V QUALIDADE E CONSERVAÇÃO DA ÁGUA, O PARADIGMA DE UM FUTURO IMEDIATO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "V-081 - QUALIDADE E CONSERVAÇÃO DA ÁGUA, O PARADIGMA DE UM FUTURO IMEDIATO"

Transcrição

1 V-81 - QUALIDADE E CONSERVAÇÃO DA ÁGUA, O PARADIGMA DE UM FUTURO IMEDIATO Kleverson Wessel de Oliveira Biólogo pela Fundação Universidade do Tocantins. Funcionário da Secretaria Estadual de Saúde, setor de Vigilância Sanitária. Paula Benevides de Morais (1) FOTOGRAFIA Bióloga pela Universidade Federal de Minas Gerais, Especialista em Avaliação NÃO Estratégica de Impactos Ambientais pela Victoria University of Manchester, Mestre e DISPONÍVEL Doutora em Ciências, Microbiologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora Titular do curso de Engenharia Ambiental da Universidade do Tocantins UNITINS. José Luís Serzedelo Engenheiro Civil pelo Instituto Superior Técnico de Lisboa, Mestre em Geotecnia Ambiental pela COPPE UFRJ. É Coordenador de Monitoramento Ambiental do Instituto Natureza do Tocantins NATURATINS. Endereço (1) : 11-SUL, Alameda 19, Lote 29 - Palmas - Tocantins - CEP: Brasil - Tel: +55 (63) Fax: +55 (63) RESUMO O gerenciamento de recursos hídricos requer o monitoramento dos corpos d água no âmbito da bacia hidrográfica, ou de suas partes componentes. Tal monitoramento permite a classificação de usos permitidos para o corpo d água, segundo a legislação pertinente, e seu enquadramento, isto é, a definição da classe de uso necessária para a qualidade de vida das populações habitantes da bacia. O enquadramento tem como meta permitir o estabelecimento de um programa de controle preventivo ou corretivo da poluição para que cada recurso hídrico se conserve sempre nas condições exigidas para sua classe. Deste modo, possibilitará os usos previamente definidos para aquele recurso hídrico. Deve-se ter em atenção os usos conflitantes, como por exemplo, indústrias e agricultura, de forma que não contribuam com cargas desproporcionadas para o manancial. O presente trabalho determinou uma rede de monitoramento do Rio Tocantins, no trecho sob influência da cidade de Porto Nacional e o IQA (índice de qualidade da água) para caracterização do trecho analisado. O IQA resultante refletiu os parâmetros individuais, exceto quando se considerou os níveis de poluição fecal exigidos para balneabilidade, sugerindo que em trechos onde há a exploração do turismo de verão, as praias fluviais, o IQA pode não refletir adequadamente a situação real monitorada. PALAVRAS-CHAVE: Gerenciamento de Bacias, Recursos Hídricos, Qualidade da Água, Coliformes, Balneabilidade. INTRODUÇÃO Este artigo caracteriza aspectos da qualidade das águas no Rio Tocantins, na foz do Ribeirão São João (Porto Nacional). Neste trecho, a Praia de Porto Real é um dos mais importantes e tradicionais balneários de verão, dentre os 14 existentes no Rio Tocantins na área do Estado. Este corpo hídrico apresenta alguns problemas de usos múltiplos, especialmente pela construção de usinas hidrelétricas, e crescimento das cidades de Porto Nacional, da capital Palmas e Miracema do Tocantins, situadas à margem do rio. Conseqüentemente, há pressão sobre o recurso hídrico, não apenas pela mudança de regime lótico para lêntico nos reservatórios das usinas hidrelétricas, mas também perda da qualidade sanitária, provocada por más condições de saneamento básico e ritmo acelerado de crescimento na região central, próxima à capital. A Resolução 2 de 18 de junho de 1986 do Conselho Nacional de Meio Ambiente lista 75 parâmetros que influenciam a qualidade da água. O monitoramento desses parâmetros pode ser exaustivo, e alguns requerem dispendiosos equipamentos e reagentes. Assim, a National Sanitation Foundation dos EUA propôs a adoção de um índice de qualidade da água, cujos nove parâmetros componentes foram definidos como primordiais para a definição da qualidade de um corpo d água. O Índice de Qualidade da Água é determinado pelo ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 1

2 produtório ponderado das qualidades de água correspondentes às variáveis escolhidas. A princípio a CETESB selecionou um conjunto de 35 parâmetros indicadores de qualidade de água. Destes foram selecionados 9, que são: oxigênio dissolvido, DBO (demanda bioquímica de oxigênio), coliformes totais e fecais, temperatura, turbidez, condutividade, ph, nitrogênio total, fósforo total e TDS (sólidos totais dissolvidos). A partir dos valores observados para estes nove parâmetros de qualidade em uma amostra de água, é obtida matematicamente uma nota de a 1, as quais seguem a graduação a seguir: 19 PÉSSIMA 2 36 RUIM ACEITÁVEL BOA 8 1 ÓTIMA Quando da necessidade de estudos específicos de qualidade das águas, tanto para a elaboração de diagnósticos, quanto para a avaliação de contaminação de determinados corpos d água ou trechos desses, outros parâmetros podem ser analisados, dependendo do uso e ocupação do solo na bacia contribuinte e também dos usos da água. O monitoramento ambiental deve ter uma abordagem holística dos problemas para atuar nos mais relevantes à degradação dos nossos sistemas naturais. O modelo de monitoramento implantado no Estado do Tocantins utiliza a bacia hidrográfica como unidade de gestão. O estudo sistemático da qualidade das águas em cada bacia hidrográfica deverá ser utilizado para classificação dos corpos d água, e como orientação para o enquadramento. O órgão ambiental estadual é responsável pela criação de rede de monitoramento de corpos d água, que deverá ser descentralizada nas agências regionais estrategicamente distribuídas pelo estado. O sistema hidrográfico do Rio Tocantins possui 14 bacias hidrográficas, totalizando ,9 Km 2 e o sistema do Rio Araguaia possui 14.99,8 Km 2 em 16 bacias que perfazem 62,3% do estado. O desafio de criar uma rede de monitoramento eficiente requer estabelecer: a)estratégias de amostragem e números amostrais reais e ao mesmo tempo possíveis de serem monitorados pela estrutura existente; b)parâmetros significativos para determinação da qualidade e verificação das ações de enquadramento; e c)cobertura de toda a rede hidrográfica do estado, centrada nos usos múltiplos conflitantes do recurso hídrico. O conflito de usos da água representa um dos aspectos fundamentais do seu gerenciamento. O Estado do Tocantins tem sua aptidão agrícola definida, com grandes projetos de agricultura irrigada, especialmente na bacia do Rio Javaés e do Rio Formoso, no sistema Araguaia, e na bacia do Rio do Sono, no sistema Tocantins. Este uso é considerado consumptivo dos recursos hídricos, podendo estabelecer áreas de conflito com outros usos, como abastecimento urbano e recreação. Especialmente porque a agricultura intensiva de arroz e grãos traz riscos de poluição por pesticidas largamente utilizados nessas culturas. Além disso, apenas no sistema Tocantins, são projetadas oito usinas hidrelétricas, estando a UHE Luís Eduardo Magalhães em construção na área de influência da capital, Palmas, e de Porto Nacional. Já se apresentam conflitos reais entre a criação do reservatório e o desaparecimento das praias fluviais de Porto Nacional (Praia de Porto Real), Palmas (Praia da Graciosa) e Miracema (Praia do Sol). A hidrovia Araguaia Tocantins é outro projeto de exploração dos recursos hídricos do Estado, sem falar dos usos para abastecimento urbano de um estado em franca expansão populacional, como demonstra o crescimento médio de 14% ao mês da capital, Palmas. Este trabalho propõe uma rede de monitoramento do trecho do Rio Tocantins, na área de influência de Porto Nacional, e busca definir a utilização do IQA como ferramenta de monitoramento da qualidade para usos múltiplos. MATERIAIS E MÉTODOS A classificação e monitoramento de corpos d água requer o estabelecimento de uma rede amostral capaz de fornecer as informações básicas acerca da qualidade da água, limites máximos de impurezas e critérios de uso atendidos, segundo a Resolução 2 de 18 de junho de 1986 do CONAMA. O diagnóstico sanitário inclui indicadores físicos, químicos e biológicos obtidos em pontos significativos dos recursos hídricos. O design metodológico da rede amostral deve ser apropriado para cada corpo d água e para as características de uso e ocupação da bacia hidrográfica. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 2

3 O processo de escolha dos pontos amostrais de monitoramento dos rios de grande extensão inclui a demarcação de trechos distintos, de acordo com as características da bacia hidrográfica, e o estabelecimento de redes amostrais para cada trecho. No Rio Tocantins, no seu percurso pelo Estado do Tocantins, estabelecemos trechos distintos de acordo com as características de uso e ocupação do solo, bacias componentes e usos da água. Assim, sugerimos trechos para monitoramento por parte das agências regionais do NATURATINS, mostrados na Tabela 1, com suas principais características de uso e ocupação, sub-bacias componentes e uso prioritário da água definido pelos programas de desenvolvimento do Estado. Tabela 1: Rede amostral proposta no Rio Tocantins a jusante da Usina Hidrelétrica de Serra da Mesa. Trecho Limites Agência Uso da terra Usos da água Bacia A Fronteira TO- GO até foz do Rio Paraná Paranã Bacia do Paranã B C Foz do Rio Paraná até Ipueiras Ipueiras até Porto Nacional D* Porto Nacional até Palmas E* Palmas a Lajeado F* Lajeado até Pedro Afonso G Pedro Afonso até Filadélfia H I Filadélfia até Tocantinóplis Tocantinópolis até o encontro com Araguaia Peixe Porto Nacional Palmas Palmas Pedro Afonso Pedro Afonso Tocantinó polis Tocantinó polis monocultura intensiva Geração de energia Bacia do Rio Manoel Alves de Natividade e Bacia do Rio São Valério Bacia do Rio Crixás Bacia do Rio do Sono Bacia do Rio Manoel Alves Grande Em função das características dos trechos, que incluem: aglomerados urbanos, fontes pontuais de poluição e contribuintes foram demarcados os pontos amostrais, sendo no mínimo três pontos por trecho. O núcleo urbano de Porto Nacional caracteriza-se pelo uso prevalente da água para lazer de contato primário, a Praia de Porto Real, e pela contribuição do Ribeirão São João, que abastece a cidade e recebe parte dos efluentes domésticos, antes de desaguar no Rio Tocantins. O plano amostral, neste trecho, incluiu quatro pontos de coleta de água, conforme a descrição da Tabela 2. Tabela 2: Pontos amostrais no Rio Tocantins, área de influência de Porto Nacional Ponto Localização Uso preponderante 1 Praia de Porto Real 2 Porto da cidade Embarque e desembarque de pequenas embarcações de acesso à praia 3 Porto de Tio Júlia Embarque e desembarque de pequenas embarcações 4 Foz do Ribeirão São João Descarga de esgotos não tratados ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 3

4 A sazonalidade marcante, com duas estações: seca, de Junho a Outubro, e chuvosa, de Novembro a Maio, influencia o volume de água e vazão do rio (Figura 1), que determinaram a escolha da periodicidade amostral. Figura 1 Vazão média do Rio Tocantins Jan Mar Mai Jul Set Nov Vazão m3/s Período = 1949 a 199 Fonte: THEMAG Engenharia e Gerenciamento, Os parâmetros componentes do Índice de Qualidade da Água, estabelecido pela CETESB foram selecionados para o monitoramento da qualidade da água no trecho em estudo, e foram obtidos bimestralmente nos pontos amostrais, com cinco coletas consecutivas em intervalo semanal. Na Tabela 3 encontram-se os parâmetros amostrados, e as metodologias de análise adotadas. Tabela 3: Parâmetros de monitoramento da qualidade da água, e metodologias de detecção. Parâmetro Uso preponderante Oxigênio dissolvido Titulométrico Demanda Bioquímica de DBO 5 Oxigênio Coliformes fecais Técnica dos Tubos Múltiplos Temperatura Termômetro digital ph potenciomêtrico Nitrogênio Total espectrofotometria Fósforo Total espectrofotometria Turbidez turbidímetro Condutividade condutivímetro Resíduos Totais Sólidos totais dissolvidos Todas as metodologias seguiram as recomendações do STANDARD METHODS FOR THE EXAMINATION OF WATERS AND WASTEWATERS, 19th Ed. O cálculo do IQA (índice de qualidade da água) foi feito com auxílio de software do Instituto de Saneamento Ambiental do Paraná (1996). RESULTADOS A região apresenta uma forte incidência solar, o que possibilita maior fotossíntese do fitoplâncton, ou seja, mais oxigênio para os recursos hídricos. O Rio Tocantins também tem outro fator benéfico que é a velocidade de suas águas. Este fator está relacionado diretamente com a turbulência que fragmenta as camadas de água superficiais do rio. Estas camadas estão sempre saturadas de oxigênio. Os valores de oxigênio dissolvido foram sempre acima dos limites recomendados para corpos d água de classe 2, segundo a Resolução 2/86 do CONAMA. Durante a estação chuvosa, os valores apresentaram-se acima do ponto de saturação, enquanto que na estação seca situaram-se na faixa de 7 mg/l. Um fator maléfico da velocidade de águas é o arraste de lodos orgânicos do fundo que acarretam maior DBO (demanda bioquímica de oxigênio). No entanto, o fundo rochoso do Rio Tocantins, e a característica ausência ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 4

5 de floresta de galeria neste rio demonstram a pobreza em matéria orgânica do sedimento, e a demanda bioquímica de oxigênio foi baixa em todo período, permanecendo entre,1 e 2,4 mg/l, exceto em dois pontos amostrais no mês de Junho, quando a DBO alcançou 3,9 mg/l. Não localizamos modificações no aporte de matéria orgânica, neste período. Figura 2: Valores de condutividade elétrica (em μs/cm 3 ) nos quatro pontos amostrais do Rio Tocantins, trecho de Porto Nacional º coleta 2º coleta 3º coleta 4º coleta 5º coleta P1 P2 P3 P4 A Figura 2 mostra os valores de condutividade elétrica para as águas do Rio Tocantins no trecho amostral. É notável que valores relativamente altos de condutividade são encontrados, variando entre 41 e 6 μs/cm, durante todo o período. Os valores mais baixos são medidos na foz do Ribeirão São João. Acreditamos que a contribuição de detritos e efluentes orgânicos ao rio, através do Ribeirão São João, procedentes da zona urbana de Porto Nacional possa estar mascarando os valores de condutividade, uma vez que as grandes moléculas da matéria orgânica normalmente adsorvem os íons responsáveis pela condutividade. O conteúdo de matéria orgânica (dados não mostrados), neste ponto amostral, foi sempre mais elevado. Ainda, encontramos forte correlação entre condutividade e conteúdo de sólidos totais dissolvidos, resultado já esperado, já que a condutividade depende do conteúdo de sais dissolvidos na água. A condutividade elétrica se torna, portanto, um indicador da presença de material orgânico recente introduzido no corpo d água. A Resolução Nº 2 (18/6/86) do CONAMA determina que o máximo do teor de sólidos totais dissolvidos é de 5 mg/l, o que está bem acima do máximo encontrado nos quatro pontos investigados (32 mg/l). A turbidez da água (Figura 3) variou de acordo com a sazonalidade da precipitação atmosférica (Figura 1). A turbidez de uma água é definida como o grau de redução que a luz sofre, ao atravessá-la, por efeito da presença da matéria em suspensão e pode ser causado por partículas de solo, microorganismo, detritos orgânico e inorgânico como ferro, manganês, etc. A profundidade, velocidade da corrente, ação das ondas, salinidade e densidade da estratificação podem também ser relevantes. A interação desses fatores e seu efeito conjunto podem, eventualmente, determinar a natureza e extensão da turbidez. No período chuvoso, medimos os maiores valores de turbidez, entre 17 e 35 NTU. Já na estação seca, os valores permaneceram entre 4,3 e 6,95. Isto demonstra a grande contribuição do run off das margens para a turbidez da água no Rio Tocantins, e o arraste de material pelo rio durante as chuvas. Apesar da elevação da turbidez, os valores permaneceram em níveis aceitáveis para rios de classe 2. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 5

6 Figura 3: Valores de turbidez (Unidades Nefelométricas) nos quatro pontos amostrais do Rio Tocantins, trecho de Porto Nacional º coleta 2º coleta 3º coleta 4º coleta 5º coleta P1 P2 P3 P4 Os nutrientes dissolvidos na água, nitrogênio e fósforo, principalmente, não foram afetados pela precipitação no período de Fevereiro a Abril. Não há um aumento nos valores de nitratos, nitritos ou amônia (compostos nitrogenados) ou fósforo e fosfato durante esse período. Notamos uma elevação acentuada dos valores de nitratos e nitritos no período seco, de Julho a Setembro, especialmente no ponto amostral 4, na foz do Ribeirão São João. Esta elevação tem como fonte o uso do Ribeirão São João para lavagem de roupas, louças, etc pela população ribeirinha nesta época do ano. O racionamento de água tratada ainda ocorre freqüentemente em Porto Nacional, e a população utiliza o rio não apenas para despejos, mas para uso doméstico na estação seca. Estas duas formas de nitrogênio contribuíram para que o Ntotal fosse elevado (Figura 3). O valor máximo encontrado é de 3,5 mg/l em setembro (Figura 4) apresentado constata-se que é resultado da produção do Ribeirão São João. Para concentrações de nitrato e nitrito as concentrações encontradas estão bastante abaixo dos valores do CONAMA para Classe 2, respectivamente (1, e 1, mg/l). Figura 4: Valores de Nitrogênio Total (mg/l) nos quatro pontos amostrais do Rio Tocantins, trecho de Porto Nacional 3,5 3 2,5 2 1,5 1 P1 P2 P3 P4,5 1º coleta 2º coleta 3º coleta 4º coleta 5º coleta O fósforo na água apresenta se principalmente nas formas de ortofosfatos, polifosfatos e fósforo orgânico. Os ortofosfatos são diretamente disponíveis para o metabolismo biológico sem necessidade de conversão a forma mais simples. Os polifosfatos são moléculas mais complexas com dois ou mais átomos de fósforo. O fósforo orgânico é normalmente de menor importância. O fósforo na sua origem natural é proveniente da dissolução de compostos do solo e da decomposição da matéria orgânica. O homem também contribui consideravelmente na elevação deste composto nos corpos d água, devido ao aportes de lixos domésticos, industriais, de detergentes, excrementos e fertilizantes. A escorrência superficial recebe grande quantidade de fósforo dos esgotos domésticos. É evidente que a sobrecarga que vem nestas águas varia grandemente com a densidade populacional, com o tratamento que se faz nos esgotos para a remoção de nutrientes e com os locais de descargas dos efluentes. Os valores de fosfato e fósforo total (Figura 5) m pequena elevação, no período circunscrito à estação de praias, Julho-Agosto, mas mostraram-se no limite aceitável pela Resolução 2/CONAMA para rios de classe 2. Isto mostra que a atividade da praia afeta o corpo d água, principalmente pela adição de nutrientes, mais do que pela adição de material fecal. (ver Tabela 4). ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 6

7 A Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) é o parâmetro indicador do valor da poluição produzida por matéria orgânica oxidável biologicamente correspondente à quantidade de oxigênio que é consumida pelos microrganismos do esgoto ou águas poluídas, quando mantida em um espaço de tempo convencionado. O maior valor de DBO foi obtido em junho na Praia de Porto Real, com 3,9 mg/l, o que está abaixo dos limites do CONAMA para rios considerados classe 2 (< 5, mg/l). Este baixo valor de DBO pode ser devido não à ausência de matéria orgânica em suspensão, mas à saturação de oxigênio nas águas do Tocantins, durante todo o período. Figura 5: Valores de fosfato (mg/l) nos quatro pontos amostrais do Rio Tocantins, trecho de Porto Nacional.,3,25,2,15,1,5 P1 P2 P3 P4 1º coleta 2º coleta 3º coleta 4º coleta 5º coleta A Tabela 4 mostra as contagens médias de coliformes totais e fecais no Rio Tocantins durante o período amostral. Em todo o período, nos pontos amostrais do Rio Tocantins antes de receber a contribuição do Ribeirão São João, as contagens de coliformes totais e fecais foram compatíveis com a classificação em Classe 1, enquanto que a contribuição do Ribeirão mostrou pequena queda na qualidade medida por este parâmetro, e o Rio esteve dentro dos limites da Classe 2, nos meses de chuva. Isto demonstra a contribuição potencial dos afluentes, especialmente o Ribeirão São João em Porto Nacional e os Ribeirões Taquarussu Grande e Água Fria em Palmas para a deterioração da qualidade da água do Rio Tocantins, especialmente após a criação do reservatório da UHE Luís Eduardo Magalhães. Tendo em vista o uso principal do Rio Tocantins neste trecho, lazer de contato primário, a colimetria foi utilizada para verificar se as águas estiveram dentro dos padrões de balneabilidade permitidos. No trecho correspondente à Praia de Porto real, as águas estiveram dentro dos limites de águas próprias à balneabilidade, na categoria de excelentes, ou seja, mais de 8% das amostras estiveram abaixo das contagens de 25 coliformes fecais e 125 coliformes totais por 1 mililitros de água. Apenas a foz do Ribeirão São João no período de Fevereiro esteve acima dos limites aceitáveis, sendo considerada imprópria para banho pó ter contagens acima de 1 coliformes fecais por 1 ml, enquanto que em Abril já podia ser considerada própria, embora de qualidade apenas satisfatória, segundo a Resolução 2/86. Neste trecho, a foz do São João não é utilizada para banho, mas apenas para uso doméstico, de lavagem de roupas e louças, além da contribuição de despejos poluentes ao longo de sua passagem pela zona urbana de Porto Nacional. Tabela 4: Contagens do número mais provável de coliformes totais e fecais (NMP/1 ml) nos quatro pontos amostrais do Rio Tocantins, trecho de Porto Nacional. P1 P2 P3 P4 CT CF CT CF CT CF CT CF Feve/ Abril/99 <2 <2 <2 <2 <2 < Junho/ Agosto/ Setem/ ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 7

8 Os valores de IQA foram satisfatórios para demonstrar a qualidade da água, revelando a manutenção dos valores de cada paramento dentro dos limites aceitos para a Classe 2 (Figura 6). A flutuação do IQA correspondeu à contribuição das chuvas, que carreiam nutrientes em excesso para o corpo d água, enriquecendo-o de nitrogênio e fósforo, além de materiais sólidos e matéria orgânica dissolvida; e à contribuição do uso intenso do ro na época das praias (Julho/Agosto), com adição de matéria orgânica, material fecal e óleos e graxas das embarcações. A contribuição do Ribeirão São João para a queda da IQA P1 P2 P3 P4 Feve/99 67,562 72,513 76,96 57,758 Abril/99 67,559 78,133 81,984 73,953 Junho/ Agosto/99 7,785 77,47 68,197 63,571 Setem/99 75,421 73,953 63,571 77,372 MÉDIA 7,331 75,411 72,462 68,163 I Q A FIGURA - 16 Índice de qualidade da água Fevereiro Junho Agosto Setembro P1 P2 P3 P4 qualidade da água também foi detectada pelo IQA. Tabela 5:Valores do IQA calculados para o trecho amostral Figura 6: Valores do IQA para o trecho de Porto Nacional do Rio Tocantins No entanto, o IQA (Tabela 5) não foi capaz de identificar claramente o período em que o Rio, ou seu trecho esteve impróprio para banho, durante o mês de Fevereiro, e com qualidade apenas satisfatória de balneabilidade, em Abril. Conforme as recomendações da CETESB, em Fevereiro, a qualidade foi considerada boa, mesmo que a balneabilidade tenha sido considerada imprópria. Em Abril, foi considerada boa a excelente (no ponto 3), também não refletindo a deterioração da condição de balneabilidade. Isto sugere que o parâmetro coliforme fecal, e mais especificamente, Escherichia coli, continua a ser o parâmetro mais óbvio e rápido para detectar a balneabilidade de um corpo d água, em conformidade com as recomendações do CONAMA na Resolução 2. CONCLUSÕES O trecho do Rio Tocantins monitorado por este trabalho apresenta boas condições sanitárias e qualidade compatível com a classe 1 da Resolução 2/ CONAMA. A atividade típica do Rio Tocantins neste trecho é o lazer sazonal na Praia de Porto Real, que contribui para a modificação da qualidade da água, mas sem grandes implicações para sua deterioração. A rede amostral mostrou-se compatível com a necessidade de monitoramento, identificando o Ribeirão São João como principal fonte de poluição para o rio. É urgente a necessidade de melhorias sanitárias na zona urbana de Porto Nacional que possam mitigar os efeitos negativos da descarga difusa de detritos e dejetos no rio. O Índice de Qualidade da Água revelou as modificações na qualidade, especialmente devido a modificações sazonais do volume de água do rio pelas precipitações, e no conteúdo de nutrientes orgânicos e indicadores de poluição fecal. No entanto, a publicação do IQA não revela as condições de balneabilidade do rio. Tendo isso em vista, é necessário o monitoramento e publicação do índice de balneabilidade, especialmente na temporada de praia. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. BORGES, K. P. Avaliação da qualidade da água do Córrego São João, por meios de indicadores bacterianos. Monografia Fundação Universidade do Tocantins. Curso de Ciências Biológicas. Porto Nacional TO p. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 8

9 2. BRANCO et al. Hidrologia Ambiental. PORTO, R.L a L.(org). São Paulo. EDUSP. ABRH. Coleção ABRH de Recursos Hídricos Vol p. 3. CETESB, Relatório de Qualidade Ambiental no Estado de São Paulo, Coordenador geral, Silvio de Oliveira; Coordenador técnico, Sérgio José Chinez & George A. de Queiroz Velozo; Execução, Laura Estela Nalito Perez et al., São Paulo p. 4. COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL (CETESB ) Coliformes totais e fecais Determinação pela técnica de tubos múltiplos. São Paulo, JAN/93 ( Normalização técnica L5. 22 ). 5. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução nº 2 do CONAMA. 4ª ed., Brasília, IBAMA, p. 6. GOLTERMAN, H.L. et alli. (1978). Methods for Physical and Chemical analysis of freshwater ( I.B.P. Handbook 8), 2 ed., Blackwell Scientific Publications. 1978, 213p. 7. HACH, Company, DR 2 Espectrophotometer, Standart Methods for the Examination of Water and Wasterwater p. 8. KLEEREKOPER, Herman. Introdução ao Estudo da Limnologia / Herman Kleerekoper. 2º edição Porto Alegre: Editora da Universidade / UFGRS, MACKERETH, F.J.H., HERON, J. & TALLING, J.F. (1978) Water analysis: Some revised methods for liminologists. Freshwater Biological Association ( Scientific Publication, 36), Titus Wilson & Son LTDA, Kendal. 1978, 117 p. 1. MOTA, S. Preservação e conservação de Recursos Hídrico, RS ABES, p 11. OLIVEIRA, Iziane Gomes, Estudos Liminológico do Corrego São João: Características físicas e químicas. Monografia Universidade do Tocantins. Curso de Ciências Biológicas. Porto Nacional TO p. 12. PORRÉCA, Lúcia Maria, Enquadramento dos Corpos d águas: Instrumento de gestão ambiental e gestão de recursos hídricos / Lúcia Maria Porréa. Brasília Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis p. 13. REQUIÃO, Lizianne, Índice de Qualidade da Água, Instituto de Saneamento Ambiental - ISAM e Laboratório de informática Aplicada - PUC PR, ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 9

Palavras chaves: Bacteriologia, Monitoramento, Qualidade de água e Águas superficiais.

Palavras chaves: Bacteriologia, Monitoramento, Qualidade de água e Águas superficiais. ESTUDO BACTERIOLÓGICO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO TOCANTINS, NO TRECHO COMPREENDIDO ENTE OS MUNÍCIPIOS DE CORONEL VALENTE E RETIRO (TO), A JUSANTE DA UHE SERRA DA MESA-GO. Ricardo H. P. B. Peixoto* Mestre

Leia mais

V-023 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA

V-023 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA V023 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA Ivo Luís Ferreira Macina (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do

Leia mais

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM María del Pilar Durante Ingunza (1) Geóloga/Universidad Complutense de Madrid/Espanha, Mestre em Meio Ambiente/Universidad Politécnica de Madrid/Espanha,

Leia mais

SOBRE OS SISTEMAS LACUSTRES LITORÂNEOS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA

SOBRE OS SISTEMAS LACUSTRES LITORÂNEOS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA SOBRE OS SISTEMAS LACUSTRES LITORÂNEOS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA Magda Maria Marinho Almeida Química Industrial Universidade Federal do Ceará, Mestre em Tecnologia de Alimentos - UFC Fernando José Araújo

Leia mais

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IV-030 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIO BAURU DETERMINAÇÃO DO IQA Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Especialista em Gestão Ambiental e em Controle da Poluição Ambiental; Mestre em Engenharia

Leia mais

V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS

V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS Gustavo Silva de Carvalho (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Alagoas, Mestre em Hidráulica e Saneamento pela Escola

Leia mais

IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA

IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO

AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO Maristela Silva Martinez (1) Bacharel em Química(USP), Mestre e Doutora em Físico-Química (IQSC- USP).

Leia mais

NORMA TÉCNICA COLIFORMES FECAIS PADRÃO DE LANÇAMENTO PARA EFLUENTES DOMÉSTICOS E/OU INDUSTRIAIS

NORMA TÉCNICA COLIFORMES FECAIS PADRÃO DE LANÇAMENTO PARA EFLUENTES DOMÉSTICOS E/OU INDUSTRIAIS NORMA TÉCNICA COLIFORMES FECAIS PADRÃO DE LANÇAMENTO PARA EFLUENTES DOMÉSTICOS E/OU INDUSTRIAIS CPRH Nº 2007 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. PADRÃO DE

Leia mais

Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil

Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil 1 Majane Marques Dias Lessa 2 Ana Alexandrina Gama da Silva RESUMO: Este estudo apresenta os resultados obtidos

Leia mais

V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA.

V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA. V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA. Vera Nobre Braz (1) Química Industrial. Mestre em Geoquímica pelo Centro de Geociências da UFPA. Coordenadora do Curso de Ciências Ambientais

Leia mais

P, Victor Hugo Dalla CostaP 4. Eliana R. SouzaP

P, Victor Hugo Dalla CostaP 4. Eliana R. SouzaP HTU UTH INFLUÊNCIA DAS FONTES DIFUSAS DE OLUIÇÃO HÍDRICA NO COMORTAMENTO DO H NAS ÁGUAS DA SUB-BACIA DO RIO OCOÍ, TRIBUTÁRIO DO RESERVATÓRIO DE ITAIU BACIA DO ARANÁ III atrícia C. Cervelin, Victor Hugo

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-028 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIACHO DE ÁGUA VERMELHA, MUNICÍPIO

Leia mais

I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA

I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA Rainier Pedraça de Azevedo (1) Engenheiro Civil graduado pela Universidade

Leia mais

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Castellón, 23-24 de julio de 28. IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Resumo Nóbrega, C.C.; Souza, I.M.F.; Athayde Júnior, G.B.; Gadelha, C.L.M. Departamento de Engenharia

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA BACIA METROPOLITANA DE FORTALEZA-CEARÁ-BRASIL

SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA BACIA METROPOLITANA DE FORTALEZA-CEARÁ-BRASIL SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA BACIA METROPOLITANA DE FORTALEZA-CEARÁ-BRASIL Maria Goretti Gurgel Mota de Castro Engenheira de Pesca - UFC/CE, Especialização em Engenharia Ambiental - Faculdade

Leia mais

Qualidade da Água no Lago de Sobradinho, BA: Análise de Componentes Principais

Qualidade da Água no Lago de Sobradinho, BA: Análise de Componentes Principais 177 Avaliação da Hercogamia e Sua Influência na Produção de Frutos de Maracujá... Qualidade da Água no Lago de Sobradinho, BA: Análise de Componentes Principais Water Quality in the Sobradinho Lake: Principal

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA Priscilla Dantas Rocha 1 ; Márcia Isabel Cirne França 2 ; Rodrigo Vieira Alves

Leia mais

II-110 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA

II-110 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA II-11 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA Irene Maria Chaves Pimentel (1) Graduanda em Engenharia Civil da Universidade Federal de Alagoas UFAL. Bolsista

Leia mais

Nome do Autor: Endereço para correspondência:

Nome do Autor: Endereço para correspondência: TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA E SUA RELAÇÃO COM O USO DO SOLO EM DOIS MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS SP: RESERVATÓRIO DO TANQUE GRANDE E DO CABUÇU Nome do Autor: José Carlos

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAMAMBUCA (UBATUBA-SP): UMA ABORDAGEM VOLTADA AO SANEAMENTO AMBIENTAL

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAMAMBUCA (UBATUBA-SP): UMA ABORDAGEM VOLTADA AO SANEAMENTO AMBIENTAL DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAMAMBUCA (UBATUBA-SP): UMA ABORDAGEM VOLTADA AO SANEAMENTO AMBIENTAL Graduando: André Muller Marinho Orientador: Marcos Eduardo Cordeiro Bernardes UNIVERSIDADE

Leia mais

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO É ESSENCIAL PARA A VIDA NA TERRA serve de fundação a todos os ecossistemas SERVE DE FUNDAMENTAL

Leia mais

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO Caracterização Histórica e Operacional da Estação de Tratamento de Esgotos Manoel Ferreira Leão Neto do Departamento Autônomo de Águas e Esgotos (DAAE) Araraquara-SP HISTÓRICO Simone Cristina de Oliveira

Leia mais

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE Wilma Gomes da Silva CARMO*; Nora Katia SAAVEDRA Escola de Engenharia Civil - Programa de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS SUPERFICIAIS DO PROJETO PÓLO DE FRUTICULTURA IRRIGADA SÃO JOÃO - PORTO NACIONAL TO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS SUPERFICIAIS DO PROJETO PÓLO DE FRUTICULTURA IRRIGADA SÃO JOÃO - PORTO NACIONAL TO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS SUPERFICIAIS DO PROJETO PÓLO DE FRUTICULTURA IRRIGADA SÃO JOÃO - PORTO NACIONAL TO Fabrício de Oliveira Ramos 1 Caroline Lopes Barros 1 Iracélia Coêlho de

Leia mais

ANÁLISE DE PARÂMETROS QUE COMPÕEM O ÍNDICE DE QUALIDADE DAS ÁGUAS (IQA) NA PORÇÃO MINEIRA DA BACIA DO RIO PARANAÍBA

ANÁLISE DE PARÂMETROS QUE COMPÕEM O ÍNDICE DE QUALIDADE DAS ÁGUAS (IQA) NA PORÇÃO MINEIRA DA BACIA DO RIO PARANAÍBA ANÁLISE DE PARÂMETROS QUE COMPÕEM O ÍNDICE DE QUALIDADE DAS ÁGUAS (IQA) NA PORÇÃO MINEIRA DA BACIA DO RIO PARANAÍBA Resumo Fernando Barbosa Costa Bacharel em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Alunos: Gabriel Ruivo Guilherme Vilares Ricardo Franzan Willian Koh. Tratamento de Efluentes

Alunos: Gabriel Ruivo Guilherme Vilares Ricardo Franzan Willian Koh. Tratamento de Efluentes Alunos: Gabriel Ruivo Guilherme Vilares Ricardo Franzan Willian Koh Tratamento de Efluentes Usos da Água e Geração de Efluentes: Abastecimento Doméstico Água potável + Impurezas devido ao uso = Efluentes

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-046- RIO DOS SINOS RS. QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-046- RIO DOS SINOS RS. QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-046- RIO DOS SINOS RS. QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS Enio Henriques Leite (1) Engº

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO CONDOMÍNIO TOPÁZIO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE ESMERALDAS, MINAS GERAIS

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO CONDOMÍNIO TOPÁZIO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE ESMERALDAS, MINAS GERAIS 7 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO CONDOMÍNIO TOPÁZIO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE ESMERALDAS, MINAS GERAIS Alice Monteiro de Carvalho (alicemonteiroc@gmail.com) 1 Jaqueline Silvana Moreira (jaquelinesmoreira@yahoo.com.br)

Leia mais

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco-

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco- Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco Maio 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. AVALIAÇÃO HIDROQUÍMICA... 3 3. CONCLUSÕES... 6 FIGURAS 2.1 PONTO DE COLETA RIO JOANES:

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE

QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE Miriam Suzana Rodrigues Schwarzbach 1 Resumo - Em 1997, o Departamento Municipal de Água

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS Jaqueline Scapinello 1, Antônio Carlos Munarini 2, Gilza M. de Souza Franco 3 e Jacir Dal Magro 3 Resumo: A suinocultura é uma atividade

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL CATEGORIA:

Leia mais

QUADRO 11 - ENQUADRAMENTO DAS ÁGUAS QUANTO À BALNEABILIDADE

QUADRO 11 - ENQUADRAMENTO DAS ÁGUAS QUANTO À BALNEABILIDADE 171 2 - A balneabilidade refere-se a utilização das águas para recreação de contato primário e é monitorada, sistematicamente, pela CPRH, através de análises bacteriológicas desse recurso, com vistas a

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

O EMPREGO DE WETLAND PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO

O EMPREGO DE WETLAND PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO O EMPREGO DE WETLAND PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO Maria das Graças de Castro Reis (1) Engenheira Sanitarista, Chefe da Divisão Técnica do Serviço Autônomo de Água e Esgoto SAAE de Alagoinhas-Bahia.

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ Pietra Quelissa ROBE, Estudante de Controle Ambiental do IFC- Campus Camboriú Yasmin Nunes DA SILVA, Estudante

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA

GESTÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA GESTÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA Giovana Kátie Wiecheteck* Universidade Estadual de Ponta Grossa, Doutoranda em Hidráulica e Saneamento pela Escola de Engenharia de São Carlos Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE. . AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE. Miriam Cleide Cavalcante de Amorim, Eng. Química. Mestre em Eng. Química pela Universidade Federal

Leia mais

SCHUMANN. São Gonçalo, novembro de 2007 1/4

SCHUMANN. São Gonçalo, novembro de 2007 1/4 Laudo sobre os resultados analíticos da água da Fonte da Gameleira, situada no Centro de São Gonçalo dos Campos, Bahia. A coleta e o laudo foram elaborados por profissionais da empresa Schumann Consultoria

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-003- ANÁLISE TEMPORAL DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES DO AEROPORTO INTERNACIONAL

Leia mais

BALNEABILIDADE DAS LAGOAS URBANAS DE SALVADOR - BAHIA

BALNEABILIDADE DAS LAGOAS URBANAS DE SALVADOR - BAHIA BALNEABILIDADE DAS LAGOAS URBANAS DE SALVADOR - BAHIA Juliana Jesus Santos ; Ailton dos Santos Junior ; Maili Correia Campos ; Claudia do Espírito Santo Lima & Eduardo Farias Topázio INTRODUÇÃO Balneabilidade

Leia mais

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ Marjory Barbosa Leite Tavares (1); Alana Karen Damasceno Queroga (2); Caroliny

Leia mais

I-071 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN

I-071 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN I-71 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN Gabriela Marques dos Ramos Vargas Engenheira Química pela Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Qualidade da água pluvial aproveitada em instalações residenciais no meio urbano: Santana de Parnaíba SP

Qualidade da água pluvial aproveitada em instalações residenciais no meio urbano: Santana de Parnaíba SP CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2005 Qualidade da água pluvial aproveitada

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE PROPRIEDADES RURAIS COM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE PROPRIEDADES RURAIS COM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE PROPRIEDADES RURAIS COM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE GERBER, Andrea Colman¹; RICORDI, Vanessa Gentil²; MILANI, Idel Cristiana Bigliardi³; NEBEL, Álvaro Luis Carvalho 4

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DA SUB-BACIA DOS RIO JURUENA-ARINOS, MT COM APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA (IQA NSF ) PARA OS ANOS DE 2012 E 2013

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL.

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. Liliana Pena Naval* Doutorada pela Universidad Complutense

Leia mais

III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA

III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA Cristiane Silveira Tecnóloga em Gerenciamento Ambiental pela Universidade

Leia mais

PORTARIA MS n. 2914/2011

PORTARIA MS n. 2914/2011 Ministério da Saúde Programa Nacional de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano VIGIAGUA Seminário Água e Saúde PORTARIA MS n. 2914/2011 Mariely Daniel São Paulo/SP 22/3/2012 1ª PORTARIA BSB

Leia mais

I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS

I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS José Alexandre Borges Valle (1) Engenheiro Químico pela Universidade Regional de Blumenau; Mestre em Engenharia Química

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior Introdução ao Tratamento de Esgoto Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO Sólidos ph Matéria Orgânica(MO) Nitrogênio Total Fóforo Total PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO ph Potencial

Leia mais

Desenvolvimento socioeconômico e conflitos territoriais. Pôster Digital

Desenvolvimento socioeconômico e conflitos territoriais. Pôster Digital 1 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAÚDE E MEIO AMBIENTE Desenvolvimento, e conflitos territoriais e saúde: ciência e movimentos sociais para a justiça ambiental nas políticas públicas. Desenvolvimento socioeconômico

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS...150

RESUMOS DE PROJETOS...150 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 149 RESUMOS DE PROJETOS...150 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010

Leia mais

I-119 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA PRESENÇA DE CHUMBO E CROMO EM MANANCIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA, UTILIZADOS EM SISTEMAS URBANOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

I-119 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA PRESENÇA DE CHUMBO E CROMO EM MANANCIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA, UTILIZADOS EM SISTEMAS URBANOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA I-119 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA PRESENÇA DE CHUMBO E CROMO EM MANANCIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA, UTILIZADOS EM SISTEMAS URBANOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Taysa Tamara Viana Machado (1) Engenheira Civil pela

Leia mais

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE TOG EM AMOSTRAS DE ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ

DETERMINAÇÃO DE TOG EM AMOSTRAS DE ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ DETERMINAÇÃO DE TOG EM AMOSTRAS DE ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ FARIAS, L. T. lazaro-tfarias@hotmail.com 1, SOUZA, L. D. luizuern@bol.com.br. 2 1- Aluno de Iniciação Científica da Universidade

Leia mais

REMOÇÃO DE NITROGÊNIO DE UM EFLUENTE ANAERÓBIO DE ORIGEM DOMÉSTICA POR MÉTODO DE IRRIGAÇÃO EM SULCOS RASOS

REMOÇÃO DE NITROGÊNIO DE UM EFLUENTE ANAERÓBIO DE ORIGEM DOMÉSTICA POR MÉTODO DE IRRIGAÇÃO EM SULCOS RASOS REMOÇÃO DE NITROGÊNIO DE UM EFLUENTE ANAERÓBIO DE ORIGEM DOMÉSTICA POR MÉTODO DE IRRIGAÇÃO EM SULCOS RASOS Ricardo Stahlschmidt Pinto Silva Bruno Coraucci Filho* Engenheiro Civil pela Faculdade de Engenharia

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO SANEAMENTO AMBIENTAL NA PRESERVAÇÃO DA LAGOA OLHO D ÁGUA

A INFLUÊNCIA DO SANEAMENTO AMBIENTAL NA PRESERVAÇÃO DA LAGOA OLHO D ÁGUA A INFLUÊNCIA DO SANEAMENTO AMBIENTAL NA PRESERVAÇÃO DA LAGOA OLHO D ÁGUA Maria de Lourdes Florencio dos Santos (1) Engenheira Civil (UFPE), Mestre em Hidráulica e Saneamento (EESC- USP), Ph.D em Tecnologia

Leia mais

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO)

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) Sandra Parreiras Pereira Fonseca (1) Doutora em Recursos Hídricos e Ambientais e Mestre

Leia mais

IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil

IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil Qualidade de Vida de Ribeirinhos na Amazônia em Função do Consumo de Água Tereza Cristina Souza de Oliviera (UFAM) Química,

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Nitrificação, lodos ativados convencional, remoção de amônia, escala real

PALAVRAS-CHAVE: Nitrificação, lodos ativados convencional, remoção de amônia, escala real II 152 - AVALIAÇÃO DA NITRIFICAÇÃO E FATORES INTERVENIENTES NO PROCESSO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS POR LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL EM ESCALA REAL- ETE ARRUDAS Sirlei Geraldo de Azevedo (1) Especialista em

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA PURIFICAÇÃO DA ÁGUA NA COMUNIDADE INDIGENA XERENTE

IMPORTÂNCIA DA PURIFICAÇÃO DA ÁGUA NA COMUNIDADE INDIGENA XERENTE IMPORTÂNCIA DA PURIFICAÇÃO DA ÁGUA NA COMUNIDADE INDIGENA XERENTE SOARES, Ana Caroline da Silva; DEBIAZZI, Gabriella Ferreira; AMBRÓSIO, Luíza Dezem; OLIVEIRA, Victor Garcia Aristides; GOUVEIA, Tatiana¹;

Leia mais

SECRETARIA DE OBRAS PÚBLICAS, IRRIGAÇÃO

SECRETARIA DE OBRAS PÚBLICAS, IRRIGAÇÃO SECRETARIA DE OBRAS PÚBLICAS, IRRIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO URBANO DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO URBANO MODELAGEM DA QUALIDADE DA ÁGUA DA BACIA DO URUGUAI, COMO FERRAMENTA PARA TOMADA DE DECISÕES QUANTO

Leia mais

A qualidade da água das bacias dos rios Anta Gorda, Brinco e Jirau Sudoeste do Estado do Paraná

A qualidade da água das bacias dos rios Anta Gorda, Brinco e Jirau Sudoeste do Estado do Paraná A qualidade da água das bacias dos rios, e Sudoeste do Estado do Paraná Julio Caetano Tomazoni André Virmond Lima Bittencourt Ernani Francisco da Rosa Filho Luiz Eduardo Mantovani as águas das três bacias

Leia mais

ENGENHARIA DE PROCESSOS EM PLANTAS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

ENGENHARIA DE PROCESSOS EM PLANTAS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL 1 IDENTIFICAÇÃO Nome do Bolsista MANOEL REGINALDO FERNANDES Título do Programa ENGENHARIA DE PROCESSOS EM PLANTAS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL Título do Curso / Especialização ENGENHARIA QUÍMICA / GRADUAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014 A LITORAL SANEAMENTO LTDA, atuante como concessionária do Município de Jaguaruna SC, prestando serviços de abastecimento de água nos Balneários Copa 70, Balneário

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

GABARITO CURSO TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE 2ºD

GABARITO CURSO TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE 2ºD GABARITO CURSO TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE 2ºD Questão 01 A) A acidez média do efluente de entrada é 89,45 e da saída é 34,35, sendo que houve uma redução de 70,00% neste parâmetro. B) A acidez média do efluente

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CASCARDI SANEAMENTO BÁSICO LTDA S BIOLÓGICOS NORMA E /OU PROCEDIMENTO CONSUMO HUMANO, ÁGUA TRATADA E Contagem Padrão de

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2012 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2012 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2012, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE JULHO - 2010 Rosane Ferreira de Aquino Carlos Romay Pinto da Silva Cláudia Espírito Santo Jorge Reis Lustosa Eduardo Atahyde

Leia mais

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN Resumo expandido - Avaliação e Estudos de Impactos Ambientais Manoel Cirício Pereira Neto

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL ZANOTELLI, C. T. 1 ; MEDEIROS, R 2.; DESTEFANI, A 3.; MIRANDA, L.M. 4 ; MORATELLI JR, A 5. FISCHER, M. 5 1 Dra. em Engenharia de Produção, Professora

Leia mais

VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL

VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOSH NA RMSP - SABESP MAIO DE 2010 Gestão de Recursos Hídricos PANORAMA GLOBAL Aumento da população mundial: 1950 2,52 bilhões

Leia mais

Portaria de Potabilidade de Água Evolução e desafios contínuos

Portaria de Potabilidade de Água Evolução e desafios contínuos Portaria de Potabilidade de Água Evolução e desafios contínuos A evolução ao longo de anos das portarias sobre potabilidade de água tem sido um exemplo a ser seguido por outras legislações. A cada revisão

Leia mais

Apresentação ECTEL S T A R T

Apresentação ECTEL S T A R T Apresentação ECTEL START Quem Somos A Luftech atua no mercado desde 1992 desenvolvendo soluções para problemas ambientais causados por Resíduos Perigosos. Trabalhamos visando racionalidade econômica, segurança

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL Isabelle Yruska de Lucena Gomes da Costa 1 ; Celso Augusto Guimarães Santos 2 ; Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega 3 1 Aluna

Leia mais

VII-001 - QUALIDADE SANITÁRIA DAS AREIAS DE PRAIAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

VII-001 - QUALIDADE SANITÁRIA DAS AREIAS DE PRAIAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO VII-001 - QUALIDADE SANITÁRIA DAS AREIAS DE PRAIAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Carlos Augusto M. da Costa e Silva (1) Biólogo pela Faculdade Pedro II (1977). Especialista em Microbiologia e Pós-graduado

Leia mais

PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS

PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS Área Temática Saneamento Ambiental Responsável pelo Trabalho Roberta Steffany Stangl Galharte - Endereço:Rua

Leia mais

QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO

QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO Aluna do Programa de Pós-Graduação do Mestrado em Geografia

Leia mais

% % % & )**+,-,*. &/$0.1*/0*2

% % % & )**+,-,*. &/$0.1*/0*2 !"#$ % % % & '( )**+,-,*. &/$0.1*/0*2 #' ## 0,3% ÁGUA DA SUPERFÍCIE 97% ÁGUA SALGADA (Mares e Oceanos) 3% ÁGUA DOCE 2,7% ÁGUA CONGELADA ## 3 10% 5% 85% AGRICULTURA INDÚSTRIA DOMICILIOS CLASSIFICAÇÃO DOS

Leia mais

A QUALIDADE DAS ÁGUAS DE REÚSO

A QUALIDADE DAS ÁGUAS DE REÚSO Seminário Ganhos Econômicos e Ambientais com Reúso de Água A QUALIDADE DAS ÁGUAS DE REÚSO Engº. Regis Nieto Gerente do Setor de Avaliação de Sistemas de Saneamento Reúso da Água e Ações da CETESB Controle

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

Hidrografia - Brasil. Professora: Jordana Costa

Hidrografia - Brasil. Professora: Jordana Costa Hidrografia - Brasil Professora: Jordana Costa As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado em relação a disponibilidade de água; Possui cerca de 12% de água doce do planeta em

Leia mais

DISCUSSÃO SOBRE A DILUIÇÃO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS EM CORPOS HÍDRICOS. Palavras-chave: Qualidade da Água, Efluentes Industriais, Autodepuração.

DISCUSSÃO SOBRE A DILUIÇÃO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS EM CORPOS HÍDRICOS. Palavras-chave: Qualidade da Água, Efluentes Industriais, Autodepuração. DISCUSSÃO SOBRE A DILUIÇÃO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS EM CORPOS HÍDRICOS Andreza Tacyana Félix Carvalho Fraga 1 ; Maria José de Sousa Cordão 2 ; Thiago Ferreira Soares 3 e Maria das Graças Cruz Mota 4 Resumo

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, tendo em vista as competências que lhe foram conferidas pela Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo

Leia mais

USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL

USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL Leane Chamma Barbar Przybysz (1) Engenheira Química formada pela Universidade Estadual de Maringá em 1984. Possui

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Desafios operacionais, reator UASB, Filtro Biológico Percolador, geração de odor.

PALAVRAS-CHAVE: Desafios operacionais, reator UASB, Filtro Biológico Percolador, geração de odor. II-151 - DESAFIOS OPERACIONAIS DE INÍCIO DE OPERAÇÃO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DO TIPO REATOR UASB SEGUIDO DE FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR ETE NOVA CONTAGEM - MG Maria Letícia de Castro (1)

Leia mais

II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO

II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO Walter Luiz da P. B. Vieira (1) Engenheiro Civil pela Universidade Católica de Goiás. Especialista em

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas RECUPERAÇÃO DO ALUMÍNIO UTILIZADO NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA 6 (ETA 6) DE PALMAS-TO Samir Siriano Barros 1 ; Rafael Montanhini Soares de Oliveira 2 1 Aluno do Curso de Engenharia Ambiental; Campus

Leia mais

MANEJO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DE CASO DOS DIVERSOS USOS DAS ÁGUAS DO RESERVATÓRIO DE ITAPARICA

MANEJO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DE CASO DOS DIVERSOS USOS DAS ÁGUAS DO RESERVATÓRIO DE ITAPARICA MANEJO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DE CASO DOS DIVERSOS USOS DAS ÁGUAS DO RESERVATÓRIO DE ITAPARICA Maria de Lourdes Almeida Gonçalves (1); Sara Maria Gomes Pinheiro (1); Emerson

Leia mais

I-091 MELHORIA DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA

I-091 MELHORIA DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina I-091 MELHORIA DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA Wanderlei

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 5 - Poluição e Degradação do Solo. Professor: Sandro Donnini Mancini.

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 5 - Poluição e Degradação do Solo. Professor: Sandro Donnini Mancini. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental Graduação em Engenharia Ambiental 5 - Poluição e Degradação do Solo Professor: Sandro Donnini Mancini Setembro, 2015 Solo camada

Leia mais

I-062 - TRATAMENTO DE EFLUENTES DE FÁBRICA DE PAPEL POR PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS EMPREGANDO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO E OZÔNIO

I-062 - TRATAMENTO DE EFLUENTES DE FÁBRICA DE PAPEL POR PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS EMPREGANDO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO E OZÔNIO I-062 - TRATAMENTO DE EFLUENTES DE FÁBRICA DE PAPEL POR PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS EMPREGANDO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO E OZÔNIO Ricardo Nagamine Costanzi Engenheiro Civil. Mestre em Hidráulica e Saneamento

Leia mais

Qualidade das Águas do Rio Santa Maria do Doce. Introdução

Qualidade das Águas do Rio Santa Maria do Doce. Introdução III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 103 Qualidade das Águas do Rio Santa Maria do Doce G. P. Paixão 1, M. V. S. Paixão 1*, S. M. Venzel 1 1 IFES Campus Santa Teresa * Email para

Leia mais

TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE

TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE 1. TURNO: Noturno MODALIDADE: Saneamento ÁREA: Meio Ambiente e Tecnologia da Saúde GRAU ACADÊMICO: Tecnólogo em Meio Ambiente PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 3 anos Máximo =

Leia mais

Fernando Ribeiro Camaz UNREDUC/SMS/MA

Fernando Ribeiro Camaz UNREDUC/SMS/MA Fernando Ribeiro Camaz UNREDUC/SMS/MA Email: fernandocamaz@petrobras.com.br Tel.: 021-2677-7264 CONTEXTUALIZAÇÃO A crescente preocupação com a imagem das empresas As indústrias brasileiras buscam alternativas

Leia mais