ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL"

Transcrição

1 ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL JOSÉ EDUARDO DO COUTO BARBOSA 1 SARAH GABRIELA CARDOSO DE LIMA 2 EVERTON LUIZ DA CHAGAS 3 Resumo A logística brasileira foi fortemente marcada pela década de 90 devida aos avanços observados neste período tanto nas práticas empresariais quanto na qualidade, eficiência e infraestruturas e comunicações. Dentre os setores que apresentaram maior modernização destaca-se o transporte brasileiro onde houve investimentos na qualidade de seus serviços tornando as empresas brasileiras mais competitivas e colaborando com o crescimento socioeconômico do país. Como será observado ao longo das discussões percebe-se a importância da informatização dos processos logísticos em ações que necessitam maior agilidade e qualidade, a fim de corresponder às necessidades do mercado consumidor. Vale também destacar a gestão integrada como uma das principais ferramentas de gestão empresarial levando as organizações empresariais a apresentarem um aumento na otimização das produções, dos ganhos e na redução de custos. Este artigo faz parte de um dos estudos realizados pelo Núcleo de Iniciação Científica em Logística Reversa, do Curso Superior de Tecnologia em Logística, da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Extrema (FAEX), e busca contribuir para o crescimento científico na área de Logística. PALAVRAS-CHAVE: LOGÍSTICA, GESTÃO INTEGRADA, TRANSPORTES. 1 Doutorando em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquista Filho (UNESP), Mestre em Ecologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e Graduado em Ciências Biológicas. Professor Orientador do Núcleo de Iniciação Científica em Logística Reversa da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Extrema (FAEX). 2 Graduanda do Curso Superior de Tecnologia em Logística e pesquisadora do Núcleo de Iniciação Científica em Logística Reversa da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Extrema (FAEX). 3 Graduando do Curso Superior de Tecnologia em Logística e pesquisador do Núcleo de Iniciação Científica em Logística Reversa da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Extrema (FAEX). 115

2 1. Avanços logísticos na década de 90 A logística no Brasil teve importante progresso na década de 90 a qual foi marcante no desenvolvimento dos processos logísticos. Neste período a logística brasileira passou por mudanças tanto nos termos das práticas empresariais quanto na qualidade, eficiência e infraestruturas de transportes e comunicações às quais trouxeram grandes avanços na logística moderna. (FLEURY, 2008). Esta época também foi marcada pelo crescimento do comércio internacional e, em nível nacional, a estabilização da moeda e os processos de privatizações marcaram o cenário brasileiro e influenciaram as mudanças nos processos empresariais. Essas mudanças promoveram melhorias em infraestruturas principalmente no setor de transportes em rodovias, ferrovias, terminais portuários, as quais após os processos de privatização e investimentos governamentais passaram a possibilitar uma rápida estruturação logística no Brasil. Diante das transformações comerciais que ocorreram durante este período, as organizações empresariais perceberam a importância da operação do processo produtivo em elevado padrão de eficiência operacional. Surgiram então, novas exigências as quais propuseram a gestão integrada sistêmica dos processos empresariais na qual a logística passou a representar uma função vital dentro deste cenário. (SILVA, 2007). Para as empresas brasileiras, estas novas exigências representaram riscos devido as enormes mudanças, mas oportunidades nos espaços gerados para melhorias de qualidade do serviço e aumento de produtividade, que foram fundamentais para o aumento da competividade empresarial. (FLEURY, 2008). Anteriormente a este período, a instabilidade do comércio nacional tornou impossível a integração destas exigências aos processos industriais principalmente no gerenciamento da cadeia de suprimentos. Com a abertura da economia e a globalização, as empresas brasileiras passaram a buscar novos referenciais para a sua atuação, inclusive no domínio da logística. (NOVAES, 2004). Os avanços logísticos empresariais apesar de constantes ainda são muito tímidos, devido a uma série de fatores. Existem empresas ainda controlando seus fluxos logísticos através de estoques, outras já buscam a melhoria dos fluxos a partir do 116

3 planejamento integrado de suas operações. Algumas empresas estão trabalhando interligadas via Eletronic Data Interchange (EDI) 4, a fim de possibilitar maior flexibilização na entrega dos componentes ou produtos acabados. (NOVAES, 2004). A estrutura organizacional é uma das limitações observadas nas empresas brasileiras. A divisão clássica da empresa em setores não permite um tratamento sistêmico o que dificulta as operações logísticas. (NOVAES, 2004). Outra limitação observada nas empresas brasileiras e a baixa capacitação dos responsáveis pelas atividades logísticas empresariais, muitas vezes estes não estão preparados para trabalhar com as novas tecnologias dificultando assim o crescimento logístico de forma adequada. (NOVAES, 2004). O crescimento da Logística no Brasil vem sendo liderado pelos setores industriais e varejistas. A maior parte do setor automobilístico instalado no Brasil aderiu ao sistema Just in Time, a qual é uma técnica japonesa com um grande foco na produção, que mantém os produtos certos em seu tempo certo, com estoque reduzido e sem falta; assim, as empresas multinacionais passaram a combinar compras, produção e vendas, embasados neste sistema, e trazendo consigo uma junção de prestações de serviços logísticos nacionais e internacionais. (LUSTOSA, 2008). No setor varejista, a Associação de Supermercados (Abras) aderiu o sistema de ECR 5 no Brasil, o qual tem o objetivo de uniformizar toda a cadeia logística, com o intuito de reduzir custos, retrabalhos e ineficiências, levando benefícios ao consumidor; deste modo, a Abras e as empresas de bens não duráveis, reduziram seus custos e melhoraram a qualidade de seus serviços, portanto, com investimentos destes setores em 4 O EDI Eletronic Data Interchange pode ser definido como a troca de documentos mercantis estruturados e padronizados de computador a computador, de aplicação via sistemas de teleprocessamento entre empresas e seus fornecedores, clientes e outros parceiros com o mínimo de intervenção humana. De uma forma mais direta, pode-se dizer que EDI é o uso de tecnologia para troca de documentos por meios, exclusivamente, eletrônicos. (ZARDO; FREITAS, 1996). 5 O conceito de Efficient Consumer Response (ECR) Resposta Eficiente ao Consumidor surgiu na prim eira metade da década de 90 nos Estados Unidos da América, e ganhou grande notoriedade, não apenas naquele país mas também noutros quadrantes, designadamente no Canadá, Austrália e nalguns países da Europa. (MOURA, 2006, p. 327) 117

4 sistemas como o Just in Time e ECR, as operações logísticas tiveram um grande crescimento desde a década de 90, onde os produtos com código de barras aumentou de para , e desde então, a as operações logísticas vem sendo dia-a-dia mais aprimorada. (GOMES; RIBEIRO, 2004; FLEURY, 2008). 2. A modernização no setor de transportes e progressos tecnológicos Outro setor logístico que vem também sofrendo constante modernização é o transporte brasileiro. Seus aspectos positivos fazem com que as empresas de transporte busquem mais eficiência, sofisticação e sejam a cada dia mais confiáveis, investindo também na qualidade dos serviços com foco na saúde de seu colaborador e em seu estado financeiro, assim estas empresas acabam se tornando mais competitivas colaborando com o crescimento socioeconômico do Brasil. Mesmo com a evolução dos processos logísticos, há ainda grandes problemas na área de transporte, pois ela está muito dependente do crescimento da economia nacional, da regulamentação; da priorização de investimentos governamentais e principalmente do custo de capital que abrangem principalmente o modal rodoviário, o qual é o segundo mais caro, responsável por 61 % da carga transportada e a 10 % do PIB brasileiro. Este modal também traz baixa produtividade e uma grande falta de segurança dos operadores; além de acarretar um alto índice de poluição ambiental (WANKE, 2010). De acordo com o estudo desenvolvido por Fleury (2003), as condições indispensáveis para uma economia avançada, hoje, são os aspectos que mais influenciam para o crescimento brasileiro, que neste caso, não são atingidos de forma eficiente, pois, em comparação aos outros países, o transporte brasileiro está bem inferior a China, México, EUA, entre outros países; entretanto, Fleury (2008) afirma que o modal rodoviário tem grande vantagem sobre os outros países, pois este é um 118

5 predomínio absoluto do Brasil, ao contrário de países como EUA, Canadá, China e Rússia que a grande predominância está nos modais ferroviários e aquaviários e pouca no rodoviário. As dificuldades encontradas pelo transporte brasileiro podem estar ligadas a conservação das estradas estaduais e das rodovias federais, pois, diversas delas estão sem condições de tráfego, sendo assim, o transporte logístico é negativamente afetado influenciando muito na conservação dos produtos e no tempo de chegada destes. No caso das ferrovias, o grande dilema brasileiro está conciliado com a demora da chegada dos produtos, pois este setor encontra-se pouco estruturado no país devido a falta de investimentos e tecnologia. Assim também o transporte marítimo sofre com a demora com a questão do tempo gasto em seus processos e por isso a movimentação dos portos brasileiros se centraliza na exportação e importação de produtos. Apesar da demora no transporte marítimo, Borges (2005) afirma que enquanto a meta de países internacionais é de 40 contêineres movimentados por hora, no Brasil, são movimentadas de 16 à 27 contêineres por hora, pois o número maior representa o porto de Santos que segundo Lima (2005) é o maior porto da América do Sul que movimenta aproximadamente um terço do valor da balança comercial do país gerando mais de 40 mil empregos em toda a região santista. O transporte marítimo no Brasil, apesar de ter uma grande demora na hora de atracar em vista aos outros países, vem crescendo dia-a-dia, pois neste em vista de outros modais de transportes o custo é bem mais inferior, tendo em principalmente em relação à distância do transporte; portanto, com este benefício e com grandes qualidades de serviços, a exportação do Brasil vem crescendo constantemente. No entanto, segundo os estudos do Banco Mundial, a mão de obra portuária é bem menor que a europeia, neste caso as transportadoras que tem o foco em outros modais de transporte estão conhecendo o mercado e assim competindo não somente dentre os seus modais, e sim apresentando seu benefício como melhoria de mercado para que o cliente possa adquirir o produto mais rapidamente e completos; portanto, as transportadoras começaram a aderir a tecnologia moderna na área da tecnologia da informação como roteirizadores, sistema de rastreamento por satélite e Intercâmbio de 119

6 dados (Eletronic Data Interchange EDI) com um intuito de atingir este grande benefício (FLEURY, 2008). O transporte rodoviário no Brasil ainda está em pequena escala comparada com os EUA, pois estes são mais utilizados quando há envolvimento com líquido, contudo, por este motivo, seu custo pode se tornar alto. Com a modernização do sistema logístico, o desenvolvimento na área de transporte brasileiro, apesar de lento, cresce, e consigo pequenas empresas, empresas de pequeno porte ou médias empresas tem o mesmo rumo, principalmente com a modernização de rodovias e ferrovias e portos que vem sendo privatizados, neste caso melhorando a produtividade, os serviços e reduzindo os custos. Resultados que comprovam este sistema são recentes, mas cresce conforme a demanda de cada lugar (FLEURY, 2008). Com o desenvolvimento do transporte, a participação do PIB brasileiro também vem crescendo, pois os dados de 1985 e 1999 demonstram que o PIB cresceu de 3,7% para 4,3%, ou seja, houve um crescimento de 250%, portanto, desde a década de 70 até a década de 90 o sistema de transporte cresceu cerca de 400%; hoje se percebe que o crescimento evoluiu, devido as grandes demandas das empresas do Brasil. Conforme cresce a demanda, o sistema logístico de transporte de cargas também cresce; e no caso do Brasil a grande consequência deste crescimento vai além das ruínas em grandes rodovias que não são privatizadas até o exato momento e passa a ter grandes impactos em relação aos custos, pois estes são cobrados por toneladaquilômetro, portanto, apesar de darem um valor alto independente do modal de transporte, o modal rodoviário é o mais utilizados pelas empresas pelo motivo de levar a mercadoria no prazo certo e pela vantagem de o Brasil ter muitas rodovias e poucos portos. (WANKE, 2010). O sistema logístico nos dias atuais vem crescendo de acordo com a economia brasileira, mas as empresas nacionais têm se esforçado para que não haja diminuição da demanda, pois o Brasil já apresentou dias melhores, contudo, os administradores 120

7 buscam focar em investimentos como equipamentos, atualizações de recursos de informática e sistemas integrados de gestão como ERP 6 (NOVAES, 2004). O sistema integrado ERP tem o objetivo de padronizar informações com um intuito de administrar sistemicamente diversas atividades que possibilitem um acompanhamento de toda a fabricação de um determinado produto com uma previsão de pedidos ou de vendas entregando estes dados de forma correta e para a pessoa correta. (FIDELI; POLLONI; PERES, 2003) A gestão da cadeia de suprimentos (SCM) é muito ampla, portanto seu objetivo vai além do sistema ERP, pois nesta necessita-se que haja entendimento entre o sistema e o colaborador, neste caso, o estoque é o mais influenciado, pois este deve ser controlado e organizado de forma correta para que assim os custos sejam calculados da mesma forma. (NOVAES, 2004). Contudo, as empresas nacionais devem estar preparadas com este modelo de logística moderna, assim se adequando de forma correta, como formação de parcerias, pois, multinacionais como Ryder, TNT, Danzas, Penske Maclane, entre outras, estão habilitadas com este processo logístico moderno e prontas para se instalarem no Brasil e entrar na competição. 3. Considerações Finais Diante dos progressos brasileiros, principalmente após a década de 90, onde diversos fatores econômicos favoreceram o crescimento dos processos empresariais demandando cada vez mais ações da Logística a qual vem se desenvolvimento constantemente. Como observado ao longo das discussões percebe-se a importância da informatização dos processos logísticos em ações que necessitam maior agilidade e qualidade na prestação de serviços, a fim de corresponder ao crescimento do mercado consumidor. 6 Enterprise Resource Planning (ERP) são sistemas de informação que permite a integração de diversos dados dos processos operacionais de uma organização (CAIÇARA JUNIOR, 2008). 121

8 Vale também destacar a gestão integrada como uma das principais ferramentas de gestão empresarial, já que o entendimento dos processos logísticos como parte de um todo de maneira sistêmica e integrada, e não como antes entendida como isolada dos demais processos empresariais, faz com que as organizações empresariais apresentem um aumento na otimização das produções, dos ganhos e na redução de custos. Este artigo faz parte de um dos estudos realizados pelo Núcleo de Iniciação Científica em Logística Reversa, do Curso Superior de Tecnologia em Logística, da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Extrema (FAEX), o qual desde 2011 vem se comprometendo com a produção de conhecimentos científicos que contribuem para crescimento dos processos logísticos no Brasil. 4. Referências Bibliográficas BORGES, E. Um setor à beira do colapso. Conjuntura Econômica, v. 59, n. 7, p , CAIÇARA JUNIOR, C. Sistema integrado de gestão ERP: uma abordagem gerencial. Curitiba: Ibpex, FIDELI, R. D., POLLONI, E. G. F., PERES, F. E. Introdução à Ciência da Computação. São Paulo: Editora Thomson, FLEURY, P. F. Terceirização logística no Brasil. In: FIGUEIREDO, K. F.; FLEURY, P. F.; WANKE, P. (Eds.). Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: planejamento do fluxo de produtos e dos recursos. São Paulo: Editora Atlas, p , A Logística Brasileira em Perspectiva. In: FLEURY, P. F.; WANKE, K. F. F. (Orgs.). Logística Empresarial: a perspectiva brasileira. São Paulo: Atlas, GOMES, C. F. S; RIBEIRO, P. C. Gestão da Cadeia de Suprimentos Integrada à Tecnologia da Informação. Editora THOMSON, LIMA, E. T. Problemática dos resíduos sólidos urbanos no sistema estuarino Santo São Vicente (SP). In: RIBEIRO, H. Olhares geográficos: meio ambiente e saúde. São Paulo: Editora Senac,

9 LUSTOSA, L. et al. Planejamento e Controle da Produção. Rio de Janeiro: Elsevier, MOURA, B. Logística: conceitos e tendências. Lisboa, Portugal: Centro Atlântico, NOVAES, A. G. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição: estratégia, operação e avaliação. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, SILVA, L. A. T. Logística no comércio exterior. 2. ed. São Paulo: Aduaneiras, ZARDO, M.; FREITAS, H. O uso do EDI para agilizar a comunicação no canal de distribuição. Angra dos Reis RJ, Anais do 20º ENANPAD, ANPAD, Marketing, 23 a 25 de Set., 1996, p.79. WANKE, P. F. Logística e transporte de cargas no Brasil: produtividade e excelência no século XXI. São Paulo: Altas,

ANÁLISE DA NECESSIDADE E PERIODICIDADE DE RESGATES PARA APORTES PERIÓDICOS MENSAIS EM CDB

ANÁLISE DA NECESSIDADE E PERIODICIDADE DE RESGATES PARA APORTES PERIÓDICOS MENSAIS EM CDB ANÁLISE DA NECESSIDADE E PERIODICIDADE DE RESGATES PARA APORTES PERIÓDICOS MENSAIS EM CDB FABIANA DE JESUS PEIXOTO 1 PRISCILA GANDOLFI DELL ORTI 1 RESUMO Atualmente muitos investidores conservadores procuram

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular

O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular 53 O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular José Sérgio Celestino Camargo, Paulo Tadeu Peres Ingracio e Romério de Oliveira

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA 1) ASSINALE A ALTERNATIVA QUE CORRESPONDE A UMA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO. A) Recebimento de matérias-primas. B) Alimentação de sistemas produtivos.

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

MBA EM LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

MBA EM LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS MBA EM LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS 1 - JUSTIFICATIVA A gestão do fluxo de valor agregado pelas organizações exige contemplar toda a cadeia de suprimentos de forma a identificar e

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE XI Sistema De Apoio à Gestão Empresarial Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Conceitos de software de gestão administrativas Principais softwares de gestão do mercado

Leia mais

REVISTA CONTEÚDO COMÉRCIO INTERNACIONAL: UM ESTUDO DAS PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS NO COMÉRCIO EXTERIOR 1

REVISTA CONTEÚDO COMÉRCIO INTERNACIONAL: UM ESTUDO DAS PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS NO COMÉRCIO EXTERIOR 1 COMÉRCIO INTERNACIONAL: UM ESTUDO DAS PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS NO COMÉRCIO EXTERIOR 1 Leibi Roque 2 RESUMO O presente artigo tem como propósito identificar os principais

Leia mais

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BORGHI, Wagner (FANOVA) INTRODUÇÃO Quando pensamos em produtos para consumo ou matéria prima para industrialização, não importando sua

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

REVIE a Rede de Valor para Inteligência Empresarial. Este é o 1º dos artigos da série sobre o Método REVIE que foi publicado no portal Meta Análise.

REVIE a Rede de Valor para Inteligência Empresarial. Este é o 1º dos artigos da série sobre o Método REVIE que foi publicado no portal Meta Análise. REVIE a Rede de Valor para Inteligência Empresarial Daniela Ramos Teixeira Este é o 1º dos artigos da série sobre o Método REVIE que foi publicado no portal Meta Análise. Vamos começar apresentando o Método

Leia mais

A influência da Tecnologia da Informação e Telecomunicação na Contabilidade - A Era do Contador Digital

A influência da Tecnologia da Informação e Telecomunicação na Contabilidade - A Era do Contador Digital A influência da Tecnologia da Informação e Telecomunicação na Contabilidade - A Era do Contador Digital Núcleo Interdisciplinar de Estudos Independentes Brayan Christian B. de Oliveira Abril 2012 Introdução

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Conteúdo Gerenciais Direcionadores de Arquitetura de TI Tipologia dos sistemas da informação Prof. Ms. Maria C. Lage marialage.prof@gmail.com As preocupações corporativas Gerenciar Mudanças Crescimento

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS GESTÃO DE ESTOQUE Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Higino José Pereira Neto Graduando em Administração Faculdades Integradas de Três

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

Padronização de Fundo Fixo de Materiais para Parceiros do STC

Padronização de Fundo Fixo de Materiais para Parceiros do STC XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Padronização de Fundo Fixo de Materiais para Parceiros do STC André Luiz Mello de

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela

Leia mais

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 AS EMPRESAS Mapa Estratégico Menos níveis hierárquicos Foco no Cliente Novas Lideranças Gestão por processos O RH parceiro da estratégia Terceirizações Foco no core

Leia mais

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO 1 PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO Aline Silva SANTOS 1 RGM 088607 Andressa Faustino da SILVA¹ RGM 089712 Diego Dias dos SANTOS¹ RGM 087266 Tatiane Gomes dos SANTOS¹ RGM 089204 Viviane Regina

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais. Ano 6. Nº 1. Março 2016

PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais. Ano 6. Nº 1. Março 2016 PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais Ano 6. Nº 1. Março 2016 Recessão econômica impacta os investimentos O ano de 2015 foi marcado por incertezas econômicas e crise política que contribuíram

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO Douglas Lima 1 Lucas Rocco 2 Stefano Batista 3 Professor Orientador: André Rodrigues da Silva 4 Professor Orientador: Fábio Fernandes 5 Resumo A tendência

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial

Sistemas de Informação Gerencial Sistemas de Informação Gerencial Ao longo da historia da administração ocorreram muitas fases. Sendo que, seus princípios sempre foram semelhantes, mudando apenas o enfoque conforme a visão do pesquisador.

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR Andressa Silva Silvino 1 Jadson do Prado Rafalski 2 RESUMO O objetivo deste artigo é analisar

Leia mais

Otimizada para Crescimento:

Otimizada para Crescimento: Quinta Pesquisa Anual de Mudança na Cadeia de Suprimentos RESUMO REGIONAL: AMÉRICA LATINA Otimizada para Crescimento: Executivos de alta tecnologia se adaptam para se adequar às demandas mundiais INTRODUÇÃO

Leia mais

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO Jorge Luiz Maria Junior 1 Profa. MSc. Rosangela Kronig 2 Resumo Através dos sistemas de informação, as organizações mundiais buscam práticas

Leia mais

O ESTUDO DA LOGISTICA

O ESTUDO DA LOGISTICA O ESTUDO DA LOGISTICA GÓES DE SOUZA, Elvis. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elvis -goes@bol.com.br JOSÉ BARBOZA, Reginaldo. Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas

Leia mais

Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing

Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing Recursos Humanos cynaracarvalho@yahoo.com.br Conceitos A gestão

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO 1 A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 Cleidi Dinara Gregori 2 RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar a evolução do investimento externo direto, também conhecido

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

UMA SÍNTESE SOBRE A INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS E SEUS IMPACTOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS

UMA SÍNTESE SOBRE A INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS E SEUS IMPACTOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS http://www.administradores.com.br/artigos/ UMA SÍNTESE SOBRE A INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS E SEUS IMPACTOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Número 01/2008 Cenário Moveleiro Número 01/2008 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI

Leia mais

participação de mercado em território estrangeiro. No caso da Suzano, o produto exportado foi a celulose. Por ser commodity, não requer certo padrão

participação de mercado em território estrangeiro. No caso da Suzano, o produto exportado foi a celulose. Por ser commodity, não requer certo padrão 5 Conclusão A partir deste estudo, foi possível observar como as teorias de internacionalização puderam explicar diferentes aspectos da expansão para a China das empresas estudadas. A teoria Poder de Mercado

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

Diagnóstico da Indústria Catarinense Estratégia e Gestão Ambiental

Diagnóstico da Indústria Catarinense Estratégia e Gestão Ambiental Diagnóstico da Indústria Catarinense Estratégia e Gestão Ambiental Realização: Apoio: APRESENTAÇÃO Cada dia mais consciente quanto à função que desempenha na sociedade, a indústria catarinense avança rumo

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO. Time-based Competition. Silvana Tiburi Bettiol

COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO. Time-based Competition. Silvana Tiburi Bettiol COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO Time-based Competition Silvana Tiburi Bettiol Time is money Será? Ondas de Inovação de Processos Processo evolutivo adaptação da organização ao ambiente Ondas de Inovação de

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Logística

Tecnologia Aplicada à Logística Tecnologia Aplicada à Logística Movimentação e TI Alunos: Keriton Leandro Fernando TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Definição de Informação na Logística É um elemento de grande importância nas operações

Leia mais

Gestão dos Pequenos Negócios

Gestão dos Pequenos Negócios Gestão dos Pequenos Negócios x Rangel Miranda Gerente Regional do Sebrae Porto Velho, RO, 20 de outubro de 2015 A Conjuntura Atual Queda na produção industrial Desemprego Alta dos juros Restrição ao crédito

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Centro de Ciências Exatas e Sociais Aplicadas

Centro de Ciências Exatas e Sociais Aplicadas Plano de Ensino - 2010 Nome do centro: Centro de Ciências Exatas e Sociais Aplicadas 1. Identificação Nome do curso: Administração Nome e cód. Número de créditos: 04 Carga horária teórica: 52 h Carga horária

Leia mais

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil Geração distribuída e centralizada, leilões e incentivos fiscais contribuem para geração de energia solar

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010.

Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. O Global e o Contextualtual no Aprendizado Gerencial de Multinacionais Uma Perspectiva Brasileira Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. OBJETIVO

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

O ESTUDO DA FERRAMENTA ECR NA CADEIA DE SUPRIMENTOS

O ESTUDO DA FERRAMENTA ECR NA CADEIA DE SUPRIMENTOS O ESTUDO DA FERRAMENTA ECR NA CADEIA DE SUPRIMENTOS Felipe Devos Masson (Unifran ) felipemasson1@hotmail.com DIEGO FERNANDES SILVA (Unifran ) difersilva@yahoo.com.br Antonio Vieira Nunes (Unifran ) antoniovieiranunes1@hotmail.com

Leia mais

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Deputado Edson Ezequiel PMDB/RJ 19/05/2014 Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Venho a esta tribuna para falar de um assunto altamente preocupante para o nosso país. Trata-se do CUSTO BRASIL,

Leia mais

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC 1 Sumário Executivo 1 - A China em África 1.1 - Comércio China África 2 - A China em Angola 2.1 - Financiamentos 2.2 - Relações Comerciais 3 - Características

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e 7 Conclusão No mundo de negócios, as organizações constantemente buscam melhorias e aperfeiçoamento de suas gestões para sobreviver e crescer em face de um mercado competitivo. Nesse movimento, percebe-se

Leia mais

Sistemas de Informação Aula 2

Sistemas de Informação Aula 2 Sistemas de Informação Aula 2 Prof. M.Sc. Diego Fernandes Emiliano Silva diego.femiliano@gmail.com Leitura p/ aula 3 Sugestão: Para preparação anterior ler capítulo 3 do Laudon e Laudon Posterior a aula,

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Balanço de energia útil no Brasil Eficiência Energética no setor de transportes

Balanço de energia útil no Brasil Eficiência Energética no setor de transportes 13 1. INTRODUÇÃO Em estudo do Banco Mundial elaborado consta que, no Brasil, os custos logísticos representam, em média, 20% do valor do Produto Interno Bruto (PIB). Essa participação é uma das mais elevadas

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E CADEIA DE SUPRIMENTOS I Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Tomar contato com os tipos de informação relevantes na Cadeia de Suprimentos

Leia mais

0806evandro@gmail.com 2 Acadêmico do Curso de Administração do Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos. E-mail:

0806evandro@gmail.com 2 Acadêmico do Curso de Administração do Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos. E-mail: ANÁLISE AMBIENTAL DE UMA EMPRESA DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS Evandro Dallanora 1 Evandro Leão de Freitas 2 Luciana Perazzolo Cristofaria 3 Camila Coletto 4 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho trata de uma análise

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 198 Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Isailma da Silva Araújo; Luanna Nari Freitas de Lima; Juliana Ribeiro dos Reis; Robson

Leia mais

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR RESUMO Este artigo defende a idéia de que na nova economia as empresas precisam incorporar a experiência do cliente a seus

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ONDE HÁ CRISE HÁ OPORTUNIDADES ATUALMENTE EMPRESAS PASSAM POR DIFICULDADES EM GARANTIR O CRESCIMENTO QUANDO VOLTADO SOMENTE AO MERCADO INTERNO.

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL Hélio Batista da Silva Junior (1) ; Paulo Henrique Paulista (2) FEPI- Centro Universitário de Itajubá,

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Confiança do comércio paranaense volta a subir

Confiança do comércio paranaense volta a subir Pesquisa de Opinião do Empresário do www.fecomerciopr.com.br www.sebraepr.com.br COMÉRCIO Nº 25 ANO 11 MÊS JANEIRO / JUNHO 2014 Confiança do comércio paranaense volta a subir Apresentação 1º 2014 Confiança

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO. Quem nunca ouviu aquela velha frase O maior capital de nossa empresa é o capital

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO. Quem nunca ouviu aquela velha frase O maior capital de nossa empresa é o capital A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO humano. Quem nunca ouviu aquela velha frase O maior capital de nossa empresa é o capital Uma pesquisa realizada em 1997 nos Estados Unidos comprovou estatisticamente que essa

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Nota Técnica Número 03 fevereiro 2013

Nota Técnica Número 03 fevereiro 2013 SINDIFERN Nota Técnica Número 03 fevereiro 2013 Arrecadação de ICMS no Estado do Rio Grande do Norte: uma análise da evolução em anos recentes Introdução O presente estudo dedica-se a informação e análise

Leia mais

Prazo das concessões e a crise econômica

Prazo das concessões e a crise econômica Prazo das concessões e a crise econômica ABCE 25 de Setembro de 2012 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 3. O crescimento a médio prazo e a infraestrutura 2 Cenário internacional continua

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS RESUMO A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS Rafael Cacemiro de Moraes 1 Wdson de Oliveira 2 RESUMO Em virtude dos movimentos econômicos das décadas de 1990 e 2000 as empresas brasileiras necessitam

Leia mais

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal PrimeGlobal PGBR Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos Somos uma empresa de auditoria, consultoria e impostos, criada á partir da junção de importantes empresas nacionais,

Leia mais

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo.

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CCJE Departamento de Administração Prof. Marcos Paulo Valadares de Oliveira marcos.p.oliveira@ufes.br ADM 2179 - Administração de Materiais - Programa 1 Semestre

Leia mais

A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE

A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE Narjara Bárbara Xavier Silva 1 Patrícia Morais da Silva 2 RESUMO Este artigo é resultado parcial do Projeto de Extensão da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Leia mais

Investimento: a partir de R$ 179,00 mensais. MBA Executivo em Finanças Corporativas

Investimento: a partir de R$ 179,00 mensais. MBA Executivo em Finanças Corporativas Investimento: a partir de R$ 179,00 mensais Tempo de realização do MBA: 18 meses Investimento: R$179,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF) Ou Investimento: R$ 219,00 (acesso ao portal na internet,

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers A economista Fernanda de Negri discute os méritos e deficiências das políticas de inovação brasileiras. Fernanda De Negri é diretora de Estudos

Leia mais

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas : Avaliação do perfil de inovação de empresas Prof. Paulo Henrique S. Bermejo, Dr. Prof. André Luiz Zambalde, Dr. Adriano Olímpio Tonelli, MSc. Pamela A. Santos Priscila Rosa LabGTI Laboratório de Governança

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução Após décadas de incontáveis promessas sobre como aumentar à produtividade e qualidade de software,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÓS-INCUBAÇÃO DE EMPRESAS Conceituação e Estudos de Caso BRENO BASTOS MIGUEZ 15653 FERNANDA HELENA COSTA

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES 1 1. Conceito e caracterização CONTABILIDADE GERENCIAL A Contabilidade

Leia mais

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Ataíde Braga Introdução A aquisição de bens e serviços a serem utilizados na produção e na revenda de produtos

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO PIB PARANAENSE - 2009 A 2014

A EVOLUÇÃO DO PIB PARANAENSE - 2009 A 2014 A EVOLUÇÃO DO PIB PARANAENSE - 2009 A 2014 Marcelo Luis Montani marcelo.montani@hotmail.com Acadêmico do curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Mônica Antonowicz Muller monicamuller5@gmail.com Acadêmica

Leia mais

CONTABILIDADE RURAL: IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS PARA AS EMPRESAS RURAIS. Palavras-chave: Contabilidade rural, Empresas rurais, Gestão de custos.

CONTABILIDADE RURAL: IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS PARA AS EMPRESAS RURAIS. Palavras-chave: Contabilidade rural, Empresas rurais, Gestão de custos. CONTABILIDADE RURAL: IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS PARA AS EMPRESAS RURAIS Ana Paula Matte 1 ; Odir Luiz Fank 2 ; Adilson José Fabris 3 Palavras-chave: Contabilidade rural, Empresas rurais, Gestão de

Leia mais