Alocação de casas. para cada i, permutação i de todas as casas. n agentes, cada um com uma única casa. Teoria dos Jogos p. 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alocação de casas. para cada i, permutação i de todas as casas. n agentes, cada um com uma única casa. Teoria dos Jogos p. 1"

Transcrição

1 Alocação de casas n agentes, cada um com uma única casa para cada i, permutação i de todas as casas Teoria dos Jogos p. 1

2 Alocação de casas n agentes, cada um com uma única casa para cada i, permutação i de todas as casas Hipótese: Qualquer alocação que deixa o agente com uma mesma casa é equivalente. Teoria dos Jogos p. 1

3 Alocação de casas n agentes, cada um com uma única casa para cada i, permutação i de todas as casas Hipótese: Qualquer alocação que deixa o agente com uma mesma casa é equivalente. A: conjunto de todas as alocações Para S [n], seja A(S) = {z A : z i S, i S}. A(S): alocações onde agentes de S trocam casas entre si. Teoria dos Jogos p. 1

4 Alocação de casas n agentes, cada um com uma única casa para cada i, permutação i de todas as casas Hipótese: Qualquer alocação que deixa o agente com uma mesma casa é equivalente. A: conjunto de todas as alocações Para S [n], seja A(S) = {z A : z i S, i S}. A(S): alocações onde agentes de S trocam casas entre si. Coalisão bloqueadora: S tq existe z A(S) com z i i a i ou z i = a i para todo i S e z j j a j para pelo menos um j S. Teoria dos Jogos p. 1

5 Alocação de casas n agentes, cada um com uma única casa para cada i, permutação i de todas as casas Hipótese: Qualquer alocação que deixa o agente com uma mesma casa é equivalente. A: conjunto de todas as alocações Para S [n], seja A(S) = {z A : z i S, i S}. A(S): alocações onde agentes de S trocam casas entre si. Coalisão bloqueadora: S tq existe z A(S) com z i i a i ou z i = a i para todo i S e z j j a j para pelo menos um j S. Core: conjunto de alocações sem coalisão bloqueadora. Teoria dos Jogos p. 1

6 Aula passada Coalisão bloqueadora: S tq existe z A(S) com z i i a i ou z i = a i para todo i S e z j j a j para pelo menos um j S. Core: conjunto de alocações sem coalisão bloqueadora. Teoria dos Jogos p. 2

7 Aula passada Coalisão bloqueadora: S tq existe z A(S) com z i i a i ou z i = a i para todo i S e z j j a j para pelo menos um j S. Core: conjunto de alocações sem coalisão bloqueadora. Algoritmo TTC (top trading cycle) Teoria dos Jogos p. 2

8 Aula passada Coalisão bloqueadora: S tq existe z A(S) com z i i a i ou z i = a i para todo i S e z j j a j para pelo menos um j S. Core: conjunto de alocações sem coalisão bloqueadora. Algoritmo TTC (top trading cycle) Teorema: A alocação produzida pelo algoritmo TTC é a única do core. Teoria dos Jogos p. 2

9 Aula passada Coalisão bloqueadora: S tq existe z A(S) com z i i a i ou z i = a i para todo i S e z j j a j para pelo menos um j S. Core: conjunto de alocações sem coalisão bloqueadora. Algoritmo TTC (top trading cycle) Teorema: A alocação produzida pelo algoritmo TTC é a única do core. Teorema: O mecanismo TTC é à prova de estratégia. Teoria dos Jogos p. 2

10 Definição alternativa Coalisão bloqueadora estrita: S tq existe z A(S) com z i i a i para todo i S. Teoria dos Jogos p. 3

11 Definição alternativa Coalisão bloqueadora estrita: S tq existe z A(S) com z i i a i para todo i S. Core ampliado: conjunto de alocações sem coalisão bloqueadora estrita. Teoria dos Jogos p. 3

12 Definição alternativa Coalisão bloqueadora estrita: S tq existe z A(S) com z i i a i para todo i S. Core ampliado: conjunto de alocações sem coalisão bloqueadora estrita. Por que ampliado? Porque toda coalisão bloqueadora estrita é bloqueadora, ou seja, toda alocação do core é do core ampliado, em particular a do algoritmo TTC. Teoria dos Jogos p. 3

13 Definição alternativa Coalisão bloqueadora estrita: S tq existe z A(S) com z i i a i para todo i S. Core ampliado: conjunto de alocações sem coalisão bloqueadora estrita. Por que ampliado? Porque toda coalisão bloqueadora estrita é bloqueadora, ou seja, toda alocação do core é do core ampliado, em particular a do algoritmo TTC. O core ampliado pode ter mais alocações: n = 3 e para π 1 = (2, 3, 1), π 2 = (1, 3, 2), e π 1 = (1, 2, 3), a alocação do TTC é a = (2, 1, 3) e a alocação a = (2, 3, 1) não tem coalisões bloqueadoras estritas. Teoria dos Jogos p. 3

14 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Teoria dos Jogos p. 4

15 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Teoria dos Jogos p. 4

16 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Do livro: Se as preferências são estritas, toda coalisão bloqueadora fraca minimal é bloqueadora. Teoria dos Jogos p. 4

17 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Do livro: Se as preferências são estritas, toda coalisão bloqueadora fraca minimal é bloqueadora. Falso! No exemplo dado, S = {1, 2} é uma coalisão bloqueadora fraca para a, mas não há coalisão bloqueadora neste caso. Teoria dos Jogos p. 4

18 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Do livro: Se as preferências são estritas, toda coalisão bloqueadora fraca minimal é bloqueadora. Falso! Do livro: Se as preferências são estritas, então o core e o core estrito coincidem. Teoria dos Jogos p. 4

19 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Do livro: Se as preferências são estritas, toda coalisão bloqueadora fraca minimal é bloqueadora. Falso! Do livro: Se as preferências são estritas, então o core e o core estrito coincidem. Falso! Teoria dos Jogos p. 4

20 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Do livro: Se as preferências são estritas, toda coalisão bloqueadora fraca minimal é bloqueadora. Falso! Do livro: Se as preferências são estritas, então o core e o core estrito coincidem. Falso! Do livro: Para preferências não estritas, há exemplos com core estrito vazio? Teoria dos Jogos p. 4

21 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Teoria dos Jogos p. 5

22 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Do livro: Para preferências não estritas, há exemplos com core estrito vazio? Teoria dos Jogos p. 5

23 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Do livro: Para preferências não estritas, há exemplos com core estrito vazio? Exemplo: π 1 = π 2 = (3, 4, 1, 2) π 3 = π 4 = (1/2, 3, 4) Teoria dos Jogos p. 5

24 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Do livro: Para preferências não estritas, há exemplos com core estrito vazio? Exemplo: π 1 = π 2 = (3, 4, 1, 2) π 3 = π 4 = (1/2, 3, 4) Para a = (3, 4, 1, 2), tome S = {2, 3}. Para a = (4, 3, 1, 2), tome S = {1, 3}. Para a = (3, 4, 2, 1), tome S = {2, 3}. Para a = (3, 4, 2, 1), tome S = {1, 3}. Teoria dos Jogos p. 5

25 Casamentos estáveis Atribuição de estudantes à universidades, médicos a programas de residências. Teoria dos Jogos p. 6

26 Casamentos estáveis Atribuição de estudantes à universidades, médicos a programas de residências. H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Teoria dos Jogos p. 6

27 Casamentos estáveis Atribuição de estudantes à universidades, médicos a programas de residências. H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Cada homem tem ordem estrita de preferência sobre M. Teoria dos Jogos p. 6

28 Casamentos estáveis Atribuição de estudantes à universidades, médicos a programas de residências. H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Cada homem tem ordem estrita de preferência sobre M. Adicione homem/mulher fictício para representar a possibilidade de ficar solteiro. Assim H = M. Teoria dos Jogos p. 6

29 Casamentos estáveis Atribuição de estudantes à universidades, médicos a programas de residências. H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Cada homem tem ordem estrita de preferência sobre M. Adicione homem/mulher fictício para representar a possibilidade de ficar solteiro. Assim H = M. Emparelhamento de H em M: alocação de homens a mulheres. Teoria dos Jogos p. 6

30 Casamentos estáveis H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Teoria dos Jogos p. 7

31 Casamentos estáveis H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Cada homem tem ordem estrita de preferência sobre M. Teoria dos Jogos p. 7

32 Casamentos estáveis H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Cada homem tem ordem estrita de preferência sobre M. Emparelhamento de H em M: alocação de homens a mulheres. Teoria dos Jogos p. 7

33 Casamentos estáveis H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Cada homem tem ordem estrita de preferência sobre M. Emparelhamento de H em M: alocação de homens a mulheres. Um emparelhamento é instável se existem homens h e h e mulheres m e m tq m é emparelhada com h, m com h, mas m h m e h m h. Teoria dos Jogos p. 7

34 Casamentos estáveis H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Cada homem tem ordem estrita de preferência sobre M. Emparelhamento de H em M: alocação de homens a mulheres. Um emparelhamento é instável se existem homens h e h e mulheres m e m tq m é emparelhada com h, m com h, mas m h m e h m h. Neste caso, h e m preferiam se casar um com o outro. Teoria dos Jogos p. 7

35 Casamentos estáveis H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Cada homem tem ordem estrita de preferência sobre M. Emparelhamento de H em M: alocação de homens a mulheres. Um emparelhamento é instável se existem homens h e h e mulheres m e m tq m é emparelhada com h, m com h, mas m h m e h m h. Neste caso, h e m preferiam se casar um com o outro. O par (h,m ) é um par bloqueador, e emparelhamento é estável se não tem par bloqueador. Teoria dos Jogos p. 7

36 Casamentos estáveis: exemplo Ordens de preferências para n = 3: Teoria dos Jogos p. 8

37 Casamentos estáveis: exemplo Ordens de preferências para n = 3: h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 Teoria dos Jogos p. 8

38 Casamentos estáveis: exemplo Ordens de preferências para n = 3: h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 O emparelhamento {(h 1,m 1 ), (h 2,m 2 ), (h 3,m 3 )} é instável, pois (h 1,m 2 ) é um par bloqueador. Teoria dos Jogos p. 8

39 Casamentos estáveis: exemplo Ordens de preferências para n = 3: h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 O emparelhamento {(h 1,m 1 ), (h 2,m 2 ), (h 3,m 3 )} é instável, pois (h 1,m 2 ) é um par bloqueador. Já o emparelhamento {(h 1,m 1 ), (h 2,m 3 ), (h 3,m 2 )} é estável. Teoria dos Jogos p. 9

40 Casamentos estáveis: exemplo Ordens de preferências para n = 3: h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 O emparelhamento {(h 1,m 1 ), (h 2,m 2 ), (h 3,m 3 )} é instável, pois (h 1,m 2 ) é um par bloqueador. Já o emparelhamento {(h 1,m 1 ), (h 2,m 3 ), (h 3,m 2 )} é estável. Dada as listas de preferências de todos, existe emparelhamento estável? Como encontrá-lo, se existe? Teoria dos Jogos p. 9

41 Algoritmo da aceitação postergada Versão com proposta masculina: Teoria dos Jogos p. 10

42 Algoritmo da aceitação postergada Versão com proposta masculina: Cada homem propõe à primeira mulher de sua lista. Teoria dos Jogos p. 10

43 Algoritmo da aceitação postergada Versão com proposta masculina: Cada homem propõe à primeira mulher de sua lista. Cada mulher que recebeu mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Para esse, posterga a sua resposta. Teoria dos Jogos p. 10

44 Algoritmo da aceitação postergada Versão com proposta masculina: Cada homem propõe à primeira mulher de sua lista. Cada mulher que recebeu mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Para esse, posterga a sua resposta. Nova rodada: Cada homem que teve sua proposta recusada propõe à próxima mulher de sua lista. Teoria dos Jogos p. 10

45 Algoritmo da aceitação postergada Versão com proposta masculina: Cada homem propõe à primeira mulher de sua lista. Cada mulher que recebeu mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Para esse, posterga a sua resposta. Nova rodada: Cada homem que teve sua proposta recusada propõe à próxima mulher de sua lista. Cada mulher com mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Eventualmente recusa proposta recebida em rodada anterior. Teoria dos Jogos p. 10

46 Algoritmo com proposta masculina Cada homem propõe à primeira mulher de sua lista. Cada mulher que recebeu mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Para esse, posterga a sua resposta. Cada homem que teve sua proposta recusada propõe à próxima mulher de sua lista. Cada mulher com mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Teoria dos Jogos p. 11

47 Algoritmo com proposta masculina Cada homem propõe à primeira mulher de sua lista. Cada mulher que recebeu mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Para esse, posterga a sua resposta. Cada homem que teve sua proposta recusada propõe à próxima mulher de sua lista. Cada mulher com mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Repete esse processo, sempre progredindo nas listas dos homens. Teoria dos Jogos p. 11

48 Algoritmo com proposta masculina Cada homem propõe à primeira mulher de sua lista. Cada mulher que recebeu mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Para esse, posterga a sua resposta. Cada homem que teve sua proposta recusada propõe à próxima mulher de sua lista. Cada mulher com mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Repete esse processo, sempre progredindo nas listas dos homens. O processo então termina (não mais que n 2 rodadas). Teoria dos Jogos p. 11

49 Algoritmo no exemplo h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 Teoria dos Jogos p. 12

50 Algoritmo no exemplo h 1 propõe para m 2 h 2 propõe para m 1 h 3 propõe para m 1 h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 Teoria dos Jogos p. 12

51 Algoritmo no exemplo h 1 propõe para m 2 h 2 propõe para m 1 h 3 propõe para m 1 h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 m 1 rejeita a proposta de h 2. Teoria dos Jogos p. 12

52 Algoritmo no exemplo h 1 propõe para m 2 h 2 propõe para m 1 h 3 propõe para m 1 h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 m 1 rejeita a proposta de h 2. h 2 propõe para m 3, e o algoritmo termina. Teoria dos Jogos p. 13

53 Algoritmo no exemplo h 1 propõe para m 2 h 2 propõe para m 1 h 3 propõe para m 1 h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 m 1 rejeita a proposta de h 2. h 2 propõe para m 3, e o algoritmo termina. Emparelhamento produzido: {(h 1,m 2 ), (h 2,m 3 ), (h 3,m 1 )} Teoria dos Jogos p. 13

54 Algoritmo no exemplo h 1 propõe para m 2 h 2 propõe para m 1 h 3 propõe para m 1 h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 m 1 rejeita a proposta de h 2. h 2 propõe para m 3, e o algoritmo termina. Emparelhamento produzido: {(h 1,m 2 ), (h 2,m 3 ), (h 3,m 1 )} Note que tal emparelhamento é estável! Teoria dos Jogos p. 13

55 Estabilidade do emparelhamento Teorema: O emparelhamento produzido pelo algoritmo da aceitação postergada é estável. Prova feita na aula. Teoria dos Jogos p. 14

56 Estabilidade do emparelhamento Teorema: O emparelhamento produzido pelo algoritmo da aceitação postergada é estável. Prova feita na aula. No exemplo, aplicando a versão da proposta feminina, obtemos o emparelhamento {(h 1,m 1 ), (h 2,m 3 ), (h 3,m 2 )}. h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 Teoria dos Jogos p. 14

57 Estabilidade do emparelhamento Teorema: O emparelhamento produzido pelo algoritmo da aceitação postergada é estável. Prova feita na aula. No exemplo, aplicando a versão da proposta feminina, obtemos o emparelhamento {(h 1,m 1 ), (h 2,m 3 ), (h 3,m 2 )}. h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 Diferente do obtido pela proposta masculina! Teoria dos Jogos p. 14

58 Estabilidade do emparelhamento Teorema: O emparelhamento produzido pelo algoritmo da aceitação postergada é estável. Prova feita na aula. No exemplo, aplicando a versão da proposta feminina, obtemos o emparelhamento {(h 1,m 1 ), (h 2,m 3 ), (h 3,m 2 )}. h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 Diferente do obtido pela proposta masculina! Há alguma diferença significativa entre estes emparelhamentos? Teoria dos Jogos p. 14

59 Emparelhamentos ótimos Teorema: O emparelhamento produzido pelo algoritmo da aceitação postergada é estável. Emparelhamento ν é ótimo-masculino se não há emparelhamento estável µ tq µ(h) h ν(h) ou µ(h) = ν(h) para todo h em H e µ(j) j ν(j) para algum j em H. Teoria dos Jogos p. 15

60 Emparelhamentos ótimos Teorema: O emparelhamento produzido pelo algoritmo da aceitação postergada é estável. Emparelhamento ν é ótimo-masculino se não há emparelhamento estável µ tq µ(h) h ν(h) ou µ(h) = ν(h) para todo h em H e µ(j) j ν(j) para algum j em H. Definição de emparelhamento ótimo-feminino é análoga. Teoria dos Jogos p. 15

61 Emparelhamentos ótimos Teorema: O emparelhamento produzido pelo algoritmo da aceitação postergada é estável. Emparelhamento ν é ótimo-masculino se não há emparelhamento estável µ tq µ(h) h ν(h) ou µ(h) = ν(h) para todo h em H e µ(j) j ν(j) para algum j em H. Definição de emparelhamento ótimo-feminino é análoga. Teorema: O algoritmo da aceitação postergada com proposta masculina (feminina) produz um escalonamento ótimo-masculino (ótimo-feminino). Teoria dos Jogos p. 15

62 Emparelhamentos ótimos Teorema: O emparelhamento produzido pelo algoritmo da aceitação postergada é estável. Emparelhamento ν é ótimo-masculino se não há emparelhamento estável µ tq µ(h) h ν(h) ou µ(h) = ν(h) para todo h em H e µ(j) j ν(j) para algum j em H. Definição de emparelhamento ótimo-feminino é análoga. Teorema: O algoritmo da aceitação postergada com proposta masculina (feminina) produz um escalonamento ótimo-masculino (ótimo-feminino). Prova feita na aula. Teoria dos Jogos p. 15

63 Prova de estratégia Emparelhamento ν é ótimo-masculino se não há emparelhamento estável µ tq µ(h) h ν(h) ou µ(h) = ν(h) para todo h em H e µ(j) j ν(j) para algum j em H. Definição de emparelhamento ótimo-feminino é análoga. Teorema: O algoritmo da aceitação postergada com proposta masculina (feminina) produz um escalonamento ótimo-masculino (ótimo-feminino). Teoria dos Jogos p. 16

64 Prova de estratégia Emparelhamento ν é ótimo-masculino se não há emparelhamento estável µ tq µ(h) h ν(h) ou µ(h) = ν(h) para todo h em H e µ(j) j ν(j) para algum j em H. Definição de emparelhamento ótimo-feminino é análoga. Teorema: O algoritmo da aceitação postergada com proposta masculina (feminina) produz um escalonamento ótimo-masculino (ótimo-feminino). Teorema: O algoritmo da aceitação postergada com proposta masculina (feminina) é um mecanismo à prova de estratégia para os homens (mulheres). Teoria dos Jogos p. 16

65 Prova de estratégia Emparelhamento ν é ótimo-masculino se não há emparelhamento estável µ tq µ(h) h ν(h) ou µ(h) = ν(h) para todo h em H e µ(j) j ν(j) para algum j em H. Definição de emparelhamento ótimo-feminino é análoga. Teorema: O algoritmo da aceitação postergada com proposta masculina (feminina) produz um escalonamento ótimo-masculino (ótimo-feminino). Teorema: O algoritmo da aceitação postergada com proposta masculina (feminina) é um mecanismo à prova de estratégia para os homens (mulheres). Prova feita na aula. Teoria dos Jogos p. 16

The Stable Matching Problem

The Stable Matching Problem The Stable Matching Problem Aluno: José Eliton Albuquerque Filho Orientador: Thomas Lewiner Introdução O problema do emparelhamento estável ( Stable Matching Problem ), apresentado por David Gale e L.S.Shapley

Leia mais

Uso de não determinismo. Exemplo

Uso de não determinismo. Exemplo Uso de não determinismo Exemplo Problema dos casamentos estáveis Existe um conjunto de N homens e um conjunto de N mulheres que querem casar. Cada homem tem associada uma lista com todas as mulheres por

Leia mais

iq2 - Análise de uma tabela cruzada simples

iq2 - Análise de uma tabela cruzada simples Pré-requisitos: Lista de variáveis Dados na base da pesquisa iq2 - Análise de uma tabela cruzada simples A análise de um cruzamento simples (isto é, envolvendo duas variáveis fechadas, onde há escolha

Leia mais

Mercados de Emparelhamento

Mercados de Emparelhamento Mercados de Emparelhamento Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Aula Passada 1. Definições: grafos bipartidos e emparelhamentos perfeitos 2. Mercados com opções binárias (aceita ou não) Extensão

Leia mais

Relações entre Variáveis Nominais: O Teste do Qui-Quadrado (χ 2 )

Relações entre Variáveis Nominais: O Teste do Qui-Quadrado (χ 2 ) Relações entre Variáveis Nominais: O Teste do Qui-Quadrado (χ ) Quando queremos medir a relação entre duas variáveis nominais, por exemplo, o sexo de uma pessoa (masculino/feminino) e a sua preferência

Leia mais

FORMULÁRIO VISTO CANADENSE

FORMULÁRIO VISTO CANADENSE FORMULÁRIO VISTO CANADENSE TIPO DE VISTO REQUERIDO Múltiplas Entradas Trânsito Sobrenome (Igual ao impresso no passaporte) DADOS PESSOAIS Primeiro Nome e Nomes do Meio: Sexo: Masculino Feminino Data de

Leia mais

Mercados de Publicidade

Mercados de Publicidade Mercados de Publicidade em Busca Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti O Princípio da VCG para um Mercado de Emparelhamento Geral Vamos generalizar o exemplo para obtermos um método genérico

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE ENDEREÇO/ CONTATOS

INFORMAÇÕES SOBRE ENDEREÇO/ CONTATOS Rascunho do formulário modelo DS 160 para pedido de visto de entrada nos EUA: as informações abaixo descritas serão transferidas para o sistema de informações dos EUA e são de responsabilidade do requerente

Leia mais

[ \ x Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \.

[ \ x Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \. &DStWXOR±6LVWHPDVGH(TXDo}HV/LQHDUHV1 &DStWXOR±6LVWHPDVGH(TXDo}HV/LQHDUHV Å 1Ro}HV *HUDLV Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \. [\ [\ É fácil verificar

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA VISTO CANADENSE. 3. Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino DADOS PESSOAIS

QUESTIONÁRIO PARA VISTO CANADENSE. 3. Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino DADOS PESSOAIS QUESTIONÁRIO PARA VISTO CANADENSE * Após o preenchimento favor enviar por E-mail: tânia@alfainter.com.br ou kazue@alfainter.com.br, ou FAX.: (11) 2187-8999 / ou pelo Correio para providenciarmos o preenchimento

Leia mais

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48 Conteúdo 1 Princípios de Contagem e Enumeração Computacional Permutações com Repetições Combinações com Repetições O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos > Princípios de Contagem e Enumeração

Leia mais

Contagem (2) Anjolina Grisi de Oliveira. 2007.1 / CIn-UFPE. Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco

Contagem (2) Anjolina Grisi de Oliveira. 2007.1 / CIn-UFPE. Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco 1 / 24 Contagem (2) Anjolina Grisi de Oliveira Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco 2007.1 / CIn-UFPE 2 / 24 O princípio da multiplicação de outra forma O princípio da multiplicação

Leia mais

Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres. Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015

Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres. Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015 Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015 Disciplinas FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Horários Quarta-feira Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade

Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 1Q-2015 1 Custo de um algoritmo e funções de complexidade

Leia mais

Norma sobre Concessão de Bolsas e Acompanhamento de Desempenho Acadêmico

Norma sobre Concessão de Bolsas e Acompanhamento de Desempenho Acadêmico Norma sobre Concessão de Bolsas e Acompanhamento de Desempenho Acadêmico Artigo 1º - As quotas de bolsas do, destinadas aos alunos regulares de tempo integral, serão distribuídas pela Comissão de Distribuição

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS

ALGORITMOS GENÉTICOS ALGORITMOS GENÉTICOS INTRODUÇÃO São métodos adaptativos que podem ser usados para resolver problemas de busca e otimização. Na natureza a combinação de boas características provenientes de diferentes indivíduos

Leia mais

PESQUISA SOBRE A MULHER NA COMUNICAÇÃO CORPORATIVA

PESQUISA SOBRE A MULHER NA COMUNICAÇÃO CORPORATIVA PESQUISA SOBRE A MULHER NA COMUNICAÇÃO CORPORATIVA O Instituto ABERJE de Pesquisas realizou uma pesquisa sobre a Mulher na Comunicação Corporativa, com o patrocínio da Natura e da Multibrás, e ouviu 6

Leia mais

Resultados Finais da 2ª Pesquisa de Opinião do blog Diário do Verde. Dezembro de 2011 / Janeiro de 2012

Resultados Finais da 2ª Pesquisa de Opinião do blog Diário do Verde. Dezembro de 2011 / Janeiro de 2012 2ª Pesquisa de Opinião - Diário do Verde (Ano de 2011) Veículo de Comunicação Ambiental na Internet - www.diariodoverde.com 30 respostas VISÃO GERAL - PERFIL DOS USUÁRIOS Sexo: Feminino Idade: 26-34 anos

Leia mais

Teoria da Complexidade

Teoria da Complexidade handout.pdf June 5, 0 Teoria da Complexidade Cid C. de Souza / IC UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Instituto de Computação o semestre de 0 Revisado por Zanoni Dias Autor Prof. Cid Carvalho de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CI^ENCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIO-ECONOMICAS ESAG CURSO DE CI^ENCIAS ECON ^OMICAS

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CI^ENCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIO-ECONOMICAS ESAG CURSO DE CI^ENCIAS ECON ^OMICAS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CI^ENCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIO-ECONOMICAS ESAG CURSO DE CI^ENCIAS ECON ^OMICAS GUILHERME AUGUSTO SCHÜTZ ALOCAÇÕES ESTÁVEIS E A PRÁTICA DO

Leia mais

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade... ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...5 A Instituição Típica da Área de Cultura...5 A Instituição

Leia mais

estão em evidência hoje?

estão em evidência hoje? estão em evidência hoje? delas. Muito antes de entender quem eram e como pensavam as mulheres, percebemos que era fundamental identificar as diferenças comportamentais entre homens e mulheres. Afinal,

Leia mais

PARECER N.º 70/CITE/2005. Assunto: Parecer nos termos dos artigos 79.º e 80.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.

PARECER N.º 70/CITE/2005. Assunto: Parecer nos termos dos artigos 79.º e 80.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n. PARECER N.º 70/CITE/2005 Assunto: Parecer nos termos dos artigos 79.º e 80.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.º 78 FH/2005 I OBJECTO 1.1. A CITE recebeu da, S.A., em 9 de Novembro p.p., um

Leia mais

A otimização é o processo de

A otimização é o processo de A otimização é o processo de encontrar a melhor solução (ou solução ótima) para um problema. Eiste um conjunto particular de problemas nos quais é decisivo a aplicação de um procedimento de otimização.

Leia mais

Grupo A - 1 o semestre de 2014 Gabarito Lista de exercícios 11 - Teste Qhi-quadrado C A S A

Grupo A - 1 o semestre de 2014 Gabarito Lista de exercícios 11 - Teste Qhi-quadrado C A S A Exercício 1. (2,0 pontos). Em um estudo que está sendo realizado por uma pesquisadora da Escola de Educação Física da USP, deseja-se avaliar características das lutas de judô em diferentes categorias.

Leia mais

ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO. Seção 5.1 Problemas indecidíveis. Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima

ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO. Seção 5.1 Problemas indecidíveis. Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO Seção 5.1 Problemas indecidíveis Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima 1 Na aula passada... A MT é indecidível (usando diagonalização)

Leia mais

Projetos. Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Mestrado em Informática 2004/1. O Projeto. 1. Introdução. 2.

Projetos. Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Mestrado em Informática 2004/1. O Projeto. 1. Introdução. 2. Pg. 1 Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Mestrado em Informática 2004/1 Projetos O Projeto O projeto tem um peso maior na sua nota final pois exigirá de você a utilização de diversas informações

Leia mais

INFORMAÇÕES PESSOAIS

INFORMAÇÕES PESSOAIS Rascunho do formulário modelo DS 160 para pedido de visto de entrada nos EUA: as informações abaixo descritas serão transferidas para o sistema de informações dos EUA e são de responsabilidade do requerente

Leia mais

Gerência de Processador

Gerência de Processador Gerência de Processador Prof. Edwar Saliba Júnior Junho de 2009 Unidade 03-003 Gerência de Processador 1 Introdução Com o surgimento dos sistemas multiprogramáveis, onde múltiplos processos poderiam permanecer

Leia mais

Transcrição da Entrevista - Entrevistado do grupo amostral constituído por indivíduos com orientação heterossexual 5 (online)

Transcrição da Entrevista - Entrevistado do grupo amostral constituído por indivíduos com orientação heterossexual 5 (online) Transcrição da Entrevista - Entrevistado do grupo amostral constituído por indivíduos com orientação heterossexual 5 (online) [Sexo: homem] Entrevistador: Boa tarde. Entrevistado: olá, boa tarde Entrevistador:

Leia mais

SAAM. Francisco A. C. Pinheiro

SAAM. Francisco A. C. Pinheiro SAAM Sistema de Apoio à Alocação de Monitores Francisco A. C. Pinheiro 2 de novembro de 2003 Parte I Especificação do Sistema Capítulo Descrição Operacional. Objetivos O sistema deve apoiar a alocação

Leia mais

Escalonamento no Linux e no Windows NT/2000/XP

Escalonamento no Linux e no Windows NT/2000/XP Escalonamento no Linux e no Windows NT/2000/XP 1 Escalonamento no Linux Os requisitos do escalonador do Linux eram: Apresentar boa performance em programas interativos, mesmo com carga elevada; Distribuir

Leia mais

Jogo de balanceamento de carga

Jogo de balanceamento de carga Jogo de balanceamento de carga Dados: n tarefas m máquinas w i : peso da tarefa i s j : velocidade da máquina j Teoria dos Jogos p. 1 Jogo de balanceamento de carga Dados: n tarefas m máquinas w i : peso

Leia mais

Pesquisa Perfil do Visitante da Orla de Ipanema - Porto Alegre

Pesquisa Perfil do Visitante da Orla de Ipanema - Porto Alegre Pesquisa Perfil do Visitante da Orla de Ipanema - Porto Alegre Movimento Ipanema Natureza Humana Secretaria Municipal de Turismo de Porto Alegre Novembro/2009 Objetivo: Perfil do Visitante da Orla de Ipanema

Leia mais

Programação: Estruturas de seleção

Programação: Estruturas de seleção Programação de Computadores I Aula 07 Programação: Estruturas de seleção José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/53 Valores booleanos Os valores booleanos

Leia mais

ponto P terá as projecções P 1 e P 2. E o eixo X passa para X. Vamos ver o que acontece no plano do

ponto P terá as projecções P 1 e P 2. E o eixo X passa para X. Vamos ver o que acontece no plano do Mudança de planos 1- Introdução As projecções de uma figura só representam as suas verdadeiras grandezas se essa figura está contida num plano paralelo aos planos de projecção. Caso contrário as projecções

Leia mais

Como o consumidor brasileiro paga as contas (consumidores) Outubro 2012

Como o consumidor brasileiro paga as contas (consumidores) Outubro 2012 Como o consumidor brasileiro paga as contas (consumidores) Outubro 2012 METODOLOGIA Plano amostral Público alvo: Consumidores de todas as Capitais do Brasil. Tamanho amostral da Pesquisa Perfil Adimplente

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA. EDITAL Nº 009/2014-PROPPG, de 22 de abril de 2014

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA. EDITAL Nº 009/2014-PROPPG, de 22 de abril de 2014 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA EDITAL Nº 009/2014-PROPPG, de 22 de abril de 2014 A, por meio da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG/IFG), torna público o processo

Leia mais

Estatísticas do Registro Civil 2013

Estatísticas do Registro Civil 2013 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estatísticas Vitais e Estimativas Populacionais Estatísticas do Registro Civil 2013 Dezembro de 2014 Estatísticas do Registro

Leia mais

Gerência do Processador

Gerência do Processador Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência do Processador Desenvolvimento web II IMPORTANTE SABER Desenvolvimento web II DEADLOCK (interbloqueio, blocagem, impasse) Situação em

Leia mais

Informativo versão 2.7.1.4

Informativo versão 2.7.1.4 Informativo versão 2.7.1.4 A CartSys Software Ltda apresenta a sua nova versão para o aplicativo CartSys - Controle de Cartório de Imóveis, com as modificações e implementações realizadas. 1- Correção

Leia mais

AVALIAÇÃO: A Ed. Física VALOR: 7.5 (SETE E MEIO) + 2.5 (AHSE) DATA: 22/09 HORA: Série: 1º ano Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Melo

AVALIAÇÃO: A Ed. Física VALOR: 7.5 (SETE E MEIO) + 2.5 (AHSE) DATA: 22/09 HORA: Série: 1º ano Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Melo AVALIAÇÃO: A Ed. Física VALOR: 7.5 (SETE E MEIO) + 2.5 (AHSE) DATA: 22/09 HORA: Série: 1º ano Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Melo Professor Presencial: Aluno: 1 1ª QUESTÃO (1,0) Há 30 anos,

Leia mais

Roteamentos AULA ... META. Introduzir alguns problemas de roteamento. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de:

Roteamentos AULA ... META. Introduzir alguns problemas de roteamento. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Roteamentos AULA META Introduzir alguns problemas de roteamento. OBJETIVOS Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Distinguir circuito euleriano e ciclo hamiltoniano; Obter um circuito euleriano

Leia mais

4. Curvas planas. T = κn, N = κt, B = 0.

4. Curvas planas. T = κn, N = κt, B = 0. 4. CURVAS PLANAS 35 4. Curvas planas Nesta secção veremos que no caso planar é possível refinar a definição de curvatura, de modo a dar-lhe uma interpretação geométrica interessante. Provaremos ainda o

Leia mais

Algoritmos de Aproximação Segundo Semestre de 2012

Algoritmos de Aproximação Segundo Semestre de 2012 Algoritmos de Aproximação Segundo Semestre de 2012 Aproximação p. 1 Bin Packing Dados: n itens ([n] = {1,...,n}) Dados: comprimento a[i] do item i (i = 1,...,n) Aproximação p. 2 Bin Packing Dados: n itens

Leia mais

Jogo de balanceamento de carga

Jogo de balanceamento de carga Jogo de balanceamento de carga Dados: n tarefas m máquinas w i : peso da tarefa i s j : velocidade da máquina j Teoria dos Jogos p. 1 Jogo de balanceamento de carga Dados: n tarefas m máquinas w i : peso

Leia mais

PROFMAT - UNIRIO COORDENADOR GLADSON ANTUNES ALUNO JOÃO CARLOS CATALDO ANÁLISE COMBINATÓRIA

PROFMAT - UNIRIO COORDENADOR GLADSON ANTUNES ALUNO JOÃO CARLOS CATALDO ANÁLISE COMBINATÓRIA PROFMAT - UNIRIO COORDENADOR GLADSON ANTUNES ALUNO JOÃO CARLOS CATALDO ANÁLISE COMBINATÓRIA Questão 1: Entre duas cidades A e B existem três empresas de avião e cinco de ônibus. Uma pessoa precisa fazer

Leia mais

Princ ıpios b asicos Exemplo 1. Exemplo 2. Exemplo 3.

Princ ıpios b asicos Exemplo 1. Exemplo 2. Exemplo 3. Capítulo 6 Combinatória 1 Princípios básicos O princípio fundamental da contagem diz que se há x modos de tomar uma decisão D ½ e, tomada a decisão D ½,há y modos de tomar a decisão D ¾, então o número

Leia mais

JOGO DA VIDA DICA AOS ADULTOS: LEIA AS INSTRUÇÕES A SEGUIR COM ATENÇÃO E AO MESMO TEMPO VÁ JOGANDO COM A CRIANÇA

JOGO DA VIDA DICA AOS ADULTOS: LEIA AS INSTRUÇÕES A SEGUIR COM ATENÇÃO E AO MESMO TEMPO VÁ JOGANDO COM A CRIANÇA JOGO DA VIDA DICA AOS ADULTOS: LEIA AS INSTRUÇÕES A SEGUIR COM ATENÇÃO E AO MESMO TEMPO VÁ JOGANDO COM A CRIANÇA A PARTIR DE 8 ANOS PARA 2 A 8 JOGADORES Contém: - 01 tabuleiro - 8 carrinhos - 32 pinos

Leia mais

EDITAL 035/2013 CURSOS TÉCNICOS GRATUITOS PRONATEC/EDUTEC - SATC

EDITAL 035/2013 CURSOS TÉCNICOS GRATUITOS PRONATEC/EDUTEC - SATC EDITAL 035/2013 CURSOS TÉCNICOS GRATUITOS PRONATEC/EDUTEC - SATC A Associação Beneficente da Indústria Carbonífera de Santa Catarina - SATC mantenedora da Escola Educacional Técnica EDUTEC/SATC, declara

Leia mais

O texto desta seção foi publicado em http://msdn.microsoft.com/ptbr/library/ms177433.aspx. o http://msdn.microsoft.com/pt-br/library/ms178104.

O texto desta seção foi publicado em http://msdn.microsoft.com/ptbr/library/ms177433.aspx. o http://msdn.microsoft.com/pt-br/library/ms178104. AULA 12 - Deadlocks Em alguns casos pode ocorrer a seguinte situação: um processo solicita um determinado recurso e este não está disponível no momento. Quando isso ocontece o processo entra para o estado

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COMISSÃO PARA AVALIAÇÃO DA RENDA PER CAPITA PROCESSO SELETIVO PBP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COMISSÃO PARA AVALIAÇÃO DA RENDA PER CAPITA PROCESSO SELETIVO PBP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COMISSÃO PARA AVALIAÇÃO DA RENDA PER CAPITA PROCESSO SELETIVO PBP A B Instruções para o preenchimento: Leia com atenção todo o formulário, é importante

Leia mais

PESQUISA DE PERFIL DE PÚBLICO DESFILE DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO ESPECIAL DE SÃO PAULO 2015 PRINCIPAIS RESULTADOS

PESQUISA DE PERFIL DE PÚBLICO DESFILE DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO ESPECIAL DE SÃO PAULO 2015 PRINCIPAIS RESULTADOS OBSERVATÓRIO DE TURISMO E EVENTOS DA CIDADE DE SÃO PAULO GERÊNCIA DE COMUNICAÇÃO SÃO PAULO TURISMO PESQUISA DE PERFIL DE PÚBLICO DESFILE DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO ESPECIAL DE SÃO PAULO 2015 PRINCIPAIS

Leia mais

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO Turismo de Cruzeiros em Itajaí

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO Turismo de Cruzeiros em Itajaí Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO Turismo de Cruzeiros em Itajaí Sumário Introdução... 3 Perfil dos turistas... 4 Hábitos e comportamentos sobre o turismo

Leia mais

População brasileira Música - Internet Propaganda. Outubro/ 2007

População brasileira Música - Internet Propaganda. Outubro/ 2007 População brasileira Música - Internet Propaganda Outubro/ 00 Objetivo Este estudo têm como objetivo identificar entre a população brasileira os seguintes aspectos: Música estilo musical mais ouvido; Internet

Leia mais

OTIMIZAÇÃO VETORIAL. Formulação do Problema

OTIMIZAÇÃO VETORIAL. Formulação do Problema OTIMIZAÇÃO VETORIAL Formulação do Problema Otimização Multiobjetivo (também chamada otimização multicritério ou otimização vetorial) pode ser definida como o problema de encontrar: um vetor de variáveis

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL TEORIA DOS GRAFOS

PESQUISA OPERACIONAL TEORIA DOS GRAFOS PESQUISA OPERACIONAL TEORIA DOS GRAFOS Um grafo G(V,A) pode ser conceituado como um par de conjuntos V e A, onde: V - conjunto não vazio cujos elementos são de denominados vértices ou nodos do grafo; A

Leia mais

4.1. Introdução. 4.2. Layout do DNS

4.1. Introdução. 4.2. Layout do DNS MIT 18.996 Tópico da Teoria da Ciência da Computação: Problemas de Pesquisa na Internet Segundo Trimestre 2002 Aula 4 27de fevereiro de 2002 Palestrantes: T. Leighton, D. Shaw, R. Sudaran Redatores: K.

Leia mais

ECO039 Linguagens Formais

ECO039 Linguagens Formais Prof a.dra.thatyana de Faria Piola Seraphim Universidade Federal de Itajubá thatyana@unifei.edu.br Introdução ˆ As três principais áreas da teoria da computação (Autômatos, Computabilidade e Complexidade)

Leia mais

Teorema (Algoritmo da Divisão)

Teorema (Algoritmo da Divisão) Teorema (Algoritmo da Divisão) Sejam a e b números inteiros, com b > 0. Então existem números inteiros q e r, únicos e tais que a = bq + r, com 0 r < b. Demonstração. Existência: Consideremos S = {a bk

Leia mais

Intenção de voto para presidente da República PO813749. www.datafolha.com.br

Intenção de voto para presidente da República PO813749. www.datafolha.com.br Intenção de voto para presidente da República PO813749 01 e 02/07/2014 INTENÇÃO DE VOTO PARA PRESIDENTE JULHO DE 2014 EM MÊS MARCADO POR COPA, DILMA RECUPERA PREFERÊNCIA DE ELEITORES Queda nos votos em

Leia mais

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão SUMÁRIO Apresentação Introdução Soluções para resolv esolver er a violência e a criminalidade Popularidade de possíveis soluções Políticas sociais x políticas de segurança Redução da maioridade penal Legislação

Leia mais

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis.

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis. 1 Introdução O grande aumento de performance das redes de computadores, combinado com a proliferação de computadores de baixo custo e alto desempenho, trouxe à tona ambientes de meta-computação, ou grids[15,

Leia mais

Complexidade de Algoritmos

Complexidade de Algoritmos Complexidade de Algoritmos Complexidade de Algoritmos Envolvendo Estruturas de Dados Elementares Prof. Osvaldo Luiz de Oliveira Estas anotações devem ser complementadas por apontamentos em aula. Vetor

Leia mais

MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MULHER NO MERCADO DE TRABALHO Tâmara Freitas Barros A mulher continua a ser discriminada no mercado de trabalho. Foi o que 53,2% dos moradores da Grande Vitória afirmaram em recente pesquisa da Futura,

Leia mais

MANUAL DE NORMAS OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE AÇÃO, COTA DE FUNDO DE INVESTIMENTO E ÍNDICE

MANUAL DE NORMAS OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE AÇÃO, COTA DE FUNDO DE INVESTIMENTO E ÍNDICE MANUAL DE NORMAS OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE AÇÃO, COTA DE FUNDO DE INVESTIMENTO E ÍNDICE VERSÃO: 06/09/2010 MANUAL DE NORMAS OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE AÇÃO, COTA DE FUNDO DE INVESTIMENTO E ÍNDICE 2/13 ÍNDICE

Leia mais

Regulamento da unidade curricular de Laboratório Experimental Ano lectivo 2009-2010

Regulamento da unidade curricular de Laboratório Experimental Ano lectivo 2009-2010 Escola Superior de Teatro e Cinema - Departamento de Cinema Regulamento da unidade curricular de Laboratório Experimental Ano lectivo 2009-2010 1 Definição Laboratório Experimental é uma unidade curricular

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS 2. CÂMARA DE LOBOS MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte: www.geocities.com/heartland/plains/9462/map.html (adaptado) Localizada na vertente sul da

Leia mais

PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS

PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS Pela primeira vez, desde que há registos, observaram-se menos de 90 mil nados vivos em Portugal. De facto, o número de nados

Leia mais

INSCRIÇÃO PARA FIES 2015/1

INSCRIÇÃO PARA FIES 2015/1 INSCRIÇÃO PARA FIES 2015/1 ADMINISTRAÇÃO ENFERMAGEM ENGENHARIA CIVIL A inscrição para adquirir o FIES 2015/1 para os cursos de Administração, Enfermagem e Engenharia Civil será feita exclusivamente pelo

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Pesquisa revela o sonho de consumo dos paulistas

Pesquisa revela o sonho de consumo dos paulistas Pesquisa revela o sonho de consumo dos paulistas As empresas Sampling Pesquisa de Mercado e Limite Pesquisa de Marketing saíram às ruas em Junho e Julho de 2005 para saber qual o sonho de consumo dos Paulistas.

Leia mais

MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA

MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA Bernadette Waldvogel 1 Lilian Cristina Correia Morais 1 1 INTRODUÇÃO O primeiro caso brasileiro conhecido de morte por Aids ocorreu em 1980,

Leia mais

Censo Demográfico 2010 FAMÍLIA E DOMICÍLIO

Censo Demográfico 2010 FAMÍLIA E DOMICÍLIO Censo Demográfico 2010 FAMÍLIA E DOMICÍLIO Rio de Janeiro, 17 de outubro de 2012 FAMÍLIA A importância de se estudar FAMÍLIA Desempenha papel central na economia do país, como fonte de produção doméstica,

Leia mais

REC 3600 Finanças 1 primeira prova

REC 3600 Finanças 1 primeira prova REC 3600 Finanças primeira prova Roberto Guena de Oliveira Setembro de 204 Nome Gaba² to nº usp:. Em um mundo com apenas duas datas, uma investidora dispõe de R$60 no ano corrente e pode fazer o li investimento

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 3 - ÁLGEBRA BOOLEANA 1. Introdução O ponto de partida para o projeto sistemático de sistemas de processamento digital é a chamada Álgebra de Boole, trabalho de um matemático inglês que, em um livro

Leia mais

INTENÇÃO DE COMPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014

INTENÇÃO DE COMPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 PE MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 1 MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 PE MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 2 Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande Intenção de Compra para o Dia das Crianças 2014 Rua Venâncio Borges do

Leia mais

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Teoria dos Números 1 Noções Básicas A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Z = {..., 4, 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3, 4...}. Ela permite resolver de

Leia mais

LOJAS DE RUA GANHAM A PREFERÊNCIA DO CONSUMIDOR NA HORA DE FAZER COMPRAS Inayara Soares da Silva

LOJAS DE RUA GANHAM A PREFERÊNCIA DO CONSUMIDOR NA HORA DE FAZER COMPRAS Inayara Soares da Silva LOJAS DE RUA GANHAM A PREFERÊNCIA DO CONSUMIDOR NA HORA DE FAZER COMPRAS Inayara Soares da Silva A atual praticidade na hora de fazer compras e procurar alguns tipos de serviço leva o consumidor a optar

Leia mais

PERFIL DOS PROFESSORES DO ENSINO PRIVADO DO RIO GRANDE DO SUL. Porto Alegre, janeiro de 2006

PERFIL DOS PROFESSORES DO ENSINO PRIVADO DO RIO GRANDE DO SUL. Porto Alegre, janeiro de 2006 PERFIL DOS PROFESSORES DO ENSINO PRIVADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre, janeiro de 2006 Slide 2 Síntese Metodológica 750 Entrevistas Quantitativas, mediante aplicação de questionário estruturado e

Leia mais

NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Redes de Computadores AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Redes de Computadores AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Redes de Computadores AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FORTALEZA, 21 DE JULHO DE 2011 FEMININO; 1 Sexo MASCULINO; 89,3% MASCULINO FEMININO A PARTIR DE 51 ANOS;

Leia mais

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA O Presidente do CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO - FADISA, Professor Ms. ANTÔNIO

Leia mais

Teste de hipóteses com duas amostras. Estatística Aplicada Larson Farber

Teste de hipóteses com duas amostras. Estatística Aplicada Larson Farber 8 Teste de hipóteses com duas amostras Estatística Aplicada Larson Farber Seção 8.1 Testando a diferença entre duas médias (amostras grandes e independentes) Visão geral Para testar o efeito benéfico de

Leia mais

Sistemas Operacionais. Escalonamento de Processo. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira

Sistemas Operacionais. Escalonamento de Processo. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Escalonamento de Processo Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Quando um computador é multiprogramado, ele muitas vezes tem variados processos que competem pela CPU ao mesmo tempo; Essa

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA PED PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS Setembro - 2014 OBJETIVO Os principais objetivos desta pesquisa são conhecer e divulgar a situação do emprego e desemprego na cidade de Santos,

Leia mais

NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Turismo AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Turismo AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Turismo AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FORTALEZA, 21 DE JULHO DE 2011 Sexo MASCULINO; 23,2% DE 36 A 50 ANOS; 7,9% A PARTIR DE 51 ANOS; Faixa etária ATÉ 17 ANOS;

Leia mais

NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Marketing AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Marketing AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Marketing AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FORTALEZA, 21 DE JULHO DE 2011 Sexo MASCULINO; 35,6% DE 36 A 50 ANOS; 8,0% A PARTIR DE 51 ANOS; 1,8% Faixa etária ATÉ

Leia mais

NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Nutrição AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Nutrição AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Nutrição AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FORTALEZA, 21 DE JULHO DE 2011 FEMININO; 90,4% Sexo MASCULINO; 9,6% MASCULINO FEMININO DE 36 A 50 ANOS; 7,1% A PARTIR

Leia mais

Procedimento relativo à Alienação do Novo Banco. Caderno de Encargos

Procedimento relativo à Alienação do Novo Banco. Caderno de Encargos Procedimento relativo à Alienação do Novo Banco Caderno de Encargos A. Disposições Gerais 1. Âmbito 1.1 Este Caderno de Encargos estabelece o enquadramento geral do procedimento relativo à alienação do

Leia mais

Passatempo Clube Bebé Nestlé 124 / 2015 MAMÃS NESTLÉ. (2ª Edição)

Passatempo Clube Bebé Nestlé 124 / 2015 MAMÃS NESTLÉ. (2ª Edição) Passatempo Clube Bebé Nestlé 124 / 2015 MAMÃS NESTLÉ (2ª Edição) - Condições de Participação NESTLÉ PORTUGAL, S.A., contribuinte n.º 500201307, com sede na Rua Alexandre Herculano, nº. 8, 2799-554 LINDA-A-VELHA,

Leia mais

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas 1 Apresentação da disciplina Sistemas Operacionais I N Prof. Marcelo Johann 2009/2 O professor A disciplina Bibliografia Cronograma Avaliação Trabalhos Regras do jogo Introdução: Sistemas Operacionais

Leia mais

Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões. Conteúdos do Capítulo. Programação Linear. Lindo. s.t. Resolvendo Programação Linear Em um Microcomputador

Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões. Conteúdos do Capítulo. Programação Linear. Lindo. s.t. Resolvendo Programação Linear Em um Microcomputador ª Edição Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões Resolvendo Programação Linear Em um Microcomputador Gerson Lachtermacher,00 Programação Linear Software Versão Windows e comandos Formulação do problema

Leia mais

Recuperação de Falhas

Recuperação de Falhas Recuperação de Falhas Capítulo 18 Humpty sentou-se no muro de pedra Humpty teve uma grande queda Todos os cavaleiros e homens do reino Não puderam juntá-lo de novo. - velha rima de crianças 1 Revisão:

Leia mais

Trabalho. Indo de Encontro aos Desafios do Futuro. Uma área de escritórios no centro (Foto cortesia da AFLO)

Trabalho. Indo de Encontro aos Desafios do Futuro. Uma área de escritórios no centro (Foto cortesia da AFLO) Trabalho Indo de Encontro aos Desafios do Futuro Uma área de escritórios no centro (Foto cortesia da AFLO) O sistema japonês de trabalho desempenhou um papel central no forte crescimento econômico que

Leia mais

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase 36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 1 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 5 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

Recomendações de Uso de Aquisição do Digifort Analítico

Recomendações de Uso de Aquisição do Digifort Analítico Recomendações de Uso de Aquisição do Digifort Analítico Em uma licença de analítico são fornecidos todos os analíticos constantes na tabela acima. Se o cliente desejar rodar analíticos em quatro câmeras,

Leia mais

Não há 3 sem 2: O Teorema de Sharkovskii

Não há 3 sem 2: O Teorema de Sharkovskii Não há 3 sem 2: O Teorema de Sharkovskii Nuno Mestre Programa Gulbenkian Novos Talentos em Matemática Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra 1 ESTRUTURA 1. Introdução 2. Casos p = 2 e p

Leia mais

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6.

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6. VOLEIBOL 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997 b) 2007 c) 1996 d) 1975 e)1895 2. Quem inventou o voleibol? a) William G. Morgan b) Pelé c) Roberto Carlos d) Ronaldinho Gaúcho e) Michael Jackson

Leia mais