URBANIZAÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES EM MATINHOS PR 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "URBANIZAÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES EM MATINHOS PR 1"

Transcrição

1 URBANIZAÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES EM MATINHOS PR 1 Viviane Domingues da Silva Universidade Federal do Paraná Resumo Diante do tema, o objetivo central da pesquisa é descrever o crescimento urbano no centro de Matinhos, bem como identificar os problemas ambientais decorrentes desse crescimento. Os resultados demonstraram que a maior parte dos problemas ambientais encontrados na área são a falta de saneamento, de infraestrutura para turistas e ocupação desordenada do espaço e se devem principalmente a falta de planejamento. Palavras-chave: Urbanização; Áreas costeiras; Análise temporo-espacial. Grupo de Trabalho nº16 Geotecnologias, informação e comunicação aplicadas ao urbano *Texto baseado na monografia de mesmo título, apresentada em 03/ Orientado pela Profª. Dra. Sony Cortese Caneparo

2 1. Introdução O objetivo da pesquisa é descrever o crescimento urbano no centro de Matinhos, bem como identificar os problemas ambientais decorrentes desse crescimento. Para isso pretende-se em primeiro lugar quantificar o crescimento espacial da área urbana de Matinhos para os anos de 1963, 1980 e 2003, através de mapeamentos da cobertura vegetal e uso da terra para as datas supracitadas; identificar os fatores que levaram a tal crescimento e os principais problemas ambientais decorrentes dele; e estimar através dos modelos probabilísticos da cadeia de Markov e automato celular as áreas que estarão antropizadas no ano de A escolha da área de estudo, ou seja, a área urbana central de Matinhos se deve ao fato de representar uma pequena porção do litoral paranaense que está confinada entre a Serra do Mar e a faixa de praia que é ocupada por turistas em épocas como a do verão e dos feriados. Segundo a base cartográfica a distância entre a serra e a faixa de praia é de 5951,21m. Foram realizadas idas a campo para aferição dos mapeamentos, bem como, identificação de possíveis problemas ambientais resultantes da antropização. 1.1 Referencial teórico A teoria de Christaller, citada por Souza, sobre as localidades centrais, menciona que uma cidade tem sua importância relacionada à quantidade de serviços que ela oferece e a importância que isso representa nas suas proximidades (SOUZA, 2011). No Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro (PNGC II, 1997), não é levado em conta o uso sustentável e o planejamento dos recursos, para uma ocupação ordenada. Entre os seus projetos houve a efetivação do processo de zoneamento costeiro, fortalecimento das equipes institucionais e a conscientização da população. O marco balizador da proposta está representado nos documentos gerados pela Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento, conhecida como RIO-92, destacando-se a chamada Declaração do Rio sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento e a Agenda 21. Além disso, esse plano considera que maior parte da população mundial se concentra em zonas costeiras e mantém a tendência ao crescimento da população; assim o bem estar dessa população depende da conservação da vegetação e dos recursos dessas áreas. A área de abrangência desse plano no Paraná atinge os municípios de Guaraqueçaba, Antonina, Morretes, Paranaguá, Pontal do 2

3 Paraná, Matinhos e Guaratuba. Segundo Sposito, a origem das cidades está diretamente ligada ao modo de produção capitalista. (SPOSITO, 1991). O capitalismo se desenvolve tanto no meio rural quanto no meio urbano, porém, é na cidade que ele encontra a densidade e concentração viabilizando a circulação de pessoas e capital. Pode-se trabalhar com o espaço urbano, como sendo um conjunto de usos da terra diferenciados e justapostos, dividindo áreas como: o centro da cidade, local das atividades comerciais, de serviços e de gestão; áreas industriais; áreas residenciais e áreas destinadas à expansão urbana. Além disso, o espaço urbano pode se caracterizar como sendo fragmentado e articulado, mantendo relações variadas, fruto das interações entre sociedade e natureza reproduzidas em diferentes épocas. (CANEPARO, 1999) O espaço urbano é resultante de relações sociais incorporadas através do tempo. Neste sentido Corrêa afirma que o espaço urbano é um produto social resultado de ações acumuladas através do tempo e engendradas por agentes que produzem e consomem espaço (CORRÊA, 1995). Entre os problemas decorrentes da urbanização rápida, intensa e sem planejamento estão: o aumento da busca por espaço habitável, que não foi acompanhado de um crescimento territorial; falta de coleta de lixo; falta de rede de água e esgoto; além de problemas que causam a dificuldade na circulação da população e a falta de embelezamento. A valorização de determinados espaços também contribuiu para a segregação em classes, na divisão populacional, dentro das cidades. (SPOSITO, 1991) Segundo Diegues, as áreas litorâneas possuem um ecossistema muito rico e diversificado. Trata-se, também de uma área com comunidades tradicionais em que são desenvolvidas, principalmente atividades extrativas. Por ser uma área com grande potencial, os conflitos que surgem estão relacionados aos espaços reduzidos para se desenvolverem essas atividades e outras, interferindo na qualidade de vida da população e na conservação da biodiversidade (DIEGUES, 1995). Caneparo, baseada em COSTA et al (1999, p.41-46) cita em seu trabalho que a urbanização em áreas litorâneas gera situações de tensão como ocupação de áreas de proteção permanente, saneamento básico ineficiente, problemas de prestação de serviços, degradação ambiental e problemas sociais (CANEPARO, 1999). 1. Materiais, métodos e procedimentos metodológicos 3

4 Para o desenvolvimento do trabalho foi utilizado o principio da abordagem sistêmica. Essa trabalha com a ideia de que se devem utilizar diversos conceitos e abordagens sobre o objeto a ser estudado. George ainda fala da necessidade que a Geografia tem de se relacionar com outras ciências, enquanto essas tem um objeto definido, a Geografia faz a unificação e a interpretação desses diferentes objetos. A pesquisa na abordagem sistêmica está baseada na observação e análise dos dados (GEORGE, 1973). A abordagem sistêmica faz uma relação entre sociedade e natureza e tem uma ligação com a ecologia. A teoria que se origina daí deve-se a estudos feitos sobre o meio físico. As partes desse sistema são chamadas de atributos. Já os sistemas se referem aos níveis de organização e as características deles são dinâmicas, podem ser estudados de forma individualizada para depois tornarem se um todo. Podemos trabalhar com essa teoria chamando-a de ecossistema. (MILLANI, 2011) A área selecionada para estudo compreende, aproximadamente, da Avenida Brasil até o ponto de embarque do Ferry Boat, para Guaratuba, passando pelos topos de morro da primeira faixa de Serra do Mar sentido ao Primeiro Planalto. Ressalta-se que tal delimitação foi realizada com o intuito de abranger todo o centro urbano de Matinhos. O limite oficial do município não foi utilizado devido a sua abrangência. Matinhos está localizada na região sul do Brasil, na porção leste do estado do Paraná, entre as coordenadas 25 48' e 25 51' de latitude sul e 48 31'e 48 34' de longitude oeste de Greenwich. O município possui uma área de 118 km², possuindo 36 balneários distribuídos em 17 km (IBGE, 2010). Limita-se ao norte com Pontal do Paraná, ao sul com Guaratuba, a leste com Oceano Atlântico e a oeste com Paranaguá. Distancia-se de Curitiba em 113 km e seu acesso se dá pelas rodovias BR 277, PR 508 e PR 407. Pela BR 376 também é possível chegar à cidade, passando por Garuva (SC) e seguindo através da PR 412 até Guaratuba e fazendo a travessia com a balsa. Para a realização da pesquisa, foram utilizadas fotografias aéreas dos anos de 1963 (Escala 1:70.000) e 1980 (Escala 1:25.000), cedidas pela SEMA (Secretaria do Meio Ambiente) e uma imagem de satélite coletada do Google Earth, através do software Google Earth Pró, referente ao ano de Além disso, também foi utilizada a carta topográfica de Matinhos do ano de 1996, em escala 1: Os softwares GOOGLE EARTH e GOOGLE EARTH PRÓ foram utilizados para a obtenção da imagem referente ao ano de 2003; HUGIN (versão ), para a 4

5 elaboração dos mosaicos; GLOBAL MAPPER 11.2 ( ), para o georreferenciamento das imagens; CARTA LINX da Clark University (versão 1.2; ; Estados Unidos), para a digitalização das imagens e elaboração dos planos de informações, IDRISI TAIGA da Clark University (versão 16.03; ; Estados Unidos) para a manipulação e análises espaciais dos planos de informações e geração dos mapas finais. 2. Caracterização física da área Encontra-se na região de Matinhos, rochas ígneas, sedimentares e metamórficas de diferentes idades. Essas rochas podem ter sofrido metamorfismo de antigos sedimentos marinhos que podem ter sido levados a grandes profundidades da crosta. Os gnaisses também sofreram processo de granitização gerando rochas porfiríticas do Morro de Caiobá e do morrote de Matinhos. No Pleistoceno e no Holoceno, devido às mudanças climáticas e variações no nível do mar, a planície litorânea foi estruturada e na subsuperfície há a Formação Alexandra. O litoral apresenta dois grandes domínios geológicos: o embasamento cristalino e a cobertura sedimentar cenozoica. O embasamento cristalino é representado pelos migmatitos, granitos, gnaisses, micaxistos e granitos, do Pré-Cambriano Superior. O município de Matinhos encontra-se no maciço montanhoso da Serra da Prata e áreas de planície costeira. A área de estudo está situada nas unidades geomorfológicas Planície Litorânea, Serra do Mar e Primeiro Planalto. (BIGARELLA, 2009). Caneparo usa ainda a divisão feita por MAACK (1968, p. 86), considerando que o litoral paranaense pode ser dividido em duas sub-regiões sendo essas a região montanhosa litorânea e a planície litorânea. A planície litorânea se divide em planície aluvial e restinga (CANEPARO, 1999). A área em estudo apresenta relevo bem diversificado, com declividades que variam de menos de 10% a mais de 45% é composta por sedimentos arenosos e manguezais possui relevo plano e suave ondulado, com altitudes inferiores a 40 metros. Fazem parte da hidrografia de Matinhos os rios Da Draga, Matinhos, Da Onça, Canal da Lagoa Amarela, Indaial, Novo, Cambará, Rio do Meio, Cachoeirinha. (BIGARELLA, 2009). O clima da região é do tipo Af(t) de acordo com a classificação de Köeppen. O 5

6 clima é considerado quente, para a região, durante o ano todo e a temperatura média no verão é de 22º C e 18º C no inverno. Na região litorânea a precipitação é maior, pois a presença da formação Serra do Mar, impede que algumas nuvens cheguem até o primeiro planalto, ficando retidas na parte mais baixa do relevo. (CLIMATEMPO, 2012). Segundo a EMBRAPA, verifica-se que nas partes mais elevadas do litoral paranaense, predominam os solos dos grandes grupos Latossolo Vermelho Amarelo e Cambissolo Podzólicos Vermelho Amarelo, além de afloramentos de rochas. Na planície ocorrem o Podzol, os Hidromórficos e os solos de Mangue. (EMBRAPA, 1984). A vegetação do litoral é constituída pela restinga, áreas de mangue e Florestas Tropicais. Também aparecem áreas de reflorestamento, pastagens e de uso agrícola. Encontra-se no bioma Mata Atlântica. (BIGARELLA, 2009) O município de Matinhos situa-se na área de Floresta Ombrófila Densa, porém somente 8% da área florestada é floresta primária (SOS MATA ATLÁNTICA, 2003). A área de restinga foi destruída em grande parte do litoral, dando lugar as ações antrópicas de transformação do meio, como abrindo espaço para a ocupação. Alguns animais encontrados no litoral do Paraná são: guará, garça moura, colhereiro, jacutinga, tié-sangue, jaó, sabiá pimenta, puma, jaguatirica, gato do mato, morcego pescador, tapicuru de cara pelada, beija-flor, papagaio de cara roxa, golfinho, arraia manta, mico leão dourado, tartaruga marinha, fragata, jacu, tucano, pica pau, gralha azul, saíra, bem te vi e sabiá. (GAZETA DO POVO, 2013) 3. Características socioeconômicas da área Matinhos é palavra formada pelo termo mato acrescida do sufixo nominativo masculino plural inhos. O termo mato é substantivo masculino de mata, e origina-se do latim tardio matta, terreno onde medram plantas agrestes. (Prefeitura Municipal de Matinhos Em: <http://www.matinhos.pr.gov.br>. Acesso em: 08/2012.) Entre o balneário de Caiobá e o município de Pontal do Paraná, a praia arenosa é interrompida por um costão rochoso. Assim, quem viajava de Paranaguá a Guaratuba pela orla era obrigado a deixar a praia e atravessar um trecho de restinga, para então retornar à praia. Esse trecho arenoso de vegetação baixa era conhecido como Matinho. (Prefeitura Municipal de Matinhos. Em: <http://www.matinhos.pr.gov.br>. Acesso em: 6

7 08/2012.). Sabe-se pouco sobre a origem dos povos de Matinhos, apenas que são uma miscigenação entre europeus e indígenas, o que originou um povo caboclo. Eram povos muito simples com costumes, misturados, de índios e lusitanos. Isso se refletia no seu modo de vida. (BIGARELLA, 2009). O desenvolvimento da região se deu entre as décadas de 20 e 30 com o aparecimento de veranistas europeus na região litorânea do Paraná, o que ajudou no crescimento e estabelecimento da cidade. (BIGARELLA, 2009). Somente no dia 12 de Junho de 1967 foi promulgada a lei de emancipação do Município de Matinhos, que foi formalmente instalado em 19 de Dezembro de 1968 (Prefeitura Municipal de Matinhos. Em: <http://www.matinhos.pr.gov.br>. Acesso em: 08/2012.). Segundo dados do Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o município de Matinhos possui habitantes, esse valor se refere à população que vive na região. Apresenta uma estrutura social particular, devido às características da formação de sua população fixa e sazonal. Em relação aos veranistas e turistas, alguns balneários recebem na temporada e nos feriados aproximadamente pessoas (IBGE, 2010). Se ainda observarmos os dados oferecidos pelo órgão supra citado, veremos que a população de Matinhos é 99% urbana (QUADRO 1). QUADRO1: Comparação entre população rural e urbana de Matinhos, no ano de Urbano Rural População total (nº de hab.) 29, Mulheres 15, Homens 14, Fonte: IBGE, Organizado pela autora. O município em estudo possui como atividades econômicas o turismo, a pesca artesanal, a agricultura, a pecuária e a indústria, principalmente da construção civil. Em época de alta temporada, quando restaurantes, lanchonetes, sorveterias, bares e hotéis são procurados pela população flutuante, a atividade turística é incrementada de modo a facilitar o acesso dos turistas e moradores. O artesanato local também é muito 7

8 valorizado sendo os principais produtos peças feitas de couro de peixe e conchas (Plano Estratégico de Desenvolvimento do Turismo Regional Em: <http://www.setu.pr.gov.br/arquivos/file/planos/planolitoraldoparana.pdf>. Acesso em: 02/2013). O Produto Interno Bruto (PIB) está diretamente voltado à prestação de serviços, seu valor, em comparação a indústria e a extração, representa 64,23% do PIB total, segundo pesquisa do IPARDES no ano de Os problemas que comprometem o desenvolvimento do ecoturismo no litoral estão ligados a falta de infraestrutura e mão de obra, além do desenvolvimento de atividades impactantes em torno das áreas naturais. Ligados a esses problemas, tem-se o turismo de sol e praia, visitação as unidades de conservação, as atividades portuárias, a degradação de atrativos, entre outros (IMAGEM 1). (NETO, 2007) FIGURA 1: Praia Mansa, em Caiobá. Fonte: A autora, 02/12/2012. O artesanato local e a pesca são fatores culturais bastante valorizados na região. A pesca geralmente é feita por grupos de pescadores que moram próximos e possuem comercio. Os peixes e frutos do mar camarão, peixe, mariscos são destinados ao consumo próprio e também ao comercio. Com relação ao artesanato têm se vários produtos oriundos do que a natureza oferece na região como os produtos feitos de couro de como a tainha. Outro produto comum são as lembrancinhas decorativas feitas das conchas que são encontradas na praia; essas lembram principalmente animais como gaivotas, tartarugas, sapos e peixes. (Em: <http://culturadematinhos.blogspot.com.br/>. Acesso em: 02/2013) Também existem outras atividades que retratam alguns traços culturais presentes na vida da população local, tais como: a escola de surf e os grupos de capoeira, que são uma alternativa de atividades de lazer para a população local. (FIGURAS 2 e 3) IMAGEM 2 e 3: À esquerda: pescador tecendo rede; à direita: grupo de capoeira local. Fonte: A 8

9 autora, 02/12/ Resultados e discussões 1980 e 2003: Seguem as fotografias aéreas e a imagem de satélite referentes aos anos de 1963, FIGURAS 4 e 5: Fotografias aéreas de Matinhos referentes aos anos de 1963 e Fonte: ITCG, 2012 FIGURA 6: Imagem de satélite, de Matinhos, referente ao ano de Fonte: GOOGLE EARTH PRÓ, As imagens apresentadas já passaram pelo processo em que foram feitos os 9

10 mosaicos exceto a fotografia de 1963 e também pelo georreferenciamento. Nelas fica evidente o quanto a malha urbana se adensou, no período estudado. Pode-se observar que em 1963 a área urbana do município concentrava-se essencialmente na área de praia, se adensando em 1980 e atingindo o ápice da ocupação em Também é visível o desenvolvimento da vegetação que restou, apesar da expansão urbana. O quadro seguinte mostra as categorias de Cobertura e Uso da Terra para os anos de 1963, 1980 e 2003 com cinco categorias. Estas áreas foram calculadas de acordo a partir do cruzamento de dados dos layers. (QUADRO 2 e FIGURAS 7, 8 e 9). QUADRO 2 : Cobertura Vegetal e Uso da Terra para os anos de 1963, 1980 e 2003, com 5 categorias. Fonte: Planos de informações da Cobertura Vegetal e Uso da Terra para os anos de 1963, 1980 e 2003, com 5 categorias Área (ha) % Área (ha) % Área (ha) % Área Urbana 305,0 16,52 513,1 27,67 841,9 44,28 Área de Praia 76,9 4,16 66,7 3,6 62,1 3,26 Estágio Inicial da Floresta Ombrófila Montana Mista Floresta Ombrófila Montana Mista 612,8 33,2 84,2 4,54 53,9 2,83 851,0 46,1 1179,8 63,63 934,0 49,12 Pedreira 10,2 0,55 9,2 0,48 TOTAL 1845, ,1 100 Ao se fazer a análise do quadro 2, pode-se perceber que em 1963 a área urbana representava apenas 16,52%, passando em 2003 para 44,28%. Isso representou um crescimento de 27,76%. Motivos que levaram a isso estão ligados aos principais fatores de urbanização do período caracterizados por uma aceleração na economia bem como os movimentos migratórios desencadeados nesse período. O ponto mais expressivo foi em 1980 que a Floresta Ombrófila Montana Mista representava 63,63% da área estudada, justificando no mesmo período e no período posterior, uma área menor da floresta em estágio inicial. FIGURA 7: Mapa de Uso e Cobertura da área central de Matinhos no ano de 10

11 1963. Fonte: A autora FIGURA 8: Mapa de Uso e Cobertura da área central de Matinhos no ano de Fonte: A autora,

12 FIGURA 9: Mapa de Uso e Cobertura da área central de Matinhos no ano de Fonte: A autora, O quadro 3 mostra as categorias de Cobertura e Uso da Terra para os anos de 1963, 1980 e 2003, em que as cinco categorias apresentadas no quadro 2 foram reclassificadas em áreas antropizadas e não antropizadas (valores baseados nos mapas gerados). (QUADRO 3) QUADRO 3 : Cobertura Vegetal e Uso da Terra para os anos de 1963, 1980 e 2003, com 2 categorias Área (ha) % Área (ha) % Área (ha) % Área Antropizada 305,0 16,52 523,3 28,22 850,8 44,76 Área Não Antropizada 1540,9 83, ,7 71, ,9 55,23 TOTAL 1845, ,7 100 Fonte: Planos de informações da Cobertura Vegetal e Uso da Terra para os anos de 1963, 1980 e 2003, com 2 categorias O quadro 3 se assemelha ao quadro 2 quando se observa o crescimento da área urbana (QUADRO 2) relacionando-o ao crescimento da área antropizada (QUADRO 3). O crescimento foi praticamente o mesmo nessas categorias, nos diferentes anos apresentados pelas tabelas além de apresentarem valores semelhantes para o ano de 12

13 2003. A partir dos valores observados e da bibliografia levantada, o acentuado crescimento na área urbana também se expressa nos valores populacionais com um valor inexpressivo referente à população rural. Deve-se levar em consideração que a área de pedreira é considerada uma área antropizada, levando a uma diferença considerável entre os valores apresentados entre 1963 e Tanto no quadro como nos mapas fica muito visível o adensamento urbano, mas ao mesmo tempo em que isso ocorre, tem-se também o desenvolvimento da vegetação que se manteve presente em determinadas áreas. A seguir tem-se a projeção para o ano de 2020 no quadro 4 e representada na FIGURA 11, a seguir. FIGURA 11: Mapa da Projeção de Uso e Cobertura da área central de Matinhos para o ano de Fonte: A autora, Pode-se observar na projeção para 2020, um curioso fato a respeito da vegetação: a Floresta Ombrófila Montana Mista se torna muito mais expressiva visualmente, porém os valores obtidos mostram uma redução de área. Ao observar o quadro 5 e comparar com os dados do quadro 4, pode-se esperar que antropização não avance tanto sobre as áreas com vegetação. Áreas que antes eram ocupadas pela Fase Inicial da Floresta Ombrófila Montana Mista poderão ser 13

14 preservadas e chegar a um estado mais avançado como pode ser observado nas tabelas referentes ao período estudado. Tem-se que levar em conta que zonas costeiras são muito dinâmicas fazendo com que as áreas de praia sofram influências, como das marés, e alterem os valores devido ao crescimento ou diminuição dos locais onde tem areia. Quadro 5 : Cobertura Vegetal e Uso da Terra estimados para o ano de 2020, com 2 categorias. Fonte: Planos de informações da Cobertura Vegetal e Uso da Terra para o ano de 2020, com 2 categorias Área (ha) % Área (ha) % Área (ha) % Área (ha) % Área Antropizada 305,0 16,52 523,3 28,22 850,8 44,76 876,96 45,16 Área Não Antropizada 1540,9 83, ,7 71, ,9 55, ,83 54,83 TOTAL 1845, , O processo de urbanização ocorreu sem um planejamento adequado e devido a sua intensidade gerou problemas como a poluição dos rios; ocupação das áreas com vegetação nativa e de vertentes; deficiência na coleta de lixo (FIGURA 13); ocupação por moradias e construção de infraestrutura como avenida em área suscetível ao avanço do mar (FIGURA 12). Problemas decorrentes do processo de antropização acelerado, bem como da falta de planejamento, são mostrados nas figuras a seguir. FIGURAS 12: Orla destruída pela dinâmica costeira. Próximo a Av. Brasil, em Matinhos. FIGURA 13: Lixo em área exclusiva aos pedestres, Praia Mansa, em Matinhos 5. Considerações finais FONTE: A autora, 16/02/2013. Pode-se concluir que o crescimento da área urbana em Matinhos é comprovado 14

15 por teorias de urbanização, observações realizadas em campo e métodos de SIG. O que leva a concluir isso se deve, também, as observações realizadas em campo sem fins científicos no período que vai de 2002 a O processo ocorreu de forma acelerada e sem planejamento o que acarretou em falta de infraestrutura tanto para os moradores quanto para os turistas. Isso fez com que houvesse a ocupação de áreas irregulares, promovidas também pela especulação imobiliária relacionada à venda de domicílios com a finalidade de segunda residência, gerando problemas diversos a população. Entre esses problemas podemos citar a falta de rede de esgoto e captação pluvial, que provoca inundações; o despreparo quanto à distribuição de água, fazendo com que o fornecimento seja interrompido e problemas como a falha na coleta de lixo. O site Paraná-Online (19/07/2002) também faz referência ao tema expondo que a população que vive do turismo, como pescadores e donos de pousadas, reclamam da queda de movimento devido, principalmente, a insegurança, ao alto valor do IPTU, a cobrança de pedágio e as ressacas. Uma sugestão para melhorar essas condições seria o desenvolvimento sustentável. Ao se falar em desenvolvimento não se pode levar em consideração apenas os aspectos econômicos, mas também os ambientais, pois a eles se relacionam as condições de vida da população. Assim, a sustentabilidade se baseia nos princípios ecológico, social, cultural, econômico e espacial. O desenvolvimento de infraestruturas adequadas na região é um fator importante a ser levado em conta, além disso, cabe aos órgãos responsáveis a divulgação do município e a busca de recursos que atendam tanto a comunidade local como aqueles que visitam o município em determinadas épocas do ano. A possibilidade de se desenvolver novas pesquisas ou continuar o trabalho na área não está descartada, pois o desenvolvimento do município pode contribuir para o desenvolvimento e preservação dos municípios litorâneos como um todo. Bibliografia ÂNGULO, Rodolfo José. As Praias do Paraná: problemas decorrentes de uma ocupação inadequada. R. paran. Desenv., Curitiba, n. 99, p , jul./dez AUDI, Amanda. Bichos do Paraná à solta no litoral. Gazeta do Povo. Curitiba. 30 jan. 15

16 2013. Disponível em: <http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/verao/conteudo.phtml?id= & tit=bichos-do-parana-a-solta-no-litoral>. Acesso em: 03/2013. BATISTA, R. Matinhos, passado e presente. Gazeta do Povo. Disponível em: <http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/verao/conteudo.phtml?id= >. Acesso em 01/2012 BIGARELLA, João José. Matinho: Homem e Terra Reminiscências... 9.ed. Fundação Cultural de Curitiba, BORELLI, Elizabeth. URBANIZAÇÃO E QUALIDADE AMBIENTAL: O PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ESPAÇO DA COSTA BRASILEIRA. In: Revista Internacional Interdisciplinar Interthesis. v. 4 n. 1. Florianópolis, CANEPARO, Sony Cortese. MANGUEZAIS DE PARANAGUÁ: UMA ANÁLISE DA DINÂMICA ESPACIAL DA OCUPAÇÃO ANTRÓPICA f. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Climatempo Climatologia. Disponível em:<http://www.climatempo.com.br/climatologia/4284/matinhos>. Acesso em: 12/2012. CONSEG Litoral CONSEG. Disponível em: <http://www.conseg.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=53>. Acesso em: 12/2012 CORRÊA, Roberto Lobato. O Espaço Urbano. 4.ed. Série Princípios. Ed. Ática. São Paulo, Cultura de Matinhos. Disponível em: < Acesso em: 01/2013. DIEGUES, Antonio Carlos Sant Ana. Ecologia Humana e Planejamento em Áreas Costeiras. São Paulo, NUPAUB, IPARDES. CADERNO ESTATÍSTICO DO MUNICÍPIO DE MATINHOS. Disponível em: <http://www.ipardes.gov.br/cadernos/montapdf.php?municipio=83260>. Acesso em:02/2013. LEAL, C. T. A Valoração Paisagística Aplicada ao Planejamento Ambiental Urbano: estudo de caso do Município de Matinhos PR. 129 f. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo) Setor de Ciências da Terra, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, NETO, José C. da Fonseca. Ecoturismo no Litoral do Paraná: Caminhos e Descaminhos f. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento). Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná Online. Núcleo da Federal discute os problemas de Matinhos. Paraná-Online. Disponível em: <https://paranaonline.com.br/editoria/cidades/news/18135/?noticia=nucleo+da+federal+disc UTE+OS+PROBLEMAS+DE+MATINHOS>. Acesso em: 03/

17 Litoral. Peixes e Pesca em Guaratuba, Matinhos, Caiobá e Litoral do Paraná Panorama do Litoral. Disponível em: <http://www.litoral.inf.br/guaratuba/guaratubapeixes.htm>. Acesso em: 03/2012 PEREIRA, G. H. ; CANEPARO, S. C. Simulação do crescimento das áreas antropizadas da bacia do rio Verde Paraná Brasil, utilizando cadeia de markov e automata celular em ambiente SIG ( ). Costa Rica: XIII ENCUENTRO DE GEÓGRAFOS DE AMÉRICA LATINA (EGAL), PLANO NACIONAL DE GERENCIAMENTO COSTEIRO (PNGC II). 03 dez Ministério do Meio Ambiente, Acesso em: 03/2013. Prefeitura de Matinhos. Disponível em:<http://www.matinhos.pr.gov.br>. Acesso em: 12/2011. RICOBOM, Arnaldo Eugênio. O Parque do Iguaçu como unidade de conservação da natureza no âmbito do Mercosul: os problemas decorrentes da degradação ambiental f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Metodologia auxiliar para revisão de planos diretores municipais através da aplicação da cartografia prospectiva estudo de caso perímetro urbano de Paranaguá f. Tese (Doutorado em Geografia) Universidade Federal do Paraná. Curitiba, SILVEIRA, Marcos Aurélio Tarlombani da. Planejamento territorial e dinâmica local: bases para o turismo sustentável. In: RODRIGUES, Adyr Balastreri. Turismo Desenvolvimento Local. Hucitec. São Paulo, SOUZA, Marcelo Lopes de. ABC do Desenvolvimento Urbano. 6.ed. Ed. Bertrand Brasil. Rio de Janeiro, SPOSITO, Maria Encarnação B. Capitalismo e Urbanização. 4.ed. Coleção REPENSANDO A GEOGRAFIA. Ed. Geografia Contexto. São Paulo, STROHAECKER, T. M.. A dinâmica socioespacial da zona costeira brasileira. In: XII Encuentro de Geografos de America Latina, 2009, Montevideo. Anais do XII Encuentro de Geografos de America Latina, Dinâmica populacional. Macrodiagnóstico da Zona Costeira e Marinha do Brasil. Brasília: IBAMA/MMA, 2008, v., p MATINHOS.COM. TURISMO EM MATINHOS, PARANÁ, BRASIL. Disponível em: <http://www.matinhos.com/site/?page_id=1>. Acesso em: 02/

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS

AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS Revista Ceciliana Jun 4(1): 55-59, 2012 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

TRABALHO DE GEOGRAFIA ESTUDOS ORIENTADOS 1º ANO ENSINO MÉDIO NOTURNO

TRABALHO DE GEOGRAFIA ESTUDOS ORIENTADOS 1º ANO ENSINO MÉDIO NOTURNO TRABALHO DE GEOGRAFIA ESTUDOS ORIENTADOS 1º ANO ENSINO MÉDIO NOTURNO 1) O gráfico baixo indica uma forma de organização do espaço rural. Sobre esse gráfico é possível inferir: a) Trata-se da representação

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Realização: Patrocínio: Execução Técnica: PRIMEIRO MAPEAMENTO DA MATA ATLÂNTICA SOS Mata Atlântica INPE e IBAMA Escala: 1:1.000.000 CONCLUÍDO:

Leia mais

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores:

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores: Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Desafios Uma cidade com a natureza exuberante e diferenciada merece um levantamento a sua altura: Inédito Único no Brasil Multidisciplinar

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução

Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução ANÁLISE COMPARATIVA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS SAGRADO E MARUMBI: PRINCIPAIS CONDICIONANTES FÍSICOS PREDOMINANTES NA OCORRÊNCIA DE MOVIMENTOS DE MASSA¹ Universidade Federal do Paraná (UFPR) Juliana

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

GEOGRAFIA. transformadas

GEOGRAFIA. transformadas GEOGRAFIA Disciplina A (currículo atual 2008) Disciplina B (currículos extintos) 1ª período 59480 Cartografia Geral 68 Geografia Cartografia B 136 37230 Geografia Contida Ementa: Aborda os fundamentos

Leia mais

INVENTÁRIO DAS FONTES POLUIDORAS/CONTAMINANTES DOS RECURSOS VIVOS MARINHOS DO BRASIL

INVENTÁRIO DAS FONTES POLUIDORAS/CONTAMINANTES DOS RECURSOS VIVOS MARINHOS DO BRASIL INVENTÁRIO DAS FONTES POLUIDORAS/CONTAMINANTES DOS RECURSOS VIVOS MARINHOS DO BRASIL ANTECEDENTES Em continuidade aos trabalhos do Programa Nacional de Gerenciamento Costeiro (GERCO), o Ministério do Meio

Leia mais

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição As praias da Conceição, Tainha, Porto da Vó, Retiro dos Padres, Caixa D Aço, Geremias, Gravatá, Poá e São Miguel encontram-se em processo avançado de urbanização (Fichas 43 a 52 e Anexo 1). Nestas praias

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DAS DERIVAÇÕES ANTROPOGÊNICAS EM ÁREAS DE MANGUEZAIS EM ARACAJU-SE. Geisedrielly Castro dos Santos¹

ANÁLISE COMPARATIVA DAS DERIVAÇÕES ANTROPOGÊNICAS EM ÁREAS DE MANGUEZAIS EM ARACAJU-SE. Geisedrielly Castro dos Santos¹ NÁLISE COMPRTIV DS DERIVÇÕES NTROPOGÊNICS EM ÁRES DE MNGUEZIS EM RCJU-SE. Geisedrielly Castro dos Santos¹ 1 Mestra e Doutoranda em Geografia, UFS, racaju-se, geisecastrosantos@hotmail.com. RESUMO: Os manguezais

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73.

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73. 1 de 27 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA PROJETO: GERENCIAMENTO INTEGRADO DE AGROECOSSISTEMAS EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORTE-NOROESTE FLUMINENSE - RIO RURAL/GEF

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental COBESA CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA Augusto César da Silva Machado Copque Geógrafo

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING.

ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING. ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING. RODRIGUES, Caroline Gomes 1, COSTA, Bruno Lopes ², CORREIA, Mariana Ribeiro³ 1 Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Aluno (a): Disciplina GEOGRAFIA Curso Professor ENSINO MÉDIO FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Série 1ª SÉRIE Número: 1 - Conteúdo: Domínios morfoclimáticos - estudar as interrelações

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

Geomorfologia e Planejamento. Rosangela do Amaral Geógrafa, Pesquisadora Científica Instituto Geológico - SMA

Geomorfologia e Planejamento. Rosangela do Amaral Geógrafa, Pesquisadora Científica Instituto Geológico - SMA Geomorfologia e Planejamento Rosangela do Amaral Geógrafa, Pesquisadora Científica Instituto Geológico - SMA O que é a GEOMORFOLOGIA? Dolatimgeo=terra,morfo=forma,logos=estudo CiênciadaNaturezaqueestudaeexplicaasformasdaTerra.

Leia mais

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG.

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. Resumo Cristina Silva de Oliveira¹ (UFJF³, chrisoliveira.jf@gmail.com) Daiane Evangelista

Leia mais

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo Importância da Floresta Proteção e conservação do solo e da água; Produção de madeira (casas, barcos, carvão; etc); Produção de alimentos

Leia mais

Karyna D Onofre Neves Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Bacharelado em Gestão e Análise Ambiental Wagner Sousa, Marcilene Dantas Ferreira

Karyna D Onofre Neves Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Bacharelado em Gestão e Análise Ambiental Wagner Sousa, Marcilene Dantas Ferreira Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 PERCEPÇÃO AMBIENTAL NA MICRO BACIA DO CÓRREGO DA ÁGUA QUENTE, SÃO CARLOS SP: ÁREAS DEGRADADAS COMO FATORES DE INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO Karyna D Onofre Neves

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Utilização de SIG aliado ao sistema de gestão ambiental em cursos d água urbanos.

Utilização de SIG aliado ao sistema de gestão ambiental em cursos d água urbanos. Utilização de SIG aliado ao sistema de gestão ambiental em cursos d água urbanos. AUTORES: Reginal Exavier¹, Elizabeth Rodrigues Brito Ibrahim² ¹Graduado no curso de Engenharia Ambiental e Sanitária pelo

Leia mais

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB.

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Itallo Harlan Reinaldo Alves Gomes (1) ; Jessily Medeiros Quaresma (2) ; Francisco José (3) ; Laedy Cecília

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO VERDE RMC - PARANÁ, BRASIL, POR MEIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA

IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO VERDE RMC - PARANÁ, BRASIL, POR MEIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO VERDE RMC - PARANÁ, BRASIL, POR MEIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA Profª. Drª. Sony Cortese Caneparo Profª. Associado - Departamento de Geografia

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R:

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R: Data: / /2014 Bimestre: 3 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 6 1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br Geografia Professor Marcelo saraiva Principais Temas: Noções básicas de cartografia Natureza e meio ambiente no Brasil As atividades econômicas e a organização do espaço Formação Territorial e Divisão

Leia mais

Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG

Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG Este relatório tem como objetivo apresentar as atividades executadas pelo grupo de pesquisa da Faculdade

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG.

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG. UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG. PEDRO HENRIQUE BAÊTA ANGELINI 1, ROSÂNGELA ALVES TRISTÃO BORÉM

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação Disciplina: Geografia Trimestre: 1º PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 1. População: - Crescimento populacional - O espaço urbano e o processo de urbanização - Teorias demográficas. 2. Mundo contemporâneo:

Leia mais

BACIA DO RIO DAS VELHAS

BACIA DO RIO DAS VELHAS BACIA DO RIO DAS VELHAS A bacia hidrográfica do rio das Velhas está localizada na região central do estado de Minas Gerais, entre as coordenadas 17 o 15 e 20 o 25 S - 43 o 25 e 44 o 50 W, apresentando

Leia mais

Praias em Processo de Urbanização

Praias em Processo de Urbanização Praias em Processo de Urbanização Conforme citado anteriormente, os perfis 3, 4, 6, (Passo de Torres), 11, 12, 15, 16, 18, 43 (Balneário Gaivota), 20, 22, 23, 26,44, 45 (Arroio do Silva), 28, 29, 30, 32,

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE

REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE CHAMADA PÚBLICA 1ª EDIÇÃO DA REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE JUVENTUDE SECRETARIA NACIONAL DE JUVENTUDE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE 1. Apresentação da Chamada: A Revista Juventude

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: Geografia ANO: 7ºano TURMAS: B, C ed ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: A Terra: Estudos e Representações (1º Período) AULAS PREVISTAS:

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional REGIÃO NORTE REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional GRANDE ÁREA COM PEQUENA POPULAÇÃO, O QUE RESULTA EM UMA BAIXA DENSIDADE DEMOGRÁFICA (habitantes por quilômetro

Leia mais

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos.

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável Sistema de Informação Dados Armazenados Questão Informação Laboratório de Geoprocessamento (LAGEO) Programa de Mestrado em Ciências

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL Carolina Rodrigues Bio Poletto¹ & Getulio Teixeira Batista² UNITAU - Universidade de Taubaté Estrada Municipal

Leia mais

MATA DAS ARAUCÁRIAS BRUNA F. N. DE SOUZA LUCAS UENO SUGANUMA SHEILA GORSKI YASMIN MARTINELLI CHIN

MATA DAS ARAUCÁRIAS BRUNA F. N. DE SOUZA LUCAS UENO SUGANUMA SHEILA GORSKI YASMIN MARTINELLI CHIN MATA DAS ARAUCÁRIAS BRUNA F. N. DE SOUZA LUCAS UENO SUGANUMA SHEILA GORSKI YASMIN MARTINELLI CHIN LOCALIZAÇÃO Pequena porção do Estado de São Paulo e Região Sul (principalmente Paraná e Santa Catarina)

Leia mais

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves²

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² ¹Professor do Curso de Geografia da UnU Iporá. - UEG ² Bolsista PBIC/UEG, Acadêmico do

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar Nº 20080901 Setembro - 2008 Maria Luiza Furtado de Mendonça, Luiz Roberto

Leia mais

LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL*

LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL* LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL* BOLFE, É. L. 1 I. INTRODUÇÃO A necessidade de conhecer os modelos atuais de uso da terra e as modificações

Leia mais

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica SIG Sistema de Informação Geográfica O SIG é um sistema de Informação

Leia mais

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ 1. INTRODUÇÃO Otacílio Lopes de Souza da Paz Acadêmico de Geografia UFPR otacílio.paz@gmail.com

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor

Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor e conservação de água mediante adequação ambiental em propriedades rurais na Região Metropolitana

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO *Thomaz Alvisi de Oliveira 1 ; Paulina Setti Riedel 2 ; Célia Regina de Gouveia Souza 3

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas

Leia mais

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

TRILHA DO CONHECIMENTO SANEAMENTO. ARCGIS - AÇÕES COMERCIAIS NO DMAE Fernando André Neuwald

TRILHA DO CONHECIMENTO SANEAMENTO. ARCGIS - AÇÕES COMERCIAIS NO DMAE Fernando André Neuwald TRILHA DO CONHECIMENTO SANEAMENTO ARCGIS - AÇÕES COMERCIAIS NO DMAE Fernando André Neuwald ARCGIS - AÇÕES COMERCIAIS NO DMAE Esta apresentação é um breve resumo das ações comerciais executadas no DMAE,

Leia mais

PROSPOSTA DE METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA SINTETIZADA DE ÁREA DEGRADADA PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO

PROSPOSTA DE METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA SINTETIZADA DE ÁREA DEGRADADA PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO PROSPOSTA DE METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA SINTETIZADA DE ÁREA DEGRADADA PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO Autores: Jonathan J. Campos, William de O. Sant Ana, Jefferson de Faria, Maria G. R. de Souza,

Leia mais

Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba

Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba Município de Santana de Parnaíba Plano Diretor 2005/2006 (para o período 2006/2013) ANEXO A.02 SANTANA DE PARNAÍBA DADOS GERAIS Referência em: Art. 8º 0 SANTANA

Leia mais

Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG

Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG Resumo A Bacia Hidrográfica do Rio Doce apresenta uma extensão territorial

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 2 Tipos de vegetação Vegetação é caracterizada como o conjunto de plantas de uma determinada região. Em razão da

Leia mais

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS Flavia Maria de Assis Paula 1,3 Elaine Alves Lobo Correa 2,3 José Vandério Cirqueira Pinto 2,3 RESUMO

Leia mais

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR Celia Regina de Gouveia Souza Pesquisadora Científica - Instituto Geológico-SMA/SP Profa. Colaboradora

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROFa. JULIANA NOME N o 8 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

Geografia Leituras e Interação

Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação às Orientações Teórico-Metodológicas para o Ensino Médio do estado de PERNAMBUCO Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

BAIRRO DA BARRA CONTEXTO SOCIOECONÔMICO

BAIRRO DA BARRA CONTEXTO SOCIOECONÔMICO Quadro 5: Contexto socioecológico do Bairro da Barra, município de Balneário Camboriú (SC). BAIRRO DA BARRA DESCRIÇÃO DOS RECURSOS - Morrarias - Foz do Rio Camboriú - Limite com Rio Camboriú - Rio Camboriú

Leia mais

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL DIMENSÃO SOCIAL . DINÂMICA POPULACIONAL Esta seção tem como objetivo expor a evolução e distribuição da população no território paranaense, apontando, em particular, a concentração que se realiza em determinadas

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais