ele004-comandos Elétricos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ele004-comandos Elétricos"

Transcrição

1 ele004-comanos Elétricos

2 Feeração as Inústrias o Estao o Espírito Santo Fines Lucas Izoton Vieira Presiente Senai Departamento Regional o Espírito Santo Manoel e Souza Pimenta Diretor-gestor Robson Santos Caroso Diretor-regional Alfreo Abel Tessinari Gerente e Operações e Negócios Fábio Vassallo Mattos Gerente e Eucação e Tecnologia Agostinho Mirana Rocha Equipe técnica Marcelo Bermues Gusmão Coorenação Sanro Silva Elaboração Giovani Gujansky Revisão técnica Lygia Bellotti Aaptação e linguagem Amana Correia e Freitas Revisão gramatical Tatyana Ferreira Revisão peagógica Anrelis Scheppa Gurgel Jackeline Oliveira Barbosa Jarbas Gomes Diagramação Eugênio Santos Goulart Fabrício Zucoloto Fernano Emeterio e Oliveira Ilustração Fernana e Oliveira Brasil Leonaro Perin Maria Carolina Drago i Tatyana Ferreira Vanessa Yee Organização

3 Eletroeletrônica Comanos Elétricos Versão 0 Vitória 009

4 009. Senai - Departamento Regional o Espírito Santo Toos os ireitos reservaos e protegios pela Lei nº 9.60, e 9/0/998. É proibia a reproução total ou parcial esta publicação, por quaisquer meios, sem autorização prévia o Senai-ES. Senai-ES Divisão e Eucação e Tecnologia - Detec Ficha catalográfica elaboraa pela Biblioteca o Senai-ES - Uniae Vitória Daos Internacionais e Catalogação-na-publicação (CIP) SENAI. Departamento Regional o Espírito Santo. S49c Comanos elétricos / Serviço Nacional e Aprenizagem Inustrial, Departamento Regional o Espírito Santo. - Vitória : SENAI/ES, p. : il. Inclui bibliografia. Comanos elétricos.. Acionamento elétrico. 3. Dispositivo e proteção. 4. Dispositivo e sinalização. 5. Diagrama e comano. 6. Motor elétrico. 7. Chave e partia. I. Título. CDU: 6.3 Senai-ES - Serviço Nacional e Aprenizagem Inustrial Departamento Regional o Espírito Santo Av. Nossa Senhora a Penha, 053 E. Fines - 6º anar Cep: Vitória - ES Tel: (7) Fax: (7)

5 Apresentação A busca por especialização profissional é constante. Você, assim como a maioria as pessoas que eseja agregar valor ao currículo, acreita nessa ieia. Por isso, para apoiá-lo na permanente tarefa e se manter atualizao, o Senai-ES apresenta este material, visano a oferecer as informações e que você precisa para ser um profissional competitivo. Too o conteúo foi elaborao por especialistas a área e pensao a partir e critérios que levam em conta textos com linguagem leve, gráficos e ilustrações que facilitam o entenimento as informações, além e uma iagramação que privilegia a apresentação agraável ao olhar. Como instituição parceira a inústria na formação e trabalhaores qualificaos, o Senai-ES está atento às emanas o setor. A expectativa é tornar acessíveis, por meio este material, conceitos e informações necessárias ao esenvolvimento os profissionais, caa vez mais conscientes os parões e proutiviae e qualiae exigios pelo mercao. Achou importante? Faça aqui suas anotações. 5

6 6

7 Sumário Comanos Elétricos... 9 Circuitos básicos e acionamento elétrico... 7 Diagramas Motores elétricos e chaves e partia Instalações e sistemas e partia e motores elétricos Referências Bibliográficas Achou importante? Faça aqui suas anotações. 7

8 8

9 Comanos Elétricos O processo e acionamento e um motor não inclui somente a conexão ele a uma ree elétrica. Para trabalhar com os motores, é necessário conhecer as características principais e caa tipo isponível no mercao, além e suas normas e funcionamento e segurança. As eterminações a concessionária e energia local e outros fatores que influenciam no funcionamento aequao e um motor também precisam ser ominaos pelos profissionais que atuam com os comanos elétricos. Para que você trabalhe com proprieae e segurança nessa área, você estuará neste curso os iferentes sistemas e partia e motores elétricos monofásicos e trifásicos, além os componentes utilizaos na montagem e quaros e comano e caa um os tipos e motores. A interpretação os iagramas que representam os circuitos e acionamentos esses ispositivos também será aboraa. Lembre-se e que seu aprenizao exige esforço e eicação e irá contribuir bastante para sua atuação em trabalhos e eletriciae. Bons estuos! Dispositivos Os ispositivos e comano, proteção e sinalização têm a função e comanar, proteger e sinalizar os comanos elétricos. Neste capítulo você vai conhecê-los melhor. O primeiro tipo aborao vão ser os ispositivos e comano. Dispositivos e comano Estes elementos e comutação são responsáveis por permitir ou impeir a passagem a corrente elétrica entre uma ou mais partes o circuito. A seguir, você vai estuar os tipos mais comuns. Chave Achou importante? Faça aqui suas anotações. As chaves, que recebem também o nome e contato, realizam a conexão ou esconexão entre ois pontos o circuito elétrico. Possuem ois terminais, um que fica ligao a uma fonte ou geraor e outro que se conecta à carga ou receptor. 9

10 Esses ispositivos são fabricaos a partir e metais e resistência elétrica e baixo valor, para não ificultar a passagem a corrente e e alta resistência mecânica para ligar e esligar. A parte e metal eve ter área e secção transversal e acoro com a corrente comanaa. Quanto maior for a corrente que emana comano, maiores precisam ser os contatos usaos na montagem. Um fator importante em relação à pressão e contato entre as partes móveis é que os contatos maiores vão emanar pressões e contato elevaas visano obter o menor valor possível e corrente no ponto e contato. Quanto maior for a tensão na qual o contato atua, maior eve ser a separação os contatos no momento o esligamento o circuito. Para evitar que haja esgaste no circuito por conta e arco voltaico resultante o processo e esligamento e processo que envolva carga inutiva, a velociae e ligação ou esligamento eve ser a maior possível. Há iversos tipos e contato com trava, como o tipo alavanca aplicao em interruptores e iluminação. Existem também os contatos e impulso, que possuem uma posição normal, garantia por uma mola e outra contrária, que se mantém somente enquanto houver impulso e atuação o contato. Estes ispositivos poem ser chamaos e fechaor ou abrior, e acoro com a posição em que a mola está. As chaves poem ser e ois tipos: seccionaa e seletora. Seccionaora Este tipo e chave é responsável por promover a manobra e abertura ou e esligamento os conutores que fazem parte e uma instalação elétrica. Esta abertura é feita para manter a instalação esligaa. Seguino uma margem e segurança, a chave seccionaora eve suportar a tensão e a corrente nominal a instalação. Essa situação é bastante comum em contatos elétricos, mas neste caso a margem exigia é maior. É necessário que as seccionaoras emonstrem externamente se estão esligaas ou ligaas. Este equipamento também eve ter formato que possibilita a ligação somente com os meios aequaos para tal e torne impossível o acionamento o aparelho por choques mecânicos ou vibrações. As chaves seccionaores tripolares, por exemplo, precisam garantir que as três fases sejam ligaas ao mesmo tempo. As seccionaoras poem ser aequaas para atuar a seguinte forma: 0

11 Sob carga interruptora Neste caso, a chave é responsável pelo esligamento o circuito. Para isso, eve possuir câmara e extinção o arco voltaico, que se forma no esligamento, sua abertura e fechamento que evem ser auxiliaas por molas para elevar a velociae as operações. Sem carga Se as chaves não possuírem carga, a passagem a corrente será interrompia por um outro ispositivo, como o isjuntor. Nesse caso, a chave só everá ser aberta se o circuito já estiver sem corrente. Assim, esta poe possuir uma chave NA auxiliar que precisa esligar o isjuntor antes que a operação e abertura termine. As chaves poem aina apresentar operação apenas local e remota, situação na qual sua operação é motorizaa. Seletora Este tipo e chave apresenta uas ou mais posições e poe esempenhar uma ou mais funções em um processo. A chave seletora possui um ponto e contato comum com os outros contatos. Veja na ilustração a seguir esse tipo e chaves. C (a) Chave e impulso: três posições C NF NA (b) Chave trava: uas posições Depois as chaves, você vai conhecer as botoeiras, outro ispositivo e comano. Botoeiras Este é um tipo e ispositivo que não possui retenção e que poe ser acionao manualmente. Na maioria os casos, as botoeiras apresentam um contato aberto e outro fechao. Conforme o tipo e sinal que eve ser enviao ao comano elétrico, recebem o nome e pulsaores ou e trava. A função os pulsaores é inverter os contatos a partir a ativação e um botão. A volta para a posição inicial é realizaa pela atuação e uma mola quano o acionamento é finalizao. Apresentam um contato aberto e um fechao que poem ser ativaos por um ispositivo pulsaor liso e voltar à posição e estino com o uso e uma mola.

12 Atente para a figura a seguir e observe que se o botão não for acionao, os contatos e vão ficar fechaos, o que possibilita a passagem a corrente elétrica ao mesmo tempo em que os contatos 3 e 4 continuam abertos e interrompem a passagem esta. No momento em que o botão é ativao, os contatos são invertios, assim, estes retornam à posição inicial com o uso a mola e retorno. A abertura o fechaor é garantia pela mola e se fecha enquanto estiver acionao. Quano o circuito está aberto, recebe o nome e normalmente aberto (ou NA). O abrior é um ispositivo que se mantém fechao com o uso e uma mola que se abre ao mesmo tempo em que ele estiver acionao, por esta função é enominao normalmente fechao (ou NF). bornes botão tipo cogumelo contato NF 3 4 simbolo bornes contato NA mola e reposição

13 Relé O relé apresenta normalmente uma bobina e um conjunto e contatos. Observe a figura a seguir que ilustra a parte física e um relé, além o símbolo elétrico que o representa. C Isolaor M a Terminais a bobina NF NA Núcleo NA NF NA NF K C C No momento em que a bobina recebe energia, os contatos passam a ocupar novas posições que são mantias enquanto a bobina for alimentaa. O relé poe apresentar iversos conjuntos e contatos. Entre os principais benefícios o uso o elemento é que há isolação galvânica entre os terminais a bobina e os contatos NA e NF. Veja a ilustração a seguir que emonstra mais uma vantagem o relé que é o acionamento e cargas com tensões iversas por meio a aplicação e somente um ispositivo. 4V S K NF NA NA C C NF 7V 0V Carga Carga 3

14 Outra proprieae muito exploraa nos relés é a proprieae e memória por meio e circuito e autorretenção ilustrao na figura a seguir. S K K V S K L No caso ilustrao acima, a chave (botoeira) (S) ativa a bobina (K) e faz com que o contato auxiliar (K) estabeleça um novo moo e manutenção a bobina energizaa. Assim, não há esligamento o relé no momento que a chave S é esativaa. O contato auxiliar é comumente enominao contato e retenção ou selo. Para o esligamento, é utilizaa a chave (S). Agora, conheça alguns tipos e relés e tempo. De tempo Os relés e tempo são ativaos por corrente alternaa. Sua aplicação ocorre em manobras que emanam temporização, em esquemas e comano, para partia, proteção e regulagem e iversos equipamentos. Os relés e tempo eletrônicos também poem ter aplicações em corrente contínua. De tempo com retaro na ligação O relé e tempo com retaro na ligação recebe este nome, pois a comutação os contatos ocorre somente após um tempo, que é regulao e 4

15 acoro com uma escala. A energização os terminais e alimentação o ispositivo é que á início à temporização. A figura a seguir mostra um exemplo que explicita o funcionamento. + S L K NA NF C - chave S fechaa aberta lâmpaa L acesa apagaa L De tempo com retaro no esligamento Depois a esenergização os terminais e alimentação, este tipo e relé conserva os contatos comutaos por um tempo eterminao por escala própria. Veja a ilustração que emonstra seu funcionamento. + S L K NA NF C - chave S fechaa aberta lâmpaa L acesa apagaa t Após estuar os relés, você verá como funciona o contator. 5

16 Contator O contator é um elemento eletromagnético responsável pelo acionamento e o esligamento o circuito o motor. Sua aplicação é feita especialmente em comanos elétricos automáticos à istância. O ispositivo possui uma bobina que, ao receber energia, esenvolve um campo magnético no núcleo fixo que atrai um núcleo móvel que tem a função e fechar o circuito. Com a interrupção o envio e alimentação para a bobina, o campo magnético passa a não existir mais, o que leva o núcleo a retornar, por meio e molas, ao seu local e estino, conforme ilustra a figura a seguir. A operação e um contator poe ser comparaa a e um relé no momento em que sua bobina é energizaa e os contaos NF se abrem e os NA se fecham. Ip Ip Mola Contato móvel Contato fixo Núcleo móvel Ip Bobina Núcleo fixo As partes que compõem o contator são chamaas contatos. Você vai estuá-los agora. Contatos Um contator possui contatos principais e auxiliares. Geralmente, os principais são mais robustos e toleram valores e correntes mais elevaos, e acoro com o tipo e carga que o motor precisa movimentar. Assim, quanto maior for a carga, maior everá ser a corrente nos contatos. Os auxiliares são responsáveis pela sinalização e comanos e motores e tipos iversos. Poem ser contatos NF (normalmente fechao) e NA (normalmente aberto). 6

17 Confira a seguir a simbologia e contatores e a ientificação os contatos e a bobina. 3 5 K Bobina 4 6 Contatos principais A K Bobina A Contatos auxiliares A caracterização e um contator leva em consieração as seguintes questões: número e contatos, tensão nominal a bobina, corrente máxima nos contatos e conições e operação que estabelecem as categorias e aplicação. Conheça, agora, o principal tipo e contaor: o e impulsos elétricos. Contator e impulsos elétricos A função o elemento é fazer a contagem progressiva, a partir a operação os impulsos elétricos, na bobina contaora. Os impulsos são originários e outros ispositivos, como relés, contatores, chaves e sensores elétricos. 7

18 As chaves e impulso que ficam no painel o contaor é que oferecem as conições para o usuário programar os aparelhos. No momento em que o número e impulsos elétricos na bobina for o mesmo programao pelo usuário haverá o acionamento os contatos o contaor. Veja a seguir o funcionamento o ispositivo. + S L K NA NF C - chave S Reset lâmpaa L fechaa aberta aconao esacionao acesa apagaa A seguir, você vai aprener mais sobre os ispositivos e proteção. Proteção Os ispositivos e proteção são aplicaos no circuito e moo intercalao visano a impeir a passagem e corrente elétrica, em caso e serem ientificaas conições anormais, como o curtos-circuitos ou sobrecargas. Os curtos-circuitos ocorrem evio a ligações eventuais e elementos conutores submetios a tensão, o que faz com que a corrente alcance um valor além o normal, causano excesso e temperatura e e esforços térmicos eletroinâmicos. A sobrecarga, que significa corrente superior à corrente nominal a instalação, se for aplicaa no circuito por muito tempo provoca anos à instalação elétrica e aos equipamentos evio à elevação a temperatura. Para que estas isfunções não ocorram, normalmente, são aplicaos ispositivos e proteção, como fusível, o isjuntor e o relé. Você vai conhecer caa um eles a seguir. Confira. 8

19 Fusível O acionamento o fusível ocorre evio à abertura e um filamento que é atravessao por corrente elétrica maior que o valor a especificação. A ilustração a seguir representa um fusível tipo cartucho e seu símbolo. Há também outros tipos, como Diaze e NH, usaos quano é necessária maior capaciae e corrente. Filamento Tubo e Viro Terminal (a) Representação FUS. 5A (b) Simbolo elétrico Normalmente, os fusíveis têm imensão 0% maior que a a corrente nominal o circuito. Eles poem ser enominaos e ação retaraa ou rápia. O primeiro tipo é aplicao em equipamentos que apresentam corrente e partia muito maior que a nominal, como motores elétricos e cargas capacitivas. O fusível e ação rápia é aplicao quano há cargas resistivas para proteger semiconutores, como o ioo e o tiristor em conversores estáticos e potência. Tipo: Diaze Usao em circuitos baixa potência (possui porta-fusível) Tipo: NH Usao em circuitos e alta potência (conetao por encaixe) 9

20 Disjuntor termomagnético Este ispositivo poe ser usao para proteção e, algumas vezes, como chave. A função ele é cessar a passagem e corrente, se houver sobrecarga ou curto-circuito. A ação é realizaa com base no princípio a ilatação e lâminas fabricaas a partir e metais istintos e que possuem coeficientes e ilatação iferentes. Uma pequena sobrecarga eforma o sistema sob o calor, e o circuito é esligao. A B O impeimento a ocorrência e curto-circuito é feito por meio e um ispositivo magnético, que esativa o circuito quase que instantaneamente. Os isjuntores poem ser: monopolares, bipolares e tripolares, conforme mostram as imagens. Entre os benefícios o uso os isjuntores termomagnéticos é que eles poem ser religaos e não emanam reposição. Além isso, poem também ser usaos como chave e comano. Disuntor Monopolar Disuntor Bipolar Disuntor Tripolar Relé e sobrecarga ou térmico O funcionamento o relé e sobrecarga também está baseao na ilatação linear e uas lâminas metálicas com coeficientes e ilatação térmica iferentes e acoplaas rigiamente entre si (bimetal). A ilatação ocorre, por exemplo, quano há uma falta e fase em circuito elétrico, o que provoca o aumento e corrente e, consequentemente, o calor, e a ilatação as lâminas. A eformação provocaa pela ilatação aciona a abertura o contato auxiliar que, por sua vez, interrompe a passagem a corrente, esativano a carga o circuito. Para acioná-la novamente, é preciso solucionar a isfunção que provocou o esarme o relé térmico e, epois, acionar o botão e rearme o relé. Veja as principais partes e um relé térmico: 0 Contato auxiliar (NA + NF ) e comano a bobina o contator. Botão e regulagem a corrente e esarme.

21 Botão e rearme e ação manual. Três bimetais. Agora, veja na figura a seguir um exemplo e circuito e potência utilizano um relé térmico. Vr Vs FUS FUS 4 5 Relé Térmico Vt FUS 3 6 C Motor (a) Circuito e Potência + FUS R S c - c S (b) Circuito e Comano Depois os ispositivos e proteção, é hora e estuar quais ispositivos são acionaos em um painel, quano há uma ocorrência. Sinalização Os ispositivos e sinalização emonstram o estao e painéis e comano ou e processos automatizaos. Os aos mais comuns ientificaos por estes ispositivos são: ligao, esligao, falha e emergência. Estue caa um eles. Inicaor visual Estes elementos enviam sinais e luz que emonstram, por exemplo, estao e emergência, falha, entre outros. Os inicaores visuais são os ispositivos mais aplicaos, pois além e simples, apresentam baixo custo e são eficientes na inicação.

22 As informações são fornecias por lâmpaas, também conhecias como LED - sigla em inglês ioos emissores e luz. Veja a tabela a seguir que emonstra as cores que inicam caa estao. L Estao Ligao Desligao Falha Cor Vermelho Vere Amarelo Inicaor acústico Este ispositivo envia sinais sonoros que inicam falhas ou emergência, por meio e sirenes e buzinas elétricas. Geralmente, os inicaores acústicos são aplicaos em locais que não permitem a visualização e sinais luminosos e quano é necessário que sejam percebios por várias pessoas em iferentes locais. Agora, veja quais os símbolos mais utilizaos em comanos elétricos. Símbolo Principais símbolos em comanos elétricos Observe que alguns estes símbolos são bastante utilizaos. Confira. SÍMBOLO DESCRIÇÃO Disjuntor com elemento magnético, que protege contra corrente e curto-circuito Transformaor trifásico E Botoeira NF E Botoeira NF com retorno por mola Fusível

23 SÍMBOLO DESCRIÇÃO E Contato normalmente aberto (NA) Contato normalmente fechao (NF) Acionamento temporizao na ligação Lâmpaa / Sinalização M 3~ Motor trifásico Ientificação os contatos principais Os terminais e entraa, 3 e 5 voltam-se para a ree (fonte), no momento em que os terminais e saía, 4 e 6 se voltam para o motor (carga). Os terminais e alimentação a bobina são ientificaos como A e A ou aina a e b. 3 5 A Contator 4 6 A Relé 3

24 Ientificação os contatos auxiliares Veja como ientificar contatos auxiliares. 3 Contato Normalmente Fechao(NF) (abrior) Contato Normalmente Aberto(NA) (fechaor) Observe mais um exemplo: a b Número e ientificação Número e ientificação Número e Ientificação a função Número e Ienficação a sequência 3 Fechaores Abrior A A Ientificação os contatos auxiliares e um relé e sobrecarga Os contatos principais o relé térmico são ientificaos o mesmo moo que os contatos principais os contatores. Confira

25 Veja a tabela com a enominação para os aparelhos nos esquemas elétricos: DENOMINACÃO b0 ou S0 b ou S b b ou S-S. K K K3 K4 K5 ou C,C, etc. 3 F F F3 F7 F8 F9 F F h h M M R S T APARELHOS Botão e comano esliga Botão e comano liga Botão e comano esquera/ireita Contator principal Contator auxiliar-relé e tempo relê auxiliar. Fusível principal Relé bimetálico Fusível para comano Armação e sinalização liga Armação e sinalização ireita/ esquera Motor, trafo principal Auto trafo Circuito e meição-corrente alternaa O próximo tema e estuos serão os circuitos para acionamento elétricos. 5

26 6

27 Circuitos básicos e acionamento elétrico Nesta uniae, você vai aprener como funcionam alguns circuitos básicos e comano e e acionamento elétrico. Esses ispositivos são bastante utilizaos, mas a sua complexiae interna ou operações e funcionamento poem passar espercebios. O ato e acener uma lâmpaa ou e ligar e esligar um equipamento são algumas aplicações práticas o tema que você vai estuar a partir e agora. Esses tópicos serão aboraos em nível inustrial. Então, conheça os circuitos e retenção, intertravamento, e prioriae e temporizaos. Retenção Um circuito e retenção funciona o moo como é apresentao na figura a seguir. Ao apertar a botoeira b, a bobina o contator é energizaa. Isso faz com que os contatos e retenção se fechem e o contato também para a lâmpaa, que é acesa. Se a botoeira b for liberaa, a bobina continua energizaa, e a lâmpaa h se mantém acesa. No momento em que a botoeira b0 for apertaa, a bobina não receberá mais energia, o que provoca a abertura os contatos e retenção para a lâmpaa h, que se apaga. Quano b0 for liberaa, a lâmpaa permanecerá apagaa e o circuito voltará ao estao inicial. Observe o esquema a seguir. b 0 (a) b b 0 (b) b h h Achou importante? Faça aqui suas anotações. Se as botoeiras b0 e b forem acionaas simultaneamente, no circuito a figura a, a lâmpaa h não se acene. Isso ocorre, pois a botoeira b0 prevalece na esenergização. No circuito a figura b a lâmpaa h se acene porque, neste caso, a botoeira b tem preferência na energização. 7

28 Intertravamento O intertravamento é promovio se forem obeecios alguns critérios. No circuito a figura a seguir, por exemplo, ao apertar a botoeira b (ou b3 ), a bobina o contator (ou ) é energizaa, impeino a energização a outra, e não permitino energizar as outras uas ao mesmo tempo, porque ambas estão intertravaas. Observe. b b 3 (a) b 3 b h h3 b b 3 h h3 (b) No caso e serem acionaas as botoeiras b e b3, no circuito a figura (a), que tem intertravamento mecânico através os contatos normalmente fechaos as botoeiras conjugaas, as lâmpaas não irão acener. Já no circuito a figura (b), o tipo e intertravamento que ocorre é elétrico com os contatos normalmente fechaos os contatores. Nesse caso, a lâmpaa h se acene e h3 não. Na ilustração a seguir, você poe conferir um retenção (selo) e intertravamento elétrico. b 0 b b 3 h h3 8

29 Se as botoeiras b ou b3 forem acionaas, a bobina o contator ou passa a receber energia e o contato e selo ou se fecha e conserva a energização. O contato e intertravamento e ou, ligao em série com ou,impee que haja energização simultânea as uas bobinas. Para fornecer energia para a bobina ou, é preciso acionar a botoeira b0, impeino a energização a bobina ou antes e apertar b3 ou b. Nesse caso, se b e b3 forem acionaas ao mesmo tempo, os ois contatores vão ser energizaos instantaneamente até que um os contatos e intertravamento se abra. Nas figuras a e b a seguir você poerá conferir os circuitos e intertravamento mecânico e elétrico que proporcionam mais segurança por causa e sua configuração. b 0 (a) b b b 3 h h3 b 0 (b) b b b 3 h h3 Caso a bobina o contator ou for energizaa com o objetivo e fazer com que a bobina o contator ou no circuito a figura (a) fique no mesmo estao, será preciso acionar previamente a botoeira b0 e epois b3 ou b. No circuito a figura (b) ilustraa anteriormente, não é preciso realizar este proceimento, pois se b3 ou b forem acionaas, a bobina o contator ou será esenergizaa pelo contato e intertravamento a botoeira aequaa. 9

30 Prioriaes Os circuitos e prioriaes têm a função e estabelecer a orem pela qual os elementos serão acionaos no circuito. Você conhecerá a seguir somente circuitos que permitem que seus contatores sejam energizaos, e acoro com especificações previamente estabelecias. Os circuitos aboraos neste tópico poem ser iviios em: Primeira ação Recebe este nome, pois possibilita a energização somente o contator acionao em primeiro lugar. Veja: b 0 a b b 3 b a a a h h3 h a Última ação Já o circuito a imagem a seguir, permite a energização o contator ativao em último lugar. b 0 b b 3 a b b 3 b a a a a h h3 h a 30

31 Primeiro lugar O circuito a seguir permite a energização e qualquer contator em primeiro lugar. b 0 a b b 3 b a a a h h3 h a Sequência Este circuito possibilita que os contatores sejam energizaos somente em sequência, a partir o primeiro. b o a b b b 3 a 3 h h h a 3 a Temporizao O momento e acionamento ou retiraa e um ispositivo o circuito é atribuição o temporizao. Observe a seguir os circuitos os quais fazem parte este elemento. Liga retarao Quano a chave seccionaora a o circuito representao pela figura (a) é ativaa, a lâmpaa h se acene epois e um tempo t eterminao no temporizaor. No mesmo momento em que a chave a é liberaa, a lâmpaa h se apaga. 3

32 Já o circuito a figura (b) tem a mesma função o anterior, a iferença entre eles é que o acionamento neste caso é feito com o uso e botoeiras. a b 0 C b C h h (a) (b) Desliga retarao Na ilustração a figura (a) a seguir, no momento em que a chave seccionaora a é ativaa, a lâmpaa h se acene. Se a chave for liberaa, após certo tempo t, ajustao no temporizaor, a lâmpaa h se apaga. No caso o circuito a figura (b) a função é a mesma, mas o acionamento é realizao por botoeiras. a b C 3 3 h (a) b b 0 - C 3 h (b) 3

33 Liga-esliga retarao No circuito liga-esliga retarao representao na figura (a), a seguir, se a chave seccionaora a for acionaa, após tempo t eterminao pelo temporizaor a lâmpaa h se acene. Se a chave seccionaora a for liberaa, após certo tempo t, ajustao no temporizaor, a lâmpaa h se apaga. O circuito a figura (b) tem a mesma função o anterior, mas nele o acionamento é por botoeiras. a C 3 C C 3 3 h (a) b 0 C 3 b C C 3 3 h (b) 33

34 Ação temporizaa No circuito e ação temporizaa a figura (a) quano a chave seccionaora a é ativaa, a lâmpaa h é acesa no mesmo instante e permanece acesa urante o tempo t, ajustao no temporizaor. O circuito a figura (b) tem a mesma função, mas é acionao por botoeiras. a C C h (a) b 0 b C 3 C a h (b) Liga retarao com ação temporizaa No circuito a figura (a) representao a seguir, quano a chave seccionaora a é acionaa a lâmpaa h se acene após o tempo t, especificao no temporizaor, e permanece neste estao pelo tempo t, ajustao no temporizaor. 34

35 O circuito a figura (b) tem a mesma função, e o acionamento por botoeiras. a C C h (a) b 0 b C 3 C a h (b) Os iagramas e comano serão o próximo tema e estuos. Confira. 35

36 36

37 Diagramas Representar os circuitos elétricos em iversos aspectos, seguno a finaliae esejaa. Esta é a função os iagramas elétricos, que poem ser feitos com os seguintes objetivos: Representar o funcionamento sequencial os circuitos. Reprouzir os elementos e suas respectivas funções e as interligações, e acoro com normas estabelecias. Possibilitar visão as partes o conjunto para análise. Permitir a rápia localização física os elementos. Nesta uniae, você vai aprener quais são os tipos e iagrama e as efinições básicas e um circuito e alimentação e controle. Tipos Conheça agora os tipos e iagrama. Multifilar completo Este iagrama emonstra o moo com que o circuito elétrico se esenvolve. A representação este tipo e circuito é complexa, no caso e eles serem mais elaboraos, como o a figura a seguir. R S T 3~60Hz 380V C b b b0 C C a4 UV W Achou importante? Faça aqui suas anotações. M 3~ 37

38 Funcional e e isposição A leitura os circuitos elétricos apresenta três questões importantes, como: Caminhos e corrente ou os circuitos que se estabelecem o início ao fim a operação. A atribuição e caa elemento no conjunto, sua epenência e interepenência em relação a outros elementos. A localização os elementos no circuito. Por causa a complexiae e leitura o iagrama traicional, estas três questões foram iviias em uas partes, que poem ser emonstraas pelos iagramas funcional e e execução ou isposição. Na primeira parte, a trajetória a corrente, os elementos, suas funções, interepenência e sequência funcional são representaos e forma bastante prática e e fácil compreensão pelo iagrama funcional. Observe: R S T N 3~60Hz 380V e ~60Hz0V R e e4 o4 C C b0 b b b b e4 m S V W M 3~ C C C a S b e 4 C C a C b

39 Já na seguna parte há a representação, a ientificação e a localização física os elementos que é realizaa pelo iagrama e execução ou e isposição. Veja como fica a ilustração, neste caso. e e e e e c c e BORNES Portanto, o funcional é voltao para os circuitos, os elementos e as funções. Já o e isposição tem foco na organização física esses elementos. A combinação esses ois tipos permite que os objetivos propostos sejam atingios e moo mais prático e racional. Veja a seguir como poe ser feita a ientificação os componentes. Ientificação os componentes no iagrama funcional A representação os componentes o iagrama é feita e acoro com símbolos ientificaos por letras, números ou símbolos gráficos. Veja a seguir como eles são representaos no iagrama. Ientificação por letras e números Observe como é realizaa a ientificação por letras e números. c a b c a b a b a b 39

Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br

Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br 1. INTRODUÇÃO A representação dos circuitos de comando de motores elétricos é feita normalmente

Leia mais

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA 2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA A instalação de máquinas diversas requer uma grande gama de dispositivos que possibilitem o perfeito funcionamento, de preferência o mais automatizado possível,

Leia mais

DLB MAQ CE - Comandos elétricos DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA

DLB MAQ CE - Comandos elétricos DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA 1 Apresentação O livro Comandos Elétricos tem como objetivo dar subsídios teóricos e facilitar as atividades práticas propostas na Bancada Didática

Leia mais

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo 2. 2. Introdução Teórica 2. 2.1. Contator 2. 2.2. Contatos 3. 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo 2. 2. Introdução Teórica 2. 2.1. Contator 2. 2.2. Contatos 3. 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 COMANDOS ELÉTRICOS ÍNDICE CONTATOR 1. Objetivo 2 2. Introdução Teórica 2 2.1. Contator 2 2.2. Contatos 3 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 2.4. Relé Bimetálico 4 3. Material Utilizado 5

Leia mais

I. Contator... 5. II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11. III. Motor Monofásico... 15. IV. Ligação Subsequente Automática de Motores...

I. Contator... 5. II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11. III. Motor Monofásico... 15. IV. Ligação Subsequente Automática de Motores... COMANDOS ELÉTRICOS 3 SUMÁRIO I. Contator... 5 II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11 III. Motor Monofásico... 15 IV. Ligação Subsequente Automática de Motores... 19 V. Inversão do Sentido de

Leia mais

Comandos Elétricos. Teoria e Aplicações. Ligação de Motores

Comandos Elétricos. Teoria e Aplicações. Ligação de Motores Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de Corrente Alternada Mais usados porque a transmissão de energia é alternada

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização.

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização. COMANDOS ELÉTRICOS Está apostila é usada nas aulas ministradas na matéria de comandos no curso de pósmédio mecatrônica, não se tratando de um material voltado para a qualificação. Há ainda um complemento

Leia mais

Comandos Elétricos. Prof. Carlos T. Matsumi

Comandos Elétricos. Prof. Carlos T. Matsumi Comandos Elétricos Comandos Elétricos ACIONAMENTO CONVENCIONAL Conhecido como partidas convencionais de motores, utilizam se de dispositivos eletromecânicos para o acionamento (partida) do motor (ex. contatores

Leia mais

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES 11 DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES 11.1 INTRODUÇÃO Freqüentemente os projetos e as instalações de engenharia elétrica de potência apresentam um ou mais equipamentos elétricos, instalados ao longo

Leia mais

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral DISPOSITIVOS DE COMANDO Índice 1 Objetivo... 1 2... 1 2.1 Generalidades......

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1)

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) PROF. WESLEY DE ALMEIDA SOUTO wesley@cefetba.br 03/ 2004 1. INTRODUÇÃO A representação

Leia mais

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS Análise de Circuitos Contatores/Relés Aula 02 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Sobrecarga

Leia mais

clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos

clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos Conteúdo do Curso: Finalidade dos comandos Elétricos Proteção contra correntes de curto circuito Proteção contra correntes de sobrecarga Dispositivos de Manobras

Leia mais

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 2 5.1 Introdução Os motores elétricos pertencem a dois grandes grupos: os de corrente contínua e os de corrente alternada. Os motores de indução se enquadram

Leia mais

Sistemas de Accionamento Electromecânico

Sistemas de Accionamento Electromecânico Sistemas de Accionamento Electromecânico Comando e protecção de motores Introdução SISTEMAS de ACCIONAMENTO ELECTROMECÂNICO, O que são? Sistemas capazes de converter energia eléctrica em energia mecânica

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

*OBS: Chave estrela-triângulo: tensão de partida limitada a 58% da tensão nominal.

*OBS: Chave estrela-triângulo: tensão de partida limitada a 58% da tensão nominal. 1 Laboratório Instalações Elétricas Industriais Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara PATIDA COMPENADOA AUTOMÁTICA Introdução Assim como a chave estrela-triângulo, a partida compensadora tem a finalidade

Leia mais

CURSO DE COMANDOS ELÉTRICOS

CURSO DE COMANDOS ELÉTRICOS FUMEP Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba EEP Escola de Engenharia de Piracicaba COTIP Colégio Técnico Industrial de Piracicaba CURSO DE COMANDOS ELÉTRICOS Prof. Marcelo Eurípedes da Silva Piracicaba,

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

Conhecer as características de conjugado mecânico

Conhecer as características de conjugado mecânico H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; Conhecer as características

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

Automação. Industrial.

Automação. Industrial. Automação Industrial. Apostila 1 Acionamentos e Simbologia. Prof. Alexandre Landim Automação Industrial. Introdução: Na Automação Industrial, bem como automação de processos e sistemas em geral, além do

Leia mais

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação.

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. De acordo com a potência (carga), o contator é um dispositivo de comando

Leia mais

Eletromecânicos de Manutenção Industrial

Eletromecânicos de Manutenção Industrial Eletromecânicos de Manutenção Industrial 2013/ 2014 1 Motor de indução trifásico Máquina capaz de transformar energia elétrica em energia mecânica 2 Motor elétrico Noções fundamentais Máquina destinada

Leia mais

ELETRICISTA INSTALADOR INDUSTRIAL

ELETRICISTA INSTALADOR INDUSTRIAL ELETRICISTA INSTALADOR INDUSTRIAL Qualificação SENAI - PR, 2004 0004BA0104104 Elaboração Técnica Revisão Técnica Edmir Carvelli Laércio Facina e Cláudio Alves Batista Equipe de editoração Coordenação do

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Relés de Sobrecarga Térmico RW Informações Gerais - Local para identificação - Tecla Reset + Multifunção

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

COMANDOS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS COMANDOS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS COMANDOS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS APRESENTAÇÃO Hoje, com a atual tecnologia disponível para automação a nível industrial, o comando e o controle dos motores elétricos passaram

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Introdução à Máquina de Indução

Introdução à Máquina de Indução Introdução à Máquina de Indução 1. Introdução Nesta apostila são abordados os aspectos básicos das máquinas de indução. A abordagem tem um caráter introdutório; os conceitos abordados serão aprofundados

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Agrícola Campus do Arenito MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos Eng. Agríc. Luciano Vieira CLASSIFICAÇÃO Classificação dos motores de

Leia mais

José Matias, Ludgero Leote, Automatismos industriais - Comando e regulação, Didáctica Editora

José Matias, Ludgero Leote, Automatismos industriais - Comando e regulação, Didáctica Editora AUTOMAÇÃO (M323) CAPÍTULO III Sistemas Eléctricos 2013/2014 Bibliografia José Matias, Ludgero Leote, Automatismos industriais - Comando e regulação, Didáctica Editora Dores Costa, Fé de Pinho, Comando

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Temporizador Automático / Relógio Programador de Horário Para Acionamento Automático de Sirenes e Outros Equipamentos Código: AFKITPROG 2 O REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO REP O Relógio Acionador Automático

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 9 Instalações para motores elétricos.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 9 Instalações para motores elétricos. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 9 Instalações para motores elétricos. Prof. JORGE LUIZ MORETTI

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

Motores CA. CFP Eliezer Vitorino Costa

Motores CA. CFP Eliezer Vitorino Costa Motores CA Motor Elétrico Definição: É uma máquina destinada a transformar energia elétrica em mecânica. Os motores elétricos em geral são divididos em dois grupos: Motores de Corrente contínua Motores

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA.

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Motores elétricos Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Para melhor entender o funcionamento desse

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 MOTORES ELÉTRICOS Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO INTRODUÇÃO; 1.1 TIPOS DE MOTORES; 1.2 FATORES DE SELEÇÃO; 1.3 MOTORES DE INDUÇÃO; 1.4 MOTORES

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

A Chave de partida compensadora é um dos métodos utilizados para reduzir a corrente de partida de motores trifásicos.

A Chave de partida compensadora é um dos métodos utilizados para reduzir a corrente de partida de motores trifásicos. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Campus Araranguá Curso: Eletromecânica Disciplina: Instalações Elétricas Local: Laboratório de Eletrotécnica Professor: Giovani Batista

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

Engº. Edílson Alfredo da Silva CREA-8786/D

Engº. Edílson Alfredo da Silva CREA-8786/D 1 SUMÁRIO Introdução...3 Circuito elétrico...3 Tensão elétrica...3 Corrente elétrica...4 Resistência elétrica...4 Potencia elétrica...5 Perdas de energia nos condutores...4 Dimensionamento de condutores...5

Leia mais

7 - CORRENTES DE FALTA

7 - CORRENTES DE FALTA 36 7 - CORRENTES DE FALTA Toda instalação elétrica está sujeita a defeitos que proporcionam altas correntes elétricas, as denominadas correntes de falta. Sempre da ocorrência de uma falta, os dispositivos

Leia mais

VAMOS CONHECER JUNTOS O MARAVILHOSO MUNDO DO COMANDO ELÉTRICO INDUSTRIAL

VAMOS CONHECER JUNTOS O MARAVILHOSO MUNDO DO COMANDO ELÉTRICO INDUSTRIAL VAMOS CONHECER JUNTOS O MARAVILHOSO MUNDO DO COMANDO ELÉTRICO INDUSTRIAL Indice 12.Fusíveis...43-46 13.Relé térmico de sobrecarga...47-48 14.Relé falta de fase...48-49 15.Relé sequencial de fases...49

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

Média tensão Uso Geral

Média tensão Uso Geral Dimensionamento Os valores e capaciae e conução e correntes constantes as tabelas a seguir foram retiraos a NBR 14039/2003. No caso e cabos iretamente enterraos foi aotao uma resistiviae térmica o terreno

Leia mais

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com.

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com. LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com.br CENTRAL ELETRÔNICA TRIFÁSICA DE CONTROLE DE PORTÃO rev2 CARACTERÍSTICAS

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS

8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS 8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS 8.1 INTRODUÇÃO Os motores elétricos são responsáveis por grande parte da energia consumida nos segmentos onde seu uso é mais efetivo, como nas indústrias, onde representam

Leia mais

CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO

CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO Categoria e Atribuições Executar a montagem de painéis e quadro de distribuição, caixas de fusíveis e outros instrumentos de comandos, encaixando e ajustando as peças

Leia mais

PLANILHA DE PROPOSTA

PLANILHA DE PROPOSTA 0001 012186 INVERSOR DE FREQUENCIA 144 AMPERES / 220 VCA Inversor de freqüência para aplicação em motor elétrico trifásico com corrente nominal de serviço 140A, tensão nominal 220V, temperatura de funcionamento

Leia mais

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar:

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar: Manutenção Elétrica Elementos de Processamento de Sinais Os componentes de processamento de sinais elétricos são aqueles que analisam as informações emitidas ao circuito pelos elementos de entrada, combinando-as

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INTALAÇÕE AT E MT. UBETAÇÕE DE DITRIBUIÇÃO Barramentos e ligaores AT e MT Características e ensaios Elaboração: GTRPT Homologação: conforme espacho o CA e 007-0-3 Eição: ª Emissão: EDP Distribuição Energia,.A.

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL Física Prof. Rawlinson SOLUÇÃO AE. 1 Através a figura, observa-se que a relação entre os períoos as coras A, B e C: TC TB T A = = E a relação entre as frequências: f =. f =

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL. EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO -

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL. EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO - LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO - NOTA... Grupo:............. Professor:... Data:..... Objetivo:............. 1. Transformador 1.1 Transformador

Leia mais

Circuito Elétrico. Funcionamento do Gerador

Circuito Elétrico. Funcionamento do Gerador 1 Circuito Elétrico O circuito elétrico mais simples é composto por um gerador (ou fonte), por um receptor (ou carga do circuito) e pelos condutores que os interligam. Funcionamento do Gerador O gerador

Leia mais

Enumere as grandezas físicas com suas respectivas unidades e assinale a sequência correta da coluna da direita, de cima para baixo.

Enumere as grandezas físicas com suas respectivas unidades e assinale a sequência correta da coluna da direita, de cima para baixo. Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletromecânica Os condutores devem apresentar características de: A. alta condutibilidade, baixa elasticidade, grande peso. B. baixa elasticidade, pequeno

Leia mais

SIMULADOR FASORIAL PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE PÓLOS SALIENTES CONECTADO EM BARRAMENTO INFINITO OPERANDO EM REGIME PERMANENTE

SIMULADOR FASORIAL PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE PÓLOS SALIENTES CONECTADO EM BARRAMENTO INFINITO OPERANDO EM REGIME PERMANENTE UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA ALINE KOCHOLIK MÁRCIA CLÁUDIA MASUR INCOTE SIMULADOR FASORIAL PARA

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CL IENTES - CTC KIT ELETROTÉCNICA MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CL IENTES - CTC KIT ELETROTÉCNICA MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CL IENTES - CTC KIT ELETROTÉCNICA MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC ELETROTÉCNICA INDUST RIAL MANUAL DO PROFESSOR Manual

Leia mais

LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Laboratórios Integrados II Trabalhos Práticos de Máquinas Eléctricas 2004/2005 LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Introdução Estes trabalhos consistem na utilização, ensaio

Leia mais

Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos. Motores Automação Energia Tintas

Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos. Motores Automação Energia Tintas Manobra e Proteção de Motores Elétricos Motores Automação Eneria Tintas Destinadas à manobra e proteção de motores elétricos trifásicos e monofásicos. De acordo com a aplicação a WEG disponibiliza uma

Leia mais

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico Móulo III Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo III Carga létrica, orça e Campo létrico Carga létrica: Denomina-se carga elétrica a proprieae inerente a eterminaas partículas elementares, que proporciona

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Contatores para Aplicações de Segurança

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Contatores para Aplicações de Segurança Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Contatores para Aplicações de Segurança Com a crescente conscientização da necessidade de avaliação dos riscos na operação de máquinas

Leia mais

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola)

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola) Supervisão de parada de emergência e monitoramento de portas Supervisão de sensores de segurança magnéticos codificados Entrada para 1 ou 2 canais Categoria de Segurança até 4 conforme EN 954-1 Para aplicações

Leia mais

Concurso Público Nível Médio

Concurso Público Nível Médio Concurso Público Nível Médio Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Código da Vaga: CRC-03 Caderno de Prova Aplicação: 10/02/2010 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Ao receber este caderno, confira

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Contatores para Aplicações de Segurança

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Contatores para Aplicações de Segurança Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Contatores para Aplicações de Segurança Contatores para Aplicações de Segurança Com a crescente conscientização da necessidade de avaliação dos

Leia mais

Dispositivos de Proteção de CCM

Dispositivos de Proteção de CCM 58 Dispositivos de Proteção de CCM Elaborado por Weberton Eller, Thiago Ribeiro, Gilberto Marques e Allan Souto A utilização dos centros de controle de motores (CCM) é bastante comum nas indústrias, em

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Disjuntores a Vácuo SION Descrição. Índice. Título Aqui. Seção 1 Disjuntores a Vácuo SION Descrição. Seção 2 Disjuntor Padrão 3AE

Disjuntores a Vácuo SION Descrição. Índice. Título Aqui. Seção 1 Disjuntores a Vácuo SION Descrição. Seção 2 Disjuntor Padrão 3AE Disjuntores a Vácuo Descrição Disjuntores a Vácuo Título Aqui Índice Seção 1 Disjuntores a Vácuo Descrição Seção 2 Disjuntor Padrão 3AE Seção 3 Módulo Deslizante 3AE Anexo Siemens AG 2005 Disjuntores a

Leia mais

Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos. Motores Energia Automação Tintas

Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos. Motores Energia Automação Tintas Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos Motores Eneria Automação Tintas Chaves de Partida Destinadas à manobra e proteção de motores elétricos trifásicos e monofásicos. De acordo com

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB

CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB Este sistema é formado pelos seguintes elementos, compatíveis entre si e especialmente projetados para o estudo de máquinas elétricas. Código

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

VALIDAÇÃO DA GARANTIA I IA CE/ I BT LV

VALIDAÇÃO DA GARANTIA I IA CE/ I BT LV VALIDAÇÃO DA GARANTIA INSTRUÇÕES PARA VALIDAÇÃO DA GARANTIA Os produtos deverão estar dentro do período de 12 meses de garantia contados a partir da NF de fornecimento ao cliente; A análise de cada produto

Leia mais

Manual de funcionamento Esteira transportadora

Manual de funcionamento Esteira transportadora Manual de funcionamento Esteira transportadora Sumário 1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 2 2. ITENS DO SISTEMA... 3 2.1. PLACA DE COMANDO... 3 2.1.1. Sinalizador... 3 2.1.2. Botão pulsador... 3 2.1.3. Chave comutadora...

Leia mais

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO www.decibel.com.br ATENÇÃO É de fundamental importância a leitura completa deste manual antes de ser iniciada qualquer atividade

Leia mais

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO POWERTRANS Eletrônica Industrial Ltda. Rua Ribeiro do Amaral, 83 Ipiranga SP - Fone/Fax: (11) 2063-9001 E-mail: powertrans@powertrans.com.br Site: www.powertrans.com.br Manual Técnico de Instalação e Operação

Leia mais

Motor de Indução de Corrente Alternada

Motor de Indução de Corrente Alternada Notas Técnicas Motores NT-1 Motor de Indução de Corrente Alternada Introdução O motor de indução ou assíncrono de corrente alternada tem sido o motor preferido da indústria desde o principio do uso da

Leia mais