UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CI^ENCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIO-ECONOMICAS ESAG CURSO DE CI^ENCIAS ECON ^OMICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CI^ENCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIO-ECONOMICAS ESAG CURSO DE CI^ENCIAS ECON ^OMICAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CI^ENCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIO-ECONOMICAS ESAG CURSO DE CI^ENCIAS ECON ^OMICAS GUILHERME AUGUSTO SCHÜTZ ALOCAÇÕES ESTÁVEIS E A PRÁTICA DO MARKET DESIGN: APLICAÇÕES E PRÁTICAS FLORIANÓPOLIS - BRASIL 2013

2 GUILHERME AUGUSTO SCHÜTZ ALOCAÇÕES ESTÁVEIS E A PRÁTICA DO MARKET DESIGN: APLICAÇÕES E PRÁTICAS Trabalho de Conclusão apresentado ao curso de Ci^encias Econ^omicas do Centro de Ci^encias da Administração e Socioecon^omicas, da Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para a obtenção do grau de bacharel em Ci^encias Econ^omicas. Orientador: Prof. Marcelo de Carvalho Griebeler, Msc. FLORIANÓPOLIS - BRASIL 2013

3 GUILHERME AUGUSTO SCHÜTZ ALOCAÇÕES ESTÁVEIS E A PRÁTICA DO MARKET DESIGN: APLICAÇÕES E PRÁTICAS Trabalho de Conclusão apresentado ao curso de Ci^encias Econ^omicas do Centro de Ci^encias da Administração e Socioecon^omicas, da Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para a obtenção do grau de bacharel em Ci^encias Econ^omicas. Banca Examinadora Orientador: Prof. Marcelo de Carvalho Griebeler, Msc. Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Membro: Profa. Patricia Bonini, Dra. Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Membro: Prof. Marco Ant^onio Seifriz, Dr. Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Florianópolis, 28 de junho, de 2013.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos que participaram desta caminhada me auxiliando a conquistar sonhos e tornar possível esta graduação. Aos professores da UDESC, excepcionalmente do departamento de ci^encias econ^omicas, pelo conhecimento passado. Ao orientador de pesquisa Daniel Augusto de Souza por me oferecer esta oportunidade única e incentivar a prática da pesquisa acad^emica, aos demais professores integrantes, Fernando Pozzobon e Adriano de Amarante pelo conhecimento e experi^encias perpassados. A Patricia Bonini e Nelson da Silva como exemplos de professores. A UFSC e a CAPES pelo acesso à todas as obras e conhecimento necessários para a realização deste trabalho. Agradeço ao professor orientador Marcelo Griebeler pela paci^encia, colaboração e conhecimentos repassados durante a condução desta pesquisa, além de ser um exemplo de atuação na acad^emia. Ao professor de matemática Carlos Cezar Cabral por despertar a paixão pela matemática e pelo xadrez, aos professores de matemática Eduardo Jara e Marcelo Ribeiro por aceitarem e me auxiliarem nos desafios propostos. Aos meus amigos que sempre apoiaram e brindaram juntos nos melhores e piores momentos. Especialmente à Renata Tonial pela perseverança, dedicação, e carinho nestes mais de 3 anos de companheirismo. A toda minha família, meus avós, meu pai Max, e minha mãe Lourdes, por acreditarem e me fornecerem tudo o que eu mais precisava.

5 A good player is always lucky. Capablanca

6 RESUMO Devido ao seu rigor matemático e metodológico, a teoria de jogos associada ao market design ainda apresenta um número reduzido de trabalhos e aplicações, por isso esta monografia tem por objetivo realizar uma revisão da literatura acerca da teoria das alocações estáveis e da prática do market design, apresentando suas contribuições à restrição das falhas de mercado. Dado que as alocações estáveis tem seu fundamento na teoria dos jogos, sobretudo em jogos cooperativos, são apresentados os principais efeitos desta teoria na aplicação em diferentes tipos de mercados. Por fim, destacam-se como decorr^encia mais significativa uma nova ferramenta de engenharia microecon^omica, voltada para desenhar e redesenhar mecanismos mais eficientes na solução e impedimento das falhas de mercado. Palavras-chaves: Desenho de mercado. Alocações estáveis. Teoria dos jogos.

7 ABSTRACT Due to the mathematical and methodological rigour, the theory of games associated with the market design still has a small number of works and applications, so this monograph aims to review the literature about the theory of stable allocations and practice of market design, presenting their contributions to the restriction of market failures. Since the stable allocations is grounded in game theory, especially in cooperative games, this work will present the main effects of this theory in application in different types of markets. Finally, stand out as the most significant result a new engineering microeconomic tool toward design and redesign more efficient mechanisms in solution and preventing market failures. Key-words: Market design. Stable allocations. Game Theory.

8 SUMÁRIO 1 Introdução Teoria dos Jogos, Jogos de Dois Lados e Jogos Cooperativos Jogos estáticos, jogos din^amicos e ótimo de Pareto Jogos cooperativos O Núcleo O núcleo em jogos com transfer^encia de utilidade (TU) O núcleo em jogos sem transfer^encia de utilidade (NTU) Market Design Alocação de Candidatos às Instituições O critério de atribuição O problema de casamentos O caso de médicos residentes nos EUA Mecanismos de alocação de casas e o TTC: Top Trading Cycles Transplante de rins A prática do Market Design Mecanismo de Admissão Reformulado e o Mercado da ANPEC O Modelo de Admissão às Instituições Reformulado O mercado da ANPEC no Brasil Conclusão e Considerações Finais Refer^encias

9 8 1 INTRODUÇÃO O mercado representa um fator imprescindível para o desenvolvimento econ^omico de uma sociedade, e é formado por dois tipos de agentes, os interessados em oferecer um determinado bem ou serviço (oferta) e outros interessados em consumi-los (demanda). Para o bom funcionamento da economia é imprescindível que os mercados apresentem estabilidade e equilíbrio ao longo do tempo. Entretanto, muitos mercados não se comportam como o ideal, ou poderiam comportar-se de forma mais estável e eficiente. Desta forma, apresentaremos neste trabalho diversas falhas de mercado que podem ser encontradas na prática e apontaremos as soluções propostas pela literatura para corrigir, evitar e impedir o aparecimento e o crescimento dessas falhas. Entre as possíveis falhas, o presente trabalho aborda falhas de mercados causadas pela instabilidade gerada por associações ineficientes entre seus agentes - como, por exemplo, na alocação de funcionários em empresas ou de candidatos em universidades. Nos casos abordados esta inefici^encia poderia ser evitada pelo próprio mercado, através de mecanismos estabilizadores, proporcionando assim uma alocação mais eficiente nas negociações finais. Neste contexto, objetiva-se aqui realizar uma revisão da literatura, a cerca das alocações estáveis e do market design, identificando as características de cada mercado e suas falhas. Também se pretende descrever a formação de alocações a fim de inferir possíveis saídas que minimizem a instabilidade e apresentar os principais mecanismos desenvolvidos para tornar, quando possível, as alocações finais eficientes no sentido de Pareto. Com a intenção de facilitar o entendimento e apreensão do assunto se fará uso de exemplos e resoluções ao final da explanação dos mecanismos, quando convier. A busca por pontos representativos no arcabouço teórico de teoria dos jogos embasa a revisão bibliográfica em si e permite fundamentar as análises de forma qualitativa. A relev^ancia desta monografia orbita na construção de uma síntese das produções científicas a cerca do tema, compilando os principais resultados e proposições. O trabalho está dividido na seguinte estrutura, primeiramente no capítulo 2 apresentase a inserção da teoria utilizada dentro da teoria dos jogos, principal método utilizado para resolver estas falhas. No capítulo 3 encontram-se os problemas identificados na literatura, abrangendo o College Admission Problem (problema de admissão aos colégios), o problema de casamentos, o caso dos médicos residentes, alocações de casas a inquilinos e o mercado de transplante de rins. Para todas estas situações tem-se um objetivo em comum: atribuir elementos de um conjunto (sejam candidatos, órgãos, mulheres) a elementos de outro conjunto (instituições, pacientes, homens) da melhor forma possível. Para tanto, apresenta-se a teoria das alocações estáveis, a fim de gerar o melhor possível para os mercados. Também se descreve a prática do market design que torna estas alocações possíveis, incentivando

10 Capítulo 1. Introdução 9 agentes a participar do mercado, além de regular a din^amica, impedindo que novas falhas surjam. No capítulo 4 apresenta-se o mercado de admissão às instituições reformulado e aplicações deste mecanismo no mercado brasileiro de pós-graduação em economia.

11 10 2 TEORIA DOS JOGOS, JOGOS DE DOIS LADOS E JOGOS COOPE- RATIVOS O tema abordado no presente trabalho encontra-se na fronteira do desenvolvimento da ci^encia econ^omica e pouco difundido no meio acad^emico, tanto pelo alto rigor matemático quanto metodológico. Todavia, dado o crescente desenvolvimento dos trabalhos realizados sobre o assunto, é propícia a contextualização do tema e explanação de algumas importantes definições que auxiliem no entendimento do assunto. As bases para o uso da teoria dos jogos na economia foram apresentados em um estudo realizado por Neumann e Morgenstern (1944), intitulado Theory of Games and Economic Behavior. Com o passar dos anos, a teoria dos jogos tornou-se uma ferramenta dominante para a análise de questões econ^omicas. Em particular, a teoria dos jogos nãocooperativos, ou seja, o ramo da teoria dos jogos que exclui acordos vinculativos entre os agentes, teve grande impacto na pesquisa econ^omica. O aspecto principal desta teoria é o conceito de equilíbrio, o qual é usado para fazer previsões sobre o resultado da interação estratégica. John F. Nash, Reinhard Selten e John C. Harsanyi são tr^es pesquisadores que fizeram contribuições eminentes para este tipo de análise de equilíbrio, laureados com o Pr^emio Nobel em economia de Um dos grandes avanços, muitas vezes não destacado, da teoria dos jogos foi na implementação de métodos de indução matemática e matemática discreta nas conjeturas realizadas. Estes métodos diferenciam-se da matemática clássica pela não necessária abordagem de argumentos contínuos (derivações, integrais) e formalizados. A matemática discreta visa utilizar da lógica pura, muitas vezes, e argumentos complexos de serem formalizados, 1 tal como elucidam Gale e Shapley (1962, p. 15) sobre os teoremas apresentados em seu artigo acerca do mecanismo de admissão às instituições: Most mathematicians at one time or another have probably found themselves in the position of trying to refute the notion that they are people with a head for figures, or that they know a lot of formulas. At such times it may be convenient to have an illustration at hand to show that mathematics need not be concerned with figures, either numerical or geometrical. (...) the argument is carried out not in mathemathical symbols but in ordinary english; there are no obscure or technical terms. A teoria dos jogos usa como critério de subdivisão as diferentes formas que seus agentes interagem, e estas apresentam uma série de diverg^encias quanto a suas deduções. Os agentes podem agir de forma competitiva, onde não há vínculos entre os mesmos, 1 Por formalização entende-se aqui pela utilização de fórmulas e axiomas da matemática, mas não da interpretação de gráficos e propriedades de conjuntos e seus algebrismos. Mais informações em Rosen (2007) e Owen (1999).

12 Capítulo 2. Teoria dos Jogos, Jogos de Dois Lados e Jogos Cooperativos 11 ou melhor, os agentes não cooperam entre si, chamados de jogos não cooperativos. 2 Os jogos podem diferenciar-se também pela quantidade de jogadores envolvidos em dado jogo. Jogos onde há apenas um jogador, um quebra-cabeça ou a solitária por exemplo, a decisão é simples e está embasada na chamada teoria da decisão. Outros envolvem uma série de jogadores e podem até chegar a infinitos jogadores (como em casos macroecon^omicos), ou como por exemplo em Aumann e Shapley (1971), onde um jogador tem influ^encia infinita nos resultados. O presente trabalho se limitará a conjuntos finitos de participantes e resultados. 2.1 JOGOS ESTÁTICOS, JOGOS DIN^AMICOS E ÓTIMO DE PARETO Os jogos podem ser estáticos ou din^amicos. Um jogo estático é aquele em que uma única decisão é tomada por cada jogador, e cada jogador não tem conhecimento da decisão tomada pelos outros jogadores antes de tomar sua própria decisão. Às vezes, esses jogos são conhecidos como jogos de decisões simult^aneas, pois qualquer ordem em que as decisões são tomadas é irrelevante. O Dilema dos Prisioneiros é, provavelmente, o exemplo mais famoso de um problema de decisão interativa (NISAN et al., 2007). Jogos din^amicos são aqueles em que as decisões tomadas pelos jogadores podem ocorrer em tempos distintos, sendo que algum jogador pode tomar uma decisão antecipadamente, e até mesmo estas decisões adiantadas podem tornar-se públicas, ou seja, sob conhecimento de outros jogadores. Neste tipo de jogo não há um agendamento das decisões dos jogadores (WEBB, 2007). Os jogos din^amicos podem ser representados por uma árvore de jogo, a chamada forma extensiva, o que é geralmente uma extensão da árvore da decisão para jogos de um jogador. Em cada período que as decisões são tomadas forma-se um nó na árvore, abrindo ou não para novas decisões. Ao final de cada caminho da árvore apresenta-se uma combinação de payoffs (recompensa) dos jogadores envolvidos por terem seguido aquelas decisões. É comum na teoria dos jogos a busca por um resultado mais eficiente em dado jogo, para tanto, utiliza-se a definição de eficiente no sentido de Pareto ou ótimo de Pareto. Convém para tal definir o conceito de Pareto dominado, que é dado por Bierman e Fernandez (2011) como a exist^encia de um resultado X e de outro X, tal que: todo jogador prefere estritamente X a X ou é indiferente entre X e X, e pelo menos um jogador prefere X a X. Ou seja, existe uma opção melhor para o equilíbrio do jogo, no entanto hipóteses do modelo como (concorr^encia perfeita, expectativas racionais, etc) 2 Jogos não cooperativos podem apresentar opções em que caso haja uma cooperação entre as partes, onde todas sairiam melhor, tal possibilidade é um resultado raro, aparecendo apenas para jogos com repetições infinitas, considerando-se também o risco envolvido, pois neste tipo de jogo ambas as partes tem qualquer incentivo a descumprir o acordo.

13 Capítulo 2. Teoria dos Jogos, Jogos de Dois Lados e Jogos Cooperativos 12 acabam fazendo com que esse ótimo se torne, na verdade, um Pareto dominado. Segundo Varian (2006), todo resultado que não for dominado de Pareto é um ótimo de Pareto, e este último é considerado quando a alocação final não permite nenhuma forma de melhorar a situação de um jogador sem piorar a de outro. 2.2 JOGOS COOPERATIVOS Roth e Sotomayor (1992) consideram a diferença entre jogos cooperativos e não cooperativos apenas artificial, pois as ferramentas dos dois ramos da teoria podem ser utilizadas para explicar os mesmos fen^omenos. Entretanto, os jogos cooperativos apresentam diferentes propriedades, diferenciando sobretudo na questão em que o ótimo para os jogadores será alcançado pela coalizão entre os mesmos para conseguir maiores payoffs possíveis. Segundo Peleg e Sudhölter (2007), a forma de coalizão ocorre tanto em jogos com transfer^encia de utilidade (jogos TU), como em jogos com não transfer^encia de utilidade (jogos NTU). 3 Se a medida de utilidade dos jogadores retornar nas mesmas unidades e não existir um meio de troca de utilidade, tais como pagamentos laterais, podemos dizer que o jogo tem utilidade transferível, caso contrário é um jogo com utilidade não transferível. Um jogo coalizional ou um jogo estratégico é cooperativo se os jogadores podem fazer acordos vinculativos sobre a distribuição dos payoffs ou sobre a escolha de estratégias, mesmo que estes acordos não sejam especificados ou implícitos nas regras do jogo. Acordos vinculativos são predominantes na economia. Na verdade, quase todas as transações vendedor/comprador de um estágio é vinculada. Além disso, a maioria das transações vendedor/comprador multi-estágio, isto é, muitas operações ao longo do tempo, são suportadas por contratos vinculativos. Normalmente, um acordo ou um contrato é obrigatório se a sua violação implica multas elevadas que impeçam os jogadores de quebrá-lo. Considere um jogo com i jogadores, representado por N = {n 1, n 2,..., n i }. Sendo o conjunto pot^encia de N, (N), o conjunto de todos os subconjuntos de N. Então, uma coalizão é um conjunto S onde S (N). Exemplificando, caso i = 3, N = {n 1, n 2, n 3 } temos: (N) = {, {n 1 }, {n 2 }, {n 3 }, {n 1, n 2 }, {n 1, n 3 }, {n 2, n 3 }, {n 1, n 2, n 3 }}, onde uma possível coalizão deste jogo pode ser representada por s 1 = {n 2, n 3 }, ou seja, um elemento do conjunto (N). O conjunto vazio é chamado de coalizão vazia, e o conjunto {n 1, n 2, n 3 } também é uma coalizão, chamada de grande coalizão. 4 3 Para manter a sigla do ingl^es, transferable utilities (TU) e nontransferable utilities (NTU). 4 O número de elementos de um conjunto pot^encia, e por isto seu nome, é dado por 2 N, no exemplo acima por 2 3 = 8.

14 Capítulo 2. Teoria dos Jogos, Jogos de Dois Lados e Jogos Cooperativos 13 Definição 1. A forma de coalizão de um jogo de i pessoas é definida pelo par (N, v), em que N = {n 1, n 2,..., n i } é o conjunto de jogadores e v é uma função real, chamada de função característica do jogo, definida no conjunto (N) de todas as coalizões (subconjuntos de N) e satisfazendo: a) v( ) = 0; e b) a superaditividade, ou seja, se S e T são conjuntos disjuntos de coalizões (S T = ), v(s) + v(t ) v(s T ). Generalizando a definição acima, segundo Aumann (1961), um jogo coalizional com transfer^encia de utilidade em N é uma função que associa cada elemento S de (N) e um número real v(s). Adicionalmente é requerido que v atribua zero para o conjunto vazio, v( ) = 0. Caso uma coalizão S se formar, então, pode-se dividir o seu valor v(s) em diversas formas possíveis entre seus membros. Isto é, S pode alcançar todo vetor de payoffs x R S que seja viável, isto é, que satisfaça x i v(s), (2.1) i S isso somente é possível se a moeda está disponível e desejável como um meio de troca, e se as utilidades dos jogadores são lineares em moeda. A relação acima restringe que uma coalizão só ocorre entre determinados jogadores caso haja uma recompensa maior ou equivalente para os mesmos participarem da coalizão. 2.3 O NÚCLEO Abordaremos também algumas considerações sobre o núcleo de uma economia. O núcleo é um conjunto de recompensas aos jogadores onde cada coalizão recebe, pelo menos, o seu valor. O valor total do conjunto dos jogadores coligados é maior ou igual ao total dos jogadores caso não coligados. Esta definição é imperativa para o funcionamento dos jogos, tanto como justificativa para a coligação dos jogadores quanto pela determinação do tamanho do núcleo. Ou seja, dado uma série de formas de coalizão entre os jogadores, vai existir pelo menos uma forma de coalizão onde todos os jogadores estarão estáveis em sua coalizão, isto é, nenhuma coalizão terá a prefer^encia e poder para perturbar os acordos. 5 Um exemplo importante é o matching de dois lados tratados em Roth e Sotomayor (1992). A noção de matching na economia, por mais que seja atribuída à Gale e Shapley (1962), sua concepção aparece nos trabalhos científicos apenas ao final da década de 1970, em que Mortensen (1979, p. 233) define matching como: 5 A noção de estabilidade é o ponto chave para a exist^encia dos mecanismos do Market Design. Para uma definição mais formal do núcleo, ver Shapley e Scarf (1974), On Cores and Indivisibility.

15 Capítulo 2. Teoria dos Jogos, Jogos de Dois Lados e Jogos Cooperativos 14 The term matching refers to any process by which persons and/or objects are combined to form distinguishable entities with some common purpose that none can accomplish alone. The allocation of apartments to tenants, the assignment of jobs to workers or factories to sites, the pairing of men and women in marriage, and the formation of collections of agents known as firms are all examples. O autor segue o pensamento, levando a uma limitação dos problemas de interesse, como os exemplos citados, salientando que as questões de interesse a cerca do processo de matching (em que talvez pude-se ser igualado à Market Design pela completa semelhança) estão na noção de que matchings ocorrem voluntiariamente, e que as possibilidades de substituição existem no sentindo de que nenhum indivíduo é essencialmente um membro de qualquer coalizão. Mas caso houver uma coalizão, o valor (o benefício, a utilidade) da união destes agentes pode ser repartido entre seus membros por diversas maneiras. Corroborando assim com Roth (2008) em que a questão pricípua do market design está não apenas nas respostas e soluções a diversos problemas de mercado, mas na sustentação da prática destas soluções O núcleo em jogos com transfer^encia de utilidade (TU) Em jogos cooperativos é comum, por benefício total dos jogadores, formarem a grande coalizão (quando S = N), pois é normal em muitos mercados que o valor total da coalizão v(s) seja maior que o valor total de qualquer outra coalização de (N) S. O problema aqui está na divisão do benefício resultante entre os jogadores. Apresenta-se então, uma das possíveis propriedades de realizar um acordo para uma justa divisão, que seja estável, no sentido de que nenhuma coalizão tenha o desejo e poder para desfazer o acordo. Tal divisão dos rendimentos totais são chamados de pontos de um núcleo, um conceito central da teoria dos jogos na economia. Um vetor de payoffs é definido por x = (x 1, x 2,..., x n ), onde o jogador i recebe a quantidade x i, é chamado de imputação. A primeira propriedade desejável de uma imputação é a de que a quantidade total dos valores recebidos pelos jogadores seja v(n). Definição 2. O vetor de payoffs, x = (x 1, x 2,..., x n ), é dito conjuntamente racional ou eficiente se n i=1 x i = v(n). Uma condição natural de uma imputação é que nenhum jogador concordaria em receber menos do que receberia se agisse sozinho. Ou seja, x i v({i}) i. Definição 3. Um vetor de payoffs x é dito individualmente racional quando x i v({i}) para todo i = 1, 2,..., n.

16 Capítulo 2. Teoria dos Jogos, Jogos de Dois Lados e Jogos Cooperativos 15 Definição 4. Uma imputação é um vetor de payoffs que é conjuntamente racional e individualmente racional. O conjunto de imputações pode ser representado por {x = (x 1,..., x n ) : i N x i = v(n), x i v({i}), i N}. (2.2) Definição 5. Uma imputação x é dita ser instável através da coalizão S se v(s) > i S x i, ou seja, x é dita instável se existe uma coalizão S em que x é instável através de S, caso contrário x é considerada estável. Definição 6. O conjunto C de imputações estáveis é chamado de núcleo, C = {x = (x 1,..., x n ) : x i = v(n), x i v(s), S N}. (2.3) i N i S O núcleo em jogos sem transfer^encia de utilidade (NTU) O núcleo em jogos com transfer^encia de utilidade pode ser generalizado para o conceito de núcleo em jogos sem transfer^encia de utilidade. No entanto, a análise do núcleo, quando não há nenhum pagamento lateral é muito mais difícil do que no caso de jogos TU. A definição precisa do núcleo também deve especificar o conjunto de vetores de payoffs que são candidatos potenciais à adesão do núcleo. Aumann (1961) introduziu o núcleo de um conjunto arbitrário de vetores recompensa, considerando o núcleo sob a racionalidade individual, um ótimo de Pareto (fraco), e o conjunto destas propriedades. Na maioria dos jogos NTU o núcleo é composto pelos matchings estáveis ótimos que serão detalhados mais a frente. Em alguns casos o núcleo é composto por um único matching ótimo, e em outros, o núcleo é vazio, isto é, quando não existem matchings estáveis ótimos. No capítulo a seguir apresenta-se alguns modelos de mercados aplicados e as possíveis falhas dos mecanismos encontrados na prática, sobretudo com o desenvolvimento destes mercados. A contribuição das práticas de market design serão descritas no tocante ao controle e gerenciamento destes mercados para gerar resultados estáveis melhores possíveis.

17 16 3 MARKET DESIGN Em um mercado ideal, onde trabalhadores e empresas tem tempo irrestrito e a habilidade de fazer acordos, o resultado seria um mercado estável. No entanto, mercados do mundo real diferenciam-se deste ideal em muitos aspectos, sobretudo pelas falhas que ocorrem nestes mercados. A prática do market design surge para desenhar e redesenhar a estrutura de mercados de variados tipos e envolvendo diferentes tipos de agentes. Surge aqui um novo ramo de estudos dentro da economia. Duas principais propriedades do market design, que serão abordadas nas diferentes aplicações, são: manter a estabilidade, encorajando grupos a participarem do mercado; e a compatibilidade de incentivos, desestimulando a manipulação estratégica do mercado. The real test of our success will be not merely how well we understand the general principles that govern economic interactions, but how well we can bring this knowledge to bear on practical questions of microeconomic engineering, (ROTH, 1991). As questões práticas de engenharia microecon^omica estão na concepção de mecanismos que forneçam as melhores formas de se realizar as diferentes combinações entre os participantes do mercado. Para tanto, Roth (2008) argumenta que para os ambientes de mercado funcionarem adequadamente precisam: a) Promover abund^ancia devem atrair proporções suficientes de potenciais mercados participantes para poderem transacionar entre si. b) Superar o congestionamento possivelmente trazido pela abund^ancia, oferecendo tempo suficiente para as transações realizarem, ou tornando as transações rápidas o suficientes, para que participantes possam considerar diferentes alternativas oferecidas para conquistar combinações mais satisfatórias. c) Tornar seguro para os participantes do mercado o mais fácil possível, evitando transações por fora do mercado. Os participantes do mercado querem maximizar seus rendimentos dado suas prefer^encias, logo, quanto menor for a insatisfação com o resultado final maior tende a ser seu incentivo em burlar os procedimentos estabelecidos pelo mercado para conseguir maiores rendimentos possíveis. As interações dos mercados nem sempre vão depender de um sistema de preços alguns mercados proibem a comercialização e outros não envolvem ganhos diretos, mas benefícios futuros, como o mercado de trabalho. Roth (2007) destaca a exist^encia de restrições de mercados, que serão analisadas mais a frente, com base apenas no desgosto, por serem repugnantes pelo senso comum. Um bom exemplo que será detalhado é o mercado de órgãos. As pessoas comumente não querem criar um mercado para isto, pois de

18 Capítulo 3. Market Design 17 alguma forma incentiva o sequestro e o homicídio de seres humanos para comercialização de seus órgãos. Assim, é importante notar que alguns mercados podem ser repugnantes em determinados locais e épocas, e em outros serem completamente aceitáveis. É um objetivo da prática do market design a criação de uma clearinghouse, um termo utilizado para designar uma ag^encia ou organização que coleta e distribui alguma coisa, especialmente informação. Estas podem ser confundidas com organizações que visam regular um mercado específico para atender às propriedades acima, entretanto, estas devem realizar um papel mais importante ainda, que nem sempre é possível: a criação de um algoritmo com regras definidas para atender da melhor maneira possível aos resultados de um mecanismo desenvolvido para combinar entre si os participantes do mercado. Seus pressupostos são a efici^encia e a otimização na alocação entre os parcipantes (estabilidade nos resultados gerados). Com base nestes pressupostos, Roth (2002) justifica a necessidade das diferentes ferramentas oferecidas por diversas áreas do conhecimento (teoria dos jogos, experimentos computacionais, engenharia dos mecanismos) que devem complementar-se para desenhar e redesenhar os diferentes tipos de mercados. Os experimentos em market design podem desempenhar sua import^ancia nos diagnósticos e percepção de fracassos e sucessos de mercados, testando novas técnicas e repassando os resultados aos tomadores de decisões. Serão abordadas nas seções seguintes, diferentes aplicações empíricas com notáveis contribuições para o desenvolvimento da prática do market design e das alocações estáveis. Muitos dos mecanismos que seguem foram implementados antes do surgimento da teoria, ressaltando-se a import^ancia da análise dos mecanismos na prática, para então serem modelados e estudados com mais afinco. 3.1 ALOCAÇÃO DE CANDIDATOS ÀS INSTITUIÇÕES Uma típica situação de admissões de alunos em colégios pode ser apresentada da seguinte forma: n candidatos interessados em participar do processo de admissão disputando q vagas disponíveis em determinado colégio. É visível que de forma ideal a instituição deveria realizar um processo seletivo donde aprovaria os q candidatos mais bem pontuados no processo. Entretanto, de forma a antever determinadas imperfeições neste mercado, a instituição pode chamar um número maior de candidatos, pois alguns candidatos podem ser chamados por outros colégios. Existe aqui um problema inicial de quantos e quais destes candidatos podem ser admitidos. Este é o caso inicialmente trabalhado por David Gale e Lloyd Shapley em College admissions and the stability of marriage publicado em Vale ressaltar aqui algumas conjeturas a serem definidas como sendo desconhecidas sobre o processo de admissão em escolas. a) O fato de algum candidato ser aprovado em outra instituição;

19 Capítulo 3. Market Design 18 b) As prefer^encias dos candidatos sobre as instituições de interesse; c) Qual das instituições o candidato será aprovado; Uma alternativa comumente utilizada é a criação de uma lista de espera. Nesta elaboração o candidato pode ser aprovado para uma lista de espera, o qual pode ser chamado posteriormente quando novas vagas estiverem disponíveis. Este processo pode resultar em disparidades éticas, pois caso algum candidato entre na lista de espera de um colégio de sua maior prefer^encia, neste meio tempo o candidato pode aceitar a oferta de outro. Caso o candidato for chamado em seu colégio preferido, pode ignorar o colégio em que havia aceitado a vaga sem ser obrigado a alertá-lo, gerando uma vaga em aberto no referido colégio, o qual será apenas identificada ao término do processo de matrícula (GALE; SHAPLEY, 1962). 1 O objetivo de Gale e Shapley é criar um mercado em que todas estas incertezas sejam evitadas, criando um procedimento para atribuir candidatos à instituições em que os dois lados estejam satisfeitos. 3.2 O CRITÉRIO DE ATRIBUIÇÃO Em um mercado com n candidatos para serem atribuídos a m colégios, q i representa a quota de estudantes do colégio i. Cada candidato lista os colégios em ordem de prefer^encia, omitindo aqueles colégios em que não gostaria de ser chamado sob nenhuma circunst^ancia. Por conveni^encia assume-se que não há empates; portanto, se um candidato é indiferente em relação a dois ou mais colégios, é requerido que este os liste em alguma ordem. Cada colégio similarmente realiza tal lista de prefer^encias, eliminando primeiramente aqueles candidatos que não seriam admitidos sob quaisquer circunst^ancias. Dados estes dois conjuntos de listas e as quotas das instituições, pretende-se determinar uma atribuição dos candidatos a colégios de acordo com critérios equitativos. Um matching é um conjunto qualquer que contenha os candidatos alocados (ou atribuídos) a determinada instituição, sendo que, caso o matching μ tenha cinco elementos, poderá ser representado pelo conjunto μ(i 1 ) = {c 1, c 2, c 3, r 1, r 1 }, sendo que c 1, c 2, c 3 são diferentes candidatos alocados na instituição i 1, e r 1 representam vagas remanescentes da instituição i 1. Sendo assim, um matching de determinada instituição i será uma lista contendo todos os candidatos a ela atribuídos e suas vagas remanescentes (caso houver). Um matching é bilateral, isto é, cada candidato pode no máximo ser alocado a uma instituição e cada instituição pode admitir no máximo sua cota q i de candidatos. 2 (ROTH, 1 Num sentido relativo, diferentes mercados tem distintos valores éticos, por exemplo o mercado de assessores de juízes tende a apresentar valores éticos mais fortes, visto que o assessor poderá depender de uma conduta ilibada perante estes juízes em cargos futuros e até mesmo em decisões internas. 2 Na literatura mais antiga encontra-se alguma diferença na definição de matching como sendo a combinação entre dois agentes de diferentes lados, [col egio i, aluno j ], [hospital i, residente j ], etc. Esta

20 Capítulo 3. Market Design ). É desejável que a situação descrita na seguinte definição não ocorra. Definição 7. A atribuição de candidatos a colégios é dita instável se existirem dois candidatos α e β que já estão alocados nos colégios A e B, respectivamente, embora β prefere A à B e A prefere β à α. Caso esta situação ocorra, o candidato β poderia comunicar à instituição A sua prefer^encia por ela, e a instituição aceitá-lo. Desta forma, A e β considerariam a mudança uma melhoria. Portanto, a primeira condição para uma atribuição é a aus^encia de instabilidade. Assumindo que atribuições estáveis existem, ainda deve-se decidir qual das possivelmente inúmeras soluções estáveis é preferível. Definição 8. Uma atribuição estável é dita ótima se todo candidato esteja pelo menos tão bem como no ^ambito de qualquer outra atribuição estável. Mesmo admitindo a exist^encia de atribuições estáveis, é distante o fato de existirem atribuições ótimas. Entretanto, pode-se conjeturar que a atribuição ótima, se existir, é única. Pois, caso houvesse duas atribuições ótimas, pela regra sem empates, pelo menos um candidato estaria melhor em um colégio do que em outro. Sendo assim, os princípios da estabilidade e otimização levaram a um único melhor método de atribuição. (GALE; SHAPLEY, 1962; ROTH, 2010). 3.3 O PROBLEMA DE CASAMENTOS O stable marriage problem também foi apresentado por Gale e Shapley (1962). Consiste no primeiro mecanismo desenvolvido pelos autores para criar um matching estável entre casais heterossexuais. Este mecanismo traz na verdade a ideia de matching e alocações estáveis num sentido generalizado utilizando um exemplo simples e corriqueiro na vida real que é o casamento. Na realidade a concepção deste mecanismo surge anteriormente ao college admission problem. Apresentar-se-á uma breve formalização do modelo revisitado por Roth (1985), identificando algumas peculiaridades em relação ao modelo de alocação de candidatos às instituições. Dado um conjunto finito de n homens e m mulheres representados por M e W, respectivamente, define-se a lista de prefer^encias de homens pelas mulheres por P (m) em W {m}, onde m corresponde a ficar solteiro, e a lista de prefer^encias de um homem deve estar na forma P (m) = (w 1, w 2, m,..., w m ). Esta relação pode ser representada diferenciação faz sentido atualmente ao modelarmos os matchings ótimos para cada instuitição.

The Stable Matching Problem

The Stable Matching Problem The Stable Matching Problem Aluno: José Eliton Albuquerque Filho Orientador: Thomas Lewiner Introdução O problema do emparelhamento estável ( Stable Matching Problem ), apresentado por David Gale e L.S.Shapley

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores

Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores Aula passada: Discussão sobre situações de conflito Exemplos de jogos Jogo em aula Aula de hoje: Introdução

Leia mais

Notas de aula número 1: Otimização *

Notas de aula número 1: Otimização * UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto Júnior

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

What Are the Questions?

What Are the Questions? PET-Economia UnB 06 de abril de 2015 Joan Robinson Mrs. Robinson Formou-se em Economia na Universidade de Cambridge em 1925 Em 1965, obteve a cadeira de professora titular em Cambridge Economista pós-keynesiana

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250. Fax: 351217270252

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250. Fax: 351217270252 Comportamento estratégico Fernando ranco Ano lectivo 2003-2004 Trimestre de Inverno As questões estratégicas são relevantes em muitos casos para além do oligopólio. Interacção entre partidos; negociações

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Administração de Redes TCP/IP Roteamento: Sistemas Autônomos e EGP Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@ieee.org UNESP - IBILCE - São José do Rio Preto 2001 1. Introdução

Leia mais

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas EN1002 Engenharia Unificada I FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas Conteúdo da Apresentação Formas de comunicação em Projetos de Engenharia (PE) Interpretação

Leia mais

Alocação de casas. para cada i, permutação i de todas as casas. n agentes, cada um com uma única casa. Teoria dos Jogos p. 1

Alocação de casas. para cada i, permutação i de todas as casas. n agentes, cada um com uma única casa. Teoria dos Jogos p. 1 Alocação de casas n agentes, cada um com uma única casa para cada i, permutação i de todas as casas Teoria dos Jogos p. 1 Alocação de casas n agentes, cada um com uma única casa para cada i, permutação

Leia mais

OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * Novembro, 2004.

OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * Novembro, 2004. OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * POR: RUTE MARTINS SANTOS Novembro, 2004. Este documento está protegido pelo direito de autor nos termos da lei portuguesa, do direito comunitário e

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

Sinopse da Teoria da Escolha

Sinopse da Teoria da Escolha 14.126 Teoria dos Jogos Sergei Izmalkov e Muhamet Yildiz Outono de 2001 Sinopse da Teoria da Escolha Esta nota resume os elementos da teoria da utilidade esperada. Para uma exposição em detalhes dos quatro

Leia mais

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Para se aplicar a Teoria dos Jogos em situações reais, é preciso em primeiro lugar saber como modelar esses processos e como analisá-los,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros

5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros 5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros Esta dissertação teve como objetivo contribuir para o estudo do lazer, com ênfase nas principais restrições que impedem crianças a realizarem suas atividades

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO

UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO Renata Karoline Fernandes Universidade do Norte do Paraná/Universidade Estadual de Londrina renatakaroline@hotmail.com

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS da ESP / SES -MG em

Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS da ESP / SES -MG em Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS da ESP / SES -MG em Formulação de Políticas de Saúde e Tomada de Decisões Informadas por Evidências Sessão 5 Como usar evidências de pesquisa

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Art. 2º - Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Professora Sandra Denise Kruger Alves Chefe do DEC

Art. 2º - Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Professora Sandra Denise Kruger Alves Chefe do DEC RESOLUÇÃO DEC No 01/2013 Fixa normas para Elaboração e Apresentação dos Trabalhos de Conclusão do Curso de Graduação em Engenharia Civil. A Chefia do Departamento do Curso de Engenharia Civil, no uso de

Leia mais

Análise do Jogo Induzido pelo Mecanismo SiSU de Alocação de Estudantes em Universidades

Análise do Jogo Induzido pelo Mecanismo SiSU de Alocação de Estudantes em Universidades Análise do Jogo Induzido pelo Mecanismo SiSU de Alocação de Estudantes em Universidades Luis Abreu * José Raimundo Carvalho Resumo No Brasil, a busca pela redução das ineficiências observadas na alocação

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Inteligência Artificial Prof. Marcos Quinet Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Universidade Federal Fluminense UFF

Inteligência Artificial Prof. Marcos Quinet Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Universidade Federal Fluminense UFF Inteligência Artificial Prof. Marcos Quinet Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Universidade Federal Fluminense UFF No capítulo anterior... Estratégias de busca auxiliadas por heurísticas (A*, BRPM)

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

1.1.1 Instituições: o que são? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem?

1.1.1 Instituições: o que são? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem? PARTE I A análise económica das instituições. 1. Dos dilemas sociais e das instituições para os resolver 1.1 Instituições 1.1.1 O que são? 1.1.3 Como avaliá-las?

Leia mais

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 3.1 - IDENTIFICADORES Os objetos que usamos no nosso algoritmo são uma representação simbólica de um valor de dado. Assim, quando executamos a seguinte instrução:

Leia mais

Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque. Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados. Dissertação de Mestrado

Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque. Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados. Dissertação de Mestrado Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de

Leia mais

Ética & Mitos Corporativos

Ética & Mitos Corporativos Ética & Mitos Corporativos O que os cursos não ensinam Júlio Cesar da Silva - juliocesar@eloquium.com.br Apresentação Professor Júlio Cesar da Silva! Mestre em Administração (Mestrado Acadêmico)! MBA em

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas 1. O que é o TCC? O O TCC é uma atividade de síntese e integração de conhecimentos adquiridos ao longo do curso,

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Tentativa e Erro. Prof. Humberto Brandão humberto@bcc.unifal-mg.edu.br

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Tentativa e Erro. Prof. Humberto Brandão humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Tentativa e Erro Prof. Humberto Brandão humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento Universidade Federal de Alfenas versão

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL André Luis Trevisan Universidade Tecnológica Federal do Paraná andrelt@utfpr.edu.br Magna Natalia Marin Pires Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

Introdução a Avaliação de Desempenho

Introdução a Avaliação de Desempenho Introdução a Avaliação de Desempenho Avaliar é pronunciar-se sobre as características de um certo sistema. Dado um sistema real qualquer, uma avaliação deste sistema pode ser caracterizada por toda e qualquer

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

2º. Seção 2 - Das Inscrições Artigo 2º. Artigo 3º. Artigo 4º. Seção 3 Da Constituição da Comissão de Bolsas/Capes Artigo 5º. Artigo 6º.

2º. Seção 2 - Das Inscrições Artigo 2º. Artigo 3º. Artigo 4º. Seção 3 Da Constituição da Comissão de Bolsas/Capes Artigo 5º. Artigo 6º. EDITAL Nº. 47/2014 Processo Seletivo Discente Concessão de Benefícios do Prosup, Bolsas e Taxas Curso de Mestrado do No período de 6 a 20 de maio de 2014, estarão abertas as inscrições para o processo

Leia mais

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes Programa de Pós-Graduação em Estatística e Modelagem Quantitativa CCNE UFSM, Santa Maria RS

Leia mais

Bolsas Templeton para Professores Visitantes

Bolsas Templeton para Professores Visitantes Bolsas Templeton para Professores Visitantes Ciência, Filosofia e Teologia na América Latina Ian Ramsey Centre (IRC) for Science and Religion University of Oxford Chamada Objetivo e Resumo As Bolsas Oxford

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

FAZEMOS MONOGRAFIA PARA TODO BRASIL, QUALQUER TEMA! ENTRE EM CONTATO CONOSCO!

FAZEMOS MONOGRAFIA PARA TODO BRASIL, QUALQUER TEMA! ENTRE EM CONTATO CONOSCO! FAZEMOS MONOGRAFIA PARA TODO BRASIL, QUALQUER TEMA! ENTRE EM CONTATO CONOSCO! DEFINIÇÃO A pesquisa experimental é composta por um conjunto de atividades e técnicas metódicas realizados para recolher as

Leia mais

Figura 1.1: Exemplo de links patrocinados no Google

Figura 1.1: Exemplo de links patrocinados no Google 1 Links Patrocinados 1.1 Introdução Links patrocinados são aqueles que aparecem em destaque nos resultados de uma pesquisa na Internet; em geral, no alto ou à direita da página, como na Figura 1.1. Figura

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ISSN - 0103-2569 MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP André Pimenta Freire Renata Pontin de M. Fortes N 0 213 RELATÓRIOS TÉCNICOS

Leia mais

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA PAULO, João Pedro Antunes de Universidade Estadual de Goiás UnU de Iporá jpadepaula@hotmail.com RESUMO Esta pesquisa foi feita

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O objetivo deste trabalho é estudar um modelo simples de comportamento e equilíbrio das seguradoras. Nesta discussão, são

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Um projeto é um esforço temporário realizado para criar um produto ou serviço único. Ou seja, é desenvolvido a partir de uma ideia, progredindo

Leia mais

O Projeto de Pesquisa

O Projeto de Pesquisa O Projeto de Pesquisa CLÁUDIA BARBOSA O objetivo desta unidade é ensinar ao aluno sobre a definição e elaboração de um Projeto de Pesquisa. Ao final desta aula o aluno deverá apresentar seu projeto de

Leia mais

Se você acredita que as escolas são o único e provável destino dos profissionais formados em Pedagogia, então, está na hora de abrir os olhos

Se você acredita que as escolas são o único e provável destino dos profissionais formados em Pedagogia, então, está na hora de abrir os olhos Se você acredita que as escolas são o único e provável destino dos profissionais formados em Pedagogia, então, está na hora de abrir os olhos O pedagogo David Bomfin, 50 anos, deixou, há algum tempo, de

Leia mais

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis.

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis. 1 Introdução O grande aumento de performance das redes de computadores, combinado com a proliferação de computadores de baixo custo e alto desempenho, trouxe à tona ambientes de meta-computação, ou grids[15,

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO-UnC Curso de Psicologia REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA/TCC (TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PSICOLOGIA)

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO-UnC Curso de Psicologia REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA/TCC (TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PSICOLOGIA) UNIVERSIDADE DO CONTESTADO-UnC Curso de Psicologia REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA/TCC (TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PSICOLOGIA) 2004 S U M Á R I O 1 CONCEITO, OBJETIVOS E ETAPAS....3 2

Leia mais

A moeda possui três funções básicas: Reserva de Valor, Meio de troca e Meio de Pagamento.

A moeda possui três funções básicas: Reserva de Valor, Meio de troca e Meio de Pagamento. 29- A lógica da composição do mercado financeiro tem como fundamento: a) facilitar a transferência de riscos entre agentes. b) aumentar a poupança destinada a investimentos de longo prazo. c) mediar as

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Economia aplicada à saúde suplementar: pequenas ideias para um setor melhor. Juan Pérez Ferres. Salus Inteligência e Ferrés Consultoria

Economia aplicada à saúde suplementar: pequenas ideias para um setor melhor. Juan Pérez Ferres. Salus Inteligência e Ferrés Consultoria Economia aplicada à saúde suplementar: pequenas ideias para um setor melhor Juan Pérez Ferres Salus Inteligência e Ferrés Consultoria Todos sabemos os problemas do setor Mas pouca gente sabe o tamanho

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Aula N : 09 Tema:

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO É expressamente proibido reproduzir, no todo ou em parte, sob qualquer forma ou meio, NOMEADAMENTE FOTOCÓPIA, esta obra. As transgressões serão passíveis das

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA Brasília-DF CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art. 1º. O presente

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O Premiação para associações comunitárias, empreendedores sociais, institutos de pesquisa, micro e pequenas empresas, ONGs e universidades sobre Iniciativas Inovadoras em Sustentabilidade R E G U L A M E

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

Jogos Equilíbrio de Nash

Jogos Equilíbrio de Nash Jogos Equilíbrio de Nash Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Aula Passada Definição de Jogos Jogos do tipo Dilema do Prisioneiro Estratégias dominantes fácil entender o resultado do jogo Exemplos

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Conteúdo Definição Questionamentos Típicos Visão Geral Ciclo de Vida dos Requisitos Síntese dos Objetivos Gerência de Mudança Identificação de Requisitos Classificação de Requisitos

Leia mais