O MERCADO BRASILEIRO PARA PÊRAS FRESCAS CHILENAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MERCADO BRASILEIRO PARA PÊRAS FRESCAS CHILENAS"

Transcrição

1 O MERCADO BRASILEIRO PARA PÊRAS FRESCAS CHILENAS Identificação do Produto As pêras frescas são classificadas, na nomenclatura brasileira, no item As estatísticas internacionais apresentam o produto em um nível maior de agregação, na subposição , que compreende, também, os marmelos. Os marmelos destinam-se, principalmente, à fabricação de doces ou geleias. A unidade de medida, em termos de comércio exterior, é o quilograma 1. Características Gerais do Mercado A pereira é uma fruteira típica de clima temperado, tendo por origem a região asiática. Botanicamente, a pereira pertence à família das Rosáceas (pomoídeas) que engloba diversas espécies. No contexto da produção mundial das frutíferas pomoídeas, as pêras só perdem para as maçãs. São consumidas tanto ao natural quanto industrializadas (caldas, sucos ou vinhos). Segundo dados estatísticos do United States Department of Agriculture (USDA) 2 a produção mundial evoluiu a uma taxa média de 1,8% entre o ano de 2000 e Para 2005, os dados preliminares indicam crescimento de cerca de 3% nas quantidades. Com base na mesma fonte, tem-se que a produção mundial é largamente liderada pela República Popular da China que, no quinquênio sob análise, apresentou taxa de crescimento da ordem de 5%. Em termos de volume a produção chinesa passou de 9,4 milhões para 11,4 milhões de toneladas. Atualmente, a China responde por mais da metade da produção mundial de pêras. Ainda de acordo com o USDA, a Itália figura como o segundo produtor (919 mil toneladas), seguida pelos EUA (893 mil), Espanha (620 mil) e Argentina (562 mil toneladas). A produção européia, por seu turno, não tem mostrado grande dinamismo, situando-se nos últimos cinco anos, na faixa de 3,5 milhões de toneladas, com registro de queda em importantes produtores, a exemplo da Itália. A América do Sul, como um todo, alcançou produção de cerca de 800 mil toneladas no último ano disponível na base de dados em apreço. Quanto ao Chile, segundo os dados do Fundo das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) 3, o país deteve a décima segunda posição entre os principais produtores mundiais de pêras em 2004, com 210 mil toneladas. Para 2005, as estimativas da FAO são de que o volume tenha mostrado discreto crescimento, de cerca de 1%. A exemplo da União Européia a safra chilena também não mostrou vitalidade no período sob análise. Nada obstante, o país continua a figurar como o segundo produtor sul-americano, após a Argentina. Produção Mundial de Pêras, (em mil toneladas) Países China, R.P Itália EUA Espanha Argentina Demais Países Total Fonte: USDA United States Department of Agriculture. Acesso em 18/4/06.

2 2 Na maior parte das vezes, os principais produtores figuram, também, como grandes consumidores per capita do produto. Assim, para as frutas em geral, temse que os países da União Européia apresentam o maior índice de consumo individual: Espanha (120 kg/ano), Itália (115) e Alemanha (112), segundo dados do Instituto Brasileiro de Frutas - IBRAF 4. No setor externo, segundo os dados da UNCTAD/ITC/TradeMap 5, as exportações mundiais de pêras somaram cerca de US$ 1,3 bilhão em O ranking foi liderado pelos Países Baixos (US$ 246 milhões), seguidos pela Bélgica (US$ 220 milhões), Argentina (US$ 153 milhões), Itália (US$ 134 milhões) e EUA (US$ 123 milhões). Entre o ano de 2000 e 2004, as exportações totais do produto mostraram crescimento médio de 11% em termos de valor e de 4% no tocante à quantidade. No cômputo geral, o preço médio do produto tem apresentado leve tendência de elevação. Após atingir US$ 68 milhões em 2003, as exportações chilenas apresentaram contração de 12% em 2004, limitando-se a US$ 60 milhões, de acordo com a referida fonte. Em termos de quantidade, os embarques retraíram em 15%, para 124 mil toneladas. A despeito dessa redução, o Chile manteve a nona posição entre os principais exportadores mundiais do produto. No âmbito da América do Sul deteve o segundo lugar, suplantado pela Argentina. Os Países Baixos, os EUA e a Itália são os principais mercados de destino para as pêras chilenas. O Brasil ocupou a décima segunda posição nesse ranking, demandando cerca de US$ 1,4 milhão, segundo dados do TradeMap. De outra perspectiva e ainda segundo dados do TradeMap, a Alemanha figurou como o principal importador mundial do produto, demandando US$ 190 milhões, em Outros importantes compradores internacionais foram: Reino Unido (US$ 157 milhões), França (US$ 125 milhões), Itália (US$ 107 milhões) e Rússia (US$ 104 milhões). A importação por parte de países produtores pode ser explicada, em certa medida, por aquisições fora de temporada. No que tange ao Brasil, o país encontra-se na décima primeira posição entre os principais importadores mundiais do produto, com um valor, em 2004, correspondente a US$ 42 milhões (76 mil toneladas), ainda de acordo com os dados do TradeMap. Principais Exportadores Principais Importadores Exportadores US$ milhões Importadores US$ milhões Países Baixos 245,6 Alemanha 190,3 Bélgica 219,7 Reino Unido 157,3 Argentina 153,4 França 124,6 Itália 133,6 Itália 107,5 EUA 123,4 Rússia 104,3 Espanha 96,9 Países Baixos 91,1 China 90,7 EUA 80,4 África do Sul 79,8 Bélgica 68,5 Chile 59,7 México 67,6 Coréia do Sul 35,2 Canadá 61,8 Fonte : Unctad/ITC/TradeMap Disponível em Acesso em 18/4/06. Perfil do mercado brasileiro A produção brasileira de pêras tem apresentado crescimento moderado nos últimos anos. Assim, de acordo com dados da FAO, evoluiu de 17 mil toneladas no

3 3 ano de 2000, para 22 mil toneladas em 2004, com expectativa de que tenha se mantido em tal patamar para o ano de As dificuldades climáticas que o país apresenta no que tange especificamente ao cultivo da fruta explicam, de certo modo, o perfil da produção nacional. Agregando-se aos dados da produção os de importação tem-se que o consumo aparente de pêras no Brasil alcança, portanto, a cifra anual de 98 mil toneladas, já consideradas as exportações. O consumo per capita do produto, em 2004, foi estimado em 0,53 quilograma, cifra bem inferior à de outros países, como a França, onde chega a 4 quilogramas por ano 6. Considerando a reconhecida elasticidade do produto, podese afirmar que eventuais elevações na renda do consumidor brasileiro teriam reflexo positivo sobre o nível da demanda, o que, em função da política econômica, poderia vir a ensejar perspectivas otimistas no médio prazo. No que tange à distribuição geográfica, apenas cinco estados brasileiros apresentam níveis relativamente expressivos de produção de pêras. A maior parte do plantio encontra-se concentrada no Estado do Rio Grande do Sul (9,3 mil toneladas), seguido por São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais. No total, a área cultivada alcançou hectares, segundo dados do IBRAF. Perfil das importações De acordo com os dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) 7, as importações brasileiras de pêras frescas atingiram seu ponto máximo em 1996, quando registraram US$ 99 milhões, equivalentes a 171 mil toneladas. Desde então, as compras externas de pêras mostraram declínio em seus valores globais por sete consecutivos, voltando a assinalar alguma recuperação no último biênio (2004/2005). A recuperação em apreço, mostrou-se, contudo, incapaz de alçar a demanda externa aos níveis assinalados no início da série histórica sob exame. No cômputo geral, a demanda importadora passou de US$ 99 milhões para US$ 54 milhões, entre 1996 e No período como um todo, as aquisições externas somaram US$ 571 milhões. Pode-se estimar que o comportamento do último biênio tenha sido alavancado pela apreciação do real frente ao dólar norteamericano, que reflete diretamente no preço final da mercadoria ora analisada. No somatório dos últimos dez anos, o preço médio do produto importado, foi de US$ 519 por tonelada, ou seja, US$ 0,52 por quilograma. Cabe registrar tendência à valorização da mercadoria importada, nos últimos anos. Importações Brasileiras de Pêras Frescas, Anos US$ Mil Toneladas Preço Médio Total Fonte: MDIC / SECEX - acesso em 20/4/06.

4 4 Países Fornecedores 8 A matriz de fornecedores apresenta-se pouco diversificada. A Argentina ocupa, tradicionalmente, a posição de principal exportadora ao Brasil de pêras frescas. No somatório do triênio 2003 a 2005, por exemplo, as compras originárias do mercado argentino somaram US$ 93 milhões, equivalentes a 76% do total, segundo dados do MDIC. Ainda segundo tal fonte, as importações originárias da Argentina mostraram firme expansão em todo o período. Vale ressaltar a elevação nas aquisições de pêras portuguesas. Especificamente no tocante às importações originárias do mercado chileno, estas apresentaram redução no triênio sob exame. No somatório, as compras originárias do Chile somaram US$ 4,6 milhões, o que representou 4% do total demandado pelo Brasil. Nesse quadro, o Chile ocupou a quarta posição no rol de fornecedores do produto, segundo o MDIC. Entre janeiro e março de 2006, persistiu a tendência recente de expansão das importações totais que, comparativamente ao mesmo período de 2005, mostraram incremento de 53%, atingindo US$ 17 milhões. Assinalou-se expressivo crescimento nas importações originárias de todos os fornecedores. A parcela originária do Chile, por seu turno, apresentou incremento ainda mais expressivo, o que poderia assinalar recuperação de margem de mercado. Importações Brasileiras de Pêras Por Países Fornecedores, (em US$ mil) Países Total Part. (%) Argentina ,0 EUA ,3 Portugal ,4 Chile ,8 Espanha ,2 Uruguai ,2 Itália ,1 Total ,0 Fonte: MDIC / SECEX - acesso em 20/4/06. Em função sobretudo da magnitude dos fornecimentos argentinos, a América do Sul, em conjunto, responsabilizou-se por cerca de 80% da demanda brasileira por pêras frescas no último triênio. Traduzida em valores, a quantia adquirida dos países vizinhos, no período em apreço, foi de US$ 99 milhões. Assim, existiriam possibilidades de substituição de importações em prol dos países vizinhos. Para tanto, caberia recordar que cerca de 20% da demanda importadora brasileira ainda originam-se de países extra-zona. É bem verdade, entretanto, que o Chile tem, na Argentina, o seu principal concorrente no que tange ao abastecimento da demanda brasileira por pêras frescas. Nessas condições e com base nos dados da série histórica pode-se afirmar que existem boas possibilidades, no Brasil, para os exportadores chilenos de pêras frescas. Assim, o lançamento de campanhas de marketing poderia contribuir para alavancar as exportações de pêras chilenas em direção ao Brasil. Tais campanhas, a exemplo do que já foi feito no País com os vinhos desse país, afiguram-se uma boa alternativa, em médio prazo, para expansão da fatia de mercado atualmente detida pelo Chile, no que tange ao abastecimento de pêras. Na mesma linha, a

5 5 WAPA - World Apple and Pear Association desenvolve ações específicas de incentivo ao consumo dessas duas frutas, inclusive no Brasil. Importações Brasileiras de Pêras Originárias do Chile, Anos US$ mil Toneladas Fonte: MDIC / SECEX - acesso em 20/4/06. Questões Logísticas 9 As pêras frescas, pela sua fragilidade e efemeridade, requerem uma logística adequada no comércio internacional, de modo que cheguem ao destino em qualidade perfeita. Isto exige, portanto, adequar o tempo de transporte e de distribuição, ao ciclo de amadurecimento da fruta. No Brasil, essas questões adquirem maior importância, ainda, ao ter-se em conta as dimensões do País. No que tange às importações brasileiras, o modal rodoviário é o mais utilizado, havendo respondido por cerca de 87% da tonelagem registrada em O transporte marítimo responsabilizou-se pela parcela restante, de acordo com o MDIC. O Porto Seco de Dionísio Cerqueira, no Estado de Santa Catarina, é a principal porta de entrada para o produto adquirido no exterior. Em 2005, cerca de 46% das quantidades adquiridas adentraram o território nacional por esse Porto. Citam-se, ainda, São Borja - RS (24%) e Santos - SP (11%). Especificamente no tocante às pêras chilenas, o modal preferido também é o rodoviário, tendo por entrada: Foz do Iguaçú PR (59% do total), São Borja - RS (26%) e Dionísio Cerqueira - SC (15%). Essa distribuição refere-se às importações praticadas em 2005 e tem por fonte os dados do MDIC. Nível de Preferência O mercado internacional está dividido, basicamente, em dois grandes grupos: os países da Ásia e do Oriente demonstram preferência pela pêra asiática (pyrus serotina), ao passo que os países ocidentais denotam clara predileção por pêras européias (pyrus communis). A Argentina é o principal exportador mundial desta variedade. Neste quadro, a preferência do consumidor brasileiro é, também, por pêras tipo européias. Tratamento Tarifário 10 A alíquota normal do imposto de importação (II) para as pêras frescas é de 10%. O produto importado não é gravado pela incidência de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Em função das disposições da Lei 10865/04 está também dispensado da Cofins 11 e PIS/Pasep 12. O empresário deverá, ainda,

6 6 atentar para as disposições estaduais referentes a eventual tributação do produto pelo Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). O ICMS é tributo que se destina essencialmente a financiar atividades dos Estados, tendo amparo legal no artigo 155 da Constituição Federal. Incide sobre a circulação de bens, mercadorias e serviços, tendo normalmente suas alíquotas fixadas em função da essencialidade dos itens aos quais se refere. Normalmente, as alíquotas variam de zero a 25% podendo, entretanto, em alguns casos, ultrapassar tal limite. Quando as pêras são adquiridas de países do MERCOSUL não há incidência do imposto de importação. Se o produto estiver incluído em listas negociadas ao amparo de acordos de complementação econômica (ACE) ocorre, igualmente, outorga de margens preferenciais que, assim, pode chegar a 100%. No caso de pêras importadas pelo Brasil do Chile, o produto cumpriu com as etapas de desgravação previstas no ACE 35 e, desta forma, não há incidência de imposto de importação. Entretanto, a importação do produto está sujeita a uma quota anual de toneladas, entre agosto e dezembro. Para quantidades extra-quota a margem de preferência é de 30%. O tratamento tributário aplicado ao produto enseja boas condições no que tange ao acesso das pêras ao Brasil, quando originárias da América do Sul o que, de certo modo, explica a posição anteriormente delineada. Tratamento Administrativo 13 A importação está sujeita a registro de licenciamento no SISCOMEX, a ser providenciado pelo empresário brasileiro. Também sujeita-se à fiscalização sanitária, antes de seu desembaraço. As pêras importadas devem cumprir com as exigências documentais da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e, também da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), em especial no tocante às disposições explicitadas pela Resolução RDC 350/ Assim de acordo com os normativos da área de competência do MAPA 15, as pêras frescas enquadram-se na Categoria de Risco 3 - Materiais e produtos vegetais primários (naturais ou não desvitalizados), para consumo, uso direto ou transformação. Nessas condições, o importador brasileiro deverá observar: cadastro junto a unidade operacional por onde ocorrerá a importação; requerimento para fiscalização de produtos agropecuários; certificado fitossanitário oficial, cópia da documentação aduaneira (LI ou LSI); cópia da fatura ou invoice; cópia do conhecimento de carga; plano de carga ou manifesto. Empresas Chilenas Exportadoras 16 O importador brasileiro interessado em diversificar fontes de suprimento poderá efetivar consulta junto ao ProChile, que dispõe de relação atualizada dos exportadores chilenos de diversos produtos. A consulta poderá ser efetuada em diversas variáveis, tais como por código do produto, por país de destino da mercadoria ou por setor de atividade econômica. O endereço eletrônico do ProChile é: Alternativamente, poderá ser efetuada consulta ao Escritório Comercial do ProChile, em São Paulo. O Escritório é parte da rede externa da Direção Geral de Relações Econômicas Internacionais, que se destina a apoiar o processo de internacionalização de empresas chilenas, e cujo endereço eletrônico, no Brasil é:

7 7 Consulta efetuada ao site do ProChile mostrou registro de 26 empresas exportadoras de pêras, relacionadas a seguir, por ordem alfabética. Os dados para contato poderão ser obtido por meio do link do ProChile, conforme assinalado no parágrafo anterior.. Campofrut (Espinosa Asociados Ltda). Chiqita Chile Ltda.. Comercial A.M.S. Family S.A.. Comercial Greenwich S.A.. Copefrut S.A. David Del Curto S.A. Del Monte Fresh Produce (Chile) S.A. Dole Chile S.A. Exportaciones Meyer S.A. Exportadora Crismarc S.A. Exportadora Frutos Del Sol S.A. Exportadora Los Lirios S.A. Exportadora Mr. Fruit Ltda. Exportadora PlanetFruit. Exportadora Puclaro S.A. Fantuzzi y Villasante Ltda. Exportal. Frusan, Frutera San Fernando S.A. Frutamérica Ltda.. Frutícola Viconto S.A. LaFrut Exportaciones Agropec.. MercoFrut S.A. Sofruco Alimentos Ltda.. Surfrut Fresh S.A. T y T Exports S.a.. Unifrutti Traders Ltda Os importadores brasileiros de frutas em geral e de pêras, em particular - poderão, também, obter relação de empresas chilenas exportadoras desse produtos junto ao site A instituição, ademais de disponibilizar relação de exportadores chilenos de diversas frutas frescas contempla, também, estatísticas e análises de vendas externas dos referidos itens. Empresas Brasileiras Importadoras 17 Ciente da importância de apresentar diretório importador para produtos da demanda brasileira, o Ministério das Relações Exteriores (MRE), em parceria com a Fundação Centro de Estudos de Comércio Exterior (FUNCEX), lançou em 2006, no âmbito do Programa de Substituição Competitiva de Importações (PSCI), o Catálogo de Importadores Brasileiros (CIB). O catálogo foi produzido a partir de informações obtidas diretamente das empresas importadoras, em atendimento a consulta específica da FUNCEX. Trata-se de iniciativa pioneira e que vem ao encontro das tradicionais demandas da comunidade empresarial sul-americana. O CIB, disponível em formato eletrônico, traz dados completos de empresas importadoras e permite consulta tanto por código quanto por nome da empresa importadora. É possível, ainda, filtrar a consulta por faixas de valor importado. Tendo em vista a necessidade de facilitar as consultas, foi adotada a nomenclatura do Sistema Harmonizado (SH), em nível de seis dígitos (SH 6). As empresas relacionadas no catálogo representaram mais de 80% do volume importado pelo país anualmente. O CIB está disponível em português, espanhol e, também, em inglês. No que tange ao mercado de pêras frescas, o CIB apresenta a seguinte relação, em ordem alfabética, de empresas brasileiras importadoras, cujos dados completos poderão ser obtidos diretamente no Catálogo. A Flor Importadora e Exportadora Ltda. Fax :

8 8 Agropel Agroindustrial Perazzoli Ltda. Fax : Casa da Uva Comércio de Frutas Ltda. Fax : Columbia Trading S.A. Fax : Companhia Brasileira de Distribuição Fax : Distribuidora de Frutas Céu Azul Ltda. Fax : Distribuidora de Frutas Nacionais Ltda. Fax : Frutas Top Comercial Ltda. Fax : Frutativa Imp. e Exp. Ltda. Fax : Frutícola Cacique Ltda. Fax : Frutti n Box Comercio e Importação Ltda. Fax : Othil Importadora de Frutas Ltda. Fax : Rju Com. e Beneficiamento de Frutas e Verduras Ltda. Fax : Rubifrut Com. de Frutas Ltda. Fax : Solo Vivo Indústria e Comércio de Fertilizantes Ltda. Fax :

9 9 Sonae Distribuição Brasil S.A. Fax : Sulla Know Importação e Exportação Ltda. Fax : Ainda com referência ao universo de empresas importadoras do produto em questão, cumpre esclarecer que o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil (MDIC) dispõe de relação completa das empresas brasileiras importadoras do Chile. Tal relação, contudo, não permite filtrar as consultas utilizando variáveis que tenham por objetivo identificar empresas importadoras a partir do fornecimento de código dos produtos. O endereço eletrônico da Secretaria de Comércio Exterior do MDIC é: mexpimp_importadoras.php Cooperação Empresarial Empresários chilenos e brasileiros poderão, também, entabular tratativas com vistas ao exame das possibilidades de transferência de tecnologia. Buscar-seia, neste caso, o desenvolvimento conjunto de atividades que pudessem viabilizar produção competitiva de pêras em solo brasileiro. Feiras e eventos no Brasil 18 Em vista de sua capacidade no sentido de alavancar vendas e contatos empresariais, o setor de feiras tem mostrado contínua expansão tanto no Brasil quanto em terceiros países. Nesse sentido, relacionam-se, a seguir, feiras direcionadas ao setor alimentício, que poderão ser de interesse. FISPAL FOOD SERVICE ª Feira Internacional de Produtos e Serviços para Alimentação 17 a 20 de julho de Feira Setorial / Internacional / Anual Linhas de Produtos e/ou Serviços: produtos desidratados, alimentos preparados e liofilizados, cafés, chás, carnes especiais e derivados, charutaria, panificação, congelados, conservas e laticínios, louças e talheres, massas e biscoitos, farinhas e grãos, bolos, tortas, chocolates e balas, molhos, temperos, óleos e azeites, pescados, crustáceos, utensílios para cozinha e bebidas, etc. Com cerca de expositores será aberta ao público, das 11h às 20h. Local: Pavilhão de Exposições do Parque Anhembi - São Paulo - SP Promoção - Fispal Feiras e Produtos Comerciais Ltda. Fone: (11) Fax: (11) Site: EXPO ABRAS ª Feira Internacional de Produtos, Serviços, Equipamentos e Tecnologia para Supermercados e 40ª Convenção Nacional de Supermercados 04 a 07 de setembro de Feira Setorial / Internacional / Anual Linhas de Produtos e/ou Serviços: alimentos, bebidas, automação comercial, automotivos, bazar, calçados, consultoria, eletroeletrônico, embalagens, iluminação, telecomunicação, utilidades domésticas, plásticos, máquinas, equipamentos, tecnologia e serviços para supermercados. Com cerca de 600 expositores será aberta a empresários, das 13h às 21h.

10 10 Local: Centro de Exposição Imigrantes - São Paulo - SP Promoção : Associação Brasileira de Supermercados ABRAS Fone: (11) Fax: (11) Endereço: Avenida Diógenes Ribeiro Lima, Alto da Lapa Cidade: São Paulo - SP CEP: Site: FLV São Paulo Feira de frutas, flores, legumes e vegetais 4ª conferência de feira de frutas, flores, legumes e verduras. Organização : Apas - associação Paulista de Supermercados. Local: Expo Center Norte - Pavilhão Branco São Paulo Data de inicio: A confirmar Organizador: Endereços Úteis 19 Dentre outros, poderão ser de interesse os seguintes endereços: Embaixada do Brasil em Santiago Página Web : Embaixada do Chile em Brasília Av. das Nações Quadra 803 Lote 11 Brasília DF Fone: (61) Fax: (61) Tarifa Externa Comum - TecWin Acesso em 1/4/06. A Tarifa Externa Comum (TEC) foi implantada no Brasil pelo Decreto 1343/94. A TecWin é a versão eletrônica da TEC, que contempla o tratamento tarifário e administrativo aplicado às importações brasileiras. É atualizada diariamente via internet e está disponível em 2 acesso em 18/4/ acesso em 18/4/ acesso em 18/4/06. 5 O TradeMap é uma ferramenta de análise de mercados, cobrindo produtos e 180 países. É desenvolvido pela Seção de Análise de Mercados do International Trade Centre (ITC), da UNCTAD/OMC. Disponível na BrazilTradeNet (www.braziltradenet.gov.br) Acesso em 19/4/06. O TradeMap também está disponível, em inglês, no sítio do ITC (www.intracen.org). 6 França-Flash, número 22, pg. 6. Disponível em acesso em 20/4/ Acesso em 20/4/06. O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) mantém o sistema AliceWeb. O AliceWeb disponibiliza estatísticas, em meio eletrônico, das importações e exportações brasileiras, por produtos e países de destino. Para tanto, utiliza o Sistema Harmonizado de Designação e de Codificação de Mercadorias, ou simplesmente Sistema Harmonizado (SH). 8 MDIC - Idem. 9 MDIC - Idem. 10 TecWin acesso em 20/4/ Cofins Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social. Disponível em 12 PIS/Pasep Contribuição para os Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público Disponível em 13 TecWin e MAPA (acesso em 20/4/06). 14 acesso em 20/4/ serviços requisitos para importação. Acesso em 20/4/ acesso em 27/4/06 17 Catálogo de Importadores Brasileiros CIB. Disponível na BrazilTradeNet/PSCI. 18 e

11 Brasília, maio de 2006.

O MERCADO BRASILEIRO PARA SULFATO DE POTÁSSIO ORIGINÁRIO DO CHILE

O MERCADO BRASILEIRO PARA SULFATO DE POTÁSSIO ORIGINÁRIO DO CHILE O MERCADO BRASILEIRO PARA SULFATO DE POTÁSSIO ORIGINÁRIO DO CHILE Identificação do Produto A subposição 3104.30 compreende os fertilizantes potássicos. Especificamente, o produto está assim classificado:

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO PARA PAPEL JORNAL CHILENO

O MERCADO BRASILEIRO PARA PAPEL JORNAL CHILENO O MERCADO BRASILEIRO PARA PAPEL JORNAL CHILENO Identificação do Produto A subposição 4801.00 compreende o papel jornal, em rolos ou em folhas. O produto em exame está classificado no item 4801.00.10 papel

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO DE PNEUS PARA AUTOMÓVEIS, ORIGINÁRIOS DO CHILE

O MERCADO BRASILEIRO DE PNEUS PARA AUTOMÓVEIS, ORIGINÁRIOS DO CHILE O MERCADO BRASILEIRO DE PNEUS PARA AUTOMÓVEIS, Identificação do Produto ORIGINÁRIOS DO CHILE Os pneus aos quais o estudo se refere são classificados, na Tarifa Externa Comum (TEC), no subitem 4011.10.00.

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO DE PNEUS PARA CAMINHÕES E ÔNIBUS, ORIGINÁRIOS DA COLÔMBIA

O MERCADO BRASILEIRO DE PNEUS PARA CAMINHÕES E ÔNIBUS, ORIGINÁRIOS DA COLÔMBIA O MERCADO BRASILEIRO DE PNEUS PARA CAMINHÕES E ÔNIBUS, Identificação do Produto ORIGINÁRIOS DA COLÔMBIA O estudo contempla o subitem 4011.20.10 - pneumáticos novos de borracha, dos tipos utilizados em

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO PARA PAPEL UTILIZADO NA FABRICAÇÃO DE PAPEL HIGIÊNICO/TOUCADOR EQUATORIANO

O MERCADO BRASILEIRO PARA PAPEL UTILIZADO NA FABRICAÇÃO DE PAPEL HIGIÊNICO/TOUCADOR EQUATORIANO O MERCADO BRASILEIRO PARA PAPEL UTILIZADO NA FABRICAÇÃO DE PAPEL HIGIÊNICO/TOUCADOR EQUATORIANO Identificação do produto Como definido na Tarifa Externa Comum (TEC) 1, o papel utilizado na fabricação de

Leia mais

PERFIL DO MERCADO BRASILEIRO PARA ALHOS FRESCOS OU REFRIGERADOS, ORIGINÁRIOS DA ARGENTINA

PERFIL DO MERCADO BRASILEIRO PARA ALHOS FRESCOS OU REFRIGERADOS, ORIGINÁRIOS DA ARGENTINA PERFIL DO MERCADO BRASILEIRO PARA ALHOS FRESCOS OU Identificação do Produto REFRIGERADOS, ORIGINÁRIOS DA ARGENTINA Com base na Tarifa Externa Comum (TEC), o estudo contempla o subitem 0703.20.90 (outros

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO PARA PARTES DE MÁQUINAS DE SONDAGEM OU DE PERFURAÇÃO BOLIVIANAS

O MERCADO BRASILEIRO PARA PARTES DE MÁQUINAS DE SONDAGEM OU DE PERFURAÇÃO BOLIVIANAS O MERCADO BRASILEIRO PARA PARTES DE MÁQUINAS DE SONDAGEM OU DE PERFURAÇÃO BOLIVIANAS Identificação do produto Partes de máquinas de sondagem ou de perfuração, das posições 8430.41 (autopropulsadas: máquinas

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO PARA ARROZ ORIGINÁRIO DO SURINAME

O MERCADO BRASILEIRO PARA ARROZ ORIGINÁRIO DO SURINAME O MERCADO BRASILEIRO PARA ARROZ ORIGINÁRIO DO SURINAME Identificação do Produto Com base na Tarifa Externa Comum (TEC), o estudo contempla, principalmente, o subitem 1006.20.20 arroz ( cargo ou castanho)

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO PARA GELATINAS E SEUS DERIVADOS EQUATORIANOS

MERCADO BRASILEIRO PARA GELATINAS E SEUS DERIVADOS EQUATORIANOS MERCADO BRASILEIRO PARA GELATINAS E SEUS DERIVADOS EQUATORIANOS Identificação do produto Gelatinas (incluídas as apresentadas em folhas de forma quadrada ou retangular, mesmo trabalhadas na superfície

Leia mais

1.3 Cítricos. Diagnóstico

1.3 Cítricos. Diagnóstico 1.3 Cítricos Diagnóstico A cadeia de cítricos contempla as frutas in natura, a produção de sucos (concentrados, reconstituídos, pasteurizados e frescos) e de óleos essenciais e pellets de polpa seca os

Leia mais

Programa de Substituição Competitiva de Importações (PSCI) PERFIL DE PRODUTO

Programa de Substituição Competitiva de Importações (PSCI) PERFIL DE PRODUTO Programa de Substituição Competitiva de Importações (PSCI) PERFIL DE PRODUTO O MERCADO BRASILEIRO PARA CAVALAS, CAVALINHAS E SARDAS PERUANAS (NCM 0303.74.00) agosto de 2008 2 O MERCADO BRASILEIRO PARA

Leia mais

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO PARA GARRAFÕES, GARRAFAS, FRASCOS E ARTIGOS SEMELHANTES DE PLÁSTICO PERUANOS

O MERCADO BRASILEIRO PARA GARRAFÕES, GARRAFAS, FRASCOS E ARTIGOS SEMELHANTES DE PLÁSTICO PERUANOS O MERCADO BRASILEIRO PARA GARRAFÕES, GARRAFAS, FRASCOS E ARTIGOS SEMELHANTES DE PLÁSTICO PERUANOS Identificação do produto Garrafões, garrafas, frascos e artigos semelhantes de plástico, conforme informações

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014 DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014 1. Setor de Sucos Exportações em US$ 1.000 Produtos 2010 Part% 2013 2014 Part% 2014 2014/ 13 Var % anual 14/10 Alimentos Industrializados 37.853.764 100,00 43.005.652 41.136.370

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO PARA RODAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS ORIGINÁRIAS DA VENEZUELA

O MERCADO BRASILEIRO PARA RODAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS ORIGINÁRIAS DA VENEZUELA O MERCADO BRASILEIRO PARA RODAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS ORIGINÁRIAS DA VENEZUELA Identificação do Produto Com base na Tarifa Externa Comum (TEC) 1, o estudo contempla o subitem 8708.70.90 (outras rodas,

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO PARA AZEITONAS ORIGINÁRIAS DO PERU

O MERCADO BRASILEIRO PARA AZEITONAS ORIGINÁRIAS DO PERU O MERCADO BRASILEIRO PARA AZEITONAS ORIGINÁRIAS DO PERU Identificação do Produto Com base na Tarifa Exte rna Comum (TEC) 1, o estudo contempla os três subitens referentes a azeitonas, quais sejam: 0711.20.10

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

2.3 Transformados Plásticos. Diagnóstico

2.3 Transformados Plásticos. Diagnóstico 2.3 Transformados Plásticos Diagnóstico A indústria de plásticos vem movendo-se ao redor do mundo buscando oportunidades nos mercados emergentes de alto crescimento. O setor é dominado por um grande número

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

Elog, Columbia e EADI Sul se unem para formar uma nova empresa

Elog, Columbia e EADI Sul se unem para formar uma nova empresa 15 de Março de 2011 Elog, Columbia e EADI Sul se unem para formar uma nova empresa As experiências se somam e os resultados, para os clientes, se multiplicam A sinergia de estrutura e serviços gera soluções

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO

PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Maio/2015 CLIMA Anomalia da Temperatura da Superfície do Mar sobre o Pacífico Equatorial El Niño

Leia mais

Fevereiro Março Abril Maio Junho. Local: Alemanha Local: Estados Unidos Local: Rússia Local: São Paulo Local: Polônia e Alemanha

Fevereiro Março Abril Maio Junho. Local: Alemanha Local: Estados Unidos Local: Rússia Local: São Paulo Local: Polônia e Alemanha Fevereiro Março Abril Maio Junho AçÕes 2015 Feira Fruit Logistica* SXSW* Fórum de Eficiência Energética APAS 2015 Europa Alemanha Rússia São Paulo Polônia e Alemanha Dias: 4 a 6 FI Dias: 13 a 17 ME Dias:

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO FICHA DE MERCADO ANGOLA BREVE CARACTERIZAÇÃO Situa-se na região da África Subsariana, apresentando uma economia em forte crescimento, que converge para uma economia de mercado. É um país extremamente rico

Leia mais

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Governo do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Integração Contratual para Acesso a Mercado Rodolfo Osorio de Oliveira Coordenador

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico 1.2 Papel e Celulose Diagnóstico A indústria de papel e celulose é caracterizada pelo alto grau de investimento e pela longa maturação. A escala de produção das fábricas de pastas celulósicas é, em geral,

Leia mais

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES MSc.RICARDO LOZANO PANORAMA DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS US$ bilhões Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Exportações Brasileiras 256 243 198

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas MERCADO LÁCTEO O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente 2015: Um ano de margens ajustadas -1,18 PIB 2015 Previsão de 2,8% em janeiro de 2014 8,26% Previsão Inflação 2015

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO PARA MÓVEIS DE MADEIRA BOLIVIANOS

O MERCADO BRASILEIRO PARA MÓVEIS DE MADEIRA BOLIVIANOS O MERCADO BRASILEIRO PARA MÓVEIS DE MADEIRA BOLIVIANOS Identificação do produto Tal como definido na Tarifa Externa Comum (TEC) 1, os móveis de madeira compreendem os seguintes códigos da Nomenclatura

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 FRUTICULTURA Elaboração: Eng. Agr. Paulo Fernando de Souza

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte

Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte Pavilhão Amarelo São Paulo BEM VINDO A FRUIT & LOG 2009! ABRINDO

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011 CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011 2010: BALANÇO DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA Antonio Hélio Junqueira

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

Fruit Logística 2009

Fruit Logística 2009 Fruit Logística 2009 Projeto Brazilian Fruit: HISTÓRICO Projeto Brazilian Fruit É realizado desde 1998 pelo Ibraf em parceria com a Apex- Brasil - Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos

Leia mais

DRAWBACK INTEGRADO DRAWBACK INTEGRADO

DRAWBACK INTEGRADO DRAWBACK INTEGRADO DRAWBACK INTEGRADO Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX DRAWBACK INTEGRADO Normas, Procedimentos e DúvidasD DRAWBACK INTEGRADO MODALIDADES DE DRAWBACK

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

O Brasil adoptou, em 1 de Janeiro de 1995, a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM),

O Brasil adoptou, em 1 de Janeiro de 1995, a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), Tratamento tributário i e administrativo na importação 68 O Brasil adoptou, em 1 de Janeiro de 1995, a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), baseada no Sistema Harmonizado de Designação e Codificação de

Leia mais

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR Expositor: AFRFB JUVÊNCIO SOUSA FERREIRA (ALF/FOR/SADAD) SEMINÁRIO: A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE ADUANEIRO NA PROTEÇÃO DA SOCIEDADE E NO PROCESSO DE

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

&203/(;2$872027,92 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO. Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves*

&203/(;2$872027,92 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO. Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves* EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves* * Respectivamente, gerente e economista da Gerência Setorial de Indústria Automobilística

Leia mais

CIRCULAR N o 25, DE 4 DE MAIO DE 2009 (publicada no D.O.U. de 05/05/2009)

CIRCULAR N o 25, DE 4 DE MAIO DE 2009 (publicada no D.O.U. de 05/05/2009) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR CIRCULAR N o 25, DE 4 DE MAIO DE 2009 (publicada no D.O.U. de 05/05/2009) O SECRETÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação I- CADASTRO DO FORNECEDOR EXTERIOR I.I- Cadastro Geográfico Antes de iniciarmos o registro do Fornecedor Exterior precisamos verificar se os detalhes do

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas)

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas) Informativo da Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Informativo N o 54 Maçã Ano 6 Vol. 54, março de 213 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011

Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011 Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011 Elaborado pela: Unidade de Inteligência Comercial - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55 61 3426.0202 Fax: +55 61 3426.0263 www.apexbrasil.com.br

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

A Importância da Parceria Transpacífico para a agropecuária brasileira

A Importância da Parceria Transpacífico para a agropecuária brasileira Edição 1 - Outubro de 2015 ESPECIAL A Importância da Parceria Transpacífico para a agropecuária brasileira A conclusão das negociações da Parceria Transpacífico (TPP), anunciada formalmente na segunda-feira,

Leia mais

Parceiro Logístico para

Parceiro Logístico para Parceiro Logístico para A logística no evento Maio de 2012 www.porlogis.pt Agenda ENQUADRAMENTO CALENDÁRIO LOGÍSTICO DOCUMENTAÇÃO IDENTIFICAÇÃO E EMBALAGEM PLATAFORMAS PARA RECEPÇÃO DOS PRODUTOS CONTACTOS

Leia mais

Pontes ao Sul: Argentina Brasil Laços com o Rio Grande do Sul. Consulado Geral da República Argentina em Porto Alegre Novembro 2015

Pontes ao Sul: Argentina Brasil Laços com o Rio Grande do Sul. Consulado Geral da República Argentina em Porto Alegre Novembro 2015 Pontes ao Sul: Argentina Brasil Laços com o Rio Grande do Sul Consulado Geral da República Argentina em Porto Alegre Novembro 2015 Vantagens e oportunidades da Argentina Alguns dados estruturais Com mais

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Guia de Negócios São Tomé e Príncipe

Guia de Negócios São Tomé e Príncipe Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial Guia de Negócios São Tomé e Príncipe Guia de Negócios São Tomé e Príncipe Guia de

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

Foco nas Oportunidades do Comércio na América Latina. Fred Giles Diretor, Escritório de Comércio Agricultural USDA / SP

Foco nas Oportunidades do Comércio na América Latina. Fred Giles Diretor, Escritório de Comércio Agricultural USDA / SP Foco nas Oportunidades do Comércio na América Latina Fred Giles Diretor, Escritório de Comércio Agricultural USDA / SP Escritórios da USDA no Brasil Brasília FAS Escritório de Assuntos Agriculturais Ag.

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos Professor: Raphael Rocha Formado em Administração, especialista em Marketing, pela UFRJ, com MBA em Gestão de Negócios, Comércio e Operações

Leia mais

Estudo dos países da América Latina e América Central

Estudo dos países da América Latina e América Central Empresa têxtil E M P R E S A T Ê X T I L Estudo dos países da América Latina e América Central Produtos considerados: 6003.33.00/6006.31.00/6006.21.00/6006.22.00/6006.23.00/6006.42.00 1. Exportações brasileiras

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Edição 08 - Janeiro de 2015 2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Esta edição do Boletim do Agronegócio Internacional dedica atenção especial à análise do comércio exterior do setor em 2014. A agricultura

Leia mais

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL 1 Estratégias: liderança mundial e conquista de mercados Objetivos: consolidar a liderança

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato de máquinas têxteis; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ gera mais

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS

EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS 1.º Encontro Jovem Produtor de Queijo Serra da Estrela Gouveia, 14 de Dezembro de 2011 Enquadramento A aicep Portugal Global Canais de

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 1 Universidade Estadual de Ponta Grossa - Professor Doutor Associado Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização 1.1 Café Diagnóstico Desde meados da década de 90, a produção mundial de café tem apresentado aumentos significativos, mas que não estão

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

A logística para exportação de frutas do Brasil e do Chile

A logística para exportação de frutas do Brasil e do Chile Comparativo A logística para exportação de frutas do Brasil e do Chile Rufino Fernando Flores Cantillano* Goiabas em embalagens de feijoa: específicas para o transporte a longa distância A logística de

Leia mais

Informativo. O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015. Comportamento do varejo - Mercado Nacional. Mercado da Tilápia

Informativo. O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015. Comportamento do varejo - Mercado Nacional. Mercado da Tilápia Informativo Mercado da Tilápia 03 O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015 Palmas, TO Abril, 2015 Renata Melon Barroso Med. Veterinária, Dra. em Genética Analista da Embrapa, renata.barroso@embrapa.br

Leia mais

Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral

Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral Agosto de 2013 Efeitos da taxa de câmbio: Trilema: inflação, taxa de juros, taxa de câmbio Redução do superávit comercial e déficit estrutural em

Leia mais