Human Inquiry in action. London: Sage, REASON, Peter, ROWAN, John. Human Inquiry : a sourcebook of new paradigm research. Chichester: John Wiley & Sons, 1981.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1

AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1 AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1 A avaliação da escola é um processo pelo qual os especialistas (diretor, coordenador pedagógico) e os professores

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO PAIXÃO LINHARES 1, MARÍLIA e MACEDO REIS 2, ERNESTO 1 Laboratório de Ciências Físicas, UENF 2 Coordenação de Física, CEFET-Campos Palavras

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 UMA ANÁLISE DA PERSPECTIVA DOS GRADUANDOS DO CURSO DE MATEMÁTICA DAS MODALIDADES DE LICENCIATURA E BACHARELADO DA UFRN SOBRE A FORMAÇÃO CONTINUADA STRICTO SENSU Claudianny Noronha Amorim Universidade Federal

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Administração 5ª Série Administração de Recursos Humanos I A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

O ESTUDO DE FUNÇÕES DO PRIMEIRO GRAU POR MEIO DA ANÁLISE DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA NO ENSINO FUNDAMENTAL

O ESTUDO DE FUNÇÕES DO PRIMEIRO GRAU POR MEIO DA ANÁLISE DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA NO ENSINO FUNDAMENTAL O ESTUDO DE FUNÇÕES DO PRIMEIRO GRAU POR MEIO DA ANÁLISE DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA NO ENSINO FUNDAMENTAL Ana Paula Rebello Pontifícia Universidade do Rio Grande do Sul - PUCRS prof.anapaula@ibest.com.br

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT

INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT Luciano Feliciano de Lima Universidade Estadual de Goiás lucianoebenezer@yahoo.com.br Resumo: Esse minicurso tem por objetivo evidenciar possibilidades

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA Jeferson Luiz Appel Dar-se-ia mais significação aos conteúdos conceituais a serem aprendidos pelos alunos pela necessidade de esses adquirirem um novo conhecimento

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO 1 O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO Bruna Riboldi 1 Jaqueline Zanchin Josiane Melo Ketelin Oliveira Natália Moré Paula T. Pinto Nilda Stecanela2 Samanta Wessel3 Resumo Este artigo tem por

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO*

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* Maria Benedita Lima Pardo Tatiana Cardoso Andrade Ilka Thiziane Teixeira

Leia mais

ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS

ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS Gabriela Rodrigues A expressão é correntemente utilizada nas Ciências Sociais, particularmente entre a Antropologia e a Sociologia, e refere-se a um conjunto de técnicas de

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 1.325 de 18 de maio de 2004, publicada no DOU em 20 de maio de 2004. Diretor da Faculdade: Elita Grosch Maba Diretor

Leia mais

O Trabalho Coletivo na Escola

O Trabalho Coletivo na Escola O Trabalho Coletivo na Escola Profa. Dra. Myrtes Alonso 1. A gestão da escola: uma relação pedagógico-administrativa Antes de ingressarmos propriamente no tema enunciado, devemos ter bem claro os modernos

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO.

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. Alessandra Ramos Barbosa Joseane Ataíde de Jesus RESUMO Reconstruir o aprender requer mudanças

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço de formação de cidadãos conscientes, responsáveis e

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Londrina.

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PEDROTTI, Ana Paula Floss²; GRASSI, Marília Guedes²; FERREIRA, Marilise²; MOREIRA, Nathana Coelho²; NOAL,

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas.

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas. 1 AÇÕES E ATIVIDADES FORMATIVAS: UM ESTUDO SOBRE PROCESSOS DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES LONGAREZI, Andréa Maturano UNIUBE GT-08: Formação de Professores Agência Financiadora: PAPE e UNIUBE O presente

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA Vera Lúcia de Brito Barbos Mestranda em Educação Lúcia de Araújo R. Martins UFRN 1. INTRODUÇÃO Podemos considerar que estamos atravessando um dos maiores

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL Regina Lúcia Maciel De Sousa RESUMO As constantes mudanças econômicas e sociais configuram um novo cenário de valorização

Leia mais

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 2014 Dados da Instituição FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM Código: 508 Faculdade privada sem fins lucrativos Estado: Minas Gerais

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais