FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO EDUARDO MENESCAL LUSTOSA LONGO PAIRS TRADING. Uma aplicação ao mercado acionário brasileiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO EDUARDO MENESCAL LUSTOSA LONGO PAIRS TRADING. Uma aplicação ao mercado acionário brasileiro"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO EDUARDO MENESCAL LUSTOSA LONGO PAIRS TRADING Uma aplicação ao mercado acionário brasileiro SÃO PAULO 2008

2 2 EDUARDO MENESCAL LUSTOSA LONGO PAIRS TRADING Uma aplicação ao mercado acionário brasileiro Dissertação apresentada à Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, como requisito para obtenção do título de Mestre em Finanças e Economia Empresarial, com especialização em Finanças. Campo de Conhecimento: Finanças Orientador: Prof. Dr. Pedro Luiz Valls Pereira SÃO PAULO 2008

3 3 Longo, Eduardo Menescal Lustosa. PAIRS TRADING: Uma aplicação ao mercado acionário brasileiro / Eduardo Menescal Lustosa Longo f. Orientador: Pedro Luis Valls Pereira. Dissertação (mestrado profissional) - Escola de Economia de São Paulo. 1. Ações (Finanças) - Preços - Brasil. 2. Bolsa de valores - Brasil. 3. Cointegração. 4. Operações com pares (Finanças). I. Pereira, Pedro Luis Valls. II. Dissertação (mestrado profissional) - Escola de Economia de São Paulo. III. Título. CDU (81)

4 4 EDUARDO MENESCAL LUSTOSA LONGO PAIRS TRADING Uma aplicação ao mercado acionário brasileiro Dissertação apresentada à Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, como requisito para obtenção do título de Mestre em Finanças e Economia Empresarial, com especialisação em Finanças. Campo de Conhecimento: Finanças Orientador: Prof. Dr. Pedro Luiz Valls Pereira Data de Aprovação: / / Banca Examinadora: Prof. Dr. Pedro Luiz Valls Pereira FGV-EESP Prof. Dr Paulo Picchetti FGV-EESP Prof. Dr Emerson Fernandes Marçal Universidade Mackenzie

5 5 AGRADECIMENTOS À Deus pela força e determinação que me foram dados durante esta Jornada. Ao Prof. Dr. Pedro Valls, orientador desta dissertação, por suas sugestões e idéias, pelas rápidas revisões e pela sua disponibilidade e paciência em me ajudar a concluir esta dissertação. Ao amigo Antonio Manuel e à Tabriza Brasil Empreendimentos, pelos incentivos pessoal e financeiro, os quais me ajudaram muito. Ao amigo Felipe Ceará e sua família, por terem sido inspiração para mim quando tive que escolher entre o caminho certo ou o fácil. Aos meus sogros Sandra e Omar, pela hospitalidade, gentileza e auxílio durante todos os momentos em que precisei. Ao meu cunhado Mat, por sempre que precisei, ter gentilmente cedido seu computador/quarto para que eu pudesse avançar com este trabalho. À minha filha querida Manu, pela compreensão da minha ausência em muitos momentos. Você é muito especial para mim. E... Especialmente à minha mulher e amiga Pati, pelo seu amor, compreensão e apoio incondicional nas horas difíceis. Te amo. SÃO PAULO 2008

6 6 RESUMO Neste trabalho, verificamos viabilidade de aplicação da estratégia de pairs trading no mercado acionário brasileiro. Diferentemente de outros estudos do mesmo tema, construímos ativos sintéticos a partir de uma combinação linear de preços de ações. Conforme Burgeois e Minko (2005), utilizamos a metodologia de Johansen para a formação dos pares a serem testados. Após a identificação de pares cointegrados, para assegurar a estacionaridade do ativo sintético contruído a partir da relação linear de preços das ações, utilizamos os testes DF-GLS e KPSS e filtramos àqueles que apresentavam raiz unitária em sua série de tempo. A seguir, simulamos a estratégia (backtesting) com os pares selecionados e para encontrar os melhores parâmetros, testamos diferentes períodos de formação dos pares, de operação e de parâmetros de entrada, saída e stop-loss. A fim de realizarmos os testes de forma mais realista possível, incluímos os custos de corretagem, de emolumentos e de aluguel, além de adicionar um lag de um dia para a realização das operações. Palavras Chave: Valor Relativo, Arbitragem, Reversão à Média, Cointegração, Simulação Histórica, Estacionaridade, Correlação, Análise Técnica.

7 7 ABSTRACT In this dissertation, we assess the application of pairs trading strategy in the Brazilian stock market. Differently from other papers about the same theme, we built synthetic asset from a linear relationship between stock prices. Accordingly to Burgeois and Minko (2005), we applied the Johansen methodology to identify stock pairs to be evaluated. After identifying cointegrated stock pairs, in order to filter out nonstationary synthetic assets, we did the DF-GLS and KPSS tests and removed those with unit root in the time series. Thereafter, we simulate the strategy (backtesting) in the selected pairs and in order to find the best results parameters, we optimized the results using different formation periods, trading periods and entry, exit and stop-loss parameters. To assure the most close to reality backtesting, we included in the results the brokerage, exchange and stock loan fees. In addition we added one day lag to trade after an order has triggered. Keywords: Pairs Trading, Long/Short, Market Neutral, Statistical Arbitrage (Stat Arb), Backtesting, Mean Reversion, Market Neutral, Technical Analysis.

8 8 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA DESCRIÇÃO DA BASE DE DADOS METODOLOGIA APLICADA PERÍODO DE FORMAÇÃO COINTEGRAÇÃO PERÍODO DE OPERAÇÃO RESULTADOS CONCLUSÃO...30 REFERÊNCIA...32 ANEXO A...32

9 9 1. INTRODUÇÃO Nos últimos anos, surgiram vários trabalhos de pesquisa com o intuito de investigar a previsibilidade dos retornos do mercado acionário, sendo que muitos deles afirmam que é possível prever de alguma forma o caminho futuro das ações com base na sua observação de retorno passado. O objetivo deste trabalho é investigar a viabilidade de uma estratégia de investimentos, chamada de pairs trading. A origem do pairs trading, ou trading de pares, tem sua origem em 1987, época em que um grupo de funcionários do banco Morgan Stanley, liderado por Nunzio Tartaglia, desenvolveu um modelo quantitativo de trading que envolvia a compra de uma ação e a venda simultânea de outra ação, quando a relação de preços entre as duas divergissem de um padrão histórico, na esperança que esta relacão de preços convergisse para sua média histórica (mean reversion). Jegadeesh e Titman (1993) afirman que os lucros esperados de uma estrátegia contrarian como a de pairs trading, são parcialmente devidos à reação exagerada dos agentes econômicos, frente a choques de notícias específicas de uma determinada empresa. A decisão de investimentos long/short pode ser baseada em dois tipos de estratégias distintas. A primeira, conhecida como arbitragem estatística (statistical arbitrage), estratégia que segundo Burgess (1999) pode ser entendida como a generalização da arbitragem sem risco. O objetivo da arbitragem tradicional ou sem risco é construir um portfolio de ativos auto-financiáveis, com custo inicial nulo, que possua fluxos de caixa simétricos de forma a se anularem completamente e que ainda seja possível obter um lucro sem risco oriundo da divergência de preços dos

10 10 ativos no curto prazo. A arbitragem estatística tem o mesmo princípio da arbitragem tradicional, porém os fluxos de caixa do portfolio de ativos não são exatamente iguais, mas asintóticamente, a variância dos retornos destes fluxos converge para zero com o passar do tempo. O outro tipo de estratégia envolvendo pairs trading, é derivada da análise fundamentalista (fundamental analysis) que não se preocupa com o preço das ações, mas sim com o fundamento econômico subjacente às empresas que listam suas ações na bolsa. Neste trabalho iremos adotar a abordagem de statistical arbitrage, a qual tem um grande apelo, uma vez que analisar os fundamentos de cada empresa individualmente necessitaria de uma estrutura muito cara e com um número elevado de pessoas. Faremos uma revisão bibliográfica de trabalhos sobre o assunto a fim de entendermos como está caminhando a pesquisa sobre o tema, a diversidade de metodologias e os resultados que vêm sendo obtidos. A seguir, descreveremos a base de dados a ser utilizada para a formação dos pares e backtesting. As séries utilizadas compreendem ações brasileiras e têm um período de 5,5 anos. A metodologia a ser utilizada será baseada no trabalho de Bourgeois e Minko (2005), o qual utiliza técnicas de cointegração para a criação de séries de ativos sintéticos que serão usados para definir os pares a serem operados e o momento de entrada e saída da operação. Os resultados das simulações serão apresentados na seção 5 e na última seção as conclusões são apresentadas.

11 11 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Kabashima (2005) buscou verificar a viabilidade da estratégia de pairs trading no mercado acionário brasileiro, no período de jan./2003 até jun./2005, utilizando somente técnicas estatísticas/econométricas, sem considerar o fundamento das empresas. A metodologia empregada foi parcialmente sugerida em Vidyamurthy (2004). O autor selecionou os 50 pares com a maior correlação entre as duas ações integrantes de cada par, em seguida, realizou o teste ADF para verificar a presença de raiz unitária nos resíduos da regressão linear entre os preços das ações. As regras entrada e saída, utilizadas para a simulação de trading, foram: a) entrada: quando o diferencial de preço divergir 0.75 desvios-padrão do equilíbrio de longo prazo e saída: quando o diferencial de preço convergir para a média de longo prazo. b) entrada: quando o diferencial de preço divergir 0.75 desvios-padrão do equilíbrio de longo prazo e saída: quando o diferencial de preço divergir para o outro extremo, ou seja, além de retornar a média de longo prazo, o diferencial de preço deve divergir mais 0.75 desvios-padrão. Foram encontrados resultados satisfatórios, com retorno médio de 2,09% por operação durante o semestre para o primeiro teste e retornos médios de 1,76% por operação no semestre para o segundo teste, já descontados os custos operacionais. Chicaroli (2007) verificou a viabilidade da estratégia de pairs trading no mercado acionário brasileiro no período de abr./1999 até 08/2007. O autor utilizou a metodologia de stepwise regression (regressão passo-a-passo) para a formação dos modelos de cada ação. Para selecionar os modelos com potencial de previsibilidade, foi utilizado o perfil de variância em conjunto com a simulação de Monte Carlo. O critério de seleção dos modelos foi selecionar somente àqueles que

12 12 demonstrassem um valor acima de 99% da distribuição da distância de Mahalanobis. Após a seleção dos modelos, o autor criou séries de ativos sintéticos a serem testadas pelas regras de trading sugeridas por Hsu e Kuan (2005) e Sullivan, Timmermann e White (1999). De posse dos 14 modelos selecionados, os testes de trading realizados demostraram retornos satisfatórios, mesmo após a inclusão de custos de transação. Gatev, et al (2006) estudaram a viabilidade da estratégia de pairs trading no mercado acionário americano, no período de 1962 até O autor selecionou para o estudo as ações de empresas que tiveram ao menos um negócio em todos os dias no período analisado. Em seguida construiu um índice de retorno total, incluindo reinvestimento dos dividendos, para cada ação do universo analisado. Para a seleção dos pares, os autores selecionaram aqueles que minimizavam o quadrado da distância entre as duas séries de retorno total. A seleção foi feita em janelas de 12 meses e as operações eram feitas nos 6 meses subsequentes. As operações eram realizadas quando os pares divergiam 2 desvios-padrão da média observada nos 12 meses de formação. Testaram-se dois grupos de pares, os top cinco e vinte com menor distância entre seus membros. As operações eram fechadas quando a relação de preços retornava a media ou no último dia dos seis meses em que os parâmetros eram válidos. Os resultados obtidos foram bastante satisfatórios, sendo que o portfolio composto pelos pares top 5 apresentar ou retorno médio mensal de 1.31% e o portfolio dos pares top 20 teve um retorno mensal de 1.44%. Perlin (2007) pesquisou o desempenho da estratégia de pairs trading no mercado acionário brasileiro no período de 2000 até Foram testadas no trabalho três frequências para os dados: diário, semanal e mensal. O autor utlizou como base de dados as 100 ações brasileiras com maior liquidez, porém utilizou um

13 13 filtro em que cada ação deveria ter apresentado preços de fechamento válidos em 98% das observações. Na frequência diária, encontrou-se 57 ações enquanto que para as frequências maiores, semanais e mensais, encontraram-se 92 e 100 ações, respectivamente. A metodologia utilizada foi a de menor distância medida pelo quadrado da diferença dos preços normalizados. O período utilizado para a formação dos pares foi de dois anos, sendo igual para as três freqüências de dados. Para a compra/venda de um par, a distância do par deveria cruzar acima de um determinado número de distância e para a reversão da operação, a distância do par deveria cruzar novamente abaixo. Perlin (2007) testou a estratégia utlizando diferentes condições de compra/venda, que variavam entre 1.50 e 3 desvios-padrão sendo que os parâmetros de 1.50 a 2 foram os que apresentaram melhores resultados. A frequencia de dados que apresentou um melhor desempenho foi a diária, o que é um resultado intuitivo, uma vez que operações desta natureza tem característica de curto prazo, ainda que os resultados semanais e mensais também tenham mostrado performance positiva.

14 14 3. DESCRIÇÃO DA BASE DE DADOS Os dados utlizados neste trabalho foram obtidos da base de dados do software de difusão de dados financeiros e notícias Bloomberg. Para o estudo, foram utilizados os preços de fechamento diários das ações. Embora os preços de fechamento sofram algumas distorções em função dos leilões de fechamento, este critério foi o escolhido porque atualmente os fundos de investimentos brasileiros são marcados a mercado por estes preços. O período compreendido pelo estudo vai de 02/01/2003 até 30/05/2008, sendo analisadas 1238 observações em frequencia diária. Os dados foram ajustados a fim de refletir os eventos corporativos ocorridos no período. Efeitos oriundos de eventos tais como: dividendos, desdobramentos, grupamentos e bonificações, foram retirados das séries de tempo. O banco de dados original continha 60 ações que representavam parcela significativa do volume negociado na BOVESPA. Porém o banco de dados continha ações que não apresentavam uma boa liquidez, o que poderia influenciar nos resultados deste trabalho e não refletir a realidade quando a estratégia fosse executada. Para eliminar os casos de baixa negociação, adotamos um filtro de liquidez para retirar da base de dados àquelas ações que não tivessem ao menos 98% dos dias observados ao menos um negócio realizado. A adoção deste filtro resultou em uma diminuição do número de ações a serem estudadas, de 60 para 55 ações. Nos dias que não houve ao menos uma negociação, preenchemos o dado faltante com a observação de fechamento mais recente (àquela imediatamente

15 15 anterior ao dia em questão). Poderíamos ter adotado um benchmark setorial para o preenchimento do dado faltante, porém muitos foram os casos em que uma só ação representava o seu setor de atuação, dificultando a adoção deste método. A base de dados compreende um período em que as o Índice Bovespa, que mede o desempenho das ações com os maiores volumes e capitalização do mercado, subiu de pontos para pontos, uma alta de 525% no período. O período analisado também contém dados de 3 crises bem definidas. A primeira teve início abri/2004 e se extendeu até a metade de maio/2004, período em que o Ibovespa caiu aproximadamente 17%, de até pontos. A segunda crise foi deflagrada em maio/2006 por denúncias que envolviam o então ministro da fazenda Antonio Palocci e terminou somente no final de julho/2006, sendo que o Ibovespa declinou de para pontos, uma queda de aproximadamente 21%. A terceira crise precipitada pela queda dos preços dos imóveis nos Estados Unidos, iniciou-se após o aumento do default em dívidas subprime no começo de A crise permanesse até a presente data, sem sabermos qual a extensão dos danos ocorridos e dos que poderão ainda ocorrer.

16 16 4. METODOLOGIA APLICADA A metodologia aplicada à estratégia de pairs trading é composta de dois estágios. No primeiro estágio, denominado período de formação, são feitos os testes para a formação dos pares a serem operados. De posse dos pares e dos parâmetros, passa-se ao segundo estágio, denominado período de testes. O estágio dois, denominado estágio de operação, é onde realizamos o backtesting da estratégia, utilizando diferentes parâmetros para identificar os melhores resultados. A separação, em dois estágios: formação e operação, é de fundamental importância para evitar o que é chamado de data mining, assegurando que os testes não foram feitos com a mesma amostra do período de formação. A Figura 1 ilustra como foram separadas as amostras e também os períodos de formação dos pares e o período de backtesting. Período Formação BackTesting 3 meses 6 meses 9 meses 12 meses 15 meses Período Formação BackTesting 3 meses 6 meses 9 meses 12 meses 15 meses Período Formação BackTesting 3 meses 6 meses 9 meses 12 meses 15 meses Período Formação BackTesting 3 meses 6 meses 9 meses 12 meses 15 meses Figura 1 Períodos de formação e backtesting

17 PERÍODO DE FORMAÇÃO No período de formação dos pares foi utilizado o filtro de liquidez para eliminar as possíveis ações sem negociação, que poderiam não refletir a realidade em um ambiente real de trading. Foram eliminadas da amostra ações que não apresentassem ao menos uma observação em 98% das observações durante o período analisado. Após a filtragem das ações, foram testadas as relações de cointegração, segundo o critério de Johansen, para todos os possíveis pares do universo de ações COINTEGRAÇÃO As séries financeiras são normalmente consideradas I(1), ou seja, elas têm raízes unitárias e não têm propriedades de reversão à média, podem ser caracterizadas por passeios aleatórios. No entanto, duas séries I(1) podem possuir uma relação de longo prazo cuja combinação linear entre elas é estacionária. A metodologia de Johansen busca identificar o número de relações de cointegração entre duas ou mais séries I(1) e se houver alguma, estimar quais os valores que formam esta relação de longo prazo. Para este trabalho, estamos interessados nos pares que apresentem exatamente uma relação de cointegração. Podemos estimar o número de relações de cointegração a partir do modelo VAR(p):

18 18 onde: = é o vetor de variáveis n x 1, onde as variáveis são I(1) Se as variáveis integrantes do vetor são cointegradas, então existe uma representação VECM (modelo de correção de erros vetoriais) que pode ser representado por: A matriz Onde: é uma matriz (n x r) que fornece os parâmetros de ajustamento é uma matriz (r x n) que fornece os vetores de cointegração n = número de variáveis I(1) r = posto da matriz da matriz Π que corresponde ao número de vetores de cointegração Uma das vantangens da metodologia de Johansen é que ela permite estimar o VECM de forma simultânea à estimação dos vetores de cointegração.

19 19 Escolhemos utilizar o modelo de cointegração sem intercepto e sem tendência, uma vez que não é possível sua operacionalização. O teste utilizado foi o de máximo autovalor e àqueles que apresentaram um vetor de cointegração somente, foram selecionados para a construção de ativos sintéticos. Os ativos sintéticos foram formados a partir da seguinte fórmula: onde: Após criarmos todas as séries de ativos sintéticos, realizamos os testes de raiz unitária DF-GLS e KPSS a fim de selecionarmos somente àqueles que apresentassem estacionaridade na série. Decidimos utilizar o teste DF-GLS por ser mais poderoso que o teste ADF (augmented Dickey-Fuller) e também por sua propriedade de não ser viesado assintóticamente. Como forma de confirmar os resultados obtidos no teste DF-GLS, utilizamos o teste KPSS que em sua hipótese nula pressupõe estacionariedade da série testada, ao contrário do DF-GLS que utliza em sua hipótese nula a presença de raiz unitária. Em ambos os testes,

20 20 filtramos os ativos sintéticos que não rejeitavam a hipótese de passeio aleatório I(1) ao nível de significância de 1%. Podemos observar na tabela 1 um exemplo dos testes realizados para a ilustração da metodologia. Os ativos sintéticos criados com os quatro primeiros pares, passaram pelos testes DF-GLS e KPSS ao nível de 1% de significância. Ativo1 Ativo2 Teste DF-GLS Teste KPSS PCAR4 VALE (**) NETC4 TMAR (**) CGAS5 VALE (**) TNLP3 TNLP (**) (*) BBDC4 CCRO (**) (**) BRKM5 VALE (*) SBSP3 UNIP (*) (*) GGBR4 VALE (*) VALE3 VALE (*) (**) (**) e (*) indicam significância a 1% e 5% respectivamente. Para o teste DF-GLS, os valores críticos são a 1% e a 5% e para o teste KPSS, os valores críticos são a 1% e a 5%. Tabela 1 Testes de raíz unitária DF-GLS e KPSS Os pares que passaram pelos testes, passaram ao estágio seguinte, período de operação, verificando-se os resultados simulados da estratégia de pair trading com os parâmetros estimados PERÍODO DE OPERAÇÃO O período de operação inicia-se imediatamente (no dia útil subsequente) ao término do período de formação e se extende até o final da janela de dados. No período de formação, extraímos de cada ativo sintético o seu valor médio e o desvio-padrão da série, os quais foram utilizados para construir as regras de operação.

21 21 As regras de operação obedeceram aos critérios de reversão à média, ou seja, quando o ativo sintético divergia um determinado número de desvios-padrão da sua média, poder-se-ia executar duas operações: a) uma venda (compra) do ativo1 e uma compra (venda) do ativo 2, no caso do coeficiente de cointegração dos ativos ser negativo ou b) uma venda (compra) do ativo1 e uma venda (compra) do ativo 2, no caso do coeficiente de cointegração dos ativos ser positivo. Se o preço do ativo sintético retornasse à sua média, a operação realizada era desfeita. Caso o preço do ativo sintético não retornasse à sua normalidade, a operação realizada era desfeita se o preço atingisse um número ainda maior de desvios-padrão além da média (stop-loss). Poderia existir um caso em que o ativo sintético não retornasse à normalidade e tampouco divergisse da média ao ponto de atingir o stop-loss. Para estes casos, foi utilizado um parâmetro de tempo de 100 dias (ad-hoc) para o encerramento das operações. Nos casos em que as operações realizadas atingiram o nível de stoploss, definimos que o preço do ativo sintético deveria voltar aos padrões normais para fazermos novas operações a fim de evitarmos operações sequenciais no mesmo sentido da que foi encerrada. O parâmetro escolhido de forma também adhoc, foi o de 1 desvio-padrão além da média. Com o objetivo de testar diversos parâmetros para a operação de pairs trading, testamos para a entrada na operação os parâmetros de 2 e 3 desvios padrão além da média. Para o encerramento das operações, ou seja, de retorno à normalidade, testamos os parâmetros de 0 e 1 desvios padrão além da média. Os parâmetros testados para o stop-loss foram 4 e 5 desvios-padrão além da média. Ao

22 22 todo, realizamos um total de 8 simulações para cada par em cada período de operação. As operações foram realizadas com uma defasagem temporal de um dia, uma vez que as regras de entrada e de saída eram determinadas pelo preço de fechamento. Cada operação aberta e fechada, gerou quatro operações sendo uma compra (venda) da ação 1 e venda (compra) da ação 2, incorrendo assim em custos operacionais altos. A cada operação realizada, seja na compra ou na venda, a Bolsa de Valores de São Paulo cobra uma taxa dita emolumentos de 0.035% do valor financeiro total negociado. Além deste custo cobrado pela bolsa, a corretora utilizada na operação cobra uma taxa de 0.50% sobre o valor financeiro, adicionado de R$ reais. Investidores institucionais, dado o grande volume financeiro, conseguem descontos significativos nestas taxas de corretagem, sendo assim consideramos para este trabalho uma taxa de corretagem total de 0.025% (95% de desconto), que é prática comum a estes investidores. Quando é realizada uma operação de venda a descoberto (short) é necessário o aluguel da ação em questão para a entrega ao comprador. O custo deste aluguel é válido até que o tomador devolva ao doador a ação alugada. Devido ao crescimento do interesse dos investidores de longo prazo para o aluguel de suas carteiras o custo efetivo médio do aluguel tem caido ano após ano. Neste trabalho, consideramos um custo efetivo médio anual de 4% a.a. para todas as ações aqui analisadas. A fim de realizarmos o backtesting o mais próximo da realidade, cada operação realizada, utilizou uma quantidade para o ativo 1 que fosse equivalente à R$ 100 mil reais, para o ativo 2 consideramos o coeficiente de cointegração para

23 23 encontrarmos a quantidade à ser operada. As quantidades foram arrendondadas para múltiplos de 100 ações conforme o lote-padrão negociado na Bovespa. O cálculo do retorno das operações de pairs trading não é trivial, uma vez que existe mais de um fluxo de caixa envolvido na operação. Hong e Susmel (2004) sugerem três metodologias para calcular o retorno obtido nas operações envolvendo pairs trading. A primeira é o retorno sobre o capital total utilizado, o qual é a soma do capital alocado para a compra do ativo 1 e o capital recebido pela venda do ativo 2. A segunda é o retorno sobre o capital efetivamente utilizado na operação, que é obtido pela diferença entre o capital alocado para a compra do ativo 1 e o capital recebido pela venda do ativo 2. A terceira alternativa sugerida é calcular o retorno sobre a margem financeira exigida para realizar a operação (considerando que a corretora que executa as ordens, poderia financiar as operações). Decidimos reportar os resultados das operações como um percentual relativo ao capital simulado alocado ao ativo 1 somado ao capital simulado alocado ao ativo 2. Escolhemos reportar os resultados por esta metodologia, por ser a mais conservadora das três opções.

24 24 5. RESULTADOS Para a estimação dos melhores parâmetros para a estratégia de pairs trading, realizamos backtests envolvendo diferentes parâmetros para o período de formação (pf) e para o período de operação (po). Os parâmetros utilizados foram pf:3m,po:3m ; pf:6m,po:6m ; pf:12m,po:3m ; pf:12m,po:6m ; pf:12m,po:12m ; pf:24m,po:3m ; pf:24m,po:6m ; pf:24m,po:24m. Os valores testados para o parâmetro de entrada na operação foram de 2 ou 3 desvios-padrão além da média (dpe:2 ou dpe:3), para o parâmetro de saída utilizamos os valores 0 ou 1 desvios-padrão além da média (dps:0 ou dps:1), e para o parâmetro de stop-loss testamos os valores de 4 ou 5 desvios-padrão além da média (stp:4 ou stp:5). A Tabela 2 apresenta os retornos médios por negócio realizado, obtidos através do backtesting das estratégias no período de operação.

25 Estratégia (meses) Entrada, Saída e Stop Loss (dpe, dps, stp) Formação Operação (2,0,4) (2,0,5) (2,1,4) (2,1,5) (3,0,4) (3,0,5) (3,1,4) (3,1,5) Média Desv.Pad # Oper , , , , , , , Média DesvioPadrão Tabela 2 - Tabela de retornos médios (%) dos grupos das estratégias

26 26 Apesar dos retornos médios terem sido positivos em sua maioria, um investidor não poderia programar esta estratégia sem antes verificar qual a variabilidade dos retornos durante o período testado. O gráfico 1 ilustra o retorno acumulado total ao final de cada período de testes da estratégia onde o período de formação dos pares é de 12 meses e o período de operação 3 meses, a entrada nas operações é de 2 desvios-padrão e a saída de 1 desvio-padrão, sendo o stop de 5 desvios-padrão. 100,000 80,000 60,000 40,000 20, , ,054 1,116 1,178 1,238-40,000-60,000-80, ,000 Gráfico 1 Retorno acumulado ao final de cada período. Estratégia pf:12m,po:3m (dpe:2,dps:1,stp:5) No gráfico 1 nota-se que apesar da estratégia ter apresentado um retorno acumulado total positivo ao final dos testes, a variabilidade dos retornos observada é bastante elevada. Neste exemplo, caso os testes terminassem 2 períodos antes, o retorno acumulado final teria sido negativo. Com o objetivo de identificarmos as estratégias que possuem o maior retorno médio por cada unidade de variabilidade (desvio-padrão), calculamos a

27 27 estatística t dos retornos médios de cada estratégia e os classficamos de forma descrescente na tabela 3. Períodos (meses) Parâmetros Retorno Médio Formação Operação Entrada Saída Stop p/ Periodo Desvio-Padrão Estatística T Tabela 3 Retornos médios, Variabilidade e Estatítica t.

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade;

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade; Modalidades Fora o clássico buy & hold, que é a compra e eventual construção de uma posição comprada no mercado acionário algumas outras modalidades são: Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas;

Leia mais

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de 30 3. Metodologia Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de dados utilizada, identificando a origem das fontes de informação, apresentando de forma detalhada as informações

Leia mais

Back-Test no MetaStock

Back-Test no MetaStock Back-Test no MetaStock Visão Geral Tela principal do System Tester O System Tester visa testar sistemas (trading systems) para determinar seu histórico de rentabilidade. Ele ajuda a responder a pergunta

Leia mais

Estratégias Operacionais no Mercado de Ações. Giácomo Diniz 01/10/2013

Estratégias Operacionais no Mercado de Ações. Giácomo Diniz 01/10/2013 Estratégias Operacionais no Mercado de Ações Giácomo Diniz 01/10/2013 Agenda 1) Aluguel de Ações 2) Estratégia ShortSelling 3) Estratégia Long &Short a) Spread b) Ratio c) Apuração de Resultado 4) ETF

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque São José dos Campos Novembro/2005 Relatório de estágio

Leia mais

Thiago Rezende Pinto. Aplicação de Modelos Não Lineares em Negociação Automática no Mercado Acionário Brasileiro DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Thiago Rezende Pinto. Aplicação de Modelos Não Lineares em Negociação Automática no Mercado Acionário Brasileiro DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Thiago Rezende Pinto Aplicação de Modelos Não Lineares em Negociação Automática no Mercado Acionário Brasileiro DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Programa de Pósgraduação em Engenharia

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa A definição do tipo de pesquisa é fundamental para a escolha da metodologia adequada, só assim será possível atingir os objetivos propostos. Esta pesquisa usará a classificação

Leia mais

2. Otimização de Portfolio

2. Otimização de Portfolio 2. Otimização de Portfolio 2.1. Análise de Média-Variância Portfolio (carteira, em português) é uma combinação de ativos, tais como investimentos, ações, obrigações, commodities, imóveis, entre outros.

Leia mais

BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.

BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A. BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 30 de

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

Pairs tranding de Ativos do IBOVESPA com Utilização da Cointegração

Pairs tranding de Ativos do IBOVESPA com Utilização da Cointegração UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CAPITAIS Marcelo Halmel Pairs tranding de Ativos do IBOVESPA

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS O que é? uma operação A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado,

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE AMCE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS www.amce.com.br PROJETOS ESPECIAIS FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE 13º EVENTO TEMA: Investimentos socialmente responsáveis:

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT

APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT SUMÁRIO 1. Histórico XP 2. Apresentação XPG 3. Organograma XPG 4. Equipe de Gestão Quant 5. XP Unique Quant. Metodologia de Análise. Conceitos Quantitativos. Estratégia. Exemplos

Leia mais

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor Novembro 2010 Sobre Insider Buying/Selling Uma das perguntas cuja resposta todo analista ou investidor de ações gostaria de ter se refere à opinião daquelas pessoas

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: Nº 18.048.590/0001-98 Informações referentes a setembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras

Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras III Fórum Baiano de Economia Aplicada 2014 Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras R. Ballini, Rodrigo L. F. Silveira, L. Maciel Instituto de Economia, Universidade

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES Pairs Trading Arbitragem Estatística entre dois ativos: uma investigação sobre o desempenho dos pares através da abordagem da cointegração no Brasil entre 2000 e 2011. JULIO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CÁSSIO ANDRADE XAVIER

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CÁSSIO ANDRADE XAVIER UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CÁSSIO ANDRADE XAVIER ESTRATÉGIA PAIRS TRADING APLICADA AO MERCADO BRASILEIRO DE AÇÕES Porto

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX BENCHMARK 100.00%CDI Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética dos Ativos em 30/04/2015 Financeiro % PL FUNDOS

Leia mais

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL 6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL Este capítulo procurará explicar os movimentos do investimento, tanto das contas nacionais quanto das empresas abertas com ações negociadas em bolsa através

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

Título do Trabalho: Vale a Pena Investir em Fundos no Brasil?

Título do Trabalho: Vale a Pena Investir em Fundos no Brasil? Área temática: Finanças Título do Trabalho: Vale a Pena Investir em Fundos no Brasil? AUTORES BRUNO BUSCARIOLLI PEREIRA Universidade de São Paulo brunoatusa@hotmail.com RICARDO BUSCARIOLLI PEREIRA Universidade

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA / ÁREAS ENVOLVIDAS:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política... 2

Leia mais

Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13

Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13 CARTEIRA COMENTÁRIO Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13 A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções

Leia mais

WebServices. Versão < 1.0 > < 22/07/2010 > AGO 1-11

WebServices. Versão < 1.0 > < 22/07/2010 > AGO 1-11 Magliano Versão < 1.0 > < 22/07/2010 > AGO 1-11 SUMÁRIO 1. WS_Magliano... 3 1.1. Acoes... 4 1.2. Cambio... 5 1.3. Indicadores... 6 1.4. Indices... 7 1.5. Moedas... 8 1.6. PesquisaCotacao... 9 1.7. Ticker...

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno dos Investimentos Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno Esperados Linha Característica Linha do Mercado de Títulos Linha de Combinação Realidade Brasileira genda Risco e Retorno

Leia mais

Terça-feira, 22 de Dezembro de 2015. Panorama do Mercado Análise Ibovespa. #IBOV Diário. #IBOV Semanal

Terça-feira, 22 de Dezembro de 2015. Panorama do Mercado Análise Ibovespa. #IBOV Diário. #IBOV Semanal Terça-feira, 22 de Dezembro de 2015 Panorama do Mercado Análise Ibovespa #IBOV Diário O índice continua em movimentação de baixa após perder 43.800 e segue com pressão vendedora até o próximo suporte importante

Leia mais

Contribuição AES BRASIL 1

Contribuição AES BRASIL 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL Nº 002/2014 Contribuição da AES Brasil à Audiência Pública ANEEL n⁰ 002/2014, a qual tem o objetivo obter subsídios para o aprimoramento da metodologia de cálculo de custo de capital

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI MM LP EQUITY HEDGE 09.241.809/0001-80 Informações referentes a Fevereiro de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI MM LP EQUITY HEDGE 09.241.809/0001-80 Informações referentes a Fevereiro de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO LONGO PRAZO EQUITY H. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

O efeito da rentabilidade...

O efeito da rentabilidade... O efeito da rentabilidade... A importância da variável taxa: R$ 500 reais mensais, por 25 anos 0,80% 1,17% 1,53% 1,88% 2,21% 10% 15% 20% 25% 30% 10% aa 15% aa 20% aa 25% aa 30% aa Ano 0 R$ 0 R$ 0 R$ 0

Leia mais

Alocação de Recursos em Sistemas de Integração Lavoura-Pecuária: uma abordagem da Teoria do Portfólio

Alocação de Recursos em Sistemas de Integração Lavoura-Pecuária: uma abordagem da Teoria do Portfólio Alocação de Recursos em Sistemas de Integração Lavoura-Pecuária: uma abordagem da Teoria do Portfólio FERNANDES, Kellen Cristina Campos 1 ; FIGUEIREDO, Reginaldo Santana 2 Escola de Agronomia e Engenharia

Leia mais

Martin Pontuschka. A Estratégia de Pares Aplicada a Dados de Alta Frequência no Mercado Acionário Brasileiro

Martin Pontuschka. A Estratégia de Pares Aplicada a Dados de Alta Frequência no Mercado Acionário Brasileiro Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Administração Departamento de Ciências Administrativas Martin Pontuschka A Estratégia de Pares Aplicada a Dados de Alta Frequência no Mercado Acionário

Leia mais

Aprenda a investir na Bolsa de Valores

Aprenda a investir na Bolsa de Valores Aprenda a investir na Bolsa de Valores Investimento: Curso completo: R$ 350,00 à vista ou parcelado em até 5x (c/ juros) Módulos 1 ao 5: R$ 199,00 à vista ou parcelado em até 5x (c/ juros) Módulos 6 ao

Leia mais

EXERCÍCIO: R: 12.000 / 12,00 = 1.000 quotas

EXERCÍCIO: R: 12.000 / 12,00 = 1.000 quotas 1- Um senhor resolveu investir num Fundo de investimento, informou-se sobre o valor da ação e entregou seu dinheiro sob responsabilidade da administração do fundo. Ele tinha R$ 12.000,00 e o valor da ação

Leia mais

A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11.

A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11. A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11. O Lucro Líquido do 1T09 (sem ajustes) apresentou queda de 1,4%

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012 Opportunity Equity Hedge FIC FIM Agosto de 2012 Resultado Ao longo do segundo trimestre de 2012, o Opportunity Equity Hedge alcançou uma rentabilidade de 5% depois de taxas, o que representa 239,6% do

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Finanças Pessoais e Mercado Financeiro 14º Encontro Informal - IBRI 11 de agosto de 2004. Mauricio Gallego Augusto Gestor de Renda Variável

Finanças Pessoais e Mercado Financeiro 14º Encontro Informal - IBRI 11 de agosto de 2004. Mauricio Gallego Augusto Gestor de Renda Variável Finanças Pessoais e Mercado Financeiro 14º Encontro Informal - IBRI 11 de agosto de 2004 Mauricio Gallego Augusto Gestor de Renda Variável 1 Objetivo Abordar assuntos que são focados pelos gurus das finanças

Leia mais

ESTATÍSTICA E MERCADO DE CAPITAIS: COMO OBTER INFORMAÇÕES FINANCEIRAS DE DADOS ESTATÍSTICOS

ESTATÍSTICA E MERCADO DE CAPITAIS: COMO OBTER INFORMAÇÕES FINANCEIRAS DE DADOS ESTATÍSTICOS ESTATÍSTICA E MERCADO DE CAPITAIS: COMO OBTER INFORMAÇÕES FINANCEIRAS DE DADOS ESTATÍSTICOS Elvis Magno da Silva, autor Vladas Urbanavicius Júnior, co-autor 1 FACESM/Gpde, Av. Presidente Tancredo de Almeida

Leia mais

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Ao comprar uma opção, o aplicador espera uma elevação do preço da ação, com a valorização do prêmio da opção. Veja o que você, como aplicador, pode fazer: Utilizar

Leia mais

Análise de causalidade dentro e entre os mercados BRIC e G8

Análise de causalidade dentro e entre os mercados BRIC e G8 Análise de causalidade dentro e entre os mercados BRIC e G8 Felipe Franco Mendes 1 Hiron Pereira Farias² 1 Introdução Em consequência da globalização financeira, inúmeras são as oportunidades de novos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA-CAEN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA-CAEN UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA-CAEN HELDER SOARES LOPES ANÁLISES DE MODELOS DE APREÇAMENTO PARA ÍNDICES SETORIAIS

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VITÓRIA RÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 05.384.841/0001-63. Informações referentes à MAIO de 2014

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VITÓRIA RÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 05.384.841/0001-63. Informações referentes à MAIO de 2014 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O Informações referentes à MAIO de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o VITÓRIA RÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. As informações

Leia mais

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1 Modelagem da Venda de Revistas Mônica Barros Julho de 1999 info@mbarros.com 1 Modelagem Matemática e Previsão de Negócios Em todas as empresas, grandes e pequenas, é necessário fazer projeções. Em muitos

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado O Gerenciamento de Risco de Mercado das Carteiras geridas pela Rio Verde Investimentos é efetuado pela Administradora dos Fundos, no caso BNY Mellon Serviços

Leia mais

ETF Exchange Traded Fund. Fevereiro 2015

ETF Exchange Traded Fund. Fevereiro 2015 ETF Exchange Traded Fund Fevereiro 2015 1 SUMÁRIO DESTAQUES INICIAIS VANTAGENS DO PRODUTO ESTATÍSTICAS MERCADO LOCAL ESTATÍSTICAS MERCADO INTERNACIONAL FUNCIONAMENTO DO PRODUTO ETF DE ÍNDICE ESTRANGEIRO

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO

FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO INFORMAÇÕES INICIAIS - Eduardo G. Quiza Skype: eduardoquiza quiza@invespark.com.br (41) 3250-8500 - Real Estate: Fundamentos para análise de Investimentos. Elsevier, 2010. 2 MBA

Leia mais

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Conforme aprovado pelo Conselho Deliberativo em reunião realizada em 4 de abril de 2011 a São Bernardo implementará em 1º de julho de 2011

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE I

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE I COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE I O que é o Índice de Sharpe? Como calcular o Índice de Sharpe? Revisão do conceito de risco. O desvio-padrão como medida de risco. Autor:

Leia mais

DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho

DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho RESUMO Este artigo relata uma pesquisa empírica de teste e quantificação

Leia mais

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros Sumário Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros ISEG Universidade Técnica de Lisboa 6 de Maio de 2005 Parte I Sumário Parte I: Arbitragem com Futuros Parte II: Especulação com Futuros

Leia mais

Iniciando. Bolsa de Valores. O que é uma ação?

Iniciando. Bolsa de Valores. O que é uma ação? O que é uma ação? Por definição é uma fração de uma empresa. Por isso, quem detém ações de uma companhia é dono de uma parte dela, ou melhor, é um dos seus sócios e por conseguinte passa a ganhar dinheiro

Leia mais

ETF s Ferramentas de Gestão. Luiz Felipe P. Andrade BLACKROCK - Maio de 2011

ETF s Ferramentas de Gestão. Luiz Felipe P. Andrade BLACKROCK - Maio de 2011 ETF s Ferramentas de Gestão Luiz Felipe P. Andrade BLACKROCK - Maio de 2011 Como funcionam os ETFs? ETFs são Fundos negociados em Bolsa que seguem índices de mercado Os ETFs ishares reúnem o melhor de

Leia mais

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03 FINANÇAS ANALISTA ÁREA 02 BACEN 2009 PROVA RESOLVIDA 38 Quando um investidor faz uma venda de um título a descoberto, isso significa que (A) comprou anteriormente a descoberto. (B) comprou e depois vendeu

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Base de dados

4 Metodologia. 4.1. Base de dados 4 Metodologia O objetivo deste capítulo é explicar os procedimentos adotados para a coleta e tratamento dos dados. Utilizou-se a metodologia apresentada por PEREIRO, L.E. (2001) para a determinação do

Leia mais

Manual de Risco Yield Capital

Manual de Risco Yield Capital Manual de Risco Yield Capital Introdução: O objetivo deste manual é apresentar a metodologia utilizada no sistema de risco da Yield Capital. Os fundos tem seu risco de mercado monitorado diariamente utilizando,

Leia mais

TRABALHO FINAL DA DISCIPLINA RISCO E ENGENHARIA FINANCEIRA. Prof: Emerson Marinho

TRABALHO FINAL DA DISCIPLINA RISCO E ENGENHARIA FINANCEIRA. Prof: Emerson Marinho TRABALHO FINAL DA DISCIPLINA RISCO E ENGENHARIA FINANCEIRA Prof: Emerson Marinho PREFÁCIO Este trabalho consiste em utilizar-se do software The Investment Portfolio como ferramenta de aplicação dos conceitos

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique.

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique. Prova Parcial Malvessi Questão 1 (15%) 1. A teoria moderna de administração financeira consagra 3 decisões estratégicas básicas para a tomada de decisão do administrador financeiro. Conceitue-as claramente.

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

Leilão do IRB: Considerações Econômicas

Leilão do IRB: Considerações Econômicas Leilão do IRB: Considerações Econômicas Francisco Galiza - Mestre em Economia (FGV) Março/2000 SUMÁRIO: I) Introdução II) Parâmetros Usados III) Estimativas IV) Conclusões 1 I) Introdução O objetivo deste

Leia mais

O CAPM e futuros de setores selecionados

O CAPM e futuros de setores selecionados Introdução O Modelo de Precificação de Ativos Financeiros (Capital Asset Pricing Model - CAPM) determina a taxa de retorno teórica que o investidor espera extrair do investimento em um ativo financeiro.

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1 CODIFICAÇÃO DAS SÉRIES A codificação utilizada no mercado de opções é composto de 5 letras (as 4 primeiras correspondem

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História do Milho - Os primeiros registros do cultivo datam de 7.300 anos - Origem Americana: litoral do México - Nome, de origem indígena, significa "sustento

Leia mais

Estudo sobre estratégia Long-Short entre VALE3 e VALE5, realizado em 07/02/2012

Estudo sobre estratégia Long-Short entre VALE3 e VALE5, realizado em 07/02/2012 Estudo sobre estratégia Long-Short entre VALE3 e VALE5, realizado em 7/2/212 por Luiz F. Rogé Ferreira - para o site InvestCerto. Objetivo: avaliar a possibilidade de fazer uma estratégia long-short, com

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Mercado Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Mercado do CRÉDIT AGRICOLE BRASIL e descreve as suas principais responsabilidades

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 9 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo II ) Revisão da tentativa 1 Iniciado

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

5 Ambiente Experimental

5 Ambiente Experimental 5 Ambiente Experimental Nesse capítulo serão apresentadas as principais informações sobre o ambiente usado nos experimentos. Além de explicar como foi construída a base de dados, também será detalhado

Leia mais

Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011

Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011 Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011 Cesar Soares Barbosa Diretor de Previdência É responsável também pela gestão dos recursos garantidores dos planos de benefícios administrados pela Sabesprev,

Leia mais

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 A História da BM&F Uma história de Sucesso criada em Junho de 1985. Constituída sob a forma de sociedade por ações. Desenvolver, organizar e operacionalizar

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Retorno e risco de carteiras de investimento

Retorno e risco de carteiras de investimento Retorno e risco de carteiras de investimento 1 OBJETIVOS DA UNIDADE DE ESTUDO Compreender o processo de avaliação do risco de uma carteira. Definir e mensurar a covariancia entre duas variáveis Definir

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CTM ESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 18.558.694/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CTM ESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 18.558.694/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O Informações referentes à setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CTM Estratégia FIA. As informações completas sobre esse

Leia mais

FolhaInvest Manual Carteira

FolhaInvest Manual Carteira FolhaInvest Manual Carteira Carteira é onde estão consolidadas as informações sobre suas ações e seu capital. A partir de atalhos, você poderá comprar, clicando na letra C, ou vender, clicando na letra

Leia mais

Efeitos de mudanças de ratings soberanos de países emergentes sobre o mercado acionário brasileiro

Efeitos de mudanças de ratings soberanos de países emergentes sobre o mercado acionário brasileiro Rafael Mendes Souza Tavares Efeitos de mudanças de ratings soberanos de países emergentes sobre o mercado acionário brasileiro Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para

Leia mais

Uma Análise da Eficiência dos Mercados Futuros Agrícolas Brasileiros

Uma Análise da Eficiência dos Mercados Futuros Agrícolas Brasileiros 1 Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Programa de Pós-graduação em Administração Uma Análise da Eficiência dos Mercados Futuros Agrícolas Brasileiros Carlos Flávio Pedroza

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO. EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende.

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO. EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende. INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende. Mercado de Renda Variável, os preços estão em constante oscilação. Pela sua liquidez não existe pechincha. A importância

Leia mais

1. PÚBLICO-ALVO: O fundo é destinado a investidores em geral que pretendam buscar investimentos com rentabilidade superior ao CDI.

1. PÚBLICO-ALVO: O fundo é destinado a investidores em geral que pretendam buscar investimentos com rentabilidade superior ao CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS HEDGE CLASSIQUE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO LONGO PRAZO CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais