CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PROFESSOR DE 1º E 2º GRAUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PROFESSOR DE 1º E 2º GRAUS"

Transcrição

1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLOGICA DO PIAUÍ CEFET-PI CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PROFESSOR DE 1º E 2º GRAUS CIRCUITOS DC e AC / ELETRÔNICA DIGITAL / MÁQUINAS ELÉTRICAS Aplicação: 06/01/2008 Duração da Prova: 4 horas Leia estas instruções: 1. Ao receber este caderno, preencha os campos abaixo referentes a seus dados pessoais. Em seguida, verifique se ele contém em cada uma das questões um enunciado seguido de 5 (cinco) alternativas, designadas pelas letras A, B, C, D e E, das quais somente uma é correta. 2. Caso o caderno esteja incompleto ou tenha qualquer defeito, solicite ao fiscal da sala que tome as providências cabíveis. 3. O candidato deverá transcrever as respostas da prova objetiva para o cartão-resposta, que será o único documento válido para correção das provas. O preenchimento do cartão-resposta será de inteira responsabilidade do candidato, que deverá proceder em conformidade com as instruções contidas neste caderno e no cartão-resposta. Em hipótese alguma haverá substituição do cartãoresposta por erro do candidato. 4. Não se comunique com outros candidatos nem se levante sem autorização do fiscal de sala. 5. Após 1 (uma) hora do início da prova, será distribuído o cartão-resposta. 6. A duração da prova é de quatro horas, já incluído o tempo destinado à identificação que será feita no decorrer da prova e ao preenchimento do cartão-resposta. Você deverá permanecer obrigatoriamente na sala por, no mínimo, uma hora após o início da aplicação da prova. 7. Será anulada a resposta que contiver emenda, rasura ou que apresentar mais de uma alternativa assinalada no cartão-resposta. 8. É vedado o uso de qualquer material, além de caneta, para marcação das respostas. 9. O candidato, ao sair da sala, deverá entregar, definitivamente, seu cartão-resposta e este caderno de prova, devendo ainda assinar a folha de presença. 10. Use caneta esferográfica azul ou preta. 11. A desobediência a qualquer uma das determinações constantes neste caderno e no cartão-resposta poderá implicar a anulação de sua prova. Identificação do candidato Nome (em letra de forma) Nº da Inscrição Assinatura

2

3 LÍNGUA PORTUGUESA O texto a seguir serve de base para as questões de 01 a 07. Ninguém mais diz não sei Não conheço a autêntica modéstia: "não sei". Todos professam conhecimento sobre tudo, opinam sobre qualquer coisa, exercem uma rede de certezas que me deixa entontecido. Parece que virou crime dizer "não sei". Se o cara fala isso no emprego, logo será encaminhado ao departamento pessoal e fichado no arquivo morto. Se ele diz para a esposa ou namorada, sugere que andou aprontando. Basta chegar em casa tarde da noite e a mínima indefinição transforma-se em suspeita de infidelidade. A regra é falar sem parar, mesmo quando o assunto não começou. Diálogos epilépticos, pulando freneticamente de temas, sem fim possível. Ou é uma época prodigiosa de gênios ou a maioria das pessoas está mentindo. Houve um tempo em que se queria ser Napoleão no hospício e Pelé, Martha Rocha, Einstein e Fellini na vida. Hoje o desejo secreto de cada um é ser Google. As conversas giram em torno de referências e não de conteúdos. Encontra-se a informação, mas não se desenvolve o raciocínio para chegar até ela. O mais importante na matemática é o cálculo, nunca o resultado final. Fica-se atualmente satisfeito com o resultado e se envaidece de dizê-lo com rapidez, na ponta da língua. A velocidade tornou-se o objetivo primordial. A busca se encerra no próprio ato final antes de ter realmente começado. O que adianta uma herança que não é vivida? Com a internet, orkut e céleres estruturas de informação, apesar de tantas virtudes comunicativas e de convivência que geraram, criou-se uma geração de palpiteiros, mais do que formadores de opinião. A vivência foi substituída pela vidência. Pior que enganar os outros é se enganar. Na verdade, dura verdade, a cultura não se adquire sem esforço, inquietações, ensaios e exercícios, vacilos e resistência. A memória não se dá bem com facilidades. A afetividade se desenvolve na dúvida, na absorção amadurada do raciocínio. Inteligência é também a humildade de se calar e de se retirar para estudar mais, ao contrário do que vem sendo alardeado aos quatro cantos do cérebro: de falar a todo momento para mostrar erudição. Ninguém mais leva tema para casa. Até as crianças estão ansiosas demais para escutar histórias e repetem "eu sei" no início delas. Não é um sintoma da pressa essa conversa fiada sem a devida contrapartida da lentidão de ouvir e aprender? A necessidade de aceitação social não estaria matando a honestidade da solidão? Acredito que é o momento de preservar a ignorância, de instaurar uma "Renascença às avessas". Se a Renascença valorizou o homem completo, o Leonardo da Vinci, a multiplicidade dos talentos em um único indivíduo (pintor, inventor, fabulista, cientista, poeta, pensador), deve-se entusiasmar agora o "homem incompleto", insuficiente, que admite desconhecer temas e assuntos para não atrofiar sua curiosidade. (...). Um teólogo das antigas, Nicolau de Cusa ( ), elogiado por Giordano Bruno, escreveu um livro chamado Douta Ignorância, em que recomenda a conscientização do que não se aprendeu para saber mais. Quem não sabe vai atrás. Quem diz que sabe apenas se conforma em dizer que sabe. A sinceridade é a melhor forma de não sofrer para depois explicar o que o Google não listou. Viver já é uma pós-graduação e não admite fingimentos porque a vida não dá trégua para a imaginação ou fornece instruções de comissário de bordo. Exige o mais difícil sempre. (...) Não há tempo para raciocinar nem existe curso preparatório para viver - vive-se de cara. Superinteressante, jan ed. 209 (adaptado) 01. Segundo a leitura feita, é CORRETO afirmar que o objetivo do texto é: Constatar que as pessoas estão sempre mentindo como forma de serem aceitas socialmente. Ressaltar a necessidade da reflexão, do amadurecimento das idéias, do exercício da curiosidade a respeito de temas diversos antes de formar opinião. Condenar a atitude de pessoas que se dizem cultas por saberem de tudo que aparece na Internet, acusando outros de ignorantes. Explicar o quanto as pessoas podem ser consideradas ignorantes quando desconhecem assuntos de larga divulgação no Google. Conscientizar as pessoas de que a vida é muito difícil para quem não sabe dar palpites sobre os mais diversos assuntos.

4 02. Todos os períodos pontuam a idéia presente no título do texto, EXCETO: Todos professam conhecimento sobre tudo, opinam sobre qualquer coisa, exercem uma rede de certezas que me deixa entontecido. (...) criou-se uma geração de palpiteiros, mais do que formadores de opinião. A regra é falar sem parar, mesmo quando o assunto não começou. Diálogos epilépticos, pulando freneticamente de temas, sem fim possível. Inteligência é também a humildade de se calar e de se retirar para estudar mais, ao contrário do que vem sendo alardeado aos quatro cantos do cérebro: de falar a todo momento para mostrar erudição. (...) a Renascença valorizou o homem completo, o Leonardo da Vinci, a multiplicidade dos talentos em um único indivíduo (pintor, inventor, fabulista, cientista, poeta, pensador) No excerto:.inteligência é também a humildade de se calar e de se retirar para estudar mais, a palavra em destaque estabelece uma relação semântica de: Proporcionalidade Finalidade Concessão Conseqüência Condição 04. Em: Acredito que é o momento de preservar a ignorância, de instaurar uma Renascença às avessas, o texto traz: Uma apologia à ignorância, à falta de instrução. Uma revitalização dos valores clássicos, renascentistas bem apropriados ao homem moderno. Um elogio às pessoas menos favorecidas, que não tiveram oportunidade de uma boa instrução devido ao nível social Um alerta para a necessidade do homem de admitir que ainda lhe falta algo a conhecer, que ainda tem muito a aprender. Uma reflexão sobre a multiplicidade de talentos que os homens da Renascença apresentavam, os quais devem servir de modelo aos homens que pretendem uma projeção social. 05. No excerto: deve-se entusiasmar agora o "homem incompleto", insuficiente, que admite desconhecer temas e assuntos para não atrofiar sua curiosidade., as palavras destacadas são formadas, respectivamente, por: Prefixação, sufixação, prefixação Parassíntese, prefixação derivação imprópria. Prefixação, prefixação, sufixação Derivação imprópria, sufixação, sufixação Prefixação, prefixação, parassíntese 06. No período: "Ninguém mais leva tema para casa., há um predicado: Nominal Verbal com verbo intransitivo Verbo-nominal com verbo transitivo direto Verbal com verbo transitivo direto Verbal com verbo transitivo indireto 07. Encontra-se a informação, mas não se desenvolve o raciocínio para chegar até ela. O sujeito do verbo encontrar pode ser classificado como: Indeterminado Inexistente Simples Composto Elíptico 08. Em que alternativa há um desvio da norma culta em relação à concordância nominal? Estudamos as línguas inglesa, portuguesa e francesa. A criança ficou meia confusa com a mudança de escola. É proibida a entrada de animais em lugares fechados. Em época de seca os bombeiros ficam sempre alerta. Os convites seguiram anexos aos cartões. 09. O vocábulo gênio acentua-se pela mesma razão que as palavras da alternativa: Trégua, vivência, dá Substituída, saída, prêmio Água, línguas, início Vôo, saúde, ânsia Edifício, fácil, até 10 Assinale a alternativa em que o vocábulo em destaque foi indevidamente empregado: De acordo com o último senso a população envelheceu. Os assaltantes foram apanhados em flagrante. Houve um roubo vultoso naquele banco. Os motoristas infringem as leis de trânsito. O perigo é iminente. Fujamos.

5 CIRCUITOS DC e AC / ELETRÔNICA DIGITAL / MÁQUINAS ELÉTRICAS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 11. Considere o circuito mostrado abaixo. 13. Qual o valor da corrente I, no circuito abaixo? 6 A 2 Ω I 12 V 6 Ω 3 V 3 Ω I 12 V 4 Ω 4 Ω I 12 V 2 Ω 1 Ω 6 A 4 A 2 A zero -2 A O valor da corrente I, no resistor de 1 Ω, é zero 1 A 2 A 3 A 4 A 14. O transformador elevador, com relação de transformação 1:2, no circuito abaixo, é considerado ideal. A fonte de tensão possui valor eficaz de 30 V. Qual o valor da resistência R, de tal forma que a potência absorvida pela carga 8R seja igual a 20 W? R 12. No circuito abaixo, qual o valor da resistência R? 5 kω 6 kω 30 V 8R 12 V R 1:2 0,1 kω 0,2 kω 0,3 kω 0,4 kω 0,5 kω 5 kω 0,4 ma 3 kω 10 Ω 8 Ω 6 Ω 4 Ω 2 Ω

6 15. Quanto à correção do fator de potência, é INCORRETO afirmar: Pode ser realizada em um sistema elétrico, por meio da ligação de uma carga capacitiva em paralelo com a carga, de baixo fator de potência, alimentada pelo sistema. Permite uma maior disponibilidade de potência ativa no sistema. Provoca uma redução de perdas elétricas na linha que alimenta o sistema elétrico que sofreu a correção. Quando realizada individualmente em motores elétricos subcarregados, permite que eles tenham um melhor rendimento ou eficiência. Pode ser realizada utilizando-se um motor síncrono superexcitado, em paralelo com a carga que apresenta baixo fator de potência. 16. Coloque V (verdadeiro) ou F (falso), nas afirmativas abaixo, referentes à medição de potência ativa em circuitos trifásicos. ( ) Em circuitos trifásicos equilibrados a quatro fios, um único wattímetro pode ser utilizado para a medição da potência em uma fase, sendo que a potência total do circuito é igual à potência lida vezes três. ( ) Em circuitos trifásicos a quatro fios, equilibrados ou não, são utilizados três wattímetros, um para cada fase, e a soma das três potências lidas é a potência total do circuito. ( ) Em circuitos a três fios, equilibrados ou não, é utilizado o método dos dois wattímetros para a determinação da potência total do circuito. ( ) Em quaisquer circuitos trifásicos a três fios, equilibrados, pode ser utilizado um único wattímetro entre as fases, sendo que a potência total do circuito é o produto do wattímetro por dois. ( ) Em circuitos trifásicos a quatro fios, equilibrados, pode ser utilizado o método dos dois wattímetros. Assinale, a alternativa com a seqüência CORRETA. V,V,V,F,V V,F,V,V,V F,F,F,V,V F,V,F,F,V V,F,V,V,F 17. O circuito abaixo mostra uma conexão Darlington de dois transistores bipolares de junção. Considerando que α cc1 = α cc2 = 1, β cc1 = 100, β cc2 = 200 e V BE1 = V BE2 = 0,7 V, qual o valor da corrente de base I B1 do transistor Q 1? 36 ma 3,6 ma 180 µa 18 µa 1,8 µ 18. No circuito abaixo, a tensão anodo-catodo de condução do diodo é 1 V. Qual o valor da corrente no resistor de 1 kω? 12 V 5 V I B1 1 ma 1,67 ma 3 ma 4 ma 5 ma Q 1 10 V 6 kω 3 kω Q Ω 1 kω

7 19. O circuito abaixo é a representação básica de um amperímetro eletrônico. Considerando que a corrente de entrada (I ent ) é igual a 1µA, qual o módulo da tensão de saída (V o ) correspondente? 20 kω 21. Considere o circuito lógico mostrado abaixo. A B S I ent 1 kω 99 kω V o C 1 V 2 V 3 V 4 V 5 V 20. Considere o circuito mostrado abaixo. R 1 Ao simplificar a expressão lógica de saída S, obtemos A B B C A C A B B C V i (s) R 1 C R V o (s) 22. O número hexadecimal B2F, no sistema octal, é representado por A função de transferência V o (s) / V i (s) é s s 1 RC s s 1 RC s 1 RC s 1 RC s 1 RC s 1 RC s 1 RC s 1 RC 23. Para a tabela-verdade mostrada abaixo, qual a expressão lógica de saída (S) simplificada? A B A B A B A B A B A B C S C C C C C

8 24. Um flip-flop tipo T apresenta sinal de entrada (ENT) e disparo de clock (CLK) na subida (borda positiva). As formas de onda são mostradas abaixo. Qual a sequência de estados (ABCDEF) do sinal de saída Q? ENT CLK Q A B C D E 25. A partir dos sinais de entrada série (ES), de clock (CLK) e de clear (CLR), aplicados ao registrador de deslocamento de 4 bits, mostrado abaixo, qual a seqüência de estados (Q 3 Q 2 Q 1 Q 0 ), após a 6ª descida de clock? F Após iniciada a condução, o sinal de gatilho perde sua função, ou seja, pode ser retirado ou anulado. A condução somente é interrompida, no tiristor SCR ideal, quando a corrente do dispositivo, que flui do anodo para o catodo, for zero. O tiristor SCR pode conduzir, se o terminal de gatilho for conectado ao terminal do catodo. Embora os tiristores SCR conduzam correntes na ordem de centenas de ampéres, a potência consumida pelo seu circuito de controle é muito baixa, sendo esta uma das grandes vantagens desse dispositivo. 27. O transistor bipolar de junção funciona como uma chave: fechada, na região de corte. aberta, na região de saturação. fechada, na região de saturação, somente se uma corrente de base for mantida durante a condução. fechada, ininterruptamente, desde que seja aplicado um pulso de corrente na base, durante uns poucos microssegundos. aberta, na região de corte, sendo mantida uma corrente em sua base. 28. Com relação à chave de partida estática softstarter, utilizada na partida de motores de indução trifásicos, é CORRETO afirmar: Com relação à condução do tiristor SCR (silicon controlled rectifier retificador controlado de silício), é INCORRETO afirmar: Para iniciar a condução, a tensão anodocatodo deve ser positiva e uma corrente deve ser injetada, por uns poucos microssegundos, no terminal de gatilho. É uma chave de partida a estado sólido, que consiste em um conjunto formado por três tiristores SCR, um para cada fase, com o objetivo de controlar a tensão de alimentação do motor. É um inversor de freqüência, controlado a tensão, que permite o acionamento do motor com corrente e velocidade variáveis. É um inversor de freqüência, controlado a corrente, utilizado para o controle de corrente e velocidade do motor. É uma chave eletrônica que permite o controle de tensão nos terminais do motor, por meio de três transistores de potência conectados às fases do motor (um transistor para cada fase). É uma chave eletrônica, formada por um conjunto de três pares de tiristores SCR, conectados em antiparalelo, um par por fase, com o objetivo de controlar a tensão terminal do motor durante a partida.

9 29. A figura abaixo mostra o retificador de meia onda não-controlado, alimentando uma carga RL-série. A tensão de entrada (v ent ) é senoidal, com freqüência industrial. O diodo é considerado ideal. Considere que a carga está em regime permanente ou contínuo. V ent D Para que o diodo, pelo qual circula a corrente elétrica (i), deixe de conduzir, ou seja, se comporte como uma chave aberta, é necessário que, em algum instante, i R L v s v ent SCR D g 9 V 6 V 3 V 1 V zero R L v s vent (V) g 31. O circuito abaixo representa um conversor CC- CC abaixador de tensão (conversor Buck), controlado por um transistor IGBT ideal. A forma de onda da corrente de base (i B ) do IGBT é mostrada, com seus dois níveis lógicos possíveis (0 e 1). Qual a potência ativa consumida pela carga resistiva de 10 Ω? t (ms) t (ms) a tensão entre o anodo e o catodo do diodo torne-se negativa. a tensão entre o anodo e o catodo do diodo seja igual a zero. a tensão de entrada (v ent ) se encontre no semiciclo negativo. a tensão de saída (v s ) se encontre no semiciclo negativo. a corrente (i) que circula pelo diodo seja igual a zero. 30. O circuito abaixo apresenta um retificador controlado, com tiristor SCR ideal, alimentando uma carga RL-série, com diodo roda-livre. A forma de onda da tensão de entrada (v ent ) e o sinal de gatilho (g) são apresentados abaixo. A carga RL-série é altamente indutiva, ou seja, a sua corrente pode ser considerada constante. Antes do primeiro pulso do sinal de gatilho, o tiristor encontra-se bloqueado. Qual o VALOR MÉDIO da tensão de saída (v s )? 50 V IGBT 10 Ω 100 W 200 W 300 W 400 W 500 W i B t (µs)

10 32. Coloque V (verdadeiro) ou F (falso), nas afirmativas abaixo, correspondentes aos métodos de partida convencionais de motores de indução trifásicos. ( ) A chave estrela-triângulo permite, idealmente, uma redução na corrente e no torque de partida para 1/3 dos valores obtidos em uma partida direta. ( ) A chave compensadora permite redução de corrente nos terminais do motor, no entanto, devido à ação do autotransformador, a corrente da linha, no primário do autotransformador, sofre uma elevação. ( ) No método de partida com resistor primário, resistores externos são colocados em série com cada enrolamento por fase do motor (um resistor para cada fase), provocando uma queda de tensão nos terminais do motor e, conseqüentemente, uma redução na corrente absorvida. ( ) Na partida estrela-triângulo, a comutação de estrela para triângulo deve ocorrer com o motor próximo à sua velocidade nominal, para evitar um pico alto de corrente na linha. ( ) A chave compensadora permite a redução da corrente de partida com um torque suficiente para a partida e a aceleração, sendo, portanto, muito recomendada para partidas de motores sob carga. Assinale a seqüência CORRETA. V,F,V,V,V V,V,F,V,F F,F,V,V,V F,V,F,F,V V,F,V,F,F 33. Quanto ao princípio de funcionamento do motor de indução trifásico, é INCORRETO afirmar: Uma tensão é induzida no rotor em função do escorregamento do motor. A corrente circulando no rotor interage com o campo gerado pelo estator, de acordo com a força de Lorentz, produzindo um torque eletromagnético. A velocidade do rotor atinge um valor constante, quando o torque eletromagnético é igual ao torque resistente associado ao atrito e à carga acoplada ao eixo do motor. O aumento da carga, no eixo do motor, operando nas condições nominais, provoca uma redução no escorregamento do motor. Na partida direta, o alto escorregamento do motor é responsável pela elevada corrente na partida e, conseqüentemente, pelo alto torque eletromagnético. 34. Um motor CC shunt ou em derivação consome uma potência elétrica de 24 kw, com uma tensão em seus terminais de 240 V. O motor possui resistência de armadura de 100 mω, resistência de campo de 80 Ω e perdas rotacionais iguais a 339,1 W. Qual a potência mecânica do motor? 23 kw 22 kw 21 kw 20 kw 19 kw 35. Com relação ao gerador de corrente contínua, é INCORRETO afirmar: É formado, basicamente, por armadura, comutador ou coletor, escovas e enrolamento de campo. O comutador ou coletor é um retificador mecânico, que converte a corrente alternada, presente na armadura, em corrente contínua. A fonte do enrolamento de campo pode ser separada, chamada excitador ou excitatriz, ou pode ser proveniente da própria armadura. As escovas servem de contato entre os enrolamentos de armadura e a carga externa. Para a geração de uma tensão induzida na armadura, é necessário que uma corrente, proveniente de uma fonte elétrica externa, circule pelo enrolamento de armadura.

11 36. Coloque V (verdadeiro) ou F (falso), nas afirmativas abaixo, relacionadas ao gerador síncrono trifásico. ( ) O rotor é equipado com uma gaiola de esquilo, para que, na ocorrência de pequenas variações de carga, um torque eletromagnético seja produzido com a finalidade de reduzir as oscilações ou vibração no rotor, mantendo-se, assim, a velocidade síncrona do rotor. ( ) A conexão em delta no estator é a mais empregada, pois permite uma redução na isolação das ranhuras, considerando que a corrente de fase é 1 3 vezes a corrente de linha. ( ) Para a colocação de um gerador em um barramento infinito, a freqüência, as tensões e a seqüência de fase do gerador e do sistema, ao qual será conectado, devem ser iguais. ( ) Para fornecer mais potência ativa a um barramento infinito, o gerador deverá ser superexcitado. ( ) Cargas altamente capacitivas, alimentadas por geradores síncronos, tendem a aumentar a tensão terminal do gerador. Assinale a seqüência CORRETA. V,V,V,F,V V,F,V,V,V V,F,V,F,V F,V,F,V,F F,V,F,F,F 37. Quanto aos motores de indução monofásicos, é CORRETO afirmar: A chave centrífuga tem a finalidade de desconectar o capacitor de partida, após o motor atingir uma velocidade próxima da nominal. Os capacitores de partida são utilizados para melhorar a defasagem entre os fluxos produzidos pelo estator e pelo rotor e, desta forma, proporcionar um maior torque de partida. O enrolamento auxiliar, defasado de 90º do principal, tem a finalidade de manter o torque eletromagnético do motor, durante seu funcionamento, em regime permanente ou contínuo, em seu máximo valor. Em geral, apresentam alta eficiência e elevado fator de potência. O enrolamento auxiliar elimina o torque eletromagnético pulsante no rotor, o que permite que o motor apresente baixos níveis de ruídos. 38. Analise as informações abaixo, referentes ao controlador lógico-programável (CLP). I II O CLP é um dispositivo digital que utiliza memória programável para armazenar instruções e executar funções específicas, normalmente em ambientes industriais. O CLP é constituído de fonte de alimentação, unidade central de processamento (UCP), memória, módulos de entrada e saída e terminal de programação. III No controle de um processo, os sinais de entrada do CLP são fornecidos por dispositivos-sensores chamados atuadores. IV O Programa do Usuário, responsável pelo comando da máquina ou processo, sob supervisão do CLP, é armazenado em um computador externo chamado Estação de Engenharia. V A linguagem de diagramas de contatos (diagrama Ladder), provém da lógica de relés e contatos, sendo uma das mais disseminadas linguagens de programação do CLP. Assinale a alternativa CORRETA. As afirmativas I, II e V são verdadeiras. As afirmativas I, III e IV são verdadeiras. As afirmativas III e IV são verdadeiras. Apenas a afirmativa III é verdadeira. Apenas a afirmativa IV é verdadeira. 39. A equação lógica booleana ( O 5) = ( I1) ( I 2) ( I3) ( I 4) representa um sinal de saída (O5) de um controlador lógicoprogramável (CLP), com quatro sinais de entrada (I1, I2, I3 e I4). A seguinte programação foi realizada para o CLP, com base na equação apresentada: O5 = I1 AND NOT I2 AND I3 OR I4 A programação utilizada refere-se à linguagem de: Lista de Instruções (Instruction List); Diagrama Seqüencial (Sequential Flow Chart SFC); Diagrama de Blocos (Block Diagram); Diagrama de Contatos (Ladder Diagram); Texto Estruturado (Structured Text).

12 40. Para traduzir as instruções de um programa em linguagem de alto nível para linguagem de máquina, é utilizado um: Processador Compilador Codificador Decodificador Registrador

13

14

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

- PROVA OBJETIVA - Câmpus Santos Dumont - Edital 003/2014

- PROVA OBJETIVA - Câmpus Santos Dumont - Edital 003/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO DE DOCENTES ÁREA: Engenharia Elétrica - PROVA OBJETIVA

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando que um transformador monofásico será submetido aos ensaios de curto-circuito e a vazio para determinação dos parâmetros do seu circuito equivalente, o qual deverá

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletrônica Calcule a tensão Vo no circuito ilustrado na figura ao lado. A. 1 V. B. 10 V. C. 5 V. D. 15 V. Questão 22 Conhecimentos Específicos - Técnico

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Eletricidade, Máquinas e Medidas Elétricas: 1.1. Princípios da Eletrodinâmica: Tensão Elétrica, Corrente Elétrica, Resistores Elétricos, Potência Elétrica e Leis de OHM; 1.2. Circuitos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS GSI Nº: ART061-09 - CD 382-09 SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS Carlos Alberto Murari Pinheiro João Roberto Cogo Artigo publicado na Revista Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico,

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

CARGOS DE CLASSE D TÉCNICO DE ELETRÔNICA E TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA: ELETRÔNICA

CARGOS DE CLASSE D TÉCNICO DE ELETRÔNICA E TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA: ELETRÔNICA 7 CEFET CARGOS DE CLASSE D TÉCNICO DE ELETRÔNICA E TÉCNICO DE LABORATÓRIO LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA 26. Com relação aos materiais semicondutores, utilizados na fabricação de componentes eletrônicos, analise as afirmativas abaixo. I. Os materiais semicondutores

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A PROVA:

INSTRUÇÕES PARA A PROVA: CONCUSO PÚBLICO POFESSO / ELETOTÉCNICA GUPO MAGISTÉIO eservado ao CEFET-N 16 de setembro de 007 INSTUÇÕES PAA A POVA: Use apenas caneta esferográfica azul ou preta; Escreva o seu nome completo, o número

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Concurso Público Nível Médio

Concurso Público Nível Médio Concurso Público Nível Médio Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Código da Vaga: CRC-03 Caderno de Prova Aplicação: 10/02/2010 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Ao receber este caderno, confira

Leia mais

Capítulo 9 TRANSFORMADORES

Capítulo 9 TRANSFORMADORES Capítulo 9 TRANSFORMADORES Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos transformadores com base nas leis de Faraday e Lenz, mostra o papel dos transformadores em um sistema elétrico de corrente

Leia mais

eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há Blocos eletrônicos

eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há Blocos eletrônicos A UU L AL A Manutenção eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há uma máquina muito sofisticada. Certo dia essa máquina apresentou um defeito e parou. Imediatamente foi acionada a equipe

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Introdução à Máquina de Indução

Introdução à Máquina de Indução Introdução à Máquina de Indução 1. Introdução Nesta apostila são abordados os aspectos básicos das máquinas de indução. A abordagem tem um caráter introdutório; os conceitos abordados serão aprofundados

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL MÉDIO CARGO: Técnico da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Técnico 1 Padrão I (TM11) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

Leia mais

PLANEJAMENTO DIDÁTICO PEDAGÓGICO

PLANEJAMENTO DIDÁTICO PEDAGÓGICO PLANEJAMENTO DIDÁTICO PEDAGÓGICO Componente Curricular: ELETROELETRÔNICA APLICADA Módulo I Professor: Danilo de Carvalho / Danilo Ramos Stein / Enrico André Santos Castro Carga Horária prevista: 60 horas

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

Inversores de freqüência. Introdução

Inversores de freqüência. Introdução Inversores de freqüência Introdução Desde que os primeiros motores surgiram, os projetistas perceberam uma necessidade básica, controlar sua velocidade, várias técnicas foram utilizadas ao longo dos anos

Leia mais

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Pulsos Digitais Pulso positivo: executa sua função quando está em nível alto Pulso negativo: executa sua função quando

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA Todo dispositivo cuja finalidade é produzir energia elétrica à custa de energia mecânica constitui uma máquina geradora de energia elétrica. O funcionamento do

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Motor de Corrente Contínua e Motor Universal

Motor de Corrente Contínua e Motor Universal Capítulo 14 Motor de Corrente Contínua e Motor Universal Objetivos: Entender o princípio de funcionamento Analisar as características operacionais destes motores ONDE EXISTE ESTE TIPO DE ROTOR? ESPIRA

Leia mais

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana INTRODUÇÃO Um gerador de corrente continua é uma máquina elétrica capaz de converter energia mecânica em energia elétrica. Também

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnico de Instalações Elétricas DISCIPLINA: Eletricidade / Eletrónica N.º TOTAL DE MÓDULOS: 8 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 N.º 1 30 Corrente Contínua Identificar

Leia mais

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento 1 2 3 Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento digital - (Sistemas Digitais: Princípios e Aplicações

Leia mais

Controle universal para motor de passo

Controle universal para motor de passo Controle universal para motor de passo No projeto de automatismos industriais, robótica ou ainda com finalidades didáticas, um controle de motor de passo é um ponto crítico que deve ser enfrentado pelo

Leia mais

Figura 3.17: Campo girante obtido por rotação mecânica das estruturas.

Figura 3.17: Campo girante obtido por rotação mecânica das estruturas. 3.3 Motores de Indução Trifásicos. 3.3.1 Campo Girante Trifásico. A Figura 3.17 apresenta o campo girante produzido por uma estrutura de dois e quatro pólos magnéticos. A Figura também destaca um núcleo

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA

CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA Inversor de frequência Grupo: Energe Introdução FEC Uniara - 2012- Eng. Elétrica O presente trabalho abordará sobre inversor de frequência, um dispositivo capaz de

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA EXPERIENCIA N 11: GRADADORES MONOFÁSICOS OBJETIVO Verificar qualitativa e quantitativamente o funcionamento

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

MODELAGEM COMPUTACIONAL DE MÉTODOS DE PARTIDA DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO NO SIMULINK/MATLAB

MODELAGEM COMPUTACIONAL DE MÉTODOS DE PARTIDA DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO NO SIMULINK/MATLAB MODELAGEM COMPUTACIONAL DE MÉTODOS DE PARTIDA DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO NO SIMULINK/MATLAB Claudio Marzo Cavalcanti de BRITO Núcleo de Pesquisa em Eletromecânica e Qualidade de Energia NUPEQ CEFET-PI

Leia mais

APOSTILA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS. Elaborado por: Professor Luiz Sérgio B Marques Ana Barbara K. Sambaqui Janderson Duarte

APOSTILA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS. Elaborado por: Professor Luiz Sérgio B Marques Ana Barbara K. Sambaqui Janderson Duarte APOSTILA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Elaborado por: Professor Luiz Sérgio B Marques Ana Barbara K. Sambaqui Janderson Duarte Instituto Federal de Santa Catarina-Campus Joinville, Julho 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

APLICAÇÃO DE MOTORES TRIFÁSICOS EM EQUIPAMENTOS TRACIONÁRIOS MOVIDOS À BATERIA. Resumo

APLICAÇÃO DE MOTORES TRIFÁSICOS EM EQUIPAMENTOS TRACIONÁRIOS MOVIDOS À BATERIA. Resumo 27 a 29 de Novembro de 2013 - Joinville SC APLICAÇÃO DE MOTORES TRIFÁSICOS EM EQUIPAMENTOS TRACIONÁRIOS MOVIDOS À BATERIA 1 Autor: Edson Bertholdi - Senai SC, Joinville Norte 1 Resumo Este artigo tem o

Leia mais

Conhecer as características de conjugado mecânico

Conhecer as características de conjugado mecânico H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; Conhecer as características

Leia mais

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos 36 Capítulo II Topologias de UPS estático Luis Tossi * Para evitarmos que os distúrbios elétricos de tensão DC, que se altera em nível DC em função de apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 10) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 10) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 10) «O texto a seguir refere-se às questões 21, 22, 23, 24 e 25. As redes industriais de comunicação (redes de campo) surgiram de fato

Leia mais

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON APOSTILA MÓDULO 4 AULA 4 AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 2 Amplificação de sinais diferenciais bobina magnética e HALL O circuito Schmitt Trigger analisado detalhadamente Os pontos NSD e NID (Nível Superior

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) Departamento de Ensino de II Grau Coordenação do Curso Técnico de Eletrotécnica e Automação Industrial Disciplina: Prática de Laboratório

Leia mais

Motor de Indução de Corrente Alternada

Motor de Indução de Corrente Alternada Notas Técnicas Motores NT-1 Motor de Indução de Corrente Alternada Introdução O motor de indução ou assíncrono de corrente alternada tem sido o motor preferido da indústria desde o principio do uso da

Leia mais

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 03) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 03) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 03) «21. Os valores de I e Vo para o circuito dado a seguir, considerando os diodos ideais, são, respectivamente: a) 7 ma e 6 V. b) 7

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE Um conversor é um equipamento utilizado para converter potência alternada em potência contínua. Num conversor simples, que usa somente diodos retificadores, a tensão

Leia mais

Geradores de corrente contínua

Geradores de corrente contínua Geradores de corrente contínua Introdução: Um motor é uma máquina que tem a função de converter energia elétrica em energia mecânica e um gerador tem a função tem função contrária, ou seja, converter a

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL

ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL ESCOLA: Escola Secundária dr. Solano de Abreu DISCIPLINA: Eletricidade e Eletrónica Módulo 1 ANO: 10º ANO 2014/2015 As grandezas mais importantes do circuito elétrico. A lei de OHM. A lei de JOULE. Os

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

Manual de Instalação e Operação Revisão 15 de 14 de Abril de 2009

Manual de Instalação e Operação Revisão 15 de 14 de Abril de 2009 GRAMEYER Equipamentos Eletrônicos Ltda / GRAMEYER Indústria Eletroeletrônica Ltda. R. Mal. Castelo Branco, 2477 Schroeder SC Brasil 89275-000 e-mail: info@grameyer.com.br - www.grameyer.com.br Fones: 55

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL MODELO: CARACTERÍSTICAS Terminais banhados à ouro Fácil visualização dos circuitos 18 Módulos envolvendo os principais conceitos de elétrica e eletrônica

Leia mais

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA 2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA A instalação de máquinas diversas requer uma grande gama de dispositivos que possibilitem o perfeito funcionamento, de preferência o mais automatizado possível,

Leia mais

PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 113 MÉTODOS DE ALIMENTAÇÃO DOS MOTORES UTILIZADOS EM ACIONAMENTOS

PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 113 MÉTODOS DE ALIMENTAÇÃO DOS MOTORES UTILIZADOS EM ACIONAMENTOS PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 113 MÉTODOS DE ALIMENTAÇÃO DOS MOTORES UTILIZADOS EM ACIONAMENTOS Acionamentos de velocidade variável PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 114 MÉTODOS

Leia mais

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA E SOFT STARTERS

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA E SOFT STARTERS CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA E SOFT STARTERS Sumário Introdução... 3 Motores Elétricos... 4 Motores Assíncronos... 5 Estator... 6 Rotor... 8 Escorregamento, torque e velocidade.... 9 Eficiência e Perdas...

Leia mais

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor INFLUÊNCIA DO INVERSOR NO SISTEMA DE ISOLAMENTO DO MOTOR Os inversores de freqüência modernos utilizam transistores (atualmente IGBTs) de potência cujos os chaveamentos (khz) são muito elevados. Para atingirem

Leia mais

Introdução: Inversor de Freqüência: Princípios Básicos:

Introdução: Inversor de Freqüência: Princípios Básicos: Introdução: Inversor de Freqüência: Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil, com isto uma

Leia mais

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP16-4.2A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM ROTOR GAIOLA DE ESQUILO MONTADO PARA FINS DIDÁTICOS.

CONSTRUÇÃO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM ROTOR GAIOLA DE ESQUILO MONTADO PARA FINS DIDÁTICOS. CONSTRUÇÃO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM ROTOR GAIOLA DE ESQUILO MONTADO PARA FINS DIDÁTICOS. Arnaldo Lopes Leite¹, José Vinicius Wunderlich¹, Luiz Roberto Nogueira². UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA

Leia mais

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA.

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. Marco Antonio Souza 1, Milton Benedito Faria 2, Carlos Eduardo Cabral Vilela, Prof. MSc 3. Homero Santiago Maciel, Prof. DR 4. UNIVAP,

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais