Introdução. Gerar vida sem sexualidade e viver. sem perceber que se está a gerar. Apenas uma instituição. a união sexual à procriação.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução. Gerar vida sem sexualidade e viver. sem perceber que se está a gerar. Apenas uma instituição. a união sexual à procriação."

Transcrição

1 Introdução A amplitude do conhecimento actual acerca da transmissão da vida alcança limites extraordinários. Existem já inúmeros mecanismos para evitar que surja a vida humana em consequência do amor conjugal dos esposos e, além disso, é tecnicamente possível conceber uma vida em laboratório prescindindo de qualquer comunhão íntima entre o homem e a mulher. É possível gerar vida sem sexualidade e viver a sexualidade conjugal sem a percepção de que se está a gerar vida. Esta situação é algo que cada dia se torna mais próximo do «normal», que é aceite como uma realidade que já não se questiona e se vive como algo que não chama a atenção. Neste contexto, para muitos resulta estranha a posição da Igreja Católica, talvez a única instituição no mundo ocidental que ainda continua a afirmar a existência de um profundo vínculo entre amor de comunhão (cuja expressão máxima é a união sexual dos cônjuges) e procriação (gestação de um filho, fruto por excelência da fecundidade). Esta posição, que corresponde a uma determinada visão de homem, possui uma quota de verdade e sabedoria extraordinárias, mas é pouco difundida e praticamente desconhecida. Gerar vida sem sexualidade e viver a sexualidade sem perceber que se está a gerar vida Apenas uma instituição vincula a união sexual à procriação.

2 14 Sexualidade Conjugal e Paternidade Responsável Essa separação desvirtua a natureza do homem. Conhecer e respeitar a natureza é algo bom em si mesmo. Reconhece-se o valor da abstinência periódica e da fidelidade conjugal. No entanto, através da nossa experiência clínica em torno do vínculo entre sexualidade e procriação pudemos confirmar o seguinte: O convite para conhecer, valorizar e respeitar a íntima união destes dois significados implica uma profunda compreensão da natureza humana; Devido ao desconhecimento imperante, uma das tarefas mais urgentes do nosso tempo, e destinada a enaltecer o homem, consiste em ajudá-lo a personalizar em todo o momento o acto mais pleno do amor conjugal. A separação destes dois aspectos, própria da manipulação reinante, acaba por desvirtuar a natureza do homem, rebaixando a sua dignidade e desintegrando a sua capacidade para amar. Frente a posturas tão opostas, a sociedade tende a considerar que a Igreja Católica está profundamente errada e pressiona-a para que se actualize. Em momento algum se procura compreender a sua posição, e menos ainda pô-la à prática. Isso seria «impopular» e «pouco científico». A minha experiência, pelo contrário, tem sido procurar conhecer e entender as afirmações da Igreja, e depois experimentar a sua aplicação tanto no plano pessoal como nos planos profissional e pedagógico-pastoral. Deste modo pude convencer-me da sua veracidade. Conhecer e respeitar a natureza é algo bom em si mesmo, e nem só porque a Igreja o ensina. A este propósito, é interessante verificar que à medida que se conhece melhor todo o processo da concepção, o mundo científico valoriza cada vez mais os métodos naturais de regulação da fecundidade, métodos que se baseiam no conhecimento e no respeito pela fertilidade feminina. Além disso, por outro lado, constata-se que, por caminhos muito diversos, se começa a conhecer e a valorizar a abstinência e a fidelidade conjugal. O conhecimento da fertilidade e a prática da abstinência periódica constituem os dois pilares dos métodos naturais. É com eles que se pode construir um estilo de vida conjugal baseado numa

3 Introdução 15 complementação mútua que é própria de um amor esponsal projectado na fecundidade. A opinião geral desconhece isto. Dia a dia, continua a aumentar o abismo existente entre esta concepção, baseada na pessoa, e as formas de vida geradas pelo desenvolvimento tecnológico. Esta dissociação afecta especialmente o amor conjugal nos seus dois significados, na sua dimensão de comunhão interpessoal e no seu objectivo de transmitir vida. É por esse motivo que sinto a urgência de propor esta visão da pessoa humana, do amor, da sexualidade, do casal e da família, uma visão que conheci de forma vital através da prática clínica e que estudei tendo em conta os ensinamentos da Igreja. Para mim é indubitável que o que aqui está em jogo é a concepção que cada um tem do homem. Aceitamos que o homem é sempre pessoa, inclusive do ponto de vista sexual-genital? O homem pode responsabilizar-se por todos os seus actos, incluindo as consequências de cada uma das suas relações sexuais? Em ambos os casos, a minha resposta é afirmativa. Não só creio que é possível como estou convencido de que esta postura de vida traz consigo um efeito positivo e enaltecedor para toda a pessoa. Com ela, alcança-se a alegria de viver e uma felicidade verdadeira e duradoura, tanto para os que assumem essa responsabilidade como para aqueles que os rodeiam. Geralmente, toda esta problemática é ignorada e não se explorou muita coisa nessa direcção. Por consequência, adoptar esta proposta parece algo difícil de alcançar. Mas isso não deveria invalidar o convite para perseguir uma realização plena da pessoa, a qual pode ser alcançada mediante uma integração construtiva de dois elementos: os avanços do conhecimento científico no campo da transmissão da vida, por um lado, e um profundo respeito pela natureza biológica e psicológica do homem, por outro. Se com o coração conseguirmos conhecer este ideal do amor humano, então seremos capazes, apesar do ambiente que nos rodeia, de tentar vivê-lo como fruto da felicidade experimentada a nível pessoal, matrimonial e familiar. Conseguir-se-á gerar Aceitamos que o homem é sempre pessoa, inclusive no aspecto sexual-genital? Conhecer o ideal do amor humano e procurar vivê-lo

4 16 Sexualidade Conjugal e Paternidade Responsável A confusão é enorme. Difundir a experiência tida com milhares de casais Existe uma componente sobrenatural. uma corrente que invada os diversos âmbitos da cultura com uma convicção inquebrantável. Mudando o coração das pessoas, conseguir-se-á estabelecer a base de uma nova cultura. Mas estou convencido de que não é suficiente querer algo, e que a boa intenção de o realizar não basta. Também é necessário entender e conhecer de modo racional os diferentes elementos que estão em jogo, dado que a maioria deles não facilita as coisas. Em todas as questões relacionadas com o amor humano, a sexualidade, a transmissão da vida, a educação dos filhos, especialmente dos jovens, existe actualmente uma enorme confusão que acaba por desorientar todos aqueles que só possuem a boa intenção de cooperar. Este é o motivo pelo qual procuro fazer uma revisão do conceito de paternidade responsável que possa servir de quadro de referência para tudo o mais. É uma tentativa de transmitir a experiência que adquiri no campo clínico junto de milhares de casais, casais que procuraram alcançar de maneira permanente uma integração desse ideal com o conhecimento científico, tanto no plano da regulação da fecundidade como no da infertilidade conjugal. Procurarei mostrar as dificuldades e os benefícios que esses casais conheceram no plano natural, já que a nossa experiência tem fundamentalmente lugar num ambiente laico, o do Hospital Clínico da Universidade do Chile. Em relação ao plano sobrenatural, quer dizer, à vivência religiosa destes valores, creio que a acção da Graça é necessária e complementar. Os casais que experimentaram a sua presença alcançaram uma plenitude de vida natural e sobrenatural extraordinária. Mas isso mereceria ser objecto de uma outra publicação. Ainda assim, gostaria de sublinhar que não é fácil conseguir viver esse ideal, tanto no plano natural como no sobrenatural. Para alguns, isso seria impossível sem a ajuda da Graça e sem uma adequada motivação religiosa que os levasse a praticar uma vida ascética, sacramental e de oração. Até agora, quando um dos cônjuges tentou viver esse plano sobrenatural de modo consciente e responsável, pude sempre comprovar que o esforço conduz a um «benéfico influxo»,

5 Introdução 17 tal como o descreve Paulo VI na sua encíclica Humanae Vitae. A medida das dificuldades é a medida das graças que se recebem. Tanto é assim que, ao encetar este caminho, se recomenda aos casais que, se não se sentirem mais felizes depois de alguns meses de prática, devem consultar alguém e pedir ajuda, porque seguramente alguma coisa não estará a correr bem. Quanto à sexualidade conjugal, pude observar que ela se desenvolve harmoniosamente até à sua plenitude quando se assume de forma cabal a missão da paternidade responsável. A explicação reside em que os cônjuges precisam de ter um sentido, uma projecção em comum construída sobre uma base natural sã que permita integrar todos os aspectos da pessoa. Foi um privilégio poder observar a forma como um conhecimento sólido do aspecto biológico relacionado com a fertilidade (leis de transmissão da vida) vai exigindo, a pouco e pouco, um profundo conhecimento do aspecto psicológico relacionado com o amor conjugal (impulso ou tendência sexual), e como tudo isto acaba por adquirir o seu sentido através de um constante cultivo do aspecto social. Este último refere-se a uma atitude generosa ao serviço da vida (projecto de vida matrimonial e familiar). Esta integração é uma tarefa para toda a vida e realiza-se diariamente no interior de cada pessoa, através da complementação mútua; quer dizer, requer um enriquecimento constante com a forma de ser do cônjuge e, ao mesmo tempo, exige o desenvolvimento permanente das próprias capacidades, para lhas oferecer. O que tem lugar através da doação pessoal, a atitude essencial da sexualidade humana. Quando existe um verdadeiro amor pelo cônjuge, alcança- se uma plenitude que resulta do desenvolvimento das próprias capacidades, por um lado, mas também da incorporação das riquezas do outro, devido ao processo de assemelhação que caracteriza o vínculo afectivo. Esta é a dinâmica da complementação que conduz à integração orgânica das modalidades masculina e feminina em cada um dos cônjuges. Pelos seus efeitos nas pessoas, nos casais e nas famílias, parece-me evidente que é ela a Quem vive neste plano conhece um «benéfico influxo». O conceito de paternidade responsável integra os aspectos biológicos, psicológicos e sociais. A sexualidade humana é doação pessoal. Com o assemelhamento, alcança-se a plenitude do verdadeiro amor.

6 18 Sexualidade Conjugal e Paternidade Responsável Integra-se o que há de masculino e feminino no casal. Conhecer plenamente como transmitir a vida a um novo filho Educar o impulso sexual conduz à comunhão plena. ideia original sobre o homem, e não o que actualmente predomina, que só apresenta uma associação entre partes iguais que têm de competir para satisfazer os seus direitos. Para transformar em vida esta dinâmica de complementação, há que dispor-se a nadar contra a corrente e vencer a inércia, há que conquistá-la em cada atitude, actividade e momento, quer dizer, na totalidade do dia-a-dia e em todos os dias da vida, para assim devolver ao amor esponsal e familiar o seu verdadeiro lugar de modelo de qualquer comunidade ou organização humana. Trata-se de restabelecer o sentido das coisas a partir do mais importante: a pessoa e os seus vínculos fundamentais. O desafio a que nos propusemos foi o de conseguir educar casais que tenham a sua própria experiência acerca do modo como podem transmitir a vida a um novo filho. O que equivale a saber com rigor qual é o momento da concepção, graças ao conhecimento da fertilidade feminina. Por conseguinte, eles serão casais especialistas na aprendizagem do respeito por estas leis biológicas, fazendo-o com carinho e delicadeza mútua através do exercício da abstinência periódica. Casais que cultivem, além disso, o espírito de «administradores», dado que assim podem descobrir a forma de aceder a uma participação privilegiada na gestação e no serviço generoso a uma nova vida humana. Destes três aspectos constitutivos da natureza do homem, o que coloca um maior desafio cultural é o relacionado com o respeito pela fertilidade. A abstinência periódica só é possível se as pessoas conseguirem descobrir as leis do impulso sexual e, educando-o, conduzi-lo permanentemente à perfeição mútua. Isto consegue-se através do cultivo permanente de diversas formas de expressão de um encontro amoroso pessoal. Desta maneira poderão experimentar ambos a comunhão plena, dado que os dois constituem uma só carne. É a culminação de se ser um só coração, um só espírito e uma só vontade. Assim, nós, os casais, poderemos mostrar ao mundo a profundidade, a elevação e a grandeza de um amor pessoal exclusivo, fiel, total e fecundo que é próprio do amor esponsal, o qual constitui uma

7 Introdução 19 escola de humanismo e é modelo de qualquer comunidade e organização. Em consequência deste trabalho, ir-se-á desenvolvendo paulatinamente um estilo de vida que assegura e expressa o que de mais pessoal existe em cada cônjuge. No entanto, a culminação acaba por ser alcançada quando se consegue a síntese de todos os aspectos mencionados em cima, incluindo o de administrar e servir generosamente a vida resultante da comunhão de amor, cujo fruto mais apreciado é o filho. Chegados a este ponto, creio ser necessário começar a destacar que o filho é o fruto mais extraordinário e melhor, porque a fecundidade não se esgota nele, sendo apenas a mais plena de muitas outras manifestações. Como exemplos de outras formas de fecundidade, podemos referir a qualidade de vida que se desenvolva no seio do lar, através da atmosfera que nele se respire, a realidade cultural e social que fomentemos na nossa sociedade, o estilo de trabalho que implementemos como projecção da nossa vida matrimonial, etc. Talvez a tarefa mais importante da missão da paternidade responsável seja procurar integrar vitalmente estes três aspectos mediante o uso dos métodos naturais de regulação da fecundidade. Por outras palavras, ela implica descobrir o estilo de vida matrimonial que estes métodos implicam. É um estilo que assegura o crescimento da solidariedade com as pessoas que mais amamos. Deste modo, os métodos naturais não serão concebidos como uma espécie de «contraceptivos naturais», dado que não interferem em nenhum processo natural, ao contrário do que acontece com os métodos contraceptivos artificiais. Sabemos, com efeito, que estes últimos mudam a natureza própria de um dos cônjuges especialmente da mulher e alteram o acto sexual. Os métodos naturais exigem o esforço de uma abstinência periódica, devido ao conhecimento que se tem da própria fertilidade. Essa exigência conduz os esposos à descoberta dos «porquês», «para quês» e «para quem» dos nossos anseios e é uma maneira de termos sempre presente que vida estamos a servir e que projecto em comum estamos a desenvolver. O seu fruto mais apreciado é o filho, mas não se esgota nele a fecundidade. A abstinência periódica obriga a descobrir a vida que se deseja.

Os fundamentos da nossa missão 2013-10 1/16

Os fundamentos da nossa missão 2013-10 1/16 Os fundamentos da nossa missão 2013-10 1/16 Índice Introdução. 3 1. Apresentação geral.... 4 2. Os CPM no seio da Igreja......5 3. Os animadores.....7 4. O papel do Assistente Espiritual... 8 5. A equipa

Leia mais

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Só é educativa a relação que faz crescera educando para uma maior autonomia (Aires Gameiro) Porque não lançar-se à tarefa de ajudar

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL. Indice:

CARTA INTERNACIONAL. Indice: CARTA INTERNACIONAL Indice: Introdução. I. Equipas de Jovens de Nossa Senhora II. A equipa III. As funções na equipa IV. A vida em equipa V. Abertura ao mundo, compromisso VI. O Movimento das E.J.N.S.

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE Discurso de S.E o Presidente da Assembleia Nacional na cerimónia de abertura da I Conferência Internacional Uma Criança, Um Cidadão. Senhora Ministra da Educação

Leia mais

Utilizar na comunicação 4 ouvidos

Utilizar na comunicação 4 ouvidos Utilizar na comunicação 4 ouvidos Desafio para a relação catequética Estimado catequista, imagine que se encontra com o Luís sorriso no pátio do centro paroquial. O Luís Sorriso vai cumprimentá-lo de forma

Leia mais

Por Uma Questão de Igualdade

Por Uma Questão de Igualdade Por Uma Questão de Igualdade Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores membros do Governo Nos últimos 5 anos a Juventude Socialista tem vindo a discutir o direito ao Casamento

Leia mais

Quando vemos o mundo de forma diferente, nosso mundo fica diferente.

Quando vemos o mundo de forma diferente, nosso mundo fica diferente. BOLETIM TÉCNICO JULHO 2015 Quando vemos o mundo de forma diferente, nosso mundo fica diferente. Segundo a Psicologia atual ajudada pela compreensão do mundo real que nos trouxe a Física moderna, nós, seres

Leia mais

AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER

AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER 1 AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER Eloá Andreassa Resumo: As relações amorosas continuam sendo mais que um objetivo na vida das pessoas, é uma necessidade, um sonho, até uma esperança. Porém,

Leia mais

A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS

A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS Quinta-feira, 25 de Março de 2010 (Vídeo) P. Santo Padre, o jovem

Leia mais

Conclusões do Encontro do Laicato Dominicano

Conclusões do Encontro do Laicato Dominicano Conclusões do Encontro do Laicato Dominicano História OP Quatro elementos foram tomados como pontos de reflexão e ação para os dois primeiros anos. Um dos pontos ou aspetos sobre o qual trabalhar é a compaixão.

Leia mais

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais

ENSINAR É INVESTIGAR,

ENSINAR É INVESTIGAR, Comunicação ao Encontro de Professores "Ensinar é Investigar. Investigação e Formação de Professores", promovido pela Associação de Professores Ensinar é Investigar. 08 de Fevereiro de 1996. Faculdade

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO

PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO SÉRIE: 9ºs anos PROFESSOR:

Leia mais

EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE

EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE A experiência de um casal cristão que acompanha a equipa traz aos seus membros uma riqueza complementar à que caracteriza a presença do padre.

Leia mais

Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família

Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família METANOIA em Lisboa Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família Algumas notas a partir da reflexão havida no dia 13 de dezembro de 2013 na qual participaram 43 pessoas Contexto

Leia mais

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni 1 Guia Prático para Professores de Ensino Fundamental 1, publicação mensal da Editora Lua ( entrevista do mês da edição de abril de 2009. Ano 06, No. 62). ISBN 1679-9879. Entrevista com o antropólogo Luis

Leia mais

Como é o Tratamento das Disfunções Sexuais na Terapia Cognitivo- Comportamental?

Como é o Tratamento das Disfunções Sexuais na Terapia Cognitivo- Comportamental? Como é o Tratamento das Disfunções Sexuais na Terapia Cognitivo- Comportamental? Ana Carolina Schmidt de Oliveira Psicóloga CRP 06/99198 Especialista em Dependência Química Pós-Graduação Pós-Graduação

Leia mais

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores (Mateus 6:12). Esta é uma lição importante. Fixamos as condições para o nosso próprio

Leia mais

Conclusão [de um estudo sobre o Conselho]

Conclusão [de um estudo sobre o Conselho] A Socialização Democrática na Escola: o desenvolvimento sociomoral dos alunos do 1º CEB 279 Serralha, F. (2007). Conclusão. In A Socialização Democrática na Escola: o desenvolvimento sociomoral dos alunos

Leia mais

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling DILMA MARIA DE ANDRADE Título: A Família, seus valores e Counseling Projeto de pesquisa apresentado como Requisito Para obtenção de nota parcial no módulo de Metodologia científica do Curso Cousenling.

Leia mais

Projecto PES - Educação Sexual 2010-2011 /2011-2012. Agrupamento Vertical de Escolas nº2 de Elvas. Projecto PES. Educação Sexual

Projecto PES - Educação Sexual 2010-2011 /2011-2012. Agrupamento Vertical de Escolas nº2 de Elvas. Projecto PES. Educação Sexual Projecto PES Educação Sexual Ano Lectivo 2010-2011 / 2011-2012 Índice PREÂMBULO...3 Enquadramento Legal...4 OBJECTIVOS GERAIS...6 LOCAL DE REALIZAÇÃO DO PROJECTO...6 PLANIFICAÇÕES...7 PLANIFICAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Nem o Catecismo da Igreja Católica responde tal questão, pois não dá para definir o Absoluto em palavras.

Nem o Catecismo da Igreja Católica responde tal questão, pois não dá para definir o Absoluto em palavras. A pregação do Amor de Deus, por ser a primeira em um encontro querigmático, tem a finalidade de levar o participante ao conhecimento do Deus Trino, que por amor cria o mundo e os homens. Ao mesmo tempo,

Leia mais

A disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica propõe que o aluno seja capaz de:

A disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica propõe que o aluno seja capaz de: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Educação Moral e Religiosa Católica _ 6º Ano _ A Ano Letivo: 2011/2012 1. Introdução e Finalidades A disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica visa a

Leia mais

As religiões na escola

As religiões na escola G E R A Ç Õ E S E V A L O R E S Estudos As religiões na escola Se a escola tem por missão colaborar na formação integral do aluno, então não pode ignorar nenhuma das suas dimensões específicas, sob pena

Leia mais

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Senhora Presidente da CIG, Caras parceiras e parceiro de mesa, Caras senhoras e caros senhores, É com grande

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

Caminhos para a aprendizagem

Caminhos para a aprendizagem Page 1 of 5 Home Comunicação pessoal Educação Tecnologias na Educação Educação a distância Identidade Caminhos para a aprendizagem inovadora José Manuel Moran Especialista em projetos inovadores na educação

Leia mais

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha Existe um facto para o qual também devemos dar atenção: o agressor poderá estar numa posição de solidão. Poucos serão os agressores que terão a consciência do problema que têm, a agressividade que não

Leia mais

Simone Costa. Você Produtiva. Livro de exercícios

Simone Costa. Você Produtiva. Livro de exercícios Simone Costa Você Produtiva Índice Exercício 01: Autoconhecimento - Um mergulho em mim Exercício 2: Quem sou eu? Exercício 03: Agarre-se aos seus valores Exercício 04 : Respeitar a si mesma Exercício 05:

Leia mais

A iniciação à fé cristã das crianças de hoje - da teologia à pedagogia

A iniciação à fé cristã das crianças de hoje - da teologia à pedagogia ONDE MORAS? Ilustração de Capa, Madalena Matoso, 2009 ONDE MORAS? UMA PROPOSTA Tópicos para a intervenção inicial Maria da Conceição Moita A iniciação à fé cristã das crianças de hoje - da teologia à pedagogia

Leia mais

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Por Conceição Osório Este texto foi apresentado num encontro que teve lugar em Maputo, em 2015, com parceiros da CAFOD (agência

Leia mais

Reflexão Semanal do Evangelho Dominical 27º Domingo do Tempo Comum 1º Domingo do Mês Missionário

Reflexão Semanal do Evangelho Dominical 27º Domingo do Tempo Comum 1º Domingo do Mês Missionário Reflexão Semanal do Evangelho Dominical 27º Domingo do Tempo Comum 1º Domingo do Mês Missionário Instruções: Ano B - Evangelho de Marcos 10,2-16 Antes de iniciar a leitura desta reflexão, leia atentamente

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

Fábio e Valéria Stetner. Alcançando Nações através da restauração da família

Fábio e Valéria Stetner. Alcançando Nações através da restauração da família Famílias com Propósito DELAS e DELES Fábio e Valéria Stetner Alcançando Nações através da restauração da família Best seller: HIS NEEDS HER NEEDS Construindo um Casamento à prova de traições (Willard Harley

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Licenciatura em Comunicação Empresarial

Licenciatura em Comunicação Empresarial Resumo Este artigo tem como objectivo principal fazer uma breve análise da comunicação do pessoal-mix de uma organização, as vantagens de uma boa comunicação entre os mais variados sectores de actividade

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL 1 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016 REUNIÃO DA COMISSÃO EXECUTIVA ABIDJAN 2014 2 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016

Leia mais

20º. COLÓQUIO DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES CATÓLICOS [APC] Os 20 anos dos Colóquios APC. Cristina Nobre: Duas décadas revisitadas

20º. COLÓQUIO DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES CATÓLICOS [APC] Os 20 anos dos Colóquios APC. Cristina Nobre: Duas décadas revisitadas 20.º Colóquio da ACP [12 e 13 de Abril de 2002] Cristina Nobre: Duas décadas revisitadas 1 20º. COLÓQUIO DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES CATÓLICOS [APC] "Cultura: mapas velhos, redes novas" (Sociedade de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLNAR: EMRC PLANIFICAÇÕES 8º Ano ANO 2008/2009 1/7

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLNAR: EMRC PLANIFICAÇÕES 8º Ano ANO 2008/2009 1/7 8º Ano ANO 2008/2009 1/7 Módulo 1- O GOSTO PELA AVENTURA Tema 1 - A atracção ao desconhecido Experiência de aventuro. (Situações que exprimem experiências de aventura como a condução de veículos, iniciação

Leia mais

13 SE VOCÊ CRÊ. Venho para tentar despertar em você a compreensão de que todos os seus problemas, angústias e limitações já estão dentro de você.

13 SE VOCÊ CRÊ. Venho para tentar despertar em você a compreensão de que todos os seus problemas, angústias e limitações já estão dentro de você. 13 SE VOCÊ CRÊ Venho para tentar despertar em você a compreensão de que todos os seus problemas, angústias e limitações já estão dentro de você. Isto é assim porque os seus pensamentos surgem de suas características

Leia mais

Introdução aos três subtemas da Trienal

Introdução aos três subtemas da Trienal Introdução aos três subtemas da Trienal 2/9 Introdução aos três subtemas da Trienal A Trienal 2012 : rumo a sistemas de ensino e de formação em prol do desenvolvimento sustentável em África A Trienal de

Leia mais

boas práticas da indústria

boas práticas da indústria boas práticas da indústria 1 A indústria das bebidas refrescantes não alcoólicas está consciente dos desafios que actualmente envolvem as sociedades contemporâneas. Os estilos de vida alteraramse e com

Leia mais

Procriação Medicamente Assistida

Procriação Medicamente Assistida 44/CNECV/04 PARECER Nº 44 DO CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA Procriação Medicamente Assistida (Julho de 2004) Introdução A presente reflexão do Conselho Nacional de Ética para as Ciências

Leia mais

7º Ano 8º Ano 9º Ano. Ficha de avaliação

7º Ano 8º Ano 9º Ano. Ficha de avaliação 1. As principais diferenças entre as raparigas na infância e a adolescência são: Aumento das mamas, alargamento da anca e crescimento de pelos púbicos Aparecimento da menstruação, crescimento de pelos

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando o seu compromisso com a plena realização dos direitos humanos e das liberdades fundamentais proclamadas na Declaração

Leia mais

Perdão. Fase 7 - Pintura

Perdão. Fase 7 - Pintura SERM7.QXD 3/15/2006 11:18 PM Page 1 Fase 7 - Pintura Sexta 19/05 Perdão Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem

Leia mais

ESCOLA DE PAIS.nee. Programa Escola de Pais.nee Formadora: Celmira Macedo

ESCOLA DE PAIS.nee. Programa Escola de Pais.nee Formadora: Celmira Macedo 1 PROGRAMA DA ESCOLA DE PAIS I. Introdução A escola de pais apresenta-se com um espaço de formação para famílias (preferencialmente famílias de crianças com necessidades especiais), estando igualmente

Leia mais

PARECER N.º 1/CITE/2003

PARECER N.º 1/CITE/2003 PARECER N.º 1/CITE/2003 Assunto: Direito ao gozo da licença por maternidade, no caso de nascimento de nado-morto e morte de nado-vivo Processo n.º 56/2002 I - OBJECTO 1.1. Em 22 de Novembro de 2002, a

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

-Senhor Reitor da Universidade do Minho

-Senhor Reitor da Universidade do Minho -Senhor Reitor da Universidade do Minho - Senhor Presidente da Comissão Parlamentar de Educação e Ciência. - Senhor Arcebispo Primaz - Digníssimas Autoridades Académicas, Civis, Militares e Religiosas

Leia mais

BAPAK FALA AOS CANDIDATOS

BAPAK FALA AOS CANDIDATOS BAPAK FALA AOS CANDIDATOS PRÓLOGO Subud é um contacto com o poder de Deus Todo Poderoso. Para as pessoas que consideram difícil aceitar tal afirmação, Subud pode ser descrito como a realidade mais além

Leia mais

www.paroquiadecascais.org

www.paroquiadecascais.org Oração dos fiéis I Celebrando o especial dom da graça e da caridade, com que Deus Se dignou consagrar o amor dos nossos irmãos N. e N., confiemo-los ao Senhor, dizendo: 1. Para que os nossos irmãos N.

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

Marketing Pessoal. Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga

Marketing Pessoal. Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga Marketing Pessoal Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga Estratégia de Marketing Pessoal De que forma se pode autopromover? O que é fundamental para alcançar os objetivos próprios? Qual a importância de

Leia mais

Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes

Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes 1 II Avaliação de desempenho 1. Introdução A adopção de um modelo de avaliação de desempenho de docentes pressupõe, para a FNE, a consideração

Leia mais

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos.

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos. Capítulo I 19 20 21 1 Introdução 1.1. Motivos que conduziram ao estudo Ser um matemático já não se define como aquele que conhece um conjunto de factos matemáticos, da mesma forma que ser poeta não é definido

Leia mais

Parece-me importante ter em conta a concomitância destes três factores, mas:

Parece-me importante ter em conta a concomitância destes três factores, mas: CRISE E TRANSFORMAÇÃO INTRODUÇÃO Como indivíduo, sociedade, civilização e ecossistema, estamos em tempos de crise e, portanto, de mudança. Procurando identificar os principais agentes desta mudança actualizo

Leia mais

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A psicologia na disfunção sexual

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade A psicologia na disfunção sexual Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A Psicologia faz parte integrante de todas as áreas exploradas, mas também pode funcionar de forma independente das restantes especialidades, ou

Leia mais

O GERENTE MINUTO. Como Tomar Decisões Rápidas. (Resumo do Livro dos autores: Kenneth Blancharo & Spencer Jonhson Editora Record)

O GERENTE MINUTO. Como Tomar Decisões Rápidas. (Resumo do Livro dos autores: Kenneth Blancharo & Spencer Jonhson Editora Record) O GERENTE MINUTO Como Tomar Decisões Rápidas (Resumo do Livro dos autores: Kenneth Blancharo & Spencer Jonhson Editora Record) Este livro relata a história de um jovem que andava a procura de um Gerente

Leia mais

ADOÇÃO NO CONTEXTO DA HOMOPARENTALIDADE: SIGNIFICAÇÕES DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA.

ADOÇÃO NO CONTEXTO DA HOMOPARENTALIDADE: SIGNIFICAÇÕES DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA. ADOÇÃO NO CONTEXTO DA HOMOPARENTALIDADE: SIGNIFICAÇÕES DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA. Mayara Martins Alves; mayaram.alves@hotmail.com Shayanne Rodrigues Diniz; shayannediniz@icloud.com Tatiana Cristina Vasconcelos;

Leia mais

SALESIANOS DO ESTORIL - ESCOLA

SALESIANOS DO ESTORIL - ESCOLA SALESIANOS DO ESTORIL - ESCOLA PROJETOS DE VOLUNTARIADO CRID MIMAR As professoras: Ana Paula Ramalho Paula Cristina Baptista Maria João Coelho Pinto Susana Costa 5.º ANO A 6.º ANO B 7.º ANO A SAIR DE NÓS

Leia mais

III MODELOS DE ORAÇÃO UNIVERSAL

III MODELOS DE ORAÇÃO UNIVERSAL III MODELOS DE ORAÇÃO UNIVERSAL 229. I Irmãos e irmãs: Celebrando o especial dom da graça e da caridade, com que Deus Se dignou consagrar o amor dos nossos irmãos N. e N., confiemo-los ao Senhor, dizendo

Leia mais

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche Maria Teresa de Matos Projecto Pedagógico de Sala Creche Princípios Orientadores Projecto Pedagógico de Sala * Projecto Curricular

Leia mais

Biodanza. Para Crianças e Jovens. Manuela Mestre Robert

Biodanza. Para Crianças e Jovens. Manuela Mestre Robert Biodanza Para Crianças e Jovens Manuela Mestre Robert FICHA TÉCNICA: TÍTULO Biodanza para Crianças e Jovens AUTORIA Manuela Mestre Robert Manuela Mestre Robert, 2008 CAPA Crianças do 1º ciclo do Ensino

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA. A educação artística como arte de educar os sentidos

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA. A educação artística como arte de educar os sentidos CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA Porto, Casa da Música, 29-31 de Outubro de 2007 A educação artística como arte de educar os sentidos Yolanda Espiña (Escola das Artes Universidade Católica Portuguesa)

Leia mais

UNIDADE EDUCATIVA E TERAPÊUTICA

UNIDADE EDUCATIVA E TERAPÊUTICA UNIDADE EDUCATIVA E TERAPÊUTICA A criança Aprende com a doença, porque: valoriza os aspetos positivos da vida gerando uma consciência reforçada sobre os seus êxitos pessoais; aproveita a oportunidade para

Leia mais

Fundamentação teórica para a presença do Xadrez nas actividades curriculares e extracurriculares no Real Colégio de Portugal

Fundamentação teórica para a presença do Xadrez nas actividades curriculares e extracurriculares no Real Colégio de Portugal Fundamentação teórica para a presença do Xadrez nas actividades curriculares e extracurriculares no Real Colégio de Portugal O Lúdico na Sala de Aula O lúdico tem vindo a desempenhar um importante papel

Leia mais

Sínodo dos Bispos. Questionário sobre a Família

Sínodo dos Bispos. Questionário sobre a Família Sínodo dos Bispos Questionário sobre a Família 1. Sobre a difusão da Sagrada Escritura e do Magistério da Igreja a propósito da família a) Qual é o conhecimento real dos ensinamentos da Bíblia, da Gaudium

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

1. Resolver um problema

1. Resolver um problema 1. Resolver um problema resolução de problemas no futebol inclui o conjunto de etapas essenciais à realização de uma A ação. Resolver um determinado problema é ter a capacidade de: Identificar o problema:

Leia mais

TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM

TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM VERDADEIRO? FALSO? TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM VERDADEIRO? FALSO? A EDUCAÇÃO PODE ME PREJUDICAR VERDADEIRO? FALSO? APRENDO SEMPRE DE FORMA CONSCIENTE ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM Podemos concordar que aprendemos

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

Reunião de Seção DEVERES PARA COM DEUS

Reunião de Seção DEVERES PARA COM DEUS Reunião 15 Reunião de Seção DEVERES PARA COM DEUS Área de Desenvolvimento enfatizada: ESPIRITUAL Ramo: Pioneiro Mês recomendado para desenvolver esta reunião: Qualquer mês. Explicação sobre o tema: Frente

Leia mais

A emergência da educação integral, hoje IPB, 30 de Janeiro de 2011

A emergência da educação integral, hoje IPB, 30 de Janeiro de 2011 A emergência da educação integral, hoje IPB, 30 de Janeiro de 2011 Senhor Presidente do Instituto Politécnico de Bragança Senhor Presidente da Câmara Municipal de Bragança Autoridades autárquicas, académicas,

Leia mais

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL)

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) % ABERTURA JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) Esta avaliação é constituída de 20 questões possíveis de ocorrer em uma empresa. Cada questão é composta por duas afirmativas. Você deve analisar

Leia mais

ESTAMOS DE MUDANÇA UM GUIA PARA FAMÍLIAS EM MUDANÇA DE CASA, DE CIDADE, DE PAÍS

ESTAMOS DE MUDANÇA UM GUIA PARA FAMÍLIAS EM MUDANÇA DE CASA, DE CIDADE, DE PAÍS ESTAMOS DE MUDANÇA UM GUIA PARA FAMÍLIAS EM MUDANÇA DE CASA, DE CIDADE, DE PAÍS ALICIA MACEDO ESTAMOS DE MUDANÇA UM GUIA PARA FAMÍLIAS EM MUDANÇA DE CASA, DE CIDADE, DE PAÍS estamos de mudança Categoria:

Leia mais

Marketing Pessoal. aumentem de valor.

Marketing Pessoal. aumentem de valor. P U B L I C A Ç Ã O N º 3 2 3 D E Z E M B R O 2 0 0 9 Marketing Pessoal PONTOS DE INTERESSE: Conceito Na Prática Definir Objectivos Marca Pessoal Marketing Pessoal pode ser definido como o processo de

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Regulamentos CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Secção Permanente do Senado de 16 de Novembro de 2005 Exposição de Motivos O desenvolvimento de um projecto de qualidade educativa

Leia mais

Aviso. 2012 Casamento Blindado. Propriedade Intelectual

Aviso. 2012 Casamento Blindado. Propriedade Intelectual Aviso Não está autorizado a cópia ou distribuição deste material em qualquer formato ou meio. É expressamente proibida a duplicação, publicação impressa, digital, ou online, inclusive em blogs, redes sociais,

Leia mais

Jesus subiu ao monte, e chamou para ele aqueles que ele quis. E vieram a ele.

Jesus subiu ao monte, e chamou para ele aqueles que ele quis. E vieram a ele. Jesus subiu ao monte, e chamou para ele aqueles que ele quis. E vieram a ele. Então escolheu doze homens para estarem com ele e serem enviados para anunciar a mensagem da salvação Marcos 3:13-14. A expressão

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo 1 : O valor da Inovação

ÍNDICE. Capítulo 1 : O valor da Inovação ÍNDICE Capítulo 1 : O valor da Inovação Estamos na era da Inovação A responsabilidade da educação A mudança da cultura Mas o que é inovação? Inovar vale a pena Estudo de caso: TUDO e Itaú: uma parceria

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

Método científico e Atitude cientifica.

Método científico e Atitude cientifica. Texto complementar: Método científico e Atitude cientifica. Extraido de : Física Conceitual (9ª Edição) Paul G. Hewitt O físico Italiano Galileu Galilei e o filósofo inglês Francis Bacon são geralmente

Leia mais

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 1 O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Ana Carolina Corrêa 1 RESUMO O presente artigo pretende refletir sobre a urgente e necessária efetivação da

Leia mais

DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL

DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL Professor Responsável: Mohamad A. A. Rahim Quadro sinóptico baseado na bibliografia sugerida em cada aula DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL 1. SEXUALIDADE E LIBIDO Libido : é uma fonte original de energia afetiva

Leia mais