Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola Politécnica. Departamento de Eletrônica e de Computação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola Politécnica. Departamento de Eletrônica e de Computação"

Transcrição

1 Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Eletrônica e de Computação Sistema Tempo-Real Embarcado para Controle de um Robô Tele-Operado Autor: Orientador: Vitor Paranhos de Oliveira Carneval Orientador: Prof. Flávio Luis de Mello, D. Sc. Examinador: Prof. Heraldo Luis Silveira de Almeida, D. Sc. Prof. Marcelo Luiz Drumond Lanza, M. Sc. DEL Maio de 2011

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Escola Politécnica - Departamento de Eletrônica e de Computação Centro de Tecnologia, bloco H, sala H-217, Cidade Universitária Rio de Janeiro - RJ CEP Este exemplar é de propriedade da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que poderá incluí-lo em base de dados, armazenar em computador, microfilmar ou adotar qualquer forma de arquivamento. É permitida a menção, reprodução parcial ou integral e a transmissão entre bibliotecas deste trabalho, sem modificação de seu texto, em qualquer meio que esteja ou venha a ser fixado, para pesquisa acadêmica, comentários e citações, desde que sem finalidade comercial e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do(s) autor(es) e do(s) orientador(es). ii

3 AGRADECIMENTO Agradeço imensamente aos meus pais, Ricardo Carneval e Maria da Glória Paranhos, por toda a confiança em mim depositada e por todo o investimento realizado em meus estudos. Gostaria também de agradecer à minha namorada Techandra Sodré, por toda a compreensão nos momentos de ausência para a realização deste trabalho e pelo incondicional apoio em todas as minhas empreitadas. Agradeço aos meus orientadores, Prof. Flávio Luis de Mello e Prof. Heraldo Luis Silveira de Almeida, por toda a atenção, dedicação e orientação. Agradeço também a todos os colegas do Laboratório de Robótica do Centro de Pesquisas da PETROBRAS: Auderi Santos, Alexandre Seixas, José Almir de Sena, Rômulo Curty, Pedro Panta, Rodrigo Ferreira e Patrick Merz. Sem eles com certeza não seria possível realizar esse projeto. Um agradecimento especial para os colegas, também do referido laboratório, Ney Robinson dos Reis pela oportunidade concedida de participar desse grupo e desse projeto, e Gustavo Freitas pela grande ajuda e por uma série de orientações e idéias, durante o projeto. iii

4 RESUMO O presente trabalho apresenta o projeto de um sistema embarcado em temporeal para controle de um robô móvel tele-operado. Será discutida sua arquitetura, as classes projetadas para o funcionamento, e as informações pertinentes para sua implementação. Serão também apresentados e discutidos resultados gerados através de testes com esse sistema. Será apresentado também o sistema operacional de tempo-real Xenomai de maneira a viabilizar que tarefas periódicas de tempo-real possam ser realizadas, como por exemplo algoritmos de controle. Será apresentada a estrutura de hardware do protótipo pequeno do Robô Ambiental Híbrido, para o qual esse sistema será projetado, e uma tarefa de controle a ser realizada no mesmo. Um algoritmo de controle proposto com essa finalidade será apresentado e implementado, gerando resultados que também serão discutidos. Por fim serão avaliados todos os trabalhos futuros que podem ser desenvolvidos a partir do sucesso do presente trabalho. Palavras-Chave: sistema embarcado, tempo-real, robô móvel, xenomai. iv

5 ABSTRACT This dissertation presents the design of an embedded system in real-time to control a mobile tele-operated robot. The system architecture, the classes designed for the operation, and relevant information for its implementation will be discussed. The results generated by tests with this system will also be presented and discussed. The real-time operating system Xenomai will be introduced in order to enable that periodic tasks of real-time can be attained by this system, such as control algorithms. The dissertation will show the hardware structure of the small prototype of Environmental Hybrid Robot, for which this system will be designed, and a control task to be performed on it. A proposed control algorithm for this task will be presented and implemented, leading to results that will be discussed. Finally will be assessed all future work that could be developed after the success of this work. Key-words: embedded system, real-time, mobile robot, xenomai. v

6 SIGLAS ADEOS - Adaptive Domain Environment for Operating Systems API - Application Programming Interface CAN - Controller Area Network CC - Corrente Contínua DD - Dianteira Direita DE - Dianteira Esquerda IPC - Inter-Process Communication HAL - Hardware Abstraction Layer QoS - Quality of Service RAH - Robô Ambiental Híbrido RAHM - Robô Ambiental Híbrido Médio RAHP - Robô Ambiental Híbrido Pequeno RAHT - Robô Ambiental Híbrido Tripulado RTDM - Real Time Driver Model RTOS - Real Time Operating System SSH - Secure Shell TD - Traseira Direita vi

7 TE - Traseira Esquerda UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro USB - Universal Serial Bus vii

8 Sumário 1 Introdução Tema Delimitação Justificativa Objetivos Metodologia Descrição Robô Ambiental Híbrido O Projeto O Robô Novo Protótipo Pequeno Estrutura de Suspensão Arquitetura de Hardware Base de Controle Software de Controle Endereços de Rede Xenomai Introdução A Arquitetura do Xenomai Pipeline de Interrupções Núcleo do Xenomai Skins do Xenomai Como o Xenomai Funciona viii

9 3.3.1 Migração de Domínio Como Escrever As Tarefas de Tempo-Real Controle Proposto para o RAHP Introdução Controle dos Mecanismos de Suspensões Sistema e Modelo Implementação Testes e Resultados Especificações do Sistema Sistema Requisitos do Sistema Leitura de Sensores Atuadores Comunicação Tolerância a Falhas Implementação de Controles em Malha Fechada Diagrama de Casos de Uso Arquitetura do Sistema Classes Processos Logs do Sistema Testes e Resultados Introdução Tomada de dados Controle das Suspensões Análise do Tempo-Real Conclusões e Trabalhos Futuros 80 Bibliografia 82 ix

10 A Instalação do Xenomai no PUMA PC A.1 Introdução A.2 Instalando o Linux A.3 Compilando um novo Kernel e Instalando o Xenomai A.4 Instalando a Biblioteca OpenCV B A novel wheel-leg parallel mechanism control for Kinematic Reconfiguration of an Environmental Hybrid Robot 91 x

11 Lista de Figuras 2.1 Protótipo Médio em testes realizados na Amazônia Primeiro protótipo do Robô Ambiental Híbrido Modelo em 3D do Protótipo Pequeno Suspensão do RAHP com cambagem e altura ajustável Suspensão do RAHP em diferentes configurações Fluxograma do Hardware do RAHP Montagem dos componentes eletrônicos do robô Computador PC Rádio Industrial MDS INET-II Sensor Inercial Xsens Base de tele-operação do robô em missão na Amazônia Esquemático de montagem da base de controle Painel de controle do Robô Diagrama de funcionamento do software da base Arquitetura de camadas do Xenomai Arquitetura de funcionamento do ADEOS Pipe de interrupções do ADEOS Suspensão do RAH: 7 elos com juntas ativas e passivas Suspensão do RAH: sistema de coordenadas do mecanismo de 7 elos Controlador do mecanismo de suspensão do RAHP Sistema de controle das suspensões do RAHP Resultados experimentais do controle cinemático do RAHP Sistema de controle embarcado Diagrama de casos de uso do sistema xi

12 5.3 Diagrama de Componentes do sistema Diagrama de Implantação do sistema Diagrama da classes do sistema Diagrama da classe Mutex Diagrama da classe SharedMemory Diagrama da classe IPC Diagrama da classe SendSocketComApi Diagrama da classe SocketComApi Diagrama da classe ControlSocket Diagrama da classe DataSocket Diagrama da classe GpsXsensSocket Diagrama da classe Robot Diagrama da classe RobotParameters Diagrama da classe RobotSuspension Diagrama da classe RobotWheels Diagrama da classe Battery Diagrama da classe Thread Diagrama da classe XsensThread Diagrama da classe EposThread Diagrama da classe CMTComm Diagrama da classe EposRTCom Diagrama da classe EposFirmWare Diagrama da classe EposLib Diagrama da classe EposOperationModeDictionary Robô durante testes no gramado do CENPES Robô durante testes em piso calçado no CENPES Tensão da bateria durante os testes Velocidade das rodas durante os testes Corrente das rodas durante os testes Posição das juntas de suspensão durante os testes Resultados do controle do mecanismo de suspensão xii

13 6.8 Ângulos de orientação do protótipo durante testes com o controle dos mecanismos de suspensão xiii

14 Lista de Tabelas 2.1 Curso das suspensões do RAHP Características do PUMA PC Características do Rádio Inet II Portas de comunicação no sistema do robô IP dos dispositivos na rede de operação do robô Tempo médio de computação (E[t]) e desvio padrão associado (σ) da função forwardkinematics Tempo médio de computação (E[t]) e desvio padrão associado (σ) da função suspensioncontrol Medidas de tempo para o loop Epos rodando no Xenomai Medidas de tempo para o loop Epos rodando no Linux Medidas de tempo para o loop Xsens rodando no Xenomai Medidas de tempo para o loop Xsens rodando no Linux xiv

15 Capítulo 1 Introdução 1.1 Tema O tema deste trabalho é o projeto de um sistema de softwares embarcados para controle em tempo-real para um robô móvel teleoperado. 1.2 Delimitação Esse trabalho está delimitado ao projeto do sistema de controle para o protótipo pequeno do Robô Ambiental Híbrido, que será melhor descrito no capítulo 2. Desta maneira, todo o estudo apresentado levará em conta a estrutura do protótipo citado, embora toda a teoria e metodologia possa ser aproveitada para o desenvolvimento de sistemas de controle para qualquer robô móvel. A delimitação se da também devido a estrutura de hardware instalada no citado protótipo, e no uso do sistema operacional Linux com o framework de tempo-real Xenomai para a implementação do sistema. 1.3 Justificativa Robôs móveis são amplamente utilizados em terrenos perigosos, nos quais é complicado o acesso e a locomoção, para diversas aplicações, incluindo mineração, silvicultura, agricultura, e atividades militares [1]. 1

16 Ferramentas desse tipo podem ser extremamente úteis para a sociedade, evitando que vidas humanas precisem ser colocadas em situações de risco. Robôs móveis podem por exemplo realizar tarefas em cenários de catástrofes, ajudando na execução de resgates e identificação das áreas atingidas. Nos últimos meses vimos uma série de eventos como estes nos quais essas ferramentas poderiam ser de grande ajuda, como o temporal que atingiu a região metropolitana do estado do Rio de Janeiro em Abril de 2010 e a região serrana do mesmo estado em Janeiro de Uma outra utilidade pode ser a de exploração de ambientes desconhecidos. Os chamados Rovers, citados em [1], tem o objetivo de explorar e coletar dados no planeta Marte. Recentemente um robô móvel foi utilizado, da mesma maneira, para explorar um túnel de 2000 anos com o propósito de estudos arqueológicos [2]. Como exemplificado existem diversas aplicações para robôs deste tipo. Para que esses robôs possam funcionar, de maneira a realizar as tarefas para as quais foram idealizados, é necessário que estes tenham sistemas de controle embarcados que possam comandar de maneira correta suas funcionalidades e controlar as partes mecânicas presentes nos mesmos. Dessa maneira estudos e pesquisas envolvendo sistemas de controle para robôs móveis podem ser muito importantes e de grande relevância para a sociedade. 1.4 Objetivos O objetivo deste trabalho é desenvolver um sistema embarcado de controle capaz de garantir algumas características de tempo-real para a execução de algoritmos de controle. Desta forma tem-se como objetivos específicos: (1) receber comandos de um computador chamado de base, através do protocolo TCP/IP e conexão Ethernet; (2) Interpretar os comandos recebidos e se comunicar com os atuadores para realização dos mesmos; (3) Fazer leituras nos sensores de operação e de telemetria e enviar os 2

17 dados para o computador base, e; (4) Permitir a implementação de algoritmos de controle com características de tempo-real. 1.5 Metodologia Este trabalho irá utilizar uma plataforma Debian Linux para, através do desenvolvimento de um sistema, proporcionar o controle de um robô tele-operado. Para o desenvolvimento desse sistema serão utilizadas as linguagens C e C++. Será estudado o framework de tempo-real Xenomai, que permite ter no ambiente Linux o suporte a tarefas de tempo-real. Uma arquitetura multi-processos será proposta para o sistema de forma que algum eventual problema em um dos processos não influencie nos outros. A nível prático isso significa que quando alguma funcionalidade do robô for comprometida, não necessariamente as outras também serão. Devido a essa característica se fará necessária a utilização de comunicação entre processos. Para a comunicação com a base será utilizada uma rede Ethernet e o protocolo TCP/IP, implementado através de sockets. Para se comunicar com os sensores e atuadores embarcados no robô serão utilizadas as portas de entrada e saída do PC104, do tipo USB e serial. Algumas bibliotecas de comunicação, de autoria dos fabricantes, serão utilizadas nesse processo. Será necessário também estabelecer um controle em tempo-real da porta serial, para comunicação com os hardwares atuadores dos motores de forma a permitir a execução de algoritmos de controle. 1.6 Descrição No capítulo 2 será apresentado o projeto do Robô Ambiental Híbrido e toda a estrutura de um de seus protótipos, que será utilizada nesse trabalho. 3

18 O capítulo 3 apresenta a arquitetura do sistema de tempo-real Xenomai e o seu funcionamento. Um controle proposto para os mecanismos de suspensão do protótipo pequeno do Robô Ambiental Híbrido será apresentado no capítulo 4. Nele serão explicitados detalhes e resultados da implementação. Esse controle será usado como prova de conceito para o sistema. No capítulo 5 será apresentada a arquitetura proposta para o sistema de softwares que fará o controle do robô. O capítulo 6 apresenta os resultados dos testes propostos para o funcionamento do sistema de controle. Por fim, no capítulo 7, são apresentas as conclusões desse trabalho, e os trabalhos futuros que podem decorrer do mesmo. 4

19 Capítulo 2 Robô Ambiental Híbrido 2.1 O Projeto A Floresta Amazônica é a maior floresta tropical e contém a maior biodiversidade do mundo. É formada basicamente por matas de terra firme, matas de várzea alagadas pelos rios de água barrenta na estação das cheias, e matas de igapós inundadas quase permanentemente por rios de água preta. A região possui vegetação nativa, com alta densidade vegetal, e clima constituído de altas temperaturas e umidade [3]. A chamada Província Petrolífera de Urucu foi instalada a cerca de 20 anos, marcando a presença da Petrobrás nesse valioso ecossistema. A Unidade de Produção de Gás Natural 3 (UPGN3), localizada em Urucu, responsável pela produção de 6 milhões de m 3 por dia, é hoje a maior unidade de processamento de gás natural do Brasil. A fim de obter um melhor escoamento do Gás Natural a Petrobrás construiu o gasoduto Coari-Manaus, ao longo das margens do Rio Solimões. O gasoduto tem uma extensão de cerca de 400Km, passando por regiões de floresta, áreas alagáveis, além de sete municípios. Ficou acordado entre a Petrobrás e os órgãos de regulação ambiental nacionais que para o licenciamento da operação do gasoduto a empresa petrolífera deveria fazer um monitoramento ambiental, completo e detalhado, da região. 5

20 A Petrobrás firmou então diversas parcerias com instituições acadêmicas, como UFAM e COPPE/UFRJ, participando de projetos como o PIATAN, um projeto de pesquisa socioambiental criado para monitorar as atividades de produção e transporte de petróleo e gás natural oriundos de Urucu [4], e o COGNITUS, que visa a aplicação de ferramentas cognitivas para a gestão ambiental na Amazônia [5]. O projeto COGNITUS tem como uma de suas linhas de pesquisa a chamada AmazonBOTS. A referida linha tem como objetivo o desenvolvimento de sistemas robóticos com aplicação para monitoração ativas de lagos amazônicos, visando a construção de séries históricas de parâmetros limnológicos considerados relevantes. Foi nesse contexto que o Laboratório de Robótica do CENPES criou o projeto Robô Ambiental Híbrido Chico Mendes. Esse projeto é de um veículo robótico, desenvolvido para uma locomoção otimizada nos ambientes amazônicos, com o objetivo de fazer telemetria de parâmetros ambientais e televisão dos ambientes percorridos pelo gasoduto Coari-Manaus. Um dos protótipos do robô é apresentado na figura 2.1. Figura 2.1: Protótipo Médio em testes realizados na Amazônia. 6

21 2.2 O Robô O RAH (Robô Ambiental Híbrido) foi concebido como uma ferramenta robótica para ambientes inóspitos, onde o homem não deve chegar, ou onde existam grandes riscos pela presença humana, de forma a auxiliar nas pesquisas na região amazônica e na colheita de parâmetros e amostras para o projeto COGNITUS. Sob esta ótica, para solucionar as dificuldades em percorrer a região foi desenvolvido um novo conceito em estrutura de locomoção. São partes constituintes desse novo conceito as rodas, que também funcionam como flutuadores nas regiões alagadas, e as suspensões ativas e independentes, capazes de alterar o ângulo de cambagem das rodas, e a altura do robô em relação ao solo, com o fim de variar o atrito com o terreno e permitir a transposição de obstáculos. Os modos de operação idealizados para esse Robô foram tanto a tele-operação quanto a operação por um tripulante no interior do veículo, isolado do ambiente externo. O primeiro protótipo do projeto, apresentado na figura 2.2, tinha suas rodas confeccionadas em isopor, conforme descrito em [6], e seu objetivo era de testar o conceito de movimentação do projeto. Figura 2.2: Primeiro protótipo do Robô Ambiental Híbrido. 7

22 O segundo protótipo do projeto, presente na figura 2.1, foi identificado como Robô Ambiental Híbrido Médio, RAHM, e possui todas as funcionalidades idealizadas inicialmente no projeto. Ele é capaz de realizar medições e pequenas tarefas, conforme descrito em [3]. Por se tratar de um protótipo maior do que o primeiro protótipo citado anteriormente, é possível que nele seja embarcado uma quantidade maior de equipamentos eletrônicos. 2.3 Novo Protótipo Pequeno O RAHP, Robô Ambiental Híbrido Pequeno, objeto de estudo desse trabalho, é o terceiro protótipo vinculado ao projeto do RAH. Seu modelo 3D é apresentado na figura 2.3. Figura 2.3: Modelo em 3D do Protótipo Pequeno. O robô pesa 35Kg, tem a distância entre os eixos de 490mm e largura de faixa de 710mm Estrutura de Suspensão No decorrer do desenvolvimento do projeto, viu-se que era necessário ampliar a movimentação da suspensão do RAH. A nova estrutura de suspensão, presente pela primeira vez no protótipo RAHP, permite uma melhor movimentação vertical da roda, mantendo o ângulo de cambagem igual a zero. Isso permite ao robô alterar 8

23 sua altura em relação ao solo sem ter que obrigatoriamente alterar o ângulo de cambagem das rodas, o que não era possível no RAHM. Dessa forma cada roda é acoplada a um sistema de suspensão independente, aqui referidas como perna, ilustrada na figura 2.4, composta por uma mola e dois atuadores elétricos. Os motores das suspensões são acoplados a fusos, compondo as juntas prismáticas ativas. Figura 2.4: Suspensão do RAHP com cambagem e altura ajustável. O mecanismo paralelo de suspensão foi projetado para rigidez da estrutura, permitindo ao robô transpor obstáculos, e aumentar a tração das rodas. O mecanismo permite também que o robô opere de cabeça para baixo. Na figura 2.5 diferentes configurações da suspensão são apresentadas. Os motores ligados aos mecanismos de suspensão possuem encoder s instalados. Definindo uma posição como sendo a posição zero para aquela junta do mecanismo, quando o motor se movimenta, através da contagem de pontos do encoder, tanto no sentido positivo quanto no negativo, é possível saber a posição da junta do mecanismo. Sabendo o número de pontos de encoder decorridos, e de posse do número de pontos de uma volta do encoder, conhecendo o mecanismo de redução do motor, e as características do fuso instalado, é possível fazer a transformação de variáveis para saber o posicionamento do mecanismo. 9

24 Figura 2.5: Suspensão do RAHP em diferentes configurações. A tabela mostra o curso de movimentação das juntas do mecanismo de suspensão, dado em pontos de encoder. Um limite inferior e um superior é estipulado para evitar que as juntas colidam, durante a operação, com o final do fuso, evitando desgastes ou o travamento do mecanismo. Tabela 2.1: Curso das suspensões do RAHP. Junta Mínimo Máximo Limite Inferior Limite Superior Interna Externa Um outro problema decorrente dessa implementação é que sempre que o hardware do robô é desligado a orientação de qual é o ponto zero da junta é perdida. Quando ele é religado, o hardware considera o ponto atual é como sendo o ponto zero. Para resolver essa falta de referência os hardwares controladores possuem uma função denominada homing, que permite achar o ponto zero. Essa função é configurável, podendo ser implementada de uma série de maneiras diferentes. No caso do RAHP ela irá rodar o motor com uma velocidade negativa até que um pico de corrente 10

25 de 700mA aconteça. Esse valor é um valor definido para indicar que o mecanismo colidiu com o fim do fuso, sem que haja um pico de corrente muito alto nos motores. Realizado esse procedimento, esse ponto de colisão passa a ser o ponto zero do mecanismo Arquitetura de Hardware A figura 2.6 mostra o fluxograma da arquitetura de hardware do protótipo, e a figura 2.7 apresenta uma foto da montagem no protótipo PC104 O Puma PC104, demonstrado na figura 2.8, é um computador de placa única compacto, com baixo consumo de potência e sem partes móveis. Esse computador possui uma série de funcionalidades on-board, como vídeo, rede, portas USB, portas seriais, portas paralelas e interface para memória flash. Suas principais características são apresentadas na tabela 2.2. Tabela 2.2: Características do PUMA PC104 Processador AMD Geode GX 500 Chipset Alimentação Temperatura de Operação Memória RAM AMD Geode CS V 1A (5W) 0 a +60 C 256 MB DDR SDRAM Devido a essas características essa compacta placa se mostra interessante para sistemas de controle embarcados, sendo o hardware escolhido para ser o núcleo funcional do robô. Sua memória flash possui um sistema operacional instalado e nele são executados os softwares de controle que gerenciaram todas as ações do RAHP. 11

26 Figura 2.6: Fluxograma do Hardware do RAHP. Esse computador é ligado via rede Ethernet ao rádio embarcado, e deste modo, sendo capaz de se comunicar com um outro computador que servirá de base para tele-operação do protótipo. 12

27 Figura 2.7: Montagem dos componentes eletrônicos do robô. Figura 2.8: Computador PC Controladores MAXON EPOS Trata-se de um controlador de motores DC da Maxon [7] que deve ser configurado com os parâmetros do motor que irá controlar. Durante a operação ele pode ser acessado tanto por RS232 como por rede CAN. Através de um protocolo bem definido em seus manuais é possível fazer alterações na máquina de estados do controlador, comandando o mesmo, que é capaz de controlar velocidade, corrente ou posição do motor. Nesse protótipo existem doze controladores, um para cada motor instalado no robô. Quatro desses controladores são do tipo 24/5, com máximos de 24V de tensão 13

28 e 5A de corrente, e oito deles são do tipo 24/1, com máximos de 24V de tensão e 1A de corrente. Os controladores 24/5 são ligados aos motores das rodas, enquanto que os controladores 24/1 são ligados aos motores destinados a controlar o mecanismo de suspensão do protótipo. Esses doze controladores são interligados através de uma rede CAN. O controlador numerado como 2 é conectado então via RS232 ao PC104 do protótipo e funciona como um gateway, para que o computador possa se comunicar com qualquer um dos nós dessa rede de controladores Rádio MDS-Inet II Figura 2.9: Rádio Industrial MDS INET-II. O Rádio MDS-Inet II é um rádio capaz de gerar uma conectividade IP/Ethernet de longa distância. A figura 2.9 mostra o modelo do rádio e a tabela 2.3 apresenta suas características Central Inercial - Xsens MTi O Xsens MTi é considerado uma miniatura de Sensor da Referência da Atitude e do Título, um conjunto de três sensores em linha capazes de fornecer ângulos de atitude, título e guinada. É considerada uma unidade de medida para controles de robôs. A foto de uma central como essas é apresentada na figura Esta central possui acelerômetros com escala de até 5g e giroscópios com escala de 300 /s. As leituras desse sensor são obtidas através de conexão USB com o PC104. Esses dados obtidos são: 14

29 Tabela 2.3: Características do Rádio Inet II Data Rate Frequência de Trabalho Alcance em movimento Temperatura Alimentação Potência 512Kbps 902MHz - 928MHz 1 milha -30 C C 10.3Vdc - 30Vdc 7W Figura 2.10: Sensor Inercial Xsens. Ângulo de Orientação 3D Aceleração 3D Velocidade de giro 3D Campo Magnético 3D 2.4 Base de Controle Para que o robô funcione tele-operado uma estrutura é montada como base de operação. A figura 2.11 mostra o esquema da base montado em uma missão na 15

30 Amazônia. O esquemático da figura 2.12, por sua vez, ilustra os equipamentos utilizados e as ligações necessárias para a montagem dessa base. Figura 2.11: Base de tele-operação do robô em missão na Amazônia. Figura 2.12: Esquemático de montagem da base de controle. A antena tem como objetivo transmitir e receber o sinal de comunicação da base com o robô. Ela deve ser ligada através de um cabo coaxial ao rádio da base, que é o mesmo modelo, MDS Inet-II, instalado no interior do robô e apresentado na figura 2.9. O rádio da base, por sua vez, é conectado ao computador através de um cabo ethernet com conectores RJ45. O computador, por conveniência, é ligado por cabo 16

31 USB a um joystick, que tem como objetivo permitir uma melhor controlabilidade do robô durante sua operação. O computador é ligado também a um monitor para propiciar uma melhor visualização do painel de controle. Nesse computador da base, um notebook, é executado um software, desenvolvido em Java, que tem como interface gráfica o painel de controle do robô. Esse software tem como objetivo ser a interface entre todo o sistema do robô e seu operador. Ele envia comandos para o robô e recebe informações do mesmo através de sockets de rede. Embora não seja estritamente necessário, a sugestão de utilização dos monitores desse sistema é que se use o monitor de 27 para apresentar a interface gráfica do software de controle e o monitor do notebook para apresentar uma janela de linhas de comando conectada via SSH ao computador embarcado no robô, de maneira que se possa monitorar de forma mais extensa os acontecimentos no sistema embarcado Software de Controle O Painel de Controle é a interface gráfica do software de controle, e é apresentado na figura 2.13, onde é possível perceber que o controle do robô é realizado de maneira intuitiva, e que todos os dados lidos pelos sensores embarcados no robô serão apresentados para o operador nessa interface. O software de controle do robô foi desenvolvido com o uso da linguagem Java, empregando um paradigma de gerenciamento de recursos conhecido como Produtor- Consumidor [8]. Um diagrama esquemático do funcionamento desse software pode ser observado na figura Conforme ilustrado no diagrama, as alterações feitas pelo operador, na interface do software são identificadas pelas classes do grupo ChicoUI. Essas classes interpretam o comando e fazem a passagem dos dados para as classes do grupo Information. Um outro grupo de classes, responsável por gerenciar as conexões de rede com o robô, denominado de Sockets irá fazer a leitura dos dados contidos nas classes Information e enviar os comandos via sockets de protocolo TCP/IP. 17

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

5 Sistema Experimental

5 Sistema Experimental 5 Sistema Experimental Este capitulo apresenta o sistema experimental utilizado e é composto das seguintes seções: - 5.1 Robô ER1: Descreve o robô utilizado. É dividida nas seguintes subseções: - 5.1.1

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

Projeto de Sistemas de Tempo Real

Projeto de Sistemas de Tempo Real Projeto de Sistemas de Tempo Real Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Engenharia da Computação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides elaborados pelo professor Marcio Cornélio O autor

Leia mais

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer 1 Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer Rafael Antonio Barro [1] Jailton Farias de Carvalho [2] Resumo: Este artigo descreve como funciona o módulo de captura de imagens do software Sci-soccer,

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Engenharia de Sistemas Computacionais

Engenharia de Sistemas Computacionais Engenharia de Sistemas Detalhes no planejamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Introdução Na aplicação de um sistema

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Prof. André Dutton

SISTEMAS OPERACIONAIS. Prof. André Dutton 1 SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. André Dutton O OS esta ligado diretamente com o Hardware do Computador no qual ele é executado. CPU MEMORIA CONTROLAD OR DE VIDEO CONTROLAD OR DE TECLADO CONTROLAD OR DE DISCO

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Uma Arquitetura Distribuída de Hardware e Software para Controle de um Robô Móvel Autônomo

Uma Arquitetura Distribuída de Hardware e Software para Controle de um Robô Móvel Autônomo Uma Arquitetura Distribuída de Hardware e Software para Controle de um Robô Móvel Autônomo rbritto@dca.ufrn.br Orientador: Adelardo A. D. Medeiros adelardo@dca.ufrn.br - Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Sistemas Operacionais. Patrícia Megumi Matsumoto Luciana Maria Gregolin Dias

Sistemas Operacionais. Patrícia Megumi Matsumoto Luciana Maria Gregolin Dias Sistemas Operacionais Microsoft Windows R Patrícia Megumi Matsumoto Luciana Maria Gregolin Dias Histórico Início da década de 80 MS-DOS (vai evoluindo, mas sem nunca deixar de ser um SO orientado à linha

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc.

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc. Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software Prof. MSc. Hugo Souza Continuando nossas aulas relativas ao Módulo 1, veremos a seguir

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Software em Sistemas Distribuídos Aplicativo ou Sistema Operacional Sincronismo Interação Controles Um sistema operacional moderno provê dois serviços fundamentais para o usuário

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Entrada / Saída Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Tópicos Princípios do hardware de E/S Princípios do software de E/S Camadas do software

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

Hardware e Software. Exemplos de software:

Hardware e Software. Exemplos de software: Hardware e Software O hardware é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. Em complemento ao

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Arquitetura WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Arquitetura de Software O sistema DIGIMAN é implementado em três camadas (apresentação, regras de negócio e armazém de

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 2-1. PRINCÍPIOS DE SOFTWARE DE ENTRADA E SAÍDA (E/S) As metas gerais do software de entrada e saída é organizar o software como uma série de camadas, com as mais baixas preocupadas em esconder as

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Sistemas Operacionais de Tempo-Real. Out/2007 Aleksey Victor Trevelin Covacevice 1

Sistemas Operacionais de Tempo-Real. Out/2007 Aleksey Victor Trevelin Covacevice 1 Sistemas Operacionais de Tempo-Real Out/2007 Aleksey Victor Trevelin Covacevice 1 Tópicos O que é computação de tempo-real? O que são sistemas operacionais de tempo-real? Onde são utilizados RTOSs? Sistemas:

Leia mais

Introdução Dalvik Linux 2.6. Android. Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega

Introdução Dalvik Linux 2.6. Android. Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega Android Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega Universidade Federal de Santa Catarina November 18, 2008 Agenda 1 Introdução 2 Dalvik 3 Linux 2.6 Introdução

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

Suporte a redes CAN para Aplicações Embarcadas

Suporte a redes CAN para Aplicações Embarcadas Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Departamento De Informática e Estatística INE Bacharelado em Ciências Da Computação Suporte a redes CAN para Aplicações Embarcadas Autor: Alessandro Barreiros

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

SISTEMA PARA AUTOMATIZAR O MONITORAMENTO DE ROTEADORES DE UM PROVEDOR DE ACESSO

SISTEMA PARA AUTOMATIZAR O MONITORAMENTO DE ROTEADORES DE UM PROVEDOR DE ACESSO FURB Universidade Regional de Blumenau Bacharelado em Ciência da Computação SISTEMA PARA AUTOMATIZAR O MONITORAMENTO DE ROTEADORES DE UM PROVEDOR DE ACESSO Jean Victor Zunino Miguel Alexandre Wisintainer

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Matemática e Computação Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Aula 05 Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br)

Leia mais

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Device Drivers em Linux - Introdução António Joaquim Esteves www.di.uminho.pt/~aje Bibliografia: capítulo 1, LDD 3ed, O Reilly DEP. DE INFORMÁTICA ESCOLA

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 PROCESSOS 1. INTRODUÇÃO Em sistemas distribuídos é importante examinar os diferentes tipos de processos e como eles desempenham seu papel. O conceito de um processo é originário do campo de sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução

Sistemas Operacionais Introdução Sistemas Operacionais Introdução Adriano J. Holanda http://adrianoholanda.org/edu/ 5 de agosto de 2013 Introdução Sobre o curso Introdução Complexidade dos SOs Informações sobre a disciplina Serviços Arquitetura

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

Webinar Freescale Desenvolvimento de sistemas embarcados em Linux com a Thunderboard 11/12/2013

Webinar Freescale Desenvolvimento de sistemas embarcados em Linux com a Thunderboard 11/12/2013 Webinar Freescale Desenvolvimento de sistemas embarcados em Linux com a Thunderboard 11/12/2013 Índice Sobre a Thunderboard Descrição do produto System on Module (SoM) MDP i.mx28 Aplicações Vantagens BSP

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas 1 Apresentação da disciplina Sistemas Operacionais I N Prof. Marcelo Johann 2009/2 O professor A disciplina Bibliografia Cronograma Avaliação Trabalhos Regras do jogo Introdução: Sistemas Operacionais

Leia mais

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth João Paulo Santos¹, Wyllian Fressaty¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Jpsantos1511@gmail.com,

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO Dezembro de 2011 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406082 Revisão 0.0 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO 1... 1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1 ONDE

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional Sistemas Operacionais Conceitos de um Sistema Operacional Modo usuário e Modo Kernel Como já vimos são ambientes de execução diferentes no processador Há um conjunto de funções privilegiadas acessadas

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Arquitetura Sistemas Operacionais Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula Sistemas monolíticos Sistemas em camadas Sistemas micro-núcleo Modelo Cliente-Servidor Máquinas

Leia mais

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007 Roteiro Serviços Estrutura dos Sistemas Operacionais Funções do Sistema Operacional Chamadas do Sistema

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furb.br Resumo. Este artigo apresenta o desenvolvimento de um driver NDIS 1 para

Leia mais

Introdução sobre à porta USB

Introdução sobre à porta USB Introdução sobre à porta USB O USB (Universal Serial Bus) surgiu em 1995 com uma parceria entre várias companhias de alta tecnologia (Compaq, Hewlett-Packard, Intel, Lucent, Microsoft, NEC e Philips).

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais