LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i"

Transcrição

1 LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i Cássia Aparecida Sales M Kirchner ii Faculdade de Educação Unicamp Grupo Civilis Palavras-chave: leitura; leitores; Coleção Biblioteca das Moças. INTRODUÇÃO O presente artigo tem por finalidade levantar pontos acerca do desenvolvimento de uma pesquisa historiográfica voltada para a história da leitura. Para o desenvolvimento desta proposta, foi tomado como ponto de partida a análise das marcas de leitura e registro de empréstimo encontrados nos livros da Coleção Biblioteca das Moças disponíveis na biblioteca da antiga Escola Normal de Campinas, atual Escola Estadual Carlos Gomes. A escolha pela análise desta coleção deve-se ao sucesso conquistado junto ao público feminino durante as décadas de vinte a sessenta do século XX. O mercado editorial brasileiro inicialmente foi marcado pela importação de livros estrangeiros, em grande parte, franceses e portugueses. A partir dos anos vinte é possível verificar iniciativas voltadas para a expansão do mercado editorial no Brasil e são utilizadas estratégias para a formação de uma cultura da leitura no intuito de contribuir para a constituição de uma cultura brasileira. Essa expansão editorial tinha além do aumento de interesse pelo livro a busca de públicos específicos, entre eles as mulheres. A possibilidade para essa modificação foi vislumbrada através de um inquérito promovido pelo jornal O Estado de São Paulo no intuito de caracterizar o movimento editorial na cidade. O resultado

2 apontou um deslocamento lento em direção à produção nacional a partir da década de vinte, levando os editores publicarem algumas obras brasileiras (TOLEDO, 2001). A mesma pesquisa aponta o crescimento do público feminino que inclusive passa a escolher e comprar livros, contudo, demonstra interesse particular pela então chamada literatura de água doce, grande parte constituída por traduções e não produções nacionais. A escolha desses livros pode ser relacionada às estratégias editoriais que ofereciam publicações voltadas para determinado público, nesse caso, as moças. Essa estratégia consistia em oferecer o adequado, prescrito, apropriado e desse modo operava um ordenamento de leituras e leitores possível de ser verificada através da publicação de coleções, entre elas a Biblioteca das Moças. O estudo do impresso como produto de estratégia pedagógica e editorial pode ser tratado a partir das proposições historiográficas de Roger Chartier e Michel de Certeau, sendo o conceito de estratégia (CERTEAU, 1982) compreendida como dispositivo de normatização de práticas estabelecidas por determinados lugares de poder. Ao considerar o livro, como suporte que busca estabelecer uma ordem, também deve ser desconsiderado que o mesmo revela significações de acordo com a apropriação dos leitores, estabelecendo a necessidade de trabalhar com duas perspectivas: de um lado, o estudo da maneira como os textos, e os impressos que lhes servem de suporte, organizam a leitura que deles deve ser feita e, por outro lado, a leitura prática, criadora, atividade produtora de sentidos singulares, significações de modo nenhum redutíveis às intenções dos autores de textos ou fazedores de livros: ela é uma caça furtiva, no dizer de Michel de Certeau (CHARTIER, 1988). A partir do indicado por Chartier, propõe-se nessa pesquisa o estudo das possíveis apropriações da Biblioteca das Moças pelas normalistas da Escola Normal de Campinas como uma coleção que possibilita oportunidades de interação e possíveis representações dos valores sociais veiculados na época. O SUPORTE A Coleção Biblioteca das Moças era composta por aproximadamente 176 volumes publicada pela Companhia Editora Nacional compostas de obras traduzidas, principalmente

3 do francês e do inglês escritos por vários autores organizados entre 1920 e 1960, com uma tentativa de retorno em 1980, no Brasil. Os romances ambientados geralmente em lugares requintados possuíam enredos com estrutura bem definida. A trama contava com um herói nobre e rico e a heroína plebeia e pobre, após os conflitos e desventuras vividos, finalizava com o casamento feliz, remontando características presentes nos contos de fada. O acesso e consumo dessa coleção geralmente são associados apenas às mulheres jovens da elite brasileira, considerando que era um modo de importar o modelo aristocrático para a educação feminina, e assim, constituir culturalmente uma imagem da mulher burguesa (CUNHA, 1999). As décadas de 30 a 50 aparecem como o período áureo em que a Companhia Editora Nacional chegou atingiu publicações na casa dos milhões, Maria Rita Toledo (2001) chama atenção para esse período em que houve um investimento na publicação de coleções. Considera que entre as estratégias editoriais, as coleções que na década de 20 ainda são tímidas, nos anos 30 vão se intensificar e difundir. Ordenando leitores e leituras, através da montagem das coleções, das mudanças dos formatos, ou da própria especialização da editora, a expansão da indústria inventa o público e enquadra textos e leitores às suas prescrições tomando para si o direito de saber o gosto e as necessidades do público. A autora ainda destaca outros fatores que poderiam influenciar e determinar essa escolha, como o preço do livro, a recomendação e aprovação por autoridades expressivas, a divulgação das editoras e livrarias. E em meio as normalistas estaria diretamente vinculada às recomendações feitas nos jornais e revistas católicas como leitura sã (TOLEDO, 2001). Após essas três décadas as publicações passaram por uma queda vertiginosa na década de 60. A pesquisa a partir das coleções, na perspectiva da História Cultural possibilita uma reconstrução das práticas empreendidas pelos editores, assim como possibilita a busca do perfil de leitor que se pretendia atingir por estas práticas, ou seja, leitores em potencial alvejados pela prática editorial. A possibilidade em desenvolver a pesquisa a partir do próprio livro possibilita recompor projetos específicos voltados para determinado público leitor a partir de sua materialidade. Dentre as estratégias utilizadas na produção de uma coleção está a oferta de um conjunto de títulos organizados em uma determinada ordem, composta por uma proposta específica, que inclusive norteia a forma de leitura de quem o lê. Maria Teresa Santos Cunha considera que os romances de amor eram amplamente consumidos entre as mulheres da elite brasileira a partir de meados do século XIX. Em seu

4 livro Armadilhas da sedução os romances de M. Delly (1995) utiliza o texto literário como fonte dando destaque a representações de normas, condutas, valores passíveis de educar e seduzir quem os lê. A restrição ao público leitor apontado por Cunha (1999) é posto em dúvida por Hansen (2005) questionando o estabelecimento de uma correspondência simétrica entre a situação social e o acesso à leitura. Reforça o questionamento destacando que as classes sociológicas aplicadas para determinar os condicionamentos sociais do leitor sexo, faixa etária, origem familiar, profissão, letramento, hábitos etc. não dão conta da forma particular produzida no ato da leitura literária. Transpondo os modos de produção e difusão destas coleções inicia o questionamento sobre qual leitor está sendo construído por tal prática? Para buscar a resposta sobre qual leitor manuseava a Coleção Biblioteca das Moças na Escola Normal Carlos Gomes a reposta depende em parte dos vestígios encontrados nos próprios livros, na investigação das marcas deixadas por esses leitores. POSSÍVEIS LEITORES As normalistas da Escola Normal de Campinas são descritas através de relatos como aquelas que levavam alegria à cidade e pela combinação de azul e branco dos seus uniformes, as normalistas de Campinas foram comparadas às andorinhas. O uniforme era uma combinação de azul e branco: saia pregueada de casimira azul-marinho e blusa branca e de mangas compridas, meias compridas e pretas, de algodão grosso, e sapatos pretos e grosseiros. Usavam ainda um cinto de verniz preto e um laçarote de fita azul-marinho no pescoço (PINHEIRO, 2007). A normalista figura de bom exemplo e boa conduta também era a moça a espera do casamento e nem sempre a formação na Escola Normal possuía o intuito de exercer o magistério, e sim a preparação para um bom casamento. Uma vez formadas, poucas iam ser professoras e as que seguiam a carreira do magistério o faziam por dificuldades financeiras ou porque desejavam mesmo uma profissão que fosse reconhecida socialmente (PINHEIRO, 2007).

5 Considerando que a Biblioteca das Moças é apontada como inculcadora de normas e condutas esperadas pela sociedade nas futuras professoras ou mães de família esperávamos encontrar indícios nos livros que contribuíssem para a identificação de possíveis leitores da coleção para tal foram desenvolvidas as seguintes etapas: 1) Levantamento dos exemplares presentes na Biblioteca da escola. A partir da lista com os títulos dos 176 exemplares da coleção foram localizados 79 exemplares, sendo que apenas o volume 47, Sozinha de Henri Ardel tem dois exemplares. A maioria dos livros apresenta um reforço na encadernação demonstrando que foi muito manuseado. Exemplares da Coleção Biblioteca das Moças da biblioteca da E.E. Carlos Gomes 2) Conferência se havia a coleção completa na biblioteca. Após o levantamento dos exemplares disponíveis foi feita a comparação com as fichas de organização da biblioteca. Estas fichas são organizadas por título, autor e no. de tombo. Não foram encontrados fichas dos livros desta coleção impossibilitando a confirmação se havia a coleção completa ou apenas os exemplares encontrados.

6 Arquivo de organização dos livros da biblioteca 3) Levantamento de indícios. Através da lista completa dos exemplares foi feita uma tabela para o levantamento de dados considerados relevantes para a pesquisa. Vol Titulo - Autor Tradutor Título Ano de publicação e Total Tombo Marcas e Obs Original Edição encontrada edições empréstimos 4) Análise dos dados levantados. Dos 79 exemplares 11 tinham inscrições provavelmente feitas por leitores. Destes 11, 6 apresentaram diferentes inscrições: a) comentando o livro, como: muito bom/ O melhor livro que já li/+ ou -/Bakana; b) anotações aleatórias; c) Inscrições e assinaturas; d) um cartão/convite com anotações:

7 Exemplares da Coleção Biblioteca das Moças da biblioteca da E.E. Carlos Gomes Objetos guardados no interior dos livros Apesar de a Coleção ter as primeiras publicações a partir da década de vinte os exemplares encontrados na biblioteca são em sua maioria de publicações de 1954 a 1957 período já considerado de declínio da coleção. Ano de publicação do exemplares encontrados Ano N. exemp Através dos cartões de empréstimo foi feito o levantamento dos usuários que emprestavam os livros da Biblioteca das moças.

8 Cartão de empréstimo dos livros com número do usuário, dadta de empréstimo e data de devolução A partir do levantamento de empréstimos foi possível identificar que houve uma grande demanda de empréstimos entre 1957 e No período entre 1962 e 1965 não há registro não sendo possível afirmar os motivos que ocasionaram esta ocorrência. Em 1966 os empréstimos são registrados novamente demonstrando uma queda significativa de procura. N. emprestimo/ano N. emprestimo/ano Através do número do usuário foi possível identificar que poucos usuários eram leitores assíduos da coleção, em muitos casos havia um empréstimo esporádico geralmente

9 dos mesmos títulos. Não foi possível estabelecer uma relação direta dos livros mais emprestados coma as anotações feitas pelos leitores indicando a qualidade do livro. 160 Levantamento do n. de empréstimos/usuário N. de usuários CONSIDERAÇÕES FINAIS Trabalhar buscando identificar o leitor desta coleção e estabelecer relações com a instituição onde ela se encontra conduz ao trabalho com as práticas específicas que se configuraram de diferentes modos e para serem identificadas exigem pesquisas sistemáticas. Os levantamentos aqui apresentados demonstram práticas que precisam ser reorganizadas e combinadas ao longo do trabalho que por hora apenas se inicia. Contudo, já foi possível identificar aspectos além dos dispositivos e estratégias editoriais, ou seja, alcançar os modos como o impresso pode ser apropriado por seus leitores. Portanto é possível estabelecer a hipótese de que o procedimento de pesquisa aqui adotado levanta dados para a compreensão dos processos de apropriação de livros que

10 sintetizam sistemas de pensamento instituídos pelas editoras e aceitos ou não por seus leitores dentro de instituições voltadas para a formação. REFERÊNCIAS ALMEIDA, Jane Soares de. Mulher e Educação: a paixão pelo possível. São Paulo: Ed. da UNESP DE CERTEAU, Michel. A Escrita da História. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, A Invenção do Cotidiano. Petrópolis: Vozes, CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel O mundo como representação. Estudos Avançados, São Paulo, v.5, n. 11, p , jan./abr Do livro à leitura. In: Práticas da Leitura. Tradutor: Cristiane Nascimento. São Paulo: Estação Liberdade CUNHA, Maria Teresa Santos. Armadilhas da sedução os romances de M. Delly. Belo Horizonte: Autêntica Editora LANG, Cíntia da Silva (s.d.), Bastidores da Produção da Coleção Biblioteca das Moças, São Paulo: PUC. ISBN In: Bastidores da Produção da Coleção Biblioteca das Moças. PINHEIRO, Maria de Lourdes. Práticas e representações na Escola Normal de Campinas no período educação temática digital, v.8, n.2, p , jun TOLEDO, Maria Rita de Almeida (s. d.). Coleção atualidades pedagógicas: do projeto político ao projeto editorial ( )., São Paulo: PUC-SP, Departamento de Educação. Tese de doutorado.

11 i Artigo produzido a partir dos estudos desenvolvidos na pesquisa sobre os livros da Biblioteca da E.E. Carlos Gomes, Campinas. Pesquisa que integra projeto mais amplo voltado para a organização do acervo histórico desenvolvido desde o primeiro semestre de 2002 pela professora Maria Cristina Menezes coordenadora do Grupo Civilis da Faculdade de Educação da Unicamp. ii Doutoranda do programa de pós-graduação da Faculdade de Educação da Unicamp. Orientanda da professora Maria Cristina Menezes.

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca I M A G E M N O B R A S I L COM A PALAVRA, AS IMAGENS! representações do feminino nas capas dos romances da Biblioteca das Moças (1940-1960) Maria Teresa Santos Cunha Entre 1940 a 1960, uma coleção de

Leia mais

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res 97 A INSTRUÇÃO NOS JORNAIS, RELATÓRIOS E MENSAGENS DOS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA E DE ESTADO NA PARAÍBA (1889-1910). Algumas palavras iniciais: Michelle Lima da Silva Bolsista CNPQ/PIBIC/UFPB (graduanda)

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSO PARA SOCIALIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO AUDIOVISUAL EM SAÚDE

GESTÃO DE PROCESSO PARA SOCIALIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO AUDIOVISUAL EM SAÚDE GESTÃO DE PROCESSO PARA SOCIALIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO AUDIOVISUAL EM SAÚDE Viviane Almeida da Silva 1, Rosinalva Alves de Souza 1, Maria Cristina Soares Autores Guimarães 1, Cícera Henrique da Silva 1, Rosemary

Leia mais

Assim nas páginas como nas margens. Marcas do ler em livros escolares do acervo do Museu da Escola Catarinense (décadas de 20 a 70 do século XX).

Assim nas páginas como nas margens. Marcas do ler em livros escolares do acervo do Museu da Escola Catarinense (décadas de 20 a 70 do século XX). Assim nas páginas como nas margens. Marcas do ler em livros escolares do acervo do Museu da Escola Catarinense (décadas de 20 a 70 do século XX). Maria Teresa Santos Cunha / PPGE/Mestrado/UDESC/SC Comunicação

Leia mais

PO 06: Uma historiografia da Escola Normal Paraense na ótica da disciplina Matemática

PO 06: Uma historiografia da Escola Normal Paraense na ótica da disciplina Matemática PO 06: Uma historiografia da Escola Normal Paraense na ótica da disciplina Matemática Cibele Borges de Sousa UFPA cibele39sousa@yahoo.com.br Maria Lúcia Pessoa Chaves Rocha IFPA lucia.rocha@ifpa.edu.br

Leia mais

UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980

UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980 UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980 ELAINE RODRIGUES (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ), ALLINE MIKAELA PEREIRA (PPE/UEM). Resumo Por

Leia mais

Cais da Leitura: leitura em ação

Cais da Leitura: leitura em ação Cais da Leitura: leitura em ação Conceição Flores. Universidade Potiguar (UnP). Carla Rosiane C. Andrade. Universidade Potiguar (UnP). Nos últimos tempos, estamos sendo quase que cotidianamente bombardeados

Leia mais

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS Wilson Camerino dos Santos Junior Instituto Federal do Espírito Santo/ caducamerino@yahoo.com.br RESUMO A pesquisa apresenta

Leia mais

PERCURSOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO NO CERRADO

PERCURSOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO NO CERRADO PERCURSOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO NO CERRADO 5ÃTKG'FWECÁºQ)GTCN'FWECÁºQ5WRGTKQTG (QTOCÁºQ%QPVKPWCFCFQ'FWECFQT 'FKVQTC'ZGEWVKXC 2TQHC&TC/CTKCFG.QWTFGU2KPVQFG#NOGKFC7PKRNCE7PKECOR %QPUGNJQ'FKVQTKCN'FWECÁºQ0CEKQPCN

Leia mais

5. Considerações Finais

5. Considerações Finais 5. Considerações Finais No fim, realizada a viagem do mais complexo (ainda abstrato) ao mais simples e feito o retorno do mais simples ao mais complexo (já concreto) a expressão (...)passa a ter um conteúdo

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

Assistência Social da USP, com valor equivalente a um salário mínimo.

Assistência Social da USP, com valor equivalente a um salário mínimo. 1 O ENSINO NOTURNO EM UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA: CARÁTER INCLUDENTE? BRANCALEONI, Ana Paula Leivar UNESP PIOTTO, Débora Cristina USP PINTO, José Marcelino de Rezende USP GT-11: Política de Educação Superior

Leia mais

A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais

A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais Dayanne Cristina Moraes de DEUS; Dulcéria TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES; Reila Terezinha da Silva LUZ Departamento de

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema Luciana Ferreira Pinto 1 1.Introdução Desde o início da Escola dos Anais, na França, os objetos de estudo da História vêm se modificando, exigindo

Leia mais

Palavras-chave: mídia, sociedade de cultura, meios de comunicação de massa.

Palavras-chave: mídia, sociedade de cultura, meios de comunicação de massa. MÍDIA, IDENTIDADE CULTURAL E SOCIEDADE Viviane L Martins Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP Resumo Este artigo visa uma breve análise sobre o modo como a mídia interage com a sociedade de cultura.

Leia mais

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA Rafael Nóbrega Araújo, graduando em História (UEPB) e-mail: rafaelnobreg@hotmail.com Patrícia Cristina Aragão,

Leia mais

Na abertura de mais um COLE: compromissos e emoções - TEXTO DE ABERTURA 17º COLE

Na abertura de mais um COLE: compromissos e emoções - TEXTO DE ABERTURA 17º COLE Na abertura de mais um COLE: compromissos e emoções - TEXTO DE ABERTURA 17º COLE O COLE nasceu criado. Parece contraditório dizer a expressão nascer criado, mas a idéia é de que o COLE, ao nascer, não

Leia mais

UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão

UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão Eva Simone de Oliveira (acadêmica) e-mail: UNESPAR/Campo Mourão e- mail: Claudia Priori (Orientadora) INTRODUÇÃO

Leia mais

HOMOFOBIA RELIGIOSA: DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

HOMOFOBIA RELIGIOSA: DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA HOMOFOBIA RELIGIOSA: DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Viviane Kate Pereira Ramos (Universidade Federal de Campina Grande) viviankate@gmail.com Dayanne Azevedo da Silva (Universidade Federal de Campina

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE 1. INTRODUÇÃO A Biblioteca Paulo Ernesto Tolle é mantida pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado FECAP, uma das mais antigas

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio No segundo semestre de 1970, as revistas que publicavam fotonovelas no Brasil ocupavam o segundo lugar em tiragem e circulação, perdendo apenas para as revistas

Leia mais

IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO

IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO Deise Sachetti Pinar,Maria José Gomes Moreira de Miranda 2, Sumiko Hagiwara Sakae 3 Orientadora: Drª. Maria Tereza

Leia mais

LEITURA EM TELA NO PONTO BALE/CTI

LEITURA EM TELA NO PONTO BALE/CTI LEITURA EM TELA NO PONTO BALE/CTI Renata Paiva de Freitas/UERN renata18.love@hotmail.com Claudia Magna Pessoa da Silva/UERN lookpessoa@gmail.com Maria Lúcia Pessoa Sampaio/UERN malupsampaio@hotmail.com

Leia mais

RESENHA resenha resumo resenha crítica Título: Identificação do resenhista: Referência: Dados sobre o(s) autor(es): Dados sobre a obra: Apreciação:

RESENHA resenha resumo resenha crítica Título: Identificação do resenhista: Referência: Dados sobre o(s) autor(es): Dados sobre a obra: Apreciação: RESENHA Resenha é a apreciação crítica sobre uma determinada obra (livro, artigo, texto, filme, etc.). Trata-se de um breve texto, semelhante a um resumo, que visa comentar um trabalho realizado. Será

Leia mais

UMA ANÁLISE DO TRATAMENTO DADO À TRIGONOMETRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO PUBLICADOS NO BRASIL DO INÍCIO DO SÉCULO XX AOS DIAS ATUAIS

UMA ANÁLISE DO TRATAMENTO DADO À TRIGONOMETRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO PUBLICADOS NO BRASIL DO INÍCIO DO SÉCULO XX AOS DIAS ATUAIS ISSN 2316-7785 UMA ANÁLISE DO TRATAMENTO DADO À TRIGONOMETRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO PUBLICADOS NO BRASIL DO INÍCIO DO SÉCULO XX AOS DIAS ATUAIS Resumo Adriano Torri Souza UFSM adriano.torrisouza@gmail.com

Leia mais

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Thayane Lopes Oliveira 1 Resumo: O tema Relações de gênero compõe o bloco de Orientação Sexual dos temas transversais apresentados nos parâmetros curriculares

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

CAPA FACULDADE DE TEOLOGIA INTEGRADA NOME DO ALUNO (OU EQUIPE) Título do Projeto

CAPA FACULDADE DE TEOLOGIA INTEGRADA NOME DO ALUNO (OU EQUIPE) Título do Projeto CAPA FACULDADE DE TEOLOGIA INTEGRADA NOME DO ALUNO (OU EQUIPE) Título do Projeto IGARASSU 2012 (Folha de rosto - modelo) 2 cm. NOME DO ALUNO Nome do(s) aluno(s) - centralizado e em letras maiúsculas Título

Leia mais

A PRESERVAÇÃO DOS ARQUIVOS NO MUNICÍPIO DE PALMITAL (SP)

A PRESERVAÇÃO DOS ARQUIVOS NO MUNICÍPIO DE PALMITAL (SP) Fontes e Arquivos A PRESERVAÇÃO DOS ARQUIVOS NO MUNICÍPIO DE PALMITAL (SP) Rodrigo Modesto Nascimento * O objetivo do artigo é divulgar os resultados da pesquisa que procurou analisar as formas de relação

Leia mais

ENXERGUE O DEFICIENTE VISUAL

ENXERGUE O DEFICIENTE VISUAL ENXERGUE O DEFICIENTE VISUAL Rafael SOARES Emílio MANSUETO Filipe BAXTER Rafael STANGHERLIN Paulo FALABELLA (professor orientador) Centro Universitário de Belo Horizonte Uni-BH, Belo Horizonte, MG Resumo:

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar.

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar. Curso de Formação de Professores Primários da Escola Normal de Caetité Ba no Período de 1925 a 1940: Análise das Transformações Curriculares do Ensino de Matemática. Márcio Oliveira D Esquivel 1 GD5 História

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral Emprego Doméstico: Evolução ou Precarização? (2004-2014) Resumo: O presente

Leia mais

definido, cujas características são condições para a expressão prática da actividade profissional (GIMENO SACRISTAN, 1995, p. 66).

definido, cujas características são condições para a expressão prática da actividade profissional (GIMENO SACRISTAN, 1995, p. 66). A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES PROFISSIONAIS DE ESTUDANTES DE PEDAGOGIA Rita de Cássia de Alcântara Braúna UFV/MG - rbrauna@ufv.br Agência Financiadora: FAPEMIG e CNPq Introdução Pesquisas na área da formação

Leia mais

O(s) Uso(s) de Documentos de Arquivo na Sala de Aula

O(s) Uso(s) de Documentos de Arquivo na Sala de Aula O(s) Uso(s) de Documentos de Arquivo na Sala de Aula SEQUÊNCIA DIDÁTICA Milton Garcia Silva São Paulo 2012 TEMA Modos de Morar em São Paulo Séculos XIX e XX. JUSTIFICATIVA Nota-se que os alunos possuem

Leia mais

Consumidor e produtor devem estar

Consumidor e produtor devem estar A produção científica tem um produtor e um consumidor e, evidentemente, todo produtor é também um consumidor: quanto melhor consumidor ele for, melhor será como produtor. Há pesquisas em psicologia que

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

Juventude e música: a produção nos cursos de pós-graduação brasileiros 1

Juventude e música: a produção nos cursos de pós-graduação brasileiros 1 Juventude e música: a produção nos cursos de pós-graduação brasileiros 1 Thenille Braun Janzen Universidade Federal de Uberlândia Resumo: O presente relato de experiência pretende destacar os resultados

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA NA FORMAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA NA FORMAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA NA FORMAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES INTRODUÇÃO Bruna Barreto da Costa Cristina Faria de Souza Moreira Rafael Lima da Cruz Laudicéia Soares Urbano Embora a existência de creches

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

Formação de Jovens e Adultos Leitores nas comunidades do entorno da PUCRS

Formação de Jovens e Adultos Leitores nas comunidades do entorno da PUCRS XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Formação de Jovens e Adultos Leitores nas comunidades do entorno da PUCRS Ingrid Malaquias de Maia 1, Maria Conceição Pillon Christofoli 1 1 Faculdade de Educação,

Leia mais

LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA

LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA Marlete dos Anjos Silva Schaffrath 13 Maria Elisabeth Blanck Miguel 14 Faculdade de Artes do Paraná Área: História

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO.

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: UFF/CMIDS E-mail: mzosilva@yahoo.com.br RESUMO A presente pesquisa tem como proposta investigar a visão

Leia mais

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática.

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática. DESAFIOS DO ENSINO DA INFORMÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Jéssyca Edly Messias Ribeiro (IFRN) jeh_edly@hotmail.com Jefferson Hernane da Silva

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL - MIOSÓTIS Daniella Mac-Dowell

Leia mais

Educação Espírita da Criança 1. 1. Por que o Espiritismo deve ser ensinado para as crianças?

Educação Espírita da Criança 1. 1. Por que o Espiritismo deve ser ensinado para as crianças? Educação Espírita da Criança 1 1. Por que o Espiritismo deve ser ensinado para as crianças? Jáder Sampaio Na concepção espírita, a infância é um estado passageiro no qual um espírito tem a oportunidade

Leia mais

TRAJETÓRIAS E ESTRATÉGIA DE RECONVERSÃO DE PEQUENOS NEGOCIANTES NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS

TRAJETÓRIAS E ESTRATÉGIA DE RECONVERSÃO DE PEQUENOS NEGOCIANTES NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS TRAJETÓRIAS E ESTRATÉGIA DE RECONVERSÃO DE PEQUENOS NEGOCIANTES NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS MUZZETI, Luci Regina - FCL/CAr-UNESP GT: Sociologia da Educação /n.14 Agência Financiadora:.

Leia mais

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL RESUMO Luana da Mata (UEPB) 1 Patrícia Cristina de Aragão Araújo (UEPB) 2 Este artigo tem como objetivo refletir como as brincadeiras

Leia mais

Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras

Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras Entrevista Margarida Kunsch Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras no campo das relações públicas e da comunicação

Leia mais

Revista Perspectiva. 2 Como o artigo que aqui se apresente é decorrente de uma pesquisa em andamento, foi possível trazer os

Revista Perspectiva. 2 Como o artigo que aqui se apresente é decorrente de uma pesquisa em andamento, foi possível trazer os OS SABERES CIENTÍFICOS SOBRE A EDUCAÇÃO INFANTIL: continuidades e descontinuidades na produção acadêmica recente. CAMPOS, Mariê Luise Campos UFSC mariecampos10@gmail.com eixo: Educação e Infância / n.

Leia mais

A amizade abana o rabo

A amizade abana o rabo RESENHA Leitor iniciante Leitor em processo Leitor fluente ILUSTRAÇÕES: Marina relata, nessa história, seu encontro com cães especiais, que fazem parte de sua vida: Meiga, Maribel e Milord. A história

Leia mais

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS Evandro Marcelo da Silva 1 - PUCPR Kauana Domingues 2 PUCPR Edinéia Aranha 3 Grupo de Trabalho Educação e Direitos Humanos Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

Título: GENEALOGIA PARA OS JOVENS. Sub-título: DETECTIVES DO PASSADO

Título: GENEALOGIA PARA OS JOVENS. Sub-título: DETECTIVES DO PASSADO Título: GENEALOGIA PARA OS JOVENS Sub-título: DETECTIVES DO PASSADO Dirigida a: crianças do 1º ciclo, 2º ciclo e 3º ciclo. Duração: 50 minutos. Relevância /interesse do estudo: Quase todas as crianças

Leia mais

SITES ESCOLARES E O MERCADO EDUCACIONAL EM ESCOLAS DE PRESTÍGIO DE CAMPO GRANDE MS

SITES ESCOLARES E O MERCADO EDUCACIONAL EM ESCOLAS DE PRESTÍGIO DE CAMPO GRANDE MS SITES ESCOLARES E O MERCADO EDUCACIONAL EM ESCOLAS DE PRESTÍGIO DE CAMPO GRANDE MS Stephanie Amaya Professora Anos Iniciais do Ensino Fundamental/GEPASE UFMS Jacira Helena do Valle Pereira Universidade

Leia mais

PROPOSTA DE PARCERIA DE AÇÃO EDITORIAL

PROPOSTA DE PARCERIA DE AÇÃO EDITORIAL PROPOSTA DE PARCERIA DE AÇÃO EDITORIAL ABRAPCH: notícia e presença no Interior 781 JORNAIS do Interior do Brasil 3,5 MILHÕES de exemplares/ semana 22 MILHÕES de leitores/ semana 1ª Etapa 1ª Etapa 1ª Etapa

Leia mais

Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento

Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento Fernando José de Almeida Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida Casamento não significa felicidade automática e garantida. Isso só acontece

Leia mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais diversificada A Lei 12.485/2011 destrava a concorrência no setor,

Leia mais

História da Mídia Impressa na Educação

História da Mídia Impressa na Educação História da Mídia Impressa na Educação LUSTOSA, Elem Acadêmica do Curso de Pedagogia Iniciação Científica MACIEL, Margareth de Fátima Doutorado em Educação UNICENTRO - PARANÁ RESUMO Esse texto aborda a

Leia mais

LEITURA E LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

LEITURA E LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS LEITURA E LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luziana de Magalhães Catta Preta PG/ UFF Nesta comunicação, conforme já dito no título, desejamos apresentar os resultados parciais de uma pesquisa

Leia mais

O resultado da pesquisa realizada para responder às perguntas acima é apresentado em quatro capítulos.

O resultado da pesquisa realizada para responder às perguntas acima é apresentado em quatro capítulos. Frank USARSKI. O Budismo e as outras. Encontros e desencontros entre as grandes religiões mundiais. Aparecida: Ideias & Letras, 2009, 304 p. ISBN 978-85-7698-053-7 por Wagner Lopes Sanchez * [wagnersanchez

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE

EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE FIGUEIREDO,Lilia Márcia de Souza 1 ZANZARINI, Maria Pinheiro FERRO, Sônia Maria Pinheiro A educação sexual, teoricamente, é iniciada nas famílias. As crianças são educadas

Leia mais

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação)

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Resenha Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Renata Escarião PARENTE 1 Parte do resultado da tese de doutoramento

Leia mais

ESTÁGIO CURRRICULAR NA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO RELATÓRIO

ESTÁGIO CURRRICULAR NA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO RELATÓRIO 1 ESTÁGIO CURRRICULAR NA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO RELATÓRIO 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA

Leia mais

ACERVO A. TITO FILHO:

ACERVO A. TITO FILHO: ACERVO A. TITO FILHO: PROPOSTAS PARA UMA PESQUISA NA INTERNET Jordan Bruno Oliveira Ferreira * A pesquisa sobre a obra de A. Tito Filho 1 começou como projeto do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação

Leia mais

Política Editorial / Editorial Policy

Política Editorial / Editorial Policy 127 Política Editorial / Editorial Policy A Revista Saúde é uma publicação impressa anual, veiculada pelo Claretiano Centro Universitário, destinada à divulgação científica de pesquisas e projetos nas

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

Autor e imagens na Revista Brasileira de Psicanálise (1967 1970)

Autor e imagens na Revista Brasileira de Psicanálise (1967 1970) Autor e imagens na Revista Brasileira de Psicanálise (1967 1970) Prof. Me. Roger Marcelo Martins Gomes Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: roger.gomes@usc.br Comunicação Oral Eixo 6 - Memória,

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO

IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO Aluno: Isabela Salgado Silva Pereira Orientador: Claudio Ferraz Introdução É de consentimento geral que o nível de desenvolvimento econômico de

Leia mais

A legitimação acadêmica do campo do jornalismo empresarial. Fonte: Suzi Garcia Hantke

A legitimação acadêmica do campo do jornalismo empresarial. Fonte: Suzi Garcia Hantke A legitimação acadêmica do campo do jornalismo empresarial Fonte: Suzi Garcia Hantke anos 1970, os jornais e revistas empresariais pairavam sob um domínio misto, em que relações públicas, jornalistas e

Leia mais

JOSÉ DE ALENCAR: ENTRE O CAMPO E A CIDADE

JOSÉ DE ALENCAR: ENTRE O CAMPO E A CIDADE JOSÉ DE ALENCAR: ENTRE O CAMPO E A CIDADE Thayanne Oliveira Rosa LUCENA¹, Dr. Gustavo Abílio Galeno ARNT² 1. Bolsista PIBIC/IFB - Instituto Federal de Brasília- Campus: São Sebastião- DF thayanne.001@gmail.com

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos PERFIL DOS DISCENTES DA PRIMEIRA TURMA DO CURSO PRÉ-VESTIBULAR SOCIAL TEOREMA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA Raíza Texeira Griffo Vasconcelos (UENF) raizagriffo@gmail.com Talita Vieira Barros (UENF) tv.barros@yahoo.com.br

Leia mais

Fontes Operação Valores de Operação (R$) Unid. Habitacionais

Fontes Operação Valores de Operação (R$) Unid. Habitacionais Nota da Equipe de Pesquisa do IAU (USP-São Carlos) / PEABIRU sobre as matérias a respeito da modalidade Entidades do Programa Minha Casa Minha Vida publicadas no jornal O Estado de SP A equipe de pesquisa

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação

TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação 1 APRESENTAÇÃO O financiamento da educação superior pública constitui-se num dos

Leia mais

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE José Albuquerque Constantino 1 Joselya Claudino de Araújo

Leia mais

TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID.

TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID. TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID. Resumo Alcenir Amorim de Sousa 1 1 Instituto Federal de educação

Leia mais

Entre rezas, lágrimas, suor, menstruação e chulé: o futebol feminino em foco

Entre rezas, lágrimas, suor, menstruação e chulé: o futebol feminino em foco Entre rezas, lágrimas, suor, menstruação e chulé: o futebol feminino em foco Mariane da Silva Pisani Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil DOI 10.11606/issn.2316-9133.v24i24p338-347 Existem

Leia mais

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com A Bíblia Sagrada já vendeu, aproximadamente, 3,9 bilhões de cópias. O livro Ágape, do Padre Marcelo Rossi, já vendeu 8 milhões de exemplares. O livro erótico, Cinquenta Tons de Cinza, chegou ao número

Leia mais

Arqueologia das indústrias calçadistas de Novo Hamburgo em seu período fabril (1890-1920)

Arqueologia das indústrias calçadistas de Novo Hamburgo em seu período fabril (1890-1920) Arqueologia das indústrias calçadistas de Novo Hamburgo em seu período fabril (1890-1920) Inês Caroline Reichert- Feevale No espaço deste texto, procurarei apresentar a proposta de pesquisa, e seus resultados

Leia mais

PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO

PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO 1268 PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO Rodrigo Rodrigues Menegon, Sérgio Augusto Gouveia Júnior, Marcia Regina Canhoto Lima, José Milton Lima Universidade Estadual Paulista

Leia mais

LETRAS PESQUISA EXAME NACIONAL DE CURSOS

LETRAS PESQUISA EXAME NACIONAL DE CURSOS EXAME NACIONAL DE CURSOS Esta pesquisa é parte integrante do Exame Nacional de Cursos o Provão e tem por objetivo não só levantar informações que permitam traçar o perfil do conjunto de graduandos, mas

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 NATAÇÃO E DESEMPENHO ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DE UMA EXTENSÃO DA UFG COM UMA ESCOLA PÚBLICA Poliana Siqueira Pedroza 1 Luís César de Souza 2 RESUMO Comunidade Aquática é um projeto de extensão do curso de

Leia mais

QUEM SÃO OS CANDIDATOS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Ramon Martinez Ribeiro Neto 1. Gilberto de Andrade Martins 2

QUEM SÃO OS CANDIDATOS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Ramon Martinez Ribeiro Neto 1. Gilberto de Andrade Martins 2 V S E M E A D P E S Q U I S A Q U A N T I T A T I V A E N S I N O QUEM SÃO OS CANDIDATOS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Ramon Martinez Ribeiro Neto 1 Gilberto de Andrade Martins 2 RESUMO

Leia mais

Quem tem medo da Fada Azul?

Quem tem medo da Fada Azul? Quem tem medo da Fada Azul? Lino de Albergaria Quem tem medo da Fada Azul? Ilustrações de Andréa Vilela 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2015 Edição de Texto Noga Sklar Ilustrações Andréa Vilela Capa KBR

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

Ilustração de Ike Vilela, que será usada em todo o material de divulgação da peça.

Ilustração de Ike Vilela, que será usada em todo o material de divulgação da peça. Ilustração de Ike Vilela, que será usada em todo o material de divulgação da peça. Esta peça é uma homenagem à nossa saudosa Sylvia Orthoff, por seu trabalho no teatro e principalmente por ser a fada mais

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

Demografia Médica no Brasil. Vol 2

Demografia Médica no Brasil. Vol 2 Demografia Médica no Brasil. Vol 2 Mário Scheffer Conselho Federal de Medicina, 6 de fevereiro 2013 Equipe da pesquisa Mário Scheffer (coordenador) Alex Cassenote Aureliano Biancarelli Cooperação acadêmica

Leia mais

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA Lourdes Serafim da Silva 1 Joelma Aparecida Bressanin 2 Pautados nos estudos da História das Ideias Linguísticas articulada com Análise

Leia mais

A aula de leitura através do olhar do futuro professor de língua portuguesa

A aula de leitura através do olhar do futuro professor de língua portuguesa A aula de leitura através do olhar do futuro professor de língua portuguesa Dra. Eulália Vera Lúcia Fraga Leurquin 1 Marina Kataoka Barros 2 Resumo Por meio desta comunicação, desejamos refletir sobre

Leia mais

Teologia Feminista e de Gênero na Faculdades EST. A construção de uma área do conhecimento

Teologia Feminista e de Gênero na Faculdades EST. A construção de uma área do conhecimento Teologia Feminista e de Gênero na Faculdades EST A construção de uma área do conhecimento Centro de Estudos Bíblicos Todos os direitos reservados Revisão Nelson Kilpp Capa Rodrigo Fagundes Editoração Rafael

Leia mais