DIREÇÃO DE SEGURANÇA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREÇÃO DE SEGURANÇA"

Transcrição

1 Associação Nacional das Empresas de Segurança [ GUIA DO CURSO ] CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREÇÃO DE SEGURANÇA 3ª EDIÇÃO 2012/2013 C DS

2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREÇÃO DE SEGURANÇA em regime de e-learning Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 2

3 [A Segurança não conhece pessoas] Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 3

4 ÍNDICE A Universidade Aberta 5 A Associação Nacional das Empresas de Segurança 9 Enquadramento do curso 10 Objetivos do curso 11 Competências a adquirir 12 Programa e conteúdos do curso 13 Públicos-alvo do curso 28 Pré-requisitos dos formandos 29 Duração e estrutura do curso 30 Calendarização do curso 31 Atividades dos formandos 32 Metodologia e sistema de tutoria 33 Recursos de aprendizagem 35 Sistema de avaliação e classificação 36 Compromissos dos participantes 37 Diretor, coordenadores e formadores 38 Acompanhamento do curso 43 Anexos 44 E-atividades Exemplo de e-atividade Avaliação de mensagens Plataforma Informática Moodle Modelo do Certificado de Formação Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 4

5 A UNIVERSIDADE ABERTA Universidade Pública de Ensino a Distância A Universidade Aberta (UAb), universidade pública de ensino a distância estatutariamente tem como missão, no contexto universitário português e de acordo com a lei que o enquadra, a criação, transmissão e difusão da cultura, dos saberes, das artes, da ciência e da tecnologia, ao serviço da sociedade, através da articulação do estudo, do ensino, da aprendizagem, da investigação e da prestação de serviços. A Universidade é uma pessoa coletiva de direito público (NPC ) e goza de autonomia estatutária, pedagógica, científica, cultural, administrativa, financeira, patrimonial e disciplinar, podendo, na prossecução dos seus fins, por si só ou em cooperação com outras entidades, universitárias ou outras, tanto públicas como privadas, criar ou incorporar no seu âmbito pessoas coletivas de direito privado. A Universidade tem a sua sede em Lisboa e dispõe de delegações nas cidades do Porto e de Coimbra, podendo criar outras delegações ou entidades de apoio, no território nacional ou fora dele, necessárias à realização dos seus objetivos. Nos termos da lei, são atribuições da Universidade: a) Realizar ciclos de estudos visando a atribuição de graus académicos, bem como de outros cursos pós -secundários, de cursos de formação pós -graduada e de outros, nos termos da lei, destinados a populações que procurem o ensino a distância; b) Promover a aprendizagem ao longo da vida, nomeadamente através de ações de formação, qualificação e reconversão profissional, em domínios estratégicos para o desenvolvimento e a atualização de conhecimentos; c) Garantir que, a todo o tempo, será considerada a especificidade dos estudantes de ensino a distância, através do apoio e enquadramento pedagógico, bem como da salvaguarda dos respetivos direitos; d) Realizar investigação e apoiar a participação dos seus docentes e investigadores em instituições científicas; Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 5

6 e) Conceber, produzir e difundir recursos educacionais mediatizados e em rede, suscetíveis de utilização através das tecnologias de informação e comunicação, destinados ao ensino formal e não formal a qualquer nível, à defesa e promoção da língua e da cultura portuguesas, no País e no estrangeiro, com especial relevo para os países e comunidades de língua portuguesa; f) Contribuir para a difusão e a promoção da sociedade do conhecimento, incentivando, pela sua metodologia própria, a inclusão digital, a apropriação e a autoconstrução de saberes e a transferência e a valorização económica do conhecimento científico e tecnológico; g) Promover a cooperação e o intercâmbio cultural, científico e técnico com instituições congéneres, nacionais e estrangeiras; h) Contribuir, no seu âmbito de atividade, para a cooperação internacional e para a aproximação entre os povos, com especial destaque para os países de língua oficial portuguesa e os países europeus; Estas atribuições abrangem o território nacional, podendo ser extensivas a estruturas delegadas, para esse fim criadas no estrangeiro. Fundada em 1988, a UAb é a única instituição de ensino superior público vocacionada para o ensino a distância. Desde o início, a UAb tem estado orientada para a educação de grandes massas populacionais geograficamente dispersas, tendo-se já proporcionado formação de nível superior a mais de 10 mil estudantes, em 33 países dos cinco continentes, licenciando-se mais de 9 mil estudantes, concedendo-se mais de um milhar de graus de mestre e cerca de uma centena de graus de doutor. Pioneira no ensino superior a distância em Portugal, a UAb tem promovido ações relacionadas com a formação superior e a formação contínua, contribuindo igualmente para a divulgação e a expansão da língua e da cultura portuguesas, com especial relevo nos países e comunidades lusófonos. Ao longo dos 20 anos de existência da UAb, os seus docentes e investigadores têm desenvolvido atividades de investigação científica através da utilização das tecnologias da informação e da comunicação, concebendo e produzindo materiais pedagógicos nas áreas da tecnologia do ensino e da formação a distância, e da comunicação educacional multimédia. Com mais de 400 títulos editados, de 3500 horas de produções audiovisuais e de 6000 horas de emissões televisivas, produzidas nos seus estúdios, a UAb tem procurado sobretudo incentivar a apropriação e a autoconstrução de saberes, concebendo e lecionando cursos, formando técnicos e docentes, de acordo com uma filosofia de prestação de serviço público. Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 6

7 Estudantes-alvo A UAb assume como missão fundamental formar estudantes que, por várias razões, não puderam, no seu tempo próprio, encetar ou prosseguir estudos universitários. Por outro lado, a UAb procura corresponder às expectativas de quantos, tendo eventualmente obtido formação superior, desejam reconvertê-la ou atualizá-la; o que significa que, por vocação, tenta ir ao encontro das expectativas de um público adulto, com experiência de vida e normalmente já empenhado no exercício de uma profissão. Assim, é condição necessária para ingressar na UAb ter mais de 21 anos de idade e realizar provas de acesso a esta universidade, que não integra o concurso nacional de acesso ao ensino superior. As licenciaturas da UAb não têm numerus clausus. A UAb também efetua provas especialmente destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência do Ensino Superior (ACFES) dos maiores de 23 anos. Pioneira no E-Learning em Portugal Enquanto universidade pioneira no Ensino Superior a Distância em Portugal, e tendo em conta a sua responsabilidade como principal centro nacional de competência nesta área, a UAb desenvolveu um inestimável know-how, que lhe permitiu constituir a maior bolsa de oferta de cursos online do País. No ano letivo , a UAb tornou-se na primeira e única universidade (pública) em Portugal a lecionar todas as licenciaturas e mestrados pela Internet, em regime de e-learning, através de um Modelo pedagógico virtual inédito no País e desenvolvido por esta instituição. A UAb é também considerada um dos mega-providers de e-learning europeus, desempenhando um papel preponderante na lecionação de cursos de 1.º Ciclo (licenciaturas) e de 2.º Ciclo (mestrados), em domínios das Humanidades, das Ciências e Tecnologia, da Educação e Ensino a Distância, das Ciências Sociais e da Gestão. Todos os cursos de licenciatura e mestrado da UAb estão adequados ao Processo de Bolonha. Modelo pedagógico virtual O modelo pedagógico da UAb assenta no regime de e-learning e na utilização intensiva das novas ferramentas de comunicação online. Promovendo a interação entre estudantes e docentes, este modelo está fortemente centrado no estudante, enquanto indivíduo ativo e construtor do seu conhecimento. Permite ainda uma maior flexibilidade na aprendizagem, onde a comunicação e a interação se processam de acordo com a disponibilidade do estudante, partilhando recursos, conhecimentos e Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 7

8 atividades com os seus pares. A avaliação dos conhecimentos e competências, baseada na avaliação contínua, assume soluções diversificadas. Nos cursos de graduação, o estudante possui um cartão de aprendizagem onde investe ao longo do seu percurso, realizando e-fólios, creditando e-valores e efetuando provas presenciais. Nos cursos de pós-graduação, a avaliação desenvolve-se de formas muito variadas, recorrendo, por exemplo, a portfólios, blogs, projetos, ensaios, resolução de problemas, participação em discussões, relatórios e testes. Inclusão digital A frequência da UAb é fator de inclusão social pela vertente da alfabetização digital: o ensino online exige competências específicas por parte do estudante, pelo que todos os programas de formação certificados pela UAb incluem um módulo prévio, de frequência gratuita. Deste modo, os novos estudantes podem adquirir as competências necessárias à frequência do curso ou do programa de formação em que se inscrevem. A atual expansão da Internet e da Word Wide Web (WWW) e o desenvolvimento ainda mais recente dos programas informáticos de gestão do ensino/aprendizagem, vieram modificar o panorama do ensino a distância, permitindo a criação de espaços virtuais de ensino com designações diversas, centro de ensino virtual, escola virtual, etc., onde a palavra virtual apenas significa que esses espaços não têm implantação e realidade físicas palpáveis. É pois no espaço virtual de formação/aprendizagem da UAb (em que se vai desenvolver o curso de aprendizagem ao longo da vida Curso de Especialização em Direção de Segurança. A Universidade Aberta, instituição de direito público dependente do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, encontra-se abrangida pelo Art.º 2.º da Portaria n.º 782/97 de 29 de agosto e, por força dos seus estatutos, não carece de acreditação como entidade formadora por parte Direção de Serviços de Qualidade e Acreditação da Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT) ou de qualquer outra entidade. Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 8

9 A AESIRF A Associação Nacional das Empresas de Segurança (AESIRF) conta com duas décadas de serviço, é uma instituição profundamente conhecedora do mercado nacional de segurança privada, assumindo o estatuto de interlocutor junto do Ministério de Administração Interna, tendo assento no Conselho de Segurança Privada, organismo da tutela com importância decisiva para o funcionamento do setor, além de parceiro social na regulação do setor através dos mecanismos da contratação coletiva. São objetivos da AESIRF: Congregar as empresas portuguesas de segurança privada; Estimular a análise e a investigação dos problemas inerentes à atividade, com especial incidência nas componentes técnica, económica e legislativa; Representar e defender os interesses dos Associados perante a administração do Estado, incentivando a produção legislativa quando tal se justifique; Velar pelo respeito dos princípios da ética profissional do setor e pelo cumprimento da legislação em vigor; Assegurar o cumprimento de padrões de qualidade na prestação de serviços de segurança privada; Servir de mediador nos conflitos eventualmente surgidos entre empresas associadas; Manter um serviço de informação aos Associados em tempo útil. A AESIRF presta os seguintes serviços aos seus associados: Representação do setor de atividade no Conselho de Segurança Privada; Negociação do quadro regulamentador das relações de trabalho para o setor em contratação coletiva; Informação sobre empresas exportadoras e assuntos económicos; Divulgação sobre oportunidades de negócios; Divulgação dos trabalhos desenvolvidos no quadro das comissões técnicas de normalização; Manutenção de bases de dados atualizadas sobre a situação dos processos das Empresas de Segurança privada e Alvarás emitidos; Divulgação dos critérios de qualidade que obrigam as empresas no quadro comunitário. Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 9

10 ENQUADRAMENTO DO CURSO A Segurança é algo que, hoje, ocupa todo o espaço e tem de ser construída todos os dias. 1 A atividade de segurança privada, integrada na segurança interna e ligada à segurança de pessoas e de bens e à prevenção e dissuasão de atos ilícitos tem já uma importância económica e social muito significativa em Portugal, de que é prova a existência atual de cerca de centena e meia de entidades do setor, com cerca de postos de trabalho. As entidades que prestam serviços segurança ou de autoproteção podem, legalmente e de acordo com a sua dimensão, ser obrigadas a dispor de um Diretor de Segurança responsável pela preparação, treino e atuação do pessoal de vigilância e que tem por missão zelar pelo rigoroso cumprimento das regras de segurança, além de outras múltiplas funções. Considera ainda a lei que o Diretor de Segurança deve ter formação adequada ao exercício das suas funções, devendo essa formação ser obtida num estabelecimento de ensino superior oficialmente reconhecido e acreditado para o efeito junto do Departamento de Segurança Privada da Direção Nacional da PSP, e o curso aprovado por despacho do Ministro da Administração Interna. Para ser considerada adequada a formação dos futuros Diretores de Segurança deve ter uma duração mínima de 180 horas incluir matérias no âmbito de: regime jurídico da segurança privada segurança física e segurança das pessoas; segurança eletrónica e segurança da informação; prevenção e proteção contra incêndios, e planeamento e gestão da segurança privada. É neste enquadramento sectorial que a Universidade Aberta (UAb) a Associação Nacional das Empresas de Segurança (AESIRF) organizam e oferecem ao mercado este curso de especialização, a desenvolver em regime de formação a distância online (também dito e-learning) com a convicção de que ele responderá aos anseios de uma formação qualificante, flexível e geograficamente não localizada já manifestados pelas entidades e profissionais deste setor de atividade económica. 1 General Garcia Leandro in Que visão para a Defesa: Portugal, a UE e a NATO (Revista n.º124 do IDN, 2009) Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 10

11 OBJETIVOS DO CURSO Os objetivos do curso são: Proporcionar aos participantes conhecimentos atualizados sobre os diversos tipos de segurança que fazem parte do currículo do curso; Proporcionar conhecimentos e competências que permitam aos participantes, desempenar as funções que competem aos Diretores de Segurança constantes Portaria n.º 1142/2009 de 2 de outubro, designadamente elaborar planos de segurança e planear a preparação e treino do pessoal sob a sua direção. O regime de funcionamento online suportado por uma plataforma informática de gestão da formação/aprendizagem permitirá ainda alcançar outros objetivos e adquirir outras competências, secundários em relação ao âmbito geral deste curso, mas de extrema importância para a empregabilidade, como sejam: Proporcionar e treinar competências nos domínios da comunicação e das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) que lhes permitam no futuro uma mais fácil pesquisa de informações técnicas de que necessitem para o seu trabalho, mais rápido e fácil contacto com os seus pares nacionais e internacionais e ainda competências para a frequência de outras ações de formação a distância na modalidade de e-learning. Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 11

12 COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR No final do curso espera-se que os participantes tenham adquirido as seguintes competências: Avaliar situações de risco e planear atuações concretas que permitam eliminar ou minimizar essas situações; Realizar inspeções a pessoal e serviços; Capacidade para criar, organizar e manter um registo das atividades de acordo com o legalmente obrigatório; Aptidão para criar, organizar e manter o registo dos incidentes registados nas instalações das empresas; Propor a adoção de sistemas de segurança adequados e supervisionar a sua aplicação; Controlar a formação contínua do pessoal à sua responsabilidade e propor à entidade de segurança privada a adoção de iniciativas adequadas para atingir a preparação necessária desse mesmo pessoal; Zelar, na sua empresa, pelo integral cumprimento das normas e regulamentos de segurança privada; Elaborar documentos de comunicação interna e comunicados à imprensa; Elaborar um plano de segurança de uma empresa/organização; Elaborar um Manual de Segurança de uma empresa de segurança privada; Intercomunicar online de forma assíncrona e síncrona e utilizar de forma eficaz todas as ferramentas e recursos de uma plataforma informática; Pesquisar e organizar informação, de forma orientada, com recurso à Web. Este curso permitirá ainda aos formandos adquirir diferentes competências ditas para a empregabilidade, designadamente competências de comunicação online, de trabalho em equipa, de utilização de tecnologias informáticas, de autogestão do tempo e das atividades e da sua capacidade de autoaprendizagem. Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 12

13 PROGRAMA E CONTEÚDOS DO CURSO O curso de Especialização em Direção de Segurança está estruturado em 10 módulos que se desenvolvem sequencialmente. Estes módulos são precedidos de um módulo de ambientação e integração dos participantes, também designado módulo 0 ou précurso. O curso tem a duração total de 338 horas (carga de trabalho dos formandos) a que corresponde um crédito de 13 ECTS 2 da UAb e realiza-se em regime de formação a distância online (e-learning) ao longo de 26 semanas. Na Internet o curso é suportado pela plataforma informática Moodle, adaptada ao modelo pedagógico virtual da UAb. Módulo 0: Ambientação ao Contexto do E-learning Duração: 13 horas/1 semana Objetivos do módulo Este módulo tem por objetivos a socialização dos participantes e a criação de um grupo de trabalho online, a familiarização com a utilização do software de gestão do curso (o Learning Management System Moodle, em por forma a adquirirem as competências necessárias à exploração eficaz de todas as suas funcionalidades de intercomunicação, em especial as assíncronas, necessárias à frequência do curso. Durante o Módulo 0 será ainda explicada e treinada a forma como pesquisar depressa e bem informação na Web e será pedido aos participantes a procura (na Web) de informação relevante sobre temas que constituam matérias do curso Competências a adquirir No final deste módulo, pretende-se que os formandos sejam capazes de: interagir e comunicar com os colegas, com os formadores e com o interface de aprendizagem no sentido de conseguir resolver problemas básicos de interação, de comunicação; explorar com eficácia todas as ferramentas e possibilidades da plataforma Moodle, com o estatuto de formando. 2 O ECTS (Sistema Europeu de Transferência de Créditos) foi desenvolvido pela Comissão Europeia. Os créditos ECTS representam o volume de trabalho que o estudante/formando deve produzir. Na UAb 1 ECTS equivale a 26 horas de trabalho, do formando. Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 13

14 pesquisar, selecionar e organizar informação a partir da Web para a transformar em conhecimento mobilizável. pesquisar, organizar, tratar e produzir informação em função das necessidades, problemas a resolver e das situações. Unidade Didática 1: A plataforma informática de ensino/aprendizagem da UAb O que é o Moodle; Formas de organizar espaços no Moodle; Recursos e ferramentas da plataforma Moodle Estrutura do espaço Moodle do CEDS; tópicos do curso; recursos disponíveis e ferramentas a utilizar Unidade Didática 2: Treino na exploração das ferramentas e recursos da plataforma Treino com fóruns, trabalhos, questionário, wikis, referendos, equipas, etc. Unidade Didática 3: Prática de pesquisa de informação na Web Como procurar informação usando: palavras-chave, operadores boleanos, sinais, especificação de formatos, aspas e asteriscos; Motores de busca e meta-motores; Credibilidade da informação na Web. Critérios de avaliação. Módulo 1: Introdução à segurança pública e à segurança privada Duração: 26 horas/2 semanas Objetivos do módulo Adquirir ou aprofundar conhecimentos sobre as missões e competências quer das instituições públicas que exercem funções de segurança, quer das empresas de segurança privadas. Competências a adquirir Capacidade para enquadrar a segurança privada no âmbito da segurança interna; Capacidade para entender como a segurança privada complementa a segurança pública, quais os seus limites de atuação e meios de segurança legalmente utilizáveis; Aptidão para trabalhar em segurança privada sem invadir atribuições Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 14

15 competências da segurança pública. Unidade Didática 1: A segurança pública em Portugal Conceito de segurança alargada A segurança interna, a segurança externa e as suas componentes internas e externas Enquadramento da segurança privada na segurança interna Funções, missão, competências e atribuições da PSP Filosofia da atuação da PSP Estrutura geral da PSP A GNR, força de segurança de natureza militar Atribuições da GNR. Âmbito territorial de atuação; Organização geral da GNR; Código deontológico do serviço policial Outras entidades com relacionamento com a segurança privada (PJ, SEF, etc.) Unidade Didática 2: A segurança privada em Portugal O que é a atividade de segurança privada; O regime jurídico da atividade de segurança privada; Função subsidiária e complementar da segurança privada; Alvarás e licenças para a atividade de segurança privada; Serviços de segurança privada definidos na lei; Proibições da atividade de segurança privada e incompatibilidades; Porte de armas e outros meios de segurança; Dever de cooperação das entidades de segurança privada; O Conselho de Segurança Privada: natureza, composição e competências. Módulo 2: Avaliação e gestão de riscos Duração: 26 horas/2 semanas Objetivos do módulo Aprofundar os conhecimentos teóricos e práticos na área da segurança com particular incidência sobre a formação específica e habilitante para o exercício de funções de direção e gestão de segurança. Competência a adquirir Capacidade para avaliar perigos e riscos; Aptidão para aplicar os conhecimentos adquiridos sobre metodologias de Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 15

16 avaliação de riscos; Capacidade para adotar e fazer adotar medidas preventivas; Estruturar e elaborar relatórios de Avaliação de Riscos Conteúdos programáticos Unidade Didática 1: Introdução Conceito de Risco; Riscos de serviço; Riscos de estrutura física; Ameaças; Vulnerabilidades; Sistemas defensivos (de segurança) / meios de proteção; Grau de Risco. Crise. Unidade Didática 2: Metodologias e técnicas de identificação de fatores de risco Principais fases de Avaliação de Riscos: Identificação dos fatores de risco (perigos); Checklists. Cartas de Risco. Questionários; Estimação e valoração do risco. Unidade Didática 3: Medidas de Prevenção. Elaborar matriz de riscos Planos de emergência e Planos de contingência Planos de manutenção e vistoria periódica das instalações Planos de organização e limpeza Procedimentos de trabalho em segurança Uso adequado de equipamentos de proteção. Unidade Didática 4: Equipamentos de Proteção Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) Sinalização de segurança Proteção à circulação de pessoas Portões ou outros dispositivos de controlo de entradas Sistemas e controlo de acessos Guarda corpos Sistemas de extinção de incêndios. Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 16

17 Equipamentos de Proteção Individual (EPI) Vestuário de proteção Proteção do corpo Proteção da cabeça Proteção das mãos e dos pés Proteção respiratória Proteção ocular Vestuário técnico Antifogo, Antiestático, Antiácido e Antibacteriano Coletes de proteção. Unidade didáctica 5: Relatórios de avaliação de riscos Estrutura de um relatório Estudo e análise crítica de relatórios concretos Módulo 3: Segurança das pessoas Duração: 26 horas/2 semanas Objetivos do módulo Os formandos obterão conhecimentos teóricos e práticos na área da segurança no que respeita à proteção de pessoas, nomeadamente executivos, seu enquadramento legal, e limites de atuação, e interligação com os meios de segurança pública. Competências a adquirir Capacidade de reconhecer e avaliar as ameaças mais comuns na proteção de pessoas, nomeadamente executivos, artistas, etc.; Realizar o planeamento da operação de proteção de pessoas, individualmente ou de grupos; Aplicar as técnicas mais comuns de chefia e coordenação de operações de proteção de pessoas; Citar o enquadramento legal, limites e necessária interligação com os meios de segurança pública, na proteção de pessoas; Conhecer os requisitos legais e procedimentos necessários para a obtenção de alvará para as empresas de segurança privada poderem efetuar este tipo de serviço, bem como os requisitos para os vigilantes atuarem neste tipo de operações. Conteúdos programáticos Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 17

18 Unidade didáctica 1: Ameaças mais comuns e segurança pessoal Enquadramento legal Avaliação de ameaças e riscos Planeamento Coordenação da atuação Relatórios Interligação com os meios de segurança publica Unidade didáctica 2: Credenciação individual e de empresas Enquadramento legal para obtenção de alvará Enquadramento legal para obtenção de cartão de vigilante Módulo 4: Segurança eletrónica Duração: 39 horas/3 semanas Objetivos do módulo Proporcionar uma visão atual das diversas tecnologias para implementação de sistemas eletrónicos de segurança compreendendo sistemas de controle de acesso, circuito fechado de televisão, sensores de alarme e de deteção de incêndio; Compreender a técnica e conhecimento do emprego das melhores práticas em segurança eletrónica; Estabelecer a melhor metodologia de planeamento e avaliação de um sistema de segurança eletrónica. Competências a adquirir Capacidade para a seleção e aplicação de tecnologias eletrónicas em casos reais; Capacidade de escolha entre as alternativas que melhor se adequarão a necessidades enunciadas; Capacidade de pesquisa de novos produtos e soluções de segurança eletrónica. Conteúdo programático Unidade didáctica 1: Controlo de acesso de pessoas e veículos Arquitetura dos sistemas de controlo de acesso; Tecnologias de leitores e cartões de acesso existentes; Metodologia e planeamento da implementação. Unidade didáctica 2: Circuito fechado de televisão e digitalização de imagens Definição da aplicabilidade dos circuitos fechados de televisão (CCTV); Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 18

19 Captura, gravação e reprodução de sinal de vídeo: analógicos e digitais, sistemas de gravação; Metodologia e planeamento da implementação. Unidade didáctica 3: Monitorização e comando de um sistema domótico Tecnologias e tendências tecnológicas; Aplicabilidade tática - avaliação de sistemas sem fio versus sistemas com fio; Aplicações e dimensionamento de um sistema Unidade didáctica: Sistemas de deteção e alarmes de incêndio Sistemas de deteção e sistemas de combate de incêndio; Conceção básica de um sistema de deteção de incêndio; Metodologia de planeamento e implementação de sistema de alarme de segurança e proteção contra incêndio Unidade didáctica 5: Integração de sistemas e central de segurança Conceito dos sistemas integrados; Tecnologias existentes: aplicação das várias tipologias de rede; Edifícios inteligentes. Módulo 5: Segurança da informação Duração: 26 horas/2 semanas Objetivos do módulo Compreender os requisitos de segurança necessários a uma organização; Identificar as técnicas e métodos de ataque mais utilizados; Citar as normas e legislação aplicável de segurança da informação. Competências a adquirir Capacidade para compreender os fundamentos de uma infraestrutura de chave pública (PKI); Capacidade para justificar a necessidade de uma PKI para a garantia da segurança numa organização; Estabelecer uma política de segurança da informação para uma organização. Conteúdos programáticos Unidade didáctica 1: Requisitos de segurança Confidencialidade; Autenticação; Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 19

20 Integridade; Interoperabilidade; Não repudiação. Unidade didáctica 2: Métodos de ataque Ferramentas; Objetivos e Motivações; Ataques mais frequentes. Unidade didáctica 3: Infraestrutura de Chave Pública (PKI) Fundamentos da criptografia; Componentes de uma PKI; Arquitetura e Organização; Certificados Digitais; Listas de Revogação de Certificados (CRLs); Assinaturas Digitais. Unidade didáctica 4: Normas e Legislação Aplicável Normas Legislação Aplicável Unidade didáctica 5: Prática Aplicações e Casos Práticos Módulo 6: Prevenção e proteção contra incêndios Duração: 26 horas/2 semanas Objetivos do módulo: Adquirir conhecimentos gerais e específicos e competências que permitam aos aprendentes atuar e fazer atuar de forma preventiva no campo dos incêndios em instalações. Competências a adquirir: Capacidade para atuar e fazer atuar preventivamente no campo dos incêndios; Capacidade para reagir e atuar o mais rapidamente possível em caso de incêndio; Aplicar e fazer aplicar os meios de prevenção de fogos mais adequados a cada caso; Classificar os tipos de fogos tendo em vista selecionar os meios mais adequados ao seu combate; Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 20

21 Selecionar detetores automáticos de incêndio, considerando as características técnicas de cada tipo e as condições específicas dos locais a proteger; Selecionar o(s) método(s) de extinção mais adequado(s) a cada instalação ou espaço; Elaborar a estrutura de um plano de segurança contra incêndios. Conteúdos programáticos: Unidade didáctica 1: Fogo e incêndio Conceitos; temperaturas; fases de um fogo; efeitos do fogo; fatores do fogo; classes de fogos; fontes de inflamação; causas dos incêndios; propagação dos incêndios Unidade didáctica 2: Prevenção de incêndios Conceito de prevenção. Medidas concretas de prevenção sobre: o combustível, o comburente, a energia de ativação, a reação em cadeia e misturas combustível-comburente. Unidade didáctica 3: Deteção de incêndios Sistemas de deteção; deteção automática de incêndios; tipos e características dos detetores automáticos; Critérios de escolha e seleção de detetores automáticos Unidade didáctica 4: Proteção e luta contra incêndios Formas de proteção; sinalização de segurança; evacuação de pessoas Luta contra incêndios: métodos de extinção de incêndios; substâncias ou agentes extintores; sistemas fixos de extinção. Operações de combate a incêndios (reconhecimento, salvamentos, estabelecimento dos meios de ação, ataque e proteção, rescaldo e vigilância). Unidade didáctica 5: Plano de segurança contra incêndios Estrutura organizativa de um plano de segurança. Plano de prevenção e Plano de emergência. Análise critica de exemplos de Planos de Segurança contra Incêndios. Unidade didáctica 6: Legislação nacional e regulamentos sobre incêndios Portaria n.º 64/2009, de 22 de janeiro Despacho n.º 2074/2009 da Autoridade Nacional de Proteção Civil Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro Regulamento Técnico de Segurança contra Incêndios em Edifícios (SCIE) Curso de Especialização em Direção de Segurança (CEDS) 21

Associação Nacional das Empresas de Segurança [ GUIA DO CURSO ] FORMAÇÃO DE FORMADORES DE ASSISTENTES DE RECINTOS DESPORTIVOS

Associação Nacional das Empresas de Segurança [ GUIA DO CURSO ] FORMAÇÃO DE FORMADORES DE ASSISTENTES DE RECINTOS DESPORTIVOS Associação Nacional das Empresas de Segurança [ GUIA DO CURSO ] FORMAÇÃO DE FORMADORES DE ASSISTENTES DE RECINTOS DESPORTIVOS FORMAÇÃO de FORMADORES 2 «A segurança é a salvaguarda da vida e a proteção

Leia mais

DIREITO LABORAL e PRÁTICAS LABORAIS

DIREITO LABORAL e PRÁTICAS LABORAIS GUIA DO CURSO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DIREITO LABORAL e PRÁTICAS LABORAIS DIREITO LABORAL PRÁTICAS LABORAIS curso em regime de e-learning Curso de Formação em Direito e Práticas Laborais 2 [Falar em direito

Leia mais

GUIA DO CURSO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

GUIA DO CURSO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS GUIA DO CURSO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Curso em regime de e-learning Curso de Formação em Gestão de Recursos Humanos 2 A dinâmica da gestão dos recursos humanos deve acompanhar a dinâmica das próprias

Leia mais

FORMAÇÃO EM REGIME DE E-LEARNING GESTÃO DA SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO

FORMAÇÃO EM REGIME DE E-LEARNING GESTÃO DA SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO FORMAÇÃO EM REGIME DE E-LEARNING GESTÃO DA SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO CURSO DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO em regime de e-learning 2 A definição da política de segurança, higiene

Leia mais

ASSISTENTES DE RECINTOS DESPORTIVOS

ASSISTENTES DE RECINTOS DESPORTIVOS Associação Nacional das Empresas de Segurança [ GUIA DO CURSO ] CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA DE ASSISTENTES DE RECINTOS DESPORTIVOS FORMAÇÃO ESPECÍFICA DE ASSISTENTES DE RECINTOS DESPORTIVOS 2 «A segurança

Leia mais

SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO GUIA DO CURSO SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES CONHECER COMPREENDER AVALIAR ATUAR ÍNDICE Enquadramento do curso 3 Objetivos do curso 4 Competências a adquirir 5 Públicos-alvo

Leia mais

GUIA DO CURSO AGRICULTURA SUSTENTÁVEL

GUIA DO CURSO  AGRICULTURA   SUSTENTÁVEL GUIA DO CURSO AGRICULTURA SUSTENTÁVEL Cursos em Regime de E-learning [CDG] Plano de Formação em Desenvolvimento Rural 2 A Estratégia Nacional para a agricultura e o desenvolvimento rural só pode ser realizada

Leia mais

VIGILANTES DE SEGURANÇA PRIVADA

VIGILANTES DE SEGURANÇA PRIVADA Associação Nacional das Empresas de Segurança [ GUIA DO CURSO ] CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE VIGILANTES DE SEGURANÇA PRIVADA CURSO DE FORMAÇÃO DE VIGILANTES regime de e-learning Curso de Formação de Vigilantes

Leia mais

GUIA DO CURSO CURSO GERAL DE DE

GUIA DO CURSO CURSO GERAL DE DE GUIA DO CURSO CURSO GERAL DE DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO GUIA DO CURSO GERAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO em regime de e-learning Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 2 ÍNDICE

Leia mais

GUIA DE CURSO BIOLOGIA E CONTROLO DE PRAGAS E DOENÇAS DAS PLANTAS. Curso em Regime de E-learning. 1ª Edição 2012

GUIA DE CURSO BIOLOGIA E CONTROLO DE PRAGAS E DOENÇAS DAS PLANTAS. Curso em Regime de E-learning. 1ª Edição 2012 BIOLOGIA E CONTROLO DE PRAGAS E DOENÇAS DAS PLANTAS Curso em Regime de E-learning 1ª Edição GUIA DE CURSO Coordenador: Prof. Doutor Mário do Carmo Formadora: Doutora Carla Varanda INDICE INTRODUÇÃO 3 CONTEXTO

Leia mais

GUIA DO CURSO. desenvolvimento rural

GUIA DO CURSO. desenvolvimento rural GUIA DO CURSO CRIAÇÃO E GESTÃO DE EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS desenvolvimento rural Cursos em Regime de E-learning [CDG] Plano de Formação em Desenvolvimento Rural 2 A Estratégia Nacional para a agricultura

Leia mais

Guia de Curso. Administração e Gestão Educacional. Mestrado em. 15ª Edição. Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância

Guia de Curso. Administração e Gestão Educacional. Mestrado em. 15ª Edição. Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância Universidade Aberta Sede R. da Escola Politécnica, 147 1269-001 Lisboa Campus do Taguspark Av. J. Delors, Edifício Inovação I 2740-122 Porto Salvo, Oeiras Coordenadora: Guia de Curso Lídia Grave-Resendes

Leia mais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18 de maio

Leia mais

Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016

Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016 Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016 O Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses, embora esteja definido para o período 2014-2016, será revisto anualmente por

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO DESIGNAÇÃO DO CURSO E-Tutor: especialização pedagógica em e-learning DURAÇÃO DO CURSO 60 HORAS LOCAL E DATAS DE REALIZAÇÃO DA AÇÃO DE FORMAÇÃO 1. VIRTUAL LEARNING CENTER

Leia mais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS O presente regulamento foi homologado pelo Presidente

Leia mais

GUIA DE EDUCAÇÃO ONLINE

GUIA DE EDUCAÇÃO ONLINE GUIA DE EDUCAÇÃO ONLINE GUIA DE EDUCAÇÃO ONLINE IPAM - Aveiro ENQUADRAMENTO O presente modelo de ensino a distância (EaD) foi elaborado para a formação graduada e pós-graduada do IPAM Aveiro. O facto de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

GUIA DO CURSO CONHECER, C COMPREENDER,

GUIA DO CURSO CONHECER, C COMPREENDER, GUIA DO CURSO CONHECER, COMPREENDER, AVALIAR, ATUAR: segurança e higiene do trabalho para empregadores e trabalhadores GUIA DO CURSO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO em regime de e-learning Segurança,

Leia mais

Pós-graduação em Ciências da Informação. Guia de Curso

Pós-graduação em Ciências da Informação. Guia de Curso Pós-graduação em Ciências da Informação Guia de Curso 2014-2015 1 ÍNDICE 1. Apresentação............................................................. 3 2. Objetivos do Curso........................................................

Leia mais

CURSO DE INTRODUÇÃO À ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES VIRTUAIS

CURSO DE INTRODUÇÃO À ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES VIRTUAIS CURSO DE INTRODUÇÃO À ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES VIRTUAIS (IAAV) Coordenador: Professor Doutor António Quintas Mendes Formadora: Mestre Manuela Francisco Índice 1. ENQUADRAMENTO... 1 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Guia de Curso. Licenciatura em Línguas, Literaturas e Culturas Variante de Línguas Estrangeiras. 1º Ciclo 2012-13

Guia de Curso. Licenciatura em Línguas, Literaturas e Culturas Variante de Línguas Estrangeiras. 1º Ciclo 2012-13 Licenciatura em Línguas, Literaturas e Culturas Variante de Línguas Estrangeiras 1º Ciclo 2012-13 Nota importante: Este curso será suspenso a partir do ano letivo de 2013-14, sendo este ano letivo o seu

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO E DE TRANSIÇÃO DE ANO

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO E DE TRANSIÇÃO DE ANO Página 1 de 5 Artigo 1.º (disposições gerais) 1. O ISVOUGA Instituto Superior de Entre o Douro e Vouga, enquanto instituição de ensino politécnico, tem competência para ministrar cursos conducentes à atribuição

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 8º ANO... 1º Período Domínio COMUNICAÇÃO E COLABORAÇÃO CC8 Conhecimento e utilização adequada

Leia mais

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores Homologado pelo IEFP com o código de curso C1840003 Presencial 90 horas (Conforme Portaria n.º 214/2011, de 30 de maio) DPJ.FOR.FPIF.01

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Diário da República, 1.ª série N.º 118 20 de junho de 2012 3057 Designação dos cargos dirigentes ANEXO Mapa a que se refere o artigo 9.º Qualificação dos cargos dirigentes Grau Número de lugares Diretor

Leia mais

GUIA DO FORMANDO. Ética e Deontologia Profissional do Psicólogo

GUIA DO FORMANDO. Ética e Deontologia Profissional do Psicólogo GUIA DO FORMANDO Índice Enquadramento... pág. 3 Descrição do Curso... Destinatários... Objetivos de aprendizagem... Estrutura e Duração do Curso... Autor... Metodologia Pedagógica... Avaliação e Certificação...

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO INTERNA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO INTERNA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO DE FORMAÇÃO INTERNA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Qualquer processo formativo de qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que garantam desempenhos de excelência e correções

Leia mais

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Paulo Maria Bastos da Silva Dias Índice 1. Nota de Abertura... 1 2. Áreas de Intervenção e Desenvolvimento... 4 2.1 Formação e Aprendizagem ao Longo da

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Guia de Curso. Arte e Educação. Mestrado em. Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância

Guia de Curso. Arte e Educação. Mestrado em. Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância Universidade Aberta Sede R. da Escola Politécnica, 147 1269-001 Lisboa Coordenador e Vice Coordenador do Curso Amílcar Martins E-mail: Amilcar.Martins@uab.pt Guia de Curso Daniela Melaré Vieira Barros

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Página 1 de 1 Oferta formativa 1. Escola Nacional de Bombeiros O Regulamento dos Cursos de Formação do Bombeiro, é o normativo legal que regulamenta os cursos de formação dos elementos do Quadro de Comando

Leia mais

Ministério d. Decreto-lei n.º

Ministério d. Decreto-lei n.º A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes, através de um investimento na formação contínua,

Leia mais

Cursos de Formação Financiados

Cursos de Formação Financiados Cursos de Financiados Modular - Nível III Pós-Laboral Porto Área 213 - Audiovisuais e Produção dos Média Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma empresa prestadora de serviços de formação profissional, especializada

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO SGS ACADEMY PORQUÊ A SGS ACADEMY? Criada, em 2003, como área de negócio da

Leia mais

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-AÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação Intercultural Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de 2015

Leia mais

Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica

Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica 1. Designação do Curso: Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica 2. Denominação do Diploma ou Certificado Diploma de Pós-Graduação em Sistemas de Segurança,

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO DOS ESTUDANTES

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO DOS ESTUDANTES DO APROVEITAMENTO DOS CONSELHO PEDAGÓGICO Julho de 2014 CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento estabelece o regime de funcionamento e as normas de avaliação a aplicar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Administração Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de

Leia mais

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. DESPACHO N.º07/2014 Data: 2014/02/11 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Os Estatutos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EAD CNEC - FAQ

PÓS-GRADUAÇÃO EAD CNEC - FAQ PÓS-GRADUAÇÃO EAD CNEC - FAQ 1 - Quem pode fazer um curso de Pós-Graduação à distância da CNEC? Os cursos de Pós- Graduação da CNEC EAD podem ser realizados por qualquer pessoa que tenha concluído curso

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO DE T.I.C. 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno deve ser capaz de: - desenvolver capacidades na utilização das tecnologias de informação e comunicação que permitam uma literacia digital

Leia mais

Carta da Qualidade para o e-learning em Portugal

Carta da Qualidade para o e-learning em Portugal Carta da Qualidade para o e-learning em Portugal Maio 2014 1. Enquadramento A Carta da Qualidade e-learning em Portugal é um instrumento prático para cursos online, que pretende servir de referência quer

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning. Público-Alvo

CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning. Público-Alvo CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning Público-Alvo Profissionais que pretendam adquirir competências de base para monitorizar formação na modalidade e-learning ou b-learning que sejam possuidores do

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO. III. Disposições específicas para licenciaturas REG-001/V00

REGULAMENTO ACADÉMICO. III. Disposições específicas para licenciaturas REG-001/V00 III. Disposições específicas para licenciaturas Artigo 1º Concessão do Grau 1. O grau de licenciado é conferido aos que, através da aprovação em todas as unidades curriculares obrigatórias e optativas

Leia mais

Serviços Tecno Consultores em Formação. Serviços Tecnológicos MAPFRE Consultores em Engenharia e Formação

Serviços Tecno Consultores em Formação. Serviços Tecnológicos MAPFRE Consultores em Engenharia e Formação Serviços Tecno Consultores em Formação Consultores em Engenharia e Formação Plano de Formação 2014 Índice Curso Intensivo sobre Segurança no Trabalho para atualização de CAP s 4 Curso Intensivo sobre Segurança

Leia mais

Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º ANO. Ano Letivo 2014/2015. Professora: Florbela Ribeiro

Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º ANO. Ano Letivo 2014/2015. Professora: Florbela Ribeiro Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º ANO Ano Letivo 2014/2015 Professora: Florbela Ribeiro Planificação Anual Domínio: Informação Objetivos Subdomínio/Descritores Estratégias Recursos

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

Regulamento Interno do Voluntariado AEVA SERVIR

Regulamento Interno do Voluntariado AEVA SERVIR O presente regulamento interno tem como principal objetivo regular e facilitar o processo de gestão de voluntários na, sendo facultada informação no que concerne à caraterização e princípios do voluntariado,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Ação de Formação TRABALHAR NA NUVEM 2.0. Formador Dr. João Paulo Fonseca Abril: 8 e 22 Maio: 6 e 20 Junho: 3 e 29

Ação de Formação TRABALHAR NA NUVEM 2.0. Formador Dr. João Paulo Fonseca Abril: 8 e 22 Maio: 6 e 20 Junho: 3 e 29 Ação de Formação TRABALHAR NA NUVEM 2.0 Formador Dr. João Paulo Fonseca Abril: 8 e 22 Maio: 6 e 20 Junho: 3 e 29 Modalidade: Curso de Formação. 1- Duração: 25 horas. Créditos: 1 crédito. N.º de acreditação:

Leia mais

Texto final da Lei de Desenvolvimento e Qualidade

Texto final da Lei de Desenvolvimento e Qualidade Texto final da Lei de Desenvolvimento e Qualidade Lei n.º 1/2003, de 6 de Janeiro APROVA O REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E DA QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG. Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro PREÂMBULO

REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG. Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro PREÂMBULO REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro 13 02 2013 00 PREÂMBULO A oferta de ações de formação insere-se no âmbito

Leia mais

Licenciatura em Línguas Aplicadas

Licenciatura em Línguas Aplicadas Guia de Curso 1º Ciclo 2014-2015 Departamento de Humanidades 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Organização do curso... 3 3. Destinatários... 3 4. Condições de acesso e pré-requisitos... 3 5. Candidaturas...

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

Formação Inicial para Obtenção do CAM - Certificado de Aptidão de Motorista de Mercadorias

Formação Inicial para Obtenção do CAM - Certificado de Aptidão de Motorista de Mercadorias Formação Inicial para Obtenção do CAM - Certificado de Aptidão de Motorista de Mercadorias Público-Alvo Colaboradores das empresas que exercem funções na condução de veículos pesados de mercadorias, que

Leia mais

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Apreciado pelo Conselho Pedagógico, em reunião realizada no dia 10 de Fevereiro de 2010) CAPÍTULO I Legislação de Referência - Portaria n. 230/2008

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes e Alto Douro Artigo 1º Objeto O presente regulamento define um conjunto de normas e orientações dos Cursos de Língua Estrangeira

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012

FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012 FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Fotografia Digital e Pós-produção de imagem. 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER O "Curso de Fotografia

Leia mais

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização Comunicação e Colaboração Planificação da Disciplina de Planificação Semestral DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização OBJETIVOS Explorar sumariamente diferentes ferramentas e

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC)

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) Legislação de Referência: Despacho n.º 334/2012, de 11 de janeiro Portaria n.º 283/2011, de 24

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013

Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013 Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013 AULAS PREVISTAS (50 minutos) 1.- Conhecimento e utilização adequada e segura de diferentes tipos de ferramentas de comunicação,

Leia mais

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Ensilis - Educação E Formação Sa A.1.a.

Leia mais

Como ter sucesso na educação a distância

Como ter sucesso na educação a distância Metodologia Diferenciada Ambiente de Aprendizagem Moderno Inovação Continuada e Empreendedorismo Como ter sucesso na educação a distância 1 Regulamento 2 1 Como ter sucesso na educação a distância Para

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

1. Objectivos. 2. Destinatários. 3. Competências

1. Objectivos. 2. Destinatários. 3. Competências DEPARTAMENTO DE POLÍTICA E TRABALHO SOCIAL REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DE LIDERANÇA E GESTÃO DE EQUIPAMENTOS SOCIAIS 1ª EDIÇÃO 2013/2014. 1 1. Objectivos Na sociedade atual as organizações de

Leia mais

Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º ANO. Ano Letivo 2014 / 2015. Professora: Florbela Ribeiro

Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º ANO. Ano Letivo 2014 / 2015. Professora: Florbela Ribeiro Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º ANO Ano Letivo 2014 / 2015 Professora: Florbela Ribeiro Planificação Anual Domínio: Informação Objetivos Subdomínio/Descritores Estratégias

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: Graduados em nível superior que atuam ou pretendem atuar na docência em instituições de ensino superior.

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: Graduados em nível superior que atuam ou pretendem atuar na docência em instituições de ensino superior. A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Curriculum do Voluntário Universitário PROGRAMA

Curriculum do Voluntário Universitário PROGRAMA Curriculum do Voluntário Universitário PROGRAMA A frequência do ensino superior coincide, na maioria das situações, com uma fase de desenvolvimento psicológico e social muito significativa, especialmente,

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA FICHA TÉCNICA Publicação editada ao abrigo do novo Acordo Ortográfico, exceto a transposição de conteúdos de documentos elaborados

Leia mais

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org Instituto Piaget Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Saúde de Vila Nova de Gaia www.ipiaget.org Ano Letivo 201-201 Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica Índice Artigo 1º

Leia mais

Mestrado em COMUNICAÇÃO EDUCACIONAL E MÉDIA DIGITAIS

Mestrado em COMUNICAÇÃO EDUCACIONAL E MÉDIA DIGITAIS GUIA DE CURSO Mestrado em COMUNICAÇÃO EDUCACIONAL E MÉDIA DIGITAIS Cruzeiro Seixas 2014-2015 1 1. INTRODUÇÃO Bem-vindo ao curso de mestrado em Comunicação Educacional e Média Digitais! Participar neste

Leia mais

PARTE C MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. 7670-(8) Diário da República, 2.ª série N.º 56 20 de março de 2014. Autoridade Nacional de Proteção Civil

PARTE C MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. 7670-(8) Diário da República, 2.ª série N.º 56 20 de março de 2014. Autoridade Nacional de Proteção Civil 7670-(8) Diário da República, 2.ª série N.º 56 20 de março de 2014 PARTE C MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Autoridade Nacional de Proteção Civil Despacho n.º 4205-A/2014 Regulamento dos Cursos de Formação,

Leia mais

Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO

Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO FAQ s - Lista de Questões Frequentes 1 - Já escolhi o curso superior que quero frequentar. Devo ainda assim inscrever-me no

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015 TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 204 / 205 SUBDOMÍNIO CC8.. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais