TRANSFORMADORES PARA MEDIÇÃO E PROTEÇÃO ELÉTRICA TP, TC E CONJUNTOS DE MEDIÇÃO. TRANSFORMADORES DE FORÇA A SECO DE BAIXA TENSÃO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSFORMADORES PARA MEDIÇÃO E PROTEÇÃO ELÉTRICA TP, TC E CONJUNTOS DE MEDIÇÃO. TRANSFORMADORES DE FORÇA A SECO DE BAIXA TENSÃO."

Transcrição

1 TRNSFORMDORES PR MEDIÇÃO E PROTEÇÃO ELÉTRIC TP, TC E CONJUNTOS DE MEDIÇÃO. TRNSFORMDORES DE FORÇ SECO DE BIX TENSÃO. MIS LT TECNOLOGI EM TRNSFORMDORES

2 Brasformer Produtos Elétricos Ltda. teve início em 973, fabricando transformadores de distribuição a óleo mineral até 36, transformadores de baixa tensão a seco e posteriormente transformadores a óleo mineral para instrumentação até 69, em 987 mudouse para prédio próprio na Estrada das Lágrimas. Em 985 foi aberta a Braspel Indústria Eletrometalúrgica Ltda. fabricando acessórios para transformadores a óleo, chegando a produzir até 40 toneladas de radiadores aletados, válvulas tipo borboleta e comutadores de taps. Devido às solicitações do mercado a Braspel aumentou sua atuação, iniciando em 996 a fabricação de transformadores elétricos de Potencial e de a seco em epoxi de 0,6 a 36,, aplicados em medição e proteção de sistemas elétricos, fabricando também transformadores de distribuição, força e comando a seco. Desenvolvendo sua própria tecnologia, investiu em processos de fabricação e foi a pioneira no lançamento de peças compactas, atendendo às solicitações de clientes e fabricantes de painéis de média tensão, por peças menores. Em 00 a Braspel obteve a certificação ISO900 e vem desde então renovando essa certificação. Seus produtos são reconhecidos pelas concessionárias de energia elétrica do Brasil e da mérica Latina, fornecendo também transformadores para painéis elétricos de fabricantes nacionais, que através da globalização exportam para várias partes do mundo. No início de 0 com a fusão das duas empresas, o nome passou para Brasformer Braspel Produtos Elétricos Ltda. BRSFORMER BRSPEL, completou 38 anos, com inovações tecnológicas e competência. Investiu em infraestrutura, ampliando sua capacidade de produção e tem hoje modernas instalações para atender no fornecimento de transformadores para medições elétricas, conjunto de medição e sistemas de proteção nas classes: 0,6 7, 4, e 36,, tanto para o uso interno quanto externo. Buscando novos horizontes, com, persistência e dedicação, a BRSFORMER BRSPEL se orgulha de ter desenvolvido com tecnologia própria, peças de alta qualidade e, ao longo de sua história construiu uma imagem de destaque, sendo reconhecida como uma das principais empresas do segmento no mercado Brasileiro.

3 Transformadores de Uso Interno 7, a Uso Interno 7, a BPS 0 I BPS BPS I BCS 0 BCS R BPS BCS BCS C BPS I BCS 3 Base e Fusível BPS 3 BPS 3 I BCS BCS 4 Série BPS Especificações Técnicas Especificações Técnicas Série BCS Up Tensão Máx. Us Tensão Secundária Máx. Potência Térmica Pth Máx. NI Nível de Isolamento de Secundários Máx. (MediçãoM ou ProteçãoP) ltura Fixação Furo Diâm. de 3, P, P BPS 0 I /, 3a e 3b 34/95 / 35 / 5 / 75 / 35 / 35 / 5 / 75 / 35 BPS 0 I 00x0 6 BPS,,3a e 3b / / / 00 / BPS I BPS / , 3a e 3b,, 3a ou 3b /, 3a e 3b, 3a ou 3b /, 3a e 3b Carga Máx. () de para Secundário / 75 / 35 / 00 / / / / 00 / / / 00 / / / 00 / BPS x0 6 BPS 3 / / / 00 / / / 00 Carga Máx. () de para cada um dos Secundários 75 / 35 / 5 / 75 / / / 75 BPS 00x0 6 / 35 / 5 / 75 / 35 BPS I x0 4 BPS I / 00 / / / 00 / 75 / 35 / / 75 / 00 / BPS I x0 4 Revisão da Norma 6855/009, normalizou as seguintes cargas: e 00, mantendo os de s: 0,3 0,6, e 3 s cargas ditas eletrônicas Fator de Potência = a NBR normalizou cargas de: 5 0 Cj. (B+F) Conjunto (Base + Fusível) Fornecido nas correntes de 0,4 0,5,00 e, Medidas = 35 x 36 x 40. / / / 00 / BPS x0 6 BPS 3 I / 00 / / / 00 / 75 / 35 / 00 / BPS 3 I x0 4 4 * Sob Consulta 5 Fator Térmico Máx. (vide inf. gerais) Ip máx. Simples Ip máx. Religável Máx. de Secundários (Medição M ou Proteção P) Classe de Proteção 5 ou 0 de c/ (Baixa ou lta Reatância) B ou (M+P),( P+P),(M+M) Classe de Proteção 5 ou 0 de c/ (Baixa ou lta Reatância) B ou ltura Fixação Furo Diâm. de 3 30(7,) (,5) BCS 0 34/95,, ,5,5 5 BCS 0 36 **/0 0x0 4,7 BCS BCS R BORNE BORNE REBIXDO,,0,,0 400x 5,5 a 5 BCS 38 0 x0 8,5 * Sob consulta ** dimenção maior (0) é entre as extremidades das barras do primário 5,5 a 5 (,5) BCS R 38 0x0 8,5 BCSC BRR,,0 Maior 400 5,5 a 5 (,5) BCS C 0 0x0 8,5 BCS,,5 600x 5 BCS 3,,5 x 5 3 * Carga Máx. () para com Secundário,5 a (5),5 a 00 00() Carga Máx. () de para cada um dos Secundários,5 a,5 (5) BCS x30 4,5 a 5 (5) BCS x00 0 BCS 4,,5 0 00x0 5 3 *,5 a (),5 a 00() BCS x60 30

4 Uso Interno a 4, Transformadores de Uso Interno a 4, BCS BCS R BCS BPS 0 I BPS BPS l BCS 3 BCS 4 Especificações Técnicas Série BPS Especificações Técnicas Série BCS Up Tensão Máx. Us Tensão Secundária Máx. Potência Térmica Pth Máx. NI Nível de Isolamento de Secundários Máx. (MediçãoM ou ProteçãoP) ltura Fixação Furo Diâm. de 3, P, P BPS 0 I 4, 5/, 3a e 3b /5 BPS I 4, 5/ ou 3 /0 Carga Máx. () para com Secundário / 35 / 5 / 75 / 35 / 00 / / / 00 BPS 4, ,, 3a e 3b /0 / / 75 00/ 00 / / / 00 Carga Máx. () de para cada um dos Secundários / 35 / 5 / 75 / 35 BPS 0 I 00x0 6 / 75 / 35 / 00 / BPS I x0 35 / / / 00 / 00 BPS x * Sob Consulta * Sob Consulta Fator Térmico Máx. (vide inf. gerais) Ip máx. Simples Ip máx. Religável de Secundários Máx. (Medição M ou Proteção P) Classe de Proteção 5 ou 0 de com (Baixa ou lta Reatância) B ou (M+P), ( P+P), (M+M) Classe de Proteção 5 ou 0 de com (Baixa ou lta Reatância) B ou ltura Fixação Furo Diâm. de 3 BCS 4, /5, 400x 5,5 a 5 (,5) Carga Máx. () de para cada um dos Secundários BCS x30 9 BCS R 4, /5,,0 400x 5 BCS BCS 3 4, 4, /0 /0,,5,,5 Maior 600x x 5 5 Carga Máx. () para com Secundário,5 a 5 (,5) BCS R x30 9,5 a (5),5 a,5 a (,5) BCS 9 0 0x30 9,5 a 00 00(),5 a,5 a (5) BCS x00 5 BCS 4 4, /0,,5 0 00x0 5,5 a (),5 a,5 a 00 00() BCS x60 3

5 Uso Interno a 36, Transformadores de Uso Interno a 36, BCS 3 R BCS 3 BPS 3 BPS 30 I BPS 3 l BCS 33 BCS 34 Série BPS Especificações Técnicas Especificações Técnicas Série BCS Up Tensão Máx. Us Tensão Secundária Máx. Potência Térmica Pth Máx. NI Nível de Isolamento de Secundários Máx. Classe (MediçãoM ou ProteçãoP) Classe ltura Fixação Furo Diâm. de 3 * Sob Consulta, P, P BPS 30 I BPS 3 I Carga Máx. () para com Secundário / 00 / / / 00 Carga Máx. () de para cada um dos Secundários / 75 / 35 / 00 / BPS 3 I x5 46 BPS 3 36, 38 / 36, 38 / 36, , 3a e 3b 70/ , 3a e 3b 70/ ,, 3a e 3b 70/70 / 75 / 35 / 00 / / 35 / 5 / 75 / 35 BPS 30 I x00 / / 75 / 00 / / / 00 / / / 00 / BPS x5 49 Fator Térmico Máx. (vide inf. gerais) Ip máx. Simples Ip máx. Religável de Secundários Máx. (Medição M ou Proteção P) Classe de Proteção 5 ou 0 de com (Baixa ou lta Reatância) B ou (M+P),( P+P),(M+M) Classe de Proteção 5 ou 0 de com (Baixa ou lta Reatância) B ou ltura Fixação Furo Diâm. de * Sob Consulta BCS 3 36, 70/0,,0 600x 5,5 a (5) BCS 33 36, 70/70,,5 Maior x 5 Carga Máx. () para com Secundário Carga Máx. () para de cada um dos Secundários BCS x0 6,5 a 00 00(),5 a 5,5 a (5) BCS x0 48 BCS 34 36, 70/70,,5 0 00x0 5,5 a (),5 a 5,5 a (5) BCS x60 55

6 Transformadores de Uso Externo, a Uso Externo, a BPS 0 T BPS E BCS E BCS E BCS 3 E BPS T BCS 4 E BCJ 3 E BPS T BPS E Série BPS Especificações Técnicas Especificações Técnicas Série BCS BPS 0 T BPS T BPS E BPS T BPS E BCS E BCS 3 E BCS E BCS 4 E Up Tensão Máx. Us Tensão Secundária Máx. Potência Térmica Pth Máx. NI Nível de Isolamento de Secundários Máx. (MediçãoM ou ProteçãoP) ltura Fixação Furo Diâm. de 3, P, P / / /, 3a e 3b, 3a e 3b, 3a e 3b, 3a e 3b / 35 / 5 / 75 / 35 / 35 / 5 / 75 / 35 BPS 0 T x Carga Máx. () para com Secundário / 75 / 35 / 00 / Carga Máx. () de para cada um dos Secundários / 35 / 35 / 75 / 35 / 00 / 75 BPS T 65 x 6 75 / 75 / 5 / / / 5 / 5 / 75 / 75 BPS E x / 00 / / / 00 / 75 / 35 / 00 / BPS T x60 6,, 3a e 3b / / / 00 / / / 00 / / 75 / / 00 BPS E x0 3 NI Nível de Isolamento Fator Térmico Máx. (vide inf. Gerais) Ip máx. Simples Ip máx. Religável Qtde. máxima de secundários (MediçãoM ou ProteçãoP) Classe de Proteção 5 ou 0 de com (Baixa ou lta Reatância) B ou Classe de Proteção 5 ou 0 de com (Baixa ou lta Reatância) B ou ltura Fixação Furo Diâm. de 3,,0 600 x600 5,5 a 5 (,5) BCS E x /0,,5 Maior 0 600x 00x0 5 5,5 a (5),5 a 5 (,5) BCS 3 E x00 7,,5 Carga Máx. () para com Secundário,5 a 00 00() Carga Máx. () de para cada um dos Secundários,5 a (5) BCS E x 30 34/,, x a (00),5 a () BCS 4 E x 60 * Sob Consulta BJS 3 E Sob consulta * Sob Consulta 0

7 Transformadores de Uso Externo a 4, Uso Externo a 4, BCS E BCS E BPS E BPS 0 T BPS T BCS 3 E BCS 4 E Especificações Técnicas Série BPS Especificações Técnicas Série BCS BPS 0 T BPS T BPS E BCS E BCS 3 E BCS E BCS 4 E Up Tensão Máx. Us Tensão Secundária Máx. Potência Térmica Pth Máx. NI Nível de Isolamento de Secundários Máx. (MediçãoM ou ProteçãoP) ltura Fixação Furo Diâm. de 3, P, P 4, 5/, 3a e 3b /5 / 35 / 5 / 75 / 35 Carga Máx. () para de cada um dos secundários / 35 / 5 / 75 / 35 BPS 0 T x 3 4, 5/ , 3a e 3b /0 Carga Máx. () para com secundário / 00 / / / 00 / 75 / 35 / 00 / BPS T x70 4, ,, 3a e 3b /0 / / 00 / / / / 00 / / / 00 / / / 00 BPS E x00 36 NI Nível de Isolamento Fator Térmico Máx. (vide inf. Gerais) Ip máx. Simples Ip máx. Religável Qtde. máxima de secundários (MediçãoM ou ProteçãoP) Classe de Proteção 5 ou 0 de com (Baixa ou lta Reatância) B ou Classe de Proteção 5 ou 0 de com (Baixa ou lta Reatância) B ou ltura Fixação Furo Diâm. de 3 4, /0,,0 400x 5,5 a 5 (5) BCS E x0 4, /0,,5 Maior 0 600x 00x0 5 5,5 a 5 (5),5 a 5 (,5) BCS 3 E x00 0 4, /0,,5 Carga Máx. ( ) para com secundário,5 a 00 00() Carga Máx. () de para cada um dos secundários,5 a (5) BCS E x 38 4, /0,, x a (00),5 a () BCS 4 E x 76 * Sob Consulta * Sob Consulta 3

8 Transformadores de Uso Externo a 36, Uso Externo a 36, BCS 3 E BPS 3 E BCS 34 E BPS 30 T BPS 3 T BCS 33 E Especificações Técnicas Série BPS Especificações Técnicas Série BCS BPS 30 T BPS 3 T BPS 3 E BCS 33 E BCS 3 E BCS 34 E Up Tensão Máx. Us Tensão Secundária Máx. Potência Térmica Pth Máx. Derivação no secundário Religação no secundário NI Nível de Isolamento de Secundários Máx. (MediçãoM ou ProteçãoP) ltura Fixação Furo Diâm. de 3, P, P 6, 36, 38/ 38/ , 3a e 3b, 3a e 3b 70/00 70/00 Carga Máx. () para com secundário / 75 / 35 / 00 / Carga Máx. () para de cada um dos secundários / 35 / 5 / 75 / 35 BPS 30 T x 4 / 00 / / 00 / 00 / 75 / 35 / 00 / BPS 3 T x 48 36, ,, 3a e 3b 70/00 / / / 00 / / / 00 / / / 00 / BPS 3 E x80 94 NI Nível de Isolamento Fator Térmico Máx. (vide inf. Gerais) Ip máx. Simples Ip máx. Religável Qtde. máxima de secundários (MediçãoM ou ProteçãoP) Classe de Proteção 5 ou 0 de com (Baixa ou lta Reatância) B ou Classe de Proteção 5 ou 0 de com (Baixa ou lta Reatância) B ou ltura Fixação Furo Diâm. de 3 36, 70/00 N 600x 5,5 a 5 (5),5 a,5 5 (,5) BCS 33 E x , 70 /00 N Maior 0 00x0 5 Carga Máx. () para com secundário,5 a 00 00() Carga Máx. () para de cada um dos secundários,5 a (5) BCS 3 E x 44 36, 70/00 N x a 00 (00),5 a () BCS 34 E x 86 * Sob Consulta * Sob Consulta 4

9 Conjunto de Medição Transformadores de Potencial com alongamento para fusível Uso Externo a 4, Uso Interno 7, a BCPS 3 E BPS F Especificações Técnicas Série BCPS Especificações Técnicas Série BPS Informações Gerais: Composição do Conjunto 3 Polos em resina epoxi Cicloalifático, separados Polos Intercambiáveis Sendo cada um com: TP TC Para Raio Polimérico Caixa metálica de ligações secundárias Suporte de fixação Conforme NBR Sob Consulta: Telemetria Medição kwh Características especiais de fixação Outras normas (IEC / NSI) Up Tensão Máx. Us Tensão Secundária Máx. Potência Térmica Pth Máx. (MediçãoM ou ProteçãoP) NI Nível de Isolamento de Secundários Máx. do Conjunto ltura do Conjunto TP 0,3P 0,6P,P BCPS E / Carga Máx. () para com secundário / 35 / 5 / 75 / 35, 3a e 3b 34/95 BCPS E BCPS 3 E 4, 5/ / 35 / 5 / 75 / 35, 3a e 3b /0 BCPS 3 E Fator Térmico Máx. (vide inf. gerais) Ip máx. Simples Ip máx. Religável Qtde. máxima de secundários com Secundário (MediçãoM ou ProteçãoP) Classe de Proteção 5 a 0 de, com (Baixa ou lta Reatância) B ou TC BCPS E,,0 600 x600 5 Carga Máx. () para com secundário,5 a 5 BCPS 3 E,,0 400x 5,5 a 5 (,5 ) (5 ) Up Tensão Máx. Us Tensão Secundária Máx. Potência Térmica Pth Máx. NI Nível de Isolamento de Secundários Máx. (MediçãoM ou ProteçãoP) ltura Fixação Furo Diâm. de 3, P, P BPS F / , 3a e 3b Carga Máx. () para com secundário / / / 00 / Carga Máx. () para de cada um dos secundários / 35 / 5 / 75 / 35 BPS F x0 6 Informações Gerais: Fonecido sem fusível e sem terminal primário Equipado com mecanismo e Micro chave para indicar a queima do fusível Possibilidade de Trip para abertura do circuito Terminal Ho é a base metálica Sob Consulta: Terminal Ho com isolação de 9 Outras normas (IEC / NSI) Características especiais de fixação Caixa de terminais secundário com lacre 6 7

10 Transformadores de Uso Interno 7, a 36, Tipo Janela Transformadores de Uso Interno 0,6 a, Tipo Janela e Barra BCJ 0 BCJ 03 BCJ 09 BCJ 35 BCS 0 BCJ BCS 03 BCS 06 Especificações Técnicas Série BCJ Especificações Técnicas Série BCS / BCJ Informações Gerais: Montagem: Base Bicromatizada Classe de Isolação: 7, 36, K Ip = Nominal Nominal ( ou 5) Isolante: Resina Epóxi Descargas Parciais: < pc Frequência: /60Hz NORM: NBR 6855/9 E 680/9 Sob Consulta: s primárias acima de 000 Outras Relações com ou sem derivação Ip, Is, Ft, Ith e Frequência diferentes. Mais de Secundários Outras normas (IEC/NSI) Outras condições especiais especial Diâm. da Janela Ip Janela de 80 máxima para Um Secundário Medição ou Proteção 3C5,5/,C5,5/,C5,5/5 5/ 5/ / / 0B0 0B 0B70 0B 0B0 0B 0B60 0B 0B00 0B80 0B 0B360 0B400 0B400 0B400 0B400 máxima para Dois Secundário Medição + Proteção 3C,5 5 5,5,5, B0 0B0 0B0 0B 0B 0B 0B 0B 0B 0B 0B 0B00 0B00 0B00 0B00 0B00 Janela de 0 máxima para Um Secundário Medição ou Proteção 3C5 5 5, B0 0B30 0B 0B60 0B80 0B 0B0 0B 0B0 0B60 0B00 0B 0B30 0B360 0B400 0B400 máxima para Dois Secundário Medição + Proteção 3C,5,5 5,5,5,5,5, B5 0B0 0B0 0B0 0B 0B 0B 0B 0B 0B 0B 0B 0B00 0B00 0B00 0B00 BCJ BCJ 6 BCJ 35 BCJ 36 Obs.: s exatidões e cargas nas tabelas são orientativas e, dependendo da corrente primária e secundária poderá haver alterações. ltura Informações Gerais e Sob Consulta vide página Fixação Furo 3 (Oblongo) 8x x x x Classe de Isolação NI Nível de Isolamento Fator Térmico Diâmetro da Janela Bitola da Barra Ip = Máx.: (Medição ou Proteção) Classe de Proteção 5 ou 0 de com (Baixa ou lta Reatância) B ou ltura Fixação Furo Ø 7 x 3 Peso aproximado * Depende da RN = Relação Nominal pol BCJ 0 4 / 6 N 5,5 5 0 BCJ x0, BCJ 03 4/ 40 N 5 Carga Máx. () para com secundário,5 5 0/30 BCJ 03 0 x90 3 BCJ 09 4/ /80 N 5, BCJ x 6 BCS 0 4/ N 3/6 x ½ 5 5,5 0 BCS x 4,3 BCS 03 4/ N 3/8 x ½ 400 5,5 5 5 BCS x 3 BCS 06 4/ N 3/8 x ½ 5,5 5 5 BCS x 5

11 Transformadores de Transformadores de Uso Interno 0,6 a, Tipo Janela Uso Interno 0,6 Tipo Bucha BCJ 3 BCJ 04 BCB 0 BCJ 06 Série BCJ Especificações Técnicas Especificações Técnicas Série BCB Informações Gerais: Montagem: Base de lumínio Classe de Isolação: 0,6, Ip = Nominal Nominal Ith = 40 = Térmica Nominal Id =,5 x Ith = Dinâmica Nominal Isolante: Resina Epóxi Frequência: /60Hz NORM: NBR 6856/9 E 68/9 Sob Consulta: s primárias acima de 0 Outras Relações com ou sem derivação Ip, Is, Ft, Ith e Frequência diferentes. Mais de Secundário Outras normas (IEC/NSI) Outras condições especiais Caixa terminal secundário especial Classe de Isolação NBR NI Nível de Isolamento Fator Térmico Diâmetro da Janela Ip = Máx.: (MediçãoM ou ProteçãoP) Classe de Proteção 5 ou 0 de com (Baixa ou lta Reatância) B ou ltura Fixação Furo Ø 7 x 3 Peso aproximado 0B BCJ 03 4 / a ,5 5 BCJ /90 x9 7,5 BCJ 04 4/ Carga Máx. () para com secundário 5 BCJ x * Depende da RN = Relação Nominal Obs.: s exatidões e cargas nas tabelas são orientativas e, dependendo da corrente primária e secundária poderá haver alterações. BCJ 06 4/ *00 BCJ x0 Relação Nominal Ip () Is () EXTIDÃO 0B0 0B 0B0 0B 0B0 0B 0B 0B0 0B 0B 0B0 0B 0B 0B 0B 0B 0B 0B 0B 0B 0B 0B 0B Modelo BCB 08 BCB 00 BCB 09 BCB 0 BCB 0 BCB 08 BCB 09 BCB 08 BCB 00 BCB 0 BCB 03 BCB 06 BCB 00 BCB 08 BCB 00 BCB 0 BCB 06 BCB 06 BCB 09 BCB 0 BCB 0 BCB 07 BCB 07 Ø INTERNO () Ø EXTERNO () * Depende da RN = Relação Nominal Obs.: s exatidões e cargas nas tabelas são orientativas e, dependendo da corrente primária e secundária poderá haver alterações. LRGUR () Peso (Kg) Informações Gerais: Montagem: Base bicromatizada Características Elétricas: Ip = Nominal Nominal Encardaçados e Enverniz. / Impreg. com Resina Frequência:/60 Hz NORM: NBR 6856/9 E 68/9 Sob Consulta: Sem base Outras Relações com ou sem derivação especial Ip, Is, Ft, Ith e Frequência diferentes. Outros diâmetros de Janela Mais de Secundário Outras normas (IEC/NSI) Outras condições especiais Obs.: Equipamento fabricado para acoplamento a buchas de transformadores de alta potência como transformadores de corrente de neutro. Usado também em banco de capacitores. 0

12 Uso Interno 0,6 a 7, Transformadores de Força a Seco Uso Interno 0,6 a, Sem gabinete metálico ou caixa de proteção BPS 04 e BPS 05 Com gabinete metálico Série BPS Especificações Técnicas Especificações Técnicas Série TF Informações Gerais: Up = Tensão Nominal Us = Tensão Secundária Nominal Fst = Fator de Sobretensão Pth = Potência Térmica Nominal FaseFase = Fst =,0 FaseTerra = ou 3a Fst =,0 FaseTerra = 3b Fst =,90 Classe de temperatura: B (30ºC) Descargas Parciais: < pc Frequência: /60Hz NORM: NBR 6855/09 e 680/9 Modelo Uso Interno: Sem caixa de terminais secundários Parafusos, porcas e arruelas em aço bicromatizado Base de chapa bicromatizada Isolante: Resina Epoxi Up Tensão Máx. Us Tensão Secundária Máx. Potência Térmica Pth Máx. NI Nível de Isolamento de Secundários Máx. (MediçãoM ou ProteçãoP) ltura Fixação Furo Diâm. de 7, P, P BPS 04,0 té ou 0/30 Carga Máx. () para com secundário 5 a Carga Máx. () para de cada um dos secundários 5 a 5 35 BPS Ø 7 x74 8 BPS 05 7, té ou 0/40 5 a a BPS Ø 7 49x 6,6 Up Máx. Us Máx. Dimensões orientativas para Transformadores Trifásicos Informações Gerais: Uso: Iluminação Distribuição Monofásico e Trifásico Grau de proteção: IP00 sem caixa metálica Norma: NBR646/80 Materiais na fabricação: Núcleo de chapas siliciosas de cristais orientados, envernizado para eliminar ruídos. Bobinas com fios de cobre eletrolítico, envernizado para classes térmicas B (30 o C) calculados com fator de sobrecarga considerando temperatura ambiente de 40 o C. cessórios: Cx.de terminais nas laterais, parafusos para aterramento Terminais primários e secundários de latão ou barra de cobre eletrolítico lça para sustentação. Sob Consulta: Classes Térmicas: F (0 o C) ou H ( o C) Potências maiores do que K cessórios: Gabinete ou envólucro metálico IP > 00 Outros tipos de acessórios uto Transformadores: 0, 380 e 3 (olts) 3 Potência (K) Up Máx. Us Máx. Dimensões orientativas para Transformadores Trifásicos ltura Peso aproximado Fixação TIPO Potência (K) Continuação ltura Peso aproximado Fixação TIPO Pés de Fixação Pés de Fixação Rodas Bidirecionais

13 Uso Interno e Externo 7, a 36, Disposições dos Terminais Primários Informações gerais: Sob consulta: Modelos: BCS ao 4 Up = Tensão Nominal Us = Tensão Secundária Nominal Fst = Fator de Sobretensão Pth = Potência Térmica Nominal FaseFase = Fst =,0 cont. FaseTerra = Fst =,0 cont. e, em 30 seg. FaseTerra = 3a Fst =,0 cont. e,90 em 30 seg. FaseTerra = 3b Fst =,90 cont. Classe de temperatura: B (30ºC) Descargas Parciais: < pc Frequência: 60Hz (Nas planilhas), consultenos para Hz NORM: NBR 6855/09 e 680/9 Modelo Uso Interno: Sem caixa de terminais secundários Parafusos, porcas e arruelas em aço bicromatizado Base de chapa bicromatizada Isolante: Resina Epoxi Modelo Uso Externo: Caixa de terminais secundários com recurso p/ Lacre Parafuso, porcas e arruelas em aço inox Base de chapa galvanizada a fogo Isolante: Resina Epoxi Cicloalifática alores epeciais de Up, Us, Fst, Pth Frequência de Hz ou /60Hz. Mais de Secundários Pth maiores de 000 Especial Normas Internacionais (NSI IEC) Caixa de terminais sec. em posição ou medida especial Padrão Concessionária com Caixa para lacre nos modelos de uso interno ou externos TIPOS DE LIGÇÃO PR TENSÕES NO MESMO SECUNDÁRIO RELIGÇÃO: Us X Us Série Paralelo Duas tensões não simultaneamente (uma ou outra). Potência Nominal () em qualquer tensão Exemplo: 0 X 0 em 0 ou em 0 DERIÇÃO : Us / Us Duas tensões simultaneamente porém com Potência Nominal () somente na maior tensão Exemplo: 0 / 0 em 0 e em 0 BCS até 7 BCS até 900 BCS até BCS 9 a 00 Transformadores de Uso Interno e Externo 7, a 36, Informações gerais: Sob consulta: BCS 3 até 900 BCS 3 9 a Ip = Nomina Nominal Ft =, ;,5 ou,0 = Fator térmico Ith = 80xIp = Térmica Seg. Id =,5xIth = Dinâmica de Pico Classe de temperatura: B (30ºC) Isolante: Resina Epóxi Descargas Parciais: < pc Frequência: 60Hz (Dados das planilhas) NORM: NBR 6856/9 e 68/9 Modelo Uso Interno: Sem caixa de terminais secundários Parafusos, porcas e arruelas em aço bicromatizado ou ou latão estanhado Base de chapa bicromatizada Isolante: Resina Epoxi Caixa para lacre nos modelos de uso interno Ip em derivação ou religação ou RM Is especial () Frequência de Hz ou /60Hz. Ft acima de,0 Ith maior que 80 x Ip ou em k Mais de Secundários Cx.de sec. em posição ou medida especial Padrão Concessionária especial Normas Internacionais (NSI IEC) CLSSES DE EXTIDÃO PR TC MEDIÇÃO NBR,5 5, NSI 0, 0, 0,5 B B B4 B8 NBR 0B0 0B0 0B 0B 0B00 0B400 0B PROTEÇÃO NSI 0F0C,5 0F0C5 0F0C,5 0F0C5 0F0C 0F0C 0F0C00 Modelo Uso Externo: Caixa de terminais secundários com recurso p/ Lacre Parafuso, porcas e arruelas em aço inox ou latão estanhado BCS 4 BCS 4 Base de chapa galvanizada a fogo Construção p/ níveis de poluição pesado e muito 9 a a 0 Obs.: Cargas Normalizadas na revisão da Norma 6855/009 de TPs pesado e de s: 0,3 0,6, s cargas ditas eletrônicas Fator de Potência = a NBR noormalizou cargas Isolante: Resina Epoxi Cicloalifática de: BCS 3 a 000 BCS 4 até 900

14 Esquema de ligação para TPs em Delta berto TPs e TCs com dois ou mais secundários em derivação religação Fase / Fase Grupo Como ligar e escrever as tensões e potências TP Derivação Exemplo: 3/R3 : 0/40 (Uso simultâneo 0 e 40) Usando as duas tensões Pth = /, então = (x) Exceto para / / R3 Pth = Maior Us terá se usar só esta Us X X3 = 40 terrar X3 Se usar as tensões em derivação aterrar só X3 Menor Us terá se usar só esta Us X X = 0 terrar X TP Religação Exemplo: 3/R3 : x30 (Só pode usar uma das tensões) Maior Us Ligar 3 > X X = 30 Menor Us Ligar X 3 e X > X X = Tendo só TPs FaseFase (GL=) é possível fazer ligação FaseTerra? Sim! Usando 3 TPs Fase Fase GL = e aterrando todos os H Exemplo: Usando 3 TPs do GL= (3. : 0) e ligando como no diagrama abaixo. Esquema de ligação para 3 TPs em Estrela terrado s tensões entre: X X = 0 X X3 = 0 X X3 = 0 X X = 0 / R3 X X = 0 / R3 X3 X3 = 0 / R3 Ou seja: Para Us no exemplo = 0 Qualquer terminal X de cada TP contra terra dará Us / R3 Qualquer terminal X de cada TP contra outro Xn dará Us Fase / Terra Grupos, 3a e 3b TC Derivação Exemplo: / 00 / : 5 TC Dois Sec. Exemplo: : 55 Fechar: S S = S S3 = 00 S S4 = Obs.: s derivações são feitas pelo secundário S S = : 5 S S = : 5 Obs.: Os secundários não usados, deverão ser curtocircuitados TC Religação Exemplo: X 000 : 555 Maior Ip = 000: 555 Ligar P P3 e P P4 Menor Ip = : 555 Ligar P P3 Obs.: s religações são feitas pelo primário Os secundários não usados, deverão ser curtocircuitados 6 7

15 Brasformer Braspel Produtos Elétricos Ltda. Estrada das Lágrimas, 3034/38 Cep: 0400 São Paulo SP Tel.: endas: MIS LT TECNOLOGI EM TRNSFORMDORES

TRANSFORMADOR DE POTENCIAL INDUTIVO. Paraf. Fenda M5 x 12mm. Prisioneiro M6 x 20mm

TRANSFORMADOR DE POTENCIAL INDUTIVO. Paraf. Fenda M5 x 12mm. Prisioneiro M6 x 20mm TRANSFORMADOR DE POTENCIAL INDUTIVO Classe 15KV - Interno RPI-10 180 150 172 276 230 Paraf. Sextavado M10 x 20mm RPI-10 15kV 34/95/-kV Grupo de Ligação 1 2 Fator Sobretensão (Fst) Cont. / 30s 1,2 / 1,2

Leia mais

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. 1 2 ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. A energia é o núcleo dos acontecimentos,

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA MODELO TAM TRANSFORMADORES - TIPO TAM Os transformadores a seco moldados em resina epóxi são indicados para operar em locais que exigem segurança, os materiais utilizados em sua construção são de difícil

Leia mais

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMASE ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMASE ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMASE ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0064 TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

MODELOS: TRANSFORMADORES DE CORRENTE RH-80 RH-80B(500A) RH-80B(800A) RH-100 RH-40 RH-70 RH-78 RH-90 RH-120

MODELOS: TRANSFORMADORES DE CORRENTE RH-80 RH-80B(500A) RH-80B(800A) RH-100 RH-40 RH-70 RH-78 RH-90 RH-120 TRANSFORMADORES DE CORRENTE MODELOS: RH-80 RH-80B(500A) RH-80B(800A) RH-100 RH-40 RH-70 RH-78 RH-90 RH-120 www.anzo.com.br - contato@anzo.com.br 0 Modelo RH - 80 Os TC s foram desenvolvidos com características

Leia mais

Capacitores para Correção do Fator de Potência Bobinas de polipropileno metalizado, auto-regenerativo e com dielétrico seco Perdas dielétricas

Capacitores para Correção do Fator de Potência Bobinas de polipropileno metalizado, auto-regenerativo e com dielétrico seco Perdas dielétricas Capacitores para Correção do Fator de Potência Bobinas de polipropileno metalizado, auto-regenerativo e com dielétrico seco Perdas dielétricas menores que 0,4 W/kvar Dispositivo interruptor de segurança

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

GEAFOL - Transformadores a seco de 75 a 25.000 kva. Transformadores encapsulados em resina. Power Transmission and Distribution

GEAFOL - Transformadores a seco de 75 a 25.000 kva. Transformadores encapsulados em resina. Power Transmission and Distribution GEAFOL - Transformadores a seco de 5 a 5.000 kva Transformadores encapsulados em resina Power Transmission and Distribution Aplicações e Características Transformadores a seco Geafol de 5 a 5.000 kva Confiabilidade

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Relés de Sobrecarga Térmico RW Informações Gerais - Local para identificação - Tecla Reset + Multifunção

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

Capacitores Correção do Fator de Potência. Motores Automação Energia Tintas

Capacitores Correção do Fator de Potência. Motores Automação Energia Tintas Capacitores Correção do Fator de Potência Motores Automação Energia Tintas Unidade Capacitiva Monofásica - UCW g As unidades capacitivas monofásicas WEG, tipo UCW, são produzidas com filme de polipropileno

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Capacitores Correção do Fator de Potência. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Capacitores Correção do Fator de Potência. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Capacitores Correção do Fator de Potência Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas www.we.net Sumário Tecnoloia dos Capacitores...4 Linha de Produtos...5 UCW - Unidade Capacitiva Monofásica...6

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PAINÉIS COMPACTOS DE MÉDIA TENSÃO SÉRIE BEPAC MINISYS

PAINÉIS COMPACTOS DE MÉDIA TENSÃO SÉRIE BEPAC MINISYS PAINÉIS COMPACTOS DE MÉDIA TENSÃO SÉRIE BEPAC MINISYS IND. E COM. S./A MATRIZ Rua Cantagalo, 2187-03319-901 - Tatuapé - São Paulo - SP Fone: (011) 2942-4500 - Fax: (011) 2294-9371 - ligação gratuíta -

Leia mais

Transformadores de Corrente

Transformadores de Corrente Transformadores de Corrente Uso externo Isolado a óleo JOF (24 550) kv Descrição geral Os TCs to tipo JOF são utilizados em sistemas de alta tensão entre 24 e 550 kv. Eles transformam níveis elevados de

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

Relés de Sobrecarga Térmicos 3US

Relés de Sobrecarga Térmicos 3US Relés de Sobrecarga Térmicos US Relés de Sobrecarga Térmicos US /2 / /5 /8 Resumo Tabela de Seleção Informações Técnicas Esquema Dimensional catalogo TS_ cap.indd 1 Relés de Sobrecarga Térmicos US Relés

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

ENERGIA EM TODOS OS MOMENTOS

ENERGIA EM TODOS OS MOMENTOS ENERGIA EM TODOS OS MOMENTOS ENERGIA EM TODOS OS MOMENTOS Somos a Eikon Sistemas de Eneria, uma empresa com foco na inovação e qualidade de seus produtos, além da expertise no desenvolvimento de soluções

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO ITEM R$

ESPECIFICAÇÃO DO ITEM R$ ANEXO 2 Planilha Orçamentária Estimativa de Quantitativos e Preços Máximos Global e Unitários LOTE ÚNICO ESPECIFICAÇÃO DO ITEM Qtde. Unitário R$ Total R$ 01 02 03 04 05 CHAVE NIVEL TIPO BOIA,ATUACAO: ALARME

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

Relé Auxiliar RCA 116

Relé Auxiliar RCA 116 Relé Auxiliar RCA 116 Aplicação, Estrutura e Funcionamento. Aplicação O Relé Auxiliar RCA 116 é especialmente apropriado para uso em instalações de comando manual, controles automáticos e supervisão. O

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO 7. CONTEÚDO Transformadores para Instrumentos 145 kv 7.1. Geral PG. 7.2. Normas 7.3. Escopo de Fornecimento 7.4. Características Elétricas 7.4.1. Gerais 7.4.2. Transformadores de Corrente 03 7.4.3.

Leia mais

PICCOLO. Empresa. Relatório de Ensaio. Características Gerais. Características Construtivas

PICCOLO. Empresa. Relatório de Ensaio. Características Gerais. Características Construtivas Empresa 08 de maio de 1971 - O Engº Paschoal Graziano, com vasta experiência no mercado de eletroeletrônica, e o filho Engº Nunziante Graziano Neto, com a garra e a determinação de um jovem engenheiro,

Leia mais

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono.

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Definição ( montado): é uma combinação de dispositivos e equipamentos de manobra,

Leia mais

Portaria Inmetro nº 159, de 09 de maio de 2007.

Portaria Inmetro nº 159, de 09 de maio de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro nº 159, de 09 de maio

Leia mais

Transformador a seco Resi R

Transformador a seco Resi R Transformador Resi a seco R APLICAÇÃO A utilização de materiais isolantes de alta qualidade e um adequado projeto estrutural e construtivo da parte ativa, tornam os transformadores a seco de distribuição

Leia mais

2. APLICAÇÃO Ignição por centelhamento elétrico para queimadores a gás.

2. APLICAÇÃO Ignição por centelhamento elétrico para queimadores a gás. PRODUTO: ACS-TE-1-C4 FOLHA TÉCNICA 1/7 1. CERTIFICAÇÕES DA SELCON 2. APLICAÇÃO Ignição por centelhamento elétrico para queimadores a gás. IMPORTANTE: Este transformador de ignição está sendo substituído

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Contatores para Manobra de Capacitores

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Contatores para Manobra de Capacitores Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Contatores para Manobra de Capacitores Manobras de Capacitores para Correção do Fator de Potência A linha de contatores especiais CWMC

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR

RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR Tel.: (021) 2583 6737 Fax.: (021) 2583 6737 Cel.: (021) 9159 4057 dsp@dsp-rj.com.br 1 / 9 Sumário 1 OBJETIVO... 3 2- NORMAS APLICÁVEIS...

Leia mais

PFW01 Controlador Automático do Fator de Potência

PFW01 Controlador Automático do Fator de Potência Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas PFW01 Controlador Automático do Fator de Potência Manual de Instalação, Operação e Manutenção Atenção Você está utilizando um equipamento que

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

Transformadores Secos. Motores Automação Energia Tintas

Transformadores Secos. Motores Automação Energia Tintas Motores Automação Energia Tintas www.weg.net Em um Transformador Seco WEG, há mais de 40 anos de experiência na fabricação de motores elétricos, mais de 25 anos na fabricação de transformadores e toda

Leia mais

Treinamento em transformadores- Programa 1

Treinamento em transformadores- Programa 1 Treinamento em transformadores- Programa 1 Módulo 1: Núcleo Caminho de passagem da energia magnética Perdas a vazio Corrente de excitação Nível de ruído Descargas parciais Gás-cromatografia Chapas de M4

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383 bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

isto é Magnet! 50 anos priorizando a qualidade,

isto é Magnet! 50 anos priorizando a qualidade, Catálogo 2012 50 anos priorizando a qualidade, isto é Magnet! Em 2012, a Magnet completa 50 anos de atividades, história que começou com a sua fundação, em 1962, na cidade de São Paulo, com uma produção,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES - PERDAS EM VAZIO Potência absorvida pelo transformador quando alimentado em tensão e frequência nominais,

Leia mais

Catalogo Técnico. Disjuntor Motor BDM-NG

Catalogo Técnico. Disjuntor Motor BDM-NG Catalogo Técnico Disjuntor Motor BDM-NG Disjuntores-Motor BDM-NG Generalidade: O disjuntor-motor BDM-NG,Tripolar, são termomagnéticos compactos e limitadores de corrente. Ideal para o comando e a proteção

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO CUIABÁ MT OUTUBRO DE 2003 1 PCH BARUITO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO Empreendedor : Global Energia Elétrica S/A Empreendimento:

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

Proteção de Sistemas Elétricos Disjuntores, DR e DPS. Júlio Bortolini Engenheiro Eletricista Soprano Eletrometalúrgica e Hid. Ltda

Proteção de Sistemas Elétricos Disjuntores, DR e DPS. Júlio Bortolini Engenheiro Eletricista Soprano Eletrometalúrgica e Hid. Ltda Proteção de Sistemas Elétricos Disjuntores, DR e DPS Júlio Bortolini Engenheiro Eletricista Soprano Eletrometalúrgica e Hid. Ltda DISJUNTORES Definição Disjuntor Disjuntor: dispositivo de seccionamento

Leia mais

CONTATORES E RELÉS DE SOBRECARGA

CONTATORES E RELÉS DE SOBRECARGA Mod. 0.0/0.0 Sujeito a alterações sem prévio aviso. WEG CIONMENTOS V. PREF. WLDEMR GRUBB, 00 800 JRGUÁ DO SUL SC TEL. (7) 700 FX (7) 70 http://www.weg.com.br email : wamkt@weg.com.br SÃO PULO: TEL. ()

Leia mais

INDICE CONTROLE DE REVISÃO

INDICE CONTROLE DE REVISÃO INDICE 1.0 FINALIDADE PG 03 2.0 APLICAÇÃO PG 03 3.0 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA PG 03 4.0 TERMINOLOGIA PG 03 5.0 CARACTERÍSTICAS GERAIS PG 03 6.0 INSTALAÇÃO PG 06 7.0 COMPONENTES PG 07 8.0 OPERAÇÃO PG 22

Leia mais

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l Análise da Corrente de Curto - Circuito A Análise da corrente de curto circuito em sistemas de baixa tensão é necessária para dimensionar corretamente a proteção do equipamento (disjuntor de proteção)

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-025/2013 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-025/2013 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE /2013 DECISÃO TÉCNICA /2013 R- PARA FORMAR UM BANCO TRIFÁSICO FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica apresenta critérios para instalação

Leia mais

ANEXO AO ADITAMENTO N. 003 LISTA DE DOCUMENTOS NOVOS / ATUALIZADOS

ANEXO AO ADITAMENTO N. 003 LISTA DE DOCUMENTOS NOVOS / ATUALIZADOS ANEXO AO ADITAMENTO N. 003 LISTA DE DOCUMENTOS NOVOS / ATUALIZADOS Arquivo Revisão Descrição 0803-PE-DE-200-00-002 C GERAL ARRANJO GERAL PLANTA 0803-PE-DE-230-00-001 B GERAL DIAGRAMA UNIFILAR GERAL SIMPLIFICADO.

Leia mais

CABOS ISOLADOS / COBERTOS DE BAIXA TENSÃO (até 1kV) Nota: Sob consulta, os cabos Forex, Flexonax, Forenax, Forefix podem ser fornecidos com armadura Fio e Cabo WPP Cordão FOREPLAST (300 V) Os fios WPP

Leia mais

CERTIFICADO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO

CERTIFICADO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 1 Empresa 08 de maio de 1971 - O Engº Paschoal Graziano, com vasta experiência no mercado de eletroeletrônica, e o filho Engº Nunziante Graziano Neto, com a garra e a determinação de um jovem engenheiro,

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PEA - Eletrotécnica Geral 1 PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS OBJETIVOS Estudar: Constituição de uma instalação elétrica Tipos de instalações elétricas Funcionamento de circuitos típicos Representação de

Leia mais

Proteção Diferencial

Proteção Diferencial GE Consumer & Industrial GE Energy Management Industrial Solutions Proteção Diferencial DR - Interruptor Diferencial Residual DDR - Disjuntor com Proteção Diferencial DOC (Diff-o-Click) - Blocos Diferenciais

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Contatores para Aplicações de Segurança

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Contatores para Aplicações de Segurança Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Contatores para Aplicações de Segurança Contatores para Aplicações de Segurança Com a crescente conscientização da necessidade de avaliação dos

Leia mais

Termopares Convencionais I

Termopares Convencionais I Termopares Convencionais I Introdução Definimos Termopares como sensores de medição de temperatura que são constituídos por dois condutores metálicos e distintos, puros ou homogêneos. Em uma de suas extremidades

Leia mais

TTL TRANSFORMADORES TUPÃ LTDA É a primeira fábrica de transformadores da Amazônia Oriental, desde 1992 energizando o Norte do país.

TTL TRANSFORMADORES TUPÃ LTDA É a primeira fábrica de transformadores da Amazônia Oriental, desde 1992 energizando o Norte do país. PORTFÓLIO TTL TRANSFORMADORES TUPÃ LTDA É a primeira fábrica de transformadores da Amazônia Oriental, desde 1992 energizando o Norte do país. São 20 anos de parceria com nossos clientes, fornecedores e

Leia mais

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO ELETRIFICADOR DE CERCA EC- rural MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO Esta página foi intencionalmente deixada em branco. CUIDADOS NA INSTALAÇÃO

Leia mais

Disjuntores-Motor BDM-G. Dados Técnicos Características Gerais. Posições das teclas

Disjuntores-Motor BDM-G. Dados Técnicos Características Gerais. Posições das teclas Disjuntores-Motor BDM-G Generalidade: O disjuntor-motor BDM-G,Tripolar, são termomagnéticos compactos e limitadores de corrente. Ideal para o comando e a proteção dos motores. Possuem alta capacidade de

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto

Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto Descrição do Produto A Série Energy da Altus traz uma solução confiável para um dos pontos mais críticos em uma aplicação industrial: o fornecimento de alimentação para todos os dispositivos do sistema

Leia mais

Transformadores trifásicos de distribuição

Transformadores trifásicos de distribuição s Transformadores trifásicos de distribuição Transformadores Siemens fabrica a mais completa linha de transformadores de distribuição imersos em óleo mineral isolante, desde kv para redes aéreas até 10.000

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Renz Multimedidor MGG-92 ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 3 1.1 Aplicação 2.0 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 2.1 Mecânicas 2.2 Elétricas 2.3 Grandezas Elétricas medidas e/ou calculadas 3.0

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES E CERTIFICADO DE GARANTIA 1 2 INTRODUÇÃO Obrigado por adquirir nosso produto e confiar na marca BOOG. Esteja certo de que você acaba de adquirir um produto de eficiente desempenho,

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

Características & Interligação. Módulo APGV. Módulo Ponte Graetz com Ventilação Forçada. Revisão 00 de 13/05/10

Características & Interligação. Módulo APGV. Módulo Ponte Graetz com Ventilação Forçada. Revisão 00 de 13/05/10 Características & Interligação Módulo APGV Módulo Ponte Graetz com Ventilação Forçada Revisão 00 de 13/05/10 Direitos Reservados à Todas as informações contidas neste manual são de uso exclusivo da Equipamentos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Contatores para Aplicações de Segurança

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Contatores para Aplicações de Segurança Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Contatores para Aplicações de Segurança Com a crescente conscientização da necessidade de avaliação dos riscos na operação de máquinas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução A questão do fornecimento de energia elétrica é de suma importância para um funcionamento adequado de equipamentos eletro-eletrônicos. Assim sendo, cabe ao poder

Leia mais

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição:

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição: Capítulo2 CHAVE-FUÍVEI PARA PROTEÇÃO DE ALIMENTADORE E TRANFORMADORE 2.1 Introdução Classicamente, os sistemas de distribuição primários, aéreos, trifásicos e aterrados, constituídos por condutores nus,

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

www.siemens.com.br/3nj4 Sentron 3NJ4 e 3NJ5 Seccionadores Fusíveis Verticais Maior segurança em soluções compactas

www.siemens.com.br/3nj4 Sentron 3NJ4 e 3NJ5 Seccionadores Fusíveis Verticais Maior segurança em soluções compactas www.siemens.com.br/3nj4 Sentron 3NJ4 e 3NJ5 Seccionadores Fusíveis Verticais Maior segurança em soluções compactas Verticais SENTRON Maior segurança em soluções compactas SENTRON: Dispositivos para distribuição

Leia mais

Acessórios Desconectáveis 200A

Acessórios Desconectáveis 200A 200A APLICAÇÃO Os Acessórios da Prysmian possuem uma concepção de projeto baseada no sistema plugue - tomada, porém para tensões, permitindo fácil conexão e desconexão de um cabo de potência, de um equipamento,

Leia mais

abb Características Ficha técnica IDM 96 Multimedidor Três displays de LED

abb Características Ficha técnica IDM 96 Multimedidor Três displays de LED Ficha técnica IDM 96 Multimedidor Multimedidor para sistemas trifásicos ou monofásicos com medição de 56 variáveis elétricas. Possui medição de harmônicas até a 63ª ordem, THD para corrente e captura de

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar Minidisjuntores MBW Correntes nominais de 2 a 70 A Curvas de disparo B e C Versões monopolar, bipolar, tripolar e tetrapolar Interruptores Diferenciais Residuais DRs RBW Sensibilidade de ou 0mA Correntes

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO MOTORES ELÉTRICOS DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA E BAIXA TENSÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO MOTORES ELÉTRICOS DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA E BAIXA TENSÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO MOTORES ELÉTRICOS DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA E BAIXA TENSÃO PREFÁCIO O motor elétrico! WEG INDUSTRIAS S.A. - MÁQUINAS ---- IMPORTANTE ---- LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

Leia mais

SIMBOX XF. Design Segurança Fácil instalação. Quadros de distribuição de energia. A melhor opção em quadros de distribuição de energia.

SIMBOX XF. Design Segurança Fácil instalação. Quadros de distribuição de energia. A melhor opção em quadros de distribuição de energia. Fabricado no Brasil SIMBOX XF Quadros de distribuição de energia A melhor opção em quadros de distribuição de energia. Design Segurança Fácil instalação www.siemens.com.br/simboxxf SIMBOX XF Por fora muito

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. CAIXA DE MEDIÇÃO EM 34, kv 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de

Leia mais

PROCEDIMENTO TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO COM ISOLAMENTO SECO

PROCEDIMENTO TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO COM ISOLAMENTO SECO Sistema Normativo Corporativo PROCEDIMENTO T Í T U L O VERSÃO DATA DA VIGÊNCIA Nº ATA Nº DATA 00-28/06/20111 28/06/2011 APROVADO POR Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

R & R Projetos e Instalações Ltda ( MASTER Engenharia em Eletricidade)

R & R Projetos e Instalações Ltda ( MASTER Engenharia em Eletricidade) PROJETO ELÉTRICO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA CEFET - BA MEMORIAL DESCRITIVO Este projeto visa a unificação de medição de média tensão, reforma da subestação II e instalação de alimentadores

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 42BEspecificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva 38BEngetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: Hwww.engetron.com.br

Leia mais

MULTIMETRO DIGITAL Série DMK20 DMK50

MULTIMETRO DIGITAL Série DMK20 DMK50 MULTIMETRO DIGITAL Série DMK20 DMK50 MANUAL TÉCNICO DE INSTALAÇÃO Manual DMK20 DMK50 rev01-04 1 / 1 8/10/2004 1. INTRODUÇÃO Dimensões compactas 96x96 mm 4 displays a LED Simplicidade na instalação e programação

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DA SUBESTAÇÃO ELÉTRICA ELÉTRICO-SUBESTAÇÃO ABRIGADA 2MVA 1/6 NOVO FÓRUM DA

Leia mais