Alocação de casas. para cada i, permutação i de todas as casas. n agentes, cada um com uma única casa. Teoria dos Jogos p. 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alocação de casas. para cada i, permutação i de todas as casas. n agentes, cada um com uma única casa. Teoria dos Jogos p. 1"

Transcrição

1 Alocação de casas n agentes, cada um com uma única casa para cada i, permutação i de todas as casas Teoria dos Jogos p. 1

2 Alocação de casas n agentes, cada um com uma única casa para cada i, permutação i de todas as casas Hipótese: Qualquer alocação que deixa o agente com uma mesma casa é equivalente. Teoria dos Jogos p. 1

3 Alocação de casas n agentes, cada um com uma única casa para cada i, permutação i de todas as casas Hipótese: Qualquer alocação que deixa o agente com uma mesma casa é equivalente. A: conjunto de todas as alocações Para S [n], seja A(S) = {z A : z i S, i S}. A(S): alocações onde agentes de S trocam casas entre si. Teoria dos Jogos p. 1

4 Alocação de casas n agentes, cada um com uma única casa para cada i, permutação i de todas as casas Hipótese: Qualquer alocação que deixa o agente com uma mesma casa é equivalente. A: conjunto de todas as alocações Para S [n], seja A(S) = {z A : z i S, i S}. A(S): alocações onde agentes de S trocam casas entre si. Coalisão bloqueadora: S tq existe z A(S) com z i i a i ou z i = a i para todo i S e z j j a j para pelo menos um j S. Teoria dos Jogos p. 1

5 Alocação de casas n agentes, cada um com uma única casa para cada i, permutação i de todas as casas Hipótese: Qualquer alocação que deixa o agente com uma mesma casa é equivalente. A: conjunto de todas as alocações Para S [n], seja A(S) = {z A : z i S, i S}. A(S): alocações onde agentes de S trocam casas entre si. Coalisão bloqueadora: S tq existe z A(S) com z i i a i ou z i = a i para todo i S e z j j a j para pelo menos um j S. Core: conjunto de alocações sem coalisão bloqueadora. Teoria dos Jogos p. 1

6 Aula passada Coalisão bloqueadora: S tq existe z A(S) com z i i a i ou z i = a i para todo i S e z j j a j para pelo menos um j S. Core: conjunto de alocações sem coalisão bloqueadora. Teoria dos Jogos p. 2

7 Aula passada Coalisão bloqueadora: S tq existe z A(S) com z i i a i ou z i = a i para todo i S e z j j a j para pelo menos um j S. Core: conjunto de alocações sem coalisão bloqueadora. Algoritmo TTC (top trading cycle) Teoria dos Jogos p. 2

8 Aula passada Coalisão bloqueadora: S tq existe z A(S) com z i i a i ou z i = a i para todo i S e z j j a j para pelo menos um j S. Core: conjunto de alocações sem coalisão bloqueadora. Algoritmo TTC (top trading cycle) Teorema: A alocação produzida pelo algoritmo TTC é a única do core. Teoria dos Jogos p. 2

9 Aula passada Coalisão bloqueadora: S tq existe z A(S) com z i i a i ou z i = a i para todo i S e z j j a j para pelo menos um j S. Core: conjunto de alocações sem coalisão bloqueadora. Algoritmo TTC (top trading cycle) Teorema: A alocação produzida pelo algoritmo TTC é a única do core. Teorema: O mecanismo TTC é à prova de estratégia. Teoria dos Jogos p. 2

10 Definição alternativa Coalisão bloqueadora estrita: S tq existe z A(S) com z i i a i para todo i S. Teoria dos Jogos p. 3

11 Definição alternativa Coalisão bloqueadora estrita: S tq existe z A(S) com z i i a i para todo i S. Core ampliado: conjunto de alocações sem coalisão bloqueadora estrita. Teoria dos Jogos p. 3

12 Definição alternativa Coalisão bloqueadora estrita: S tq existe z A(S) com z i i a i para todo i S. Core ampliado: conjunto de alocações sem coalisão bloqueadora estrita. Por que ampliado? Porque toda coalisão bloqueadora estrita é bloqueadora, ou seja, toda alocação do core é do core ampliado, em particular a do algoritmo TTC. Teoria dos Jogos p. 3

13 Definição alternativa Coalisão bloqueadora estrita: S tq existe z A(S) com z i i a i para todo i S. Core ampliado: conjunto de alocações sem coalisão bloqueadora estrita. Por que ampliado? Porque toda coalisão bloqueadora estrita é bloqueadora, ou seja, toda alocação do core é do core ampliado, em particular a do algoritmo TTC. O core ampliado pode ter mais alocações: n = 3 e para π 1 = (2, 3, 1), π 2 = (1, 3, 2), e π 1 = (1, 2, 3), a alocação do TTC é a = (2, 1, 3) e a alocação a = (2, 3, 1) não tem coalisões bloqueadoras estritas. Teoria dos Jogos p. 3

14 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Teoria dos Jogos p. 4

15 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Teoria dos Jogos p. 4

16 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Do livro: Se as preferências são estritas, toda coalisão bloqueadora fraca minimal é bloqueadora. Teoria dos Jogos p. 4

17 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Do livro: Se as preferências são estritas, toda coalisão bloqueadora fraca minimal é bloqueadora. Falso! No exemplo dado, S = {1, 2} é uma coalisão bloqueadora fraca para a, mas não há coalisão bloqueadora neste caso. Teoria dos Jogos p. 4

18 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Do livro: Se as preferências são estritas, toda coalisão bloqueadora fraca minimal é bloqueadora. Falso! Do livro: Se as preferências são estritas, então o core e o core estrito coincidem. Teoria dos Jogos p. 4

19 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Do livro: Se as preferências são estritas, toda coalisão bloqueadora fraca minimal é bloqueadora. Falso! Do livro: Se as preferências são estritas, então o core e o core estrito coincidem. Falso! Teoria dos Jogos p. 4

20 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Do livro: Se as preferências são estritas, toda coalisão bloqueadora fraca minimal é bloqueadora. Falso! Do livro: Se as preferências são estritas, então o core e o core estrito coincidem. Falso! Do livro: Para preferências não estritas, há exemplos com core estrito vazio? Teoria dos Jogos p. 4

21 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Teoria dos Jogos p. 5

22 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Do livro: Para preferências não estritas, há exemplos com core estrito vazio? Teoria dos Jogos p. 5

23 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Do livro: Para preferências não estritas, há exemplos com core estrito vazio? Exemplo: π 1 = π 2 = (3, 4, 1, 2) π 3 = π 4 = (1/2, 3, 4) Teoria dos Jogos p. 5

24 Preferências não estritas Coalisão bloqueadora chama-se bloqueadora fraca. Core antigo é chamado de core estrito. Coalisão bloqueadora estrita chama-se bloqueadora. Core é o core ampliado. Do livro: Para preferências não estritas, há exemplos com core estrito vazio? Exemplo: π 1 = π 2 = (3, 4, 1, 2) π 3 = π 4 = (1/2, 3, 4) Para a = (3, 4, 1, 2), tome S = {2, 3}. Para a = (4, 3, 1, 2), tome S = {1, 3}. Para a = (3, 4, 2, 1), tome S = {2, 3}. Para a = (3, 4, 2, 1), tome S = {1, 3}. Teoria dos Jogos p. 5

25 Casamentos estáveis Atribuição de estudantes à universidades, médicos a programas de residências. Teoria dos Jogos p. 6

26 Casamentos estáveis Atribuição de estudantes à universidades, médicos a programas de residências. H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Teoria dos Jogos p. 6

27 Casamentos estáveis Atribuição de estudantes à universidades, médicos a programas de residências. H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Cada homem tem ordem estrita de preferência sobre M. Teoria dos Jogos p. 6

28 Casamentos estáveis Atribuição de estudantes à universidades, médicos a programas de residências. H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Cada homem tem ordem estrita de preferência sobre M. Adicione homem/mulher fictício para representar a possibilidade de ficar solteiro. Assim H = M. Teoria dos Jogos p. 6

29 Casamentos estáveis Atribuição de estudantes à universidades, médicos a programas de residências. H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Cada homem tem ordem estrita de preferência sobre M. Adicione homem/mulher fictício para representar a possibilidade de ficar solteiro. Assim H = M. Emparelhamento de H em M: alocação de homens a mulheres. Teoria dos Jogos p. 6

30 Casamentos estáveis H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Teoria dos Jogos p. 7

31 Casamentos estáveis H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Cada homem tem ordem estrita de preferência sobre M. Teoria dos Jogos p. 7

32 Casamentos estáveis H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Cada homem tem ordem estrita de preferência sobre M. Emparelhamento de H em M: alocação de homens a mulheres. Teoria dos Jogos p. 7

33 Casamentos estáveis H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Cada homem tem ordem estrita de preferência sobre M. Emparelhamento de H em M: alocação de homens a mulheres. Um emparelhamento é instável se existem homens h e h e mulheres m e m tq m é emparelhada com h, m com h, mas m h m e h m h. Teoria dos Jogos p. 7

34 Casamentos estáveis H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Cada homem tem ordem estrita de preferência sobre M. Emparelhamento de H em M: alocação de homens a mulheres. Um emparelhamento é instável se existem homens h e h e mulheres m e m tq m é emparelhada com h, m com h, mas m h m e h m h. Neste caso, h e m preferiam se casar um com o outro. Teoria dos Jogos p. 7

35 Casamentos estáveis H - conjunto de homens M - conjunto de mulheres Cada homem tem ordem estrita de preferência sobre M. Emparelhamento de H em M: alocação de homens a mulheres. Um emparelhamento é instável se existem homens h e h e mulheres m e m tq m é emparelhada com h, m com h, mas m h m e h m h. Neste caso, h e m preferiam se casar um com o outro. O par (h,m ) é um par bloqueador, e emparelhamento é estável se não tem par bloqueador. Teoria dos Jogos p. 7

36 Casamentos estáveis: exemplo Ordens de preferências para n = 3: Teoria dos Jogos p. 8

37 Casamentos estáveis: exemplo Ordens de preferências para n = 3: h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 Teoria dos Jogos p. 8

38 Casamentos estáveis: exemplo Ordens de preferências para n = 3: h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 O emparelhamento {(h 1,m 1 ), (h 2,m 2 ), (h 3,m 3 )} é instável, pois (h 1,m 2 ) é um par bloqueador. Teoria dos Jogos p. 8

39 Casamentos estáveis: exemplo Ordens de preferências para n = 3: h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 O emparelhamento {(h 1,m 1 ), (h 2,m 2 ), (h 3,m 3 )} é instável, pois (h 1,m 2 ) é um par bloqueador. Já o emparelhamento {(h 1,m 1 ), (h 2,m 3 ), (h 3,m 2 )} é estável. Teoria dos Jogos p. 9

40 Casamentos estáveis: exemplo Ordens de preferências para n = 3: h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 O emparelhamento {(h 1,m 1 ), (h 2,m 2 ), (h 3,m 3 )} é instável, pois (h 1,m 2 ) é um par bloqueador. Já o emparelhamento {(h 1,m 1 ), (h 2,m 3 ), (h 3,m 2 )} é estável. Dada as listas de preferências de todos, existe emparelhamento estável? Como encontrá-lo, se existe? Teoria dos Jogos p. 9

41 Algoritmo da aceitação postergada Versão com proposta masculina: Teoria dos Jogos p. 10

42 Algoritmo da aceitação postergada Versão com proposta masculina: Cada homem propõe à primeira mulher de sua lista. Teoria dos Jogos p. 10

43 Algoritmo da aceitação postergada Versão com proposta masculina: Cada homem propõe à primeira mulher de sua lista. Cada mulher que recebeu mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Para esse, posterga a sua resposta. Teoria dos Jogos p. 10

44 Algoritmo da aceitação postergada Versão com proposta masculina: Cada homem propõe à primeira mulher de sua lista. Cada mulher que recebeu mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Para esse, posterga a sua resposta. Nova rodada: Cada homem que teve sua proposta recusada propõe à próxima mulher de sua lista. Teoria dos Jogos p. 10

45 Algoritmo da aceitação postergada Versão com proposta masculina: Cada homem propõe à primeira mulher de sua lista. Cada mulher que recebeu mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Para esse, posterga a sua resposta. Nova rodada: Cada homem que teve sua proposta recusada propõe à próxima mulher de sua lista. Cada mulher com mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Eventualmente recusa proposta recebida em rodada anterior. Teoria dos Jogos p. 10

46 Algoritmo com proposta masculina Cada homem propõe à primeira mulher de sua lista. Cada mulher que recebeu mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Para esse, posterga a sua resposta. Cada homem que teve sua proposta recusada propõe à próxima mulher de sua lista. Cada mulher com mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Teoria dos Jogos p. 11

47 Algoritmo com proposta masculina Cada homem propõe à primeira mulher de sua lista. Cada mulher que recebeu mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Para esse, posterga a sua resposta. Cada homem que teve sua proposta recusada propõe à próxima mulher de sua lista. Cada mulher com mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Repete esse processo, sempre progredindo nas listas dos homens. Teoria dos Jogos p. 11

48 Algoritmo com proposta masculina Cada homem propõe à primeira mulher de sua lista. Cada mulher que recebeu mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Para esse, posterga a sua resposta. Cada homem que teve sua proposta recusada propõe à próxima mulher de sua lista. Cada mulher com mais de uma proposta recusa todas, exceto pela do homem mais alto em sua lista. Repete esse processo, sempre progredindo nas listas dos homens. O processo então termina (não mais que n 2 rodadas). Teoria dos Jogos p. 11

49 Algoritmo no exemplo h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 Teoria dos Jogos p. 12

50 Algoritmo no exemplo h 1 propõe para m 2 h 2 propõe para m 1 h 3 propõe para m 1 h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 Teoria dos Jogos p. 12

51 Algoritmo no exemplo h 1 propõe para m 2 h 2 propõe para m 1 h 3 propõe para m 1 h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 m 1 rejeita a proposta de h 2. Teoria dos Jogos p. 12

52 Algoritmo no exemplo h 1 propõe para m 2 h 2 propõe para m 1 h 3 propõe para m 1 h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 m 1 rejeita a proposta de h 2. h 2 propõe para m 3, e o algoritmo termina. Teoria dos Jogos p. 13

53 Algoritmo no exemplo h 1 propõe para m 2 h 2 propõe para m 1 h 3 propõe para m 1 h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 m 1 rejeita a proposta de h 2. h 2 propõe para m 3, e o algoritmo termina. Emparelhamento produzido: {(h 1,m 2 ), (h 2,m 3 ), (h 3,m 1 )} Teoria dos Jogos p. 13

54 Algoritmo no exemplo h 1 propõe para m 2 h 2 propõe para m 1 h 3 propõe para m 1 h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 m 1 rejeita a proposta de h 2. h 2 propõe para m 3, e o algoritmo termina. Emparelhamento produzido: {(h 1,m 2 ), (h 2,m 3 ), (h 3,m 1 )} Note que tal emparelhamento é estável! Teoria dos Jogos p. 13

55 Estabilidade do emparelhamento Teorema: O emparelhamento produzido pelo algoritmo da aceitação postergada é estável. Prova feita na aula. Teoria dos Jogos p. 14

56 Estabilidade do emparelhamento Teorema: O emparelhamento produzido pelo algoritmo da aceitação postergada é estável. Prova feita na aula. No exemplo, aplicando a versão da proposta feminina, obtemos o emparelhamento {(h 1,m 1 ), (h 2,m 3 ), (h 3,m 2 )}. h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 Teoria dos Jogos p. 14

57 Estabilidade do emparelhamento Teorema: O emparelhamento produzido pelo algoritmo da aceitação postergada é estável. Prova feita na aula. No exemplo, aplicando a versão da proposta feminina, obtemos o emparelhamento {(h 1,m 1 ), (h 2,m 3 ), (h 3,m 2 )}. h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 Diferente do obtido pela proposta masculina! Teoria dos Jogos p. 14

58 Estabilidade do emparelhamento Teorema: O emparelhamento produzido pelo algoritmo da aceitação postergada é estável. Prova feita na aula. No exemplo, aplicando a versão da proposta feminina, obtemos o emparelhamento {(h 1,m 1 ), (h 2,m 3 ), (h 3,m 2 )}. h1 h2 h3 m1 m2 m3 m 2 m 1 m 1 h 1 h 3 h 1 m 1 m 3 m 2 h 3 h 1 h 3 m 3 m 2 m 3 h 2 h 2 h 2 Diferente do obtido pela proposta masculina! Há alguma diferença significativa entre estes emparelhamentos? Teoria dos Jogos p. 14

59 Emparelhamentos ótimos Teorema: O emparelhamento produzido pelo algoritmo da aceitação postergada é estável. Emparelhamento ν é ótimo-masculino se não há emparelhamento estável µ tq µ(h) h ν(h) ou µ(h) = ν(h) para todo h em H e µ(j) j ν(j) para algum j em H. Teoria dos Jogos p. 15

60 Emparelhamentos ótimos Teorema: O emparelhamento produzido pelo algoritmo da aceitação postergada é estável. Emparelhamento ν é ótimo-masculino se não há emparelhamento estável µ tq µ(h) h ν(h) ou µ(h) = ν(h) para todo h em H e µ(j) j ν(j) para algum j em H. Definição de emparelhamento ótimo-feminino é análoga. Teoria dos Jogos p. 15

61 Emparelhamentos ótimos Teorema: O emparelhamento produzido pelo algoritmo da aceitação postergada é estável. Emparelhamento ν é ótimo-masculino se não há emparelhamento estável µ tq µ(h) h ν(h) ou µ(h) = ν(h) para todo h em H e µ(j) j ν(j) para algum j em H. Definição de emparelhamento ótimo-feminino é análoga. Teorema: O algoritmo da aceitação postergada com proposta masculina (feminina) produz um escalonamento ótimo-masculino (ótimo-feminino). Teoria dos Jogos p. 15

62 Emparelhamentos ótimos Teorema: O emparelhamento produzido pelo algoritmo da aceitação postergada é estável. Emparelhamento ν é ótimo-masculino se não há emparelhamento estável µ tq µ(h) h ν(h) ou µ(h) = ν(h) para todo h em H e µ(j) j ν(j) para algum j em H. Definição de emparelhamento ótimo-feminino é análoga. Teorema: O algoritmo da aceitação postergada com proposta masculina (feminina) produz um escalonamento ótimo-masculino (ótimo-feminino). Prova feita na aula. Teoria dos Jogos p. 15

63 Prova de estratégia Emparelhamento ν é ótimo-masculino se não há emparelhamento estável µ tq µ(h) h ν(h) ou µ(h) = ν(h) para todo h em H e µ(j) j ν(j) para algum j em H. Definição de emparelhamento ótimo-feminino é análoga. Teorema: O algoritmo da aceitação postergada com proposta masculina (feminina) produz um escalonamento ótimo-masculino (ótimo-feminino). Teoria dos Jogos p. 16

64 Prova de estratégia Emparelhamento ν é ótimo-masculino se não há emparelhamento estável µ tq µ(h) h ν(h) ou µ(h) = ν(h) para todo h em H e µ(j) j ν(j) para algum j em H. Definição de emparelhamento ótimo-feminino é análoga. Teorema: O algoritmo da aceitação postergada com proposta masculina (feminina) produz um escalonamento ótimo-masculino (ótimo-feminino). Teorema: O algoritmo da aceitação postergada com proposta masculina (feminina) é um mecanismo à prova de estratégia para os homens (mulheres). Teoria dos Jogos p. 16

65 Prova de estratégia Emparelhamento ν é ótimo-masculino se não há emparelhamento estável µ tq µ(h) h ν(h) ou µ(h) = ν(h) para todo h em H e µ(j) j ν(j) para algum j em H. Definição de emparelhamento ótimo-feminino é análoga. Teorema: O algoritmo da aceitação postergada com proposta masculina (feminina) produz um escalonamento ótimo-masculino (ótimo-feminino). Teorema: O algoritmo da aceitação postergada com proposta masculina (feminina) é um mecanismo à prova de estratégia para os homens (mulheres). Prova feita na aula. Teoria dos Jogos p. 16

The Stable Matching Problem

The Stable Matching Problem The Stable Matching Problem Aluno: José Eliton Albuquerque Filho Orientador: Thomas Lewiner Introdução O problema do emparelhamento estável ( Stable Matching Problem ), apresentado por David Gale e L.S.Shapley

Leia mais

Uso de não determinismo. Exemplo

Uso de não determinismo. Exemplo Uso de não determinismo Exemplo Problema dos casamentos estáveis Existe um conjunto de N homens e um conjunto de N mulheres que querem casar. Cada homem tem associada uma lista com todas as mulheres por

Leia mais

Mercados de Emparelhamento

Mercados de Emparelhamento Mercados de Emparelhamento Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Aula Passada 1. Definições: grafos bipartidos e emparelhamentos perfeitos 2. Mercados com opções binárias (aceita ou não) Extensão

Leia mais

Relações entre Variáveis Nominais: O Teste do Qui-Quadrado (χ 2 )

Relações entre Variáveis Nominais: O Teste do Qui-Quadrado (χ 2 ) Relações entre Variáveis Nominais: O Teste do Qui-Quadrado (χ ) Quando queremos medir a relação entre duas variáveis nominais, por exemplo, o sexo de uma pessoa (masculino/feminino) e a sua preferência

Leia mais

iq2 - Análise de uma tabela cruzada simples

iq2 - Análise de uma tabela cruzada simples Pré-requisitos: Lista de variáveis Dados na base da pesquisa iq2 - Análise de uma tabela cruzada simples A análise de um cruzamento simples (isto é, envolvendo duas variáveis fechadas, onde há escolha

Leia mais

CONJUNTOS. PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais. Uma breve história. Alguns conceitos primitivos CONJUNTOS ELEMENTOS

CONJUNTOS. PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais. Uma breve história. Alguns conceitos primitivos CONJUNTOS ELEMENTOS PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais rrelva@globo.com 1 Uma breve história e administrar os seus bens de forma a não ser enganado. O homem sempre teve a necessidade de se

Leia mais

Mercados de Publicidade

Mercados de Publicidade Mercados de Publicidade em Busca Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti O Princípio da VCG para um Mercado de Emparelhamento Geral Vamos generalizar o exemplo para obtermos um método genérico

Leia mais

Jogo de balanceamento de carga

Jogo de balanceamento de carga Jogo de balanceamento de carga Dados: n tarefas m máquinas w i : peso da tarefa i s j : velocidade da máquina j Teoria dos Jogos p. 1 Jogo de balanceamento de carga Dados: n tarefas m máquinas w i : peso

Leia mais

Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres. Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015

Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres. Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015 Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015 Disciplinas FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Horários Quarta-feira Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Algoritmos de Aproximação Segundo Semestre de 2012

Algoritmos de Aproximação Segundo Semestre de 2012 Algoritmos de Aproximação Segundo Semestre de 2012 Aproximação p. 1 Bin Packing Dados: n itens ([n] = {1,...,n}) Dados: comprimento a[i] do item i (i = 1,...,n) Aproximação p. 2 Bin Packing Dados: n itens

Leia mais

satisfeita em parte insatisfeita em parte insatisfeita totalmente

satisfeita em parte insatisfeita em parte insatisfeita totalmente SATISFAÇÃO COM A VIDA SEXUAL comparativos 2001/ 2010 e mulheres/ homens [estimulada e única, em %] Base: Total da amostra M/ H1 2001 2010 HOMENS MENTE SATISFEITA 61 68 80 INSATISFEITA EM ALGUM GRAU 35

Leia mais

PESQUISA SOBRE A MULHER NA COMUNICAÇÃO CORPORATIVA

PESQUISA SOBRE A MULHER NA COMUNICAÇÃO CORPORATIVA PESQUISA SOBRE A MULHER NA COMUNICAÇÃO CORPORATIVA O Instituto ABERJE de Pesquisas realizou uma pesquisa sobre a Mulher na Comunicação Corporativa, com o patrocínio da Natura e da Multibrás, e ouviu 6

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE ENDEREÇO/ CONTATOS

INFORMAÇÕES SOBRE ENDEREÇO/ CONTATOS Rascunho do formulário modelo DS 160 para pedido de visto de entrada nos EUA: as informações abaixo descritas serão transferidas para o sistema de informações dos EUA e são de responsabilidade do requerente

Leia mais

Contagem (2) Anjolina Grisi de Oliveira. 2007.1 / CIn-UFPE. Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco

Contagem (2) Anjolina Grisi de Oliveira. 2007.1 / CIn-UFPE. Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco 1 / 24 Contagem (2) Anjolina Grisi de Oliveira Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco 2007.1 / CIn-UFPE 2 / 24 O princípio da multiplicação de outra forma O princípio da multiplicação

Leia mais

FORMULÁRIO VISTO CANADENSE

FORMULÁRIO VISTO CANADENSE FORMULÁRIO VISTO CANADENSE TIPO DE VISTO REQUERIDO Múltiplas Entradas Trânsito Sobrenome (Igual ao impresso no passaporte) DADOS PESSOAIS Primeiro Nome e Nomes do Meio: Sexo: Masculino Feminino Data de

Leia mais

[ \ x Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \.

[ \ x Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \. &DStWXOR±6LVWHPDVGH(TXDo}HV/LQHDUHV1 &DStWXOR±6LVWHPDVGH(TXDo}HV/LQHDUHV Å 1Ro}HV *HUDLV Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \. [\ [\ É fácil verificar

Leia mais

AVALIAÇÃO: A Ed. Física VALOR: 7.5 (SETE E MEIO) + 2.5 (AHSE) DATA: 22/09 HORA: Série: 1º ano Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Melo

AVALIAÇÃO: A Ed. Física VALOR: 7.5 (SETE E MEIO) + 2.5 (AHSE) DATA: 22/09 HORA: Série: 1º ano Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Melo AVALIAÇÃO: A Ed. Física VALOR: 7.5 (SETE E MEIO) + 2.5 (AHSE) DATA: 22/09 HORA: Série: 1º ano Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Melo Professor Presencial: Aluno: 1 1ª QUESTÃO (1,0) Há 30 anos,

Leia mais

Princ ıpios b asicos Exemplo 1. Exemplo 2. Exemplo 3.

Princ ıpios b asicos Exemplo 1. Exemplo 2. Exemplo 3. Capítulo 6 Combinatória 1 Princípios básicos O princípio fundamental da contagem diz que se há x modos de tomar uma decisão D ½ e, tomada a decisão D ½,há y modos de tomar a decisão D ¾, então o número

Leia mais

O texto desta seção foi publicado em http://msdn.microsoft.com/ptbr/library/ms177433.aspx. o http://msdn.microsoft.com/pt-br/library/ms178104.

O texto desta seção foi publicado em http://msdn.microsoft.com/ptbr/library/ms177433.aspx. o http://msdn.microsoft.com/pt-br/library/ms178104. AULA 12 - Deadlocks Em alguns casos pode ocorrer a seguinte situação: um processo solicita um determinado recurso e este não está disponível no momento. Quando isso ocontece o processo entra para o estado

Leia mais

Jogo de balanceamento de carga

Jogo de balanceamento de carga Jogo de balanceamento de carga Dados: n tarefas m máquinas w i : peso da tarefa i s j : velocidade da máquina j Teoria dos Jogos p. 1 Jogo de balanceamento de carga Dados: n tarefas m máquinas w i : peso

Leia mais

O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual. Resumo

O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual. Resumo O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual Amilton Moretto Palavras-chave:,, Ocupação, Mercado de trabalho. Resumo O artigo analisa o espaço que jovens e as pessoas idosas têm ocupado

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Resultados Finais da 2ª Pesquisa de Opinião do blog Diário do Verde. Dezembro de 2011 / Janeiro de 2012

Resultados Finais da 2ª Pesquisa de Opinião do blog Diário do Verde. Dezembro de 2011 / Janeiro de 2012 2ª Pesquisa de Opinião - Diário do Verde (Ano de 2011) Veículo de Comunicação Ambiental na Internet - www.diariodoverde.com 30 respostas VISÃO GERAL - PERFIL DOS USUÁRIOS Sexo: Feminino Idade: 26-34 anos

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 1.2 Conceitos de Equilíbrio em jogos não-cooperativos na forma normal Isabel Mendes 2007-2008 Na aula teórica 1.1 mostrámos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CI^ENCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIO-ECONOMICAS ESAG CURSO DE CI^ENCIAS ECON ^OMICAS

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CI^ENCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIO-ECONOMICAS ESAG CURSO DE CI^ENCIAS ECON ^OMICAS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CI^ENCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIO-ECONOMICAS ESAG CURSO DE CI^ENCIAS ECON ^OMICAS GUILHERME AUGUSTO SCHÜTZ ALOCAÇÕES ESTÁVEIS E A PRÁTICA DO

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Relatório Final Brasília, Novembro/2014 Método Objetivo geral: Levantar as expectativas para 2015 dos pequenos negócios atendidos pelo SEBRAE Método: Pesquisa

Leia mais

ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO. Seção 5.1 Problemas indecidíveis. Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima

ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO. Seção 5.1 Problemas indecidíveis. Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO Seção 5.1 Problemas indecidíveis Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima 1 Na aula passada... A MT é indecidível (usando diagonalização)

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA VISTO CANADENSE. 3. Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino DADOS PESSOAIS

QUESTIONÁRIO PARA VISTO CANADENSE. 3. Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino DADOS PESSOAIS QUESTIONÁRIO PARA VISTO CANADENSE * Após o preenchimento favor enviar por E-mail: tânia@alfainter.com.br ou kazue@alfainter.com.br, ou FAX.: (11) 2187-8999 / ou pelo Correio para providenciarmos o preenchimento

Leia mais

Iara L. Camaratta Anton Psicóloga CRP 07-0370 iaracamaratta@gmail.com www.iaracamaratta@com.br

Iara L. Camaratta Anton Psicóloga CRP 07-0370 iaracamaratta@gmail.com www.iaracamaratta@com.br Iara L. Camaratta Anton Psicóloga CRP 07-0370 iaracamaratta@gmail.com www.iaracamaratta@com.br EM QUE CONSISTEM OS MITOS? Curiosidades e indagações Tentativas para obtenção de respostas, sem recursos técnicos

Leia mais

Contagem II. Neste material vamos aprender novas técnicas relacionadas a problemas de contagem. 1. Separando em casos

Contagem II. Neste material vamos aprender novas técnicas relacionadas a problemas de contagem. 1. Separando em casos Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 5 Contagem II Neste material vamos aprender novas técnicas relacionadas a problemas de contagem. 1. Separando em

Leia mais

o hemofílico. Meu filho também será?

o hemofílico. Meu filho também será? A U A UL LA Sou hemofílico. Meu filho também será? Nas aulas anteriores, você estudou alguns casos de herança genética, tanto no homem quanto em outros animais. Nesta aula, analisaremos a herança da hemofilia.

Leia mais

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade... ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...5 A Instituição Típica da Área de Cultura...5 A Instituição

Leia mais

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48 Conteúdo 1 Princípios de Contagem e Enumeração Computacional Permutações com Repetições Combinações com Repetições O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos > Princípios de Contagem e Enumeração

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Cálculo das Probabilidades e Estatística I

Cálculo das Probabilidades e Estatística I Cálculo das Probabilidades e Estatística I Prof a. Juliana Freitas Pires Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba - UFPB juliana@de.ufpb.br Introdução a Probabilidade Existem dois tipos

Leia mais

estão em evidência hoje?

estão em evidência hoje? estão em evidência hoje? delas. Muito antes de entender quem eram e como pensavam as mulheres, percebemos que era fundamental identificar as diferenças comportamentais entre homens e mulheres. Afinal,

Leia mais

Participação do Curso Profissional de Técnico de Turismo na Feira do Livro de Amares 16 a 20 de março de 2015 Na semana de 16 a 20 de março de 2015

Participação do Curso Profissional de Técnico de Turismo na Feira do Livro de Amares 16 a 20 de março de 2015 Na semana de 16 a 20 de março de 2015 Participação do Curso Profissional de Técnico de Turismo na Feira do Livro de Amares 16 a 20 de março de 2015 Na semana de 16 a 20 de março de 2015 realizou-se a Feira do Livro e Mostra Pedagógica do Agrupamento

Leia mais

JOGO DA VIDA DICA AOS ADULTOS: LEIA AS INSTRUÇÕES A SEGUIR COM ATENÇÃO E AO MESMO TEMPO VÁ JOGANDO COM A CRIANÇA

JOGO DA VIDA DICA AOS ADULTOS: LEIA AS INSTRUÇÕES A SEGUIR COM ATENÇÃO E AO MESMO TEMPO VÁ JOGANDO COM A CRIANÇA JOGO DA VIDA DICA AOS ADULTOS: LEIA AS INSTRUÇÕES A SEGUIR COM ATENÇÃO E AO MESMO TEMPO VÁ JOGANDO COM A CRIANÇA A PARTIR DE 8 ANOS PARA 2 A 8 JOGADORES Contém: - 01 tabuleiro - 8 carrinhos - 32 pinos

Leia mais

Revisão de combinatória

Revisão de combinatória A UA UL LA Revisão de combinatória Introdução Nesta aula, vamos misturar os vários conceitos aprendidos em análise combinatória. Desde o princípio multiplicativo até os vários tipos de permutações e combinações.

Leia mais

FRAÇÕES DE UMA QUANTIDADE

FRAÇÕES DE UMA QUANTIDADE FRAÇÕES DE UMA QUANTIDADE FRAÇÕES DE UMA QUANTIDADE PREPARANDO O BOLO DICAS Helena comprou 4 ovos. Ela precisa de dessa quantidade para fazer o bolo de aniversário de Mariana. De quantos ovos Helena vai

Leia mais

Comandos de repetição while

Comandos de repetição while Programação de Computadores I UFOP DECOM 2014 2 Aula prática 6 Comandos de repetição while Resumo Nesta aula vamos trabalhar com problemas cuja solução envolve realizar um cálculo ou tarefa repetidas vezes,

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

INTRODUÇÃO À ROBÓTICA

INTRODUÇÃO À ROBÓTICA Material de estudo 2010 INTRODUÇÃO À ROBÓTICA André Luiz Carvalho Ottoni Introdução à Robótica Capítulo 1 - Introdução Robótica é um ramo da tecnologia que engloba mecânica, eletrônica e computação, que

Leia mais

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas 1 Apresentação da disciplina Sistemas Operacionais I N Prof. Marcelo Johann 2009/2 O professor A disciplina Bibliografia Cronograma Avaliação Trabalhos Regras do jogo Introdução: Sistemas Operacionais

Leia mais

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil 2014 Objetivo Metodologia Perfil da Empresa de Consultoria Características das Empresas Áreas de Atuação Honorários Perspectivas e Percepção de Mercado

Leia mais

Gerência de Processador

Gerência de Processador Gerência de Processador Prof. Edwar Saliba Júnior Junho de 2009 Unidade 03-003 Gerência de Processador 1 Introdução Com o surgimento dos sistemas multiprogramáveis, onde múltiplos processos poderiam permanecer

Leia mais

O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente

O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Maio de 2015 Slide 1 OBJETIVOS DO ESTUDO Mapear atitudes e comportamentos das pessoas que não possuem conta corrente em banco com relação

Leia mais

Iniciar com qualidade

Iniciar com qualidade Iniciar com qualidade Depois de ver as dicas da Diretora Nacional Executiva de Vendas Independente Glória Mayfield lembre se de compartilhar com suas Consultoras que na Mary Kay elas nunca começam sozinhas.

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS

ALGORITMOS GENÉTICOS ALGORITMOS GENÉTICOS INTRODUÇÃO São métodos adaptativos que podem ser usados para resolver problemas de busca e otimização. Na natureza a combinação de boas características provenientes de diferentes indivíduos

Leia mais

Correlação quando uma Variável é Nominal

Correlação quando uma Variável é Nominal Correlação quando uma Variável é Nominal Em geral, quando uma das duas variáveis é do tipo categórica e puramente nominal (isto é, não pode nem ser ordenada) não se pode fazer um estudo de correlação.

Leia mais

UMA ATIVIDADE DE MODELAGEM, PARA ALÉM DE UMA PRIMEIRA INVESTIGAÇÃO

UMA ATIVIDADE DE MODELAGEM, PARA ALÉM DE UMA PRIMEIRA INVESTIGAÇÃO UMA ATIVIDADE DE MODELAGEM, PARA ALÉM DE UMA PRIMEIRA INVESTIGAÇÃO Izabel Cristina Fagundes Universidade Tecnológica Federal do Paraná - câmpus Cornélio Procópio Iza_cristina92@outlook.com Angélica Langner

Leia mais

INFORMAÇÕES PESSOAIS

INFORMAÇÕES PESSOAIS Rascunho do formulário modelo DS 160 para pedido de visto de entrada nos EUA: as informações abaixo descritas serão transferidas para o sistema de informações dos EUA e são de responsabilidade do requerente

Leia mais

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP)

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP) ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP) Pretendemos apresentar aqui os dados de um estudo exploratório, que é a primeira fase de

Leia mais

3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation

3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation 29 3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation A participação na competição Agent Reputation Trust (ART) Testbed [10] motivou o estudo do domínio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA Professor: Ernesto Friedrich de Lima Amaral Disciplina: Avaliação

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade

Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 1Q-2015 1 Custo de um algoritmo e funções de complexidade

Leia mais

Censo Demográfico 2010 FAMÍLIA E DOMICÍLIO

Censo Demográfico 2010 FAMÍLIA E DOMICÍLIO Censo Demográfico 2010 FAMÍLIA E DOMICÍLIO Rio de Janeiro, 17 de outubro de 2012 FAMÍLIA A importância de se estudar FAMÍLIA Desempenha papel central na economia do país, como fonte de produção doméstica,

Leia mais

31ª Área Integrada de Segurança Pública - AISP

31ª Área Integrada de Segurança Pública - AISP 31ª Área Integrada de Segurança Pública - AISP Unidade Territorial E Barra da Tijuca, Itanhangá, Recreio dos Bandeirantes e Vargem Pequena (Clique no bairro para visualizar o relatório) ANÁLISE DA BARRA

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

UNIÃO HOMOAFETIVA. Tâmara Barros

UNIÃO HOMOAFETIVA. Tâmara Barros UNIÃO HOMOAFETIVA Tâmara Barros O relacionamento entre pessoas do mesmo sexo ainda é uma questão controversa para a maior parte da população da Grande Vitória, conforme pode ser averiguado através de pesquisa

Leia mais

A probabilidade representa o resultado obtido através do cálculo da intensidade de ocorrência de um determinado evento.

A probabilidade representa o resultado obtido através do cálculo da intensidade de ocorrência de um determinado evento. Probabilidade A probabilidade estuda o risco e a ocorrência de eventos futuros determinando se existe condição de acontecimento ou não. O olhar da probabilidade iniciou-se em jogos de azar (dados, moedas,

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 3 - ÁLGEBRA BOOLEANA 1. Introdução O ponto de partida para o projeto sistemático de sistemas de processamento digital é a chamada Álgebra de Boole, trabalho de um matemático inglês que, em um livro

Leia mais

PROFMAT - UNIRIO COORDENADOR GLADSON ANTUNES ALUNO JOÃO CARLOS CATALDO ANÁLISE COMBINATÓRIA

PROFMAT - UNIRIO COORDENADOR GLADSON ANTUNES ALUNO JOÃO CARLOS CATALDO ANÁLISE COMBINATÓRIA PROFMAT - UNIRIO COORDENADOR GLADSON ANTUNES ALUNO JOÃO CARLOS CATALDO ANÁLISE COMBINATÓRIA Questão 1: Entre duas cidades A e B existem três empresas de avião e cinco de ônibus. Uma pessoa precisa fazer

Leia mais

PESQUISA DE PERFIL DE PÚBLICO DESFILE DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO ESPECIAL DE SÃO PAULO 2015 PRINCIPAIS RESULTADOS

PESQUISA DE PERFIL DE PÚBLICO DESFILE DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO ESPECIAL DE SÃO PAULO 2015 PRINCIPAIS RESULTADOS OBSERVATÓRIO DE TURISMO E EVENTOS DA CIDADE DE SÃO PAULO GERÊNCIA DE COMUNICAÇÃO SÃO PAULO TURISMO PESQUISA DE PERFIL DE PÚBLICO DESFILE DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO ESPECIAL DE SÃO PAULO 2015 PRINCIPAIS

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Grupo A - 1 o semestre de 2014 Gabarito Lista de exercícios 11 - Teste Qhi-quadrado C A S A

Grupo A - 1 o semestre de 2014 Gabarito Lista de exercícios 11 - Teste Qhi-quadrado C A S A Exercício 1. (2,0 pontos). Em um estudo que está sendo realizado por uma pesquisadora da Escola de Educação Física da USP, deseja-se avaliar características das lutas de judô em diferentes categorias.

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... 7

SUMÁRIO. Apresentação... 7 SUMÁRIO Apresentação... 7 1. Os ciclos da vida... 15 Primeira fase: evolutiva, de maturação... 16 Segunda fase: relativa estabilidade... 18 Terceira fase: involutiva inicial... 20 A polêmica gerada pela

Leia mais

RESUMO TEÓRICO. n(a) P(A) = n(u) 0 P(A) 1

RESUMO TEÓRICO. n(a) P(A) = n(u) 0 P(A) 1 RESUMO TEÓRICO Experimentos aleatórios: são aqueles que, mesmo repetidos várias vezes sob condições semelhantes, apresentam resultados imprevisíveis. Exemplo: Lançar um dado e verificar qual é a face voltada

Leia mais

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão SUMÁRIO Apresentação Introdução Soluções para resolv esolver er a violência e a criminalidade Popularidade de possíveis soluções Políticas sociais x políticas de segurança Redução da maioridade penal Legislação

Leia mais

(ou seja, boas praticas de programação orientada a objetos devem ser empregadas mesmo se não foram explicitamente solicitadas)

(ou seja, boas praticas de programação orientada a objetos devem ser empregadas mesmo se não foram explicitamente solicitadas) PC-2 / LP-2 2009/2 Lista 2 Prof. Alexandre Sztajnberg Em todos os exercícios a(o) aluna(o) deve, além de atender aos requisitos enunciados, utilizar os conceitos e características de orientação a objetos

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. 9-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 9. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. 9-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 9. uso escolar. Venda proibida. 9 ENSINO 9-º ano Matemática FUNDAMENTAL Atividades complementares Este material é um complemento da obra Matemática 9 Para Viver Juntos. Reprodução permitida somente para uso escolar. Venda proibida. Samuel

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA. EDITAL Nº 009/2014-PROPPG, de 22 de abril de 2014

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA. EDITAL Nº 009/2014-PROPPG, de 22 de abril de 2014 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA EDITAL Nº 009/2014-PROPPG, de 22 de abril de 2014 A, por meio da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG/IFG), torna público o processo

Leia mais

3Apesar dos direitos adquiridos pelas

3Apesar dos direitos adquiridos pelas objetivo. promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres mulheres ao longo do século 20, ainda há considerável desigualdade entre os gêneros no mundo. Em geral, as mulheres sofrem com a

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

Raciocínio Lógico Exercícios. Prof. Pacher A B P(A B) P(A/B) = P(B) n(a) P(A) = n(s) PROBABILIDADE DECORRÊNCIA DA DEFINIÇÃO

Raciocínio Lógico Exercícios. Prof. Pacher A B P(A B) P(A/B) = P(B) n(a) P(A) = n(s) PROBABILIDADE DECORRÊNCIA DA DEFINIÇÃO PROBBILIDDE Introdução teoria da probabilidade é o ramo da matemática que cria, desenvolve e em geral pesquisa modelos que podem ser utilizados para estudar experimentos aleatórios ou não determinísticos.

Leia mais

Permutação. Série Matemática na Escola

Permutação. Série Matemática na Escola Permutação Série Matemática na Escola Objetivos 1. Ensinar o conceito de permutação; 2. Deduzir a fórmula para permutações; 3. Apresentar usos da permutação no cotidiano. Permutação Série Matemática na

Leia mais

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO Fabio Garani 17 Regional de Saude 1 ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER : 7,4anos

Leia mais

SIMULADO DO TESTE DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

SIMULADO DO TESTE DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS SIMULADO DO TESTE DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS PROPOSTA Este simulado é um material de apoio para você se preparar para o Teste de Resolução de Problemas, com o objetivo de: 1. Compartilhar dicas e normas

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL APOSENTADORIA ESPECIAL LC 144/2014 garante novas regras de aposentadoria especial para as servidoras policiais da Constituição Federal. Trata-se da Lei Complementar n.º 144/2014, que dispõe sobre a aposentadoria

Leia mais

3. Como conduzir a atividade

3. Como conduzir a atividade Atividade 3 - Amostras confiáveis 1. Justificativa Quando analisamos propriedades de um grupo de pessoas como, por exemplo, idade, estatura, escolaridade ou religião, podemos associar conceitos ou números

Leia mais

Agência de Planeamento Estratégico e de Meios. 25 de Outubro de 2011

Agência de Planeamento Estratégico e de Meios. 25 de Outubro de 2011 Agência de Planeamento Estratégico e de Meios 25 de Outubro de 2011 Objetivo do estudo Avaliar o comportamento da população portuguesa utilizadora da internet (59% do total da população com +15 anos,

Leia mais

ECO039 Linguagens Formais

ECO039 Linguagens Formais Prof a.dra.thatyana de Faria Piola Seraphim Universidade Federal de Itajubá thatyana@unifei.edu.br Introdução ˆ As três principais áreas da teoria da computação (Autômatos, Computabilidade e Complexidade)

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores

Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores Aula passada: Discussão sobre situações de conflito Exemplos de jogos Jogo em aula Aula de hoje: Introdução

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO N ú m e r o P-26 PLANO DE AÇÃO PARA A IGUALDADE DE GÊNERO Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO PLANO DE AÇÃO PARA A IGUALDADE DE GÊNERO FUNBIO Fundo Brasileiro para a Biodiversidade Unidade Responsável:

Leia mais

Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) Exercícios

Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) Exercícios Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) A FILOSOFIA DA PRODUÇÃO ENXUTA (LEAN THINKING) Exercícios Prof. Eduardo G. M. Jardim, PhD. Prof.

Leia mais

CURSO DE MICROECONOMIA 2

CURSO DE MICROECONOMIA 2 CURSO DE MICROECONOMIA 2 TEORIA DOS CONTRATOS - Seleção Adversa PROF Mônica Viegas e Flavia Chein Cedeplar/UFMG 2/2009 Cedeplar/UFMG (Institute) MICRO 2 2/2009 1 / 30 Seleção Adversa Seleção adversa: se

Leia mais

O Que Vem Mudando Nos Hábitos De Consumo Da Classe C

O Que Vem Mudando Nos Hábitos De Consumo Da Classe C VAREJO Agosto - 2012 O Que Vem Mudando Nos Hábitos De Consumo Da Classe C Desde a criação do Real e a estabilização da economia, o poder aquisitivo da população brasileira aumentou de forma significativa.

Leia mais

O quadro abaixo apresenta a distribuição dos salários dos funcionários em um banco.

O quadro abaixo apresenta a distribuição dos salários dos funcionários em um banco. 1) BANESE - FCC 2012 Considere que em uma indústria todos os seus operários trabalham com desempenhos iguais e constantes. Sabe-se que 24 desses operários, trabalhando 6 horas por dia, durante 10 dias,

Leia mais

Avaliação e Desempenho Aula 4

Avaliação e Desempenho Aula 4 Avaliação e Desempenho Aula 4 Aulas passadas Motivação para avaliação e desempenho Aula de hoje Revisão de probabilidade Eventos e probabilidade Independência Prob. condicional Experimentos Aleatórios

Leia mais

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 5 por completo do livrotexto Muito Prazer Unidade 5 I Querer + verbo Achar + que Eu quero Eu acho Você/ ele/ ela quer Você/ ele/

Leia mais

Escalonamento no Linux e no Windows NT/2000/XP

Escalonamento no Linux e no Windows NT/2000/XP Escalonamento no Linux e no Windows NT/2000/XP 1 Escalonamento no Linux Os requisitos do escalonador do Linux eram: Apresentar boa performance em programas interativos, mesmo com carga elevada; Distribuir

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 AIDS O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde estima que aproximadamente 734 mil pessoas vivam com HIV/aids no país, o que corresponde

Leia mais