UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA Por: Annanda Baptista GESTÃO ORGANIZACIONAL: O ARQUIVISTA E AS NOVAS TECNOLOGIAS Rio de Janeiro 2011

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA GESTÃO ORGANIZACIONAL: O ARQUIVISTA E AS NOVAS TECNOLOGIAS Apresentação de monografia à AVM Faculdade Integrada como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em.gestão Empresarial. Por: Annanda Baptista

3 3 AGRADECIMENTOS Gostaria de agradecer a meus pais e minha amiga Patrícia que muito me ajudaram nesta etapa.

4 4 DEDICATÓRIA Gostaria de dedicar a minha Mãe e Meu pai por todo incentivo até hoje.

5 5 RESUMO Nos últimos 10 anos, tem se intensificado no panorama arquivistico brasileiro o foco na gestão da informação frente às novas tecnologias. Autores, pesquisadores e profissionais da área tem se unido cada vez mais para aprimorar os recursos e estratégias da gestão da informação nos ambientes coorporativos, educacionais e públicos, mas apesar do avanço tecnológico e de cursos de apoio tentando esclarecer a nova gestão informacional, ainda existem muitas dúvidas e questionamentos na prática desse gerenciamento. Nesse cenário, em que se tem predominado cada vez mais a produção da informação, sendo ela impressa ou virtual, não pode estar ausente a base da gestão da informação. Não podemos esquecer que a pronta-informação depende dos pilares da Arquivologia: organização, classificação, indexação e recuperação. Ao considerar que as ferramentas tecnológicas são cada vez mais renováveis, considera-se de suma importância a reciclagem do profissional da informação, interagindo e entendendo como disponibilizar a informação no formato adequado, porém sempre aplicando os conceitos arquivísticos. Este questionamento só se materializa no momento em que os alunos, professores e profissionais desta área do conhecimento vivenciam experiências no mercado de trabalho, sendo ele como profissional da área, consultor ou educador. Sendo assim, há a necessidade de reconstruir conhecimentos e saberes, e considerar sempre a interdiscipliniriedade entre a Ciência da Informação e a área Tecnológica. Palavras- Chaves: Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Gestão da Informação, Indexação

6 6 METODOLOGIA A abordagem metodológica utilizada nesta investigação baseou-se nas análises documental e de conteúdo de diversos documentos referentes ao assunto, tais como leis, artigos e análise de mercado mesmo, experiências práticas oriundas de empresas que utilizam o GED (Gerenciamento Eletrônico de Documentos.) Observou-se no transcurso desta pesquisa a escassez de autores da área de Ciência da Informação que tratam o assunto como problema prático, problema de mercado de trabalho mesmo. Por conta disso, recorri a artigos e modelos práticos utilizados por empresas de médio e pequeno porte, tais como: Lookup Consultoria Ltda e Tecidos S/A. Pesquisas nesta área são necessárias para a geração de indicadores que permitirão uma melhor compreensão das especificidades e da complexidade envolvidas nesta questão que é pra lá de atual. Neste sentido, faz-se necessário que profissionais envolvidos diretamente com a gestão da informação comecem a escrever mais sobre o tema.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I - A Gestão da Informação CAPÍTULO II - GED Empresa Lookup Ltda CAPÍTULO III GED Recursos para pequenas empresas CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

8 8 INTRODUÇÃO Segundo Lopes (2000, p ) Falar em Arquivologia seria falar de uma ciência dos arquivos pronta e acabada. Em um mundo onde se transpira a transdisciplinaridade, fica difícil aceitar tal designação. O edifício das ciências rigidamente separadas vem desabando e deixando de ser acreditado por toda parte. O conhecimento científico atual de ponta é construído a partir de várias influências, derivadas do exame dos objetos, e não da simples repetição dos cânones científicos. O simples uso do sufixo 'logia' não garante a cientificidade e a correição de qualquer pensamento. Neste contexto, seria mais lúcido entender a arquivística como uma técnica tributária de vários conhecimentos científicos. Ela estaria situada no conjunto das chamadas ciências da informação e da comunicação. Isto implica uma epistemologia aberta a múltiplas influências, que vão além dos princípios técnicos consagrados pelos arquivistas de todo o planeta. A história dos arquivos nos remete a uma visão muito mais apurada da questão, além da interdisciplinaridade que esta ciência sofreu, podemos entender o papel que o profissional da área tem se tornado com o passar do tempo. Vejamos abaixo as seguintes considerações: No princípio, um arquivo organizado certamente satisfazia às necessidades emergenciais de seus produtores e custódios. A revolução promovida pelo advento da tecnologia da informação desconstruiu essa visão de custódia e, atualmente, o arquivista precisa receber formação que o torne receptivo ao

9 9 comportamento da sociedade do conhecimento e da informação ( McGARRY, 1996, p.7) De acordo com a afirmativa dos autores Luis Carlos Lopes e Kevin McGarry é que tomamos como norte desta discussão que se apresenta de forma prática no mercado de trabalho como um todo. As informações disponíveis nos conjuntos de documentos que as organizações vêm produzindo e mantendo pode ser um diferencial competitivo, desde que se utilizem os recursos tecnológicos adequados para cada gestão. Falar dos conceitos da Arquivologia repetidamente sem sequer utilizar os recursos da interdisciplinaridade seria impossível para previsão de resultados práticos no que diz respeito ao gerenciamento da informação. Esbarramos sempre em conceituação x prática. Neste contexto, o GED (Gerenciamento Eletrônico de Documentos) tem se destacado como ferramenta estratégica para garantir a pronta-informação, ressaltando que, a maior parte dos documentos produzidos e acumulados no transcurso das atividades organizacionais são resultados de ações não estruturadas. Apesar da enorme preocupação das Organizações em como se devem estruturar seus documentos, a bem da verdade é que comprar um GED pronto, um produto já licenciado com todos os seus grandes recursos ultramoderno ainda custa muito caro e por conta disso, as pequenas e médias empresas ficam reféns de soluções práticas, por que desconhecem recursos já disponíveis em suas Empresas. Pensando nas alternativas simples e de fácil utilização, o trabalho em questão apresenta dois tipos de ferramentas práticas e econômica para o gerenciamento de

10 10 documentos eletrônicos: a Gestão de Conteúdo utilizado nas intranets das Empresas tendo como plataforma o SharePoint e num caso mais simples o Windows Explorer (Estruturação de Pastas). Conforme LOPES (2000, p.23) é de suma importância que o profissional da Informação esteja flexível quanto às novas frentes de trabalho e que a recuperação da informação depende de esforços múltiplos, resultado da interdisciplinaridade.

11 11 CAPÍTULO I A GESTÃO DA INFORMAÇÃO CONCEITUAÇÃO As funções desempenhadas pelos novos profissionais da área de Arquivologia tem se esbarrado em desafios enormes diante da demanda de informações que as Organizações produzem, elas se acumulam cada vez mais, resultando em novos depósitos de informações, sendo elas registradas ou não. Quando se fala de arquivos, associam-se a ele conceitos de documentos e de informação. Essa é a base para o entendimento de seu contexto. Não importa o tipo de informação que foi gerado e não se pode depreciar um dado informacional em detrimento de outro. No final, ter-se-á concebido um documento de arquivo, que deverá receber tratamento a partir dos mecanismos que lhe facilitem o acesso e a recuperação da informação guardada e por ele contextualizada. Transportamo-nos a algumas proposições epistemológicas abordadas por Silva e Ribeiro (1998), quando apontam para o fato de que o objeto da Arquivologia não é apenas o arquivo, nem só os documentos, mas também a informação social estruturada e dinamizada de forma sistêmica. Nessa abordagem, a caracterização sistêmica tem um valor instrumental, ou seja, visa à universalização científica do conhecimento arquivístico através de um conjunto variável e cumulativo de princípios gerais demonstráveis, dos específicos para os genéricos

12 12 A autora Heloisa Belotto faz a seguinte consideração: O arquivista hoje não pode esquecer que vive e atua profissionalmente na chamada "era da informação", na qual, as tecnologias da informação e da comunicação têm presença marcante. Os novos suportes documentais, com os quais tell de lidar, exigem conhecimento, competência, métodos e meios de produção, utilização e conservação física especiais. São fatores novos sobre os quais os arquivistas passam agora a serem instruídos e treinados, não obstante con - erem o risco de, em virtude do vertiginoso crescimento das possibilidades da eletrônica nas áreas documentais, nunca conseguirem abarcar a plenitude destes conhecimentos tão mutantes e dependentes de equipamentos tão rapidamente tornados obsoletos. (BELOTTO, 2000, p. 20) Gerir informação não é nada fácil, segundo o autor MARCHIORI (2002, p.47), a gestão da informação deve incluir, em dimensões estratégicas e operacionais, os mecanismos de utilização de recursos humanos, tecnológicos, financeiros, materiais e físicos para o gerenciamento da informação e, a partir disto, ela mesma ser disponibilizada como um insumo útil e estratégico para indivíduos, grupos e organizações. Para ilustrarmos melhor essa questão, segue abaixo a citação: Organizar um acervo documental é mais do que implementar um sistema de arquivo que atenda à necessidade dos pesquisadores e estudiosos de maneira geral. Na verdade, deparar-se com uma documentação exige do arquivista um estudo aprofundado a partir de

13 13 escavação cuidadosa, permitindo não somente a organização arquivística do acervo, mas, ao mesmo tempo, a análise temática representativa, interpretativa e precisa das peças. Assim, durante todo o tempo, esse profissional exerce, concomitantemente, o papel de arquivista e investigador. É com essa dimensão de seu trabalho que ele se projeta na realização de pesquisas e no âmbito social, compartilhando conhecimento com os demais pesquisadores. ( Belotto, Heloisa, 2007, p.8) É possível e pertinente a participação do arquivista no desenvolvimento das pesquisas em acervos e em sua avaliação, considerando essa atividade parte da sua formação e é sabido pela comunidade arquivista que uma boa avaliação gera excelente recuperação da informação. Segundo Belotto, para que haja uma recuperação eficiente e um retorno prático e eficaz, é necessária a aplicabilidade da gestão da informação (BELOTTO, 2006, p.30). Uma boa gestão de documentos deve se fazer uso de metadados baseados em princípios arquivisticos com a utilização dos recursos informáticos que estão sempre sendo renováveis. Considero que unir os conceitos arquivísticos e uma boa utilização dos recursos informáticos disponíveis em uma Organização é um grande desafio para o profissional da área da Ciência da Informação. Dentre as várias disciplinas que a Gestão da Informação engloba, são necessários três aspectos importantes neste cenário: a Arquivologia, a Gestão de Documentos e a Gestão do Conteúdo. Para isso, iremos conceituar nas próximas seções a definição dos termos: dado, informação e metadados.

14 Dado Dados são elementos que constituem uma informação, seja ela, estruturada ou não. Os dados são uma representação dos fatos, conceitos ou instruções de uma maneira normalizada que se adapte à comunicação, interpretação e processamento pelo ser humano ou através de computadores. Os dados são representados por símbolos como, por exemplo, as letras do alfabeto: a, b, c, etc... Dado pode ser entendido como material bruto, isto é, informação não formatada Informação LOPES (1996, p.30) define informação como qualquer atribuição de pensamento humano sobre natureza e sociedade, desde que verbalizada ou registrada de alguma forma. Para o autor, a interpretação das informações registradas depende das relações das mesmas com o contexto de sua produção. É a informação que possui a semântica. Então, a informação pode ser definida como dados processados. A informação precisa ser trabalhada, estruturada para gerar um fluxo, um resultado, sem isto, tornase um conjunto de dados sem sentido. A informação gerada em um ambiente organizacional possui sempre um objetivo, seja ele para tomada de decisão, ou não. Para isso, é necessário interpretá-las justamente no contexto de sua produção. O autor Carucci elucida bem essa questão nas frases a seguir: O documento em meio informático traz a possibilidade da densidade máxima da informação em um mínimo de suporte, do qual a mensagem, naturalmente, tem de passar por reconstrução legível por maquina para ser entendida. Entretanto, dentro da peculiaridade do documento arquivistico, os especialistas chamam a atenção dos arquivistas para o fato de que todo o processamento que se dé a informação arquivistica não pode se afastar dos princípios teóricos básicos da arquivistica, refletindo sempre o principia da proveniência e a organicidade na ordenação dos fundos.

15 15 Ora, a informática vem mudar sensivelmente estas verdades, porque separa a informação do suporte reconhecível, ja que este é um sistema informático. Tratase, portanto, de documentos virtuais e assim sendo compreendidos e tratados. (CARUCCI, 1994, p.10) Com isso, indicamos o gerenciamento eletrônico de documentos como uma ferramenta ágil e precisa para estruturar as informações, de forma que ela devolva resultados práticos e objetivos para Organização Metadados Metadados são definidos corriqueiramente como dados sobre dados. Considerase a definição muito simplista diante do que nos propomos a definir. Para CORNWELL, 2001, p.6, metadados são, no contexto da gestão de documentos de arquivo, informação estruturada ou semi-estruturada, que permite a produção, gestão e utilização de documentos de arquivo ao longo do tempo, na medida em que for sendo produzido. Trata-se de um resumo das características de um conjunto de dados ou de outro recurso de informações, esteja ele em meio digital ou não. Reúnem as informações necessárias para que estes se tornem úteis. Metadados ajudam as tarefas de documentação e organização dos dados das organizações, facilitando seu compartilhamento, além de disciplinar a sua produção. A boa qualidade dos metadados permite que o usuário compreenda o conteúdo dos dados que está observando, seu potencial e suas limitações. Sua importância é expressa pela definição seguinte: metadados compõem uma das áreas de pesquisa da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), que transforma dados brutos em conhecimento" (Ikematu, 2001) Para facilitar este intercambio de metadados e dados entre usuários e organizações, alguns padrões internacionais de metadados tem sido especificados e

16 16 implementados. O uso de um padrão comum de metadados possibilita o compartilhamento dos dados descritos segundo esse padrão, facilitando o acesso aos mesmos dentro de organizações e o intercambio de dados entre diferentes organizações. Os padrões estão conceituados e estruturados em seções com funções especificas (FREITAS, 2005, p.10) de: Identificar o produtor e a responsabilidade técnica da produção Padronizar a terminologia utilizada; Garantir o compartilhamento e a transferência de dados; Viabilizar a integração de informações; Possibilitar o controle de qualidade; Garantir os requisitos mínimos de disponibilização 1.2 A produção documental e os recursos arquivísticos Quando se fala da produção documental e os recursos arquivistícos, não podemos deixar de fora a postura em que este profissional deve ter com relação as suas atividades. É necessário que esperemos que o profissional da ciência da informação se assenhore às novas tecnologias para um eficiente desempenho de seu trabalho, não nos esqueçamos que nao se pode prescindir daquelas qualidades esperadas de tal profissional, em qualquer situação, tempo e lugar - com ou sem tecnologia. Alguns especialistas como (GRIMARD, 1993) assim as tem arrolado da seguinte forma: * capacidade de análise e síntese, juntamente com uma aptidão particular de esclarecer situações complexas; * habilidade de formular claramente suas idéias, tanto de forma escrita como verbal;

17 17 * capacidade de julgamento seguro; * aptidão para tomar decisões sobre questões ligadas a memória da sociedade; * abertura as novas tecnologias da informação; * bom senso para tomar resoluções; * adaptação a realidade, as condições de seu tempo e lugar. E, como se fosse tudo isso fosse pouco, fala-se, ainda, nas qualidades de adaptabilidade, pragmatismo, curiosidade intelectual, rigor, método, continuidade, capacidade de compreensão e de escuta relativamente ao produtor, ao pesquisador e ao cidadão. A verdade é que o arquivista, ademais de toda essa qualificação de cunho pessoal, deve ainda estar capacitado profissionalmente para intervir em toda a cadeia do tratamento documental, qualquer que seja o suporte. A respeitabilidade de que e revestida o seu trabalho vêm da segurança com que atue no seu métier. Para LOPES (1996, p.31), o coração da arquivistíca contemporânea está especialmente nas funções de classificação, avaliação e descrição. Estaremos apresentando ainda nesta seção a conceituação dessas atividades e a importância de cada uma delas. A classificação consiste em organizar os documentos produzidos e recebidos pela organização no exercício de suas atividades, de forma a constituirse um referencial para a sua recuperação. Segundo SCHELLENBERG (apud SANTOS; CHARAO, FLORES, 2003, p.45), há três elementos essenciais a serem considerados na classificação:

18 18 A ação ou a função: reflete as ações do órgão que gerou o documento, sendo usada como referência a todas as responsabilidades atribuídas a um órgão a fim de atingir os amplos objetivos para os quais foi criado; A estrutura: reflete a estrutura orgânica (linha e staff) da entidade que é determinada pelos objetivos ou função a que se destina O assunto: resulta da análise da estrutura do documento, isto é, os assuntos que são tratados. Os instrumentos utilizados no processo da classificação são: Plano de Classificação (utilizado para arquivos correntes e intermediários) e o Quadro de Arranjo, no caso dos arquivos permanentes. Ambos são representados hierarquicamente, através das divisões dos conjuntos, dos níveis e sub-níveis (classes, subclasses, grupos, subgrupos...) partindo-se sempre do geral para o específico. A Avaliação é a atividade de definir os prazos de guarda e destinação dos documentos nos arquivos correntes, intermediários e permanentes, com a finalidade de garantir o acesso à informação aos usuários. O instrumento de pesquisa utilizado nesta atividade é a tabela de temporalidade. Acredito que tenha esclarecido neste capítulo, o que é exatamente a Gestão da Informação, a ciência arquivistica e todas as atividades envolvidas neste processo. No próximo capítulo, falaremos sobre o gerenciamento eletrônico de documentos e o exemplo de gerenciamento eletrônico de documentos da Empresa Lookup Consultoria Ltda.

19 19 CAPÍTULO II GERENCIAMENTO ELETRÔNICOS DE DOCUMENTOS EMPRESA LOOKUP CONSULTORIA LTDA 2.1. GED - Conceituação A Gestão Eletrônica de Documentos significa possuir de forma eletrônica, informações sobre os documentos indepente da forma ou do suporte em que estes se encontram. Além de ser uma ferramenta para redução do espaço físico e acesso simultâneo a documentos, o GED, tem o foco principal a agilidade na obtenção de informações, auxiliando na tomada de decisões. Para ANDRADE (2002, p.16), é ao mesmo tempo um método, um sistema e uma tecnologia para conversão e processamento de documentos como informação eletrônica digital. Segundo o CONARQ (Brasil, 2006, p.29) GED é um conjunto de tecnologias utilizadas para organização da informação não-estruturada de um órgão ou entidade, que pode ser dividido nas seguintes funcionalidades: captura, gerenciamento, armazenamento e distribuição. O GED engloba tecnologias de Gestão de Documentos além de digitalização, automação de fluxos de trabalho (workflow), processamento de formulários, indexação, repositórios, entre outras. Portanto, GED é muito mais que digitalizar documentos, ou do que possuir uma imagem dos arquivos a fim de preservação é a solução para busca de informação, racionalização da produção documental e racionalização dos arquivos.

20 20 É importante ressaltar que o GED por si só não organiza de forma adequada a sua documentação, para CAVALCANTI (2002) quem informatiza uma bagunça terá como resultado uma bagunça informatizada. É nesse contexto que a Arquivologia assume um papel importante dentro deste processo GED O caso da Empresa Lookup Consultoria Ltda A Empresa Lookup Consultoria Ltda tem apenas 03 anos de existência. Tratase de uma Empresa de Soluções Arquivísticas que atua no mercado de trabalho em diversos ramos: petróleo e gás, entretenimento, construção civil e empresas públicas. Sua preocupação constante consiste na qualidade do serviço prestado e na ética, acima de tudo. As maiores solicitações dos seus clientes dizem respeito às seguintes áreas: Gestão do Conhecimento: O conhecimento tácito da Empresa deve ser compartilhado, para tanto, nós profissionais da informação, deve permitir que a Empresa tenha acesso às informações contidas nos arquivos e centros de documentação. Utilizamos ferramentas da Arquivistica, como classificação, indexação e tratamento informacional para expandir melhor as tarefas produzidas pela empresa, tanto na web (cliente externo), como intranet (cliente interno). Classificação: Todos os documentos estejam eles em meio físico ou eletrônico devem ser devidamente classificados dentro das suas classes pré-determinadas dentro de um Plano de Classificação. Cada Empresa possui seu produto/serviço diferenciado e é necessário que se faça um plano específico, que atenda as suas necessidades. Tabela de Temporalidade: É ferramenta que estabelece os prazos de guarda dos documentos (tanto para meio físico como para eletrônico)

21 21 Indexação/ Palavras Chaves: Para acessar o conteúdo rede/banco de dados/ web é necessário que se defina os termos de entrada ou palavras-chaves. A definição desses termos é chamada de indexação, para cada área/ serviços definem-se termos diferentes, o que realmente os clientes precisam. Para tanto, busca-se conceitos arquivísticos para definição dos termos e então, a pesquisa junto aos clientes. Feito isto, está definido os termos de indexação, podendo ou não se transformar num glossário. Realização de Projetos: As grandes empresas possuem várias gerências e cada um na sua área específica. Geralmente, prestamos consultoria interna, mapeando processos, definindo tarefas, tratando da documentação física e eletrônica e proporcionando treinamento. Treinamento e Supervisão: Sendo um trabalho continuado ou não, costumamos supervisionar os projetos já concluídos e proporcionamos treinamento às equipes e funcionários que lidam diariamente com os arquivos e centros de documentação. Como estamos na era da informação, é muito comum a solicitação de organização de documentos eletrônicos. Ressalta-se que também organizamos, treinamos e proporcionamos manutenção desses arquivos, que chamamos de gerenciamento de documentos eletrônicos. Apresentação e Palestras: É comum que as empresas incluam m em suas solicitações palestras e apresentações sobre a Gestão da Informação, portanto, estamos aptos a efetuar este tipo de trabalho. A Empresa Lookup Consultoria Ltda utiliza as intranets das Empresas para gerenciar seus documentos. Os recursos informáticos são a plataforma Sharepoint e o Banco de Dados Oracle. Os profissionais da informação e da área tecnológica se unem neste sentido para disponiblizar os documentos virtuais e agilizar os processos de trabalho. Sabemos que o grande sucesso de uma empresa de consultoria na área da Ciência da Informação é justamente o capital intelectual que ela possuiu, portanto,

22 22 a Empresa Lookup possui arquivistas habilitados a lidar com qualquer tipo de documento, independente do seu suporte e gestão. Em alguns casos, precisamos contratar profissionais habilitados em outras área do conhecimento para que se possa ter um resultado positivo na conclusão do projeto. Como foi dito anteriormente, é essencial o saber interdisciplinar. O arquivista do século XXI deve ser cada vez mais preocupado com as evoluções tecnológicas, como diz a citação abaixo: Ante a instalação acelerada da indústria da informação, a Arquivologia surge com mais vigor e possibilidade de atingir o seu objetivo enquanto área do saber. Esse aspecto estimula e promove o seu estado de arte, mas passa a incomodar os que ainda consideram a possibilidade de, além do arquivista, outro profissional da informação ser capaz de planejar e administrar projetos em instituições arquivísticas (BELOTTO,2007, p.6) Visto isto, é importante considerarmos a importância da contratação dos profissionais de Arquivo para projetos de gestão da informação e gerenciamento eletrônico de documentos. Quando se têm alguém com a expertise de um profissional da Ciência da Informação o projeto flui de outra forma. No caso que apresentaremos a seguir, nota-se que o gerenciamento eletrônico de documentos utilizando a plataforma Sharepoint deve ser criado pelo profissional de Arquivo, utilizando sempre recursos informáticos disponíveis. Cada vez esses recursos tem ajudado aos profissionais da Ciência da Informação, pois sabemos que muitas Empresas não possui recursos financeiros para a compra de GED pronto. Para implantar um gerenciamento de documentos utilizando o SharePoint é necessário que a Empresa tenha a licença e que esteja disposta a investir neste

23 23 aspecto disponibilizando pessoas e recursos materiais para que o projeto seja desenvolvido e continuado. Um dos clientes da Empresa Lookup decidiu investir neste gerenciamento e contratou os nossos serviços. A primeira experiência desta empresa que é do ramo de petróleo e gás foi a de implantar o gerenciamento na área financeira, visto que o volume de documentos é muito grande e de difícil gestão. Para tanto, elaborou-se um fluxo de trabalho dividido nas seguintes etapas: Recolhimento dos documentos no Setor Financeiro Organização das pastas, conforme listagem em anexo Digitalização dos documentos organizados Indexação dos documentos em pdf Cadastro dos documentos eletrônicos no GED Para atender tais expectativas, o Setor Tecnológico da Empresa apenas liberou o acesso para que pudessemos desenhar o GED. Vale ressaltar que toda a arquitetura da Informação foi feita por profissionais da área de Arquivologia. Segue abaixo o print da tela do GED para que possamos entender o trabalho realizado pela Empresa Lookup Consultoria Ltda:

24 24 Nota-se que os documentos eletrônicos no formato pdf são classificados por sua tipologia. As pastas oriundas do Setor Financeiro são separadas por dois tipos de classificação: Borderô e Cheque. Essa classificação se dá como é realizado o pagamento. Essas pastas constam diversas tipologias documentais, tais como:

25 25 Autorização de Pagamento Contrato Cópia de Cheque Correspondências Fatura Nota de Crédito Nota de Débito Nota de Despacho Nota de Locação Nota Fiscal Recibo Relatório Relatório de Despesa Solicitação de Providência Solicitação Numerária Solicitação de Serviço Transporte Tributos Nota de Serviço Todas as tipologias documentais são cadastradas no GED, para tanto, deve-se preencher os seguintes campos do software: Departamento Classificação Empresa Fornecedor Número do Documento Data PO Centro de Custo

26 26 Projeto Descrição Palavra-Chave Localização Data de Descarte Na interface da tela principal foram criadas listas com os nomes dos fornecedores cadastrados, os projetos em andamento, os centros de custos e a classificação (borderô ou cheque). A implantação deste gerenciamento eletrônico resultou na criação de um departamento de arquivo com intuito de gerenciar outros acervos dentro do Grupo. Os profissionais contratados pela empresa se transformaram em gestores da informação, com a missão de atender os clientes internos de acordo com a demanda da Empresa. Hoje, cada cliente acessa os seus documentos em suas bases. Vale ressaltar que existe restrição nesta consulta, e o acesso é concedido pelo Responsável do Departamento de Arquivo, mediante a autorização do gestor de cada área.

27 27 CAPÍTULO III GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS RECURSOS PARA PEQUENAS EMPRESAS Provavelmente existem diversas formas de armazenar informações digitais. A mais simples delas é salvar os arquivos de documentos, planilhas, imagens e versões na rede corporativa da Empresa à medida que são criados. E o mais simples processo de preservação é gravar tudo em CDs e empilhá-los dentro de caixas ou armários. Porém, nem sempre a solução mais simples é a mais adequada. As áreas funcionais desejam mais que simplesmente armazenar informações: têm a necessidade de identificar, acessar e preservar documentos de uma forma ágil e com segurança. É sabido que existem soluções mais complexas que adotam sistemas de gerenciamento eletrônico de documentos (GED) que exigem um investimento. Mas, também não pode ser ignorado o fato que a Empresa já possui um conjunto de ferramentas e técnicas que, quando bem utilizadas, podem suprir as necessidades básicas de documentação e arquivo de informação. E é exatamente sobre ferramentas e métodos que esse capítulo trata. A sua elaboração foi realizada na direção de ser o mais amigável e colaborativa possível, de forma a ter procedimentos que requeiram o mínimo de treinamento possível e contar com grande autonomia da área funcional sobre a sua Biblioteca, ou Gestão de Documentos

Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados. Iza Saldanha

Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados. Iza Saldanha Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados Iza Saldanha Abordagem Conceitos Procedimentos/Ferramentas Benefícios esperados Estudo de caso Planave

Leia mais

Sociedade do Conhecimento

Sociedade do Conhecimento Gerenciamento (Gestão) Eletrônico de Documentos GED Introdução Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Sociedade do Conhecimento Nunca se produziu tanto documento e se precisou de tanta velocidade

Leia mais

Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Corporativos

Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Corporativos Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Marcos Moysés da Cunha marcos.cunha@eletrobras.com (21) 2514-5695 Gestão de Documentos SharePoint GED... caminho... Gestão de Documentos

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA

A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA Renato Tarciso Barbosa de Sousa Universidade de Brasília renasou@unb.br A organização 1. Os fatos 2. O Discurso 3. As considerações

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos.

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos. Idade dos arquivos Fabrício Mariano A classificação das idades dos arquivos varia de autor para autor, pois cada uma tem origem em um país diferente ou é influenciada em maior ou menor grau por uma cultura

Leia mais

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores 1. INTRODUÇÃO As corretoras de valores devem armazenar todos os documentos cadastrais de seus clientes para ter acesso a esse material quando necessário.

Leia mais

Tecnologias de GED Simone de Abreu

Tecnologias de GED Simone de Abreu Tecnologias de GED Simone de Abreu A rapidez na localização da informação contida no documento é hoje a prioridade das empresas e organizações, já que 95% das informações relevantes para o processo de

Leia mais

O ciclo de vida Simone de Abreu

O ciclo de vida Simone de Abreu O ciclo de vida Simone de Abreu A documentação eletrônica em números: estimativas apontam para um mercado de aproximadamente US$ 600 milhões em Hardware, Software e Serviços, ou seja, mais de 12 bilhões

Leia mais

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES Disciplinas obrigatórias: ICIA39 Administração de Unidades de Básica EMENTA: Conceitos de informação e gestão de organizações. Qualidade e competitividade (noções). Estudo de serviços de informação em

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos Margareth da Silva Arquivo Nacional XII Encontro Catarinense de Arquivos Jaraguá do Sul 23 de outubro de 2007 e-arq

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência Definições Informação: Produto de um documento. Documento: Tudo aquilo que pode transmitir uma idéia, pensamento ou acontecimento, ou seja, uma informação. Arquivo: Lugar onde se guardam os documentos

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

DataDoc 4.0 Sistema de Gestão de Arquivos. Características do Sistema

DataDoc 4.0 Sistema de Gestão de Arquivos. Características do Sistema DataDoc 4.0 Sistema de Gestão de Arquivos O software DataDoc 4.0 tem como finalidade automatizar a gestão de acervos documentais, englobando todas as fases da documentação. Totalmente desenvolvido em plataforma

Leia mais

Introdução ao GED Simone de Abreu

Introdução ao GED Simone de Abreu Introdução ao GED Simone de Abreu GED O que é isso? O conhecimento teve, ao longo da história, diferentes significados e funções. No tempo das cavernas nossos antepassados transmitiam aos seus descendentes

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Índice. Brasil Profissionalizado SIMEC/DTI/MEC 2

Índice. Brasil Profissionalizado SIMEC/DTI/MEC 2 Índice 1. Prefácio... 2 2. Requisitos Mínimos... 3 3. Como acessar o SIMEC... 4 4. Solicitando cadastro... 5 5. A Estrutura do Módulo... 7 6. Instruções Gerais... 8 6.1. Diagnóstico/BRASIL PROFISSIONALIZADO...9

Leia mais

Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação

Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação O SoftExpert ECM Suite provê as tecnologias utilizadas para criar, capturar, gerenciar, armazenar, preservar e distribuir todos os

Leia mais

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: GESTÃO DE DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 528/2012, de 10/12/2012 VIGÊNCIA: 11/12/2012 NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 1/21 ÍNDICE

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS Alexia Guilherme Bianque (PIBIC/CNPq), Ederson Marco Sgarbi (Orientador), a.g.bianque10@gmail.com.br Universidade

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A criação dos arquivos intermediários torna-se uma tendência nacional para a implementação da gestão dos documentos, disciplinada

Leia mais

Gestão eletrônica de contratos de locação de Shopping Center

Gestão eletrônica de contratos de locação de Shopping Center Gestão eletrônica de contratos de locação de Shopping Center 1. INTRODUÇÃO Os shopping centers têm como parte importante de sua receita a locação de imóveis (salas e lojas) e outros espaços (vagas de garagem,

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Educação Departamento de Ciência da Informação

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Educação Departamento de Ciência da Informação Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Educação Departamento de Ciência da Informação Daniela Sardá da Conceição Juliana Ribeiro Letícia Jansen Gonçalves IMPLEMENTAÇÃO SOFTWARE EMPRESA

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Aula 1 Descrição Arquivística Revisando Conceitos de arquivologia: o documento, o arquivo, os princípios arquivísticos e a qualidade arquivística. Teoria das três idades.

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo I CICLO DE PALESTRAS SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICAS DE DOCUMENTOS NO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

cartilha noções básicas de arquivo

cartilha noções básicas de arquivo cartilha noções básicas de arquivo 1 cartilha noções básicas de arquivo Organização: Ana Lúcia da Silva do Carmo Júnia Terezinha Morais Ramos 2015 Você sabia que a Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

Soluções Inteligentes

Soluções Inteligentes Soluções Inteligentes APRESENTAÇÃO A TOPO INTELLIGENCE iniciou suas atividades na cidade de Barreiras em 2008, oferecendo a mais completa solução em gerenciamento de informações para atender todos os segmentos.

Leia mais

Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG.

Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG. Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG. Alex Soares André Ogando Karime Marcenes Márcia Bolina Wallace Carvalho RESUMO No contexto

Leia mais

Os Esforços e Avanços da Sefaz na Gestão Documental. Alexandre Mendonça Secretaria da Fazenda Departamento de Tecnologia da Informação 28/03/2013

Os Esforços e Avanços da Sefaz na Gestão Documental. Alexandre Mendonça Secretaria da Fazenda Departamento de Tecnologia da Informação 28/03/2013 Os Esforços e Avanços da Sefaz na Gestão Documental Alexandre Mendonça Secretaria da Fazenda Departamento de Tecnologia da Informação 28/03/2013 Gestão de Conteúdo Digital - ECM GED/ECM é um conjunto de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Gestão de documentos para a garantia de fidedignidade e autenticidade dos documentos digitais: normatização e implementação

Gestão de documentos para a garantia de fidedignidade e autenticidade dos documentos digitais: normatização e implementação Gestão de documentos para a garantia de fidedignidade e autenticidade dos documentos digitais: normatização e implementação Luciane Tomé da Cunha lucianetome@issx.com.br EU QUERO UM ECM O QUE O SE ESPERA

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

GED / ECM / EIM. Gerenciamento Eletrônico de Documentos ou Gestão Eletrônica de Documentos. Por: Marcelo Vasconcelos Fatudo

GED / ECM / EIM. Gerenciamento Eletrônico de Documentos ou Gestão Eletrônica de Documentos. Por: Marcelo Vasconcelos Fatudo Gerenciamento Eletrônico de Documentos ou Gestão Eletrônica de Documentos Por: Marcelo Vasconcelos Fatudo OBJETIVOS: GERAR ARMAZENAR CONTROLAR COMPARTILHAR RECUPERAR DADOS E/OU INFORMAÇÕES DADO / INFORMAÇÃO

Leia mais

Valores diferenciados para associados/funcionários do Sinduscon/RS

Valores diferenciados para associados/funcionários do Sinduscon/RS MBA Contabilidade & Direito Tributário. Parceria: IPOG/Sinduscon-RS O IPOG em parceria com o CRC-RS, traz à Porto Alegre o MBA em Contabilidade & Direito Tributário, que já é sucesso, com mais de 20 turmas

Leia mais

ARQUIVOLOGIA PADRÃO DE RESPOSTA. O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias:

ARQUIVOLOGIA PADRÃO DE RESPOSTA. O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias: QUESTÃO n o 1 O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias: Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se a inviolabilidade

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED

Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Programa de Tratamento Integrado de Acervos - PROPTIA Fundamentos Benefícios - Cases Fundamento de GED GED - Conjunto de tecnologias que permitem o gerenciamento

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

Apresentação Comercial Gestão Documental

Apresentação Comercial Gestão Documental Apresentação Comercial Gestão Documental Gestão Documental Como é possível administrar sua empresa de forma eficiente? Quais os passos para tornar seu empreendimento mais competitivo? Como é possível saber

Leia mais

ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS. Prof. Antonio Victor Botão

ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS. Prof. Antonio Victor Botão ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS Prof. Antonio Victor Botão TÉCNICAS MODERNAS DE ARQUIVAMENTO Anteriormente tratamento somente de suporte papel em arquivos, os materiais especiais

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

O caminho da Informação do Papel ao Digital

O caminho da Informação do Papel ao Digital O caminho da Informação do Papel ao Digital Programa de Tratamento Integrado de Acervos - PROPTIA Conceitos Necessários a Equipe do Projeto Informacional - PI reflexão Gestão de Acervos - Premissas do

Leia mais

Segurança Computacional. Rodrigo Fujioka

Segurança Computacional. Rodrigo Fujioka Segurança Computacional Rodrigo Fujioka Segurança Computacional Auditoria da Tecnologia da Informação Auditoria da Tecnologia da Informação A Auditoria da TI é uma auditoria operacional, analisa a gestão

Leia mais

Departamento de Arquivologia SIGAD. Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos SIGAD 1

Departamento de Arquivologia SIGAD. Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos SIGAD 1 Departamento de Arquivologia SIGAD Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos SIGAD 1 Agenda Introdução Conceitos Iniciais e-arq e SIGAD Para quem? Para quê? O que são? O que não são?

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

Aplicativo para Gerenciamento Eletrônico de Documentos

Aplicativo para Gerenciamento Eletrônico de Documentos Aplicativo para Gerenciamento Eletrônico de Documentos Trabalho de Conclusão de Curso Vera Lúcia Kamiroski Orientador: Paulo Roberto Dias 13/12/2004 1 Roteiro Introdução Objetivos do Trabalho Arquivística

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO Documento 7.1 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DO ESTADO DA BAHIA TCM-BA SALVADOR BAHIA MARÇO / 2010 1/10 1. Introdução Este documento faz parte do escopo do

Leia mais

1. Qual a importância da gestão de documentos no desenvolvimento de sistemas informatizados de gerenciamento de arquivos?

1. Qual a importância da gestão de documentos no desenvolvimento de sistemas informatizados de gerenciamento de arquivos? CONSIDERAÇÕES DO ARQUIVO NACIONAL, ÓRGÃO CENTRAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO SIGA, DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL ACERCA DO SISTEMA ELETRÔNICO DE INFORMAÇÕES SEI O Arquivo Nacional,

Leia mais

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Claudia Lacombe Rocha Márcia Helena de Carvalho Ramos Margareth da Silva Rosely Cury Rondinelli Revisão por Alba Gisele

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil

Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil lacerda e franze Escritório de Advocacia Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil CLIENTE Lacerda e Franze Advogados Associados V I S Ã O G E R A L

Leia mais

LANÇAR INTEIRO TEOR DE PARECERES E DECISÕES ADMINISTRATIVAS EM SISTEMA INFORMATIZADO 1 OBJETIVO

LANÇAR INTEIRO TEOR DE PARECERES E DECISÕES ADMINISTRATIVAS EM SISTEMA INFORMATIZADO 1 OBJETIVO Proposto por: Equipe da Divisão de Organização de Acervos de Conhecimento (DICAC) Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão e Disseminação do Conhecimento (DECCO) Aprovado por: Diretor-Geral da

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca dos princípios e conceitos arquivísticos, julgue os itens que Julgue os itens seguintes, que versam acerca das normas nacionais se seguem. e internacionais de arquivo.

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes.

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados a outros via linhas telefônicas; Antiga Grécia Arché

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior.

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. Curso II Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. KRÜGER, M.H. MAIO/2014. Portaria nº 1.224, 18.12.2013.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 25/07/2012-16:17:54 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR

Leia mais

Usuários. Manual. Pergamum

Usuários. Manual. Pergamum Usuários Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-2 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-1 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE USUÁRIOS... 3-2 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO EXPLORER... 3-3 4 CADASTRO...

Leia mais

Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace. Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida

Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace. Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida Roteiro Biblioteca Digital da UNIVATES Bibliotecas: Conceitos Metas da

Leia mais

O Gerenciamento de Documentos Analógico/Digital

O Gerenciamento de Documentos Analógico/Digital Tipos de GED: Document imaging Document management Document Imaging / Document Management O Gerenciamento de Documentos Analógico/Digital Mundo analógico Criação Revisão Processamento Arquivo Mundo digital

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO

COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Data 3 de Novembro a 15 de Dezembro de 2015 Ação de formação Área temática Cód. Ref. Formadores Horário INTRODUÇÃO À ARQUIVÍSTICA Gestão Documental S16 Helena Neves / Rui

Leia mais

Gestão de Documentos e Registros. Elizete Pereira Sá - INFO CONTENT Lícia Guedes de Araújo Figueirêdo - BAHIAGÁS

Gestão de Documentos e Registros. Elizete Pereira Sá - INFO CONTENT Lícia Guedes de Araújo Figueirêdo - BAHIAGÁS Gestão de Documentos e Registros Elizete Pereira Sá - INFO CONTENT Lícia Guedes de Araújo Figueirêdo - BAHIAGÁS COMPANHIA DE GÁS DA BAHIA BAHIAGÁS Concessionária estadual dos serviços de distribuição de

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR ÁREA DO CONHECIMENTO Administração e Saúde. NOME DO CURSO Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão e Logística Hospitalar. AMPARO

Leia mais

FLUXOS DOCUMENTAIS EM AMBIENTES EMPRESARIAIS: CARACTERÍSTICAS, TIPOLOGIAS E USOS

FLUXOS DOCUMENTAIS EM AMBIENTES EMPRESARIAIS: CARACTERÍSTICAS, TIPOLOGIAS E USOS FLUXOS DOCUMENTAIS EM AMBIENTES EMPRESARIAIS: CARACTERÍSTICAS, TIPOLOGIAS E USOS BUENO, Danilo André¹ VALENTIM, Marta Lígia Pomim² Resumo: Analisa os fluxos informacionais/documentais e a gestão documental,

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Processo Controle de Documentos e Registros

Processo Controle de Documentos e Registros Dono do Processo Marilusa Lara Bernardes Bittencourt Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por Representante da Direção Substituto: Kelly Vitoriny 1. OBJETIVOS: Descrever a forma como

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

Questionamento 3. Ano. Série. Nome do Aluno. Escola

Questionamento 3. Ano. Série. Nome do Aluno. Escola Questionamento 3 Pergunta 1: Conforme página 3 do TR existe a necessidade de cadastro em sistema de gestão documental informatizado, conforme requisitos abaixo listados: Ano Série Nome do Aluno Escola

Leia mais

Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP

Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP GESTÃO DOCUMENTAL NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS: O PORQUÊ E O PARA QUÊ? Ieda Pimenta Bernardes Arquivo Público do Estado saesp@arquivoestado.sp.gov.br

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Manual e Normas Sistema Disciplina Online

Manual e Normas Sistema Disciplina Online Manual e Normas Sistema Disciplina Online 2011-2 1 SUMÁRIO Pág. 1. Sistema Disciplina Online - Aluno (UNIP). 05 1.1. Acesso ao sistema Disciplina Online - Aluno (UNIP). 05 1.2. Observações. 05 2. Sistema

Leia mais

Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico

Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico Kayo Delgado Medeiros de Almeida¹, Elon Gomes Vieira 2, Carlos Vitor de Alencar Carvalho 3, Magno Fonseca Borges 4, José

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais