ÍNDICE. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO NO ANO DE a 14

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO NO ANO DE 2009 02 a 14"

Transcrição

1 CAPA 0

2 ÍNDICE RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO NO ANO DE a 14 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BALANÇOS PATRIMONIAIS 15 e 16 DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO 17 DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LIQUIDO 18 DEMONSTRAÇÕES DOS FLUXOS DE CAIXA 19 DEMONSTRAÇÕES DO VALOR ADICIONADO 20 BALANÇO SOCIAL (INFORMAÇÃO ADICIONAL) 21 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E a 51 PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES 52 e 53 PARECER DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 54 1

3 Relatório da Administração - Ano de 2009 A Diretoria da ALUNORTE Alumina do Norte do Brasil S.A., em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submete à apreciação do Conselho de Administração o presente Relatório e as Demonstrações Contábeis referentes ao exercício de 2009, acompanhadas do parecer dos Auditores Independentes. Desempenho Industrial A ALUNORTE produziu 5,9 milhões de toneladas de alumina calcinada em 2009, versus 5,0 milhões de toneladas em O custo de conversão manteve a referência de ser um dos mais baixos do mundo, com média de US$ /t no ano. A qualidade da alumina e a produtividade da refinaria foram pontos de destaque, garantindo a satisfação dos clientes e mantendo a ALUNORTE como uma das maiores e mais competitivas no mercado mundial. Atividades Comerciais As vendas totalizaram 6,0 milhões de toneladas de alumina calcinada em 2009, representando um crescimento de 20% em relação ao ano de 2008, quando foram comercializadas 5,0 milhões de toneladas. Desempenho Econômico/Financeiro A geração de caixa operacional, medida através do EBITDA, atingiu o valor de R$ 189,0 milhões em 2009 (R$ 745,3 milhões em 2008). Este resultado foi fortemente afetado pela redução no preço de venda do alumínio no mercado internacional - LME (London Metals Exchange). Abaixo, demonstramos a evolução do LME (3 meses), que é à base do preço do alumínio: LME 3 MESES (US$/t) 3.000, , , , , , , ,00 500,00 0, O lucro líquido apurado no encerramento do exercício de 2009 foi de R$ 232,6 milhões, influenciado diretamente pela valorização de 25,49% do real perante o dólar americano, com o impacto favorável, principalmente, da variação cambial das obrigações com empréstimos e financiamentos. 2

4 Premiações A ALUNORTE recebeu as seguintes premiações em 2009: Prêmio ABS (Agência Brasil de Segurança) - TOP OURO em Gestão de Segurança e Saúde do Trabalho; Prêmio ABS (Agência Brasil de Segurança) - TOP PRATA em Gestão Ambiental; Troféu Transparência ANEFAC-FIPECAFI-SERASA 2009, demonstrações contábeis, classificada entre as cinco primeiras empresas na categoria capital fechado; A maior Empresa do Pará Revista Exame Maiores e Melhores; Prêmio TOP OF BUSINESS 2009; Prêmio Destaque de Barcarena TOP de MARKETING; Prêmio Destaque Programa Sala VIP - Empresas que se destacaram em empreendedorismo e sustentabilidade. Gestão de Recursos Humanos Em 2009 a ALUNORTE consolidou o processo de Carreira & Sucessão nos mesmos moldes da Vale para o grupo de L3 e acima. Nos meses de outubro e dezembro de 2009, todos os L3 e L4 foram avaliados nas novas competências e no conceito de potencial Vale. Com a implantação desse modelo e de um sistema global de C&S, nossos executivos passam a fazer parte do Programa de Carreira & Sucessão da Vale Mundo. As funcionalidades vão facilitar a avaliação anual dos empregados, a seleção de liderança e o processo de planejamento de desenvolvimento já existente na ALUNORTE. Em novembro foi realizado o processo de avaliação dos Engenheiros em formato de comitê. Cinquenta e sete engenheiros foram avaliados nas competências organizacionais e performance. Com base nos resultados, foram sugeridas ações de desenvolvimento para capacitar cada vez mais os engenheiros, para que possam alcançar outro patamar de resultados para a ALUNORTE, perseguindo a busca pela melhoria contínua dos processos e a garantia da excelência operacional. Neste ano, o RH da ALUNORTE teve como uma de suas prioridades o foco na preparação das equipes para trabalharem com as mudanças implementadas na estrutura da empresa. O trabalho da consultoria interna de RH foi fundamental para dar suporte às equipes. Foram realizadas 487 reuniões com as equipes, onde foram trabalhadas questões que afetam o clima, o ambiente de trabalho e alinhamento dos papéis na nova estrutura. Em 2009, com objetivo de reforçar o papel do líder na nova estrutura, foram realizadas horas de treinamento gerencial (Coordenadores de Área), distribuídas em 20 atividades que abordam principalmente: desenvolvimento/formação de times e desenvolvimento de equipes de alta performance. Em 2009 foi criado o Programa Trainee ALUNORTE, que tem como objetivo desenvolver jovens potenciais para compor o quadro de futuros profissionais da empresa. O programa desenvolve o jovem profissional (trainee) nas competências técnicas e comportamentais da ALUNORTE de forma a potencializar seu desenvolvimento profissional e consequentemente atingir melhores resultados para a organização. Para esse primeiro ano, a empresa conta com 11 engenheiros potenciais que fazem parte do programa. Em dezembro de 2009, concluiu-se a segunda turma do Programa Trainee do Futuro, uma parceira da ALUNORTE com a Universidade Federal do Pará. Este programa visa à 3

5 formação de mão-de-obra especializada e capacitada para as demandas futuras da cadeia de alumínio e do mercado de trabalho local. Fizeram parte do programa 22 alunos dos cursos de Engenharia Mecânica, Engenharia Elétrica, Engenharia Civil, Engenharia Química, Engenharia Ambiental e Engenharia da Computação. Os alunos que apresentaram melhor desempenho durante o programa conquistaram uma vaga no Programa Trainee da ALUNORTE. No ano de 2009, como parte ao plano de economia para superação da crise e em consonância com as diretrizes Vale, foram realizadas horas de treinamento, distribuídas em 741 atividades. Destacam-se treinamentos em segurança ( horas distribuídas em 183 atividades, especificamente voltadas para as ferramentas e práticas de segurança do trabalho) e eventos de atualização técnica, que complementam as atividades específicas dos empregados. Em consonância com seus valores e observância aos requisitos legais, a ALUNORTE perseguiu a meta de ter em seu quadro efetivo 5% de Pessoas com Deficiência (PCD s). Desta forma, em 2009, a empresa proporcionou à comunidade de Barcarena três turmas de qualificação (Básico em Administração, Mecânica e Elétrica), com 20 participantes em cada uma, com o objetivo de formar potenciais candidatos à ALUNORTE. Em dezembro de 2009 completou sua cota com 76 PCD s. Em 2009, o RH da ALUNORTE focou no desenvolvimento de ações para suportar o momento de crise. Em decorrência da mudança do cenário do alumínio, deu suporte para as equipes envolvidas diretamente no processo de mudança de estrutura da ALUNORTE, apoio na implantação do CSC e implementou/intensificou os processos de RH nos mesmos moldes da Vale, dando foco para Treinamento & Desenvolvimento, Carreira & Sucessão, Planejamento do Efetivo e Relatórios Gerenciais. Meio Ambiente A ALUNORTE atendeu a todos os requisitos legais de meio ambiente aplicáveis às suas atividades, previstos no seu Sistema de Gestão Integrado. Com relação às licenças ambientais junto à Secretaria Estadual de Meio Ambiente (SEMA) citamos abaixo: Relatório de Informação Ambiental Anual relativo à licença de operação para movimentação de carga no Porto de Vila de Conde (para operação do Terminal de Granéis Líquidos e Sólidos); Renovação da autorização para captação de águas subterrâneas; Renovação da licença de operação da fábrica para uma produção total de alumina calcinada de 6,3 milhões de toneladas/ano; Renovação da licença de instalação da Expansão 3 para a produção total de alumina calcinada de 6,3 milhões de toneladas/ano; Concessão da Autorização de Supressão de Vegetação - ASV para a nova área do Depósito de Rejeitos Sólidos - DRS. Além do atendimento à legislação aplicável, foram realizados outros projetos e melhorias, com destaque para: Acompanhamento do projeto para a nova área do Depósito de Rejeitos Sólidos DRS junto à área de engenharia da ALUNORTE; Monitoramento ambiental das emissões e qualidades: Hídricas e Atmosféricas; Realização da Semana Socioambiental, envolvendo empregados, terceiros e comunidades; 4

6 Simulados de emergência ambiental; Participação na manutenção do SGI Sistema de Gestão Integrado; Ressalta-se que a ALUNORTE recebeu a Premiação categoria TOP Prata em Gestão Ambiental pela Agência Brasil de Segurança ABS. Incidente Ambiental No dia 27 de Abril de 2009, após a ocorrência de uma chuva de intensidade nunca antes registrada na região (105 milímetros em apenas uma hora e meia), houve um incidente ambiental no Depósito de Rejeitos Sólidos (DRS) da ALUNORTE. Apesar de possuir um depósito super dimensionado, a água da chuva contendo resíduos do processo produtivo transbordou em uma parte do canal de drenagem do DRS, atingindo parte da nascente nas proximidades da ALUNORTE, do Rio Murucupi, conforme descrição a seguir: Atividade: O DRS destina-se ao estoque da lama vermelha, resíduo do processo de produção de alumina, de modo contínuo e seguro, com alta concentração de sólidos (aproximadamente 65% em peso base) e baixa concentração de soda cáustica (em torno de 7 gpl), utilizando a tecnologia Dry-Stacking desenvolvida pela empresa alemã Giulini Chemie GmbH e revisada pela Alcan, quando da transferência de tecnologia para a ALUNORTE. Esta tecnologia consiste no armazenamento da lama vermelha, após a lavagem e filtragem, em depósitos selados, a fim de reduzir o teor cáustico. A fase líquida evapora e a água da chuva lixivia a lama vermelha. O líquido, contendo teor cáustico muito baixo, é coletado do depósito por meio de canais de drenagem em torno de todo o DRS e enviado para as bacias de controle, sendo depois direcionado para a Estação de Tratamento de Efluentes líquidos, antes de ser descartado no rio Pará. A primeira célula do DRS foi iniciada em 1995, em uma área de aproximadamente 15 ha. Atualmente, a área possui cerca de 130 ha. O aumento da capacidade do depósito é feito, na atualidade, por meio do aumento da altura dos diques do DRS por uma das melhores empresas brasileiras de design de barragem, a Consultoria Pimenta de Ávila, que foi contratada pela ALUNORTE para projetar, calcular e apresentar estudos para esse aumento da capacidade. Quando comparado com o tradicional sistema de tanque para armazenar a lama vermelha, a tecnologia utilizada no DRS da ALUNORTE apresenta as seguintes vantagens: Baixo volume de efluente gerado; Baixa concentração da soda cáustica; O resíduo gerado tem boas características de impermeabilização do solo, eliminando a possibilidade de infiltração; A estabilidade do resíduo seco é muito elevada quando comparado a um reservatório; O risco de quaisquer tipos de falhas estruturais nos diques do depósito é quase zero; Favorece o reflorestamento da área utilizada, após o esgotamento do depósito; Baixa demanda por áreas para armazenar resíduos. Reforçando seu compromisso com a preservação ambiental, a ALUNORTE vai além do exigido pela legislação. A tecnologia utilizada no DRS é revestida com uma membrana impermeável de polietileno de alta densidade (HDPE), garantindo o completo isolamento do RMDA, evitando qualquer tipo de vazamento líquido para a água subterrânea. Este sistema de tratamento de rejeitos é reconhecido internacionalmente como um dos mais eficientes em termos de riscos ou impacto ambiental. 5

7 Descrição da ocorrência: Na região da floresta tropical, o tempo chuvoso é predominante no período que vai de janeiro a junho. O problema teve início em 24 de abril de 2009, com um índice de precipitação de aproximadamente 32 milímetros, seguido por índices de 16 milímetros, 30 milímetros e culminando com um espantoso índice de precipitação de 105 milímetros no dia 27 abril de 2009, seguido por outros 75 milímetros no dia 28 abril de 2009, totalizando, em cinco dias, 257 milímetros. Em função da chuva histórica, o líquido contido no DRS transbordou na direção do canal de drenagem, que por sua vez não suportou fluxo de água e transbordou, enviando uma parte do material para o meio ambiente. A barragem de rejeitos da ALUNORTE é super dimensionada. Foi construída em nível quatro vezes superior ao que regulamenta a legislação para casos de depósitos como este. A ALUNORTE fez um estudo balizado por empresas de renome internacional no dimensionamento do depósito pra região pluviométrica de Vila do Conde. A legislação recomenda que seja construído um depósito que suporte chuvas recorrentes em 25 anos. O depósito da ALUNORTE é construído para suportar chuvas recorrentes de 100 anos, quatro vezes superior ao que recomenda a norma. O que ocorreu, no entanto, foi uma chuva de 1000 anos. Ações de curto, médio e longo prazos foram tomadas para evitar a recorrência do problema, visando à garantia da integridade do sistema de forma a suportar precipitações torrenciais. Ações de curto prazo: Alteamento temporário do talude do dique, do lado Leste, em 1,0 m; Alteamento temporário do talude do canal de drenagem, do lado Norte, em 1,0 m; Designação de um gerente específico para a Gestão da Operação, Manutenção e Expansão do DRS e operação do transporte de lama, objetivando implantar um plano de melhorias para garantir expansão e operação sem riscos ambientais; 22 de Junho de 2009: Foi dado início ao planejamento do lançamento de lama no DRS de forma a ocupar os volumes vazios e otimizar os espaços perdidos em função de lançamentos anteriores. No mesmo dia, iniciou-se o planejamento de platôs e rampas de lançamentos conforme curvas de níveis topográficas; 03 de Julho de 2009: Foi entregue ao Escritório de Advocacia GAVL o documento relativo ao Projeto Cerâmica, conforme solicitação do Núcleo de Meio Ambiente NUMA, do Ministério Público Estadual. O projeto consiste na elaboração de uma proposta de estudos e desenvolvimentos para o aproveitamento do resíduo de lama vermelha, para avaliação e assinatura de TAC (Termos Ajustamento de Conduta); 09 de Julho de 2009: Apresentação de propostas de um plano de automação e instrumentação do DRS, objetivando desenvolver um sistema de monitoração de dados on-line das principais variáveis de controle do DRS. 6

8 PLANO DE AÇÃO: Segue, na tabela abaixo, o Plano de Ação para evitar qualquer tipo de novo evento no DRS e no sistema de tratamento de efluentes líquidos: AÇÕES Construção Célula Leste e BC4 2 Limpeza da BC1 3 Aumento de 2,0m na Profundidade da BC1 4 Limpeza Canal Norte 5 Alteamento do Canal Norte em 1,0m 6 Instalação de Bombas Estacionárias na BC2 7 Dique de Contenção para Rio Murucupi 8 Construção da BC3 9 Construção Rede de Drenagem da A54 para A82 10 Recapeamento da Estrada de Acesso ao DRS 11 Construção de Estrada para Plataforma de Lançamento 12 Melhorias de Performance na A82 13 Autorização Supressão Vegetal 1ª e 2ª Fase 14 Construção 2ª Fase Célula Leste \ \ \ \ \ 15 Iluminação do DRS \ \ \ \ 16 Automação do DRS \ \ \ \ STATUS 1 Obras concluída, em andamento concretagem dos rápidos 2 Obra concluída 3 Obra concluída 4 Obra concluída 5 Obra concluída 6 Obra concluída 7 Obra concluída 8 Obra concluída 9 Obra concluída 10 Obra concluída 11 Obra concluída 12 Obra concluída 13 1ª Fase Concluída e 2ª Fase em Andamento 14 Projeto Detalhado Concluído, Aguardando Liberação Supressão Vegetal para Início Obras 15 Obras em Andamento, Conforme Cronograma 16 Desenvolvimento Sistema Controle em Andamento Segurança e Saúde no Trabalho Em 2009, a ALUNORTE manteve sua atuação em Segurança e Saúde no Trabalho - SST pautada em ações alinhadas com seu valor Obsessão por Segurança. Um dos 7

9 principais destaques do ano foi a conquista do Prêmio categoria TOP OURO em Gestão de Segurança, concedido pela Agência Brasil de Segurança ABS Na busca de padrões de excelência, deu continuidade aos trabalhos de adequação e aprimoramento do sistema de gestão de segurança e saúde, utilizando-se o suporte de especialistas da DuPont, que aportaram metodologia e know-how de gestão e as ações em SST como: Manutenção dos Programas de auditorias STOP e Observação Comportamental; Realização de treinamento de multiplicadores do Programa STOP e Observação Comportamental; Implantação do Índice de Percepção de Segurança (IPS); Realização de Auditoria Gerencial de Segurança da Alta Liderança; Realização de melhorias ergonômicas identificadas pelo Comitê de Ergonomia; Implantação do SD sistema de saúde, segurança e higiene; Realização da XIV Semana Interna de Prevenção de Acidente SIPAT; Realização de treinamentos em conformidade com a NR-33 Trabalhos em Espaços Confinados, capacitando supervisores, vigias e trabalhadores autorizados da ALUNORTE e contratadas; Realização de treinamento em gerenciamento de risco em atividades portuárias e abordagem em queda de homem ao mar - NR 29; Realização de treinamentos de AECT (Action Employee Can Take Safety) para empregados ALUNORTE e Contratadas; Realização de campanhas de saúde: doação de sangue, blitz da postura, DST/AIDS, H1N1, primeiros socorros, proteção auditiva e proteção respiratória; Auditoria de requisitos legais de saúde e segurança no trabalho em 30 empresas contratadas; Participação, como palestrante, em 15 campanhas de segurança em empresas contratadas; Campanha contra a gripe e vacinação dos empregados; Realização dos exames periódicos no Ambulatório Médico da ALUNORTE; Revisão dos procedimentos de segurança do trabalho; Realização de monitoramento dos agentes ambientais na área do Porto; Treinamentos e Simulados em combate a incêndio. Gestão Empresarial Durante o ano de 2009 foram realizadas quatro auditorias internas corporativas, sendo uma relativa ao Sistema de Gestão Integrada - SGI (para as normas ISO 9001; ISO e OHSAS 18001), duas referentes à SA8000 e uma sobre 5s; Com relação às auditorias externas, foram realizadas três ao longo do ano, uma com o escopo do SGI e duas da SA8000, sendo confirmadas as certificações em todas as normas; A ALUNORTE envolveu seus fornecedores por meio de entrevistas com mais de 250 contratados, cerca de 30 empresas auditadas e mais de 200 planos de melhorias internos, que visaram o aperfeiçoamento constante dos processos da organização; O nível de conhecimento, com relação às práticas internas de gestão, foi consolidado por meio da realização de treinamentos específicos fornecidos pela Gerência de 8

10 Área de Qualidade e Gestão, com a participação de 762 empregados, totalizando mais de homens/hora treinados; Consolidação do Programa SIOM Seminário Integrado de Oportunidades de Melhorias, no qual foram apresentados mais de 80 trabalhos relativos às categorias: Segurança e Meio Ambiente, Ergonomia e Processos Produtivos. Desses, 18 trabalhos chegaram às etapas eliminatórias e três foram os vencedores; A ALUNORTE contribuiu com o envio de mais de 60 trabalhos ao programa (i) Nova Vale ; Também foi o ano de implantação do Programa de Gestão à Vista, no qual os indicadores passaram a fazer parte da rotina de todos os empregados, promovendo o compromisso coletivo em prol dos resultados descritos no Mapa Estratégico; Em resposta à crise financeira internacional de 2009, que reduziu drasticamente a receita da empresa em função da queda do preço de venda da alumina, a ALUNORTE elaborou e cumpriu um agressivo plano de redução de custos fixos. Estabeleceu como meta o alcance de 12% (R$ 37,1 milhões) para essa redução e conseguiu ainda mais, chegando a 19% (R$ 57,8 milhões). Muitas medidas adotadas representaram ganhos capturados definitivamente, o que significará melhoria na produtividade também nos anos seguintes. Dentre essas medidas, cabe destacar: renegociação de contratos; revisão do modelo de gestão da infraestrutura de apoio à empresa, envolvendo o hospital e o clube que atendem os empregados em Barcarena; racionalização de recursos de tecnologia da informação; dentre outras; Como suporte à nova estrutura implantada na operação da ALUNORTE, implementou-se capacitações que envolveram a construção de times e o fortalecimento dos novos papéis assumidos. Participaram os coordenadores de turno, os operadores líderes e os especialistas de processo. O cronograma foi concluído com um Diálogo Aberto realizado pelo Diretor Industrial com os gestores da ALUNORTE, no qual foram reafirmados os compromissos assumidos pela liderança na Cartilha do Líder, com a realização de uma retrospectiva dos principais eventos do ano e desafios para Investimentos O projeto da Área 41X - Resfriamento a Vácuo, foi concluído, sendo desembolsados US$ 9.9 milhões. No projeto da Área 03E - Firm up do Desaguamento de Bauxita, foram desembolsados US$ 19.9 milhões, atingindo avanço físico de 90%. No projeto da Área 54 - Novo DRS - foram desembolsados US$ 13.2 milhões, atingindo avanço físico de 95%. O projeto da área 54 - DRS Ações de Melhoria - foi concluído, sendo desembolsados US$ 2.7 milhões. Em projeto da Área Administrativa - Aquisição de Catamarã - foram desembolsados US$ 3.6 milhões. Caldeira a Carvão HPB - Desembolsados US$ 49,844 milhões (US$ 59,641 milhões com variação cambial) de um orçamento de US$ 50,203 milhões. Montagem executada 100% e em operação assistida desde julho de 2009, entrando em plena carga no final de dezembro/2009. Ainda pendente o teste de performance estimada em US$ 500 mil, mais US$ 300 mil para plataformas de acesso e US$ 50 mil para finalizar montagem do elevador de pessoas e cargas. 9

11 Ampliação do Porto - Desembolsados US$ 34.5 milhões de US$ 20.5 milhões, atingindo avanço físico de 86% em dezembro de Serão ressarcidos R$ 21 milhões em abatimento de tarifas pela CDP - Companhia Docas do Pará, referentes às obras civis. Observações: Foram listados projetos de 2009 com realização econômica acima de US$ 2 milhões e que não incluem valores e percentuais referentes a projetos da Expansão. Valores do projeto Desaguamento representam 63,1% da realização, face participação da VALE no projeto. Apoio Comunitário e Desenvolvimento Social Em 2009, dentro do Programa ALUNORTE de Braços Abertos, foram intensificadas as ações de Relações com as Comunidades, conforme abaixo: Programa Plasticultura Em 2009, foi dada continuidade ao fornecimento de tubos reciclados de trocadores de calor para a construção de estufas, que custam até 90% menos do que o valor de mercado. O Programa Plasticultura capacita agricultores em técnicas de plantio, plano de negócios, vendas e educação ambiental escolar. Cooperativa de Costura e Moda de Barcarena (Coopermodas) A Cooperativa criada pela ALUNORTE gera renda às famílias de 25 costureiras da região, que são capacitadas em programas de qualificação profissional e realizam, ainda, trabalhos artesanais. Em 2009 foram realizadas as seguintes ações: Desenvolvida e implantada a fabricação de protetores de flanges para diversas áreas da ALUNORTE com custo na ordem de 300% menor do que o adquirido no mercado; Início da produção de capuzes para ALBRAS e ALUNORTE; Contínua produção de ecobags (sacolas usadas para substituir sacos plásticos), distribuídas aos empregados na Semana Socioambiental, nas reuniões com as comunidades e nas visitas à ALUNORTE; Programa Educar para Preservar O Programa Educar Para Preservar, em convênio com a Escola CODESEI e Secretaria de Educação de Barcarena, ministrou oficinas sobre: educação socioambiental, agenda 21 Escolar e elaboração de projetos ambientais para 35 coordenadores pedagógicos, diretores das escolas e professores com o objetivo de capacitá-los como monitores dos alunos inscritos no Projeto Bola pra Frente, Educação pra Gente, como executores das atividades de pesquisa e implantação das ações nas escolas e comunidades. 10

12 Programa Bola pra Frente, Educação pra Gente Parceria entre a ALUNORTE e a Secretaria Municipal de Educação que alia o esporte à educação e conta com a participação de 2500 estudantes de 23 escolas da região em ações educacionais e esportivas. Em 2009, o programa contou com as seguintes ações: Realização da Copa ALUNORTE de Futebol, pela qual foram selecionados os 18 alunos e as 18 alunas que formaram os times ALUNORTE Rain Forest (masculino e feminino); Em razão da crise mundial, os 36 atletas selecionados para os times ALUNORTE Rain Forest (ARF) Masculino e Feminino não participaram da Norway Cup Os atletas masculinos competirão em Já o time feminino seguirá com preparação técnica. O programa Bola pra Frente promove ainda o Prêmio Educacional, disputa que elege os melhores estudantes da região. Os cinco vencedores acompanham o ARF na Noruega, com a responsabilidade de desenvolver um estudo traçando um paralelo sobre a realidade do país e do Brasil. Em razão da crise, em 2009 os vencedores não viajaram a Oslo. Porém, três dos cinco estudantes do prêmio viajarão em 2010 e os outros dois, em Socialização das atividades pedagógicas e ambientais desenvolvidas pelas escolas/alunos inscritos, numa ação de incentivo para a melhoria do rendimento escolar; Realização de Gincana ambiental pelos alunos participantes do programa através de projeto pedagógico de cada escola nas atividades de conservação e melhorias do Patrimônio Escolar e mostra dos projetos ambientais em desenvolvimento por cada escola em praça pública no Dia Mundial do Meio Ambiente, com oficinas de reciclagem e apresentações culturais; Palestras pedagógicas inerentes à realidade do adolescente envolvendo os alunos/as das escolas públicas de Barcarena; Excursões das equipes selecionadas para conhecimento histórico das comunidades de Barcarena, incluindo a Ilha de Trambioca, para troca de experiências e avaliação de realidade do Município; Realização do TORNEIO BARCARENA CUP Integração das Comunidades: ARF conquistou o 1º lugar nas Categorias masculina e feminina. ARF conquista o título no Torneio de Futsal feminino de Itupanema. Torneio das Indústrias (SESI) Patrocínio e apoio material à participação dos empregados da ALUNORTE no Torneio das Indústrias, promovido pelo Serviço Social da Indústria (SESI), objetivando a integração e socialização. Projeto de Voluntariado Corporativo A ALUNORTE desenvolve o maior Programa de Voluntariado de Barcarena ALUNORTE CIDADANIA - em parceria com o SESI e apoio de seus parceiros. Em 2009, foram realizados atendimentos à Comunidade em serviços de confecção de documentos, atividades físicas, lazer, saúde, cortes de cabelo e odontologia, entre outros. A ALUNORTE contou com a participação de 300 voluntários; 11

13 Realização da 4ª Campanha da Olimpíada Solidária, com arrecadação de mais de 20 mil itens, entre gêneros alimentícios, roupas, livros, materiais de higiene e limpeza para a Pastoral do Menor de Barcarena. Relacionamento com Stakeholders: A ALUNORTE recebeu cerca de visitantes ao longo do ano de Estiveram na fábrica públicos de diversos segmentos, como representantes de comunidades locais, estudantes, acionistas e familiares de empregados. As visitas são realizadas dentro do programa ALUNORTE de Braços Abertos, que visa a reforçar o relacionamento e a transparência entre a empresa e seus stakeholders. Outras ações de Responsabilidade Social: Apoio aos empregados voluntários no desenvolvimento de atividades da capacitação e sustentabilidade da comunidade de Barcarena; Programa permanente de doação dos recursos obtidos com a venda dos cartuchos vazios utilizados pelas impressoras da ALUNORTE para a Associação Voluntária de Apoio a Oncologia AVAO; Participação na Associação das Empresas de Mineração de Barcarena (ASSEMB); Instalação de EIC, Escola de Informática e Cidadania, na Pastoral do Menor de Barcarena; Convênio com o CDI, (Comitê para Democratização da Informática) para acompanhamento das Escolas de Informática e Cidadania, já instaladas nas vilas de Itupanema, Vila do Conde, Laranjal e São Francisco; Apoio a diversos centros comunitários por meio de: doações de materiais e serviços, apresentações culturais em eventos da fábrica e patrocínios; Apoio a ONGs, iniciativas e projetos sociais da região; Confecção de estufas para escolas e Universidade da Amazônia; Participação nas reuniões do Conselho Tutelar; Visitas periódicas aos Líderes Comunitários da região; Visitas periódicas às Secretarias de Agricultura e Educação de Barcarena; Participação no Projeto de Desenvolvimento de Abaetetuba, com o PNUD, ligado à ONU. Outras observações: A ALUNORTE é a única empresa do seu segmento que possui uma estação própria para tratar toda a água que entra em contato com a planta industrial - inclusive água da chuva - liberando para o Rio Pará; A revista ANEFAC, n 137, de outubro de 2009, publicou que a ALUNORTE iniciou, em caráter experimental, a pavimentação de ruas da fábrica com blocos cerâmicos produzidos a partir da lama vermelha, principal resíduo do processo produtivo da alumina. 12

14 Metas para o ano de 2010 Atuando em total sintonia com seus valores e alinhado à Visão de Estar entre as Três Melhores Refinarias de Alumina do Mundo nos Direcionadores de Sustentabilidade do Negócio e à Missão de Produzir e fornecer alumina por meio do uso sustentável dos recursos naturais, gerando consistentemente valor às partes interessadas, as principais metas da ALUNORTE para 2010 são: Consolidar a implantação do Sistema de Gestão de Segurança, Saúde e Meio Ambiente, baseado na metodologia Dupont, a fim de reduzir ainda mais os acidentes com empregados próprios; Reduzir o número de acidentes com empregados de empresas contratadas, através de metodologia de empresa especializada em gerenciamento de terceiros; Aprimorar a sistemática de qualificação de segurança de fornecedores e prestadores de serviço; Dar continuidade ao programa de Ergonomia; Dar continuidade ao programa de redução de ruído dos equipamentos e atividades; Garantir a manutenção dos índices do Sistema de Gestão Ambiental; Intensificar o reaproveitamento de resíduos; Garantir a produção e os índices técnicos previstos no orçamento 2010; Garantir a conformidade e a manutenção do Sistema de Gestão Integrado (SGI), através do aprimoramento do Programa de formação de facilitadores e auditores internos, e da capacitação de lideranças e staff; Consolidar o Sistema de Gestão alinhado às estratégias, visando à maximização da geração de valor às partes interessadas; Aprimorar os programas de melhoria contínua e solução de problemas, como o Seminário Interno de Oportunidades de Melhoria, Workshop de Engenharia e Tecnologia e Six Sigma, objetivando redução de custo, aumento de produtividade e melhorias operacionais; Implantar as ações mapeadas no Planejamento Estratégico, no que diz respeito às ações para atrair e reter pessoas, promover um clima organizacional favorável, aprimorar competências, habilidades e atitudes da base operacional e desenvolver os líderes para uma organização de alta performance; Revisar o Planejamento Estratégico, aperfeiçoando os planos de ação e desdobrando as metas até a base operacional; Consolidar a reestruturação da organização do turno, continuando com a implantação das Equipes de Alta Performance; Reforçar e ampliar as ações de Comunicação Interna através da ampla divulgação dos programas existentes e implementação de outros; Consolidar estratégias de Comunicação Empresarial através do relacionamento com todos os stakeholders por meio do programa "ALUNORTE de Braços Abertos", do relacionamento com a imprensa e também através da utilização intensa das mídias internas existentes: TV corporativa, DIA, Alunews e Revista ALUNORTE; Intensificar os projetos de responsabilidade sociais já existentes, com ênfase em ações de educação, capacitação e suporte para geração autossustentável de renda. 13

15 Barcarena, 09 de fevereiro de Diretoria Ricardo Rodrigues de Carvalho Diretor Presidente Daryush Albuquerque Khoshneviss Diretor Industrial Conselho de Administração Tito Botelho Martins Junior Presidente Tor Ove Horstad Conselheiro João Carlos Ronchel Soares Conselheiro Yoshiaki Kurihara Conselheiro Seiichi Sato Conselheiro Kenichi Kibe Conselheiro 14

16 Balanços Patrimoniais Exercícios findos em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo Notas Circulante Caixa e equivalentes de caixa Provisão para hedge Clientes 4 Partes relacionadas Outros 361 Depósitos em garantia Estoques Impostos e contribuições a recuperar Imposto de Renda e Contribuição Social diferidos Adiantamentos a fornecedores Despesas antecipadas Outros ativos Não circulante Realizável a longo prazo Imposto de Renda e Contribuição Social diferidos Impostos e contribuições a recuperar Depósitos judiciais Outros ativos Investimentos Imobilizado Intangível Diferido Total do ativo As notas explicativas da administração são partes integrantes das demonstrações contábeis. 15

17 Balanços Patrimoniais Exercícios findos em 31 de dezembro Em milhares de reais Passivo e patrimônio líquido Notas Circulante Fornecedores e empreiteiros Partes relacionadas Outros Empréstimos e financiamentos Partes relacionadas 7 e Outros Salários e encargos sociais Impostos e contribuições Dividendos propostos 15 (e) Provisão para hedge 16 (c) Outros passivos Não circulante Empréstimos e financiamentos Partes relacionadas 7 e Outros Provisão para contingências 14 (a) Patrimônio líquido Capital social Residentes no país Residentes no exterior Reservas de capital Reservas de lucros 15 (b), (c) Total do passivo e patrimônio líquido As notas explicativas da administração são partes integrantes das demonstrações contábeis 16

18 Demonstrações do resultado Exercícios findos em 31 de dezembro Em milhares de reais, exceto lucro por ações Trimestres (não auditados) Exercício findo em 31 de dezembro Notas 4T09 3T09 4T Receita bruta de vendas Venda de produtos Outras vendas de produtos e serviços Impostos sobre vendas e outras deduções ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Receita líquida das vendas Custo dos produtos vendidos e serviços ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Resultado bruto Receitas (despesas) operacionais Com vendas e comerciais 17 (7.071 ) (7.441 ) ( ) ( ) ( ) Gerais e administrativas 17 ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Honorários dos administradores 17 (190 ) (192 ) (179 ) (1.046 ) (1.070 ) Operação de hedge accounting - líquidas ( ) Outras 17 (6.336 ) (2.352 ) ( ) (3.004 ) ( ) ( ) ( ) (3.719 ) ( ) ( ) Lucro (prejuízo)operacional antes do resultado financeiro ( ) Resultado financeiro Despesas financeiras 18 (6.670 ) (8.806 ) ( ) ( ) ( ) Receitas financeiras Operação de derivativos de alumínio - líquidas 18 ( ) ( ) Variações monetárias e cambiais - líquidas ( ) ( ) (5.839 ) ( ) ( ) Outras receitas e despesas 7 (12 ) 7 6 Lucro antes do Imposto de Renda e da Contribuição Social Imposto de Renda e Contribuição Social 9 (c) Do exercício ( ) ( ) ( ) ( ) Diferido 718 (195 ) (657 ) ( ) ( ) ( ) ( ) Lucro líquido do período/exercício Lucro líquido por ação 0,02 0,04 0,01 0,10 0,10 As notas explicativas da administração são partes integrantes das demonstrações contábeis. 17

19 Demonstrações das mutações do patrimônio líquido Em milhares de reais Reservas de capital Reservas de lucros Capital Ágio na Ajustes de Lucros social emissão Subvenção avaliação Incentivos Expansão/ (prejuízos) realizado de ações AFRMM patrimonial fiscais Legal investimentos acumulados Total Saldos em 31 de dezembro de ( ) Realização de reserva: Utilização do AFRMM na amortização de financiamento de embarcações (605 ) 605 Hedge accounting ( ) ( ) Lucro líquido do exercício Destinação dos lucros: Reservas de incentivo fiscal ( ) Reserva legal ( ) Dividendos propostos ( ) ( ) Reserva de lucros para expansão/investimento ( ) Saldos em 31 de dezembro de Realização de reserva: Utilização do AFRMM na amortização de financiamento de embarcações (605 ) 605 Lucro líquido do exercício Destinação dos lucros: Reserva legal ( ) Dividendos propostos ( ) ( ) Reserva de lucros para expansão/investimento ( ) Saldos em 31 de dezembro de As notas explicativas da administração são partes integrantes das demonstrações contábeis.. 18

20 Demonstrações dos fluxos de caixa Exercícios findos em 31 de dezembro Em milhares de reais Trimestres (não auditado) Exercício findo em 31 de dezembro 4T09 3T09 4T Fluxo de caixa proveniente das (aplicado nas) operações: Lucro líquido do exercício Ajustes para reconciliar o resultado do exercício com os recursos provenientes (aplicado nas) atividades operacionais Depreciação e amortização Imposto de Renda e Contribuição Social diferidos (718) 195 (1.248 ) 657 (1.337) Reversão de operação de derivativo de alumínio não realizada, líquida ( ) ( ) Operação com derivativos, líquidos Reversão para hedge realizado ( ) ( ) Provisão( reversão) para contingências 2 (600) (55 ) (600) (92) Variações monetárias e cambiais líquidas dos ativos e passivos ( ) ( ) ( ) Despesas com juros de empréstimos Valor residual do ativo imobilizado baixado por alienação Redução (aumento) nos ativos Clientes ( ) Estoques ( ) ( ) Depósitos em garantia (2.834) (2.277) (8.527 ) Impostos e contribuições a recuperar ( ) ( ) (40.593) ( ) Operações com hedge de alumínio Adiantamento a fornecedores (898) 398 (35 ) (845) Outros ativos (388) (1.625) (2.287) ( ) ( ) Aumento (redução) nos passivos Contas a pagar a fornecedores e empreiteiros ( ) (3.838) ( ) Salários e encargos sociais a recolher ( ) (2.267 ) Juros pagos com empréstimos ( ) (8.158) ( ) (63.130) ( ) Outros passivos ( ) (5.581) (3.516 ) (34.430) (7.922) ( ) ( ) ( ) Recursos líquidos provenientes das atividades operacionais Adições no imobilizado investimento ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Depósitos judiciais (2.082) 370 (766) Recursos líquidos aplicado nas atividades de investimento ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Fluxo de caixa proveniente das (aplicado nas) atividades de financiamento: Empréstimos captados a curto prazo líquido ( ) Pagamentos de empréstimos e financiamentos - LP ( ) (40.816) Dividendos pagos a acionistas ( ) ( ) (14.829) ( ) Recursos líquidos das atividades de financiamento ( ) ( ) (55.645) Aumento (redução) no caixa e equivalentes (1.800 ) ( ) Disponibilidade no início do exercício Disponibilidade no final do exercício Transações que não envolvem caixa Imposto de renda e contribuição social sobre o lucro líquido Compensados com créditos fiscais ( ) ( ) (6.556 ) ( ) ( ) As notas explicativas da administração são partes integrantes das demonstrações contábeis. 19

ÍNDICE. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO NO ANO DE 2010 2 a 9

ÍNDICE. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO NO ANO DE 2010 2 a 9 ÍNDICE RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO NO ANO DE 2010 2 a 9 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BALANÇOS PATRIMONIAIS 10 e 11 DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO 12 DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 13 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00414-6 KARSTEN S.A. 82.640.558/0001-04 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00414-6 KARSTEN S.A. 82.640.558/0001-04 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/29 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00839-7 MANGELS INDUSTRIAL S.A. 61.065.298/0001-02 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00839-7 MANGELS INDUSTRIAL S.A. 61.065.298/0001-02 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Associação Corredor Ecológico do Vale do Paraíba Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes

Associação Corredor Ecológico do Vale do Paraíba Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores Associação Corredor

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços e metais,

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Leia mais

Belém Bioenergia Brasil S.A.

Belém Bioenergia Brasil S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 17.132 16.233 Fornecedores (Nota 11) 7.768 48.741

Leia mais

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Conteúdo Balanços Patrimoniais

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010

Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010 Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010 Rio de Janeiro, 16 de agosto de 2010. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no mercado de

Leia mais

Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A.

Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A. Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Abril Comunicações S.A.

Abril Comunicações S.A. Abril Comunicações S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes Abril Comunicações S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Leia mais

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda

Rodobens Locação de Imóveis Ltda Rodobens Locação de Imóveis Ltda Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos auditores

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás

Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás Relatório dos Auditores Independentes sobre a Aplicação de Procedimentos Previamente Acordados em 31 de dezembro de 2007 Deloitte Touche Tohmatsu Auditores

Leia mais

Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011

Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011 Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo

Leia mais

IMAGEM CAPA. Relatório Anual. ALUNORTE Alumina do Norte do Brasil S.A.

IMAGEM CAPA. Relatório Anual. ALUNORTE Alumina do Norte do Brasil S.A. IMAGEM CAPA Relatório Anual ALUNORTE Alumina do Norte do Brasil S.A. 2011 ÍNDICE RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO NO ANO DE 2011 2-10 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BALANÇOS PATRIMONIAIS 11 DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

PARECER DE AUDITORIA

PARECER DE AUDITORIA PARECER DE AUDITORIA Aos Diretores da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS CORRETORES DE SEGUROS DE BELO HORIZONTE E REGIÃO METROPOLITANA LTDA CREDICORSEGS 1. Examinamos o balanço patrimonial da

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - ALPARGATAS SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - ALPARGATAS SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais S.A. BDMG

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais S.A. BDMG Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais S.A. BDMG 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras consolidadas

Leia mais

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Brasil Brokers divulga seus resultados do 4º Trimestre de 2009

Brasil Brokers divulga seus resultados do 4º Trimestre de 2009 Brasil Brokers divulga seus resultados do 4º Trimestre de 2009 Rio de Janeiro, 10 de março de 2010. A Brasil Brokers Participações S.A. (Bovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no mercado de intermediação

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Parque Eólico Assuruá VII. Relatório dos Auditores Independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014

Parque Eólico Assuruá VII. Relatório dos Auditores Independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 Parque Eólico Assuruá VII Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 Parque Eólico Assuruá VII Demonstrações contábeis Referentes aos exercícios findos em 31

Leia mais

RODANA RELÓGIOS S/A C.N.P.J. 22.800.833/0001-70

RODANA RELÓGIOS S/A C.N.P.J. 22.800.833/0001-70 RODANA RELÓGIOS S/A C.N.P.J. 22.800.833/0001-70 RELATÓRIO DA DIRETORIA Senhores Acionistas: Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos a apreciação de V.Sas. as Demonstrações Contábeis

Leia mais

Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011

Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 5) 45.431 15.305 Financiamentos e empréstimos (Nota 12) 71.389 40.388

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

Índice Balanço patrimonial... 4 Demonstração do resultado...5 Demonstração do resultado abrangente... 6 Demonstração das mutações no patrimônio líquido...7 Demonstração dos fluxos de caixa... 8 Demonstração

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

Demonstrações Financeiras Enel Green Power Damascena Eólica S.A.

Demonstrações Financeiras Enel Green Power Damascena Eólica S.A. Demonstrações Financeiras Enel Green Power Damascena Eólica S.A. 31 de dezembro de 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras 31 de dezembro

Leia mais

GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins

GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2009 e ao Período de 13 de Maio a 31 de Dezembro de 2008 e Parecer

Leia mais

Altus Sistemas de Automação S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2014

Altus Sistemas de Automação S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2014 Altus Sistemas de Automação S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2014 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SAÚDE CRIANÇA FLORIANOPOLIS

ASSOCIAÇÃO SAÚDE CRIANÇA FLORIANOPOLIS ASSOCIAÇÃO SAÚDE CRIANÇA FLORIANOPOLIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 E RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES ASSOCIAÇÃO SAÚDE CRIANÇA FLORIANOPOLIS

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações

Leia mais

Demonstrações Financeiras Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - Ecosul

Demonstrações Financeiras Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - Ecosul Demonstrações Financeiras Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - Ecosul 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Índice

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

Agência Estado Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes

Agência Estado Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A. Índice

Raízen Combustíveis S.A. Índice Raízen Combustíveis S.A. Índice Balanço patrimonial...2 Demonstração do resultado...4 Demonstração do resultado abrangente...5 Demonstração das mutações do patrimônio líquido...6 Demonstração dos fluxos

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS, em 31 de dezembro de 2013 e Relatório dos

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

Aqua-Rio Aquário Marinho do Rio de Janeiro S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de

Aqua-Rio Aquário Marinho do Rio de Janeiro S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de Aqua-Rio Aquário Marinho do Rio de Janeiro S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Relatório

Leia mais

Desempenho Econômico- Financeiro 1T15

Desempenho Econômico- Financeiro 1T15 Desempenho Econômico- Financeiro 1T15 Mensagem da Administração Senhores (as) Acionistas: Conforme mencionado no final do exercício de 2014, concluímos com pleno sucesso o processo que converteu em capital

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

Copobras da Amazônia Industrial de Embalagens Ltda.

Copobras da Amazônia Industrial de Embalagens Ltda. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 7) 1.440 1.112 Fornecedores(Nota 14) 3.537 4.353 Contas a receber

Leia mais

Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013

Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013 DUDALINA S/A BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE SETEMBRO DE 2014 (Valores expressos em milhares de reais) Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Banco Volkswagen S.A. Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

Banco Volkswagen S.A. Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes Aos administradores Banco Volkswagen S.A. Examinamos as demonstrações

Leia mais

Demonstrações Financeiras Medise Medicina Diagnóstico e Serviços S.A.

Demonstrações Financeiras Medise Medicina Diagnóstico e Serviços S.A. Demonstrações Financeiras Medise Medicina Diagnóstico e Serviços S.A. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório auditores independentes

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Yuny Incorporadora S.A. Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 e 2012

Leia mais

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014.

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

RBS Participações S.A. e empresas controladas

RBS Participações S.A. e empresas controladas Demonstrações consolidadas do resultado Exercícios findos em 31 de dezembro Em milhares de reais, exceto valor por ação (Tradução livre do original em inglês) Nota 2014 2013 Receita líquida 18 (a) 487.758

Leia mais

Fertilizantes Heringer S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2011

Fertilizantes Heringer S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2011 Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em de 2011 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas

Leia mais

ÍNDICE. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO NO ANO DE 2007 02 a 10

ÍNDICE. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO NO ANO DE 2007 02 a 10 ÍNDICE RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO NO ANO DE 2007 02 a 10 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BALANÇOS PATRIMONIAIS 11 a 12 DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO 13 DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LIQUIDO 14 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

SIFCO S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ACOMPANHADAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES

SIFCO S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ACOMPANHADAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SIFCO S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ACOMPANHADAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SIFCO S.A. CE-0182/14 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012

Leia mais