Diagnóstico do Turismo de Aventura no Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagnóstico do Turismo de Aventura no Brasil"

Transcrição

1 Diagnóstico do Turismo de Aventura no Brasil Fevereiro de 2007

2 Realização

3 Aos dinossauros, sempre

4 Qual é o horizonte das empresas de turismo de aventura? Elas continuam investindo? Param, fecham. Qual o horizonte? Elas não têm. Não se sabe se daqui a dez anos, mantendo a estrutura natural, se você vai ter turista ou não vai ter...

5 Objetivos principais Descrever o TA do ponto de vista conceitual Configurar o processo de desenvolvimento do TA Identificar os principais atores ligados ao TA Caracterizar a estrutura de demanda e de oferta Configurar 15 destinos eleitos pela ABETA Configurar as atividades selecionadas pela ABETA Estimar movimentações (número de prestadores de serviços, faturamento, pessoal envolvido)

6 Design metodológico Estudo exploratório, de caráter qualitativo seguido de estudo descritivo, de caráter quantitativo: Levantamentos de dados secundários Entrevistas telefônicas gravadas com precursores do TA (12) Entrevistas pessoais gravadas com empresários e poder público nos 15 destinos (151) Entrevistas telefônicas e eletrônicas com especialistas sobre as 24 atividades (25) Pesquisa eletrônica com 400 empresários dos destinos (retorno de 57) Trabalhos realizados entre maio e novembro de 2006

7 Destinos pesquisados

8 Atividades de aventura pesquisadas Terra Ar Água Arvorismo Bungee Jump Cachoeirismo Caminhada e caminhada de longo curso Canionismo Cavalgada Cicloturismo Escalada Espeleoturismo Observação da vida selvagem Rapel Tirolesa Turismo fora de estrada em Bugue Turismo fora de estrada em veículos 4X4 Balonismo Paraquedismo Vôo livre Bóia-cross Caiaque e canoagem Flutuação Kitesurfe Mergulho Rafting Windsurfe

9 Cenário da investigação Demanda Oferta

10 Estimativas de movimentação do TA no Brasil Itens analisados Fórmula Valores Prestadores de serviços de TA localizados na pesquisa nos 15 destinos [A] 505 Prestadores de serviços de TA localizados em outros destinos [B] 651 Total de prestadores de serviços de TA localizados [C] Total de destinos identificados pelo Mtur [D] 48 Tempo médio de atuação dos prestadores de serviços nos 15 destinos pesquisados e na pesquisa eletrônica (anos) Número médio de prestadores de serviços de TA nos 15 destinos [E=A/15] 34 Estimativa de prestadores de serviços de TA no Brasil [F=E*D] Número médio de funcionários por prestador de serviço de TA [G] 5 Estimativa de funcionários de prestadores de serviços de TA no Brasil [H=F*G ] Estimativa de pessoas envolvidas com TA em altas temporadas [I=H*3] Número de sócios dos prestadores de serviços de TA nos 15 destinos (moda) [J] 2 Estimativa de empreendedores envolvidos com TA no Brasil [K=J*C] Estimativa de pessoas envolvidas no TA em períodos normais (func+empreendedores) Estimativa de pessoas envolvidas no TA em alta temporada (func+empreendedores) [L=K+H] [M=K+I ]

11 Estimativas de movimentação do TA no Brasil Itens analisados Fórmula Valores Número médio de clientes atendidos/ano por prestador de serviços de TA nos 15 destinos e na pesquis a eletrônica [N] [N] Estimativa de clientes atendidos por ano no Brasil [O=N*F] Estimativa de clientes atendidos por ano em cada destino [P=O/48] Estimativa de ticket médio em TA R$ 100 Estimativa de faturamento com TA no Brasil por ano [R=O*P] R$ Estimativa de faturamento médio por prestador de serviço de TA no Brasil [S=R/F] R$ O conjunto de empresas com atividades relacionadas ao turismo ocupou, em média, seis pessoas por empresa, resultado determinado principalmente pelo segmento de alimentação (média de cinco pessoas ocupadas por empresa). A receita operacional líquida média por empresa foi de R$ 216 mil, com destaque para os segmentos de transporte aéreo (R$ 64,4 milhões) e aquaviário (R$ 41,7 milhões), bem acima da média. (Agência Sebrae, 01 fev 2007)

12 Características dos segmentos de empresários de TA do Brasil Características identificadas Proporção do total de empresários de TA Segmentos de Empresários Pelotão de Elite Ascendentes Empreseiros (empresáriosaventureiros) Oportunistas No máximo 5% No máximo 10% Cerca de 60% Cerca de 25% Visão do TA Éum negócio Éuma alternativa de se realizar fazendo o que gosta Foco Finanças Rentabilidade de longo prazo Estão ganhando dinheiro com o TA, mas alguns já ganharam mais Fonte: Entrevistas nos pólos (análise qualitativa) Rentabilidade de médio prazo, permanência no mercado Estão ganhando algum dinheiro com TA, mas não o que esperavam Falta de visão empresarial, sobrevivência de curto prazo Éuma alternativa de se ganhar um dinheiro - curto prazo Nenhuma visão empresarial, ganhar hoje Não estão ganhando dinheiro com TA, ou estão ganhando pouco

13 Características dos segmentos de empresários de TA do Brasil Características identificadas Pelotão de Elite Ascendentes Empreseiros (empresáriosaventureiros) Profissionalização Segmentos de Empresários Alto grau de profissionalização em gestão e técnica, tanto dos empreendedores quanto da equipe Algum grau de profissionalização em gestão e técníca, tanto empreendedores quanto da equipe, mas falta capital para maiores investimentos Algum grau de profissionalização técnica em geral, baixa qualificação em gestão Legalidade Formalização do negócio Negócios formais e informais Contratação de funcionários Praticamente todos registrados ou formalmente contratados Fonte: Entrevistas nos pólos (análise qualitativa) Poucos registrados e contratação de prestadores de serviços em épocas de pico Contratação de prestadores de serviços em todas as épocas Oportunistas Baixo grau de profissionalização em geral, às vezes conhecimento da prática apenas Ilegalidade total da empresa Sem funcionários

14 Características dos segmentos de empresários de TA do Brasil Características identificadas Visão da preservação do meio ambiente Investimentos em práticas sustentáveis Segmentos de Empresários Pelotão de Elite Ascendentes Empreseiros (empresáriosaventureiros) Percepção clara de que o futuro do negócio depende da preservação Elevados e constantes Alguma percepção de que o futuro do negócio depende da preservação do meio ambiente Pequenos por limitações de caixa, não culturais Percepção e preocupação com meio ambiente, mas sem tornar isso uma diretriz empresarial Inexistentes ou simbólicos, falta capital Oportunistas Pouca ou nenhuma percepção quanto às questões ambientais Nenhum Práticas de segurança e qualidade De vanguarda, investimentos constantes em equipamentos Fonte: Entrevistas nos pólos (análise qualitativa) Adoção de práticas de segurança, investimentos em equipamentos, mas falta capital para realizar mais Confiança em si mesmo, com adoção de algumas práticas de segurança, investimentos em equipamentos, mas falta capital para realizar mais Desconsideração de práticas de segurança, baixos investimentos em equipamentos, falta interesse para tal

15 Características dos segmentos de empresários de TA do Brasil Características identificadas Relação com poder público Segmentos de Empresários Pelotão de Elite Ascendentes Empreseiros (empresáriosaventureiros) Oportunistas Fortes críticas à atuação do poder público (excesso de burocracia, morosidade, falta de planejamento, falta de investimentos em infraestrutura). na maioria dos casos, não em todos Não pode ser diferente porque o poder público não ajuda Fonte: Entrevistas nos pólos (análise qualitativa)

16 Características dos segmentos de empresários de TA do Brasil Características identificadas Ações de marketing Estratégia para competir Segmentos de Empresários Pelotão de Elite Ascendentes Empreseiros (empresáriosaventureiros) Investimentos em marketing a partir de um posicionamento bem definido, foco na atratividade do produto diferenciação Competição por qualidade superior Fonte: Entrevistas nos pólos (análise qualitativa) Ações de marketing estruturadas para atrair clientes, com diversificação de oferta, mesmo que comprometa o posicionamento, foco no concorrente (fazer o que o outro faz) nivelamento da oferta Competição por qualidade e novas ofertas Ações de marketing caseiras, para atrair clientes, com diversificação de oferta, sem definição de posicionamento, foco no concorrente (fazer o que o outro faz) nivelamento da oferta Competição por preço e qualidade, com novas ofertas Oportunistas Marketing de vale tudo para conquistar um cliente Competição por preço, sem qualidade

17 Características dos segmentos de empresários de TA do Brasil Características identificadas Inovação Atitude próativa, recursos disponíveis Visão de si em relação à concorrência Segmentos de Empresários Pelotão de Elite Ascendentes Empreseiros (empresáriosaventureiros) Percepção de superioridade em relação aos demais grupos de empresários do setor Buscam na inovação uma forma de ganhar a concorrência, mas faltam recursos Percepção de similaridade de oferta e da necessidade de se tornar igual somos iguais Tentam inovar, desde que não envolva aumento de custo Lutar é a alternativa para não perder o mercado para os informais. Aos olhos do cliente, todos somos iguais Oportunistas Seguidores O que vier é lucro Fonte: Entrevistas nos pólos (análise qualitativa)

18 Características dos segmentos de empresários de TA do Brasil Características identificadas Percepção sobre ambiente competitivo Segmentos de Empresários Pelotão de Elite Ascendentes Empreseiros (empresáriosaventureiros) Percepção de um cenário hipercompetitivo em alguns serviços: mais enfoque no número de prestadores do que na informalidade Percepção de um cenário hipercompetitivo em alguns serviços: enfoque no número de prestadores e na informalidade Queixas quanto á competição por preços sem qualidade Oportunistas Percepção de um cenário hipercompetitivo em alguns serviços: enfoque no número de prestadores e na informalidade Preço é arma para competir Fonte: Entrevistas nos pólos (análise qualitativa)

19 Características dos segmentos de empresários de TA do Brasil Características identificadas Percepção sobre demanda Expectativas quanto à normalização e certificação Segmentos de Empresários Pelotão de Elite Ascendentes Empreseiros (empresáriosaventureiros) Queixas quanto ao decréscimo na demanda, em alguns casos Altamente positiva, já se sentem na frente Muitas queixas quanto ao decréscimo na demanda. Insegurança Altamente positiva, uma oportunidade de diferenciação Muitas queixas quanto ao decréscimo na demanda. Negócio ameaçado Positivas, mas receiam pelos investimentos necessários Oportunistas Muitas queixas quanto ao decréscimo na demanda Positivas, não se sentem ameaçados Fonte: Entrevistas nos pólos (análise qualitativa)

20 Turismo de Aventura Identidade Imagem Demanda Oferta Orientação Número de clientes/perfil Poder aquisitivo Interesse Conhecimento Atratividade (valores) Experiência Atratividade/ desejabilidade da oferta Design do produto Conhecimento Ética Segurança Qualidade Exeqüibilidade Preço Gestão Capacidade de exploração da oferta Comunicação Linguagem Meios Ambiente amplo Equip turísticos Infra-estrutura de apoio Entrega Ambiente (local de prática) Qualidade percebida do produto/serviço Entregador

21 Identidade e imagem (atual) Falta de identidade Baixa atratividade Modismos Competição com outros segmentos turísticos Imagem maculada por baixa qualidade, acidentes e perfil do praticante Falta de compromisso com sustentabilidade social, econômica e de meio ambiente, por parte da maioria Falta de organização do segmento, desarticulação do empresariado, fragilizando-o nas suas demandas e na relação com demais segmentos

22 Demanda (atual) Número de clientes/perfil Decréscimo do número de clientes na maioria dos destinos e em várias atividades Poder aquisitivo Clientes desejam a aventura, mas não podem comprá-la, porque o pacote como um todo está inacessível a grande parte da população Interesse Falta informação e posicionamento que gerem interesse. Baixa percepção de valor nos serviços de TA Falta percepção de conexão do TA com valores e estilo de vida A falta de experiência, a experimentação negativa e os relatos de experiências pouco prazerosas inibem a taxa de repetição

23 Atratividade da oferta (atual) Design do produto Falta formatação orientada para o cliente Nivelamento da oferta, falta de diferenciação e de integração entre produtos A segurança é negligenciada por falta de normas e fiscalização A qualidade perde a guerra para o preço, pois o cliente não aprendeu a distingui-los nem é estimulado a fazê-lo, levando a um nivelamento por baixo A exeqüibilidade está em função do ofertante e não do cliente Preço A pressão da concorrência leva a uma guerra de preços que penaliza as margens e compromete a sustentabilidade dos negócios, dados os volumes decrescentes

24 Capacidade de exploração da oferta (atual) Comunicação Ambiente amplo Entrega Linguagem diversificada A internet é um grande meio de comunicação (faca de dois gumes) Faltam materiais integrados a outros segmentos turísticos, falta integração dentro dos pólos, entre os pólos e entre as atividades Precariedade Ineficiência do poder público Ambientes (locais de prática) sem infra-estrutura, principalmente nas Unidades de Conservação. Poucos atrativos estão realmente equipados para a experiência que o cliente almeja Qualidade percebida do produto/serviço tida como ruim pelos próprios ofertantes Baixo grau de profissionalização (empresariado e equipes) Informalidade empresarial

25 Questões para reflexão Ao que parece, mesmo com investimentos em treinamento e certificação, o TA não se configurará como um negócio viável para a maioria dos atuais ofertantes. Se não houver um enorme esforço de ampliação da demanda, o programa de qualificação elitizará o segmento e poderá, inclusive, reduzir os volumes, por conta dos investimentos que impactarão nos preços e assim por diante.

26 Questões para reflexão As expectativas em relação ao programa são muito positivas: todos os entrevistados acham necessário e oportuno normalizar e certificar. Entretanto, eles sempre fazem menção a um outro que não poderá atender às exigências, ao mal prestador de serviços. Na sua visão, ele próprio está agindo corretamente, esforçando-se por melhorar, tentando sobreviver.

27 Questões para reflexão Dessa forma, estamos diante de uma questão: se todos desejam o programa de normalização e certificação, considerando que o mesmo vai excluir alguém, quem serão os excluídos? Será que os empresários não percebem que eles mesmos poderão ser os excluídos, se mantiverem a atual forma de operação? Que visão estes empresários têm de si mesmos, para considerarem que o mal está no outro? Quem é o outro afinal?

28 Questões para reflexão Qual seria a força necessária a uma associação de empresários para reverter este quadro? Seria isso possível sem uma efetiva atuação do poder público, incluindo-se aí questões de infra-estrutura básica em vários pólos. Será que a prática de divulgar um destino e torná-lo desejável num curto prazo não seria exatamente a decretação de sua saturação precoce?

29 Questões para reflexão Na visão dos empresários e do próprio poder público, quase sempre o seu pólo está perdendo porque outro está ganhando. Os turistas estão preferindo outro lugar. Que lugar preferido seria esse? O que o faz ser preferido, se em todos os pólos nos deparamos com a mesma queixa?

30 Questões para reflexão Finalizando, o que seria informalidade no setor? Não ter a empresa registrada é a resposta comum. Os informais são aqueles profissionais que tocam a atividade sem recolher os devidos impostos. Mas e aqueles que registram a empresa e não registram os funcionários? Poderiam esses reclamar da informalidade do setor? Se houvesse ampla formalização do segmento, quais seriam as condições de sustentabilidade dos negócios, a não ser para o pelotão de elite? Ou quem sabe nem para esse grupo, já que ele depende da cadeia e esta tem muitos elos informais?

Gestão dos Pequenos Negócios

Gestão dos Pequenos Negócios Gestão dos Pequenos Negócios x Rangel Miranda Gerente Regional do Sebrae Porto Velho, RO, 20 de outubro de 2015 A Conjuntura Atual Queda na produção industrial Desemprego Alta dos juros Restrição ao crédito

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Abril/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Março/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Abril/2015. O mês de março mostrou mais uma queda no faturamento dos

Leia mais

Secretária de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal

Secretária de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal Secretária de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal Subsecretaria de Pequenas Empresas A Subsecretaria é uma unidade orgânica subordinada ao Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico e

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor.

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor. 5 Conclusão Este estudo teve como objetivo a análise dos diversos fatores que influenciam tanto de maneira positiva quanto negativa no exercício do papel dos gerentes e também dos elementos que facilitam

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

Empreenda! 8ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 8ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 8ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo 20

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais

Rodobens é destaque no website Infomoney

Rodobens é destaque no website Infomoney Rodobens é destaque no website Infomoney Por: Conrado Mazzoni Cruz 19/04/07-09h55 InfoMoney SÃO PAULO - Atualmente, falar sobre o mercado imobiliário brasileiro é entrar na discussão sobre um possível

Leia mais

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização.

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização. Roteiro de Apoio Análise da Sustentabilidade Institucional Antonio Luiz de Paula e Silva alpsilva@fonte.org.br 1 O presente documento apresenta uma série de perguntas para ajudar no levantamento de dados

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

Assessoria de Imprensa. Oficina de Comunicação Apex-Brasil. O papel estratégico da Assessoria de Imprensa

Assessoria de Imprensa. Oficina de Comunicação Apex-Brasil. O papel estratégico da Assessoria de Imprensa Assessoria de Imprensa Oficina de Comunicação Apex-Brasil O papel estratégico da Assessoria de Imprensa Relacionamento com a Mídia - Demonstrar o papel das entidades como fonte; - Cultivar postura de credibilidade;

Leia mais

Levantamento Qualitativo e Quantitativo

Levantamento Qualitativo e Quantitativo Estabelecer ações conjuntas no sentido de enfrentar os desafios e potencializar as muitas oportunidades existentes para o desenvolvimento do setor artesanal, gerando oportunidades de trabalho e renda,

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.918

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.918 1 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.918 A REGIÃO TURÍSTICA DO ALTO CAFEZAL: DISCUSSÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DA PRÁTICA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 TURISMO DE AVENTURA: ANÁLISES E QUESTIONAMENTOS SOBRE O PROCESSO DE CRIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

DICIONÁRIO DO EMPREENDEDOR. Tenha na ponta da língua os termos que não podem faltar no vocabulário de quem almeja alcançar o sucesso ESPECIAL

DICIONÁRIO DO EMPREENDEDOR. Tenha na ponta da língua os termos que não podem faltar no vocabulário de quem almeja alcançar o sucesso ESPECIAL DICIONÁRIO DO EMPREENDEDOR DICIONÁRIO DO EMPREENDEDOR Tenha na ponta da língua os termos que não podem faltar no vocabulário de quem almeja alcançar o sucesso 54 TEXTO MARIA BEATRIZ VACCARI ARTE IVAN VOLPE

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO

PLANO DE CAPACITAÇÃO PLANO DE CAPACITAÇÃO FASE 1-2012 SOLUÇÕES CRONOGRAMA SUSTENTABILIDADE DEZEMBRO GESTÃO FINANCEIRA SETEMBRO A NOVEMBRO GESTÃO DE PESSOAS NOVEMBRO A DEZEMBRO INDICADORES DE GESTÃO E DESEMPENHO EMPRESARIAL

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

PROJETO TENDÊNCIAS. Relatório Parcial Pesquisa de Mercado Etapa Quantitativa

PROJETO TENDÊNCIAS. Relatório Parcial Pesquisa de Mercado Etapa Quantitativa PROJETO TENDÊNCIAS Relatório Parcial Pesquisa de Mercado Etapa Quantitativa Preparado por Ibope Inteligência Para Associação de Marketing Promocional Maio/2009 Introdução Objetivos: Investigar o mercado

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.919

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.919 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.919 OS PRINCIPIOS DE GESTÃO E PLANIFICAÇÃO DE PRÁTICAS TURISTICAS LIGADAS AO SEGMENTO DE

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe O guia do profissional de Recursos Humanos Como melhorar o desenvolvimento da equipe 1 Introdução 03 Conhecendo as dores do seu time 05 Investir nos colaboradores! 08 Estabelecendo metas 11 A meditação

Leia mais

Cálidon Costa. calidoncosta@gmail.com

Cálidon Costa. calidoncosta@gmail.com Cálidon Costa calidoncosta@gmail.com ÁGUA TURISMO DE AVENTURA SEGURANÇA NO TURISMO DE AVENTURA POSSIBILIDADES E OPORTUNIDADES NO TURISMO DE AVENTURA ÁGUA AS ÁGUAS PODEM AJUDAR A FUNDAMENTAR NOSSA CULTURA

Leia mais

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado FACÇÃO TECIDO PLANO 1 - Introdução Nesta apresentação o empreendedor encontra indicações dos conhecimentos que aumentam e melhoram suas chances de sucesso, desde a identificação da oportunidade, riscos

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

RELATÓRIO MESA DEVOLVER DESIGN (EXTENSÃO) Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa pronta)

RELATÓRIO MESA DEVOLVER DESIGN (EXTENSÃO) Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa pronta) 1ª RODADA RELAÇÃO PRÁTICA E TEORIA Pouca teoria, muitas oficinas Matérias não suprem as necessidades de um designer Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa

Leia mais

Impacto da BOA Gestão Financeira sobre o Resultado Empresarial. UMA VISÃO PANORÂMICA 2014 Prof. José Carlos Abreu

Impacto da BOA Gestão Financeira sobre o Resultado Empresarial. UMA VISÃO PANORÂMICA 2014 Prof. José Carlos Abreu Impacto da BOA Gestão Financeira sobre o Resultado Empresarial UMA VISÃO PANORÂMICA 2014 Prof. José Carlos Abreu O Cenário - Pesquisa do SEBRAE - Pesquisas das grandes CONSULTORIAS nos USA e em diversos

Leia mais

A Área de Marketing no Brasil

A Área de Marketing no Brasil A Área de Marketing no Brasil Relatório consolidado das etapas qualitativa e quantitativa Job 701/08 Fevereiro/ 2009 Background e Objetivos A ABMN Associação Brasileira de Marketing & Negócios deseja

Leia mais

Sua hora chegou Dê um grande salto REGULAMENTO

Sua hora chegou Dê um grande salto REGULAMENTO Sua hora chegou Dê um grande salto REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo (plano de negócios) James McGuire 2014 Prêmio de Empreendedorismo (plano de negócios) James McGuire 2014 Regulamento - Estudantes

Leia mais

10.1. Estratégias para desenvolvimento de novos produtos

10.1. Estratégias para desenvolvimento de novos produtos Módulo 10. Planejamento de novos produtos Uma economia sofrendo as conseqüências de um mercado globalizado, onde a concorrência não dorme nem perdoa atrasos ou percalços. Esta é o macro ambiente onde estão

Leia mais

Roteiro do Plano de Negócio

Roteiro do Plano de Negócio Roteiro do Plano de Negócio 1. Componentes do Plano de Negócios a) Resumo Executivo b) A organização Visão estratégica/modelo de negócio c) Análise de mercado d) Planejamento de marketing - produto ou

Leia mais

Administração Estratégica

Administração Estratégica introdução Administração Estratégica 2. OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO A administração estratégica envolve três níveis de análise: O Macroambiente da empresa. O Setor que a empresa opera.

Leia mais

PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO

PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO PESQUISA RESPONDENTES 1065 executivos (as) PERÍODO De 02 a 17 (Novembro de 2009) CEOs Diretores UNs Diretores Funcionais QUESTIONÁRIO

Leia mais

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s Marketing Básico Capítulo II O Composto de Marketing Os 4 P s O Produto Podemos definir produto como sendo o ator principal da relação de troca, onde o mesmo deve resultar como amplamente satisfatório

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

ASPECTOS E IMPACTOS DO TURISMO DE AVENTURA RAFTING. FELIPE DECOL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CAXIAS DO SUL RS BRASIL felipedecol@hotmail.

ASPECTOS E IMPACTOS DO TURISMO DE AVENTURA RAFTING. FELIPE DECOL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CAXIAS DO SUL RS BRASIL felipedecol@hotmail. ASPECTOS E IMPACTOS DO TURISMO DE AVENTURA RAFTING INTRODUÇÃO FELIPE DECOL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CAXIAS DO SUL RS BRASIL felipedecol@hotmail.com As atividades turísticas praticadas na natureza

Leia mais

Consultoria e Marketing COMO TORNAR O TREINAMENTO UMA FERRAMENTA DE LUCRATIVIDADE

Consultoria e Marketing COMO TORNAR O TREINAMENTO UMA FERRAMENTA DE LUCRATIVIDADE COMO TORNAR O TREINAMENTO UMA FERRAMENTA DE LUCRATIVIDADE A melhor idéia, sem gente boa, não vai a lugar algum. Carlos Alberto Sicupira Controlador da ABInBev Presidente do Conselho das Lojas Americanas

Leia mais

São Paulo, 17 de Junho de 2009.

São Paulo, 17 de Junho de 2009. São Paulo, 17 de Junho de 2009. Questionário: Orientação para marketing Sua empresa é orientada para marketing? Análise das respostas turma T4 Berrini Pós Adm FGV Número de respondentes: 17 Introdução

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro PERGUNTAS E RESPOSTAS

Leia mais

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países Para o Boletim Econômico Edição nº 45 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países 1 Ainda que não haja receita

Leia mais

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em

Leia mais

Profª Dr a Valéria Valls Agosto de 2012

Profª Dr a Valéria Valls Agosto de 2012 Profª Dr a Valéria Valls Agosto de 2012 Panorama sobre Gestão da Qualidade, incluindo os princípios fundamentais relacionados ao atendimento A Qualidade em Serviços e a percepção do cliente A importância

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Contextualização do problema e questão-problema

1. Introdução. 1.1 Contextualização do problema e questão-problema 1. Introdução 1.1 Contextualização do problema e questão-problema A indústria de seguros no mundo é considerada uma das mais importantes tanto do ponto de vista econômico como do ponto de vista social.

Leia mais

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 1 A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Maria Lúcia Ribeiro Da COSTA 1 João Cezario Giglio MARQUES 2 RESUMO: O estudo e a pesquisa de mercado

Leia mais

Roteiro para apresentação do Plano de Negócio. Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a preparar seu Plano de Negócio.

Roteiro para apresentação do Plano de Negócio. Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a preparar seu Plano de Negócio. Roteiro para apresentação do Plano de Negócio Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a preparar seu Plano de Negócio. Abaixo encontra-se a estrutura recomendada no Empreenda! O Plano de Negócio deverá

Leia mais

META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística.

META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística. OS IMPACTOS SOCIOCULTURAIS VERSUS PRÁTICA TURÍSTICA META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula,

Leia mais

Funções do processo de certificação florestal

Funções do processo de certificação florestal Funções do processo de certificação florestal Celso Foelkel www.celso-foelkel.com.br O que queremos com a certificação? um certificado? um aval para vender melhor? melhorar a imagem institucional? diminuir

Leia mais

MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014.

MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014. MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014. OBJETIVO O presente manual se destina a orientar a diretoria da ACIBALC, quanto à administração de suas pastas, o gerenciamento

Leia mais

GERAÇÃO DA CONECTIVIDADE

GERAÇÃO DA CONECTIVIDADE GERAÇÃO DA CONECTIVIDADE O Instituto Methodus, sendo especialista em Pesquisa, tomou a iniciativa de estudar a Geração da Conectividade, investigando como agem, pensam e se relacionam os jovens. Patrocínio

Leia mais

Plano de Negócios e Pesquisas de Mercado: Ninguém Vive Sem

Plano de Negócios e Pesquisas de Mercado: Ninguém Vive Sem Plano de Negócios e Pesquisas de Mercado: Ninguém Vive Sem Henrique Montserrat Fernandez Muitas pessoas, antes de abrir a empresa, já têm uma idéia do que ela produzirá. Mas será que é isso que os clientes

Leia mais

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE 2.1 - Níveis de Planejamento O planejamento logístico tenta responder aos questionamentos de: O QUE? QUANDO? COMO? Nos níveis estratégico, tático

Leia mais

1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. Mauricio Sampaio

1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. Mauricio Sampaio 1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO Mauricio Sampaio Definições e Conceitos Visão Missão Administração Estratégica Planejamento Estratégico

Leia mais

Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010.

Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. O Global e o Contextualtual no Aprendizado Gerencial de Multinacionais Uma Perspectiva Brasileira Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. OBJETIVO

Leia mais

[ GUIA ] GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES

[ GUIA ] GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES [ GUIA ] GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES D e s c u b r a c o m o m a n t e r o c a p i t a l d a e m p r e s a s o b c o n t r o l e p a r a f a z e r o n e g ó c i o c r e s c e r. Uma boa gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades UNIDADE 3 Identificação de oportunidades Provavelmente seja um dos maiores mitos sobre as novas idéias para negócios: a idéia deve ser única. Na realidade pouco importa se a idéia é única ou não, o que

Leia mais

A Finep mais abrangente

A Finep mais abrangente _O MOVIMENTO Saiba mais sobre as novas propostas de atuação da Finep, na ENTREVISTA com Glauco Arbix entre outros objetivos, ele quer que a agência seja reconhecida como instituição financeira pelo Banco

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS MENSAGEM DO PRESIDENTE O cooperativismo vive seu momento de maior evidência. O Ano Internacional das Cooperativas, instituído

Leia mais

Tenha um plano de cargos e salários consistente

Tenha um plano de cargos e salários consistente ESTRUTURAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS Tenha um plano de cargos e salários consistente Cícero C Nunes c²n c2n@posicional.com Consultoria Técnica em Remuneração POSICIONAL.COM Consultoria Empresarial Ltda. Araraquara/SP

Leia mais

A importância dos. RECURSOS HUMANOS na empresa moderna

A importância dos. RECURSOS HUMANOS na empresa moderna A importância dos RECURSOS HUMANOS na empresa moderna Organizações: cenário atual Empresas vêm passando por impactos revolucionários: Dimensão globalizada Aumento da competitividade Mudanças constantes

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

APRESENTAÇÃO - San Martin Franchising

APRESENTAÇÃO - San Martin Franchising APRESENTAÇÃO - San Martin Franchising MISSÃO Atuar no mercado segurador com máxima excelência, superando as expectativas de seus clientes, colaboradores e franqueados, proporcionando satisfação e confiabilidade.

Leia mais

Estratégias adotadas pelas empresas para motivar seus funcionários e suas conseqüências no ambiente produtivo

Estratégias adotadas pelas empresas para motivar seus funcionários e suas conseqüências no ambiente produtivo Estratégias adotadas pelas empresas para motivar seus funcionários e suas conseqüências no ambiente produtivo Camila Lopes Ferreir a (UTFPR) camila@pg.cefetpr.br Dr. Luiz Alberto Pilatti (UTFPR) lapilatti@pg.cefetpr.br

Leia mais

O Empreendedor Fabiano Marques

O Empreendedor Fabiano Marques O Empreendedor Fabiano Marques O interesse pelo empreendedorismo no mundo é algo recente. Neste sentido, podese dizer que houve um crescimento acentuado da atividade empreendedora a partir de 1990. Com

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL É examinar a situação de uma empresa e determinar seus pontos fortes e fracos em relação a: sua organização; sua capacidade gerencial; seu know-how tecnológico; sua capacidade

Leia mais

EM PONTOS: vale a pena planejar

EM PONTOS: vale a pena planejar NO NEGÓCIO TEXTO DE MARCELO CASAGRANDE 5 EM PONTOS: vale a pena planejar A Gestão&Negócios reuniu cinco importantes motivos pelos quais o planejamento financeiro é fundamental para uma empresa. Saber o

Leia mais

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ Mossoró, setembro de 2015 1 Sumário 1. Aspectos Metodológicos... 3 2. Descrição dos Resultados... 4 Itens de comemoração... 4 Gastos com presente... 4 Local e quando

Leia mais

www.idsingular.com.br

www.idsingular.com.br Verifique, crie e Inspire seu negócio. SINGULAR Seu mundo do tamanho do seu conhecimento Tel. 31 3681 6117 Verifique, crie e inspire seu negócio com a força do Singular Management. APRESENTAÇÃO Idealizado

Leia mais

Padrão exclusivo para sua empresa. nsanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar

Padrão exclusivo para sua empresa. nsanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar especial gestão Padrão exclusivo para sua empresa nsanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes. A frase consagrada de Albert Einstein não poderia ser mais clara: quer

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers O economista Otaviano Canuto discute os obstáculos estruturais que atrasam a inovação na economia brasileira, e aponta possíveis soluções.

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Confiança do comércio paranaense volta a subir

Confiança do comércio paranaense volta a subir Pesquisa de Opinião do Empresário do www.fecomerciopr.com.br www.sebraepr.com.br COMÉRCIO Nº 25 ANO 11 MÊS JANEIRO / JUNHO 2014 Confiança do comércio paranaense volta a subir Apresentação 1º 2014 Confiança

Leia mais

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas : Avaliação do perfil de inovação de empresas Prof. Paulo Henrique S. Bermejo, Dr. Prof. André Luiz Zambalde, Dr. Adriano Olímpio Tonelli, MSc. Pamela A. Santos Priscila Rosa LabGTI Laboratório de Governança

Leia mais

Jovens, bem preparados e sem emprego. Como a crise e a falta de perspectiva ameaçam a juventude mais escolarizada e capacitada que o País já formou

Jovens, bem preparados e sem emprego. Como a crise e a falta de perspectiva ameaçam a juventude mais escolarizada e capacitada que o País já formou ISTOÉ Independente - versão para impressão 1 ISTOÉ - Independente Imprimir Comportamento Edição: 2370 30.Abr.15-19:00 Atualizado em 05.Mai.15-11:23 Jovens, bem preparados e sem emprego Como a crise e a

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA 2 Adam Smith (filósofo e economista) A base histórica da Demanda e a Oferta é iniciada através do pensamento da Escola Clássica (liberalismo econômico). Seu principal

Leia mais

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS Juliana da Silva, RIBEIRO 1 Roberta Cavalcante, GOMES 2 Resumo: Como a cultura organizacional pode influenciar no processo de agregar

Leia mais

Tema 12. Competitividade empresarial

Tema 12. Competitividade empresarial Tema 12. Competitividade empresarial Competitividade é um conceito amplo que integra três dimensões: - a empresarial, cujo foco principal está na gestão; - a estrutural, que enfatiza as cadeias e os arranjos

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil. julho 2012

Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil. julho 2012 Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil julho 2012 Metodologia e Perfil de Entrevistados Método Amostra por conveniência Questionário (quantitativo)

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com ênfase em Empreendedorismo

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com ênfase em Empreendedorismo Pós-Graduação em Gestão de Negócios com ênfase em Empreendedorismo Turma Especial ESPM/ABF-Rio Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 15.698,00

Leia mais

diagnóstico DO TURISMO DE AVENTURA NO BRASIL 2009 - Vol.1

diagnóstico DO TURISMO DE AVENTURA NO BRASIL 2009 - Vol.1 diagnóstico DO TURISMO DE AVENTURA NO BRASIL 2009 - Vol.1 Expediente República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva Presidente da República Ministério do Turismo Luiz Eduardo Pereira Barretto

Leia mais

Julio Calassara Gestor de Acreditação

Julio Calassara Gestor de Acreditação Acreditação de Organismos de Certificação de Sistemas de Gestão da Segurança em Turismo de Aventura e de Sistemas de Gestão da Sustentabilidade dos Meios de Hospedagem Julio Calassara Gestor de Acreditação

Leia mais

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS Introdução Nos últimos seis anos, tem ocorrido no Brasil uma verdadeira revolução na área de gestão empresarial. Praticamente, todas as grandes

Leia mais

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010. Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010

Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010. Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010 Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010 Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010 Sumário Introdução 3 Objetivos Estratégicos 4 Metodologia 5 Resultados Estratégicos 9 Resultados Reação

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Marketing Educacional como manter e captar novos alunos

Marketing Educacional como manter e captar novos alunos Marketing Educacional como manter e captar novos alunos Baiard Guggi Carvalho Publicitário, consultor em marketing educacional e em tecnologia aplicada à educação N os dias de hoje, se perguntarmos para

Leia mais

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão Portugal 2020 O Financiamento às Empresas Empreender, Inovar, Internacionalizar Speaking Notes Fevereiro 10, 2015 Vila Nova de Famalicão Casa das Artes Miguel Frasquilho Presidente, AICEP Portugal Global

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Nota Data 8 de maio de 2013

Nota Data 8 de maio de 2013 Nota Data 8 de maio de 2013 Contato Flávio Resende Proativa Comunicação flavioresende@proativacomunicacao.com.br Tel: (61) 3242-9058/9216-9188 Kadydja Albuquerque Proativa Comunicação coordenacao@proativacomunicacao.com.br

Leia mais

Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa. Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com.

Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa. Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com. Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com.br Clareza conceitual e eficiência da ação Compreender a essência do

Leia mais