PLANO DE FORMAÇÃO set dez 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE FORMAÇÃO set dez 2012"

Transcrição

1 set dez AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

2 INTRODUÇÃO Num ano de dificuldades e desafios acrescidos, acreditamos que o conhecimento é fundamental para responder às novas exigências e alavancar novas oportunidades. Neste sentido, apresentamos um plano de formação para o 3º quadrimestre de com novas oportunidades de aprendizagem para os nossos funcionários e parceiros, renovando e reafirmando o compromisso da Agência para a Modernização Administrativa, I.P. (AMA) com a partilha e a difusão do conhecimento e a prestação de um serviço de formação inovador e próximo dos destinatários. A oferta formativa no presente plano de formação está enquadrada nas áreas estruturantes da AMA e da Rede Nacional de Serviços de Atendimento, contemplando igualmente outras ações de formação que complementam o leque de competências necessárias ao correto desempenho das diversas funções prosseguidas pelos dirigentes, trabalhadores e parceiros, para reforço das competências gestionárias, sócio comportamentais e de utilização de sistemas e tecnologias de informação. No quadro da flexibilidade em que se baseia a atividade formativa da AMA, a oferta de formação contida neste plano não esgota a possibilidade de se realizarem outras ações de formação que venham a ser consideradas necessárias para a prossecução dos objetivos desta Agência e para apoio aos seus funcionários e parceiros. O presente plano de formação aponta ainda para outras ofertas formativas, algumas apenas dirigidas aos funcionários da AMA, a que os interessados se podem candidatar, de acordo com o perfil da função que desempenham e a relevância da formação para a atividade que desenvolvem. O Conselho Diretivo e o Departamento de Formação da AMA convidam-no a aceitar os vários desafios formativos que preparámos para si no 3º quadrimestre de, com algumas novidades ao nível das metodologias pedagógicas, mais flexíveis para os formandos, e a viver mais Novas Aprendizagens! Paulo Neves Presidente do Conselho Diretivo

3 ÍNDICE Metodologias e inscrições Áreas de formação... 7 Formação contínua externa Cursos de formação inicial.. 12 Cursos de formação contínua Regulamento da formação Calendário da formação... 31

4 METODOLOGIAS E INSCRIÇÕES Metodologias e Inscrições

5 METODOLOGIAS E INSCRIÇÕES Neste ano de o Departamento de Formação da AMA tem apostado em 2 áreas fundamentais de intervenção, à qual estão associadas diferentes metodologias de formação. Destacamos a metodologia de autoformação dado que tem vindo a ser implementada pela primeira vez ao longo do ano de. Formação Formal Cursos certificados com avaliação da aprendizagem, sob os modelos presencial, elearning ou blended- Learning, com um percurso formativo definido e tutoria pedagógica contínua e ativa. Autoformação Conteúdos pedagógicos com avaliação da aprendizagem e disponíveis online, com percurso formativo prédefinido, ou não, e sem uma tutoria pedagógica contínua. Inscrições Todas as inscrições são gratuitas e podem ser feitas em qualquer momento através do site Os cursos presenciais, em elearning e blended-learning têm um número de vagas limitado às ações de formação calendarizadas mas o acesso aos cursos de autoformação é aberto a todos os interessados que poderão realizá-los de acordo com a sua disponibilidade, dentro de um prazo sugerido. Para qualquer um dos cursos, os interessados deverão fazer sempre a sua inscrição em formulário próprio disponível no site acima referido. Certificação da Formação A certificação da formação está dependente da realização de testes de avaliação final, incluindo nos cursos de autoformação, que validarão a realização das ações de formação e permitirão proceder-se à avaliação da aprendizagem. No caso em que não haja avaliação, o certificado será apenas de participação.

6 METODOLOGIAS E INSCRIÇÕES AUTOFORMAÇÃO O Departamento de Formação (DF) irá, até o final de, disponibilizar na plataforma de aprendizagem, acessível através do site vários conteúdos de autoformação para acesso a todos os interessados. Pretendemos, com esta nova aposta, oferecer um acesso ainda mais flexível à formação e fomentar a partilha do conhecimento entre todos os profissionais da AMA e da Rede Nacional de Serviços de Atendimento. Metodologia Pedagógica Os cursos/conteúdos pedagógicos são disponibilizados na plataforma de aprendizagem durante um período de tempo prédeterminado, sem tutoria pedagógica contínua mas onde os formandos têm toda a flexibilidade para, dentro desse período de tempo, aceder aos conteúdos de formação conforme a sua disponibilidade. Áreas de Autoformação Para além da oferta formativa em autoformação já identificada neste plano, outros cursos poderão ser disponibilizados ao longo do ano, na sequência da identificação de oportunidades de outras temas e das próprias necessidades identificadas pelos interessados. As sugestões podem ser enviadas para colocando no assunto do Sugestões para autoformação. Calendário da Autoformação O Departamento de Formação irá procurar ter novas ofertas formativas de autoformação com alguma periodicidade. Sugerimos a consulta periódica dos sites e para conhecimento dos cursos/conteúdos disponíveis.

7 ÁREAS DE FORMAÇÃO Áreas de Formação

8 ÁREAS DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO INICIAL Formação Inicial - formação que visa a aquisição das capacidades indispensáveis ao exercício duma profissão ou função. Constitui o primeiro programa de formação que habilita ao desempenho das tarefas base de uma função ou profissão. in Terminologia da Formação Profissional, CIME, 2001 Formação Inicial Comportamental (FIc) FIc Área 1: ATENDIMENTO (At) FIcAt1 As Lojas do Cidadão: Missão, Valores e Serviço ao Cidadão [bl] Pág.13 FIc Área 2: LIDERANÇA E GESTÃO DE EQUIPAS (LGE) FIcLGE1 As Lojas do Cidadão: Missão, Visão e Funcionamento Interno [P] Pág.14 Formação Inicial Técnica (FIt) FIt Área 1: PLATAFORMAS (P) FItP1 O Balcão Multisserviços: Pressupostos e Procedimentos [bl] Pág.15 FItP2 SIGA: Sistema de Informação para a Gestão do Atendimento [P/Af] Pág.16 FItP3 Eu e o Sharepoint: Instruções para utilizadores finais [Af] Pág.17 FItP4 GeRFIP: Requisição de Bens e Serviços [Af] Pág.18 FItP5 SIR: Sistema da Indústria Responsável [Af] Pág.19 Legenda: Cursos novos Metodologias de formação: P = Presencial el = elearning bl = blended learning Af = Autoformação

9 ÁREAS DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO CONTÍNUA Formação contínua - formação que engloba todos os processos formativos organizados e institucionalizados subsequentes à formação profissional inicial com vista a permitir uma adaptação às transformações tecnológicas e técnicas, favorecer a promoção social dos indivíduos, bem como permitir a sua contribuição para o desenvolvimento cultural, económico e social. in Terminologia da Formação Profissional, CIME, 2001 Formação Contínua Comportamental (FCc) FCc Área 1: ATENDIMENTO (At) FCcAt2 Gestão de Conflitos [el] Pág.21 FCc Área 2: LIDERANÇA E GESTÃO DE EQUIPAS (LGE) FCcLGE4 Constituição e Dinâmicas de Equipa [P] Pág.22 Formação Contínua Técnica (FCt) FCt Área 1: GESTÃO E ORGANIZAÇÃO (GO) FCtGO1 Gestão de Projetos [P] Pág.23 FCt Área 3: FINANÇAS, CONTABILIDADE E FISCALIDADE (FCF) FCtFCF2 Introdução ao Código dos Contratos Públicos [P] Pág.24 FCt Área 4: TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO (TI) FCtTI1 Competências Fundamentais em TIC [Af] Pág.25 Legenda: Cursos novos Metodologias de formação: P = Presencial el = elearning bl = blended learning Af = Autoformação

10 ÁREAS DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO CONTÍNUA EXTERNA (1 DE 2) Apenas para os Funcionários AMA No sentido de se proporcionarem mais oportunidades de formação para além da oferta formativa interna, a AMA coloca à disposição dos seus funcionários a possibilidade de inscrição em cursos promovidos pela atual Direção-Geral da Qualificação dos Trabalhadores em Funções Públicas (que integrou a formação do antigo INA). Esta oferta formativa encontra-se disponível em As inscrições nestes cursos, financiados e não-financiados, deverão apenas ser efetuadas após validação da AMA e de acordo com as indicações e prioridades expostas ao lado. A declaração de interesse nestes cursos deve ser feita através deste formulário. A AMA, de acordo com as prioridades de formação para o presente ano e perante os desafios que se preveem para o futuro, sugere, como áreas transversais prioritárias, as seguintes: Para o exercício de cargos de direção intermédia: - Programa de Formação em Gestão Pública (FORGEP) -Gestão de Recursos Humanos; - Gestão da Informação e do Conhecimento. Para todos os trabalhadores: - a seleção de áreas pertinentes para as respetivas funções e que não constem da oferta formativa da AMA. Atenção: 1. Os funcionários AMA interessados nesta formação deverão preencher a Ficha de Pré-Inscrição disponível na Intranet, indicando 2 preferências; 2. Critérios de avaliação dos pedidos de formação: Prioridade para cursos financiados (*) Prioridade para cursos via elearning Prioridade para cursos em horário pós-laboral A formação não pode exigir mais do que 2 dias inteiros ou 3 meios dias de ausência por semana A formação deve ser em local próximo do local de trabalho e/ou não implicar despesas de deslocação Qualidade e valor da formação Importância do curso para as funções exercidas na AMA Validação da chefia direta 3. Os pedidos devem ser efetuados com pelo menos 20 dias de antecedência antes do início do curso pretendido. 4. Os pedidos serão todos analisados pelo CD/DF, também de acordo com critérios financeiros, e as respostas finais serão dadas diretamente aos funcionários e às suas chefias diretas. Apenas após esta validação superior poderão ser efetuadas as inscrições no site da DGQTFP. (*) A DGQTFP prevê a publicação dos cursos financiados apenas em Setembro.

11 ÁREAS DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO CONTÍNUA EXTERNA (2 DE 2) Informação de interesse a todos os funcionários da AMA e das Lojas No dia 17 de Abril de foi assinado um protocolo de colaboração entre o Governo, Instituições de Ensino Superior e Deloitte Boas Práticas na Administração Pública o qual criou a APEX Aliança para a Promoção da Excelência na Administração Pública com o objetivo de: oferecer formação de elevada qualidade em áreas de gestão, liderança, marketing, direito, sistemas de informação, inovação, imagem, comunicação, segurança e higiene, saúde, auditoria, contabilidade, finanças, estratégia, vendas, distribuição, fiscalidade, recursos humanos, economia, serviço social, relações internacionais, psicologia, entre outras, aos dirigentes e quadros superiores da AP em condições extraordinárias. As referidas condições estão identificadas no protocolo de colaboração e a lista de cursos a serem disponibilizados no âmbito deste protocolo constam do segundo documento. A AMA incentiva os seus funcionários a aderirem a esta iniciativa, sugerindo a inscrição, tanto quanto possível, nos cursos em horário pós-laboral. Caso os cursos sejam em horário laboral, os interessados deverão solicitar a devida validação superior, entregando a informação relativa ao curso selecionado junto do Departamento de Formação Protocolo APEX Lista de Cursos abrangidos pela APEX Todas estas informações estão disponíveis em:

12 FORMAÇÃO INICIAL Formação Inicial

13 FORMAÇÃO INICIAL COMPORTAMENTAL FIcAT1 As Lojas do Cidadão: Missão, Valores e Serviço ao Cidadão DESTINATÁRIOS Profissionais de atendimento que vão integrar uma nova Loja do Cidadão. Novos funcionários das Lojas do Cidadão. OBJETIVOS Apresentar o projeto Lojas do Cidadão Acolher os funcionários e integrá-los na cultura das Lojas do Cidadão Refletir sobre os princípios e as boas práticas do atendimento ao público. CONTEÚDOS As Lojas do Cidadão: missão, visão e valores. As fases do atendimento. Comunicação verbal e não verbal. Escuta ativa. Gestão de conflitos e reclamações. METODOLOGIA DE FORMAÇÃO Blended-Learning DURAÇÃO 8h presenciais + 9h online PRÉ-REQUISITOS Para a componente online é necessário computador próprio com acesso diário e/ou continuo à Internet, fora do horário laboral, competências informáticas na ótica do utilizador, autodisciplina e automotivação.

14 FORMAÇÃO INICIAL COMPORTAMENTAL FIcLGE1 As Lojas do Cidadão: Missão, Visão e Funcionamento Interno DESTINATÁRIOS Profissionais que vão iniciar atividade como Gerentes ou Coordenadores de Lojas do Cidadão. OBJETIVOS Acolher e integrar os Coordenadores das novas Lojas do Cidadão Dar a conhecer a organização e funcionamento das Lojas do Cidadão Sensibilizar para a importância do trabalho em rede para um maior sucesso da 2.ª Geração das Lojas do Cidadão. CONTEÚDOS O Projeto das Lojas do Cidadão: missão, visão e valores Gestão e funcionamento das Lojas do Cidadão: princípios, regras e procedimentos. Competências e atribuições dos Coordenadores. Avaliação e monitorização da qualidade dos serviços. O desafio da 2.ª Geração das Lojas do Cidadão. METODOLOGIA DE FORMAÇÃO Presencial DURAÇÃO 4 horas PRÉ-REQUISITOS Não existem pré-requisitos específicos.

15 FORMAÇÃO INICIAL TÉCNICA FItP1 DESTINATÁRIOS Operadores do Balcão Multisserviços (BMS), no início das suas funções. O Balcão Multisserviços: Pressupostos e Procedimentos OBJETIVOS Conhecer a origem do BMS e a sua importância nas Lojas do Cidadão Compreender os serviços das diferentes entidades Conhecer os passos inerentes às operações fundamentais para a prestação de serviços com a plataforma BMS Compreender a integração entre as plataformas das entidades com a do BMS. CONTEÚDOS Serviços prestados no BMS e respetivas entidades. A plataforma BMS Prestação de informações e serviços com o apoio da plataforma BMS. METODOLOGIA DE FORMAÇÃO Blended-Learning DURAÇÃO 14h presenciais + 9h online PRÉ-REQUISITOS Para a componente online é necessário computador próprio com acesso diário e/ou continuo à Internet, fora do horário laboral, competências informáticas na ótica do utilizador, autodisciplina e automotivação.

16 FORMAÇÃO INICIAL TÉCNICA FItP2 DESTINATÁRIOS Operadores dos balcões de atendimento nas Lojas do Cidadão. SIGA: Sistema de Informação para a Gestão do Atendimento OBJETIVOS Saber a origem do SIGA e a sua importância nas Lojas do Cidadão Conhecer os diferentes módulos da plataforma e a importância de cada um Compreender os passos inerentes às operações fundamentais da plataforma SIGA Adquirir as competências necessárias à boa utilização e maximização da plataforma SIGA. CONTEÚDOS A plataforma SIGA: sua estrutura e funcionalidades. Procedimentos para a realização do atendimento. Informação gerada pela plataforma. Cuidados a ter na utilização da plataforma. METODOLOGIA DE FORMAÇÃO Autoformação DURAÇÃO 4 horas PRÉ-REQUISITOS Para a componente online é necessário computador próprio com acesso diário e/ou continuo à Internet, fora do horário laboral, competências informáticas na ótica do utilizador, autodisciplina e automotivação.

17 FORMAÇÃO INICIAL TÉCNICA FItP3 Eu e o Sharepoint: Instruções para utilizadores finais DESTINATÁRIOS Funcionários da AMA e parceiros que utilizam o espaço colaborativo da Rede Comum do Conhecimento (RCC), quer na sua vertente informativa quer colaborativa (*). OBJETIVOS Conhecer a estrutura e as funcionalidades do sharepoint Aprender a utilizar a ferramenta na ótica do utilizador final Compreender os procedimentos a tomar na realização de ações base de utilização do Sharepoint: Navegação no Sharepoint, edição de dados pessoais, editar e atualizar listas, participar em fóruns, responder a inquéritos, etc. Desenvolver competências de utilização dos espaços colaborativos. CONTEÚDOS O Sharepoint: sua estrutura e funcionalidades. As características específicas do sharepoint na ótica do utilizador final. Experimentação prática do sharepoint na ótica do utilizador final. Dinâmicas de facilitação e utilização dos espaços colaborativos da RCC. METODOLOGIA DE FORMAÇÃO Autoformação! (*) Esta formação não se destina aos administradores dos espaços nem aos DURAÇÃO gestores de projetos, mas apenas aos utilizadores finais dos espaços 10 horas colaborativos da RCC (Rede Comum do Conhecimento) que não tenham experiência em utilizar o Sharepoint. PRÉ-REQUISITOS Para a componente online é necessário computador próprio com acesso diário e/ou continuo à Internet, fora do horário laboral, competências informáticas na ótica do utilizador, autodisciplina e automotivação.

18 FORMAÇÃO INICIAL TÉCNICA FItP4 GeRFIP: Requisição de Bens e Serviços DESTINATÁRIOS Funcionários da AMA, das Lojas do Cidadão e Empresa, dos PAC e dos BMS não integrados que foram nomeados como representantes de bens e serviços nas respetivas equipas. OBJETIVOS Conhecer a estrutura e funcionalidades do GeRFIP Aprender a utilizar a ferramenta na ótica do requisitante de bens e serviços Compreender os procedimentos a tomar nas diferentes fases do processo de requisição de bens e serviços Saber efetuar a requisição de bens e serviços, do início até ao fim, na plataforma GeRFIP. CONTEÚDOS O GeRFIP: sua estrutura e funcionalidades. A requisição de bens e serviços. As fases do processo de requisição de bens e serviços. Os procedimentos de cada uma das fases e a sua realização no GeRFIP. METODOLOGIA DE FORMAÇÃO Autoformação DURAÇÃO 5 horas PRÉ-REQUISITOS Apenas podem participar nesta formação os funcionários a quem foi atribuído o código de acesso à plataforma GeRFIP.

19 FORMAÇÃO INICIAL TÉCNICA FItP5 DESTINATÁRIOS Parceiros da AMA da Administração Local. SIR: Sistema da Indústria Responsável OBJETIVOS Apresentar o novo Decreto-Lei 169/ de 1 de Agosto (SIR Sistema da Indústria Responsável) no âmbito dos estabelecimentos industriais do tipo 3. CONTEÚDOS A definir METODOLOGIA DE FORMAÇÃO Blended Learning DURAÇÃO 6h presenciais + 12h online PRÉ-REQUISITOS Apenas podem participar nesta formação os profissionais que forem nomeados pelas próprias entidades para a gestão deste processo.

20 FORMAÇÃO CONTÍNUA Formação Contínua

21 FORMAÇÃO CONTÍNUA COMPORTAMENTAL FCcAT2 DESTINATÁRIOS Profissionais de atendimento das Lojas do Cidadão e da Empresa e de outros serviços descentralizados da RNSA. Gestão de Conflitos OBJETIVOS Saber fazer o diagnóstico de situações de conflito para um melhor desempenho Desenvolver atitudes e comportamentos realistas para evitar os bloqueios e sair das situações de conflitos Saber utilizar um processo de negociação partilhado e equilibrado, focalizado na procura de soluções Construir relações de confiança para facilitar a obtenção de soluções. CONTEÚDOS A natureza do conflito. O estilo pessoal na reação aos conflitos. Comunicação eficaz e assertividade. Técnicas de gestão de conflitos e reclamações. METODOLOGIA DE FORMAÇÃO elearning DURAÇÃO 20 horas PRÉ-REQUISITOS Para a componente online é necessário computador próprio com acesso diário e/ou contínuo à Internet, fora do horário laboral, competências informáticas na ótica do utilizador, autodisciplina e automotivação.

22 FORMAÇÃO CONTÍNUA COMPORTAMENTAL FCcLGE2 DESTINATÁRIOS Departamentos e equipas de projeto da AMA. Dinâmicas de Equipa OBJETIVOS Reconhecer a importância do trabalho de equipa e as mudanças a que está sujeita Discutir sobre o papel dos profissionais das equipas, para uma maior identificação das suas funções e competências Refletir sobre os desafios futuros, para uma maior motivação e resposta mais eficaz da equipa Integrar novas estratégias de trabalho para uma resposta mais eficaz e eficiente. CONTEÚDOS A AMA e a sua organização. A dinâmica indivíduo equipa organização. Funções e competências da equipa. A comunicação e a motivação na equipa. Missão, visão e valores da equipa. Iniciativas de melhoria e compromisso para o futuro. METODOLOGIA DE FORMAÇÃO Presencial DURAÇÃO 6 horas PRÉ-REQUISITOS Não existem pré-requisitos específicos.

23 FORMAÇÃO CONTÍNUA COMPORTAMENTAL FCcLGE5 DESTINATÁRIOS Funcionários AMA. Gestão de Projetos OBJETIVOS Conhecer os principais desafios e oportunidades da gestão de projetos Reconhecer as principais etapas da gestão de projetos Explorar as diversas técnicas de planeamento, execução, acompanhamento, controlo e avaliação de projetos. CONTEÚDOS A gestão de projetos. Arranque do projeto. Organização e planeamento detalhado do projeto. Controlo do projeto. Encerramento do projeto. METODOLOGIA DE FORMAÇÃO Presencial DURAÇÃO 24 horas PRÉ-REQUISITOS Não existem pré-requisitos específicos.

24 FORMAÇÃO CONTÍNUA TÉCNICA FCtCF1 DESTINATÁRIOS Funcionários AMA. Introdução ao Código dos Contratos Públicos OBJETIVOS Apresentar o CCP, numa perspetiva mais operacional, incluindo boas práticas e princípios básicos de racionalização de compras CONTEÚDOS Enquadramento. Procedimentos e regras de escolha. Formação de contrato: alguns tópicos. Novos procedimentos. Racionalização de compras. METODOLOGIA DE FORMAÇÃO Presencial DURAÇÃO 3 horas PRÉ-REQUISITOS Não existem pré-requisitos específicos.

25 FORMAÇÃO CONTÍNUA TÉCNICA FCtCF1 Competências Fundamentais em TIC (*) DESTINATÁRIOS Funcionários AMA, das entidades representadas nas Lojas do Cidadão e Empresa e dos outros serviços descentralizados da RNSA. OBJETIVOS Adquirir conhecimentos fundamentais sobre os conceitos, componentes e equipamentos informáticos Aprender a utilizar as principais funcionalidades dos processadores de texto Conhecer as principais fórmulas e funções de uma folha de cálculo Conhecer as principais funcionalidades do software de apresentações. CONTEÚDOS Processador de texto: iniciar um novo documento; editar o conteúdo de um documento; modo de visualização; formatação e configuração; cabeçalho e rodapé; imprimir documentos; listas de mailing; criação de formulários. Folha de cálculo: edição de folhas de cálculo; gestão de livros, fórmulas e funções do Excel; formatação; cabeçalhos e rodapés; configuração e impressão de livros; gráficos e manipulação de dados; criar relatórios de tabela e gráficos dinâmicos. Apresentações: planeamento de apresentações, modelos e funcionalidades e trabalho com diapositivos inserção de elementos, transições e animações personalizadas). METODOLOGIA DE FORMAÇÃO Autoformação DURAÇÃO 20 horas! (*) O curso considera os softwares incluídos no pacote Libre Office PRÉ-REQUISITOS Para a componente online é necessário computador próprio com acesso diário e/ou contínuo à Internet, fora do horário laboral, competências informáticas na ótica do utilizador, autodisciplina e automotivação.

26 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO Regulamento da Formação

27 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO PRINCÍPIOS DE QUALIDADE DA FORMAÇÃO RIGOR TÉCNICO E PEDAGÓGICO Conceber soluções formativas com elevado rigor técnico e pedagógico. INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE Oferecer soluções formativas inovadoras e criativas que despertem a motivação e o interesse dos formandos. MELHORIA CONTÍNUA Apostar na qualidade e melhoria contínua da formação, nas suas várias vertentes. APRENDIZAGEM CONTÍNUA Zelar pela boa conservação e utilização de todos os equipamentos fornecidos, bem como das salas de formação. CO-RESPONSABILIZAÇÃO Responder, nos prazos fixados, aos inquéritos que lhe forem dirigidos, nomeadamente os de avaliação da formação. EXCELÊNCIA Apostar continuamente na integração de elementos diferenciadores e garantir o reconhecimento e a credibilização da formação.

28 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO DIREITOS E DEVERES DOS FORMANDOS DIREITOS Receber a formação em harmonia com os programas, metodologias e processos de trabalho definidos. Utilizar os recursos pedagógicos correspondentes à ação de formação, como por exemplo, documentação de apoio ou o manual do curso (quando aplicável). Receber user/password para ter acesso à plataforma de elearning (quando aplicável). Apoio técnico e complementar prestado por parte da coordenação da formação. Receber um certificado comprovativo da frequência ou aproveitamento obtido na mesma, desde que a assiduidade seja igual ou superior a 95% da carga horária de cada ação de formação. DEVERES Frequentar com assiduidade e pontualidade o curso, visando adquirir os conhecimentos teóricos e práticos que lhe forem ministrados. No caso da formação elearning, estes deveres mantêm-se, dentro da flexibilidade temporal existente, sendo importante a regularidade e assiduidade com que os formandos acompanham o desenvolvimento das atividades. Frequentar a formação num período igual ou superior a 95% da carga horária total. Ser participativo e contribuir para uma boa dinâmica do grupo de formação. Zelar pela boa conservação e utilização de todos os equipamentos fornecidos, bem como das salas de formação. Utilizar o acesso à plataforma elearning de forma responsável. Responder, nos prazos fixados, aos inquéritos que lhe forem dirigidos, nomeadamente os de avaliação da formação.

29 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO SELEÇÃO DOS FORMANDOS A seleção de candidatos à frequência de ações de formação formais da AMA está condicionada ao cumprimento dos pré-requisitos de acesso, à entrega dos documentos inerentes ao processo de candidatura e dentro dos prazos estipulados. O processo de seleção dá prioridade aos formandos que não tenham beneficiado de qualquer formação da AMA, no seu todo ou em relação a uma determinada área de formação, ou que já tenham beneficiado de formação da Agência há mais de 3 anos. De entre os candidatos admitidos aos cursos, a seleção final é efetuada através da análise curricular, da motivação dos interessados e/ou por sugestão do superior hierárquico. No caso dos candidatos das entidades parceiras, os mesmos têm de ter autorização da sua respetiva entidade. Em caso de dúvidas na seleção dos candidatos, o Departamento de Formação da AMA reserva-se ao direito de proceder a entrevistas aos formandos para averiguar dos perfis mais adequados. Em caso de desistências, são convidados a integrar os grupos de formação os candidatos imediatamente a seguir na lista de qualificação das inscrições. A inscrição é realizado em nome individual, sendo pessoal e intransmissível.

30 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO CERTIFICAÇÃO DA FORMAÇÃO A emissão de certificados de participação e aproveitamento em ações de formação da AMA é da responsabilidade do Departamento de Formação ou da entidade formadora contratada pela AMA. Apenas são certificados os formandos com uma assiduidade igual ou superior a 95% pois como princípio geral, o limite de faltas, incluindo justificadas e injustificadas, é de 5% do numero de horas totais da formação. A título excecional pode-se aceitar mais 5% de faltas, desde que justificadas e que o formando realize uma ou mais atividades e/ou testes, com avaliação positiva, que compensem as faltas. Eis os vários tipos de certificados atribuídos pela AMA/Departamento de Formação ou pelas entidades formadoras contratadas: Certificado de frequência em ações de formação. Certificado de aproveitamento em ações de formação (no caso da formação certificada). Certificado de participação em Seminários e Workshops. No caso dos grupos de autoformação, os formandos terão direito a um certificado de aproveitamento se efetuarem integralmente os mesmos e realizarem, com sucesso, a avaliação final.

31 CALENDÁRIO DA FORMAÇÃO Calendário da Formação

32 set-dez CALENDÁRIO DA FORMAÇÃO FORMAÇÃO INICIAL COMPORTAMENTAL E TÉCNICA Cursos Destinatários Modalidade de Formação Região/Local N.º ações em Nº formandos por ação Duração Datas previstas (*) FIcAt1 (bl) As Lojas do Cidadão: Missão, Valores e Serviço ao Cidadão Atendedores que vão integrar uma nova Loja do Cidadão Blended Learning Todo o país Conforme necessário 20 8h pres. 9h online Por convocatória da AMA FIcLGE1 (P) As Lojas do Cidadão: Missão, Visão e Funcionamento Interno Gerentes ou Coordenadores que vão integrar uma Loja do Cidadão Presencial Todo o país Conforme necessário 12 4horas presencial Por convocatória da AMA FItP1 (bl) O Balcão Multisserviços: Pressupostos e Funcionamento Operadores que vão iniciar atividade num Balcão Multisserviços Blended Learning Todo o país Conforme necessário 8 14h pres. 9h online Por convocatória da AMA FItP2 (Af/P) SIGA: Sistema Integrado para a Gestão do Atendimento Operadores dos balcões de atendimento nas Lojas do Cidadão Presencial / Autoformação 1h pres. 4 h online Por convocatória da AMA FItP3 (Af) Eu e o Sharepoint: Instruções para utilizadores finais Funcionários AMA Autoformação 10 horas online nov. FItP4 (Af) GeRFIP: Requisição de Bens e Serviços Funcionários das Lojas, PAC, BMS e serviços centrais da AMA Autoformação 5horas online De 20 de set. a 4 de out. FItP5 (bl) SIR: Sistema da Indústria Responsável Parceiros AMA da Administração Local Blended Learning 6h pres. 12h online Por convocatória da AMA Clique aqui para realizar a sua pré-inscrição

33 set-dez CALENDÁRIO DA FORMAÇÃO FORMAÇÃO CONTÍNUA COMPORTAMENTAL Cursos FCcAt2 (el) Gestão de Conflitos Destinatários Funcionários da AMA, das entidades representadas nas Lojas e nos outros serviços da RNSA Modalidade de Formação Região/Local N.º ações em Nº formandos por ação elearning Todo o país 2 20 Duração 20 horas online Datas previstas (*) De 5 de nov. a 30 de nov. FCcLGE2 (P) Dinâmicas de Equipa Equipas AMA Presencial Lisboa horas presencial set. a dez. FCcGO1 (P) Gestão de Projetos Funcionários AMA Presencial Lisboa horas presencial Entre out. nov. FCcFCF2 (P) Introdução ao Código dos Contratos Públicos. Funcionários AMA Presencial Lisboa horas presencial out. FCtTI1 (P) Competências Fundamentais em TIC (Libre Office) Funcionários da AMA, das entidades representadas nas Lojas e nos outros serviços da RNSA Autoformação 20 horas online out, nov. e dez. (*) As datas exatas dos cursos/ações de formação, dentro dos meses indicados, serão divulgadas em tempo útil através da Newsletter da Nova Aprendizagem. Clique aqui para realizar a sua pré-inscrição

34 Plano de Formação AMA setembro a dezembro AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

PLANO DE FORMAÇÃO 2013

PLANO DE FORMAÇÃO 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA @ FEVEREIRO INTRODUÇÃO O ano de, imbuído no que tem sido a realidade socioeconómica nacional dos últimos tempos, prevê um orçamento rigoroso, no que toca à despesa

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2º TRIMESTRE 2014

PLANO DE FORMAÇÃO 2º TRIMESTRE 2014 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA O seu conhecimento em primeiro lugar! AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA INTRODUÇÃO No primeiro trimestre a Agência para a Modernização Administrativa

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO ÍNDICE PREÂMBULO... 3 Procedimentos Técnico-Pedagógicos... 4 1.1. Destinatários e condições de acesso... 4 1.2. Organização dos cursos de formação... 4 1.3. Componentes de

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS Documento aprovado por deliberação do Conselho Superior em 16 de julho de 2014 P á g i n a 0 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORIZAÇÃO PROFISSIONAIS

Leia mais

Regulamento de Funcionamento da Formação

Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação Índice 1. Caracterização e Identificação da Entidade... 3 2. Certificação entidade formadora... 3 3. Acreditação Entidade Formadora... 3 4. Certificação ISO 9001...

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO O presente Regulamento pretende enquadrar as principais regras e linhas de orientação pelas quais se rege a atividade formativa da LEXSEGUR, de forma a garantir

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT Conteúdo Artigo 1º... 3 OBJECTIVO... 3 Artigo 2º... 3 CONCEITO DE ENCONTRO DE SABEDORIA... 3 Artigo 3º... 3 ÂMBITO

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015

PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015 PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015 I DESTINATÁRIOS O Programa de Ocupação de Jovens, promovido pela Câmara Municipal de Cascais, através da Divisão de Promoção de Emprego (DPRE), destina-se a jovens

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes e Alto Douro Artigo 1º Objeto O presente regulamento define um conjunto de normas e orientações dos Cursos de Língua Estrangeira

Leia mais

REGULAMENTO MARCAMUNDOS

REGULAMENTO MARCAMUNDOS REGULAMENTO MARCAMUNDOS Título I (MarcaMundos) Capítulo I (Definição) Art.1 1. O MarcaMundos (MM) é um projeto da Associação de Estudantes da NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas da Universidade

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Regulamento n.º 32/2006, de 3 de Maio publicado no Diário da República, II Série, n.º 85, de 3 de Maio de 2006 Artigo 1.º Objecto 1 Este regulamento define as regras relativas

Leia mais

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA Pág.: 1/10 HISTÓRICO DO DOCUMENTO / EMISSÃO Data Ver. Objeto da Revisão Elab. / Verif. (Função / Nome / Assinatura(*)) C. Técnicocientífica/ S. Iglésias Aprovação (Função / Nome / Assinatura(*)) Diretora/

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa do Instituto Politécnico de Lisboa Curso de Pós-Graduação em Qualidade na Saúde 3.

Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa do Instituto Politécnico de Lisboa Curso de Pós-Graduação em Qualidade na Saúde 3. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa do Instituto Politécnico de Lisboa Curso de Pós-Graduação em Qualidade na Saúde 3.ª Edição 2014/2015 EDITAL A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

Artigo 2º. Objetivos. Artigo 3º. Fases de Atuação

Artigo 2º. Objetivos. Artigo 3º. Fases de Atuação REGULAMENTO A TecMinho Associação Universidade-Empresa para o Desenvolvimento, em parceria com o Departamento de Produção e Sistemas da Universidade do Minho, promove o IdeaLab Laboratório de Ideias de

Leia mais

Artigo 2º. Objetivos. Artigo 3º. Fases de Atuação

Artigo 2º. Objetivos. Artigo 3º. Fases de Atuação REGULAMENTO A TecMinho Associação Universidade-Empresa para o Desenvolvimento, em parceria com o Departamento de Produção e Sistemas da Universidade do Minho, promove o IdeaLab Laboratório de Ideias de

Leia mais

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Saída Profissional: Operador CAD Certificação ao nível do 9º Ano / Nível II Laboral Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma

Leia mais

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria MANUAL DO CURSO ÍNDICE ENQUADRAMENTO DESCRIÇÃO DESTINATÁRIOS OBJETIVOS ESTRUTURA E DURAÇÃO AUTORES FUNCIONAMENTO E METODOLOGIA DO CURSO AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PORTAL E CONTEÚDOS MULTIMÉDIA PORTAL ORDEM

Leia mais

CURSO LIDERANÇA E GESTÃO DE EQUIPAS

CURSO LIDERANÇA E GESTÃO DE EQUIPAS CURSO LIDERANÇA E GESTÃO DE EQUIPAS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris Academy

Leia mais

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores Homologado pelo IEFP com o código de curso C1840003 Presencial 90 horas (Conforme Portaria n.º 214/2011, de 30 de maio) DPJ.FOR.FPIF.01

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/8 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Introdução O presente Regulamento foi concebido a pensar em si, visando o bom funcionamento da formação. Na LauTraining Formação e Consultoria, vai encontrar um ambiente de trabalho e de formação agradável

Leia mais

Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio

Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio Iniciativas Inovadoras de Formação e Qualificação Profissional para o Comércio CIM Alto Minho 30 de junho de 2015 Missão Sucesso

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) -

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) - CAPÍTULO I ENQUADRAMENTO 1. O presente Regulamento é aplicável às Acções de Formação promovidas pela SIPRP

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA AS ENTIDADES FORMADORAS ÍNDICE OBJECTIVOS

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

Curso Avançado em Gestão da Formação 2010

Curso Avançado em Gestão da Formação 2010 Curso Avançado em Gestão da Formação 2010 Capital Humano e Desenvolvimento Sustentável Potencial Humano Populações com saúde, educação e bem estar Desenvolvimento Capital Humano Capital Social Democracia

Leia mais

REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning

REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 3.1 (José João Amoreira) (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO FORMANDO E-LEARNING PQ.11.01/B 2014/03/31 Página 1 de 9

REGULAMENTO INTERNO DO FORMANDO E-LEARNING PQ.11.01/B 2014/03/31 Página 1 de 9 Página 1 de 9 1. APRESENTAÇÃO da ENTIDADE FORMADORA Fundado em 1996, o começou por ensinar informática a crianças e jovens, como franchisado da FUTUREKIDS em Vila Nova de Gaia, dando aulas no seu Centro

Leia mais

CURSO RH SELECIONAR COM SUCESSO

CURSO RH SELECIONAR COM SUCESSO CURSO RH SELECIONAR COM SUCESSO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris Academy RH

Leia mais

CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA 2014. www.navegantescf.pt

CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA 2014. www.navegantescf.pt CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA 2014 FORMAÇÃO Início Fim Duração Horário Inscrição Contabilidade e Fiscalidade 01-10-2014 29-10-2014 21h P.L/S 100 Sensibilização e Orientação para o Cliente 02-10-2014

Leia mais

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Natal na desportiva 2015 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO CML/DRIC/2015 Alvará 694 I. Apresentação e objetivos 1. Entidade Promotora e Organizadora - Município de Loures 1 a) O Programa de Ocupação de Tempos Livres

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 8 de março de 2013. Série. Número 32

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 8 de março de 2013. Série. Número 32 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 8 de março de 2013 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 19/2013 Aprova o Programa Juventude Ativa. 2 8 de

Leia mais

REGULAMENTO DA REDE DE PERCEÇÃO E GESTÃO DE NEGÓCIOS DO PROGRAMA IMPULSO JOVEM. CAPÍTULO I Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DA REDE DE PERCEÇÃO E GESTÃO DE NEGÓCIOS DO PROGRAMA IMPULSO JOVEM. CAPÍTULO I Âmbito de aplicação REGULAMENTO DA REDE DE PERCEÇÃO E GESTÃO DE NEGÓCIOS DO PROGRAMA IMPULSO JOVEM CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo

Leia mais

Conhecimentos essenciais na utilização de software PRIMAVERA Guia do curso

Conhecimentos essenciais na utilização de software PRIMAVERA Guia do curso Conhecimentos essenciais na utilização de software PRIMAVERA Guia do curso Pág. 1 Índice Índice... 2 Dados Gerais da formação... 3 Objetivos da formação... 3 Estrutura e desenvolvimento da formação...

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice REGULAMENTO INTERNO Índice Preâmbulo...... 3 Artigo 1º - Âmbito de aplicação........ 3 Artigo 2º - Definição......... 3 Artigo 3º - Princípios enquadradores do voluntariado...... 4 Artigo 4º - Perfil do

Leia mais

O programa assenta em três eixos determinantes:

O programa assenta em três eixos determinantes: São vários os estudos europeus que apontam para um défice crescente de recursos especializados nas tecnologias de informação. Só em Portugal, estima-se que estejam atualmente em falta 3.900 profissionais

Leia mais

REGULAMENTO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA AO PRÉMIO IDEIAS EM GRANDE

REGULAMENTO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA AO PRÉMIO IDEIAS EM GRANDE REGULAMENTO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA AO PRÉMIO IDEIAS EM GRANDE ARTIGO I - INTRODUÇÃO O projeto Sem Fronteiras: formar, agir e empreender ( Behind the threshold. Improving migrants integration through

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO BUS Solidário e Loja Solidária Junta de Freguesia de Encosta do Sol Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Enquadramento No âmbito das atribuições que lhe são cometidas

Leia mais

Regulamento de Gestão e Utilização da Plataforma elearning estudo. RReee

Regulamento de Gestão e Utilização da Plataforma elearning estudo. RReee Regulamento de Gestão e Utilização da Plataforma elearning estudo RReee Artigo 1º Objeto e âmbito 1. O presente regulamento define as normas de gestão, administração, acessos e utilização da Plataforma

Leia mais

Regulamento do Programa Erasmus +

Regulamento do Programa Erasmus + Regulamento do Programa Erasmus + Projeto Novas competências para o futuro 2015-2017 O que é o Erasmus +? Erasmus+ é o programa da União Europeia nos domínios da educação, da formação, da juventude e do

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO As instruções a seguir orientam a elaboração de propostas de Cursos de Aperfeiçoamento para aprovação e registro no Sistema de Informações

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO INTERNA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO INTERNA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO DE FORMAÇÃO INTERNA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Qualquer processo formativo de qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que garantam desempenhos de excelência e correções

Leia mais

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional 1024036 - PROFIFORMA, GABINETE DE CONSULTADORIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, LDA Missão É missão do CQEP Profiforma: -

Leia mais

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição.

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 1. OBJETIVOS GERAIS No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever a orgânica das Instituições Sociais;

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Manual de Utilizador Utentes 2015-01.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Manual de Utilizador Utentes 2015-01.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALIFICAÇÃO Centro Nacional de Qualificação de Formadores Manual de Utilizador Utentes 2015-01.V01 Índice Índice... 2 1. Introdução... 4 1.1.

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

Ficha de Inscrição. Ação. *Nacionalidade País de Origem: NIF* *Morada *Código Postal - *Telefone Telemóvel Fax. E-mail Nível de Escolaridade.

Ficha de Inscrição. Ação. *Nacionalidade País de Origem: NIF* *Morada *Código Postal - *Telefone Telemóvel Fax. E-mail Nível de Escolaridade. Ficha de Inscrição Ação *Nome completo *Sexo Masculino Feminino *Naturalidade Distrito: Concelho: *Nacionalidade País de Origem: NIF* *BI CC N.º *Data Validade BI / CC / / *Data de Nascimento / / *Morada

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Grupo Alumni. CMTrain - Associação

Grupo Alumni. CMTrain - Associação CMTrain - Formação para metrologia por coordenadas Quando se trata de desenvolver e produzir novos produtos, a metrologia por coordenadas é crucial. No entanto, só se consegue aproveitar o potencial da

Leia mais

CURSO DESENVOLVER A RELAÇÃO COM O CLIENTE

CURSO DESENVOLVER A RELAÇÃO COM O CLIENTE CURSO DESENVOLVER A RELAÇÃO COM O CLIENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR

REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL CURSOS LIVRES ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL Secção I Disposições

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Edital 4ª Edição 2012-2013 Barreiro, Julho de 2012 Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado 1 ENQUADRAMENTO A Pós-Graduação em Conservação

Leia mais

Curso de Especialização

Curso de Especialização Curso de Especialização em GESTÃO AUTÁRQUICA OBJETIVO O Curso de Especialização em Gestão Autárquica visa proporcionar uma formação avançada no domínio do planeamento estratégico, da estruturação e desenvolvimento

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG. Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro PREÂMBULO

REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG. Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro PREÂMBULO REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro 13 02 2013 00 PREÂMBULO A oferta de ações de formação insere-se no âmbito

Leia mais

GUIA DO FORMANDO DIAGNOSTICAR, AVALIAR E INTERVIR EDIÇÃO DAIB1P ÁREA: PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE

GUIA DO FORMANDO DIAGNOSTICAR, AVALIAR E INTERVIR EDIÇÃO DAIB1P ÁREA: PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE GUIA DO FORMANDO DIAGNOSTICAR, AVALIAR E INTERVIR EDIÇÃO DAIB1P ÁREA: PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE Índice ENQUADRAMENTO DESCRIÇÃO DESTINATÁRIOS OBJETIVOS ESTRUTURA E DURAÇÃO AUTOR METODOLOGIA PEDAGÓGICA

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional para estágio dos estudantes de Licenciatura

Leia mais

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Plano de Formação Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Enquadramento A evolução tecnológica e a incerteza com que atualmente todas as sociedades se confrontam colocam desafios acrescidos

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO SGS ACADEMY PORQUÊ A SGS ACADEMY? Criada, em 2003, como área de negócio da

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Maria João Alves Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional 24 de novembro de 2014 I SIMPÓSIO

Leia mais

Docentes e Tutores EaD

Docentes e Tutores EaD Formação de Docentes e Tutores EaD ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria Índice Porquê esta Formação 3 Objetivos 4 Como vamos trabalhar 5 Conteúdo programático 6 Destinatários

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Índice 1.APRESENTAÇÃO... 4 1.1 OBJETIVO... 4 1.2. ÂMBITO... 4 1.3. APRESENTAÇÃO... 4 1.4. PÚBLICO-ALVO... 4 1.5. HORÁRIO ATENDIMENTO... 4 1.6. MODALIDADES DE FORMAÇÃO... 4

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO / ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

PÓS-GRADUAÇÃO / ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR PÓS-GRADUAÇÃO / ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR FORMAÇÃO SGS ACADEMY LOCAL: LISBOA, PORTO E FUNCHAL GRUPO SGS PORTUGAL O Grupo SGS Société Générale de Surveillance S.A é a maior

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Associativismo constitui um esteio importante e singular de intervenção da sociedade civil na realização e prática de atividades de índole cultural,

Leia mais

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013 Manual do Coordenador / Diretor de Curso Ano letivo 2012/2013 Índice Índice... 1 Atribuições do Coordenador/Diretor de Curso... 2 Horários... 4 Alteração de Horários... 5 Arquivo de Documentação... 5 C1

Leia mais

UNIVERSIDADE NILTON LINS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE NILTON LINS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL INICIAÇÃO CIENTÍFICA/2015-2016 Programa de Iniciação Científica PROIC/NILTON LINS A Pró-Reitora de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade NILTON LINS, por meio da Coordenação de Iniciação Científica,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC)

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) Legislação de Referência: Despacho n.º 334/2012, de 11 de janeiro Portaria n.º 283/2011, de 24

Leia mais

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Página 2 de 12 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO...

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014 O Observatório de Favelas torna pública, por meio desta chamada, as normas do processo de seleção de alunos para

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Verão com desafios 2015 Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - Município de Loures 1 a) O programa de Ocupação de Tempos Livres Verão com Desafios é promovido

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Objeto e âmbito

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL

CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL 1. INTRODUÇÃO Este regulamento: Descreve os requisitos referentes à Certificação de Pessoas da SGS ICS; Complementa o documento PTD6850 - Processo de Certificação

Leia mais

Voluntariado REGULAMENTO INTERNO

Voluntariado REGULAMENTO INTERNO Voluntariado REGULAMENTO INTERNO 1. Âmbito e Enquadramento O Projeto de Voluntariado da FUNDAÇÃO DA JUVENTUDE dá a oportunidade aos jovens portugueses de contribuírem para o desenvolvimento do país e da

Leia mais

Medidas intersectoriais 2010/11

Medidas intersectoriais 2010/11 Medidas intersectoriais 2010/11 IS01 BALCÃO DO EMPREENDEDOR DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇOS Objectivos: Inventariar, introduzir e manter permanentemente actualizados no Balcão do Empreendedor vários serviços,

Leia mais

III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL

III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL 1 Enquadramento O Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais (GESP) tem o objectivo de estabelecer uma plataforma de comunicação entre estagiários e recém-mestres

Leia mais