FORWARDS, FUTUROS E SWAPS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORWARDS, FUTUROS E SWAPS"

Transcrição

1 ISEG Instituto Superior de Economia e Gestão Mestrado em Finanças Módulo I FORWARDS, FUTUROS E SWAPS FORWARDS, FUTUROS E SWAPS 2 de Outubro de 2007 Objectivos Programáticos: Nivelar os conhecimentos sobre os produtos derivados futuros, opções e swaps; Identificar as suas principais características, as estratégias na sua utilização e o modo de negociação; Apreender a sua utilização no dia a dia das empresas, facilitando os contactos com dirigentes e técnicos dos departamentos de trading e financeiro. 2 Forwards, Futuros e Swaps - 1

2 FORWARDS, FUTUROS E SWAPS 2 de Outubro de 2007 Programa Os Instrumentos derivados Evolução Histórica Introdução aos Futuros Financeiros Caracterização Participantes Diferença entre Futuros e Forwards Funcionamento Câmara de Compensação, Margens e Markto-market 3 MERCADOS Dimensões Mercados à vista Mercados a prazo Diferença entre mercados à vista e a prazo é a separação entre: o momento da negociação e o momento em que se realiza a operação 4 Forwards, Futuros e Swaps - 2

3 MERCADOS Mercados à vista mercadorias (cereais, ouro, cobre) energia (petróleo, gás natural, electricidade) valores mobiliários acções obrigações títulos de participação divisas 5 MERCADOS Mercados a prazo futuros mercadorias energia valores mobiliários índices divisas opções mercadorias energia valores mobiliários índices divisas 6 Forwards, Futuros e Swaps - 3

4 TIPOS DE MERCADOS A PRAZO Mercados OTC (balcão) personalização adequação às necessidades Mercados Organizados (bolsa) padronizados transparência liquidez sem risco de contrapartida negociabilidade dos produtos 7 TIPOS DE OPERAÇÕES A PRAZO Mercados OTC (balcão) forwards swaps opções empréstimos divisas Mercados Organizados (bolsa) futuros opções 8 Forwards, Futuros e Swaps - 4

5 CONTRATO de FUTUROS Evolução dos Mercados PORQUE NASCEM OS FUTUROS? Criados com o propósito inicial de protecção às flutuações de preços dos produtos ou matérias primas 9 CONTRATO de FUTUROS Evolução Histórica Séc. XVII Holanda Tulipas China Arroz EUA Criado a CBOT - Chicago Board of Trade negociar contratos a prazo vocacionada para as commodities (mercadorias) incerteza quanto a quantidades e preços nos cereais gestão de riscos 10 Forwards, Futuros e Swaps - 5

6 CONTRATO de FUTUROS Evolução Histórica DÉCADA DE 70 do Séc. XX Início dos contratos de futuros sobre activos financeiros FACTOR DETERMINANTE: Colapso do Sistema de Bretton Woods Inconvertibilidade do USD Fim dos Câmbios Fixos Crise do Petróleo Inflação 11 CONTRATO de FUTUROS Evolução Histórica Início dos contratos de futuros sobre activos financeiros em 1972, na CME (Chicago Mercantile Exchange) diferença dos futuros sobre mercadorias, pela entrega poder não ser física, mas monetária (cashsettlement). contratos de futuros que incidem sobre instrumentos de base que não possuem existência física (v.g., taxa de juro, acções, índices, swaps, etc) primeiro activo subjacente - principais divisas internacionais: libra esterlina, marcos alemães, yenes japoneses e francos suíços. 12 Forwards, Futuros e Swaps - 6

7 CONTRATO de FUTUROS Evolução Histórica Até mercados de derivados em 6 países Década de 80 Boom dos mercados de derivados O marco inicial situa-se na criação do mercado inglês da LIFFE em 1982 nascem os contratos de futuros sobre índices accionistas - ferramentas estratégicas indispensáveis à maioria dos agentes económicos, pois permitem actuar sobre o mercado como um todo Desde 1984 Surgem cerca de 40 bolsas em mais de 20 países 13 Volumes Mundiais de Contratos Derivados (milhões de contratos) Forwards, Futuros e Swaps - 7

8 Volumes Mundiais de Contratos Derivados 15 Volumes Mundiais de Contratos Derivados 16 Forwards, Futuros e Swaps - 8

9 Global Futures and Options Volume by Sector (milhões de contratos) 17 Top 10 Commodities Contracts by Volume (milhões de contratos) 18 Forwards, Futuros e Swaps - 9

10 Top 20 Derivatives Exchanges by Volume (milhões de contratos) 19 Top 20 Derivatives Contracts by Volume (milhões de contratos) 20 Forwards, Futuros e Swaps - 10

11 Europa: Derivados Financeiros (milhões de contratos) Europa: Contratos de Futuros e Opções (milhões de contratos) Futuros Opções Forwards, Futuros e Swaps - 11

12 CONTRATO de FUTUROS Evolução Histórica FUNÇÃO ECONÓMICA DOS FUTUROS cobrir riscos existentes alternativas de investimento garantem maior integração dos mercados contribuem para uma maior sofisticação crescente dos mercados e dos agentes económicos 23 CONTRATO de FUTUROS PRODUTOS SUBJACENTES mercadorias acções divisas gás natural obrigações swaps heating oil serviços 1991 índices imóveis petróleo unidades participação taxas de juro 1984 seguros 1992 unleaded gasoline 1984 electricidade 1996 propano weather derivatives 1999 terrorism derivatives 2005? 24 Forwards, Futuros e Swaps - 12

13 RISCOS FINANCEIROS Risco Preço Matérias-Primas (Commodities) Risco Preço Energia Risco Cambial Risco de Taxa de Juro Risco Accionista 25 Risco Preço Matérias-Primas (Commodities) Tipos de Activos Subjacentes Agrícolas Metais Energia 26 Forwards, Futuros e Swaps - 13

14 RISCO Preço Matérias-Primas Identificação Preço Cacau Preço Cacau $/metric tonne RISCO Preço Matérias-Primas Identificação Evolução do Preço Preço do Algodão 68,00 63,00 58,00 53,00 48,00 43,00 38,00 33,00 28,00 Junho-99 Agosto-99 Outubro-99 Dezembro-99 Fevereiro-00 Abril-00 Junho-00 Agosto-00 Outubro-00 Dezembro-00 Fevereiro-01 Abril-01 Junho-01 Agosto Outubro-01 Dezembro-01 Fevereiro-02 Abril-02 Junho-02 Agosto-02 Outubro-02 Dezembro-02 Forwards, Futuros e Swaps - 14

15 RISCO Preço Matérias-Primas Identificação Evolução do Preço do Alumínio Maio-99 Julho-99 Setembro-99 Novembro-99 Janeiro-00 Março-00 Maio-00 Julho-00 Setembro-00 Novembro-00 Janeiro-01 Março-01 Maio-01 Julho-01 Setembro-01 Novembro-01 Janeiro-02 Março-02 Maio-02 Julho-02 Setembro-02 Novembro RISCO Preço Matérias-Primas Identificação Evolução do Preço do Cobre Dezembro-98 Fevereiro-99 Abril-99 Junho-99 Agosto-99 Outubro-99 Dezembro-99 Fevereiro-00 Abril-00 Junho-00 Agosto-00 Outubro-00 Dezembro-00 Fevereiro-01 Abril-01 Junho-01 Agosto-01 Outubro-01 Dezembro-01 Fevereiro-02 Abril-02 Junho-02 Agosto-02 Outubro Forwards, Futuros e Swaps - 15

16 RISCO Preço Matérias-Primas Identificação Evolução do Preço do Brent Dezembro-98 Fevereiro-99 Abril-99 Junho-99 Agosto-99 Outubro-99 Dezembro-99 Fevereiro-00 Abril-00 Junho-00 Agosto-00 Outubro-00 Dezembro-00 Fevereiro-01 Abril-01 Junho-01 Agosto-01 Outubro-01 Dezembro-01 Fevereiro-02 Abril-02 Junho-02 Agosto-02 Outubro-02 Dezembro RISCO Preço Electricidade Identificação 32 Forwards, Futuros e Swaps - 16

17 RISCO CAMBIAL Identificação Preço Histórico EUR/USD$ 1,2 1,15 1,1 1,05 1 0,95 0,9 0,85 0,8 Dez-98 Mar-99 Jun-99 Set-99 Dez-99 Mar-00 Jun-00 Set-00 Dez-00 Mar-01 Jun-01 Set-01 Dez-01 Mar-02 Jun-02 Set RISCO CAMBIAL Identificação EUR/Real vs US$/Real 3,7 3,2 2,7 2,2 1,7 Jan-00 Fev-00 Mar-00 Abr-00 Mai-00 Jun-00 Jul-00 Ago-00 Set-00 Out-00 Nov-00 Dez-00 Jan-01 Fev-01 Mar-01 Abr-01 Mai-01 Jun-01 Jul-01 Ago-01 Set-01 Out-01 Nov-01 Dez-01 Jan-02 Fev-02 Mar-02 Abr-02 Mai-02 Jun-02 Jul-02 Ago-02 Set-02 Out-02 Nov-02 REAL/US$ REAL/EUR 34 Forwards, Futuros e Swaps - 17

18 RISCO DE TAXA DE JURO identificação Preço Histórico Euribor 3M, 6M e 12M 5,5 5 4,5 4 3,5 3 2,5 Dez-98 Fev-99 Abr-99 Jun-99 Ago-99 Out-99 Dez-99 Fev-00 Abr-00 Jun-00 Ago-00 Out-00 Dez-00 Fev-01 Abr-01 Jun-01 Ago-01 Out-01 Dez-01 Fev-02 Abr-02 Jun-02 Ago-02 Out-02 Euribor 3M Euribor 6M Euribor 12M 35 CONTRATO de FUTUROS Evolução Histórica -PORTUGAL 20 de Junho de 1996, iniciou-se na BDP, a negociação de produtos derivados futuros sobre o índice PSI-20 futuros sobre obrigações de tesouro a 10 anos lisbor a três meses contratos de futuros sobre acções individuais (PT, EDP, BCP, Sonae, Cimpor e Telecel) MIBEL 2005? finalidade económica inegável neutralizar o risco 36 Forwards, Futuros e Swaps - 18

19 CONTRATO de FUTUROS DEFINIÇÃO contrato de futuros: acordo para comprar ou vender um activo, numa determinada data futura, por um preço fixado no presente 37 CONTRATO de FUTUROS DEFINIÇÃO - Futuro é um contrato: Negociável Efectuado num mercado organizado Em que as partes se obrigam a comprar/vender Um activo em quantidade e qualidade normalizadas em data e local pré-determinados A um preço acordado no presente 38 Forwards, Futuros e Swaps - 19

20 CONTRATO de FUTUROS DEFINIÇÃO contratos de futuros são negociados em mercados: formais centralizados organizados 39 CONTRATO de FUTUROS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS padronização da unidade contratual ou prédeterminação de todos os seus aspectos pela entidade gestora do mercado Câmara de Compensação como contraparte nos contratos de futuros Sistema de margens cálculo diário de ganhos e perdas actualização diária dos preços 40 Forwards, Futuros e Swaps - 20

21 CONTRATO de FUTUROS PADRONIZAÇÃO quantidade qualidade vencimento condições de entrega flutuações mínimas variação máxima diária 41 Quantidade Futuros sobre acções da EURONEXT LISBON 100 acções Futuros sobre Eurobunds da Eurex Bund nocional de valor euros Futuro cambial EUR/GBP da CME euros Futuro sobre Energia eléctrica (diário) Nord Pool 1 MW/hora * 24 horas Futuro sobre Light, Sweet Crude Oil US barrels 42 Forwards, Futuros e Swaps - 21

22 Qualidade Futuros sobre acções da EURONEXT LISBON acções admitidas à cotação no MCO Futuros sobre Eurobunds da Eurex Bund cuja maturidade, à data de vencimento, igual ou superior a 6 anos e meio e inferior a 11 anos Futuro sobre Energia eléctrica (diário) Nord Pool Energia Eléctrica produzida nos países membros (Finlândia, Noruega, Suécia e Dinamarca) Futuro sobre Light, Sweet Crude Oil specific crudes from West Texas, low sweet mix Data de Vencimento Prazos padronizados dos diversos contratos Futuros sobre acções da BVLP Último dia de negociação: 3ª sexta-feira do mês de vencimento Vencimento: 3 dias úteis após o último dia de negociação. Futuros sobre câmbios GBP/USD da Liffe Último dia de negociação: 2 dias úteis antes da 3ª quarta-feira do mês de vencimento. Vencimento: 3ª quarta-feira do mês de vencimento 44 Forwards, Futuros e Swaps - 22

23 Local de entrega Futuros Copper Grade A Futures da LME armazéns aprovados pela LME no Reino Unido: Avonmouth, Goole, Hull, Liverpool, Newcastle and Sunderland Futuros sobre o café da BM&F armazéns credenciados pela Bolsa, nos estados de S.Paulo, Paraná e Minas Gerais Futuro sobre Light, Sweet Crude Oil (NYMEX) Seller s Facility Cushing, Oklahoma Futuro sobre Gás Natural (NYMEX) Henry s Hub Louisiana Futuro sobre Electricidade PJM (NYMEX) PJM Western Hub 45 Tipo de Liquidação - Física (entrega do activo subjacente) - Financeira cash settlement - ADP (Alternative delivery procedure) - EFP (Exchange of futures for physicals) - Fecho da Posição - Offset Forwards, Futuros e Swaps - 23

24 Tipo de Liquidação - Física (entrega do activo subjacente) - Indexa o preço do derivado ao do activo subjacente - Financeira cash settlement - Liquidação financeira Tipo de Liquidação - ADP (Alternative delivery procedure) - Embora os contratos standard determinem as condições de entrega bem como os restantes termos do contrato, é possível, por acordo entre as partes, definir essa entrega em termos diferentes dos previstos - EFP (Exchange of futures for physicals) - Permite aos investidores definir o parceiro específico, o local de entrega, a qualidade do produto bem como o momento da entrega, restringindo apenas o montante a liquidar a uma quantia idêntica à especificada no contrato de futuros Forwards, Futuros e Swaps - 24

25 Futuros Futuros padronização Exemplo: Euro/British pound (FINEX) Dimensão do contrato Método de cotação Mínima variação de cotação (Tick size) Vencimentos (meses de contratação) Liquidação no vencimento Euros Libras por euro(eur/gbp) 0,0001 libras (10 libras por contrato) Março, Junho, Setembro e Dezembro Física 49 Futuros Futuros padronização Exemplo: Euro/British pound (FINEX) Cont. Dia de liquidação Último dia de negociação Margem Inicial Margem de manutenção Terceira quarta-feira do mês de vencimento Dois dias úteis antes da terceira quarta-feira do mês de vencimento GBP GBP 50 Forwards, Futuros e Swaps - 25

26 Sequência de uma transacção Cliente - dirige-se a um Intermediário Financeiro e dá uma ordem de bolsa Intermediário Financeiro - envia oferta para o mercado através do sistema informático / viva voz Realização da transacção Registo e comunicação da transacção através do sistema Intermediário Financeiro - informa o cliente das condições de execução da ordem Cliente e IF - cumprem obrigações 51 Futuros BOLSA V E N D E D O R I N T E R M E D I Á R I O NEGOCIAÇÃO COMPENSAÇÃO I N T E R M E D I Á R I O C O M P R A D O R 52 Forwards, Futuros e Swaps - 26

27 Intermediários Clientes î Membros do mercado î Bolsa 53 Membros do Mercado Negociadores Introduzem directamente no sistema as ofertas Negoceiam por conta própria e de terceiros (desde que possam ter posições próprias) Compensadores Introduzem directamente no sistema as ofertas Negoceiam por conta própria e de terceiros Desempenham funções de compensação Forwards, Futuros e Swaps - 27

28 Membros Compensadores São funções de compensação, as relacionadas com: garantias ajustes diários de ganhos e perdas liquidação dos contratos no vencimento liquidação de taxas de bolsa 55 Market-Makers Funções Especiais Obrigação de efectuar ofertas de compra/venda para um ou mais contratos No desempenho destas funções, apenas actuam por conta própria Forwards, Futuros e Swaps - 28

29 COMPENSAÇÃO Câmara de Compensação Membros Compensadores Membros Negociadores. Clientes Finais 58 Forwards, Futuros e Swaps - 29

30 CONTRATO de FUTUROS CÂMARA de COMPENSAÇÃO garante cumprimento dos contratos permite celeridade negocial exige depósitos de margem pode definir limites máximos de variação 59 CONTRATO de FUTUROS INTERVENIENTES Membros compensadores Directos Gerais Market Makers Membros negociadores Individuais (locals) Gerais (brokers) Compensação de operações próprias e de clientes Compensação de operações próprias, de clientes, de outros membros e seus clientes Negociação por conta própria em condições específicas Negociação por conta própria Negociação por conta própria e por conta de clientes. 60 Forwards, Futuros e Swaps - 30

31 CONTRATO de FUTUROS SISTEMA de MARGENS Principais conceitos: Margem Inicial Margem de Segurança Saldo da Margem Reforço de Margem 61 CONTRATO de FUTUROS SISTEMA de MARGENS Principais conceitos: Margem Inicial Depósito inicial (caução) exigido para transaccionar contratos de futuros Garantia devida pela detenção de posições compradoras e vendedoras em contratos de futuros Destina-se a cobrir perdas decorrentes da variação de preços que possa ocorrer entre o momento de um eventual incumprimento e o fecho da posição 62 Forwards, Futuros e Swaps - 31

32 CONTRATO de FUTUROS SISTEMA de MARGENS Principais conceitos: Margem Inicial Determinação da Margem Inicial: Pela entidade gestora do mercado, constando das condições gerais de cada contrato O seu valor é reduzido relativamente ao volume do contrato, dado o sistema de ajustes diários 63 CONTRATO de FUTUROS SISTEMA de MARGENS Principais conceitos: Margem de Segurança limite mínimo na conta margem Saldo da Margem valor disponível em cada momento Reforço de Margem eventuais depósitos necessários, resultante de perdas nas posições de futuros 64 Forwards, Futuros e Swaps - 32

33 CONTRATO de FUTUROS SISTEMA de MARGENS Funcionamento das Margens sempre que se efectua uma transacção (seja de compra ou de venda) no mercado de futuros, tem de se depositar um determinado montante de fundos, dinheiro ou títulos de rendimento fixo sem risco e com elevada liquidez atingido limite de segurança, tem que haver reforço 65 CONTRATO de FUTUROS SISTEMA de MARGENS Função principal das Margens: função é cobrir perdas decorrentes da variação da cotação do activo em causa, que possam ocorrer, num dia normal de bolsa minimiza possibilidade de incumprimento garante boa execução dos contratos 66 Forwards, Futuros e Swaps - 33

34 CONTRATO de FUTUROS FUNCIONAMENTO sistema de liquidação diário de perdas e ganhos, designado por mark to market no final do dia os contratos são reavaliados com base num preço de referência (settlement price) debitada ou creditada a conta na margem (margin account) de cada investidor, consoante o apuramento dos ganhos e perdas os créditos igualam os débitos 67 CONTRATO de FUTUROS PARTICIPANTES hedgers arbitragistas especuladores 68 Forwards, Futuros e Swaps - 34

35 CONTRATO de FUTUROS PARTICIPANTES HEDGERS intervêm no mercado com o intuito do cobrir riscos, assumidos no activo subjacente ARBITRAGISTAS exploram imperfeições momentâneas no mercado, realizando transacções em dois ou mais mercados de forma a obter lucro sem assumir riscos ESPECULADORES procuram obter ganhos decorrentes da confirmação de expectativas acerca da evolução dos preços dos contratos A presença do especulador é fundamental, pois assume riscos que os hedgers pretendem transferir, conferem liquidez, espessura e profundidade ao mercado 69 FUTUROS vs FORWARDS Quantidade negociada Data de vencimento Local de Negociação Risco de contraparte Frequência de liquidação no vencimento Regulação 70 Forwards, Futuros e Swaps - 35

36 FUTUROS vs FORWARDS Quantidade Negociada FORWARD Negociável FUTUROS Padronizada Data de Vencimento FORWARD - Negociável FUTUROS - Padronizada 71 FUTUROS vs FORWARDS Local de negociação FORWARD OTC - Balcão FUTUROS Bolsa Risco de contraparte FORWARD - Existe FUTUROS - Não existe papel da Câmara de compensação 72 Forwards, Futuros e Swaps - 36

37 FUTUROS vs FORWARDS Frequência de liquidação FORWARD Muito elevada FUTUROS Reduzida operações inversas Regulação FORWARD - Auto regulação FUTUROS - CMVM; Bolsas 73 Ajustes diários de perdas e ganhos Futuros Variação de cotações até final da sessão Ganhos ou Perdas Negócio realizado na sessão Posição transitada da sessão anterior 74 Forwards, Futuros e Swaps - 37

38 Ajustes diários de perdas e ganhos Futuros O ajuste é feito a um Preço de Referência estabelecido no final da sessão reflecte a tendência de fecho de cada sessão 75 Cômputo dos ajustes diários Futuros I. Posições não encerradas na sessão Posições abertas na sessão Preço de Referência t - Preço do Negócio Posições transitadas da sessão anterior Preço de Referência t - Preço de Referência t-1 76 Forwards, Futuros e Swaps - 38

39 Cômputo dos ajustes diários Futuros II. Posições que se encerram na sessão Posições abertas na sessão (day trades) Preço do Negócio fecho-preço do Negócio abertura Posições transitadas da sessão anterior Preço do Negócio - Preço de Referência t-1 77 Cômputo dos ajustes diários Forma de realização Futuros Ganhos = Perdas Transferência Na prática, equivale à liquidação parcial do contrato. Em futuros não existem perdas e ganhos potenciais, apenas reais. 78 Forwards, Futuros e Swaps - 39

40 Cômputo dos ajustes diários Forma de realização FUTUROS: JOGO DE SOMA NULA Res. Compra de Futuro GANHOS PERDAS GANHOS PERDAS Preço do Futuro Venda de Futuro 79 Cômputo dos ajustes diários Vantagens Manutenção do risco de crédito a um nível controlável Menor exposição da Câmara de Compensação a incumprimentos Garantias do mercado mais baixas permitindo a alavancagem das operações 80 Forwards, Futuros e Swaps - 40

41 CONTRATO de FUTUROS EXEMPLO Contrato de Futuros sobre as Acções da PT com vencimento para Junho. Um investidor A pretende comprar e o investidor B pretende vender 81 CONTRATO de FUTUROS EXEMPLO A Acções PT 8.2 B A PT PT CC B 82 Forwards, Futuros e Swaps - 41

42 CONTRATO de FUTUROS EXEMPLO C Acções PT 8.3 D C PT PT CC D 83 CONTRATO de FUTUROS EXEMPLO E Acções PT 8.3 A E PT PT CC A 84 Forwards, Futuros e Swaps - 42

43 CONTRATO de FUTUROS EXEMPLO B 0.1 CC 0.1 A 85 CONTRATO de FUTUROS EXEMPLO E Acções PT 8.3 B E PT PT CC B 86 Forwards, Futuros e Swaps - 43

44 CONTRATO de FUTUROS EXEMPLO C Acções PT 8.3 D C PT PT CC D 87 Ajustes diários de perdas e ganhos Exemplo Futuros Futuros PT de Abril 2005 Quantidade: 100 acções Cotação: euros/acção Tick: 0,01 (1 cêntimo de euro) por acção Valor de 1 tick: 1 euro 88 Forwards, Futuros e Swaps - 44

45 CONTRATO de FUTUROS EXERCÍCIO - MARGENS Investidor compra Contrato de Futuros: Activo Subjacente: ACÇÕES PT Vencimento: Abril de 2005 Unidades do Contrato: 100 Margem Inicial: 80 Euros Margem de Segurança: 65 Euros Cotação a 2 de Janeiro de 2005: 9.00 Euros 89 CONTRATO de FUTUROS EXERCÍCIO - Margens DATA PREÇO VALOR VARIAÇÕES GANH/PERD DEP./REEMB. SALDO 02-Jan DEPÓSITO Jan Jan Jan Jan DEPÓSITO Jan Jan Jan REEMBOLSO Jan REEMBOLSO 98 RESULTADO Forwards, Futuros e Swaps - 45

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Introdução aos Contratos de Futuros

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Introdução aos Contratos de Futuros Ephi-ciência Financeira Introdução aos Contratos de Futuros Objectivo Definição e Avaliação dos Futuros Mercados e Produtos de Futuros Financeiros Utilização Prática dos Futuros João Cantiga Esteves Senior

Leia mais

Módulo 2. Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados

Módulo 2. Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados Módulo 2 Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados Mercados organizados e de balcão Bolsas de Derivados Principais Características Padronização

Leia mais

Módulo 1. Introdução aos Activos Financeiros Derivados

Módulo 1. Introdução aos Activos Financeiros Derivados Módulo 1 Introdução aos Activos Financeiros Derivados Índice 1. Mercados à Vista e a Prazo. 2. Contratos de Futuros 3. Contratos de Opções 4. Estratégias que Utilizam Derivados: Cobertura de Risco, Especulação

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Futuros

Conceitos básicos de negociação em Futuros Conceitos básicos de negociação em Futuros N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar

Leia mais

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros?

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros? Introdução O que são Futuros? São instrumentos financeiros derivados, negociados em bolsa, que obrigam ao seu comprador/vendedor comprar/vender uma determinada quantidade de um activo numa determinada

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira. Introdução aos Produtos Derivados. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação

Objectivo. Ephi-ciência Financeira. Introdução aos Produtos Derivados. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação Introdução aos Produtos Derivados Objectivo Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação João Cantiga Esteves Senior Partner ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS Introdução às Opções

Leia mais

Forex. 2013, Março. O Mercado Cambial

Forex. 2013, Março. O Mercado Cambial Forex 2013, Março O Mercado Cambial AVISO O presente documento foi preparado pelo Banco BEST com o objectivo de informar os leitores sobre as principais características dos produtos derivados aqui apresentados,

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Forex

Conceitos básicos de negociação em Forex Conceitos básicos de negociação em Forex A GoBulling é uma marca do Banco Carregosa. EM 2012 O BANCO CARREGOSA É ELEITO O MELHOR EM BANCA PRIVADA EM PORTUGAL www.facebook.com/gobulling Produtos Financeiros

Leia mais

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Conceitos básicos de negociação em Forex N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações

Leia mais

Mercado Ca C mbia i l - Fo F re r x

Mercado Ca C mbia i l - Fo F re r x Mercado Cambial - Forex AVISO O presente documento foi preparado pelo Banco BEST com o objectivo de informar os leitores sobre as principais características dos produtos derivados aqui apresentados, não

Leia mais

Processo de Decisão. Determinada perspectiva sobre um subjacente. Perspectiva sobre o movimento do subjacente. Escolher o tipo de produto.

Processo de Decisão. Determinada perspectiva sobre um subjacente. Perspectiva sobre o movimento do subjacente. Escolher o tipo de produto. Processo de Decisão Determinada perspectiva sobre um subjacente Perspectiva sobre o movimento do subjacente Escolher o tipo de produto Warrant Inline À escolha Certificados Turbo 1 1. Subjacentes Sumário

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Opções Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las Contraparte: X-Trade Brokers

Leia mais

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil 2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil A presente seção apresenta as commodities agrícolas negociadas no mercado futuro brasileiro. Além disso, revela a estrutura básica dos contratos futuros e traça

Leia mais

OPERAÇÕES E CUSTÓDIA DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS

OPERAÇÕES E CUSTÓDIA DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS Na contratação de serviços de investimento em valores s, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento a realizar,

Leia mais

O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas.

O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas. O presente documento visa fornecer-lhe informações simples e práticas sobre como deve investir de forma responsável. Independentemente da protecção conferida pela legislação aos investidores não profissionais,

Leia mais

Best Trading Pro. 23 Abril 2013

Best Trading Pro. 23 Abril 2013 Best Trading Pro 23 Abril 2013 Copyright 2013 Banco Best BEST Trading Pro Uma verdadeira sala de mercados numa única plataforma Plataforma BTP: toda a oferta à sua medida Negociação on-line de 17.000 activos

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão Mestrado em Ciências Empresariais Finanças Internacionais Ponta Delgada, Abril de 2009 Fernando José Rangel da Silva Melo Sumário 1 Gestão Financeira

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2006 da CMVM

Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2006 da CMVM Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2006 da CMVM Clientes utilizadores de meios electrónicos Caixadirecta Invest 15 de Outubro de 2010 Aviso nos termos da instrução

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

Mercado Cambial. i ve seen, learnt and done things i can t forget. Características e Produtos. Ricardo Diz

Mercado Cambial. i ve seen, learnt and done things i can t forget. Características e Produtos. Ricardo Diz Mercado Cambial Características e Produtos Ricardo Diz i ve seen, learnt and done things i can t forget Conteúdo Mercado Cambial Operações Cambiais Tipos de Operações Cambiais Produtos Cambiais 2 Mercado

Leia mais

OPERAÇÕES E CUSTÓDIA DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS

OPERAÇÕES E CUSTÓDIA DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS Na contratação de serviços de investimento em valores s, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento a realizar,

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. OPÇÕES SOBRE FOREX Contraparte:

Leia mais

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros Sumário Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros ISEG Universidade Técnica de Lisboa 6 de Maio de 2005 Parte I Sumário Parte I: Arbitragem com Futuros Parte II: Especulação com Futuros

Leia mais

Produtos e Mercados de Dívida

Produtos e Mercados de Dívida Produtos e Mercados de Dívida Raquel M. Gaspar Sérgio F. Silva 1 Parte II Derivados de Taxas de Juro 2 Raquel M. Gaspar/ Sérgio F. Silva PARTE II Derivados de Taxas de Juro 1. Swaps, Fras s e Futuros sobre

Leia mais

Obrigações, Fundos Públicos e outros Valores Mobiliários de dívida. 0,5% (min. 7) 0,4% (min. 7) 0,035% (min. 7) > 25.000 e 100.000

Obrigações, Fundos Públicos e outros Valores Mobiliários de dívida. 0,5% (min. 7) 0,4% (min. 7) 0,035% (min. 7) > 25.000 e 100.000 VALORES MOBILIÁRIOS Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento

Leia mais

. MERCADOS MOBILIÁRIOS

. MERCADOS MOBILIÁRIOS . MERCADOS 5.. M DE VALORES MOBILIÁRIOS 5. Mercados de Valores Mobiliários O QUE SÃO OS MERCADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS? Os mercados de valores mobiliários são um espaço ou uma organização que se destina

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

Banco Português de Investimento, S.A.

Banco Português de Investimento, S.A. 1 Banco Português de Investimento, S.A. TABELA GERAL DE REMUNERAÇÕES, COMISSÕES E DESPESAS PRODUTOS E SERVIÇOS Actualizada em 2008-07-16 7 VALORES MOBILIÁRIOS TRANSACÇÕES 1. Mercado a Contado a) Comissão

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS BREVE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS BREVE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS BREVE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS 2006. António Gomes Mota, Clementina Barroso, Helena Soares e Luís Laureano. 1. INTRODUÇÃO As pessoas e as empresas contactam diariamente,

Leia mais

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo)

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 118/96 ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Tendo presente as alterações introduzidas no Código do Mercado de Valores

Leia mais

Relatório Estatístico Mensal

Relatório Estatístico Mensal Relatório Estatístico Mensal Fundos de Investimento Mobiliário Julho 2013 Sede: Rua Castilho, 44-2º 1250-071 Lisboa Telefone: 21 799 48 40 Fax: 21 799 48 42 e.mail: info@apfipp.pt home page: www.apfipp.pt

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Advertências ao Investidor Os riscos do, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Risco de perda total ou parcial do capital investido

Leia mais

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference CFDs sobre acções CFDs sobre Índices CFD s Contracts for Difference Introdução Caracteristicas O que são? 1 Vantagens 1 Alavancagem Flexibilidade Outras vantagens 2 Exposição mínima Inexistência de Liquidação

Leia mais

Millennium bcp 2 Julho 2011

Millennium bcp 2 Julho 2011 Preçário de Títulos Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento

Leia mais

Módulo 8. Estratégias de Investimento com Swaps

Módulo 8. Estratégias de Investimento com Swaps Módulo 8 Estratégias de Investimento com Swaps Módulo 8 1.1 - Introdução ao Mercado de Swaps O que são Swaps? Exemplos Swaps & Forwards Intervenientes e Organização do Mercado de Swaps 1.2 - Swaps de Taxa

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Junho de 2015 Designação: Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Classificação: Caracterização do Depósito: Produto financeiro complexo Depósito

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro I. Contratos a Termo. Contrato a Termo Standard. Prf. José Fajardo. Fundação Getulio Vargas-EBAPE

Mercado a Termo e Futuro I. Contratos a Termo. Contrato a Termo Standard. Prf. José Fajardo. Fundação Getulio Vargas-EBAPE Mercado a Termo e Futuro I Prf. José Fajardo Fundação Getulio Vargas-EBAPE Contratos a Termo O Contrato a Termo é um acordo OTC (Over The Counter), é dizer negociado no Mercado de Balcão, entre 2 companhias

Leia mais

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS)

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) João Duque Fevereiro de 2004 1 Exercício 1 Usando a informação que lhe é fornecida pelo quadro abaixo sobre as opções cotadas

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 8/2005

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 8/2005 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 8/2005 Considerando a Directiva nº 98/31/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 22 de Junho, que alterou a Directiva nº 93/6/CE, de 15 de Março, relativa à adequação

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

MBA/CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE FINANCEIRA FINANÇAS INTERNACIONAIS FINANÇAS INTERNACIONAIS

MBA/CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE FINANCEIRA FINANÇAS INTERNACIONAIS FINANÇAS INTERNACIONAIS MBA/CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE FINANCEIRA FINANÇAS INTERNACIONAIS MÓDULO II ISEG/UTL Objectivo Os Mercados Cambiais As Taxas de Câmbio Determinantes Cambiais 1 Arbitragem FINANÇAS INTERNACIONAIS

Leia mais

Aviso n. o 006/2014-AMCM

Aviso n. o 006/2014-AMCM Aviso n. o 006/2014-AMCM ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DERIVADOS NOS FUNDOS DE PENSÕES De acordo com o disposto no n. o 6 do aviso n. o 006/2013-AMCM, de 10 de Janeiro, os instrumentos derivados, tais

Leia mais

Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2013 da CMVM

Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2013 da CMVM Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2013 da CMVM Clientes utilizadores de meios electrónicos Caixadirecta Invest Entrada em vigor: 12 Maio 2014 Aviso nos termos da instrução

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N.º 17 CONTRATOS DE FUTUROS

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N.º 17 CONTRATOS DE FUTUROS 1/12 DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N.º 17 CONTRATOS DE FUTUROS 1 - OBJECTIVO A presente directriz tem por objectivo o tratamento contabilístico dos contratos de futuros, negociados em mercados organizados com

Leia mais

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES Breve Descrição do Produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Classificação Caixa China Invest 2015_PFC Produto Financeiro Complexo O Caixa China Invest 2015 é um depósito indexado não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 2 anos, denominado em Euros,

Leia mais

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito.

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. INFORMAÇÕES GERAIS. O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. A rendibilidade é a taxa de rendimento gerado pelo investimento durante

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES CABAZ MOEDAS 2012-2014 NOTES

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES CABAZ MOEDAS 2012-2014 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES CABAZ MOEDAS 2012-2014 NOTES Advertências ao investidor: Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado por parte do Investidor Risco de

Leia mais

Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE

Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2011 Índice 1 Relatório de Gestão... 3 Enquadramento Geral da actividade

Leia mais

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

Preçário de Títulos Transacções Custódia de Títulos

Preçário de Títulos Transacções Custódia de Títulos Preçário de Títulos Transacções Custódia de Títulos Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular

Leia mais

Academia de Warrants. 1. Introdução ao mundo dos Warrants

Academia de Warrants. 1. Introdução ao mundo dos Warrants Academia de Warrants 1. Introdução ao mundo dos Warrants 1. Introdução ao mundo dos Warrants Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3. Motivos para investir em Warrants 4. O Emitente 5. Como

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

/ Warrants: uma definição /

/ Warrants: uma definição / Warrants www.warrants.commerzbank.com Warrants: uma definição Os warrants são valores mobiliários associados a activos como acções, índices ou taxas de câmbio que amplificam os movimentos DE preço dos

Leia mais

Não existe garantia de capital nem rendimento.

Não existe garantia de capital nem rendimento. 91-67 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: Operação de Capitalização Série Nº 67 (I.C.A.E - Não normalizado) Data início de Comercialização: 07/05/2009 Empresa de Seguros Entidades

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Contraparte: Saxo Bank. O Saxo Bank

Leia mais

Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado

Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado PROSPECTO INFORMATIVO DESIGNAÇÃO CLASSIFICAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Energia EUR 216 (o Depósito ) Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, com prazo de

Leia mais

Investimentos em Derivados. O Mercados de Futuros

Investimentos em Derivados. O Mercados de Futuros INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU Investimentos em Derivados O Mercados de Futuros ANO : 1º SEMESTRE: 2º DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues INTRODUÇÃO A contratação no presente, do preço e da quantidade a

Leia mais

Capítulo 3. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo

Capítulo 3. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo Capítulo 3 Taxas de câmbio e mercados de divisas Objectivos do capítulo A função das taxas de câmbio no comércio internacional; Como se determinam as taxas de câmbio? Preços e decisões dos agentes económicos

Leia mais

Operações com derivativos (item 7 do edital BB)

Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Prof.Nelson Guerra set / 2012 INTRODUÇÃO Os preços gerais das mercadorias agrícolas, das taxas de juros e do câmbio têm-se mostrado altamente instável no

Leia mais

Ana Mafalda Madeira Santos

Ana Mafalda Madeira Santos I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E L I S B O A I N S T I T U T O S U P E R I O R D E C O N T A B I L I D A D E E A D M I N I S T R A Ç Ã O D E L I S B O A F U T U R O S S O B R E P R O D U T O

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Entrada em vigor: 18-Mar-2013. Valores Mobiliários

MERCADO DE CAPITAIS. Entrada em vigor: 18-Mar-2013. Valores Mobiliários Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento a

Leia mais

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates Academia de Warrants 6. Factor Certificates Factor Certificates - Sumário Executivo 1. Introdução 2. Definição 3. Exemplos 4. Mecanismo de protecção 5. Como negociar Academia de Warrants 6. Factor Certificates

Leia mais

Mercado de Divisas e

Mercado de Divisas e Mercado de Divisas e Taxa de Câmbio Agentes do Mercado de Câmbio Taxa de Câmbio Nominal e Real Taxa de Câmbio Fixa e Flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Agentes do Mercado Cambial Todos

Leia mais

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado.

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado. Designação Depósito Indexado PSI 20 Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentes ou associados Perfil de cliente

Leia mais

Jogo do Investimento 2012 REGULAMENTO DO JOGO

Jogo do Investimento 2012 REGULAMENTO DO JOGO Jogo do Investimento 2012 REGULAMENTO DO JOGO Jogo do Investimento 2012 ÍNDICE Acerca do Jogo do investimento... 2 Como Participar no Jogo do Investimento?... 4 Qual o objectivo do jogo?... 5 Qual o calendário

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PROTECÇÃO IV 2011-2014 NOTES

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PROTECÇÃO IV 2011-2014 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PROTECÇÃO IV 2011-2014 NOTES Advertências ao investidor: Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado por parte do Investidor Risco de

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

Prospecto Informativo Depósito Dual China e México BBVA Novembro 2012

Prospecto Informativo Depósito Dual China e México BBVA Novembro 2012 Prospecto Informativo Depósito Dual China e México BBVA Novembro 2012 Designação Classificação Caracterização do Produto Depósito Dual China e México BBVA Produto financeiro complexo O Depósito Dual China

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES ENERGIA 2011-2015 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES ENERGIA 2011-2015 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES ENERGIA 2011-2015 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Advertências ao investidor: Remuneração não garantida Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado por parte

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros

Mercados e Investimentos Financeiros Mercados e Investimentos Financeiros Funcionamento dos Mercados de Reporte e Empréstimos de Valores Mobiliários Ana H. Roseiro Ana Luísa Cardoso Newton Chatala Tiago Carvalho APRESENTAÇÃO DO TEMA Objectivo

Leia mais

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo OPORTUNIDADES ÚNICAS O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo Panorama da parceria do CME Group com a BM&FBOVESPA Conectando mercados

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1)

Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1) Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1) Março de 2011 Designação: Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1). Classificação: Caracterização do Produto: Garantia de Capital: Garantia

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Gestoras de Activos

Prospecto Informativo Invest Gestoras de Activos Prospecto Informativo Invest Gestoras de Activos Agosto de 2014 Designação: Classificação: Caracterização do Depósito: Garantia de Capital: Garantia de Remuneração: Factores de Risco: Invest Gestoras de

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

. FUNDOS DE INVESTIMENTO

. FUNDOS DE INVESTIMENTO . FUNDOS 7.. F DE INVESTIMENTO 7. Fundos de Investimento O QUE É UM FUNDO DE INVESTIMENTO? Um fundo de investimento é um património que pertence a várias pessoas, destinado ao investimento em determinados

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História do Milho - Os primeiros registros do cultivo datam de 7.300 anos - Origem Americana: litoral do México - Nome, de origem indígena, significa "sustento

Leia mais

Prospeto Informativo Depósito Indexado Geo Diversificado BBVA

Prospeto Informativo Depósito Indexado Geo Diversificado BBVA Prospeto Informativo Depósito Indexado Geo Diversificado BBVA Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de risco Depósito Indexado Geo Diversificado

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado EUR/USD No Touch Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula:

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula: 1.Tipo e Duração 2.Entidade Gestora 3.Consultores de Fundo de Capital Garantido Aberto, constituído em Portugal. A sua constituição foi autorizada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, em 12/

Leia mais

Capítulo 1. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo

Capítulo 1. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo Capítulo 1 Taxas de câmbio e mercados de divisas Objectivos do capítulo A função das taxas de câmbio no comércio internacional; Como se determinam as taxas de câmbio? Preços e decisões dos agentes económicos

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A.

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. Versão: 1.0 Data inicial: 2010/08/20 Última alteração: 2010/09/10 Mod. 853P/2010 Banco Popular Portugal, S.A. 2/8

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues Introdução aos mercados acionistas DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues O Mercado Financeiro O Mercado Monetário Interbancário (MMI) é um mercado organizado, onde as instituições participantes trocam entre

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado USD 6 meses Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social.

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social. Esclarecimento 1. O Grupo INVESTIFINO contratou junto da CGD, no período de 2005 a 2007, diversos financiamentos que globalmente atingiram um valor elevado. 2. Os referidos financiamentos destinaram-se

Leia mais

Academia de Warrants. 3. Turbo Warrants

Academia de Warrants. 3. Turbo Warrants Academia de Warrants 3. Turbo Warrants Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3. Turbo Warrants 4. Como negociar - Direct Trade 1/281 Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3.

Leia mais

Obrigações de Caixa Euro Dólar Premium Instrumento de Captação de Aforro Estruturado

Obrigações de Caixa Euro Dólar Premium Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Obrigações de Caixa Euro Dólar Premium Instrumento de Captação de Aforro Estruturado - Prospecto Informativo - I INFORMAÇÃO DE SÍNTESE INSTRUMENTO As Obrigações de Caixa Euro Dólar Premium constituem um

Leia mais

- Prospecto Informativo -

- Prospecto Informativo - - Prospecto Informativo - Designação Classificação Depósito Indexado Depósito Valor Energia USD (doravante referido por o Depósito ).. Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Factores

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Contraparte: Saxo Bank A/S, com

Leia mais