SEDEX /2011-DR/PE CHESF. Um rio-mar de vida, energia e cultura para o nordeste. Chesf

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEDEX 9912225079/2011-DR/PE CHESF. Um rio-mar de vida, energia e cultura para o nordeste. Chesf"

Transcrição

1 /2011-DR/PE CHESF SEDEX CORREIOS Relatório anual de responsabilidade socioambiental 2011 Um rio-mar de vida, energia e cultura para o nordeste Chesf

2

3 pg 3 Dimensão Geral pg 15 Dimensão Governança Corporativa pg 22 Dimensão Econômico-Financeira pg 26 5 Dimensão Social e Setorial pg 43 Dimensão Ambiental pg 55 Anexos

4 1 Dimensão Geral Mensagem da Administração A Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Chesf apresenta o seu Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental, relativo ao exercício de O texto foi desenvolvido segundo o Manual de Elaboração do Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental das Empresas de Energia Elétrica, instituído pela Agência Nacional de Energia Elétrica Aneel. Dimensão Geral Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental 2011 No ano de 2011, a Chesf assegurou o bom desempenho econômicofinanceiro dos últimos exercícios, mantendo-se sólida e lucrativa, registrando o expressivo lucro líquido de R$ 1.575,9 milhões. Confiante em sua capacidade de enfrentar desafios, a Companhia, que é subsidiária das Centrais Elétricas Brasileiras S.A. (Eletrobras), manteve sua trajetória de evolução, com sucesso e foco na sustentabilidade. Nos últimos 10 anos, um grande programa de expansão da transmissão vem sendo realizado, ampliando, neste ano, em 810 MVA a sua capacidade de transformação de energia elétrica, número que representa praticamente o dobro, em relação ao exercício anterior. No ano, os investimentos para a expansão e modernização da capacidade produtiva da Chesf totalizaram R$ 1.158,1 milhões. 3

5 A prospecção de novos negócios é parte da estratégia de expansão dos sistemas de Geração e Transmissão. Ao longo de 2011, a Companhia participou de forma isolada e obteve sucesso em diversos leilões de novos empreendimentos, que resultarão no acréscimo aproximado de 370 km de linhas de transmissão. No segmento de geração, por meio de leilão, participou do consórcio vitorioso com o grupo Voltalia, vendendo energia de quatro parques eólicos localizados no Estado do Ceará, com uma potência de 111,6 MW, que resultarão na formação de quatro Sociedades de Propósito Específico (SPEs), nas quais a Chesf terá participação de 49%, em cada uma delas. Na área de geração solar, a Companhia submeteu, em dezembro, à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), uma planta fotovoltaica de 3MWp interligada à rede elétrica numa área localizada próxima à cidade de Petrolina (PE). Esta planta tem por objetivo a proposição de arranjos técnicos e comerciais para a inserção de projetos de geração solar fotovoltaica na matriz energética brasileira. A Companhia gerou GWh em 2011, representando uma elevação de 10,2% em relação ao ano anterior. Na área de Pesquisa e Desenvolvimento + Inovação (P&D+I) o plano de investimento contemplou projetos nas áreas de geração solar termelétrica, nanotecnologia e gestão de equipamentos e instalações. Dimensão Geral Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental 2011 Em 2011, a Companhia continuou realizando investimentos na área social e na área ambiental norteada pelos princípios de eficiência empresarial, rentabilidade e responsabilidade socioambiental, comprometendo-se com a preservação dos recursos ambientais e com a redução das desigualdades sociais e regionais. No campo da gestão, o foco foi a consolidação do Processo de Gestão Empresarial da Chesf, a partir do Planejamento Empresarial Chesf que, como instrumento de referência para todas as ações de gestão da Companhia, possibilitou a definição de Metas de Desempenho de Equipe integrantes do Sistema de Gestão de Desempenho (SGD), atrelando a gestão de pessoas à gestão empresarial. Na gestão de pessoal, destaca-se o investimento médio em ações educacionais por empregado, o que representa uma elevação de 16,5% em relação ao ano anterior, bem como a contratação de 104 pessoas portadoras de necessidades especiais para o seu quadro de empregados, e a ampliação das ações de acessibilidade, na Sede e nas Regionais. O Conselho de Administração da Chesf e a Diretoria manifestam a sua irrestrita confiança na competência do seu corpo funcional e acreditam que as ações realizadas nos últimos anos serão a base para a manutenção do crescimento sólido e sustentável da Companhia. Em paralelo, acreditam firmemente que a Empresa manterá a sua busca por níveis cada vez maiores de governança corporativa, tendo por base o compromisso com a sustentabilidade e com a ética, garantindo assim a evolução dos padrões de atendimento à sociedade, em conformidade com as diretrizes da Eletrobras. 4

6 A Empresa A Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Chesf é uma empresa mista de capital aberto, concessionária de serviço público de energia elétrica, pertencente às Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras, holding controlada pelo Governo Federal. A Eletrobras, por sua vez, é a maior companhia de energia elétrica da América Latina, com atuação em geração, transmissão, distribuição e comercialização. Responsável por 37% da capacidade total do País, o sistema de geração da Eletrobras é composto por oito empresas geradoras. Dentre elas, a Chesf destaca-se por ser responsável por 25% de toda a geração. Em 2011, a Empresa contou com empregados, sendo mulheres e homens. A receita bruta no ano foi de R$ 5,6 bilhões, permanecendo estável em relação ao resultado de Missão, Visão e Valores Missão A Chesf tem como missão produzir, transmitir e comercializar energia elétrica com qualidade, de forma rentável e sustentável. Visão Ser empresa de referência em soluções e serviços para o mercado de energia elétrica. Valores Satisfação do Acionista Satisfação dos Clientes Valorização da Empresa e dos seus Empregados Preservação da Ética em todas as relações Respeito ao Meio Ambiente Mercados atendidos Dimensão Geral Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental 2011 Além da sede na Rua Delmiro Gouveia, 333 San Martin em Recife (PE), a Chesf possui Gerências e Administrações Regionais nas cidades de Paulo Afonso, Salvador e Sobradinho (BA), Fortaleza (CE) e Teresina (PI), além de escritórios em Brasília (DF) e São Paulo (SP). As usinas hidrelétricas da Chesf respondem por cerca de 97% dos ,1 MW de potência instalada da Companhia. Geração A energia comercializada pela Chesf em 2011 atingiu o montante de GWh, distribuídos entre 22 Estados do Brasil e o Distrito Federal. Desse montante, GWh foram destinados ao Ambiente de Contratação Regulada (ACR). Cerca de 75,49% do total de energia comercializada pela Companhia foi vendida a 103 distribuidoras, predominantemente para os Estados de São Paulo (33,52%), Bahia (19,77%) Rio de Janeiro (12,70%), Paraná (12,11%), Rio Grande do Sul (7,34%) e Minas Gerais (6,63%). Hidrelétricas Capacidade (MW) Usina Rio ,3 Sobradinho São Francisco 1.050,3 Luiz Gonzaga (Itaparica) São Francisco 1.479,6 Apolônio Sales (Moxotó) São Francisco 400,0 Paulo Afonso I São Francisco 180,0 Paulo Afonso II São Francisco 443,0 Paulo Afonso III São Francisco 794,2 Paulo Afonso IV São Francisco 2.462,4 Piloto São Francisco 2,0 Xingó São Francisco 3.162,0 Funil de Contas 30,0 Pedra de Contas 20,0 Boa Esperança Parnaíba 237,3 Curemas Piancó 3,5 Araras Acaraú 4,0 Termelétrica Camaçari 346,8 TOTAL ,1 5

7 Dimensão Geral Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental 2011 Os restantes GWh foram destinados ao Ambiente de Contratação Livre (ACL), comercializados em 15 leilões, que resultaram em 209 novos contratos com comercializadores e 22 consumidores industriais livres no ano. Esses novos contratos no ACL representaram 80,30% da energia contratada no exercício para esse ambiente. A Região Nordeste foi responsável pela compra de 30,89% da energia comercializada pela Chesf em Parte dessa energia foi destinada ao atendimento de 24 grandes consumidores industriais da região. Composição acionária O capital social da Companhia, no montante de R$ 7,72 bilhões, é representado por ações nominativas, divididas em ações ordinárias e ações preferenciais, todas sem valor nominal. Capital social da Chesf: R$ 7,72 bilhões Eletrobras 99,5544% Ministério da Fazenda 0,3759% Light 0,0167% Outros acionistas 0,0530% Gestão Integrante do setor elétrico brasileiro, a Chesf atua em estrita consonância com a legislação vigente e com os atos de regulação emitidos pela Aneel. O Planejamento Empresarial da Companhia foi elaborado em 2010 com horizonte até 2015, tendo como base as perspectivas macroeconômicas, o ambiente de interesse do Sistema Eletrobras, o Plano Decenal de Expansão definido pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e as próprias diretrizes e capacidades internas. A meta global de ofertar soluções e serviços para o mercado de energia elétrica, de forma rentável e sustentável, com reconhecimento dos acionistas, da sociedade e dos seus empregados deve ser alcançada por meio de objetivos estratégicos finalísticos e de gestão, competências e tecnologias. Entre os primeiros estão a expansão dos sistemas de geração e transmissão, a elevação da receita de comercialização de energia, a intensificação da gestão de recursos hídricos, a implantação de melhorias no sistema e a busca de solução favorável para o término das concessões. A Companhia ainda busca fortalecer suas operações em energia eólica, como fonte renovável. Nesse sentido, merecem destaque a implantação do Parque Eólico de Casa Nova e o envio à Agência Nacional de Energia Elétrica de um projeto para a Central Fotovoltaica de Petrolina. Esta última tem papel relevante ainda no desenvolvimento de expertise para a futura atuação da Companhia em centrais termossolares e fotovoltaicas de maior porte. Principais mudanças no período coberto pelo Relatório Em 2011, foram investidos R$ 158,6 milhões nas usinas hidrelétricas para manutenção de níveis de continuidade e disponibilidade satisfatórios ao atendimento à demanda, com destaque para as realizações apresentadas no quadro a seguir. Instalação de tecnologia digital nos Sistemas de Medição, Proteção, Comando, Controle, Supervisão e Regulação da Usina Paulo Afonso III. Modernização de dois geradores para classe de isolamento F, na Usina Paulo Afonso II, paralelamente à modernização de outros dois geradores e uma turbina na usina, além de outra unidade geradora (conjunto turbina e gerador) na Usina Paulo Afonso I. Início da implantação de tecnologia digital nos Sistemas de Medição, Proteção, Comando, Controle, Supervisão e Regulação da Usina Boa Esperança. Revisão geral da unidade geradora 4 da Usina Apolônio Sales (Moxotó), com reposicionamento de peças submersas, substituição do concreto secundário, com recentragem e renivelamento do conjunto girante. Nova subestação SE Ibicoara com quatro (3+1) autotransformadores 500/230 kv 100 MVA, cada, conexões associadas, interligação de barras 500 kv, dois transformadores trifásicos 230/138 kv 55 MVA, conexões associadas, interligação de barras 230 kv, interligação de barras 138 kv e entrada de linha 230 kv para Brumado II Investimento e receita incluídos na LT Ibicoara/Brumado II C1. 6

8 Dimensão Geral Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental 2011 Adequação de infraestrutura de módulo geral pela implantação de um módulo de infraestrutura geral de 138 kv, um módulo de infraestrutura de manobra 230 kv e quatro módulos de infraestrutura de manobra de 138 kv; um módulo de interligação de barramentos 138 kv, arranjo barra principal e de transferência; um módulo de entrada de linha 138 kv, arranjo barra principal e transferência, para SE Pilões II, originada do seccionamento da LT 138 kv Pilões II / Santa Cruz II na SE Paraíso; um módulo de entrada de linha 138 kv, arranjo barra principal e transferência, para Santa Cruz II, originada do seccionamento da LT 138 kv Pilões II / Santa Cruz II na SE Paraíso; dez autotransformadores trifásicos 230/138 kv 100 MVA; um módulo de conexão 230 kv, arranjo barra dupla a quatro chaves; um módulo de conexão 138 kv, arranjo barra principal e transferência na SE Paraíso. Instalação do 2º transformador trifásico 230/69 kv 50 MVA; módulo de conexão 230 kv, arranjo barra dupla a cinco chaves; módulo de conexão 69 kv, arranjo barra principal e transferência na SE Açu II. Instalação do 3º transformador trifásico 230/69 kv 150 MVA; módulo de conexão 230 kv, arranjo barra dupla a quatro chaves; módulo de conexão 69 kv, arranjo barra principal e transferência na SE Joairam. Complemento de módulo geral em 230 kv, remanejamento de um transformador trifásico 230/69 kv 100 MVA; módulo de conexão em 69 e 230 kv associadas, duas interligações de barramento em 230 kv, remanejamento de entradas de linha em 230 kv e instalação de equipamentos complementares para Tacaimbó C1, Tacaimbó C2, Natal II C3 e Pau Ferro C3; entrada de linha em 230 kv para o Natal II C4; e equipamentos para adequação da extremidade oposta dessas mesmas LTs, aos procedimentos de rede na SE Campina Grande II. Instalação de reatores limitadores de impedância de no mínimo 0,31 ohms por fase, no terciário do transformador trifásico 138/69/13,8 kv 39 MVA 03T1 na SE Currais Novos II. Seis entradas de linha em 230 kv, nas SEs Mossoró, Banabuiú, Santo Antonio de Jesus, Funil, Itapebí, Jardim e Penedo, uma entrada de linha em 138 kv na SE Funil e três entradas de linha em 69 kv nas SEs Milagres, Mossoró e Xingó. Substituição do sistema de proteção digital (retrofit) das seguintes linhas: LT Banabuiu- Mossoró II 04C4 na SE Banabuiu; LT Cotegipe- Camaçari II 04M5 na SE Camaçari II; LT Catu-Cícero Dantas 04L3 nas SEs Catu e Cícero Dantas; LT Cotegipe-CI Usiba 04L1, LT Cotegipe CI Rio Doce Manganês 04L2, LT Cotegipe-Jacaracanga 04L3, da LT Cotegipe-Matatu 04L4 da LT Cotegipe-Camaçari II 04M5 e da LT Cotegipe-Camaçari II 04M6 na SE Cotegipe; LT Cotegipe-Jacaracanga 04L3 na SE Jacaranga; LT Rio Largo II-CI Braskem 04S2 na SE Rio Largo; LT Messias-Rio Largo II 04S3, da LT Messias-Rio Largo II 04S4, e da LT Messias-Rio Largo II 04S5 na SE Messias; LT Campina Grande II-Santa Cruz II 03L1 e da LT Santa Cruz II-Currais Novos II 03M2 na SE Santa Cruz II; LT Currais Novos II-Santana do Matos II 03C1 e da LT Santana do Matos II-Açu II 03C2 na SE Santana do Matos II. Complemento da LT 230 kv Pituaçu/Narandiba C1/ C2 com construção de 1,4 km de linha de transmissão, em 230 kv, circuito duplo a partir da SE Pituaçu; construção de 0,4 km de linha de transmissão, em 230 kv, circuito duplo a partir da SE Narandiba; e implantação de 5,7 km de cabo para-raios OPGW com 36 fibras e de 204 isoladores poliméricos. Substituição das proteções das LTs de 69 kv de interligação entre as SEs Fortaleza e Delmiro Gouveia (02J3 e 02J4), por proteções mais adequadas a aplicações em linhas curtas. Implantação do enlace óptico a partir da LT 230 kv Senhor do Bonfim Irecê, da LT 230 kv Irecê Bom Jesus da Lapa, e da LT 230 kv Bom Jesus da Lapa Barreiras. Substituição do TT 130,5 ohm/fase por outro de 20 ohm/fase (associado ao 3º TR 230/69 kv 39 MVA, já em operação) na SE Boa Esperança. Remanejamento da LT 230 kv Pau Ferro/C. Grande II C1 na chegada da SE Campina Grande II (04C3 Coteminas) implantação de duas novas estruturas 0,6 km. Recapacitação para aumento da temperatura de projeto de 60º C para 90º C e da capacidade de transporte de 235 MW para 350 MW 29 km da LT 230 kv Sapeaçu/Santo Antônio de Jesus C2/C3. Complementação do seccionamento do primeiro circuito da LT 230 kv Juazeiro II/Senhor do Bonfim II na SE Jaguarari, com a implantação de 0,5 km de linha 230 kv com um condutor por fase do tipo Grosbeak e dois cabos para-raios por fase e estruturas necessárias; Complementação do seccionamento da LT 230 kv Sapeaçu/Funil C3 para alimentação da SE Santo Antônio de Jesus implantação de três novas estruturas 0,4 km. 7

9 Dimensão Geral Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental 2011 Com relação a novas hidrelétricas, a Companhia já havia concluído, em parceria com empresas privadas, os Estudos de Viabilidade Técnica e Econômica (EVTE) de cinco aproveitamentos hidrelétricos situados no rio Parnaíba: Ribeiro Gonçalves (113 MW), Uruçuí (134 MW), Cachoeira (63 MW), Estreito (56 MW) e Castelhano (64 MW), bem como do aproveitamento de Riacho Seco (276 MW), no submédio São Francisco. Os respectivos estudos ambientais (EIA/Rima) também já haviam sido entregues ao Ibama. Até dezembro de 2011, o Instituto havia emitido apenas as Licenças Prévias (LPs) para três desses seis empreendimentos: Cachoeira, Estreito e Castelhano, que puderam ser incluídos no Leilão Aneel no 07/2011, ocorrido em dezembro de 2011, ofertados neste Leilão como um complexo hidrelétrico formado por essas três usinas. O preço-teto de venda de energia que foi estipulado no Edital para esse complexo hidrelétrico proporcionou rentabilidade insuficiente para a exploração deste complexo. Em decorrência, nenhum interessado apresentou lance no Leilão. Em julho de 2011 o Ibama indeferiu a LP para a hidrelétrica Uruçuí. O deferimento, pelo Ibama, das LPs, para as hidrelétricas Ribeiro Gonçalves e Riacho Seco, possibilitará a disputa de suas concessões pela Companhia em leilões a serem promovidos pela Aneel. Na área de energia eólica, a Companhia investiu R$ 175,9 milhões em 2011, de um total de R$202,9 milhões, na implantação do Parque Eólico Casa Nova, de concessão exclusiva, de 180 MW, situado no município de Casa Nova, na Bahia. Também avançou nos contatos com empreendedores nos estudos e atividades de campo visando à implantação de novos parques eólicos na região Nordeste. Na área de geração solar, a Companhia submeteu em dezembro/2011, à Aneel, uma planta fotovoltaica de 3MWp interligada à rede elétrica em uma área localizada próxima à cidade de Petrolina (PE), no âmbito de Chamada de Projeto Estratégico no 013/2011 dessa Agência. Esta planta tem por objetivo a proposição de arranjos técnicos e comerciais para inserção de projetos de geração solar fotovoltaica na matriz energética brasileira, num projeto de P&D+I intitulado Central Fotovoltaica da Plataforma Solar de Petrolina elaborado em parceria Chesf, Cepel, UFPE e UPE. Participações Societárias Em 31 de dezembro de 2011, a Chesf possuía participações minoritárias nas seguintes empresas: STN Sistema de Transmissão Nordeste S.A. (49%) Integração Transmissora de Energia S.A. (12%) Energética Águas da Pedra S.A. (24,5%) ESBR Participações S.A. (20%) Norte Energia S.A. (15%) Pedra Branca S.A. (49%) São Pedro do Lago S.A. (49%) Sete Gameleiras S.A. (49%) Manaus Transmissora de Energia S.A. (19,5%) Manaus Construtora Ltda. (19,5%) Interligação Elétrica do Madeira S.A. (24,5%) TDG Transmissora Delmiro Gouveia S.A. (49%) Extremoz Transmissora do Nordeste ETN S.A. (49%) Interligação Elétrica Garanhuns S.A. (49%) Eólicas Junco I, Junco II, Caiçara I e Caiçara II (49%) Novos Negócios Uma das estratégias da Chesf é a de aumentar seu Sistema de Geração e Transmissão. Em 2011, a Companhia participou de leilões em novos empreendimentos, promovidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), obtendo sucesso nos itens relacionados a seguir: 8

10 Dimensão Geral Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental 2011 Extremoz Transmissora do Nordeste - ETN S.A. A Companhia participou do Consórcio Extremoz, vencedor do Lote A do Leilão nº 001/2011, promovido pela Aneel, em 10 de junho de 2011, objetivando a construção, montagem, operação e manutenção de instalações de transmissão de energia elétrica da Rede Básica do Sistema Interligado Nacional, especificamente a LT Ceará Mirim João Câmara II, CS, em 500 kv, com 64 km; LT Ceará Mirim Campina Grande III, CS, em 500 kv, com 201 km; LT Ceará Mirim Extremoz II, CS, em 230 kv, com 26 km; LT Campina Grande III Campina Grande II, CS, em 230 kv, com 8,5 km; SE João Câmara II, 500 kv; SE Campina Grande III, 500/230 kv; SE Ceará Mirim, 500/230 kv, e instalação de transmissão de interesse exclusivo das centrais de geração para conexão compartilhada ICG, banco de transformadores 500/138 kv na SE João Câmara II. A partir desse consórcio, em 07/07/2011, foi constituída a empresa Extremoz Transmissora do Nordeste ETN S.A. composta pela Chesf, com participação de 49% e pela CTEEP Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista com 51%. O prazo de concessão do empreendimento é de 30 anos para as instalações de transmissão que comporão a Rede Básica do SIN e de 18 anos para as instalações de transmissão de interesse exclusivo das centrais de geração para conexão compartilhada ICG, contados a partir de 13 de outubro de 2011, conforme Contrato de Concessão nº 008/2011 ANEEL. Interligação Elétrica Garanhuns S.A. A partir do Consórcio Garanhuns, vencedor do Lote L do Leilão nº 004/2011, promovido pela Aneel, em 02 de setembro de 2011, objetivando a construção, montagem, operação e manutenção de instalações de transmissão de energia elétrica da Rede Básica do Sistema Interligado Nacional, especificamente LT Luis Gonzaga Garanhuns, em 500 kv, com 224 km; LT Garanhuns Campina Grande III, em 500 kv, com 190 km; LT Garanhuns Pau Ferro, em 500 kv, com 239 km; LT Garanhuns Angelim I, em 230 kv, com 13 Km; SE Garanhuns, 500/230 kv; SE Pau Ferro, 500/230 kv, foi constituída a empresa Interligação Elétrica Garanhuns S.A., em 22/09/2011, composta pela Chesf com participação de 49% e pela CTEEP com 51%. O prazo de concessão do empreendimento é de 30 anos, cuja homologação e adjudicação foi publicada em 06/10/2011. A Companhia realizou, no exercício de 2011, aporte de capital nessa SPE no montante de R$ 980. Eólicas Junco I, Junco II, Caiçara I e Caiçara II A Companhia, em consórcio com a empresa francesa Voltalia, venceu o Leilão nº 007/2011, promovido pela Aneel, em 20 de dezembro de 2011, cujo objeto foi a compra de energia proveniente de novos empreendimentos de geração eólica. As usinas são Junco I e II, de 30 MW cada, e Caiçara I e II, de 30 MW e 21 MW, respectivamente. As usinas eólicas serão construídas no município de Jijoca de Jericoacoara, no Estado do Ceará e totalizarão 111,6 MW de potência instalada, com um investimento da ordem de R$ 370 milhões, tendo a entrada em operação prevista para até janeiro de A participação da Companhia nesses quatro projetos eólicos será de 49% e a empresa francesa Voltalia terá 51%, por meio de SPEs em fase de constituição. Prêmios recebidos Selo de Promoção da Diversidade Étnico-Racial categoria Compromisso: outorgado pela Secretaria Municipal de Reparação da Prefeitura de Salvador. Prêmio Aberje Brasil 2011 categoria Mídia Audiovisual Interna: com o projeto Pense nisso! Fala parte dessa mudança!, ação do Programa Pró- Equidade de Gênero. Certificado do International Comission of Large Dams (Icold): pelo pioneirismo e liderança em Concrete Face Rockfill Dam (CFRD) (Barragem de Enrocamento com Face de Concreto CEFC) para a barragem de Xingó, recebido durante o XXVIII SNGB Simpósio Brasileiro de Grandes Barragens, realizado no Rio de Janeiro entre 25 e 28 de outubro. Prêmio Ser Humano Paulo Freire 2011, da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH/PE): a Chesf obteve o primeiro lugar na categoria Gestão de Pessoas nas modalidades Empresarial Intervenções Psicossociais para a Gestão do Absenteísmo Doença na Chesf, e Profissional Processo de Avaliação de Desempenho e Assédio Moral no Trabalho: Diálogos Perversos. Prêmio Nacional da Revista Proteção: melhor case de gestão de Cipa, premiado também com o terceiro lugar na categoria Gestão do Prêmio Chesf de Inovação e Melhoria. Primeiro lugar na modalidade natação dos Jogos SESI etapa mundial, em Viena. 9

11 ética Responsabilidade com Partes Interessadas e transparência marcam o relacionamento da Chesf com seus públicos de interesse A Chesf entende que seu desenvolvimento econômico somente é sustentável se acompanhado pelo cuidado com todos os seus públicos de relacionamento e com o meio ambiente. Assim, nas suas decisões estratégicas considera os legítimos interesses desses públicos e atua com ética e transparência. Alguns dos seus principais públicos de relacionamento são: O público interno, formado pelos empregados, pelos terceirizados, pelos estagiários e pelos aprendizes. Os clientes, que compram a energia elétrica e acessam o sistema de transmissão. Os fornecedores dos serviços e produtos de que a Companhia necessita para desenvolver suas atividades. As comunidades que estão no entorno das usinas, subestações, linhas de transmissão e bordas dos rios e lagos das hidrelétricas. O Governo e a sociedade, com os quais a Chesf deve contribuir para que alcancem níveis mais altos de desenvolvimento ético, social, político e econômico. Os acionistas, que esperam ter o capital investido justamente remunerado. Os sindicatos e as entidades de classe, com os quais mantém relações pautadas pelo respeito e pela colaboração. Dimensão Geral Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental 2011 Partes Interessadas Detalhamento Canais de Comunicação Acionistas e investidores Clientes Fornecedores Empregados, colaboradores e estagiários Eletrobras, Ministério da Fazenda, Light e outros Consumidores parcialmente livres: 12 Consumidores livres: 10 Distribuidores de energia: 38 Comercializadores: 43 Acessantes à rede de transmissão: 102 Material: Serviço: Empregados: 5659 Empregados de empresas terceirizadas: 2975 Estagiários: 174 Aprendizes: 175 O relacionamento com os acionistas é realizado por representantes da Companhia e por órgãos vinculados ao Diretor Econômico-Financeiro e de Relações com Investidores. Ocorrem por meio de contato direto, comunicações formais e Assembleias. Pesquisa anual de consumo e mercado. Pesquisa anual direta com os grandes clientes e distribuidores. Divulgações em jornais, eventos, congressos, palestras. Contato direto com gestores de contrato dos clientes. Divulgações no site da Chesf. Leilões de venda de energia por intermédio da internet. Centro de Atendimento a Fornecedores (CAF). Comunicações formais, correio eletrônico, circulares, reuniões, encontros e seminários gerais ou setoriais. Divulgações no site da Chesf. Nos encontros e seminários são incluídas palestras sobre Responsabilidade Social. Reuniões, encontros de órgãos normativos e operacionais, sistema de correio eletrônico, intranet, jornais internos, quadros de aviso. 10

12 Dimensão Geral Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental 2011 Partes Interessadas Detalhamento Canais de Comunicação Órgãos e programas públicos Organizações sociais, ambientais e comunidades Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Programa Pró-Equidade de Gênero Secretaria de Políticas para as Mulheres Conselho Municipal de Turismo - Paulo Afonso (BA) Conselho Municipal dos Direitos da Mulher - Paulo Afonso (BA) Conselho Municipal de Meio Ambiente - Paulo Afonso (BA) Conselho de Turismo de Lagos e Canions do São Francisco, abrangendo os munícpios de Abaré, Glória, Paulo Afonso, Rodelas e Santa Brigida Programa Luz para Todos Ministério de Minas e Energia Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel) Ministério de Minas e Energia e Eletrobrás Fórum Nacional de Gestão da Ética das Empresas Estatais Comitê Permanente para Questões de Gênero do MME e Empresas Vinculadas Associação Cristã Feminina do Recife ACF/PE Arraial Intercultural ARRICIRCO Recife (PE) Associação Cultural Desportiva ACD Jaboatão dos Guararapes (PE) Escola Dom Bosco de Artes e Ofícios Recife (PE) Em Cena Arte e Cidadania Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária EMBRAPA SEMIÁRIDO - Petrolina (PE) Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária EMBRAPA MEIO NORTE Teresina (PI) Instituto Carl Rogers Recife (PE) Movimento Pró-Criança Recife (PE) Instituto de Desenvolvimento Científico e Tecnológico de Xingó Canindé de São Francisco (SE) Abrigo Cristo Redentor Recife (PE) Irmandade Santa Casa de Misericórdia do Recife Recife (PE) Instituto Dom Hélder Câmara IDHEC Recife (PE) Instituto Cultural Beneficente Steve Biko Salvador (BA) Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso CERSPA Cooperativa Educacional de Sobradinho Associação dos Moradores do Conjunto URB Cícero Dantas (BA) Centro de Pró-educação e Arte INTEGRARTE Recife (PE) Prefeitura Municipal de Caucaia (CE) Prefeitura Municipal de Hidrolândia (CE) Prefeitura Municipal de João Pessoa (PB) Instituto do Fígado de Pernambuco (PE) Serviço Social da Indústria Sesi (PE), (BA) Implementação de empreendimentos de geração e de transmissão integrantes do PAC. Participação para implementação do Programa Pró-Equidade de Gênero na Chesf. Participação de representante da Empresa no Conselho. Participação de representante da Empresa no Conselho, como Presidente. Participação de representante da Empresa no Conselho, com presidente. Participação de representante da Empresa no Conselho como coordenador adjunto. Coordenação, no Nordeste, do Programa Luz para Todos, pelo Diretor de Operação. Atuação no Nordeste, juntamente com a Eletrobrás, para a implementação de projetos (PROCEL nas Escolas, Gestão Energética Municipal, Prédios Públicos, Reluz). Participação financeira e representação da Empresa no Fórum. Participação de representante da Empresa. Correspondências externas (cartas e ofícios), s, contato pessoal (reuniões, eventos e visitas) e contato por telefone, relatórios de acompanhamento e prestações de contas. 11

13 Partes Interessadas Detalhamento Canais de Comunicação Sindicatos e associações de classe Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas no Estado de Pernambuco SIURB-PE Sindicato dos Engenheiros do Estado de Pernambuco SENGE-PE Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas da Paraíba STIUPB Sindicato dos Eletricitários da Bahia SINERGIA Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas do Piauí SINTEPI Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Distribuição de Energia Elétrica no Estado da Paraíba, inclusive dos Contratos como Prestadores de Serviço das Atividades Meio e Fins dessas Empresas SIELETRIC-PB Sindicato Eletricitários do Ceará SIELETRO Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Energia Elétrica no Estado de Sergipe SINERGIA-SE Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Energia Elétrica do Rio Grande do Norte SINTERN Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas no Estado de Alagoas STIUEA Reuniões periódicas, reuniões para negociação do acordo coletivo de trabalho e participação em comissões partidárias. Dimensão Geral Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental

14 Desempenho Operacional e de Produtividade Dimensão Geral Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental 2011 A energia elétrica total consumida em 2011 no Brasil atingiu GWh, um acréscimo de 3,6% frente ao ano de Conforme previsto pelas pesquisas do setor, destacaram-se as classes comercial e residencial, com crescimento de 6,3% e 4,6%, respectivamente. Na Região Nordeste, foram consumidos GWh, sendo 68,1% provenientes da Chesf e 9,9% e 9,7% dos intercâmbios com os subsistemas Norte e Sudeste, respectivamente. Outras geradoras foram responsáveis pelos restantes 12,3%. Segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), órgão do Governo responsável por estudos e pesquisas no setor, a demanda de energia elétrica no Brasil deve crescer ainda mais: em torno de 4,8% anualmente entre 2011 e Esse desempenho está sustentado pela expansão das classes comercial (6,0% ao ano), residencial (4,5% ao ano) e industrial (4,4% ao ano). Para a carga de energia, o incremento será da ordem de MW médios no final de 2020, com destaque para os subsistemas elétricos do Norte, que apresentarão o maior crescimento (9,5% ao ano), justificado pela interligação dos sistemas isolados Manaus/Macapá/margem esquerda do Amazonas, além de entrada de grandes cargas industriais. O Nordeste terá uma expansão média de 4,8% ao ano, com crescimento superior ao previsto para o Brasil. Entre os principais fatores desse crescimento está o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), prioritariamente em obras de infraestrutura e moradia. Também se destaca o aumento da população brasileira estimado em 13,4 milhões de habitantes para o mesmo período, aliado a um maior consumo per capita da ordem de 47%. Diante desse cenário, o setor vem investindo continuamente na ampliação de sua capacidade, por meio de diversos empreendimentos de geração. Os leilões anunciados nos últimos anos e aqueles previstos para 2012 são exemplos dessa oportunidade de expansão e da preocupação em explorar fontes alternativas de energia. 13

15 Dimensão Geral Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental 2011 Dados Gerais Número de Consumidores Atendidos Cativos Número de Consumidores Atendidos Livres Número de Empregados Próprios Número de Empregados Terceirizados 2975(*) Número de Escritórios Comerciais Energia Gerada (GWh) Energia Comprada (GWh) Perdas Elétricas Globais (GWh) 2.444,6 3247, ,3 Perdas Elétricas Total (%) sobre o requisito de energia 3,40% 4,60% 5,00% Energia Vendida (GWh) Industrial Distribuidoras Comercializadoras Poder Público 555 Subestações (em unidades) 101(**) Capacidade Instalada de Geração (MW) Capacidade Instalada (MVA) Linhas de Transmissão (em km) Transformadores em níveis de tensão superiores a 69 kv Venda de Energia por Capacidade Instalada (MWh/MW* nº horas/ano) 0,538 0,556 0,499 Energia Vendida por Empregado (MWh) Valor Adicionado/GWh Vendido 83,35 85,46 71,93 DREQ 0,293 0,353 0,590 FREQ 0,525 0,577 0,745 (*) A partir de 2011 os dados referentes aos terceirizados incluem conservação e limpeza, segurança, vigilância, localização de veículo com operação, informática, copeiragem, recepção, reprografia, telecomunicações, manutenção de bens móveis e imóveis, brigadistas e apoio administrativo. Em 2010, esses dados incluíam apenas vigilância, copa, conservação e limpeza. (**) Considera-se neste total a SE Sapeaçu, localizada no Recôncavo Baiano, em relação a qual a Chesf tem Contrato de Cessão de Uso. 14

16 2 Dimensão Governança Corporativa Dimensão Governança Corporativa Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental 2011 A governança corporativa da Chesf está alinhada ao modelo da Eletrobras e é guiada pelos princípios de ética, transparência, prestação de contas e responsabilidade empresarial. Estrutura de Governança Corporativa Diretoria Administrativa Assembleia Geral Conselho de Administração Diretoria Econômico- Financeira Diretoria Plena Presidência Diretoria de Eng. e Construção Conselho Fiscal Auditoria Diretoria de Operação 15

17 Dimensão Governança Corporativa Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental 2011 Conselho de Administração O Conselho de Administração é eleito pela Assembleia Geral e composto por até seis membros. Em 2011, uma revisão no Estatuto da Chesf estabeleceu que um membro do Conselho fosse indicado pelo Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão e outro eleito como representante dos empregados por meio de votação a partir de Todos os integrantes do Conselho são brasileiros e acionistas da Chesf, com mandado de um ano e direito a reeleição. Cabe ao Conselho de Administração deliberar sobre a orientação geral dos negócios, eleger e fiscalizar a gestão da Companhia e aprovar as contas anuais. As decisões tomadas visam, entre outros, ao atendimento a cartas e princípios voluntários assumidos pela Empresa. Conselho Fiscal O Conselho Fiscal é permanente, composto por até três membros e respectivos suplentes, todos eleitos pela Assembleia Geral com mandato de um ano. Um integrante e seu suplente são indicados Composição do Conselho de Administração Armando Casado de Araújo João Bosco de Almeida Altino Ventura Filho Marilene Ferrari Lucas Alves Filha Swedenberger do Nascimento Barbosa Composição do Conselho Fiscal Titulares Pedro Gaudêncio de Castro (Presidente) Marcelo Cruz Fabiana Magalhães Almeida Rodopoulos Composição da Diretoria João Bosco de Almeida Marcos José Mota de Cerqueira José Ailton de Lima Mozart Bandeira Arnaud José Pedro de Alcântara Júnior pela Secretaria do Tesouro Nacional. Tem a função de fiscalizar a Administração, prezando pelo atendimento aos requisitos legais. Diretoria A Diretoria é constituída por um Diretor-Presidente e até cinco Diretores, com mandato de três anos, com direito a reeleição. Todos os seus membros são eleitos pelo Conselho de Administração e seu Diretor- Presidente não acumula a função de Presidente do Conselho de Administração. É responsável pela gestão da Companhia, aprovando as diretrizes internas e coordenando a operação dos negócios. Comitês Os Comitês internalizam a definição de diretrizes e o acompanhamento de iniciativas em temas específicos, reportando-se ao Diretor-Presidente. A Companhia conta com quatro comitês na sua estrutura de governança: Sustentabilidade Empresarial, Gestão de Riscos, Planejamento Empresarial e Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. Presidente Membro Membro Membro Membro Suplentes Marcos Spagnol Pedro Paulo da Cunha Fabrício Moura Moreira Diretor-Presidente Diretor Econômico Financeiro Diretor de Engenharia e Construção Diretor de Operação Diretor Administrativo 16

18 1.574 Dimensão Governança Corporativa Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental Código de Ética A Chesf adota o Código de Ética da Eletrobras, que define princípios éticos, valores e compromissos de conduta a serem seguidos por todos os empregados. O documento, que também está disponível em versão na linguagem braile, contribui para o alinhamento e o aprimoramento de práticas na asseguração de direitos individuais e coletivos e na defesa de interesses da Companhia. A disseminação desse Código cabe à Comissão de Ética da Empresa, que também monitora o seu cumprimento avaliando denúncias e eliminando desvios. Em 2011, foram dedicadas horas de treinamento ao tema direitos humanos, sendo capacitados 15,67% dos empregados da Chesf no ano. Ouvidoria A Ouvidoria fortalece a transparência da Chesf com seus públicos e recebe solicitações, sugestões, elogios, reclamações e denúncias, encaminhando essas questões com agilidade e objetividade. O canal está disponível pelo pelo site da Companhia, pelos telefones (81) / (81) e por carta (Companhia Hidro Elétrica do Rio São Francisco: Rua Delmiro Gouveia, 333 Ed. André Falcão, bloco D, sala 302, San Martin, Recife (PE), CEP ). Em 2011, recebeu manifestações, representando uma média mensal de 131 demandas e uma redução de 4% em relação às manifestações recebidas em Foram respondidas 64% das solicitações, com tempo médio de resposta de sete dias. Relacionamento com Investidores A Chesf, como empresa de capital aberto, está sujeita às regras da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A política de relacionamento da Companhia é pautada pela divulgação de informações com transparência, caracterizada pelo respeito aos princípios legais e éticos, alinhados às normas a que está submetida como concessionária de serviço público. manifestações foram recebidas pela Ouvidoria no ano, 4% menos do que em 2011 A Companhia possui um canal de divulgação de informações em seu portal corporativo na internet, link Relações com Investidores. A comunicação com seus acionistas é feita por meio de atendimento telefônico, correio padrão, presencial e endereçamento eletrônico. Controles Internos e Auditoria A gestão de controles internos está alinhada à Lei Sarbanes-Oxley, a fim de manter o registro da Eletrobras como American Depositary Receipts (ADR) nível II na Securities and Exchange Comission (SEC), órgão regulador do mercado de ações dos Estados Unidos. A efetividade e adequação desses controles, assim como o cumprimento de normas, regulamentos e legislação associados à operação da Companhia, são avaliadas de maneira imparcial pela Auditoria Interna, reportando-se diretamente ao Conselho de Administração. As atividades da Auditoria Interna são previstas em um Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna (PAINT), aprovado previamente pela Controladoria Geral da União (CGU). Já a auditoria externa da Chesf é realizada pela PricewaterhouseCoopers Auditores Independentes, por meio de contrato corporativo com a Eletrobras para o período de 2009 a Cabe à auditoria externa auditar as Demonstrações Contábeis da Companhia, em atendimento à Lei Societária. Durante o exercício de 2011, a PricewaterhouseCoopers Auditores Independentes não prestou outros serviços à Chesf, além dos apresentados acima. A Companhia não tem treinamento específico sobre políticas e procedimentos anticorrupção. Contudo, diversas capacitações sobre temas éticos foram realizadas, envolvendo centenas de empregados.

19 Gestão de Riscos Dimensão Governança Corporativa Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental 2011 O gerenciamento de riscos tem como objetivos gerar valor aos acionistas, minimizar perdas e contribuir para a longevidade da Empresa. A Gestão Integrada de Riscos (GIR) da Chesf compreende o Comitê de Riscos, os chamados Donos dos Riscos (risk owners) áreas onde o risco se manifesta e a Coordenadoria de Sustentabilidade Empresarial, Controle Interno e Gestão de Riscos (CSR), que dissemina as diretrizes do Comitê e apoia as áreas na mitigação de riscos. O Comitê de Riscos da Chesf é composto por representantes de todas as Diretorias e é responsável por definir políticas globais de gestão de riscos corporativos. Esse grupo teve, inclusive, importante papel na formulação da Política de Gestão de Riscos da Eletrobras, válida para todo o conglomerado. Criada em 2009, a CSR é responsável por identificar, avaliar e reportar os riscos inerentes ao negócio e responde diretamente ao Diretor- Presidente da Companhia. A questão das mudanças climáticas, e seus riscos e oportunidades, vem sendo estudada pela Companhia. Entre os principais riscos identificados está a possibilidade de que novas medidas regulatórias sejam voltadas à taxação de carbono, regulamentação e comércio de emissões. A Companhia trabalha no sentido de manter sua matriz energética prioritariamente renovável para proteger-se desse risco, pela aquisição de operações em energia eólica e hidráulica. Além disso, a Empresa mantém a contabilização de suas emissões de gases de efeito estufa (GEE), investe em projetos de ecoeficiência e conta com representantes em fóruns de regulamentação do setor. O impacto das mudanças climáticas, que alteram os regimes de chuvas, é percebido diretamente na operação das UHEs da Chesf. Por isso, a Companhia monitora preventivamente alterações nos regimes pluviais. A Chesf ainda divulga de forma transparente seu desempenho socioambiental. Dentre as oportunidades decorrentes das mudanças climáticas, destacam-se os projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) e demais potenciais projetos de comercialização de créditos de carbono. A crescente pressão para o reporte de emissões de GEE é vista como oportunidade para elevar o nível de transparência de comunicação com públicos de interesse. As mudanças climáticas ainda podem elevar o consumo de energia de clientes da Companhia, aumentando as receitas de vendas. Principais riscos Um mapeamento realizado em 2010 identificou os seguintes riscos aos quais a Chesf está exposta, organizados em oito grupos. Demonstrações Contábeis: refere-se ao risco de elaborar e divulgar Demonstrações Contábeis em desacordo com as legislações em vigor. A Chesf segue o Manual de Contabilidade do Setor Elétrico emitido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), estando também em conformidade com a legislação societária e as normas da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O registro contábil é realizado em sistema específico, confrontado mensalmente com os valores financeiros e revisado ao final do exercício por auditores independentes. Gestão de Sociedade de Propósito Específico e Consórcios: refere-se ao risco de insuficiência de controle sobre a gestão e operação de SPEs e Consórcios dos quais a Chesf participa. Atualmente, a Companhia é acionista em 12 SPEs, sendo cinco em transmissão, seis em geração e uma em construção, representando 5% de seu Patrimônio Líquido. O acompanhamento dessas empresas é realizado desde sua criação até o encerramento de atividades por meio de representantes da Chesf em documentos de acesso restrito aos envolvidos nesse processo. Os acordos de acionistas e contratos de SPEs são aprovados pelo Conselho de Administração e pela Diretoria. 18

20 Dimensão Governança Corporativa Chesf Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental 2011 Novos Negócios e Leilões: refere-se ao risco de decisões sobre a realização de novos negócios e a participação em leilões serem tomadas em desacordo com os objetivos estratégicos e de rentabilidade da Chesf. A Companhia organiza grupos de trabalho e comitês de projeto para avaliar novas oportunidades de negócios, abrangendo todas as áreas envolvidas e parceiros. Estudos de viabilidade do empreendimento são baseados em modelos pré-definidos e levam em conta riscos de mercado e inerentes a cada situação específica. Parceiros para novos empreendimentos são selecionados e avaliados em chamada pública, por meio de critérios específicos a cada situação, estabelecidos em edital. Gestão de Contencioso: está relacionado à possibilidade de atuação inadequada em processos judiciais e contingências de natureza cível, fiscaltributária, trabalhista e ambiental. A Chesf conta com um sistema para acompanhamento de processos judiciais e administrativos (Projur), de acesso restrito a pessoas autorizadas e ao advogado responsável pelo caso. A Companhia também está modelando processos da área de contencioso cível e trabalhista e não há tratamento específico para contingências de natureza ambiental, normalmente enquadradas como cíveis pela Empresa. Controles Ambientais: está relacionado à gestão inadequada de resíduos, efluentes, emissões atmosféricas e manejo de produtos. A Chesf vem desenvolvendo esforços no sentido de internalizar a questão ambiental, atenta ao cumprimento da legislação ambiental vigente e adotando uma postura preventiva no trato dos resíduos perigosos gerados na produção e transmissão de energia. Encontra-se em fase inicial de operação o Sistema de Indicadores Socioambientais para a Gestão da Sustentabilidade Empresarial do Sistema Eletrobrás (IGS). Disponibilidade de Suprimentos: refere-se à indisponibilidade de matérias-primas, serviços ou equipamentos críticos, colocando em risco a continuidade das operações da Companhia. A Chesf não tem alternativas para o suprimento de gás natural e óleo diesel. Administração Fiscal-Tributária: relaciona-se a possíveis práticas inadequadas de gestão fiscaltributária. A apuração e o encaminhamento de impostos cabem ao Departamento de Gestão Tributária e Fiscal da Chesf, que também busca a redução da carga tributária à qual a Companhia está sujeita. Disponibilidade de Geração: refere-se à indisponibilidade do sistema gerador de energia elétrica ou à incapacidade de mantê-lo operando adequadamente quando requisitado. A disponibilidade das usinas da Chesf é controlada pelo planejamento e programação da manutenção e operação eletroenergética, com detalhamento diário em tempo real, sob responsabilidade da Diretoria de Operações. 19

Companhia Hidro Elétrica do São Francisco CNPJ nº 33.541.368/0001 16 Companhia Aberta ÍNDICE

Companhia Hidro Elétrica do São Francisco CNPJ nº 33.541.368/0001 16 Companhia Aberta ÍNDICE ÍNDICE Relatório da Administração Pág. Mensagem da Diretoria 1 Perfil da Empresa 1 Relacionamento com Acionistas 2 Composição Acionária 2 Governança Corporativa 3 Mercado de Energia 4 Comercialização de

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais SUMÁRIO Demonstrações Contábeis Regulatórias Balanços Patrimoniais Regulatórios...3

Leia mais

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre o marco institucional das Concessões Vincendas de Energia Elétrica Setembro

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

Investimentos da AES Brasil chegam a R$ 1,1 bi em 2010 e meta é R$ 1,2 bi para 2011

Investimentos da AES Brasil chegam a R$ 1,1 bi em 2010 e meta é R$ 1,2 bi para 2011 Investimentos da AES Brasil chegam a R$ 1,1 bi em 2010 e meta é R$ 1,2 bi para 2011 Grupo aumentou quadro de colaboradores próprios em 29%. Juntas, AES Eletropaulo e AES Sul distribuíram energia para mais

Leia mais

Programa Pró-equidade de Gênero e Raça. Plano de Ação 5ª Edição. Apoio:

Programa Pró-equidade de Gênero e Raça. Plano de Ação 5ª Edição. Apoio: Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Secretaria de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres Coordenação de Autonomia Econômica das Mulheres Programa Pró-equidade

Leia mais

IMPACTOS SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

IMPACTOS SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA IMPACTOS SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução - Comentários Informações baseadas em abril de 2010. Furnas Centrais Elétricas S. A. - Empresa de geração e transmissão,

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor...

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor... 2517-00-EIA-RL-0001-02 Março de 2014 Rev. nº 01 LT 500 KV MANAUS BOA VISTA E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4 a. Identificação do Empreendedor... 1/4 b. Informações

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS Ubirajara Rocha Meira Diretor de Tecnologia 12ª Feira Internacional da Indústria Elétrica e Eletrônica Belo Horizonte MG 19-22 AGOSTO 2008 Sumário O Sistema

Leia mais

Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas Multiplataforma para Inspeção de Linhas de Transmissão

Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas Multiplataforma para Inspeção de Linhas de Transmissão Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas Multiplataforma para Inspeção de Linhas de Transmissão Willian Ramires Pires Bezerra Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Chesf Geraldo José Adabo Instituto

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Desempenho Operacional O total de venda, líquida da compra de energia, no primeiro trimestre de 2014 foi equivalente a 1.264,1

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia

Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia Relatório Sustainability de Sustentabilidade Report 2010 2010 Geração Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia

Leia mais

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES Fábio Sales Dias São Paulo, 14 de agosto de 2012 RESUMO Aspectos Regulatórios e Institucionais Aspectos de Mercado Competitividade Aspectos

Leia mais

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Diretrizes da CPFL de Energia Governança S.A. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário I Introdução 3 II Estrutura Corporativa

Leia mais

A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009

A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009 Interligação Tucuruí Macapá Manaus: integração da Amazônia ao SIN A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009 Objetivos do modelo do Setor Elétrico Segurança no Modicidade

Leia mais

As empresas Eletrobras

As empresas Eletrobras Perfil da empresa As empresas Eletrobras atuam na geração, transmissão e distribuição de energia elétrica no território brasileiro. São apresentadas nesta seção as organizações que compõem o conjunto empresarial,

Leia mais

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Valor faz parte de plano de investimentos crescentes focado em manutenção, modernização e expansão das operações

Leia mais

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária

Leia mais

Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil. Dourival de Souza Carvalho Junior. EPE Empresa de Pesquisa Energética

Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil. Dourival de Souza Carvalho Junior. EPE Empresa de Pesquisa Energética Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil Dourival de Souza Carvalho Junior EPE Empresa de Pesquisa Energética dourival.carvalho@epe.gov.br Desafios da incorporação de

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013

Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 Balanços Patrimoniais Regulatório e Societário Nota Societário Ajustes CPCs

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Este capítulo detalha como o Plano Estratégico do Sistema Eletrobras 2010-2020 foi construído e quais são as suas bases.

Este capítulo detalha como o Plano Estratégico do Sistema Eletrobras 2010-2020 foi construído e quais são as suas bases. 54 Relatório de Sustentabilidade do Sistema Eletrobras 2010 ESTRATÉGIA O primeiro Plano Estratégico do Sistema Eletrobras foi construído em conjunto por profissionais DE TODAS AS EMPRESAS e criou um sentimento

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

Classificação: Público

Classificação: Público Classificação: Público Classificação: Público Empresa Um dos maiores e mais sólidos grupos de energia elétrica do Brasil e América Latina, que completa 60 anos em 2012. Principais Atividades Energia: geração,

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES,

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

ISA CAPITAL DO BRASIL S.A.

ISA CAPITAL DO BRASIL S.A. S.A. Demonstrações financeiras 2012 1 Índice Demonstrações financeiras Relatório de Administração 4 Balanços Patrimoniais 9 Demonstrações de resultado 11 Demonstrações resultado abrangente 12 Demonstrações

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL Departamento de Planejamento, Pesquisa e Desenvolvimento - DPD Diretoria de Engenharia 1 ÍNDICE 1 PÚBLICO ALVO... 3 2 FINALIDADE...3 3 FUNDAMENTOS...

Leia mais

PROJETO UTE PAMPA SUL

PROJETO UTE PAMPA SUL PROJETO UTE PAMPA SUL 21/Junho/10 Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 UTLC 363 MW SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO EMPREENDEDOR PROJETO DA UTE PAMPA SUL 2 Sistema Elétrico Brasileiro

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - Desenvix Energias Renováveis S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - Desenvix Energias Renováveis S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I julho 2009 Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Rio de Janeiro, 10 de maio de 2013. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Desempenho Operacional LIGHT ENERGIA (GWh) 1T13 1T12 % Venda no Ambiente de Contratação Regulada 263,7 1.052,0-74,9% Venda no

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Relatório Sócioambiental 2012 da TSLE TRANSMISSORA SUL LITORÂNEA DE ENERGIA S.A.

Relatório Sócioambiental 2012 da TSLE TRANSMISSORA SUL LITORÂNEA DE ENERGIA S.A. Relatório Sócioambiental 2012 da TSLE TRANSMISSORA SUL LITORÂNEA DE ENERGIA S.A. Relatório Sócioambiental 2012 da TSLE TRANSMISSORA SUL LITORÂNEA DE ENERGIA S.A. Mensagem da Direção O Relatório Socioambiental

Leia mais

00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002)

00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002) Programa 2033 - Energia Elétrica Número de Ações 20 Tipo: Operações Especiais 00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002) Unidade

Leia mais

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Leilões de Energia Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Cidade do México, D.F. Jan/ 2013 Conteúdo Visão geral Leilões e contratos Processo e sistemáticas 2 Modelo Setor Elétrico Brasileiro Ambiente de contratação

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO A Ultrapar realizou em 2011 um programa de comunicação e disseminação do tema sustentabilidade entre seus colaboradores, com uma série de iniciativas voltadas para o engajamento e treinamento das pessoas.

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo São Paulo 12/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais de toda a cadeia produtiva do

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA CELG GT 001/2012

CHAMADA PÚBLICA CELG GT 001/2012 CHAMADA PÚBLICA CELG GT 001/2012 NOVAS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS PROCEDIMENTOS PARA SELEÇÃO DE EMPRESAS PRIVADAS, ESTATAIS, EMPREENDEDORES E INVESTIDORES PARA FORMAÇÃO DE PARCERIAS 1. OBJETO Constitui

Leia mais

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL.

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL. 1 OBJETO Constitui objeto desta Chamada Pública a seleção de potenciais parceiros privados detentores de capital, direitos, projetos e/ou oportunidades de negócio na área de energia, que considerem como

Leia mais

Perspectivas para o Setor Elétrico em 2014

Perspectivas para o Setor Elétrico em 2014 Perspectivas para o Setor Elétrico em 2014 BNDES - Escritórios Subsidiária BNDES PLC Londres (2009) Recife Brasília 2.857 empregados (Maio/14) São Paulo Rio de Janeiro Escritórios BNDES Uruguai Montevidéu

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA Guia Básico do Proponente Resumo das diretrizes e critérios da Coelba/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

LINHÃO DE TUCURUÍ 1.800 km DE IN- TEGRAÇÃO REGIONAL

LINHÃO DE TUCURUÍ 1.800 km DE IN- TEGRAÇÃO REGIONAL Artigo LINHÃO DE TUCURUÍ 1.800 km DE IN- TEGRAÇÃO REGIONAL Gabriel Nasser Doyle de Doile Rodrigo Limp Nascimento 58 RESUMO Para integrar o sistema elétrico das regiões de Manaus, Macapá e municípios situados

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Edina Biava Abrasca; Marco Antonio Muzilli IBRACON;

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ ORIGEM e COMPOSIÇÃO O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: -ABRASCA: Presidente - ANTONIO DUARTE CARVALHO

Leia mais

Uma introdução ao setor elétrico

Uma introdução ao setor elétrico Uma introdução ao setor elétrico No Brasil, as hidrelétricas respondem por aproximadamente 80% da eletricidade. Isso significa que, se por um lado, o país conta com a fonte mais barata para produção de

Leia mais

Resultados 3T11. Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011

Resultados 3T11. Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011 Resultados 3T11 Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011 Agenda Perfil Coelce e Conquistas 1 Mercado de Energia 2 Resultados Operacionais 3 Resultados Econômico-Financeiros 4 Perguntas e Respostas

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 Apresentação Nossa história Objetivos, Atribuições e Compromisso Nosso Método de Trabalho Manifestações dos Usuários 1. Quantidade 2. Tipos 3. Percentual

Leia mais

COMUNICADO DE PROGRESSO 2012/2013 (COP) PACTO GLOBAL ONU

COMUNICADO DE PROGRESSO 2012/2013 (COP) PACTO GLOBAL ONU COMUNICADO DE PROGRESSO 2012/2013 (COP) PACTO GLOBAL ONU SUMÁRIO 03 Declaração de apoio contínuo ao Pacto Global 04 Quem Somos 05 Nossa Missão, Visão e Valores 06 Pacto Global - ONU 07 Direitos Humanos

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

PREZADO ACESSANTE, ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM 10 PASSOS

PREZADO ACESSANTE, ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM 10 PASSOS PREZADO ACESSANTE, A legislação vigente assegura a todos os Agentes do setor elétrico e consumidores livres o acesso aos sistemas de transmissão de concessionário público de energia elétrica. O Operador

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - RENOVA ENERGIA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - RENOVA ENERGIA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente 6 Demonstração

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica

Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica PwC Energy Day 1º Seminário sobre aspectos de energia elétrica Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica Claudio J. D. Sales Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2011 O conteúdo deste relatório

Leia mais

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador XVIII ENCONSEL Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador Canela-RS Novembro de 2002 José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Aspectos Econômico-financeiros do Setor Elétrico Visão

Leia mais

CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A. CNPJ 06.981.180/0001-16 NIRE 31300020568 COMPANHIA ABERTA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA CONVOCAÇÃO

CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A. CNPJ 06.981.180/0001-16 NIRE 31300020568 COMPANHIA ABERTA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA CONVOCAÇÃO CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A. CNPJ 06.981.180/0001-16 NIRE 31300020568 COMPANHIA ABERTA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA CONVOCAÇÃO Fica a acionista Companhia Energética de Minas Gerais convocada para a Assembléia

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Companhia de Gás de São Paulo

Companhia de Gás de São Paulo Companhia de Gás de São Paulo Autora:Tatiana Helena Marques Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Mello Mestre em Administração de Empresas Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução:

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

Compromissos de Sustentabilidade. Coelce

Compromissos de Sustentabilidade. Coelce Compromissos de Sustentabilidade Coelce ÍNDICE 5 5 5 6 6 6 7 8 8 9 INTRODUÇÃO 1. DIRECIONADORES DAS RELAÇÕES E AÇÕES 1.1 Valores 1.2 Política de Sustentabilidade 2. COMPROMISSOS INSTITUCIONAIS 2.1 Pacto

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Nelson Leite Presidente da ABRADEE 1 Porto Alegre, 18 de junho de 2015 1 Agenda 1 - Panorama do setor de distribuição de E. Elétrica 2 - Perspectivas

Leia mais

Sustentabilidade e Diálogo no Setor Elétrico

Sustentabilidade e Diálogo no Setor Elétrico Sustentabilidade e Diálogo no Setor Elétrico II Seminário Ética, Sustentabilidade e Energia Tractebel Energia Alexandre Uhlig 13 de junho de 2013 Florianópolis O conteúdo deste relatório foi produzido

Leia mais

Demonstrações Contábeis Regulatórias Eletrosul Centrais Elétricas S/A Em 31 de dezembro de 2013. com relatório dos auditores independentes

Demonstrações Contábeis Regulatórias Eletrosul Centrais Elétricas S/A Em 31 de dezembro de 2013. com relatório dos auditores independentes Demonstrações Contábeis Regulatórias Eletrosul Centrais Elétricas S/A Em 31 de dezembro de 2013 com relatório dos auditores independentes 0 SUMÁRIO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES... 2 BALANÇO PATRIMONIAL...

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 01/2010 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 2 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA...3 3. CONTEXTO...4

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA Os valores que lastreiam as práticas da Companhia são: transparência, prestação de contas, conformidade e equidade. Transparência refere-se em particular às informações que têm reflexo

Leia mais

Sumário. Demonstrações Contábeis. Notas Explicativas. Pareceres

Sumário. Demonstrações Contábeis. Notas Explicativas. Pareceres Companhia Estadual de Energia Elétrica Participações Divisão Contábil Departamento de Demonstrações Contábeis DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DEZEMBRO 2007 Sumário Demonstrações Contábeis Relatório da Administração...

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais