Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas. Plano de Actividades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas. Plano de Actividades"

Transcrição

1 Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas Plano de Actividades

2 ÍNDICE Nota Introdutória 3 A Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas 4 Missão e Estratégia 4 Orgânica e Função 5 Objectivos 7 Recursos 9 Promoção do Livro 11 Apoio à Criação e Edição 13 Promoção da Leitura 15 Divulgação de Autores Portugueses no Estrangeiro 17 Rede Bibliográfica da Lusofonia 19 Centro de Documentação de Autores Portugueses 21 Rede Nacional de Bibliotecas Públicas 23 Câmaras Municipais 25 Rede do Conhecimento das Bibliotecas Públicas 27 Planeamento e Gestão 29 Planeamento 31 Recursos Humanos 33 Estratégia de Informação 35 Evolução do Sistema de Gestão da DSL e Site Institucional 37 Operacionalização e Adequação da Plataforma de Gestão de Conteúdos 39 Gestão de Contratos de Serviços de Manutenção, de Suporte e de Comunicações 41 Suporte à RCBP 43 Suporte Técnico aos Utilizadores 45 Gestão da Rede 47 Apoio Jurídico 49 Contabilidade 51 Economato, Património e Expediente 53 Biblioteca Pública de Évora 55 Biblioteca Pública de Évora 57 Modernização das infra-estruturas tecnológicas da BPE 59 Criação de Infra-estrutura para a biblioteca digital 61 2

3 NOTA INTRODUTÓRIA A Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas, organismo do Ministério da Cultura, foi criada pelo Decreto-Lei nº 92/2007, de 29 de Março, e pela Portaria nº 371/2007, de 30 de Março, com vista a assegurar a coordenação e a execução da política integrada do livro não escolar, das bibliotecas e da leitura. A sua cultura organizacional resulta de um caminho já longo, iniciado em 1980 com a criação do Instituto Português do Livro dependente da então Secretaria de Estado da Cultura. As atribuições do IPL começaram por se circunscrever às políticas de apoio à edição, de implantação do livro nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e de promoção do autor e da criação literária no estrangeiro. Mais tarde incluíram também a promoção da leitura, pelo que, em 1987, ano do lançamento do Programa da Rede de Bibliotecas Públicas, o IPL foi substituído pelo Instituto Português do Livro e da Leitura. A opção por uma política vertical em cada um dos sectores da cultura conduziu à fusão do Instituto Português do Livro e da Leitura com a Biblioteca Nacional, em Foi criado o Instituto da Biblioteca Nacional e do Livro para executar uma política que pretendia articular a componente patrimonial com a difusão do livro e com a leitura. Porém, a disparidade das respectivas metodologias não só inibia os resultados da fusão, mantendo-se distintas as duas organizações sob a mesma lei orgânica, como dificultava, quer a execução de uma política integrada do livro, desde o criador ao leitor na sua dupla natureza económica e cultural, quer a avaliação das bibliotecas públicas. De igual modo, a eficácia do Programa Nacional de Promoção da Leitura, entretanto criado, mantinha-se muito aquém do que seria necessário para melhorar os índices de leitura. Assim, para executar a política de cobertura nacional da rede de bibliotecas públicas, bem como para melhorar o apoio à criação e à edição e, ainda, intensificar a cooperação com os PALOP, foi criado, em 1997, o Instituto Português do Livro e das Bibliotecas, sob tutela do Ministério da Cultura. Com um importante conjunto de recursos humanos especializados na área do livro, da leitura e das bibliotecas, as competências do IPLB foram objecto de reconhecimento, tanto nacional, como internacional. Em 2007, no quadro do Programa de Reforma da Administração Central do Estado, é criada a Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas para suceder ao Instituto Português do Livro e das Bibliotecas, passando a integrar a Biblioteca Pública de Évora com todo o seu acervo bibliográfico e patrimonial. Um novo organismo vertical para o livro e para as bibliotecas não passará de ironia sem consequências, já que a Biblioteca Pública de Évora é um serviço dependente em trânsito de outro organismo, pretendendo-se a sua integração na Rede Nacional de Bibliotecas Públicas com a brevidade possível. De acordo com a política do XVII Governo Constitucional para a organização e funcionamento da administração directa do Estado, a Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas, de modo a racionalizar os seus recursos e a funcionar com mais eficácia, passou a fazer parte de uma estrutura hierárquica. 3

4 A DIRECÇÃO-GERAL DO LIVRO E DAS BIBLIOTECAS Missão e Estratégia No quadro dos objectivos do Programa do Governo e das orientações do Programa de Reforma da Administração Central do Estado (PRACE) para a modernização administrativa e para a melhoria da qualidade dos serviços públicos, o Decreto-Lei n.º 215/2006, de 27 de Outubro, aprova a lei orgânica do MC, definindo simultaneamente as orgânicas dos serviços que integram a nova estrutura da Administração Directa do Estado. A reestruturação do sector do livro e das bibliotecas concretiza-se na criação da Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas (DGLB). A Biblioteca Pública de Évora (BPE), até aqui um serviço dependente do Instituto dos Arquivos Nacionais/Torre do Tombo (TT), fica integrada na DGLB visando a sua futura descentralização e integração na Rede Nacional de Bibliotecas Públicas (RNBP). Nos termos do Artigo 2º, alínea 1, do Decreto-Lei nº 92/2007, de 29 de Março, a DGLB tem por missão assegurar a coordenação e a execução da política integrada do livro não escolar, das bibliotecas e da leitura. A coordenação da política executiva do livro não escolar, das bibliotecas e da leitura aconselha uma estratégia baseada na cooperação e na interacção com todos actores da cadeia de valor acrescentado do livro: i. promovendo a criação literária, nomeadamente através do apoio às entidades da sociedade civil que enquadram os criadores e outros agentes literários, e executando programas de apoio à edição de livros e revistas culturais, de molde a contribuir para a diversidade no domínio editorial; ii. iii. iv. diversificando e alargando as acções de promoção da leitura, com vista a elevar, em articulação com o Plano Nacional de Leitura (PNL) e com outras entidades públicas e privadas, os níveis de literacia dos portugueses; promovendo a divulgação do livro e do autor português no estrangeiro, através da participação e representação nos principais certames e organizações internacionais, do incremento das políticas de apoio à tradução e edição de obras de autores portugueses e da cooperação no sector do livro e da leitura com os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e em Timor-Lorosae, com vista a uma ampla circulação do livro português; prosseguindo o apoio à criação e instalação de serviços de bibliotecas municipais, no âmbito da RNBP; v. desenvolvendo conteúdos e serviços para as bibliotecas no Portal da Rede de Conhecimento das Bibliotecas Públicas (RCBP); vi. desenvolvendo conteúdos e serviços para o site da DGLB, destinados ao público, em geral. 4

5 Orgânica e Função A DGLB encontra-se organicamente estruturada na Direcção de Serviços do Livro (DSL), na Direcção de Serviços de Bibliotecas (DSB), na Biblioteca Pública de Évora (BPE) e na Divisão de Planeamento e Gestão (DPG), coordenadas pela Direcção. A DSL não tem subdivisões orgânicas. Competem-lhe as questões relativas ao apoio à edição de obras portuguesas, ao apoio à edição de obras do património literário português, ao apoio à divulgação de obras de autores portugueses no estrangeiro (através do apoio à tradução de obras portuguesas e à edição no Brasil, bem como à participação dos autores portugueses em eventos internacionais), à participação da DGLB em feiras internacionais, ao apoio a instituições culturais (financiamento de prémios e outras acções). Competem-lhe ainda as relações com organismos internacionais do sector e a cooperação com os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) na área do livro e das bibliotecas. São da sua competência as acções do programa de promoção da leitura nas bibliotecas públicas e outras iniciativas que contribuem para a criação de novos públicos leitores. À DSL, conjuntamente com a Direcção, tem cabido a representação da DGLB na estrutura coordenadora do Plano Nacional de Leitura (PNL). A DSB compreende a Divisão de Apoio à Instalação de Bibliotecas e a Divisão de Desenvolvimento de Serviços Bibliotecários. Acompanha técnica e financeiramente o desenvolvimento da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas no que respeita, quer à participação financeira nos projectos dos municípios para construção e instalação de bibliotecas, quer ao acompanhamento de actividades e serviços por estas postas em prática. Neste campo, salienta-se o projecto RCBP em cujo portal se faculta: a) informação especializada relativa às bibliotecas, estimulando o contacto entre as unidades da rede; b) serviços para as bibliotecas e público em geral (ex.: serviços de pesquisa bibliográfica). A DSB é ainda responsável pela promoção e realização de encontros de bibliotecários, no âmbito da relação com as organizações profissionais do sector ou com iniciativas externas em que é chamada a participar. A BPE, uma das mais antigas e mais ricas bibliotecas de Portugal, é, desde o dia 1 de Abril de 2007, um serviço dependente da DGLB. Compete-lhe assegurar a gestão, salvaguarda e divulgação do seu acervo bibliográfico e documental, bem como proporcionar o acesso público à informação e ao conhecimento, contribuindo para a qualificação da comunidade local. O seu espólio inclui 664 incunábulos e livros impressos do século XVI, para além de vários núcleos de documentos manuscritos, de cartografia, música impressa e de mais de títulos de publicações periódicas. A BPE é, desde 1931, beneficiária do depósito legal, ascendendo actualmente as suas colecções, a perto de um milhão de volumes. Presta serviços de referência, de informação e aconselhamento, de leitura presencial em três salas distintas (leitura geral, cimélios e hemeroteca), de reprodução de documentos em diversos formatos, de empréstimo domiciliário e de promoção e animação cultural. A procura dos serviços da BPE, que sofreu um declínio desde o início da década de 1990 até 2005, teve um incremento muito substancial desde então. 5

6 A DPG integra secções de pessoal, contabilidade, economato e património, expediente, e ainda de planeamento e gestão orçamental, tecnologias e gestão de informação, e de apoio jurídico. Se a gestão corrente dos recursos físicos e orçamentais deve ser transparente na organização, o mesmo não se poderá dizer da gestão da mudança, isto é, da gestão da informação e da gestão do recurso humano. Está em desenvolvimento um novo modelo de avaliação dos organismos, dos dirigentes e dos funcionários, baseado na definição de objectivos mensuráveis (SIADAP III). As consequências da aplicação deste modelo têm o mais vasto alcance, quer no enquadramento do recurso humano, quer na sua remuneração, pelo que a gestão tem de reformular inteiramente a estratégia de informação. Do mesmo passo, o ambiente actual de constrangimento orçamental não pode inibir, nem o aumento do número de funções do organismo, nem a sua diversificação, pelo que os métodos de trabalho baseados no espaço e no recurso físico têm de ser substituídos pelos métodos de trabalho baseados no recurso virtual. Ganhando-se em eficácia e eficiência, encurta-se a distância entre o planeamento e a gestão e prepara-se a organização para a mudança. Serviço e Beneficiários Desenhados para os leitores, em particular os nacionais, mas também para todos os agentes da cadeia do livro e da leitura, incluindo o autor, o editor, o livreiro, os municípios, os bibliotecários e os mediadores de leitura, a DGLB oferece: i. apoio à edição de obras de autores portugueses; ii. iii. iv. apoio a instituições culturais, com o intuito de estimular a criação literária (apoio a prémios) e de fomentar uma maior divulgação de obras dos autores portugueses; acções de promoção da leitura, nas bibliotecas públicas e em espaços não convencionais de leitura (hospitais, prisões), em articulação com o PNL e com outras entidades públicas e privadas; apoio ao desenvolvimento do sector do livro e da leitura nos PALOP e em Timor-Lorosae, integrando o sistema de cooperação português; v. promoção da divulgação de obras de autores portugueses no estrangeiro, através de programas de apoio à tradução no estrangeiro e à edição no Brasil; vi. vii. viii. ix. elaboração e actualização informação on-line de autores portugueses, de editores e de livrarias, dando-lhes especial tratamento em função das solicitações externas; acompanhamento técnico e apoio financeiro ao desenvolvimento da RNBP; disponibilização de serviços de carácter informativo e técnico para e sobre as bibliotecas da RNBP no portal da RCBP (http://www.rcbp.dglb.pt); organiza e disponibiliza à comunidade o acervo bibliográfico da BPE para consulta de informação. 6

7 Objectivos Alinhados com a missão da DGLB e com a legislação referente ao Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho da Administração Pública (SIADAP), Lei nº 66-B/2007, de 28 de Dezembro e Portaria nº 1633/2007, de 31 de Dezembro, inseridos na carta de missão e no Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR), os objectivos definidos pela DGLB são os seguintes: Objectivos Estratégicos OE 1 OE 2 OE 3 OE 4 OE 5 Promover a criação literária, nomeadamente através do apoio às entidades da sociedade civil que enquadram os criadores e outros agentes literários, e executar programas de apoio à edição de livros e revistas culturais, de molde a contribuir para a diversidade no domínio editorial. Diversificar e alargar as acções de promoção da leitura, com vista a elevar, em articulação com o Plano Nacional de Leitura, os níveis de literacia dos portugueses. Promover a divulgação do livro e do autor português no estrangeiro, através de: a) participação e representação nos principais certames e organizações internacionais e do incremento das políticas de apoio à tradução e edição de obras de autores portugueses; b) apoio ao desenvolvimento do sector do livro e da leitura nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e em Timor-Lorosae, integrando o sistema de cooperação português. Prosseguir o apoio à criação e instalação de bibliotecas municipais, no âmbito do Programa da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas Desenvolver conteúdos e serviços para as bibliotecas da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas, a disponibilizar no portal da Rede de Conhecimento das Bibliotecas Públicas. 7

8 8

9 Recursos HUMANO Orgânica TOTAL Dirigente Tec. Sup. Assistente Operacional Assistente Técnico Coordenador Técnico Direcção DS Livro DS Bibliotecas BP Évora DP Gestão TOTAL ORÇAMENTAL (1000 EUR) Orçamento TOTAL Pessoal Aprovis. Tecno. Livro Bib. BPE Funcionamento PIDDAC TOTAL TECNOLÓGICO Orgânica Servidor Posto Trabalho Portátil Impressora Scanners Equipamento Comunicações DGLB BPE TOTAL Nota: Equipamentos activos em uso corrente. 9

10 10

11 Ficha de Programa Designação Ano LIVRO 2009 Orgânica Direcção de Serviços do Livro Duração Início: Fim: Objectivos 1. Contribuir para o fomento da criação e da edição. 2. Desenvolver o Programa Nacional de Promoção da Leitura, com vista à criação de novos públicos leitores. 3. Promover a difusão dos autores portugueses e das respectivas obras no estrangeiro, com vista a uma crescente difusão e reconhecimento da literatura e dos autores portugueses junto dos públicos e dos mercados editoriais no estrangeiro. 4. Desenvolver acções em colaboração com organismos portugueses e africanos para a divulgação do livro português nos PALOP. 5. Produzir e disponibilizar ao público em geral informação sobre autores portugueses, prémios, editoras e livrarias. Recursos Humanos Dirigente Técnico Sup. Técnico Administrativo Outro TOTAL Orçamentais (EUR) Orçamento Funcionamento PIDDAC Receita Própria Outro TOTAL Pessoal ,73 0,00 0,00 0, ,73 Actividades , ,00 0,00 0, ,00 Materiais 20 computadores 7 impressoras Diversos materiais necessários ao desempenho da actividade 11

12 12

13 Ficha de Actividade Programa LIVRO 2009 Ano Designação Apoio à Criação e Edição Orgânica Direcção de Serviços do Livro Objectivos 1. Retomar os programas de apoio à edição de obras de ensaio e de revistas culturais, suspensos nos últimos dois anos. 2. Continuar a desenvolver o Programa de Apoio à Edição de Obras Clássicas da Literatura Portuguesa. 3. Apoiar instituições que promovem o livro e a leitura através de actividades e de prémios, renovando os protocolos existentes de forma a articular mais eficazmente os seus objectivos com os da DGLB. 4. Emitir, para os efeitos legalmente previstos, pareceres sobre o mérito cultural e o interesse público de entidades que promovem acções culturais na área do livro, com vista ao mecenato. 5. Manter actualizada e disponibilizar informação on-line sobre o sector livreiro, nomeadamente editoras e livrarias portuguesas. 6. Reembolso dos encargos relacionados com as despesas de transporte para as ilhas. Humanos Recursos Dirigente Técnico Sup. Técnico Administrativo Outro TOTAL *- partilhado 1* Materiais 7 computadores 2 impressoras (partilhadas) Outros materiais necessários ao bom exercício da função. 13

14 Acções a desenvolver Programa de Apoio à Edição de Obras de Ensaio Programa de Apoio à Edição de Revistas Culturais 1º 2º 3º 4º x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x Prémio Nacional de Ilustração x x x x x x x Programa Obras Clássicas da Literatura Portuguesa Apoio às Instituições e Prémios Emissão de pareceres no âmbito do mecenato cultural Análise de projectos e pedidos de apoio pontual 14

15 Ficha de Actividade Programa LIVRO 2009 Ano Designação Promoção da Leitura Orgânica Direcção de Serviços do Livro Objectivos 1. Desenvolver o Projecto Promoção da Leitura, criando mecanismos de expansão das várias actividades. 2. Manter a recolha de projectos de bibliotecas públicas no que se refere à promoção da leitura, com criação e manutenção de uma base de dados que permita aceder facilmente às informações necessárias. 3. Articular alguns projectos de âmbito nacional com o Plano Nacional de Leitura, com vista à criação de novas estratégias para alargamento dos públicos leitores. 4. Fomentar a leitura junto de públicos em situação de exclusão social ou afastados dos espaços convencionais de leitura (prisões, hospitais, IPSS, Centros de reabilitação). 5. Comemorar as principais efemérides ligadas ao livro, através da produção de materiais de sensibilização. Humanos Recursos Dirigente Técnico Sup. Técnico Administrativo Outro TOTAL * - partilhados. 1* Materiais 7 computadores 1 impressora Outros materiais necessários ao bom exercício da função. 15

16 Acções a desenvolver Programa de Acções de Promoção da Leitura Programa de Promoção da leitura em estabelecimentos prisionais Acompanhamento do Programa de leitura em hospitais pediátricos Continuação da concepção de materiais de apoio à leitura, sejam impressos ou a disponibilizar on-line Análise de projectos e pedidos de apoio pontual Comemoração dos Dias Mundiais ligados ao Livro Participação dos técnicos da Promoção da leitura em júris diversos Participação dos Técnicos da Promoção da leitura em encontros sobre promoção da leitura Manutenção de uma base de dados a partir da recolha dos projectos de promoção da leitura desenvolvidos por bibliotecas e sua actualização permanente. 1º 2º 3º 4º x x x x x x x x x x x x x 16

17 Ficha de Actividade Programa LIVRO 2009 Ano Designação Divulgação dos autores portugueses no estrangeiro Orgânica Direcção de Serviços do Livro Objectivos 1. Promover a difusão dos autores portugueses e das respectivas obras no estrangeiro, através de vários programas de apoio. 2. Promover a participação dos autores portugueses em feiras, festivais e outros certames internacionais. 3. Assegurar a presença da DGLB na Feira do Livro de Frankfurt. 4. Manter a parceria com organismos internacionais, com vista à divulgação da literatura portuguesa no estrangeiro. 5. Elaborar materiais de divulgação dos autores portugueses, com vista à sua distribuição nas feiras do livro. Recursos Humanos Dirigente Técnico Sup. Técnico Administrativo Outro TOTAL 1* * - partilhado Materiais 2 computadores 1 impressora Outros materiais necessários ao bom exercício da função. 17

18 Acções a desenvolver 1º 2º 3º 4º Programa de Apoio à Tradução Programa de Apoio à Edição no Brasil Programa de Apoio à edição de ilustradores portugueses Itinerância da exposição "Ilustração.pt" Apoio à deslocação de autores portugueses a Feiras, festivais e outros eventos no estrangeiro Parceria com o Literature Across Frontiers Parceria com a residência de escritores novaiorquina Ledig House Parceria com o Poetry International Web Parceria com o Pen World Voices Publicação da brochura Sights from the South x x x x x x Presença da DGLB na Feira do Livro de Frankfurt Análise de projectos e pedidos de apoio pontual x x x x 18

19 Ficha de Actividade Programa LIVRO 2009 Ano Designação Rede Bibliográfica da Lusofonia Orgânica Direcção de Serviços do Livro Objectivos 1. Acompanhar e ajustar o Projecto Rede Bibliográfica da Lusofonia às novas realidades de Portugal e dos PALOP, no domínio do livro e das bibliotecas nos Países de Língua Oficial Portuguesa. 2. Conceber e desenhar de novas áreas de programação para cumprimento de objectivos ainda não desenvolvidos do programa Rede Bibliográfica da Lusofonia, nomeadamente o desenvolvimento de um programa de bibliotecas públicas em Cabo Verde. 3. Reformular e actualizar a base de dados de livros disponíveis para as Feiras do Livro nos PALOP. 4. Coordenar e desenvolver a consultadoria da DGLB, no quadro dos Projectos de Desenvolvimento das Redes de Bibliotecas Públicas nos PALOP. Humanos Recursos Dirigente Técnico Sup. Técnico Administrativo Outro TOTAL * - partilhado 1* Materiais 3 computadores 1 impressora Outros materiais necessários ao bom exercício da função. 19

20 Acções a desenvolver Negociação com o IPAD dos financiamentos necessários à prossecução dos projectos anuais Acompanhamento dos projectos desenvolvidos palas autarquias portuguesas nos PALOP Reformulação e actualização da base de dados de edições disponíveis no mercado para as Feiras do Livro Coordenação com o IPAD da selecção, aquisição e envio dos livros para as Feiras do Livro nos PALOP Concepção e desenho, em articulação com os parceiros africanos, de novas áreas de programação 1º 2º 3º 4º x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x 20

21 Ficha de Actividade Programa LIVRO 2009 Ano Designação Centro de Documentação de Autores Portugueses Orgânica Direcção de Serviços do Livro Objectivos 1. Produzir conteúdos e manter actualizada a base de dados de autores portugueses. 2. Disponibilizar ao público em geral informação sobre autores portugueses. 3. Manter actualizada a base de dados de prémios literários, com vista à sua divulgação on-line. 4. Responder a solicitações externas sobre autores, prémios e edições portuguesas. Humanos Recursos Dirigente Técnico Sup. Técnico Administrativo Outro TOTAL * - partilhado 1* Materiais 1 computador 1 impressora Outros materiais necessários ao bom exercício da função. 21

22 Acções a desenvolver Produzir conteúdos sobre autores portugueses Pesquisar informação e manter actualizada a base de dados de prémios literários Pesquisar informação e manter actualizada a base de dados de autores portugueses Gestão dos conteúdos atrás referidos no novo site da DGLB Pesquisar informação para o desenvolvimento de uma base de dados sobre ilustradores portugueses, em articulação com o sector internacional e com o apoio à edição. 1º 2º 3º 4º x x x x x 22

23 Ficha de Programa Designação Ano Rede Nacional de Bibliotecas Públicas 2009 Orgânica Direcção de Serviços de Bibliotecas Divisão de Apoio à Instalação de Bibliotecas Divisão de Desenvolvimento de Serviços Bibliotecários Duração Início: Fim: Objectivos 1. Planear o desenvolvimento do Programa da RNBP e acompanhar a sua execução técnica e financeira apoiando a criação e instalação de bibliotecas municipais; 2. Desenvolver conteúdos e serviços, em particular, com recurso às tecnologias de informação e comunicação, para as bibliotecas da RNBP e cidadãos em geral; 3. Promover a cooperação e o trabalho em rede, entre bibliotecas; 4. Actualizar e disponibilizar informação relativa ao Programa. Recursos Humanos Dirigentes Técnicos Superiores Técnicos Profissionais Administrativos Outros TOTAL Orçamentais (EUR) Orçamento Funcionamento PIDDAC Receita Própria Outro TOTAL , ,00 0,00 0, ,59 Materiais 21 computadores 7 impressoras Diversos materiais necessários ao exercício da actividade 23

24 24

25 Ficha de Actividade Programa Rede Nacional de Bibliotecas Públicas Ano 2009 Designação Câmaras Municipais Orgânica Direcção de Serviços de Bibliotecas Divisão de Apoio à Instalação de Bibliotecas Objectivos 1. Acompanhamento técnico de Projectos apresentados pelas Autarquias no âmbito da instalação de Bibliotecas Municipais, pólos ou afins 2. Avaliação técnica desses mesmos projectos 3. Acompanhamento da realização material e financeira dos projectos que integram a Rede Nacional de Bibliotecas Públicas Recursos Humanos Dirigente Técnico Sup. Técnico Administrativo Outros TOTAL 2* 4* 1* * - funcionários partilhados Materiais Materiais diversos, necessários ao bom desempenho da função. 25

26 Acções a desenvolver 1º 2º 3º 4º Análise de projectos Realização de reuniões de apoio técnico Emissão de pareceres técnicos Deslocação às Bibliotecas quando tal se justifique Análise e validação de documentos de despesa Contabilização das despesas validadas Elaboração de propostas de transferência de meios financeiros para os municípios Elaboração de minutas de Contratosprograma e Adendas Actualização de Memorandos sobre as Bibliotecas da Rede Elaboração das propostas das verbas a inscrever em PIDDAC do ano seguinte Elaboração e actualização de documentação técnica de apoio à elaboração de projectos x x x x x x x 26

27 Ficha de Actividade Programa Rede Nacional de Bibliotecas Públicas Ano 2009 Designação Rede de Conhecimento das Bibliotecas Públicas (RCBP) Orgânica Direcção de Serviços de Bibliotecas Divisão de Desenvolvimento de Serviços Bibliotecários Objectivos 1. Desenvolvimento do portal da RCBP serviços de pesquisa bibliográfica; 2. Disponibilização de normas de tratamento técnico documental para as bibliotecas da RNBP. Recursos Humanos Dirigente Técnico Sup. Técnico Administrativo Outro TOTAL 2* 0 1* * - funcionários partilhados Materiais Materiais diversos, necessários ao bom desempenho da função. 27

28 Acções a desenvolver Desenvolvimento e manutenção do Catálogo Colectivo do Fundo Local das Bibliotecas da RNBP Desenvolvimento e manutenção do Repositório de Registos Bibliográficos Desenvolvimento e manutenção do serviço de pesquisa bibliográfica em servidor Z39.50 Contratação dos serviços e elaboração do documento Recomendações relativas à descrição bibliográfica nas bibliotecas da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas 1º 2º 3º 4º X X X X X X 28

29 Ficha de Programa Designação Ano Planeamento e Gestão 2009 Orgânica Divisão de Planeamento e Gestão Duração Início: Fim: Objectivos 1. Planeamento estratégico e planeamento operacional. 2. Gestão do recurso humano, planeamento da formação e apoio à avaliação. 3. Estratégia de informação e planeamento do hardware e do software. 4. Apoio jurídico. 5. Processamento da despesa e gestão orçamental. 6. Conservação e manutenção dos bens móveis e imóveis. 7. Gestão do aprovisionamento. Recursos Humanos Dirigente Técnico Sup. Técnico Administrativo Outro TOTAL Orçamentais (EUR) Orçamento Funcionamento PIDDAC Receita Própria Outro TOTAL , , ,00 0, ,14 Materiais Diversos materiais, necessários ao bom desempenho da função. 29

30 30

31 Ficha de Actividade Programa Planeamento e Gestão Ano 2009 Designação Planeamento Orgânica Direcção-Geral Divisão de Planeamento e Gestão Objectivos 1. Missão do organismo e definição de objectivos estratégicos e operacionais. Indicadores de desempenho. Elaboração do QUAR e seu acompanhamento. 2. Programação financeira e proposta do orçamento de investimento. 3. Acompanhamento da execução e elaboração do relatório de realização material e financeira. 4. Elaboração da proposta de orçamento de funcionamento e controlo da execução. 5. Recolha e tratamento técnico da informação de gestão e da informação estatística. 6. Preparação de candidaturas a financiamento externo. Recursos Humanos Dirigente Técnico Sup. Técnico Administrativo Outro TOTAL 3* 1* 0 3* 0 7 * - funcionários partilhados Materiais Diversos. 31

32 Acções a desenvolver 1º 2º 3º 4º Recolha e análise de informação com vista à elaboração do plano e relatório de actividades. Recolha e análise da informação com vista à elaboração do projecto de orçamento. Elaboração do projecto de orçamento de funcionamento. x x Acompanhar a execução do orçamento de funcionamento. Propor alterações (reduções/reforços) correctivas à execução do orçamento. Fazer a ligação entre a Biblioteca Pública de Évora e os serviços centrais da DGLB. Dar apoio técnico-administrativo às áreas de contabilidade, economato/património e pessoal. Elaborar relatórios, (diagnóstico e/ou prognóstico) como suporte do planeamento e definição de um quadro estratégico a definir para a DGLB 32

33 Ficha de Actividade Programa Planeamento e Gestão 2009 Ano Designação Recursos Humanos Orgânica Divisão de Planeamento e Gestão Objectivos 1. Execução dos procedimentos administrativos de selecção e recrutamento. 2. Manutenção do cadastro. Registo e controlo da assiduidade. 3. Elaboração dos mapas de processamento dos vencimentos, abonos, outras remunerações e descontos. 4. Elaboração do plano anual de formação, com base nas necessidades identificadas. 5. Elaboração do Balanço Social. 6. Avaliação do desempenho. Recursos Humanos Dirigente Técnico Sup. Técnico Administrativo Outro TOTAL 1* 3* 2 1* 7 * - funcionários partilhados Materiais 3 computadores 1 impressora 1 scanner 33

Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas. Relatório de Actividades

Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas. Relatório de Actividades Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas Relatório de Actividades 2008 1 ÍNDICE Nota Introdutória 3 A Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas 4 Missão e Estratégia 4 Orgânica e Função 5 Objectivos 7

Leia mais

Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas PLANO DE ACTIVIDADES

Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 ÍNDICE INTRODUÇÃO 4 DIRECÇÃO-GERAL DO LIVRO E DAS BIBLIOTECAS 5 Missão e Estratégia 5 5 Orgânica e Função 6 Recursos 7 Serviço e Beneficiários 7 Constrangimentos 8 Quadro Resumo

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. DESPACHO N.º07/2014 Data: 2014/02/11 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Os Estatutos

Leia mais

Regulamento de Competências de Subunidades Orgânicas

Regulamento de Competências de Subunidades Orgânicas Regulamento de Competências de Subunidades Orgânicas Dando sequência ao estabelecido no art.º 2.º do Regulamento da Estrutura Flexível dos serviços municipais e usando das competências conferidas pelos

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo n.º 11/01 de 9 de Março A actualização e capacitação técnico profissional dos trabalhadores do Ministério do Comércio e de particulares buscam o aperfeiçoamento

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE MAPA DE PESSOAL 2011 - (de acordo com a Orgânica aprovada em 30.11.2010)

COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE MAPA DE PESSOAL 2011 - (de acordo com a Orgânica aprovada em 30.11.2010) MAPA DE PESSOAL 20 - (de acordo com a Orgânica aprovada em 30..200) Atribuições/ Competências/Actividades Unidade Orgânica/Centros de Competência ou de Produtos/Área de Actividades Secretário Executivo

Leia mais

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Nos termos do disposto na alínea a) do artigo 7.º e no n.º 3 do artigo 10.º do Decretolei n.º 305/2009, de 23 de Outubro e dentro dos limites

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

1. São órgãos do Observatório das Ciências e das Tecnologias:

1. São órgãos do Observatório das Ciências e das Tecnologias: Decreto-Lei 186/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997. REVOGADO A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e da Tecnologia, aprovada pelo Decreto-Lei Nº 144/96, de 26 de Agosto, estabeleceu o quadro

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2013

PLANO DE ATIVIDADES 2013 PLANO DE ATIVIDADES 2013 1 2 ABREVIATURAS AP ADL ANTT CPF CRAV DSL DSAN DSIAE ANTT CPF ADPRT DSB DSPGI ADPRT DGLAB GEPAC IAN/TT OE MEF MIT PARAM PIDDAC PRACE QREN RODA SIADAP Administração Pública Arquivo

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - ADMINISTRAÇÃO/GESTÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2007

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2007 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2007 DIRECÇÃO-GERAL DO LIVRO E DAS BIBLIOTECAS ÍNDICE PÁG. NOTA INTRODUTÓRIA 2 BREVE ANÁLISE CONJUNTURAL 2 CONDICIONALISMOS DO DESENVOLVIMENTO DE ACTIVIDADES 2 RESUMO DA ESTRUTURA

Leia mais

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral MODELO A MAPA DE PESSOAL 05 (Estrutura de mapa de pessoal - artigo 5º LVCR) Atribuições/Competências/Atividades Unidade orgânica/áreas de atividades Inspetor- Geral Subinspetor- Geral Diretor de Serviços

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO GRUPO DE TRABALHO Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010 O Plano de Acção da Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal é um instrumento de trabalho ao nível da organização e

Leia mais

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3 2009 MAPA DE PESSOAL DA ANPC (Artigo 5º da Lei nº 2-A/2008, 27 Fevereiro) SEDE - Carnaxi Competências/Actividas Área formação académica e/ou - Presinte () - - Director Nacional () - 3 - Comandante Operacional

Leia mais

COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA

COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA Decreto-Lei n.º 64/97 de 26 de Março O Decreto-Lei nº 64/97, de 26 de Março, foi revogado pelo Decreto-Lei nº 96/2003, de 07 de Maio, que

Leia mais

[CONSTRUÇÃO DO QUAR] linhas de orientação

[CONSTRUÇÃO DO QUAR] linhas de orientação C C A S ConselhoCoordenador deavaliaçãodeserviços [CONSTRUÇÃODOQUAR] Não apresentam apenas um objectivo estratégico mas antes vários objectivos estratégicos, ou são tão vagos que não permitem conhecer

Leia mais

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Benguela, 22 e 23 de Maio Agenda Objetivos Gerais Objectivos Estratégicos Estrutura do Projecto Inciativas

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1 Breve caracterização da Direção-Geral das Artes... 3 1.2 Missão, Visão, Valores... 5 1.3 Identificação das Partes Interessadas... 5 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA 1 Boas Práticas DESMATERIALIZAÇÃO PROCESSOS NA JUSTIÇA Instituto de Gestão Financeira e Infra-Estruturas da Justiça, I.P. 2 Boas Práticas GRAÇA NAMORA Coordenadora Gabinete Sistemas de Informação 29.10.2010

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

Mapa de Pessoal CMP 2015. Unidades Orgânicas GABINETE DE APOIO À PRESIDENCIA

Mapa de Pessoal CMP 2015. Unidades Orgânicas GABINETE DE APOIO À PRESIDENCIA GABINETE DE APOIO À PRESIDENCIA Assistente Técnico Secretariado Administrativa 12.º ano de escolaridade 12.º ano de escolaridade complexidade, na área de secretariado, designadamente, gestão de agenda;

Leia mais

Alteração do Mapa de Pessoal CMP 2015. Unidades Orgânicas GABINETE DE APOIO À PRESIDÊNCIA

Alteração do Mapa de Pessoal CMP 2015. Unidades Orgânicas GABINETE DE APOIO À PRESIDÊNCIA GABINETE DE APOIO À PRESIDÊNCIA Secretariado 12.º ano de escolaridade Exerce funções de natureza executiva, de aplicação de métodos e processos, com base em diretivas definidas e instruções gerais, de

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Decreto-Lei 34/2012 Orgânica dos Serviços de Apoio dos Tribunais Os Serviços de Apoio dos Tribunais destinam-se a assegurar os serviços administrativos do Tribunal

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1 Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1. A Câmara Municipal de Almeida tem, nos termos da lei e dos estatutos, autonomia administrativa, financeira e

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Procedimentos de Aquisição de Bens e Serviços na AP

Procedimentos de Aquisição de Bens e Serviços na AP PROGRAMA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 3ª EDIÇÃO Procedimentos de Aquisição de Bens e Serviços na AP Cristino Sanches Praia 12 a 26 de Abril 2011-1- OBJECTIVOS 1 Conhecer o quadro legislativo

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Edição: 0.1 JUL/2013 Página 2 de 19 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Diário da República, 1.ª série N.º 118 20 de junho de 2012 3057 Designação dos cargos dirigentes ANEXO Mapa a que se refere o artigo 9.º Qualificação dos cargos dirigentes Grau Número de lugares Diretor

Leia mais

Arquivo Distrital da Guarda

Arquivo Distrital da Guarda P A lano de tividades 2013 2013 Arquivo Distrital da Guarda PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2013 2 de Julho de 2013 1 I- INTRODUÇÃO Caracterização do Serviço... 3 1. Caracterização orgânica e funcional...

Leia mais

MAPA DE PESSOAL (POSTOS DE TRABALHO)

MAPA DE PESSOAL (POSTOS DE TRABALHO) s CONSELHO DIRETIVO 1 1 2 Subtotal 1 1 0 0 0 0 0 0 0 2 Gestão Financeira, dos Recursos Humanos, da Documentação, do Património e da Informática e Comunicações DIRECÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

Leia mais

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas Psicologia organizacional A Psicologia Organizacional, inicialmente

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO (Nota: Esta Comunicação foi amputada, de forma Subtil, de cerca 700 caracteres por imposição da organização

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À TRADUÇÃO DE OBRAS DE AUTORES PORTUGUESES E DE AUTORES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À TRADUÇÃO DE OBRAS DE AUTORES PORTUGUESES E DE AUTORES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À TRADUÇÃO DE OBRAS DE AUTORES PORTUGUESES E DE AUTORES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Objecto 1 - O presente regulamento

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Novembro/2014 Índice INTRODUÇÃO... 3 Balanço da execução do plano... 4 Conclusão... 5 Recomendações... 8 REVISÃO DO

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS PROJECTO DE APOIO À GESTÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA (PAGEF) TERMOS DE REFERÊNCIA RESPONSÁVEL ADMINISTRATIVO

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Estatutos - Hospitais E.P.E.

Estatutos - Hospitais E.P.E. Estatutos - Hospitais E.P.E. ANEXO II ao Decreto-Lei n.º 233/05, de 29 de Dezembro ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Natureza e duração 1 - O hospital E. P. E. é uma pessoa colectiva de

Leia mais

Regulamento da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

Regulamento da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Regulamento da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra CAPÍTULO I Da natureza e missão da Faculdade de Medicina Artigo 1.º Natureza jurídica A Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

Leia mais

Modernização e Qualidade do Instituto Nacional de Segurança Social. Jesus Maiato Director Nacional de Segurança Social ENAD, 2 e 3 de Abril de 2014

Modernização e Qualidade do Instituto Nacional de Segurança Social. Jesus Maiato Director Nacional de Segurança Social ENAD, 2 e 3 de Abril de 2014 Modernização e Qualidade do Instituto Nacional de Segurança Social Jesus Maiato Director Nacional de Segurança Social ENAD, 2 e 3 de Abril de 2014 Estruturas Físicas Imagem TIT Serviços Gestão e Processos

Leia mais

Medidas intersectoriais 2010/11

Medidas intersectoriais 2010/11 Medidas intersectoriais 2010/11 IS01 BALCÃO DO EMPREENDEDOR DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇOS Objectivos: Inventariar, introduzir e manter permanentemente actualizados no Balcão do Empreendedor vários serviços,

Leia mais

MAPA DE PESSOAL 2009

MAPA DE PESSOAL 2009 MAPA DE PESSOAL 2009 Atribuições / Competências/Actividades Administração Competência para coordenar e viabilizar toda a actividade normal e funcional da LIPOR; Executar e velar pelo cumprimento das deliberações

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS Decreto executivo n.º 128/06 de 6 de Outubro Havendo a necessidade de se definir a estrutura e regulamentar o funcionamento dos órgãos da Casa da Juventude, ao abrigo

Leia mais

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização Ministério: Organismo: MISSÃO: Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral do Orçamento A Direcção-Geral do Orçamento (DGO) tem por missão superintender na elaboração e execução do

Leia mais

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 Para os efeitos estipulados no artigo 14.º do Decreto -Lei n.º 305/2009 de 23 de Outubro, torna público que, a Assembleia de Freguesia em reunião

Leia mais

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas Agenda 1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento 2. Estratégia para as Compras Públicas 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas 4. Desafios para 2009 2 Propósito Estratégico: Agência Nacional

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS DA DIRECÇÃO-GERAL DA POLÍTICA DE JUSTIÇA EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS DA DIRECÇÃO-GERAL DA POLÍTICA DE JUSTIÇA EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS DA DIRECÇÃO-GERAL DA POLÍTICA DE JUSTIÇA EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção aprovou uma

Leia mais

SIMPLEX AUTARQUICO DO VALE DO MINHO

SIMPLEX AUTARQUICO DO VALE DO MINHO SIMPLEX AUTARQUICO DO VALE DO MINHO 2009 2010 MEDIDAS INTERSECTORIAIS: LICENÇAS, AUTORIZAÇÕES PRÉVIAS E OUTROS CONDICIONAMENTOS ADMINISTR ATIVOS SIMILARES Identificar e inventariar todas as licenças, autorizações

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Decreto Lei n.º 18/99 de 12 de Novembro Considerando que o estatuto orgânico do Ministério da Indústria aprovado pelo Decreto Lei n.º 8/95, de 29 de Setembro, além de não se adequar,

Leia mais

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012 1º Trimestre 2012 Indicadores de Gestão Interna 0 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012 Enquadramento No presente documento apresentam-se os Indicadores de Gestão Interna da SPMS, EPE, relativos ao primeiro

Leia mais

AS TIC NA AP INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL 2004

AS TIC NA AP INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL 2004 Inquérito Estatístico registado sob o n.º 2027, válido até 31 de Dezembro de 2004 AS TIC NA AP INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL 2004

Leia mais

Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009

Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009 v.1.6. Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009 Versão reduzida Hugo Sousa Departamento de Tecnologias PESI 2009 Calendário de Projectos Calendário Direcção de projectos para 2009Projecto Licenciamento

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações [setembro de 2011] Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Diretor... 3 Professor bibliotecário...

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito Artigo 1 (Denominação e natureza jurídica) O Arquivo Histórico de Moçambique,

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES Preâmbulo Considerando a criação e o desenvolvimento de uma Rede de Bibliotecas Escolares, assumida como política articulada entre

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

Comissão Técnica do. Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado. Relatório Final V MICRO-ESTRUTURAS

Comissão Técnica do. Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado. Relatório Final V MICRO-ESTRUTURAS Comissão Técnica do Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado Relatório Final V MICRO-ESTRUTURAS 14 MCTES Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Julho/2006) V/14 Micro-Estruturas

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

Anexo ao Mapa de Pessoal 2010

Anexo ao Mapa de Pessoal 2010 Serviços Municipalizados de Peniche Anexo ao Mapa de Pessoal 2010 Conteúdos Funcionais Divisão Administrativa e Financeira Tesouraria Assistente Técnico Anexo ao Mapa de Pessoal 2010 Conteúdos Funcionais

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento 1. Apresentação do plano 2. Objectivos gerais 3. Orientações 4. Objectivos específicos 5. Actividades 6. Avaliação 1

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Resolução nº /2015 Havendo necessidade de aprovar o estatuto orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e

Leia mais

O acesso à plataforma FAMS, para inventariação e/ou atualização dos registos patrimoniais pode fazer-se:

O acesso à plataforma FAMS, para inventariação e/ou atualização dos registos patrimoniais pode fazer-se: Plataforma online com acesso permanente via Internet, sem necessidade de recurso a VPN e totalmente integrável no ERP da empresa. Permite, por introdução do nº de inventário (manual, leitura do código

Leia mais

para o Ministro da Ciência e da Tecnologia esteja prevista na lei. Decreto-Lei 188/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997

para o Ministro da Ciência e da Tecnologia esteja prevista na lei. Decreto-Lei 188/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997 Decreto-Lei 188/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997 A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e da Tecnologia, aprovada pelo Decreto-Lei Nº 144/96, de 26 de Agosto, estabeleceu o quadro orgânico

Leia mais

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 CAPÍTULO I 1 Artigo 1º (Objeto) O presente documento estabelece, sem prejuízo do disposto na legislação em vigor, os princípios, regras e procedimentos aplicáveis

Leia mais

Mapa de Pessoal - 2015 4.ª ALTERAÇÃO

Mapa de Pessoal - 2015 4.ª ALTERAÇÃO Mapa Pessoal - 05 atividas Definição da política da Universida. Governação e representação externa da Universida. Gestão corrente da Universida e das políticas finidas pela Equipa al; Coornação Serviços

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38 3. RECURSOS DISPONÍVEIS 3.1. RECURSOS HUMANOS À data de 31 de Dezembro de 2001, o Tribunal dispunha de 18 Magistrados, incluindo o Presidente (13 com formação base em Direito e 5 em Economia/ Finanças),

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS INSTITUTO DIPLOMÁTICO

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS INSTITUTO DIPLOMÁTICO VAGAS PARA ESTÁGIOS SERVIÇOS INTERNOS º SEMESTRE DE 04/05 SERVIÇO VAGAS PERFIL DO ESTAGIÁRIO Serviço do Protocolo de Estado Relações Vaga I-/s/45 Tradução Internacionais, Direito e/ou SAPE-DGA Serviço

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA-GERAL. Relatório de Actividades 2008

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA-GERAL. Relatório de Actividades 2008 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Relatório de Actividades 2008 Abril 2009 DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Relatório de Actividades 2008 Abril 2009 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Praça do Comércio 1149-019 Lisboa Homepage: http://www.sg.mj.pt

Leia mais

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º Natureza Os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa, adiante designados por SASULisboa, são uma pessoa coletiva de direito

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Iniciativa i MERCA Protocolo Iniciativa Merca Medida 3 Incentivos a projectos de PME integrados em Estratégias de Valorização Económica de Base Territorial Acções de Regeneração

Leia mais

PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO

PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO REGRESSO À CASA Concurso para a selecção da REDACÇÃO e CONSELHO EDITORIAL do JORNAL ARQUITECTOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO I. RESPOSTAS Formatos: os formatos previstos são a edição online, o fórum na internet,

Leia mais

Planeamento e gestão de recursos. Jornadas dos assistentes técnicos da saúde Porto 28.05.2011

Planeamento e gestão de recursos. Jornadas dos assistentes técnicos da saúde Porto 28.05.2011 Planeamento e gestão de recursos Jornadas dos assistentes técnicos da saúde Porto 28.05.2011 1 Componentes da Reforma da 2004 Administração Pública ADE LQIP EPD SIADAP 2007 PRACE SIADAP Revisão Estatuto

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/29/2010. 1. A entrada em vigor dos Estatutos do ISEP criou novas possibilidades para a organização interna da Escola;

DESPACHO ISEP/P/29/2010. 1. A entrada em vigor dos Estatutos do ISEP criou novas possibilidades para a organização interna da Escola; DESPACHO DESPACHO ISEP/P/29/2010 REGULAMENTO DE SERVIÇOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Considerando que: 1. A entrada em vigor dos Estatutos do ISEP criou novas possibilidades para a organização

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL POLÍTICAS IMPLEMENTADAS PELO INSS NA GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS E NAS CONDIÇÕES DE TRABALHO HUGO BRÁS Chefe de Departamento dos Recursos Humanos do INSS

Leia mais

DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO

DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO BIBLIOTECA Regulamento À Biblioteca do ISCTE compete facultar, nas melhores condições de utilização, os recursos bibliográficos e informativos necessários

Leia mais

Ministério da Juventude e Desportos

Ministério da Juventude e Desportos Ministério da Juventude e Desportos Decreto Lei nº 7/97 Aprova o estatuto orgânico do Ministério da Juventude e Desportos e revoga toda a legislação que contrarie o presente decreto lei. Tornando se necessário

Leia mais

ONLINE. www.leiriareg iaodig ital.p t. Serviços on-line para cidadãos e empresas. Nerlei

ONLINE. www.leiriareg iaodig ital.p t. Serviços on-line para cidadãos e empresas. Nerlei www.leiriareg iaodig ital.p t U M ONLINE COM A R E G I Ã O A VIDA Leiria Região Digital Serviços on-line para cidadãos e empresas Nerlei Sumário Parceiros do Leiria Região Digital (LRD) Zona de abrangência

Leia mais