" '' ll,f'""''" : ' ' i,'mhh mmf' «jii' ih^h-i^i-»)-!'!;!1 ' i»i ',»;«" m ";' '"' '" " '^ ' '",' j'i'-' NA FABRICA CONFIANÇA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "" '' ll,f'""''" : ' ' i,'mhh mmf' «jii' ih^h-i^i-»)-!'!;!1 ' i»i ',»;«" m ";' '"' '" " '^ ' '",' j'i'-' NA FABRICA CONFIANÇA"

Transcrição

1 , : CS ESTUDANfES lolapol PO APELO POR PACTO SE ru f >LVÀDQR rnteotadopqh 5 ( PÍ. O CONSELHO ORDNÁRO POS mvè$$tabo#bahíanos. CONVOCADO PELA UNÃQ DOÍESTUDANTES DA BAHA TRÊS REPRESENTANTES " DE CADA DRETÓRO ACADÊMCO, APROVOU POR UNANMDADE APOAR O APELO DO CONSE. «S M Pz P UM ST TP W«AS COCO GHAKDK POTÊNCAS A PROPOSTA FO APHESBNTADA PELO ESTUDA». : "\ff,~.," f r" ".:/. mm,qtm<0l, yp# (ÉSpENTE,PA UNÃO DOS ESDAN PA BA MA, "../ ;". " "" [\....H.... t ír " ll,f""" :,mhh mmf «j hh»)!!;!»,»;«" m "; " " " ", j." V " " ", f / ) ;.,,.,.AÍ. ~ ~ ~~r f,"",",/" " :"" "". :" ::: àéêêêmêêêêêêêàm..:.émmmm A. ", ~. A Escandaloso açwm &o teíjfq preto órg homens de confança natf C P e 0j 4é F&ewfa DEZ ML SACAS DO "CHUMBNHO" COMPRADAS CQM p Pm#RO DO POVO, ESTAQ APODRECENDO NO CAS DO PORTO MESMO POSTA A VENDA ESSA PARTDA. NA DA REPRESENTARA CONTRA OS ACAMBARCADÔRES DO PEJÁO PRETO MANOBRAS DOS ESPECULADORES ÇÒM?ÍÍAP AS ÇQM 0$. PRÓPROS HOMENS DO GOVERNO AA:..A _ PLKNA época da saíra EM do fejão preto, justamcnte no tempo cm que este deva ser mas abundante, fal a à mesa do caroca o seu almento básco e tradconal. Há cosa de umas trcs semanas o fejío preto, como por mstéro, nüo aparece mas nos armazéns e nas feras. Dcbaldc as donas de casa preocupadas com o almoço da famíla percorrem as vendas à procura ce fe.jüo preto. Só por muta sorte o :up conseguem adqurr um lulr. Aítcst o consumo do lejlo preto no Ro ora dc 240 mlnuuospòr ca. Atualmente, p.ram na praça, ; cmawíí? ms 4fc ml qulos.em tro "cerca" ;ram faltando de,?" ml paa atender às necrjdacles mínmas do cany:\.. porque faltam esses 200 nv! qulos? A resposta ésmpes. Porque está havendo, so!) a crmnosa proteçáo do íjo.orno de Vargas, uma revoltántè manobra de açambarcamento por parte cos tubarões do fejão. nsacáves em sua fome de dnhero, não estão satsfetos com ó aumento que já t veram há pouco, de 50 canfavos no qulo. Querem pas; querem qüe o preço dò fejfo preto seja fxado en CrÇ. 4,50. r ENTRA EM CENA A CCP Loro que prlnopqu j escassear o fejáp ptett, o sr.. Cabello, da CCP, homem de confança do Getulo. não gnorava tratarse de çartooa geralmente sü conso ne fejão prelo.,, A CCP veo em socorro dos donos dos estoques encalhados dc íéljfto retumbnhp e rhuatlhlo. KesolVü coírpràlos. Á CõmâíuQ de Flhafctarríerto da Fazenda Prodíco 4d Mnls rlb dft éntfpú:.cbm o captal. É ps donos do. fejjlo ehuwbnhp e nuaufuo íjnram um ouuq negoco, espptadó, com dnhero Arançado, ao póvp,.qífjhérp dos cofres putjllcos. Nlp Sé sabe se houve gratflçap&ss nem dè quanto. E O FEJÃO APODRECE Tanto jíao era ntencão?dos homens da CCP jo ar; esse :féjao.;clvumbhhb»tônteteado do Ro, què ha 5 das desde que chegoy à prmera uma ndecorosa manobra de açítmbarcamcnto. Mas dénuncou este fato, pedu meddas para por na cadea os açambarcaclpros? Longe dsto, o homem da CCP compactuou com os.tubarões. Vsando üudr o povo. anuncou grandes provdencas que, segundo "doabastecmento plevvkam. soluconar.ocaso, de íèjaó, UMA. NEGOCATA ATRAZ JOÈ OUTRA partda 0 ml sacas estão bchando e.apodrecendo nos As provdencas da CCP se armazéns do Caís do Porto. resumram em propcar mas uma negocata à.margem da Feta a negpcatao fejap é dexado em um canto qualquer. manobra de açambarcamento do fejão preto. Acontece que uma grande partda de fejao mulatnho e chumbnho Estabêlécêsé então um jo JOGO DE EMPURRA estava encalhada no Paraná go de empurra, cujo únco e em S5o Paulo. Seus donos Objetvo é taplar òs ncáütds. nao encontravam mercado A Comssão de Fnancamento oferece o fejão chumbnho para esse tlpò de fejão. Nem pensavam vendêlo no Ro, porque, nnguém gnora que o (Conclu na V Pág.) NA FABRCA CONFANÇA mw. n. > Hl" lwv L l,.,!»» r r Ú í R ET Ô»: PEQftÒ («$ ímk r ASO V, fwtt fppé JANERO, DOMNCJO, 6 DE MAO W % l APANHADO EM FLAGRANTE VNGOUSE COVARDEMENTE DEMTNDO O TRABA ;: ÍHADOR QUE Ò DESMASCAROU Acuàava os oporáros e negavalhes anenq de íàláro alegando que a íábrca estara dande pèjuzo por causa d os roubos de pano... f\ PRETOR PKESDENTE. dá Fábfc de Tecdos Cónfãfçacaldev, apanhado em flagrante, qmn. do um prètendfsswlár CànrnRo. cohí5" caxas e 47 fardos de tecdos, para un ostabòlecmèrltõ dé sua proprédade pátcülar. O fato r:\percutt rríèdátàncnte em toda a fábrleíjj. assumndo aspècto de verdere) scândâ lò, embora os prncpas rêsbohsavès dá.cpnfatíças térvt?.ssén.abaíáro caso. A uv ÜÍéná;ad dós trabalhadores dante co roubo, de psnd èx6 cutado pelo «dr.í».; :Léâo fò tanto fnns séra qúãrtô se P OS CAMPEÕES Bas assnaturas Pela Paz Emulação entre as organzações democrátcas e patrótcas quecarão para à ruas nmf data da vtóra dos povos sôbre os exérctos dè Htler Báses do.grâttde conpuíão MOVMENTO Braslero dos 0 Pavtdros da Paz, aprovetnndo o da 8 de mao, jgnlo os povos de todo o mundo ceeram a vtora sobre os e?éwíos nazstas da Alemanha htle número de assnaturas recolhe nesse da recetíerá uma caxa cw madera lavrada t presente fos partdáros da Paz poloneses, a delegação braslera, ao Congressp Mundal da rúz... 2) À s6ca da Assocação lre tsta, nsttuu pcmos parp. os júe coletarem mas assnaturas, mna do Dstrto Fedtral c\uá lesse e a, através de comandos maor número de assnaturas recolher, receberá udk fna cenr >f quasquer outras ncatvas. rera e uma caxa de madera, São. as seguntes a» bases do trabalhob urtíátcos poloneses concurso promovdo pelo Mov. ofertados à delefcação braslera. mento dos Purtdávos da aü: Ao 2. c 3 lugar caberá uma.. ]) A ovganzacjão llllll que maor coleção de vasos c objetos,arts; ammmm # m?.o anê, num apelo, num blcas gràcle esforço P».VV ; YAyy MAA... a mped»» deflagraçãn dc. um (Foto da U.M\), novo conflto. AAAAA:yAM.vA\AAyAA ícós de cçrâmlcu, ofertados à deleçaçáp Brísílera, 3) Ào membro do, Oomltó de Jovens que maor número de ajfc snáturas obtver, caberá um panó de seda, fno trabalho chnês, cpm fetíato do marecltal Chu X&, ofeodò nela duletíação chnesa jv dclbíação BraBÍlcra. Ao V é. lugar cábérüo dstlntvos dos partdáros da «aa da, Chíía e da Pòlôrla.. ) Ao membro da Unão dos Trabalhadores do Dstrto Te; deral que. maor núpew dé.as. snátmas coletar, cabèá up$j. bum con vepot tr fotográfca cpmpeta.,. d". Ú,, Cohgrçso Mundal da Ías..". :;, Ao 2.t e 8<» lujíar caberá dstrtfvos dò Cóhsello Mundal da Paz.., ) B),Ãó nèqbro do Comtê de jornalstas peajpz què maor r.úmer de ashnaturas coletar rèíçtés ü/n pufl Ac. «bja çóp A DO t. jtrato dó Marcclval Máo Tsé, ug, oferta da <teldfçúüo cllníí; áa a doégasacr bí.fasllélvü. Ao 2." e3, lugar caberá um álbum ptogfco " ro e % Mundal "da CongeKSo Paz e Úma coleção tlsds.uso3 projhumds al,., d). Ao écordsta alsolllo nu coleta do ssàutas ; dlfl 8; aberta a todas as organzações nscv.ldu não, caberá un prem> uo valor dè. ml cruzeros, dèslé cujo ó úço dá assatú. rè, u.ltapâé$é ÇÕ). T) Ô llffar.plft drfs íásulta: dós será feto no 2, e os prerós serão conferdos t.rn, ao púb" 4.í.,,...à : 8). ÀsçrgaH.záções patcppnt fornecerão coraàntocedèca UAos os resultados"ap.íljíov «lento rsléró, ès$alíe)é<íehçlo.desçrga se,.desíle já, quò nftp deve havedé.assnaturas,:. REMODELAÇÃO MNSTÉRO J ão.ítéyçã"pés.ar é0 wfa òtêàíá #;.ért]ô;pru d» 5t»dard Ol Héjçs é cônlíuríad ntrega dó patrélfo.?afcajáíé.,.»rn, mm rímç êlçó ylpétjr!,. (í 4ne0,..,?lOT pos bhâmaclòf. elrpulòk. bem hforpaâds,.gárhàr o Çv,]",..<adâs e. otjtrcs jpostós. Entre r.?ç$o\txm # ttyw?> que fo representar o. #)verfc? na Cònrfecmca :de asllpa:.íí#a6;.tf6íb?íevès çhpí cmp. mmlpterb ;béí.íj<mru, nja 0pba3»adaj:í.a0 coptrarlo do.que èè anunca uás ambcões. 80. huto maores, deppís a travo.:.çontacto JpÇo. Nçves.. seré, ílaç mas nada mem qu.ç oprpe pa testu clj íhtm do pode,tcaheíúl.j& lá. üag.í è levava a següntd, mercado, ra: Zefr ref. 2,29?, com preço de quatro crzerds rràr Cádò Jà fátuta; tustãò rèf, tu, marcando éüls çruzéfoá!. lenço rèf. 62, a ses cftzeros; e Sânfórn, réf. 2.9?3, á 7 cruzehos. Essas mercadoras fguravam como defétuosas. Por sso levavam aqueles preços, quando, nâ reníldade, oustfm Í5, 7, Í7 é 8 cruzeros. respectvamente. A dferença entre o preço de fatura e r) preço real va além de qunhettos ml cruzeros, qüe da quanto o espertalhão a levando dé vantagem. ATTECEDENTES ;(< Tampos àtráç, aládhs trabálhàdorês dá Confança» meses è fundando lbgo uma empresa a j5she, à S. B. Leão, qüe "passou a comprar fazétdas «nutlzadas» nà técòlàgém.. M realdade, á fazenda comprada não tnha o ménòf defeto, corno fo démòrt$tr4 dò com à apreensão do çdjnnhão ootr.5, caxas è 47 tardos de fazenda. : A Àlén :M negocar <?om süà própra frma, ô dretor pfésdéhlè da CpnfânçJ>:.egpcja, também, com. a írrnã Al Varo Ferháfldés, A ruá da Al; :f4)dçêa,,204, :tla,s mesmas condções; segundo hbs de nunéjám,òs trabalhàclòtèé dá fábrca../,:. ;", ;..,.... PROCURAM À»ÀFÀU... Ò,. ;éscnndàlò..,; Pfòuíahaó vrársé dó escndálô. ò dretor. tlmfà. áêmtíf meâàtánèv fé o operáro Jôáè.Vera,.J5è; $ çsáó fjó íàlühta.í> % ffjcâ, árüíàrdo )de krk felbadõr lávà cètrejèãnjí tó caxas è íafdós :;de pao «í fãdòs. E«4 Ver U, papo, defèltuósò favã.féító émbarcfr teçjdp perféjto. ;, fal,,.attude, covarde e crmm 4 vm ww ççnó. ladrões pçlq.,d.r,!j,tea9 è demas parceros, entre oj quas o grngo amercano.edge, espáncador dé opèrá o capataz Vana, metdo u conqustador; :C o anda per.se gundo óvlífgrteçeí; send apontado pelos: trflbàlhadoe como deftótadòf de dvdísa: operàraâ. v ;, Al}âs o òpârdrp Jósê V èra, demtdcj Jélo «d. Leão não é e prmero trabalhado afastado da fábrca por sc testemunha dás «defesas» d dfétõfpíèsdèhíé da Confan ça. Antes, já havam sdo dc mtdds 6 operáro Életre, dc Almoxarfado, á operára Ma rty LÚzà, dá Seçaõ dé Vaejo, ô òtítroe. Além dé démít esses trabalhadores, o dretorpresdente dá «Confança» non.eou acntosamente um polcal de nome Antunes, mas conhecdo conó «Elefáftte Detéíon», éhdàfregadp dô centrolar os furtos. Na verdade, «betefon» é encaírfgado de èhcobrr os roubos escândalo: sós co dr. Léâó. OS Of ERÁROS PAGAM. O ÍATO. Jjjmbrafr b trabalhadores, hdígnados com as roubálleràs do «dr.» Leão, qúeêste alegara, meses atrás» pára veram ã MPÍtElíSÀ POPU LÂR. denuncar as rõübálhèfas em qüe estavam envolvtos os prncpas responsanüo da aumento de saláros fábrca pleteado pelo pessoal, que a Vès pela Fábrca Cpníança. estavá dsdo prejülzos e que esses préjüzos, em O dretor presdente, drf. LeSo, atual mardo da.flha parte, eram decprrentes de da propretára da fálrca, desvos de mercadoras pelos vuya Ahtbno Lacerda dè Almplta, ôrã comprador dè rerâtós. Dante dê üfná nümè qüáã tesparssbllzàvà óá opetáthòs da «Confáhça». Depos f8á çoms9âd tjüe o pfocudé casado passdü à oolpar o cargo de dretor da empresa, enrquecendo... em (Conclu na 4. fg.) poucos ínstalov"sbew;í XECFEO :? CONGRESSO DOS fòrínfàlstas 5 (EíflÜa? «mprensa Popu Teve lugar ontóm a».. 3ndáde de nstalação, nès captal dó V Cottgress» lacõnál.dos JornálsWíííom èpresentaçâo de todoí w stàdbs dô pas.,.,, A delegação de Sao V\üQ í uma das mas nurojwm». composta de mas d?» f$ nalstae, representando p sabe que há meses atrás, por ros; o.mes.tre, Mederqs., vu! A lu ocasso do desaparecmento! %o «barbada> por ser conlt;, de mlhares dometraa.de.èá cídp.ícflntfavéfnfo.dêjógo; nó, éssé "mesmo dretor. que acaba de ser apanhado com aboéâfta botja, lãhçafa a culpa sobre os operáros, aos ;cjuç clarau de ladrões. Ò ÜÕUBÒ O carnnhâd dc fazendas saa dos poftõeá da fábrca RECFE, para a quando, ío apreenddo. r»5 pesf< naváse à frma «S. B. Léao» órgãos da captal, prncpalmente,, assocações de c)assé e agencas de notca.,chefa a delegação, baana, ntegrada, por 22 jornalstas, o ôóíégo Manoel Barbosa. Esses jornal lstas são portadores de uma mensagem do prefeto de Salvador.ao.prefeto de. J&ecfe Hoje começa o trabalho $«tenso das comssões..!," asêmsàuíà NA V PAGNA: Òlga Senárló Pfeíttó vtorosa í?pbré U 4ÒÍ e a mórté.. NA:â. PAGNA O Apaavrá PA2E l Gabrel» Mstrdl. NA 5 > PAGNA & Pâgásè para trâtà hârná Estva. s +t Oí.J.f!l.ft.!JSJ MPORTAÇÃO DE OVOS ARGENT E A MANOBRA DA SONEGAGÍO o O MS àxò Centra de A. Prèçõè eh optbpreõo voní á Prefetura va\fpàrtfr ovos # Argentna, dévendo chefa Kâ h}#í> «énnà o pthé} cwréükkuo. Èséúf tfw, d jlménóíé tothma ÍP«o totômo pára re»<flvét 6 caso dá falta de wà èú cs4df, È dntcá dç eúso ãa rhporaçàq ta c.cfíè ardèhnà dá borracha pródtòh consttuu artgos de cx~ «rteltta. Estes dos ÀtmQS 6frófàb; AçÊa dcdíccet cdíjl nv6orráíbácl ã ífltflíê.,. poro fàttfàf. Òb.: jhtefssês q,n(\úo ò flíterjlõ" ctíííòít e prpúçhõ V.on àrçàrnè, ààòhtèê outrj, éçtct; b ábvèrno tmfortà.tàra. pérmur.:qu $ wsfã ípaúçàtsèja èk$on tòça jáítós /rffâb/ícos $strngem. to tüfà jtoí "btól a oosa á md Óú mlós semèíftmte. tè òth "vúmedf:eccjò desaparecetam porquê r?4 bvt$ v}.,m fa m~dfdp. á pmmènca dá Pré. fetura e da Ü.C.P. vsa apènas garantr, a rmnobra dos sonegadores.. mportados lw avós ãá Àrfèhüm, éfâ 4líJ trbudas algumas Mm «< praça, podendo os fepeèütòáprí res guardar com. mas segafocá os óvós, Saí. cáhara» frtjorfuáâ. Çs wós..èsírpmgeros désárècêráo àépós e, èntdo, os dáta Meadas «e rjo í>»$>c(ós «o wfréaõj Í») prejjos,. évjtíentéhènle, Mjo roc/o.». ;,. j,. X C\C.p.,.ullí;Hàmènlè, te»l àé tornado u<n otmó cemçntà cooperação de dás aootás dos cbarôcí. Fez. õ mepa èôn o. fejão prelo, Para «íww è êxto á«: ongàâó.«s? _ülí; feorcíe» guàvhòs a Cô»»Í44o adquru.fejão chumbnho èp kao Paulo, o qual esta M » rpçé rfo ws avmàçén;. ; ; Hepete agora «mèámtf. oewsrj M 6à òvò.o àtft$m& w ínttícor de ovos f$r$.à Rà pode, pbrà»íít>, ícpn»í)w; trmazenando ml/des do dutas sosséàdámeútè, tté qtk ò preço s kteve a úít nvbl qpb cernpfjjsç. tod<w «Üplpjíw de arf mãènçem 6 #WÍá à mrgèm do lucro préestábeuoldq. Há quem dga que «fwçl de oro reaparecerá no mercada a oruxelros. Túlvç sej«mas. yyaa: AmmA/

2 <859õl MPRENSA P Partu : Dzme com.quem asslas... tu. """"., J. A. Ferraz Entre mutas outras cdubas, o.sr. Getullo Vargas, em seu dscurso de.» de Mao, voltou a bater ra teclade que não pode cofar os que o cercam, de quo mutas, vezes ;é traído, etc, etc. Essa & uma velha técncadó srl Vargas. Procura chamar para bí todas as glóras e jpgar sobre 6â ombros,de terceros ndetermlnados o peso de todos os fracassos, a culpa de tudo quanto atormenta o povo. Mas nem por;sèrvelha devemos julgar que estoja nteramente desacredtada:ap contraro, e.multo comum encontrarmos getulstas snceros qüe repetem sua,s palavras, sem perceberem que o argumento lhes fò fornecdo pel0 rraor nteres. sado...a., _J _ Dzem, por exemplo: «Nao, o Qetullo quer fazer, A alegação de que 6 a Camara qüe. dfculta sua ação nua está mal cercado, os am gos o estão trando.» também ó tola. Não que essa Ou então: Câmara composta, na sua quase totaldade de representantes t Getúlo quer resolver os jossos problemas, mas a Câmara á)a latfundáros e grandes capltalstas seja cousa bôa; mas (não dexa». Ou anda, «São.os tubarões quo estão sabotando.» é que ela não faz.nada que não São argumentos prmáros. seja.cumprr obedentemente as (Mas nem por sso os podehos ordens dosr.vargas. despreza, pos uma parte da A conclusão que se mpõe 6 massa que votou em Getullo precsamente esta: não há nn anda aceta como bons Dal aguem, não há nada mpedndo necessdade de esmuçálos, para desmascarar o farsante. meddos a favor do povo. Mas, [o Sr. Getullo Vargas de tomar Em prmero lugar, acredta como; e;>que um grande fazendero, produtor de gado, pode mos pamente que o Sr. Getullo esteja cercado de elementos que procurar resolver o problema não querem que seja tomada qualquer medda em favor da povo; acredtamos que os tubaróes o» empregados dos tuba, rões vvam cercando o presl, dente, «catamente para vêr que melhore» negócos podem reservar par s. Mas sto não quer dzer que tas elementos este Jam contrarando a vontade do Sr. Vargas. Prova dsso é que ele própro os mantém junto a a. B quem podera obrgar o presdente da Republca a manter em postos responsáves elemento» quo lhe embaraçam os movmentos?.,,; E quas os elementos,; qüals os fatos concretos que ó Sr. Getullo pode apresentar? Quando fo que pretendeu aplcar neddas a favdr donpovo e quem ío que «botou? Por que não denunca tas elementos ao povo? Evdentemente, porque as cotsas não acontecem como ele dz. A verdade é que, subndo ao governo pelo voto de largas camadas do nosso povo, Getu Uo apressouse a colocar nos postos mas responsáves, nã? elementos que representassem nteresses do povo, mas, precf «amente, tubarões dos mas co nhecdos. Banqueros e grande, ndustras, como Lafer e Ja fet; usnelros e reaconáros empederndos, como Cleofas e Stoões Flho; representantes da Standard Ol, como João Neves, «te. etc. Agora, pergunte o povo: Quem obrgou Getullo a cercarse de toda essa gente rum? lll ALFAATE Rua Bento Rbero. 33 AP S. Tel / COSAS DÂ CDADE NAO ha de ser o velho Estádo que ha de denuncar bcheros. Por sso não dremos o nome da rua em que ontem surpreendemos três deles em anmada palestra sobre seus negocos. Quando descemos do bonde a conversa pareca atngr seu ponto alto. Dza um: Se vocês quzerem contnuar no negoco, contnuem. Eu pare. Não rou relógo de polca. Estava al um prato da cdade, e chegamos o ouvdo. Eles levam o dnfteíro e fcam com a fama. Dzem que vão lmpar a cdade dos bcheros e não set o que mas: Lmpar cosa nenhuma. E depos de uma pausa, falando mas baxo: Vocês sabem que hoje o nosso negóco não da vantagem. Eu dou 50 cruzeros por da a cada tra. E eles só no Dstrto são,.portanto 850 cruzeros. O delegado me leva 0U cruzeros, e cada comssaro, 00. Nessa altura, como o homem falasse baxo demas, perdemos alguns detalhes,, mas consegumos ouvr que o bchero entregava mas de ml cruzeros por da A polca. Voltamos para a reãação pensando que talvez o bchero tvesse razão. O. «bcho hoje é um bom ne 4 gõco apenas para a pol ca. Prncpalmente, como agora, quando as autòrl dades convocam os jorna lstas para dzer que vão «tímpara cdade» o que J na verdade sgnfca que va ser mas fácl «lmpar» \ o bolso dos bcheros, de vdo â ntmdação. j ESTAGO Jà.,!««, lê. UnU +. UM», J [ MPRECSA POPULAR Dretor PV.DRO MOTTA LMA REDAÇÃO: ;. Sobrado. ; j A V " da carne? Vejamos bem: a solução para ele é aumentar o preço. Para o povo é baxar. O Sr. Getullo fala ém resolver, o resolvo mesmo, mas a favor dq estancero Vargas, O mesmo tazem os seus amgos. Sucedemse as negocatas mas escandalsas. Tudo sobe. Os salarlos contnuam congelados. A cdade contnua suja. Os transportes escassos e cada vez mas caros. Getullo sente que o povo está pedndo. contas. Então aproveta o» de Mao, arma o crco, paga o transporte com o dnhero dos trabalhadores e delta falação com os mesmos surrados argumentos do tempo cvejfâtó novo: HJHlJ «Nada posso fazer sozlnho. Estou cercado de sabotadores.» Mas o povo, que já aprendeu muto, grta: Não são esses os seus am, gos? Não é com esses que você anda? Então és tão bom quanto eles!,. ; MOJttHÍRl PMSCHpAL. av, RO BRMcVm JÓAS RELÓGOS O mtnarw prsfo. A vlla rídllo. ahasseb Pra odos os Fns RJA SENADOR DANTAS 35» ANDAR MECÂNCO De maquna de costura oferece os seus servços, com muta pratca de consertos e eforma em geral. Recado pêlo Tel.: Desde Cr$ 200,00 NOVOS E USADOS Vendemse de lnho, casunra ou tropcal APRESENTANDO ESTE ANUNCO OE 3W < DESCONTO trtfômmyfflóíos&ft (Contnuação) Renava um slênco proíundò. De repente, o Comssáro, voltando a cabeça em dreção a. Stepan perflava vanovch, cuja snueta se na Janela dourada pelo pôr do sol, começou, a.falar numa voz quase mperceptível: JMo campo, a OBta nora do crepúsculo, tudo esta slencoso, slencoso! Chera a terra degelada, a estéreo, a numus. No estabulo, a vaca rumna em suà baa, e se m queta: ê tempo de parr. A prmavera.., Como terão se arranjaoo as mulheres? houve tempo de espalhar o esterco pelo campo? A semente e os arreos estarão preparadosv... Meresev teve a mpressão que Stepan vanovch olhava não apenas com assombro, mas com terror. Você é um fetcero, camarada comssáro de regmonto, ou que dabo é você? Como advnha os pensamentos alheos?... Smmm... As mulheres, naturalmente, são atvas," sto ô certo; mas não passam de mulheres, e só o dabo sabe com se arranjarão sem nos;,. sso mesmo. Calaram.,.No ro soou á st: rene de um vapor e seu grto grou alegremente pela água, zgzagueando entre as margens de granto. K queé qüe você acha: á guerra yá acabar logo? perguntou Stepan vanovch, sem saber pov que, em voz baxa. Na éyacá da sega do fqno, você acha que já terá acabado f \ ". ] Reportagem de Jorge Amado (Especal para MPRENSAPOPULAR) x xtcontlnuàção) 3 NUMA SEGUNDAFERA DE PÁSCOA Fo huma segundafera de> Páscoa e nós camnhavamosjuntas as duas pelo cárpo, como. o fazíamos dáramente. Éramos três, as respon saves pelos blocos femn nos: Olga, eu e umacompa? nheíra tcheca, assassnada também. Formávamos as três a dreção dá resstênca das mulheres no campo e tnhames muto trabalho. Darlamente dscutíamos as tarefs legas a realzar, o trabalho a fazer para manter vva a chama da luta contra o nazsmo, para manter alta a moral das prsoneras, para evtar o desanmo e o desespero.. Não era fácl: tudo sso se passouantes de Stalngrádr, quando os exérctos de Htler penetravam nu Unão Sovètlc. é./ aproxmavam de Moscou. Vuíò trabalho tnhamos a íca.za: e Olga era ncansável... Posso lhe contar ml pequenas hstoras que provam o quanto ela vala. Mas, agora, é desse ultmo da com ela que quero dzer. Penso que jamas vv tão ntensamente como aquele da... A voz de Mara Wedmaer, velha mltante comunsta, drgente femnna do Partdo nos tempos antes dè Htler, drgente, com Olga, dá resstenca no campo, salva quasè por mlagre d morte, atualmente drgente da Ássocação dos antgos persegudos e prsoneros alemães sob o nazsmo, fgura nobre e lustre da Repúblca Democrata Alemã, a voz de Mara rtedmaer se faz anda mas orna ao. revver aquelas.hoas tão plenas de sofrmento. de esperança: Hava uma companhera que trabalhava junto à admnstração do campo e ela tnha conhecmento, por sso mesmo, antes das demas, das lstas com os nomes dos que devam ser levados para. «BernburgGrona». Eu andadava cc Olga, por entre os blocos do. campo, dscutndo nossos assuntos, quando essa companhera apareceu e me chamou. Era segundafera de Páscoa, já lhe dsse, não? Char.oume, a mm só, e 0 ga fcou um pouco dstante, esperando. A companhera tr.hafos olhos molhados de lagrmas: o nome de Olga era prmero da lsta, seguamst outros... Era a tercera lsta envada ao campo, em poucos das, aquelas lstas terríves com òs nomes, dos que devam r para as camaras de <?az,.os crematoros... Olga nos observava de longe e eu não se como estava meu rosto ao voltar para junte dela. Mas penso que meu rosto estrva desfeto, apesar do esforço enorme para lho esconder mnha emoção. Apenas chegue ao seu lado è elo já sabu, antes mesmo <>.? eu dzer qualquer palavra. E fo ela, fo Olga quem me anmou, quem me sustentou _sse momento. Como se fosse eu a que tvesse de morrer e ela a que anda tnha a vda dante de s... Era uma segundafera de Páscoa e amas, houve um da tão trste em todo o campo, onde logo a notca se espalhou. Quem não amava Olga, quem não a quera como a uma rmã mas velha, apesar dela ser mas moça que urande parte das de prlsoneras? Naquela note nos juntamos no bloco destnado às judas e ela conversou conosco pela ultma vez. E, de """ """ """ """ pos; soznha. comlg( me cq fou seus pequenos objetos, as lembranças do,.brasl!; as cartas de, ulz..carlos, tudo que ela máls amuya ro mundo... Fo ela, mesmo quem pôs no meu dedo sua alanç; de casamento e me falou mas ama, vez,, lorgamonlv:,obn o Brasl, o povo brâsllero, a Alança Naconal Lbertadora, o Partdo Comunkx dò Brasl,. <obre Anlta Leocadla,, sobre. Prestes.. Juntas relemos nessa note as cartaá de "Luz Carlos, es cíalmente a" últma, áque a carta que; kvantara certo da a nossa coragem no cam, po..; Depos lhe conto dessa carta,.. Como ela amava <. vosso país e como ela confava no vosso povo... FcamcK :tos áté á.hora.em que ela embarcouno camnhão, ía ao fundo, junto das pequenas «Pnscher», sustentava as duar ádolecertes com seus braços fortes, é sorr, para mm cor o à ánmárme. E depos, nenhumano tt mas? > Mara Wedmaer levanta us olhos onde se refletem ndá os"das" dolorosos" do passado:. Sm! Depos voltaram seus vestdos e, como havamos combnado,, cosdo na dobra da saa um pequeno papel orde Olga escrevera ò nome do lugar para onde tnha sdo levada: «Bernburg Grona», a casa da... morte... Mas, quero lhe dzer,uma cosa: ela não acetou a déa H. morte.como umafetáfdn de, sem lu contra ela, sem ao.menos tentar. escar par. Olga era uma boa comunlsta e ela saba que seu.ver era lutar até, o ultmo momento.. Na.. véspera, da pr.rtda,ao mesmo \mpo em ue combnávamos como. ela comuncara o seu destno, Olca concebeu Um plano de ga durante a vagem. Sua tempera de lutarora.se,reye. lou até c ultmo nstante. Concebeu o plano, estudouo demoradamente, tentou pô lo em pratca. Mas a vgllanca d rante o transporte era muto grande e seu. plano fracassou. Ela morreu lutándo, por sso sua memóra nod é tão cara. Um novo svmco, por. m momento nos "nyolyemos em ncsos pensamentos. Para n.lm cada palavra da Cama rada alemã tem um valor. acrescenta um. detalhe a mas nesse perfl de ygrande za le em mmha frente, vtoroso sobre a morte; Aquela note.de segundafora de Páscoa... Fo an tes de Stalnradfl, e H.tler ensava anda em vencer á Unão Sovítca. Erpm das "flces, o fantasma do dpsanmo rondava entre os blocos do campqeera;um,lnm!go mas terrível qüe os ferozes guardas nazfa era por que. os castgos, que a soltára, o trabalho estafante, a falta dc;cí>md, as mo lesta e os transportes de gente para > erema;<: s... É:a o por nmgo e còrbatêlo era nossa tarofá, das "comu nstas > carpo; e antes dé tudo, das drgentes. Melhor que nanhurha outra, Olga o compeenda. E, naqüla segundafera, de Páscoa, quan Co todas se reunam n bjoco das judas para lhe dzer adeus, um adeusx defntvo, ela falou da hõssa luta e da certeza, da.vtora. Mostrou com o nazsmo não poda vencer á Unão : Sovétca nem os. povos ansosos.tíe lherade e bémestar. Leu para todo., a ultma carta que hava recebdo ãe. Prestes... Essa carta nos fez um ;2; r bem menso... Anda me recor.clo de cada frase. Mltas /ezes a rel depos, essa car,ta tregoü qué Olga, à note, heenjunto con os seus objetos. Por ela pude compreender então qué extrordnaro homem é. Luz Carlos Prestes...; x, Essa carta... que dza...? Fo á, ultma carta que Olgá recebeu de Luz Carlos Qüse nunca. Mara Wledmaer dz «Prestes». Dz. qua. se. sempre, «uz Carlos» ou «Carlos» somente, assm ela ouva Olga dzer numavoz famlar de esposa. Ele contava que hava.recebdo.urna vsta,, que sua lntermnavel e total rcomuncablldade hava sdo rompda, que o governo braslero perrntlra que.um camarada o vlsíasset... E desse fato ele trava as justas conclusões polltcas;mostrava á Olga como essa vsta sgnfcava uma «vrada» da polítca do governo braslero que se volta vá para as "Nações Undas e cohd essa «vrada» era um prenunco da vtora certa..; Essa carta de Luz Carlos levantou a moral do campo naquèles dí..s dfíces, naquela note mas dfícl de todas, véspera da partda de Olga para a..câmara de gaz. E, de repente me vejo em Montevdéu, numa sala chea de brasleros e uruguaos, para., os quas Bas Roca, recemchegado do Brasl, narravà sua vsta a Prestes, Fôrá ele quem consegura a autorzação para vstar Prestes, erá a essa vsta que a /"jrta n Olga faza referenca Vejo cojno se fosse, hoje a fgura ágl e entusasta de Bas Roca falando do encontro., ;c o m. Pr es t,e s, da,0í a r v de n c a po Mítca do;grande prsonero, das" ampas petspectvas que ele éntevla por entre as grades., da prsão soltára e. soturna. Era o prmero nvernq, da nvasão da URSS pelas tropas nazstas que havam chegado às medações de: Moscou, havam penetrado fundo em terras sovétcas,eyando o luto c a dor aos lares, felzes.. Aquela nana cão feta pelo líder cubano, em palavras sóbras e emoconadas, nos encha de ânmo e.de.confança. Da sua pr NOTA WcKNACON. llzí lu:.com a naconalzação do petróleo ranano os mpe lstas ngleses pbrdem uma de suas grandes fontes de renda noexteror. Em 50 anos do. exploração a Anglolrnnan.tM:. nousc umn dns pmnresas mas prasneras do mundo, cujo v» Tfn lor é estmad) em 240 mlhões e. lbras. Ao.mesmo tempo o cndm sendo nm dos países rhnls pohrós do mundo, que èxportn das ou três vízes malrfdó/qe mnnrta, sendo no eí. tanto desfavorável o sldo dajbaràncb comérr.fal (53 mlhões de "dõlares do (Wcjt).(forque,potrlco passa pelos extensos oleodutos, entra nós "navos tanques, va para o estrangero, fcando o lucro da venda no bolso dos ngleses. Da o desespêro causndo pela naconalzação tfque leva os lords ngleses, ntrav#h de seu governo pseudosocalsta, a tentar ntmdar ojpvo ranano, realzando no Golfo PérscoJuríademonstração naval de acordo com o clássco modelo mperalsta hrtnnco. do tempo em que ós)atlvos sp rlefèndám com arco flexa. Êm excelente artgo no «Daly Worker» de Londres, Derck Kartun escreve que os governantes de seu pas jogam na Pérsa uma cartada muto séra. A refnara deabadam Üz ele, è a maor do mundo.. A Anglorannn possu 40 navostanque. Esses navos levam a portos, do Extremo. Orente, à nglaterra, aos Estados Undos e à Europa Ocdcnta 30 mlhões de tóhelndas dé õléo sugadr t"nmpntr nos poçosda Pérsa.,. s<:\ >..... Mas ultmamente a Anglorananú não é uma empresa puramente brtânca, nflís sofre rnolrla ofnptrrcró dos mperálstas amercanos. Estes! scnhorp.s. <\w aprenderam com seus ascendentes nrtlesps a adorar o dnhero acma de todas as cosas, também.onerem o petróleo persa. Precsam dele parao consumo ordnáro, a fm de poderem estocar o seu própro petróleo para "a guerra qüe estão preparando desesperalnmenle. Vsando sso, avões amercanos envaram a Teer enxames de,técncos mltares e econômcos para a Embaxoda dós Estados Tndps. Esse pessoa).com o,.olho esquerdo olha para os poços de petróleo e com o dreto para a frontera da Pérsa com a Unão Sovétca, possível porta lateral dé uma \ agressão aos povos da URSS. Os reaconáros rananos puzeram à dsnostno dos amercanos a rado de Teerã,.que fo utlzada pela «Voz da Amérca» na transmssão de calúnas antsovétcas em sére áté quando ò governo de Moscou protestou contra sso. Os «técncos» da Embaxada Amercana também fazam esponagem na frontera ranosovétca. Protestos sovétcos também obrgaram o governo de Teerã a acabar com sso. A luta pelo petróleo tem sdo sempre uma luta de gangsters. E no caso da Angloranan, á chegada dos anques c o recente assassnato do prmero mnstro próbrtâncos, gencral Razmara; deu un colordo dé sangue ao drama do petroleo da Pérsa. Entretanto, a mola central que mpulsona os acontecmentos do rã, atualmente, é. o movmento de.massas, encabeçalo pelos herócos trabalhadores da ggantesca refnara de Abadan, pelos operáros è estudantes dé Teerã. Esse movmento popular está levando de vencda a nfluênca reaconára dos mperalstas angloamercanos e dos elementos feudas do país, apezar do envo de reforços navas ngleses para o Golfo Pérsco, a.pezar do reforço de tanques e metralladoras lançado pela reação natva nas rtas dé Abadan e Teerã. m m%2jà jêê& >><.l.4.<ll. Jm mua ÉÜ.. são. neomuncnvel. Luz Car los Prestcjs levava, aosdstantes rdr.põps que p"lsavarann exílo em Montvdeu a luz dá confanóa. a certeza da vtóra. É levava essa. certeza, essa confança mal. longe anda: até a note do lorosa dos campos de con; centràção nazfsta na Alemánha. O que pode um homem, quando ele representa real, mente a, classe operara, quanr ele vve "a convcção profunda da vtora do hon.vm sobre a njustça, o ódo a opressão, a exploração! KélJyMsl m >9 yl êm m VStü s TJm arae.ne programa e os jogos pjelmnarss de fuísbol Rsunão dascomssõss do Festval ;;. "Vver em paz" e duas sáíras A Comssão da Zonal Sul, formada por moços que apoam o." Fesval "Bras>le ro da Juventude, realzará hoje.em São Oonrndo, m Esrada da Gávea 577,um grande pcnc, como. pare,dc.largo programa.de dvotrwmtos.,. Haverá üma..suculenta rraparrqnada, bnls de mar e a prncpal atração, é,o tornen ncal de.futebol, erms (ante de jogos prelmnares para as competções espprtyas do Festval. Às 4 horas será começado o grande bale ao ar lvre, com números de «show» e programas de calouros.o ônbus da Rocnha fará o transporte do Leblon à Praa de São Conrado Os convtes poderão ser obtdos à Av. Almrante Barroso 97 Í2.v andar, sédé do.» Fesr tval Braslero da Juvenude. UM HOMEM DE VEWDE» Ül!!»! " bl que te mporta sto! Tua casse não comoate, es voluntáro, jà combateste a tua parte. Pede.quete lcencem, drgra as mulheres, um nomem atvo também não é de mas na retaguarda. Hen? Quê te parece, barbudo? \ O Comssáro olbava o velho soldado com um sorrso cannhoso. lste, emoconado e anmado, deu um salto do petorll da janela: Sere lcencado? Tam Dêm penso que deva ser ausm. flstava agora mesmo pensando se a atè b, comssão. De fato, são três guerras que carrego nos ombros: meteramme ná mperalsta, fz toda a cvl e agora esta. Já não será bastante? Que é. que voef me aconsena, camarada comssaro, de regmento?. ;~ fscrevepará acoralssão: «Dexemme. fcar. com as mumeres ná retaguarda." è qüe outros me. defendam dos alemâcs!» grtou tyerescv de sua cama, sem poder mas sé agüentar.. stepan vanovch; olípúo com ar contrtb, o Comssáro, preocupado, franzu o cehho: Que te posso aconselhar. Stepan vanovch? Pergunta ao teu coração: êle é russo e êle t,e aconselhará. No da segunte, Stepan vaaoych recebeu alta. Depos.de vestr o ulíorrhe, veo ate a sala dspedrse. Pequeno,, cou a velha túnca, desbotada, a vaaa mmeas vezes, íestretamente ápértàüá áò Corpo. pelo cnto e tão fusta qué nao se va uma so ruga, pareca lo anos mas jovem. Mo, peto ormavámné areadas a gs e Drrárdo deslumbrantes a Estréa deherô;: a «Ordem de Lèmn, a Medaha.do Valo e junto á èlàbjl calnd.o tde,"uma velha fta ensebada é.enegrecda a de,«sâ.o,,jorge»,.de,sòldado. Púzérá nós ombros uma capa branca,,,que, nâo oculta, va o seu pagnmcq garbo. de soldado,; JB todo êê, esde a Dquera das.velhas..botas nultares, até,os fnos bgodes, qüe llumedecera,e rejuvenecera com as pontas retorcdas, para cma, pareca ym,, bravo guerrero russo,.dessescartões,de felctações,, de t Páscoa, da ;época da guerra de jl«í4,,. Aproxmahdpse de cada üm de seuscamaradas,, o soldado ;se despeda, dandolhes, o res. pecüvb tratamento mltar e natenao os. tacües,;coro tal, energa que dav.a>goàto vêlo.; Permtame camaradacomssáro. dét.o;méntò,. que me despeça 4 prçmmctoú còm partcular; satsfaçãt, aotado.da últma,;camáv >. :.j " Ate w vàtk. SUopa," afeja elz Romance de BÜRS PüLÈVOl jrf c f (jonlssavo veu condo a dor, tez. um novünen. to para Ce.. O so..uuo ajoelhouse, aura vuu a grande caoeça e ambo& se bejaram três vezes, & vema,utt.era russa.!; Melhoras, (jamón Vas, levch! Que Deus te dê saude, mutos aaoa ce vüa, ulma dt ouro! Um pa nâo, nos dara canto carnho: he de te.recordar toda a vda murmurou. ocoha,do osoüado Va embora, ya emo.ra,. tívepan vanovch,. àt emoçõèlhe fazem mal repeta Klaua Ãcaoyu,.puxando o solaauü pelo braçu. _ rmâznha, a você tamoêm obrgado pelo seu,car nho e touos os cudados dagúse solenemente a enfermerà Stepan vanovch, cur /arcose em profunda; reverênca. Você fo. o nosso anjo sovétco, sm, você fo. Completamente aturddo, jr áaber.0 qué acrescentar,, recrocéüeu até a porta... E para onde te escrevere. Para a Sbéra? pergunteu lheo Comssáro sorrndo. Nem mé fa:.e nsso, ca marada Comssáro! Jã áe sabe para orae escrever a um Sol dado ná guerra respondeu perturoado" stepan JLvánòvch e voltando a,ír.zer umu profunda reverênca, drgda ágúra a; todo.s. desapareceu por COMSSÕES DO FESTVAL A Comssão Organzadora dr l." Festval braslero da jüvènlüde; por nosso ntérpnra amanhã. mcdòrcovo ãs 8.3! hòrást. una reunão de todas ás cbrhsssès opetaívas (!é funconam sob sua orentação. ra. Essa, reunão terá íugar. çeae. do Fest. va.. CNEMA F. TEATKO Quartafera próxma, da 9, às22 horas, terá lugar na Assocação Braslera de lmprensa a exbção do flme talano «Vver em Paz», se gúda de representação de duas sátras de Aurmar Ro cha. Os convtes podem se adqurdos à Av. Almrante Barroso 97,. 2. andar., } lr;.a:uu porta. x!" A saa tcbu.m díatanén. secua e como vaza, ujpoa, tauur u«í ojas.m;. oadea," èrúm uesüa.conuauás,. da......:.;",,...; ; os esperavam, otot, melhou yar. e já nao se tauvuma;. ao louum,.s..utí conversas.otu!,,.um..n anaav >.oã cureduca, puxava ng. ánváa enter.:eras, rãse dos.o.nuüs u ja provocara uesenten areuos cua muuo uus doeu laa capazes de...auuuar, y..4yuí(.a teuotí su levantav. ago.á ua cama e. pawva.uwu ;.., dsp no uo òurruos) exum..ando, durante longo Lempo, ü rosto, o pescoço.e os,ommos, j, sem atadurás; e Xjm vas de c catnzaçao Quanto ras álumá Ua se"taza a correspondênca com Anuta, quanto mas pró.ur.üamatc,e uérava da v da unverstára da moça, tanto mas alaínradíj" xaínrayp seu rosto, desfgurado pelas qüü maduras.,.wc crepúsculo bí. num aposento obscuro,xandcassava, pareca ac smpátc. seu rosto de traços fnos, u lnpda expressão, narz pequeno levemente aqulmo; :omúm 0 odnho escasso, e negro, qu: aexára crescer nb hosptal, t..ab jvens de.,;pé3uo enegca, mas à càrdade percebr se que a pele estavacoberta de.canzes a "uccb óua..üo í,temva ou. volta..a acaloradr da hldroterapla, aquelas clcátrr o, désfgüray r \ completa mente, eao olharse no espelho ;,V.. lhe faltava par car ; pranto;;?. <. \;.....,í, \contnüa)x»h 0Í BRASL, QUEREM O TABELAMENTO A população do mun#ípo> de São Benedto, no Ceará, está exgndo o tabelamento; dos gêneros de prmera necessdade, que sofreram ult» mamente altas sucessvas. POLCALSMO O lornál «O Momento» da Baha comenta a attude do governador Régs Pacheco, mandáfrto sua "polca probr as.manfestações de. de MattnflÒ"apenas em Salvador como;;em, Ufuçí e noutras cdades do nteror. CARNE PARA A GUERRA...( 4 A " Os Frgorífcos Naconas Sul Brasleros, de Canoas, no Ro. Grande, estão trabalhando parto exercto amercano, forneçén.do.; carne para estoquês de guerra. Ao mesmo tempo ;nstuse um regmen de polcalsmo c severa vglànçá sobre os trabalhado res da empresa. ESTRADA DA FOME Estão há quatro meses sem receber yèné.menfos os operaros; da ror!;va Ana.nnlsBelmfdo Pará, em Goás. São rornomw.ejs pela stuação o cloro da construção, engenhpfrpjar Machado e seu carnntn:m6r, o jagunço Benedfo Vcente..Tar é flho do deputado federal pela UDN Tp.ps Mnchadn e conseguu a ro.yvn Tsa estrada (que """;?..Pla. fazenda do pa, Taxs.a..fm arbtráro df.svo dn frn?ado prmtvo) por sm«"lo> notoão. durante o govêr» no,dutra;;. GREVE VTOROSA Os trabalhadores da SAMSA, em Ro Ae?ma, empresa de prp/rletlatfe ão prefeto de Be. o Horzonte, sr. Amérco Gannért, declararamse em greve exgndo. pagamento dos atrasados.. O movmento se ncou nos altos fomos, aastrouse randamente e fo vtorloso em poucas horas.. «X/ Kffll Clnca Médca Espe í ldade : tuberculose e doenças pulmonares Consultóro é resdênca Travessa Manoel Coelho pneumotórax artfcal 206 Telefone (São Gonçalo) PCNCNA PRAA DBAHÀO íteaízàs&hojej na Praa dr Barão,n. 5, (lha do Clovornador) o anmado Pcnc pró: movdo por um grupa de amgos dámprensapopular. Haverádánsàé, anmado shów, banhodéymar,.e suculenta lejoada;:compêtá. Corfdüçâo: Ônbus MauaPrcguesá Saltar ua Praa da Cocot "." "X;3;X:!;;.wX,;:,...,>....;.,<....,.,.

3 , L /;te ratvr,&wàvrvvv«v Quatro cartas «a chegaram este mes, dzendo quase.».mesma cosa..>;.>;,;. A prmera!,.,. «Gabrela, causoume grandes aborrecmentos. um artgo, um únco artgo, que escrev sobre, paa. Ádquer medatanente um ar susesto de agente «a soldo, de homem alu «?«d :. f,. Respondo: a «Conheço por experênca; meu amgo, sso de «.suspeto». Eu tambem já o sofr, depos de escrever.durante vnte anos num jornal e porque me esforce em manter al «a cordaznha da voz» qua nos. une à ten» onde nascemos e é o segundo cordão umbelcal que nos>prende à Máe. O que eles taem com sso é crar mudos e desesperados. Una"empresa tubterranea de sufocação trabalha da a da, E não somente o jornalsta honrado é. ntmado acomer a propra língua dcauncadora ou conselhera; tambem o que faz lvros tem.ce Jogálos a um canto, como objeto dc vergonha, se o lvro não»r do smples dstração para <w que se entédíamv. Outra cartae W\ AS DEMOCRACAS POPULARES" Edtora Braslense aca,"lvro ba de lançar o anuncade Zora Seljan Bra?%$ gtfbl CS ;..,.«,.«.«,«.. APALVVf A... v Agora exstounf torh maldto, senhora, f.o> tena du poas. Pò(lese: escrever vspbre "qualquej assunto vergonhoso defender os agotas,.os t.uros.a «Mesta, brava:.me nos ex GABRELÀ MSTRAL sortoua Mão Espanha, c o mercado eletoral da mséra tpremo Nobel de Lteratura) Mas não se devo escrever sobra a páa: a palavra è curta, mas» lulnna,o é. precso afastarsp do tífma probdocprnb de um, «fcbfofí da carnfcna de 94, a., palavra paa rrompa út.....rtocrcuto elotrco::...; «V; ;;«. «í. " B anda a outra cfrlú. ;,..% «: L/todas as bocas com um prazer quase ouíóroo: o ar tnha sdo 4,Não: tenho vontade de escrqversobre.aca. A pay.;.d lmpo do chero mas nauseabundo que so conheça; o chero do mundo era.: a mennados meus òfos. Agora é à guerra, o, sangue, seja o sangue do gado, o donsetoosmagado, ou seja nco Chão que nos permtem cultvar. Elae, alem dsso, o aquele a que chamamos «nobre sangue do homem. santo e senhado patrotsmo.maaa íucá cousá qüe deseja À humandade é uma grande atmésca, ejá esqueceu sso. >..Chamado «povo brutqy é«quo o «dexem trabalhar em pas, mbora os mortos cubram grandes estensões da desgraçada Eurpa, que sacrfcou quase tudo ó va ém camnho, se nfto de mentb.qúe do nada lhes adanta o, phav claro \ que lljes. está para.a mulher o os flhos.têm. olhos c vcèncos pobres. So "renegar, pelo menos de comprometer esse sacrfíco. nascendo, é é precso ouvlos quando o rado procura.esquenta «(.,sangue.para levalósvao grande matadouro,!í;, Não so trabalha e cra senáo em pau,é uma.vcrdade de Perogrulo, mas que se desvanece tão logo a"terra so escureçade, "".,E esta ultma carta:, unformes eexale o máuchero de químcas nfernas..: ídesgracadrs daqueles que querem fala o escreve sobre. sso. Prccavenhamse, pory/ò qualcmeda caem em A cma deles. paz ò úmá. palavra quê, se náo mata. estjopotf a,.reputação, de quem a pronunca..,. A palavra paz è úm< vocábulo maldto Você se leínbra ga, «Eu v as democracas populares». A autora vajou durante algum tempo pelos países onde o povo se Hbertou do velho jugo feudal e. captalsta, abrndo camnho para o florescmento do regme democrátco popular. Nesse lvro, escrto em lnguagem smples, muto accessvel, o letor toma conhecmento de muta cosa anda desconhecda entre nós acerca da vda quotdanâ do povo nas democracas populares então na fase ncal da reconstrução do após guerra, da consoldação do regme c a camnho do socalsmo. Vajando çe a Hungra, Bulgára,.Tchecoslovaqua, Rumanla, Polonla, a repórter preocupase em fxar cenas e epsodos qúe oferecem uma noção obstante a ação heróca NAO dos guerrlheros e do socorro porteror da esquadra de d. Antôno de Oquéndo, aeov qusta consoldouse. Apôs város anos de ferozes reçontros, e contando já o exércto do ocupação com o reforço do conde João Mauríco de Nassau, contratado para governar o Braslholandês, conseguram os neerlandèses ocupar Pernambuco e estender seu domno a outras zonas. A decsva resstênca das mlícas de patrótas e. rruerrlherps atrazaram, porém, de cnco anos a exploração do solo pátro, causando numerosas e mportantes baxas ao nmgo e fazendoo con;.«.mr! consderável quantdade de materal de guerra. Quanto a Matas de Albu. queuí; c outros denodados patrotas, ante a captulação da fortaleza de Nazaré, furtaram. se,à persegução dos batávos. Abandonaram fazendas, bens e parentes e efetuaram dfícl e arrscada marcha até Porto Calvo, onde ram surpreender os íoldados comandados pelo major.alexandre Pcard. À expedção foramse agregando moradores das zonas percorrdas. Apesar de bastante fort t"&»»» «V v «BJ f v <ff.» : PÁ3LELUARD "PAA 0008 m : r : N O seu próxmo numero, o sar dentro de poucos. das, a revsta «Paro Todos» publcará uma sensaconal carta d.o. qrande poeta francês Paul Eluard acerco de supostas deelaraeses suas, prestados adols representantes do «Jornal de Letras» etn Vars. Com essa carta, f. ca defntvamente desfeta a ntrga em que esses dos aveturelros tentaram eát,«tlt«paul Eluard. O documento está destnado à maor reoercussão entro todos os que se nteressam pelos destnos da poe sa no mundo atual e pela posçfo do artsta e do escrtor em faee dos problemas socas, da guerra e da pae. Jau afca» curosa e bem humana de como se vve nas democracas populares, como o povo trabalha e se dverte, como cresce a luta pela cultura, como se desenvolve a conscênca das masass para o socalsmo. LVro de letura agradavel e útl; prendendo o letor para aqueles flagrantes da vda qúe mas chamaram a atenção da autora, «Eu v as democracas populares» é mas um desmentdo contra a lenda da «cortna de ferro» e uma afrmação de que, nas democracas populares, o povo tem o poder na mão:.e marcha para das anda mas felzes. Assm a jornalsta Zora Seljan Braga presta uma contrbução palptante para o esclarecmento, entre nós, sobre a vda do povo naqueles pases. daqulodè «Mnha paz vosvuexoj mílá paz vos dou::? Mas lesus Crsto.já. nãa.eatá. na moda. Vocêpode.chorar. Você e mulher.eu não choro: snto uma vergonha qúe me quema o rosto, Tvemos uma Socedade das Nações, depos au Nàçõés Undas, páraacaba nsto..,. :,.. «Quererão eles, fechandonos jornas e revstas, je falemos como sbíánbuípá nos cantos e nas esqunas? Costumo surpreenderme dzendo como um desvarado n numero, com ses algarsmos,, cbs mortos;, (Nenhum cos meus quáíltf correspondentes c comunsta. C Eu tenho pouco que acrescenta a sto. Mandálo nm Recado.;, sto sm. Está muto bemjdto tudo o que cte;. tratase de h:<mens cultos"da classo méda, c essas palavras que não levam o selo das opnões acomodatcas ou espertas; essas palvras ardentes sád a; que.meçàm voar sobre nossa Amérca. «Lúcdos estão mutos nò Urugua fel. uo Chle realsta íro: na Costa Rca onde tanto se lê. O já se transforma em shorror..,,.. Homens EFatos moüuafla dl.c Mu Carlos Prestes po Jorge Amado,, tradn :da para o teleoo com «.Unlo dc. ío Cavalero dr. esperance.;.., contnua u lepertur menso nteressu entre o públco chccon tovaco. [eccnte.uenld ch fraga )o levada a o6;n mnt peça teatral bmeada,fó lvro.. Fo feta, também. uma adaptação ole.ro paru JUrtAsut: Dalcdo tenno o seu nov romance, que se nt ul. «Companheros» e deve rã s,r publcado :n«"u uno...._. $ EwlPSl Swalw P SPUlr m...mjv.»»%%«mz.a".vrtv.v/a,.va,.vav. acordos quo selam a # dos ulnncclercsslngh, João Neves Undos tratando de consegur, o Há palavras que, sufocadas, talam mas. precsamente pelo sufocamento e o exílo, e a. palavra «pàzí esta rrompendo até das pessoas surdas ou dstraídas. Porque, afnal, ds crs r tãos extravados de tod;«s os ramos, desde o católco até outro qualquer, têm de recordarse logo, como os desvarados, de t qúe a palavra mas nsstentes nos Evangelhos é essa precsa, mente, este vocábulo rscado nos brüas, este vocábulo metdo., num canto, este monosslabo que nos é probdo corno so tosse w uma palavra obcenn. K a palavra por excelênca e que, tepetda, está presente nas Escrturas como uma obsessão. E precso contnuar repetndoa da a da, paa que a.gma cosa do conselho dvno flutuo, anda que seja como uma rolha de cortça na heresa renante. Tenham coragem, meus amgos. O pacfsmo náo é a geléa adoccada que alguns supõem; a coragem cra cm nós uma convcção mpetuosa que não pode fcar estátca Dgamos essa palavra todo da, onde quer que estejamos, por onde quer que andemos, até que, tome.corpo e cro una mltftcu da pz>, quê sature o ar denso c sujo até purfcálo...) tvj Contnuem pronuncando essa palavra onyn o vento c a brsa do mar,, mesmo que fquem uns três arrassem amgos. O repúdo c duro, a soldão costuma a produzr alguma causa como o zumbdodos ouvdos que se sente descerjdo as grutas... ou às catacumbas. Não mporta, amgos: 6 precso contnuar «rm ÍECBNTU nsla í /, JErf índa, o celebre ato; J russo Cherkassoe, </< :.AUxandre Nevska. entrovístado pela revsta tcrosrottd", respondeu a acusa jócs la propaganda mpe. rulsta, dhendo: «.O govêrnò sovétco não agrlhoudt nenhuma forma a lbcra d, artístca. Os artstas soólcos têm. tantos pròje los em mente que necesstaram de uma vda ntera pura produx uma parte pcnus do que Uléulzàm. O povo consttu a fonte dc nspração do àrstn soré Üóu: set reundos em vo VÁO lume os artgos de Astrojdo Perera sobre Slvo Rorae.ro, publcados neste. jornal g n» bvatr n Todos;»..;; ta Bapstíqmente a atenção do CHAMAMOS nossos letoras pura a sgnfcação o u mportínàla dó artgo de Oubrela Mstral que va publcado nestu págna.. A grande poetsa chlena, lromo Nobel de Lteraura, fgura de vasta projeção mundut, lomu, em suas mãos a causa generosa o humana da luta pela puc, lenünea a conspração guerrera e manfesta sua còmoveüòra confança nas torras populares para m pedr a guerra 4 O sr. João Neves da Fontoura, mnstro do Exteror «donblé» dc presdente da UUarás, companha subsdára da Standard Ol, fo n homem qua Varras.envou a Washntlon pura assnar os venda, dc nosso sangue, a abdcação do nossa soberana naconal, eu entreca (lu uossn» rquezas naturas nos ndrendos do (crra doh Khuos Undos. Tcrnmda a Conferênca permaneceu nos. Estados mas possível para os seus nteres. ses estrtamente parclarcs, clçnlro»lo plano de tração das casses domnantes que o levou á Conferênca. JA depos de outubro dc 930, João Neves fcou conhecdo pr a sua voracdade, Fo ce o, homem que recusou dsputar cargos no governo que assuma o poder, presddo por Getulo Varjcas, paru cujo advento tnha trabalhado, pronuncando esta.frase: «Não queo mula: quero mnha pnte em dnhero?... Agora, novamente, João Neves quer n sua parte em dnhero, à custa "du honra e da ndepenléucn do Brasl, da lberdade e ru vda de nosso povo,, Já se fala como cosa certa, entre os círculos das classes domjnahtus, nu saída de João Neves do? Mnstéro d» Exteror, logo após a sua voltw de Washn/dou. O homem ra presdr a companha «msta» a ser formada com n entrega do petróleo braslero ã Standard Ol, e gnlúr uma fabulosa íort.na como lestadeferro do truslé do Roekefcller. Por sua ve/ Getulo Vargas pretend) aprovetar a súda le João Neves para nnear uus uma corhn le fmaçn destnada a ludr á opnão púbtct, revoltudu c.ndgnada contra os acordos de cspatra assnados em Washngton pelo atual ttular do Uamaratí. Os contornos dessa nova farsa "se já lornan bem claros na mprensa querensla. Sando João Neves, cm troca do dnhero dc petróleo, Getulo passara n descarregar nas costas do exmnstu oda a culpa do crme consumado cm Wasluglou. Alas aquele compromssos contnuaram em vgor, porque foram assnados po João Neves ní» em nòc lírjasdal, nas em nnnn do governo bra «lero. ; \.4 : Ora, essa preparação.(lenagórca "onclam paru u manobra em que s. os nteresses do téatu dc feó João Neves e dc Getulo Vargas, contra os sagrados nteresses do povo braslero, é evdep. te que não pode enganar a nntíuém.tratasê da mesma c desníora. lxada túten gel alsta de se fngr de «vítína»; como proclamou no dscurso de.? dc muo. Quem chamou ao governo os tubarões, os magnatas, os agentes do captal estrangero, conto João Neves, senâo o própro Getulo? Po. que efã» fnge qúexarso agora? Quererá bancar o «nocente» a ponto de convence o povo de que não sr.bu a espéce de homem que é João Neves, e a espéce de ne. gons que ele a fazer em Washngton? Não, o povo não se dexa nvstfcaí. O povo sabe que a maor responsabldade desse descalabro, desse lelão despudoradp do sanguõ de nossu juventude, cube em prmero lugnr, e predomnam temente, a um só homem: b déngogo.(jetulo Vargas. É ele quem eonceltementectrega o HsJ.tsívcís clacas das classes do. rnmtes e do mperalsmo, "cop se cpresentanl. número um. enqur.nto derrama lngrmas nlpucrtas pela sorte do povo. As grandes massas, apremlndo darqmctc ela própra espércnca; o que é este governo, conlucendo cada vez mas o seu caráter dc tração naconal, sofrendo caju vez mas as consequêncas la atual polítca».e fome e opressão, saberão encontrar o seu própro camnho. E este camnho é o da luta até o fm pela paz, po. a lbertação naconal, por um governo democrátcopopular, é a luta contra o enenrecmento da vda provoend pelas despesas de guerra, contra o envo de tropas brasleras para a Coréa, por um clma de harmona nternaconal através de n pacln de paz entre as cnco grandes potêncas., TOP EMPRÉSTMOS. atenctm a esses empréstmos não através de contrbuções DE EDFCAÇÃO descontadas em vencmentos, como ò. o caso. no Brasl, dos Fo lançado ru URSS o novo empréstmo popular de nsttutos que agravam a ml descontos para os famosos edfcação pacfca. Destnase ao fnancamento do transformam em mlonáros sera dos contrbuntes t grandes empreendmentos corno as seus felzardos presdentes de centras elétrcas em cóns; nomeação do Catete. Os emprestmos sovétcos buscam trução no Volga, no Dneper e no AmúDará, os sua fonte nas economas cos grandes canas e as obras socas. Somam esses empréstmos mas cdadãos, pos os trabalhadores, na URSS. vvem confortavelmente e anda poetem de onze blhões de rublos. E dnhero do povo nvertdo em mtar dnhero. benefícos dretos para o pas Ao mesmo tempo notcase o em melhora da/ stuação de que a renda naconal na cada cdadão. Os cdadãos é URSS subu pra 74 por cento, cdadãs da Unão. Sovótca Um guerrlhero prodgoso Luz Barbalho»» Clnca Fernando Segsmundó fcada e guarnecda, a cdadela da Torre c 0 almrantes holandêses. Por fm, nossa fropava para a Holanda que Luz uma lção para todos que nns A. 9 de aao Nassau partc que a vda de Luz Barbalho é de Porto Calvo caa em poder dos soldados de Albuquerque. ta. desmantelouse: navos Barbalho consegura passar ao devotamos à causa do povo. Calabar fo aí enforcado. afundaram, outros ncendaramse; uns foram arrastado? ;como era natural, hava sofr, sul do ro São Francsco e Xfo dspondo de exércto regalar, mprovsou um, recrutando quo, Amplou Mauríco de Nassau o domíno holandês de Sergpe pelas correntes marítmas até do íomes, sedes e mséra, sento acossado de perto pelas tro patrotas; jamas deu tréguas o entre parentes, agregados e ao Ceará. Por fm, ntentou a à,s Antlhas, alguns deram na? conqusta da Baha. Uma frota de 30 navos e homens guram retornar à Baha. Vsconde de Porto.Seguro). costas do Maranhão ou covse pas holandesas» l segundo ao adversáro, que atacou decsvamente, levandoo a desstr p de mutos ntentos; deportado fo mandada contra a captana Tão grande ruína obstou a Ue posse de consderáves m real. De 6 de abrl a 26 de Restauração de Pernambuco e Coçob para a holanda conseguu regréssãr à Pátra para prosse 28 barcos de guerra mao de, 638 fo a cdade do exctou, anda mas, o nmgo e homens resolveu gur na luta; largado num dc Salvador bombardeada por nao atacada por terra. Defendevêrno braslero. para o ro São Francsco, no serto de area com seus solda contra a sede polítca do go Baha. Antes de faêlo mandou Nassau atacar novamente a ramna herocamente seu governador, Pedro da Slva, por da frota de socorro foram pa navos levando 700 soldados ( Alguns barcos da desbarata encalço dc Luz Barbalho, oto dos, marchou qulômetros por entre as tropas nmgas, ::unha o Duro, e as lèg5es do rar no Ro Grande do Norte e 200 índos. Para a Baha partu afrontando pergos e mséras conde Bagnuolo e Luz Barbalho. Este fsra.ter al em 637, ram à praa.300 praças, à com 20 navos e combader; salvou a Baha, por duas aí, no porto,de Touros, lança o vcealmvante Lchthardt. sem conta, sem se dexar pren recémvndo de Portugal. frente das quas se achava o tentes às ordens do coronel Carlos de Tourlo. ngo. Se assm agu Barbalho, vezes, de car em mãos do n Barbalho tomou a s a onstrução e defesa de redutos pa Lchthardt causou destroços o mesmo faremos agora, se pre mpávdo Luz Barbalho Bezêrra. Exaustos, famntos e se trótcos. Ao sen lado, lutaram dentos, nem assm se entregaram os soldados. Permanecer ca e no Recôncavo. Só engeherdade e da ndependênca na c mortes sem conta em tapar cso, todos,, os amantes da l valentemente ás companhas de emboscadas de Estêvão.de Távora, André Vdal, Francsco al, defendendo aquele posto, nhos, foram destruídos 27. A conal, quando novos calabares não era aconselhável, pos a lu., cdade do Salvador «egíeve traem o Brasl e dlgencam Rebelo (o Rebelnho) e Sebastão do Souto. Um ataque ta prncpal hava que desen, ameaçada, e talvez não dexara de ser atacada e tomada, se aos nmgos da paz e da hu por entregar nossa juventude rolarse ao sul, em Pernambuco por êle drgdo contra a retaguarda do nmgo eausoulhe a de e na Baha. Resolveuse jprhadear até Salvador, onde o ro,, mu a tempo aí hão chega Luz mandade. sordem e a desmorav "ão. Barbalho, com os seus cançados corro da tropa sera necessáro. homens, vdos prodgosamen. O Nesse da as perdas holandesas passo fo aberto a ferro e te foram de 200 soldados e város fogo entre os nmgos, pelos sertões desde.o porto çor dos Touros...a (Vsconde de ofcas. Nassau retrouse às pressas para o Recfe. O r.vés dmnuulhe o prastígo mltar e sacrfcoulhe boa parte do exércto. Anmados eom o sucesso, Pcrtugúal e Espanha projetaram expulsar os batávos de Pernambuco. Poderosa cqpadra, ao mando do Conde da Torre (D. Fernandode Mascareuhas) chegou à Baha a 23 de Janero de 639. Mas o Conde, ao em v.; de.atacar medatamente Pernambuco, de ;:ouse fcar om ano em Salvador, sob város pretextos, nclusye falta de almentos pa:. js soldados. A fm de conhecer as posções do nmgo e melhor poder hos. tlsálo, despachou oconde a Torre ao CamaTão.a. An«rc Vdal e, outros para xarcharem através do terrtéro aujeto aos usurpadores, recomèm dandolhes " êle, um mltar de prestígo na Europa que só guerrearam à míhera.índa, sto é: por meo de nssaítos_e emboscadas, sstema que tão er.ce!;es resultados vr.".a demonatrando. desde 630. B de se proclamar o hérosmo desses caudlhos que, por. turra e na confomdade do pactuado, atravessavam os ter. tóròs de Sergpe, Alagoíc, Pemambuco e Paraíba! A 0 de Janero de,640 deuse o encontro das duas esquadras. Durou das a batalha em que se empsrtharam Conde mo o reconheceram os própros adversáros. Durante quatro meses, al mentandose de cavalos o cães, padecendo toda sorte dé nfortünós, os expedconáros de Barbalho, dentre os quas Francsco Barreto Meneses pour. cos anos depos vencedor dos holandeses nos Guararapes percorreram 400. léguas, ou se, ja cerca de qulômetros, atravessando regões assoladas pelo nmgo. Não fraquejaram oa retran, tes. Anda b Ro: Grande do Norte combateram com soldados índos a servço do adversáro, matando elevado número dêlés. Depos, num recontr corr o sargentomõr, Pcard e o captão Lochmann, no engenho de Goana, anqularam mas de 400 combatentes. Seguramse dos Ps engenhe ".) pwev dobatávos. Porto Seguro) Ressaltaae o fato de.barbnlho e sua gente entrarem em novas refregas mal chegados à Baha,:ap6s passarem por tantás mortífcações.. N6 ano de Í64Í, em qqtse cmênca do restabeleçmejtp da soberana, portuguesa,,, íuíz, Barbalho partcpou, com o" bspo Francsco de Vllena.e Lourénço de BrtoCorrea da junta governatva da Baha,, que sucedeu no jpoder ao,marquês de Montalvão (abrl de 64 agosto de 642); Preso, ao depos, e envado para Portugual, por suspeta de usurpação do poder, proclamóülhe o monar ca luso a nocênca e confou. lhe o governo da cdade cjo Ro de Janero.. "! Exausto dos esforços díspenddosy dúràte tantos anos em reregas ave w "" :,,, m.j t..: nv.wnll,ó numerosas refregas até ao ro S.o Francsco, frento ãs tropas #rfl da.f 5M que Nassau a envando mal M«u faleceu neátó «está cdade, cdade.decorrdosdecorrdos poucos mêses de governançar soubera do desastre, de Goana. O governador holandêsatrbuu tal mportânca â marcha..de Luz Barbalho que fez desembarcar dr. esquadra.200 soldados e marnheros, comandados.por ofcas de comprovada capardade, e os lançou atrás dêle, sem proveto, pos o gran. de. guerrlhero já hava afundado hos sertões. Novos. reçontros tveram lugar em Sernhaem e n0 engenho do Salgado (Alagoas), afó. ra dos combates a peto descoberto nós campos e Ünhaú, Por toda nart t>ram:ncénda; Numa síntese dás portentosas qúaldádesdêste grande patróta,assm pe esípressòu An tôno Joaqum de Melo en 856: «Os brasleros,; e especalmente,. os pernambucanos, têm em Luz.Barbalho Bezerra o mas belo e grande exemplar das vrtudes herócas, da cora Por nos, acrescentaremos, face aos acontecmentos atuas, " íjl Consultóro Rua S. Pedro, 28 NTERÓ 3.s. 5 s e Sábadoí OaP9ásll horas...v."..,"«v"jw»"..» PROBLEMAS POR UM PACTO DE PAZ A Á DFCUL DEVDO DADES TÉCNCAS SOMOS FORÇADOS A TRANSFERR PARA A 4.» PAG. NA EDÇÃO DE HOJE, A SEÇXO «POR UM PACTO DE PAZs. ESPORTES DE NVERNO NA U. R.S. ÊmmmmWlWSlWÈ mín n» mm ymwymmff Wm sí;:«:sí;í:«ís:h«::íb mmn%êsmmmwymw ÊWmmmmW: ÍÍglÍÍ»ÉB mwyt aaab téãmmmwwv t%& S ", B? gem guerrera, da constânca mperturbável, atvdade e pa SSfW. ""fa" «Ptaüstas, os esportes de nverno.são prvlégos dos 2defender com a espâda em mlonáros. Na Unão Sovétca, o pov0 partcpa atvamente de plnssesdsp h todos os esportes. No clchê, umsalto espetacular de Ag, exc berdarle da Pátra». cnmo por Samovmkv, campeão o» URSS. («ntos U f.) omandose como base o nlvel de antes da guerra. E sto que transforma os mperalstas em desesperados cães hdrofobos, delberados a murgulhar a humàndade numa nova guerra. A /tora do socalsmo e á marcha para o comunsmo na Unão Sovétca desespera os mlonáros mas ao mesmo tempo enche de entusasmo os povos dè todo o mundo léflfís wmkmwm (Hesumu elegrãco daíagêncas.p.,.n.s. Tolepress). «X CONTRA FRANCO u.em..çefesa da polca de Franco, a polca parsense ocu.pou todas as vas de Etcesso ao prédo da Embaxada Espanhola, numa tentatva de mpedr que defronte dele se realzasse uma manfestação de soldaredade ao povo espanhol. Centenas de pessoas, entretanto, conseguram furar a barragem polcal. Quando se encontravam concentrados dante da Embaxada, foram atacados a tros pe Campos Elsos. realzouse nova çoncí/ntração, também atacada pela políca. 4 ELEÇÕES NA BOLÍVA Ses canddatos concorrem âs eleções de hoje para a presdênca da Repúblca na Bolíva. O canddato dos jmtrotas é José Antôno Arce. «DESASTRES Um caça a jato do Exércto norteamercano desapareceu na águas do Lago Mlclgan, não tendo sdo até agoía descoberto o corpo do ploto. O mesmo aconteceu, mas ao menos ao mesmo tempo,com outro caça que executava um vôo de tre; namento sobreo Lago Hyeres. ;? SÍRA VERSUS SRAEL Após urna breve nterstíco,} prosseguem os choques arma, dos no nordeste da Palestnar entre forças srlas c sraeltas. Travamse volentos combates ao norte do Lago Tberades. «> ENXOFRE Está em chamas uma mna de enxofre stuada junto ao vulcão Puface, perto de Ppayan, na Colômba. Grandes nuvens de fumaça anuncam ao longe o ncêndo. Não se sabe até agora se houve vlí.as entre os operáros.

4 t,! PAGNA émmwmmtmmm", TUATAMENTÜ ÜÜ CASAL ES TErllL MOLKe SENHORAS.OPBHAÇOES DR, CAMPOS DA PAZ FLHO í GíECOLOUlSTA. U. Caxa de Pensões da tglt" {Laureado pela Afcadema de Medcna) Ed. Caroca Sala 2H Tela e 38565, OM AMHfOlPQTM? _y r»»,. Outro engano! Não é «um amgo e potro». O Sto : üm amgo o é para o outro Selamos amgos dos nossos anuncantes, dslhes preferênca para as nossas compras. V, «" " ",,,... «.,.,,., ++ m LA DO POVO r..rr?rjryjrr"k A. 27. $ wfàr paa?." Cursos íntewmenle gratutos Português, Artmétca, Geografa e Hstora do Brasl CURSO ELEMENTAR ALFABETZARÃO f ENFERMAGEM _ CORTE E COSTURA TEORA MUSflâL NGLÊS FRANCÊS _ TEATRO _. PNTURA RADO TÉCNCO nscrções abertas daramente das 8 ãs 20 horas A REMODELAÇÃO DO. Conclusão da pág.. roso truste em nosso pas. Consumada a entrosa do petroloo, de acordo com as esoluções econômcas da Con Lrenca de Vm&m» ele própro assnou, João Ne ves fcará à frente da companha «msta» a ser nstalada como dsfarce da Standard Ol de New Jersey. que sara a ser a verdadera do ouro negro 5w?retara braslero. Esta a grande «marmta» cue o homem fo cavar em Washngton, em troca do sançue da juventude braslera. E tudo, naturalmente, de acordo com Vargas, que c nomeou para o cargo da mnlstro para sso mesmo.._vwvvvvvvvwvwvvvvj.vvvvvw" /JVWUWV».W, DOCES, MPRENSA ra nnlesa em POPULAR Sverstene FANGO EM 3.» LUGAR OUTROS DETALHES SLVERSTONE, nglaterra, 5 (UNS) Os dretores,das. orrldas cle automóves em que so dsputava o troféu nterna conal, depos de delberar d "VàrUnT O LADRÃQ DE PANO Conclusão da pág.. rou, das depos, para exgr explcações sobre essas acusações e revndcar novav mente d aumento, o dretorpresdente da «Confança» flnglu recuar e prometeu uma solução. No da segunte, porém, a polca compareceu à fábrca, efetuando numerosas prsões, espancando é nsultando dversos operáros. Os trabalhadores da Confança n&o esquecem esse fato. B também não esquecem que, depos dsso, e alegando anda prejuzos, o dr. Leão e o grngo Edge ncaram um regme de terror e exploração dentro da fábrca como em nenhur tempo hava sdo empregado. O grngo, adotando meto dos aprenddos nos Estados Undos, está fazendo cada operáro trabalhar no dobro de máqunas, com o mes mo saláro. sso, dz êle, va fazer con que a fábrca economse dnhero e possa, no futuro, aumentar o saláro do pessoal. JOlkS, RELÓGOS DESPERTADORES O Pnto lhe oferece pelos melhores preços. RUA DA CONCEÇÃO, 20. BALAS E CONFETOS Ãcetamsc encomendas para festos, casamentos, batzados, etc. Servços de cosnha, medante pagamento de dára. Rua da Msercórda, 7 sob. NAR _ jojba o sn[ o SN3W0H " assêbd 3Ü svavsa svdnou aswvadwoo «hh m _ amtr«p TERRENOS DENTRO DA CDADE DE RO BONTO 5m nrestaçses a partr de CrS HO.ÜU mensas. ótoo clma Água e.uz. Áreas para sítos, chácaras e Saur Ro Branco, 9 s/352 ~ 3. andar. Tel » Tratar Av. lu mjmm» têm rtla B«".ywv?"w.l,n»" CALÇADOS w.»>...,.»",«,"r,>í,"";a"""v vsob medda CNTRA Avenda Gomes Frere, 275, (antgo 35) Rua do Rezende, 66B. Em frente ao Hotel Men de S>a PREFRA W._ t ( T. vl r ttkk p fl (fl lílrl n h ul 00% PURO E 00% GOSTOSO P!srbudorçsf dos afamados Conf PRODUTOS NUTRTVOS PAUUCÉA X.TDA. TEL.; 49202Q conceder os prflmlov na ordem em que termnarem os voanteb, ao ser suspensa a corrda fnal,.ato é, em prmero posto o brl Ancopeg Parnell, cm 2.» o! M «Confança», pelo contráro. Agora/demonstrado qye a tar brca tem dnhero de sobra para da aumento, os trabalhadorès devem exgr, com movmentos enérgcos e decdldos, o pagamento jmedlato de üm saláro decente que lhes mnore a fome e a ml sêrh}..f.".. GONHEÇA OS :.;,A> ÇLÁSSCOS o M à r x s m o K. Maíx.e F. Engels MANFESTO DO PAR q TDO COMUNSTA.. c«frederco Engels Prncípos do Comunsmo Do Socalsmo Utópco ao Socalsmo Cl«t"co 2,00 V.. Lenn A Doença nfptl do Esquerdlo>y> no Comunsmo ," 4,00 Três Fontes e Três Partes ntegrantes do Marxsho.. " 2,00 Lènh e Staln Lenn, Staln e a Pft? 6,00 J. Staln O Partdo ,00 jíta contra o Trotzklsmo.... 3,00 Dscursos aos Eletores ,00. Compre na EDTORAL VTORA LTDA: Rua do Carmo, 6 3 andar Sala.306 Tel RO DE JANERO Peça pelo telefone ou pelo reembolso postal Está vsto, no entanto, que a fábrca, de acordo com o balancete do ano passado, teve nadamenos de 80% de VARGAS PROTEGE lucro sobre o captal. E tera Conclusão da pág.. anda muto mas se não fosse o roubo escandaloso que aos atacadstas, mas pede vem sendo feto pelo seu dretbr.oresdente, que acaba de atacadstas náo têm nenhum pagamento adantado. Os ser apanhado em flagrante nteresse de lançar na praça pelos própros trabalhadores. uma grande partda de outrp Esse fato vem mostrar que a tpo de fejão, mesmo sabendo qüe o mulatnhp ou o campanha de aumento de saláros não deve arrefecer na chumblnho náo possuem aqu a mesma procura que p preto, E assm alegam os atacadístas que náo podem.pagar ft. vsta lembraram ser a norma comercal comprar a 30 ou 60 das. Dzem anda que o chumbnho, mesmo e:çposto nas feras a Cr$ 2,50 nüo encontra quem o quera. N5o vao pagar adantado essa «bomba». MGUEL COUTO NOVA GUAÇU TERRENOS Lotes que são verdaderas chácaras?;com água, luz, ônbus, trem elétrco, bom comerco, escola, cnema, etc. Preço som entrada desde Cr$.. 9.0ül),00 Mensaldades a partr der r$ 20,00 nformações: Rua Plenos Ares, 9 S andar Telefone: í, í». ""»..#»...» mêê m Í"::::?ír. WmÈÊ nsffyfo Rãdcécnco Montor S. A. FLAL Av Marechal Florano, 6 sobreloja CURSOS PRÁTCOS E POR CORRESPONDÊNCA VTr,TTENOS SEM COMPROMSSO. TERRENOS Nn CFMRO DA.arvgrtftfWW! WTf; y"«yv.,t,y "ft. &? (Morro de São Lourenço) f PARA RCOS E POBRES utmos lotes, com frente para a Rua Slvera da Mota. Preços a uarur Ue Cr$ ,00 com entrada facltada e o restante em GO prestações, sem juros. Posse medata. Você que mora em casa smples, quarto ou barração, lvrese da praga do alugue. More no quo é seu, comprando um lote e construa medatamente o seu barraco ou casa, pagando cm suaves prestações. Tratar à Av, Ro Branco, 9. s 852 & aud. Tel, fl Bl tv OMS(<?rQSWPWM t OUfl DBD GPRtCOS Htyrt4Wf>!.,.#<g##+«,J% & ANVEBSABO Oa twmm t Grande lqudação de saldos remarcados. í BUsões r Camsas Calças % Artgos í fnos para homens, senhoras eranças Vá sem demora aprovetar Os preços es \\ pecas :: RUA VSCONDE DO RO BRANCp, 6 ;; (Em frente á Layrádo) ;; < A l lllltl.lc4lll. tj,j. "..h.í;( uuaju uhmt;uujt. 5. j. ff...,ft >v.wln,>rfttlr4n.,fr,v.»»..fct, rémt>jm«têm l má,àh>mtà tê >~t TARDE DANÇANTE HQJE(KJLJJ. JM. E. As Dretoras (3a UBES e da AMES., fôzem.realzar, a par, tr tas 7 horas de hoje, na sede da UNEÍ úmà tarde dancante em homenagem às canddatas ao Concurso da Ranha tos Estudantes, à mprensa caroca e aos Présdentes de,, honra da Prme; ra Maratona ntercoleglal cle Cultura..,. ngressos medantes convl: le ou apresentação da cartera de estudante/: L:.vE,>:..A " WÊÊ" mu pacto d A MPORTÂNCA ba PÀNlnCAÇAO 655 tercero o argentno Juan fanglo. jwn.quarto o nglês A. O Whltehead, em S.» o francês ESCLARECER E ORGANZAR Lous Kosler. O talano Nno Farna ícou Durante «campanha contra a hombn af.mca.n«>«.j classfcado em nono lugar, seu ralmente entre o. partdáros da pa, o forte WWte $$& maor número possível demunnthm Harfc o»#;g& compatrota, Felce Bonetto, em Tão grande e nobre erft eslí «mnho. qw depos, em crrtos «m 0.» e o talano Oonsalvo Sanos em».. a mutos causava surpresa h"o produzr tortos os rosa "dos q jp m poda esberar. Esses casos em que o empenho de colher o maor número de assnaturas não levava totalmente ao Mtamttn. O brtânco Duncan unum ««..rn, Hamtl verfcava sempre qué o coletor de assnaturas trhhalhava nmvton, drgndo um «Talbot»! dualmente, ou Junto cóm outros.pnrdírós Ha pa/, f cscllf c(,)f 2«, esl 6m 2, lugar, ao mas sem a preocupaçko de Mar «U. campanha novos cole l tores, novos partdarlps ds par,, ser suspenso a corrda, O argentno Fange ocupava Er» eomum otvmle fluo o eomar de àssnatüas não deva o tercero lugar e o nglês Whltehpad, plotando um «Wra» es dretamente relaconado com n nterdção da bumha atômca, hra empregar eom cada pesto» n«p «bordava, mal/ que o lmpo necessáro para apresentar sucntamente oív os dados do problema tava em 4. lugar. freqüente se dlrer que aproftlular a (!tsclb(8o sgnfca perder tempo, e o tempo é precoso para colher o maor numero de assnaturas». Esquecamse os «up «Bsm dzam que nem mesmo esse «maor número de assnaturas» sera afnal de cotas colhdo, semndo esse processo srtmárlo dc «não aprofundar huscussao». He. ramso durante a campmhb casos em que o colelor. perenlenuo com acudaíe que não serw aplcado emvão o tempo om dscutr com determnada pessoa pu grupo de pessoas, consegua, depos ne umescarecmento mas aprofundado, não so sobre p problema da bomba atômca mas sobre todos os problemas correlatna, qne essas pessoas se dspusessem também a colher assnatura», O exto nestes casos era multo maor, A Comssão de Fnancamento nsste em que ou se faz adantado o pagamento, ou o negóco nao se realza. E o jogo contnua. PROSSEGUE O AÇAMBJRCAMENTO A sombra dessa manobra da C.C.P. cpm o cvymbnho prosseguem no açambarcamentoos tubarões do fejão preto. O núcleo prncpal com que contam estes tubarões é consttuído pelos exportadores gnuchos, artoufldos em torno da frma F nresta». Foram os exportadores ganchos me doram o snal de partra para o presente fíolje comercíal, recurnndose a envar para o Ro o felsp preto do R. G. do Sul e. de Sta. Catarna. Os exportadores mneros também se retraíram, fl esnera do aumento. A HPOCRSA DE GETULO P go]pe estft preparado de tal forma que, daqu hâ aeuns das. os homens da C C. P. deverfo confessar que fracassaram todas as suas provdencas para suprr de fejüo o mercado do Ro, e que o únco remédo é... o aumepto no preço. Tas manobras esclarecem como agem ps tubarões, contando com o ap to atvo de homens de confança de Getullo. na C.C.P. e no M}nstéro da Fazenda. Tudo sto prova também pomo o govêrno de Vargas é mesmo o parazo dos tubarões. 36 o protesto popular podera derrotar anda o golpe dos especuladores. Nossa denunca a está, e estamos certos de que contrbur! para abrr os olhos do povo. Na presente campanha cm pro de um Pacto de Paz, deve ser levada em conta essa experênca. A campanha não tem por obetlvo apenas recolher o maor número de assnaturas, mas alem dsto vsa abrr os olhos de mlhões de pessoas para o pergo do cuerra, despertar poltcamente largas massas humanas ate hoje natvas, pôr em movmento um número menso de pessoas na lu a pel. pa organzar tdo oa qqe;» dlapfcm «wslstr à ameaça de uma nova guerra. Ê precso que consderem sto aqueles que na lusão dc ccono. mzar tempo, não tram entretanto do m te.mpo e do seu grando S«f causa da paz, tudo aqulo que poderttmga «e preocupassem mas anda em ESCLARECER E ORGANZAR. ftmíwnmsf WEHHf Nem SalaNem Dormtóro A solução modem» montar o apartamento com peças adequadas, sem o antquado recurso de móves standardzadosl Par, todos os comparümentos doméstcos dspomos de peçns avulsas e de conjuntos nteressantes doa n.as varados tomanhos. Smplcdade, conorto, dstnção. Executamse móves sob encomenda MOBLRRB Hem. FACLTA O PAGAMENTO SÔ TEMOS MOVES NOVOS RUA DO CATETE. 00 TKL: LLMaUawnfTr r=gyrr:fr m"r "r"t""tfffau vrtr»w<.nc>l.. L..,... r V»"» t m >y «««r>"»»»r"r>" ~ NE R V OS O 8 nua M < l HT fvj» PR. J. GRABOS { J»«.bt wg f H j,,4 &f u, _,,..._ m.. > fc s,r jé t3ê n 0 fo «"" " " ". "" """ "" Cmento NACONAL E ESTRANGERO AVARA «REENSACAPO» FFRRO, VERGALHAO. MADERAS fmssmmm DE NSTRUÇÃO EM GERAL, PELOS MELHORES PREÇOS DA PRAÇA REAL , e í Av. Churchll, 94, and. S, M04 das \ «. 7 ás 2 horas Sua Palavra Representa Dnhero COMPRE A CRÉDTO Sem Entrada Sem Fador MAQUNAS DE COSTUBA RÁDOS BCCLETA? FOGÕES A ÓLEO UTLZE AS FACLDADES QUE OFERECE A GALERA DOS RÁDOS \venda Mem de Sá, 92 Tels e 22U35...a.. +.,,, á mn».».».?.j>» " ",,fc _.» a» w»r ~ SALDOS de y «> anversáro Sedas Lãs Organzas AlgodSw GRANDE MESA DE RETALHOS» Compre na Casa das fazendas bontas A BONECA DE SEDA AVFNDA PASSOS. 54 (Esquna de Buenos Ares) w r=5n

5 pa: MPRENSA POPULAR Págna Í.ÍÍÍ55Í gase u»w d aro " >«cífaz) tüt%&r xa»v&í3 Lâ tjj líü $c?2b ra " ""».?:;:,. ServSb esprança ds ZêsaswàLásdevào à brualdade do servço o à subalmentação Estava na lara do almoço, Sderúrgca. Naconal, já carregado.os estvadores pergero. Há dos das hâo tragarlam dos navos do estran o no cas ta Estva de M, nêrlos se encontrava atracado apenas um navo de pe do porto pos corra o boato da faxa do cas enquanto não manecam sentados ao longo balham, mas nao se afastam queno calado da Companha de que hoje ou amanhã che houver servço. Quem mora, n.... «. «..nu <r» m»» r,««f""" :»!Tr~v?, \ túlo prometeu acabar com tudo sso. _ anda agora, em São Januáro, mesmo nao PKS A ORGA j tendo feto nada nos prmeros meses de governo, voltou a afrmar que não perratra a contnuação desse roubo de3avergot QUNTLANO nhado do dnhero arrancado do bolso voso, Desde os velhos tempos do Estado Novo, dos trabalhadores.0 Fundo Sndcal, consttuído das mportâncas descontadas, à revela, do magro jà o sr. Danton Coelho, com autorzação dal Mal. porém, acaba de fazer a promessa, 3 descontemos, a revoa, ao mayo ju v»»..,.«." saláro dos trabalhadores, tem servdo para. Presdênca da Republca, anunca oua da (tancas o custeo de farras e bacanas mnstérolstas. No tempo de Dutra a orga contnuou ao lado de uma grande delegação, aos congressos de pelegos emmodrd, Mlão è Gsnebra, verdaderas bacanas en nada dferentes à de Qutandnha. sso sgnfca que com o dnhero do operarado. Ser presderte de Sndcato chegou a ser a cosa mas rendosa desta terra. Todos os pelegos adqurram logo o seu cadllac de luxo e os o mposto sndca va sofrer nova e pesada sangra. Novamente Holanda Cavalcant. Nel son Mota, Cyptano Neves, Laranjeras e < trabalhadores já se sentam acanhados de mm» «U...U «u, uu,uu.. : outros renegados tradores, vãs se banque mrar numa séde sndcal, tamanho o con traste entre suas roupas remendadas e os tear, agora junto às sepulturas des herócos, moves rquíssmos que ornamentam as sé operáros espanhós assassmtdos por Franco, Ses& prncpas sndcatos do Ho de Ja enquanto os trabalhadores brasl? «? pas LT sam fome e Getulo prepara novos dscursos, Antes de subr novamente ao poder, Ge e novas promessas. \ _,,,,, f..».» m. J "» "_ t::,ís;::::>::s:::::>j.:.:" CO ÜU Ju5 v v por perto, na favela da Pra nha ou arredores, a mulher leva,,a comda, enquanto o mardo espera. Outros que moram nos subúrbos comem mesmo nas broscas. Prato feto, 4 cruzeros. Arrôs,fèjSo com fos de carne seca e bastante farnha para engrossar. Outros preferem a comda da baana. E um pouco mas cara, Ses cruzeros. Essa dferença. faz com qüe ela tenha pouca fregueza. Não se afastam da faxa do cas na TBABALHO NCERTO. FOME E MSÉRA Élevase arras de um mlhar o total de trabalhadores da Estva de Mnéros. Vvem somente para carregar na,vos, pos desse servço brutal e arrscado que conseguem arrancar alguns cruzeros para a manutenção da famla. Nunca sendo certo, o trabalho, pos depende. da chegada de navos,.permanecem no cas a espera de uma oportundade que às vezes demora mas de um nês. Fcam alheos a tudo, pregados à faxa do cas, sem perceberem o que se pasa no resto do mundo. Os que não conseguem trabalho durante um mês segudo,.nvadem a cdade. O bscate, uma faxna ou transpore de qualquer, objeto, é a únca sada que lhes resta, mas nem sempre todos conseguem arranjar um. A stuação se agrava e então retomam à Estva.Procuram se acomodar em qualquer canto e são corrdos à bala pela políca do Porto. Os dos navos que estão para chegar, talvez não necesstem mas do que 500 homens para carregálos. For marseão flas enormes de trabalhadores aguardando a chamada que é feta pelo envado do Sndcato. Esse processo sera efcente se obedecesse o número da matrlcua dos assocados e não feto da manera rregular e crmnosa como aíé hoje vem sendo executado. Os que trabalharam nos últmos carregamentos serão os preferdos, ou então os que gozam da smpata do ca.pataz. Dessa manera são formados os «ternos», que entram em atvdade logo ob navos atraquem., Se nos chamassem pelos números da matrícula, ém> ordem crescente dsse um operáro trabalharíamos todos, sem ser necessáro toda aarruaça que se orgna quando chega um navo. Para cada carregamento sera chamado um determnado número de trabalhadores, que se ram revezando, fcando dessa forma garantdo o trabalho à todo o quadro socal. é Essa a aspração do pessoa da Estva de Mnéros que, nfelzmente, não cònseguu anda acabar com o protecíonsmò dos elementos do Sndcato que vzam nsso as propnas a que fcam obrgados a dar os trabalhadores os escolhdos para formar «ternos». TUBERCULOSE E MOLÉSTA CARDÍACA Aqueles que conseguem trabalhar 8 horas, cabe um saláro de 64 cruzeros e 60 centavos que sofre o desconto de 5 e 2 cruzeros para o nsttuto e o Sndcato, respectlvamente. lestalhes a nsgnflcanca de Cr$ 47,60, mporlânca esta ncerta e com a qual tem que arear com toda espéce de despesas. E fácl se ter uma déa do resultado de todas essas rregularldades. O trabalho exaustvo e prejudcal à saüde roubalhes rapdamente todas as energas. A subnutrção completa a.desgraça, transformandoos em farrapos, tuberculosos e portadores de moléstas cardíacas. Homens cuja exstênca é passada à margem da vda, abandonados completamente pelo govêrno e pelo Sndcato. Ambos responsáves pela mséra cada vez maor em que se arunda toda a corporação. Volêacas pááé No da. de mao, o sr. Fad Maned, resdente em Olnda, fo arbtraramente preso naquela localdade quando se drga a um estabelecmento comercal a fm de fazer compras. Levado para o Departamento de Ordem Polítca e Socal de Nteró, fo barbaramente espancado pelos «tras» que vsavam prncpalmente a coluna vertebral e os rns. O sr. Fad Mamede esteve ontem cm nossa redação denuncando todas as arbtraredades de que fo vítma e cujo responsável é o governo do sr. Amaral Pexoto. Acusou também o cagoete de nome José Mara Sarmento, resdente também cm Olnda, no beco Martnez 90, que o apontou nos facínoras polcas, no da de sua prsão. No clchê,a vítma de mas uma volenca polcal exbe as costas onde estão bem vsíves os snas das volêncas Grande Lqudação \ DÈCAtÇADOS FNOS. Preços especas de combate n SAPATARA NÚNCO» Rua Republca do Lbano, 36A 7 (Antga rua do Núnco) j,í f K> JJííí»Míí4!4«WW>HéM4hHí Pasías Bolsas.:"Mal as Funconáros do servço de baldeação dos Correos e Telégrafos quando carregavam as malas postas para o camnhão dstrbudor. Aumentou CASAMENTOS. PASSAPORTES, ETC. \ Certdões, cartera», certfcado», procurações, traduções, uaturalkaçõcs, permanênca de estrangeros,.ne Pas, desqultcs, nvcnlros, Prefetura, Becebedora, etc. Tratar daramente com 3. SQUEKA, à Av. Marechal Florano, 3, (antga rua Larga l> andar. Tel Atende a chamados. Horáro M as Ganham o Mesmo ndgnados os funconáros da seção de tráfego dqs Correos e Telegra ZZgF gfca íos Üm memoral de protesto d rgdo ao chefe da seção reacao REAÇÃO O pessoal do baldeação lota Antes do da V> de Mao, esses do nos Correos e Telégrafos se. grupos respetavam o segunte dvde em quatro grupos se j horáro: o», das 7 as 4; o gundo os ho«aros de trabalho. 2", das 4 as 2 horas; e o 3» $ mmè W. CKMH3 j ""(Veseda" nformatva da agenca «nterpress») da 2 de abrl, data que fo decretada ferado naconal. Nos Estados Undos os drgentes da entdade Amgos dos Ferrováros foram declarados crmacos so proceso que lhes fo movdo por «ultraje as trbunal, após a recente greve dos e o 4» se revesavam, alternandose os das, porem com o segunte horáro: das 2 as 8 hohas do da segunte. ATENTADO Como é facll de ver, o pessoal da baldeação trabalhava 7 horas por da. O novo chefe do trafego, ro entanto, logo após sua posse nò cargo, resolveu arbltraramente dlatar por mas 2 horasos horáros. Dessa manera esses funconáros (e dos nossos correspondentes, nas Fábrcas) Os trabalhadores do Servço torrováros. Essa assocação passaram a ter 9 horas de trabalho de Febre Amarela estão ha mas fo condenada a pagar uma de um mês sem receber seus multa de dólares. O consecutvas, sem, como dantes, saláros. A verba para pagamento do pessoal fo dstrbubunab, após a recente greve co?! jj0 dreto a um pequeno desprópro juz que presda o Tr ter _. B mas: embora o tempo de trabalho tenha aumentado da em feverero do corrente prmera vez na hstora que an e agor» o dretor desse Servno declara que não há dnhedenada por semelhante acusa uma óàganzaçâo sndcal é con contnuaram a perceber os nesro. Ção. 9 ;. òs propretáros da Fabrca de Calçados Santa Helena recusatse a pagar os saláros de seus empregados, referentes ao A ROUPA VELHA FCA.NOVA" Vrando a pelo avesso M UA.vlOS alfaate, reforma e conserta roupa de üomens e senhoras Rua dos nváldos, 72 sobrado. Fone, Aceta fazendas para con. fecçees. recos módcos pontualdade Notcas procedentes de Fortoleza nformam que cerca de três ml camponeses estão sendo crmnosamente explorados na construção do canal do Açude Jabara. Os trabalhadores dormem ao relehto por falta de alojamentos e percebem a< dára de 5 cruzeros, com perspectvas de redução para. O fovnecmento de gêneros feto pelo governo, alem de caro é reduzdo. A almentação conslsto em farnha, trpa e fejão. L de Crí Tão logo os funconáros da «baldeação» tomaram conhec mento dessa nova ordem de servço, fcaram revoltados. medatamente organzaram uma comssão e envaramna ao escrtoro do chefe do trafego a fm de fazerlhe entrega de um memoral de protesto contra essa nexplcável e, ao rnedda. mesmo tempo, exgndo a sua revogação., Mas até ontem à tarde, o chefe da seão anda não hava se pronuncado a respeto. Em vsta.dsso, os funconáros estão se organzando para tomar meddas mas enérgcas a fm de que sejam atenddos em sua justa revndcação.. Z, ARTÜOS FNOS (PARA HOMENS CAMA E MESA Fábrca própra Vendas a varejo RUA DA CAROCA, 87 Junto á Praça Tradentes ÍONTRA A PROBÇÃO DA CONFERÊNCA Uma comssão de operáros navas esteve em nossa redaçao, pedndo dvulgássemos a segunte nota: «Os operáros navas do Dstrto Federal profundamente revoltados com a arbtranedade do atual governo em probr o funconamento da Uonfernca Sndcal, lançam seu protesto e declaram que apoam, sem restrções, a Comssão Organzadora da mesma Outrossm, conclamam toaos os companheros, operaros, de todas as corporações, a prestarem seu apo â casse operara, envando, seus representantes â Conferênca, para que com sua realzação seja dada uma resposta à atura da attude da volênca polcal tomada pelos «tubarôes» que desgovernam nossa nação». Contra a CASPA QUEDA DOS CABELOS{ UJd!..l ALEXANDRE [BELEZA Não tem substtuto» cos USE E NÃO MUDEBCMMS nchírml WSO Sàfha Compre, de preferênca, na Fábrc? Sana Bárbara. RUA DA CONSTTUÇÃO, 0 S>ím;.<í.h+4HH"MK4W,,M4, Arwvvv"/,JW...wvv""",,Jwrtw,vwj, $ j v! í r,uv.uvvvtjlrlrlnj wwwwwwww PROfJRAMA PARA HOJE PALÁCO UAN CAlllOCA HEN BE SA JUOPTE CASTE LO CAJÍAÍ «Apuros Ue ura anjo» com Cllíton VVuüb o Joan Benett e loburt Cunmlngs, às ás 4, 6, 8, HU o V horas. AKT PALÁCO UKSUUNTB BVOL SAO JOSÉ COL SEU MAUAJA TBNADE «Fablolu» com Mchele Morgan c Mlchcl Hmon, as 3, 6,45. 8,30 e 2,5 horas. PÁTHÉ" PABATOÜOS «Mâl», com Alma Flora o Benó Nunes, as 4, 6, 8, 20 o 22 horas., PLAZA ASTOKA 0.MJA STAK ttz COLONAL PltlUOt. LOBO MASCO TE «Trapalhadas do Haroldo», as 4, 6, 8, 20 e 22 horas.. ALVOBADA r «Pacto de sangue»? com Frod Mac Murray, Barbara Stanwyc o Bdward G. ftoblson, às 4, 6, 8, 2)c 22 horas. SAO LUZ VTOltA DEAL BOXV AMERCA MA. KACANA «Malvada», com Betty Davs, Anné Baxter o (Jeoge Sandors, as 4, 6, 8, 20 o 22 horas. MUTUO PASSEO TWUCA COPACABANA «Agora sou tua»,. «ETERNA LUSÃO».. Estará em exbção amanhã; nos cnemas Pathé, Alvorada, Para Todos e Leme o flme «Eterna lcsão», drgdo por Jacques Becker. A película é estrelada por. Ncole Courcel, Danel Géln, Brggte Auber e Máurce Ronet. com Clark Gablo e Barbara Stan wlclt, ds 4, 6. 8, 20 e 22 BoraJ PAKSENSE «Crcspusculo do» Deuses», com Wlllam Holden e Glora Swanson, fls 2, 4,30, 6,65, 8,Ul, e 22 horas NACONAL «O pecado de Nna», com Fada Santoro Graça Melo, W 4 6, 8, l e 22 noras. COELHO NETO «Ptngunho de gente», às 4, 6, 8, 20 e 22 hora». TEATRO SERtADOl «A Endemon!ada»rf com Ok Navarro a sua Cl»., U 2 horas. BECUEO cmoulr Rouge» eo» Elvlra Paga, Mary Lopes. Walter DAvlla. às 20 o 22 hora». PALÁCO ENCANTADO «Parâd» do (ítmo». às 2 horas. CARLOS GOMES «Escândalo» d» 95»: com Blhl Ferrera e su» Ca dé Revsta, às 20 o 22 a».j REGNA «A doce nmga», cdrn Dulclna o Odlon, às 2 horas., OASADLA»CA«0 mundo; 4 nosso», com Blbl Ferrera Cole, às 2 horas RVAL «Chlruea», com Aldaj Garrdo e Delorges, às 6, horas. FO.LÍS «Mnulln Rouge», com, Lourdlnha Bttencourt, Nelson Gonçalves e Walter cvavla» a» 20.3» o 22,20 horas. JAR)EL «O... de penacho» con. Darcy Gonçalves c sua Ca. oe Revlsp às 20 o 22 horas COPACABANA «Zê Praxede», mun rectal de poesa nordestna, n,!l,:) mrns. mmmmm íjj\íl /â..!.r!»tl. nkúr. mmmmêmxa:

6 t JmmmmwEwÉt m3hhk HHl " SjHBttffclsftfRs mt» TTotT,fl» V Hoíè no Maracanã, a penúlíma exb çâodos anques Atlèca Grajau e Botafogo contra Marcada para ontem, somente hoje se realza a penultaía exbção dos profjssonas anques entre nós. Dzerse do espetáculo que os.cestobolstas anques proporconarão ao públco será chover no molhado. E" sto porque toda a cdade já sabe do que são capazes os ncríves Globetrotters... Restanos pos, nformar aeo, a respeto dosbrasleros, sto é, dós combnado que enfrentarão os amercanos, tf» prelmnar, contra o AU Stars, atuará o combnado AtlétcaBotafogo. B no cotejo prncpal os Globetrotters darão combate a umá seleção formada pelos: jogadores do. OFCAS ESCALADOS.Flamengo: e do Flumnense, Na sede, da Ç;B,B., foram OS QUADHOS BRASlLEftOÇ escalados os ofcas para p controle da rodada,; da se: Atlétco e Bótafotjo, sob a gunte forma: drõçâft de RuV alêm do própro. técnco, apresentarão os TAFOGO X ALL STARS COMBNADO ATLETCABOseguntes jogadores: Juzes: Nólí Coútlhhò :ê Bôh Helnho, Passarnho, Montánhá, CletO, Zé Luz, Tales COMBNADO FLAFLU X Flnnlrg. "". Montero,. Ardelm, Getúllo, GLOBETROTTERS. Hermes, Caço e Tuxrelter. Flamengo e Flumlnene. Juzes:y Luz Máízárp e orentados por Kanpla, mandarão a campo os seguntes cronòmetrsta rmanaó pat Kennedy. #> Aíontadpr, Q píayers: < Coelho e Adolfo Perez FJlho % Algodão, Tão, Maro Her; respeotlvanènte. ; mes, Odm, God.lnho, Évora, Na reserva eátarão o juz Amr» Getulo, Fabp «Hesnlp. Aladna. Astuto e b ofolal.de mesa José CMô de S, Flho. mmm H fl Lm. «Mmmm\ k. Kanela. aue tentará desforrorse do revés mposto a seus puplos, na segundafera... tlma. Desta feta, acred tómos, estará ntas calmo Dos O futebol braslero estará duas vezes em confronto, no Exteror, na tarde de hoje. Em Lma, o Amerca dará combate ao Sportng Tobaco. Aguardando plenamente, em sua Ultma exbção, os rubros voltaram a atrar a; atenção do publco. Despachos telegrafcos da Captal peruana nformam que o conjunto braslero entrará em campo cóm os seguntes elementos: Oslí; Joel e Mguel; Rubens, Osvaldlnho è Godofredo; Natalno, Maneco, Dlmas, Rahúlfo e Jorgnho. SAO PAULO X RELENENJE; Harlem Globetrótíècs entre nó» ~ Dos combnados pára enfrentados o AU Stars è FlaFlu x Globerotters Autordades desgnadas DRETOR: PEDRO MOTTA LJMÀ ANO V N MKMOMMl RO DE JANERO, DOMNGO, 6 DE MAO DE 95 Mfl.,l»M, glímro do/madhrerá r Vasco xflamengo FLUMNENSE X BONSUCESSO X BANGU SAO UUtSTGVAO X OLÁBA. tlutalfuuü FwmgQ.:e Yako, àm & &$?/ wa rtnvl W?t mportwe dá tardt de hoje, mbora "la âs WW8 $6 qtprantes dós dos tradçonah í?reí»lofc surge com (MUmefos atratvos, capa de agratàr,,portanto..,, Í!a ntervalo da partda prttf, elpal, ob ttulares rubrònegros»é aprovetarão âa oportunãadb para déspellrsb do»m?»«?. metobá torcda. «r rr» t» ~ "" "" t Arhtros e Locas para o Muncpal íljn Texera de Castro, íuytnenaee Olara Jttarlo pof una ltórq. Será um prelo twprcssvq com os dentas. È dfclmente, hwvpr.á uma bãa arrecadação. HHÜ y»wwts&mm mmmsmmwmfusê (. _" Vrawo favorto e o Bangu na peleja que rea\karáj\a tardo de hoje, em Madurera, contra 0 Bomucesao. Assm, os «mutatluos rosades» darão mas um passo para conq«so do ííílo. Não conseguu o Slo Crstovão o adamento de sou encontro com o Botafogo. Assm, << dos rartyo)ínwa"er.w)»w c.fardo frehu a fronte, no gramado do esco, 8&o os seguntes árbtros qüe atuarão ná rodada do Muncpal: HOJE VASCO X FLAMENGO campo do Flumnense Ajrstpelllo Rocha., OLAJttA X FLUM NENSE Campo dojbonsucesso ; van Capelett, S. CRSTÓVÃO X BO TAFOGO Campo do Vasco José Montero. BANGÚ X BONSUQEB SO Campo do Madurea Jos4 Gom«s Sobr mmmm.mmm "bvmf ÊÈÊ Èmm BBsk." M smt ámmm B»" jksí MmBwlBb nho. y... os pwopeus terão oportundade de vêr DespedeãSuèsrubgrorque Flamen Embarcando na prmera hora da madrugada de terçafera, ocasão bastante dfícl, portanto, para um bota fora à altura das tradções rubronegros, os attetas, qué segurão pára á Europa, rão hoje ao Flumnense, à fm ds despèdrse de seus aílclonados. A DELEGAÇÃO Os comandados de Flavo Costa, provavelmente, já se apresentarão conva roupa com que embarcarão para a Suéca, ohdó estrearão, no próxmo da 6; contra o Malmoe. Levará o Flamengo 7 jogadpres apenas, a saber: Cláudo e Garca, goleros; Nlltóh, Cdo, Bguá e Pavão, zagueros; Beto, Dequnha, Valter, Bra e Bgode, médos, e Aloso e Nestor, Hermes, Adaãznho, índo e Esquerdnha, danteros. A chefa da delegação caberá ao sr. José Lns do Rego. O sr. Gllèrt. Cardoso, presldente do clübé, será ò mèdrco. Flavo, o tccnlco, c Flórta Costa rá como homenageada. Na Europa, já se encontram Francsco Abreu e o massagsta.jóínson nternaconas Compromssos....:;, LSBOA, 5 (Especal párà.a mprensa. Popular). Grande espectatva vem cercando a segunda exbção dbs lrásleros do São Paulo F. C nesta captal. Vtorosos, no domngo ultmo os brasleros surgem como favotrtos, muto "jaíãa énbqra desta feta, não contem com a colaboração dos eraquês bangüenses V cohjühto amèrcqap para a tare do hoje, em Lma uo, e Faambé DOMNGUERA MS. :íp AS,30 flüjftas «ÍBEHÍO BAHíAí Jullto, lu QonzBles.,.. B2 MésslB, J. íí.sou,. 8Caraafeu.. Lerbslty.. 34 Dalogo, A. Nobregu.. B DUraUgtí Kd, J. Alves > Don yünías, P, Vuk.. 7 Dago, N. Peèla.... NÒSSA AêtíMÜLÂDA PARA Í&ÒGRAMÁ E MÕS G5 nn. fü m JllTS! AS 3,0 fpaàs thmo MNAS <;UB/U9 65 B8. B5 Aalàya.,0. Hosá;.... acòlrdtor, J/Tborâa,",. 2s Lasatolã, R. Pçleco.. 4 Táyldr, Pa Córüá CuconaQ, J. Alves...». 0 Çndeto La(>. Eugonlo, Altnr 47 Luplcey V Cbft S Cabotno, C. Moreno... nessas índeaôés Pmh cmm) adím ffdto Cabotno Maratona Jamlnda Faambé Aíac Malbn Don Funías ragüftytt rtaca píjn ííavçrèo ÍP.patér tílúc Dcam Dalogo Lacraa, Kauar Làtte Danvn Esargo 49 EU 62 ;6l fll) 63 õl HOJE EM CDADE JAÍÉÍDÍM TARAS OFCAS p tajlf.0 CB$ 0.000,00.)00 mí. AS l»,w> HOUA6 vmuo «PABANAd..., a llauo.. U. kmt) Plndoja p«áte. Mortno ílw P. VM lldra. L,.fcel«..... Maurtâna,, f. Zamulu Sàflrã Cèlto, J. Cara Mattãca, A, Al.veB... vánu, L ÜofU)..... Udzoltta, L,, Hlèo.nl.. Üüate, Céo J>. 4» rauhu ,00 lloü MTS.. Âfe,80 ÒKÀS # l, Va ll.snda.. " Jóa.. 9; Godóy..,. Arau&è.. 3. $árcl í Sun) íteáo,.. Catald 2~3 tanu,. A. Portlho. v n eu»,,: Ffrr#fe.& ; ípon Wrmth MüPtMü, üurf, J. tortl jo ;,.... SJÍea, j.cwrvslho 40 Cal&p l>. UfldW.q ;... m.f»p»m: H.Ypunhí.j.,... Granadslto: SlEborèUl,., 3 pforp rípp»v M ÇlV"? í. AJvíh t ÍVT«n"r j» PÁREO r c,í0& ltkmtl K( nu J Kasv lonej, P, Val.., ;» La Malbaó, R. Zunudo Wm/sm. Í()«AS )0! a 3 4.Oüono Hòo, h tlaw U Casllllt.... Tesalla; :3: Carvalho t : Cttíul M Rgon.. ;. r ü n Rfç8\ v l Rlcheatr, A, Pçrtllho.. l> dtàta,.?,.. Ftvrelta...,. 7 Never Mòóre, A, Qlíuln..! Buplà,,.A,. Ròíá... JattS: l<. OonaU,y,. Jaboadl, J./P. 0 Bou2a &v lalll;0 (ltanuk llt SAO.rAULO Ü00. MTb, Bõ pfl 6ft ül b. 69 BB 6B :,ul) eus 500:00,00, 0a$, ,00 ous 0 lo.uo cm a.00,00 l (.uabc, 0.. jarcu.., 2 tíuejdo. Muret.. 23 Danvn, R. Zatmdlo.. \ Delfox,... Ftlson ;.<5 l\\me ElatU) lütbulcs 6 neluo, J> Vjí......» 4S m\r ROb J ÜVíí B lrpíe. >A,Rpfs lü Jocdú O nrnft.. 75»rtoÍ f: lmíe Mlton,, Uotóttlòa Jàbüàndl. Jbyrflnd), J;. f,. P; souca a<>w...53? W?»tH fn\ " 6 WWW, 8 JW«. ççjfçu, S, tom.... OS TMES PARA Para as pelejas do Hoje, em dsputa do Torneo Muncpal, estão escaladas as seguntes equpes: VASCO: ürnan; Nolson c Antonnho; João Martns,. Aldomar e Carlnhtísj; Noca, Vasconcelos, Alvaro (ou Amorm), Lma e Jar. FLAMENGO: Garca; Cdo e Almr; Nello, Beto e Danton; Paulnho, Aloslo, Grngo, Hélo é Arturínho. S. CRSTÓVÃO: Marlano; tvaldr e Torbs; ndo,: Geraldo ô Jordan; Cunha, BATDO 0 AMERCA 2 a. o placard üías uwttt vtóra colheu o Vanto "do Ro, na tarde de ontem, em General Severano, ao abater. o AneVca pela contagem de Contando eom uma defesa bcllv rçrmda, os cantorrenses, depos de conqustarem Z tentos, agüentaram a retaguarda e dè ontem, em General Severano lograram assegurar a tutora. Os tentos. foram marcados por Almr, aos 0; Ramundo, aqs ltí, e Httflfo, aos 82 «ttuíds, Todos os godls foram assatados w perodo }[al. Aptou, razoavelmente, Lourval Castro Gomes.. Amaral, Bonedto, nho e Carlnhos. JraL jffâf&x Lmoelr» BOTAFOGO: Matarazo;.lorgc c Brlo: Aratl, Carllo c Bob; Joel, Geraldo, Dlno, Baduca c Wallcr BANGU,:...; FeUrnq; Salvador c Jrocopo; Slmas, ran e Dtco: Callxto, Mlltnlo, Joe}, Onerlno o Maro. BONSUCESSO Borracllnha; Havlson e Sdncl; Luz Ventura, Joffre o, Bgw; Jorge Cruz, Vassll, Arlsteu, Soca e Gentl. ULAKA: Zezlnno; Amaro e Lamparína; Jar, Jorge e Pe<;anha; Bastos, Washngton, Mca Maxwell e Ssguerdnha. TLUMN5NSE: veludo; Lafaete e Nestor; Vítor, llmlson e Chlqunho; Lno, Robson, Telê, João Carlos e Quncas. HORÁRO E PREÇO O horáro estabelecdo para o nco de todos os matchs é de 5,5. O ngresso, cm preço unlco, ó de dez cruzeros. NOSSA AÜMÜLAUA PXU. HÕJÊ Ètô PETROPOLS PROGRAMA E MOMf AftíÀS ÔPCÍAS? ÍAJUÜ \>& r AS,4 00 lõlm) MS. Ò.l>l lí,00 X M o j,àaíkíííí áonuuuls ou BAttBOS. lllhc, ü. MáUOdd.... ãü t& B&v llur,.. Pnhero.<.. 63 a? llálcon, B..Rbero,... W U.Jaçul, M. Çbrlno..... a (õ Honf Kog, O. Castro.. 6S 2» PAltKU 4 AS.M,J0 U50 M.TS, ClS.l.000,00 BMl.O AKV l?l«u3uo DK OUVtl 6A UMA tacldala,,b. Rbero (> Qerlcój. Machado (! Muxasa, P. ÍVrande» 2 <3 Tahla, P. Kellet.... (4,sT(tltlala, U.Coata., 3 (6 líllía, p: Tavares.... CO. Meíltt LUW, t. Murllus 4 7 ACll, N..Lnhares.. (8 Cutrtbunda, «<osta, l>all:0.as 5.00 Ú00 MTS. MU/UN llxoto,maa fl (&o hv, t. Pnhero..., 52 Foto Brívfr Ma,;ec0 " ü fbròvn; Boy, P Fr.rnandcj H (Síptlço.N Çõrr... > M n ;VÍ}tlãB; p. 9fH.U lunojl. B. >??ÍK» "Tb Mana, R Martlüs,... n.ragüarro, O..Castro... ( çhwíeh. P; fellcr.., N A P D t «? A O ALENfAÇTBO 3, M&gan&o,.R jpjclecq... (.UlMAlABS 8 MSfãtln.. V. Pllolro.._.. 9 Òrlgo. Jr.Tnbordo..;... l lmla. N loí Ç? lr f! w;olv(l,yãv...u":t í (r Jlnbeln, C. Cullç... U.fJSfdUto, V. Vaz.,..; tj Mlragéll; K. Cardoso.. 2 jj LrnY J. PoRmo j.,s íst....tf. t.. ÍjMa. #C;y7/77;.: 77:7y7í (3 Nugl,. Pnhero... 2 (4 Vcndàvju, O; YMaqtjlo (» plndobà. D. P. Sllv va (5 Nlrfn, A., Vera.... (6 Canána, B. Rbero. (7 Tempo Feo, N Corre Fernandes (S Brejo; P, (fl Horeb, O. Castro.:, (s Maraty, P. Kello, ?.. 4, õ? PAUEÜ AS 6,5.500 MTfe. ORMS.0)0,06 (ÜETTNO) ÜJ VRBMO. EDMUNDO DA hvl PNTO ( Formga, J.Costa.. ;. 54 (2 Bnrodâr, 0. > SAltt (3 As.«al, sn Corro B, (4 Nagl,. /Pnhero (6 Fenlana. N.Co e.... «(f ndaba, B...Cardoso.,...64 (7 Bola, Dourada;. A. Dornelles 64 H (8.Chumbo, N,Corre.,;,», 6C (9 Crltlhaho, N Corre 5, (0 la), B. Rbero.... 4( fr.dan, 0, Castro... (» Llvràento: E. Lbodo PAtKU A>S MTíj. > CRS (ltktt>(jl OHAXDE VlltlMlO HTO»or.ts U. aéehlao. C ftf.va,...:. (s Vuvo Alegre, N Corre "75 Selvátco,. Pnhero.. 2 (3 Macanndo, K. Cardoso. 6U l Artt, B. ftlbélíc).. 58 Mustafá., 6 (5 C. Cajterl.. ík (6 nterneüo. Ò, Maredo 4 (7 La Corhn., P. Coelho. í Ro Verde, P. Tavares ARKO AS W,S5 200 MTS ,00 BHTrNü) s PllíMo NDUSTRA K CO BlURCH) )B ÍETÍM»pbÍ.{f ( Tocantns, P. Tavares../. 5 (2 Ralnbow. O. Macedo... &; (í Vàrdm, N Corre (4 Gav Prlnecsp, C. Xnza (5 Camapunn. O. V S YflOdulr, O: Cnslro.... (7 Muohachò, U. Stya.. (S Oílla.. Pnhero... (. Olaa, P..Fernandes.. luhaeçdoná. N Corre th Gllantéce.: vera rí2 TtedcnrHf, " Corr» NOSSA$ mpícações PAEA Hunter Acldala Vçíüdo pep Hu Méda «una Grão íarà Jacü Muxcxa Brown Ccy Formga tvtameto Nagí Selvátco La Conna htennew íocatns Obtíla Muchacl»..;..íy.,..,...,...,:., j, sr. sn >»,.";/;," ;. ;,., 57 55

Filipa Vacondeus. Não sou chefe. Sou uma dona de casa que aprendeu com o tempo

Filipa Vacondeus. Não sou chefe. Sou uma dona de casa que aprendeu com o tempo Entrevsta Pág: 34 Área: 24,78 x 33,59 cm² Corte: 1 de 5 Flpa Vacondeus. Não sou chefe. Sou uma dona de casa que aprendeu com o tempo A senhora que faz dos restos pratos maravlhosos tem um novo lvro que

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA

CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA PROJETQ DE DECRETO LEGISLATIVO /2015. "Concede o título de cdadãl de Fortaleza ao artsta plástco Ramundo Pnhero Pedrosa, conhecdo como Bruno Pedrosa". A CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA DECRETA: Art. 1 -

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

Missa Nossa Senhora do Brasil

Missa Nossa Senhora do Brasil é%0'.m> }JÍU Pe. José Alves Mssa Nossa Senhoa do Basl PARTTURA Paa 3 vozes guas e Assebléa (*) (*) A pate paa Assebléa é edtada sepaadaente " en cha A 10. Publcado pela: Cossão Aqudocesana de Músca Saca

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c Marcos hstórcos: 1993 1996 2004 Objetvo da Pastoral da Pessoa Idosa A Pastoral da Pessoa Idosa tem por

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

.- >. , '. expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior no âmbito I desta Universidade e;

.- >. , '. expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior no âmbito I desta Universidade e; , UNVERS Fundaçso nsttu(da RESOLUÇÃO NO.^&. >., '. nsttu normas para revaldação a) 7. c),) de dplomas de graduação t

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM \1erra do guaraná" TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACESSO A INTERNET VIA SATÉLITE ATRAVÉS DE LINK DEDICADO, QUE ENTRE SI FAZEM A CÂMRA MUNICIPAL DE MAUÉS E A EMPRESA C H M

Leia mais

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo -. -. - - - -- - -. ~- -- MERCADO -- -=-- - - -=-=-= - ---=- =-= - ~ Oportundades e desafos no mundo do aquecmento o setor tem crescdo a cada ano, é verdade, mas contnuar nesse rtmo requer a superação

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

Indice. Capa...pág. 1. Indice...pád. 2. Notas Introdutórias (por Carlos Carvalho)...pág. 3 e 4. Projecto LaciOS (por Fernando Couto)...pág.

Indice. Capa...pág. 1. Indice...pád. 2. Notas Introdutórias (por Carlos Carvalho)...pág. 3 e 4. Projecto LaciOS (por Fernando Couto)...pág. P r me r ae d ç ã o J a n e r od e2 0 1 4 No t í c a s d omu n d ol n u xn al í n g u ap o r t u g u e s a Indce Capa...pág. 1 Indce...pád. 2 Notas Introdutóras (por Carlos Carvalho)...pág. 3 e 4 Projecto

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

Missões O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho

Missões O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho Missões O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) é uma organização imparcial, neutra e independente cuja missão exclusivamente humanitária é proteger a vida e a dignidade das vítimas dos conflitos

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11)

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Mensagem 1 A metáfora do Caminho Introdução: A impressão que tenho é que Jesus escreveu isto para os nossos dias. Embora

Leia mais

NOTIFICAÇÃO JUDICIAL. ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA

NOTIFICAÇÃO JUDICIAL. ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados assocados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA JUDICIAL DA COMARCA DE IBIUNA. TAYNÁ COMERCIAL LTDA.. com sede na Rua Padre José Garzott, n 296, CEP 04806-000,

Leia mais

COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA. Som da Vila. Cifras e Fichas Técnicas

COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA. Som da Vila. Cifras e Fichas Técnicas COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA Som da Vila Cifras e Fichas Técnicas Músicas 1. Nosso Louvor... 3 2. És... 4 3. Toda Honra, Glória e Louvor... 5 4. Agora e Sempre... 6 5. Àquele que pode... 7 6.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL Normas Regulamentares PREÂMBULO O regulamento geral dos cclos de estudos conducentes ao grau de Mestre da FCT-UNL organza,

Leia mais

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha.

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha. O Plano da Salvação Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 11 de outubro de 2009 Como o pecado entrou no mundo e atingiu toda a raça humana? [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo

Leia mais

N r força de reação normal P r força peso F r

N r força de reação normal P r força peso F r UNIVRSIDAD DRAL D SANTA CATARINA COMISSÃO PRMANNT DO VSTIBULAR CONCURSO VSTIBULAR-USC/2011 GABARITO DA QUSTÃO DISCURSIVA 1 a) (1,00 ponto) (obs Desenho não está em escala) N r força de reação normal P

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

Tire esse seu piercing do caminho que eu quero passar com a minha dor por Iura Breyner

Tire esse seu piercing do caminho que eu quero passar com a minha dor por Iura Breyner Tre esse seu percng do camnho que eu quero passar com a mnha dor por Iura Breyner F o t o : A n v ä n d a r e : Z e l n a ( W k m e d a Commons) Hoje, não por acaso, escute a canção Percng de Zeca Balero,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO PRIMEIRO ATO ARGUMENTO Entrando numa horta, procurando um falcão de sua propriedade, Calisto encontra Melibéia. Empolgado de amor por ela, põe-se a falar. Rechaçado por ela volta para casa angustiado.

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIARIO GABINETE DO DÊS SAULO HENRIQUES DE SA E BENEVIDES

ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIARIO GABINETE DO DÊS SAULO HENRIQUES DE SA E BENEVIDES I I... 4.4W. npub (,. ~Ne 10 ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIARIO GABINETE DO DÊS SAULO HENRIQUES DE SA E BENEVIDES ACORDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 001 2007 034803-0/001 RELATOR Des Saulo Henrques de Sá

Leia mais

Líderes são como árvores

Líderes são como árvores U M Líderes são como árvores Uma vez as árvores resolveram procurar um re para elas. Então dsseram à olvera: Seja o nosso re. E a olvera respondeu: Para overnar vocês, eu tera de parar de dar o meu azete,

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras)

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Mostre o "Homem em Pecado" separado de Deus Esta luz (aponte para o lado direito) representa

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Toda bíblia é comunicação

Toda bíblia é comunicação Toda bíblia é comunicação Toda bíblia é comunicação de um Deus amor, de um Deus irmão. É feliz quem crê na revelação, quem tem Deus no coração. Jesus Cristo é a palavra, pura imagem de Deus Pai. Ele é

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

PROBLEMAS SOBRE PONTOS Davi Máximo (UFC) e Samuel Feitosa (UFC)

PROBLEMAS SOBRE PONTOS Davi Máximo (UFC) e Samuel Feitosa (UFC) PROBLEMS SOBRE PONTOS Dav Máxmo (UFC) e Samuel Fetosa (UFC) Nível vançado Dstrbur pontos num plano ou num espaço é uma tarefa que pode ser realzada de forma muto arbtrára Por sso, problemas sobre pontos

Leia mais

Das ideias ao sucesso

Das ideias ao sucesso www.pwc.pt Das deas ao sucesso PwC Startup Portugal 1 mllon fund project Busness Plan FY 2014/2015 Crou recentemente uma empresa com forte capacdade de crescmento? Tem espírto empreendedor com deas novadoras?

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA (Ofíco n. 077/2013-GDJAFS) PISO LAMINADO - CARPETE DE MADEIRA 1. DOOBJETO O presente Termo tem por objetvo a aqusção e nstalação de pso lamnado do tpo carpete de madera numa

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Letras Álbum Amanhecer João da Ilha (2011) «Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Já sei que és buliçoso Trazes

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento.

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento. Trabalho e Energa Podemos denr trabalho como a capacdade de produzr energa. Se uma orça eecutou um trabalho sobre um corpo ele aumentou a energa desse corpo de. 1 OBS: Quando estudamos vetores vmos que

Leia mais

CD EU QUERO DEUS. 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) 02- SIM, SIM, NÃO, NÃO (Irmã Carol)

CD EU QUERO DEUS. 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) 02- SIM, SIM, NÃO, NÃO (Irmã Carol) CD EU QUERO DEUS 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) EU QUERO DEUS \ EU QUERO DEUS SEM DEUS EU NÃO SOU NADA EU QUERO DEUS Deus sem mim é Deus \ Sem Deus eu nada sou Eu não posso viver sem Deus \ Viver longe

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado Equpas Educatvas Para uma nova organzação da escola João Formosnho Joaqum Machado TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA A expansão escolar e a mplementação das polítcas de nclusão

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 1 1. Objetivos: Mostrar que o Senhor Jesus morreu na cruz e foi sepultado. Ensinar que o Senhor Jesus era perfeito; não havia nada que o condenasse. Ensinar que depois

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

ÍNDICE. Breve nota... 9 Prefácio... 11

ÍNDICE. Breve nota... 9 Prefácio... 11 ÍNDICE Breve nota... 9 Prefácio... 11 Minha mãe, que lindas terras!... 23 A pata rainha... 28 Ai... ai... ai...... 32 Coradinha... 37 Joanico... 45 O vento... 56 A serpente... 59 Maria a macha... 65 O

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais