UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO Fernanda Silva de Sousa Rio de Janeiro

2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ORIENTADORA: Ana Cristina Guimarães Rio de Janeiro

3 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo o estudo da problemática ligada a Avaliação do Desempenho. Encontra-se estruturado em várias temáticas, tais como: a Gestão por Competências, a Remuneração,os Métodos de Avaliação de Cargos e Salários, a Responsabilidade pela Avaliação do Desempenho, entre outros. O assunto em estudo passou por uma análise descritiva através da realização de pesquisas, na qual se preocupou saber se os funcionários e a chefia seguem os requisitos de uma avaliação de desempenho e em que nível as organizações garantem condições pessoais e materiais de trabalho capazes de influenciar o nível de desempenho, de motivação e consequentemente de produtividade dos funcionários. Para a maioria dos funcionários, a existência desses fatores exerce muita influência e motivação no trabalho, daí serem necessárias regras e procedimentos em matéria de desempenho. Palavras-chaves: Avaliação, Desempenho, Competência, Motivação. 3

4 METODOLOGIA A metodologia adotada neste trabalho foram vários livros acadêmicos e artigos especializados. Através do vários livros consultados procurou-se encontrar uma maneira de sintetizá-los numa obra que tivesse o caráter de objetividade e riqueza de dados, que pudessem ajudar no entendimento da avaliação do desempenho do indivíduo através da sua atividade produtiva nas organizações. 4

5 SUMÁRIO Introdução Capítulo 1 Avaliação do Desempenho Gestão por Competências Competências Organizacionais Competências Individuais Modelos de Gestão por Competência Remuneração Métodos de Avaliação de Cargos e Salários Vantagens e Desvantagens da Remuneração Fixa e Variável Capítulo 2 Responsabilidade pela Avaliação do Desempenho Métodos Tradicionais de Avaliação do Desempenho Avaliações 360 Graus Avaliação Participativa por Objetivos (APPO) Capítulo 3 Aplicações e Propósitos da Avaliação do Desempenho A importância da Estruturação de Cargos na Avaliação do Desempenho Conclusão

6 INTRODUÇÃO Ao longo do tempo, a gestão de pessoas foi se preocupando com as atividades, habilidades e conhecimentos dos funcionários e direcionando as pessoas a contribuir para o sucesso do empreendimento e para aumentar o nível de satisfação das pessoas. O tema Avaliação do Desempenho refere-se ao processo que serve para julgar ou estimar o valor, a excelência e as qualidades de uma pessoa e sua contribuição para o desenvolvimento da organização. Conforme Chiavenato a avaliação do desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho de cada pessoa, em função das atividades que ela desempenha, das metas e resultados a serem alcançados e do seu potencial de desenvolvimento. Quando se refere a gestão por competências ela pode ser dividida em competências organizacionais e individuais com foco nos objetivos e nas etapas para implementação. Além disso, os métodos de avaliação de cargos e salários, os planos de remuneração e as vantagens e desvantagens da remuneração fixa e variável desempenham indicadores relacionados tanto ao resultado do trabalho como ao comportamento ou processo utilizado para alcançá-lo. Remunerar as pessoas pelos resultados alcançados significa recompensar financeiramente todos os colaboradores ligados diretamente aos objetivos da empresa como a obtenção de lucro. A avaliação do desempenho visa melhorar a performance dos funcionários, entretanto, ela consegue ser mais efetiva nos níveis operacionais. Consequentemente existem vários instrumentos de avaliação, porém deve-se escolher aquele que apresenta a melhor proposta tanto na inovação do processo quanto nos conceitos, a fim de atender as expectativas tanto da empresa quanto do funcionário. 6

7 Cabe a organização lembrar que a estruturação de cargos é fundamental para a avaliação do desempenho. Contudo, os cargos não são estáveis nem estáticos ou definitivos, estão em constante evolução para se adaptarem às contínuas transformações que envolvem a organização. Tema Avaliação do Desempenho Humano. Título Mensuração do Desempenho Humano nas Organizações. Problemática É possível avaliar o desempenho do indivíduo através da sua atividade produtiva nas organizações? Justificativa A avaliação do desempenho é um tema constante e corriqueiro em nossas vidas particulares. E nas organizações não é diferente, é necessário avaliar desempenhos distintos como técnico, financeiro, operacional, individual dos funcionários. Segundo Chiavenato (2005, p.223) a avaliação do desempenho é o processo que mede o desempenho do funcionário. O desempenho do funcionário é o grau em que ele alcança os requisitos do seu trabalho. Sendo assim avaliação do desempenho é um aspecto fundamental para que a organização seja bem sucedida. Objetivo Geral Destacar uma apreciação sistemática do desempenho de cada pessoa, em função das atividades que elas desempenham. Objetivo Específico Esclarecer como a mensuração dos resultados pode ser alcançada por meio do potencial e desenvolvimento de cada pessoa. 7

8 Ressaltar fatores condicionantes que influencia de forma poderosa pessoas e situações dentro da organização. Hipótese A avaliação deve cobrir não somente o desempenho dentro do cargo ocupado, como também o alcance de metas e objetivos. A avaliação deve concentrar-se numa análise objetiva do desempenho. Sendo assim a avaliação do desempenho deve ser utilizada para melhorar a produtividade do indivíduo dentro da organização. Delimitação O estudo da pesquisa será pautado em livros acadêmicos e artigos especializados. 8

9 CAPÍTULO 1 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO Para Chiavenato (2004, p.223) o tema avaliação do desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho de cada pessoa, em função das atividades que ela desempenha, das metas e resultados a serem alcançados e do seu potencial de desenvolvimento. A ênfase da avaliação do desempenho está em um questionário que contém as principais competências de uma empresa e os itens pelas quais as pessoas serão avaliadas. A meta principal da avaliação do desempenho é medir o desempenho do colaborador no exercício de seu cargo em um período de tempo determinado. Nota-se que avaliação do desempenho ao longo do século XX, passou por vários processos de transformações. Evoluiu de um modelo de avaliação de mão única onde o chefe avaliava os pontos fortes e fracos do seu subordinado para diversos modelos, como a avaliação bilateral onde o chefe e o subordinado discutem juntos o desempenho do subordinado, e atualmente, a avaliação 360 Graus, visa a utilização de vários formas, ou seja, a avaliação do empregado por clientes, pares, chefe e subordinados. Para várias empresas avaliar significa amarrar a performance individual com seus objetivos que estão focados na lucratividade, qualidade de produtos e serviços, satisfação dos clientes e funcionários e habilidade para manter pessoas-chave na organização. 9

10 Conforme Chiavenato (2004, p.223) existem seis questões essenciais na avaliação do desempenho: 1- Por que avaliar o desempenho? 2- Qual o desempenho que deve ser avaliado? 3- Como avaliar o desempenho? 4- Quem deve fazer a avaliação do desempenho? 5- Quando avaliar o desempenho? 6- Como comunicar a avaliação do desempenho? A avaliação do desempenho é um processo que ajudar ou estimar o valor, a excelência e as qualidades de uma pessoa e sua contribuição para o desenvolvimento da organização. Deve-se proporciona um julgamento sistemático para fundamentar aumentos salariais,promoções, transferências e muitas vezes, demissões de funcionários. (BERNARDES,2009,p.165). Portanto, a avaliação do desempenho antes de tudo deve servir para informar ao funcionário sobre o seu desempenho, sugerindo mudanças em seu comportamento e permitindo que o subordinado esteja ciente do que seu chefe pensa a seu respeito. Isto significa que a avaliação de desempenho contribui não só para o crescimento profissional como também para sua carreira Gestão por Competências Cessa tudo o que a Musa antiga canta. Que outro valor mais alto se levanta. Luís de Camões Rabaglio (2008,p.102), afirma que a Gestão por Competências serve para fornecer todas as ferramentas necessárias para organizar os Recursos Humanos, tendo o perfil certo no lugar certo e investir no desenvolvimento de competências necessárias para atingir os resultados esperados de cada colaborador. 10

11 A Gestão por Competências está relacionada com atitudes revelam o alto desempenho específico ao longo de uma carreira profissional ou no contexto de uma organização. Uma Gestão por Competências requer os seguintes subsistemas: Mapeamento do Perfil de Competências Organizacionais. Mapeamento e Mensuração do Perfil de Competências de Cargos e Funções. Seleção por Competências. Avaliação por Competências. Treinamento e Desenvolvimento de Competências. Avaliação de Eficácia das Competências a serem desenvolvidas. Remuneração por Competências. Gestão por Competências trata-se de uma prática estratégica que tem como objetivo melhorar o desempenho global da organização por meio do incentivo do desempenho individual dos funcionários.(vilas BOAS e ANDRADE, 2009,p.183) Competências Organizacionais É evidente que são os funcionários os grandes influenciadores do desempenho de uma organização. É a competência de cada funcionário aliada a outros recursos empresariais que dará sustentação à competência organizacional. Uma Gestão por Competências ajuda a organização a identificar o potencial do funcionário e possibilita recompensá-lo com elementos para a motivação e incentivá-lo a criatividade. 11

12 As Competências Organizacionais têm como indicadores: missão, visão, valores, estratégias, princípios, filosofias, objetivos etc. Ao longo do tempo, com as várias mudanças ocorridas, as organizações perceberam que para se colocar no mercado deveriam aliar os recursos na forma de conhecimentos, habilidades, tecnologias, sistemas físicos, gerenciais e valores que uma organização possui. Com isso, fica difícil que os seus concorrentes imitem suas competências. Esses recursos são únicos da empresa e geram valor distintivo percebido pelos clientes. De acordo com Vilas Boas e Andrade ( 2009, p. 184) em outra perspectiva, pode ser trabalhar com quatro tipos de competências: Diferenciais Está relacionada com a missão da empresa. É ela que estabelece a vantagem competitiva e também auxiliam a empresa a alcançar seus resultados. Essenciais É a que deve ser percebida pelos clientes e é a mais importante para o sucesso do negócio. Básicas Tem que ser percebidas no ambiente interno e são as necessárias para manter a organização funcionando. Terceirizáveis Não estão ligadas a atividade-fim da organização e podem ser repassadas a outras pessoas com maior competências. Segundo Zarifian (1996,p.85) sustenta que não se deve desconsiderar a dimensão da equipe no processo produtivo e sugere que uma competência pode ser atribuída tanto a um indivíduo quanto a um grupo de trabalho Competências Individuais As Competências Individuais não se limita a estoque de conhecimentos teóricos e empíricos detido pelo indivíduo e sim pelas características que o funcionário deve possuir para ajudar a organização a atingir seus objetivos. 12

13 Falar em competências individuais é falar no conjunto de conhecimentos, habilidades, atitudes do indivíduo quando envolve um diferencial competitivo para a empresa. Atualmente, entre as empresas é comum ouvir falar em CHA para designar o conjunto dos conhecimentos, habilidades e atitudes. Analisando as três características durante o desempenho de um profissional elas irão mostrar os impactos negativos e positivos para a organização, conforme ilustra a figura 1: De acordo com VILAS BOAS, do ponto de vista operacional, a competência é a capacidade de atingir os resultados desejados, no menor tempo e com a menor utilização de recursos, que podem ser de qualquer tipo: financeiros, humanos, ambientais etc. enquanto que do ponto de Autores como Vilas Boas (2009,p.179), do ponto de vista operacional, a competência é a capacidade de atingir os resultados desejados, no menor tempo e com a menor utilização de recursos, que podem ser de qualquer tipo: financeiros, humanos, ambientais etc. enquanto quedo ponto de vista humano, a competência ganha outra avaliação, que considera variáveis sobre as quais 13

14 podemos ter ingerência direta através de investimentos pessoais,em conhecimento, habilidade e atitude. Com isso, o significado de competência fica atrelado aos verbos como: Saber agir Mobilizar recursos Integrar saberes múltiplo Saber comunicar Saber aprender Saber engajar-se e comprometer-se Saber assumir responsabilidades Ter visão estratégica As exigências da área de competências individuais, hoje, são grandes e desafiadoras, mas devem ter a preocupação de proporcionar aos funcionários, uma avaliação mais humanizada, com foco em resultados positivos tanto para as organizações quanto para os funcionários Modelos de Gestão por Competência A Gestão por Competência é uma das áreas que mais tem sofrido mudanças e transformações nestes últimos anos. Ela surge como um programa que se instala nas organizações e obedece a uma sequência de passos. O objetivo central deste programa é adaptar os diversos modelos às necessidades de cada organização. No entanto, a tendência que hoje se verifica é que em muitos casos, os programas são transformados em softwares de avaliação e gestão, com a finalidade de facilitar a coleta dos dados e posteriormente sua análise, oferecendo feedback constante para os gestores e funcionários. A base dos modelos de gestão por competências está nos atributos das competências. Os atributos, composto de quatro fatores 14

15 interconectados, mostram que não adianta o indivíduo ter conhecimento, habilidade e senso de oportunidade se ele não tiver vontade de agir e de usar as suas competências.(vilas BOAS e ANDRADE, 2009,P.191). 1- ter conhecimento, know-how e expertises; 2- ter habilidade de aplicação; 3- ter senso de oportunidade e saber agir na hora certa; 4- ter vontade de agir e de empreender. Um programa de Gestão por Competência deve conter ferramentas que trazem com clareza e objetividade o perfil de competências de cada cargo e as ferramentas para identificar a compatibilidade entre o perfil do cargo e o candidato. No entanto, os colaboradores que já fazem parte da empresa devem usar o perfil de cargos para manter as competências compatíveis e melhorar as que devam ser melhoradas em prol da empresa. Cada empresa monta o seu modelo de competência de acordo com suas necessidades, entretanto, a grande maioria prioriza alguns itens como: Capacidade empreendedora Capacidade de trabalhar sob pressão Comunicação Criatividade Cultura da qualidade Dinamismo, iniciativa Flexibilidade Liderança Motivação energia para o trabalho Negociação Organização Planejamento Relacionamento interpessoal Tomada de decisão 15

16 Visão sistêmica Espírito de equipe Contudo, existem no mercado métodos que inventam competências sem qualquer base, apresentando itens que são questionáveis, sem nenhum fundamento. São feitos exclusivamente para vender software Remuneração 1- Dar prêmio, compensação, gratificação a. 2- Pagar salários, honorários, rendas, etc. Mini Aurélio (2000) De início, é importante esclarecer que, quando falamos em Remuneração, estamos adotando sua definição mais amplamente utilizada, que pode ser resumida: Remuneração do Funcionário é ao mesmo tempo a consequência e o elemento principal do contrato individual que o liga à empresa, contrapartida ao trabalho prestado, além de representar parte importante dos custos de produção. Ao longo das várias mudanças ocorridas, as estruturas das organizações passaram a gerenciar o sistema de remuneração focando no estudo e na análise de cargos e salários, dando destaque especial à remuneração fixa e à remuneração variável, juntando os benefícios e serviços que as organizações disponibilizam aos seus funcionários. Preliminarmente, é importante destacar a repercussão dessas novas formas de composto salarial, por trazerem forte representação de todas as formas de pagamento ou de benefícios que os funcionários recebem. Porém, é necessário informar que a presente remuneração é recebida em troca do desempenho das tarefas organizacionais. 16

17 Enquanto que na remuneração fixa o salário é composto do salário mensal ou salário por hora. Já na remuneração variável irá englobar os incentivos salariais como por exemplo os benefícios, a participação nos lucros e resultados, os bônus. Valer dizer que o gestor deve estruturar um plano de remuneração de acordo com a realidade da empresa e do mercado que atua no mesmo segmento. Assim, na grande maioria das empresas o principal componente da remuneração total é a remuneração básica. Observa-se, por exemplo, que a remuneração básica é representada pelo salário, mensal ou horário. No entanto, a remuneração total engloba também os incentivos salariais e os benefícios. Segundo Chiavenato ( 2004, p. 262 a 264) existem nove critérios que são fundamentais para a construção de um plano de remuneração são eles: 1- Equilíbrio interno versus equilíbrio externo 2- Remuneração fixa ou remuneração variável 3- Desempenho ou tempo de casa 4- Remuneração do cargo ou remuneração da pessoa 5- Igualitarismo ou elitismo 6- Remuneração abaixo do mercado ou acima do mercado 7- Prêmios monetários ou prêmios não-monetários 8- Remuneração aberta ou remuneração confidencial 9- Centralização ou descentralização das decisões salariais Pois bem, observando os conceitos de remuneração, denota-se como é complicado o assunto que consiste em inúmeros fatores. Vale lembrar que existe uma variedade de políticas e procedimentos de remuneração. Outrossim, é certo que a construção do plano de remuneração 17

18 exige cuidados indispensáveis pois causa forte impacto nas pessoas e nas organizações Métodos de Avaliação de Cargos e Salários Inicialmente é necessário o entendimento do analista de cargos e salários no que diz respeito a definição ou redefinição da estrutura salarial da organização. Para elaborar um bom manual de cargos o analista deve se certificar de que os cargos estão bem definidos e estruturados. Uma descrição de cargos envolve a descrição sumária dos cargos e específica em detalhe cada cargo e tem como fundamento a ideia de cada cargo dentro da empresa. Lembramos que o texto da descrição de cargo deve ser sucinto, em estilo claro e fácil de ler. Hoje, a empresa de consultoria lança os dados em um software ou programa de cargos e salários ou cria planilhas para determinar o salário do novo funcionário. Antigamente, esse trabalho era feito manualmente e seguiam alguns métodos de cargos e salários. Os mais simples eram o escalonamento simples e o método das categorias predeterminadas. Para Chiavenato (1999,p.235) o: Escalonamento Simples (job ranking) consiste em dispor os cargos em um rol crescente ou decrescente em relação a um determinado critério escolhido que funciona como padrão de comparação entre os diferentes cargos. Método das Categorias Predeterminadas ( job classification) requer a divisão e separação dos cargos em categorias predeterminadas como, por exemplo, cargos mensalistas e horistas ou não-qualificados, qualificados e especializados. Depois se aplica o método do escalonamento simples a cada uma das categorias. 18

19 No plano global o método de escalonamento compara um cargo com outros cargos. Enquanto, que o método por fatores (Factor Comparison) é uma técnica analítica pela qual os cargos são avaliados e comparados através de fatores de avaliação de cargos. Segundo Eugene Benge o método de comparação por fatores exige uma sequência de etapas: 1- Informação a respeito dos cargos 2- Escolha dos fatores de avaliação que se utiliza de cinco fatores de avaliação: Requisitos mentais Requisitos físicos Habilidades requeridas Responsabilidade Condições de trabalho 3- Seleção dos cargos de referência 4- Avaliação dos cargos de referência 5- Distribuição de pesos salariais para os fatores de avaliação 6- Construção da escala de comparação de cargos 7- Utilização da escala de comparação de cargos (e fatores) Dentre os vários métodos apresentados, existe um que merece destaque é o método de avaliação por pontos ou métodos de avaliação por fatores e pontos (point rating) desenvolvido por Merrill Lott e hoje o mais usado no mundo todo. É utilizado de forma analítica através da comparação entre fatores de avaliação com valores em pontos. Entretanto, também utiliza a técnica quantitativa, onde são atribuídos valores numéricos para cada item de um cargo, obtendo um valor total através da soma de cada cargo. Este método se baseia nas seguintes etapas: 1- Elaboração das descrições e análises dos cargos a serem avaliados 2- Escolha dos fatores de avaliação 3- Definição dos fatores de avaliação 19

20 4- Graduação dos fatores de avaliação 5- Ponderação dos fatores de avaliação 6- Atribuição de pontos aos graus dos fatores de avaliação No entanto, todos estes itens servem mais como um caminho do que como uma regra de fato. Já que as empresas de consultoria fazem os seus softwares incluindo a gestão salarial em seus programas Vantagens e Desvantagens da Remuneração Fixa e Variável Nos dias de hoje, a remuneração fixa ainda impera na maioria das organizações. Contudo, ela não consegue mais motivar e incentivar as pessoas. Por esta razão, a remuneração variável surge como um incentivador motivacional. Porém, o gestor de pessoas deve lembrar que muitas organizações ainda resistem em mudar. Isto faz com que o gestor de pessoas ainda leve em consideração as vantagens e desvantagens de uma remuneração fixa. Para Chiavenato(2004,p.236) existem os prós e contra de uma remuneração fixa: Prós Facilita o equilíbrio interno (consistência dos salários dentro da organização) e o equilíbrio externo (consistência dos salários da organização com os do mercado) Homogeneíza e padroniza os salários dentro da organização Facilita a administração dos salários e o seu controle centralizado Permite uma base lógica e racional para a distribuição dos salários 20

21 Focaliza a execução das tarefas e a busca da eficiência Afeta diretamente os custos fixos da organização Contras Não apresenta motivação intrínseca: funciona apenas fator higiênico Não incentiva o espírito empreendedor, nem a aceitação de riscos e responsabilidades Funciona como elemento de conservação da rotina e do status quo Remunera as pessoas em função do tempo disponibilizado e não pelo desempenho ou pelo alcance de metas ou resultados Ao longo dos anos, a remuneração variável se orientou pela busca de mais flexibilidade e personalização, levando em conta, respectivamente, a situação e os resultados da empresa, de pessoas ou grupos. Remunerar as pessoas pelos resultados alcançados significa recompensar financeiramente todos os colaboradores ligados diretamente aos objetivos da empresa como a obtenção de lucro. Nesse contexto, pode-se dizer que existem vários formas de remuneração variável como por exemplo a Remuneração por Habilidades, por Competências, a Participação Acionária e nos Lucros, por Resultados. O objetivo da remuneração variável é fazer de qualquer funcionário um aliado e um parceiro nos negócios da empresa. O que se sabe é que cada forma ou tipo de remuneração variável apresenta suas vantagens e desvantagens. Conforme Vilas Boas as vantagens são: Possibilita a adequação dos dispêndios com pessoal à capacidade de pagamento da organização; Força a revisão dos objetivos, metas e indicadores de desempenho adotados; Favorece a definição clara de prioridades estratégicas; 21

22 Pode favorecer a percepção pelos funcionários de que a remuneração recebida é justa. Por outro lado, apresenta algumas desvantagens: A variação da renda pode ser tornar um problema para o empregado; A gestão do sistema de remuneração é mais complexa e exige dos responsáveis um cuidado especial; A legislação trabalhista incorpora algumas definições que podem trazer problemas jurídicos. 22

23 CAPÍTULO 2 RESPONSABILIDADE PELA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO Definir o responsável pela avaliação do desempenho não é tarefa fácil. A avaliação é um processo periódico e contínuo e, ao mesmo tempo, deve proporcionar aos funcionários e seus chefes e gerentes informações suficientes que os ajudem no processo evolutivo das condições de trabalho. Na maioria das vezes, as pessoas não fazem o que se espera delas ou até não superam expectativas porque não há troca de idéias e concordância de conceitos entre o funcionário e seu gerente. Na realidade, a avaliação do desempenho é um instrumento preciso que mostra as pessoas o reconhecimento, aponta os bons profissionais e identifica aqueles com maior necessidade de desenvolvimento, já que, o principal interessado na avaliação do desempenho é o próprio funcionário. Entretanto, existem vários instrumentos de avaliação, porém deve-se escolher aquele que apresenta a melhor proposta tanto na inovação do processo quanto nos conceitos, a fim de atender as expectativas tanto da empresa quanto do funcionário. Portanto, por inúmeras razões, a responsabilidade pela avaliação do desempenho pode ser: a- Da comissão de avaliação: é atribuída a uma comissão especialmente designada para realizar a avaliação de desempenho. Trata-se de uma avaliação coletiva feita um grupo de pessoas direta ou indiretamente 23

24 interessado no desempenho dos funcionários. A comissão é formada por membros permanentes e estáveis ( como o presidente) e transitórios ( como o gerente de cada funcionário avaliado e seu respectivo superior). b- Da autoavaliação do desempenho: cada pessoa se avalia permanentemente quanto à sua performance, eficiência e eficácia, com base em determinados parâmetros fornecidos pelo superior ou pela tarefa. c- Do indivíduo e do gerente: sabe-se que o maior interessado na avaliação do desempenho é o próprio funcionário. Por esse motivo, a aproximação das duas partes é essencial. O envolvimento do indivíduo e do gerente funciona como uma ponte onde o gerente fornece elemento de guia e orientação para que o funcionário avalie o seu próprio desempenho em função da retroação fornecida pelo gerente. d- Do gerente: em diversas empresas, cabe ao gerente a responsabilidade pelo desempeno de seus subordinados, pelo acompanhamento de sua avaliação e comunicação dos resultados. O gerente dispõe da assessoria do RH para que estabeleça os meios e os critérios para a avaliação. e- Da equipe de trabalho: é a própria equipe de trabalho que avalia o seu desempenho e estabelecem caminhos necessários para atingir melhores resultados. Dessa forma, o comprometimento e a conscientização é o que irá produzir resultados satisfatórios para todos da equipe. f- Da avaliação de 360 graus: esse modelo de avaliação é feita por todos os elementos que possuem alguma ligação com o avaliado: chefe, colegas e pares, subordinados, clientes internos e externos, fornecedores. A avaliação é realizada por grupos de cargos num universo de 360 graus, de forma que ao final dela praticamente toda a empresa participa do processo. g- Da avaliação de baixo para cima: agora, a avaliação é feita ao contrário, é o subordinado que irá avaliar o seu gerente. O subordinado avalia os recursos disponibilizados pelo gerente para alcançar os objetivos e como ele poderia facilitar a eficácia da equipe e ajudar a melhorar os seus resultados. Nesse tipo de avaliação é o subordinado que sugere o plano de auto desenvolvimento, que será submetido a seu superior imediato. 24

25 h- Do próprio departamento de gestão de pessoas: esse departamento traz para a si toda a responsabilidade pela avaliação de todas as pessoas da empresa. Geralmente, é feita a avaliação através de um sofware que por conseqüência irá uniformizar e padronizar toda a avaliação, pois permite, a partir da análise dos dados que os funcionários melhorem sua performance Métodos Tradicionais de Avaliação do Desempenho Atualmente o jogo competitivo em um mercado globalizado e cada vez mais exigente é ganho pelo diferencial das pessoas. É essencial que as empresas conheçam seus talentos, a fim de que possam alcançar um padrão de excelência. Por isso, há uma infinidade de métodos para avaliar o desempenho humano. Por esse motivo, algumas empresas constroem seus próprios sistemas de avaliação definindo os atributos de cada cargo de acordo com o pessoal. Existem métodos conservadores e tradicionais de avaliação de desempenho, entretanto os métodos mais utilizados são os tradicionais como: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, incidentes críticos e listas de verificação. Escalas Gráficas: adota um método baseado em uma tabela de dupla entrada: as linhas representam os itens de avaliação como o bom senso, facilidade de aprender, pontualidade, conhecimento do negócio, assiduidade e relacionamento com os colegas e superiores. Enquanto, que as colunas representam os graus de avaliação de cada fator que variam de A a E ou 1 a 5, por exemplo. Escolha Forçada: como o próprio nome diz força o avaliador a escolher dentre um bloco de frases uma ou duas frases em cada bloco. Através desse método é avaliado o desempenho de cada funcionário mostrando os pontos fortes e fracos, permitindo que as medidas de correção sejam tomadas em cada caso. Pesquisa de Campo: dentre todos os métodos este é o mais completo de avaliação de desempenho. Os avaliadores passam por entrevista com 25

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

Administração de Empresas. Indicadores de Desempenho

Administração de Empresas. Indicadores de Desempenho Administração de Empresas Indicadores de Desempenho Controle Administrativo Principio de Eficiência e Eficácia Indicadores de Desempenho Efetividade Os indicadores de desempenho são fundamentais por mensurar

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Palavras-chave: startups, gerenciamento de pessoas em projetos, processos do PMBOK.

Palavras-chave: startups, gerenciamento de pessoas em projetos, processos do PMBOK. PMBOK NA GESTÃO DE RH EM STARTUPS AUTORES Elaine Cristhina Castela Oyamada Henrique Spyra Gubert Juliana da Costa e Silva Juliana Theodoro de Carvalho Leitão Ricardo Takeshita ORIENTADOR Fábio Judice CURSO

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

Apresentação para a implantação da Avaliação de Desempenho

Apresentação para a implantação da Avaliação de Desempenho SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS Data: 22de março de 2012 Local: CEFOR Vila Mariana Apresentação para a implantação da Avaliação de Desempenho Maria Aparecida Novaes Rita

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Avaliação de Desempenho Gestão de Pessoas

Avaliação de Desempenho Gestão de Pessoas Avaliação de Desempenho Gestão de Pessoas O que Medir? Resultado (quais os resultados concretos e finais que se pretende alcançar dentro de um certo período de tempo). Desempenho (qual o comportamento

Leia mais

Processos de Recursos Humanos

Processos de Recursos Humanos Gestão Integrada RH Recursos Humanos Unida 2 Rosemeri da Silva Paixão Recursos Humanos 28 Gestão Integrada RH Sumário Introdução... 30 Objetivos... 31 Estrutura da Unida... 31 UNIDADE 2: Recursos Humanos

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor OBJETIVO: A Gestão de Pessoas vem passando por inúmeras transformações nestes últimos anos.

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management Profº Walter Lerner lernerwl@terra.com.br Filme 7 CONTEXTUALIZAÇÃO da ADM e do Administrador

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Introdução. Uma forma comum de estabelecimento de metas usada nas organizações é a Administração por Objetivos - APO

Introdução. Uma forma comum de estabelecimento de metas usada nas organizações é a Administração por Objetivos - APO ADMINISTRAÇÃO POR OBJETIVOS 1 Introdução Uma forma comum de estabelecimento de metas usada nas organizações é a Administração por Objetivos - APO Este processo é uma tentativa de alinhar metas pessoais

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

Rita/João Abril -2014

Rita/João Abril -2014 Rita/João Abril -2014 Conteúdo Programático (Qui)10/04 Estratégia de gerenciamento de pessoas com foco em resultado e gestão por competências Rita (Qui)17/04 - Conceitos de liderança, equipes eficazes,

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

Escola de Engenharia

Escola de Engenharia Unidade Universitária: Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Gestão em Recursos Humanos Professor(es): Roberto Pallesi Carga horária: 4hs/aula por semana Escola de Engenharia DRT: 1140127 Código da

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

A importância do RH estratégico para as empresas familiares. Sheila Madrid Saad

A importância do RH estratégico para as empresas familiares. Sheila Madrid Saad A importância do RH estratégico para as empresas familiares Sheila Madrid Saad Anos 30... Pagadoria Registros e controles Enfoque jurídico FOCO NA MANUTENÇÃO DA LEGALIDADE Anos 50... Pagadoria Registros

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

As Organizações e o Processo de Inclusão

As Organizações e o Processo de Inclusão As Organizações e o Processo de Inclusão Introdução Não há nada permanente, exceto a mudança. Heráclito, filósofo grego (544-483 a.c.). Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas. Alvin

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br www.grupovalure.com.br Estes são alguns dos grandes desafios da atualidade no mundo profissional e o nosso objetivo é contribuir

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI

O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI 1 O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI 2 INTRODUÇÃO O FATOR HUMANO E OS FATORES QUE IMPACTAM PROCESSOS EM PROJETOS DE TI Mudança de paradigma: humano é o ponto central fator humano Processos Normas Normas

Leia mais

1.1- Existem seis questões fundamentais na avaliação do desempenho:

1.1- Existem seis questões fundamentais na avaliação do desempenho: CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA - TURMA 5- ADN-1 CURSO : ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DE RH PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMAS: 5-ADN-1 I- AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO A avaliação do desempenho é

Leia mais