PoupançaIndependente. Juros batem recordes. Corretagem: investidor agressivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PoupançaIndependente. Juros batem recordes. Corretagem: investidor agressivo"

Transcrição

1 5 de abril 2011 N. o 400 P R O T E S T E Credível PoupançaIndependente Perto de Si Corretagem: invista através do protocolo e poupe centenas de euros por ano (págs. 6-7) PROTESTE POUPANÇA Boletim Quinzenal Ano 17 Diretor e Editor : Pedro Moreira DECO PROTESTE, Editores, Lda. Av. Eng.º Arantes e Oliveira, n.º 13, 1.º B, Olaias Lisboa 6,40 TAXAS DOS MERCADOS OBRIGACIONISTAS EM PORTUGAL (a carregado) E NA ZONA EURO (%) (Anos) Os juros sobre os títulos do Estado português (a longo prazo) batem recordes consecutivos e afastam-se cada vez mais da média da zona euro. Em foco p. 2 Dívida pública: solidariedade europeia Economia e mercados p. 3 Rendimento garantido p. 4-5 IGCP mantém taxa dos Certificados do Tesouro Depósitos Crescente Banif Eurovida Renda Certa ª série Investidor prático p. 6-7 Custos de investir em bolsa Ações p. 8 BPI, Brisa: alteração de conselho Resultados: REN, Sonaecom Investidor prático p. 9 Transacionar Obrigações do Tesouro Fundos de investimento p. 10 Ações americanas estão atrativas Entre nós p Indicador PP: pessimismo aumenta Saber mais: FMI Juros batem recordes O Parlamento não aprovou o último pacote de austeridade e o Governo encontra-se demissionário. Este desfecho e o período de instabilidade política que se instalou colocam o financiamento da dívida portuguesa numa posição ainda mais difícil. A desconfiança dos mercados é crescente. As agências de notação internacionais realizaram cortes no rating da dívida soberana portuguesa. A Standard & Poor's classifica a nossa dívida como BBB-, acima da Grécia (BB-), mas aquém da Irlanda (BBB+) e ainda mais longe da Espanha (AA). Paralelamente, várias empresas, sobretudo do setor financeiro, também sofreram cortes nos respetivos ratings. Como consequência, os juros sobre a dívida nacional têm atingido diariamente valores máximos desde a entrada de Portugal no euro (ver figura). Nas principais maturidades, as taxas já superam os 8,5%. Trata-se de um custo muito elevado que Portugal, onde a dívida pública deverá atingir 97% do produto interno bruto este ano, não poderá suportar por muito tempo. Eventualmente, vão aumentando as probabilidades de termos de recorrer ao apoio externo, isto é, ao Fundo Europeu de Estabilização Financeira e ao Fundo Monetário Internacional. Naturalmente, a situação atual tem implicações para os investimentos em Portugal, quer seja em empresas nacionais ou em títulos de dívida (ver pág. 3). Para surpresa de todos, o Estado resolveu manter a taxa dos Certificados do Tesouro para prazos de investimento superiores a 5 anos. Em abril mantêm-se as taxas de março: 5,3% líquidos ao ano para quem investir entre 5 a 9 anos e 5,6%a10anos.Estamedidafazpairaralgumaincertezasobrea evolução deste produto criado há menos de um ano. Corretagem: investidor agressivo Os mais baratos (euros/ano) Protocolo DECO GoBulling Pro 370 GoBulling Pro 378 Orey itrade 515 Os mais caros (euros/ano) BPN 2867 BES 2114 Banco Popular 1961

2 Em foco Dívida: solidariedade europeia Após os problemas da dívida grega e da crise dos bancos na Irlanda, a União Europeia chegou finalmente a acordo para o estabelecimento de mecanismos mais concretos e permanentes para auxiliar os países com dificuldades em financiar as contas públicas. Portugal poderá ser o próximo "cliente". Passo a passo Nos dois últimos conselhos europeus, os líderes dos países da União Europeia (UE) acordaram finalmente um conjunto de medidas para reforçar os mecanismos de controlo da crise na zona euro. A "linha intervencionista" conseguiu sobrepor-se aos que se opunham à ajuda europeia. Mas a anunciada solidariedade dos mais ricos continua a ter limites. Ao autorizar a compra no mercado primário para compensar a ausência de procura privada de dívida problemática, os dirigentes da UE também superaram um tabu e avançaram na solidariedade europeia. Contudo, até há pouco tempo não era imaginável esta espécie de federalismo orçamental na UE. A medida mais visível é aumentar a capacidade para empréstimos do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF) até Em junho desse ano, o Mecanismo EuropeudeEstabilidade(MEE) tomará o lugar do atual programa para continuar a auxiliar os países em dificuldades. Medidas concretas De excecional e temporária aquando do "salvamento" da Grécia, a ajuda europeia vai assumir contornos mais definidos e duradouros. Assim, a UniãoEuropeiaadotou uma verdadeira estratégia para superar a crise do endividamento público. O objetivo já não é sancionar com medidas drásticas os países que deixam derrapar as contas públicas. Agora, desde que o país aceite algumas concessões, a UE está disposta a emprestar dinheiro com condições vantajosas. Trata-se de uma espécie de federalismo orçamental em que as economias mais sólidas subsidiam os juros das nações em dificuldades. E com o novo mecanismo previsto para 2013, a UE pretende tornar permanente a possibilidadedeajudasorçamentaiseatornar-seuma alternativa à escassez de procura privada. BCE mantém papel Ao mesmo tempo, ao recusar a atuação no mercado secundário, os dirigentes europeus forçam o Banco Central Europeuacontinuaracomprardívidapúblicaemcasode fortes tensões nos mercados obrigacionistas. Esta nova resposta da Europa dará mais tempo aos países em dificuldades para sanearem as contas públicas e reduz bastante as hipóteses de uma restruturação da dívida nos próximos anos. Também permite que os investidores aguardem com mais tranquilidade os re-embolsos da dívida. Estes deixam de recear tanto as hipóteses de perdas e afasta-se,poragora,oespectrodeumanovacrisenosetor financeiro. TAXAS DE CÂMBIO DO EURO (em dólares) Apesar da crise da dívida, recentemente o euro tem ganho terreno ao dólar. Grécia é exemplo da nova solidariedade Se os detalhes das novas medidas só deverão ser finalizados em junho, as condições renegociadas com a Grécia dão um sinal positivo. A duração dos empréstimos ao Estado grego foi prolongada e taxas de juro reduzidas em 1%. Em termos concretos, os re-embolsos exigidos foram aligeirados e prazo final para o país cumprir os pagamentos foi adiado de 2015 para 2021, o que é uma diferença enorme paraatenas.semaajudaeuropeia,tendoemcontaonível de endividamento e as perspetivas de crescimento, o governo grego teria de gerar um excedente orçamental, excetuando encargos com juros, de 13 do produto interno bruto para estabilizar a situação financeira. Uma missão impossível! Com as novas condições, um excedente de 2% será suficiente, embora ainda constitua um grande desafio. Em troca, Atenas terá de proceder a novas privatizações. Já a Irlanda que se nega a aumentar o imposto sobre as empresas, que está num nível muito baixo, não obteve nenhuma "regalia". Ajuda limitada As medidas são positivas para os países mais fragilizados e para os investidores privados, mas não estão isentas de risco. Se agora é pouco provável uma situação de incumprimento da dívida, a médio e longo prazo essa hipótese não pode ser totalmente posta de parte. Por exemplo, o esforço orçamental pedido à Grécia é menos intenso, mas continua a ser um verdadeiro desafio para um país sem disciplina fiscal e em recessão económica. E a solidariedade europeia, através de empréstimos com jurosmaisbaixos,sóserápossívelseovolumedadívidanão colocar em causa o rating dos países que financiam o mecanismo. Ou seja, a intervenção europeia terá de limitar-se aos pequenos países como a Grécia, Irlanda e eventualmente Portugal. 2 PROTESTE POUPANÇA 5 de abril 2011

3 Economia e mercados Portugal O Banco de Portugal (BP) apresentou as suas mais recentes previsões para a economia nacional em Para o corrente ano, as perspetivas são bastante sombrias: economia em recessão (-1,4%) e preços em forte alta (3,6%). Apenas as exportações deverão registar crescimento, beneficiando da retoma económica internacional. Relativamente a 2012, o BP refere que o desfecho poderá ser pior que o apresentado, pois ainda não são conhecidas eventuaisnovasmedidasdeausteridadeeoimpactoque terão na economia. PROJEÇÕES DO BANCO DE PORTUGAL Consumo privado -1,9-1,0 Consumo público -6,6-1,0 Investimento -5,6-1,3 Exportações 6,0 6,5 Importações -1,6 2,0 PIB -1,4 0,3 Inflação 3,6 2,0 Variações em percentagem. Inflação medida pelo índice harmonizado de preços no consumidor CRISE: INVESTIMENTOS EM PORTUGAL No que diz respeito às ações nacionais, o impacto não será o mesmo para todos os títulos da Euronext Lisboa. Por um lado, o maior custo do endividamento tenderá a penalizar mais o setor financeiro e as empresas com dívida mais elevada. Por outro lado, serão as empresas mais expostas ao mercado interno que terão mais a perder com as medidas de austeridade e o mau desempenho da economia portuguesa. Veja os nossos conselhos na página 8 ou no portal financeiro. AsObrigações do Tesouro (OT), devido à menor procura, oferecem agora rendimentos (yields) mais interessantes (página 9). Contudo, o potencial investidor deve estar atento a dois tipos de risco. Em primeiro lugar, a yield apenas está garantida se a OT for mantida até ao vencimento. Se vender antes e entretanto os juros tiverem subido mais, pode incorrer em perdas. Em segundo lugar, embora consideremos muito pouco provável, não podemos descartar totalmente a hipótese de o Estado poder vir a ser forçado a restruturar a dívida pública e, nesse caso, o pagamento dos juros e o valor de re-embolso poderão ser alterados penalizando os investidores. Os Certificados do Tesouro (página 4) também oferecem remunerações interessantes. As características técnicas deste produto implicam que o capital esteja sempre garantido mas, mais uma vez, não se pode excluir com certeza absoluta a hipótese do Estado vir a não poder honrar na totalidade os seus compromissos financeiros. Zona euro O mercado de trabalho está em recuperação. Em fevereiro, a taxa de desemprego recuou para 9,9%. A Alemanha deu um grande contributo, passando de 7,3 para 6,3% nos últimosdozemeses.tambémafrançaeaitáliaregistaram umaevoluçãofavorável.contudo,naperiferiadaeuropa,a situação permanece delicada e o desemprego continua próximo de valores máximos (exemplos: Portugal: 11,1%; Espanha 20,5%; Grécia 14,1%; Irlanda 14,9%). No sentido inverso do emprego, estão a evoluir os preços. Assim, em março, a inflação homóloga atingiu 2,6% de acordo com uma estimativa preliminar do Eurostat. Com o desemprego a diminuir e a inflação a aumentar, é quase certo um aumento da taxa de juro diretora do Banco Central Europeu já na reunião de 7 de abril. Trata-se de uma decisão já antecipada pelos mercados e patente nas Euribor. Esta taxa, para o prazo de 12 meses, já supera 2%, o que não acontecia desde o início de 2009 (ver figura). TAXA EURIBOR A 12 MESES (em %) Os mercados já antecipam que o BCE tome medidas no combate à inflação, subindo a taxa diretora. Essa expectativa está patente na evolução da Euribor desde meados de Japão As autoridades nipónicas intervieram no mercado cambial para depreciar o iene. Em março, Tóquio vendeu 692 mil milhões de ienes (cerca de 6 mil milhões de euros) para baixar o valor da moeda face ao dólar e ao euro. Estamedidalevouaumaquedaaproximadade4%doiene face ao euro, fazendo com que deixe de estar sobreavaliada e se encontre num valor mais "correto" face ao euro. Todavia, a má situação das contas públicas desaconselham títulos de dívida nipónicoseomercadoacionista continua relativamente caro. Rússia No último trimestre de 2010, a economia registou um crescimento anual de 4,5%. No cômputo geral, 2010 saldou-se por uma progressão do produto interno bruto de 4%. Sendo um grande exportador de energia, a Rússia deverá beneficiar com o elevado valor do barril de petróleo (na bolsa de Nova Iorque atingiu o máximo dos últimos 30 meses) para também ter um bom desempenho no início de PROTESTE POUPANÇA 5 de abril

4 Rendimento garantido Para surpresa de todos, apesar das taxas da dívida pública terem subido, a remuneração dos Certificados do Tesouro para prazos superiores a 5 anos mantiveram-se nos mesmos valores do mês passado! À última hora, o Estado mudou as regras, alegando o estado «disfuncional» do mercado de obrigações. INFLAÇÃO SUPERA DEPÓSITOS Uma nova revisão da taxa de inflação pelo Banco de Portugal eleva-a para 3,6%, superando o rendimento líquidodequasetodososdepósitosatéumano. Inflação esperada é de 3,6% O Banco de Portugal reviu, pela segunda vez, a taxa de inflação esperada para 2011 e subiu para 3,6%. Se esta taxa se verificar, quem investir em depósitos a prazo este ano irá perder poder de compra, na maioria dos casos. Será melhor deixar o dinheiro no colchão? Certamente que não. Além do arriscar a segurança das suas poupanças estaria ainda a maximizar a sua perda de poder de compra. O que fazer então? A regra para as poupanças de curto prazo (até um ano) é procurar sempre um depósito com rendimento superior à taxa de inflação nesse ano. Atualmente, a 12 meses tem à disposição o DP Não Mobilizável do Banif que, para quantias superiores a 25 mil euros rende 3,7% líquidos. Esteéomelhorrendimentoqueencontranomercado, como pode ver no quadro 1. Mantenha em depósitos de curto prazo (até 12 meses) não maisdoque3a6saláriosmensaiseprocureasmelhores taxas disponíveis no mercado. Dê maior importância à poupança de médio/longo prazo: com garantia de capital, os Certificados do Tesouro (CT) são atualmente uma das aplicações mais interessantes do mercado (ver a seguir) mas, se tiver a certeza de que vai manter a aplicação até à maturidade, as Obrigações do Tesouro são ainda mais rentáveis. BANCA TRADICIONAL Instituição 1. AS MELHORES TAXAS PARA DEPÓSITOS Montante mínimo (euros) TANB (%) TANL (%) CERTIFICADOS DO TESOURO: TAXAS MANTÊM-SE DE 5 A 10 ANOS Em abril, os Certificados do Tesouro (CT) rendem 5,3% ao ano para quem investir entre cinco a nove anos e 5,6% se aplicar por dez anos. Ou seja, o mesmo que no mês passado. Mas tal não era de esperar já que os juros da dívida pública estavam a subir. Esta foi uma medida extraordinária justificada através de uma instrução do Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público. Esta instrução aponta o funcionamento disfuncional dos mercados dos Bilhetes e Obrigações do Tesouro como a principal razão pela qual não foi alterada a taxa de juro dos CT para prazos superiores a cinco anos. No entanto quem invista por prazos inferiores, a taxa anual subiu para 1,5% líquida. BANCA ONLINE Instituição Montante mínimo (euros) 1 mês BPN ,9 0,7 Banco Big 500 1,5 1,2 Banco Popular (Depósito Ouro) ,8 0,6 Barclays Bank (Dep. Net) ,4 1,1 CajaDuero ,6 0,5 Santander (DP 250 1,3 1,0 3 meses Santander (DP 5) (1) 250 5,0 4,0 Best (Dep. Promocional 4%) (1) ,0 3,1 Popular (Dep. Aniversário) (2) (4) ,3 2,6 Best (Dep. a Prazo Blue) (1) (2) ,0 3,1 Popular (Dep.Ouro Cresc.3 M.) (2) 300 2,7 2,1 Banco Big (DP Top II) ,1 2,4 6 meses BBVA (Depósito Super 4) (2) (3) ,0 3,1 Banco Big (DP Top II) ,5 2,7 BPN (DP Nova Oportunid.) (1) (2) ,8 2,9 Banco Big (DP Top) ,3 2,6 Banif (DP Não Mobilizável) (5) ,5 2,7 Banif (Super Depósito ,2 2,5 12 meses Banif (DP Não Mobilizável) (5) ,8 3,7 Banco Big (Dep. Top 12 Meses) ,3 3,3 Popular (Depósito Popular) ,0 3,1 ActivoBank (Dep. Poup. Extra) (6) ,0 3,1 Popular (Dep. Ouro Plus) (2) (3) 300 3,3 2,6 Banif (Super Depósito ,3 2,6 TANB: taxa anual nominal bruta. TANL: taxa anual nominal líquida. Taxas atualizadas à data de 1 de abril de O capital aplicado em depósitos está garantido até 100 mil euros. O excedente não está ao abrigo do Fundo de Garantia dos Depósitos. (1) Para os novos clientes. (2) Para novos capitais. (3) Taxa média. (4) Apenas para aniversariantes neste mês. (5) Entre 5000 e 25 mil euros a taxa é, ainda assim, uma das melhores neste prazo (4,2% bruta). (6) Exige o cumprimento de algumas condições, caso contrário a taxa desce para 2%. 6% 5% 4% 3% 2% 1% 0% RENDIMENTO LÍQUIDO DOS CERTIFICADOS DO TESOURO (em %) 07/10 08/10 09/10 10/10 11/10 Em abril, os Certificados do Tesouro mantêm a remuneração do mês de março para prazos superiores a cinco anos. Quem mantiver a aplicação durante 10 anos, vai receber 5,6% líquidos ao ano líquidos; se mantiver por um período entre5a9anos obtém 5,3%. 12/10 01/11 Até 4 anos De5a9anos 10 anos 02/11 TANB (%) 03/11 TANL (%) 04/11 4 PROTESTE POUPANÇA 5 de abril 2011

5 Rendimento garantido Resgate e volte a subscrever Quem subscreveu nos primeiros três meses desta aplicação (julho a setembro de 2010), pode resgatar e aplicar novamente. O período de imobilização é de 6 meses e atualmente as taxas estão bastante mais interessantes do que há seis meses. Por exemplo, em setembro de 2010 a remuneração anual líquida a 10 anos era de 4% e agora está nos 5,6% (+1,6%). Caso resgate e subscreva novamente, por cada 1000 euros aplicados durante 10 anos ganha mais 160 euros nos 10 anos (acumulando 560 euros em juros ao invés dos 400 que obteria com a taxa de agosto de 2010). Por isso, compensaresgatareaplicarnasériemaisrecente. E as Obrigações do Tesouro? Ainda mais rentáveis do que os CT são as Obrigações do Tesouro, mas só aconselhamos a quem tenha a certeza de não precisar do capital durante o prazo pois, em caso de resgate antes da maturidade, corre o risco de perder parte do capital já que terá que vender os títulos a preço de mercado. A OT Outubro 2015 (cerca de 4 anos) rende 8% líquidos ao ano, desde que adquirida à cotação atual e mantida até ao vencimento (veja página 9). DEPÓSITOS CRESCENTE BANIF (1 A 4 ANOS) São quatro depósitos de taxa crescente para prazos de um a quatro anos. As taxas superam os 5% brutos, mas só nos últimos períodos. Em termos efetivos líquidos não obtém mais do que um valor entre 2,2% ou 3% ao ano. Entre um a quatro anos Ataxadejuroécrescenteenoquadro2resumimosos principais dados referentes ao rendimento, como o prazo, periodicidade dos juros, taxas brutas no início e no final e a taxa anual nominal líquida média. Possibilidade de liquidação antecipada, na data de renovação, sem qualquer penalização. Se houver mobilização no decorrer de cada período, existe penalização total dos juros desse período. Montante mínimo de constituição é de 500 euros. Não permite reforços. O nosso conselho Como pode ver no quadro 1, nenhum destes depósitos de taxa crescente apresenta rendimento superior ao melhor depósito a um ano de taxa fixa que também é no Banif: 3,7% para montantes superiores a 25 mil euros (DP Não Mobilizável). Se tiver um montante inferior, mas superior a 5000 euros obtém 3,3% também nesse depósito. Assim, de momento, o Banif apresenta as taxas mais elevadas, mas não nos depósitos de taxa crescente. Prazo 2. DEPÓSITOS CRESCENTE DO BANIF Periodicidade dos juros TANB (%) TAEL (%) Início Final 1 Ano Mensal 1,3 5,0 2,2 2 Anos Trimestral 2,3 5,1 2,6 3 Anos Anual 2,5 5,3 2,9 4 Anos Semestral 2,0 5,8 3,0 TANB: taxa anual nominal bruta. TAEL: taxa anual efetiva líquida. EUROVIDA RENDA CERTA 2016 (5 ANOS) Seguro de capitalização a cinco anos. O capital apenas está garantido no vencimento. Se mantiver até ao fim rende 4% líquido. Prefira os Certificados do Tesouro! Características ProdutoFinanceiroComplexopeloprazodecincoanos sob a forma de seguro de capitalização ligado a fundo de investimento. É considerado um ICAE (Instrumento de Captação de Aforro Estruturado). Não existe garantia de retorno do capital investido antes da data de vencimento do contrato. O montante mínimo exigido para investir é de 1000 euros. Em subscrição na Eurovida e Banco Popular até 29 de abril. Liquidez e resgate antecipado Durante o contrato, mediante pedido por escrito, é possível solicitar o re-embolso da totalidade ou parte das unidades do fundo autónomo detidas. No entanto, nesses casos, não existe garantia de retorno da totalidade do capital investido, já que o re-embolso é feito à cotação de mercado do fundo. O montante mínimo dos resgates parciais é de 500 euros. Rendimento ÉgarantidopelaEurovidaopagamentoanualdeum rendimento (por redução ao número de unidades de conta). Do 1.º ao 4.º ano, no final de cada anuidade, é pago 4,2% do montante entregue deduzido de eventuais resgates parciais. No 5.º ano, ou seja, na data de vencimento do contrato, será entregue 107,7% do capital aplicado deduzido de eventuais resgates. Ou seja, o rendimento no último ano é de 7,7%. O rendimento é tributado a 17,2% se mantiver a aplicação até ao final. Se resgatar antes, será à taxa normal de 21,5%. O nosso conselho Supondo que mantém a aplicação até ao fim e beneficia assim da taxa de imposto inferior, consegue um rendimento anual líquido de 4% com este seguro. Se optar por resgatar antes, para além de se arriscar a perder parte do capital que investiu, o rendimento anual é tributado a uma taxa superior (21,5%). Por exemplo, o rendimento dos primeiros quatro anos, em termos líquidos, seria apenas 3,3%. Assim, este é um tipo de produto que, se subscrever, deverá mantê-lo até ao final porque obtém um rendimento superior (menos imposto e taxa mais elevada no quinto ano) e apenas está garantido o capital no vencimento. Em todo o caso, 4% não nos parece particularmente atrativo para uma aplicação que ficará indisponível por cinco anos. Por exemplo, com Certificados do Tesouro, como vimos atrás, obtém 5,3% líquidos ao ano para quem mantiver entre 5a9anos;alémdisso,poderesgatar sempre que quiser após osprimeirosseismeseseocapitalestásempregarantido. PROTESTE POUPANÇA 5 de abril

6 Investidor prático Custos de investir em Bolsa A Internet continua a ser o canal mais utilizado pelos investidores particulares e é aquele onde os custos são claramente inferiores. Optando pelo intermediário mais barato, poderá poupar mais de 2000 euros. Diferenças ainda acentuadas O panorama dos custos de investir no mercado acionista não mudou muito nos últimos meses. Deste modo, continuam a existir enormes assimetrias entre os diversos intermediários financeiros (IF): os mais caros chegam a cobrar mais de sete vezes o custo da melhor oferta do mercado! Os bancos generalistas continuam a apresentar as ofertas menos atrativas, beneficiando de alguma inércia por parte dos seus clientes. Mas mesmo não mudando de instituição, pode poupar centenas de euros por ano optando pelo canal Internet. Custos existentes Quem investe no mercado acionista, deverá ter presentes os seguintes encargos: Comissão de transação: encargo pago ao IF pelo serviço de corretagem. A comissão pode ser variável (em função do montantedaoperaçãooumesmodonúmerodeações negociadas) ou fixa. Taxa de bolsa: custo cobrado pelas bolsas de valores onde os títulos são transacionados (NYSE Euronext, Deutsche Börse, etc.). Podem já estar incluídos na comissão de transaçãodoif.tipicamente,ataxadebolsadependedo número de negócios em que uma ordem é dada. Uma ordem de compra pode necessitar de mais do que um vendedor para se realizar. São as chamadas ordens fracionadas e que são pouco comuns em mercados líquidos. Guarda de títulos:encargocomofactodeasações estarem registadas numa central de valores mobiliários. É um custoimportante,quepodepesaraté300eurosporano. Somente o Banco Carregosa, a Golden Broker e a Orey itrade não cobram esta comissão. Outras comissões incidem sobre a distribuição de dividendos, aumentos de capital, etc. Por exemplo, a comissão no caso dos dividendos é, em média, 1,7% do montante dos montantes recebidos CUSTOS DE INVESTIR EM BOLSA (em euros, por ano) Perfis Mantivemos os quatro perfis que costumamos usar nos nossos estudos. Assim, o mercado nacional continua a representar a maioria do investimento em ações (efeito proximidade), com o remanescente a dividir-se entre as restantes praças Euronext (Paris, Bruxelas ou Amesterdão) e as principais praças americanas (ver quadro 1). Os diferentes perfis abrangem indivíduos mais ou menos ativos nomercadoecommaioroumenororçamento. 1. OS NOSSOS PERFIS Pequeno investidor Investid. passivo Investidor ativo Carteira nacional ( ) Investid. agressivo Carteira total ( ) Transações anuais Portugal Euronext EUA Valor médio ordem ( ) Dividendos ( ) Empresas a distribuir dividendos Ordens fracionadas Escolhas acertadas: carteira total Em todos os perfis analisados, aescolhaacertadaéa plataforma GoBulling PRO do Banco Carregosa (quadro 2). As comissões baixas (5 euros por ordem na Euronext, por exemplo) e sem custo de guarda de título ou comissão de dividendos tornam-na a melhor opção. Face à média, um investidor agressivo poupa 858 euros. E a poupança será tanto maior quanto mais ativo o investidor for no mercado. No mercado americano, a GoBulling e a itrade cobram em função do número de títulos negociados, o que faz com que o custo dependa do número de ações adquiridas. Ainda que, na generalidade dos casos, a GoBuling e itrade apresentem um custo inferior aos restantes, no final poderá ser muito elevado. Por exemplo, se comprar 2000 ações terá um encargo de 40 euros, quase o triplo do custo típico Protocolo DECO Gobulling PRO GoBulling PRO Média Caso seja associado da DECO ou subscritor da PROTESTE POUPANÇA, pode aceder ao Protocolo DECO GoBulling e beneficiar de melhores condições (ver caixa) que tornam esta ofertaamaisatrativaatualmentenomercado Pequeno Investidor Investidor Passivo Investidor Activo Investidor Agressivo De acordo com os perfis desenhados, os investidores que optem pelo protocolo DECO/GoBulling podem poupar várias centenas de euros por ano. Se não tem acesso à Internet, a melhor opção é o Montepio, dando as suas ordens pelo telefone mas, mesmo ao balcão,éamelhorofertaemtrêsperfis.ofinibanco eobpi arrebatam o menor custo no "pequeno investidor". 6 PROTESTE POUPANÇA 5 de abril 2011

7 Investidor prático 2. CARTEIRA TOTAL (custo anual em euros) Entidade Pequeno investidor Invest. passivo Invest. activo Invest. agressivo Protocolo DECO Gobulling Pro * GoBulling Pro * Orey itrade * Banco Best Trading * Banco Best * Sant. Totta Internet * Banco Big * Finibanco Banco BPI BPI Online * Montepio Telefone T Banco BPI Internet * Montepio Banco BPI Telefone T ActivoBank * BBVA BES Internet * Mille. BCP Internet * BES Telefone T Deutsche Bank Santander Totta Banco Popular Global Trader * Mille. BCP Telefone T Millennium BCP BES B. Português Gestão CGD Telefone T DIF * Barclays CGD Banif BPN Média (*) Oferta através da internet; ( T ) Oferta através do telefone PROTOCOLO DECO GOBULLING A DECO negociou condições preferenciais para os seus associados e subscritores da PROTESTE POUPANÇA com o Banco Carregosa. Este protocolo é a forma mais barata de negociar ações, sem custos de guarda de títulos nem comissão de distribuição de dividendos. DECO GoBulling PRO Uma plataforma com o melhor preçário para uma carteira global. Na bolsa nacional, é cobrado 4,85 euros por cada ordem e, para a restante Euronext o custo é 5 euros. Nos EUA, é cobrado 0,02 euros por cada ação adquirida, com um mínimo de 14 dólares. Nos restantes mercados internacionais, o custo é de 0,06% do montante negociado, com mínimos de 14 euros. DECO GoBulling WEB Tem a vantagem de cobrar 2,5 euros por cada linha de negócios no mercado nacional. Um investimento numa ação líquida é pouco provável que tenha ordens fracionadas, o que faz desta oferta uma opção a considerar. Escolhas acertadas: mercado nacional Apesar dos perfis considerarem uma parcela importante no mercado nacional, efetuámos os cálculos assumindo os investidores que apenas aplicam na Euronext Lisboa. Para os mesmosperfis,amelhorofertaétambémagobulling do Banco Carregosa. Os associados da DECO e/ou subscritores da PROTESTE POUPANÇA têm à sua disposição um preçário especial para a plataforma GoBulling Web do Banco Carregosa. Umaofertainteressanteapenasparaqueminvestequaseem exclusivo no mercado nacional. Prefira a Internet Atualmente, a generalidade dos investidores já opta pela Internetparadarassuasordensdebolsa.Paraalémda facilidade de acesso e do maior controlo das operações, os custos são também menores. Para ilustrar este ganho, fizemos um exercício prático: comparámos a oferta dos principais bancos com três canais de negociação (balcão, telefone e Internet). Um investidor to tipo "agressivo", considerando apenas o mercado nacional, pode poupar mais de 800 euros se optar pela Internet em vez do balcão! Em média, o "desconto" na Net é de 44%. 3. POUPE COM A INTERNET (investidor agressivo 1 ) Custo anual por canal (em euros) Poupança anual em euros Balcão Telefone Internet BES Santander Totta Banco BPI Montepio Millennium BCP CGD (1) Considera apenas a negociação no mercado nacional Simulador: melhor intermediário para si O preçário mais interessante varia de pessoa para pessoa. Ainda que os perfis utilizados procurem abranger a generalidade dos investidores, é possível que não se reveja nestes cenários. Assim, poderá utilizar o simulador do portal financeiro no módulo Ferramentas > Custos de transação em bolsa. Esta funcionalidade dar-lhe-á as melhores ofertas no mercado de corretagem para o seu caso. O ESTUDO Para a elaboração desta análise comparativa, contactámos, através de um questionário, todas as entidades que estão autorizadas pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários a fornecerem o serviço de corretagem. Além disso, analisámos igualmente os preçários. No total, foram escrutinadas 43 ofertas de 22 intermediários distintos. No entanto, nem todas as ofertas permitem a negociação nos três mercados que considerámos nos perfis, mas todas preveem a negociação na bolsa nacional. PROTESTE POUPANÇA 5 de abril

8 Ações Lisboa não acompanha exterior O agravamento da crise da dívida pública portuguesa, após o chumbo do PEC IV e da demissão do Governo, condicionou a evolução do PSI-20 que não acompanhou as fortes subidas das principais bolsas europeias. Cenário de incerteza O PSI-20 fechou praticamente inalterado na quinzena e não acompanhou a forte subida registada nas principais bolsas mundiais (Stoxx Europe ganhou 4,6%). O agravamento da crisedadívidapública,apósochumbodopeciveda demissão do Governo torna cada vez mais difícil a Portugal escapar a um pedido de ajuda externa. A banca foi o setor mais penalizado. O BCP cedeu 10,3%, o BES caiu 10% e o BPI recuou 8,8%. Pela positiva, realce para a Jerónimo Martins (+6,8%) e para a Sonaecom (+5,7%). BPI: alteração de conselho O agravamento das notações do risco de crédito pelas agências de rating à dívida pública portuguesa e aos bancos nacionais aumentam as dificuldades para o setor financeiro. A Standard & Poor's desceu a notação de longo prazo do BPIdeA-paraBBBedepoisparaBBB-.Poroutrolado,a recessão da economia portuguesa é cada vez mais uma certeza. O BPI apresenta uma boa solvabilidade e o rácio core tier one (8,7%)éomaiselevado entre os bancos nacionais. A ação está barata, mas por prudência não aconselhamos novas compras. Pode manter. Brisa: mudança de conselho A Brisa registou em 2010 um lucro de 1,35 euros por ação, impulsionado pela mais-valia com a venda de 16,35% na brasileira CCR. Contudo, este valor ficou abaixo do que esperávamos devido a elevadas provisões e imparidades no último trimestre. Sem elementos não recorrentes, os lucros ficaram em linha com 2009 (0,26 euros por ação). Dada a deterioração económica em Portugal estamos mais prudentes e reduzimos as previsões de lucros de 0,25 para 0,23 euros em 2011 e de 0,27 para 0,24 euros em Mas, o grupo reúne diversos trunfos. A estrutura financeira está mais sólidaearemuneraçãoacionistaébastanteatrativa.ogrupo vai comprar ações próprias até 10% do capital e manter o dividendo bruto em 0,31 euros nos próximos cinco anos. A ação passou a barata. Pode comprar BRISA (em euros) J F M A M J J A S O N D J F M A A estrutura financeira está mais sólida e o pacote de remuneração acionista é bastante atrativo. A ação passou a barata. Pode comprar. REN: lucros sem surpresas A REN registou um lucro de 0,21 euros por acção em 2010, menos 17,7% face a 2009, em linha com o que prevíamos. Esta descida, todavia, deveu-se apenas a elementos não recorrentes, sem os quais o lucro subiu 10,7%. A impulsionar o crescimento dos lucros recorrentes esteve a subidadabasedeativosreguladoseaquedadoscustos operacionais controláveis. As perspetivas de crescimento são positivas, mas o risco é mais elevado devido à crise da divida pública que agrava as condições de financiamento. Elevamos o risco de para. Por prudência, ajustamos ligeiramente as previsões de lucros por ação de 0,23 para 0,22 euros em 2011 e de 0,25 para 0,24 em A ação permanece barata. Compre. Sonaecom: resultados acima do esperado A Sonaecom obteve lucros de 0,12 euros por acção em 2010, um nível recorde e que contrasta com os 0,02 euros registados em O valor superou as nossas previsões graças à mais-valia financeira obtida com a venda de uma posição minoritária na Altitudeeaummenornívelde impostos no quarto trimestre. A Sonaecom anunciou ainda a distribuição, pela primeira vez e de forma inesperada, de um dividendo bruto de 0,05 euros por ação, uma prática que deverá manter-se no futuro. Subimos as estimativas de lucros por ação de 0,11 para 0,12 euros em 2011 e de 0,12 para 0,13 em Aaçãoestácorreta.Podemanter. Nome AÇÕES PORTUGUESAS Cot. (1) Máx. (2) Mín. (2) Risco (3) Conselho BCP manter BES manter BPI manter Brisa comprar Cimpor vender EDP comprar EDP Renováveis manter Galp Energia manter Jerónimo Martins vender Portucel vender Portugal Telecom comprar REN comprar Semapa manter Sonae comprar Sonae Indústria manter Sonaecom manter ZON Multimédia manter (1) Cotação de fecho de 01/04/2011, em euros. (2) Cotação de fecho máxima e mínima nos últimos 365 dias, em euros. (3) Quanto maior o valor (varia entre e ), maior é o risco associado à acção. 8 PROTESTE POUPANÇA 5 de abril 2011

9 Transacionar OT Investidor prático A subida das taxas de juro tornou as Obrigações do Tesouro mais atrativas. Trata-se de um investimento com baixo risco, embora tenha vindo a aumentar devido à pressão dos mercados sobre a dívida nacional. Além disso, para aplicar corretamente em OT é preciso ter em conta as suas especificidades. Via bolsa Os pequenos investidores que pretendam aplicar em Obrigação do Tesouro (OT) têm de o fazer através da compra em bolsa (mercado secundário). Se comprar ao preço referido no quadro e mantiver a OT até à maturidade assegura um rendimento fixo (TAEL). Todavia, estes títulos comportam o risco de crédito,que neste caso consiste na hipótese de poder vir a existir uma situação de incumprimento por parte do Estado. Por outro lado, se a OT for vendida antes do vencimento, o investidor sujeita-se ao risco de taxa de juro, isto é, o rendimento será melhor se os juros de mercado descerem, mas será inferior se ocorrer uma subida das taxas de mercado. Quase todos estes títulos estão cotados na Euronext Lisboa, masseráprecisoconfirmarseoseubancooucorretora disponibiliza acesso a este segmento. Dar uma ordem Uma ordem de compra/venda de uma obrigação é diferente da utilizada para as ações. No caso das ações, um exemplo será "Comprar 100 ações da Portugal Telecom ao preço máximo de 8 euros". Para as obrigações é diferente. A cotação das obrigações é dada em percentagem do valor nominal. Por exemplo, para a OT Junho de 2020, a ordem a transmitir teria de ser do tipo "Ordem de compra de 2500 euros de valor nominal até ao limite de 77,3%". Assim, a ordem enunciada significa que, no máximo, se pretende pagar 1932,50 euros (2500 0,773 = 1932,50 euros). Neste exemplo, a ordem implica também que se quer comprar obrigações, dado o respetivo valor nominal ser 0,01 euros (1 cêntimo de euro). Juros corridos Nas ordens relativas a obrigações, o preço indicado para compra/venda não corresponde exatamente ao que o investidor vai pagar ou receber. Há que incluir os juros corridos. Como a transação das obrigações acontece, na maioria dos casos, no período que medeia entre o pagamento de dois cupões consecutivos, o comprador tem de pagar ao vendedor o valor dos juros corridos. Suponha que detém a OT Junho 2020, a qual paga juros, anualmente, a 15 de junho. Se a vender em abril de 2011 terá, aproximadamente, direito aos juros corridos entre 15 de junho de 2010 (último cupão recebido)eadatade venda. É lógico que o vendedor tenha direito à parte dos juros correspondente ao tempo que deteve a obrigação. Custos O investimento em obrigações implica diversos encargos, semelhantes aos de uma carteira de ações (ver página 6). Antes de comprar OT informe-se sobre os custos praticados pelo banco ou corretora. Se as comissões forem muito elevadas podem diminuir consideravelmente o rendimento, sobretudo se o montante investido for reduzido. DICAS Na Euronext Lisboa são transacionadas muito poucas OT, pelo que as cotações e as yields podem divergir bastante das praticadas pelo mercado em geral, as quais constam do quadro. Assim, quando der a ordem de compra/venda certifique-se que o valor nominal da ordem é adequado e estabeleça um valor limite específico para a compra/venda. É preciso também não esquecer que além do preço das obrigações terá de pagar os juros corridos e os custos associados à operação. Título EXEMPLOS DE OBRIGAÇÕES DO TESOURO COTADAS NA EURONEXT LISBOA Taxa de cupão líquida (%) Data de pagamento de juros Prazo até à maturidade (meses) Juros corridos (euros) (1) Cotação (2) (% do valor nominal) TAEL (%) (3) OT Setembro , de setembro ,5 6,8 OT Junho , de junho ,8 7,8 OT Outubro , de outubro ,4 7,7 OT Outubro , de outubro ,3 8,0 OT Fevereiro , de fevereiro ,5 7,7 OT Outubro , de outubro ,1 7,8 OT Outubro , de outubro ,4 7,5 OT Junho , de junho ,4 7,5 OT Junho , de junho ,3 7,3 OT Junho , de junho ,3 7,2 OT Abril , de abril ,8 7,0 OT Outubro , de outubro ,8 6,8 (1) Os juros corridos apresentados são para 100 mil OT. (2) Em 30/03/2011. O valor nominal de cada OT é 0,01 euros. (3) TAEL (taxa anual efetiva líquida): rendimento obtido caso a OT seja mantida até ao vencimento. Informação atualizada no portal financeiro em Poupar > Obrigações do Tesouro. PROTESTE POUPANÇA 5 de abril

10 Fundos de investimento Bolsa americana está atrativa A crise ainda não foi totalmente ultrapassada, mas os estímulos orçamentais e monetários relançaram a economia dos Estados Unidos. Além disso, as empresas americanas comprovaram a sua capacidade em gerar lucros. Atualmente, deve dedicar uma parte da carteira de investimentos aos fundos de ações EUA. Impulso estatal Com a taxa de crescimento económico próxima do seu nível potencial, em 2010, poderia pensar-se que os excessos do passado foram corrigidos. Contudo, a realidade nos Estados Unidos é mais complexa e o desempenho do ano passado deveu-se sobretudo a uma conjuntura de abundância de dinheiro. A Reserva Federal mantém as taxas diretoras próximas de zero e continua o programa de criação de liquidez, comprando dívida do Estado. Uma política que permite ao Tesouro norte-americano financiar-se a baixo custo. À política monetária claramente expansionista acresce uma política fiscal no mesmo sentido. O défice das contas públicas ultrapassou 10% do PIB, em 2010, e este ano deverá ser semelhante. Num momento em que a Europa optou por medidas de austeridade, reduzindo a despesa pública para equilibrar as finanças, os Estados Unidos escolheram outra via. Ao deixar aumentar o défice esperam queaeconomiarecupereequeoincrementodaatividade permita mais receitas fiscais. Assim, as autoridades americanas visam reduzir o défice através das receitas e não ao corte na despesa. Problemas subsistem A estratégia atual tem dado os seus frutos, mas não eliminou os desequilíbrios, que continuam a pesar sobre o crescimento: Em primeiro lugar, o mercado imobiliário continua deprimido. O preço dos imóveis residenciais caiu 2,4% em 2010, e em fevereiro o valor das habitações usadas atingiu o nível mais baixo desde Face a esta queda, há cada vez mais famílias cujas hipotecas superam o valor das habitações, o que aumenta bastante as hipóteses de incumprimentonocrédito.enaconjunturaatual,os compradores mantêm-se afastados, esperando que o mercado toque no fundo antes de fazerem aquisições. Em segundo lugar, a situação financeira das famílias aconselha alguma prudência. A poupança aumentou e o crédito diminuiu, mas o endividamento ainda é um dos maiores do mundo. Em terceiro lugar, a situação no mercado de trabalho permanece problemática. Em , perderam-se 8,6 milhões de postos de trabalho e desde o início de 2010 apenas foram criados 1,4 milhões de empregos. Neste mercado, a crise perdura e ainda há um longo caminhoatéqueaeconomiaregresseàstaxasdeemprego anteriores BOLSA DOS ESTADOS UNIDOS (índice S&P 500) Mesmo usando perspetivas conservadoras para a progressão dos lucros nos próximos anos, o mercado acionista norte-americano está barato. Economia e empresas muito competitivas A recuperação da economia americana não tem seguido o percurso "clássico" e ainda não regressou à normalidade, mas essa retoma já permitiu que as empresas atingissem lucros recorde: a capacidade de gerar lucros pelas empresas americanas foi comprovada. Os consumidores não recuperaram o dinamismo anterior à crise, mas as empresas conseguiram aumentar os seus lucros. Em 2007, geraram 1065 mil milhões de dólares de lucros depois de impostos. Em 2010, atingiram 1208 mil milhões, ou seja, um aumento de 20,4% face a A redução de custos deu o maior contributo para esta performance. Contudo, contou com a ajuda dos ganhos de produtividade. Entre 1979 e 2009, a produçãoporhoradetrabalhonaindústriaatingiuum crescimento médio anual de 4,2%, contra apenas 2,3% na Alemanha. Investir Apósafortesubidadasmargensnosdoisúltimosanos,qual será a fonte de crescimento dos lucros nos próximos anos? Se estamos menos otimistas que os mercados, e tendo por base perspetivas para os lucros mais conservadoras, a bolsa norte-americana mantém-se ainda assim atrativa. Os fundos de ações americanas continuam a ter um peso importante nas estratégias de investimento a longo prazo. Aconselhamos a subscrição dos fundos de ações Franklin US Equity N e UBS EF USA Multi Strategies P. No que diz respeito às obrigações, o dólar mantém um bom potencial de apreciação face ao euro no longo prazo, contudo a política ultra expansionista da Reserva Federal é pouco favorável aos títulos de dívida dos Estados Unidos. Recomendamos que dedique apenas 5% ao fundo de obrigações SISF US Dollar Bond B nas carteiras a 20 anos. 10 PROTESTE POUPANÇA 5 de abril 2011

11 Entre nós INDICADOR PP Pessimismo aumenta A tendência de queda da confiança confirmou-se no primeiro trimestre de O rol de más notícias sobre a economia nacional agravou o pessimismo dos leitores da PROTESTE POUPANÇA. Contudo, as intenções de investimento em ações surpreenderam pela positiva. Recorde negativo Sem grande surpresa, as perspetivas dos leitores da PROTESTE POUPANÇA continuam sombrias. A sucessão de más notícias tem sido uma constante. Os últimos meses foram marcados pelo anúncio de inúmeras medidas de austeridade para diminuir o défice das contas públicas. Mas háoutrosfatoresque,decerto,tambémpesam.porumlado,a determinação do Banco Central Europeu em subir a taxa de juro diretora, o que se vai repercutir na Euribor e atingir o rendimento das famílias. Por outro lado, a manutenção do preçodopetróleoemníveismaiselevados,devidoà instabilidade em vários países produtores, implica igualmente um acréscimo nas despesas de muitos portugueses. O indicador referente às expectativas quanto à evolução da situação financeira para os próximos doze meses caiu de 67 para 64 pontos.trata-sedovalormaisbaixodesdeque iniciámos o indicador em 2002 (ver figura). No entanto, o sentimento neste momento pode encontrar-se a níveis mais reduzidos. Com efeito, o indicador PP não reflete ainda as consequências da crise política despoletada, no final de março, pelo "chumbo" das novas medidas de austeridade propostas pelo Governo, agora demissionário. Período INDICADOR PROTESTE POUPANÇA (1) Situação financeira Investimento no imobiliário Investimento em ações Investimento em depósitos 1.ºtrim ºtrim ºtrim ºtrim ºtrim ºtrim ºtrim ºtrim ºtrim (1) Perspetivas para os próximos 12 meses. (2) Mais informação disponível em Temas > Dossiê > Indicador de Confiança em Imobiliário: este indicador registou um ligeiro recuo, mas continua a afastar-se da fasquia dos 100 pontos. Isto é as intenções de desinvestimentos superam as de novas aplicações neste setor. Trimestre após trimestre, as perspetivas para o imobiliário vão-se tornando cada vez mais pessimistas /02 SITUAÇÃO FINANCEIRA ESTIMADA PARA OS PRÓXIMOS DOZE MESES (100 pontos = sentimento neutro) 03/03 03/04 03/05 03/06 A confiança atingiu o valor mais baixo desde o início deste indicador em Ações: o acentuar da crise que afeta o país parece não se ter repercutido nas expectativas dos investidores e este indicador subiu de 93 para 97 pontos. As intenções de vendadeaçõessuperamasdecompra, mas o facto de nos dois primeiros meses de 2011, os mercados acionistas, incluindo o nacional, terem registado ganhos deve ter contribuído para este menor pessimismo. Depósitos e contas-poupança: com um valor de 104 pontos no primeiro trimestre, este indicador aponta para que os leitores da PROTESTE POUPANÇA prevejam reforçar a aposta neste tipo de aplicações ao longo dos próximos 12 meses. QUEM SOMOS NÓS Situação financeira Sentimento "neutro" De acordo com a Lei de Imprensa, art.º 16.º - 2, publicamos a relação dos detentores das partes sociais da DECO PROTESTE, Editores, Lda. A colaboração ao nível europeu é, hoje em dia, uma condição indispensável para atingir os objetivos a que nos propusemos desde o início: defender e informar o consumidor português. Assim, a DECO PROTESTE, Editores, Lda., sociedade que edita as revistas PROTESTE (mensal), TESTE SAÚDE (bimestral), DINHEIRO & DIREITOS (bimestral), PROTESTE POUPANÇA (quinzenal), POUPANÇA ACÇÕES (semanal) e vários guias para os consumidores, pertence a duas entidades: a DECO e a Euroconsumers. A DECO - Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor com sede na Rua de Artilharia Um, n.º 79, 4.º, Lisboa, possui 25% do capital. A Euroconsumers (Consumidores Europeus) com sede na Avenue Guillaume 13 B, L-1651 Luxembourg, cujo objetivo consiste em desenvolver a informação e a defesa dos consumidores europeus, detém 75% do capital da DECO PROTESTE. 03/07 03/08 03/09 03/10 03/11 PROTESTE POUPANÇA 5 de abril

12 Entre nós SABER MAIS Fundo Monetário Internacional Até aos dias de hoje, a história do FMI (www.imf.org)pode ser dividida em cinco grandes fases. No primeiro período ( ), o principal objetivo era ajudar na reconstrução pós-guerra e supervisionar o sistema financeiro internacional com vista à estabilidade cambial e à eliminação dos entraves ao comércio. Entre 1972 e 1982, o desafio era ajudar os países aenfrentar oschoques petrolíferos que levaram ao disparo da inflação e a uma recessão mundial. No período seguinte (até 1989), principal função do FMI foi coordenar uma resposta global ao problema do endividamento causado pelos choques da década anterior e assistir às inevitáveis e penosas reformas que se lhe seguiram. A partir de 1990 (até 2004), o Fundo centrou os seus esforços nos países do ex-bloco de Leste e na sua transição para economias de mercado. Por fim, desde 2005, levantaram-se novos desafios/problemas com a globalização,comoacrisedo créditoeoaumentodocustodasmatérias-primas. Apesar do enfoque principal ter evoluído ao longo das últimas décadas, as funções do FMI mantêm-se relativamente inalteradas: Serviço telefónico de informação financeira Enquanto assinante da PROTESTE POUPANÇA poderá consultar o serviço telefónico de informação financeira. A nossa equipa irá responder às suas dúvidas e questões sobre investimento e outros temas. Horário de atendimento: das 9h às 13h e das 14h às 18h (à 6.ª feira, encerra às 17h). Aplicações financeiras e investimento Telefone: (rede fixa) e (para telemóveis). Fiscalidade Telefone: (rede fixa) e (para telemóveis). Crédito Telefone: (rede fixa) e (para telemóveis). promover a cooperação internacional, a estabilidade das taxasdecâmbioeocrescimentoequilibrado do comércio internacional; "vigiar" permanentemente as economias dos países-membros, alertando-os para problemas futuros e transmitindo recomendações; disponibilizar recursos (financeiros e técnicos) para ajudar os seus membros (atualmente 187 países) a equilibrar as contas externas ou a diminuir os níveis de pobreza. Contudo, os empréstimos apenas são autorizados quando o país se compromete a seguir rigorosos planos de estabilização financeira, mas a inerente austeridade implica, muitas vezes, um elevado custo social. PORTAL FINANCEIRO Ordens de bolsa O mais recente inquérito do portal incidiu sobre a forma mais utilizada para transmitir ordens de bolsa. A Internet obteve a esmagadora maioria dos votos: 73%. Contudo, este resultado deve ser relativizado porque sendo a questão colocada no portal, as respostas são dadas por utilizadores da Internet e não por um universo mais representativo dos investidores em bolsa. Ainda assim, 19% afirma preferir transmitir ordens ao balcão. O telefone (6%) e o fax (2%) são os menos utilizados. Utilizando a Internet 73% COMO TRANSMITE HABITUALMENTE AS ORDENS DE BOLSA? (em % do total de respostas) Ao balcão do banco 19% Através do telefone 6% Via fax 2% Sem surpresa, a Internet é a forma mais utilizada para transmitir ordens de bolsa. Propriedade/Redação: DECO PROTESTE, Editores, Lda. Av. Eng.º Arantes e Oliveira, n.º 13, 1.º B; Lisboa. Editora registada sob o número NIPC: A nossa equipa de analistas financeiros para o mercado nacional ações nacionais: João Sousa: Banca; Luís Pinto: Construção, Cimento, Bens de consumo, Papel; Pedro Catarino: Distribuição, Media, Autoestradas, Serviços informáticos; Rui Ribeiro: Telecomunicações, Papel, Energia; outros valores mobiliários e instrumentos financeiros: António Ribeiro, João Sousa, Jorge Duarte. Na análise do mercado externo a PROTESTE POUPANÇA colabora com um grupo de organizações de consumidores europeias com as quais definiu metodologias de análise idênticas a quem cede e de quem recebe alguns conteúdos. São elas: Euroconsumers S.A. Avenue Guillaume 13b, L-1651 Luxembourg. Altroconsumo Edizioni Finanziarie S.R.L. Via Valassina, Milano. Test-Achats S.C. Rue de Hollande 13, 1060 Bruxelles. OCU Ediciones S.A. C/Albarracín, Madrid. Editions scientifiques et techniques consommateurs France SA 44 Rue Lafayette Paris. As análises publicadas na PROTESTE POUPANÇA são independentes e elaboradas de acordo com uma metodologia que poderá consultar no endereço As análises nunca são enviadas à entidade emitente dos instrumentos financeiros objeto de avaliação e, por isso, não estão sujeitas a alterações a pedido destas. A DECO PROTESTE e os responsáveis pela informação financeira não têm interesses suscetíveis de prejudicar a objetividade da mesma. Os nossos conselhos baseiam-se em análises internas e em fontes externas fiáveis. É impossível fazer previsões totalmente exactas ou garantir o sucesso total dos conselhos apresentados. Todavia, esperamos que as informações apresentadas neste boletim ajudem os leitores a realizar bons investimentos. Conselho de Gerência: Vasco Colaço, Luís Silveira Rodrigues e Alberto Regueira em representação da DECO, detentora de 25% do capital, e Yves Genin, Armand de Wasch, Benoît Plaitin em representação da Euroconsumers que detém 75% do capital. Tiragem: exemplares. Registo no I.C.S. nº Depósito legal n.º 86876/95. Assinaturas: Tel: Fax: Assinatura trimestral: 34,05 25 números por ano. Impressão: Imprejornal, EN 115 ao Km 80. Sto. Antão do Tojal, Loures. Todos os direitos de reprodução, adaptação e de tradução são reservados e a utilização para fins comerciais é proibida. Gráficos: Thomson Financial Datastream e DECO PROTESTE. 12 PROTESTE POUPANÇA 5 de abril 2011

PoupançaIndependente. Taxa crescente até 6,2%, mas rende muito menos. Certificados do Tesouro. Credível. Perto de Si

PoupançaIndependente. Taxa crescente até 6,2%, mas rende muito menos. Certificados do Tesouro. Credível. Perto de Si 3 de maio 2011 N. o 402 www.deco.proteste.pt/poupanca P R O T E S T E Credível PoupançaIndependente Perto de Si PROTESTE POUPANÇA Boletim Quinzenal Ano 17 Diretor e Editor : Pedro Moreira DECO PROTESTE,

Leia mais

Garantias precisam-se

Garantias precisam-se www.deco.proteste.pt/investe 4 de outubro 2011 N. o 412 Esteja atento: dia de 18 de outubro temos uma surpresa para si! Proteste Investe Poupança Boletim Quinzenal Ano 17 Diretor e Editor : Pedro Moreira

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Obrigações

Conceitos básicos de negociação em Obrigações Conceitos básicos de negociação em Obrigações N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Obrigação: título representativo de uma fração da dívida/passivo

Leia mais

PoupançaIndependente. PPR ou não? Eis a questão. Portal financeiro com novo visual e endereço: www.deco.proteste.pt/poupanca. Credível.

PoupançaIndependente. PPR ou não? Eis a questão. Portal financeiro com novo visual e endereço: www.deco.proteste.pt/poupanca. Credível. 25 de janeiro 2011 N. o 395 www.deco.proteste.pt/poupanca P R O T E S T E Credível PoupançaIndependente Perto de Si Portal financeiro com novo visual e endereço: www.deco.proteste.pt/poupanca PPR ou não?

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Ganhar 363 euros por negociar a taxa

Ganhar 363 euros por negociar a taxa www.deco.proteste.pt/investe 26 de julho 2011 N. o 408 Simulador dos depósitos tem novas ferramentas. Consulte no portal financeiro. 500 450 400 JUROS DE UM DEPÓSITO DE 25 MIL EUROS A SEIS MESES (em euros)

Leia mais

Não vá pelo seguro. www.deco.proteste.pt/investe. Seguros de capitalização. Em foco p. 2 Japão: mantenha-se afastado. Economia e mercados p.

Não vá pelo seguro. www.deco.proteste.pt/investe. Seguros de capitalização. Em foco p. 2 Japão: mantenha-se afastado. Economia e mercados p. www.deco.proteste.pt/investe 6 de setembro 2011 N. o 410 Proteste Investe Poupança Boletim Quinzenal Ano 17 Diretor e Editor : Pedro Moreira DECO PROTESTE, Editores, Lda. Av. Eng.º Arantes e Oliveira,

Leia mais

MULTIPLIQUE os seus juros

MULTIPLIQUE os seus juros outubro 2011 www.deco.proteste.pt/investe edição mensal Os conselhos financeiros da Deco Proteste Esta revista faz parte integrante da Proteste Investe n.º 719 MULTIPLIQUE os seus juros Negociar depósitos

Leia mais

De crise em crise. www.deco.proteste.pt/investe. Certificados: taxa anual líquida. Formação financeira: próximo curso a 14 de setembro

De crise em crise. www.deco.proteste.pt/investe. Certificados: taxa anual líquida. Formação financeira: próximo curso a 14 de setembro www.deco.proteste.pt/investe 3 de agosto 11 N. o 49 Formação financeira: próximo curso a 14 de setembro x 1 16 14 1 1 BOLSA DE LISBOA (índice PSI-) De crise em crise Em poucas semanas, a crise económico-financeira,

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16%

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16% A SITUAÇÃO ACTUAL É MAIS GRAVE DO QUE EM 1977/78 E EM 1983/84 POR PORTUGAL PERTENCER À ZONA EURO E NESTA DOMINAR UMA POLITICA NEOLIBERAL DE SUBMISSÃO AOS MERCADOS. Um erro grave é confundir a situação

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

TÍTULOS. Entrada em vigor: 29-julho-2015

TÍTULOS. Entrada em vigor: 29-julho-2015 TÍTULOS Entrada em vigor: 29-julho-2015 Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos

Leia mais

Os conselhos financeiros da Deco Proteste. Poupe mais de 2000 euros ao ano ao negociar ações com a nossa Escolha Acertada GARANTIDO

Os conselhos financeiros da Deco Proteste. Poupe mais de 2000 euros ao ano ao negociar ações com a nossa Escolha Acertada GARANTIDO março 2015 www.deco.proteste.pt/investe Os conselhos financeiros da Deco Proteste Esta revista faz parte integrante da PROTESTE INVESTE n.º 885 AS MELHORES CORRETORAS ONLINE Poupe mais de 2000 euros ao

Leia mais

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO OS FUNDOS DE INVESTIMENTO CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 Os Fundos de Investimento O que é um Fundo de investimento? Um fundo de investimento é um instrumento financeiro

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: - 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Data início de comercialização: 2000/04/13 por tempo

Leia mais

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado.

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado. Designação Depósito Indexado PSI 20 Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentes ou associados Perfil de cliente

Leia mais

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 Ações O que são ações? Uma ação é um título que representa uma fração do capital social de uma empresa, constituída sob a forma de uma

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros Bê-á-Bá da poupança Há um vasto leque de escolhas para quem quer poupar, mas a análise da PROTESTE INVESTE mostra-lhe que nem todas são boas opções. No Dia Mundial da Poupança, saiba quais as alternativas.

Leia mais

Excelência Proximidade Profissionalismo. É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado. ORDEM DOS ENGENHEIROS Oferta 1 º Trimestre 2013

Excelência Proximidade Profissionalismo. É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado. ORDEM DOS ENGENHEIROS Oferta 1 º Trimestre 2013 Oferta de Cooperação Barclays at Work Excelência Proximidade Profissionalismo É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado 300 Anos de Experiência 50 Milhões de Clientes 60 Países ORDEM DOS ENGENHEIROS

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos www.facebook.com/santandertotta.pt http://twitter.com/santandertotta Onde deve investir? A escolha deve ter em conta diversos factores, tais como: quando é que pretende utilizar o montante que investiu?

Leia mais

Obrigações, Fundos Públicos e outros Valores Mobiliários de dívida. 0,5% (min. 7) 0,4% (min. 7) 0,035% (min. 7) > 25.000 e 100.000

Obrigações, Fundos Públicos e outros Valores Mobiliários de dívida. 0,5% (min. 7) 0,4% (min. 7) 0,035% (min. 7) > 25.000 e 100.000 VALORES MOBILIÁRIOS Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento

Leia mais

Obrigações CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1

Obrigações CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 O que são obrigações As obrigações são instrumentos financeiros que representam um empréstimo contraído junto dos investidores pela entidade

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES Breve Descrição do Produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

Produto Financeiro Complexo

Produto Financeiro Complexo Zurich Companhia de Seguros Vida, S.A. PROSPETO SIMPLIFICADO (atualizado a 8 de fevereiro de 2013) Empresa de Seguros Entidades Comercializadoras Autoridades de supervisão Reclamações BBVA Unit-Linked,

Leia mais

orçamento no seu Faça obras pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar.

orçamento no seu Faça obras pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar. Faça obras no seu orçamento Se quer planear as suas poupanças, há ferramentas disponibilizadas pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar. Faça obras

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS)

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) João Duque Fevereiro de 2004 1 Exercício 1 Usando a informação que lhe é fornecida pelo quadro abaixo sobre as opções cotadas

Leia mais

Mude de banco e deixe de pagar até 1876 euros em comissões por ano

Mude de banco e deixe de pagar até 1876 euros em comissões por ano março 2012 www.deco.proteste.pt/investe edição mensal Os conselhos financeiros da Deco Proteste Esta revista faz parte integrante da Proteste Investe n.º 741 Mude de banco e deixe de pagar até 1876 euros

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: POUPAR E INVESTIR REMUNERAÇÃO DE UM DEPÓSITO A PRAZO

ÁREA DE FORMAÇÃO: POUPAR E INVESTIR REMUNERAÇÃO DE UM DEPÓSITO A PRAZO ÁREA DE FORMAÇÃO: POUPAR E INVESTIR REMUNERAÇÃO DE UM DEPÓSITO A PRAZO Índice TANB Taxa Anual Nominal Bruta TANL - Taxa Anual Nominal Líquida Taxa de juro nominal e real Juro simples e juro composto Ficha

Leia mais

Preçário. ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente)

Preçário. ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente) 1 CONTAS DE DEPÓSITO 1.1. DEPÓSITOS À ORDEM ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente) Movimentos efetuados até últimos 31 meses inclusive Envio por email 1,00 Envio por correio 5,00 Movimentos

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

como proteger a sua poupança Esta é a altura certa para fixar a taxa dos seus depósitos de prazos mais longos

como proteger a sua poupança Esta é a altura certa para fixar a taxa dos seus depósitos de prazos mais longos setembro 2012 www.deco.proteste.pt/investe edição mensal Os conselhos financeiros da Deco Proteste Esta revista faz parte integrante da Proteste Investe n.º 763 como proteger a sua poupança Esta é a altura

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado USD 6 meses Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Advertências ao Investidor Os riscos do, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Risco de perda total ou parcial do capital investido

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA DP NETB@ANCO 90 DIAS

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA DP NETB@ANCO 90 DIAS DP NETB@ANCO 90 DIAS Designação Condições de acesso Modalidade Prazo Mobilização antecipada DP Netb@nco 90 Dias Clientes aderentes ao NetB@nco (constituição e movimentação exclusiva através do canal NetB@nco).

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Em Compasso de Espera

Em Compasso de Espera Carta do Gestor Em Compasso de Espera Caros Investidores, O mês de setembro será repleto de eventos nos quais importantes decisões políticas e econômicas serão tomadas. Depois de muitos discursos que demonstram

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A.

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. Versão: 1.0 Data inicial: 2010/08/20 Última alteração: 2010/09/10 Mod. 853P/2010 Banco Popular Portugal, S.A. 2/8

Leia mais

EUROVIDA PPR (Proposta de Seguro)

EUROVIDA PPR (Proposta de Seguro) Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. Sede Social: 1099-090 Lisboa Portugal CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro 02.01.2013 (Proposta de Seguro) Proposta: Apólice: Cliente:

Leia mais

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014 10 ANOS 2.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO)

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014 10 ANOS 2.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO) Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014

Leia mais

Banco Português de Investimento, S.A.

Banco Português de Investimento, S.A. 1 Banco Português de Investimento, S.A. TABELA GERAL DE REMUNERAÇÕES, COMISSÕES E DESPESAS PRODUTOS E SERVIÇOS Actualizada em 2008-07-16 7 VALORES MOBILIÁRIOS TRANSACÇÕES 1. Mercado a Contado a) Comissão

Leia mais

CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) EURO IMPOSTO Em todas as Bolsas 12,00 IVA

CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) EURO IMPOSTO Em todas as Bolsas 12,00 IVA 1. CONTAS DE TÍTULOS CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) Em todas as Bolsas 12,00 (*) - Aplicável a todas as Contas Títulos com saldo médio diário superior a zero unidades

Leia mais

dos fundos Aceda aos melhores fundos de investimento. As nossas apostas ganharam 10% em 2012

dos fundos Aceda aos melhores fundos de investimento. As nossas apostas ganharam 10% em 2012 janeiro 2013 www.deco.proteste.pt/investe edição mensal Os conselhos financeiros da Deco Proteste Esta revista faz parte integrante da Proteste Investe n.º 781 Abra a porta dos fundos Aceda aos melhores

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO BBVA Unit-Linked Empresa de Seguros: Zurich -Companhia de Seguros de Vida S.A. Sede: Rua Barata Salgueiro 41, 1269-058 Lisboa TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO! Risco de perder a totalidade do capital investido

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA OBRIGAÇÕES COLEP / 2014 2017 FICHA TÉCNICA

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA OBRIGAÇÕES COLEP / 2014 2017 FICHA TÉCNICA EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA OBRIGAÇÕES COLEP / 2014 2017 FICHA TÉCNICA Emitente: Colep Portugal, S.A. Modalidade: Emissão de obrigações a taxa variável por oferta particular e direta. Moeda: Euro ( ). Montante

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Ficha Técnica TODOS OS INVESTIMENTOS

Leia mais

Conceitos Básicos Tipos de Warrants e Exemplos. N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling

Conceitos Básicos Tipos de Warrants e Exemplos. N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling Conceitos Básicos Tipos de Warrants e Exemplos N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling Produto Financeiro Complexo Um investimento responsável exige que conheça as

Leia mais

Prospecto Informativo (De acordo com o Aviso do Banco de Portugal N.º 6/2002)

Prospecto Informativo (De acordo com o Aviso do Banco de Portugal N.º 6/2002) 1. CARACTERIZAÇÃO DO ICAE Designação do produto Montepio Cabaz Energia Prospecto Informativo Objecto do Investimento O Montepio Cabaz Energia é um Instrumento de Captação de Aforro Estruturado (ICAE),

Leia mais

INFORMAÇÕES FUNDAMENTAIS AO INVESTIDOR PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

INFORMAÇÕES FUNDAMENTAIS AO INVESTIDOR PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO MAPFRE INVEST CRESCENTE 2015 NÃO NORMALIZADO Entidade gestora: Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Contrato de Seguro ligado a Fundo de Investimento MAPFRE Seguros de Vida, S.A., com sede social:

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DB Multifundos Fundo Autónomo: Multifundos DB Investimento III Empresa de Seguros: Zurich -Companhia de Seguros de Vida S.A. Sede: Rua Barata Salgueiro 41, 1269-058 Lisboa TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO!

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

BPI Portugal. Rentabilidades Anualizadas a 30-06-2011 1 Ano -2.6% 3 Anos -6.1% 5 Anos -4.2% Desde o inicio 5.2% VALORIZAÇÃO

BPI Portugal. Rentabilidades Anualizadas a 30-06-2011 1 Ano -2.6% 3 Anos -6.1% 5 Anos -4.2% Desde o inicio 5.2% VALORIZAÇÃO BPI Portugal VALORIZAÇÃO Tipo de Fundo: Fundo aberto de acções. Fundo de Acções Nacionais Data de Início: 3 de Janeiro de 1994 Objectivo: Política de Distribuição de Rendimentos: Banco Depositário: Locais

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos 31 de março de 2015 Contas não auditadas Agenda Resultados Balanço Liquidez Solvência Conclusões NOTA: Os valores relativos a março de 2014 são reexpressos

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Solução Multifundos Zurich Fundo Autónomo: MF Zurich Vida Agressivo Empresa de Seguros: Zurich -Companhia de Seguros de Vida S.A. Sede: Rua Barata Salgueiro 41, 1269-058 Lisboa TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

INFORMAÇÕES FUNDAMENTAIS AO INVESTIDOR PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

INFORMAÇÕES FUNDAMENTAIS AO INVESTIDOR PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO EMPRESA DE SEGUROS Barclays Investimento Fundo Autónomo: Utilities IV Nome: CNP Barclays Vida y Pensiones, Compañia de Seguros, S.A. - Agência Geral em Portugal; Endereço da Sede Social: Plaza de Cólon,

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

PoupançaIndependente. Atéondevaiacrise. Os melhores depósitos. Próspero Ano Novo! Credível. Perto de Si

PoupançaIndependente. Atéondevaiacrise. Os melhores depósitos. Próspero Ano Novo! Credível. Perto de Si 30 de Dezembro 2008 N. o 343 www.protestepoupanca.pt P R O T E S T E Credível PoupançaIndependente Perto de Si Próspero Ano Novo! PROTESTE POUPANÇA Boletim Quinzenal Ano 14 Director e Editor : Pedro Moreira

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA Protocolo exclusivo. Soluções Financeiras ANEXO I Aproveite o Protocolo BBVA para realizar os seus projectos pessoais. O Banco Bilbao Vizcaya Argentaria, coloca ao seu dispor um conjunto de Produtos e

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002

A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002 A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002 ÍNDICE 1. Caracterização da Indústria de Gestão de Activos...pág. 01 2. Evolução da Indústria de Gestão de Activos...pág. 04 2.1 A Gestão Colectiva de Activos...pág.

Leia mais

Nota: O presente instrumento, representa uma importante fonte de informação para o investidor onde, oferece-lhe orientações relativamente ao Mercado

Nota: O presente instrumento, representa uma importante fonte de informação para o investidor onde, oferece-lhe orientações relativamente ao Mercado 2013 2013 Nota: O presente instrumento, representa uma importante fonte de informação para o investidor onde, oferece-lhe orientações relativamente ao Mercado de Títulos do Tesouro, nomeadamente, as características

Leia mais

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno COMISSÃO EUROPEIA COMUNICADO DE IMPRENSA Bruxelas/Estrasburgo, 25 de fevereiro de 2014 Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno As previsões do inverno da Comissão Europeia preveem

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 65.01 Informação actualizada a: 04/04/2011 Designação Comercial: Fidelity Poupança Data de início de Comercialização: 01/02/2007 Empresa de Seguros Entidade Comercializadora Autoridades de

Leia mais

Evite os depósitos mais arriscados

Evite os depósitos mais arriscados novembro 2013 www.deco.proteste.pt/investe Os conselhos financeiros da Deco Proteste Esta revista faz parte integrante da Proteste Investe n.º 820 Evite os depósitos mais arriscados Há bancos em que o

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 07 de Julho de 2003) FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO POUPANÇA INVESTIMENTO FPR/E (*)

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 07 de Julho de 2003) FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO POUPANÇA INVESTIMENTO FPR/E (*) Tipo de Fundo Início de Actividade Entidade Gestora Banco Depositário Entidades Colocadoras Consultores de Investimento Política de Investimento Fundo Poupança Reforma/Educação Iniciou a sua actividade

Leia mais

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013 8 ANOS 5.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO)

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013 8 ANOS 5.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO) Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: POUPAR E INVESTIR DEPÓSITOS A PRAZO

ÁREA DE FORMAÇÃO: POUPAR E INVESTIR DEPÓSITOS A PRAZO ÁREA DE FORMAÇÃO: POUPAR E INVESTIR DEPÓSITOS A PRAZO Índice Conceito de depósito a prazo Depósitos a prazo simples Ficha de Informação Normalizada (FIN) Remuneração Prazo e mobilização antecipada Capitalização

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PROTECÇÃO IV 2011-2014 NOTES

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PROTECÇÃO IV 2011-2014 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PROTECÇÃO IV 2011-2014 NOTES Advertências ao investidor: Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado por parte do Investidor Risco de

Leia mais

Preçário de Títulos Transacções Custódia de Títulos

Preçário de Títulos Transacções Custódia de Títulos Preçário de Títulos Transacções Custódia de Títulos Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular

Leia mais

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado.

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado. Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentes ou associados Perfil de cliente recomendado Condições

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO BBVA Unit-Linked Empresa de Seguros: Zurich -Companhia de Seguros de Vida S.A. Sede: Rua Barata Salgueiro 41, 1269-058 Lisboa TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO! Risco de perder a totalidade do capital investido

Leia mais

plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012

plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012 plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012 Apresentação Ativo, rentabilidade, renda fixa, perfil de investimento... Se você tem o hábito de se informar sobre como anda o dinheiro investido no seu plano

Leia mais